FUNDAMENTOS Definições SISTEMA. Medição : Ato de medir. Medida : mesmo que medição. o resultado da medição.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAMENTOS Definições SISTEMA. Medição : Ato de medir. Medida : mesmo que medição. o resultado da medição."

Transcrição

1 1. - Definições Medição : Ato de medir. FUNDAMENTOS Medida : mesmo que medição. o resultado da medição. Instrumento de medida : é o dispositivo pelo qual pode-se avaliar (medir) uma quantidade física, atribuindo-lhe um valor numérico ou uma qualificação. Por exemplo : a quantidade a ser medida pode ser uma temperatura, massa, pressão, velocidade, nível, etc. O valor numérico pode ser 34 ºC, ou 45 kg, ou 3,5 kgf/cm 2, ou 122 km/h, etc. Uma qualificação da medida pode ser um aviso (luz de alerta) de pressão acima do permitido, ou um sinal (sonoro) de temperatura muito elevada, etc. Sistema de medida : são vários instrumentos de medida usados em conjunto. Por exemplo, o medidor de nível de combustível de um automóvel é composto de uma bóia, uma resistência elétrica, condutores elétricos, e um mostrador (amperímetro ou voltímetro). Todo esse conjunto, ou sistema, é usado para mostrar no painel do carro o nível de combustível do tanque. Sistema : termo genérico, usado para designar o conjunto de equipamentos e dispositivos (...) que pode ser analisado através de dados de entrada e saída. Entrada SISTEMA Saída Fig Esquema de um sistema Processo : conjunto de sistemas que trabalham harmonicamente para um fim comum.

2 Instrumentação e Controle A utilização dos Instrumentos de Medida Monitoração de Processos e Operações Certas aplicações de instrumentos de medida podem ser caracterizadas por terem essencialmente a função de monitorar. Como exemplo os termômetros, barômetros e anemômetros usados em uma estação meteorológica, simplesmente indicam as condições do tempo, sem qualquer função de controle. Da mesma forma, os medidores domésticos de consumo de água, eletricidade, gás, apenas indicam o consumo, controlá-los. A figura abaixo mostra o digrama de um sistema monitorado por um instrumento de medida. Distúrbios Entrada de Energia ou Material PROCESSO Variável Controlada Instrumento de Medida Figura 1.2 Monitoração de um processo Controle de Processos e Operações Outra aplicação de extrema importância para os instrumentos de medida é utilizálos como componentes num sistema automático de controle. O diagrama da figura 2.3. mostra essa operação. É claro que, para controlar uma variável é necessário, inicialmente medi-la. Por isso todos os sistemas com "feedback" têm como elemento principal um instrumento de medida. Um exemplo bastante comum é o controle de temperatura do refrigerador doméstico. Um termômetro lê, continuamente, a temperatura interna do refrigerador. Quando ela aumenta e atinge um valor especificado, o termômetro aciona um contato elétrico que liga o motor de refrigeração. A temperatura diminui até atingir um valor mínimo, quando o o termômetro desliga o motor. Desta forma, a temperatura do refrigerador permanece continuamente entre dois valores de temperaturas pré-estabelecidos. Percebe-se claramente a função do termômetro como controlador do processo. refrigerador. Como exercício, identifique na Figura 2.3. cada componente do exemplo da

3 Instrumentação e Controle 3 Distúrbios Entrada de Energia ou Material PROCESSO Variável Controlada Elemento de Controle Final Instrumento de Medida Controlador Valor desejado da variável controlada Figura Sistema controlado automaticamente Análises Experimentais em Engenharia A solução e problemas de Engenharia podem envolver dois métodos : teórico e experimental. Muitos problemas requerem a aplicação de ambos os métodos. Problemas na fronteira do conhecimento necessitam extensos estudos experimentais para avaliar a teoria. Os instrumentos de medida de grande precisão (equipamentos de laboratório) podem contribuir enormemente para a solução desses problemas. Esses equipamentos de laboratório (diferentes dos industriais), são instrumentos de referência, sendo usados apenas em pesquisas ou como aferidores de instrumentos industriais. Exercícios : Interprete as 6 figuras a seguir, mostrando o tipo de aplicação do instrumento de medida, e identificando cada componente do sistema.

4 Instrumentação e Controle 4 Figura 1.4 Fornalha Figura 1.5 Sistema de aquecimento doméstico Figura 1.6 Controlador de rotação de motor a vapor

5 Instrumentação e Controle 5 Figura Operador Humano, como componente de um sistema de controle Figura Servomecanismo eletro-hidráulico Figura Controlador pneumático do nível de líquido no tanque.

ASPECTOS GERAIS DA ÁREA DE INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL. IFRN Campus Nova Cruz Curso Técnico em Química Prof. Samuel Alves de Oliveira

ASPECTOS GERAIS DA ÁREA DE INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL. IFRN Campus Nova Cruz Curso Técnico em Química Prof. Samuel Alves de Oliveira ASPECTOS GERAIS DA ÁREA DE INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL IFRN Campus Nova Cruz Curso Técnico em Química Prof. Samuel Alves de Oliveira INTRODUÇÃO É NECESSÁRIO MEDIR E CONTROLAR VARIÁVEIS EM UM PROCESSO INDUSTRIAL

Leia mais

A Instrumentação pode ser definida como a arte e ciência da medição e controle.

A Instrumentação pode ser definida como a arte e ciência da medição e controle. www.iesa.com.br 1 Introdução A Instrumentação pode ser definida como a arte e ciência da medição e controle. Instrumento é qualquer dispositivo, ou conjunto de dispositivos, utilizado com a finalidade

Leia mais

Controle de Processos Aula: Introdução ao controle de processos

Controle de Processos Aula: Introdução ao controle de processos 107484 Controle de Processos Aula: Introdução ao controle de processos Prof. Eduardo Stockler Tognetti Departamento de Engenharia Elétrica Universidade de Brasília UnB 1 o Semestre 2016 E. S. Tognetti

Leia mais

características estáticas dos instrumentos de medida

características estáticas dos instrumentos de medida características estáticas dos instrumentos de medida Características estáticas dos instrumentos de medida são aquelas que podem ser consideradas, quando o instrumento é utilizado para medir uma condição

Leia mais

Instrumentação Mecatrônica III. Professor: Anderson Borges /01

Instrumentação Mecatrônica III. Professor: Anderson Borges /01 Instrumentação Mecatrônica III Professor: Anderson Borges E-mail: anderson.borges@ifsc.edu.br 2017/01 Sumário Revisão Revisão Planta: é a parte do processo a ser controlada. Processo: é a operação a ser

Leia mais

BC1507 Instrumentação e Controle AULA 01. Sensores - I

BC1507 Instrumentação e Controle AULA 01. Sensores - I AULA 01 Sensores - I 1 Programa Princípios de medição de grandezas físicas Instrumentos indicadores eletromecânicos Transdutores de instrumentação de sistemas de medições Circuitos de instrumentação: medições

Leia mais

1) Em relação a figura abaixo relativa a um sistema de controle em malha fechada responda:

1) Em relação a figura abaixo relativa a um sistema de controle em malha fechada responda: 1) Em relação a figura abaixo relativa a um sistema de controle em malha fechada responda: 2 o motor Posição desejada da junta = 45 o Avalia o sinal de entrada e envia um sinal ao atuador ENCODER 43 o

Leia mais

Disciplina: Instrumentação e Controle de Sistemas Mecânicos. Teoria de Controle Parte 1

Disciplina: Instrumentação e Controle de Sistemas Mecânicos. Teoria de Controle Parte 1 Disciplina: Instrumentação e Controle de Sistemas Mecânicos Teoria de Controle Parte 1 Objetivos do Controle Independente do estágio tecnológico ou da complexidade de um processo de fabricação, são sempre

Leia mais

ESTRUTURAS ESPECIAIS DE CONTROLE

ESTRUTURAS ESPECIAIS DE CONTROLE Joinville Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Sistemas de Controle - I ESTRUTURAS ESPECIAIS DE CONTROLE

Leia mais

Instrumentação Industrial. Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições

Instrumentação Industrial. Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições Instrumentação Industrial Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições Instrumentação Industrial De acordo com a organização norte-americana Instrument Society of America -

Leia mais

TM247 - Sistemas de Medição. Prof. Alessandro Marques.

TM247 - Sistemas de Medição. Prof. Alessandro Marques. TM247 - Sistemas de Medição Prof. Alessandro Marques www.metrologia.ufpr.br Definição de Sistema de Medição Sistema de medição ou medidores são aparelhos, normalmente compostos de vários elementos, que

Leia mais

Sistema de Controle Um sistema de controle é realizado por meio de hardware e software. Este sistema processa os sinais de entrada e converte estes

Sistema de Controle Um sistema de controle é realizado por meio de hardware e software. Este sistema processa os sinais de entrada e converte estes Sistema de Controle Um sistema de controle é realizado por meio de hardware e software. Este sistema processa os sinais de entrada e converte estes sinais em uma ação ao qual foi programado. O software

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO EM PROCESSOS INDUSTRIAIS

INSTRUMENTAÇÃO EM PROCESSOS INDUSTRIAIS INSTRUMENTAÇÃO EM PROCESSOS INDUSTRIAIS Válvulas de controle (funções, componentes, tipos e aplicações) Patrícia Lins de Paula 25/03/2012 154 VÁLVULAS São dispositivos destinados a estabelecer, controlar

Leia mais

2. TROCADOR DE CALOR FEIXE TUBULAR

2. TROCADOR DE CALOR FEIXE TUBULAR 3 2. TROCADOR DE CALOR FEIXE TUBULAR 2.1 DESCRIÇÃO DO TROCADOR DE CALOR FEIXE TUBULAR O trocador de calor feixe tubular [5] instalado na planta piloto da Engenharia de Alimentos da Escola de Engenharia

Leia mais

Instrumentação Industrial

Instrumentação Industrial Instrumentação Industrial Simbologia e Terminologia da Norma ISA 5.1 Prof.: Welbert Rodrigues Introdução A Norma ISA 5.1 estabelece uma padronização para designar os instrumentos e sistemas de instrumentação

Leia mais

Redes para Automação Industrial. Capítulo 1: Automação Industrial. Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN

Redes para Automação Industrial. Capítulo 1: Automação Industrial. Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN Redes para Automação Industrial Capítulo 1: Automação Industrial Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN 2005.1 Objetivos do Capítulo Estudo sistêmico de sistemas de automação industrial. Caracterização dos elementos

Leia mais

Curso Técnico Subsequente em Refrigeração e Climatização CÂMPUS SÃO JOSÉ (RESOLUÇÃO CEPE/IFSC Nº 70 DE 13 DEZEMBRO DE 2016)

Curso Técnico Subsequente em Refrigeração e Climatização CÂMPUS SÃO JOSÉ (RESOLUÇÃO CEPE/IFSC Nº 70 DE 13 DEZEMBRO DE 2016) Curso Técnico Subsequente em Refrigeração e Climatização CÂMPUS SÃO JOSÉ (RESOLUÇÃO CEPE/IFSC Nº 70 DE 13 DEZEMBRO DE 2016) GRADE CURRICULAR E CORPO DOCENTE Módulo 1 Carga horária total: 400h Unidade Curricular

Leia mais

SEM561 - SISTEMAS DE CONTROLE

SEM561 - SISTEMAS DE CONTROLE SEM561 - SISTEMAS DE CONTROLE Adriano Almeida Gonçalves Siqueira Aula 1 - Introdução a Sistemas de Controle Índice O que é controle? Exemplo 1: componentes de um sistema de controle Exemplo 2: malha aberta

Leia mais

Profa.. Dra. Ana Maria Pereira Neto

Profa.. Dra. Ana Maria Pereira Neto Universidade Federal do ABC BC1309 Termodinâmica Aplicada Profa.. Dra. Ana Maria Pereira Neto ana.neto@ufabc.edu.br Segunda ei da Termodinâmica 1 Segunda ei da Termodinâmica Comparação com a 1ª ei da Termodinâmica;

Leia mais

Dispositivos Informação

Dispositivos Informação Dispositivos Informação de 6.1. - Conceitos O Dispositivo de Informação é a parte do instrumento de medida que apresenta as informações sobre o processo de medida. São tratados pelo termo em inglês "display".

Leia mais

O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Tubo de venturi. Ultrassônico carretel 22/2/2011. Introdução

O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Tubo de venturi. Ultrassônico carretel 22/2/2011. Introdução O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE Éaciênciaquedesenvolveeaplicatécnicasde medição, indicação, registro e controle de processos, visando a otimização e eficiência destes processos. Introdução

Leia mais

A 2. DICA: Este problema é uma aplicação do princípio de Pascal (ou princípio da prensa hidráulica), representado pela fórmula: F 1 = A 1 F 2

A 2. DICA: Este problema é uma aplicação do princípio de Pascal (ou princípio da prensa hidráulica), representado pela fórmula: F 1 = A 1 F 2 DICA: Durante o aquecimento, a garrafa preta absorve mais calor do que a garrafa branca (e consequentemente, sofre maior variação de temperatura); após a lâmpada ser apagada, as duas garrafas começam a

Leia mais

Implantação de Laboratório para Determinação da Característica de Saída de Aerogeradores Segundo a Norma IEC

Implantação de Laboratório para Determinação da Característica de Saída de Aerogeradores Segundo a Norma IEC BWP 2016 Implantação de Laboratório para Determinação da Característica de Saída de Aerogeradores Segundo a Norma IEC 61400-12-1 PROF. DR. CLAITON MORO FRANCHI - UFSM Objetivos Auxílio a indústria nacional

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controle de Processos

Fundamentos de Automação. Controle de Processos Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controle

Leia mais

EXERCÍCIOS Curso Básico de Turbinas a Vapor Parte 3. Aluno: 1) Em relação ao sistema de controle das turbinas, marque verdadeiro V, ou Falso F:

EXERCÍCIOS Curso Básico de Turbinas a Vapor Parte 3. Aluno: 1) Em relação ao sistema de controle das turbinas, marque verdadeiro V, ou Falso F: EXERCÍCIOS Curso Básico de Turbinas a Vapor Parte 3 Aluno: Instrutor: Gustavo Franchetto 1) Em relação ao sistema de controle das turbinas, marque verdadeiro V, ou Falso F: (V) O sistema de controle atua

Leia mais

AR CONDICIONADO PARA PAINEL ELÉTRICO

AR CONDICIONADO PARA PAINEL ELÉTRICO AR CONDICIONADO PARA PAINEL ELÉTRICO CONTROLADOR DIGITAL DE TEMPERATURA MICROPROCESSADO INCORPORADO MODELO Características Técnicas CES-500W CES-800W 220V 538W 220V 380V 790W 453W 387W 665W 410W 412W 453W

Leia mais

14,4V: Mantêm a fonte operando constantemente com a tensão de saída em 14,4V.

14,4V: Mantêm a fonte operando constantemente com a tensão de saída em 14,4V. MANUAL DO USUÁRIO PARABÉNS! Você acaba de adquirir um produto com a qualidade JFA Eletrônicos, o qual foi desenvolvido com tecnologia avançada e design exclusivo. Leia atentamente as instruções de uso

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 1 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 UTILIZACÂO DE UM MODELO MATEMÁTICO PARA ALTERACÂO NA ESCALA DE UM ROTÂMETRO PARA OPERAR COM UM FLUIDO QUALQUER Dias

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos QUEM SOMOS A MEGAPRESS é fabricante de sistemas de pressurização inteligentes e também painéis de comandos voltados para área de aquecimento, possuímos profissionais capazes de desenvolver

Leia mais

Simbologia e Identificação

Simbologia e Identificação www.iesa.com.br 1 Simbologia e Identificação As normas de instrumentação estabelecem símbolos gráficos e codificações para a identificação alfa-numérica de instrumentos que deverão ser utilizadas nos diagramas

Leia mais

Controle de Processos

Controle de Processos Controle de Processos Na natureza o controle de processos é fundamental para a vida Crescimento de plantas e animais temperatura corporal batimento cardíaco Pressão sanguínea Movimento e estabilidade do

Leia mais

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I DISPOSITIVOS DE COMANDO (COM_EA) RELATÓRIO

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I DISPOSITIVOS DE COMANDO (COM_EA) RELATÓRIO PEA 2401 - LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I DISPOSITIVOS DE COMANDO (COM_EA) RELATÓRIO NOTA Grupo:......... Professor:...Data:... Objetivo:......... 1 - ROTEIRO 1.1 - Análise das características

Leia mais

3.ª Prática Controle (PID) de Vazão na Bancada da Bomba Centrífuga

3.ª Prática Controle (PID) de Vazão na Bancada da Bomba Centrífuga 1 3.ª Prática Controle (PID) de Vazão na Bancada da Bomba Centrífuga OBJETIVO: 1. Fazer o controle (PID) de Vazão na bancada da bomba centrífuga. DATA: / /. Nome dos alunos: São Paulo - 2016 Prof. Dr.

Leia mais

Pré-requisito Coreq Disciplina EMC101 - Expressão Gráfica - Ativa desde: 01/01/2008. Natureza - OBRIGATÓRIA PRÁTICA 36 TEÓRICA 18

Pré-requisito Coreq Disciplina EMC101 - Expressão Gráfica - Ativa desde: 01/01/2008. Natureza - OBRIGATÓRIA PRÁTICA 36 TEÓRICA 18 1 de 5 Nível:BACHARELADO Início: 20081 01 - - EMC101 - Expressão Gráfica - Ativa desde: 01/01/2008 EMC102 - Filosofia - Ativa desde: Natureza - OBRIGATÓRIA EMC103 - Física: Cinemática e Dinâmica - Ativa

Leia mais

CONTROLADORES DE ESCOAMENTO DE GÁS

CONTROLADORES DE ESCOAMENTO DE GÁS CONTROLADORES DE ESCOAMENTO DE GÁS Alunos: Diego Russo Juliano Bernardo Favagrossa Gusmão Cavalcanti Orientador: Sergio Leal Braga Introdução Processos industriais de fabricação, de geração de energia

Leia mais

ELEMENTOS BÁSICOS MECÃNICA DOS FLUIDOS

ELEMENTOS BÁSICOS MECÃNICA DOS FLUIDOS 1 ELEMENTOS BÁSICOS MECÃNICA DOS FLUIDOS 1. OBJETIVOS Manusear os diferentes tipos de elementos usualmente empregados em linhas de deslocamento de fluidos (bombas, válvulas, tubulações e acessórios), além

Leia mais

Terminologia: Tipos de Variáveis

Terminologia: Tipos de Variáveis Carla C. Pinheiro DEQB - IST 1 Terminologia: Tipos de Variáveis As variáveis de saída são variáveis dependentes que nos dão informação sobre o estado interno do sistema, e que queremos manter nos valores

Leia mais

Experimento Prático N o 4

Experimento Prático N o 4 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Engenharia Área de Eletricidade Experimento Prático N o Eletricidade para Engenharia Lei de Ohm e Potência Elétrica L A B O R A T Ó R I O D E E L E T R I

Leia mais

A robótica abrange tecnologia de mecânica, eletrônica e computação. Alem disso, participam em menor grau teoria de controle, microeletrônica,

A robótica abrange tecnologia de mecânica, eletrônica e computação. Alem disso, participam em menor grau teoria de controle, microeletrônica, Fundamentos da tecnologia de robôs A robótica abrange tecnologia de mecânica, eletrônica e computação. Alem disso, participam em menor grau teoria de controle, microeletrônica, inteligência artificial,

Leia mais

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO PEA 2401 - LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO NOTA Grupo:......... Professor:...Data:... Objetivo:......... 1 - ROTEIRO 1.1 - Análise das características

Leia mais

Instrumentação. Instrumentação e CLP. Professor: Andouglas Gonçalves da Silva Júnior

Instrumentação. Instrumentação e CLP. Professor: Andouglas Gonçalves da Silva Júnior Instrumentação Instrumentação e CLP Professor: Andouglas Gonçalves da Silva Júnior Andouglas G. da Silva Júnior ( Professor: Instrumentação Andouglas Gonçalves da Silva Júnior 1 / 18 1 Conceito Denição

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES TURBO GÁS

MANUAL DE INSTRUÇÕES TURBO GÁS MANUAL DE INSTRUÇÕES TURBO GÁS Progás Indústria Metalúrgica Ltda. Av. Eustáquio Mascarello, 5 - Desvio Rizzo Caxias do Sul - RS - Brasil Fone: 0800.979. www.progas.com.br - e-mail: progas@progas.com.br

Leia mais

hardware software software computador microcontrolador hardware sensores sistema de controle de malha fechada.

hardware software software computador microcontrolador hardware sensores sistema de controle de malha fechada. Sistema de Controle O sistema de controle de qualquer robô é realizado por meio de hardware e software. Este sistema processa os sinais de entrada e converte estes sinais em uma ação ao qual foi programado.

Leia mais

PARTE 2 - RELATÓRIO TÉCNICO DO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO CEU: CÂMARA DE ELEMENTO ÚNICO

PARTE 2 - RELATÓRIO TÉCNICO DO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO CEU: CÂMARA DE ELEMENTO ÚNICO PARTE 2 - RELATÓRIO TÉCNICO DO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO CEU: CÂMARA DE ELEMENTO ÚNICO OBJETIVO: Construir e testar uma bancada de ensaios com uma câmara de elemento de injeção único operando com oxigênio

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS EQUIPAMENTOS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS EQUIPAMENTOS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS EQUIPAMENTOS TH040, TH050 50, TH060 60, TH07 075, TH100 e TH150 TESTE HIDRÁULICO Equipamentos para testes hidráulicos de bombas, pistões, cilindros e válvulas e teste hidrostático.

Leia mais

Aula IV Simbologia e Diagramas de Instrumentação

Aula IV Simbologia e Diagramas de Instrumentação Aula IV Simbologia e Diagramas de Instrumentação Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br)

Leia mais

Conceitos Fundamentais

Conceitos Fundamentais Conceitos Fundamentais Introdução. Equilíbrio térmico. Temperatura. Medidas de temperatura. Introdução Escopo da Termodinâmica: A termodinâmica diz respeito ao estudo das propriedades macroscópicas dos

Leia mais

Instrumentação Eletroeletrônica. Prof. Afrânio Ornelas Ruas Vilela

Instrumentação Eletroeletrônica. Prof. Afrânio Ornelas Ruas Vilela Instrumentação Eletroeletrônica Prof. Afrânio Ornelas Ruas Vilela Transdutores Instrumentação Eletroeletrônica 2 Processo Instrumentação Eletroeletrônica 3 Transdutores x Sensores SENSOR: é um elemento

Leia mais

Engenharia Elétrica. Laboratório de Automação Industrial. Professor: Marco Shawn M. Machado

Engenharia Elétrica. Laboratório de Automação Industrial. Professor: Marco Shawn M. Machado Engenharia Elétrica Laboratório de Automação Industrial Professor: Marco Shawn M. Machado Introdução Sistemas de Supervisão Industrial Objetivos da Aula Definição; História e introdução à sistemas de supervisão;

Leia mais

SEM561 - SISTEMAS DE CONTROLE

SEM561 - SISTEMAS DE CONTROLE SEM561 - SISTEMAS DE CONTROLE Adriano Almeida Gonçalves Siqueira Aula 1 - Introdução a Sistemas de Controle Índice O que é controle? Exemplo 1: componentes de um sistema de controle Exemplo 2: malha aberta

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FICHA DE COMPONENTE CURRICULAR CÓDIGO: FEELT31617 UNIDADE ACADÊMICA OFERTANTE: COMPONENTE CURRICULAR: INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL SIGLA: FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Leia mais

DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA TÉRMICA EM QUEIMADOR RESIDENCIAL À GLP

DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA TÉRMICA EM QUEIMADOR RESIDENCIAL À GLP DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA TÉRMICA EM QUEIMADOR RESIDENCIAL À GLP Leandro dos Santos Azevedo 1 ; Robson Leal da Silva 2 UFGD/Faculdade de Engenharia,Cx.Postal 364,79804-970,Dourados-MS,e-mail:leoazevedo2008@hotmail.com

Leia mais

Disciplina: Instrumentação e Controle. Aula: sensores, transdutores e características de instrumentos.

Disciplina: Instrumentação e Controle. Aula: sensores, transdutores e características de instrumentos. Disciplina: Instrumentação e Controle Aula: sensores, transdutores e características de instrumentos. Definições Sensor: dispositivo sensível a mudança físicas do ambiente ou sistema. Dispositivos amplamente

Leia mais

Unidade Curricular C/H Semestral Pré-Requisito Processos de Fabricação 04

Unidade Curricular C/H Semestral Pré-Requisito Processos de Fabricação 04 Curso Técnico Subsequente em Manutenção Automotiva Nome do Curso CÂMPUS FLORIANÓPOLIS MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Processos de Fabricação 04 Tecnologia dos Materiais 04

Leia mais

Fundamentos Tecnológicos 70 h - Desenho Técnico I 70 h - Tecnologia dos Materiais 70 h - Prática Mecânica 35 h - Processos de Fabricação 35 h -

Fundamentos Tecnológicos 70 h - Desenho Técnico I 70 h - Tecnologia dos Materiais 70 h - Prática Mecânica 35 h - Processos de Fabricação 35 h - Curso Técnico Subsequente Curso de Mecânica CÂMPUS CHAPECÓ MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 350 h Fundamentos Tecnológicos Desenho Técnico I Introdução ao Mundo do Trabalho 35 h

Leia mais

P&ID - Piping & Instrument Diagram

P&ID - Piping & Instrument Diagram P&ID - Piping & Instrument Diagram Fluxograma de Engenharia Leitura e interpretação de Fluxogramas e Diagramas de Processo Muitos de nós podemos nos lembrar de experiências na infância, quando se desenhavam

Leia mais

Aula Medição de Temperatura

Aula Medição de Temperatura Aula INS23403 Instrumentação Professor: Sergio Luis Brockveld Junior Curso Técnico em Mecatrônica Módulo 3 2017/1 Termometria significa medição de temperatura. Termometria Pirometria: medição de altas

Leia mais

Manômetro de tubo Bourdon, liga de cobre Construção padrão Modelos ,

Manômetro de tubo Bourdon, liga de cobre Construção padrão Modelos , Medição mecânica de pressão Manômetro de tubo Bourdon, liga de cobre Construção padrão Modelos 111.10, 111.12 WIKA folha de dados PM 01.01 outras aprovações veja página 3 Aplicações Para meios gasosos

Leia mais

Redes para Automação Industrial. Capítulo 1: Automação Industrial. Luiz Affonso Guedes 2006

Redes para Automação Industrial. Capítulo 1: Automação Industrial. Luiz Affonso Guedes 2006 Redes para Automação Industrial Capítulo 1: Automação Industrial Luiz Affonso Guedes affonso@dca.ufrn.br 2006 Objetivos do Capítulo Estudo sistêmico de sistemas de automação industrial. Caracterização

Leia mais

Métodos Experimentais em Termociências I.B De Paula

Métodos Experimentais em Termociências I.B De Paula Conceitos básicos: Medição É o conjunto de operações que tem por objetivo determinar o valor de uma grandeza. Medições, mesmo que bem controladas, estão sujeitas a variações causadas por inúmeras fontes.

Leia mais

Apresentação Técnica. Compressores Portáteis 300Q. People. Footer Passion. Performance.

Apresentação Técnica. Compressores Portáteis 300Q. People. Footer Passion. Performance. Apresentação Técnica Compressores Portáteis 300Q People. Footer Passion. Performance. 1. Date 300Q Índice O Produto Características Técnicas; Layout Detalhes do Produto; Desenho Dimensional; Fluxograma;

Leia mais

O galvanômetro é um instrumento que pode medir correntes elétricas de baixa intensidade, ou a diferença de potencial elétrico entre dois pontos.

O galvanômetro é um instrumento que pode medir correntes elétricas de baixa intensidade, ou a diferença de potencial elétrico entre dois pontos. 7-INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO 7.1-GALVANÔMETRO O galvanômetro é um instrumento que pode medir correntes elétricas de baixa intensidade, ou a diferença de potencial elétrico entre dois pontos. O multímetro

Leia mais

TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO. Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos

TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO. Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos REFRIGERAÇÃO PROGRAMA DE REFRIGERAÇÃO 1.

Leia mais

SEM Sistemas de Controle I Aula 1 - Introdução

SEM Sistemas de Controle I Aula 1 - Introdução SEM 536 - Sistemas de Controle I Universidade de São Paulo O que é controle? Dicionário Houaiss: Controle:... 3. Dispositivo ou mecanismo destinado a comandar ou regular o funcionamento de máquina, aparelho

Leia mais

Apresentação Técnica. Compressores Portáteis 400Q. People. Footer Passion. Performance.

Apresentação Técnica. Compressores Portáteis 400Q. People. Footer Passion. Performance. Apresentação Técnica Compressores Portáteis 400Q People. Footer Passion. Performance. 1. Date 400Q Índice O Produto Características Técnicas; Layout Detalhes do Produto; Desenho Dimensional; Fluxograma;

Leia mais

Apresentação e Introdução

Apresentação e Introdução Andouglas G. da Silva Júnior Apresentação ( Professor: e Introdução Andouglas Gonçalves da Silva Júnior 1 / 32 Apresentação e Introdução Instrumentação e CLP Professor: Andouglas Gonçalves da Silva Júnior

Leia mais

O controle automático tem desempenhado um papel fundamental no avanço da engenharia e da ciência. Ex: sistemas de veículos espaciais, sistemas de

O controle automático tem desempenhado um papel fundamental no avanço da engenharia e da ciência. Ex: sistemas de veículos espaciais, sistemas de 1º Capitulo O controle automático tem desempenhado um papel fundamental no avanço da engenharia e da ciência. Ex: sistemas de veículos espaciais, sistemas de direcionamento de mísseis, sistemas robóticos

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTRUÇÕES INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO AQUECEDORES ELÉTRICOS Aquecedores de 30 kw, 36 kw e 48 kw Aquecedores em série: 2 x 30 (60 kw) e 2 x 36 (72 kw) REV. B: AGOSTO/2010 E-384832-3 ÍNDICE PÁGINA Descrição 3 GERAL 3 EQUIPAMENTO

Leia mais

HÁ VÁRIAS CLASSIFICAÇÕES POSSÍVEIS

HÁ VÁRIAS CLASSIFICAÇÕES POSSÍVEIS HÁ VÁRIAS CLASSIFICAÇÕES POSSÍVEIS UM EXEMPLO DE INSTALAÇÃO ALGUMAS APLICAÇÕES Mostradores de Medidor de 3,5 e 4,5 Dígitos Em um instrumento digital, a resolução é dada pelo número de dígitos ou

Leia mais

Metrologia 1ª lista de exercícios

Metrologia 1ª lista de exercícios 1. Cite as três classes de aplicações onde é importante medir. Dê exemplos de situações presentes na sua vida de cada uma das classes. 2. Da definição de medir: "... é o procedimento experimental através

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica 107484 Controle de Processos 1 o Semestre 2015 Lista de Exercícios 1 Para os exercícios abaixo considere (exceto se

Leia mais

2.1 Breve história da termodinâmica

2.1 Breve história da termodinâmica 2.1 Breve história da termodinâmica TERMODINÂMICA calor força, movimento No início, estudava os processos que permitiam converter calor em trabalho (força e movimento). 2.1 Breve história da termodinâmica

Leia mais

Universidade Federal do Paraná - Engenharia Mecânica DEMEC Prof. Alessandro Marques Disciplina: Sistemas de Medições 1 (Exercícios)

Universidade Federal do Paraná - Engenharia Mecânica DEMEC Prof. Alessandro Marques Disciplina: Sistemas de Medições 1 (Exercícios) 1) Um manômetro foi construído com estes módulos: a) Transdutor extensométrico Faixa de medição: 0 a 20 bar Sensibilidade: 2 mv/bar Incerteza Expandida (U TE ): ± 0,02 mv b) Amplificador Faixa de medição:

Leia mais

Versões. Folha técnica associada T 5800 Edição de Setembro de Fig. 1: Tipo 3260/5857 Tipo 3260/ Fig.

Versões. Folha técnica associada T 5800 Edição de Setembro de Fig. 1: Tipo 3260/5857 Tipo 3260/ Fig. Válvulas de Controlo Eléctricas Tipo 3260/5857, 3260/5824, 3260/5825, 3260/3374, 3260/3274, 3260/5757-7, 3260/5725-7 Válvulas de Controlo Pneumáticas Tipo 3260/2780, 3260/3372, 3260-1, 3260-7 Válvula de

Leia mais

Descritivo funcional do MPX (multiplex).

Descritivo funcional do MPX (multiplex). Descritivo funcional do MPX (multiplex). O MPX é um conjunto de equipamentos eletrônicos desenvolvidos para comandar o sistema elétrico da carroceria de um veiculo. Ele consiste em Substations (módulos)

Leia mais

3. Um gás ideal passa por dois processos em um arranjo pistão-cilindro, conforme segue:

3. Um gás ideal passa por dois processos em um arranjo pistão-cilindro, conforme segue: 1. Um arranjo pistão-cilindro com mola contém 1,5 kg de água, inicialmente a 1 Mpa e título de 30%. Esse dispositivo é então resfriado até o estado de líquido saturado a 100 C. Calcule o trabalho total

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO GERADOR OZONIC C-200

MANUAL DE OPERAÇÃO GERADOR OZONIC C-200 MANUAL DE OPERAÇÃO GERADOR OZONIC C-200 Este manual sempre deve ser lido para que se procedam as operações, por uma pessoa e uma segunda pessoa, fazendo as operações a cada etapa. 1 Índice Página 1 Instalação

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 029 de 06 de março de 2002.

Leia mais

Equipamento de ordenha Texto de apoio Bovinicultura I

Equipamento de ordenha Texto de apoio Bovinicultura I Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Castelo Branco Equipamento de ordenha Texto de apoio Bovinicultura I António Moitinho Rodrigues Castelo Branco 2001 Equipamento de ordenha mecânica Representação

Leia mais

Instrumentação Norma ISA 5.1

Instrumentação Norma ISA 5.1 Introdução: Instrumentação Norma ISA 5.1 A Norma ISA 5.1 (Instrument Society of America) estabelece uma padronização para designar os instrumentos e sistemas de instrumentação usados para medição e controle

Leia mais

TM-182 REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO

TM-182 REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica TM-182 REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos REFRIGERAÇÃO SITE DE REFRIGERAÇÃO http://people.ufpr.br/~rudmar/refri/

Leia mais

II INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL. Prof. Eduardo Calsan Tecnologia em Polímeros

II INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL. Prof. Eduardo Calsan Tecnologia em Polímeros II INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL Prof. Eduardo Calsan Tecnologia em Polímeros Introdução: II Controle Define-se controle ou ação de controle o conjunto sentiranalisar-agir. Ou seja, o controle é feito para

Leia mais

Projeto Veículo Elétrico

Projeto Veículo Elétrico Projeto Veículo Elétrico Palio Weekend Elétrico Leonardo Gaudencio Cavaliere Supervisor de Inovações do Produto Belo Horizonte, 05 julho 2010 GRUPO FIAT NO MUNDO GRUPO FIAT NO BRASIL MONTADORAS COMPONENTES

Leia mais

CAIXAS.pdf 1 02/09/11 14:58 C M Y CM MY CY CMY K Caixas

CAIXAS.pdf 1 02/09/11 14:58 C M Y CM MY CY CMY K Caixas A TROPICAL, com o intuito de melhor atender às necessidades do mercado, oferece a opção de Caixa de Volume Variável de formato circular. Os controladores de fluxo modelo VAV de construção robusta, podem

Leia mais

/sonarengenharia

/sonarengenharia A Sonar Engenharia, empresa atuante nos setores de ELÉTRICA e GÁS, possui em seu quadro profissionais graduados em Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Eletrotécnica e Engenharia de Segurança no Trabalho.

Leia mais

FENÔMENOS DE TRANSPORTE. CARRO: é uma máquina térmica que converte energia armazenada no combustível em energia.

FENÔMENOS DE TRANSPORTE. CARRO: é uma máquina térmica que converte energia armazenada no combustível em energia. FENÔMENOS DE TRANSPORTE Lista de exercícios Nº 01 1) Complete CARRO: é uma máquina térmica que converte energia armazenada no combustível em energia. AR CONDICIONADO:, são grandezas relacionadas ao conforto

Leia mais

Nota: Campus JK. TMFA Termodinâmica Aplicada

Nota: Campus JK. TMFA Termodinâmica Aplicada TMFA Termodinâmica Aplicada 1) Considere a central de potência simples mostrada na figura a seguir. O fluido de trabalho utilizado no ciclo é água e conhece-se os seguintes dados operacionais: Localização

Leia mais

FACULDADE NOBRE DE FEIRA DE SANTANA Recredenciada pela Portaria Ministerial nº de 07 de outubro de 2011.

FACULDADE NOBRE DE FEIRA DE SANTANA Recredenciada pela Portaria Ministerial nº de 07 de outubro de 2011. FACULDADE NOBRE DE FEIRA DE SANTANA Recredenciada pela Portaria Ministerial nº 1.417 de 07 de outubro de 2011. CURSO: Engenharia Elétrica DISCIPLINA: Sistemas de Automação PROFESSOR: Allan Jacson LISTA

Leia mais

Termômetro bimetálico Modelo 52, série industrial

Termômetro bimetálico Modelo 52, série industrial Medição mecânica de temperatura Termômetro bimetálico Modelo 52, série industrial WIKA folha de dados TM 52.01 outras aprovações veja página 6 Aplicações Uma ampla faixa de aplicações na fabricação de

Leia mais

X-009 DESENVOLVIMENTO DE UMA BANCADA HIDRO-PNEUMÁTICA PARA TESTE DE VAZÃO EM APARELHOS HIDRÁULICOS

X-009 DESENVOLVIMENTO DE UMA BANCADA HIDRO-PNEUMÁTICA PARA TESTE DE VAZÃO EM APARELHOS HIDRÁULICOS X-009 DESENVOLVIMENTO DE UMA BANCADA HIDRO-PNEUMÁTICA PARA TESTE DE VAZÃO EM APARELHOS HIDRÁULICOS Paulo de Tarso Themistocles Esperança (1) Engenheiro Naval pela Escola de Engenharia da Universidade Federal

Leia mais

Indíce. Injetora Ciclo Rápido. Injetora Servo Motor. Linhas de Produtos. Injetora 2 Placas

Indíce. Injetora Ciclo Rápido. Injetora Servo Motor. Linhas de Produtos. Injetora 2 Placas Taiwan Indíce 01 05 Injetora Ciclo Rápido Injetora Servo Motor 09 10 Linhas de Produtos Injetora 2 Placas Alta tecnologia com baixo consumo de energia aliada ao alto desempenho com excelente custo benefício.

Leia mais

Simpósio Brasileiro de Automação Inteligente XI SBAI 2013

Simpósio Brasileiro de Automação Inteligente XI SBAI 2013 Simpósio Brasileiro de Automação Inteligente XI SBAI 2013 CONTROLE DE TEMPERATURA DE UMA TOCHA DE PLASMA TÉRMICO COM ACOPLAMENTO INDUTIVO UTILIZANDO A PLACA ARDUINO GUSTAVO FERNANDES DE LIMA (Mestrando)

Leia mais

Física Eletrodinâmica Médio [20 Questões]

Física Eletrodinâmica Médio [20 Questões] Física Eletrodinâmica Médio [20 Questões] 01 - (FCM MG) A figura abaixo mostra uma resistência de imersão (ebulidor) mergulhada num recipiente com água, interligada num amperímetro ideal; os terminais

Leia mais

05/08/2014. Comprimento da calça. Potência da lâmpada. Horário do despertador. Temperatura da geladeira. Volume de leite. Volume de combustível

05/08/2014. Comprimento da calça. Potência da lâmpada. Horário do despertador. Temperatura da geladeira. Volume de leite. Volume de combustível Medir Slides do livro FMCI - Professor Armando Albertazzi Medições no dia-a-dia Potência da lâmpada Horário do despertador Comprimento da calça Tempo de cozimento Volume de leite Volume de combustível

Leia mais

Fundamentos de Metrologia. Fundamentos de Metrologia

Fundamentos de Metrologia. Fundamentos de Metrologia Fundamentos de Metrologia Prof. Luiz Dalla Valentina 2008 2 Medir Fundamentos de Metrologia 1 Medições no dia-a-dia Potência da lâmpada Horário do despertador Comprimento da calça Tempo de cozimento Volume

Leia mais

Título do Slide Máximo de 2 linhas

Título do Slide Máximo de 2 linhas Título do Slide 13ª Seminário Internacional de Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Aplicado a Automação Industrial Nelson Chimentão Júnior 09/17/2013 Título Automação do Slide Aplicada

Leia mais

Manual Técnico. Condicionadores de Ar Série KP G1 (KOMECO)

Manual Técnico. Condicionadores de Ar Série KP G1 (KOMECO) Manual Técnico Condicionadores de Ar Série KP G1 (KOMECO) QUADRO DE CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1 DIAGRAMA LISTA DE ELÉTRICO PEÇAS CICLO LISTA DE REFRIGERAÇÃO DE PEÇAS 2 6 3 7 1 5 4 Atenção: Modo Refrigeração

Leia mais

Bombas d'água, reservatório e tubulações hidráulicas em materiais livres de corrosão.

Bombas d'água, reservatório e tubulações hidráulicas em materiais livres de corrosão. Condensador Evaporador Bombas d'água, reservatório e tubulações hidráulicas em materiais livres de corrosão. Reservatório de água com isolamento térmico, bóia e sensor de nível. Evaporador em cobre, integrado

Leia mais

MONITOR DE TEMPERATURA DIGITAL MoniTemp ANSI 49. Catálogo Técnico

MONITOR DE TEMPERATURA DIGITAL MoniTemp ANSI 49. Catálogo Técnico Catálogo Técnico Monitor de Temperatura CATÁLOGO TÉCNICO V1.0 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 PRINCIPAIS CARACTERISTICAS... 3 DADOS TÉCNICOS... 4 ENSAIOS DE TIPO REALIZADOS... 4 DIMENSÕES... 5 DIAGRAMAS DE CONEXÃO...

Leia mais