Qualidade água na confluência dos rios Bugres e Paraguai, Mato Grosso. Quality water in the confluence of rivers Bugres and Paraguay, Mato Grosso

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Qualidade água na confluência dos rios Bugres e Paraguai, Mato Grosso. Quality water in the confluence of rivers Bugres and Paraguay, Mato Grosso"

Transcrição

1 Qualidade água na confluência dos rios Bugres e Paraguai, Mato Grosso Quality water in the confluence of rivers Bugres and Paraguay, Mato Grosso CRUZ, Josiane São Bernardo 1 ; SOUZA, Célia Alves de 2 ; OLIVEIRA JUNIOR, Ernandes Sobreira 3. BÜHLER, Beatriz Ferraz 4 1 Mestranda Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO UNEMAT, 3 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO, 4 Mestranda Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais UNEMAT, Seção Temática: Biodiversidade e Bens Comuns Resumo O presente trabalho visa analisar a sedimentação e a qualidade da água na confluência do rio dos Bugres com o rio Paraguai. A pesquisa foi realizada por intermédio da observação da área, coletas de amostras d água. As amostras de água foram analisadas em laboratório especializado para determinação do índice de qualidade da água. A ocupação dessa área é muito intensa, pois as margens dos rios possuem pequenas faixas de vegetação nativas. Em relação à qualidade da água, algumas variáveis apresentaram valores acima do permitido pela Resolução CONAMA 357/2005, sendo que um dos fatores responsáveis por essa desconformidade pode estar relacionado à urbanização desordenada nas margens dos rios. Palavras-chave: Cabeceira do Pantanal. Hidrosedimentologia. Qualidade da água. Abstract The present work analyzes of the water quality at the confluence of the Bugres river with the Paraguai river. The fieldwork was conducted to observe the area and collections of as water samples. Water samples were analyzed in a specialized laboratory. The occupation of this area is very intense, because the river shores have small groups of native vegetation. Regarding water quality, some variables had values above those allowed by CONAMA Resolution 357/2005, being one of the factors responsible for these chaotic urbanization rivershores. Keywords: Spring of Pantanal. Hidrosedimentology. Water Quality. Introdução A água é um dos mais importantes recursos naturais de que a sociedade dispõe, sendo indispensável para a sua sobrevivência. Dentre os vários usos da água doce, destacam-se aqueles empregados para abastecimento humano e industrial, higiene pessoal e doméstica, irrigação, geração de energia elétrica, navegação, preservação da flora e fauna, aqüicultura e recreação. Desses usos, o abastecimento humano é considerado prioritário (FREITAS, 2000).

2 Para Tundisi (2003), as principais causas da deterioração dos recursos hídricos do planeta são: crescimento populacional e rápida urbanização; diversificação dos usos múltiplos; gerenciamento não coordenado dos recursos hídricos disponíveis; não reconhecimento de que a saúde humana e a qualidade da água são interativas; peso excessivo das políticas governamentais nos serviços de água (fornecimento de água e tratamento de esgotos) e degradação do solo por pressão da população, aumentando a erosão e a sedimentação de rios, lagos e reservatórios. A qualidade de determinada água se dá em função do uso e da ocupação do solo na bacia hidrográfica, ao serem relacionadas à indicadores de qualidade da água, podem refletir a intensidade das alterações antrópicas, principalmente no âmbito da bacia hidrográfica (GERGEL et al., 2002). A qualidade da água de um curso d água é resultado de todos os fenômenos naturais e antrópicos presentes em uma bacia hidrográfica, ou seja, a qualidade da água de uma determinada região depende das condições naturais e do uso e da ocupação da terra. As interferências antrópicas podem intensificar o escoamento superficial e ainda introduzir compostos sobre o solo, refletindo sobre os cursos d água (VON SPERLING, 2007). A qualidade da água está intimamente relacionada com o uso do solo no seu entorno, de maneira que as atividades desenvolvidas na agricultura, ou mesmo as domésticas, nas últimas décadas têm permitido a introdução de materiais nocivos nas águas e nos solos (FUNASA, 2002). Esta pesquisa objetiva analisar a qualidade da água na confluência entre o rio dos Bugres e o rio Paraguai na cidade de Barra do Bugres-MT. Materiais e método Área de estudo A unidade adotada para a pesquisa pertence a um trecho da bacia do Alto Paraguai na cidade de Barra dos Bugres, especificamente na confluência dos rios dos Bugres e do Paraguai. A variável limnológica sólidos em suspensão foi analisada no Laboratório de Pesquisa em Geomorfologia Fluvial da UNEMAT, por intermédio do método de evaporação e as outras variáveis limnológicas foram analisadas em laboratório especializado (tabela 1). Resultados e discussões A montante da confluência dos rios Bugres e Paraguai forma uma ilha onde encontra-se a reserva indígena dos índios Umutina, no município de Barra do Bugres, Sua margem esquerda possui pequenos trechos de vegetação preservada, sendo grande parte ocupada com fazendas. À jusante da confluência, as margens (direita e esquerda) são áreas onde a intervenção antrópica é intensa, há área de

3 lazer, construção de tanque para reservatório de água e, somente próximo ao canal, pequenas faixas de vegetação nativa. A qualidade da água nas três seções foi comparada entre si e seus valores estão representados na tabela 4. O Índice da Qualidade da Água nas seções foi considerado como regular, pois a seção 1 (rio dos Bugres) apresentou valor de 43,73; na seção 2 (rio Paraguai), o valor foi 40,56 e na seção 3 (confluência dos rios dos Bugres e Paraguai) 41,67. Variáveis encontradas foi o ph na seção III, que se apresentou ligeiramente abaixo da Resolução Conama 357/05, enquanto DBO, Fósforo total e Coliformes Termotolerantes apresentaram valores superiores aos recomendados por essa Resolução, resultado que pode ter determinado a qualidade das águas analisadas neste estudo. Os valores encontrados para Coliformes Termotolerantes foram muito superiores àqueles determinados pela Resolução, sugerindo que o influxo de dejetos possa estar contribuindo para a qualidade da água não se apresentar boa de acordo com o IQA. Vale ressaltar que o período de amostragem compreendeu o de águas altas, em que os rios da Bacia do Alto Paraguai recebem maior quantidade de águas. Dados obtidos por Barros et al. (2011), em rio da mesma Bacia, demonstraram que nesse período o rio André foi considerado como regular no que tange ao seu IQA. Essa característica pode ser explicada devido ao fato do sistema receber uma grande quantidade de material proveniente da cabeceira desses rios, influenciando suas características ambientais, o que, associado à falta de preservação da mata ciliar, ocupação das margens e despejo de matéria orgânica proveniente do município de Barra do Bugres, afeta diretamente a qualidade das águas. Considerações finais As variáveis analisadas apresentaram variações nos valores entre as seções coletadas. Com base nos padrões da qualidade da água superficiais dos corpos d água, apresentados pelo CONAMA/Resolução nº 357/2005, algumas seções constataram valores fora do padrão permitido, situação que poderá estar relacionada à ocupação das margens e aos lançamentos de dejetos no canal fluvial. O Índice da Qualidade da Água no município de Barra do Bugres apresentou-se como regular, indicativo que pode estar relacionado ao lançamento de esgotos domésticos e agrotóxicos, resultando em grande concentração de coliformes termotolerantes nas amostras de águas. Tabela 1: Listas de variáveis limnológicas analisadas. Variável Método analítico

4 Temperatura ph Turbidez DBO5 DQO Oxigênio Dissolvido Condutividade Elétrica Alcalinidade Total Fósforo Total Nitrato Nitrogênio Total Amônia Sólidos Dissolvidos Sólidos em Suspensão Coliformes Termotolerantes Termômetro Eletrométrico-poteniometrico Potenciometria Incubação Volumetria Potenciometria Volumetria Kjeldahl Gravimetria Gravimetria Membrana Filtrante Fonte: Laboratório Analítica Análises Químicas e Controle de Qualidade Tabela 2: Variáveis limnológicas analisadas rio dos Bugres Seção I), rio Paraguai (seção II) e Confluência do rio dos Bugres com o rio Paraguai (seção III). Variáveis Hídricas Seção I Seção II Seção III CONAMA¹ Temperatura do ar (ºC) Temperatura da água (ºC) 30, ,4 Turbidez (UNT) PH 6,71 6,88 5,99 6 a 9 DBO5 (mg/l) 9,0 3,0 4,0 5 DQO(mg/l) 28,0 10,0 13,0 --- Cond. Elétrica (μs/cm) Alcalinidade Total (mg/l) 8,0 10,0 4,0 --- Fósforo Total (mg/l) 0,15 0,04 0,03 0,1 Nitrato (mg/l) 0,10 0,02 0,02 10 Nitrogênio Total (mg/l) 1,60 1,20 0, Amônia (mg/l) 0,13 0,06 0,05 Até 3,5 mg/l ( ph abaixo de 7,5 Oxigênio Dissolvido (mg/l) 5,47 5,72 5,88 >5 Coliformes Termotolerante (UFC / 100 ml) 6,4 x 10³ 1,8 x ,5 x 10³ 1000 ¹ VMP = Valor Máximo Permitido, conforme Resolução CONAMA nº 357, de 17 de março de 2005 / Artigo 15º Classe 2 Águas Doces. Fonte: Da Cruz (2013)

5 Referências BRASIL. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. nº 357 de 17 de março de CONAMA/MMA. 23p FREITAS, A. J. Gestão de recursos hídricos. In: SILVA, D. D. & PRUSKI, F. F. (Eds.) Gestão de recursos hídricos: aspectos legais, econômicos, administrativos e legais. Brasília: Secretaria de Recursos Hídricos; Viçosa, MG: Universidade Federal de Viçosa; Porto Alegre: Associação Brasileira de Recursos Hídricos, 659p GERGEL, S. E. et al. Landscape indicators of human impacts to riverine systems. Aquatic Science, v.64, p , 2002 FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE. Textos de Epidemiologia para a Vigilância Ambiental em Saúde. Brasília, TUNDISI, J. G. Água no século XXI: enfrentando a escassez. São Carlos: RiMa, IIE, VON SPERLING, M. Princípios do tratamento biológico de águas residuais: estudo e modelagem da água de rios. Belo Horizonte: Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental; Universidade Federal de Minas Gerais, 2007.

MAIS UMA VEZ VALE SALIENTAR QUE: Para a obtenção dos resultados foi levado em consideração o construto da legislação vigente no país:

MAIS UMA VEZ VALE SALIENTAR QUE: Para a obtenção dos resultados foi levado em consideração o construto da legislação vigente no país: LAUDO TÉCNICO SEXTA SEMANA Universidade Municipal de São Caetano do Sul USCS Responsável Técnica: Profa. Marta Angela Marcondes Equipe técnica: PROJETO EXPEDIÇÃO BILLINGS: PROBLEMAS E SOLUÇÕES MAIS UMA

Leia mais

Características Ecológicas dos Açudes (Reservatórios) do Semi-Árido

Características Ecológicas dos Açudes (Reservatórios) do Semi-Árido Características Ecológicas dos Açudes (Reservatórios) do Semi-Árido Reservatórios ocupam hoje cerca de 600.000 km 2 de águas represadas em todo o planeta. A construção de reservatórios tem origem muito

Leia mais

MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO BENFICA COM VISTAS À SUA PRESERVAÇÃO

MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO BENFICA COM VISTAS À SUA PRESERVAÇÃO MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO BENFICA COM VISTAS À SUA PRESERVAÇÃO J. S. M. NOGUEIRA 1, L.F. SANTOS 2 1 Escola de Engenharia de Lorena USP 2 Escola de Engenharia de Lorena

Leia mais

SUMÁRIO 1. Considerações iniciais 2. Bacia do rio Macaé 3. Bacia do rio das Ostras 4. Bacia da lagoa de Imboacica 5.

SUMÁRIO 1. Considerações iniciais 2. Bacia do rio Macaé 3. Bacia do rio das Ostras 4. Bacia da lagoa de Imboacica 5. ESTUDOS E INVENTÁRIO QUALITATIVO DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS SUMÁRIO 1. Considerações iniciais 2. Bacia do rio Macaé 3. Bacia do rio das Ostras 4. Bacia da lagoa de Imboacica 5. Próximas etapas 1 - Considerações

Leia mais

Recursos Hídricos. Qualidade da água para usos múltiplos. Maurício A. Leite

Recursos Hídricos. Qualidade da água para usos múltiplos. Maurício A. Leite Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira Recursos Hídricos Recursos Hídricos Qualidade da água para usos múltiplos Maurício A. Leite O que são recursos

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CISTERNAS RESIDENCIAIS NO MUNICÍPIO DE ARARUNA-PB

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CISTERNAS RESIDENCIAIS NO MUNICÍPIO DE ARARUNA-PB ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CISTERNAS RESIDENCIAIS NO MUNICÍPIO DE ARARUNA-PB Bruno Andrade de Freitas (1); Anderson Oliveira de Sousa (1); Maick Sousa Almeida (2); Felipe Augusto da Silva Santos (3);

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DOS MANANCIAIS QUE ABASTECEM A CIDADE DE SALVADOR (BA)

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DOS MANANCIAIS QUE ABASTECEM A CIDADE DE SALVADOR (BA) AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DOS MANANCIAIS QUE ABASTECEM A CIDADE DE SALVADOR (BA) Helena Maria A. Alves 1, Cristina Yassuko Yamanaka 2, Miguel A. L. Azcona³, Valter A. Brasil 4, Rui Jesus L.Garcia

Leia mais

Avaliação preliminar das nascentes do Rio Mundaú inserida na zona urbana do município de Garanhuns

Avaliação preliminar das nascentes do Rio Mundaú inserida na zona urbana do município de Garanhuns Avaliação preliminar das nascentes do Rio Mundaú inserida na zona urbana do município de Garanhuns Tafnes da Silva Andrade Márcio Nóbrega ; Adrielle Castilho & Genilza França CPRH/UIGA INTRODUÇÃO Entende-se

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 22 Meio Aquático I Profª Heloise Knapik 1 Estudo de Caso: Salto, SP 2 Fonte: Departamento de Águas e Energia Elétrica - DAEE 3

Leia mais

INFLUÊNCIA DE FOSSAS NEGRAS NA CONTAMINAÇÃO DE POÇOS SUBTERRÂNEOS NA COMUNIDADE VILA NOVA, ITAIÇABA-CEARÁ 1

INFLUÊNCIA DE FOSSAS NEGRAS NA CONTAMINAÇÃO DE POÇOS SUBTERRÂNEOS NA COMUNIDADE VILA NOVA, ITAIÇABA-CEARÁ 1 1 INFLUÊNCIA DE FOSSAS NEGRAS NA CONTAMINAÇÃO DE POÇOS SUBTERRÂNEOS NA COMUNIDADE VILA NOVA, ITAIÇABA-CEARÁ 1 Yanna Julia Dantas de Souza 2, Jardson Álvaro Freitas Bezerra 3, Hozineide Oliveira Rolim 4,

Leia mais

MONITORAMENTO EDÁFICO HÍDRICO

MONITORAMENTO EDÁFICO HÍDRICO MONITORAMENTO EDÁFICO HÍDRICO A Veracel realiza monitoramento dos solos e da água de rios nas áreas de influência dos plantios de eucalipto, com o objetivo de acompanhar os impactos da atividade silvicultural

Leia mais

I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA

I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA ANÁLISE INTEGRADA DA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS DA BACIA DO RIO IPITANGA, BAHIA, BRASIL Charlene Luz, MSc (SENAI/CETIND) Luiz Roberto

Leia mais

INTRODUÇÃO À QUALIDADE DAS ÁGUAS E AO TRATAMENTO DE ESGOTOS

INTRODUÇÃO À QUALIDADE DAS ÁGUAS E AO TRATAMENTO DE ESGOTOS INTRODUÇÃO À QUALIDADE DAS ÁGUAS E AO TRATAMENTO DE ESGOTOS Nádia Maria Moreira e Silva nadiaponto@gmail.com Prof. Dr. Nivaldo dos Santos nivaldodossantos@bol.com.br RESUMO: A água é um dos compostos inorgânicos

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO IGARAPÉ DA FORTALEZA AMAPÁ

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO IGARAPÉ DA FORTALEZA AMAPÁ ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO IGARAPÉ DA FORTALEZA AMAPÁ L. de A. da SILVA, L. R. de SOUZA e A. C. da CUNHA Universidade do Estado do Amapá, Departamento de Engenharia Química

Leia mais

QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO VELHO QUIXERÉ ATRAVÉS DE MACRÓFITAS

QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO VELHO QUIXERÉ ATRAVÉS DE MACRÓFITAS QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO VELHO QUIXERÉ ATRAVÉS DE MACRÓFITAS Patrícia Raquel Vidal do Nascimento (1); Dayane de Andrade Lima (2); Leudhony Silva Oliveira (3); Hosineide de Oliveira Rolim (1) Graduanda

Leia mais

Relatório de Ensaios Engequisa Nº 10317/16 Revisão 00

Relatório de Ensaios Engequisa Nº 10317/16 Revisão 00 Amostra Entrada da Estação de Tratamento - Efluente Sanitário Código 10317/16-01 Coleta em 21/11/16 10:00 Término da Coleta 10:05 Resultado Unidade Limite aceitável (L1) LQ Método Agentes Tensoativos 0,8

Leia mais

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA e MICROBIOLOGICA CERTIFICADO N 0261/2009

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA e MICROBIOLOGICA CERTIFICADO N 0261/2009 CERTIFICADO N 0261/2009 Amostra: 0261 Solicitante: PROGEL Origem: Ponto 01 Coordenadas Georeferenciadas: E = 229059 N = 9282462 PARÂMETROS V.M.P (*) Ponto 01 Oxigênio dissolvido, mg/l de O 2 5,00 9,00

Leia mais

ATUAL SITUAÇÃO DAS CLASSES DOS CORPOS HÍDRICOS DO RIO GRAMAME

ATUAL SITUAÇÃO DAS CLASSES DOS CORPOS HÍDRICOS DO RIO GRAMAME ATUAL SITUAÇÃO DAS CLASSES DOS CORPOS HÍDRICOS DO RIO GRAMAME 1 Jacilândio Adriano de Oliveira Segundo; 2 Breno Pires de Vasconcelos; 3 Lucena Rangel Travassos Filho; 4 Pedro dos Santos Leitão Nunes. 1

Leia mais

Distribuição espacial do índice de qualidade da água e a relação com o uso e ocupação do solo da bacia hidrográfica do rio Ratones

Distribuição espacial do índice de qualidade da água e a relação com o uso e ocupação do solo da bacia hidrográfica do rio Ratones Distribuição espacial do índice de qualidade da água e a relação com o uso e ocupação do solo da bacia hidrográfica do rio Ratones Cláudia Weber Corseuil 1 Nayla Campos Libos 2 Cristiane Funghetto Fuzinatto

Leia mais

MEIO FÍSICO. ÁREA DE INFLUÊNCIA Bacia de Drenagem para o Reservatório O rio Paranaíba

MEIO FÍSICO. ÁREA DE INFLUÊNCIA Bacia de Drenagem para o Reservatório O rio Paranaíba Qualidade da Água MEIO FÍSICO ÁREA DE INFLUÊNCIA Bacia de Drenagem para o Reservatório O rio Paranaíba Médias mensais de vazão entre os anos de 1931 e 2009 na estação da ANA 60012100 - Ponte Vicente Goulart.

Leia mais

BOLETIM DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DA REGIÃO HIDROGRÁFICA IX - BAIXO PARAÍBA DO SUL E ITABAPOANA

BOLETIM DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DA REGIÃO HIDROGRÁFICA IX - BAIXO PARAÍBA DO SUL E ITABAPOANA REGIÃO HIDROGRÁFICA IX - BAIXO PARAÍBA DO SUL E ITABAPOANA Este boletim apresenta os últimos resultados do monitoramento dos corpos de água doce da Região Hidrogáfica IX, sendo retratados por meio da aplicação

Leia mais

POLUIÇÃO AMBIENTAL: DIAGNÓSTICO DAS FONTES CONTAMINANTES DO CÓRREGO DE TANQUES

POLUIÇÃO AMBIENTAL: DIAGNÓSTICO DAS FONTES CONTAMINANTES DO CÓRREGO DE TANQUES POLUIÇÃO AMBIENTAL: DIAGNÓSTICO DAS FONTES CONTAMINANTES DO CÓRREGO DE TANQUES Wilhiany de Oliveira Ramos, Junior Tavares Machado, Jéssica Nascimento Amorim Viana, Michelle Ribeiro Pereira (1) ; Regina

Leia mais

3.2.5 PARATIBE. Municípios: Paulista e Olinda (parte).

3.2.5 PARATIBE. Municípios: Paulista e Olinda (parte). 34 3.2.5 PARATIBE Municípios: Paulista e Olinda (parte). Constituintes principais: Recebe como principais afluentes, pela margem esquerda, o Rio Mumbeca e o do Boi e, pela margem direita, o Cova da Onça,

Leia mais

QUALIDADE DAS ÁGUAS DO AQÜÍFERO FURNAS NA CIDADE DE RONDONÓPOLIS (MT).

QUALIDADE DAS ÁGUAS DO AQÜÍFERO FURNAS NA CIDADE DE RONDONÓPOLIS (MT). QUALIDADE DAS ÁGUAS DO AQÜÍFERO FURNAS NA CIDADE DE RONDONÓPOLIS (MT). Alterêdo Oliveira Cutrim ; Ana Lícia Fonseca Cutrim ABSTRACT This research was carried out in Rondonopolis city, Mato Grosso state,

Leia mais

A DEGRADAÇÃO DO RIO DAS CONTAS NA ZONA URBANA DA CIDADE DE JEQUIÉ BA

A DEGRADAÇÃO DO RIO DAS CONTAS NA ZONA URBANA DA CIDADE DE JEQUIÉ BA A DEGRADAÇÃO DO RIO DAS CONTAS NA ZONA URBANA DA CIDADE DE JEQUIÉ BA Elielma Santana Fernandes (1) ; Neylor Calasans Rego (2) ; Raquel Maria Oliveira (3) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA ANTRÓPICA NO RIO PALMITAL

AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA ANTRÓPICA NO RIO PALMITAL AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA ANTRÓPICA NO RIO PALMITAL R. Gregório*, J.C.R. Azevedo** e M. M. Santos * *Departamento Acadêmico de Química e Biologia/UTFPR, Curitiba, Brasil ** Departamento Acadêmico de Química

Leia mais

A RESOLUÇÃO CONAMA 20/86 E AS LEGISLAÇÕES ESTADUAIS DE CLASSIFICAÇÃO DAS ÁGUAS E LANÇAMENTO DE EFLUENTES

A RESOLUÇÃO CONAMA 20/86 E AS LEGISLAÇÕES ESTADUAIS DE CLASSIFICAÇÃO DAS ÁGUAS E LANÇAMENTO DE EFLUENTES A RESOLUÇÃO CONAMA 0/86 E AS LEGISLAÇÕES ESTADUAIS DE CLASSIFICAÇÃO DAS ÁGUAS E LANÇAMENTO DE EFLUENTES Marcos von Sperling (1) Engenheiro Civil. Doutor em Engenharia Ambiental pelo Imperial College, Universidade

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO GRAMAME - PB

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO GRAMAME - PB MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO GRAMAME - PB Tamires de Queiroz VIEIRA 1, Isaura Macedo ALVES 1, Jaqueline Pereira SALGADO 1 1 Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Estadual

Leia mais

Aplicação de Jardins Filtrantes como Sistemas Descentralizados no Tratamento de Esgoto Prof. Rodrigo de Freitas Bueno (SENAC)

Aplicação de Jardins Filtrantes como Sistemas Descentralizados no Tratamento de Esgoto Prof. Rodrigo de Freitas Bueno (SENAC) Aplicação de Jardins Filtrantes como Sistemas Descentralizados no Tratamento de Esgoto Prof. Rodrigo de Freitas Bueno (SENAC) rodrigo.fbueno@sp.senac.br 26 de Março de 2013 INTRODUÇÃO A qualidade da água

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO RIACHO CAQUENDE, CACHOEIRA, BAHIA, PARA FINS DE ABASTECIMENTO HUMANO

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO RIACHO CAQUENDE, CACHOEIRA, BAHIA, PARA FINS DE ABASTECIMENTO HUMANO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO RIACHO CAQUENDE, CACHOEIRA, BAHIA, PARA FINS DE ABASTECIMENTO HUMANO Neide de Jesus Souza ¹ Bióloga, Especialista em monitoramento de recursos hídricos. e-mail: neidej1lucas@gmail.com

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE RISCOS AMBIENTAIS E ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE TRECHO DO RIO GUANDU

DIAGNÓSTICO DE RISCOS AMBIENTAIS E ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE TRECHO DO RIO GUANDU DIAGNÓSTICO DE RISCOS AMBIENTAIS E ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE TRECHO DO RIO GUANDU Albieri, Rafael 1 ; Firmino, Felipe 2 ; Ribeiro, Ariel 2 1 Colégio Técnico da Universidade Federal Rural

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO CAPTAÇÃO DE ÁGUA Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br Website:

Leia mais

Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica. Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva

Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica. Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva 1 Ciclo hidrológico global Energia do sol que atua sobre o sistema terrestre: 36% de toda a energia que chega a terra é utilizada

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 23 O meio aquático II: Monitoramento e parâmetros de qualidade de água Prof.ª Heloise Knapik 1 Bacia do Alto Iguaçu Ocupação Urbana

Leia mais

Ruiter Lima Morais 1 Yara Vanessa Portuguez Fonseca¹ RESUMO

Ruiter Lima Morais 1 Yara Vanessa Portuguez Fonseca¹ RESUMO AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE DBO E DE DQO DA ÁGUA RESIDUÁRIA DE UMA INDÚSTRIA FARMOCOSMECÊUTICA EMPREGANDO O PROCESSO DE LODOS ATIVADOS POR AERAÇÃO PROLONGADA Ruiter Lima Morais 1 Yara Vanessa Portuguez Fonseca¹

Leia mais

Fontes Pontuais. Fontes não Pontuais

Fontes Pontuais. Fontes não Pontuais Fontes Pontuais Fontes não Pontuais Fonte: Raven et al, 1998 Verh. Internat. Verein. Limnol., Vol 30 Fonte: Likens, 1992 Fonte: Likens, 1992 Annual lead budget for a forest watershed-ecosystem at Hubbard

Leia mais

ANA LÚCIA MASTRASCUSA RODRIGUES Serviço da Região do Uruguai Departamento de Qualidade Ambiental FEPAM

ANA LÚCIA MASTRASCUSA RODRIGUES Serviço da Região do Uruguai Departamento de Qualidade Ambiental FEPAM Enquadramento em Classes de Uso: Parâmetros de Qualidade X Múltiplos Usos Alegrete, 6 de outubro de 2006 assisbrasil.org/joao/alegrete1.jpg ANA LÚCIA MASTRASCUSA RODRIGUES Serviço da Região do Uruguai

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO RIO PARNAÍBA NO MEIO URBANO DA CIDADE DE TERESINA PI Victor Fabrício Magalhães Carvalho

ANÁLISE DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO RIO PARNAÍBA NO MEIO URBANO DA CIDADE DE TERESINA PI Victor Fabrício Magalhães Carvalho ANÁLISE DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO RIO PARNAÍBA NO MEIO URBANO DA CIDADE DE TERESINA PI Victor Fabrício Magalhães Carvalho Graduando em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Piauí, Teresina, Piauí

Leia mais

FOMENTAR e APOIAR a ORGANIZAÇÃO e o DESENVOLVIMETO da CADEIA PRODUTIVA da AQUACULTURA

FOMENTAR e APOIAR a ORGANIZAÇÃO e o DESENVOLVIMETO da CADEIA PRODUTIVA da AQUACULTURA CÂMARA TÉCNICA SETORIAL da AQUACULTURA Objetivo FOMENTAR e APOIAR a ORGANIZAÇÃO e o DESENVOLVIMETO da CADEIA PRODUTIVA da AQUACULTURA Prof. Aluísio Pimenta Coordenador Assessoria do Governador A Aquacultura

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAÉ SECRETARIA DE AMBIENTE COORDENADORIA DE RECURSOS HÍDRICOS

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAÉ SECRETARIA DE AMBIENTE COORDENADORIA DE RECURSOS HÍDRICOS Monitoramento da Lagoa de Imboassica e do Rio Imboassica Relatório Mensal Agosto 2011 1 Sumário Sumário...2 Introdução...3 Área de Estudo...4 Resultados e Discussão...5 Educação Ambiental...7 Fotos...8

Leia mais

Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014

Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014 Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014 1 Sumário Executivo Apresentação A Bacia Hidrográfica do Alto

Leia mais

Influência das condições operacionais na eficiência de Estações de Tratamento de Esgotos.

Influência das condições operacionais na eficiência de Estações de Tratamento de Esgotos. Painel 3 - Operação de Estações de Tratamento de Esgotos Influência das condições operacionais na eficiência de Estações de Tratamento de Esgotos. Cícero Onofre de Andrade Neto ANDRADE NETO, Cícero O.

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PIRANGI ATRAVÉS DA APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA (IQA)

DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PIRANGI ATRAVÉS DA APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA (IQA) DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PIRANGI ATRAVÉS DA APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA (IQA) Thayse Naianne Pires Dantas 1, Juçara Ramalho de Medeios 2, Saury Kitayama

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO CORREGO DA MANDIOCA, MUNICÍPIO DE DIVINÓPOLIS - MG. Eixo Temático: Gerenciamento de Recursos Hídricos e Energéticos

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO CORREGO DA MANDIOCA, MUNICÍPIO DE DIVINÓPOLIS - MG. Eixo Temático: Gerenciamento de Recursos Hídricos e Energéticos AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO CORREGO DA MANDIOCA, MUNICÍPIO DE DIVINÓPOLIS - MG Francilene Sthefanie de Camargos (1) ; Marco Antônio Vieira (2) ; Samara Aparecida da Silva (3) (1) Estudante; Faculdade

Leia mais

Sustentabilidade hidrológica: uma questão de manejo eficiente para os usos múltiplos dos sistemas aquáticos. Maria do Carmo Calijuri

Sustentabilidade hidrológica: uma questão de manejo eficiente para os usos múltiplos dos sistemas aquáticos. Maria do Carmo Calijuri Sustentabilidade hidrológica: uma questão de manejo eficiente para os usos múltiplos dos sistemas aquáticos Maria do Carmo Calijuri Professora Titular Departamento de Hidráulica e Saneamento Escola de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DAS LAGOAS URBANAS NO MUNICÍPIO DE SALVADOR BA.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DAS LAGOAS URBANAS NO MUNICÍPIO DE SALVADOR BA. AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DAS LAGOAS URBANAS NO MUNICÍPIO DE SALVADOR BA. Aiane Catarina Fernandes Faria (1) Engenheira Ambiental pela Faculdade Area1. e-mail: aiane.faria@gmail.com Eduardo Farias

Leia mais

Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água

Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Assegurar água bruta em quantidade e qualidade para o SAA

Leia mais

Qualidade das águas do Rio São João

Qualidade das águas do Rio São João 2014 01 Qualidade das águas do Rio São João O presente relatório é um compendio de estudos e dados - referentes ao mês de janeiro de 2014 - que integra o processo de monitoramento ambiental dos Rios São

Leia mais

CONTROLE DA QUALIDADE DE EFLUENTES - CONAMA, LIMITES ESPECIFICADOS E CONTROLES ANALÍTICOS E INDICADORES DE CONTAMINAÇÃO: SITUAÇÃO ATUAL E TENDÊNCIAS

CONTROLE DA QUALIDADE DE EFLUENTES - CONAMA, LIMITES ESPECIFICADOS E CONTROLES ANALÍTICOS E INDICADORES DE CONTAMINAÇÃO: SITUAÇÃO ATUAL E TENDÊNCIAS CONTROLE DA QUALIDADE DE EFLUENTES - CONAMA, LIMITES ESPECIFICADOS E CONTROLES ANALÍTICOS E INDICADORES DE CONTAMINAÇÃO: SITUAÇÃO ATUAL E TENDÊNCIAS Prof. Dr. Carlos Alexandre Borges Garcia EFLUENTE Efluentes

Leia mais

Avaliação da qualidade da água do rio Bonzinho no município de JI-Paraná, RO

Avaliação da qualidade da água do rio Bonzinho no município de JI-Paraná, RO DOI: 10.5935/2177-4560.20130001 Avaliação da qualidade da água do rio Bonzinho no município de JI-Paraná, RO Evaluation of water quality of Rio Bonzinho in the city of Ji-Paraná, RO Aline Rolim Vieira

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ÁGUA DO RESERVATÓRIO POÇÕES EM MONTEIRO/PB: USO PARA ABASTECIMENTO HUMANO E CONSTRUÇÃO CIVIL

AVALIAÇÃO DA ÁGUA DO RESERVATÓRIO POÇÕES EM MONTEIRO/PB: USO PARA ABASTECIMENTO HUMANO E CONSTRUÇÃO CIVIL AVALIAÇÃO DA ÁGUA DO RESERVATÓRIO POÇÕES EM MONTEIRO/PB: USO PARA ABASTECIMENTO HUMANO E CONSTRUÇÃO CIVIL Whelson Oliveira de BRITO 1, Keliana Dantas SANTOS 1, Ricardo Alves dos SANTOS 1, Hildegardes Pereira

Leia mais

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DO ESGOTO DE UMA UNIVERSIDADE PÚBLICA COM PROPOSTA DE TRATAMENTO BIOLÓGICO PARA REUSO NA PRÓPRIA INSTITUIÇÃO

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DO ESGOTO DE UMA UNIVERSIDADE PÚBLICA COM PROPOSTA DE TRATAMENTO BIOLÓGICO PARA REUSO NA PRÓPRIA INSTITUIÇÃO ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DO ESGOTO DE UMA UNIVERSIDADE PÚBLICA COM PROPOSTA DE TRATAMENTO BIOLÓGICO PARA REUSO NA PRÓPRIA INSTITUIÇÃO Matheus Urtiga Sousa Universidade Estadual da Paraíba

Leia mais

sólidos - a incineração, mostrada nas figuras 15 e 16. Muitos proprietários queimam seus lixos

sólidos - a incineração, mostrada nas figuras 15 e 16. Muitos proprietários queimam seus lixos 49 Figura 14 - Deposição de lixo. Na área estudada, é comum outra prática inadequada de tratamento dos resíduos sólidos - a incineração, mostrada nas figuras 15 e 16. Muitos proprietários queimam seus

Leia mais

Revista de Geografia (UFPE) V. 30, No. 1, 2013

Revista de Geografia (UFPE) V. 30, No. 1, 2013 PKS PUBLIC KNOWLEDGE PROJECT Revista de Geografia (UFPE) V. 30, No. 1, 2013 REVISTA DE GEOGRAFIA (UFPE) www.ufpe.br/revistageografia OJS OPEN JOURNAL SYSTEMS USO DO SOLO DA SUB-BACIA DO CÓRREGO ANDRÉ E

Leia mais

INCIDÊNCIA DE COLIFORMES TOTAIS E ESCHERICHIA COLI NAS ÁGUAS UTILIZADAS PARA IRRIGAÇÃO PELA COMINIDADE DO MUNICÍPIO DE PAÇO DO LUMIAR- MA

INCIDÊNCIA DE COLIFORMES TOTAIS E ESCHERICHIA COLI NAS ÁGUAS UTILIZADAS PARA IRRIGAÇÃO PELA COMINIDADE DO MUNICÍPIO DE PAÇO DO LUMIAR- MA INCIDÊNCIA DE COLIFORMES TOTAIS E ESCHERICHIA COLI NAS ÁGUAS UTILIZADAS PARA IRRIGAÇÃO PELA COMINIDADE DO MUNICÍPIO DE PAÇO DO LUMIAR- MA SILVA, G.C;¹ BRINGEL, J.M.M² 1 INTRODUÇÃO A disponibilidade de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO DE ONDAS/BA COM BASE NA CONCENTRAÇÃO DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO DE ONDAS/BA COM BASE NA CONCENTRAÇÃO DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO DE ONDAS/BA COM BASE NA CONCENTRAÇÃO DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO Nayara Silva Perazzo de Araújo Graduanda em Geografia - ICAD/UFBA nayperazzo@hotmail.com Luzia Maria da

Leia mais

Recuperação da cobertura florestal na bacia do rio Corumbataí

Recuperação da cobertura florestal na bacia do rio Corumbataí SÉRIE TÉCNICA IPEF v. 12, n. 32, p. 121-126, dez. 1998 Recuperação da cobertura florestal na bacia do rio Corumbataí Arlet Maria Almeida Nassif Prefeitura Municipal de Piracicaba Em 1887, a cidade de Piracicaba

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO ESTADO DE EUTROFIZAÇÃO DE RESERVATÓRIOS:

DETERMINAÇÃO DO ESTADO DE EUTROFIZAÇÃO DE RESERVATÓRIOS: GRADUAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO S A N E A M E N T O DETERMINAÇÃO DO ESTADO DE EUTROFIZAÇÃO DE RESERVATÓRIOS: ESTUDO DE CASO DO LAGO BARIGUI Msc. Carla Cristina Bem Curitiba, 2009 Dessedentação animal Abastecimento

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação da alcalinidade pelo método titulométrico. SMWW, 22ª Edição, Método

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação da alcalinidade pelo método titulométrico. SMWW, 22ª Edição, Método ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 6 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CQLAB - Consultoria e Controle de Qualidade Ltda. Determinação

Leia mais

QUALIDADE DA ÁGUA DA CHUVA

QUALIDADE DA ÁGUA DA CHUVA QUALIDADE DA ÁGUA DA CHUVA Luis Alberto Andrade Junior Graduando em Engenharia Sanitária e Ambiental. e-mail: luis_ba7@hotmail.com Raphael Almeida dos Santos Graduando em Engenharia Sanitária e Ambiental.

Leia mais

4 SANEAMENTO BÁSICO DEMANDA BIOQUÍMICA DE OXIGÊNIO - DBO

4 SANEAMENTO BÁSICO DEMANDA BIOQUÍMICA DE OXIGÊNIO - DBO CARGA DE DBO É o produto da DBO pela vazão média do efluente. Exemplo: Dada a DBO 5 = 250mg/L para determinado esgoto com vazão de 500 L/s, a carga de DBO será: Carga de DBO = 250 mg/l x 500 L/s = 125000

Leia mais

Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa

Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa Aspectos Higiênicos da Água Prof. Jean Berg Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa na natureza

Leia mais

Conflitos ambientais em áreas de preservação permanente da rede hidrográfica do rio Jacuí-Mirim/RS

Conflitos ambientais em áreas de preservação permanente da rede hidrográfica do rio Jacuí-Mirim/RS Conflitos ambientais em áreas de preservação permanente da rede hidrográfica do rio Jacuí-Mirim/RS Gisieli Kramer 1 Aline Biasoli Trentin 1 Waterloo Pereira Filho 1 1 Universidade Federal de Santa Maria

Leia mais

Quantidade de água no planeta

Quantidade de água no planeta HIDROGRAFIA Quantidade de água no planeta O Brasil possui: 10% da água superficial disponível para consumo no mundo. No Brasil a distribuição é desigual. - 70% na Amazônia - 27% no Centro-Sul - 3% no

Leia mais

Gestão da Qualidade da Água para Consumo Humano em Contexto Comunitário: O Caso do Rio Mucatu PB

Gestão da Qualidade da Água para Consumo Humano em Contexto Comunitário: O Caso do Rio Mucatu PB Gestão da Qualidade da Água para Consumo Humano em Contexto Comunitário: O Caso do Rio Mucatu PB Alyne Cavalcanti da Silva (Técnica em Recursos Naturais e graduanda em Gestão Ambiental IFPB). cavalcanti.alyne@gmail.com

Leia mais

ANÁLISES ESTATÍSTICAS DOS PARÂMETROS DE QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO DO CAMPO NA CIDADE DE CAMPO MOURÃO PR.

ANÁLISES ESTATÍSTICAS DOS PARÂMETROS DE QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO DO CAMPO NA CIDADE DE CAMPO MOURÃO PR. ANÁLISES ESTATÍSTICAS DOS PARÂMETROS DE QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO DO CAMPO NA CIDADE DE CAMPO MOURÃO PR. Francielle Rocha Santos [PIBIC/Voluntário]¹, Eudes José Arantes [Orientador]², Alexandre Rafael Kelniar

Leia mais

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo Título da Pesquisa: O caminho das Águas no IFMG - Câmpus Bambuí Palavras-chave: Qualidade de água; limnologia; piscicultura Campus: Bambuí Tipo de Bolsa: PIBIC Financiador: FAPEMIG Bolsista (as): Renilma

Leia mais

ANÁLISE DE CLORETO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CAMPUS CAMBORIÚ

ANÁLISE DE CLORETO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CAMPUS CAMBORIÚ ANÁLISE DE CLORETO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CAMPUS CAMBORIÚ Yuri Farias LIMA 1 ; Vitor COSTA 1 ; Adriano MARTENDAL 2, Ana Cristina Franzoi TEIXEIRA 3 1 Estudante do Curso

Leia mais

EFICIÊNCIA NA ADERÊNCIA DOS ORGANISMOS DECOMPOSITORES, EMPREGANDO-SE DIFERENTES MEIOS SUPORTES PLÁSTICOS PARA REMOÇÃO DOS POLUENTES

EFICIÊNCIA NA ADERÊNCIA DOS ORGANISMOS DECOMPOSITORES, EMPREGANDO-SE DIFERENTES MEIOS SUPORTES PLÁSTICOS PARA REMOÇÃO DOS POLUENTES EFICIÊNCIA NA ADERÊNCIA DOS ORGANISMOS DECOMPOSITORES, EMPREGANDO-SE DIFERENTES MEIOS SUPORTES PLÁSTICOS PARA REMOÇÃO DOS POLUENTES Nome dos autores: Jarllany Cirqueira Lopes; Liliana Pena Naval Jarllany

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação da Cor pelo método espectrofotométrico - comprimento de onda único LQ: 10 CU

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação da Cor pelo método espectrofotométrico - comprimento de onda único LQ: 10 CU ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO ANGLOGOLD ASHANTI CÓRREGO DO SÍTIO MINERAÇÃO S/A LABORATÓRIO

Leia mais

É COM VOCÊ. cartilha. Reservatórios: degradação ambiental (?) Meio Ambiente / Série: Água Nº 2 Escassez de chuva ou. Janeiro/ ,00 556,00

É COM VOCÊ. cartilha. Reservatórios: degradação ambiental (?) Meio Ambiente / Série: Água Nº 2 Escassez de chuva ou. Janeiro/ ,00 556,00 cartilha Janeiro/2013 É COM VOCÊ Reservatórios: Meio Ambiente / Série: Água Nº 2 Escassez de chuva ou degradação ambiental (?) 558,00 556,00 Nível máximo operativo 554,00 552,00 550,00 Nível mínimo operativo

Leia mais

disposição de resíduos, mesmo que tratados.

disposição de resíduos, mesmo que tratados. Usos: Abastecimento para consumo humano, com desinfecção Preservação do equilíbrio natural das comunidades aquáticas Preservação dos ambientes aquáticos em unidades de conservação de proteção integral

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS EM UMA BACIA URBANA E SUA INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DAS ÁGUAS.

IMPACTOS AMBIENTAIS EM UMA BACIA URBANA E SUA INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DAS ÁGUAS. - 1 - IMPACTOS AMBIENTAIS EM UMA BACIA URBANA E SUA INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DAS ÁGUAS. André Torres Petry*, Ângela Hamester* & David Motta Marques** Alunos de pós-graduação* e professor** do Instituto

Leia mais

IBGE apresenta ranking dos 10 rios mais poluídos do Brasil

IBGE apresenta ranking dos 10 rios mais poluídos do Brasil IBGE apresenta ranking dos 10 rios mais poluídos do Brasil Os indicadores do IBGE revelam quais bacias de água doce estão em situação mais crítica, apresentando os 10 rios mais poluídos do país. Os IQAs

Leia mais

XI Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste

XI Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste XI Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ÁGUA DE RIOS EM REGIÕES SEMIÁRIDAS - ESTUDO DE CASO - BACIA DO RIO SALITRE BAHIA Zúri Bao Pessôa Aníbal

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA TRATADA DISTRIBUÍDA PELA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA (ETA) II EM GASPAR, SC

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA TRATADA DISTRIBUÍDA PELA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA (ETA) II EM GASPAR, SC VIII Encontro de Recursos Hídricos de Sergipe 26 ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA TRATADA DISTRIBUÍDA PELA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA (ETA) II EM GASPAR, SC Camila Guesser 1 Matheus Leandro Gonçalves

Leia mais

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DA ÁGUA DESTINADA AO CONSUMO HUMANO

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DA ÁGUA DESTINADA AO CONSUMO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO DA SAÚDE E ASSUNTOS SOCIAIS, IP-RAM PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DA ÁGUA DESTINADA AO

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TRECHO DO ALTO CURSO DO RIO UBERABA UBERABA/MG

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TRECHO DO ALTO CURSO DO RIO UBERABA UBERABA/MG AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TRECHO DO ALTO CURSO DO RIO UBERABA UBERABA/MG Aline Claro de Oliveira Guglielmeli (1) ; Andrea Cristina de Minas e Souza (2) ; Vinicius Alexandre Sikora de Souza (3)

Leia mais

Parâmetros de qualidade de água SANEAMENTO AMBIENTAL EXPERIMENTAL TH 758

Parâmetros de qualidade de água SANEAMENTO AMBIENTAL EXPERIMENTAL TH 758 Parâmetros de qualidade de água SANEAMENTO AMBIENTAL EXPERIMENTAL TH 758 Prof. J. Sánez Prof. Dra. H. Knapik Resp. Tec. Lab. L. Prado Universidade Federal do Paraná 3 /2015 Aula 03 Teoria e determinação

Leia mais

VI INFLUÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA QUALIDADE DE UM CORPO RECEPTOR EM ÁREA URBANA

VI INFLUÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA QUALIDADE DE UM CORPO RECEPTOR EM ÁREA URBANA VI-013 - INFLUÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA QUALIDADE DE UM CORPO RECEPTOR EM ÁREA URBANA Tsunao Matsumoto (1) Engenheiro Civil, Mestre e Doutor em Hidráulica e Saneamento

Leia mais

INFLUÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DE ATIVIDADES DE GARIMPO DE PEDRAS PRECIOSAS NA QUALIDADE DAS ÁGUAS NO MUNICÍPIO DE SÃO MARTINHO DA SERRA RS

INFLUÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DE ATIVIDADES DE GARIMPO DE PEDRAS PRECIOSAS NA QUALIDADE DAS ÁGUAS NO MUNICÍPIO DE SÃO MARTINHO DA SERRA RS INFLUÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DE ATIVIDADES DE GARIMPO DE PEDRAS PRECIOSAS NA QUALIDADE DAS ÁGUAS NO MUNICÍPIO DE SÃO MARTINHO DA SERRA RS Nadia Bernardi Bonumá 1 ; Maria do Carmo Cauduro Gastaldini 2, João

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS URBANOS O Caos Ambiental das Cidades Brasileiras

IMPACTOS AMBIENTAIS URBANOS O Caos Ambiental das Cidades Brasileiras IMPACTOS AMBIENTAIS URBANOS O Caos Ambiental das Cidades Brasileiras PROF.: ROBERT OLIVEIRA robertgeografia@gmail.com POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA: INVERSÃO TÉRMICA E SMOG PROF.: ROBERT OLIVEIRA robertgeografia@gmail.com

Leia mais

DEGRADAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA NO MEIO URBANO

DEGRADAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA NO MEIO URBANO DEGRADAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA NO MEIO URBANO Carlos E. SILVA Doutor em. Engenharia Química,Professor do Departamento de Hidráulica e Saneamento - UFSM, Faixa Camobi Km 9 Campus Universitário da UFSM

Leia mais

O 2º do artigo 22 passa a vigorar com a seguinte redação:

O 2º do artigo 22 passa a vigorar com a seguinte redação: SUGESTÃO Nº 113 Autor: MÁRCIA O. KAUFFMAN O 2º do artigo 22 passa a vigorar com a seguinte redação: Art. 22 -... 1º -... 2º - Para a elaboração de Planos de Estruturação Urbana, conforme o estabelecido

Leia mais

AVALIAÇÃO DA POLUIÇÃO DE UMA LAGOA URBANA DE MARACANAÚ/CE LAGOA DO MINGAU

AVALIAÇÃO DA POLUIÇÃO DE UMA LAGOA URBANA DE MARACANAÚ/CE LAGOA DO MINGAU AVALIAÇÃO DA POLUIÇÃO DE UMA LAGOA URBANA DE MARACANAÚ/CE LAGOA DO MINGAU Pollyana Cristina Vasconcelos de MORAIS (1); Paulo César Cunha LIMA (2) (1) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Resolução CONAMA Nº 396, de 03 de Abril de Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais para o enquadramento das águas subterrâneas.

Resolução CONAMA Nº 396, de 03 de Abril de Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais para o enquadramento das águas subterrâneas. Resolução CONAMA Nº 396, de 03 de Abril de 2008 Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais para o enquadramento das águas subterrâneas. - Definições Águas subterrâneas: águas que ocorrem naturalmente

Leia mais

MONITORAMENTO LIMNOLÓGICO E DA QUALIDADE DAS ÁGUAS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA PCH NINHO DA ÁGUIA PÓS-ENCHIMENTO DO RESERVATÓRIO

MONITORAMENTO LIMNOLÓGICO E DA QUALIDADE DAS ÁGUAS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA PCH NINHO DA ÁGUIA PÓS-ENCHIMENTO DO RESERVATÓRIO MONITORAMENTO LIMNOLÓGICO E DA QUALIDADE DAS ÁGUAS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA PCH NINHO DA ÁGUIA PÓS-ENCHIMENTO DO RESERVATÓRIO Letícia Lisboa Santiago Marcondes 1 ; Roberto de Mattos* 2 ; Thays Cordeiro

Leia mais

CONIRD XVIII Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem - São Mateus, Espírito Santo - 27/07/2008 a 01/08/2008.

CONIRD XVIII Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem - São Mateus, Espírito Santo - 27/07/2008 a 01/08/2008. QUALIDADE DA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DE ILHA SOLTEIRA E SUA POTENCIALIDADE DE USO NA IRRIGAÇÃO M.A. LEITE 1 ; F.B.T. HERNANDEZ 2 ; RESUMO:O reservatório de Ilha Solteira foi formado em 1978 para a geração

Leia mais

LAUDO TÉCNICO TERCEIRA SEMANA. Universidade Municipal de São Caetano do Sul USCS. Responsável Técnica: Profa. Marta Angela Marcondes

LAUDO TÉCNICO TERCEIRA SEMANA. Universidade Municipal de São Caetano do Sul USCS. Responsável Técnica: Profa. Marta Angela Marcondes LAUDO TÉCNICO TERCEIRA SEMANA Universidade Municipal de São Caetano do Sul USCS Responsável Técnica: Profa. Marta Angela Marcondes Equipe técnica: PROJETO EXPEDIÇÃO BILLINGS: PROBLEMAS E SOLUÇÕES Para

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DE ILHA SOLTEIRA (BRASIL) VISANDO SEU APROVEITAMENTO MÚLTIPLO.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DE ILHA SOLTEIRA (BRASIL) VISANDO SEU APROVEITAMENTO MÚLTIPLO. AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DE ILHA SOLTEIRA (BRASIL) VISANDO SEU APROVEITAMENTO MÚLTIPLO. Maurício Augusto Leite (*) Engenheiro Agrônomo Universidade Federal de Viçosa - 1994 Mestre

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: rio urbano, condições sanitárias, rio Poxim, poluição hídrica, impacto ambiental. INTRODUÇÃO

PALAVRAS-CHAVE: rio urbano, condições sanitárias, rio Poxim, poluição hídrica, impacto ambiental. INTRODUÇÃO ASPECTOS GERAIS SOBRE A QUALIDADE AMBIENTAL E SANITÁRIA DE UM RIO URBANO: O CASO DO TRECHO URBANO DO RIO POXIM, SITUADO NO BAIRRO JABOTIANA, ARACAJU-SE José Daltro Filho (*), Leonardo de Melo Fonseca,

Leia mais

BACIA HIDROGRAFICA. Governo do Estado de São Paulo Secretaria do Meio Ambiente

BACIA HIDROGRAFICA. Governo do Estado de São Paulo Secretaria do Meio Ambiente BACIA HIDROGRAFICA Governo do Estado de São Paulo Secretaria do Meio Ambiente Bacia Hidrográfica Governo do Estado de São Paulo Secretaria do Meio Ambiente Governo do Estado de São Paulo Secretaria do

Leia mais

INFLUÊNCIA DO LIXÃO JANGURUSSU SOBRE A ÁGUA DO RIO COCÓ

INFLUÊNCIA DO LIXÃO JANGURUSSU SOBRE A ÁGUA DO RIO COCÓ INFLUÊNCIA DO LIXÃO JANGURUSSU SOBRE A ÁGUA DO RIO COCÓ Leite, L. V. (1) ; Oliveira, F. C. E. (1) ; Linhares, F. R. A. (1) ; Oliveira, R. L.G. (1) ; Leite, J. S. (1) ; Oliveira, M. S. (1) ; Nunes, L. T.

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Coliformes Fecais, Balneabilidade, Influência urbana. 1.0 INTRODUÇÃO

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Coliformes Fecais, Balneabilidade, Influência urbana. 1.0 INTRODUÇÃO AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DO CÓRREGO SÃO JOÃO NO APORTE DE CONTAMINAÇÃO FECAL NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS-BRASIL, E A RESPECTIVA INFLUÊNCIA NA BALNEABILIDADE DAS PRAIAS LOCAIS

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E ESTUDO DOS IMPACTOS DAS AÇÕES ANTRÓPICAS SOBRE A BACIA DO RIO COXIPÓ.

CARACTERIZAÇÃO E ESTUDO DOS IMPACTOS DAS AÇÕES ANTRÓPICAS SOBRE A BACIA DO RIO COXIPÓ. CARACTERIZAÇÃO E ESTUDO DOS IMPACTOS DAS AÇÕES ANTRÓPICAS SOBRE A BACIA DO RIO COXIPÓ. Adriana Xavier da Silva Bello Graduada em Letras - UNIVAG; Graduanda em Gestão Ambiental (IFMT); Mestranda em Educação

Leia mais

CC54Z - Hidrologia. Definições, aspectos gerais e o ciclo hidrológico. Universidade Tecnológica Federal do Paraná

CC54Z - Hidrologia. Definições, aspectos gerais e o ciclo hidrológico. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Universidade Tecnológica Federal do Paraná CC54Z - Hidrologia Definições, aspectos gerais e o ciclo hidrológico Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Objetivos da aula Definir hidrologia e engenharia hidrológica

Leia mais

MF-402.R-1 - MÉTODO DE COLETA DE AMOSTRAS DE EFLUENTES LÍQUIDOS INDUSTRIAIS

MF-402.R-1 - MÉTODO DE COLETA DE AMOSTRAS DE EFLUENTES LÍQUIDOS INDUSTRIAIS MF-402.R-1 - MÉTODO DE COLETA DE AMOSTRAS DE EFLUENTES LÍQUIDOS INDUSTRIAIS Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 192, de 28 de maio de 1981 Publicado no DOERJ de 30 de junho de 1981, com incorreções

Leia mais

IMPACTO DA CODISPOSIÇÃO DE LODO SÉPTICO NAS TRINCHEIRAS DE UM ATERRO SANITÁRIO RESUMO

IMPACTO DA CODISPOSIÇÃO DE LODO SÉPTICO NAS TRINCHEIRAS DE UM ATERRO SANITÁRIO RESUMO IMPACTO DA CODISPOSIÇÃO DE LODO SÉPTICO NAS TRINCHEIRAS DE UM ATERRO SANITÁRIO RESUMO Carlos Rafael Dufrayer 1 Patrícia Caldeira de Souza¹ Fabiana Barbosa de Resende¹ Milton Gonçalves da Silva Júnior¹

Leia mais

Localização dos poços no Campus

Localização dos poços no Campus UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE SUPERINTENDÊNCIA DE INFRA-ESTRUTURA DIVISÃO DE MEIO AMBIENTE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA NÚCLEO TECNOLÓGICO

Leia mais

ANALISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DO LAJEADO ERVAL NOVO E O PLANTIO DE ERVA-MATE QUE DEU ORIGEM AO SEU NOME

ANALISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DO LAJEADO ERVAL NOVO E O PLANTIO DE ERVA-MATE QUE DEU ORIGEM AO SEU NOME ANALISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DO LAJEADO ERVAL NOVO E O PLANTIO DE ERVA-MATE QUE DEU ORIGEM AO SEU NOME Bruno Rafael da Silva bruno_rafael123@hotmail.com Endereço: Rua Almirante Tamandaré, Nº 197, Bairro

Leia mais