CARTA DA QUALIDADE. Morada Rua Bartolomeu Dias 316 Unidade de Saúde Soares dos Reis, piso Mafamude Vila Nova de Gaia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARTA DA QUALIDADE. Morada Rua Bartolomeu Dias 316 Unidade de Saúde Soares dos Reis, piso Mafamude Vila Nova de Gaia"

Transcrição

1 CARTA DA QUALIDADE A Carta da Qualidade da USF Saúde no Futuro é uma declaração de compromisso dos profissionais desta Unidade com os cidadãos que nela estão inscritos. É para eles que a organização e gestão deste serviço está orientada. Com esta Carta de Qualidade pretende-se dar a conhecer aos utilizadores os serviços prestados pela USF, os seus padrões de Qualidade, assim como os mecanismos de audição dos indivíduos utilizadores para conhecimento de necessidades, sugestões e reclamações. A USF Saúde no Futuro é uma Unidade de Saúde Familiar com autonomia de gestão técnica, assistencial e administrativa. Embora autónoma, integra o conjunto de unidades de saúde do Centro de Saúde Soares dos Reis, pertencentes ao ACES Grande Porto VIII/Gaia. Morada Rua Bartolomeu Dias 316 Unidade de Saúde Soares dos Reis, piso Mafamude Vila Nova de Gaia Telefone / / / Fax Página Web 1

2 Profissionais de Saúde Médicos de Família Enfermeiros de Família Carla Rabaça Ana Lisa Vieira Ana Rocha Secretários Clínicos Carolina Barbosa Ana Sofia Igreja Ângela Moreno Céu Teiga António Dias Fernanda Araújo Clara Moura Catarina Sapage Miguel Marta José Póvoa Cecília Rêgo Paula Silva Miguel Miranda Diana Sanches Pedro Moreira Miguel Silva Ricardo Silva Paula Iglésias Vera Barbedo A USF Saúde no Futuro tem Missão, Visão e Valores: Missão A USF Saúde no Futuro (USF-SF) procura melhorar o nível de saúde dos cidadãos inscritos, prestando Cuidados de Saúde Primários personalizados, investindo no futuro da saúde da população, com especial relevância para a saúde preventiva. Assim sendo, o cidadão utente é o centro da nossa actividade: é por ele e para ele que a USF promove cuidados de saúde. No entanto, também é nosso propósito incentivar a participação activa do utente na organização e funcionamento da Unidade, procurando satisfação com os cuidados prestados. Consideramos ainda que, a aprendizagem deverá ser uma característica nuclear desta USF, dando prioridade ao desenvolvimento profissional e pessoal dos seus profissionais e, promovendo a melhoria da qualidade da actividade da Unidade, possibilitando a prestação de cuidados de saúde de com rigor técnico-científico, eficientes, céleres e humanizados. Não menosprezando as relações inter-pessoais, o bem-estar e a qualidade de vida de todos, procuramos alcançar a excelência e cordialidade no nosso atendimento. Perseguindo estes objectivos, a USF-SF desenvolve a sua actividade, criando as condições necessárias para uma interacção sinérgica e satisfatória entre os diferentes actores envolvidos na saúde do utente e a comunidade em que este se insere. Esta USF assumirá o papel de gestora e provedora da saúde dos cidadãos nela inscritos, pela sua acção directa e como catalisadora de todos os intervenientes na promoção e manutenção da saúde. 2

3 Para cumprimento da sua Missão, o grupo de profissionais pretende adoptar uma linha de actuação de trabalho em equipa e em rede, bem como a observância das boas práticas de organização e gestão e, das normas de ética e deontologia profissionais e dos Serviços Públicos. Visão A equipa da USF Saúde no Futuro é constituída por um grupo de profissionais dinâmicos e eficazes, que perseguem a satisfação dos seus utentes nos seus mais variados âmbitos (técnicos, de conforto e atendimento), como também a satisfação dos seus profissionais nas diversas vertentes da satisfação profissional, incluindo a remuneratória. Valores São valores da USF-SF: o respeito pelo Direito Humano a uma saúde prestada com Honestidade e Qualidade; a Igualdade de Direitos; O Direito à Saúde em tempo útil; a Responsabilidade e Confiança mútua entre os seus elementos e a Comunidade a quem serve. A Responsabilidade Partilhada de tomada de Decisões; O Espírito de Equipa. São compromissos da USF Saúde no Futuro: No âmbito da promoção e vigilância da saúde: Promover a saúde colectiva e individual, co-responsabilizando os indivíduos, famílias e grupos na protecção, promoção e vigilância da sua saúde. No âmbito da prevenção, diagnóstico e tratamento da doença: Prestar cuidados personalizados, globais, acessíveis e contínuos a todos os cidadãos utentes da Unidade, independentemente da sua idade, sexo, afecção e orientação política, religiosa ou sexual. Prestar cuidados a indivíduos no contexto das respectivas famílias, comunidades e culturas, respeitando sempre a sua autonomia. Prestar cuidados domiciliários programados, de acordo com critérios expressos. No âmbito da acessibilidade: Garantir a acessibilidade dos utentes à USF das 8h às 20h nos dias úteis. Garantir o atendimento no próprio dia a todos os utentes cuja avaliação o justifique. 3

4 Garantir uma resposta em tempo adequado a todas as solicitações de cuidados de saúde. Proporcionar uma resposta atempada aos pedidos de atendimento domiciliário, de acordo com critérios expressos de programação. Possuir um sistema claro e simples de marcação de consulta com hora de marcação, que diminua o tempo de permanência na unidade. Possibilitar a marcação de consultas programadas presencialmente, por telefone ou por e- mail. Possibilitar a marcação de consultas do dia presencialmente ou por telefone. Manter um sistema activo de informação de cancelamento de consultas em situações imprevistas com soluções alternativas adequadas. Possuir um sistema eficaz, cómodo e seguro de renovação de receituário para medicação prolongada, com possibilidade de envio por correio. No âmbito das instalações: Disponibilizar aos utilizadores sistemas de ordenação de vez e de chamada que contribuam para o seu conforto e facilidade na utilização dos serviços. Criar um ambiente de trabalho agradável e com instalações seguras. Manter as instalações limpas, arrumadas e com climatização adequada. Garantir um baixo nível de ruído ambiental. Possuir salas de espera confortáveis e agradáveis, com zonas adequadas e equipadas com material lúdico para crianças. Garantir a acessibilidade e conforto em toda a unidade a pessoas com deficiência. Adoptar atitudes que contribuam para a poupança de energia, reciclagem de materiais e preservação do ambiente. No âmbito da qualidade: Implementar um sistema da qualidade, ou seja, um conjunto de medidas organizacionais que permitam atingir o nível de qualidade desejado com um mínimo de custos, de acordo com as boas práticas em saúde. Aplicar e monitorizar um programa de avaliação do grau de satisfação dos utentes, com divulgação dos seus resultados. Aplicar e monitorizar um programa de Avaliação da Qualidade Organizacional da USF com divulgação dos seus resultados. 4

5 No âmbito da comunicação: Fornecer um Guia de Acolhimento com informação sobre organização e funcionamento da unidade no momento de inscrição dos utentes ou quando o mesmo seja solicitado pelo utente. Divulgar informação actualizada sobre o funcionamento, oferta de serviços, circuito do utente na USF, bem como outra informação sobre saúde através de painéis informativos e de projecções multimédia na sala de espera da unidade. Garantir a possibilidade de comunicação por telefone ou de acordo com regras indicadas no Guia de Acolhimento. No âmbito do ensino-aprendizagem: Procurar o desenvolvimento pessoal e profissional dos profissionais da USF, garantindo a actualização e competência profissional dos mesmos. Constituir um local vocacionado para formação externa de profissionais ou voluntários da área da saúde, promovendo a partilhar de informação e do conhecimento sobre Saúde entre os profissionais da Unidade e o exterior. Fomentar a reflexão sobre a prática como um princípio da USF. Horário de Funcionamento e Atendimento De 2ª feira 6ª feira das 8:00 às 20: 00 horas SASU (Serviço de Atendimento a Situações Urgentes), na Unidade Saúde de Soares dos Reis, na Rua Bartolomeu Dias, 316, Cave, Vila Nova de Gaia Telefone De 2ª feira 6ª feiras das 20:00 às 23:00 horas Sábados, Domingos e feriados das 9:00 às 19 horas Serviço de Urgência Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho, aberto 24 horas por dia para situações urgentes. Rua Conceição Fernandes, Vila Nova de Gaia Telefone

6 Serviços Consultas Médicas Saúde de Adultos Saúde Infantil e Juvenil Saúde da Materna Revisão de Puerpério Planeamento Familiar Vigilância Oncológica Consulta de Vigilância de Hipertensão Consulta de Vigilância de Diabetes Consultas Domiciliárias Consultas de Enfermagem Administração de Terapêutica Tratamento de feridas Vacinação Consulta de Enfermagem de Saúde Infantil e Juvenil Consulta de Enfermagem de Saúde Materna Consulta de Enfermagem de Planeamento Familiar e Vigilância Oncológica Consulta de Enfermagem de Vigilância de Hipertensão Consulta de Enfermagem de Vigilância de Diabetes Consultas Domiciliárias preventivas e curativas Acções de Educação para a Saúde Secretariado Clínico Marcação de Consultas Atendimento telefónico e presencial Esclarecimento e informação aos utentes sobre a USF Actualização de dados dos utentes No balcão de atendimento administrativo o utente poderá ainda consultar o Plano de Acção da USF-SF e o seu Relatório de Actividades. Revisão: Abril 2012

7 DIREITOS DOS UTENTES 1. O utente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana. 2. O utente tem direito ao respeito pelas suas convicções culturais, filosóficas e religiosas. 3. O utente tem direito a receber os cuidados apropriados ao seu estado de saúde, no âmbito dos cuidados preventivos, curativos, de reabilitação e terminais. 4. O utente tem direito à prestação de cuidados continuados. 5. O utente tem direito a ser informado acerca dos serviços de saúde existentes, suas competências e níveis de cuidados. 6. O utente tem direito a ser informado sobre a sua situação de saúde. 7. O utente tem o direito de obter uma segunda opinião sobre a sua situação de saúde. 8. O utente tem direito a dar ou recusar o seu consentimento, antes de qualquer acto médico ou participação em investigação ou ensino clínico. 9. O utente tem direito à confidencialidade de toda a informação clínica e elementos identificativos que lhe respeitam. 10. O utente tem direito de acesso aos dados registados no seu processo clínico. 11. O utente tem direito à privacidade na prestação de todo e qualquer acto médico. 12. O utente tem direito, por si ou por quem o represente, a apresentar sugestões e reclamações.

8 DEVERES DOS UTENTES 1. O utente tem o dever de zelar pelo seu estado de saúde. Isto significa que deve procurar garantir o mais completo restabelecimento e também participar na promoção da própria saúde e da comunidade em que vive. 2. O utente tem o dever de fornecer aos profissionais de saúde todas as informações necessárias para obtenção de um correcto diagnóstico e adequado tratamento. 3. O utente tem o dever de respeitar os direitos dos outros doentes. 4. O utente tem o dever de colaborar com os profissionais de saúde, respeitando as indicações que lhe são recomendadas e, por si, livremente aceites. 5. O utente tem o dever de respeitar as regras de funcionamento dos serviços de saúde. 6. O utente tem o dever de utilizar os serviços de saúde de forma apropriada e de colaborar activamente na redução de gastos desnecessários. 8

Juntos faremos a diferença!

Juntos faremos a diferença! Juntos faremos a diferença! GUIA DE ACOLHIMENTO Leia com atenção as nossas recomendações e ajude-nos a fazer o melhor. Contamos consigo! COMO FUNCIONAMOS O QUE É UMA USF As U.S.F. Unidades de Saúde Familiares

Leia mais

- O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana;

- O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana; VI. Anexo 6.1. Anexo I Carta dos direitos e deveres dos doentes Direitos dos doentes - O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana; - O doente tem direito ao respeito pelas suas

Leia mais

Praceta Recarei de Cima, Leça do Balio, Matosinhos Telefone: ; Fax:

Praceta Recarei de Cima, Leça do Balio, Matosinhos Telefone: ; Fax: CARTAA DE QUALIDADE UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR PORTA DO SOL Praceta Recarei de Cima, 56 4465-339 Leça do Balio, Matosinhos Telefone: 220969178; Fax: 220969179 e-mail: usf.portadosol@ulsm.min-saude.pt Horário

Leia mais

1. O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana

1. O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana DIREITOS DOS DOENTES 1. O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana É um direito humano fundamental, que adquire particular importância em situação de doença. Deve ser respeitado

Leia mais

UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DA SERTÃ. Guia de Acolhimento do Utente

UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DA SERTÃ. Guia de Acolhimento do Utente UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DA SERTÃ Guia de Acolhimento do Utente ÍNDICE 1. CONTATOS... 3 2. CARTEIRA DE SERVIÇOS... 4 3. HORÁRIO DA UCC DA SERTÃ E MARCAÇÕES... 5 4. PROFISSIONAIS DA UCC DA SERTÃ...

Leia mais

Guia de Acolhimento do Utente

Guia de Acolhimento do Utente Guia de Acolhimento do Utente Data da Aprovação: 31/03/2017 USF Nova Salus Guia de Acolhimento do Utente 1 A Unidade de Saúde Familiar Nova Salus (USF) é uma Unidade de Prestação de Cuidados de Saúde Primários

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos direitos e deveres dos doentes O direito à proteção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade humana, a

Leia mais

Somos parceiros na conquista da sua autonomia

Somos parceiros na conquista da sua autonomia MANUAL DE ACOLHIMENTO UNIDADE DE CONVALESCENÇ A DE VILA POUC A DE AGUIAR Somos parceiros na conquista da sua autonomia Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro, E.P.E. Estrada Nacional nº2 5450-011

Leia mais

Estrada Nacional nº Vila Pouca de Aguiar Telefone: Fax:

Estrada Nacional nº Vila Pouca de Aguiar Telefone: Fax: MANUAL DE ACOLHIMENTO UNIDADE DE CUIDADOS PALIATIVOS DE VILA POUC A DE AGUIAR Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro, E.P.E. Estrada Nacional nº2 5450-011 Vila Pouca de Aguiar Telefone: 259 408

Leia mais

UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO. Manual de Acolhimento do Utente

UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO. Manual de Acolhimento do Utente UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO Manual de Acolhimento do Utente 2 Conteúdo Estimado Utente... 3 1. Carteira de Serviços:... 3 Programas da carteira básica... 3 Programas da carteira

Leia mais

DECLARAÇÃO DE COMPROMISSO

DECLARAÇÃO DE COMPROMISSO DECLARAÇÃO DE COMPROMISSO 2017 1 Cada Profissional (incluíndo médicos internos) da USF Serra da Lousã I. SETE COMPONENTES DA IDENTIDADE DA USF 1)- ACEITAÇÃO MÚTUA: aspecto não negocial é o respeito mútuo

Leia mais

Carta de Serviços. Rede de Bibliotecas Municipais de Oeiras

Carta de Serviços. Rede de Bibliotecas Municipais de Oeiras Carta de Serviços Rede de Bibliotecas Municipais de Oeiras APRESENTAÇÃO A Rede de Bibliotecas Municipais de Oeiras (RBMO) tem como missão estabelecer e gerir uma rede de bibliotecas municipais que assegure

Leia mais

Santa Casa Misericórdia de Lousada Hospital RNCCI Unidade de Média Duração e Reabilitação

Santa Casa Misericórdia de Lousada Hospital RNCCI Unidade de Média Duração e Reabilitação Santa Casa Misericórdia de Lousada Hospital RNCCI Unidade de Média Duração e Reabilitação Av. Major Arrochela Lobo, 157, 4620-697 Lousada hospital@scmlousada.pt Tel.: 255 820 700. Fax: 255 820 765. 1 Informações

Leia mais

Com a linha dos Cuidados Bordamos a Saúde

Com a linha dos Cuidados Bordamos a Saúde Com a linha dos Cuidados Espere o melhor de nós Queremos tratá-lo com respeito. Queremos que tenha acesso a cuidados de saúde de qualidade. Compreendemos que queira recusar um acto médico ou que queira

Leia mais

01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES. do CLIENTE / UTENTE

01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES. do CLIENTE / UTENTE 14 07 10 01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES do CLIENTE / UTENTE Preâmbulo Tendo como referência o Código de Ética, a Carta dos Direitos e Deveres do Cliente reforça o compromisso da APCC com

Leia mais

Carta da Qualidade. USF Ponte. maio 2012

Carta da Qualidade. USF Ponte. maio 2012 Carta da Qualidade 2012 2015 USF Ponte maio 2012 1 1.IDENTIFICAÇÃO Da USF Unidade de Saúde Familiar Ponte Rua Reitor Joaquim Augusto Maciel Ribeiro Torres Ponte 4805-273 Ponte - GMR Telefone: 253479170

Leia mais

Programa da Qualidade Política Geral

Programa da Qualidade Política Geral O Hospital Pulido Valente definiu como MISSÂO: Programa da Qualidade Política Geral 1. O Hospital é o estabelecimento de referência para a população envolvente, para as especialidades de que dispõe, desenvolvendo

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL

CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL 1. O presente Código de Ética contém os princípios de actuação dos gestores, demais dirigentes e trabalhadores do Centro Hospital de Lisboa Central,

Leia mais

CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC)

CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC) CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC) 1. Missão A RCRC tem por missão facilitar o acesso a informação estratégica, em vários suportes, aproximar e criar interfaces entre

Leia mais

GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES

GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES Agrupamento de Centros de Saúde Lisboa Central Crescer, evoluir e inovar na busca pela excelência na prestação dos cuidados de saúde. GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES O presente guia tem como objetivo facultar

Leia mais

GUIA DO UTENTE. Hospital José Joaquim Fernandes - Beja

GUIA DO UTENTE. Hospital José Joaquim Fernandes - Beja GUIA DO UTENTE Hospital José Joaquim Fernandes - Beja GUIA DO UTENTE AOS NOSSOS UTENTES Uma Instituição de saúde centrada nos seus utentes tem que ser claramente pró-activa no acolhimento destes, facilitando

Leia mais

Gestão de reclamações em instituições de saúde

Gestão de reclamações em instituições de saúde Gestão de reclamações em instituições de saúde Rosalvo Almeida neurologista e eletroencefalografista, aposentado membro do CNECV presidente da Comissão de Ética do ISPUP membro da conselho consultivo da

Leia mais

Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo. Código de Ética e Conduta Profissional da CCDR-LVT

Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo. Código de Ética e Conduta Profissional da CCDR-LVT Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Código de Ética e Conduta Profissional Agosto 2009 Código de Ética e Conduta Profissional Um Código de Ética e Conduta Profissional

Leia mais

CIRURGIA GERAL. Guia de Acolhimento do Utente. Telf Fax:

CIRURGIA GERAL. Guia de Acolhimento do Utente. Telf Fax: CIRURGIA GERAL Guia de Acolhimento do Utente Telf. 266 740 100 Fax: 266 740 126 www.hevora.min-saude.pt geral@hevora.min-saude.pt Cirurgia Geral Este Guia tem como objetivo fornecer informações simples

Leia mais

Carta de Direitos e Deveres do Cliente

Carta de Direitos e Deveres do Cliente Carta de Direitos e Deveres do Cliente CONTROLO DAS REVISÕES DO DOCUMENTO Versão Data Descrição Página(s) Próxima revisão 01 15.12.2009 Elaboração da 1ª versão do documento ----- Dezembro 2011 02 12.04.2010

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Pombal

Santa Casa da Misericórdia de Pombal Manual de Políticas Santa Casa da Misericórdia de Pombal Índice 1. Política da Qualidade 2. Politica de Apoio Social 3. Politica de Recursos Humanos 4. Politica de Ética 5. Politica de Envolvimento Ativo

Leia mais

Guia do Utente PELA SUA SAÚDE! QUEREMOS QUE TENHA ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE DE QUALIDADE

Guia do Utente PELA SUA SAÚDE! QUEREMOS QUE TENHA ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE DE QUALIDADE Avª Afonso III, Lote 1 100-0 Lisboa T. 21 810 10 10 Fax. 21 812 21 Transportes públicos: Carris 42 e 18 A paragem é em frente á USF. PELA SUA SAÚDE! QUEREMOS QUE TENHA ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE DE QUALIDADE

Leia mais

GUIA ACOLHIMENTO DO FORMANDO DA USF CONDEIXA

GUIA ACOLHIMENTO DO FORMANDO DA USF CONDEIXA GUIA ACOLHIMENTO DO FORMANDO DA USF CONDEIXA MAIO, 2012-1 - Caro Formando/a, É com muito gosto que toda a equipa o recebe na Unidade de Saúde Familiar Condeixa, e desde já muito obrigado pela sua escolha.

Leia mais

URGÊNCIA PEDIÁTRICA. Guia de acolhimento

URGÊNCIA PEDIÁTRICA. Guia de acolhimento URGÊNCIA PEDIÁTRICA Guia de acolhimento Telef. 266 740 100 Telm. 961 981 650 Fax 266 740 149 sec.pediatria@hevora.min-saude.pt www.hevora.min-saude.pt Índice. Urgência Pediátrica. Equipa. Sala de Triagem.

Leia mais

Check-list Focalização no Utente

Check-list Focalização no Utente 1. Consentimento informado 1.1 1.2 1.3 Tem formalmente aprovada uma política de obtenção do consentimento informado e esclarecido para actos clínicos Os registos do consentimento informado e esclarecido

Leia mais

Guia de Acolhimento do Utente

Guia de Acolhimento do Utente Guia de Aclhiment d Utente Data da Aprvaçã: --/--/2016 A USF Nva Salus é uma Unidade de Prestaçã de Cuidads de Saúde Primáris cm autnmia funcinal que está integrada n ACES Grande Prt VIII-Gaia. A Equipa:

Leia mais

UMDR de SABROSA: Avenida General Alves Pedrosa Sabrosa

UMDR de SABROSA: Avenida General Alves Pedrosa Sabrosa SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SABROSA UNIDADE DE CUIDADOS CONTINUADOS DE MÉDIA DURAÇÃO E REABILITAÇÃO UMDR de SABROSA: Avenida General Alves Pedrosa 5060-303 Sabrosa Telefones: 259 931 120 / 118 ou 259

Leia mais

Nelson Mota Gaspar USF Dafundo ACES Lisboa Ocidental e Oeiras

Nelson Mota Gaspar USF Dafundo ACES Lisboa Ocidental e Oeiras Melhoria da Segurança com o Programa da Acreditação na USF Dafundo Nelson Mota Gaspar USF Dafundo ACES Lisboa Ocidental e Oeiras Segurança Postura de análise crítica guiada pelos requisitos propostos Reconhecimento

Leia mais

PROCEDIMENTO Comunicação com os Utentes Versão: 02 Fevereiro 2013

PROCEDIMENTO Comunicação com os Utentes Versão: 02 Fevereiro 2013 1. OBJECTIVO Uniformizar as formas de comunicação com os utentes e manter atualizada a informação disponibilizada. 2. ÂMBITO Este procedimento aplica se a todos os sectores da USF, desde o momento em que

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Creche

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Creche Entre CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Creche PRIMEIRO OUTORGANTE: Centro Social Rocha Barros, Instituição Particular de Solidariedade Social, pessoa colectiva n.º 501182560 com sede em Góis, devidamente

Leia mais

GUIA DE ACOLHIMENTO DO FORMANDO. Nós, por montes e vales, pela saúde dos utentes! Contactos:

GUIA DE ACOLHIMENTO DO FORMANDO. Nós, por montes e vales, pela saúde dos utentes! Contactos: Nós, por montes e vales, pela saúde dos utentes! GUIA DE ACOLHIMENTO Contactos: Rua D. Ana Laboreiro D Eça 3150-1905 CONDEIXA-A-NOVA Telf.: 239 94 0170 TM: 915188270 E-mail: usfcondeixa@srscoimbra.min-saude.pt

Leia mais

CURSO DE TÉCNICO DE ACÇÃO GERIÁTRICA (24ª edição)

CURSO DE TÉCNICO DE ACÇÃO GERIÁTRICA (24ª edição) CURSO DE TÉCNICO DE ACÇÃO GERIÁTRICA (24ª edição) Atendendo ao envelhecimento crescente a que se assiste a nível mundial, é imprescindível os cuidadores, formais e informais, dispensarem a formação neste

Leia mais

USF GLOBAL GUIA DO UTENTE. Em vigor: 2016 Última revisão: março de 2016 Próxima revisão: agosto de Guia do Utente Pág.

USF GLOBAL GUIA DO UTENTE. Em vigor: 2016 Última revisão: março de 2016 Próxima revisão: agosto de Guia do Utente Pág. USF GLOBAL GUIA DO UTENTE Em vigor: 2016 Última revisão: março de 2016 Próxima revisão: agosto de 2016 Guia do Utente Pág.1 USF GLOBAL LOCALIZAÇÃO E CONTACTOS USF GLOBAL (Sede): Centro de Saúde da Nazaré,

Leia mais

ENQUADRAMENTO CLIENTES

ENQUADRAMENTO CLIENTES ENQUADRAMENTO A promoção da integração na sociedade do cidadão com deficiência mental assim como a defesa dos seus direitos, são valores considerados como fundamentais pela APPACDM, no respeito pelos princípios

Leia mais

Resultados da Avaliação do Grau de Satisfação das Partes Interessadas 2012

Resultados da Avaliação do Grau de Satisfação das Partes Interessadas 2012 Resultados da Avaliação do Grau de Satisfação das Partes Interessadas 2012 Utentes, Familiares/ Pessoa significativa, Profissionais Voluntários e Entidades Parcerias Março / 2013 Índice 1. Introdução 2.

Leia mais

Unidade de Cuidados Continuados Integrados (UCCI) Guia de Acolhimento

Unidade de Cuidados Continuados Integrados (UCCI) Guia de Acolhimento Unidade de Cuidados Continuados Integrados (UCCI) Guia de Acolhimento Unidade de Cuidados Continuados Integrados (UCCI) A UCCI presta cuidados continuados integrados a pessoas portadoras de doenças raras

Leia mais

GUIA DO UTENTE. Hospital José Joaquim Fernandes - Beja

GUIA DO UTENTE. Hospital José Joaquim Fernandes - Beja GUIA DO UTENTE Hospital José Joaquim Fernandes - Beja GUIA DO UTENTE AOS NOSSOS UTENTES Uma Instituição de saúde centrada nos seus utentes tem que ser claramente pró-activa no acolhimento destes, facilitando

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO MUNICÍPIO DE SALVATERRA DE MAGOS

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO MUNICÍPIO DE SALVATERRA DE MAGOS CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO MUNICÍPIO DE SALVATERRA DE MAGOS 1 ÍNDICE Siglas... 3 1.Introdução... 4 2.Objeto... 4 3. Âmbito de aplicação... 4 4. Princípios gerais... 4 5. Princípios básicos.7 6. Disposições

Leia mais

USF Serra da Lousã Manual de Visitação Domiciliária

USF Serra da Lousã Manual de Visitação Domiciliária [Ano] USF Serra da Lousã Manual de Visitação Domiciliária Elaborado por: João Fernandes; João Rodrigues; Luísa Ramos Revisto por: Carlos Neves; Joana Fernandes Revisão: 2019 Índice Índice de figuras...

Leia mais

Dimensão Focalização no Utente. Check-list Focalização no Utente

Dimensão Focalização no Utente. Check-list Focalização no Utente 1. Consentimento informado Check-list Focalização no Utente 1.1 1.2 1.3 1.4 1.5 Tem formalmente aprovada uma política de obtenção do consentimento informado e esclarecido para atos clínicos É garantido

Leia mais

ACOLHIMENTO A NOVOS COLABORADORES

ACOLHIMENTO A NOVOS COLABORADORES ACOLHIMENTO A NOVOS COLABORADORES Junho de 2016 CARACTERIZAÇÃO DO ACES OESTE SUL O ACES Oeste Sul, é um serviço desconcentrado da ARSLVT, IP com autonomia administrativa e gestionária, nos termos previstos

Leia mais

Unidade de Inserção na Vida Activa UNIVA. Unidade de Inserção na Vida Activa

Unidade de Inserção na Vida Activa UNIVA. Unidade de Inserção na Vida Activa Unidade de Inserção na Vida Activa TEN/PSI Elsa Casal 508 532 crm.univa@emfa.pt Objectivo da Sessão Informar e clarificar sobre o enquadramento legal, a finalidade, os destinatários e os procedimentos

Leia mais

Estudo de Avaliação da Satisfação dos Agentes dos Setores da Construção e do Imobiliário

Estudo de Avaliação da Satisfação dos Agentes dos Setores da Construção e do Imobiliário Estudo de Avaliação da Satisfação dos Agentes dos Setores da Construção e do Imobiliário 203 Objetivo: O Inquérito de Satisfação realizado junto dos Agentes dos Setores da Construção e do Imobiliário teve

Leia mais

CONFLITO DE INTERESSES

CONFLITO DE INTERESSES CONFLITO DE INTERESSES 1.MF e Coordenador, numa USF em modelo B, e acreditada (ACSA e DGS) desde 2013. 2. Ex. membro da MCSP, 2005-2008 que iniciou o processo de Reforma dos CSP com a criação de USF. 3.

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PARA ESTUDANTES DE MEDICINA

CÓDIGO DE ÉTICA PARA ESTUDANTES DE MEDICINA Departamento de Direitos Humanos e Paz CÓDIGO DE ÉTICA PARA ESTUDANTES DE MEDICINA ANEM/PorMSIC Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade da Beira Interior Avenida Infante D. Henrique 6200-506 Covilhã

Leia mais

SIARS ACES LINHA DIRECTA N. 2

SIARS ACES LINHA DIRECTA N. 2 Questões da Semana 1 Indicadores solicitados no âmbito do Relatório Anual de Acesso a Cuidados de Saúde Relatórios SIARS a utilizar para o preenchimento do quadro pág.12 Com o objectivo de responder às

Leia mais

Programa de Acompanhamento Solidário Sénior

Programa de Acompanhamento Solidário Sénior Regulamento Interno PASS Considerando a necessidade de regulamentar a resposta social, Programa de Acompanhamento (PASS), elaborou-se o presente regulamento com a finalidade de definir linhas orientadoras.

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA NACIONAL PARA ESTUDANTES DE MEDICINA

CÓDIGO DE ÉTICA NACIONAL PARA ESTUDANTES DE MEDICINA CÓDIGO DE ÉTICA NACIONAL PARA ESTUDANTES DE MEDICINA PREÂMBULO Enquanto Estudantes de Medicina e, essencialmente, com o início da prática clínica, somos confrontados com a vida humana e obrigados a saber

Leia mais

Regulamento da Valência do Serviço de Apoio Domiciliário

Regulamento da Valência do Serviço de Apoio Domiciliário Regulamento da Valência do Serviço de Apoio Domiciliário Associação Cultural e Beneficente de Santa Maria Reconhecida de utilidade pública D. R. III série n.º 249 de 29/10/91 Contribuinte N.º 501 272 690

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO Departamento de Formação Permanente Desenvolvemos Competências Humanizadas

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO Departamento de Formação Permanente Desenvolvemos Competências Humanizadas REGULAMENTO DA FORMAÇÃO Departamento de Formação Permanente Desenvolvemos Competências Humanizadas REGULAMENTO DA FORMAÇÃO 1 - MISSÃO, OBJECTIVOS, ESTRATÉGIA 1.1 - Missão O Departamento de Formação Permanente

Leia mais

GTMMI, Lda. Regulamento Geral de Formações

GTMMI, Lda. Regulamento Geral de Formações GTMMI, Lda. Regulamento Geral de Formações Objectivo Para além da prática clínica como actividade principal, o GTMMI desenvolve também actividades no âmbito da formação contínua e pós-graduada. Este presente

Leia mais

Regulamento Interno. para o. Voluntariado

Regulamento Interno. para o. Voluntariado Regulamento Interno para o Voluntariado Regulamento Interno para o Voluntariado Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O presente Regulamento visa definir as regras de actuação do

Leia mais

ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES

ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES Documento de trabalho para Discussão entre os trabalhadores, Conselho Técnico e Direcção 1 OBJECTIVO DO CÓDICO Organizar um quadro de referência

Leia mais

GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS

GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS Ministério da Saúde Administração Regional de Saúde do Algarve, IP GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS grupotecnicodeferidas@arsalgarve.min-saude.pt Estudos Estudo realizado na Região em 2005 (CC Infecção/Centro

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Lista de Abreviaturas Capítulo I APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO. Capítulo II SISTEMA DA GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DA QUALIDADE. Lista de Abreviaturas Capítulo I APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO. Capítulo II SISTEMA DA GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DA QUALIDADE Lista de Abreviaturas Capítulo I APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 1. PROMULGAÇÃO PELA MESA ADMINISTRATIVA 2. ELEMENTOS GERAIS 3. SINTESE HISTÓRICA 4. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLITICA DA

Leia mais

1. Introdução Horário de Funcionamento Área de Influência e Inscrições Cuidados Prestados... 4

1. Introdução Horário de Funcionamento Área de Influência e Inscrições Cuidados Prestados... 4 Guia de Acolhimento Rua do Patrocínio, nº 60 1350 230 Lisboa Telefone: 213 913 220/1 Fax: 213 950 432 e-mail: condestavel.sec@csscondestavel.min-saude.pt http://usfsantocondestavel.weebly.com ÍNDICE 1.

Leia mais

MEDIÇÃO EM SAÚDE. Pedro Lopes Ferreira

MEDIÇÃO EM SAÚDE. Pedro Lopes Ferreira 1 Começou se pela captura da experiência i e da percepção dos doentes e tem se subsequentemente evoluído para a chamada centralidade do serviço nas pessoas e mesmo no envolvimento nas tomadas de decisão.

Leia mais

Código Deontológico. SECÇÃO I Do código deontológico do Terapeuta de Medicina natural. Artigo 1.º Princípios gerais

Código Deontológico. SECÇÃO I Do código deontológico do Terapeuta de Medicina natural. Artigo 1.º Princípios gerais Código Deontológico SECÇÃO I Do código deontológico do Terapeuta de Medicina natural Artigo 1.º Princípios gerais 1 - As intervenções de Medicina Natural são realizadas com a preocupação da defesa da liberdade

Leia mais

2 Apresentação de Resultados

2 Apresentação de Resultados Relatório de Reclamações e Sugestões 2013/2015 1 1 Introdução Acompanhando a evolução tecnológica e os seus benefícios, o Município de Vila Nova de Cerveira tem vindo a implementar uma profunda reestruturação

Leia mais

OBJETIVOS ESTRATÉGICOS E PROCESSUAIS - MP 2016/2017

OBJETIVOS ESTRATÉGICOS E PROCESSUAIS - MP 2016/2017 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS E PROCESSUAIS - MP 2016/2017 OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS E PROCESSUAIS DO MINISTÉRIO PÚBLICO (MP) COMARCA DE PORTALEGRE (2016/2017) DECLARAÇÃO INTRODUTÓRIA O Ministério Público enquanto

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

1. Cooperar com as famílias na vivência dos. 2. Prestar aos idosos os cuidados de que. 3. Privilegiar a manutenção dos idosos no seu

1. Cooperar com as famílias na vivência dos. 2. Prestar aos idosos os cuidados de que. 3. Privilegiar a manutenção dos idosos no seu CAPÍTULO I Natureza e Objectivos ARTIGO 1º Caracterização e Localização 1. A Comissão de Melhoramentos de Santo Emilião é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, tem sede na rua 25 de Abril

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA Artigo 1º Definição 1. O Centro Social Paroquial de Oeiras com sede na Igreja Matriz de Oeiras, é uma Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE CONVÍVIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE CONVÍVIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de aplicação O Centro de Convívio da Misericórdia de Machico é uma valência administrada pela Santa Casa da Misericórdia

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA FUNDAÇÃO VISABEIRA INSTITUIÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL CÓDIGO DE CONDUTA

CÓDIGO DE CONDUTA DA FUNDAÇÃO VISABEIRA INSTITUIÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL CÓDIGO DE CONDUTA CÓDIGO DE CONDUTA DA FUNDAÇÃO VISABEIRA INSTITUIÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL (Aprovado em reunião do Conselho de Administração de 28 de Março de 2014) PREÂMBULO As fundações são instituições privadas sem

Leia mais

Sugestões/Reclamações/Informações/Elogios Circuito de Acolhimento, Registo e Tratamento

Sugestões/Reclamações/Informações/Elogios Circuito de Acolhimento, Registo e Tratamento I. NOTA INTRODUTÓRIA Sendo o nosso principal objectivo prestar cuidados de saúde de qualidade e personalizados, não podemos descurar a forma como acolhemos, orientamos e comunicamos com os utentes. Asseguramos

Leia mais

REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO. Artigo 1.º. Definição e Finalidade

REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO. Artigo 1.º. Definição e Finalidade REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO O presente regulamento explicita as competências, responsabilidades e funcionamento do Gabinete de Estudos e Planeamento. Artigo 1.º Definição e Finalidade

Leia mais

SEDE: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Contatos: Facebook: apecsp TM:

SEDE: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Contatos: Facebook: apecsp TM: SEDE: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Contatos: apecp.geral@gmail.com Facebook: apecsp TM: 967 238 912 5 de Junho de 1991 OBJETIVOS Criar e incentivar o aparecimento de instrumentos que permitam

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO 2015/2016

PROJETO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO 2015/2016 PROJETO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO 15/16 DISCIPLINA: GOSCS 12º Ano CURSO: TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE OBJETIVOS TRANSVERSAIS Promoção da educação para a cidadania A língua

Leia mais

CONSULTAS DE PEDIATRIA

CONSULTAS DE PEDIATRIA CONSULTAS DE PEDIATRIA Guia de acolhimento Telef. 266 740 120 Telm. 961 981 650 consulta.externa.pediatra@hevora.min-saude.pt www.hevora.min-saude.pt Índice. Consultas de Pediatria. Equipa. Funcionamento.

Leia mais

INQUÉRITO AOS CENTROS DE SAÚDE 2004

INQUÉRITO AOS CENTROS DE SAÚDE 2004 INQUÉRITO AOS CENTROS DE SAÚDE 2004 CONCEITOS UTILIZADOS Os conceitos incluídos nesta lista correspondem aos descritivos a sombreado no inquérito Acto complementar de diagnóstico Exame ou teste que fornece

Leia mais

Grupo Técnico Secretariado Clínico Versão actualizada em

Grupo Técnico Secretariado Clínico Versão actualizada em Grupo Técnico Secretariado Clínico Versão actualizada em 06.05.2011 Grupo de Coordenação Estratégica 1 Grupo Técnico Secretariado Clínico Grupo de trabalho constituído na reunião da Coordenação Estratégica

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

Consentimento Informado livre e esclarecido para procedimentos cirúrgicos e procedimentos invasivos

Consentimento Informado livre e esclarecido para procedimentos cirúrgicos e procedimentos invasivos Consentimento Informado livre e esclarecido para procedimentos cirúrgicos e procedimentos invasivos Direção da Qualidade /Gabinete de Gestão do Risco Dr.ª Adelaide Serra Enf.ª Filomena Reis Fernandes Garantir

Leia mais

Objectivos Operacionais (OO) Eficácia Ponderação: 50% Aumentar em 50% o número de USF em actividade na região Norte + 57% (69 USF) 10%

Objectivos Operacionais (OO) Eficácia Ponderação: 50% Aumentar em 50% o número de USF em actividade na região Norte + 57% (69 USF) 10% Ministério: Ministério da Saúde Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte, IP QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO - ANO 2008 MISSÃO: Garantir à população da sua área de influência o acesso

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE 9 de Janeiro de 2010 1 Modelo CRITÉRIOS RIOS MEIOS CRITÉRIO 1. LIDERANÇA, PLANEAMENTO E ESTRATÉGIA Como a gestão desenvolve e prossegue a missão, a visão e os valores da

Leia mais

Código de conduta. Aristóteles Ética a Nicómaco

Código de conduta. Aristóteles Ética a Nicómaco Código de conduta Toda a teoria da conduta tem de ser apenas um esquema, e não um sistema exacto ( ) os temas de conduta e comportamento não têm em si nada de fixo e invariável, tal como os temas de saúde.

Leia mais

Introdução

Introdução 1. 2. 3. 4. Introdução A estratégia Saúde da Família Os princípios organizativos da estratégia Saúde da Família A reorganização da Atenção Primária a partir da Saúde da Família Introdução A Atenção Primária

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE CONVÍVIO DA GRUTA DA ARCA D ÁGUA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de aplicação

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE CONVÍVIO DA GRUTA DA ARCA D ÁGUA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de aplicação REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE CONVÍVIO DA GRUTA DA ARCA D ÁGUA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de aplicação O Centro de Convívio designado por Centro de Convívio da Gruta

Leia mais

PORTAL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL COM INTERVENÇÃO NA SAÚDE

PORTAL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL COM INTERVENÇÃO NA SAÚDE PORTAL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL COM INTERVENÇÃO NA SAÚDE Sistema de Informação de Apoio à Gestão das Organizações da Sociedade Civil Direcção de Serviços de Prevenção e Controlo de Doenças Divisão

Leia mais

Regulamento da Valência Lar de Idosos

Regulamento da Valência Lar de Idosos Associação Cultural e Beneficente de Santa Maria Reconhecida de utilidade pública D. R. III série n.º 249 de 29/10/91 Contribuinte N.º 501 272 690 Sedielos - Peso da Régua Regulamento da Valência Lar de

Leia mais

Unidade de Saúde Familiar Delta Agrupamento de Centros de Saúde de Oeiras e Lisboa Ocidental

Unidade de Saúde Familiar Delta Agrupamento de Centros de Saúde de Oeiras e Lisboa Ocidental Unidade de Saúde Familiar Delta Agrupamento de Centros de Saúde de Oeiras e Lisboa Ocidental Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Ministério da Saúde MISSÃO E VALORES A USF DELTA presta

Leia mais

Instrumento de Registo (Artigo 10º, ponto 1 1 e 2 do Decreto Regulamentar n.º 2/2010)

Instrumento de Registo (Artigo 10º, ponto 1 1 e 2 do Decreto Regulamentar n.º 2/2010) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. JOÃO DA PESQUEIRA Instrumento de Registo (Artigo 10º, ponto 1 1 e 2 do Decreto Regulamentar n.º 2/2010) Ficha de Registo Avaliação do Desempenho Docente do Ensino Básico e

Leia mais

Câmara Municipal de Penacova

Câmara Municipal de Penacova Câmara Municipal de Penacova Pen@cova Net.ureza Normas de utilização e funcionamento I Disposições Gerais Norma 1 Definição 1. O Espaço Internet de Penacova define-se como local destinado aos cidadãos

Leia mais

NOTA TÉCNICA N. º 1/ACSS-POPH/2013

NOTA TÉCNICA N. º 1/ACSS-POPH/2013 NOTA TÉCNICA N. º 1/ACSS-POPH/2013 Tipologias de Intervenção 3.6, 8.3.6 e 9.3.6 Qualificação dos Profissionais da Saúde I Prioridades a considerar na seleção de candidaturas para 2013 Concurso n.º13/2013

Leia mais

GUIA DO INTERNATO MÉDICO CHLP CENTRO HOSPITALAR LEIRIA POMBAL

GUIA DO INTERNATO MÉDICO CHLP CENTRO HOSPITALAR LEIRIA POMBAL CENTRO HOSPITALAR LEIRIA POMBAL INTERNATO MEDICO Director do Serviço: Dra. Amália Pereira - Assistente Graduada de Medicina Interna Secretariado: Inês Monteiro - Assistente Técnica Localização Piso Zero

Leia mais

REUNIÃO DE CONTRATUALIZAÇÃO. Data 22/07/2008 Hora de início: 18,00 h Hora de fim: 20,00 h

REUNIÃO DE CONTRATUALIZAÇÃO. Data 22/07/2008 Hora de início: 18,00 h Hora de fim: 20,00 h REUNIÃO DE CONTRATUALIZAÇÃO ACTA Nº1/2008 ADENDA Data 22/07/2008 Hora de início: 18,00 h Hora de fim: 20,00 h Participantes: Conselho Directivo Enf. Isabel Oliveira Depart. Contratualização: Dr.ª Manuela

Leia mais

O Papel dos Diferentes Serviços de Saúde no Controlo da Tuberculose

O Papel dos Diferentes Serviços de Saúde no Controlo da Tuberculose O Controlo da Tuberculose Diagnóstico e Tratamento Porto, 22 e 23 de Novembro 2011 O Papel dos Diferentes Serviços de Saúde no Controlo da Tuberculose Ana Maria Correia DSP ARS Norte, I.P. Sumário Modelos

Leia mais

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5 A Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. (ACSS, IP) é um Instituto Público, criado em 2007, integrado na administração indireta do Estado, dotado de autonomia administrativa, financeira e patrimonial

Leia mais

Manual de Acolhimento

Manual de Acolhimento Irmandade Nossa Senhora das Necessidades da Santa Casa da Misericórdia de Vila Nova de Poiares Manual de Acolhimento Unidade de Cuidados Continuados Mensagem do Provedor É dever da Mesa Administrativa

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO A Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro, representada pelo seu Presidente, Dr. João Pedro Pimentel e a Unidade de Saúde Familiar (USF) Douro Vita, representada pelo seu Coordenador, Dr. Marques

Leia mais

Saúde Para Todos Outubro 2016

Saúde Para Todos Outubro 2016 Saúde Para Todos Outubro Projeto Saúde para Todos ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Estratégia... 3 3. Objetivos... 4 4. População-alvo... 4 5. Metodologia... 4 6. Recursos... 5 7. Avaliação... 5 8. Cronograma...

Leia mais

Proposta de Política de Comunicação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Proposta de Política de Comunicação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REITORIA Proposta de Política de Comunicação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná OBS: Política elaborada pela comissão designada

Leia mais

ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE 3ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA DE PROGRESSO

ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE 3ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA DE PROGRESSO ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE 3ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA DE PROGRESSO CUIDADOS DE SAÚDE TRANSFRONTEIRIÇOS Direção Geral da Saúde Julho de 2012 Áreas de intervenção ASSISTÊNCIA MÉDICA ESPECIALIZADA

Leia mais