DETECÇÃO DE EPIDEMIA E A CURVA EPIDÊMICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DETECÇÃO DE EPIDEMIA E A CURVA EPIDÊMICA"

Transcrição

1 7.1 Introdução 7.2 Notificação compulsória 7.3 Critérios de identificação de epidemia Índice endêmico e diagrama de controle 7.4 Conclusão Referências 7 DETECÇÃO DE EPIDEMIA E A CURVA EPIDÊMICA Dirce Maria Trevisan Zanetta Licenciatura em Ciências USP/ Univesp

2 Licenciatura em Ciências USP/Univesp Módulo Introdução Na aula anterior, você estudou como a descrição da distribuição de ocorrência do agravo à saúde permite identificar quem está ficando doente, onde as doenças estão ocorrendo e a sua relação com o tempo, isto é, verificar se existe algum padrão dessa ocorrência, como variação cíclica, sazonalidade ou se existe tendência temporal. Esse conhecimento é importante para levantar hipóteses sobre a etiologia da doença e auxiliar o planejamento de intervenções em saúde para a prevenção ou tratamento de doenças, além de permitir avaliar o impacto dessas intervenções. Nesta aula, você vai aprender como o acompanhamento da distribuição de ocorrência da doença com o tempo permite identificar uma epidemia. A evolução temporal dos casos durante a epidemia, a descrição das pessoas acometidas e os lugares onde as doenças acontecem auxiliam a identificar os determinantes das epidemias e, dessa forma, decidir ações para o seu controle. A vigilância em saúde é uma prática destinada a verificar, de forma sistemática, como se encontra a situação de determinada doença em um grupo populacional, por meio do levantamento contínuo de todos os aspectos relacionados com a manifestação e propagação de uma doença que sejam importantes para o seu controle eficaz (Waldman; Costa-Rosa, 1998). 7.2 Notificação compulsória A necessidade de vigilância surgiu principalmente em função de doenças infecciosas epidêmicas. Pela sua facilidade de transmissão e por sua gravidade, essas doenças sempre foram tidas como uma ameaça à segurança da população. Para se adotarem medidas e impedir a sua propagação, é necessário obter informações rápidas da ocorrência de casos ou infecções. Para isso, existe uma lista de doenças que são de notificação compulsória quando se suspeita da ocorrência ou se faz o diagnóstico. Essa lista não é fixa, podendo variar no tempo e no espaço. Cada território deve definir quais doenças representam ameaça e, portanto, devem ser vigiadas. Meningites, hepatites, dengue, febre amarela, malária, leishmaniose, esquistossomose são alguns exemplos de doenças incluídas como de notificação compulsória. Isso significa que qualquer pessoa que esteja atuando na área da Saúde (médico, enfermeiro, fisioterapeuta etc.), ao identificar um caso suspeito ou confirmado dessas doenças, deve obrigatoriamente passar a

3 86 Licenciatura em Ciências USP/Univesp Módulo 5 informação adiante, ou seja, notificar. Isso é feito com o preenchimento de uma ficha ou formulário para cada caso detectado, com dados que incluem diagnóstico, idade, sexo, local de residência, ocupação etc. Assim, são colhidas as informações básicas associadas ao evento. Para ilustrar, imaginemos uma pessoa que se sente mal, procura um serviço de saúde e o profissional que a atende suspeita de que seja um caso de meningite (doença de notificação compulsória). Mesmo que o caso seja apenas suspeito, sem diagnóstico definitivo, o profissional deverá fazer a notificação, preenchendo o formulário apropriado. Essa notificação chega ao serviço de vigilância para análise dos dados. Se for necessário, uma equipe de profissionais do serviço de vigilância vai investigar o caso. A investigação é feita para identificar a etiologia da doença quando ela é desconhecida, as fontes e modos de transmissão, e os grupos de pessoas expostas a maior risco para orientar as medidas de prevenção que devem ser adotadas. No vídeo Sistema de Vigilância, disponível no endereço aids.gov.br/pagina/vigilancia-epidemiologia-e-sinan, é mostrado um dia de trabalho em um Serviço de Vigilância e as medidas tomadas após a notificação de doenças. É interessante assistir a esse vídeo. A notificação é registrada no Sistema Nacional de Agravos Notificáveis (SINAN), um banco de dados que contém os dados da notificação e aqueles obtidos com a investigação posterior, por exemplo, outras informações colhidas na investigação e o seu resultado final, isto é, se o caso inicialmente suspeito foi confirmado ou se os exames posteriores descartaram o diagnóstico. Os dados das doenças armazenados no banco de dados (SINAN) permitem a sua análise rápida, o mapeamento da localização dos eventos notificados, a geração de tabelas, gráficos etc. Assim, a descrição estatística dos dados notificados permite acompanhar a ocorrência das doenças que são de notificação compulsória. 7 Detecção de epidemia e a curva epidêmica

4 Licenciatura em Ciências USP/Univesp Módulo Critérios de identificação de epidemia A análise da frequência de ocorrência das doenças com o tempo permite conhecer sua tendência e identificar se as doenças acontecem fora do que é esperado, como é o caso da detecção de surtos e epidemias. Uma epidemia é a ocorrência de casos de uma doença em excesso em relação ao esperado. São exemplos atuais a AIDS, a influenza, a dengue e muitas outras doenças. O Gráfico 7.1 mostra os casos de infecção pelo vírus influenza A H1N1 (gripe), que ocorreram durante a epidemia em 2009, no Estado de São Paulo. Esse tipo de gráfico é denominado curva epidêmica temporal e é construído com o tempo na abscissa e o número de casos novos na coordenada. A semana epidemiológica é uma padronização internacional para descrição do tempo de ocorrência das doenças, que permite a comparação dos dados. As semanas epidemiológicas iniciam-se no domingo e terminam no sábado, sendo a primeira semana epidemiológica de cada ano aquela que contém o maior número de dias do novo ano. Por isso, elas não coincidem, necessariamente, com o calendário. O tipo de curva descrito pela ocorrência dos casos fornece muitas pistas sobre a evolução da epidemia, mostrando as fases de progressão (ascensão da curva), pico e regressão (declínio da curva). A duração da epidemia é variável, podendo ser de alguns dias a meses, dependendo da doença e das variáveis que determinaram a sua evolução. Quando os casos têm um aumento brusco, que decai também rapidamente, deve-se suspeitar de que a fonte de contaminação foi comum, isto é, que ocorreu em um único momento, por exemplo, um alimento contaminado em uma refeição. Esse tipo de epidemia é denominado explosivo ou por fonte comum.

5 88 Licenciatura em Ciências USP/Univesp Módulo 5 Se os casos têm um aumento gradual, ocorre a epidemia por propagação ou progressiva, que pode ocorrer por transmissão direta, de pessoa a pessoa, ou ser transmitida por meio de vetores, como é o caso da dengue. Gráfico 7.1: Distribuição dos casos e óbitos, confirmados para influenza A (H1N1), segundo semana epidemiológica. Estado de São Paulo, / Fonte: modificado de Sinan Web, Em geral, quando ocorre uma epidemia localizada em uma determinada região ou local (por exemplo, quando os casos acometem alunos de uma escola, crianças de uma creche, um asilo etc.), ela é chamada surto. Quando ocorre um surto, para poder adotar as medidas de controle, é importante caracterizar os casos de doenças por tempo e lugar em que acontecem e as pessoas acometidas, identificando as suas características e como elas diferem daquelas que não ficaram doentes. As informações colhidas permitem levantar hipóteses em relação à identificação da fonte de infecção, como está sendo a sua disseminação entre as pessoas e ao modo de transmissão. Essas hipóteses são testadas com realização de culturas a partir de amostras biológicas coletadas, testes diagnósticos ou por estudos que comparam um grupo de pessoas acometidas com um grupo de pessoas não acometidas (controle) para verificar se existe diferença entre os grupos e decidir se ela pode ser aceita ou deve ser rejeitada. 7 Detecção de epidemia e a curva epidêmica

6 Licenciatura em Ciências USP/Univesp Módulo 5 89 Por exemplo, se ocorrem casos diarreicos em pessoas que participaram de um jantar, na investigação procura-se saber quantas das pessoas que participaram do jantar apresentaram sintomas, quais foram esses sintomas e o dia e hora em que apareceram. Procura-se também identificar, por meio da aplicação de um questionário, o que cada pessoa comeu. A comparação dos alimentos ingeridos por quem teve sintomas e por quem não teve auxilia na identificação do alimento que foi a fonte de contaminação da doença. Para investigar surtos epidêmicos, logo que surgem e durante sua vigência, é calculada a taxa de ataque, que é a incidência da doença que ocorre em uma população específica ou um grupo definido de pessoas, limitada a um período de tempo de dias ou semanas e localizada em uma área restrita. Taxa de ataque = Pessoas sob o risco que desenvolvem a doença Total de pessoas sob risco No exemplo anterior, para o cálculo da taxa de ataque, o número de pessoas que tiveram quadro diarreico seria dividido pelo número de pessoas que participaram do jantar. Há doenças que não se restringem a uma determinada área geográfica. Podem ocupar extensas regiões do planeta com relativa rapidez, estendendo-se por vários continentes. Nesse caso, ocorre uma pandemia. Pandemia é a ocorrência de uma epidemia com ampla distribuição espacial, atingindo mais de um país ou de um continente. A circulação do vírus da influenza A, H1N1, que ocorreu em 2009 é um exemplo recente, tendo sido confirmados casos em vários continentes no período de poucos meses. Vimos que uma epidemia é a ocorrência de casos de uma doença em excesso em relação ao esperado. Portanto, para que se possa identificar uma epidemia, é necessário conhecer o comportamento da doença na população e saber qual a ocorrência esperada.

7 90 Licenciatura em Ciências USP/Univesp Módulo 5 Quando uma determinada doença acomete uma população no decorrer de um longo período de tempo com uma incidência relativamente constante, dizemos que essa doença é endêmica. Uma doença endêmica pode apresentar variações cíclicas ou sazonais ao longo do tempo. Portanto, é somente quando se conhece o comportamento passado da curva de ocorrência de uma doença ao longo do tempo que se pode afirmar, no presente, se estamos ou não diante de uma epidemia. O Gráfico 7.2 mostra os coeficientes de incidência por 100 mil habitantes de poliomielite no município de São Paulo no período de 1924 a No primeiro período, que vai até cerca de 1950, a doença foi endêmica na população, com as oscilações da incidência dentro de um padrão definido. A partir de então, ocorreu um grande aumento, consistindo em um período de epidemia. Após a introdução da vacina na rotina vacinal, a doença voltou aos níveis endêmicos e, após a década de 80, quando começaram as campanhas de vacinação em massa, a doença foi erradicada em nosso país. Gráfico 7.2: Mortalidade por poliomielite. Município de São Paulo ( ). / Fonte: Fund. SEADE. 7 Detecção de epidemia e a curva epidêmica

8 Licenciatura em Ciências USP/Univesp Módulo Índice endêmico e diagrama de controle Há diferentes métodos utilizados para saber se o número de casos notificados de uma determinada doença que são notificados está dentro do esperado ou se representa um valor acima do que normalmente se espera. Os valores esperados são o índice endêmico da doença e sua representação gráfica é o diagrama de controle. Existem diferentes métodos que utilizam técnicas estatísticas para a confecção do diagrama. Vamos ver um dos métodos, que consiste na representação gráfica da distribuição da média mensal e desvio-padrão das incidências (ou número de casos) observadas em um período de tempo (em geral, de pelo menos 10 anos). Para a construção desse diagrama, é calculada a média aritmética e os desvios-padrão das incidências registradas em cada um dos meses do ano, observadas nos anos anteriores, após excluir os dados referentes aos anos endêmicos. O limite de variação esperada para cada mês compreenderá os valores que ficam no intervalo que corresponde à média ± 1,96 desvios-padrão. Esse intervalo corresponde ao nível endêmico da doença e é representado graficamente. Os limites inferior e superior do intervalo definem o diagrama de controle. As incidências que ocorrem dentro desse intervalo são consideradas dentro dos valores esperados. Quando a incidência da doença ultrapassa o limite superior da variação esperada, diz-se que está ocorrendo uma epidemia. Vamos ver o exemplo que é apresentado no Guia de Vigilância Epidemiológica do Ministério da Saúde, Na Tabela 7.1 é mostrada a incidência mensal da doença meningocócica por 100 mil habitantes no Brasil, de 1983 a 2000.

9 92 Licenciatura em Ciências USP/Univesp Módulo 5 Tabela 7.1: Coeficiente de incidência da doença meningocócica. Brasil, Ano Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez ,08 0,08 0,1 0,08 0,12 0,11 0,11 0,11 0,09 0,08 0,09 0, ,08 0,07 0,07 0,08 0,11 0,09 0,11 0,1 0,08 0,1 0,09 0, ,06 0,05 0,05 0,06 0,07 0,06 0,07 0,07 0,06 0,07 0,06 0, ,11 0,08 0,1 0,07 0,1 0,11 0,17 0,15 0,12 0,13 0,12 0, ,15 0,11 0,17 0,15 0,17 0,16 0,17 0,12 0,13 0,15 0,13 0, ,12 0,11 0,14 0,18 0,17 0,22 0,3 0,29 0,17 0,15 0,17 0, ,14 0,13 0,15 0,17 0,24 0,27 0,31 0,27 0,2 0,2 0,19 0, ,24 0,16 0,2 0,18 0,25 0,26 0,3 0,28 0,32 0,28 0,24 0, ,22 0,17 0,18 0,19 0,21 0,23 0,3 0,28 0,28 0,3 0,21 0, ,2 0,19 0,25 0,22 0,23 0,25 0,29 0,29 0,28 0,29 0,2 0, ,22 0,23 0,29 0,36 0,36 0,31 0,36 0,34 0,3 0,29 0,24 0, ,29 0,21 0,27 0,28 0,31 0,41 0,49 0,44 0,4 0,32 0,31 0, ,27 0,23 0,37 0,28 0,39 0,47 0,49 0,45 0,43 0,37 0,32 0, ,28 0,28 0,33 0,31 0,36 0,43 0,53 0,5 0,38 0,38 0,3 0, ,34 0,26 0,31 0,31 0,36 0,43 0,48 0,42 0,4 0,3 0,28 0, ,28 0,22 0,29 0,25 0,35 0,43 0,45 0,33 0,31 0,31 0,27 0, ,23 0,22 0,24 0,25 0,29 0,36 0,33 0,28 0,24 0,23 0,2 0, ,24 0,16 0,2 0,18 0,25 0,26 0,3 0,28 0,32 0,28 0,24 0,22 Fonte: Brasil, Com os dados da tabela, após excluir os dados referentes aos anos epidêmicos, são calculados a média mensal e os limites superiores do diagrama de controle. Esses resultados estão mostrados na Tabela 7.2 a seguir. Tabela 7.2: Média mensal e limites máximo e mínimo esperados do diagrama de controle. Meses Média Desvio-padrão 7 Detecção de epidemia e a curva epidêmica Limite máximo esperado Limite mínimo esperado Jan 0, , , , Fev 0, , , , Mar 0, , , , Abr 0, , , , Mai 0, , , , Jun 0, , , , Jul 0, , , , Ago 0, , , , Set 0, , , , Out 0, , , , Nov 0, , , , Dez 0, , , , Fonte: Brasil, 2010.

10 Licenciatura em Ciências USP/Univesp Módulo 5 93 Os valores calculados e a incidência mensal para a doença em 1994 são mostrados no Gráfico 7.3. Pode-se observar que, entre junho e setembro, ocorreu um período de epidemia da doença, uma vez que as incidências mensais foram acima dos valores esperados (com o limite superior demarcado pelo diagrama de controle). Gráfico 7.3: Diagrama de controle da doença meningocócica, no período / Fonte: Brasil, Ao analisar os dados provenientes da notificação, sempre que o serviço de vigilância perceber alguma mudança no padrão da ocorrência de uma doença, devem ser imediatamente informados os serviços responsáveis pelas ações de controle das doenças. Dessa forma, são programadas rapidamente estratégias para impedir o avanço da doença. Por exemplo, vamos supor que a equipe de vigilância de uma cidade percebe, ao analisar os dados de notificação de doenças, o surgimento de casos de hepatite A em crianças de idade escolar, em um bairro periférico da cidade. A transmissão dessa doença pode ocorrer pela via fecal-oral ou por água contaminada. Informando o restante do sistema de saúde local, este pode implantar algumas ações, como avaliar e, se for preciso, melhorar a qualidade da água de beber e das condições de higiene nas escolas, incluindo o preparo e distribuição da merenda escolar. Também pode incluir temas em sala de aula ou palestras educativas, como a importância de lavar as mãos, para conscientizar os alunos sobre comportamentos de risco que facilitam o contato com o vírus.

11 94 Licenciatura em Ciências USP/Univesp Módulo 5 O serviço de vigilância também tem um papel importante na avaliação da efetividade das ações de controle adotadas. Por exemplo, a análise da incidência de uma determinada doença ao longo do tempo permite verificar se uma ação de controle realizada em um período definido resultou ou não na diminuição no número de casos da doença. 7.4 Conclusão Nesta aula, você viu que para a detecção e controle de uma epidemia, adotando-se medidas para impedir sua propagação, são necessárias informações rápidas da ocorrência de casos ou infecções. Para isso, existe uma lista de doenças que são de notificação compulsória e o acompanhamento dessas doenças permite que o serviço de vigilância analise os dados de notificação, por meio de tabelas, gráficos e mapeamento da localização dos eventos notificados. Assim, é possível a detecção de surtos e epidemias. A taxa de ataque é calculada para investigar surtos epidêmicos logo que surgem e o acompanhamento de sua evolução. Uma epidemia é a ocorrência de casos de uma doença em excesso em relação ao esperado. Portanto, para que se possa identificar uma epidemia é necessário conhecer o nível endêmico da doença. Um dos métodos para identificar uma epidemia consiste na representação gráfica da incidência da doença, comparando-a com os níveis endêmicos esperados, representados no diagrama de controle. A avaliação da efetividade das ações de controle é possível com a análise dos dados feita pela vigilância. A vigilância pode criar indicadores de monitoramento. Na próxima aula, você vai estudar o que são indicadores de saúde e para que são utilizados. Agora é a sua vez... Como parte importante desta aula, após leitura e compreensão do texto, realize as atividades propostas no Ambiente Virtual de Aprendizagem. Em caso de dúvida, entre em contato com o tutor pelo Fórum. 7 Detecção de epidemia e a curva epidêmica

12 Licenciatura em Ciências USP/Univesp Módulo 5 95 Referências Almeida Filho, N.; Rouquayrol, M. Z. Introdução à Epidemiologia. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Saúde Brasil 2010: uma análise da situação de saúde e de evidências selecionadas de impacto de ações de vigilância em saúde. Brasília: Ministério da Saúde, Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de Vigilância Epidemiológica. Série A Normas e Manuais técnicos, Brasília, 7. ed., Gordis, L. Epidemiologia. 4. ed. Rio de Janeiro: Revinter, Jekel, J. F.; Katz, D. L.; Elmore, J. G. Epidemiologia, Bioestatística e Medicina Preventiva. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, Maletta, C. H. R. Bioestatística Saúde Pública. 3. ed. Belo Horizonte: Sografe, Waldman, E. A.; Costa-Rosa, T. E. Vigilância em Saúde. São Paulo: USP, Glossário Agente infeccioso: agente biológico, capaz de produzir infecção ou doença infecciosa. Controle de doenças: operações e programas desenvolvidos para reduzir a incidência e/ou prevalência a níveis baixos. Diagrama de controle de infecção: representação gráfica da distribuição da média mensal e desvio-padrão das incidências (ou número de casos) observadas em um período de tempo (em geral, de pelo menos 10 anos). Doença transmissível ou infecciosa: doença causada por um agente infeccioso ou pela toxina produzida por ele. Endemia: presença contínua de uma enfermidade ou agente infeccioso em uma zona geográfica determinada. Epidemia: ocorre quando o número de casos de uma determinada doença excede a incidência esperada. Pandemia: epidemia de uma doença que afeta pessoas em muitos países e continentes. Surto: epidemia localizada em uma determinada região ou local. Taxa de ataque: é a incidência de doença em um grupo particular de pessoas, observadas por um período limitado de tempo e em condições especiais, como em um surto.

Processo Endêmico e Epidêmico

Processo Endêmico e Epidêmico Pontifícia Universidade Católica de Goiás Escola de Ciências Agrárias e Biológicas Processo Endêmico e Epidêmico Prof. Macks Wendhell Gonçalves Msc. Base Histórica Século VI a.c. - Hipócrates Conceitos

Leia mais

Distribuição das doenças e agravos segundo características relacionadas às pessoas, ao tempo e ao espaço (I): Séries temporais

Distribuição das doenças e agravos segundo características relacionadas às pessoas, ao tempo e ao espaço (I): Séries temporais Distribuição das doenças e agravos segundo características relacionadas às pessoas, ao tempo e ao espaço (I): Séries temporais IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade

Leia mais

A Epidemiologia Descritiva

A Epidemiologia Descritiva A Epidemiologia Descritiva A Epidemiologia no seu processo descritivo estuda a distribuição de frequências das doenças e dos agravos à saúde coletiva em função das variáveis ligadas ao tempo, ao espaço

Leia mais

PADRÃO DE OCORRÊNCIA DAS DOENÇAS: CARACTERÍSTICAS DO LUGAR E VARIAÇÕES TEMPORAIS

PADRÃO DE OCORRÊNCIA DAS DOENÇAS: CARACTERÍSTICAS DO LUGAR E VARIAÇÕES TEMPORAIS 6 PADRÃO DE OCORRÊNCIA DAS DOENÇAS: CARACTERÍSTICAS DO LUGAR E VARIAÇÕES TEMPORAIS 6.1 Introdução 6.2 A importância das características do lugar 6.3 Fatores que auxiliam no controle das doenças 6.4 Tendência

Leia mais

INFORME EPIDEMIOLÓGICO 002/2017

INFORME EPIDEMIOLÓGICO 002/2017 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COOERDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA INFORME EPIDEMIOLÓGICO 2/217 Gerência

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DESCRITIVA

EPIDEMIOLOGIA DESCRITIVA Pontifícia Universidade Católica de Goiás Escola de Ciências Agrárias e Biológicas EPIDEMIOLOGIA DESCRITIVA Prof. Macks Wendhell Gonçalves Msc Epidemiologia Descritiva Devem tentar responder 5 questões

Leia mais

DESCRIÇÃO DA FREQÜÊNCIA E DISTRIBUIÇÃO DE DADOS GERADOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE

DESCRIÇÃO DA FREQÜÊNCIA E DISTRIBUIÇÃO DE DADOS GERADOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE VIGILÂNCIA EM SAÚDE PÚBLICA 37 DESCRIÇÃO DA FREQÜÊNCIA E DISTRIBUIÇÃO DE DADOS GERADOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE Aorganização preliminar de dados gerados por sistemas de informação de morbi-mortalidade, como,

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE HEPATITE A NOTIFICADOS EM UM ESTADO NORDESTINO

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE HEPATITE A NOTIFICADOS EM UM ESTADO NORDESTINO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE HEPATITE A NOTIFICADOS EM UM ESTADO NORDESTINO Rayana Cruz de Souza; Universidade Federal da Paraíba; rayana_souza@hotmail.com Maira Ludna Duarte; Universidade Federal

Leia mais

Vigilância Epidemiológica. Profa. Rachel Sindeaux

Vigilância Epidemiológica. Profa. Rachel Sindeaux Vigilância Epidemiológica Profa. Rachel Sindeaux Vigilância Atividade contínua, permanente e sistemática; Foco para resultados inespecíficos para obtenção de metas; Utilização de dados relacionados com

Leia mais

Casos de FHD Óbitos e Taxa de letalidade

Casos de FHD Óbitos e Taxa de letalidade Casos de dengue Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Total 2003 20.471 23.612 - - - - - - - - - - 44.083 2002 94.447 188.522 237.906 128.667 60.646 23.350 12.769 10.149 6.682 7.138 9.246 9.052

Leia mais

MENINGITE E DOENÇA MENINGOCÓCICA. Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV

MENINGITE E DOENÇA MENINGOCÓCICA. Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV MENINGITE E DOENÇA MENINGOCÓCICA Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV Quais são os principais agentes da meningite? Etiologia meningites Brasil 2007-2010 (fonte: SINAN) Etiologia

Leia mais

Surtos e epidemias: Diretrizes estaduais

Surtos e epidemias: Diretrizes estaduais Secretaria de Estado de Saúde Surtos e epidemias: Diretrizes estaduais Gilson Jácome dos Reis Coordenador do CIEVS-RJ PRESSUPOSTOS: Cenário epidemiológico Transição demográfica e epidemiológica Diminuição

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina NUR300 Epidemiologia

Programa Analítico de Disciplina NUR300 Epidemiologia Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina Campus Rio Paranaíba - Campus Rio Paranaíba Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal

Leia mais

Conceito de Ecoepidemiologia Prof. Claudia Witzel

Conceito de Ecoepidemiologia Prof. Claudia Witzel Conceito de Ecoepidemiologia Prof. Claudia Witzel Definição Os fenômenos estudados pela epidemiologia pertencem ao âmbito coletivo e, portanto, devem remeter ao social. Faz sentido pensar em algum processo

Leia mais

UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico

UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico 1. Assunto: Indicadores epidemiológicos, de morbidade: incidência, prevalência, taxa de ataque e taxa de ataque secundária..

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DE SURTO

INVESTIGAÇÃO DE SURTO INVESTIGAÇÃO DE SURTO DE ORIGEM HOSPITALAR Dra Dominique Thielmann Infectologista Coordenação da CCIH do Hospital Pró Cardíaco RJ Serviço de Doenças Infectoparasitárias HUPE / UERJ Laboratório DASA RJ

Leia mais

HEPATITES VIRAIS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS EM IDOSOS: BRASIL, NORDESTE E PARAÍBA

HEPATITES VIRAIS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS EM IDOSOS: BRASIL, NORDESTE E PARAÍBA HEPATITES VIRAIS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS EM IDOSOS: BRASIL, NORDESTE E PARAÍBA Larissa Ferreira de Araújo Paz (1); Larissa dos Santos Sousa (1) Polyana Cândido de Andrade (2); Gilson Vasco da Silva

Leia mais

Medidas de Epidemiologia Geral Parte I

Medidas de Epidemiologia Geral Parte I Medidas de Epidemiologia Geral Parte I Faculdade de Ciências Médicas de Cacoal FACIMED Profª Gracian Li Pereira Habilidades Gerais VI Epidemiologia Geral 2012.2 Tipos de frações utilizadas para descrever

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 168 aprovado pela portaria Cetec nº 125 de 03/10/2012 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e

Leia mais

Análise dos casos de meningites em residentes do município do Rio de Janeiro, 2014.

Análise dos casos de meningites em residentes do município do Rio de Janeiro, 2014. Análise dos casos de meningites em residentes do município do Rio de Janeiro, 14. Foram notificados 928 casos suspeitos de meningite em residentes do município do Rio de Janeiro (MRJ) em 14 (início dos

Leia mais

Plano de Curso nº 168 aprovado pela portaria Cetec nº 125 de 03 / 10 /2012. Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Enfermagem

Plano de Curso nº 168 aprovado pela portaria Cetec nº 125 de 03 / 10 /2012. Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Enfermagem Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Curso nº 168 aprovado pela portaria Cetec nº 125 de 03 / 10 /2012 Etec Sylvio de Mattos Carvalho Código: 103 Município: Matão Eixo Tecnológico: Ambiente

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO ARBOVIROSES Nº 001/2017

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO ARBOVIROSES Nº 001/2017 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE DOENÇAS

Leia mais

Ministério da Saúde Plano Brasileiro de Preparação para uma Pandemia de Influenza

Ministério da Saúde Plano Brasileiro de Preparação para uma Pandemia de Influenza Ministério da Saúde Plano Brasileiro de Preparação para uma Pandemia de Influenza Jarbas Barbosa da Silva Jr Secretário de Vigilância em Saúde Rio de Janeiro, novembro de 2005 Cenário Mundial da Influenza

Leia mais

Boletim semanal de Vigilância da Influenza/RS Semana epidemiológica 37/2016

Boletim semanal de Vigilância da Influenza/RS Semana epidemiológica 37/2016 Boletim semanal de Vigilância da Influenza/RS Semana epidemiológica 37/2016 A vigilância da Influenza é realizada por meio de notificação e investigação de casos de internações hospitalares por Síndrome

Leia mais

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA INFORME Nº 35/2017 MONITORAMENTO DOS CASOS E ÓBITOS DE FEBRE AMARELA NO BRASIL INÍCIO DO EVENTO: Dezembro de 2016

Leia mais

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA INFORME Nº 34/2017 MONITORAMENTO DOS CASOS E ÓBITOS DE FEBRE AMARELA NO BRASIL INÍCIO DO EVENTO: Dezembro de 2016

Leia mais

CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS

CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS Prefeitura Municipal de Corumbá Paulo Roberto Duarte Secretária Municipal de Saúde Dinaci Vieira Ranzi Gerência de Vigilância em Saúde Viviane Campos Ametlla Coordenação

Leia mais

Trabalho Final Atividades Integradoras IV. Aline dos Santos Novaes Martins

Trabalho Final Atividades Integradoras IV. Aline dos Santos Novaes Martins Trabalho Final Atividades Integradoras IV Aline dos Santos Novaes Martins Centro de Vigilância Epidemiológica do Estado de São Paulo CVE/SP Missão A missão do Centro de Vigilância Epidemiológica Alexandre

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

Epidemiologia PROFS. FRANCISCO E ANA PAULA

Epidemiologia PROFS. FRANCISCO E ANA PAULA Epidemiologia HEP0136 EPIDEMIOLOGIA PROFS. FRANCISCO E ANA PAULA Epidemiologia: Definição O que é? Etimologicamente: Epi = sobre demo= população logos = tratado/ciência O estudo da frequência e da distribuição

Leia mais

Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico

Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico 1. Vigilância, notificação, avaliação dos sistemas. 2 Indicadores epidemiológicos Indicadores em saúde coletiva, introdução

Leia mais

Informe Técnico. Assunto: Informe sobre a situação do sarampo e ações desenvolvidas - Brasil, 2013.

Informe Técnico. Assunto: Informe sobre a situação do sarampo e ações desenvolvidas - Brasil, 2013. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS COORDENAÇÃO-GERAL DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS SCS, Quadra 04, Edifício Principal, 4º andar CEP:

Leia mais

DENGUEDEDENGUE BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA DENGUE. Dengue é um grave problema de saúde pública enfrentado em diversos países.

DENGUEDEDENGUE BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA DENGUE. Dengue é um grave problema de saúde pública enfrentado em diversos países. Ano 2 Nº 4 16 de Junho de 2009 BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA DENGUE Dengue é um grave problema de saúde pública enfrentado em diversos países. A transmissão da doença se dá através da picada do mosquito transmissor

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE MEDIDA DAS DOENÇAS

INDICADORES DE SAÚDE MEDIDA DAS DOENÇAS INDICADORES DE SAÚDE MEDIDA DAS DOENÇAS MEDIDA DAS DOENÇAS DEFINIÇÃO Consiste na enumeração da frequência com que uma doença e/ou agravo à saúde acomete uma população específica em um determinado tempo.

Leia mais

Unidade: Medidas de Frequência de Doenças e Indicadores de Saúde em Epidemiologia. Unidade I:

Unidade: Medidas de Frequência de Doenças e Indicadores de Saúde em Epidemiologia. Unidade I: Unidade: Medidas de Frequência de Doenças e Indicadores de Saúde em Epidemiologia Unidade I: 0 Unidade: Medidas de Frequência de Doenças e Indicadores de Saúde em Epidemiologia Introdução Existem evidências

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO SOBRE A SITUAÇÃO DA INFLUENZA NO RS 24/06/11

CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO SOBRE A SITUAÇÃO DA INFLUENZA NO RS 24/06/11 BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO SOBRE A SITUAÇÃO DA INFLUENZA NO RS 24/06/11 Em 2009, o mundo enfrentou pandemia de Influenza por um novo subtipo viral, com grande repercussão na saúde das pessoas e sobrecarga

Leia mais

Incidência de síndrome gripal em população institucionalizada, Campinas/SP 2004 a Ms. Raquel M. R. Duarte Profª Drª Maria Rita Donalísio

Incidência de síndrome gripal em população institucionalizada, Campinas/SP 2004 a Ms. Raquel M. R. Duarte Profª Drª Maria Rita Donalísio Incidência de síndrome gripal em população institucionalizada, Campinas/SP 2004 a 2005 Ms. Raquel M. R. Duarte Profª Drª Maria Rita Donalísio INTRODUÇÃO As doenças respiratórias estão entre as principais

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico 333 Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 168 aprovado pela portaria Cetec nº 125 de 03/10/2012 Etec :Paulino Botelho Código:091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente

Leia mais

Assunto: Atualização da investigação de caso suspeito de sarampo em João Pessoa/PB - 22 de outubro de 2010

Assunto: Atualização da investigação de caso suspeito de sarampo em João Pessoa/PB - 22 de outubro de 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Departamento de Vigilância Epidemiológica Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar 70.058-900 Brasília-DF Tel. 3315 2755/2812 NOTA TÉCNICA

Leia mais

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA INFORME Nº 33/2017 MONITORAMENTO DOS CASOS E ÓBITOS DE FEBRE AMARELA NO BRASIL INÍCIO DO EVENTO: Dezembro de 2016

Leia mais

Variáveis e Produtos Climáticos de Interesse para o Setor Saúde

Variáveis e Produtos Climáticos de Interesse para o Setor Saúde Programa de Mudanças Ambientais Globais e Saúde Fundação Oswaldo Cruz Rio de Janeiro Variáveis e Produtos Climáticos de Interesse para o Setor Saúde Ulisses E. C. Confalonieri FLUTUAÇÕES CLIMÁTICAS Abundância

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A B A H I A SUPERINTENDÊNCIA ACADÊMICA SECRETARIA GERAL DOS CURSOS EPIDEMIOLOGIA E ADMINISTRAÇÃO SANITÁRIA

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A B A H I A SUPERINTENDÊNCIA ACADÊMICA SECRETARIA GERAL DOS CURSOS EPIDEMIOLOGIA E ADMINISTRAÇÃO SANITÁRIA U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A B A H I A SUPERINTENDÊNCIA ACADÊMICA SECRETARIA GERAL DOS CURSOS COMPONENTE CURRICULAR CÓDIGO MEV 163 NOM E EPIDEMIOLOGIA E ADMINISTRAÇÃO SANITÁRIA CARGA HORÁRIA

Leia mais

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA 29-212 VOLUME I DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA 29-212 29-212 VOLUME I DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE LISBOA Março de 214 Portugal. Direção-Geral da Saúde. Direção de Serviços

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Família Modalidade a Distância. Módulo 3 - Epidemiologia

Curso de Especialização em Saúde da Família Modalidade a Distância. Módulo 3 - Epidemiologia Curso de Especialização em Saúde da Família Modalidade a Distância Módulo 3 - Epidemiologia Prevalência e Incidência MEDIDAS DE FREQUÊNCIA Prevalência e Incidência Ao contrário da incidência, que se refere

Leia mais

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA INFORME Nº 39/2017 MONITORAMENTO DOS CASOS E ÓBITOS DE FEBRE AMARELA NO BRASIL INÍCIO DO EVENTO: Dezembro de 2016

Leia mais

SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. Rotinas de vigilância epidemiológica da dengue

SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. Rotinas de vigilância epidemiológica da dengue SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Rotinas de vigilância epidemiológica da dengue INFECTIOUS DISEASE An infectious disease problem anywhere is a potential problem everywhere Lancet,, 356:1121, 2000 Rotinas

Leia mais

Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids

Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids História da vigilância do HIV e Aids Pré 2004 Múltiplas definições de caso de AIDS (1984-98). A notificação de HIV não era uma recomendação

Leia mais

Incidência de Dengue por Município de Residência, Brasil Brasil. Fonte: SVS e SES (até sem 52)

Incidência de Dengue por Município de Residência, Brasil Brasil. Fonte: SVS e SES (até sem 52) A Estratégia da Unidade de Saúde da Família do Junco frente à Epidemia de Dengue Liciana Nunes Filizola Olivan Queiroz Pedro Cavalcante Neto Secretaria de Saúde e Ação Social de Sobral Incidência de Dengue

Leia mais

DATA DE IMPLEMENTAÇÃO JUNHO/2011 REVISADA POR Prof. Gustavo Romero Data 07/03/2012

DATA DE IMPLEMENTAÇÃO JUNHO/2011 REVISADA POR Prof. Gustavo Romero Data 07/03/2012 DISCIPLINA VIGILÂNCIA EM SAÚDE PÚBLICA EMENTA CÓDIGO FMD 372943 VERSÃO 1.0 ELABORADA POR Prof.Vítor Laerte Pinto Junior DATA DE IMPLEMENTAÇÃO JUNHO/2011 REVISADA POR Prof. Gustavo Romero Data 07/03/2012

Leia mais

Assunto: Atualização dos casos notificados de microcefalia no estado da Bahia.

Assunto: Atualização dos casos notificados de microcefalia no estado da Bahia. NOTA INFORMATIVA Nº 01/2015 - DIVEP//SUVISA/SESAB Assunto: Atualização dos casos notificados de microcefalia no estado da Bahia. Situação epidemiológica atual Na Bahia, até 1º de dezembro de 2015, foram

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM ENFERMAGEM

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

DISTRITOS SANITÁRIOS

DISTRITOS SANITÁRIOS DISTRITOS SANITÁRIOS CONCEITO: É unidade mais periférica de administração sanitária, que detém responsabilidades e poder decisório ante a política local de saúde, tendo como objetivo chegar a uma integração

Leia mais

Instituto de Saúde Coletiva (ISC) Depto. Epidemiologia e Bioestatística Disciplina: Epidemiologia II

Instituto de Saúde Coletiva (ISC) Depto. Epidemiologia e Bioestatística Disciplina: Epidemiologia II Instituto de Saúde Coletiva (ISC) Depto. Epidemiologia e Bioestatística Disciplina: Epidemiologia II AULA 3 Medindo e descrevendo a ocorrência das doenças 2017-1 1 Medindo a ocorrência das doenças 1: Contagem,

Leia mais

Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, 2009

Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, 2009 Ano 09 - N⁰ 02 23 de Julho de 2009 Influenza Edição Especial Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, 2009 APRESENTAÇÃO Desde a declaração de Emergência de Saúde Pública de Importância

Leia mais

Andressa Caroline Trautenmüller 2.

Andressa Caroline Trautenmüller 2. SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA PARA ANÁLISE DOS CASOS E ÓBITOS DECORRENTES DA GRIPE H1N1 NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL NO PERÍODO DE JANEIRO A MAIO DE 2016. 1 Andressa Caroline Trautenmüller 2. 1 Projeto

Leia mais

ROTAVÍRUS Juliana Aquino

ROTAVÍRUS Juliana Aquino Juliana Aquino A infecção pelo rotavírus varia de um quadro leve, com diarréia aquosa e duração limitada à quadros graves com desidratação, febre e vômitos. Estima-se que essa doença seja responsável por

Leia mais

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1. Perfil epidemiológico da sífilis gestacional em residentes de Ponta Grossa, 2010 a 2014

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1. Perfil epidemiológico da sífilis gestacional em residentes de Ponta Grossa, 2010 a 2014 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Boletim da Vigilância em Saúde ABRIL 2013

Boletim da Vigilância em Saúde ABRIL 2013 Boletim da Vigilância em Saúde ABRIL 2013 Boletim da Vigilância em Saúde ABRIL 2013 Prefeito Municipal Marcio Lacerda Secretário Municipal de Saúde Marcelo Gouvêa Teixeira Secretário Municipal Adjunto

Leia mais

MEDIDAS DE FREQUÊNCIA DE EVENTOS Aula 6

MEDIDAS DE FREQUÊNCIA DE EVENTOS Aula 6 MEDIDAS DE FREQUÊNCIA DE EVENTOS Aula 6 MEDIDA DA OCORRÊNCIA DE EVENTOS COMO DOENÇAS, AGRAVOS À SAÚDE (ACIDENTES, VIOLÊNCIAS) E MORTES. Exemplo: número de pessoas que apresentaram uma dada doença num certo

Leia mais

NOTA TÉCNICA FEBRE AMARELA SESA/ES 02/2017. Assunto: Informações e procedimentos para a vigilância de Febre Amarela no Espírito Santo.

NOTA TÉCNICA FEBRE AMARELA SESA/ES 02/2017. Assunto: Informações e procedimentos para a vigilância de Febre Amarela no Espírito Santo. NOTA TÉCNICA FEBRE AMARELA SESA/ES 02/2017 Assunto: Informações e procedimentos para a vigilância de Febre Amarela no Espírito Santo. Considerando a ocorrência de casos e óbitos suspeitos de Febre Amarela

Leia mais

Vigilância da doença causada pelo zika vírus nos Estados Unidos

Vigilância da doença causada pelo zika vírus nos Estados Unidos Centros de Controle e Prevenção de Doenças Vigilância da doença causada pelo zika vírus nos Estados Unidos Marc Fischer, MD, MPH Arboviral Diseases Branch 8 de junho de 2016 Objetivos Atualizar a epidemiologia

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico 333 Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso Etec :Paulino Botelho Código:091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem

Leia mais

UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico. 1. Indicadores epidemiológicos, mortalidade e morbidade.

UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico. 1. Indicadores epidemiológicos, mortalidade e morbidade. UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico 1. Indicadores epidemiológicos, mortalidade e morbidade. 2. Exercícios gerais. 2.1 Estudos epidemiológicos coletivos.

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo 2017 2 1. Identificação Código 1.1 Disciplina: Epidemiologia e Ecologia 0520031 1.2

Leia mais

Gestão do Programa de Arboviroses do Departamento de Vigilância em Saúde de Campinas

Gestão do Programa de Arboviroses do Departamento de Vigilância em Saúde de Campinas Gestão do Programa de Arboviroses do Departamento de Vigilância em Saúde de Campinas Apresentação: Andrea von Zuben Médica Veterinária Sanitarista Diretora Departamento de Vigilância em Saúde Comparação

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio em Técnico

Leia mais

SUS SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

SUS SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Secretaria da Saúde Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto Estado de São Paulo www.saude.ribeiraopreto.sp.gov.br BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO SUS SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Quadro 1: Casos notificados de Dengue,

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Epidemiologia HEP 176. Cassia Maria Buchalla

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Epidemiologia HEP 176. Cassia Maria Buchalla UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Epidemiologia HEP 176 Cassia Maria Buchalla 2017 Método epidemiológico EPIDEMIOLO Aumento da freqüência de um evento GIA DESCRITIVA Descrição : quem sofre o evento, como, onde

Leia mais

NOTA TÉCNICA CONJUNTA Nº 01/2015

NOTA TÉCNICA CONJUNTA Nº 01/2015 NOTA TÉCNICA CONJUNTA Nº 01/2015 LACEN/DIVS/DIVE Assunto: Orienta sobre a investigação, coleta e encaminhamento de amostras biológicas, alimentos e água para diagnóstico laboratorial de surtos de Doenças

Leia mais

Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, até semana epidemiológica 31 de 2009

Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, até semana epidemiológica 31 de 2009 Edição n o 3 agosto de 2009 Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, até semana epidemiológica 31 de 2009 APRESENTAÇÃO Desde 16 de julho de 2009, após a declaração de transmissão sustentada,

Leia mais

Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 09 de 2016

Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 09 de 2016 Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 9 de 216 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

PORTARIA Nº. 5, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2006.

PORTARIA Nº. 5, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2006. PORTARIA Nº. 5, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2006. Inclui doenças na relação nacional de notificação compulsória, define doenças de notificação imediata, relação dos resultados laboratoriais que devem ser notificados

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Epidemiologia Geral HEP 143 Cassia Maria Buchalla 2017 Sistemas de Informação Sistema: conjunto de partes que se articulam para uma finalidade comum Sistema de informações: conjunto

Leia mais

Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 12 de 2016

Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 12 de 2016 Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 12 de 216 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CONCEITOS BÁSICOS DE INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 2.1 Introdução 2.2 Inferência estatística 2.3 Indução e dedução 2.4 Distribuição binominal 2.5 Conclusão Referências 2 CONCEITOS BÁSICOS DE INFERÊNCIA ESTATÍSTICA Dirce Maria Trevisan Zanetta Licenciatura

Leia mais

SECRETARIA SECRET MUNICIP ARIA

SECRETARIA SECRET MUNICIP ARIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL Influenza A (H1N1) Estratégias para Atenuação de Epidemia Márcio Garcia Centro de Informações Estratégicas em Vig. em Saúde marciogarcia@rio.rj.gov.br cievs.rio@gmail.com

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde. Rejane Maria de Souza Alves COVEH/DEVEP/SVS/MS 2006

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde. Rejane Maria de Souza Alves COVEH/DEVEP/SVS/MS 2006 Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Rejane Maria de Souza Alves COVEH/DEVEP/SVS/MS 2006 Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Vigilância Epidemiológica da Síndrome Hemolítica

Leia mais

Informe Epidemiológico 076/2017

Informe Epidemiológico 076/2017 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL Informe Epidemiológico 076/2017 Centro de Informações Estratégicas

Leia mais

QUANTOS ADOECEM E MORREM?

QUANTOS ADOECEM E MORREM? QUANTOS ADOECEM E MORREM? Medidas de frequência de doenças Razão, proporções, índice. Indicadores epidemiológicos de morbidade: Conceitos e exemplos de incidência e prevalência. O Enfoque epidemiológico

Leia mais

PEAa já ter sido confirmada pela realidade concreta no momento de início da

PEAa já ter sido confirmada pela realidade concreta no momento de início da APRESENTAÇÃO Este trabalho representa parte dos requisitos exigidos pelo Colegiado de Cursos do Programa de Pós-Graduação do Instituto de Saúde Coletiva (ISC/UFBA) para obtenção do grau de Doutor em Saúde

Leia mais

IFPB. PLANO DE ENSINO Ensino Superior

IFPB. PLANO DE ENSINO Ensino Superior PLANO DE ENSINO Ensino Superior DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: EPIDEMIOLOGIA VETERINÁRIA Curso: Medicina Veterinária Período: 2016.1 Turma 2013.1 (7º Período) Carga Horária:

Leia mais

3. Assunto: Indicadores epidemiológicos, morbidade.

3. Assunto: Indicadores epidemiológicos, morbidade. ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA - EPIDEMIOLOGIA, DEMOGRAFIA E BIOESTATÍSTICA 3. Assunto: Indicadores epidemiológicos, morbidade. 3.1 Exercícios gerais. 3.2 Medidas de freqüência

Leia mais

Medidas de Ocorrência de Doenças: Morbidade

Medidas de Ocorrência de Doenças: Morbidade Ribeirão Preto, 2016 DISCIPLINA EPIDEMIOLOGIA Medidas de Ocorrência de Doenças: Morbidade Luiz Henrique Arroyo ROTEIRO DA AULA Conceitos básicos da epidemiologia o Epidemia, Endemia o Pandemia, Surto o

Leia mais

Nota Técnica nº 13 LEISHIMANIOSE VICERAL

Nota Técnica nº 13 LEISHIMANIOSE VICERAL CENTRO DE INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS E RESPOSTA EM VIGILÂNCIA EM SAÚDE Nota Técnica nº 13 LEISHIMANIOSE VICERAL Centro de Informações Estratégicas e Resposta em Vigilância em Saúde Departamento de Epidemiologia/

Leia mais

Situação global das Arboviroses no Brasil e Estado de São Paulo e da Febre Amarela no contexto atual

Situação global das Arboviroses no Brasil e Estado de São Paulo e da Febre Amarela no contexto atual Situação global das Arboviroses no Brasil e Estado de São Paulo e da Febre Amarela no contexto atual Gizelda Katz Central/CIEVS- CVE Prof. Alexandre Vranjac ARBOVIROSES ARthropod BOrne VIRUS (Vírus Transmitido

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS ano I nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS ano I nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS 2 012 ano I nº 01 2012. Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Expediente Boletim Epidemiológico - Sífilis

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 35. Entende-se por comportamento endêmico de uma doença quando:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 35. Entende-se por comportamento endêmico de uma doença quando: 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 35 QUESTÃO 17 Entende-se por comportamento endêmico de uma doença quando: a) apresenta uma variação sazonal bem definida. b) ocorre em grande número de países

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de , DOU de

CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de , DOU de CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de 01.11.12, DOU de 06.11.12 Componente Curricular: Epidemiologia Código: FAR-313 Pré-requisito: ----- Período Letivo: 2016.1 Professor: Sueli Andrade

Leia mais

SCIH NOTIFICAÇÃO DE DOENÇAS COMPULSÓRIAS

SCIH NOTIFICAÇÃO DE DOENÇAS COMPULSÓRIAS M-N05 1 de 6 Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB; MT 1 INTRODUÇÃO A notificação compulsória consiste na comunicação da ocorrência

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 007/2015

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 007/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE DOENÇAS

Leia mais

NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA - PORTARIA Nº 204 DE 17 DE FEVEREIRO DE 2016 Prof.ª Natale Souza

NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA - PORTARIA Nº 204 DE 17 DE FEVEREIRO DE 2016 Prof.ª Natale Souza NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA - PORTARIA Nº 204 DE 17 DE FEVEREIRO DE 2016 Prof.ª Natale Souza Falaremos hoje sobre um dos temas mais importantes dentro da operacionalização da Vigilância Epidemiológica A Notificação

Leia mais

Epidemiológico. Informe. Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 14 de 2016

Epidemiológico. Informe. Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 14 de 2016 Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a 14 de 216 A vigilância da influenza no é composta pela vigilância sentinela de Síndrome Gripal

Leia mais

Introdução BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO. Monitoramento dos casos de parotidite notificados no Distrito Federal, até a Semana Epidemiológica 25 de 2016

Introdução BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO. Monitoramento dos casos de parotidite notificados no Distrito Federal, até a Semana Epidemiológica 25 de 2016 BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA À SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E IMUNIZAÇÃO GEVEI Endereço: Setor Bancário Norte

Leia mais

Título do Trabalho: Autores: Instituição: Introdução

Título do Trabalho: Autores: Instituição: Introdução diversos sorogrupos do meningococo no período de 2007 a 2015 e as Vacinas do atual Calendário Nacional Introdução Meningite é a inflamação das meninges, causada principalmente pela bactéria Neisseria meningitidis.

Leia mais

A taxa ou coeficiente de mortalidade representa a intensidade com que os óbitos por uma determinada doença ocorrem em dada população.

A taxa ou coeficiente de mortalidade representa a intensidade com que os óbitos por uma determinada doença ocorrem em dada população. Mortalidade Mortalidade é uma propriedade natural das comunidades dos seres vivos. Refere-se ao conjunto dos indivíduos que morrem em um dado intervalo de tempo e em certo espaço. A taxa ou coeficiente

Leia mais

Identificação K.G.R.A, feminino, 4 anos de idade, residente no Município A, Bairro Nova América.

Identificação K.G.R.A, feminino, 4 anos de idade, residente no Município A, Bairro Nova América. Caso clínico 1 Identificação K.G.R.A, feminino, 4 anos de idade, residente no Município A, Bairro Nova América. História da Doença Atual Foi atendida na unidade básica do Programa de Saúde da Família no

Leia mais