Formulário para Registro de Programas e Projetos de Extensão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Formulário para Registro de Programas e Projetos de Extensão"

Transcrição

1 ormulário para egistro de Programas e Projetos de xtensão ítulo tilização de espécies florestais em escolas rurais do município de ão abriel ata nício 01/03/2013 ata im 31/12/2014 Campus ou setor reitoria Campus ão abriel inculado à quais cursos? ngenharia lorestal Área do Conhecimento Ciências grárias Área emática eio mbiente Carga Horária otal da ção 700 horas Carga horária 00 Palavras-chave spécies florestais, frutíferas, manejo de espécies nativas. ocal de ealização ão abriel presente trabalho possui como objetivos avaliar a percepção da comunidade de uma escola rural do município de ão abriel em relação à implantação de áreas verdes junto a mesma. lém disso, apresentar características de diferentes espécies florestais, quanto às etapas de semeadura, crescimento e plantio das mudas, bem como, o correto manejo para seu desenvolvimento e produção. Para tal, serão utilizados questionários visando embasar a escolha das espécies a serem utilizadas, bem como. percepção da comunidade com relação a importância da implantação de área verde na escola. Características das espécies escolhidas, como autoecologia, produção de mudas, plantio e manejo, serão apresentadas a comunidade a partir de palestras, oficinas e demonstrações. pós, mudas destas espécies serão plantadas em área da escola visando a formação de uma área verde na escola, objetivando sombra para lazer e práticas esportivas, além da melhoria da qualidade de vida da comunidade escolar sob diversos aspectos. Com a realização e conclusão do presente projeto, busca-se que o conhecimento acerca da utilização de espécies florestais seja introduzido e consolidado junto à comunidade escolar. lém disso, que as boas práticas de manejo das espécies sejam transmitidas e utilizadas pela escola afim de que se obtenham as vantagens inerentes a utilização destas espécies, em todo seu potencial. médio prazo, o projeto será estendido às demais escolas rurais do município. quipe xecutora dicionar quantas linhas for necessário. ome inculo (iscente, ocente, ou outro) Campus ou nstituição de rigem unção lexandra ugusti oligon ocente ão abriel Coordenador 08 Cibele osa racioli ocente ão abriel Colaborador 04 ilviana osso ocente ão abriel Colaborador 04 ara ejane amberlan dos antos ocente ão abriel Colaborador 04 ilvane estena ocente ão abriel Colaborador 04 liane Pereira unes ão abriel Colaborador 08 enata Cavalheiro iscente ão abriel Colaborador 06 aniel lexandre ochims iscente ão abriel Colaborador 08 duardo unes Cabral iscente ão abriel Colaborador 08 Carga horária Parcerias dicionar quantas linhas for necessário. * ão é obrigatório o preenchimento. ome da Pessoa ou nstituição escrição da Participação Página 1

2 ormulário para egistro de Programas e Projetos de xtensão ntrodução vegetação, pelos vários benefícios que pode proporcionar, tem um papel muito importante no restabelecimento da relação entre o homem e o meio natural, garantindo melhor qualidade de vida. ssim, podemos citar como algumas funções das áreas verdes, como: bem estar psicológico ao homem; melhor efeito estético; sombra para lazer e para prática de atividades físicas; proteção e direcionamento do vento; amortecimento do som, amenização da poluição sonora; redução do impacto da água de chuva e seu escorrimento superficial; auxílio na diminuição da temperatura, já que absorvem os raios solares e refrescam o ambiente pela grande quantidade de água transpirada pelas folhas; melhora na qualidade do ar; preservação da fauna silvestre; além de produção de frutos comestíveis pelo homem por algumas espécies (Pivetta e ilva ilho, 2002). e forma específica, é importante estabelecer critérios para arborizar o ambiente utilizando espécies, preferencialmente nativas, com características próprias de cada região. ambiente quando bem arborizado, além da captura do carbono também aumenta a umidade do ar, controla a temperatura, fornece alimento à fauna silvestre, diminui a intensidade do vento e alivia o estresse de quem o utiliza (uneroli e ascaró, 2010). egundo Paiva (2000), para implantar áreas verdes é importante escolher as espécies e avaliar alguns critérios, como o ritmo e as exigências para o crescimento, o tipo de copa, o porte, a folhagem, as flores, os frutos, os troncos, as raízes, os problemas de toxidez, a rusticidade, a resistência, a desrama natural e a origem das espécies. lém disso, devem ser considerados fatores como a área disponível, o clima, o solo e a umidade. o que tange a implantação de áreas verdes em escolas, a educação tem um papel preponderante na conscientização dos alunos e da comunidade sobre a importância de preservar o meio ambiente, mantendo-o e restaurando-o para as gerações futuras. egundo adotti (2000) é urgente que processos educativos sejam mais abrangentes e essenciais cuidando prioritariamente da ampliação da consciência humana, possibilitando a percepção profunda da nossa condição de guardiões da vida na erra. Por essa razão, o papel do educador se faz tão importante em relação ao cuidado com o planeta, a preservação e a conservação da vida. essa perspectiva, as ações devem-se voltar aos cidadãos, motivando-os para transformarem o local onde vivem, através de um processo coletivo e participativo que pode envolver a escola, a comunidade e o município. percepção da população quanto aos benefícios trazidos por uma arborização adequada das áreas das escolas tem sido utilizada em várias cidades do estado e do país. Porém, em escolas rurais do município de ão abriel não existem registros de trabalhos desta natureza. ustificativa utilização de plantas junto às escolas possui inúmeras vantagens quanto à qualidade do ar, menor flutuação de temperaturas extremas, obtenção de sombra para recreação e práticas esportivas, embelezamento do local, além do fornecimento de frutos comestíveis por algumas espécies. pesar de todas estas vantagens, a arborização ainda é deficiente na maioria das cidades brasileiras, principalmente junto às escolas. o âmbito das escolas rurais, a realidade não apresenta grandes diferenças, encontrando-se frequentemente problemas quanto à ausência completa de arborização, arborização deficiente e, principalmente, falta de cuidados na escolha das espécies e no manejo dos indivíduos. abe-se que a escolha errada da espécie pode não fornecer os resultados esperados, sendo que os objetivos finais muitas vezes não são alcançados. manejo inadequado das plantas pode resultar em indivíduos mal nutridos e mal conduzidos, os quais não expressam todo seu potencial junto à comunidade. falta de conhecimento da ecologia das espécies e de sua condução, bem como, a falta de planejamento no momento da implantação de áreas verdes junto às escolas, tem resultado muitas vezes, na eliminação dos exemplares que se encontram nestas áreas e na não reposição dos mesmos. Como consequência, observam-se escolas sem presença de áreas verdes ou com área verde deficitária, acarretando em prejuízos aos alunos quanto ao bem estar e quanto ao conhecimento a respeito deste tema. ma das maneiras de mudar este cenário é a implantação de ações junto às escolas que incentivem a implantação e o correto manejo de áreas verdes, as quais podem ser utilizadas não apenas pelos alunos das escolas, mas sim, por toda comunidade acadêmica local. bjetivos - iscutir junto à comunidade escolar a importância de áreas verdes nestes locais. - presentar diferentes espécies florestais e discutir com a comunidade as que podem ser implantadas, baseada nas necessidades da mesma. Página 2

3 ormulário para egistro de Programas e Projetos de xtensão - presentar à comunidade escolar as etapas de semeadura, crescimento e plantio de uma árvore, bem como, o correto manejo para seu desenvolvimento e produção. aterial e étodos trabalho será desenvolvido em uma escola rural do município de ão abriel, a ser definida junto à ecretaria de ducação do município, desenvolvido como um projeto piloto e estendido às demais escolas rurais do município a médio prazo. um primeiro momento, serão utilizados questionários junto à comunidade da escola, visando verificar o conhecimento acerca da importância da utilização de espécies vegetais no local, das necessidades da escola quanto a este tema, bem como, da infraestrutura e área disponível para implantação. Para tal, o questionário será aplicado junto a todos os professores e funcionários da escola, bem como, 10% dos alunos. s resultados encontrados nesta etapa serão utilizados para definição da área total arborizada e das espécies a serem implantadas no local. Pretende-se implantar um mínimo de cinco espécies, sendo o número de indivíduos de cada espécie dependente da área disponível na escola. fim de conscientizar a comunidades a respeito das vantagens da utilização de áreas verdes na escola, serão realizadas palestras e oficinas junto aos alunos, pais, professores e funcionários, visando que todos participem do processo de forma ativa e mobilizadora. lém deste tema, assim que definidas espécies a serem implantadas na escola, as mesmas serão apresentadas, a partir de palestras, oficinas e demonstrações, abordando-se sua autoecologia, características silviculturais, objetivo de seu cultivo junto à escola, bem como, seu correto manejo para a obtenção dos resultados esperados. esta etapa, está prevista a confecção de material didático a ser entregue a comunidade escolar abordando as características das espécies, sua utilização na escola, obtenção das mudas, cuidados com as mudas na implantação, forma correta de plantio, adubação e irrigação das mesmas, entre outros. Para a produção de mudas, serão utilizadas sementes de espécies florestais nativas, coletadas em fragmentos florestais da região no ano de 2012/2013 e armazenadas junto à PP. Para as espécies em que não se tenha disponibilidades de sementes, as mesmas serão obtidas junto a fragmentos florestais da região ou adquiridas junto a instituições fornecedoras, como a P lorestas (anta aria-). produção de mudas se dará junto ao viveiro da PP, com semeadura em sacos plásticos com capacidade de cinco litros, preenchidos com substrato comercial. m cada embalagem serão semeadas três sementes, sendo que 30 dias após a emergência será realizado raleio das mudas, deixando-se apenas uma muda por embalagem. s tratos culturais seguirão os recomendados para as espécies em trabalhos de pesquisa da área. plantio das mudas será realizado quando as mesmas apresentarem idade superior a seis meses, respeitando as características de cada espécie. plantio será realizado a participação da comunidade, utilizando-se covas com dimensões de 50 x 50 x 50 cm, preenchidas com composto orgânico comercial, bem como, 100 gramas de fertilizante na formulação (PK). s cuidados com as mudas deverão seguir as recomendações constantes na literatura para as espécies, as quais serão disponibilizadas para a comunidade escolar e acompanhadas pela equipe do projeto. elação ensino, pesquisa e extensão urante o desenvolvimento do projeto, os acadêmicos participantes das ações deverão utilizar informações recebidas nas disciplinas cursadas pelos mesmos na área de silvicultura, solos, fisiologia vegetal, climatologia, entre outras, de maneira interdisciplinar. lém disso, será necessário busca de informações junto a trabalhos de pesquisa nas áreas de arborização e implantação de espécies. odo este conhecimento será repassado à comunidade escolar, fazendo com que o ensino a pesquisa e a extensão estejam interligados durante todo o período de desenvolvimento do projeto. valiação da ção a) Público atingido Professores, funcionários e alunos de uma escola rural do município de ão abriel/, além da comunidade local, totalizando aproximadamente 150 pessoas. b) quipe xecutora Professores, e discentes da niversidade ederal do Pampa (PP), Campus ão abriel, totalizando nove pessoas envolvidas. esultados sperados Com a realização e conclusão do presente projeto, busca-se que o conhecimento acerca da utilização de espécies florestais seja introduzido e consolidado junto à comunidade escolar. lém disso, que as boas práticas de manejo das espécies Página 3

4 ormulário para egistro de Programas e Projetos de xtensão sejam transmitidas e utilizadas pela escola afim de que se obtenham as vantagens inerentes a utilização destas espécies, em todo seu potencial. eferências P, K...; H,.. rborização rbana. aboticabal: P. oletim acadêmico, P, H.. eleção de espécies para arborização urbana. evista ção mbiental, v.2, n.9, p.14-16, 2000., C.C.; CÉ,.. rborização rbana: uso de espécies arbóreas nativas na captura do carbono atmosférico. evista rasileira de rborização rbana, v. 5, n. 1, p , 2010., oacir. Pedagogia da erra. érie rasil Cidadão. ão Paulo: Peirópolis, utras informações relevantes ( ão obrigatório ) Público-alvo atingido dicionar quantas linhas for necessário. escrição do Público-alvo Professores, funcionários e alunos da escola Comunidade local 2013 X escrição do Público-alvo Professores, funcionários e alunos da escola Comunidade local 2014 X Cronograma de tividades dicionar quantas linhas for necessário. escrição da tividade plicação de questionário junto à comunidade escolar presentação à comunidade escolar da importância da utilização de espécies arbóreas na escola nálise dos dados dos questionários scolha das espécies e da área a serem utilizadas Produção de mudas das espécies selecionadas Palestras e oficinas a respeito das espécies selecionadas Confecção e apresentação de material didático Preparo da área de plantio das mudas 2013 X X X 2014 Página 4

5 ormulário para egistro de Programas e Projetos de xtensão escrição da tividade Produção de mudas das espécies selecionadas Preparo da área de plantio das mudas Plantio das mudas companhamento dos cuidados com as mudas Palestras e oficinas a respeito do manejo adequado das espécies valiação da ação e confecção de relatório Plano de plicação de ecursos X X X X X rupo / ipo de espesa $ onte de inanciamento P C uxílio financeiro a estudantes (bolsas) iárias aterial de Consumo Passagem e espesas com locomoção erviço de erceiros Pessoa ísica erviços de erceiros Pessoa urídica otal Custeio P CP quipamentos e aterial Permanente Página 5

Formulário para Registro de Programas e Projetos de Extensão

Formulário para Registro de Programas e Projetos de Extensão ormulário para egistro de Programas e Projetos de xtensão ítulo Campus ou setor reitoria inculado à quais cursos? Área do Conhecimento PÂC CÇÃ CC C, Ã, ata nício 15/03/2013 ata im 31/12/2014 Área emática

Leia mais

Formulário para Registro de Programas e Projetos de Extensão

Formulário para Registro de Programas e Projetos de Extensão Formulário para egistro de Programas e Projetos de xtensão ítulo Coordenador tilização de Pequenos xperimentos no nsino de Solos às Crianças irla ndrade Weber Data Início 15 de Fevereiro de 2013 Data Fim

Leia mais

Formulário para Registro de Programas e Projetos de Extensão

Formulário para Registro de Programas e Projetos de Extensão Formulário para egistro de Programas e Projetos de xtensão ítulo PG D DCÇÃ BIL D ISIDD FDL D PP Data Início ar 2013 Data Fim Dez 2014 Campus ou setor reitoria Institucional inculado à quais cursos? odos

Leia mais

ANÁLISE QUALI-QUANTITATIVA DA ARBORIZAÇÃO URBANIZAÇÃO DO COMPLEXO BERADEIRO, MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA, PA.

ANÁLISE QUALI-QUANTITATIVA DA ARBORIZAÇÃO URBANIZAÇÃO DO COMPLEXO BERADEIRO, MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA, PA. Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 ANÁLISE QUALI-QUANTITATIVA DA ARBORIZAÇÃO URBANIZAÇÃO DO COMPLEXO BERADEIRO, MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA, PA. Thuanny Paula de Almeida Nascimento, IFPA - Instituto Federal

Leia mais

Formulário para Registro de Programas e Projetos de Extensão

Formulário para Registro de Programas e Projetos de Extensão Formulário para egistro de Programas e Projetos de xtensão ítulo Campus ou setor reitoria inculado à quais cursos? Área do Conhecimento Área emática inha escola tem um herbário Data Início ulho de 2012

Leia mais

Formulário para Registro de Programas e Projetos de Extensão

Formulário para Registro de Programas e Projetos de Extensão Formulário para egistro de Programas e Projetos de xtensão ítulo Projeto Comunicação Digital Hiperlocal Data Início 26/03/2012 Data Fim 14/12/2012 Campus ou setor reitoria niversidade Federal do Pampa

Leia mais

Programa Plante Árvore. Instituto Brasileiro de Florestas - IBF

Programa Plante Árvore. Instituto Brasileiro de Florestas - IBF Programa Plante Árvore Instituto Brasileiro de Florestas - IBF O que é? O Programa Plante Árvore é uma ação voluntária do Instituto Brasileiro de Florestas IBF que consiste no cadastro de proprietários

Leia mais

*Médio porte: volume da folhagem com aproximadamente 30 x 30 cm (diâmetro x altura/comprimento)

*Médio porte: volume da folhagem com aproximadamente 30 x 30 cm (diâmetro x altura/comprimento) 4 - Plantas PLANTAS A seleção das plantas e o seu manuseio são os passos mais importantes na instalação de um jardim vertical. Por isso seguem algumas orientações sobre como proceder nestas tarefas tão

Leia mais

GRUPOS DE PLANTAS ORNAMENTAIS UTILIZADAS NO PAISAGISMO NOS CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS DA CIDADE DE LAVRAS-MG.

GRUPOS DE PLANTAS ORNAMENTAIS UTILIZADAS NO PAISAGISMO NOS CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS DA CIDADE DE LAVRAS-MG. GRUPOS DE PLANTAS ORNAMENTAIS UTILIZADAS NO PAISAGISMO NOS CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS DA CIDADE DE LAVRAS-MG. PATRÍCIA DUARTE DE OLIVEIRA PAIVA 1 ; PAULO ROBERTO CORRÊA LANDGRAF 2 ; PETTERSON BAPTISTA DA

Leia mais

Formulário para Registro de Programas e Projetos de Extensão

Formulário para Registro de Programas e Projetos de Extensão ítulo FÇÃ D ISIÁIS LIPLICDS P D PFIL PIDILÓGIC ICÍPI D SÃ GBIL Campus ou setor reitoria inculado à quais cursos? Área do Conhecimento Data Início ovembro 2010 Data Fim Dez 2014 Área emática Campus São

Leia mais

PRODUCAO DE MUDAS DE ESPÉCIES FRUTIFERAS DO CERRADO

PRODUCAO DE MUDAS DE ESPÉCIES FRUTIFERAS DO CERRADO PRODUCAO DE MUDAS DE ESPÉCIES FRUTIFERAS DO CERRADO Alfredo Penzo de Barros 1 ; Norton Hayd Rego 2 ; Aluisio Pereira da Luz 3 ; Aliston Flàvio de Souza 3 ; Nivaldo Liuzzi Gomes 4 ; Bruno Jacobson 5. 1

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO GERÊNCIA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CAMPUS UNIVERSITÁRIO TUBARÃO PROJETO DE EXTENSÃO COORDENAÇÃO OBJETIVOS

PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO GERÊNCIA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CAMPUS UNIVERSITÁRIO TUBARÃO PROJETO DE EXTENSÃO COORDENAÇÃO OBJETIVOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO GERÊNCIA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CAMPUS UNIVERSITÁRIO TUBARÃO PROJETO DE EXTENSÃO Horta Escolar Uma maneira gostosa de crescer COORDENAÇÃO Prof. Celso Lopes de Albuquerque

Leia mais

Mogno Africano Khaya ivorensis, senegalensis e anthoteca. (43)

Mogno Africano Khaya ivorensis, senegalensis e anthoteca.  (43) Mogno Africano Khaya ivorensis, senegalensis e anthoteca www.ibflorestas.org.br contato@ibflorestas.org.br (43) 3324-7551 Mogno Substrato Africano Principais Florestal espécies Khaya ivorensis Khaya senegalensis

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE MATA NATIVA

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE MATA NATIVA ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE MATA NATIVA PROGRAMA Nº 05/ 2014 SENAI-SP. Projeto desenvolvido pelo CFP 5.12 Escola SENAI Celso Charuri. 5ª edição, revisão e atualização

Leia mais

2º RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO PROJETO PLANTE BONITO

2º RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO PROJETO PLANTE BONITO 2º RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO PROJETO PLANTE BONITO PLANTIO NAS MARGENS DO CORREGO RESTINGA BONITO MS. 1. Apresentação O plantio de 104 mudas nas margens do córrego Restinga, localizado no perímetro

Leia mais

V CIRCUITO DE ARBORIZAÇÃO URBANA ARAÇUAÍ MAIO 2015

V CIRCUITO DE ARBORIZAÇÃO URBANA ARAÇUAÍ MAIO 2015 V CIRCUITO DE ARBORIZAÇÃO URBANA ARAÇUAÍ MAIO 2015 LUCÍLIA G. S MORAES Engenheira Sanitarista e Ambiental Gerente de Meio Ambiente Secretaria de Obras, Serviços Urbanos e Meio Ambiente Timóteo -MG PROCEDIMENTOS

Leia mais

1. Escolhendo o local certo para o plantio.

1. Escolhendo o local certo para o plantio. Além de ser uma atitude que contribui com o meio ambiente, plantar uma árvore requer alguns cuidados. Assim, para que o plantio ocorra da maneira correta é preciso pensar no espaço disponível, no tamanho

Leia mais

Nutrição, Adubação e Calagem

Nutrição, Adubação e Calagem Nutrição, Adubação e Calagem Importância da nutrição mineral Embora o eucalipto tenha rápido crescimento, este é muito variável. Os principais fatores que interferem no crescimento estão relacionados com

Leia mais

RECUPERAÇÃO DA MATA CILIAR Bacia do Rio do Peixe

RECUPERAÇÃO DA MATA CILIAR Bacia do Rio do Peixe RECUPERAÇÃO DA MATA CILIAR Bacia do Rio do Peixe MANEJO Veja como recuperar áreas degradadas Espécies nativas CONHEÇA + Funções e benefícios da Mata Ciliar Legislação sobre faixa de vegetação permanente

Leia mais

Atividades para trabalhar o Dia da Árvore

Atividades para trabalhar o Dia da Árvore Atividades para trabalhar o Dia da Árvore Atividades para trabalhar o Dia da Árvore Não deixe de ver também: SEQUÊNCIA DIDÁTICA A ÁRVORE GENEROSA Atividades para trabalhar o dia da árvore (21 de setembro)

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL. Analise Estatística

RELATÓRIO PARCIAL. Analise Estatística RELATÓRIO PARCIAL Analise Estatística ASSUNTO: Experimento Gel Estagiário: Elbert Viana Ferreira Junior Supervisor : Fausto Hissashi Takizawa Projeto Mutum Data: 09/2008 1 - APRESENTAÇÃO: Neste documento

Leia mais

Semente Caiçara Ltda. A força da qualidade

Semente Caiçara Ltda. A força da qualidade MANUAL DE PLANTIO Semente Caiçara Ltda. A força da qualidade Temos à pronta entrega a quantidade que você necessita. As sementes são inspecionadas, beneficiadas, mantendo-se assim, ao longo dos anos, o

Leia mais

Objetivo Metodologia Figura 1

Objetivo Metodologia Figura 1 TRILHA INTERPRETATIVA ELABORADA PELO PET- FLORESTA COMO FERRAMENTA PARA ATIVIDADES EXTENSIONISTAS E DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO INSTITUTO DE FLORESTAS (IF/UFRRJ) ALMEIDA, R.B.¹, BARROS, L.A.,¹ CHAGAS, M.C.¹,

Leia mais

Dimensionamento de viveiros. Iane Barroncas Gomes Engenheira Florestal, M.Sc. IFAM-CITA

Dimensionamento de viveiros. Iane Barroncas Gomes Engenheira Florestal, M.Sc. IFAM-CITA Dimensionamento de viveiros Iane Barroncas Gomes Engenheira Florestal, M.Sc. IFAM-CITA Conteúdo Conteúdo: Conceito de viveiro Tipos de viveiros Planejamento da instalação de um viveiro Local ideal Estruturas

Leia mais

Arborização do CEAN 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVOS. Autor do projeto: Peter Faluhelyi. Equipe da Oficina Pedagógica: alunos de 1º ano do CEAN.

Arborização do CEAN 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVOS. Autor do projeto: Peter Faluhelyi. Equipe da Oficina Pedagógica: alunos de 1º ano do CEAN. Arborização do CEAN Autor do projeto: Peter Faluhelyi. Equipe da Oficina Pedagógica: alunos de 1º ano do CEAN. 1. INTRODUÇÃO O projeto visa amenizar a temperatura ambiente e aumentar a umidade relativa

Leia mais

Sistema Modular Alveolar Leve. Ecotelhado

Sistema Modular Alveolar Leve. Ecotelhado Sistema Modular Alveolar Leve Sistema Modular Alveolar Leve Objetivo O Sistema Alveolar tem como objetivo proporcionar ao telhado, com pouca ou sem inclinação, uma cobertura vegetada para conforto térmico

Leia mais

Formulário para Registro de Programas e Projetos de Extensão

Formulário para Registro de Programas e Projetos de Extensão Formulário para egistro de Programas e Projetos de xtensão ítulo ideoteca de biotecnologia aplicada. Data Início 10/03/2013 Data Fim 10/03/2014 Campus ou setor reitoria Campus São Gabriel inculado à quais

Leia mais

POTENCIAIS MATRIZES PRODUTORAS DE SEMENTES DE UVAIA DO IFSULDEMINAS CÂMPUS INCONFIDENTES PARA A PRODUÇÃO DE MUDAS EM ESCALA COMERCIAL

POTENCIAIS MATRIZES PRODUTORAS DE SEMENTES DE UVAIA DO IFSULDEMINAS CÂMPUS INCONFIDENTES PARA A PRODUÇÃO DE MUDAS EM ESCALA COMERCIAL 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG POTENCIAIS MATRIZES PRODUTORAS DE SEMENTES DE UVAIA DO IFSULDEMINAS CÂMPUS

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 niversidade stadual do Centro-este econhecida pelo ecreto stadual nº.444, de 8 de agosto de 997 ÇÃ º 078-C///C, 6 00. prova o projeto de extensão ormação de lfabetizadores e ducadores Populares na disciplina

Leia mais

Issáo Ishimura Eng. Agr., Dr., PqC da Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Ecológica /APTA

Issáo Ishimura Eng. Agr., Dr., PqC da Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Ecológica /APTA PRODUÇÃO DE MUDAS DE LOURO E SEU PLANTIO Issáo Ishimura Eng. Agr., Dr., PqC da Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Ecológica /APTA issao@apta.sp.gov.br Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr.,PhD.,

Leia mais

Gestão dos solos em viticultura de encosta

Gestão dos solos em viticultura de encosta Workshop Gestão dos solos em viticultura de encosta Pinhão, 28 de outubro de 2013 Sérgio Vieira Inicio de atividade no ano de 2005 Localizada na Zona Industrial de Vila Real Atua na comercialização de

Leia mais

170 mil motivos para comemorar. 27 de maio dia da Mata Atlântica.

170 mil motivos para comemorar. 27 de maio dia da Mata Atlântica. 170 mil motivos para comemorar 27 de maio dia da Mata Atlântica. 170.000 mudas plantadas conheça a história Sumário Anterior Próximo No dia da Mata Atlântica, 170 mil motivos para comemorar No dia 27 de

Leia mais

Vegetação Amenizadora da Poluição Industrial no Bairro Cidade Industrial de Curitiba / PR

Vegetação Amenizadora da Poluição Industrial no Bairro Cidade Industrial de Curitiba / PR Vegetação Amenizadora da Poluição Industrial no Bairro Cidade Industrial de Curitiba / PR Debora Cristina LOPES Universidade Federal do Paraná A questão da cobertura vegetal em áreas urbanas possui cada

Leia mais

Terminologia, Conceitos, definições e esclarecimentos...

Terminologia, Conceitos, definições e esclarecimentos... Terminologia, Conceitos, definições e esclarecimentos......para facilitar a comunicação sobre o Código Florestal Brasileiro!!! por Renata Evangelista de Oliveira FCA-UNESP- Doutorado em Ciência Florestal

Leia mais

Planejamento e Instalação de Pomares

Planejamento e Instalação de Pomares Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Ciências Agrárias Curso de Engenharia Agronômica Disciplina: Fruticultura I Planejamento e Instalação de Pomares Docente responsável: Prof. Dr. Ítalo

Leia mais

PLANTIOS DE PAU-ROSA (Aniba rosaeodora Ducke) E A PRODUÇÃO DE ÓLEO A PARTIR DE MUDAS PLANTADAS

PLANTIOS DE PAU-ROSA (Aniba rosaeodora Ducke) E A PRODUÇÃO DE ÓLEO A PARTIR DE MUDAS PLANTADAS GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS SECREATARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DO AMAZONAS E INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PLANTIOS DE PAU-ROSA (Aniba

Leia mais

Restauração Florestal de Áreas Degradadas

Restauração Florestal de Áreas Degradadas Restauração Florestal de Áreas Degradadas Seminário Paisagem, conservação e sustentabilidade financeira: a contribuição das RPPNs para a biodiversidade paulista 11/11/ 2016 Espírito Santo do Pinhal (SP)

Leia mais

Formulário para Registro de Programas e Projetos de Extensão

Formulário para Registro de Programas e Projetos de Extensão Formulário para egistro de Programas e Projetos de xtensão ítulo poio à implantação do Grupo de bservadores de ves de São Gabriel Data Início 17\07\2012 Data Fim 31\07\2013 Campus ou setor reitoria Campus

Leia mais

Projeto Nascentes Urbanas. MÓDULO BÁSICO Autora : Deise Nascimento Proponente: OSCIP Instituto Árvore da Vida

Projeto Nascentes Urbanas. MÓDULO BÁSICO Autora : Deise Nascimento Proponente: OSCIP Instituto Árvore da Vida Projeto Nascentes Urbanas MÓDULO BÁSICO Autora : Deise Nascimento Proponente: OSCIP Instituto Árvore da Vida O projeto Nascentes Urbanas conjuga ações de recuperação e preservação ambiental, abrange o

Leia mais

Respeito ao Meio Ambiente Programa de Educação Ambiental Eco-Social

Respeito ao Meio Ambiente Programa de Educação Ambiental Eco-Social Respeito ao Meio Ambiente Programa de Educação Ambiental Eco-Social Objetivos Objetivos Cognitivos sobre meio ambiente Levar os indivíduos e os grupos sociais a adquirirem largas experiências, contatos

Leia mais

Formulário para Registro de Programas e Projetos de Extensão

Formulário para Registro de Programas e Projetos de Extensão Formulário para Registro de Programas e Projetos de xtensão ítulo Campus ou setor reitoria inculado à quais cursos? Área do Conhecimento Células tronco: mitos e verdades da pesquisa para a comunidade Data

Leia mais

Recuperação do Cinturão Verde da Usina Presidente Vargas. Volta Redonda / RJ

Recuperação do Cinturão Verde da Usina Presidente Vargas. Volta Redonda / RJ Recuperação do Cinturão Verde da Usina Presidente Vargas Volta Redonda / RJ 1. RESUMO O presente documento relata os trabalhos realizados, entre Dezembro/2010 e dezembro/2011 visando um adensamento da

Leia mais

Sistema Modular Alveolar Grelhado. Ecotelhado

Sistema Modular Alveolar Grelhado. Ecotelhado Sistema Modular Alveolar Grelhado Sistema Modular Alveolar Grelhado Objetivo O Sistema Alveolar tem como objetivo proporcionar ao telhado, com ou sem inclinação, uma cobertura vegetada para conforto térmico

Leia mais

Análise Técnico-Econômica do Cultivo e Extração do Óleo Essencial de Melaleuca alternifolia Cheel (Tea Tree)

Análise Técnico-Econômica do Cultivo e Extração do Óleo Essencial de Melaleuca alternifolia Cheel (Tea Tree) Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Florestal Análise Técnico-Econômica do Cultivo e Extração do Óleo Essencial de Melaleuca alternifolia Cheel (Tea Tree)

Leia mais

Planejamento e instalação de pomares

Planejamento e instalação de pomares Universidade Federal de Rondônia Curso de Agronomia Fruticultura I Planejamento e instalação de pomares Emanuel Maia emanuel@unir.br www.lahorta.acagea.net Perguntas iniciais O que plantar? Qual o mercado?

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS. José Amarildo da Fonseca

PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS. José Amarildo da Fonseca PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS José Amarildo da Fonseca jafonsec@esalq.usp.br Objetivos Quantidade Custo Qualidade Prazo Histórico Histórico Histórico Produção de Mudas Florestais Objetivo (demanda) Tipos

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás, Unidade Universitária de Ipameri. Rodovia GO 330 Km 241 Anel Viário. CEP Ipameri - GO.

Universidade Estadual de Goiás, Unidade Universitária de Ipameri. Rodovia GO 330 Km 241 Anel Viário. CEP Ipameri - GO. EFEITO DE SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INICIAL DE MUDAS DE MANGOSTÃO AMARELO Nei Peixoto 1 ; Thiago Cavalcante Gomes Ribeiro de Andrade 2 ; Atalita Francis Cardoso 2 ; Wilson Zorzetti Marques

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS PARA

PRODUÇÃO DE MUDAS PARA Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agronômicas PRODUÇÃO DE MUDAS PARA RECUPERAÇÃO DE MATA CILIAR Profª Magali Ribeiro da Silva Encontro sobre Recuperação de Matas Ciliares e Proteção

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Hospitalar e Agroindústria AULA 1 Prof.º Cleverson Luis

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Hospitalar e Agroindústria AULA 1 Prof.º Cleverson Luis FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Hospitalar e Agroindústria AULA 1 Prof.º Cleverson Luis Competências a serem trabalhadas nesta aula Conhecer o segmento econômico da Agroindústria

Leia mais

ADUBAÇÃO VERDE E BANCO DE SEMENTES Uma alternativa para o agricultor familiar

ADUBAÇÃO VERDE E BANCO DE SEMENTES Uma alternativa para o agricultor familiar ADUBAÇÃO VERDE E BANCO DE SEMENTES Uma alternativa para o agricultor familiar Lucas Alves Jural¹; Thais Monteiro de Souza²; Isabelle Sá e Silva Rangel³; Sandra Barros Sanchez 4 RESUMO O trabalho aqui apresentado

Leia mais

Agentes causadores. Mecanização agrícola. Compactação sob as rodas dos veículos distribuição de pressão no solo.

Agentes causadores. Mecanização agrícola. Compactação sob as rodas dos veículos distribuição de pressão no solo. Agentes causadores Mecanização agrícola Compactação sob as rodas dos veículos distribuição de pressão no solo. Peso do veículo que determinará o total da força exercida Tamanho da área de contato entre

Leia mais

26 a 29 de novembro de 2013 Campus de Palmas

26 a 29 de novembro de 2013 Campus de Palmas PRODUÇÃO DE MUDAS DE FAVA DE BOLOTA (PARKIA PENDULA), IPÊ AMARELO (TABEBUIA CHRYSOTRICHA) E IPÊ BRANCO (TABEBUIA RÓSEO-ALBA) PARA FINS DE ARBORIZAÇÃO DE ÁREAS VERDES URBANA Soraia Morgana de Oliveira Silva

Leia mais

Avaliação da altura do Cedro Australiano (Toona ciliata var. australis) após diferentes níveis de adubação de plantio

Avaliação da altura do Cedro Australiano (Toona ciliata var. australis) após diferentes níveis de adubação de plantio Avaliação da altura do Cedro Australiano (Toona ciliata var. australis) após diferentes níveis de adubação de plantio Josimar Rodrigues OLIVEIRA 1** ; Josiane Rodrigues OLIVEIRA²; Urbano Teixeira Guimarães

Leia mais

PRODUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE MUDAS DE ESPÉCIES NATIVAS NO CAMPUS III/UFPB: CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA

PRODUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE MUDAS DE ESPÉCIES NATIVAS NO CAMPUS III/UFPB: CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA PRODUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE MUDAS DE ESPÉCIES NATIVAS NO CAMPUS III/UFPB: CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA AZEREDO 1, Gilvaneide Alves de SILVA 2, Josefa Jussara Rego ARAUJO 3, Leandro NASCIMENTO 4, Rodrigo Garcia

Leia mais

GESTÃO DA CONVIVÊNCIA ENTRE AS ÁRVORES E A REDE DE ENERGIA ELÉTRICA

GESTÃO DA CONVIVÊNCIA ENTRE AS ÁRVORES E A REDE DE ENERGIA ELÉTRICA GESTÃO DA CONVIVÊNCIA ENTRE AS ÁRVORES E A REDE DE ENERGIA ELÉTRICA E disse Deus: Produza a terra relva, ervas que dêem sementes, e árvores...... e árvores que davam fruto, cuja semente estava nele, conforme

Leia mais

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES 02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES O estabelecimento inicial de uma lavoura depende essencialmente do potencial fisiológico das sementes utilizadas na semeadura. A porcentagem, velocidade e uniformidade

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCA ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADORA DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL Rita de Cássia Gonçalves Borges

Currículos dos Cursos do CCA ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADORA DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL Rita de Cássia Gonçalves Borges 48 ENGENHARIA FLORESTAL COORDENADORA DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL Rita de Cássia Gonçalves Borges borgerg@ufv.br Catálogo de Graduação 2002 49 ATUAÇÃO O Engenheiro estará habilitado a atuar em atividades

Leia mais

Relatório de Atividades.

Relatório de Atividades. Relatório de Atividades 2016 www.apremavi.org.br Programa Matas Legais Objetivo: Desenvolver um programa de Conservação, Educação Ambiental e Fomento Florestal que ajude a preservar e recuperar os remanescentes

Leia mais

Sistema Laminar Médio. Ecotelhado. ECOTELHADO : Fone: (51) site:

Sistema Laminar Médio. Ecotelhado. ECOTELHADO : Fone: (51) site: - Sistema Laminar Médio Ecotelhado Fone: (51) 3242.8215 2 Especificações O Sistema Laminar Médio Ecotelhado é o conjunto dos seguintes elementos: Módulo Piso Nuvem Membrana de Absorção Substrato Leve Ecotelhado

Leia mais

Programa de Reflorestamento

Programa de Reflorestamento Instituto Oksigeno OSCIP n.º registro: 08071.002714/2007-13 Compensação de Gases de Efeito Estufa Evento Encontro de Conselheiros 2011 PREVI Programa de Reflorestamento em Atendimento ao Projeto de Carboneutralização

Leia mais

Proposta de Parceria Cursos IBF. ibflorestas.org.br (43)

Proposta de Parceria Cursos IBF. ibflorestas.org.br (43) Proposta de Parceria Cursos IBF ibflorestas.org.br jessica.silva@ibflorestas.org.br (43) 3324-7551 Investimento Quem Somos O IBF atua no desenvolvimento do setor ambiental brasileiro, ajudando empresas

Leia mais

1O que é. A adubação verde é uma prática agrícola utilizada há

1O que é. A adubação verde é uma prática agrícola utilizada há Milton Parron Padovan Rogério Ferreira da Silva Adubação Verde - Opções para Outono/Inverno, Primavera/Verão e Espécies Perenes 1O que é. A adubação verde é uma prática agrícola utilizada há milhares de

Leia mais

UFPR- SCA - CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL GRADE HORÁRIA - 1º SEMESTRE 2016

UFPR- SCA - CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL GRADE HORÁRIA - 1º SEMESTRE 2016 1º PERÍODO AT141 FÍSICA I - 3 55 2F07:30-10:30 CD046 EXPRESSÃO GRÁFICA I - GEOMETRIA DESCRITIVA - 3 35 35 CENTRO 4F 09:30-12:30 4F 09:30-12:30 CM22 MATEMÁTICA I - 4 55 CENTRO 5F 07:30-09:30 6F 09:30-11:30

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNESPAR PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNESPAR PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNESPAR PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID Plano/ Relatório de Atividades (PIBID/UNESPAR) Tipo do produto:

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL - UFG/EA, Campus Samambaia - Goiânia, GO. - MATRIZ CURRICULAR - PRÉ- REQUISITO(S) UNID. RESP.

CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL - UFG/EA, Campus Samambaia - Goiânia, GO. - MATRIZ CURRICULAR - PRÉ- REQUISITO(S) UNID. RESP. CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL - UFG/EA, Campus Samambaia - Goiânia, GO. - MATRIZ CURRICULAR - CHTS C H S NÚCLEO NATUREZA 01 5117 Introdução à Engenharia Florestal EA 32 32 00 Específico Obrigatória 02

Leia mais

Princípios básicos para o projeto de arborização urbana

Princípios básicos para o projeto de arborização urbana Princípios básicos para o projeto de arborização urbana Respeitar os valores culturais, ambientais e de memória da cidade. Proporcionar conforto sombreamento, abrigo e alimento para avifauna, diversidade

Leia mais

NÚCLEOS DE ENSINO Convite 2011

NÚCLEOS DE ENSINO Convite 2011 A Reitoria, por intermédio da Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD, torna público e CONVIDA os professores da UNESP, interessados em Educação, a apresentarem propostas para obtenção de financiamento de projetos

Leia mais

Olericultura. A Cultura da Abobrinha (Cucurbita pepo) Família Cucurbitácea

Olericultura. A Cultura da Abobrinha (Cucurbita pepo) Família Cucurbitácea 1 de 5 10/16/aaaa 11:56 Olericultura A Cultura da Abobrinha (Cucurbita pepo) Família Cucurbitácea Nome Cultura da Abobrinha Produto Informação Tecnológica Data Julho - 2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Leia mais

4 Núcleos de Trabalho. 26 Colaboradores. Entidade civil sem fins lucrativos de caráter socioambiental, fundada em 1996, sediada na cidade de São Paulo

4 Núcleos de Trabalho. 26 Colaboradores. Entidade civil sem fins lucrativos de caráter socioambiental, fundada em 1996, sediada na cidade de São Paulo Entidade civil sem fins lucrativos de caráter socioambiental, fundada em 1996, sediada na cidade de São Paulo 4 Núcleos de Trabalho São Paulo Porto Feliz Pilar do Sul Capão Bonito 26 Colaboradores eng.

Leia mais

hortos florestais estaduais atenção: Funcionam de segunda a sexta-feira, das 7 às 16h

hortos florestais estaduais atenção: Funcionam de segunda a sexta-feira, das 7 às 16h hortos florestais estaduais horto central florestal santos lima (hcfsl) Avenida José Dantas dos Santos, n 35, Parque Itaporanga Município de Santa Maria Madalena RJ CEP 28760-000 Telefones: (22) 25613110

Leia mais

MUDAS DE CAFÉ EM SACOLINHAS DE TNT(AGROPOTE) SOBRE FUNDO TELADO. Matiello, Almeida, Aguiar, Josino e Araujo.

MUDAS DE CAFÉ EM SACOLINHAS DE TNT(AGROPOTE) SOBRE FUNDO TELADO. Matiello, Almeida, Aguiar, Josino e Araujo. MUDAS DE CAFÉ EM SACOLINHAS DE TNT(AGROPOTE) SOBRE FUNDO TELADO Matiello, Almeida, Aguiar, Josino e Araujo. Justificativas Nos projetos de cafeicultura empresarial, vem sendo introduzido o uso de mudas

Leia mais

EDITAL Centro de Pesquisa Mokiti Okada - CPMO. Programa de Estágio Supervisionado 2º semestre

EDITAL Centro de Pesquisa Mokiti Okada - CPMO. Programa de Estágio Supervisionado 2º semestre EDITAL 2015 Centro de Pesquisa Mokiti Okada - CPMO Programa de Estágio Supervisionado 2º semestre 01. A Instituição O Centro de Pesquisa Mokiti Okada CPMO, localizado em Ipeúna/SP, tem como OBJETIVO pesquisar,

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: Olericultura Orgânica Código da Disciplina: AGR383. Semestre de oferta da disciplina: I e II

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: Olericultura Orgânica Código da Disciplina: AGR383. Semestre de oferta da disciplina: I e II PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Olericultura Orgânica Código da Disciplina: AGR383 Curso: Agronomia Semestre de oferta da disciplina: I e II Faculdade responsável: Agronomia Matriz 120 Programa em vigência

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Projeto de Reflorestamento com Espécies Nativas no Bioma Mata Atlântica Paraná Brasil

TERMO DE REFERÊNCIA. Projeto de Reflorestamento com Espécies Nativas no Bioma Mata Atlântica Paraná Brasil TERMO DE REFERÊNCIA Projeto de Reflorestamento com Espécies Nativas no Bioma Mata Atlântica Paraná Brasil Contextualização e justificativa A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos,

Leia mais

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Promoção SEST / SENAT Conteúdo Técnico ESCOLA DO TRANSPORTE JULHO/2007 Plante Árvores O

Leia mais

MENSURAÇÃO DO DIÂMETRO DE COPA DAS ESPÉCIES DE ÁRVORES EM TRÊS AVENIDAS CENTRAIS DE GURUPI-TO

MENSURAÇÃO DO DIÂMETRO DE COPA DAS ESPÉCIES DE ÁRVORES EM TRÊS AVENIDAS CENTRAIS DE GURUPI-TO MENSURAÇÃO DO DIÂMETRO DE COPA DAS ESPÉCIES DE ÁRVORES EM TRÊS AVENIDAS CENTRAIS DE GURUPI-TO Gabriel Costa Rocha 1 ; André Ferreira dos Santos 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Florestal; Campus de Gurupi;

Leia mais

Formação e manejo de pastagem

Formação e manejo de pastagem Formação e manejo de pastagem Formação de pastagens Pastagens: áreas cobertas por vegetação nativa ou plantas introduzidas e adaptadas, que são utilizadas para o pastoreio dos animais Pastagem artificial

Leia mais

GUANANDI. História. Retorno financeiro

GUANANDI. História. Retorno financeiro GUANANDI História A primeira madeira de lei do Brasil, o guanandi (Calophyllum brasiliensis), possui características específicas que o torna um ótimo empreendimento comercial nas áreas de reflorestamento

Leia mais

VIVEIRISMO PARA AGRICULTORES FAMILIARES: UMA INICIATIVA CAPAZ DE GERAR TRABALHO E RENDA, ALÉM DE PROMOVER A INCLUSÃO SOCIAL

VIVEIRISMO PARA AGRICULTORES FAMILIARES: UMA INICIATIVA CAPAZ DE GERAR TRABALHO E RENDA, ALÉM DE PROMOVER A INCLUSÃO SOCIAL VIVEIRISMO PARA AGRICULTORES FAMILIARES: UMA INICIATIVA CAPAZ DE GERAR TRAALHO E RENDA, ALÉM DE PROMOVER A INCLUSÃO SOCIAL Leonaldo Alves de Andrade 1 Lamartine Soares ezerra de Oliveira 2 Renata Moutinho

Leia mais

Geologia e conservação de solos. Luiz José Cruz Bezerra

Geologia e conservação de solos. Luiz José Cruz Bezerra Geologia e conservação de solos Luiz José Cruz Bezerra SOLO É a parte natural e integrada à paisagem que dá suporte às plantas que nele se desenvolvem. Parte mais superficial e fina da crosta terrestre.

Leia mais

Silvicultura de Eucalipto: Implantação e Manejo

Silvicultura de Eucalipto: Implantação e Manejo Silvicultura de Eucalipto: Implantação e Manejo Sidney Medeiros Engenheiro Agrônomo Outubro/2014 R&S FLORESTAL Viveiro especializado na produção de mudas de eucalipto (clone e semente) PlanalGna/DF (220km

Leia mais

RELAÇÃO SOLO, ÁGUA, PLANTA. Engº Agrº Nilton Brittos da Silva ESREG- ESTRELA JUNHO/07

RELAÇÃO SOLO, ÁGUA, PLANTA. Engº Agrº Nilton Brittos da Silva ESREG- ESTRELA JUNHO/07 RELAÇÃO SOLO, ÁGUA, PLANTA Engº Agrº Nilton Brittos da Silva ESREG- ESTRELA JUNHO/07 RELAÇÃO SOLO-ÁGUA-CLIMA E PLANTA A irrigação não deve ser considerada, apenas, como a captação, condução e o fornecimento

Leia mais

Guanandi Calophyllum brasiliense. (43)

Guanandi Calophyllum brasiliense.  (43) Guanandi Calophyllum brasiliense www.ibflorestas.org.br contato@ibflorestas.org.br (43) 3324-7551 Guanandi Calophyllum brasiliense Substrato Florestal No Brasil também é conhecido como Jacareúba, Santa

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A FOTOGRAFIA E A PERCEPÇÃO AMBIENTAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PIBID/CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. Relato de Experiência

A RELAÇÃO ENTRE A FOTOGRAFIA E A PERCEPÇÃO AMBIENTAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PIBID/CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. Relato de Experiência A RELAÇÃO ENTRE A FOTOGRAFIA E A PERCEPÇÃO AMBIENTAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PIBID/CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Relato de Experiência Fernando Lourenço Pereira Cristiane Monteiro dos Santos 2 Ana Carolina

Leia mais

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO. O Projeto apresenta trinta e dois (32) artigos, divididos em sete (07) capítulos.

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO. O Projeto apresenta trinta e dois (32) artigos, divididos em sete (07) capítulos. PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA Projeto de Lei nº 145 de 18 de setembro de 2013 AUTOR: Poder Executivo PARECER: Favorável, sem apresentação de emendas EMENTA: Estabelece normas de Proteção

Leia mais

Formulário para Registro de Programas e Projetos de Extensão

Formulário para Registro de Programas e Projetos de Extensão Formulário para egistro de Programas e Projetos de xtensão ítulo Campus ou setor reitoria inculado à quais cursos? Área do Conhecimento Bioma Pampa: a proposta da niversidade Federal do Pampa para o desenvolvimento

Leia mais

3º Encontro de Ciência e Tecnologia FARO/IJN. Edital Tema: CIÊNCIA ALIMENTANDO O BRASIL

3º Encontro de Ciência e Tecnologia FARO/IJN. Edital Tema: CIÊNCIA ALIMENTANDO O BRASIL 3º Encontro de Ciência e Tecnologia FARO/IJN Edital 2016 Tema: CIÊNCIA ALIMENTANDO O BRASIL A Direção da Faculdade de Rondônia FARO/IJN torna público, por meio deste edital, as informações para realização

Leia mais

Passo-a-passo Sementeira - Bandeja de Isopor

Passo-a-passo Sementeira - Bandeja de Isopor 44 Passo-a-passo Sementeira - Bandeja de Isopor Materiais necessários: Nesta etapa é necessário utilizar materiais de excelente qualidade, é o início de todo processo. Material necessário:.01 bandeja de

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Agronomia Professores: José Luiz Petri petri@gegnet.com.br; petri@epagri.sc.gov.br Período/ Fase: V

Leia mais

PROPAGAÇÃO. Plantas Medicinais

PROPAGAÇÃO. Plantas Medicinais PROPAGAÇÃO Ação de multiplicar ou dar continuidade a uma forma de vida, permitindo o cultivo e a preservação de espécies importância estabelecimento dos cultivos e hortos garantia da identidade das espécies

Leia mais

LACERDA, Liliane. IASB,

LACERDA, Liliane. IASB, 109 - Sistemas agroflorestais como alternativa de recuperação de matas ciliares e geração de renda em pequenas propriedades às margens do Rio Mimoso, em Bonito, MS LACERDA, Liliane. IASB, iasb@iasb.org.br.

Leia mais

Giovanne D. Costa

Giovanne D. Costa ESCOLA ESTADUAL SÃO SEBASTIÃO NOME DA INSTITUIÇÃO: Escola Estadual São Sebastião MUNICÍPIO: Timóteo SRE: Coronel Fabriciano TÍTULO DO TRABALHO: Horta Solidária AUTORES: Sirley de F. Batista (sirley.freitas.batista@hotmail.com),masp:10651230,cpf:70481385649,

Leia mais

III Concurso Cultural

III Concurso Cultural O 3º Concurso Cultural de Desenho e Redação/ Poesia, é dirigido aos estudantes do ensino fundamental (do 1º ao 9º ano), promovido pela OJI PAPÉIS ESPECIAIS, em parceria com a OSCIP PIRA 21 Piracicaba realizando

Leia mais

Composição do solo e relação entre as fases. Atributos físicos e químicos do solo -Aula 3- Prof. Alexandre Paiva da Silva.

Composição do solo e relação entre as fases. Atributos físicos e químicos do solo -Aula 3- Prof. Alexandre Paiva da Silva. Composição do solo e relação entre as fases Atributos físicos e químicos do solo -Aula 3- Prof. Alexandre Paiva da Silva Introdução Conceito de solo Formação e tipos de solo Importância dos solos Função

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Aprovado pelo CONSUNI Nº15 em 24/05/2016 ÍNDICE CAPITULO I Da Constituição,

Leia mais

PLANTIO CONSORCIADO DE PIMENTA DEDO-DE-MOÇA COM ADUBOS VERDES: PROMOÇÃO DE CRESCIMENTO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS PROJETO DE PESQUISA

PLANTIO CONSORCIADO DE PIMENTA DEDO-DE-MOÇA COM ADUBOS VERDES: PROMOÇÃO DE CRESCIMENTO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS PROJETO DE PESQUISA PLANTIO CONSORCIADO DE PIMENTA DEDO-DE-MOÇA COM ADUBOS VERDES: PROMOÇÃO DE CRESCIMENTO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS PROJETO DE PESQUISA PROFESSOR: MARCELO TAVARES DE CASTRO ALUNO: FABIOLA DOS REIS LIMA CURSO:

Leia mais

Diagnóstico do Parque Augusta

Diagnóstico do Parque Augusta Diagnóstico do Parque Augusta Bruno Massao Carolina Camargo Daniela Gomes Giuliana Takahashi Luciana Santiago ESCRITÓRIO MODELO 2013 Localização Próximo ao local há comércios, universidades (Mackenzie,

Leia mais

ANEXO I MODELO DE PROJETO DISCENTE CAPA

ANEXO I MODELO DE PROJETO DISCENTE CAPA ANEXO I MODELO DE PROJETO DISCENTE Segue abaixo o modelo para apresentação de projeto discente ao Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ), Campus São Gonçalo, com o

Leia mais

Resumo Público do Plano de Manejo Florestal da Fazenda Citróleo

Resumo Público do Plano de Manejo Florestal da Fazenda Citróleo Resumo Público do Plano de Manejo Florestal da Fazenda Citróleo CITRÓLEO INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ÓLEOS ESSECIAIS LTDA FAZENDA CITRÓLEO BAIRRO TRES PINHEIROS CEP 37.443-000 BAEPENDI / MG CNPJ 51.527.190/0002-11

Leia mais

Arborização Urbana e Saúde

Arborização Urbana e Saúde Curso sobre Arborização Urbana - GT Arborização e Agricultura Urbana do CADES Pinheiros - 05-05-14 Arborização Urbana e Saúde Thais Mauad Professor Associado Faculdade de Medicina da USP tmauad@usp.br

Leia mais