COMPETÊNCIA CONSTITUCIONAL EM MATÉRIA AMBIENTAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPETÊNCIA CONSTITUCIONAL EM MATÉRIA AMBIENTAL"

Transcrição

1 COMPETÊNCIA CONSTITUCIONAL EM MATÉRIA AMBIENTAL 1. INTRODUÇÃO 1.1. A Constituição Federal, promulgada em 05 de outubro de 1988, foi o primeiro texto constitucional brasileiro a tratar do tema meio ambiente de forma unitária Países como Equador (1979), Peru (1979), Chile (1980), Portugal (1976) e Espanha (1978) introduziram antecipadamente o tema nas Constituições A Constituição de 1988 garante o direito de todos ao meio ambiente ecologicamente equilibrado e essencial à sadia qualidade de vida. O mesmo texto constitucional conceitua o meio ambiente como bem de uso comum do povo, que não pode ser apropriado e está fora do comércio A competência em relação ao meio ambiente está dividida em competência de ordem administrativa e legislativa O art. 23 da Constituição Federal, traça a competência comum para União, Estados, Distrito Federal e Municípios no tocante a proteção do meio ambiente e o combate à poluição em quaisquer de suas formas A competência do art. 23, que estudaremos especificamente, está atrelada a uma competência administrativa O art. 24 da Constituição Federal fala em competência concorrente da União, Estados e Distrito Federal para legislar sobre meio ambiente Competência concorrente para legislar, envolve não só a elaboração de leis, mas de decretos, resoluções e portarias A concorrência enseja a possibilidade de iniciativa legislativa na área ambiental para os Estados-Membros e para o Distrito Federal, se a União mantiver inerte Os Estados poderão exercer a competência legislativa plena, desde que não exista lei federal sobre normas gerais. Neste caso, a norma

2 estadual não pode exorbitar da peculiaridade ou do interesse do próprio do Estado e terá que se ajustar ao disposto em norma federal ambiental superveniente. 2. A norma geral como limite da legislação federal ambiental 2.1 A norma geral visa à aplicação da mesma regra em um determinado espaço territorial. 2.2 A norma geral federal ambiental, ou em outra matéria de competência corrente, não precisa necessariamente abranger todo o território brasileiro. 2.3 Uma norma geral ambiental federal poderá dispor, por exemplo, sobre as áreas previstas no art. 225, 4º - Floresta Amazônica Brasileira, Serra do Mar, Mata Atlântica, Pantanal e Zona Costeira. 2.4 A norma geral pode abranger somente um ecossistema, uma bacia hidrográfica ou somente uma espécie vegetal ou animal. 2.5 A União está obrigada a inserir na norma geral o conteúdo dos acordos, tratados ou convenções internacionais já ratificados, depositados e promulgados pelo Brasil, como, evidentemente, guardar fidelidade à Constituição em vigor. 3. Competência suplementar dos Estados em matéria ambiental 3.1 Segundo o art. 24, 2º da Constituição Federal, a competência da União para legislar sobre normas gerais não exclui a competência suplementar dos Estados. 3.2 Suplemento é a parte que se ajunta a um todo para ampliá-lo. Serve para suprir qualquer falta.

3 3.3 A capacidade suplementar está condicionada à necessidade de aperfeiçoar a legislação federal ou diante da constatação de lacunas ou de imperfeições da norma geral federal Em caso de inércia da União em estabelecer as normas gerais, os Estados poderão suplementá-las, regulamentando as regras gerais sobre o assunto. Aqui pode o Estado tanto complementar a legislação federal como também, na hipótese de inexistência de lei federal, passar a legislar sobre a matéria, tendo competência plena, em que pese temporária. 3.5 No caso de suplementação, em sobrevindo norma federal geral, a aludida norma estadual geral (suplementar) terá a sua eficácia suspensa, no que for contrária à lei federal sobre normas gerais editada posteriormente. 3.4 Não se pode suplementar um texto legal para descumpri-lo ou para deturpar sua intenção. 4. A COMPETÊNCIA AMBIENTAL COMUM NA CONSTITUIÇÃO DE A competência comum da União, Estados, Distrito Federal e Municípios vêm prevista no art. 23 da CF. 4.2 Na verdade trata-se de uma competência administrativa, posto que o art. 24 trata da competência para legislar. 4.3 Dentre a competência ambiental prevista no art. 23, está: III - proteger os documentos, as obras e outros bens de valor histórico, artístico e cultural, os monumentos, as paisagens naturais notáveis e os sítios arqueológicos; IV - impedir a evasão, a destruição e a descaracterização de obras de arte e de outros bens de valor histórico, artístico ou cultural; VI - proteger o meio ambiente e combater a poluição em qualquer de suas formas; VII - preservar as florestas, a fauna e a flora e XI - registrar, acompanhar e fiscalizar as concessões de direitos de pesquisa e exploração de recursos hídricos e minerais em seus territórios;

4 4.4 Existe uma autonomia entre União, Estados, Distrito Federal e Municípios. Cada um escolhe a sua estrutura administrativa. Assim, as normas gerais federais ambientais não podem ferir a autonomia dos Estados e Municípios, exigindo dos mesmos uma estrutura administrativa ambiental idêntica á praticada no âmbito federal. 4.5 No âmbito da competência de implementação administrativa da lei, não há uma hierarquia nas atuações das diferentes administrações públicas. A administração federal não está num plano hierárquico superior ao da administração pública ambiental estadual, nem esta situa-se em plano superior ao da administração pública ambiental municipal. 5. Estabelecimento de normas de cooperação institucional 5.1 Dispõe o art. 23 da CF, em seu paragráfo único: Lei complementar fixará normas para a cooperação entre a União e os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, tendo em vista o equilíbrio do desenvolvimento e do bemestar em âmbito nacional. 5.2 O verbo cooperar significa trabalhar em comum, colaborar, ajudar, auxiliar. 5.3 Esta cooperação busca duas finalidades: a) o equilíbrio do desenvolvimento e b) e o equilíbrio do bem-estar em âmbito nacional. 5.4 O dispositivo constitucional acima cria uma tarefa a lei complementar, que é a de criar instrumentos que evitem que Estados da Federação ou Municípios possam descumprir a legislação ambiental ao atrair investimentos, praticando um desenvolvimento não sustentado. 5.5 Exemplos desta cooperação é o SISNAMA Sistema Nacional do Meio Ambiente, concebido pela Lei de Política Nacional do Meio Ambiente (1981). No CONAMA Conselho Nacional do Meio Ambiente, todos os Estados tem assento permanente, configurando um fórum de encontro quadrimestral de discussão de política do meio ambiente.

5 5.6 Nesta cooperação prescrita pelo texto constitucional, é muito importante a nível de proteção ao meio ambiente, que haja um sistema de informação que interajam todos os entes federados (União, Estados, Distrito Federal e Municípios). 5.7 A previsão de cooperação, não visa diminuir a autonomia dos entes federados. Por exemplo, a lei federal não pode estabelecer prazos para os procedimentos administrativos estaduais e municipais, pois esta matéria integra a organização administrativa autônoma desses entes. 5.8 De grande importância para a cooperação, é que a União repasse dinheiro aos Estados e Municípios, e os Estados aos Municípios, visando fortalecer a atividade administrativa ambiental, principalmente nos entes carentes. 5.9 O grande perigo da simultaneidade de competências para a implementação do controle ambiental é quando todos os entes são competentes, mas nenhum deles tem assumido especificamente a melhoria da qualidade das águas, do ar, do solo e nenhuma instância governamental se responsabiliza pela conservação das florestas e da fauna. 6. MERCOSUL E COOPERAÇÃO GOVERNAMENTAL 6.1 A cooperação no Direito Internacional tem sido apontada como sendo o início da solução de muitos problemas que assolam o planeta Terra. 6.2 A nível de América do Sul, esta cooperação deve ser realizada principalmente entre os países que formam o Mercosul. 7. O MUNICÍPIO E O MEIO AMBIENTE 7.1 O Brasil é formado por Estados, Distrito Federal (Brasília) e Municípios, todos autônomos.

6 7.2 O equilíbrio da federação não permite o desenvolvimento de uma parte da federação ser conseguida à custa da poluição e da degradação ambiental da natureza da outra parte. 7.3 Na seara da competência legislativa, a Constituição Federal previu dois tipos de competências para cada um dos membros da Federação: a) a União tem competência privativa e concorrente; b) os Estados e o Distrito Federal têm competência concorrente e suplementar; d) os Municípios têm competência para legislar sobre assuntos de interesse local e para suplementar a legislação federal e estadual. 7.4 O interesse local, significa que pode ser objeto de legislação municipal aquilo que seja da conveniência de um quarteirão, de um bairro, de um subdistrito ou de um distrito. 7.5 Muitas das vezes veremos conflitos entre o interesse local pelo desenvolvimento econômico não sustentado ou imediatista, em antagonismo com o interesse local, pela conservação do meio ambiente. 7.6 Em matéria ambiental, a União irá procurar a vantagem de todo o território nacional ou de ecossistemas específicos (floresta amazônica brasileira, mata atlântica, serra do mar, pantanal mato-grossense, etc) ou de uma ou várias bacias hidrográficas, tanto no que concerne ao exercício da competência privativa, como no exercício da competência para editar normas gerais. Ao procurar a utilidade nacional, não poderá a União prejudicar concretamente o direito dos munícipes à sadia qualidade de vida e ao meio ambiente ecologicamente equilibrado. 7.7 A Constituição Federal atribuiu, indistintamente, à União, aos Estados e ao Distrito Federal a competência para proteger o meio ambiente e combater a poluição em qualquer de suas formas e de preservar as florestas, a fauna e a flora 7.8 A atribuição relatada no item 7.7 induz que qualquer dos entes políticos mencionados tem competência para aplicar a legislação ambiental, ainda que essa legislação não tenha sido de autoria do ente público que a aplica. O Município, por exemplo, não pode legislar

7 sobre águas, mas pode, e deve, aplicar a legislação federal de águas no ordenamento do território municipal.

Direito Ambiental. Competências Legislativa e Material. Professor Mateus Silveira.

Direito Ambiental. Competências Legislativa e Material.  Professor Mateus Silveira. Direito Ambiental Competências Legislativa e Material Professor Mateus Silveira www.acasadoconcurseiro.com.br direito ambiental COMPETÊNCIAS LEGISLATIVA E MATERIAL COMPETÊNCIA EM MATÉRIA AMBIENTAL: COMPETÊNCIA

Leia mais

HISTÓRICO PRINCÍPIOS AMBIENTAIS CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

HISTÓRICO PRINCÍPIOS AMBIENTAIS CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DIREITO AMBIENTAL HISTÓRICO PRINCÍPIOS AMBIENTAIS CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL HISTÓRICO Período Pré-Colonial e Colonial 1500/1530 Exploração do Pau-Brasil e Tráfico de Animais Silvestres

Leia mais

Direito Ambiental OAB. Prof. Rosenval Júnior

Direito Ambiental OAB. Prof. Rosenval Júnior Direito Ambiental OAB Prof. Rosenval Júnior REVISÃO DE 30 MINUTOS 18 de novembro de 2017 Revisão de Direito Ambiental para o Exame de Ordem Prof. Rosenval Júnior Facebook -> Opção SEGUIR no perfil pessoal

Leia mais

Preparação para atuação profissional em meio ambiente Simone Paschoal Nogueira

Preparação para atuação profissional em meio ambiente Simone Paschoal Nogueira Preparação para atuação profissional em meio ambiente Simone Paschoal Nogueira São Paulo, 1 de agosto de 2016 ROTEIRO Instituições e Atribuições do Estado Quem faz o que? Constituição Federal Competências

Leia mais

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Rede de ONGs da Mata Atlântica RMA Apoio: Funbio e MMA Papel do Município no meio ambiente Constituição Federal Art 23 Competência Comum,

Leia mais

COMPETÊNCIAS DA UNIÃO FEDERAL

COMPETÊNCIAS DA UNIÃO FEDERAL COMPETÊNCIAS DA UNIÃO FEDERAL A competência não legislativa, como o próprio nome ajuda a compreender, determina um campo de atuação político administrativa, tanto é que são também denominadas competências

Leia mais

O meio ambiente na CF/1988. José Antônio Tietzmann e Silva - Todos os direitos reservados

O meio ambiente na CF/1988. José Antônio Tietzmann e Silva - Todos os direitos reservados O meio ambiente na CF/1988 Japão (1946), Polônia (1952), Tchecho-Eslováquia (1960), Bulgária (1971), Confederação Helvética (1971), Hungria (1972), Panamá (1972), Ioguslávia (1974), Grécia (1975), Cuba

Leia mais

Direito Constitucional

Direito Constitucional Barbara Rosa Direito Constitucional Organização do Estado - II TIPOS DE COMPETÊNCIAS Competência exclusiva: Indelegável. Competência privativa: delegável Competência comum: União, Estados, DF e Municípios.

Leia mais

Direito Ambiental Constitucional. Inclui Princípios constitucionais correlatos

Direito Ambiental Constitucional. Inclui Princípios constitucionais correlatos Direito Ambiental Constitucional Inclui Princípios constitucionais correlatos Constituição de 1988 Conceito jurídico de meio ambienteconstituição Art. 3º. Para os fins previstos nesta Lei, entende-se por:

Leia mais

Da repartição de competências

Da repartição de competências Da repartição de competências Conceito É a faculdade juridicamente atribuída a uma entidade.a Constituição estabelece a competência de cada um dos entes federativos. 1. PRINCÍPIO GERAL DA REPARTIÇÃO DE

Leia mais

Lei Complementar n 140/11. Competências: Licenciamento e Fiscalização

Lei Complementar n 140/11. Competências: Licenciamento e Fiscalização Lei Complementar n 140/11 Competências: Licenciamento e Fiscalização Características Iniciais Fixou normas, nos termos dos incisos III, VI e VI do caput e do parágrafo único do artigo 23 da CF. Cooperação

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICIPAL E CAPACITAÇÃO DE GESTORES INEA/DIGAT/GEGAM

LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICIPAL E CAPACITAÇÃO DE GESTORES INEA/DIGAT/GEGAM LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICIPAL E CAPACITAÇÃO DE GESTORES INEA/DIGAT/GEGAM INTRODUÇÃO A Gerência de Apoio à Gestão Ambiental Municipal (GEGAM) atua na articulação com os 92 municípios fluminenses para

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL E MEIO AMBIENTE

CONSTITUIÇÃO FEDERAL E MEIO AMBIENTE CONSTITUIÇÃO FEDERAL E MEIO AMBIENTE 1. INTRODUÇÃO 1.1. A Constituição Federal, promulgada em 05 de outubro de 1988, foi o primeiro texto constitucional brasileiro a mencionar a palavra meio ambiente.

Leia mais

Papel do Município no Licenciamento Ambiental

Papel do Município no Licenciamento Ambiental Papel do Município no Licenciamento Ambiental Vivian do Carmo Bellezzia Advogada Mestranda em Direito Ambiental pela ESDHC Especialista em Direito Público pela PUC-MINAS Especialista em Filosofia pela

Leia mais

Compensação Florestal por Supressão de Vegetação no Bioma Mata Atlântica em Minas Gerais.

Compensação Florestal por Supressão de Vegetação no Bioma Mata Atlântica em Minas Gerais. Compensação Florestal por Supressão de Vegetação no Bioma Mata Atlântica em Minas Gerais. Lei Federal nº 11.428/2006 e Deliberação Normativa COPAM nº 73/2004 Breve histórico do Regime Jurídico do Bioma

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL DA BAÍA DE TODOS OS SANTOS

GESTÃO AMBIENTAL DA BAÍA DE TODOS OS SANTOS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS GESTÃO AMBIENTAL DA BAÍA DE TODOS OS SANTOS FAPESB - 31 de outubro de 2011 Foto: Nilton Souza Artigo 225 CF-1988: Foto: Nilton Souza

Leia mais

Licenciamento Ambiental, Competências Ambientais e a regulamentação do art. 23/CF. Salvador, 18 de maio de 2007.

Licenciamento Ambiental, Competências Ambientais e a regulamentação do art. 23/CF. Salvador, 18 de maio de 2007. Licenciamento Ambiental, Competências Ambientais e a regulamentação do art. 23/CF Salvador, 18 de maio de 2007. Críticas ao Licenciamento Ambiental: lentidão processo de licenciamento ambiental entrave

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 576 /2013 Institui o Projeto Calçada Limpa no âmbito das subprefeituras, e dá outras providências. A Câmara Municipal de São Paulo DECRETA: Art. 1º A presente Lei institui o Projeto Calçada

Leia mais

S UMÁRIO. Capítulo 1 Meio Ambiente Doutrina e Legislação...1. Questões...6 Gabaritos comentados...8

S UMÁRIO. Capítulo 1 Meio Ambiente Doutrina e Legislação...1. Questões...6 Gabaritos comentados...8 S UMÁRIO Capítulo 1 Meio Ambiente...1 1. Doutrina e Legislação...1 1.1. Conceito de meio ambiente... 1 1.2. Classi icação didática do meio ambiente... 3 1.3. O meio ambiente no art. 225 da CF/88... 4 Questões...6

Leia mais

LEGISLAÇÃO MINERÁRIA BRASILEIRA: Avaliação e Perspectivas. ANA SALETT MARQUES GULLI Procuradora-Chefe/DNPM

LEGISLAÇÃO MINERÁRIA BRASILEIRA: Avaliação e Perspectivas. ANA SALETT MARQUES GULLI Procuradora-Chefe/DNPM LEGISLAÇÃO MINERÁRIA BRASILEIRA: Avaliação e Perspectivas ANA SALETT MARQUES GULLI Procuradora-Chefe/DNPM Junho/2010 Relevância da atividade mineral A atividade mineral apresenta-se como uma atividade

Leia mais

DIREITO AMBIENTAL PATRIMÔNIO CULTURAL

DIREITO AMBIENTAL PATRIMÔNIO CULTURAL DIREITO AMBIENTAL PATRIMÔNIO CULTURAL Professor Eduardo Coral Viegas 1 MEIO AMBIENTE NATURAL: constituído pelo solo, água, ar atmosférico, flora, fauna, enfim, pela biosfera (sem intervenção humana) MA

Leia mais

IUS RESUMOS. Bens públicos Parte I. Organizado por: Samille Lima Alves

IUS RESUMOS. Bens públicos Parte I. Organizado por: Samille Lima Alves Bens públicos Parte I Organizado por: Samille Lima Alves SUMÁRIO I. BENS PÚBLICOS PARTE 1... 3 1. Caracterizando os bens públicos... 3 1.1. Conceito... 3 1.2. Classificação dos bens públicos... 4 1.3 Características

Leia mais

COMPETÊNCIA NORMATIVA

COMPETÊNCIA NORMATIVA Turma e Ano: MASTER A -2015 Matéria / Aula: Direito Ambiental Competência normativa, administrativa, jurisidicional Professor: Marcelo Jungstedt Monitora: Kathleen Feitosa Aula 02 COMPETÊNCIA NORMATIVA

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 15

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 15 18 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 15 QUESTÃO 41 Dentre as ações apontadas abaixo, assinale aquela que NÃO constitui ação judicial destinada à proteção do meio ambiente: a) Ação popular. b) Ação civil

Leia mais

Resolução CONSEPA nº 7 DE 17/11/2015 Norma Estadual - Rondônia Publicado no DOE em 24 nov 2015

Resolução CONSEPA nº 7 DE 17/11/2015 Norma Estadual - Rondônia Publicado no DOE em 24 nov 2015 Resolução CONSEPA nº 7 DE 17/11/2015 Norma Estadual - Rondônia Publicado no DOE em 24 nov 2015 Define a tipologia das atividades que causam ou possam causar impacto ambiental de âmbito local, nos termos

Leia mais

Profa. Me. Larissa Castro

Profa. Me. Larissa Castro Vedações constitucionais impostas à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios Profa. Me. Larissa Castro Art. 19. É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios: I -

Leia mais

Lei nº 6.938/81. Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Lei nº 6.938/81. Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos Lei nº 6.938/81 SINOPSE: a) Meio ambiente é PATRIMÔNIO PÚBLICO, devendo ser protegido, tendo em vista o uso coletivo; b) Planejar, fiscalizar e racionalizar o uso dos recursos ambientais; c) Proteger os

Leia mais

ORIGEM E DIFUSÃO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL

ORIGEM E DIFUSÃO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL ORIGEM E DIFUSÃO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL Prof. Eduardo Lucena C. de Amorim 1 OBJETIVOS DA POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE Compatibilizar o desenvolvimento econômico e social com a proteção

Leia mais

Questões fundamentadas da DIVISÃO DE COMPETÊNCIAS ART. 21 a 24 da CF

Questões fundamentadas da DIVISÃO DE COMPETÊNCIAS ART. 21 a 24 da CF APOSTILA AMOSTRA Para adquirir a apostila de 200 Questões Fundamentadas da Divisão de Competências Art. 21 a 24 da CF acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br S U M Á R I O Apresentação......3 Questões......4

Leia mais

Competência dos Municípios no Licenciamento Ambiental: A Lei Complementar n. 140/2011 e os Recursos Florestais

Competência dos Municípios no Licenciamento Ambiental: A Lei Complementar n. 140/2011 e os Recursos Florestais Competência dos Municípios no Licenciamento Ambiental: A Lei Complementar n. 140/2011 e os Recursos Florestais RIBAS, L. C. a ; PROSDOCINI, R. de M. b, et BRAUER, A. L. c a. Universidade Estadual Paulista

Leia mais

É o ramo da biologia que estuda as relações entre os seres vivos e o meio ambiente em que vivem, bem como suas recíprocas influências.

É o ramo da biologia que estuda as relações entre os seres vivos e o meio ambiente em que vivem, bem como suas recíprocas influências. Da Ordem Social: do Meio Ambiente e dos Índios. Cretella Júnior e Cretella Neto Direito Ambiental Prof. Dr. João Miguel da Luz Rivero jmlrivero@gmail.com Do meio ambiente A CF de 1988 consagra o direito

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 2. Apresentação. Aula 2. Orçamento Público. O orçamento nacional deve ser equilibrado

Contabilidade Pública. Aula 2. Apresentação. Aula 2. Orçamento Público. O orçamento nacional deve ser equilibrado Contabilidade Pública Aula 2 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Aula 2 Orçamento Público: conceito e finalidades. O orçamento nacional deve ser equilibrado As dívidas públicas devem ser reduzidas...

Leia mais

Projeto Akvolernigi (Parceria UNICAMP/SABESP intermediado pela ABES-SP)

Projeto Akvolernigi (Parceria UNICAMP/SABESP intermediado pela ABES-SP) AKVO = Água I - Projeto Akvolernigi (Material preparado para o Curso) LERNIGI = Ensinar, I - Aspectos Legislativos e Instrumentos de Gestão Aprender e Fazer a) Princípios Gerais do Direito Ambiental b)

Leia mais

ORGANIZAÇÃO POLÍTICO- ADMINISTRATIVA DO ESTADO BRASILEIRO COMPETÊNCIAS FEDERATIVAS

ORGANIZAÇÃO POLÍTICO- ADMINISTRATIVA DO ESTADO BRASILEIRO COMPETÊNCIAS FEDERATIVAS ORGANIZAÇÃO POLÍTICO- ADMINISTRATIVA DO ESTADO BRASILEIRO COMPETÊNCIAS FEDERATIVAS COMPETENCIAS FEDERATIVAS Conceito Segundo Uadi Bulos, sao parcelas de poder atribuidas, pela soberania do Estado Federal,

Leia mais

Constituições Brasileiras

Constituições Brasileiras Dra.%Patrícia%Bianchi% Constituições Brasileiras! Constituições de 1824 e de 1891 - liberalismo econômico e não intervenção do Estado - nada traziam a respeito da proteção ambiental - direito de propriedade

Leia mais

GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS MUNICÍPIOS Seminário Nacional Porto Alegre Março de 2008

GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS MUNICÍPIOS Seminário Nacional Porto Alegre Março de 2008 GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS MUNICÍPIOS Seminário Nacional Porto Alegre Março de 2008 SISNAMA A REGULAMENTAÇÃO DO ART. 23 DA CF E O NOVO PAPEL DO MUNICÍPIO NO SISNAMA Sílvia Cappelli, Procuradora de Justiça-RS

Leia mais

FUNÇÕES E COMPETÊNCIAS DOS PODERES MUNICIPAIS

FUNÇÕES E COMPETÊNCIAS DOS PODERES MUNICIPAIS FUNÇÕES E COMPETÊNCIAS DOS PODERES MUNICIPAIS ROBERTO KURTZ PEREIRA MUNICÍPIO Posição do Município na Federação. A Constituição Federal de 1988, elevou o Município como ente federativo. Consagrou a autonomia

Leia mais

XXII EXAME DE ORDEM DIREITO AMBIENTAL PROF.ª ERIKA BECHARA

XXII EXAME DE ORDEM DIREITO AMBIENTAL PROF.ª ERIKA BECHARA XXII EXAME DE ORDEM DIREITO AMBIENTAL PROF.ª ERIKA BECHARA Meio ambiente na CF/88 A Constituição Federal reconhece e declara: O meio ambiente ecologicamente equilibrado é essencial à sadia qualidade de

Leia mais

Definição Bio Diversidade Brasil Biomas Brasileiros Mata Atlântica

Definição Bio Diversidade Brasil Biomas Brasileiros Mata Atlântica UC, SNUC e o MoNa Marcelo Andrade Biólogo Secretaria Municipal de Meio Ambiente - SMAC Gestor do Monumento Natural dos Morros do Pão de Açúcar e da Urca Gestor do Parque Natural Municipal Paisagem Carioca

Leia mais

DA CONVERSÃO DE CAMPO NATIVO E DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL WELLINGTON PACHECO BARROS

DA CONVERSÃO DE CAMPO NATIVO E DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL WELLINGTON PACHECO BARROS DA CONVERSÃO DE CAMPO NATIVO E DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL WELLINGTON PACHECO BARROS Desembargador aposentado do TJ/RS, professor da ESCOLA SUPERIOR DA MAGISTRATURA e do I - UMA, entre outros, advogado

Leia mais

TOPO DE MORRO. ÂMBITO DE APLICAÇÃO DAS RESOLUÇÕES DO CONAMA E DO CÓDIGO FLORESTAL

TOPO DE MORRO. ÂMBITO DE APLICAÇÃO DAS RESOLUÇÕES DO CONAMA E DO CÓDIGO FLORESTAL TOPO DE MORRO. ÂMBITO DE APLICAÇÃO DAS RESOLUÇÕES DO CONAMA E DO CÓDIGO FLORESTAL Elaborado em 10.2008 Kiyoshi Harada Jurista, professor e especialista em Direito Financeiro e Tributário pela USP. Sumário:

Leia mais

08/12/2014. Constituição Federal. Ordem Social. Trabalho. Seguridade Social TÍTULO VIII - DA ORDEM SOCIAL. CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO GERAL (art.

08/12/2014. Constituição Federal. Ordem Social. Trabalho. Seguridade Social TÍTULO VIII - DA ORDEM SOCIAL. CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO GERAL (art. Constituição Federal TÍTULO VIII - DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO GERAL (art. 193) CAPÍTULO II - DA SEGURIDADE SOCIAL Seção I - Disposições Gerais (arts. 194 e 195) Seção II - Da Saúde (arts.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 11.824 Cria o Parque Natural Municipal da Pedra dos Olhos e dá outras providencias. O Prefeito Municipal de Vitória, Capital do Estado do Espirito Santo, usando de suas

Leia mais

DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICO ADMINISTRATIVA ARTIGOS 18 E 19 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICO ADMINISTRATIVA ARTIGOS 18 E 19 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICO ADMINISTRATIVA ARTIGOS 18 E 19 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL A organização político administrativa da República Federativa do Brasil compreende a União, os Estados, o Distrito Federal,

Leia mais

1. Direitos coletivos e direitos individuais: Os dois gêneros sao transindividuais. Os coletivos lato sensu se contrapõem aos individuais.

1. Direitos coletivos e direitos individuais: Os dois gêneros sao transindividuais. Os coletivos lato sensu se contrapõem aos individuais. 1 DIREITO AMBIENTAL PONTO 1: Direitos coletivos e direitos individuais PONTO 2: Conceito, sujeito ativo e passivo PONTO 3: Panorama das Leis mais importantes ambientais PONTO 4: Origem do Direito Ambiental

Leia mais

PHA 3001 ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE. Prof. Dr. Theo Syrto Octavio de Souza

PHA 3001 ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE. Prof. Dr. Theo Syrto Octavio de Souza PHA 3001 ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE Prof. Dr. Theo Syrto Octavio de Souza (theos@usp.br) Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano (Conferência de Estocolmo) 1972, Estocolmo, Suécia 113

Leia mais

U SC/ C PR P O R DE D MA

U SC/ C PR P O R DE D MA Guilhardes de Jesus Júnior MS. Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente UESC/PRODEMA 1 Geleiras: 2% Oceanos e mares: 97% Rios, lagos e lençóis subterrâneos: 1% 2 Distribuição da água no Brasil 3 UTILIZAÇÃO

Leia mais

DECRETO Nº , DE 13 DE MARÇO DE

DECRETO Nº , DE 13 DE MARÇO DE DECRETO Nº 22.787, DE 13 DE MARÇO DE 2002 1 Dispõe sobre a regulamentação do Conselho de Recursos Hídricos do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições

Leia mais

Processo de Manejo Arbóreo em Empreendimentos Metroviários. Victor Bassetti Martinho 20ª AEAMESP SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA

Processo de Manejo Arbóreo em Empreendimentos Metroviários. Victor Bassetti Martinho 20ª AEAMESP SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA Processo de Manejo Arbóreo em Empreendimentos Metroviários Victor Bassetti Martinho 20ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA AEAMESP Curriculum vitae 2 Victor Bassetti Martinho Engenheiro Ambiental graduado

Leia mais

PHD 2538 Gerenciamento de Recursos Hídricos

PHD 2538 Gerenciamento de Recursos Hídricos PHD 2538 Gerenciamento de Recursos Hídricos Política e Sistema Nacional de Gestão de Recursos Hídricos. Aspectos Legais e Institucionais da Gestão de Recursos Hídricos. Gestão de Recursos Hídricos Retrospectiva

Leia mais

PARECER Nº, DE Relator: Senador JORGE VIANA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE Relator: Senador JORGE VIANA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2016 Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 428, de 2015, do Senador Valdir Raupp,

Leia mais

Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes. Repartição de Competência

Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes. Repartição de Competência Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes Repartição de Competência Repartição de Competência na CF/88 Noções Básicas: Em 1988, a Assembleia Nacional Constituinte tinha numa das mãos

Leia mais

Organização Administrativa BOM DIA!!!

Organização Administrativa BOM DIA!!! BOM DIA!!! 1. Introdução 2. Administração Pública 3. Órgão Público 4. Classificação dos Órgãos 5. Descentralização e Desconcentração 6. Função Pública 7. Cargo Público 8. Agente Público 1. Introdução Regime

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 11.505 Cria o Parque Natural Municipal do Vale do Mulembá-Conquista e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Vitória, Capital do Estado do Espirito Santo, usando

Leia mais

Mestrando: Iran Alves Moraes

Mestrando: Iran Alves Moraes Seminário: Apuração das infrações penais ambientais. Atribuições Mestrando: Iran Alves Moraes Seminário: Apuração das infrações penais ambientais. Atribuições constitucionais e infraconstitucionais do

Leia mais

Encontro científico ESTUDO E CONSERVAÇÃO DO LOBO IBÉRICO

Encontro científico ESTUDO E CONSERVAÇÃO DO LOBO IBÉRICO Encontro científico ESTUDO E CONSERVAÇÃO DO LOBO IBÉRICO ATIVIDADE DA GUARDA NO ÂMBITO DA PRESERVAÇÃO DE ESPÉCIES EM VIAS DE EXTINÇÃO NOS DISTRITOS DA GUARDA E DE CASTELO BRANCO FISCALIZAÇÃO DE CAÇA FURTIVA

Leia mais

11/8/2010. UNESP Biologia Marinha Gerenciamento Costeiro LEGISLAÇÃO AMBIENTAL AULA 1 NOÇÕES BÁSICAS DE DIREITO E LEGISLAÇÃO

11/8/2010. UNESP Biologia Marinha Gerenciamento Costeiro LEGISLAÇÃO AMBIENTAL AULA 1 NOÇÕES BÁSICAS DE DIREITO E LEGISLAÇÃO UNESP Biologia Marinha Gerenciamento Costeiro LEGISLAÇÃO AMBIENTAL AULA 1 NOÇÕES BÁSICAS DE DIREITO E LEGISLAÇÃO I-IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO BIÓLOGO E DO GERENCIADOR

Leia mais

Prof. Mariana M Neves DIREITO AMBIENTAL

Prof. Mariana M Neves DIREITO AMBIENTAL Prof. Mariana M Neves DIREITO AMBIENTAL A POLÍTICA NACIONAL E O SISTEMA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE PNMA Lei 6.938/1981 Regulamentada pelo Decreto 99.274/1990 Objetivo geral: preservação, melhoria e recuperação

Leia mais

A competência em matéria ambiental no federalismo brasileiro: ampliação ou redução da proteção?

A competência em matéria ambiental no federalismo brasileiro: ampliação ou redução da proteção? A competência em matéria ambiental no federalismo A competência em matéria ambiental no federalismo Marlene de Paula Pereira Resumo: A forma como a competência em matéria ambiental foi disposta na Constituição

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Visão constitucional do direito ambiental Fernanda Albina Valliatti 1. INTRODUÇÃO Estudaremos nesse trabalho sobre a proteção ambiental a nível constitucional, na qual estão definidos

Leia mais

Atribuições da FATMA no município de Florianópolis

Atribuições da FATMA no município de Florianópolis Seminário de Condicionantes Ambientais e Capacidade de Suporte IPUF / Prefeitura Municipal de Florianópolis Atribuições da FATMA no município de Florianópolis ELAINE ZUCHIWSCHI Analista Técnica em Gestão

Leia mais

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre o Fundo Municipal de Meio Ambiente do Município de Paranatinga. CAPÍTULO I Do Fundo Municipal de Meio Ambiente Art. 1º Fica instituído o Fundo Municipal de

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2015 (Do Sr. Odelmo Leão) Dispõe sobre a cooperação entre os entes federados tendo em vista assegurar a elaboração e a implementação dos planos de saneamento básico e

Leia mais

ÂMBITO DE INGERÊNCIA DO MINISTÉRIO PÚBLICO NAS FUNDAÇÕES - FGI - Escritório de Advocacia em Ter, 07 de Agosto de :10

ÂMBITO DE INGERÊNCIA DO MINISTÉRIO PÚBLICO NAS FUNDAÇÕES - FGI - Escritório de Advocacia em Ter, 07 de Agosto de :10 Tema interessante, de grande aplicação relativamente à autuação das fundações, diz respeito ao âmbito de ingerência do Ministério Público nas referidas entidades. No Estado do Paraná, na missão de fiscalizar

Leia mais

1º Período Conteúdos Habilidades Atividades desenvolvidas

1º Período Conteúdos Habilidades Atividades desenvolvidas 1º Período Conteúdos Habilidades Atividades desenvolvidas UNIDADE 1 O Planeta Terra Tema 1: O planeta onde vivemos; Tema 2: Conhecendo a Terra; Tema 3: Continentes e oceanos; Tema 4: Trabalhando com mapas..

Leia mais

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO. O Projeto apresenta trinta e dois (32) artigos, divididos em sete (07) capítulos.

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO. O Projeto apresenta trinta e dois (32) artigos, divididos em sete (07) capítulos. PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA Projeto de Lei nº 145 de 18 de setembro de 2013 AUTOR: Poder Executivo PARECER: Favorável, sem apresentação de emendas EMENTA: Estabelece normas de Proteção

Leia mais

Direito Constitucional. TÍTULO I - Dos Princípios Fundamentais art. 1º ao 4º

Direito Constitucional. TÍTULO I - Dos Princípios Fundamentais art. 1º ao 4º Direito Constitucional TÍTULO I - Dos Princípios Fundamentais art. 1º ao 4º Constituição A constituição determina a organização e funcionamento do Estado, estabelecendo sua estrutura, a organização de

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 2.321, DE 2011 (Do Sr. Leopoldo Meyer)

PROJETO DE LEI N.º 2.321, DE 2011 (Do Sr. Leopoldo Meyer) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 2.321, DE 2011 (Do Sr. Leopoldo Meyer) Estabelece regras de segurança para a implantação e funcionamento de parques de diversão e estabelecimentos similares. DESPACHO:

Leia mais

Prof. Dr. Vander Ferreira de Andrade

Prof. Dr. Vander Ferreira de Andrade Prof. Dr. Vander Ferreira de Andrade Organização Estatal Vedação aos entes federativos: I - estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles

Leia mais

SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Prof. Dr. Thiago Leite Engenheiro Florestal (UnB-DF) Mestrado em Ciências Ambientais e Florestais com ênfase em Educação Ambiental (UnB-DF) Doutorado em Ciências Florestais com ênfase em Agroecologia (UnB-DF)

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Prof. Gustavo Nascimento Unidade I DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Desenvolvimento sustentável Histórico do conceito de desenvolvimento sustentável A Revolução Industrial foi um marco importante na humanidade

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 2015

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 2015 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 2015, DE Dá nova redação ao art. 30 da Constituição Federal, para prever prestação de contas As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do 3º

Leia mais

O Papel dos Municípios na Competência Ambiental

O Papel dos Municípios na Competência Ambiental O Papel dos Municípios na Competência Ambiental Autore: Debora Brito Moraes In: Diritto brasiliano Débora Brito Moraes* Introdução Pretende-se com o presente estudo visualizar a competência administrativa

Leia mais

Roteiro da Apresentação. 1. Evolução Histórica 2. Problemas de Aplicabilidade 3. Reflexões

Roteiro da Apresentação. 1. Evolução Histórica 2. Problemas de Aplicabilidade 3. Reflexões Roteiro da Apresentação 1. Evolução Histórica 2. Problemas de Aplicabilidade 3. Reflexões Evolução Histórica da Legislação Brasileira Período Colonial (século XVI a XIX) contrabando de animais (rota marítima

Leia mais

CAB CÓDIGO AMBIENTAL BRASILEIRO PL 5.367/2009

CAB CÓDIGO AMBIENTAL BRASILEIRO PL 5.367/2009 CAB CÓDIGO AMBIENTAL BRASILEIRO PL 5.367/2009 Problemas atuais Inexistência de Política Ambiental no País INCRA FUNAI MAPA MMA Insegurança Jurídica Ocupação do Território Terras indígenas (TI) com 108,7

Leia mais

VII CONGRESSO MINEIRO DE VEREADORES

VII CONGRESSO MINEIRO DE VEREADORES VII CONGRESSO MINEIRO DE VEREADORES SITUAÇÃO FINANCEIRA DOS MUNICÍPIOS EM FACE DO REEQUILÍBRIO FEDERATIVO Março/2017 Palestrante: Antônio José Calhau de Resende FORMAS DE ESTADO: Estado Federal ou Federação:

Leia mais

Instituto O Direito Por Um Planeta Verde Projeto "Direito e Mudanças Climáticas nos Países Amazônicos"

Instituto O Direito Por Um Planeta Verde Projeto Direito e Mudanças Climáticas nos Países Amazônicos Instituto O Direito Por Um Planeta Verde Projeto "Direito e Mudanças Climáticas nos Países Amazônicos" Tema: Desmatamento Legislação Federal Lei nº 4.771, de 15.09.1965, que institui o novo Código Florestal

Leia mais

CONTEÚDOS GEOGRAFIA - 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER

CONTEÚDOS GEOGRAFIA - 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER CONTEÚDOS GEOGRAFIA - 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER UNIDADE 1 ORGANIZAÇAO DOS ESPAÇOS TERRITORIAIS 1. Organização dos espaços no país Território e fronteira Organização política do Brasil Regiões

Leia mais

Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes. Repartição de Competência

Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes. Repartição de Competência Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes Repartição de Competência Espécies de competência e modos de repartição Quanto à natureza, as competência podem ser: Material-administrativa

Leia mais

Licenciamento Ambiental. Rede Municipalista

Licenciamento Ambiental. Rede Municipalista Licenciamento Ambiental Rede Municipalista Definições Licenciamento procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos

Leia mais

Organização do Estado Direito Constitucional

Organização do Estado Direito Constitucional RESUMO Organização do Estado Direito Constitucional 1 Índice Organização do Estado... 3 Fundamento... 3 Legislação... 3 Organização Político-Administrativa... 3 Autonomia dos Entes Federados... 3 Criação

Leia mais

EQUACIONAMENTO JURÍDICO E AMBIENTAL DA RENCA VII ENCONTRO DE EXECUTIVOS DE EXPLORAÇÃO MINERAL A AGENDA MINERAL BRASILEIRA ADIMB 29 DE JUNHO DE 2017

EQUACIONAMENTO JURÍDICO E AMBIENTAL DA RENCA VII ENCONTRO DE EXECUTIVOS DE EXPLORAÇÃO MINERAL A AGENDA MINERAL BRASILEIRA ADIMB 29 DE JUNHO DE 2017 EQUACIONAMENTO JURÍDICO E AMBIENTAL DA RENCA VII ENCONTRO DE EXECUTIVOS DE EXPLORAÇÃO MINERAL A AGENDA MINERAL BRASILEIRA ADIMB 29 DE JUNHO DE 2017 No Brasil, prevalece um sistema desde a Constituição

Leia mais

Proposta de Minuta de Decreto

Proposta de Minuta de Decreto Proposta de Minuta de Decreto Regulamenta o inciso II e o parágrafo único do art. 51 e o art. 53 da Lei Estadual nº 11.520, de 23 de agosto de 2000 e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEGISLAÇÕES PERTINENTES

LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEGISLAÇÕES PERTINENTES LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEGISLAÇÕES PERTINENTES O MEIO AMBIENTE NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 225, CF: Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial

Leia mais

AS QUESTÕES DA DEFESA E O CONGRESSO NACIONAL

AS QUESTÕES DA DEFESA E O CONGRESSO NACIONAL AS QUESTÕES DA DEFESA E O CONGRESSO NACIONAL João Paulo Batista Botelho Consultor Legislativo do Senado Federal 10/4/2014 OBJETIVO Apresentar aspectos gerais do Poder Legislativo brasileiro e seu papel

Leia mais

Direito Tributário. Aula 03. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Tributário. Aula 03. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Tributário Aula 03 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Osvaldo Antonio R. dos Santos Gerente de Recursos Florestais - GRF. Instituto de Meio Ambiente de MS - IMASUL

Osvaldo Antonio R. dos Santos Gerente de Recursos Florestais - GRF. Instituto de Meio Ambiente de MS - IMASUL Osvaldo Antonio R. dos Santos Gerente de Recursos Florestais - GRF Instituto de Meio Ambiente de MS - IMASUL Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico - SEMADE Presidência da República Casa

Leia mais

D/P 03 D/P D/PEO - Educação/ D/P 05 /Formação/ /Treinamento D/P 06. (continua) (continua) D/P 07

D/P 03 D/P D/PEO - Educação/ D/P 05 /Formação/ /Treinamento D/P 06. (continua) (continua) D/P 07 Quadro/Tabela Q/T PMA.3 Estância de Atibaia POLÍTICA DE MEIO AMBIENTE DIRETRIZES/PROPOSIÇÕES Campo Diretrizes/ P Cód. Título Cód. - D/PIN - Institucional D/P 01 - D/PPL - Planejamento D/P 02 D/P 03 D/P

Leia mais

Coordenação Integrada de Combate aos Crimes Ambientais

Coordenação Integrada de Combate aos Crimes Ambientais Coordenação Integrada de Combate aos Crimes Ambientais Secretaria de Estado do Ambiente Coordenador da CICCA José Maurício Padrone DECRETO N 43.641 DE 15 DE JUNHO DE 2012 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO, IMPLANTAÇÃO,

Leia mais

Constituição Federal de TÍTULO II Dos Direitos e Garantias Fundamentais CAPÍTULO I DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS

Constituição Federal de TÍTULO II Dos Direitos e Garantias Fundamentais CAPÍTULO I DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS Constituição Federal de 1988 TÍTULO II Dos Direitos e Garantias Fundamentais CAPÍTULO I DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS Art. 5º. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer

Leia mais

MEIO AMBIENTE E CONVÍVIO SOCIAL. Prof. Pós-Dr. Ana Paula Sato 2016

MEIO AMBIENTE E CONVÍVIO SOCIAL. Prof. Pós-Dr. Ana Paula Sato 2016 MEIO AMBIENTE E CONVÍVIO SOCIAL Prof. Pós-Dr. Ana Paula Sato 2016 MEIO AMBIENTE Conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a

Leia mais

Recursos Hídricos. A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos

Recursos Hídricos. A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos 74 a Semana Oficial da Engenharia e da Agronomia Recursos Hídricos A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E QUALIDADE AMBIENTAL

Leia mais

O MEIO AMBIENTE NA CONSTITUIÇÃO E A ATUAÇÃO DO ESTADO

O MEIO AMBIENTE NA CONSTITUIÇÃO E A ATUAÇÃO DO ESTADO O MEIO AMBIENTE NA CONSTITUIÇÃO E A ATUAÇÃO DO ESTADO (Revista da Lata Edição 2016 págs. 14 e 15) Desde a promulgação da Lei Suprema, tenho me debruçado sobre as questões do meio ambiente e constatei que

Leia mais

BELÉM, 19 de maio de 2017

BELÉM, 19 de maio de 2017 SEMINÁRIO Poluição, acidentes e multiplicidade de conflitos no eixo Barcarena e Abaetetuba: proteção dos direitos das populações humanas e da biodiversidade em face dos impactos de atividades industriais

Leia mais

MELIPONICULTURA/LEGISLAÇÃO - SÍNTESE

MELIPONICULTURA/LEGISLAÇÃO - SÍNTESE P á g i n a 1 MELIPONICULTURA/LEGISLAÇÃO - SÍNTESE LEGISLAÇÃO FEDERAL: 1967 ATÉ 2011 1967 Lei n. 5.197, de 03 de janeiro de 1967, dispõe sobre a proteção à fauna e dá outras providencias. (antigo Código

Leia mais

I - a água é um bem de domínio público;

I - a água é um bem de domínio público; POLÍTICA NACIONAL DOS RECURSOS HÍDRICOS CF/88 São bens da União:; III - os lagos, rios e quaisquer correntes de água em terrenos de seu domínio, ou que banhem mais de um Estado, sirvam de limites com outros

Leia mais

1ª) A lei de 2011 autorizou a CRIAÇÃO da empresa pública denominada Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares - EBSERH; pelo (a):

1ª) A lei de 2011 autorizou a CRIAÇÃO da empresa pública denominada Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares - EBSERH; pelo (a): 1ª) A lei 12.550 de 2011 autorizou a CRIAÇÃO da empresa pública denominada Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares - EBSERH; pelo (a): A) Poder Legislativo. B) Poder Executivo C) Poder Judiciário D)

Leia mais

PNRS A IMPORTÂNCIA DOS CONSÓRCIOS

PNRS A IMPORTÂNCIA DOS CONSÓRCIOS PNRS A IMPORTÂNCIA DOS CONSÓRCIOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS Consórcio público é uma pessoa jurídica criada por lei com a finalidade de executar a gestão associada de serviços públicos, onde

Leia mais

Decreto /2013 de São Paulo: mais um capítulo da Guerra Fiscal de ICMS

Decreto /2013 de São Paulo: mais um capítulo da Guerra Fiscal de ICMS Decreto 58.918/2013 de São Paulo: mais um capítulo da Guerra Fiscal de ICMS Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil 21 de março de 2013 Aspectos Constitucionais dos Incentivos Fiscais CF/88 Art.

Leia mais

FSC : FLORESTAS E EMPRESAS

FSC : FLORESTAS E EMPRESAS FSC : FLORESTAS E EMPRESAS A CRIAR VALOR PARA O FUTURO Certificação FSC poderá um instrumento de mercado promover a conservação de espaços naturais? Agenda FSC FLORESTAS E EMPRESAS A CRIAR VALOR PARA O

Leia mais