A gestão Leandas equipas de IT na Espírito Santo Informática. 22 de Novembro de 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A gestão Leandas equipas de IT na Espírito Santo Informática. 22 de Novembro de 2011"

Transcrição

1 A gestão Leandas equipas de IT na Espírito Santo Informática 22 de Novembro de 2011

2 Agenda 1. Espírito Santo Informática (ESI) 2. LEAN IT na ESI Objectivos Diagnóstico Implementação Acompanhamento e Controlo 3. Conclusões e desafios

3 Espírito Santo Informática (ESI) no GBES A Espírito Santo Informática é uma unidades de serviços partilhados (ACE) que tem como responsabilidade gerir os Sistemas de Informação do GBES A ESI em números: 5 Direcções 65 núcleos, 530 pessoas Âmbito Lean Âmbito Lean: Direcções de Desenvolvimento e Manutenção (ADM),-36 núcleos, 400 pessoas 521 Aplicações Núcleos de Suporte ~1.000 projectos 10 projectos / programas estratégicos Suporte ao Negócio Gestão de Infra- Estruturas Direcções de Desenvolvimento ~250 projectos de desenvolvimento ~700 projectos de manutenção evolutiva

4 Objectivos a atingir com a metodologia LEAN Porquê implementar Leanna ESI? Aumentar a produtividade das equipas de desenvolvimento e manutenção aplicacional Melhorar a Gestão das Equipas introduzindo alguns princípios inovadores e standardde gestão Melhorar ferramentas de gestão e uniformização de indicadores de produtividade para as equipas ESI

5 LEAN Diagnóstico Diagnóstico aos processos ESI Situações detectadas Externas: Alterações frequentes no âmbito e prioridade dos projectos Interrupções frequentes do trabalho das equipas técnicas Internas: Instabilidade nos planeamentos Múltiplos projectos em desenvolvimento simultâneo na mesma equipa Tempo de desenvolvimento demasiado longo, nos projectos prioritários Múltiplas interrupções no trabalho diário Ausência de indicadores de produtividade Dificuldade de equilibrar a execução das tarefas planeadas com as não planeadas

6 LEAN Iniciativas Identificação de iniciativas Área Iniciativas 1 SinglePointofContact Organização e planeamento 1. Segmentação da equipa em pools, reserva de buffer para trabalho não planeado e identificação de Single Points of Contact (SPoC) 2. Novo modelo de planeamento Semanal 3. Novo modelo de planeamento ML Prazo Situações detectadas Externos: Alterações frequentes no âmbito dos projectos Alterações na prioridade dos projectos Internas: Instabilidade nos planeamentos Múltiplos projectos em desenvolvimento simultâneo na mesma equipa Tempo de desenvolvimento demasiado longo, nos projectos prioritários Múltiplas interrupções no trabalho diário Ausência de indicadores de produtividade individualizados e no curto prazo Dificuldade de equilibrar a execução das tarefas planeadas com as não planeadas Gestão da equipa Melhoria de processos 4. Whiteboards (quadros de actividades e desempenho) com reunião diária de 15 minutos 5. Controlo e monitorização de KPIs 6. Reuniões de feed-back 7. Identificação dos principais pontos de melhoria na equipa e na organização

7 Iniciativas 4 Whiteboard Dias da semana Tarefas (help, park, done) Poolse recursos Tarefas secundárias Tarefas principais, por dia da semana e recurso KPIs Problemas

8 Iniciativas 4 Reunião de Whiteboard Coordenador de Núcleo Reunião diária (~15 min.) Controlo dos KPIs Verificação da execução do plano e identificação de medidas de mitigação Identificação de problemas e registo da solução, data prevista e estado Efeito positivo no espírito de equipa Iniciativa muito bem recebida por todos os recursos A gestão Lean das equipas de IT na ESI 27 de Setembro de 2011

9 Iniciativas 3 Planeamento de Médio e Longo Prazo Plano de releases e projectos em curso a 3 meses, para cada equipa Dossier produzido mensalmente

10 Iniciativas 5 Controlo e monitorização de KPIs KPIs Burn-up (% execução das tarefas principais) Eficiência de execução (# horas executadas vs planeadas para tarefas completadas) Trabalho não planeado (% em relação ao total) Dimensão média das tarefas planeadas (desvio vs 2-4 h) Análise pela equipa na reunião diária de whiteboard Reportados mensalmente na organização

11 Iniciativas 6 Reuniões de feedback Reunião mensal ou bi-mensal do Coordenador com todos os elementos da equipa (internos e externos) para: Análise dos KPIs individuais Feedbacksobre os contributos positivos e pontos de melhoria do desempenho Verificação dos indicadores da equipa e tendências de execução Aferição do moral individual Iniciativa muito bem recebida por todos os recursos

12 Acompanhamento e Controlo da Implementação Gestão Iniciativa Participação do ExecutiveManager responsável pelo Programa e Navegadores Análise da implementação das iniciativas em cada equipa e dos respectivos dashbords Introdução de medidas de melhoria, se necessário Semanal Board ESI Participação de todos os ExecutiveManagers da ESI, dos Navegadores e dos Directores e Coordenadores das equipas em fase de implementação Análise da implementação das iniciativas nas várias equipas e auscultação das diferentes experiências e sensibilidades Análise dos indicadores dos dashboards por equipa Mensal Com. Exec. BES Participação do Administrador do BES do pelouro, de todos os Executive Managers da ESI e dos Navegadores Apresentação do ponto de situação da implementação do programa e das diferentes iniciativas Análise dos indicadores dos dashboards globais Trimestral

13 Acompanhamento e Controlo da Implementação Dashboards e Indicadores de Acompanhamento Dashboard de Implementação Indicadores de Produtividade Indicadores de Proficiência Eficiência de execução (%) Variação semana 1 a 4-30% 160% 120% 80% 40% Comentários 99,0% 67,0% 47,0% 69,0% Eficiência de execução reflecte necessidades de rework devido a factores externos à equipa (e.g. dados de testes mal caracterizados pelo utilizador) Execução JIT do Lean Frequência realização Nunca Freq. Sempre Tópicos principais Actualização dos KPIs KPIs actualizados à semana Sessões diárias Sem evidências Planeamento semanal - Planeamento mensal Plano de Novembro em atraso Particip, Director Área OT Análise semanal (26/10 a 19/11) Análise mensal (Outubro/ Novembro) Dimensão das tarefas Pools Horas por tarefa % Recursos da maior pool 6 100% 4 6,0 50% 2 5,0 3,3 3,4 50% 50% 0% 0 0% Tarefas principais Diálogos de desempenho % horas tarefas principais Nº de diálogos mensais/ FTE 100% 1,2 50% 71% 88% 93% 91% 0, % 0 Medição da implementação das iniciativas, face ao objectivo (variável de acordo com a maturidade de implementação) Mede os principais indicadores de produtividade das equipas, e respectivas tendências Verificar a utilização dos princípios Lean nas iniciativas (granularidade das tarefas planeadas, flexibilidade dos recursos, foco nas tarefas principais, ) Medidas de melhoria, se necessário

14 Historial da Implementação na ESI 2010 (3º Trim) 2010 (4º Trim) ª Vaga de Pilotos 2ª Vaga de Pilotos Roll-Out 3 Núcleos 6 Núcleos 32 Núcleos Diagnóstico aos processos ESI Identificação das iniciativas core Implementaçãoda metodologia Implementaçãode ferramentas McKinsey& Co. Verificação de tendênciasnos indicadores individuais das equipas Verificação de ganhos nas relações inter-equipas Afinação de ferramentas Treino dos navegadores Implementaçãotransversal da metodologia e das iniciativas Início da implementação na Gestão de Infraestruturas: Gestão de Projectos de Infraestruturas e Gestão de Serviço Equipa de Navegadores

15 Conclusões e próximos desafios Estamos a gerir melhor Principais iniciativas estão incorporadas na actividade do dia a dia Planeamento semanal, reuniões de whiteboard Reorganização das equipas e da relação entre elas e os sponsors Planeamento médio-longo prazo, reuniões de feedback Dashboards de cumprimento do processo produzidos pela equipa de Qualidade Respirar Lean Todos os gestores gerem (planeiam, controlam, apoiam, avaliam) Mas estamos a gerir bem? Indicadores de qualidade dos projectos (on-time, on-budget) Indicadores de produção e produtividade (# function points / mês / pessoa) Indicadores de qualidade das equipas Pensar Lean Os gestores gerem melhor que os outros (melhor produtividade, mais qualidade, mais previsibilidade, maior rapidez)

16 Planear o trabalho, claro que já faço isso mas não necessito papeis, até já tenho uma lista num Excel!! Coordenador de Núcleo O Lean manda mais do que eu Director de Área Cortar papeis?!!! Isto não faz sentido algum!!! Analista Aplicacional

17 Ajuda a estruturar o trabalho a nível da organização pessoal e da equipa Analista Funcional O LEAN potencia a motivação e o espírito de equipa Planeamentos de cabeça só funcionam com ajuda do Espírito Santo Coordenador Director de Área Com o LEAN o que, à partida, parecia impossível, torna-se um desafio, um objectivo a atingir Gestor de Projecto

18 Planeamento, organização e atitude crítica sobre o trabalho realizado Analista Funcional O Lean abriu-nos a mente para sermos eficazes no planeamento e na execução Gestor de Projecto O LEAN é um guia para a excelência e rigor O Lean primeiro estranha-se, depois entranha-se! Analista Aplicacional Com o Lean a organização e o planeamento são melhorias contínuas Coordenador Director de Área

19 A gestão Leandas equipas de IT na Espírito Santo Informática

Executive breakfast Planeamento, Controlo e Gestão de Recursos Públicos. 24 de Fevereiro de 2015

Executive breakfast Planeamento, Controlo e Gestão de Recursos Públicos. 24 de Fevereiro de 2015 Executive breakfast Planeamento, Controlo e Gestão de Recursos Públicos 24 de Fevereiro de 2015 1 Agenda 08:00-8:30 Recepção 08:30-8:45 Abertura Margarida Bajanca, Partner Deloitte 08:45-9:30 Melhores

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO MINISTÉRIO Organismo/Serviço NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA O PESSOAL DOS GRUPOS PROFISSIONAIS TÉCNICO PROFISSIONAL E ADMINISTRATIVO Avaliador Cargo NIF A preencher pelo avaliador Avaliado Unidade orgânica

Leia mais

PERFORMANCE REPORT DASHBOARD

PERFORMANCE REPORT DASHBOARD Empresa 100% Portuguesa PERFORMANCE REPORT DASHBOARD Implemente um sistema de Business Intelligence rápido e eficiente, de forma a monitorizar regularmente os indicadores do seu negócio Área comercial,

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP SENDYS - Copyright 2007 SENDYS é uma marca proprietária da Readsystem, Lda. 2 Universo

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

Project Management Intelligence Gestão de Projetos / myteam PMP PMO

Project Management Intelligence Gestão de Projetos / myteam PMP PMO Project Management Intelligence Gestão de Projetos / myteam PMP PMO INTRODUÇÃO A Gestão de Projectos / myteam PMP-PMO afigura-se como uma abordagem integrada para a gestão de projectos, recorrendo a um

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

APÊNDICE I. Dificuldades Sentidas pelos EE no Acompanhamento Escolar dos Educandos. Estabelecer um horário semanal de estudo

APÊNDICE I. Dificuldades Sentidas pelos EE no Acompanhamento Escolar dos Educandos. Estabelecer um horário semanal de estudo APÊNDICE I Dificuldades Sentidas pelos EE no Acompanhamento Escolar dos Educandos Actividades Outubro Estabelecer um horário semanal de estudo Fazer cumprir o horário semanal de estudo Verificar diariamente

Leia mais

DESIGNING YOUR ACHIEVEMENT PRODUTOS E SERVIÇOS

DESIGNING YOUR ACHIEVEMENT PRODUTOS E SERVIÇOS DESIGNING YOUR ACHIEVEMENT PRODUTOS E SERVIÇOS Gestão de Tempo e Produtividade Pessoal HIGHER LEVELS OF ACHIEVEMENT MORE MEANINGFUL RESULTS BETTER BALANCED LIFE-STYLE NEM SEMPRE A CAPACIDADE DE REALIZAÇÃO

Leia mais

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Gestão da Segurança da Informação

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Gestão da Segurança da Informação Escola Naval Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Segurança da informação nas organizações Gestão da Segurança da Informação Fernando Correia Capitão-de-fragata EN-AEL 30 de Novembro

Leia mais

GPA O SIG NA GESTÃO E ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO NA VERTENTE DE PATRIMÓNIO CULTURAL

GPA O SIG NA GESTÃO E ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO NA VERTENTE DE PATRIMÓNIO CULTURAL GPA O SIG NA GESTÃO E ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO NA VERTENTE DE PATRIMÓNIO CULTURAL EDIA DUARTE CARREIRA EDIA, S.A. Miguel Martinho, Paulo Marques, Valdemar Canhão, Rui Carraça

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO MINISTÉRIO Organismo/Serviço NIF Avaliador Cargo NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA O PESSOAL DOS GRUPOS PROFISSIONAIS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO A preencher pelo avaliador Avaliado Unidade orgânica Carreira

Leia mais

Seminário CNIS - APCER QUALIDADE - Pressuposto de Diferenciação. Sistemas de Gestão

Seminário CNIS - APCER QUALIDADE - Pressuposto de Diferenciação. Sistemas de Gestão Seminário CNIS - APCER QUALIDADE - Pressuposto de Diferenciação Sistemas de Gestão 27 de Outubro de 2007 Dora Gonçalo Directora de Certificação e de Auditores www.apcer.pt Agenda Desafios e Organizações

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

BPM Business Process Management. Associação Portuguesa dos Profissionais de

BPM Business Process Management. Associação Portuguesa dos Profissionais de Associação Portuguesa dos Profissionais de Gestão de Processos de Negócio 28 de Junho 2011 Há um novo profissional no mundo actual dos negócios, o profissional de processos de negócio. O trabalho que realizam

Leia mais

Gestão dos Níveis de Serviço

Gestão dos Níveis de Serviço A Gestão dos Níveis de Serviço (SLM) Os sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas empresas um papel cada vez mais importante evoluindo, hoje em dia, para níveis mais elevados de funcionamento

Leia mais

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos PHC TeamControl CS A gestão de equipas e de departamentos A solução que permite concretizar projectos no tempo previsto e nos valores orçamentados contemplando: planeamento; gestão; coordenação; colaboração

Leia mais

Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias.

Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias. GoldMine QuickStart Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias. O GoldMine é uma ferramenta de gestão da relação com os clientes (CRM-Costumer Relationship

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 SECRETARIAL & MANAGEMENT SUPPORT Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores

Leia mais

GESTÃO DOCUMENTAL. Mapeamento de processos P05 - Gestão Estratégica. Sub-processo Procedimento Gestão Instruções de Trabalho Impressos

GESTÃO DOCUMENTAL. Mapeamento de processos P05 - Gestão Estratégica. Sub-processo Procedimento Gestão Instruções de Trabalho Impressos Actualizado em: 81121 P5 - Gestão Estratégica Sub-processo Procedimento Gestão Instruções de Trabalho Impressos SP3 Planeamento e Revisão do Sistema IT 9 Planeamento e Análise 4 Programa de Objectivos

Leia mais

Instituto de Informática. Ministério das Finanças e da Administração Pública

Instituto de Informática. Ministério das Finanças e da Administração Pública O que é o SGU? O SGU (Sistema de Gestão de Utilizadores) é uma solução informática de gestão de permissões e acessos a sistemas de informação no âmbito da Administração Pública Portuguesa, disponível a

Leia mais

SI Sistema de Informação Anexo 4

SI Sistema de Informação Anexo 4 onselho oordenador omo implementar? No actual quadro da dministração Pública torna-se necessário avaliar o desempenho dos serviços, o que implica, para os gestores públicos, desenvolver (os seus) sistemas

Leia mais

Indice. Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos. Introdução... 1

Indice. Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos. Introdução... 1 r Indice Introdução.......................................... 1 Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos 1- Características da Gestão de Projectos 11 1.1 Definição de Projecto 11 1.2 Projectos e Estratégia

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Processos de software Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Processo Um processo é uma série de etapas envolvendo actividades, restrições e

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS CRM. Optimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS CRM. Optimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS CRM Optimize a Gestão do Seu Negócio! Principais Desafios e Melhores práticas Principais desafios Melhores práticas 1 Clientes Visão parcial do cliente Visão global

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA: PERITO TÉCNICO DE INFRA-ESTRUTURA: NO.VA/NPCA/15/04

ANÚNCIO DE VAGA: PERITO TÉCNICO DE INFRA-ESTRUTURA: NO.VA/NPCA/15/04 ANÚNCIO DE VAGA: PERITO TÉCNICO DE INFRA-ESTRUTURA: NO.VA/NPCA/15/04 A Comissão da União Africana assinou uma concessão com o Banco Africano de Desenvolvimento (o Banco) e o Fundo Africano de Desenvolvimento

Leia mais

Workshop. Maturidade da Governação e Gestão de TI em Portugal. Inquérito Nacional 2011. Mário Lavado itsmf Portugal 11-10-2011

Workshop. Maturidade da Governação e Gestão de TI em Portugal. Inquérito Nacional 2011. Mário Lavado itsmf Portugal 11-10-2011 Workshop Maturidade da Governação e Gestão de TI em Portugal Inquérito Nacional 2011 Mário Lavado itsmf Portugal 11-10-2011 Agenda Apresentação dos resultados do estudo de maturidade do ITSM & ITGovervance

Leia mais

Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS

Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 10 de Março de 2014 001 Índice Enquadramento 2 Evolução do normativo

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Selling Tools. Dale Carnegie Training Portugal www.dalecarnegie.pt customerservice@dalecarnegie.pt

Selling Tools. Dale Carnegie Training Portugal www.dalecarnegie.pt customerservice@dalecarnegie.pt Dale Carnegie Training Portugal www.dalecarnegie.pt customerservice@dalecarnegie.pt Enquadramento As vendas têm um ambiente próprio; técnicas e processos específicos. A forma de estar, o networking, os

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

www.pwc.com/ao Auditoria interna Os desafios da Auditoria Interna em Angola 09 de Junho de 2014

www.pwc.com/ao Auditoria interna Os desafios da Auditoria Interna em Angola 09 de Junho de 2014 www.pwc.com/ao Auditoria interna Os desafios da Auditoria Interna em Angola Estrutura 1. Introdução ao tema 2. Estado actual da profissão 3. Definindo o caminho para aumentar o valor da auditoria interna:

Leia mais

Sistema de Avaliação da Qualidade Apercebida e Satisfação do Cliente da REN Apresentação de resultados 2008. 1ª edição do estudo

Sistema de Avaliação da Qualidade Apercebida e Satisfação do Cliente da REN Apresentação de resultados 2008. 1ª edição do estudo Sistema de Avaliação da Qualidade Apercebida e Satisfação do Cliente da REN Apresentação de resultados 2008 1ª edição do estudo 1 Agenda 1 Objectivos 2 Metodologia Trabalho de campo Modelo de Satisfação

Leia mais

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa CORECARD > MONITORIZAÇÃO Organização e Processos de Gestão Estratégica Liderar e criar uma cultura de escola Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

Leia mais

Strategic IT Manager +351 21 793 29 89. Gestão de Custos, Orçamentos e KPIs em IT. Como planificar, controlar e rentabilizar os investimentos

Strategic IT Manager +351 21 793 29 89. Gestão de Custos, Orçamentos e KPIs em IT. Como planificar, controlar e rentabilizar os investimentos www.iirangola.com MASTERCLASS IT Gestão de Custos, Orçamentos e KPIs em IT Strategic IT Manager Como planificar, controlar e rentabilizar os investimentos Variáveis no desenho do orçamento: objectivos,

Leia mais

O Sistema de Compras Electrónicas

O Sistema de Compras Electrónicas Seminário Novas Perspectivas na Contratação Pública Tribunal de Contas, INA, CCSCI 20-21 Nov 2006 O Sistema de Compras Electrónicas Luis Magalhães Programa Nacional de Compras Electrónicas (PNCE) Aprovado

Leia mais

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio João Pequito Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio Qualquer instituição tem hoje

Leia mais

A Gestão de Competências na Modernização da Administração Pública

A Gestão de Competências na Modernização da Administração Pública A Gestão de Competências na Modernização da Administração Pública 4º Congresso Nacional da Administração Pública 2 e 3 Novembro de 2006 José Alberto Brioso Pedro Santos Administração Pública Contexto Perspectiva

Leia mais

IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e ao Investimento (Programa Gerir Formação e Consultoria para Pequenas Empresas)

IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e ao Investimento (Programa Gerir Formação e Consultoria para Pequenas Empresas) IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e ao Investimento (Programa Gerir Formação e Consultoria para Pequenas Empresas) APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional Emprego,

Leia mais

Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica

Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Quem somos Desenvolvemos SI desde 1988 Trabalhamos com Grandes Empresas e Organismos

Leia mais

CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO

CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO Este capítulo inclui: Visão geral O Ciclo de Gestão do Desempenho: Propósito e Objectivos Provas requeridas para a acreditação Outros aspectos

Leia mais

Nagios XI Soluções de Monitorização

Nagios XI Soluções de Monitorização Nagios XI Soluções de Monitorização O Nagios é uma solução líder de mercado na área da monitorização e alarmística, desenvolvido pela software house Norte Americana com o mesmo nome. O Nagios XI é uma

Leia mais

Realtech Portugal Modelo de apoio à administração de sistemas SAP.

Realtech Portugal Modelo de apoio à administração de sistemas SAP. Realtech Portugal Modelo de apoio à administração de sistemas SAP. www.realtech.pt Page 1 A abordagem A Realtech Portugal promove uma abordagem comercial que visa conjugar os orçamentos restritivos das

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

B. M. Orlando Ribeiro e B. M. [ A L V A L A D E ]! [ B E D E T E C A ]! [ B E L É M ] F E R R E I R A ]! [ H E M E R O T E C A ]!

B. M. Orlando Ribeiro e B. M. [ A L V A L A D E ]! [ B E D E T E C A ]! [ B E L É M ] F E R R E I R A ]! [ H E M E R O T E C A ]! B. M. Orlando Ribeiro e B. M. [ A L V A L A D E ]! [ B E D E T E C A ]! [ B E L É M ] [ C A M Õ E S ]! [ C E N T ROlivais: A L ]! [ D A V I D M O U R Ã O - F E R R E I R A ]! [ H E M E R O T E C A ]! [

Leia mais

Organização de Gerenciamento de Processos. Palestrante: Samyra Salomão

Organização de Gerenciamento de Processos. Palestrante: Samyra Salomão Organização de Gerenciamento de Processos Palestrante: Samyra Salomão Contextualização O foco do gerenciamento de processos de negócio pode também modificar a forma como os executivos pensam e estruturam

Leia mais

Programa AconteSER. Gestão de Projetos. Torres Vedras 12 de Dezembro de 2013

Programa AconteSER. Gestão de Projetos. Torres Vedras 12 de Dezembro de 2013 Programa AconteSER Gestão de Projetos Torres Vedras 12 de Dezembro de 2013 Agenda Enquadramento dos projetos na mudança Conceitos de gestão de projetos Iniciação Organização e planeamento Execução, monitorização

Leia mais

Manual Prático de Avaliação do Desempenho

Manual Prático de Avaliação do Desempenho Tendo em conta o planeamento das actividades do serviço, deve ser acordado conjuntamente entre o superior hierárquico e o trabalhador, o plano individual e os objectivos definidos para o período em avaliação.

Leia mais

a Universidade PROGRAMA DE Abril GESTÃO 2012 PARA EMPREENDEDORES DE ELEVADO POTENCIAL 2º edição Uma colaboração

a Universidade PROGRAMA DE Abril GESTÃO 2012 PARA EMPREENDEDORES DE ELEVADO POTENCIAL 2º edição Uma colaboração a Universidade PROGRAMA DE Abril GESTÃO 2012 PARA EMPREENDEDORES DE ELEVADO POTENCIAL 2º edição Uma colaboração 1 Agenda O que é a Universidade BES? Programa de Gestão para Empreendedores de Elevado Potencial

Leia mais

O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de aprendizagem?

O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de aprendizagem? Rui Trindade Universidade do Porto Portugal trindade@fpce.up.pt I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DA UNDIME/MG Belo Horizonte 11 de Abril de 2012 O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Orientações para as visitas às escolas 1 Introdução As visitas às escolas realizadas segundo o modelo

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

Caso de Estudo - Secretaria-Geral do Ministério da Justiça do BPM às Interações Humanas. Paulo Moniz - CTO

Caso de Estudo - Secretaria-Geral do Ministério da Justiça do BPM às Interações Humanas. Paulo Moniz - CTO Caso de Estudo - Secretaria-Geral do Ministério da Justiça do BPM às Interações Humanas Paulo Moniz - CTO Agenda BPM Objectivos Desafios Solução Primesoft Ganhos Obtidos Recomendações BPM na Primesoft

Leia mais

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos PHC TeamControl CS A gestão de equipas e de departamentos A solução que permite concretizar projetos no tempo previsto e nos valores orçamentados contemplando: planeamento; gestão; coordenação; colaboração

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

CONVERSAS DE FIM DE TARDE

CONVERSAS DE FIM DE TARDE CONVERSAS DE FIM DE TARDE Rogério Correia A estrutura organizacional do Serviço Missão do SRS Promoção da Saúde Prestação de, Hospitalares e Continuados Prestação de actividades no âmbito da Saúde Pública

Leia mais

Como comunicamos uns com os outros? E no nosso sector? Como gostaríamos de trabalhar uns com os outros?

Como comunicamos uns com os outros? E no nosso sector? Como gostaríamos de trabalhar uns com os outros? Como comunicamos uns com os outros? E no nosso sector? Como gostaríamos de trabalhar uns com os outros? A minha história na construção Tenho de resolver este problema O dia típico de um Director de Obra

Leia mais

Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC. Joana Miguel Santos

Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC. Joana Miguel Santos Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC Joana Miguel Santos Caso de Sucesso: Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social

Leia mais

Plano Estratégico de Sistemas de Informação

Plano Estratégico de Sistemas de Informação Consolidation. Integration. Governance. Accountability. Plano Estratégico de Sistemas de Informação 2010 Versão resumida para web 11 de Maio de 2010 Turismo de Portugal, I.P. Hugo Sousa Departamento de

Leia mais

Espírito Santo Private Banking aumenta eficiência na gestão de clientes com Dynamics CRM

Espírito Santo Private Banking aumenta eficiência na gestão de clientes com Dynamics CRM Microsoft Dynamics CRM Customer Solution Case Study Espírito Santo Private Banking Espírito Santo Private Banking aumenta eficiência na gestão de clientes com Dynamics CRM Sumário País Portugal Sector

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Direção de Sistemas de Informação 30 de Janeiro, 2013 Contexto da Segurança na EDP 2 O contexto da Segurança na EDP

Leia mais

Qualidade dos EIA Critérios para avaliação

Qualidade dos EIA Critérios para avaliação Engenharia Civil: 5º ano / 10º semestre Engenharia do Territorio: 4º ano / 8º semestre Qualidade dos EIA Critérios para avaliação IMPACTES AMBIENTAIS 11 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 300 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 300 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 300 PLANEAMENTO Junho de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-4 Planeamento do Trabalho 5-8 Plano Global de Revisão / Auditoria 9-10 Programa de Revisão / Auditoria 11-12

Leia mais

Integração da Gestão de Risco Operacional noutras Áreas da Gestão. Maio 2008

Integração da Gestão de Risco Operacional noutras Áreas da Gestão. Maio 2008 Integração da Gestão de Risco Operacional noutras Áreas da Gestão Maio 2008 Agenda 1. Risco Operacional a definição 2. Cálculo de capital requisitos regulamentares relação com perfil de risco utilidade

Leia mais

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 2011/07/07 NOTA: No caso de imprimir este documento, o mesmo passa automaticamente a Cópia Não Controlada ; a sua utilização implica a confirmação prévia de que corresponde à

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

Coisas ENTRADA. O que é? Requer um a acção? SSim. Qual é a. Próxim a Acção? Fazer já. Delegar

Coisas ENTRADA. O que é? Requer um a acção? SSim. Qual é a. Próxim a Acção? Fazer já. Delegar GTD em relance Coisas Elim inar Lixo ENTRADA O que é? Requer um a acção? NÃO Incubar Um dia / Talvez Project os Se tiver vários passos qual é o result ado que querem os? S IM Qual é a Próxim a Acção? Arquivar

Leia mais

Apresentação de Solução

Apresentação de Solução Apresentação de Solução Solução: Gestão de Altas Hospitalares Unidade de negócio da C3im: a) Consultoria e desenvolvimento de de Projectos b) Unidade de Desenvolvimento Área da Saúde Rua dos Arneiros,

Leia mais

Política de Segurança da Informação da Entidade

Política de Segurança da Informação da Entidade Estrutura Nacional de Segurança da Informação (ENSI) Política de Segurança da Informação da Entidade Fevereiro 2005 Versão 1.0 Público Confidencial O PRESENTE DOCUMENTO NÃO PRESTA QUALQUER GARANTIA, SEJA

Leia mais

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para se focalizar na concretização dos objectivos do serviço e garantir que

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO PARA O INVESTIMENTO SOCIAL. Catalisar um mercado de investimento social em Portugal GRUPO DE TRABALHO PORTUGUÊS PARA O

GRUPO DE TRABALHO PARA O INVESTIMENTO SOCIAL. Catalisar um mercado de investimento social em Portugal GRUPO DE TRABALHO PORTUGUÊS PARA O GRUPO DE TRABALHO PORTUGUÊS PARA O INVESTIMENTO SOCIAL Reunião de sub-grupo 2 Outubro 2015 GRUPO DE TRABALHO PARA O INVESTIMENTO SOCIAL Catalisar um mercado de investimento social em Portugal GRUPO DE

Leia mais

Business Process Management. A Gestão Colaborativa dos Processos e da sua Performance em QPR

Business Process Management. A Gestão Colaborativa dos Processos e da sua Performance em QPR Business Process Management A Gestão Colaborativa dos Processos e da sua Performance em QPR Quais são os desafios típicos das empresas na Gestão de Processos? > Criar e manter a informação associada aos

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR

MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR RELATÓRIO DE AUDITORIA MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR Nº EXPEDIENTE: 2012/1106/ER/01 Nº RELATÓRIO: 05 TIPO DE AUDITORIA: AR com extensão de âmbito NORMA DE APLICAÇÃO: ISO9001:2008 Requer envio de PAC

Leia mais

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores Gestão e Organização de Conferências e Reuniões Organização de conferências e reuniões, nos mais variados formatos, tais como reuniões educativas, encontros de negócios, convenções, recepções, eventos

Leia mais

Proposta / Ponto 4. DOCUMENTOS PREPARATÓRIOS ASSEMBLEIA GERAL Porto 8 maio 2013. Exmo. Senhor. Presidente da Mesa da Assembleia Geral

Proposta / Ponto 4. DOCUMENTOS PREPARATÓRIOS ASSEMBLEIA GERAL Porto 8 maio 2013. Exmo. Senhor. Presidente da Mesa da Assembleia Geral DOCUMENTOS PREPARATÓRIOS ASSEMBLEIA GERAL Porto 8 maio 2013 Proposta / Ponto 4 Exmo. Senhor Presidente da Mesa da Assembleia Geral Grupo Soares da Costa, SGPS,S.A. Exmo. Senhor Presidente, Relativamente

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1 GESTÃO de PROJECTOS Gestor de Projectos Informáticos Luís Manuel Borges Gouveia 1 Iniciar o projecto estabelecer objectivos definir alvos estabelecer a estratégia conceber a estrutura de base do trabalho

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

e no Mundo 19-10-2008 1

e no Mundo 19-10-2008 1 Resultados questionário IIA - CBOK 2006 Auditoria Interna em e no Mundo Orlando Sousa, CCSA Vice-Presidente do IPAI 19-10-2008 1 Evolução CBOK 1972/2006 10000 8000 6000 9366 4000 2000 0 1 1972 1985 2 75

Leia mais

www.workinproject.net WCore Gestão técnica, administrativa e financeira integrada para empresas de serviços Flagsoft, Porto

www.workinproject.net WCore Gestão técnica, administrativa e financeira integrada para empresas de serviços Flagsoft, Porto www.workinproject.net WCore Gestão técnica, administrativa e financeira integrada para empresas de serviços Flagsoft, Porto 1 Solução completa para a gestão integrada da sua empresa O WorkinProject é uma

Leia mais

Alinhamento de dados com Sync PT Data Pool. Lisboa 2014-03-06

Alinhamento de dados com Sync PT Data Pool. Lisboa 2014-03-06 Alinhamento de dados com Sync PT Data Pool Lisboa 2014-03-06 3 O Alinhamento de dados com a plataforma SYNC PT Data Pool O PROJETO IMPLEMENTAÇÃO O PROCESSO 4 O Alinhamento de dados com a plataforma SYNC

Leia mais

Curso de Engenharia de Sistemas e Informática - 5º Ano. Ficha T. Prática n.º 1

Curso de Engenharia de Sistemas e Informática - 5º Ano. Ficha T. Prática n.º 1 Análise Inteligente de Dados Objectivo: Curso de Engenharia de Sistemas e Informática - 5º Ano Ficha T. Prática n.º 1 Estudo do paradigma multidimensional com introdução de uma extensão ao diagrama E/R

Leia mais

AGÊNCIA NEPAD DE PLANEAMENTO E COORDENAÇÃO

AGÊNCIA NEPAD DE PLANEAMENTO E COORDENAÇÃO AGÊNCIA NEPAD DE PLANEAMENTO E COORDENAÇÃO ANÚNCIO DE VAGA: PERITO DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES NO.VA/NPCA/15/11 A Comissão da União Africana assinou uma concessão com o Banco Africano de Desenvolvimento

Leia mais

HR Analytics Impacto na gestão de pessoas e negócio

HR Analytics Impacto na gestão de pessoas e negócio HR Analytics Impacto na gestão de pessoas e negócio ExpoRH Março de 2015 1. Os recursos humanos são a função mais importante numa organização. Devem liderar os processos de transformação e mudança organizacional.

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Gestão de Projectos. Alguns dos tópicos abordados:

Gestão de Projectos. Alguns dos tópicos abordados: 1. Enquadramento: Cada projecto possui uma dada finalidade que normalmente se pode identificar pelo próprio nome do projecto, por exemplo, o projecto da nova ponte Y, o projecto do novo carro Híbrido Y,

Leia mais

Caso de estudo - Logística. Verifique como um único evento Lean permitiu uma poupança de 255 Mil Euros/Ano

Caso de estudo - Logística. Verifique como um único evento Lean permitiu uma poupança de 255 Mil Euros/Ano Caso de estudo - Logística Verifique como um único evento Lean permitiu uma poupança de 255 Mil Euros/Ano Diagnóstico e melhoria das escolhas passadas. Avaliação da necessidade de fazer escolhas futuras.

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

Ajudamos a (sua) empresa a crescer.

Ajudamos a (sua) empresa a crescer. CONSULTORIA Ajudamos a (sua) empresa a crescer. O QUE FAZEMOS SISTEMAS DE GESTÃO GESTÃO DA PRODUÇÃO E DAS PRODUÇÕES PRODUTIVIDADE E INOVAÇÃO INTERNACIONALIZAÇÃO PROJECOS DE INVESTIMENTO E INCENTIVOS

Leia mais

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Rita Almeida Dias 18 Setembro de 2012 2012 Sustentare Todos os direitos reservados Anterior Próximo www.sustentare.pt

Leia mais

Comunicação durante o processo de auto-avaliação

Comunicação durante o processo de auto-avaliação Comunicação durante o processo de auto-avaliação Durante o processo de auto-avaliação a política de comunicação deve focalizar os ganhos para todas as partes interessadas, colaboradores e cidadãos/clientes.

Leia mais

RELATÓRIO FRANCHISING

RELATÓRIO FRANCHISING RELATÓRIO FRANCHISING ESTUDO DO PERFIL E SATISFAÇÃO DO FRANCHISADO EM PORTUGAL JULHO 2013 Índice ENQUADRAMENTO... 3 METODOLOGIA (FICHA TÉCNICA)... 4 ANÁLISE DE RESULTADOS... 5 CARACTERIZAÇÃO DO FRANCHISADO...

Leia mais

Uma Agenda para a Inovação Tecnológica na AP. José Tribolet 5 de maio de 2015

Uma Agenda para a Inovação Tecnológica na AP. José Tribolet 5 de maio de 2015 1 Uma Agenda para a Inovação Tecnológica na AP José Tribolet 5 de maio de 2015 Agenda 2 Inovação Tecnológica na AP para quê? Onde estamos? Para onde vamos? Com quem contamos? Com que contamos? Por onde

Leia mais

O aumento da força de vendas da empresa

O aumento da força de vendas da empresa PHC dcrm O aumento da força de vendas da empresa O enfoque total na actividade do cliente, através do acesso remoto à informação comercial, aumentando assim a capacidade de resposta aos potenciais negócios

Leia mais

Centro Social e Paroquial de São Nicolau Plano Estratégico 2014 2016

Centro Social e Paroquial de São Nicolau Plano Estratégico 2014 2016 Centro Social e Paroquial de São Nicolau Plano Estratégico 2014 2016 Com a Comunidade fazemos a ponte; porque a ponte é uma passagem para muitas margens. Maio 2014 Missão O CSPSN, enquanto Centro Comunitário,

Leia mais