Racionalizando Investimentos com Melhoria dos Índices de Confiabilidade da Rede

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Racionalizando Investimentos com Melhoria dos Índices de Confiabilidade da Rede"

Transcrição

1 Racionalizando Investimentos com Melhoria dos Índices de Confiabilidade da Rede Um enfoque estatístico através de uma metodologia inovadora e da alocação ótima de investimentos Eng. Alexandre Vasconcellos Tel.: (011) Fax: (011) DIgSILENT PowerFactory - Análise de Confiabilidade 1

2 Definição do Problema Redes de transmissão e distribuição estão sujeitas a falhas Falhas representam custos reparos, lucros cessantes e PENALIDADES O seu tratamento estatístico permite a avaliação quantitativa dos seus impactos no. de falhas, duração, custos do não-suprimento, etc. Aumentar a confiabilidade implica em investimento Qual é a meta de confiabilidade? Qual o custo do não-atendimento? Onde e quanto investir para atingir metas? Qual é a melhor alternativa de investimento? DIgSILENT PowerFactory - Análise de Confiabilidade 2

3 Metas e Custos de Confiabilidade Critérios tradicionais pré-regulamentação do setor Metas com base em DEC e FEC (índices de sistema anuais) Custo de confiabilidade = custo da Energia Não Suprida Mudança de paradigma com a res. ANEEL 024/2000 Metas com base em DIC e FIC (índices individuais anuais) Custo de confiabilidade = custo da Energia Não Suprida Aperto adicional com a res. ANEEL 075/2003 Metas adicionais com base em DMIC (índice máximo mensal) a partir de jan 2004 Atualização anual de metas com tendência progressiva DIgSILENT PowerFactory - Análise de Confiabilidade 3

4 Alocação Ótima de Investimentos A melhor decisão não é aquela que simplesmente minimiza os índices de falha do sistema, mas sim aquela que o faz nos pontos críticos da rede e que maximiza os índices de confiabilidade com o mínimo de investimento Os estudos de confiabilidade são análises de engenharia baseadas em procedimentos estatísticos que tornam possível tomar estas decisões de maneira clara, objetiva e justificável do ponto de vista do empreendedor. DIgSILENT PowerFactory - Análise de Confiabilidade 4

5 Benefícios da Análise de Confiabilidade Permite quantificar o impacto financeiro das diversas ações e melhorias possíveis de serem feitas, dando maior objetividade ao processo de tomada de decisão Ganho de qualidade e competitividade, uma vez que se melhora a confiabilidade do sistema e ao mesmo tempo a alocação dos recursos disponíveis (humanos, materiais e financeiros) é otimizada Estabelece uma linguagem comum e um maior intercâmbio entre os diversos agentes envolvidos (Staffs de Processo, de Utilidades e Gerências Executivas) DIgSILENT PowerFactory - Análise de Confiabilidade 5

6 Fatores Importantes Cautela com análises tradicionais (DEC, FEC, DIC, FIC) variáveis aleatórias com variância relativamente alta Analisar custos médios carece de sentido prático Uma análise de custo-benefício depende de um método capaz de determinar precisamente o custo do não-suprimento como uma função probabilística das interrupções do fornecimento. Considerar a influência da Manutenção e Vida Útil Definir a correlação entre o sistema elétrico e as cargas críticas de processo DIgSILENT PowerFactory - Análise de Confiabilidade 6

7 Modelagem - O programa PowerFactory A importância do Levantamento de Dados Topologia e Fluxo de Carga Subestações, linhas, transformadores Proteções, Religadores, Chaves de Transferência Modelos de cargas (estocásticos e determinísticos) Custos de Interrupção Modelo estocástico de geradores Disponibilidades em função de paradas DIgSILENT PowerFactory - Análise de Confiabilidade 7

8 Modelos Estocásticos no PowerFactory O modelo de Weibull-Markov Modelos de falhas mais realistas Totalmente compatível com o modelo Markov Homogêneo TÃO RÁPIDO QUANTO MARKOV HOMOGÊNEO; TÃO PRECISO QUANTO MONTECARLO DIgSILENT PowerFactory - Análise de Confiabilidade 8

9 Modelos de Carga Modelo estocástico de Weibull-Markov (Probabilidades de demanda) Modelo determinístico de Curvas de carga com escala de tempo configurável (diária, semanal, anual, etc.) Previsão de crescimento de carga DIgSILENT PowerFactory - Análise de Confiabilidade 9

10 Custos de Interrupção Custos fixos por interrupção perda de produto, matéria prima, outros danos materias Custos variáveis com o tempo de interrupção lucro cessante penalidades adicionais $/kwh, $/kw, $/h DIgSILENT PowerFactory - Análise de Confiabilidade 1 0

11 Metodologia Confiabilidade da geração Hidrologia, riscos de déficit, atendimento à demanda Método de Monte Carlo (simulações numéricas) Confiabilidade de redes Transmissão e Distribuição, geração distribuída Método analítico com base no modelo Weibull-Markov Enumeração de estados por método topológico rápido Análise do efeito de falhas (FEA) eliminação da falta pela proteção; isolamento do(s) equipamento(s) defeituoso(s); restabelecimento através de transferência e socorro alívio de sobrecarga quando aplicável DIgSILENT PowerFactory - Análise de Confiabilidade 11

12 Características especiais Falhas de modo comum Programação de tempos de socorro independentes por chave Análise de efeito de falhas (FEA) realista incluindo o cálculo do fluxo de carga AC em todas as condições pós-falta e pós restabelecimento Alívio de sobrecarga: por transferência de carga por corte de carga (prioridades de cargas selecionáveis) corte ótimo corte por estágios Apresentação tabular e gráfica dos resultados DIgSILENT PowerFactory - Análise de Confiabilidade 1 2

13 Apresentação de Resultados Índices equivalentes de sistema Índices individuais por ponto de carga Custos anuais de interrupção estimados DIgSILENT PowerFactory - Análise de Confiabilidade 1 3

14 Aplicações do Cálculo de Confiabilidade Eliminação de gargalos e planejamento da expansão Análise de alternativas de configuração de operação Manuteção centrada em confiabilidade (RCM) Análise de custos de seguro e de penalidades Marketing de fidelização e atração de novos clientes Estudos especiais Cálculo do benefício da geração própria/distribuída Cálculo do benefício de FACTS/FACDS DIgSILENT PowerFactory - Análise de Confiabilidade 1 4

15 Confiabilidade de Cargas Críticas A função primordial do sistema elétrico é fornecer energia dentro de critérios estabelecidos de qualidade, confiabilidade e segurança para os usuários finais Cargas críticas são os principais elementos de processos vitais cuja confiabilidade do fornecimento de energia é determinante para a sua continuidade operacional Neste caso o estudo de confiabilidade da rede elétrica por si só não tem grande significado: É necessária a análise detalhada das interconexões destes processos com o sistema elétrico e das interdependências internas entre os processos A ferramenta de cálculo utilizada deve possuir flexibilidade para serem configurados elementos adicionais interligados com a rede elétrica modelada e interligados entre si DIgSILENT PowerFactory - Análise de Confiabilidade 1 5

16 lne 083 lne 085 lne 038 lne 039 lne 101 lne 100 lne 049 lne 050 tr A tr B tr2 46 lne 046 lne 094 lne 045 AL-9.1 AL-5.1 Exemplo - Central Termelétrica SISTEMA ELÉTRICO SIMPLIFICADO SE93 lne PN01A 145PN01B Line(1) lne 043 FCOP-A FCOPSEC-A 45-PN-01-A 45-PN-01-C FCOP-B FCOPSEC-B 45-PN-01-B lne 001 FALIG3 sym TG1 G ~ TG1 45-PN-01-D sym TG2 G ~ TG2 45-PN-01-E FPTFG3 FTGER3 sym FTGER3 G ~ DIgSILENT PowerFactory - Análise de Confiabilidade 1 6

17 Exemplo - Central Termelétrica EXEMPLO DE CARGA CRÍTICA: Sist. de Água de Resfriamento Falha Turbina/Bomba B-01A Falha 120Vca Solenóide PN5 Falha de Água de Resfriamento Indisponibilidade de bombas: Mínimo 4 operando das 7 Falha Turbina/Bomba B-01B Falha Motor/Bomba B-01C Falha Motor/Bomba B-01D Falha Motor/Bomba B-01E Falha Motor/Bomba B-01F Falha Motor/Bomba B-01G Falha 120Vca Solenóide PN5 Falha Gaveta/Painel PN21A Falha Gaveta/Painel PN21A Falha Gaveta/Painel PN21B Falha Gaveta/Painel PN21B Falha Gaveta/Painel PN21B DIgSILENT PowerFactory - Análise de Confiabilidade 1 7

18 Exemplo - Central Termelétrica EXEMPLO DE INTERLIGAÇÃO: Painéis de instrumentação e processos vitais CORRELAÇÃO ENTRE PAINÉIS DE INSTRUMENTAÇÃO E CARGAS CRÍTICAS PN1 PN2 PN3 PN4 PN5 Caldeira 1 Caldeira 2 Caldeira 3 Gerador 01 Gerador 02 Gerador 03 Fornos da Unidade 1 Fornos da Unidade 2 Sist. Água de Alimentação Sist. Água de Resfriamento DIgSILENT PowerFactory - Análise de Confiabilidade 1 8

19 Cálculo de Cargas Críticas no PowerFactory Elemento de Processo: composto por lógicas adicionais que rodam simultaneamente com a rede elétrica Programação DPL (DIgSILENT Program Language) para a execução de lógicas mais complexas DIgSILENT PowerFactory - Análise de Confiabilidade 1 9

20 Resultados do Cálculo para Cargas Críticas Minimização de falhas elétricas de modo comum do processo Relocação de alimentadores de motores e cargas Redundância de Painéis de Instrumentação e CC Implantação de transferência automática de barras Alimentações alternativas redundantes Pode-se concluir que o sistema elétrico não é o gargalo! DIgSILENT PowerFactory - Análise de Confiabilidade 2 0

21 Aplicações do Cálculo para Cargas Críticas Serviços auxiliares de usinas vitais Sistemas de proteção/comando/controle de SEs Continuidade operacional de grandes consumidores DIgSILENT PowerFactory - Análise de Confiabilidade 2 1

Metodologias e Critérios para o planejamento de Sistemas de Energia Elétrica Dr. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila

Metodologias e Critérios para o planejamento de Sistemas de Energia Elétrica Dr. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila Universidade Federal de Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Metodologias e Critérios para o planejamento de Sistemas de Energia Elétrica Dr. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila Curitiba-Brasil,

Leia mais

Infraestrutura de alto desempenho e confiabilidade para sistemas de missão critica. Eng. José Luiz De Martini Agosto 2012

Infraestrutura de alto desempenho e confiabilidade para sistemas de missão critica. Eng. José Luiz De Martini Agosto 2012 Infraestrutura de alto desempenho e confiabilidade para sistemas de missão critica Eng. José Luiz De Martini Agosto 2012 Quem já ouviu esta vinheta?... Estivemos fora do ar devido a falta de energia elétrica

Leia mais

3º seminário Inserção de Novas Fontes Renováveis e Redes inteligentes no. Energético Nacional. Fontes Renováveis e Geração Flexível

3º seminário Inserção de Novas Fontes Renováveis e Redes inteligentes no. Energético Nacional. Fontes Renováveis e Geração Flexível Centro de Pesquisas de Energia Elétrica - CEPEL 3º seminário Inserção de Novas Fontes Renováveis e Redes inteligentes no Título Planejamento do trabalho Energético Nacional Fontes Renováveis e Geração

Leia mais

O PLANEJAMENTO E A PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN PELO OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO - ONS. Mário Daher

O PLANEJAMENTO E A PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN PELO OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO - ONS. Mário Daher O PLANEJAMENTO E A PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN PELO OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO - ONS Mário Daher 1 O PLANEJAMENTO E A PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN PELO OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO

Leia mais

Tiago Luft 2. Aluno Especial Mestrado UFSM.

Tiago Luft 2. Aluno Especial Mestrado UFSM. AVALIAÇÃO DA CONFIABILIDADE DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO COM ALOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO E MANOBRA 1 EVALUATION OF DISTRIBUTION NETWORK RELIABILITY WITH ALLOCATION OF PROTECTION AND MANEUVERING EQUIPMENT

Leia mais

GESTÃO DA MANUTENÇÃO 25

GESTÃO DA MANUTENÇÃO 25 25 CONFIABILIDADE É a capacidade de um item desempenhar uma função requerida sob condições especificadas, durante um intervalo de tempo. A Confiabilidade é a probabilidade de um item desempenhar uma função

Leia mais

CUSTO MARGINAL DE DÉFICIT DE ENERGIA ELÉTRICA

CUSTO MARGINAL DE DÉFICIT DE ENERGIA ELÉTRICA CUSTO MARGINAL DE DÉFICIT DE ENERGIA ELÉTRICA Daiane Mara Barbosa Baseado em: Déficit de Energia Elétrica: histórico, avaliação e proposta de uma nova metodologia por Paulo Gerson Cayres Loureiro. CUSTO

Leia mais

2 Análise da Confiabilidade em Sistemas de Potência

2 Análise da Confiabilidade em Sistemas de Potência 2 Análise da Confiabilidade em Sistemas de Potência Confiabilidade é a capacidade de um dispositivo desempenhar seu propósito durante o período de tempo desejado, sob as condições operativas encontradas.

Leia mais

Única distribuidora de energia do Maranhão. Aproximadamente 2 milhões de clientes em todo o Estado.

Única distribuidora de energia do Maranhão. Aproximadamente 2 milhões de clientes em todo o Estado. Única distribuidora de energia do Maranhão. Aproximadamente 2 milhões de clientes em todo o Estado. 88% dos clientes são residenciais, sendo que destes 70% são baixa renda. Consumo Médio Residencial: 93

Leia mais

PEA 3420 : Produção de Energia. SISTEMAS HÍBRIDOS (Solar Eólico)

PEA 3420 : Produção de Energia. SISTEMAS HÍBRIDOS (Solar Eólico) PEA 3420 : Produção de Energia SISTEMAS HÍBRIDOS (Solar Eólico) 1 SISTEMAS HÍBRIDOS Definição: Sistema que utiliza mais de uma fonte de energia que, dependendo da disponibilidade dos recursos, deve gerar

Leia mais

2 Planejamento da Operação Energética 2.1. Considerações Iniciais

2 Planejamento da Operação Energética 2.1. Considerações Iniciais 2 Planejamento da Operação Energética 2.1. Considerações Iniciais O planejamento da operação energética tem por objetivo determinar uma política de operação para o sistema de geração de energia elétrica,

Leia mais

Submódulo Diretrizes e critérios para estudos energéticos

Submódulo Diretrizes e critérios para estudos energéticos Submódulo 23.4 Diretrizes e critérios para estudos energéticos Rev. Nº. 0.0 0.1 0.2 0.3 1.0 1.1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Adequação

Leia mais

Oferta e Demanda de Energia Elétrica: Cenários. Juliana Chade

Oferta e Demanda de Energia Elétrica: Cenários. Juliana Chade Oferta e Demanda de Energia Elétrica: Cenários Juliana Chade Agenda Cenário atual Preços Afluências Reservatórios Consumo de energia elétrica Meteorologia/Clima Expansão da Oferta Projeções de PLD 2 Agenda

Leia mais

Desenhando o futuro... Fernando Henrique Schuffner Neto

Desenhando o futuro... Fernando Henrique Schuffner Neto Desenhando o futuro... Fernando Henrique Schuffner Neto Diretor de Distribuição e Comercialização 2 Busca de um novo patamar tecnológico, baseado na Arquitetura IntelliGrid, aplicável aos sistemas computacionais

Leia mais

4 Análise de Confiabilidade em Sistemas de Potência

4 Análise de Confiabilidade em Sistemas de Potência 4 Análise de Confiabilidade em Sistemas de Potência 4.. Introdução Qualquer sistema de potência está sujeito à falhas em seus equipamentos, que muitas vezes não podem ser previstas. Estas falhas podem

Leia mais

COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DATAS DAS AVALIAÇÕES DO PERÍODO LETIVO 2017/1

COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DATAS DAS AVALIAÇÕES DO PERÍODO LETIVO 2017/1 I 1 PERÍODO Química Geral I 05/04/2017 07/06/2017 21/06/2017 28/06/2017 Cálculo I 06/04/2017 08/06/2017 22/06/2017 29/06/2017 Vetores e Geometria Analítica 11/04/2017 13/06/2017 20/06/2017 27/06/2017 Sociologia

Leia mais

Submódulo 6.1. Planejamento e programação da operação elétrica: visão geral

Submódulo 6.1. Planejamento e programação da operação elétrica: visão geral Submódulo 6.1 Planejamento e programação da operação elétrica: visão geral Rev. Nº. 0.0 0.1 0.2 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Adequação

Leia mais

OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA. TEE Aula 12 Prof. Vitor Hugo Ferreira

OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA. TEE Aula 12 Prof. Vitor Hugo Ferreira Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA TEE-04091 Aula 12 Prof. Vitor Hugo Ferreira Operação em tempo real e planejamento

Leia mais

Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng.

Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng. Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng. VII Conferência Anual da RELOP Praia, Cabo Verde 04 e 05/09/2014 Workshop:

Leia mais

A Experiência da CEMAR na Digitalização de Subestações e a Utilização da Tecnologia GPRS e Canal Redundante

A Experiência da CEMAR na Digitalização de Subestações e a Utilização da Tecnologia GPRS e Canal Redundante A Experiência da CEMAR na Digitalização de Subestações e a Utilização da Tecnologia GPRS e Canal Redundante 1.0 - APRESENTAÇÃO 2.0 - OBJETIVOS DA DIGITALIZAÇÃO 3.0 - HISTÓRICO AUTOMAÇÃO CEMAR 4.0 - DIGITALIZAÇÃO

Leia mais

Demanda tempo real Produção de fontes intermitentes. Realidade: penetração de energia eólica e solar é uma realidade no mundo todo

Demanda tempo real Produção de fontes intermitentes. Realidade: penetração de energia eólica e solar é uma realidade no mundo todo SMART-SEN: Um Modelo de Simulação do Sistema Elétrico Nacional com Presença de Geração de Renováveis Intermitentes: Impactos Operacionais, Regulatórios e Custos Equipe Básica: Prof. Dr. Paulo Barbosa Prof.

Leia mais

CFW500 Solar Drive. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

CFW500 Solar Drive. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas CFW500 Solar Drive Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas CONTROLE GARANTIDO Desenvolvido para acionamento de bombas centrífugas e submersas, o CFW500 Solar Drive transforma a energia

Leia mais

CUSTOS E TARIFAS DE TRANSMISSÃO

CUSTOS E TARIFAS DE TRANSMISSÃO CUSTOS E TARIFAS DE TRANSMISSÃO Mario Veiga mario@psr-inc.com Fórum APINE-Canal Energia 20/11/2006 Objetivos do modelo setorial Segurança de suprimento Modicidade tarifária 2 Estratégia do novo modelo

Leia mais

Perspectivas do Setor de Energia Elétrica

Perspectivas do Setor de Energia Elétrica Perspectivas do Setor de Energia Elétrica Palestra Apimec RJ 19/set/2011 Leonardo Lima Gomes Agenda 1. Visão Geral do Setor 2. Mercado de Energia Elétrica 3. Perspectivas Desenvolvimento Mercado 4. Perspectivas

Leia mais

Operação do SIN. PEA3496 Prof. Marco Saidel

Operação do SIN. PEA3496 Prof. Marco Saidel Operação do SIN PEA3496 Prof. Marco Saidel SIN: Sistema Interligado Nacional Sistema hidrotérmico de grande porte Predominância de usinas hidrelétricas Regiões (subsistemas): Sul, Sudeste/Centro-Oeste,

Leia mais

Utilização de Dados de Histórico na Manutenção Preditiva de Equipamentos Elétricos, Eletrônicos e Programáveis em Aplicações Metroferroviárias

Utilização de Dados de Histórico na Manutenção Preditiva de Equipamentos Elétricos, Eletrônicos e Programáveis em Aplicações Metroferroviárias Utilização de Dados de Histórico na Manutenção Preditiva de Equipamentos Elétricos, Eletrônicos e Programáveis em Aplicações Metroferroviárias Eng. Antonio Vieira da Silva Neto Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca

Leia mais

Correção do Fator de Potência

Correção do Fator de Potência SEL-0437 Eficiência Energética Correção do Fator de Potência Prof. José Carlos de Melo Vieira Júnior E-mail: jcarlos@sc.usp.br 1 Introdução Fator de potência: É possível quantificar numericamente as discrepâncias

Leia mais

Submódulo 2.1. Requisitos mínimos para instalações de transmissão e gerenciamento de indicadores de desempenho: visão geral

Submódulo 2.1. Requisitos mínimos para instalações de transmissão e gerenciamento de indicadores de desempenho: visão geral Submódulo 2.1 Requisitos mínimos para instalações de transmissão e gerenciamento de indicadores de desempenho: visão geral Rev. Nº. 0.0 0.1 1.0 1.1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação

Leia mais

8 Conclusões e Sugestões para Trabalhos Futuros

8 Conclusões e Sugestões para Trabalhos Futuros 8 Conclusões e Sugestões para Trabalhos Futuros No presente trabalho foi proposta uma metodologia capaz de estimar o valor incremental do mercado de carbono nos projetos que utilizam as fontes renováveis

Leia mais

ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivo Fluxo das Regras de Comercialização...4

ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivo Fluxo das Regras de Comercialização...4 a REGRAS DE COMERCIALIZAÇÃO DETERMINAÇÃO DO PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DAS DIFERENÇAS (PL) Versão 2008 Resolução Normativa ANEEL n 293/2007 Resolução Normativa CNPE n 8/2007 Resolução Normativa ANEEL n 306/2008

Leia mais

Eldorado Business Tower

Eldorado Business Tower Os desafios das soluções de sistemas prediais em edifícios altos: o caso do Eldorado Business Tower Engº.Luis Fernando Ciniello Bueno Gerente Geral de Obras Requisitos do Projeto > Ser Conectável > Ser

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Apresentação 2015 Prof. Dr. Carlos Fernando Jung carlosfernandojung@gmail.com Nosso Negócio Produtividade Rentabilidade Melhoria Contínua Otimização de Produtos e Processos

Leia mais

EXPERIÊNCIA DA ELEKTRO NA DIGITALIZAÇÃO DE SUBESTAÇÕES UTILIZANDO A NORMA IEC Sérgio Kimura

EXPERIÊNCIA DA ELEKTRO NA DIGITALIZAÇÃO DE SUBESTAÇÕES UTILIZANDO A NORMA IEC Sérgio Kimura EXPERIÊNCIA DA ELEKTRO NA DIGITALIZAÇÃO DE SUBESTAÇÕES UTILIZANDO A NORMA IEC 61850 Sérgio Kimura Cenário atual 120 subestações (34,5kV a 138kV) 50% digitalizadas Não digitalizadas 50% Cenário atual 60

Leia mais

Energia eólica Programa: Mestrado em Energia

Energia eólica Programa: Mestrado em Energia Energia eólica Programa: Mestrado em Energia O desenvolvimento e estudo do recurso e tecnologia eólica têm maturado rapidamente nos últimos anos, estabelecendo-se como uma das fontes de energia limpa mais

Leia mais

PEA5918 Redes Elétricas Inteligentes e Microrredes (Smart Grids e Microgrids)

PEA5918 Redes Elétricas Inteligentes e Microrredes (Smart Grids e Microgrids) PEA5918 Redes Elétricas Inteligentes e Microrredes (Smart Grids e Microgrids) Métodos Avançados de Controle Giovanni Manassero Junior Depto. de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Escola Politécnica

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 SISTEMAS DE POTÊNCIA A VAPOR 2 SIST. POTÊNCIA A VAPOR Diferente do ciclo de potência a gás, no ciclo de potência

Leia mais

Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN

Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN Ministério de Secretaria de Energia Elétrica Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN 7º SENOP Brasília, junho de 2016. 1 Ambiente Institucional 2 Ambiente Institucional

Leia mais

SUMÁRIO. Prefácio Autores do Livro Capítulo 1 - Aspectos Hidráulicos e Elétricos Básicos

SUMÁRIO. Prefácio Autores do Livro Capítulo 1 - Aspectos Hidráulicos e Elétricos Básicos SUMÁRIO Prefácio Autores do Livro Capítulo 1 - Aspectos Hidráulicos e Elétricos Básicos 1.1 - Introdução 1.2 - Mecânica dos Fluidos e Hidráulica 1.3 - Viscosidade e Outras Propriedades 1.3.1 - Viscosidade

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS 2016.1 1 PERÍODO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE FÍSICA DISCIPLINA: REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DISCIPLINA:

Leia mais

Leilão de Energia de Reserva e o papel da penalidade como fator determinante da eficiência.

Leilão de Energia de Reserva e o papel da penalidade como fator determinante da eficiência. Leilão de Energia de Reserva e o papel da penalidade como fator determinante da eficiência. Nivalde José de Castro 1 André Luis Da Silva Leite 2 No dia 30 de abril de 2008, será realizado o 1º leilão de

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá

Universidade Federal de Itajubá Universidade Federal de Itajubá Engenharia Econômica II Análise de Sensibilidade 21/08/2012 Prof. José Arnaldo B. Montevechi 1 Fluxo de Caixa ( + ) 0 1 2 3 n Parcela compostas por: ( - ) Investimento Receitas,

Leia mais

Submódulo 21.7 Estudos de reserva de potência operativa

Submódulo 21.7 Estudos de reserva de potência operativa Submódulo 21.7 Estudos de reserva de potência operativa Rev. Nº. 1.0 2016.12 Motivo da revisão Versão decorrente da Audiência Pública nº 049/2008, submetida para aprovação em caráter definitivo pela ANEEL.

Leia mais

TE061 Introdução aos Sistemas de Energia Elétrica

TE061 Introdução aos Sistemas de Energia Elétrica TE061 Introdução aos Sistemas de Energia Elétrica Sistema de Energia Elétrica: conjunto de equipamentos (geradores, transformadores, LT, disjuntores, relés, medidores...) que operam em conjunto e de maneira

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

CARBOCLORO AMPLIA CONTINGÊNCIA E INCLUI NOVOS SISTEMAS CRÍTICOS COM ATUALIZAÇÃO DOS PCNS

CARBOCLORO AMPLIA CONTINGÊNCIA E INCLUI NOVOS SISTEMAS CRÍTICOS COM ATUALIZAÇÃO DOS PCNS CARBOCLORO AMPLIA CONTINGÊNCIA E INCLUI NOVOS SISTEMAS CRÍTICOS COM ATUALIZAÇÃO DOS PCNS Perfil Instalada no Brasil em 1964, a Carbocloro é uma joint-venture da Unipar União de Indústrias Petroquímicas

Leia mais

MANUTENÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO COM FOCO NAS FERRAMENTAS DA QUALIDADE

MANUTENÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO COM FOCO NAS FERRAMENTAS DA QUALIDADE 47 MANUTENÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO COM FOCO NAS FERRAMENTAS DA QUALIDADE Diego Gomes de Matos - Faculdades Integradas de Taquara FACCAT 1 José de Souza - Faculdades Integradas de Taquara FACCAT 2 Palavras

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CÓDIGO: FEELT31601 PERÍODO: 6

Leia mais

Energia Solar: como o Centro Sebrae de Sustentabilidade se tornou um Prédio Zero Energia

Energia Solar: como o Centro Sebrae de Sustentabilidade se tornou um Prédio Zero Energia Energia Solar: como o Centro Sebrae de Sustentabilidade se tornou um Prédio Zero Energia CENTRO SEBRAE DE SUSTENTABILIDADE MISSÃO Gerir e disseminar conhecimentos, soluções xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Leia mais

UPS. Sys 33 UPS TRIFÁSICA INFINITE POWER. de 10 kva a 300 kva. Aplicações para Missões Críticas

UPS. Sys 33 UPS TRIFÁSICA INFINITE POWER. de 10 kva a 300 kva. Aplicações para Missões Críticas INFINITE POWER Aplicações para Missões Críticas UPS UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO ININTERRUPTA Sys 33 UPS TRIFÁSICA de Desenho Retificador IGBT Dupla Conversão Tensão e Frequência Independentes (VFI) Energia

Leia mais

Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos

Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos DISCIPLINA 1º Bimestre Introdução à Engenharia 40 Informática 40 Matemática 80 Produção de Textos 40 2º Bimestre Cálculo I 80 Física I 80 Inglês 20 Metodologia

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÁGIO CEMIG 2017 RELAÇÃO DE CURSOS E DESCRIÇÃO DAS VAGAS OFERTADAS SUPERIOR INTERIOR

PROGRAMA DE ESTÁGIO CEMIG 2017 RELAÇÃO DE CURSOS E DESCRIÇÃO DAS VAGAS OFERTADAS SUPERIOR INTERIOR PROGRAMA DE ESTÁGIO CEMIG 2017 RELAÇÃO DE CURSOS E DESCRIÇÃO DAS VAGAS OFERTADAS SUPERIOR INTERIOR Código: CEMIG17SI078 Local do Estágio: Vila Mauricéia - Montes Claros/MG Horário: De segunda a sexta-feira,

Leia mais

PNV-5005 MODELAGEM E ANÁLISE DE SISTEMAS INTERMODAIS DE TRANSPORTE UTILIZANDO TÉCNICAS DE SIMULAÇÃO

PNV-5005 MODELAGEM E ANÁLISE DE SISTEMAS INTERMODAIS DE TRANSPORTE UTILIZANDO TÉCNICAS DE SIMULAÇÃO PNV-5005 MODELAGEM E ANÁLISE DE SISTEMAS INTERMODAIS DE TRANSPORTE UTILIZANDO TÉCNICAS DE SIMULAÇÃO Prof. Dr. Rui Carlos Botter e-mail: rcbotter@usp.br Fevereiro de 2017 Simulação É o processo de elaborar

Leia mais

Diagrama do Pré-projeto

Diagrama do Pré-projeto Diagrama do Pré-projeto Relembrando... A localização dos aerogeradores deve ser otimizada. O projeto deve considerar os seguintes itens: Limites do terreno; Áreas restritas; Direção predominante do vento;

Leia mais

Submódulo Análise técnica dos serviços ancilares de suporte de reativos, controle secundário de frequência e autorrestabelecimento integral

Submódulo Análise técnica dos serviços ancilares de suporte de reativos, controle secundário de frequência e autorrestabelecimento integral Submódulo 21.9 Análise técnica dos serviços ancilares de suporte de reativos, controle secundário de frequência e autorrestabelecimento integral Rev. Nº. 1.0 2016.12 Motivo da revisão Versão decorrente

Leia mais

Submódulo Análise técnica dos serviços ancilares

Submódulo Análise técnica dos serviços ancilares Submódulo 21.9 Análise técnica dos serviços ancilares Rev. Nº. 0.0 1.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado em atendimento à Resolução Normativa ANEEL nº 115, de 29 de novembro de 2004. Versão

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica

Fornecimento de Energia Elétrica Fornecimento de Energia Elétrica 1 Objetivos Análise da constituição de sistemas de potência Normas para fornecimento de energia elétrica Características gerais do fornecimento de energia elétrica Esquemas

Leia mais

Situação da Energia Elétrica no Brasil e a Solução para a Crise

Situação da Energia Elétrica no Brasil e a Solução para a Crise Março 2014 RenewPower Situação da Energia Elétrica no Brasil e a Solução para a Crise Breve Resumo Março -2014 Matriz Energética A matriz energética brasileira é baseada em hidroeletricidade e dependente

Leia mais

Unemat Campus de Sinop Curso de Engenharia Elétrica 8º semestre. Disciplina: Introdução à Otimização Linear de Sistemas

Unemat Campus de Sinop Curso de Engenharia Elétrica 8º semestre. Disciplina: Introdução à Otimização Linear de Sistemas Unemat Campus de Sinop Curso de Engenharia Elétrica 8º semestre Disciplina: Introdução à Otimização Linear de Sistemas Slides: Introdução à Pesquisa Operacional - para situar a otimização linear Professora

Leia mais

Autores: Lucas D. Boff 1 Marcelo F. Castoldi 1 Murilo da Silva 1 Silvio. A. Souza 1 Cintia B. S. Silva 2

Autores: Lucas D. Boff 1 Marcelo F. Castoldi 1 Murilo da Silva 1 Silvio. A. Souza 1 Cintia B. S. Silva 2 Melhoria da Confiabilidade do Fornecimento de Energia Elétrica em Sistemas de Distribuição Utilizando Alocação de Chaves e Algoritmo Evolutivo Multi-Objetivo Autores: 1 2 Lucas D. Boff 1 Marcelo F. Castoldi

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EMENTAS º PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EMENTAS º PERÍODO CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE FÍSICA DISCIPLINA: REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DISCIPLINA:

Leia mais

Melhoria da Continuidade Instalação de UPSs

Melhoria da Continuidade Instalação de UPSs Melhoria da Continuidade Instalação de UPSs Universidade Federal de Itajubá Grupo de Qualidade da Energia - GQEE Professor: José Maria Carvalho Filho jmaria@unifei.edu.br Ações no Sistema da Concessionária

Leia mais

Análise de falhas Subestação de Tração Metroferroviário

Análise de falhas Subestação de Tração Metroferroviário Análise de falhas Subestação de Tração Metroferroviário VII Prêmio Alstom de Tecnologia Metroferroviária Análise de falhas subestação de tração metroferroviário Página 2 Resumo Este trabalho tem como objetivo

Leia mais

Pesquisa Operacional. Ementa. Prof. Edézio

Pesquisa Operacional. Ementa. Prof. Edézio Ementa Pesquisa Operacional A apresentação da PO Modelos e forma-padrão de PPL Solução gráfica de um PPL O algoritmo Simplex Teoria dos Jogos Livro texto Silva, Ermes Medeiros..et al.l., Pesquisa Operacional,

Leia mais

Projeto de Pesquisa. Dentro do Programa de Pesquisa em Políticas Públicas da FAPESP

Projeto de Pesquisa. Dentro do Programa de Pesquisa em Políticas Públicas da FAPESP Projeto de Pesquisa Dentro do Programa de Pesquisa em Políticas Públicas da FAPESP NOVOS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO ENERGÉTICO REGIONAL VISANDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Processo 03/06441-7 RTC/PIRnaUSP-

Leia mais

Ementário das disciplinas do curso de Engenharia da Computação. - Núcleo Básico -

Ementário das disciplinas do curso de Engenharia da Computação. - Núcleo Básico - Ementário das disciplinas do curso de Engenharia da Computação Currículo 6 Criado pelo CDI em 30/05/2016 - Núcleo Básico - NB 019 - Cálculo I CH Teórica 160 CH Prática 00 CH Total 160 cr 8 Funções. Limites.

Leia mais

Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF

Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF BRAZIL WINDPOWER O&M 2015 Rio de Janeiro, 02 de setembro de 2015 Dalmir Capetta Agenda Quadro Institucional Sistema de Medição para Faturamento

Leia mais

A otimização como fator de transformação do planejamento de Supply Chain na COAMO. Ademir Gonçalvez

A otimização como fator de transformação do planejamento de Supply Chain na COAMO. Ademir Gonçalvez A otimização como fator de transformação do planejamento de Supply Chain na COAMO Ademir Gonçalvez Institucional Veja o vídeo em: https://www.youtube.com/embed/hijwsyq74ee http://www.youtube.com/embed/hijwsyq74ee

Leia mais

Fundação Presidente Antônio Carlos FUPAC Unidade de Barão de Cocais MATRIZ CURRICULAR ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Fundação Presidente Antônio Carlos FUPAC Unidade de Barão de Cocais MATRIZ CURRICULAR ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MATRIZ CURRICULAR ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2012 1º PERÍODO Pré Geometria Analítica e Cálculo Vetorial 4 Introdução ao Cálculo 4 Introdução à Engenharia de Produção Introdução à Programação para Engenharia

Leia mais

Capítulo 1. Localização Industrial e Projeto da Rede de Operações. Administração da Produção II. Antonio Martins Lima Filho

Capítulo 1. Localização Industrial e Projeto da Rede de Operações. Administração da Produção II. Antonio Martins Lima Filho Capítulo 1 Localização Industrial e Projeto da Rede de Operações Conteúdo deste Resumo: Cap. 1 - Localização Industrial e Projeto da Rede de Operações Indicações Bibliográficas Introdução 1.1 Perspectiva

Leia mais

Riscos hídricos e o impacto nos negócios

Riscos hídricos e o impacto nos negócios Riscos hídricos e o impacto nos negócios 22 de Outubro 2015 Carlos Cortés Zurich Brasil Seguros Risk Engineering Cenários de Riscos Mapa de interconexões Globar Risk Report 2015 World Economic Forum 2

Leia mais

CAPÍTULO 2 Visão Geral da Abordagem de Modelagem da Pesquisa Operacional 7

CAPÍTULO 2 Visão Geral da Abordagem de Modelagem da Pesquisa Operacional 7 SUMÁRIO CAPÍTULO 1 Introdução 1 1.1 A origem da pesquisa operacional 1 1.2 A natureza da pesquisa operacional 2 1.3 O impacto da pesquisa operacional 3 1.4 Algoritmos e/ou courseware 3 Referências selecionadas

Leia mais

Submódulo 21.8 Estudos do controle cargafreqüência

Submódulo 21.8 Estudos do controle cargafreqüência Submódulo 21.8 Estudos do controle cargafreqüência Rev. Nº. 0.0 0.1 1.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento à Resolução Normativa

Leia mais

Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE

Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE SUBESTAÇÃO ELÉTRICA Conjunto de máquinas, aparelhos e circuitos cuja finalidade é modificar os níveis

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEL: INTEGRAÇÃO DAS UNIDADES PRODUTORAS AO GRIDE

ENERGIA RENOVÁVEL: INTEGRAÇÃO DAS UNIDADES PRODUTORAS AO GRIDE ENERGIA RENOVÁVEL: INTEGRAÇÃO DAS UNIDADES PRODUTORAS AO GRIDE SÉRGIO ANAUATE Coordenador da Divisão de Geração e Transmissão do IE Diretor Geral da TACTA ENERCOM Serviços de Engenharia Ltda No Brasil,

Leia mais

Curso de Graduação em Engenharia, Habilitação em Engenharia Elétrica... Estrutura Curricular:

Curso de Graduação em Engenharia, Habilitação em Engenharia Elétrica... Estrutura Curricular: Curso de Graduação em Engenharia, Habilitação em Engenharia... Estrutura Curricular: Curso: 3 ENGENHARIA ELÉTRICA Currículo: 4 Ênfase: Eletrotécnica Resolução UNESP 33, de 24/6/1988 (ingressantes a partir

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURRÍCULO PLENO BACHARELADO 1 CICLO/MÓDULO A Ciências Exatas I Álgebra Linear 02 0 02 40 Cálculo Diferencial e Integral I 04 0 04 80 Cálculo Vetorial e Geometria Analítica

Leia mais

Definição de Soluções na Construção do Plano de Obras do SDMT - Planejamento Integrado do Sistema Elétrico de Distribuição da Cemig D

Definição de Soluções na Construção do Plano de Obras do SDMT - Planejamento Integrado do Sistema Elétrico de Distribuição da Cemig D XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil BERTONI DOS SANTOS JUNIOR Cicéli Martins Luiz CEMIG Distribuição S.A. CEMIG Distribuição

Leia mais

Cogeração SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA

Cogeração SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA O Que é Cogeração? SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA A cogeração a partir do gás natural é o processo que permite a produção de energia elétrica e térmica, de forma simultânea,

Leia mais

Submódulo Indicadores de segurança elétrica

Submódulo Indicadores de segurança elétrica Submódulo 25.5 Indicadores de segurança elétrica Rev. Nº. 0.0 1.0 1.1 Motivo da revisão Atendimento à Resolução Normativa ANEEL nº 115, de 29 de novembro de 2004. Versão decorrente da Audiência Pública

Leia mais

Pré-requisito Coreq Disciplina EMC101 - Expressão Gráfica - Ativa desde: 01/01/2008. Natureza - OBRIGATÓRIA PRÁTICA 36 TEÓRICA 18

Pré-requisito Coreq Disciplina EMC101 - Expressão Gráfica - Ativa desde: 01/01/2008. Natureza - OBRIGATÓRIA PRÁTICA 36 TEÓRICA 18 1 de 5 Nível:BACHARELADO Início: 20081 01 - - EMC101 - Expressão Gráfica - Ativa desde: 01/01/2008 EMC102 - Filosofia - Ativa desde: Natureza - OBRIGATÓRIA EMC103 - Física: Cinemática e Dinâmica - Ativa

Leia mais

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Software Computacional de Perdas Técnicas de Energia PERTEC

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Software Computacional de Perdas Técnicas de Energia PERTEC XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Software Computacional de Perdas Técnicas de Energia PERTEC Franco Pavan Ingrid Lourenço

Leia mais

Charles Lenzi Cuiabá, 23 de junho de 2015.

Charles Lenzi Cuiabá, 23 de junho de 2015. Charles Lenzi Cuiabá, 23 de junho de 2015. A ABRAGEL Associação com foco na defesa de interesses dos empreendedores de Pequenas Centrais Hidrelétricas e Usinas Hidrelétricas até 50 MW 15 anos de atuação

Leia mais

Avaliação Quantitativa de Sistemas

Avaliação Quantitativa de Sistemas Avaliação Quantitativa de Sistemas Contexto A Avaliação Quantitativa de Sistemas permite a avaliação de sistemas antes mesmo da sua implementação física. Dessa forma, é possível avaliar um sistema projetado

Leia mais

Inserção de Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento da Expansão

Inserção de Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento da Expansão Ministério de Minas e Energia Inserção de Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento Energético Nacional Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento da Expansão Pedro A. M-S. David

Leia mais

Submódulo 9.6. Acompanhamento e previsão meteorológica e climática

Submódulo 9.6. Acompanhamento e previsão meteorológica e climática Submódulo 9.6 Acompanhamento e previsão meteorológica e climática Rev. Nº. 0.0 0.1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento à Resolução

Leia mais

Estrutura e Viabilidade do Leilão de Reserva

Estrutura e Viabilidade do Leilão de Reserva Fórum CanalEnergia: Viabilidade de Investimentos em Fontes Alternativas Estrutura e Viabilidade do Leilão de Reserva Rodrigo Oliveira RJ, 25 de março de 2008 Características do Modelo Atual de Contratação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32/06-CEPE

RESOLUÇÃO Nº 32/06-CEPE RESOLUÇÃO Nº 32/06-CEPE Aprova o Ajuste Curricular no Curso de Engenharia Elétrica, aplicável à Resolução 78/02-CEPE. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, órgão normativo, consultivo e deliberativo

Leia mais

Atendimento ao Estado do Pará

Atendimento ao Estado do Pará Ministério de Secretaria de Energia Elétrica Atendimento ao Estado do Pará Câmara dos Deputados - CINDRA Brasília, abril de 2015. 1 Ambiente Institucional 2 Universalização Modicidade Tarifária Segurança

Leia mais

Submódulo 9.6. Acompanhamento e previsão meteorológica e climática

Submódulo 9.6. Acompanhamento e previsão meteorológica e climática Submódulo 9.6 Acompanhamento e previsão meteorológica e climática Rev. Nº. 0.0 0.1 1.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento à

Leia mais

Submódulo 9.2. Acompanhamento, análise e tratamento dos dados hidroenergéticos do Sistema Interligado Nacional

Submódulo 9.2. Acompanhamento, análise e tratamento dos dados hidroenergéticos do Sistema Interligado Nacional Submódulo 9.2 Acompanhamento, análise e tratamento dos dados hidroenergéticos do Sistema Interligado Nacional Rev. Nº. 0.0 0.1 1.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador

Leia mais

Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP

Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP AUDIÊNCIAS PÚBLICAS Abrimos nossas portas para a sociedade... Antes de expedições de atos administrativos (resolução normativa,

Leia mais

Submódulo 9.2. Acompanhamento, análise e tratamento dos dados hidroenergéticos do Sistema Interligado Nacional

Submódulo 9.2. Acompanhamento, análise e tratamento dos dados hidroenergéticos do Sistema Interligado Nacional Submódulo 9.2 Acompanhamento, análise e tratamento dos dados hidroenergéticos do Sistema Interligado Nacional Rev. Nº. 0.0 0.1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional

Leia mais

Evolução nas Cabines Blindadas com a Nova Regulamentação da Light para ligações de Clientes em Média Tensão. Eng. Alexandre Morais

Evolução nas Cabines Blindadas com a Nova Regulamentação da Light para ligações de Clientes em Média Tensão. Eng. Alexandre Morais Evolução nas Cabines Blindadas com a Nova Regulamentação da Light para ligações de Clientes em Média Tensão Eng. Alexandre Morais Padrão de Cabine Primária para Entrada e Medição em Média Tensão no Rio

Leia mais

3 Risk Engineering Workshop 23 de Agosto de 2016 Paulo Sergio Testa Zurich Brasil Seguros. Risk Engineering

3 Risk Engineering Workshop 23 de Agosto de 2016 Paulo Sergio Testa Zurich Brasil Seguros. Risk Engineering 3 Risk Engineering Workshop 23 de Agosto de 2016 Paulo Sergio Testa Zurich Brasil Seguros Risk Engineering Com o gerenciamento de risco analisamos o tamanho e a complexidade da máquina A importância de

Leia mais

Implementação de chaves disjuntoras de 3 vias e TP s submersíveis para a redução de indisponibilidade dos sistemas subterrâneos reticulados e

Implementação de chaves disjuntoras de 3 vias e TP s submersíveis para a redução de indisponibilidade dos sistemas subterrâneos reticulados e Implementação de chaves disjuntoras de 3 vias e TP s submersíveis para a redução de indisponibilidade dos sistemas subterrâneos reticulados e seletivos Objetivo Demonstrar a aplicação de chaves disjuntoras

Leia mais

REGULAÇÃO E MONITORAÇÃO DA QUALIDADE DA REDE BÁSICA INDICADORES DE CONTINUIDADE DE SERVIÇO

REGULAÇÃO E MONITORAÇÃO DA QUALIDADE DA REDE BÁSICA INDICADORES DE CONTINUIDADE DE SERVIÇO GAE/020 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO VI GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS EMPRESARIAIS REGULAÇÃO E MONITORAÇÃO DA QUALIDADE DA REDE BÁSICA INDICADORES DE CONTINUIDADE DE SERVIÇO

Leia mais

CURRICULUM SIMPLIFICADO

CURRICULUM SIMPLIFICADO Série: 1-1º SEMESTRE 1CO100 CÁLCULO I 6.0 108 0 108 1CO105 EXPRESSÃO GRÁFICA I 2.0 0 1CO101 FÍSICA I 6.0 72 108 1CO103 GEOMETRIA ANALÍTICA E ÁLGEBRA LINEAR 4.0 72 0 72 1CO106 INTRODUÇÃO À ENGENHARIA 2.0

Leia mais

Usinas Reversíveis. Perspectivas no Setor Elétrico Brasileiro. X Simpósio sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas e Usinas Reversíveis

Usinas Reversíveis. Perspectivas no Setor Elétrico Brasileiro. X Simpósio sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas e Usinas Reversíveis Usinas Reversíveis Perspectivas no Setor Elétrico Brasileiro X Simpósio sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas e Usinas Reversíveis 28 de abril de 2016 Roteiro 1. Justificativa para os estudos

Leia mais

UPS. Sys 33 PLUS UPS TRIFÁSICA INFINITE POWER. de 50 kva a 500 kva. Aplicações para Missões Críticas

UPS. Sys 33 PLUS UPS TRIFÁSICA INFINITE POWER. de 50 kva a 500 kva. Aplicações para Missões Críticas INFINITE POWER Aplicações para Missões Críticas UPS UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO ININTERRUPTA Sys 33 PLUS UPS TRIFÁSICA de Desenho Retificador IGBT Dupla Conversão Tensão e Frequência Independentes (VFI) Energia

Leia mais