São objetivos do orçamento Participativo Jovem Escolar de Viseu:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "São objetivos do orçamento Participativo Jovem Escolar de Viseu:"

Transcrição

1

2 O Orçamento Participativo de Viseu constitui uma medida do programa de governo municipal Viseu Primeiro 2013/2017, tendo a sua 1ª edição decorrido em Em 2016, tem lugar o 1º Orçamento Participativo Jovem Escolar de Viseu. O Orçamento Participativo de Viseu visa promover uma cultura de participação democrática e envolvimento da comunidade no desenvolvimento e futuro do concelho, incentivando uma cidadania ativa e práticas de construção coletiva. A iniciativa constitui ainda um contributo para a modernização dos serviços municipais e a sua abertura à sociedade civil. Em todas as edições o Orçamento Participativo de Viseu aposta numa renovação do projeto para chegar a novos públicos, responder a novas necessidades e fazer desta uma iniciativa mobilizadora da participação comunitária em todo o concelho. Depois de uma primeira edição especialmente dedicada à participação sobre a revitalização do Centro Histórico, a iniciativa elegeu as 24 freguesias do concelho (que não a da cidade) como territórios de intervenção e, agora, escolhe a comunidade jovem e escolar como principal grupo de envolvimento e mobilização, sendo todavia de aplicação geral (em termos territoriais e temáticos) e de votação universal. Todo o projeto pode ser acompanhado na plataforma Viseu Participa, em São objetivos do orçamento Participativo Jovem Escolar de Viseu: 1. Criar um instrumento de fomento ativo de uma cultura participativa e cívica local na comunidade jovem e escolar de Viseu; 2. Estender o desenvolvimento da cultura de cidadania participativa de Viseu junto da nova geração de adultos/eleitores, com potencial de difusão nas famílias e em todo o tecido social; 3. Estimular a consciência coletiva e a responsabilidade comunitária dos jovens de Viseu; 4. Testar novas práticas mais inovadoras de envolvimento comunitário.

3 1. O 1º Orçamento Participativo Jovem Escolar de Viseu é destinado a propostas e projetos de intervenção no concelho de Viseu, apresentadas pelas Escolas de Ensino Secundário, Ensino Profissional e Ensino Superior do concelho. 2. As propostas são de aplicação territorial universal, devendo inserir-se nas seguintes áreas temáticas: a. Inclusão social; b. Cultura e arte urbana; c. Educação e juventude; d. Património; e. Desporto; f. Espaço público e espaços verdes; g. Cidadania e intergeracionalidade; h. Mobilidade suave; i. Ambiente e energia; j. Tecnologias; k. Saúde e alimentação saudável. 3. Independentemente da área temática em que incidam as propostas apresentadas, todas deverão ser convergentes com as atribuições e competências legais do Município, não podendo respeitar, por exemplo, a intervenções em domínios da responsabilidade de outras organizações públicas (salvo enquadramento específico para o efeito) ou em domínio privado. 4. As propostas deverão visar/beneficiar a comunidade de Viseu ou, pelo menos, duas (2) escolas do concelho. Neste último caso, as escolas poderão ser de outro nível de ensino que não o secundário, profissional ou superior, caso seja pertinente para o projeto em causa. 1. A Câmara Municipal de Viseu afeta ao Orçamento Participativo Jovem Escolar de 2016 uma dotação global máxima de 250 mil euros. 2. Cada proposta apresentada não poderá exceder o montante máximo de 25 mil euros. 3. Cada escola poderá ter mais do que um projeto vencedor desde que a soma global não ultrapasse o limite de 40 mil euros. No caso dos projetos vencedores de uma mesma escola excederem esse montante, serão apenas elegíveis e aprovados os projetos no limite daquele montante máximo estabelecido (40 mil euros).

4 Não serão admitidos como vencedores projetos propostos pela mesma escola que, globalmente, excedam o montante máximo estabelecido, independente do número de propostas apresentadas e da votação obtida. 4. De igual forma, não serão elegíveis projetos vencedores com valor superior a 40 mil euros e cujo território ou âmbito de aplicação se destine apenas a uma escola. 1. O Orçamento Participativo Jovem Escolar de Viseu destina-se às escolas de ensino secundário, do ensino profissional e do ensino superior do concelho de Viseu. Todos os alunos matriculados nos estabelecimentos poderão participar do projeto. 2. Cada escola nomeará um interlocutor que será responsável por assegurar a dinamização e divulgação do Orçamento Participativo na respetiva comunidade, segundo uma metodologia interna e um calendário de assembleias participativas e de voto que promova a mais ampla participação do universo escolar. 3. Ao interlocutor indicado por cada escola serão fornecidos os dados de acesso a uma conta, individual e intransmissível, para gestão da participação na plataforma nomeadamente a submissão de propostas e eventuais reclamações. 4. Ainda que a metodologia de cada escola possa definir grupos concretos de trabalho com os alunos, para ser constituída como válida a participação das escolas terá de contemplar: a. A realização de pelo menos uma assembleia participativa aberta a toda a comunidade do estabelecimento em causa para apresentação e debate das propostas. b. A realização de uma assembleia participativa aberta a toda a comunidade do estabelecimento em causa para votar e selecionar as propostas (até 10) a submeter ao Orçamento Participativo. 5. No caso do Instituto Politécnico de Viseu e do Instituto Jean Piaget, compostos por escolas independentes e com autonomia administrativa, cada escola será considerada individualmente para efeitos de apresentação de propostas e limite orçamental. 1. O Orçamento Participativo de Viseu é composto pelas seguintes fases e calendário: Fase 1. Desenvolvimento e submissão de propostas: 31 outubro a 16 dezembro;

5 A funcionalidade de submissão de propostas no site estará operacional a partir de 30 de novembro de Os interlocutores serão os responsáveis pela submissão das propostas na plataforma. Fase 2. Avaliação técnica das propostas e publicação dos projetos provisórios: até 31 de janeiro de 2017; Fase 3. Reclamações: até 17 de fevereiro de 2017; Fase 4. Resposta a reclamações e publicação dos projetos definitivos: até 13 de março de 2017; Fase 5. Votação: de 14 de março até 28 de abril; Fase 6. Seleção dos projetos vencedores: até maio As datas apresentadas são passíveis de alteração pelo Município de Viseu, a comunicar através da plataforma do Orçamento Participativo. 1. A discussão, debate e seleção de propostas são abertas a toda a comunidade escolar. 2. As propostas são submetidas e formalizadas pelo interlocutor na plataforma 3. Na submissão de propostas, cada escola aceita as regras do Orçamento Participativo e do funcionamento da sua plataforma eletrónica. 4. Não são consideradas as propostas entregues por outras vias, nomeadamente, por correio eletrónico ou em papel. 5. Cada escola poderá apresentar, no máximo, 10 propostas. 6. As propostas deverão visar/beneficiar a comunidade de Viseu ou, pelo menos, duas (2) escolas do concelho. 7. No caso de projetos que tenham a comunidade do concelho como objeto e que se tratem de eventos ou realizações em lugares específicos, estes apenas poderão ter lugar nas próprias escolas quando seja evidente que essa opção representa maior benefício do que a realização em outro local. 8. Cada proposta tem um orçamento máximo de 25 mil Euros. 9. Cada escola poderá ter mais do que um projeto vencedor desde que a soma global não ultrapasse o limite de 40 mil euros. 10. Cada escola poderá submeter no máximo duas propostas que tenham a própria escola como espaço de intervenção, desde que contemplem no mínimo mais uma escola. 11. Para que seja possível realizar a análise, especificação e orçamentação das propostas, é necessário que estas se apresentem de forma clara, com objetivos bem definidos e âmbito bem delimitado. Propostas sem estes dados e condições impedem a sua transformação em projetos por parte dos serviços municipais, e a sua inscrição na listagem final para votação.

6 12. A descrição da proposta deverá constar no campo destinado a esse efeito, caso contrário será excluída. 13. As propostas são transformadas em projetos pelos serviços municipais, sendo depois sujeitas a votação. Os projetos não são obrigatoriamente uma transcrição das propostas que lhe deram origem. A versão da proposta originalmente submetida estará sempre disponível e consultável em associada ao projeto que originou. 14. Não serão admitidas as propostas que: a) Configurem pedidos de apoio ou venda de serviços a entidades concretas; b) Excedam o montante de 25 mil euros e um prazo estimado de execução de 12 meses; c) Contrariem ou sejam incompatíveis com planos ou projetos municipais; d) Estejam previstas ou a ser executadas no âmbito do Plano Anual de Atividades do Município; e) Sejam relativas à cobrança de receita ou ao funcionamento interno da Câmara Municipal ou das suas empresas; f) Sejam demasiado genéricas ou muito abrangentes, não permitindo a sua adaptação a projeto; g) Não sejam tecnicamente exequíveis; h) Sejam de caráter privado; i) Sejam comissionadas por marcas registadas, abrangidas por direitos de autor ou tenham sobre si patentes registadas; j) Se destinem a locais ou equipamentos não municipais ou sem enquadramento jurídico-formal que permita a sua viabilização; k) Não tenham resultado de um debate e validação abertos a toda a comunidade do estabelecimento de ensino em causa. 1. As Assembleias Participativas (AP) são sessões presenciais que visam a promoção da participação da comunidade escolar, a dinamização do debate público, a prestação de esclarecimentos sobre o Orçamento Participativo, bem como a apresentação e seleção de propostas. 2. Cada escola deve realizar obrigatoriamente pelo menos duas Assembleias Participativas abertas a toda a comunidade, ainda que a metodologia definida pelo interlocutor possa destinar equipas específicas de alunos para trabalhar nas propostas. 3. Uma primeira assembleia participativa terá de se realizar para fomentar a discussão e debate a toda a comunidade escolar do estabelecimento de ensino em causa. Esta assembleia poderá suscitar reformulações às propostas em desenvolvimento, de acordo com os interesses acordados na comunidade escolar. 4. Uma segunda assembleia participativa terá lugar para votação e seleção das propostas (até um máximo de 10) a submeter na plataforma.

7 1. A Câmara Municipal de Viseu compromete-se a fazer uma análise técnica de todas as propostas submetidas pelas escolas e a adaptar em projeto as que reúnam as condições apresentadas nestas Normas, tendo em vista a sua votação. 2. A exclusão de qualquer proposta será objeto da devida fundamentação e comunicada às escolas proponentes, através do registado. 3. O Município de Viseu reserva-se ao direito de excluir liminarmente a participação da escola que não cumpra as normas de participação do orçamento Participativo Jovem Escolar, nomeadamente em matéria de Assembleias Participativas e de Voto abertas a toda a comunidade escolar. 4. Os projetos elaborados pelos serviços municipais poderão incluir ajustamentos técnicos que permitam a elegibilidade e exequibilidade das propostas; 5. Todas as propostas adaptadas a projeto passam a ser propriedade da Câmara Municipal de Viseu, não havendo lugar ao pagamento de direitos de autor ou de fees de participação. 6. A Equipa do Orçamento Participativo compromete-se a esclarecer as questões colocada pelas escolas e a considerar as reclamações recebidas em sede do processo. 1. Uma escola que discorde da adaptação da sua proposta a projeto ou que pretenda contestar a exclusão da sua proposta poderá apresentar reclamação nos prazos previstos, utilizando a mesma conta da plataforma com que foi submetida a proposta em causa. 2. Cada reclamação recebida será analisada pelos serviços municipais e obterá uma resposta fundamentada. Essa resposta não dará direito a segunda interação. 3. Findo o prazo indicado, não poderão ser consideradas as reclamações recebidas. 4. Publicada a lista definitiva de projetos, terá lugar a votação, conforme definido na calendarização do Orçamento Participativo (ponto VI). 1. A fase de submissão de propostas é fechada à comunidade escolar do concelho, mediante as normas mencionadas. A votação será universal, aberta a todos os interessados, a partir dos 16 anos, residentes ou não em Viseu. 2. O sistema de votação inclui o voto pela plataforma eletrónica na Internet, o voto presencial (em Assembleias de Voto organizadas para o efeito) e o voto por SMS (número a anunciar).

8 3. Cada cidadão poderá votar até um máximo de 7 projetos e apenas poderá atribuir um voto a cada projeto. 4. O Município de Viseu disponibiliza Espaços Internet com pontos de acesso gratuito à Internet, onde os cidadãos podem votar no Orçamento Participativo. 5. A votação destina-se a todos os cidadãos com idade igual ou superior a 16 anos, registados na plataforma eletrónica (nome e ) ou nas Assembleias Participativas. A plataforma eletrónica permite o acesso direto através da conta da rede social Facebook. 1. Serão organizadas Assembleias de Voto permanentes e móveis (sessões presenciais) para complementar o instrumento de votação online e telefónica, em datas e locais a divulgar na plataforma do Orçamento Participativo. 2. Nestas Assembleias estarão colaboradores da Câmara Municipal devidamente credenciados para apoiar o cidadão na votação. Pedidos de esclarecimento poderão ser apresentados através do endereço de de mensagem no Facebook municipal ( das Assembleias Participativas e do número de telefone Município de Viseu, Outubro de 2016

Ponto 10.1. Proposta das Normas do Orçamento Participativo de Pombal

Ponto 10.1. Proposta das Normas do Orçamento Participativo de Pombal Cópia de parte da ata da Reunião Ordinária da Câmara Municipal de Pombal nº0014/cmp/15, celebrada em 25 de Junho de 2015 e aprovada em minuta para efeitos de imediata execução. Ponto 10.1. Proposta das

Leia mais

Normas de Participação do Orçamento Participativo

Normas de Participação do Orçamento Participativo Normas de Participação do Orçamento Participativo 1. O presente documento enuncia as Normas de Participação do Orçamento Participativo de Vagos para 2016-2017 e anos subsequentes, a seguir designado por

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal Orçamento Participativo para o ano de 2015 (aprovado na sessão ordinária da Assembleia Municipal de Leiria de 28 de fevereiro de 2014) Carta de Princípios A de Leiria reconhece, com a criação e implementação

Leia mais

REGULAMENTO DA I EDIÇÃO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR

REGULAMENTO DA I EDIÇÃO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR REGULAMENTO DA I EDIÇÃO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR NOTA JUSTIFICATIVA Considerando que, nos termos do artigo 48º da Constituição da República Portuguesa, todos os cidadãos têm

Leia mais

Normas do Orçamento Participativo

Normas do Orçamento Participativo Normas do Orçamento Participativo Município de Braga 2018 março de 2017 Página 1 de 10 Índice Capítulo I Caracterização 1 Princípio 3 2 Objetivos 3 3 Âmbito 3 4 Valor 4 5 Participantes 4 Capítulo II -

Leia mais

O que é? Orçamento Participativo recolha de contributos das organizações da sociedade civil e dos cidadãos, orçamento público municipal

O que é? Orçamento Participativo recolha de contributos das organizações da sociedade civil e dos cidadãos, orçamento público municipal 15 O que é? O Orçamento Participativo é uma iniciativa através da qual a autarquia pretende aprofundar a recolha de contributos das organizações da sociedade civil e dos cidadãos, para a elaboração do

Leia mais

REGULAMENTO. II Edição do Orçamento Participativo da Freguesia de Fafe

REGULAMENTO. II Edição do Orçamento Participativo da Freguesia de Fafe REGULAMENTO II Edição do Orçamento Participativo da Freguesia de Fafe Tendo sido uma iniciativa pioneira no concelho de Fafe, a I Edição do Orçamento Participativo afirmou-se como um projeto-piloto no

Leia mais

Carta de Princípios do Orçamento Participativo de Sever do Vouga

Carta de Princípios do Orçamento Participativo de Sever do Vouga Carta de Princípios do Orçamento Participativo de Sever do Vouga O Orçamento Participativo do Município de Sever do Vouga é uma iniciativa da Câmara Municipal que pretende aprofundar a recolha de contributos

Leia mais

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO GONDOMAR 2014

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO GONDOMAR 2014 ORÇAMENTO PARTICIPATIVO GONDOMAR 2014 Princípio Visa promover a participação ativa das instituições e dos cidadãos na gestão pública local. Objetivos Aumentar a transparência; Potenciar o exercício de

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal. Orçamento Participativo 2017/2018. Carta de Princípios

Município de Leiria Câmara Municipal. Orçamento Participativo 2017/2018. Carta de Princípios Carta de Princípios A Assembleia Municipal e a de Leiria reconhecem, com a criação e implementação do Orçamento Participativo, o imperativo de partilhar com os cidadãos a definição de um rumo para o concelho.

Leia mais

Sessão pública de apresentação /////////////////////////////////////////////////

Sessão pública de apresentação ///////////////////////////////////////////////// Sessão pública de apresentação ///////////////////////////////////////////////// carta de princípios A Câmara Municipal de Torres Novas reconhece que os orçamentos participativos são um símbolo da importância

Leia mais

Orçamento. Câmaraa Municipal. 3. Participação. autárquica.

Orçamento. Câmaraa Municipal. 3. Participação. autárquica. Carta de Princípios A Assembleia Municipal e a Câmara Municipal de Leiria reconhecem, com a criação e implementação do Participativo, o imperativo de partilhar com os cidadãos a definição de um rumo para

Leia mais

REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM PÓVOA DE VARZIM

REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM PÓVOA DE VARZIM REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM PÓVOA DE VARZIM PREÂMBULO O afastamento dos cidadãos, em particular dos mais jovens, da participação ativa na vida dos órgãos da democracia local e nos respetivos

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA páginas 1 11

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA páginas 1 11 MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA páginas 1 11 NOTA JUSTIFICATIVA A participação dos cidadãos na construção de uma sociedade mais ativa faz-se pelo envolvimento no processo de governação local, nomeadamente

Leia mais

Regulamento do Orçamento Participativo de Avenidas Novas 1

Regulamento do Orçamento Participativo de Avenidas Novas 1 Regulamento do Orçamento Participativo de Avenidas Novas 1 A Junta de Freguesia de Avenidas Novas (JFAN) existe para servir os seus fregueses. Foi com este propósito que a JFAN implementou e desenvolveu,

Leia mais

Regulamento do Orçamento Participativo Jovem. Preâmbulo

Regulamento do Orçamento Participativo Jovem. Preâmbulo Regulamento do Orçamento Participativo Jovem Preâmbulo O movimento em favor de um maior envolvimento das pessoas na vida colectiva, particularmente na sua dimensão local, tem vindo a ganhar uma cada vez

Leia mais

2017

2017 2017 op2017@eshm.edu.pt Enquadramento legal: O n.º 1 do artigo 77 da CRP de 1976, 7ª revisão «Os professores e alunos têm o direito de participar na gestão democrática das escolas, nos termos da lei» e

Leia mais

Orçamento Participativo. Carta de Princípios

Orçamento Participativo. Carta de Princípios Orçamento Participativo Carta de Princípios A Câmara Municipal de Leiria reconhece, com a criação e implementação do Orçamento Participativo, o imperativo de partilhar com os cidadãos a definição de um

Leia mais

REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO MUNICIPAL. Regulamento n.º 01/2014. Aprovado em Reunião de Câmara a 13/02/2014

REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO MUNICIPAL. Regulamento n.º 01/2014. Aprovado em Reunião de Câmara a 13/02/2014 REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO MUNICIPAL Regulamento n.º 01/2014 Aprovado em Reunião de Câmara a 13/02/2014 Aprovado em Assembleia Municipal a 14/03/2014 ENQUADRAMENTO E JUSTIFICAÇÃO O Orçamento

Leia mais

REGULAMENTO. Orçamento Participativo de Arruda dos Vinhos

REGULAMENTO. Orçamento Participativo de Arruda dos Vinhos REGULAMENTO Orçamento Participativo de Arruda dos Vinhos Aprovação Câmara Municipal: 03-08-2015 Assembleia Municipal: 21-09-2015 REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE ARRUDA DOS VINHOS PREÂMBULO A

Leia mais

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS Despacho n.º 436-A 2017

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS Despacho n.º 436-A 2017 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS 2017 Despacho n.º 436-A 2017 PREÂMBULO O Orçamento Participativo constitui um instrumento que tem vindo a ser adotado por um conjunto crescente

Leia mais

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS Janeiro 2017 O Orçamento Participativo das Escolas é um processo estruturado em várias etapas e que garante aos alunos a possibilidade de participarem ativamente no

Leia mais

Funcionamento do Orçamento Participativo da Junta de Freguesia de Olivais

Funcionamento do Orçamento Participativo da Junta de Freguesia de Olivais Capítulo 320 Funcionamento do Orçamento da Junta de Freguesia de Olivais MR.003.01.Vers.1.0.a Página 1 de 10 Conteúdo Preâmbulo... 3 Disposições... 4 Artigo 1.º Definições... 4 Artigo 2.º Montantes do

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DA UNIÃO DE FREGUESIAS DE FARO (SÉ E SÃO PEDRO)

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DA UNIÃO DE FREGUESIAS DE FARO (SÉ E SÃO PEDRO) REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DA UNIÃO DE FREGUESIAS DE FARO (SÉ E SÃO PEDRO) Preâmbulo A União de Freguesias de Faro (Sé e São Pedro), com o desígnio de um contínuo desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS DO AGRUPAMENTO VERGÍLIO FERREIRA, LISBOA

REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS DO AGRUPAMENTO VERGÍLIO FERREIRA, LISBOA REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS DO AGRUPAMENTO VERGÍLIO FERREIRA, LISBOA Decorrente da criação de um Orçamento Participativo das Escolas, através do Despacho nº 463-A/2017 de 6 de janeiro,

Leia mais

Orçamento Participativo da Escola - OPE

Orçamento Participativo da Escola - OPE Orçamento Participativo da Escola - OPE 2017 O orçamento participativo nas escolas constitui-se como uma forma de estimular a participação cívica e democrática dos alunos, promovendo o espírito de cidadania

Leia mais

Normas do Orçamento Participativo Transfronteiriço Amizade Cerveira Tomiño 2018

Normas do Orçamento Participativo Transfronteiriço Amizade Cerveira Tomiño 2018 Normas do Orçamento Participativo Transfronteiriço Amizade Cerveira Tomiño 2018 PREÂMBULO O Orçamento Participativo Transfronteiriço 2018 (OPT_18) integra o projeto COOP- ACT - Agenda de Cooperação Transfronteiriça

Leia mais

Regulamento de Funcionamento Do Orçamento Participativo da Freguesia de São Vicente

Regulamento de Funcionamento Do Orçamento Participativo da Freguesia de São Vicente Regulamento de Funcionamento Do Orçamento Participativo da Freguesia de São Vicente Pag.2/10 Regulamento de Funcionamento Do Orçamento Participativo da Freguesia de São Vicente Preâmbulo A Junta de Freguesia

Leia mais

Regulamento de Funcionamento do Orçamento Participativo na Freguesia de Benfica

Regulamento de Funcionamento do Orçamento Participativo na Freguesia de Benfica Regulamento de Funcionamento do Orçamento Participativo na Freguesia de Benfica Regulamento de Funcionamento do Orçamento Participativo na Freguesia de Benfica Preâmbulo A Junta de Freguesia de Benfica

Leia mais

REGULAMENTO Orçamento Participativo de Águeda

REGULAMENTO Orçamento Participativo de Águeda REGULAMENTO Orçamento Participativo de Águeda PREÂMBULO A Democracia Participativa não se reduz a um mero sistema político e social, mas a um modo de ser, agir e pensar que abrange a totalidade da pessoa.

Leia mais

REGULAMENTO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO

REGULAMENTO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO REGULAMENTO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO REGULAMENTO Orçamento Participativo da Freguesia de Arrifana PREÂMBULO O Orçamento Participativo visa, por essência, o envolvimento dos cidadãos nas dinâmicas de governação

Leia mais

Normas de Participação no Concurso Jovens Talentos «Almada, Cidade Educadora»

Normas de Participação no Concurso Jovens Talentos «Almada, Cidade Educadora» Normas de Participação no Concurso Jovens Talentos 2014 «Almada, Cidade Educadora» 1. Organização O Concurso Jovens Talentos é uma iniciativa do Município de Almada, desenvolvido através da Direção Municipal

Leia mais

REGULAMENTO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM DO MUNICÍPIO DE SANTO TIRSO. Preâmbulo

REGULAMENTO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM DO MUNICÍPIO DE SANTO TIRSO. Preâmbulo REGULAMENTO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM DO MUNICÍPIO DE SANTO TIRSO Preâmbulo A cidadania consiste no exercício dos direitos e deveres civis, políticos e sociais, estabelecidos na Constituição da República

Leia mais

Regulamento do Orçamento Participativo do Município de Seia

Regulamento do Orçamento Participativo do Município de Seia Regulamento do Orçamento Participativo do Município de Seia Nota justificativa Cumprindo um objetivo estabelecido há já vários anos, mas para o qual apenas agora se encontram reunidas as condições técnicas

Leia mais

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE CASCAIS NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2015

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE CASCAIS NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2015 ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE CASCAIS NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2015 PREÂMBULO A Câmara Municipal de Cascais pretende reforçar a participação dos cidadãos, fomentando uma sociedade civil forte e ativa na senda

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA Orçamento Participativo da Escola Perguntas Respostas Regulamento Orçamento Participativo da Escola Os estudantes do 3.º ciclo do ensino básico e do ensino secundário

Leia mais

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2015

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2015 CÂMARA MUNICIPAL DE LAGOA ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2015 Regulamento Municipal orçamento participativo de Lagoa NOTA JUSTIFICATIVA A implementação do primeiro orçamento participativo em Lagoa vai buscar

Leia mais

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS Janeiro 2017 ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS O Orçamento Participativo das Escolas tem como objetivos contribuir para as comemorações do Dia do Estudante e estimular a participação cívica e democrática

Leia mais

GUIÃO PARA A ORGANIZAÇÃO DE ENCONTROS DE PARTICIPAÇÃO

GUIÃO PARA A ORGANIZAÇÃO DE ENCONTROS DE PARTICIPAÇÃO GUIÃO PARA A ORGANIZAÇÃO DE ENCONTROS DE PARTICIPAÇÃO 1. Começa por apresentar o OPJovem aos participantes no Encontro O que é o OPJovem Portugal? É um processo de participação democrática, que abrange

Leia mais

Orçamento Participativo de Vila Nova de Cerveira

Orçamento Participativo de Vila Nova de Cerveira Orçamento Participativo de Vila Nova de Cerveira PREÂMBULO Os Orçamentos Participativos são símbolos de importância da participação dos cidadãos na sociedade democrática, neste sentido a Câmara Municipal

Leia mais

REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS (Aprovado em anexo ao Despacho 436-A/2017, de 6 de Janeiro)

REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS (Aprovado em anexo ao Despacho 436-A/2017, de 6 de Janeiro) REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS (Aprovado em anexo ao Despacho 436-A/2017, de 6 de Janeiro) Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento aplica-se ao orçamento participativo das escolas

Leia mais

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras 1 NOTA JUSTIFICATIVA O Município de Chaves entende como sendo de interesse

Leia mais

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO NORMAS DE PARTICIPAÇÃO. Capítulo I Disposições gerais

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO NORMAS DE PARTICIPAÇÃO. Capítulo I Disposições gerais ORÇAMENTO PARTICIPATIVO NORMAS DE PARTICIPAÇÃO Capítulo I Disposições gerais Cláusula 1ª (Princípio) O Orçamento Participativo (OP) tem como escopo promover a intervenção informada, ativa e responsável

Leia mais

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO NORMAS DE PARTICIPAÇÃO. Capítulo I Disposições gerais

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO NORMAS DE PARTICIPAÇÃO. Capítulo I Disposições gerais ORÇAMENTO PARTICIPATIVO NORMAS DE PARTICIPAÇÃO Capítulo I Disposições gerais Cláusula 1ª (Princípio) O Orçamento Participativo (OP) tem como escopo promover a intervenção informada, ativa e responsável

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE ALENQUER

PROJETO DE REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE ALENQUER PROJETO DE REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE ALENQUER NOTA JUSTIFICATIVA O Orçamento Participativo de Alenquer (OPA) é um processo que visa promover a participação da população nas decisões estratégicas

Leia mais

CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO

CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO 1 / 6 CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO Jovens Curadores: Galerias Municipais EGEAC 1. Enquadramento É intuito das Galerias Municipais acolher, divulgar e apoiar a produção e pensamento artístico contemporâneo

Leia mais

REGULAMENTO DO 2º CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO NO ÂMBITO DO PROJETO INCUBAR+LEZIRIA

REGULAMENTO DO 2º CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO NO ÂMBITO DO PROJETO INCUBAR+LEZIRIA REGULAMENTO DO 2º CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO NO ÂMBITO DO PROJETO INCUBAR+LEZIRIA 1. ENQUADRAMENTO 1 a. O projecto INCUBAR+LEZIRIA é uma Ação Coletiva, dinamizada pela NERSANT, INSTITUTO POLITÉCNICO

Leia mais

CONCORRE, VENCE E CONCRETIZA A TUA IDEIA... MAIS DE EM PRÉMIOS

CONCORRE, VENCE E CONCRETIZA A TUA IDEIA... MAIS DE EM PRÉMIOS CONCORRE, VENCE E CONCRETIZA A TUA IDEIA... MAIS DE 50.000 EM PRÉMIOS IEP INNOVATION LAB 2017. APRESENTAÇÂO O IEP INNOVATION LAB 2017 visa promover a inovação tecnológica e a criação de novas técnicas

Leia mais

REGULAMENTO. Projeto Esperança

REGULAMENTO. Projeto Esperança REGULAMENTO Projeto Esperança Aprovação Câmara Municipal: 21-12-2015 Assembleia Municipal: 12-02-2016 REGULAMENTO PROJETO ESPERANÇA PREÂMBULO O Município de Arruda dos Vinhos, no desenvolvimento da sua

Leia mais

Orçamento Participativo das Escolas 2017 Documentos

Orçamento Participativo das Escolas 2017 Documentos Orçamento Participativo das Escolas 2017 Documentos Cronograma Regulamento Formulário para apresentação de propostas Agrupamento de Escolas D. Dinis-Santo Tirso Orçamento Participativo das Escolas CRONOGRAMA

Leia mais

Associativismo Jovem REGULAMENTO

Associativismo Jovem REGULAMENTO PRÉMIO DE JORNALISMO Associativismo Jovem REGULAMENTO Artigo 1º Entidade Promotora O Prémio de Jornalismo Associativismo Jovem é promovido pelo Instituto Português do Desporto e Juventude, IP (IPDJ, IP).

Leia mais

02newsletter VISEUNOVO SRU. VISEU NOVO, SRU Sociedade de Reabilitação Urbana de Viseu ESPECIAL ORÇAMENTO PARTICIPATIVO

02newsletter VISEUNOVO SRU. VISEU NOVO, SRU Sociedade de Reabilitação Urbana de Viseu ESPECIAL ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 02newsletter VISEU NOVO, SRU Sociedade de Reabilitação Urbana de Viseu... 2015 ESPECIAL ORÇAMENTO PARTICIPATIVO VISEUNOVO SRU Viseu Novo, SRU Sociedade de Reabilitação Urbana de Viseu Morada Casa do Miradouro

Leia mais

CONCURSO ESCOLAR SANTA MARIA Preâmbulo

CONCURSO ESCOLAR SANTA MARIA Preâmbulo CONCURSO ESCOLAR SANTA MARIA 2027 Preâmbulo A Câmara Municipal de Vila do Porto, atenta ao cenário de mudança e de evolução acelerada em que se encontra a ilha, a região e o País, assumiu o desafio de

Leia mais

Financiamento de Candidaturas. Regulamento

Financiamento de Candidaturas. Regulamento Financiamento de Candidaturas A Junta de Freguesia de Benfica (JFB), no âmbito da sua responsabilidade social e no âmbito da Comissão Social de Freguesia (CSF), irá apoiar financeiramente candidaturas

Leia mais

ScaleUp Porto Apoio ao Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia Programa de Concurso. Artigo 1º Objeto e Objetivos

ScaleUp Porto Apoio ao Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia Programa de Concurso. Artigo 1º Objeto e Objetivos ScaleUp Porto Apoio ao Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia Programa de Concurso Artigo 1º Objeto e Objetivos 1.1. A convocatória aberta doravante também designada simplesmente por "Programa", é criada

Leia mais

Associação Antigos Alunos Escola Secundária de Santo André

Associação Antigos Alunos Escola Secundária de Santo André 1 União das Freguesias do Alto do Seixalinho, Santo André e Verderena Associação Antigos Alunos Escola Secundária de Santo André 2 Capítulo I Introdução e Objetivos O Concurso Novas Tecnologias é organizado

Leia mais

Contrato Local de Desenvolvimento Social + Ribeira de Pena/2014. Ribeira Empreende. Regulamento do Concurso de Empreendedorismo

Contrato Local de Desenvolvimento Social + Ribeira de Pena/2014. Ribeira Empreende. Regulamento do Concurso de Empreendedorismo Contrato Local de Desenvolvimento Social + Ribeira de Pena/2014 Ribeira Empreende Regulamento do Concurso de Empreendedorismo Introdução O Concurso de Empreendedorismo Ribeira Empreende é uma iniciativa

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÉMIO PARA OS MELHORES ALUNOS DR. ANTÓNIO DO CARMO CLÁUDIO

REGULAMENTO DO PRÉMIO PARA OS MELHORES ALUNOS DR. ANTÓNIO DO CARMO CLÁUDIO REGULAMENTO DO PRÉMIO PARA OS MELHORES ALUNOS DR. ANTÓNIO DO CARMO CLÁUDIO Preambulo O percurso escolar dos jovens comporta diversas aprendizagens que marcarão a diferença. Para os que se esforçam por

Leia mais

Orçamento Participativo das Escolas REGULAMENTO

Orçamento Participativo das Escolas REGULAMENTO REGULAMENTO Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento aplica-se ao orçamento participativo das escolas com alunos do 3.º ciclo do ensino básico e/ou do ensino secundário do Agrupamento de Escolas de Terras

Leia mais

II SÉRIE Nº 88 SEGUNDA-FEIRA, 15 DE MAIO DE 2017

II SÉRIE Nº 88 SEGUNDA-FEIRA, 15 DE MAIO DE 2017 Município de Angra do Heroísmo Regulamento n.º 13/2017 de 15 de maio de 2017 Regulamento do Concurso Municipal de Empreendedorismo de Angra do Heroísmo Atreve-te Considerando que um dos pilares da atual

Leia mais

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Aviso 09 Auditoria Energética a Elevadores em Edifícios de DIREÇÃO EXECUTIVA DO PNAEE FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (FEE) Decreto-Lei nº 50/2010, de 20 Maio O Fundo de Eficiência

Leia mais

I Chamada Pública do Fundo Casa para Mobilidade Urbana

I Chamada Pública do Fundo Casa para Mobilidade Urbana I Chamada Pública do Fundo Casa para Mobilidade Urbana 1. Apresentação Formada em 2013 por ativistas, pesquisadores e cidadãos identificados com a visão de um Rio mais integrado, a Casa Fluminense acredita

Leia mais

SÃO VICENTE 2015 REGULAMENTO DO CONCURSO DE FOTOGRAFIA SENTIR SÃO VICENTE

SÃO VICENTE 2015 REGULAMENTO DO CONCURSO DE FOTOGRAFIA SENTIR SÃO VICENTE SÃO VICENTE 2015 REGULAMENTO DO CONCURSO DE FOTOGRAFIA SENTIR SÃO VICENTE PREÂMBULO A divulgação do património natural, cultural e paisagístico do concelho e a promoção de obras e eventos de interesse

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE ILUSTRAÇÃO Carnaval de Torres Vedras 2015 AMOR

REGULAMENTO CONCURSO DE ILUSTRAÇÃO Carnaval de Torres Vedras 2015 AMOR REGULAMENTO CONCURSO DE ILUSTRAÇÃO Carnaval de Torres Vedras 2015 AMOR Artigo 1º Objeto 1. O concurso de ilustração Carnaval de Torres Vedras 2015 é uma iniciativa da Promotorres EM (adiante designada

Leia mais

Concurso de Ideias Criativas

Concurso de Ideias Criativas Concurso de Ideias Criativas Normas de participação I - Âmbito e objetivos do concurso 1. O Contrato Local de Desenvolvimento Social de Proença-a-Nova - Projeto Promover e Integrar (CLDS) tem como objetivo

Leia mais

REGULAMENTO PRÉMIOS DISTINÇÃO E PRÉMIO INOVAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DA ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DA VINHA E DO VINHO. Preâmbulo

REGULAMENTO PRÉMIOS DISTINÇÃO E PRÉMIO INOVAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DA ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DA VINHA E DO VINHO. Preâmbulo REGULAMENTO PRÉMIOS DISTINÇÃO E PRÉMIO INOVAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DA ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DA VINHA E DO VINHO Preâmbulo A Comissão Nacional da Organização Internacional da Vinha e do Vinho, adiante

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude da Praia da Vitória. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude da Praia da Vitória. Preâmbulo Regulamento do Conselho Municipal de Juventude da Praia da Vitória Preâmbulo A Câmara Municipal da Praia da Vitória e a Assembleia Municipal da Praia da Vitória, atenta à sua relação de proximidade com

Leia mais

Regulamento do Concurso para a Criação de Logótipo para a Associação Portuguesa de Farmacêuticos Hospitalares

Regulamento do Concurso para a Criação de Logótipo para a Associação Portuguesa de Farmacêuticos Hospitalares Regulamento do Concurso para a Criação de Logótipo para a Associação Portuguesa de Farmacêuticos Hospitalares Artigo 1º - Promotor A Associação Portuguesa de Farmacêuticos Hospitalares (APFH) leva a efeito

Leia mais

REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA

REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA Através do Regulamento de Participação Cívica, aprovado em Reunião da Câmara Municipal de Mirandela de 23 de março de 2015 e em Sessão da

Leia mais

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE LISBOA

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE LISBOA ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE LISBOA II Conferência Nacional do Projeto Portugal Participa CIUL Centro de Informação Urbana de Lisboa 21 22 Janeiro 2016 https://vimeo.com/146628829 OP LISBOA 2008 2015 O PODER

Leia mais

REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE CAMINHA

REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE CAMINHA REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE CAMINHA NOTA JUSTIFICATIVA O Orçamento Participativo de Caminha é um processo de participação cidadã, que visa assegurar o envolvimento dos munícipes na decisão

Leia mais

Regulamento 1º Concurso de Desenhos Conexão Mata Atlântica Inscrições e mais informações:

Regulamento 1º Concurso de Desenhos Conexão Mata Atlântica Inscrições e mais informações: Regulamento 1º Concurso de Desenhos Conexão Mata Atlântica Inscrições e mais informações: www.conexaososma.org.br DO CONCURSO 1. Lançada em maio de 2010, a Conexão Mata Atlântica é a rede social da Fundação

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO ESCOLAR Ano letivo 2011/2012

REGULAMENTO DO CONCURSO ESCOLAR Ano letivo 2011/2012 REGULAMENTO DO CONCURSO ESCOLAR Ano letivo 2011/2012 TEMA Como melhorar a qualidade ambiental da minha comunidade? ÂMBITO Década das Nações Unidas da Educação para o Desenvolvimento Sustentável (2005-2014)

Leia mais

Regulamento do Prémio de Inovação Tecnológica. Eng.º Jaime Filipe

Regulamento do Prémio de Inovação Tecnológica. Eng.º Jaime Filipe Regulamento do Prémio de Inovação Tecnológica Eng.º Jaime Filipe Artigo 1.º Âmbito O Instituto Nacional para a Reabilitação, I.P. promove anualmente a atribuição do Prémio de Inovação Tecnológica «Eng.º

Leia mais

REGULAMENTO 3º CONCURSO RIBATEJO EMPREENDE REGULAMENTO. 3º Concurso Temático de Ideias de Negócio no âmbito do Projeto RIBATEJO EMPREENDE

REGULAMENTO 3º CONCURSO RIBATEJO EMPREENDE REGULAMENTO. 3º Concurso Temático de Ideias de Negócio no âmbito do Projeto RIBATEJO EMPREENDE REGULAMENTO 3º Concurso Temático de Ideias de Negócio no âmbito do Projeto RIBATEJO EMPREENDE TORRES NOVAS, 29 de setembro de 2017 1 1. ÂMBITO O projeto RIBATEJO EMPREENDE, promovido pela NERSANT e co-financiado

Leia mais

Prémio Jovens Talentos Braga 16. Edição Braga 16 Capital Ibero-americana de Juventude. Regulamento

Prémio Jovens Talentos Braga 16. Edição Braga 16 Capital Ibero-americana de Juventude. Regulamento Prémio Jovens Talentos Braga 16 Edição Braga 16 Capital Ibero-americana de Juventude Regulamento 1. Introdução O presente concurso tem como objetivo estimular o aparecimento e divulgar os novos talentos

Leia mais

Normas de Participação Concurso «Eu e a minha bicicleta»

Normas de Participação Concurso «Eu e a minha bicicleta» Artigo Primeiro Designação do concurso e entidades 1. O Concurso EU E A MINHA BICICLETA é um concurso organizado pela Câmara Municipal do Seixal, no âmbito do projeto da Rede Ciclável do Concelho do Seixal,

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Penalva do Castelo

Agrupamento de Escolas de Penalva do Castelo CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Preâmbulo O Conselho Municipal da Educação consagrado nos Decreto-Lei nº7/2003 de 15 de janeiro, alterado pela Lei nº 41/2003, de 22 de Agosto (declaração de retificação

Leia mais

Programa Montepio Incentivo Superior Regulamento Ano letivo 2014/2015

Programa Montepio Incentivo Superior Regulamento Ano letivo 2014/2015 Programa Montepio Incentivo Superior Regulamento Ano letivo 2014/2015 Considerando que a atual conjuntura de crise económica afetou também os estudantes, que manifestam cada vez maiores dificuldades em

Leia mais

Concurso para a Criação do Hino dos Jogos Desportivos da CPLP

Concurso para a Criação do Hino dos Jogos Desportivos da CPLP Concurso para a Criação do Hino dos Jogos Desportivos da CPLP REGULAMENTO Os Ministros Responsáveis pelo Desporto da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, reunidos em Salvador, Brasil, no dia 3 de

Leia mais

Bolsas asppa+ Regulamento para o ano de 2017

Bolsas asppa+ Regulamento para o ano de 2017 Bolsas asppa+ Regulamento para o ano de 2017 Bolsa asppa+: Suporte financeiro a um Português que, durante um período limitado de tempo, desenvolva um projecto profissional numa empresa ou Instituição alemã,

Leia mais

VOUZELA, um Património a Descobrir

VOUZELA, um Património a Descobrir Concurso Literário VOUZELA, um Património a Descobrir REGULAMENTO Preâmbulo de apresentação Considerando que a leitura e a escrita são competências e ferramentas fundamentais para o bem-estar das pessoas,

Leia mais

Gala DESPORTO 17 REGULAMENTO DA GALA DO DESPORTO

Gala DESPORTO 17 REGULAMENTO DA GALA DO DESPORTO Gala DESPORTO 17 REGULAMENTO DA GALA DO DESPORTO REGULAMENTO DA GALA DO DESPORTO DA CÂMARA MUNICIPAL DO MARCO DE CANAVESES PREÂMBULO A Câmara Municipal do Marco de Canaveses vai levar a efeito a Gala do

Leia mais

❸ PRINCIPAIS ALTERAÇÕES a pensar nos consumidores. ❹ Livro de Reclamações no formato eletrónico

❸ PRINCIPAIS ALTERAÇÕES a pensar nos consumidores. ❹ Livro de Reclamações no formato eletrónico jurídico do Livro de Reclamações foi ❶ Com a entrada em vigor do regime do Livro de Reclamações (Decreto-Lei n.º 156/2005, de 15 de setembro), alargou-se à generalidade dos fornecedores de bens e prestadores

Leia mais

REGULAMENTO DO 1º CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO NO ÂMBITO DO PROJETO INCUBAR+LEZIRIA

REGULAMENTO DO 1º CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO NO ÂMBITO DO PROJETO INCUBAR+LEZIRIA REGULAMENTO DO 1º CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO NO ÂMBITO DO PROJETO INCUBAR+LEZIRIA 1. ENQUADRAMENTO 1 a. O projecto INCUBAR+LEZIRIA é uma Ação Coletiva, dinamizada pela NERSANT, INSTITUTO POLITÉCNICO

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO PARA CRIAÇÃO DE LOGÓTIPO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VILA POUCA DE AGUIAR

REGULAMENTO DO CONCURSO PARA CRIAÇÃO DE LOGÓTIPO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DO CONCURSO PARA CRIAÇÃO DE LOGÓTIPO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VILA POUCA DE AGUIAR 1 PROMOTOR O Conselho Municipal de Juventude do Município de Vila Pouca de Aguiar leva a efeito

Leia mais

Regulamento do Concurso

Regulamento do Concurso 1. O Concurso é uma iniciativa do Plano Nacional de Leitura, enquadrada na 11ª Edição da Semana da Leitura, que se centra no Prazer de LeR em todos os momentos e em todos os lugares, sendo os trabalhos

Leia mais

Modernização Administrativa, Relação com o Munícipe e Participação

Modernização Administrativa, Relação com o Munícipe e Participação Estratégia e Desenvolvimento Oficina Modernização Administrativa, Relação com o Munícipe e Participação 30 de Maio de 2016, Auditório da Biblioteca Municipal do Barreiro Ambiente e Sustentabilidade População

Leia mais

Projeto de Regulamento da Feira do Mel, Queijo e Pão

Projeto de Regulamento da Feira do Mel, Queijo e Pão Preâmbulo A Feira do Mel, Queijo e Pão, organizada pela Câmara Municipal de Mértola é uma iniciativa que visa promover, dinamizar e divulgar o artesanato, os produtos tradicionais e a gastronomia do concelho,

Leia mais

Regulamento Orçamento Participativo da Lousã. Nota Justificativa

Regulamento Orçamento Participativo da Lousã. Nota Justificativa Regulamento Orçamento Participativo da Lousã Nota Justificativa A participação dos cidadãos na construção de uma sociedade mais ativa faz-se pelo envolvimento no processo de governação local, nomeadamente

Leia mais

SESSÃO PÚBLICA 31 JANEIRO 2017

SESSÃO PÚBLICA 31 JANEIRO 2017 SESSÃO PÚBLICA 31 JANEIRO 2017 ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS 2017 ESCOLA PADRE FRANCISCO SOARES ESCOLA MADEIRA TORRES Participa no desenvolvimento de um projeto que contribua para a melhoria da tua

Leia mais

Concurso Todos Contam. 5.ª edição

Concurso Todos Contam. 5.ª edição PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA Concurso Todos Contam 5.ª edição Regulamento do Concurso O Concurso Todos Contam é uma iniciativa promovida pelo Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, entidade

Leia mais

NORMAS PARA A EXECUÇÃO DO PROCESSO DE COFINANCIAMENTO

NORMAS PARA A EXECUÇÃO DO PROCESSO DE COFINANCIAMENTO NORMAS PARA A EXECUÇÃO DO PROCESSO DE COFINANCIAMENTO Consideram-se no presente documento os procedimentos a observar, quer pela entidade proponente (ONGD), quer pela entidade cofinanciadora (Camões, I.P.)

Leia mais

NORMAS DO CONCURSO FOTOGRAFIA DO CASTELO DE LANHOSO. Enquadramento

NORMAS DO CONCURSO FOTOGRAFIA DO CASTELO DE LANHOSO. Enquadramento NORMAS DO CONCURSO FOTOGRAFIA DO CASTELO DE LANHOSO Enquadramento O concurso de fotografia Des(focar) História, promovido pela Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, insere-se nas comemorações dos 20 Anos

Leia mais

PROGRAMA FÉRIAS NA DESPORTIVA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2017

PROGRAMA FÉRIAS NA DESPORTIVA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2017 PROGRAMA FÉRIAS NA DESPORTIVA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2017 I - PROMOÇÃO O Programa Férias na Desportiva é da responsabilidade da Câmara Municipal de Cascais, através da Divisão de Juventude. II - DESTINATÁRIOS

Leia mais

NORMAS DE ATRIBUIÇÃO DOS PRÉMIOS DE DESEMPENHO DESPORTIVO

NORMAS DE ATRIBUIÇÃO DOS PRÉMIOS DE DESEMPENHO DESPORTIVO NORMAS DE ATRIBUIÇÃO DOS PRÉMIOS DE DESEMPENHO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA DA FEIRA NORMAS DE ATRIBUIÇÃO DOS PRÉMIOS DE DESEMPENHO DESPORTIVO GALA DO DESPORTO DE SANTA MARIA DA FEIRA Preâmbulo

Leia mais

EDITAL n.º 21/

EDITAL n.º 21/ Publique- se na II Série do Diário da República. Câmara Municipal de Caldas da Rainha, 13 de Março de 2017. O Presidente da Câmara, (Fernando Manuel Tinta Ferreira) -----------------------------------EDITAL

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO TEMPORÁRIA DE JOVENS

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO TEMPORÁRIA DE JOVENS REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO TEMPORÁRIA DE JOVENS Não queremos jovens "fracotes", jovens que estão por ai e nada mais, que nem sim nem não. Não queremos jovens que se cansam rápido e que

Leia mais

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO ESCOLAR

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO ESCOLAR JUNTA DE FREGUESIA PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES O que é? Os orçamentos participativos são mecanismos ou processos através dos quais as populações de uma determinada freguesia, concelho ou região decidem

Leia mais

Orçamento Participativo da Freguesia de Castelo Branco

Orçamento Participativo da Freguesia de Castelo Branco I Âmbito A Freguesia de Castelo Branco, através do presente Orçamento Participativo (doravante designado OPFCB), pretende promover a cidadania ativa, através da participação dos cidadãos na escolha e definição

Leia mais