Resíduos de construção e demolição

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resíduos de construção e demolição"

Transcrição

1 Resíduos de construção e demolição 1. A quem este documento de apoio se dirige: Aos produtores e aos operadores de gestão de resíduos de construção e demolição (RCD). 2. Porque é que os operadores de gestão de RCD são obrigados a preencher MIRR? Por serem pessoas singulares ou coletivas que procedem ao tratamento de resíduos a título profissional (alínea c) do n.º 1 do artigo 48.º do Decreto-Lei n.º178/2006, de 5 de setembro, na sua redação atual (RGGR). Incluem-se as operações que se encontram sujeitas a licenciamento, mas também as operações de tratamento que estão isentas de licenciamento, tais como: A incorporação de RCD em obra valorização interna A britagem de RCD na obra de origem ou em local análogo pertencente à mesma entidade 3. E quais os produtores de RCD que têm de submeter o MIRR? Os produtores de RCD têm de submeter o MIRR se (alíneas a) e b) do n.º 1 do artigo 48.ºdo RGGR): Produzirem resíduos perigosos ou Tiverem mais de 10 trabalhadores Neste caso, devem selecionar o enquadramento produtor de resíduo, ficando disponível para preenchimento o formulário B. Alerta-se que resíduos como latas de tinta ou diluente vazias, óleos usados ou panos absorventes contaminados com óleo são classificados como resíduos perigosos. O MIRR não tem de ser submetido para cada obra per si como estabelecimento. Os resíduos produzidos em cada uma das obras, de carácter temporário (duração inferior a um ano), devem ser declarados no MIRR do estabelecimento da organização que se localiza mais perto da referida obra. Desta forma, as obras que têm uma duração superior a um ano (e que verifiquem os critérios suprarreferidos) devem ser registadas como estabelecimento para efeitos de preenchimento do MIRR. Também se enquadram como estabelecimento para preenchimento de MIRR enquanto produtores de resíduos os locais afetos a obras, como sejam os estaleiros, onde se efetua a armazenagem preliminar de RCD. Neste caso, e se todos os resíduos produzidos nas obras forem concentrados no estaleiro, apenas o estaleiro é considerado como estabelecimento. A armazenagem preliminar, que consiste na deposição controlada de resíduos, por período não superior a um ano, antes de se verificar a operação de recolha, no próprio local de produção (nas instalações onde é produzido), ou em (outras) instalações (do próprio produtor) onde os

2 resíduos são descarregados (operação de deposição controlada) a fim de serem preparados para posterior transporte para outro local para efeitos de tratamento, não carece de licenciamento, e não é uma operação de tratamento de resíduos. Assim, não deve ser selecionado nestas situações o enquadramento operador de gestão de resíduos. 4. Quando existem vários produtores de resíduos na mesma obra quem se assume como o produtor dos RCD? No caso de existirem vários produtores de resíduos na mesma obra, deve ser analisado o regime contratual, no sentido de averiguar a quem pertence a responsabilidade dos mesmos. Considera-se como responsável pelos resíduos para efeitos de preenchimento MIRR quem desenvolve a atividade produtora dos mesmos, a menos que esta responsabilidade seja transferida contratualmente para terceiros. Nesta situação será a entidade terceira a preencher MIRR enquanto produtor de resíduos. 5. Os materiais/produtos reutilizados devem ser registados no MIRR? Os materiais/produtos reutilizados não são considerados resíduos e não são por isso objeto de registo no MIRR. Alerta-se no entanto que devem ser cumpridos os requisitos para que a utilização destes materiais/produtos possa ser classificada como reutilização, conforme parágrafos seguintes. De acordo com a definição constante da alínea nn) do Artigo 3.º do RGGR, a reutilização traduzse em qualquer operação mediante a qual produtos ou componentes que não sejam resíduos são utilizados novamente para o mesmo fim para que foram concebidos configurando, assim, um meio de prevenção de resíduos e não uma operação de gestão de resíduos. Neste contexto, os materiais/produtos que sejam novamente utilizados na aceção da definição anterior, desde que, por razões de segurança ou saúde pública, obedeçam às especificações técnicas e certificação/homologação respetivas dos produtos virgens que pretendem substituir não são considerados resíduos e, deste modo, o seu encaminhamento e gestão não recai no âmbito da legislação em matéria de resíduos. São exemplos de reutilização de materiais, a reutilização de lâmpadas fluorescentes, de portas ou de janelas. Também, de acordo com o Artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 46/2008, de 12 de março, considera-se que poderá haver lugar à reutilização de solos e rochas em obra, desde que não contenham substâncias perigosas, quer na obra de origem, quer noutra obra sujeita a licenciamento ou comunicação prévia, e ainda nos restantes destinos previstos no n.º 2 do mesmo artigo. Essa reutilização não deve, ainda, gerar efeitos adversos sobre o ambiente, nomeadamente através da criação de perigos para a água, o ar, o solo, a fauna e a flora, perturbações sonoras ou odoríficas ou de danos em quaisquer locais de interesse e na paisagem. 6. Os resíduos de solos e rochas devem ser registados no MIRR? Sim, exceto se forem reutilizados em obra nas condições previstas no Artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 46/2008, de 12 de março e descritas na resposta anterior.

3 7. Como se regista a valorização interna de RCD? A valorização de RCD, nomeadamente a britagem de RCD e subsequente integração na mesma obra constitui uma operação de gestão de resíduos, em concreto, de utilização de RCD em obra, sendo-lhe consequentemente aplicável o Artigo 7.º do Decreto-Lei n.º 46/2008. Refere-se que nos casos de a britagem de RCD se verificar na obra de origem ou em local análogo à produção do resíduo pertencente à mesma entidade, é dispensada de licenciamento de acordo com o n.º 3 do Artigo 13.º do Decreto-Lei nº 46/2008 e alínea e) do Artigo 23.º do RGGR. A alínea c) do n.º 3 do Artigo 13.º do Decreto-Lei n.º 46/2008 também isenta de licenciamento as operações de reciclagem que impliquem a reincorporação de RCD no processo produtivo de origem. Se a valorização dos RCD ocorrer no próprio estabelecimento, devem ser escolhidos os perfis MIRR de Produtor de resíduos e Operador de Gestão de Resíduos (processamento final de resíduos) ou Operador de Gestão de Resíduos (processamento intermédio de resíduos), conforme aplicável: No Formulário B (associado ao perfil Produtor de resíduos) deve ser identificado o próprio estabelecimento enquanto destinatário e transportador dos resíduos em causa. No Formulário C1 (associado aos perfis de Operador de gestão de resíduos) deve ser identificado o próprio estabelecimento enquanto origem e transportador dos resíduos. O Formulário C2 (associado ao perfil Operador de Gestão de Resíduos (processamento intermédio de resíduos) deve ser preenchido quando os RCD processados continuam a ser resíduos. O destinatário dos resíduos processados será: o O próprio estabelecimento quando os RCD processados forem utilizados/incorporados na mesma obra; o Outro estabelecimento/obra onde os RCD processados vão ser utilizados/incorporados; o Outro estabelecimento. Se a valorização dos RCD ocorrer em local análogo pertencente à mesma entidade, deve ser escolhido apenas o perfil MIRR de Produtor de resíduos com vista ao preenchimento do Formulário B (se cumprir os requisitos definidos no ponto 3.). O estabelecimento onde é feita a valorização deverá também efetuar o preenchimento do MIRR associado ao perfil MIRR Operador de Gestão de Resíduos (processamento final de resíduos) ou Operador de Gestão de Resíduos (processamento intermédio de resíduos), conforme aplicável. 8. Como se regista a valorização em obra de RCD recebidos de outras origens? O registo dos RCD recebidos, provenientes de outros produtores, e sujeitos a operações de gestão de RCD deve ser efetuado no formulário C1 do MIRR. Para esse efeito deve ser registada a operação efetuada e identificadas todas as origens dos resíduos recebidos, mesmo que o produtor dos mesmos seja o próprio estabelecimento. Os resíduos sujeitos a valorização em obra e que sejam posteriormente encaminhados para um outro destino devem ser declarados no formulário C2 Ficha sobre resíduos processados.

4 9. Qual o enquadramento MIRR que deve ser selecionado? O enquadramento Produtor de resíduos deve ser selecionado para: Estabelecimentos que sejam os produtores iniciais de resíduos perigosos ou tenham mais de 10 trabalhadores; Estabelecimentos onde se efetue a armazenagem preliminar de resíduos. O enquadramento Operador de Gestão de Resíduos (processamento final de resíduos) deve ser selecionado para estabelecimentos: Que efetuam operações de gestão de RCD das quais não resulte qualquer resíduo secundário (proveniente dos resíduos tratados). Incluem-se, por exemplo, a britagem e/ou a incorporação de RCD em obra. O enquadramento Operador de Gestão de Resíduos (processamento intermédio de resíduos) deve ser selecionado para estabelecimentos: Que efetuem operações de gestão dos RCD a partir dos quais se produzam outros resíduos que são encaminhados para outro estabelecimento, ou sujeitos a outra operação de tratamento no próprio estabelecimento. Inclui-se, por exemplo, a britagem de RCD para utilização noutra obra, o processamento de RCD em conformidade com Especificações Técnicas do LNEC, ou quando da britagem de RCD resultem resíduos que não podem ser incorporados em obra e são encaminhados para outro operador. 10. O que preencher no formulário B? Enquadram-se aqui todos os resíduos que sejam produzidos inicialmente no estabelecimento, identificando: O destinatário dos resíduos, caso tenham sido encaminhados para outro estabelecimento; O próprio estabelecimento como destinatário dos resíduos, caso seja efetuada a britagem de RCD subsequente integração na mesma obra ou reincorporação no processo produtivo de origem; Outro estabelecimento pertencente à mesma entidade, quando a britagem e utilização dos RCD ocorre em local análogo pertencente à mesma entidade; 11. O que preencher no formulário C1? Devem ser registados todos os resíduos rececionados para tratamento no estabelecimento que tenha licenciamento para efetuar operações de gestão de RCD ou esteja isento de licenciamento, incluindo: Resíduos produzidos no próprio estabelecimento; Resíduos produzidos noutros estabelecimentos pertencentes à mesma entidade; Resíduos produzidos em estabelecimentos pertencentes a outras entidades (outras obras); Incorporação de RCD em obra, incluindo os RCD que tenha sido processados em conformidade com Especificações Técnicas do LNEC. Não devem ser registados no formulário C1: Os resíduos que sejam armazenados preliminarmente em estaleiros.

5 12. Como devo preencher os campos quantidade armazenada no início do ano e quantidade armazenada no final do ano do formulário C1? Apenas deve preencher estes campos se os resíduos não são tratados imediatamente (no ano do registo) e são armazenados temporariamente nas instalações a aguardar tratamento no estabelecimento. Neste caso não deve ser utilizada a operação D15 ou R13. Caso os resíduos rececionados sejam todos tratados imediatamente (no ano do registo) estes campos devem ser preenchidos com 0 (zero). 13. O que preencher no formulário C2? Devem ser registados todos os resíduos que: Sejam encaminhados tal-e-qual para outro estabelecimento após armazenamento (operações R13 ou D15); Sejam encaminhados para outro estabelecimento após tratamento, incluindo: o RCD que vão ser utilizados noutra obra (estabelecimento); o Resíduos que após tratamento sejam encaminhados para outros destinos, nomeadamente depois dos RCD serem processados em conformidade com Especificações Técnicas do LNEC; o Resíduos resultantes de britagem ou triagem (que não podem ser incorporados em obra) e tenham outro estabelecimento como destino. Sejam utilizados/incorporados em obra no mesmo estabelecimento. Não devem ser registados no formulário C2: Resíduos que após tratamento sejam considerados produtos/materiais (deixem de ser resíduos) encaminhados para outros destinos. 14. Em que situações deve ser utilizado o código de operação R5? O código de operação R5 deve ser registado para a incorporação e utilização de RCD em obra, processados em conformidade com Especificações Técnicas do LNEC, e ainda nas situações em que o processamento de RCD origina produtos ou materiais que deixam de ser resíduos. 15. Em que situações deve ser utilizado o código de operação R12? O código de operação R12 deve ser utilizado para a triagem e britagem de RCD e ainda para o processamento de RCD em conformidade com as Normas Técnicas do LNEC.

Resíduos de construção e demolição

Resíduos de construção e demolição Nota: a azul encontram-se identificadas as alterações efetuadas ao documento face à versão anterior Resíduos de construção e demolição A quem este documento de apoio se dirige: Aos produtores e aos operadores

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) JULHO 2017

PERGUNTAS FREQUENTES RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) JULHO 2017 PERGUNTAS FREQUENTES RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) JULHO 2017 Índice A. ENQUADRAMENTO LEGAL E ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 1 1. Qual a legislação específica aplicável à gestão de resíduos de construção

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) ABRIL 2016

PERGUNTAS FREQUENTES RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) ABRIL 2016 PERGUNTAS FREQUENTES RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) ABRIL 2016 Índice A. ENQUADRAMENTO LEGAL E ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 1 1. Qual a legislação específica aplicável à gestão de resíduos de construção

Leia mais

Em caso de impossibilidade de determinação do produtor do resíduo, a responsabilidade pela respectiva gestão recai sobre o seu detentor.

Em caso de impossibilidade de determinação do produtor do resíduo, a responsabilidade pela respectiva gestão recai sobre o seu detentor. Resíduos de construção e demolição O D.L. n.º 46/2008, de 12 de Março, alterado pelo D.L. n.º 73/2011, de 17 Junho, estabelece o regime das operações de gestão de resíduos resultantes de obras ou demolições

Leia mais

Conceito de Comerciante e Corretor nos termos do Regime Geral de Gestão de Resíduos

Conceito de Comerciante e Corretor nos termos do Regime Geral de Gestão de Resíduos Comerciante/Corretor Versão 3: 26 de maio de 2017 Conceito de Comerciante e Corretor nos termos do Regime Geral de Gestão de Resíduos Índice 1. Enquadramento legislativo e pressupostos... 1 1.1 Pressupostos

Leia mais

Manual de preenchimento do MAPA INTEGRADO DE REGISTO DE RESÍDUOS. no Sistema Integrado de Licenciamento do Ambiente (SILiAmb)

Manual de preenchimento do MAPA INTEGRADO DE REGISTO DE RESÍDUOS. no Sistema Integrado de Licenciamento do Ambiente (SILiAmb) Manual de preenchimento do MAPA INTEGRADO DE REGISTO DE RESÍDUOS no Sistema Integrado de Licenciamento do Ambiente (SILiAmb) Versão 5-20 de janeiro de 2017 Índice 1. O QUE HÁ DE NOVO SOBRE O PREENCHIMENTO

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PROPOSTA DE LEGISLAÇÃO RELATIVA AOS RC&D paula.correia@inresiduos.pt ÍNDICE TEMÁTICO TICO Quadro legislativo em vigor Quadro legislativo em preparação Quadro Legislativo em Vigor DL 239/97, de 9 de Setembro

Leia mais

REGIME JURÍDICO DE GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

REGIME JURÍDICO DE GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO REGIME JURÍDICO DE GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO Seminário Resíduos de Construção e Demolição Ana Cristina Carrola Torre de Moncorvo, 25 de Julho de 2008 1 O Decreto-Lei º 46/2008, de 12

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 058/2012 (S )

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 058/2012 (S ) 1 6 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 058/2012 (S07477-201206) Nos termos do artigo 33º do Decreto-Lei nº 178/2006, de 5 de Setembro com a redação conferida pelo

Leia mais

FAQ Mapa Integrado de Registo de Resíduos (MIRR)

FAQ Mapa Integrado de Registo de Resíduos (MIRR) FAQ Mapa Integrado de Registo de Resíduos (MIRR) Preenchimento e submissão do Mapa Integrado de Registo de Resíduos... 5 Questões gerais MIRR... 5 1. O que é o MIRR?... 5 2. O que há de novo no MIRR 2016?...

Leia mais

A Gestão de Resíduos de Construção e Demolição na Região do Norte 30 de Outubro de 2008 Seminário: Gestão de Resíduos de Construção e Demolição

A Gestão de Resíduos de Construção e Demolição na Região do Norte 30 de Outubro de 2008 Seminário: Gestão de Resíduos de Construção e Demolição A Gestão de Resíduos de Construção e Demolição na Região do Norte 30 de Outubro de 2008 Seminário: Gestão de Resíduos de Construção e Demolição Mirandela 1 Introdução A indústria da construção em Portugal

Leia mais

FAQ Mapa Integrado de Registo de Resíduos (MIRR)

FAQ Mapa Integrado de Registo de Resíduos (MIRR) FAQ Mapa Integrado de Registo de Resíduos (MIRR) Preenchimento e submissão do Mapa Integrado de Registo de Resíduos... 5 1. [NOVO] o que é o MIRR?... 5 2. [NOVO] O que há de novo no MIRR 2015?... 5 3.

Leia mais

Embalagens (Resíduos) de Produtos Químicos

Embalagens (Resíduos) de Produtos Químicos Embalagens (Resíduos) de Produtos Químicos II Congresso Nacional da GROQUIFAR - Os Novos Desafios da Distribuição Química e Farmacêutica Ana Sofia Vaz Assessora do Conselho Diretivo da APA, I.P ÍNDICE

Leia mais

RARU 13 ANEXO II Metodologia e Pressupostos

RARU 13 ANEXO II Metodologia e Pressupostos O Decreto-Lei nº 178/2006, de 5 de setembro, com a nova redação do Decreto-Lei n.º 73/2011, de 17 de junho, veio criar um Sistema Integrado de Registo Eletrónico de Resíduos (SIRER), suportado pelo Sistema

Leia mais

Ambiente Cabo Verde: Novo Regime Jurídico da Gestão de Resíduos

Ambiente Cabo Verde: Novo Regime Jurídico da Gestão de Resíduos 4 de dezembro de 2015 capeverde@vda.pt da Gestão de Manuel Gouveia Pereira mgp@vda.pt O Governo de Cabo Verde aprovou o Decreto-Lei n.º 56/2015, de 17 de outubro, que estabelece o novo. Objeto > Estabelece

Leia mais

Planeamento e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RCD)

Planeamento e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RCD) Planeamento e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RCD) Rita Teixeira d Azevedo O planeamento e a gestão de resíduos de construção e demolição pretende identificar e implementar os elementos necessários

Leia mais

Índice DOCUMENTO TÉCNICO CONSUMÍVEIS INFORMÁTICOS: GESTÃO DE TINTEIROS E CARTUCHOS DE TONER USADOS. APA, outubro 2015

Índice DOCUMENTO TÉCNICO CONSUMÍVEIS INFORMÁTICOS: GESTÃO DE TINTEIROS E CARTUCHOS DE TONER USADOS. APA, outubro 2015 DOCUMENTO TÉCNICO CONSUMÍVEIS INFORMÁTICOS: GESTÃO DE TINTEIROS E CARTUCHOS DE TONER USADOS Índice 1. Objetivos... 2 2. Considerações prévias... 2 3. Enquadramento legislativo... 2 4. Atividades desenvolvidas

Leia mais

MUNICÍPIO DO FUNCHAL RECUPERAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA ETAR DO FUNCHAL RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO VOLUME 3 ANEXOS

MUNICÍPIO DO FUNCHAL RECUPERAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA ETAR DO FUNCHAL RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO VOLUME 3 ANEXOS MUNICÍPIO DO FUNCHAL RECUPERAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA ETAR DO FUNCHAL RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO VOLUME 3 ANEXOS ANEXO C PLANO DE GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

Leia mais

População Aprox habitantes. Área Aprox. 650 Km 2. Obras Licenciadas 2007 Grande Porto Edificação Demolição

População Aprox habitantes. Área Aprox. 650 Km 2. Obras Licenciadas 2007 Grande Porto Edificação Demolição População Aprox. 969.036 habitantes Área Aprox. 650 Km 2 Obras Licenciadas 2007 Grande Porto 2354 2189 Edificação 165 - Demolição Obras Concluídas2007 Grande Porto 1853 1794 Edificação 59 - Demolição Resíduos

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTO DE LICENCIAMENTO OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS

NORMA DE PROCEDIMENTO DE LICENCIAMENTO OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS NORMA DE PROCEDIMENTO DE LICENCIAMENTO OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS julho de 2016 Licenciamento da atividade de tratamento de resíduos Nota introdutória A elaboração deste documento tem como finalidade

Leia mais

S.R. DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EQUIPAMENTOS, S.R. DA SAÚDE, S.R. DO AMBIENTE E DO MAR Portaria n.º 74/2009 de 14 de Setembro de 2009

S.R. DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EQUIPAMENTOS, S.R. DA SAÚDE, S.R. DO AMBIENTE E DO MAR Portaria n.º 74/2009 de 14 de Setembro de 2009 S.R. DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EQUIPAMENTOS, S.R. DA SAÚDE, S.R. DO AMBIENTE E DO MAR Portaria n.º 74/2009 de 14 de Setembro de 2009 O Plano Estratégico de Gestão de Resíduos da Região Autónoma dos Açores,

Leia mais

Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil.

Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil. Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de 2002. Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. O CONSELHO

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes Registo de embalagens não reutilizáveis de matérias-primas e de produtos embalados desde que utilizadas exclusivamente para consumo próprio nas respetivas instalações e objeto de um

Leia mais

Definições e princípios patentes em diversa legislação que tem por objecto a questão dos resíduos.

Definições e princípios patentes em diversa legislação que tem por objecto a questão dos resíduos. Fontes: Proposta de Decreto-Lei sobre RC&D. Estrutura usual de um Regulamento Municipal. Definições e princípios patentes em diversa legislação que tem por objecto a questão dos resíduos. Contributos do

Leia mais

mecânicos através dos quais os pneus usados são fragmentados, cortados ou rasgados em peças

mecânicos através dos quais os pneus usados são fragmentados, cortados ou rasgados em peças Portaria n.º O Regime Geral de Gestão de Resíduos (RGGR), aprovado pelo Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de setembro, que transpôs para o ordenamento jurídico interno a Diretiva 2008/98/CE, do Parlamento

Leia mais

Pedro Fonseca Santos Núcleo Regional do Norte - APEA

Pedro Fonseca Santos Núcleo Regional do Norte - APEA Pedro Fonseca Santos Núcleo Regional do Norte - APEA Introdução Enquadramento Definições (exemplos) Adjudicatário Armazenagem de RCD Aterros Centros de Triagem Demolição selectiva Princípios Gerais nas

Leia mais

Dário Antunes Correia

Dário Antunes Correia 1 5 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 82/2012 (S09084-201207) Nos termos do Artigo 33º do Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de Setembro, com a redação conferida pelo

Leia mais

A GESTÃO DOS RCD EM CHAVES

A GESTÃO DOS RCD EM CHAVES A GESTÃO DOS RCD EM CHAVES SUAS LIMITAÇÕES LEGISLAÇÃO QUE REGULAMENTA A GESTÃO DE RCD EM PORTUGAL PORMENORES MUITO TÉCNICOS, POR VEZES DIFÍCEIS DE COMPREENDER E OU DE COLOCAR EM PRÁTICA: TRIAGEM EM OBRA

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E REVISÕES Rev. Preparação Verificação Aprovação Nome: Nome: Nome: 00 Rubrica: Rubrica: Rubrica: Data: Data: Data: DOC. 31 Páginas: 1/15 ÍNDICE 1.

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO EMBALADOS IMPORTADOS DE REGISTO DE EMBALAGENS NÃO REUTILIZÁVEIS DE MATÉRIAS-PRIMAS E DE PRODUTOS

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO EMBALADOS IMPORTADOS DE REGISTO DE EMBALAGENS NÃO REUTILIZÁVEIS DE MATÉRIAS-PRIMAS E DE PRODUTOS MANUAL DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE REGISTO DE EMBALAGENS NÃO REUTILIZÁVEIS DE MATÉRIAS-PRIMAS E DE PRODUTOS EMBALADOS IMPORTADOS V1.0 (07-05-2014) 1 ÍNDICE 1. Enquadramento... 3 2. Registo... 4 3.

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS Enquadramento Legal

GESTÃO DE RESÍDUOS Enquadramento Legal GESTÃO DE RESÍDUOS Enquadramento Legal 2.º CONGRESSO NACIONAL DA PREFABRICAÇÃO EM BETÃO - ANIPB Anabela Borges Lisboa, 06 e 07 de Março de 2008 1 ENQUADRAMENTO LEGAL - Nacional Legislação Geral Lei n.º

Leia mais

Apresentação da empresa

Apresentação da empresa Apresentação da empresa Apresentação da empresa A Semural iniciou a sua actividade em 1974, tornando-se gestora de resíduos em 1985, o que lhe permitiu adquirir até à data, o Know how e equipamentos necessários

Leia mais

Perguntas Frequentes ÓLEOS USADOS (OU)

Perguntas Frequentes ÓLEOS USADOS (OU) Perguntas Frequentes ÓLEOS USADOS (OU) GERAL/ENQUADRAMENTO 1. Qual é a legislação nacional em vigor em matéria de óleos usados? 2. O que se entende por óleos usados? 3. Quem são os produtores de óleos

Leia mais

Reciclagem e reutilização de materiais recicláveis. Mafalda Mota MATERIAIS RECICLADOS EM SEMINÁRIO QUERCUS, 30/03/2017

Reciclagem e reutilização de materiais recicláveis. Mafalda Mota MATERIAIS RECICLADOS EM SEMINÁRIO QUERCUS, 30/03/2017 Reciclagem e reutilização de materiais recicláveis Mafalda Mota MATERIAIS RECICLADOS EM SEMINÁRIO QUERCUS, 30/03/2017 ÍNDICE APA: Factos e números Enquadramento legal Especificações técnicas Incorporação

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 104/2012 (S )

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 104/2012 (S ) 1 6 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 104/2012 (S11720-201210) Nos termos do artigo 33º.do Decreto-Lei nº. 178/2006, de 5 de Setembro, com as alterações introduzidas

Leia mais

Circular n.º 18/2008 Série II

Circular n.º 18/2008 Série II Proc. o AMB (22) / 2006 DSRA Circular n.º 18/2008 Série II Assunto: Procedimento de controlo aduaneiro a implementar quando da importação de pneus novos e pneus usados 1 para recauchutagem, reciclagem

Leia mais

Ministério da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território. Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro

Ministério da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território. Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro Diretrizes de apresentação dos Planos de Gestão de Solventes a que se refere o n.º 5 do art.º9º do DL 242/2001, de 31 de Agosto, para as atividades sujeita à verificação do cumprimento do VL aplicável

Leia mais

Como funciona o sistema VALORFITO?

Como funciona o sistema VALORFITO? Como funciona o sistema VALORFITO? O Valorfito orgulha-se de ajudar os agricultores a encontrarem um destino adequado para os resíduos de embalagens de produtos fitofarmacêuticos, biocidas e sementes que

Leia mais

INSTITUTO DOS RESÍDUOS

INSTITUTO DOS RESÍDUOS INSTITUTO DOS RESÍDUOS Seminário LIPOR Resíduos de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos A Política Nacional Relativa aos REEE Índice 1. Enquadramento Legal 2. Objectivos 3. Casos práticos do envolvimento

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº00017/2013 (S )

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº00017/2013 (S ) 1 5 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº00017/2013 (S01678-201302) Nos termos do Artigo 35º do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei n.º

Leia mais

Administração Interna, do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, da Saúde, do Planeamento e das Infraestruturas e do Ambiente. Portaria n.

Administração Interna, do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, da Saúde, do Planeamento e das Infraestruturas e do Ambiente. Portaria n. Portaria n.º /2016 De acordo com o regime geral aplicável à prevenção, produção e gestão de resíduos, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de setembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 173/2008, de

Leia mais

A GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO EM PORTUGAL - PERSPECTIVAS

A GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO EM PORTUGAL - PERSPECTIVAS A GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO EM PORTUGAL - PERSPECTIVAS Sessão de apresentação do Projecto RETRIA Ana Cristina Carrola 24 de Setembro de 2008 1 Resíduos de Construção e Demolição Porquê

Leia mais

FORMULÁRIO. Parte A Certificados de destruição emitidos em 2012

FORMULÁRIO. Parte A Certificados de destruição emitidos em 2012 FORMULÁRIO Dados de Desmantelamento de Veículos em Fim de Vida (VFV) - 2012 Parte A Certificados de destruição emitidos em 2012 1 Número de Certificados de Destruição emitidos Pretende-se saber o número

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS CENTRAIS FOTOVOLTAICAS

GESTÃO DE RESÍDUOS CENTRAIS FOTOVOLTAICAS Página 1 de 6 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 3 6 RESPONSIBILIDADES... 5 7 FORMULÁRIOS... 6

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE REGISTO DA AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE SIRAPA. Lígia Varandas, 23 Novembro 2010, S. João da Madeira

SISTEMA INTEGRADO DE REGISTO DA AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE SIRAPA. Lígia Varandas, 23 Novembro 2010, S. João da Madeira SISTEMA INTEGRADO DE REGISTO DA AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE SIRAPA Lígia Varandas, 23 Novembro 2010, S. João da Madeira Sistema Integrado de Registo da Agência Portuguesa do Ambiente SIRAPA O SIRAPA

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 13/2017, Série I de , páginas FINANÇAS. Portaria n.º 32/2017, de 18 de janeiro

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 13/2017, Série I de , páginas FINANÇAS. Portaria n.º 32/2017, de 18 de janeiro MOD. 4.3 Classificação: 060.01.01 Segurança: Pública P r o c e s s o : Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Diploma - Portaria n.º 32/2017, de 18 de janeiro Estado: vigente Legislação

Leia mais

Produção e caracterização de resíduos da construção civil

Produção e caracterização de resíduos da construção civil 1 Produção e caracterização de resíduos da construção civil 2 Geração de resíduos RCC Brasil 230 a 760 kg/hab.ano RCC Europa 600 a 918 kg/hab.ano Resíduos domiciliares Europa 390 kg/hab.ano 3 Geração de

Leia mais

Tratamento e Descarte de Resíduos de Obras

Tratamento e Descarte de Resíduos de Obras PROCEDIMENTO DO SMS Tratamento e Descarte de de Obras PR-99-992-CPG-003 Revisão: 02 Página: 1/6 1. OBJETIVO Definir padrões para o manuseio e descarte de resíduos produzidos pelas empresas contratadas

Leia mais

O projecto do Centro Integrado de Valorização de Resíduos Industriais Não Perigosos de Vila Nova de Famalicão integra:

O projecto do Centro Integrado de Valorização de Resíduos Industriais Não Perigosos de Vila Nova de Famalicão integra: VALOR--RIIB IIndústtriia de Resííduos,, Lda.. FORMULÁRIIO LUA -- PCIIP -- PCIIP Resumo Não Técniico Resumo Não Técnico. O presente anexo constitui o Resumo Não Técnico (RNT) do processo de Renovação da

Leia mais

INFORMATIVO AMBIENTAL

INFORMATIVO AMBIENTAL INFORMATIVO AMBIENTAL Julho, 2016. CETESB publica Decisão de Diretoria que estabelece os procedimentos para licenciamento ambiental dos empreendimentos envolvidos no sistema de logística reversa e hipóteses

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES

PERGUNTAS FREQUENTES PERGUNTAS FREQUENTES Novo Regime Geral de Resíduos (RGR) Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de Setembro, na redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 73/2011, de 17 de Junho 1. Quando vai entrar em vigor e modo de

Leia mais

Ação 3 PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL. Incidências ambientais das atividades industriais e das atividades de gestão de resíduos

Ação 3 PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL. Incidências ambientais das atividades industriais e das atividades de gestão de resíduos Candidatura NORTE 2015 PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Eixo Prioritário I Governação e Capacitação Institucional NORTE 07-0927-FEDER-000137 Ação 3 Incidências ambientais das atividades industriais

Leia mais

Amianto. O amianto ou asbestos é a designação comercial utilizada para a variedade fibrosa de seis minerais metamórficos de ocorrência natural.

Amianto. O amianto ou asbestos é a designação comercial utilizada para a variedade fibrosa de seis minerais metamórficos de ocorrência natural. AMIANTO Amianto O amianto ou asbestos é a designação comercial utilizada para a variedade fibrosa de seis minerais metamórficos de ocorrência natural. Propriedades elasticidade, resistência mecânica, incombustibilidade,

Leia mais

REABILITAÇÃO DA MARGINAL DA NAZARÉ - 3ª FASE

REABILITAÇÃO DA MARGINAL DA NAZARÉ - 3ª FASE Plano de Prevenção e Gestão (PPG) de Resíduos de Construção e Demolição (RCD) Fase de Projecto Obra: Reabilitação da Marginal da Nazaré - 3ª Fase Ref: PPG 04/2017 Revisão: 0 Data: --/--/---- Páginas: 8

Leia mais

REGULAMENTA O PLANO INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

REGULAMENTA O PLANO INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. DECRETO Nº 6277, DE 01º DE DEZEMBRO DE 2009. REGULAMENTA O PLANO INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE

Leia mais

Metodologia utilizada para determinação das metas intercalares

Metodologia utilizada para determinação das metas intercalares Metodologia utilizada para determinação das metas intercalares 1. Introdução O Plano Estratégico para os Resíduos Urbanos, PERSU 2020, define três metas vinculativas e específicas por Sistema de Gestão

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS SISTEMA DE GESTÃO PARA EMBALAGENS NÃO REUTILIZÁVEIS

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS SISTEMA DE GESTÃO PARA EMBALAGENS NÃO REUTILIZÁVEIS GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS SISTEMA DE GESTÃO PARA EMBALAGENS NÃO REUTILIZÁVEIS Versão: 1.0 Data: 05-06-2009 Índice Acesso e estados dos Formulários... 3 Escolha do Formulário e submissão...

Leia mais

DRE. Capítulo I. Disposições gerais. Artigo 1.º. Objecto

DRE. Capítulo I. Disposições gerais. Artigo 1.º. Objecto Destaca-se ainda a introdução, no presente decreto-lei, de uma taxa de gestão de resíduos específica para inertes de RCD, de valor inferior ao previsto no Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de Setembro, para

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA GUIA DE ACOMPANHAMENTO DE RESÍDUOS

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA GUIA DE ACOMPANHAMENTO DE RESÍDUOS CONSTITUÇÃO DA GUIA DE (GAR) A GAR Modelo n.º 1428 apresenta-se em triplicado: - Azul: Exemplar para o produtor ou detentor; - Verde: Exemplar para o Transportador; - Vermelho: Exemplar para o destinatário.

Leia mais

MAPA DE REGISTO DE RESÍDUOS URBANOS

MAPA DE REGISTO DE RESÍDUOS URBANOS GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO DO MRRU MAPA DE REGISTO DE RESÍDUOS URBANOS NO SILIAMB Versão 1.1 DRES-DGIR AM/RT Data: Dezembro 2016 Índice 1. ENQUADRAMENTO/INTRODUÇÃO 5 2. ACESSO À PLATAFORMA SILIAMB

Leia mais

Circular n.º 72/2011 Série II

Circular n.º 72/2011 Série II Proc. n.º AMB (22) /2006 DSRA Circular n.º 72/2011 Série II Assunto: Procedimento de controlo aduaneiro a implementar quando da importação de pneus novos e pneus usados para recauchutagem, reciclagem ou

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA INDÚSTRIA EXTRATIVA NA VALORIZAÇÃO DE RCD

CONTRIBUIÇÃO DA INDÚSTRIA EXTRATIVA NA VALORIZAÇÃO DE RCD CONTRIBUIÇÃO DA INDÚSTRIA EXTRATIVA NA VALORIZAÇÃO DE RCD ANA ALVES FERREIRA AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE 17 de Junho de 2015 Associação Nacional da Indústria Extrativa e Transformadora Representa os

Leia mais

Declaração de existências de aves JULHO 2015

Declaração de existências de aves JULHO 2015 Declaração de existências de aves 1 Declaração de existências de aves 1 INTRODUÇÃO... 2 2 ENTIDADES INTERVENIENTES... 3 3 OBJETIVO... 4 4 LEGISLAÇÃO APLICÁVEL... 4 5 PERÍODOS DE DECLARAÇÃO... 5 5.1 GALINHAS

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2011 AMB3E

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2011 AMB3E RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2011 AMB3E www.amb3e.pt Entidade Atividade Licença Amb3E Associação Portuguesa de Gestão de Resíduos Gestão de um sistema integrado de Gestão de Resíduos de Equipamento Elétrico

Leia mais

Perguntas Frequentes Pneus Usados

Perguntas Frequentes Pneus Usados Perguntas Frequentes Pneus Usados 1. Qual a legislação em vigor em matéria de gestão de pneus usados? O Decreto-Lei n.º 111/2001, de 6 de abril, estabelece os princípios e as normas aplicáveis à gestão

Leia mais

Fórum Setorial RCD Plataforma Ituiutaba Lixo Zero. Auditório da OAB Alice Drummond

Fórum Setorial RCD Plataforma Ituiutaba Lixo Zero. Auditório da OAB Alice Drummond Fórum Setorial RCD Plataforma Ituiutaba Lixo Zero Auditório da OAB - 29.05.2014 Alice Drummond RESOLUÇÃO CONAMA Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão

Leia mais

1. O Dec.-Lei n.º 77/2015 aplica-se a todo o tipo de pinhas e em todo o país?

1. O Dec.-Lei n.º 77/2015 aplica-se a todo o tipo de pinhas e em todo o país? Perguntas frequentes sobre o regime jurídico aplicável à colheita transporte, armazenamento, transformação, importação e exportação de pinhas de Pinus pinea (Dec.-Lei n.º 77/2015, de 12 de maio). 1. O

Leia mais

Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil.

Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

MAPA INTEGRADO DE REGISTO DE RESÍDUOS

MAPA INTEGRADO DE REGISTO DE RESÍDUOS MAPA INTEGRADO DE REGISTO DE RESÍDUOS Ana Marçal Acção de Formação sobre Resíduos Industriais 23 de Novembro de 2010 GESTÃO DE INFORMAÇÃO SOBRE RESÍDUOS A elaboração de estatísticas sobre resíduos é reconhecida

Leia mais

Presidência do Conselho de Ministros. Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro

Presidência do Conselho de Ministros. Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro Diretrizes de apresentação dos Planos de Gestão de Solventes a que se refere o n.º 2 do art.º 100.º do DL n.º 127/2013, de 30 de agosto, para as atividades sujeita à verificação do cumprimento do VL aplicável

Leia mais

Legislação temática Resíduos

Legislação temática Resíduos Diploma Resumo Data Alterações, revogações e normas complementares Portaria nº 1028/92 Estabelece normas de segurança e identificação para o transporte dos óleos usados 05-11-1992 Decreto-Lei nº 138/96

Leia mais

da IGAOT no fluxo dos RCD

da IGAOT no fluxo dos RCD Actuação da IGAOT no fluxo dos RCD LIPOR Projecto RETRIA 24 Setembro 2008 (mgracio@igaot.pt) Estrutura da apresentação Principais atribuições da IGAOT Experiência no fluxo dos RCD Produtores Gestores Decreto-Lei

Leia mais

Governo Regional dos Açores Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente Direção Regional do Ambiente

Governo Regional dos Açores Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente Direção Regional do Ambiente Governo Regional dos Açores Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente Direção Regional do Ambiente Data de elaboração: Maio de 2016 Relatório Resíduos Urbanos Ilha de Santa Maria 2015 1. ENQUADRAMENTO

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE Página 1 de 5 SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE A Secretaria Municipal da Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente, através do Departamento de

Leia mais

HASTA PÚBLICA PARA ALIENAÇÃO DE SUCATA FERROSA E NÃO FERROSA CADERNO DE ENCARGOS

HASTA PÚBLICA PARA ALIENAÇÃO DE SUCATA FERROSA E NÃO FERROSA CADERNO DE ENCARGOS HASTA PÚBLICA PARA ALIENAÇÃO DE SUCATA FERROSA E NÃO FERROSA CADERNO DE PROC.º 1/HP/DCOP/2017 Artigo 1º - OBJETO O objeto da presente hasta pública consiste na alienação e envio a destino final de sucata

Leia mais

Porquê as atualizações aos livros da LEGISLAÇÃO? Qual a frequência das atualizações aos livros da LEGISLAÇÃO?

Porquê as atualizações aos livros da LEGISLAÇÃO? Qual a frequência das atualizações aos livros da LEGISLAÇÃO? orquê as atualizações aos livros da COL. LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas atualizações, a ORTO EDITORA

Leia mais

Movimento Transfronteiriço de Resíduos Lista Laranja

Movimento Transfronteiriço de Resíduos Lista Laranja Movimento Transfronteiriço de Resíduos Lista Laranja Desmaterialização da fase de comunicação dos movimentos sujeitos ao procedimento prévio de notificação e consentimento escrito à Agência Portuguesa

Leia mais

ENQUADRAMENTO LEGAL: APRESENTAÇÃO Referências Legais FILEIRA 5 EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO SETEMBRO/2008. Decreto Lei 230/2004

ENQUADRAMENTO LEGAL: APRESENTAÇÃO Referências Legais FILEIRA 5 EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO SETEMBRO/2008. Decreto Lei 230/2004 APRESENTAÇÃO Referências Legais FILEIRA 5 EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO SETEMBRO/2008 ENQUADRAMENTO LEGAL: Decreto Lei 230/2004 EEE Equipamentos Eléctricos e Electrónicos (art. 3.º, n.º 1, alínea a)) da Fileira

Leia mais

RCD Eficiência na Cadeia de Valor

RCD Eficiência na Cadeia de Valor WORKSHOP COMO ATINGIR A META DE 70 % DE VALORIZAÇÃO DE RCD EM 2020? 1. Estratégias e Políticas Europeias no âmbito dos Resíduos de Construção e Demolição (RCD) 2. Gestão e Reciclagem dos RCD na Europa

Leia mais

1 9 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 120/2012 (S13671-201211) Nos termos do Artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei n.º

Leia mais

Orientações EBA/GL/2015/

Orientações EBA/GL/2015/ EBA/GL/2015/19 19.10.2015 Orientações sobre as notificações de passaporte de intermediários de crédito que intervenham em operações de crédito abrangidas pela Diretiva de Crédito Hipotecário 1 1. Obrigações

Leia mais

A Política Ambiental na Fiscalidade sobre os Resíduos. Cristina Caldeira Lipor, 22 de Julho de 2008

A Política Ambiental na Fiscalidade sobre os Resíduos. Cristina Caldeira Lipor, 22 de Julho de 2008 A Política Ambiental na Fiscalidade sobre os Resíduos Cristina Caldeira Lipor, 22 de Julho de 2008 Introdução Conceito Instrumento Descrição de instrumentos de mercado Instrumentos de mercado vs Instrumentos

Leia mais

NORMAS APLICÁVEIS À ALIENAÇÃO EM HASTA PÚBLICA DE SUCATA DIVERSA (METAIS FERROSOS) ÍNDICE

NORMAS APLICÁVEIS À ALIENAÇÃO EM HASTA PÚBLICA DE SUCATA DIVERSA (METAIS FERROSOS) ÍNDICE NORMAS APLICÁVEIS À ALIENAÇÃO EM HASTA PÚBLICA DE SUCATA DIVERSA (METAIS FERROSOS) ÍNDICE 1 Identificação da Entidade Alienante 2 Objeto 3 Consulta do processo 4 Condições de admissão à Hasta Pública 5

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO OBRA: REQUALIFICAÇÃO D A E.N. 202 DONO DA OBRA: MUNICÍPIO DE ARCOS DE VALDEVEZ LOCAL: ESTRADA NACIONAL E.N. 202, À ENTRADA DA VILA, TROÇO

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE QUALIDADE E EFICIÊNCIA A CUMPRIR PELOS OPERADORES DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS NO CONTEXTO DO FLUXO ESPECÍFICO DOS REEE

REQUISITOS MÍNIMOS DE QUALIDADE E EFICIÊNCIA A CUMPRIR PELOS OPERADORES DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS NO CONTEXTO DO FLUXO ESPECÍFICO DOS REEE REQUISITOS MÍNIMOS DE QUALIDADE E EFICIÊNCIA A CUMPRIR PELOS OPERADORES DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS NO CONTEXTO DO FLUXO ESPECÍFICO DOS REEE O artigo 13º do Decreto-Lei n.º 67/2014 de 7 de maio, relativo

Leia mais

IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 TEMA: QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM MATÉRIA DE SHST?

IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 TEMA: QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM MATÉRIA DE SHST? IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 TEMA: QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM MATÉRIA DE SHST? QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia L 337/31

Jornal Oficial da União Europeia L 337/31 11.12.2012 Jornal Oficial da União Europeia L 337/31 REGULAMENTO (UE) N. o 1179/2012 DA COMISSÃO de 10 de dezembro de 2012 que estabelece os critérios para determinar em que momento o casco de vidro deixa

Leia mais

Acção de Sensibilização sobre Higiene e Segurança Alimentar. 15 de Março de 2007

Acção de Sensibilização sobre Higiene e Segurança Alimentar. 15 de Março de 2007 Acção de Sensibilização sobre Higiene e Segurança Alimentar 15 de Março de 2007 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 29 de Abril de 2004 Higiene dos géneros alimentícios (aplicável a partir de 1 de

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS. Joana Carneiro Ferreira Vila Real, 2 de setembro de 2016

GESTÃO DE RESÍDUOS. Joana Carneiro Ferreira Vila Real, 2 de setembro de 2016 GESTÃO DE RESÍDUOS Joana Carneiro Ferreira Vila Real, 2 de setembro de 2016 1. Legislação aplicável Decreto-lei nº 178/2006 de 5 de setembro, alterado e republicado pelo Decreto-lei nº 73/2011 de 17 de

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS 2015 1. Introdução O hábito do consumo exponencial, os avanços tecnológicos, entre outros, são indutores da produção de grandes quantidades de resíduos sólidos

Leia mais

Serviços e Produtos. Palavras-Chave:

Serviços e Produtos. Palavras-Chave: Serviços e Produtos Recepção, Triagem e Valorização de RCD Reciclagem de RCD em obra Controlo de produção em obra de Agregados Reciclados (utilização em observância das normas técnicas aplicáveis) Acompanhamento

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO MAPA INTEGRADO DE REGISTO DE RESÍDUOS

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO MAPA INTEGRADO DE REGISTO DE RESÍDUOS GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO MAPA INTEGRADO DE REGISTO DE RESÍDUOS Versão: 2.0 Data: 20-04-2009 Índice Índice... 2 Definição do perfil para acesso ao Mapa Integrado de Registo de Resíduos - MIRR... 3 Acesso

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vila Velha Estado do Espírito Santo Secretaria de Desenvolvimento Sustentável

Prefeitura Municipal de Vila Velha Estado do Espírito Santo Secretaria de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 OBJETIVO Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os geradores de resíduos sólidos provenientes

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS - ENTIDADE GESTORA VALORPNEU

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS - ENTIDADE GESTORA VALORPNEU GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS - ENTIDADE GESTORA VALORPNEU Versão: 1.0 Data: 05-06-2009 Índice Acesso e estados dos Formulários... 3 Escolha do Formulário e submissão... 4 Bases para a navegação

Leia mais

Planos de Gestão de Resíduos Hospitalares em UPCS

Planos de Gestão de Resíduos Hospitalares em UPCS Anabela Santiago Paulo Diegues Dezembro de 2007 Enquadramento Legislativo Principal Legislação aplicável aos Resíduos Hospitalares Despacho nº 242/96, de 13 de Agosto Portaria nº 174/97, de 10 de Março

Leia mais

Principais Aspetos do Projeto-Lei Prosolos Prevenção da Contaminação e Remediação do Solo. Inv. Celeste Jorge LNEC e CPGA

Principais Aspetos do Projeto-Lei Prosolos Prevenção da Contaminação e Remediação do Solo. Inv. Celeste Jorge LNEC e CPGA Principais Aspetos do Projeto-Lei Prosolos Prevenção da Contaminação e Remediação do Solo Inv. Celeste Jorge LNEC e CPGA Sumário Introdução Funções do Solo Ameaças do Solo Projeto-Lei 2 Introdução O ano

Leia mais

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO - RCD CONTRIBUTOS PARA UMA GESTÃO ADEQUADA

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO - RCD CONTRIBUTOS PARA UMA GESTÃO ADEQUADA O CONTRIBUTO NO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RESÍDUOS DE E DEMOLIÇÃO - RCD CONTRIBUTOS GESTÃO ADEQUADA Hipólito de Sousa * FEUP Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto * Resultados associadas a

Leia mais

Decisão de Diretoria CETESB nº 120/2016/C, de 01 de junho de 2016

Decisão de Diretoria CETESB nº 120/2016/C, de 01 de junho de 2016 Decisão de Diretoria CETESB nº 120/2016/C, de 01 de junho de 2016 Estabelece os Procedimentos para o licenciamento ambiental de estabelecimentos envolvidos no sistema de logística reversa, para a dispensa

Leia mais