2ª Licenciatura AED1 e PC1 Prof. Eduardo 1 1 MODULARIZAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2ª Licenciatura AED1 e PC1 Prof. Eduardo 1 1 MODULARIZAÇÃO"

Transcrição

1 2ª Licenciatura AED1 e PC1 Prof. Eduardo 1 1 MODULARIZAÇÃO A identificação de problemas mais complexos resultará no desenvolvimento de algoritmos também mais complexos para resolve-os. Uma abordagem eficiente para este tipo de problema é a divisão do problema mais complexo em problemas mais simples de serem resolvidos. Este método é conhecido como modularização, onde um grande problema é divido em problemas menores e a solução destes problemas menores resultará na solução do problema maior (mais complexo). Estes programas menores são denominados sub-rotinas, subprogramas ou subalgoritmos. Um subprograma é um trecho de um algoritmo (futuro programa) maior (mais complexo) que realiza qualquer operação computacional estudada até agora (entrada, processamento, saída). Ele efetua parte de uma tarefa que um algoritmo maior deverá executar. O algoritmo que aciona um subprograma é chamado de algoritmo principal daquele subprograma. O funcionamento de um subprograma corresponde a implementação de uma função, no sentido matemático da expressão, pois um subprograma também retorna um único valor, de um ou mais valores manipulados em uma ou mais operações realizadas. A expressão "função" também é usada na elaboração de um subprograma, onde ela identifica a disponibilização de um ou mais subprogramas para um algoritmo principal, sendo esta expressão (função) uma palavra reservada. Portanto, sub-rotinas, também chamadas subprogramas, são blocos de instruções que realizam tarefas específicas. O código de uma sub-rotina é carregado uma vez e pode ser executado quantas vezes forem necessárias. Como o problema pode ser subdividido em pequenas tarefas, os programas tendem a ficar menores e mais organizados. Os programas em geral são executados linearmente, uma linha após a outra, até o fim. Entretanto, quando são utilizadas sub-rotinas, é possível a realização de desvios na execução dos programas. Veja a representação de um subprograma, em fluxograma, apresentado a seguir. Estes desvios são efetuados quando uma função é chamada pelo programa principal. Observe o exemplo a seguir: (a numeração das linhas à esquerda está apenas para facilitar a explicação) 1 algoritmo exemplo 2 declaração de variáveis 3 início 4 real sal; 5 escreva( Digite o salário: ); 6 leia(sal); 7 aum calculo(sal); 8 novo_sal sal + aum; 9 escreva( Novo salário:,novo_sal); 10 fim_algoritmo 11

2 2ª Licenciatura AED1 e PC1 Prof. Eduardo 2 12 sub-rotina calculo (real sal) 13 início 14 real perc,valor; 15 escreva( Digite o percentual de aumento: ); 16 leia(perc); 17 valor sal * perc/100; 18 retorne valor; 19 fim_sub-rotina calculo O algoritmo apresentado tem como objetivo receber o salário de um funcionário e calcular o novo salário. Para resolver este problema, utilizou-se o programa principal (representado pelo bloco de instruções entre as linhas 1 e 10) e sub-rotina (representada pelo bloco de instruções entre as linhas 12 e 19). O programa principal é executado linearmente até a linha 7. Neste ponto, existe uma chamada à sub-rotina calculo (que recebe como parâmetro o valor do salário inicial) e o programa principal fica temporariamente suspenso. A ordem de execução das instruções é, então, desviada para a linha 12, onde começa a sub-rotina calculo. A execução só volta ao programa principal quando o comando retorne é executado (linha 18). Esse comando é responsável também por devolver ao programa principal um valor calculado dentro da sub-rotina (nesse exemplo, foi devolvido o conteúdo da variável valor). A execução do programa principal é retornada exatamente no ponto em que foi interrompida; dessa maneira, o valor devolvido pela sub-rotina é atribuído à variável aum (linha 7). A partir daí, o programa volta a ser executado linearmente até o fim (linha 10). O exemplo apresentado mostra a utilização de uma sub-rotina que recebe um parâmetro (o valor atual do salário) e que, ao final, retorna um valor (aumento que será dado ao salário) para quem a chamou. Porém, as sub-rotinas podem não receber parâmetros nem retornar valor. Outro ponto que precisa ser destacado é que, dentro das sub-rotinas, pode ocorrer declaração de variáveis, chamadas variáveis locais. Elas recebem este nome porque podem ser utilizadas apenas dentro da sub-rotina. Quando a execução desta chega ao fim, essas variáveis são destruídas e seus conteúdos são perdidos. Variáveis declaradas fora de qualquer sub-rotina são chamadas de globais. Elas recebem este nome porque qualquer ponto do programa, incluindo as sub-rotinas, pode utilizá-las. São destruídas quando a execução do programa chega ao fim. Observação: Não se aconselha a utilização excessiva de variáveis globais, por tornar difícil a manutenção e a busca por erros nos programas. 2 MODULARIZAÇÃO EM C/C++ (FUNÇÕES) Um importante recurso apresentado nas linguagens de programação é a modularização, onde um programa pode ser particionado em sub-rotinas bastante específicas. A linguagem C/C++ possibilita a modularização por meio das funções. Um programa escrito na linguagem C/C ++ tem, no mínimo, uma função chamada main, por onde a execução começa. Existem também muitas outras funções predefinidas na linguagem C/C++, por exemplo: clrscr(), gets(), strcmp(), strcpy() etc. Estas funções são adicionadas aos programas pela diretiva #include, no momento da "linkedição". Além disso, o usuário também pode criar quantas funções quiser, dependendo do problema que estiver sendo resolvido pelo programa. As funções às vezes precisam receber valores externos, chamados parâmetros, e também podem devolver algum valor produzido para o ambiente externo, denominado retomo. Os parâmetros são representados por uma lista de variáveis colocadas dentro de parênteses, logo após o nome da função. Caso haja retomo, a última linha da função deverá incluir o comando return, seguido do valor ou variável que será devolvido a quem chamou a função. O tipo do valor

3 2ª Licenciatura AED1 e PC1 Prof. Eduardo 3 retomado deverá ser exatamente igual ao tipo informado antes do nome da função. Caso não haja retorno, deverá ser digitada a palavra void Funções com passagem de parâmetros e com retorno Um dos principais tipos de função é representado por aquelas que recebem valores no momento em que são chamadas (parâmetros) e que, no final, devolvem um valor para quem as chamou (retorno). A seguir é apresentado um exemplo (a numeração das linhas não faz parte do programa, servindo apenas para facilitar a explicação) float divisao(int dividendo, int divisor) 4 { float q; 5 q = dividendo / divisor; 6 return q; { int nl, n2; 11 float resposta; 12 cout << \ndigite o valor do dividendo: ; 13 cin >> nl; 14 cout << "\ndigite o valor do divisor: "; 15 cin >> n2; 16 resposta = divisao(nl, n2); 17 cout << "\no resultado da divisão é << resposta; Como já comentado na seção 2, a execução de programa escrito em C/C++ sempre começa pela função main. No exemplo, a execução iniciou na linha 9. A partir daí, são executadas seqüencialmente as linhas 10, 11, 12, 13,14 e 15. Nas linhas 13 e 15, dois valores são recebidos e armazenados nas variáveis nl e n2. Chegando à linha 16, o fluxo de execução é desviado para a função divisa0, levando para lá os valores das variáveis nl e n2. Serão então executadas as linhas 3, 4 e 5. Ao chegar à linha 6, o comando return é encontrado. Isto indica que a execução da função chegou ao fim e que o conteúdo da variável q será devolvido para quem a chamou. O fluxo de execução retoma à função main, na linha 16, e o valor retornado é atribuído à variável resposta. Depois disso, as linhas 17, 18 e 19 são executadas e o programa chega ao fim. Devemos destacar que, no momento em que a função divisão foi chamada, na linha 16, duas variáveis foram colocadas entre parênteses, indicando que houve passagem de parâmetros. Assim, os valores destas variáveis são copiados, respectivamente, para as variáveis dividendo e divisor, descritas no cabeçalho da função, na linha 3. Além disso, dentro da função di visão foi utilizado o comando return q, sinalizando que o valor da variável q será devolvido a quem a chamou. Por esta razão, o tipo da função é, exatamente igual ao tipo do valor retornado. Observação Em qualquer programa, podemos escrever funções antes ou depois da função main. Se optarmos por escrevê-las antes, nenhum cuidado especial será necessário. Porém, se optarmos por escrevê-las abaixo da função main, deveremos fazer uso dos protótipos de função. Protótipo de uma função é uma linha exatamente igual ao cabeçalho da função (terminando com um ponto-e-vírgula) que sempre deverá ser escrita antes da função main. Esta linha é responsável por informar ao compilador quais outras funções serão encontradas ao término da main. Observe o exemplo a seguir.

4 2ª Licenciatura AED1 e PC1 Prof. Eduardo 4 #include <iostream.> float divisao(int dividendo, int divisor); // esta linha descreve o protótipo // da função { int nl, n2; float r; cout << \ndigite o primeiro número: ; cin» nl; do { cout << "\ndigite o segundo número: "; cin» n2: while (n2 == 0); r = divisao{nl, n2); cout << \na divisão resultou em : << r; float divisao{int dividendo, int divisor) { float q; q = dividendo / divisor; return q; Exercícios resolvidos: 1 Faça um programa contendo uma sub-rotina que retorne 1 se o número digitado for positivo ou 0 se for negativo. 1ª Solução: int verifica(int num) { int res; if (num >= 0) res = 1; res = 0; return res; { int num, x; cout << "\ndigite um numero: "; cin >> num; x = verifica(num); if (x==1) cout << "\nn mero positivo"; cout << "\nn mero negativo"; 2ª Solução: int verifica(int num); { int num, x; cout << "\ndigite um numero: "; cin >> num; x = verifica(num); if (x==1) cout << "\nn mero positivo"; cout << "\nn mero negativo"; int verifica(int num) { int res; if (num >= 0) res = 1; res = 0; return res;

5 2ª Licenciatura AED1 e PC1 Prof. Eduardo 5 2 Crie um programa que receba os valores antigo e atual de um produto. Chame uma sub-rotina que determine o percentual de acréscimo entre esses valores. O resultado deverá ser mostrado no programa principal. float calculo_reajuste(float pa, float pn) { float result; result = (100 * pn * pa) / pa; return result; { float precoantigo, precoatual, acrescimo; cout << "Digite o pre o antigo: "; cin >> precoantigo; cout << "Digite o pre o final: "; cin >> precoatual; acrescimo = calculo_reajuste(precoantigo, precoatual); cout << "\no reajuste foi de " << acrescimo << "%"; 3 Elabore um programa contendo uma sub-rotina que receba as três notas de um aluno como parâmetros e uma letra. Se a letra for A, a sub-rotina deverá calcular a média aritmética das notas do aluno; se for P, deverá calcular a média ponderada, com pesos 5, 3 e 2. A média calculada deverá ser devolvida ao programa principal para, então se mostrada. Solução 1: #include <ctype.h> float calcula_media(float n1, float n2, float n3, char l) { float media; if (l == 'A') media = (n1+n2+n3)/3; media = (n1*5+n2*3+n3*2)/(5+3+2); return media; { float nota1, nota2, nota3, m; char letra; cout << "Digite a 1ª nota: "; cin >> nota1; cout << "Digite a 2ª nota: "; cin >> nota2; cout << "Digite a 3ª nota: "; cin >> nota3; do { cout << "Digite uma letra (A-Media aritmetica, P-M dia ponderada) "; cin >> letra; letra = toupper(letra); while ((letra!= 'A') && (letra!= 'P')); m = calcula_media(nota1, nota2, nota3, letra); if (letra=='a') cout << "\nmedia aritmetica = " << m; cout << "\nmedia ponderada = " << m;

6 2ª Licenciatura AED1 e PC1 Prof. Eduardo 6 Solução 2: #include <ctype.h> float calcula_media(float n1, float n2, float n3, char l); { float nota1, nota2, nota3, m; char letra; cout << "Digite a 1 nota: "; cin >> nota1; cout << "Digite a 2 nota: "; cin >> nota2; cout << "Digite a 3 nota: "; cin >> nota3; do { cout << "Digite uma letra (A-Media aritmetica, P-M dia ponderada) "; cin >> letra; letra = toupper(letra); while ((letra!= 'A') && (letra!= 'P')); m = calcula_media(nota1, nota2, nota3, letra); if (letra=='a') cout << "\nmedia aritmetica = " << m; cout << "\nmedia ponderada = " << m; float calcula_media(float n1, float n2, float n3, char l) { float media; if (l == 'A') media = (n1+n2+n3)/3; media = (n1*5+n2*3+n3*2)/(5+3+2); return media; Exercícios: 1 Criar um algoritmo que mostre um menu com as seguintes opções: 1 Área do retângulo 2 Área do triângulo 3 Área da circunferência 4 Sair Se opção = 1, deve-se ler a base e a altura e executar a função retângulo. Se for escolhida a opção 2, deve-se ler a base e a altura e chamar a função triângulo. Se for escolhido a opção 3, deve-se ler o raio e chamar a função circunferência. O algoritmo só termina quando for digitada a opção 4. 2 Faça um algoritmo contendo uma função que retorne 1 se o número for positivo ou 0 se for negativo. 3 Faça uma função que receba dois números positivos por parâmetro e retorne a soma dos N números inteiros existentes entre eles. 4 Crie uma função que receba três números inteiros a, b e c, sendo a maior que 1. A função deverá somar todos os inteiros entre b e c que sejam divisíveis por a (inclusive b e c) e retorne o resultado para a função principal. 5 Elabore um algoritmo contendo uma função que receba as três notas de um aluno como parâmetros e uma letra. Se a letra for A, a função deverá calcular a média aritmética das notas do aluno; se for P, deverá calcular a média ponderada, com pesos 5, 3 e 2. A média calculada deverá ser devolvida ao programa principal para, então, ser mostrada.

Algoritmos e Estruturas de Dados I Prof. Eduardo 1 1 MODULARIZAÇÃO

Algoritmos e Estruturas de Dados I Prof. Eduardo 1 1 MODULARIZAÇÃO Algoritmos e Estruturas de Dados I Prof. Eduardo 1 1 MODULARIZAÇÃO A identificação de problemas mais complexos resultará no desenvolvimento de algoritmos também mais complexos para resolve-os. Uma abordagem

Leia mais

Linguagem C (Funções)

Linguagem C (Funções) 1. Sub-Rotinas em Linguagem C/C++ Um importante recurso apresentado nas linguagens de programação é a modularização, onde um programa pode ser particionado em sub-rotinas bastante específicas. A linguagem

Leia mais

ESTRUTURA CONDICIONAL E SELEÇÃO

ESTRUTURA CONDICIONAL E SELEÇÃO Algoritmos e Estruturas de Dados 1 Prof. Eduardo 1 ESTRUTURA CONDICIONAL E SELEÇÃO 1 - ESTRUTURA CONDICIONAL (ESTRUTURAS DE CONTROLE OU DECISÃO) Até o momento da disciplina vimos algoritmos e programas

Leia mais

ALGORITMOS COM SELEÇÃO 1 - ESTRUTURA CONDICIONAL (ESTRUTURAS DE CONTROLE)

ALGORITMOS COM SELEÇÃO 1 - ESTRUTURA CONDICIONAL (ESTRUTURAS DE CONTROLE) Algoritmos e Estruturas de Dados 1 Prof. Eduardo 1 ALGORITMOS COM SELEÇÃO 1 - ESTRUTURA CONDICIONAL (ESTRUTURAS DE CONTROLE) Já vimos entrada, processamento e saída, que compõem os algoritmos puramente

Leia mais

1 ESTRUTURA SEQUENCIAL

1 ESTRUTURA SEQUENCIAL Noções de Programação de Computadores Prof. Eduardo 1 1 ESTRUTURA SEQUENCIAL algoritmo Nome_do_algoritmo declaração de variáveis variáveis inicio bloco de comandos; fim_algoritmo 1.1 Declaração de variáveis

Leia mais

ALGORITMOS COM SELEÇÃO 1 - ESTRUTURA CONDICIONAL (ESTRUTURAS DE CONTROLE)

ALGORITMOS COM SELEÇÃO 1 - ESTRUTURA CONDICIONAL (ESTRUTURAS DE CONTROLE) Algoritmos e Estruturas de Dados 1 Prof. Eduardo 1 ALGORITMOS COM SELEÇÃO 1 - ESTRUTURA CONDICIONAL (ESTRUTURAS DE CONTROLE) Até o momento da disciplina vimos comandos de entrada, processamento e saída

Leia mais

SUB-ROTINAS (PROCEDIMENTOS E FUNÇÕES)

SUB-ROTINAS (PROCEDIMENTOS E FUNÇÕES) SUB-TAS (EDMETS E FUÇÕES) Uma sub-rotina é qualquer bloco de código agrupado com fins de reutilização (no mesmo programa ou em outro programa) e organização Também chamadas de subprogramas, as sub-rotinas

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 03 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++

INFORMÁTICA APLICADA AULA 03 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 03 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ Profª ª Danielle Casillo OPERADORES Um operador é um símbolo

Leia mais

Linguagem C Funções. André Tavares da Silva.

Linguagem C Funções. André Tavares da Silva. Linguagem C Funções André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Funções É uma coleção de comandos identificados por um nome (identificador); As funções executam ações e podem retornar valores; main, printf

Leia mais

C++ - Funções. Forma geral das funções C++

C++ - Funções. Forma geral das funções C++ C++ - Funções Conjunto de instruções para executar uma tarefa particular, agrupadas numa unidade com um nome para referenciá-las. O código é agregado ao programa uma única vez e pode ser executado muitas

Leia mais

Algoritmos e Introdução à Programação. Lógica e Linguagem de Programação

Algoritmos e Introdução à Programação. Lógica e Linguagem de Programação Algoritmos e Introdução à Programação Lógica e Linguagem de Programação Prof. José Honorato Ferreira Nunes honoratonunes@softwarelivre.org http://softwarelivre.org/zenorato Funções e Procedimentos (sub-rotinas)

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) Estruturas Condicionais e de Repetição

Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) Estruturas Condicionais e de Repetição Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) Estruturas Condicionais e de Repetição 1 Comando while Deseja-se calcular o valor de: 1 + 2 + 3 +... + N. Observação: não sabemos, a priori, quantos termos

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 05 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++

INFORMÁTICA APLICADA AULA 05 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 05 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ Profª ª Danielle Casillo LAÇOS Laços são comandos da linguagem

Leia mais

As funções são blocos de instruções que facilitam o entendimento do código. Sua sintaxe é:

As funções são blocos de instruções que facilitam o entendimento do código. Sua sintaxe é: Linguagem C-Funções Objetivos No primeiro capítulo foi dito que um programa em C pode ser composto de uma ou mais funções, sendo que a única obrigatória é main (). Agora, estudaremos como utilizar outras

Leia mais

Introdução a Programação de Jogos

Introdução a Programação de Jogos Introdução a Programação de Jogos Aula 03 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Estrutura de um Programa C Inclusão de bibliotecas auxiliares: #include Definição

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 ALGORITMOS

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 ALGORITMOS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 ALGORITMOS Profª ª Danielle Casillo ALGORITMOS Um algoritmo é uma sequência de instruções

Leia mais

Introdução aos Algoritmos

Introdução aos Algoritmos Introdução aos Algoritmos Aula 05 Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa http://www2.ufersa.edu.br/portal/professor/diogopedrosa diogopedrosa@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semiárido Bacharelado

Leia mais

Módulo 1. Introdução. AEDS I C++ (Rone Ilídio)

Módulo 1. Introdução. AEDS I C++ (Rone Ilídio) Módulo 1 Introdução AEDS I C++ (Rone Ilídio) Introdução Linguagens de Programação Fonte Compilador Executável SO I Hardware C++ - Características Evolução do C, ou seja, possui a mesma sintaxe É uma linguagem

Leia mais

Funções em C. Funções em C. Funções em C. Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa

Funções em C. Funções em C. Funções em C. Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa Prof. Yandre Maldonado - 1 Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa Prof. Yandre Maldonado - 2 Subprogramas são estabelecidos em linguagem C através da construção de funções; A sub-programação é uma ferramenta

Leia mais

... Subprogramas Após fazer as tarefas previstas o nosso programa devolve o comando ao sistema operativo. Isto está numa hierarquia onde o nosso progr

... Subprogramas Após fazer as tarefas previstas o nosso programa devolve o comando ao sistema operativo. Isto está numa hierarquia onde o nosso progr 26 - Subprogramas Executar um programa é pedir ao sistema operativo (que é o programa principal de um computador) que passe o comando do computador para o nosso programa. ... Subprogramas Após fazer as

Leia mais

Modularidade - Fun ções e Procedimentos

Modularidade - Fun ções e Procedimentos Modularidade - Fun ções e Procedimentos José Gustavo de Souza Paiva Problema Em diversas situa ções, é preciso executar uma tarefa específica diversas vezes em um programa, variando apenas os dados de

Leia mais

Disciplina de Algoritmos e Programação

Disciplina de Algoritmos e Programação Disciplina de Algoritmos e Programação Aula Passada Prática com declaração e inicialização de variáveis Capacidade de representação (estouro de representação) Tamanho ocupado pela variável na memória (comando

Leia mais

Apresentação da ferramenta de programação. Comandos de entrada e saída. Prof. Alex Camargo

Apresentação da ferramenta de programação. Comandos de entrada e saída. Prof. Alex Camargo UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS BAGÉ ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO Apresentação da ferramenta de programação. Comandos de entrada e saída Prof. Alex Camargo alexcamargoweb@gmail.com Linguagem C A linguagem

Leia mais

Linguagem C: Introdução

Linguagem C: Introdução Linguagem C: Introdução Linguagem C É uma Linguagem de programação genérica que é utilizada para a criação de programas diversos como: Processadores de texto Planilhas eletrônicas Sistemas operacionais

Leia mais

Estrutura de Exclusão Múltipla

Estrutura de Exclusão Múltipla Estrutura de Exclusão Múltipla Lista de Exercícios 03 Algoritmos e Linguagens de Programação Professor: Edwar Saliba Júnior IMPORTANTE: Lembre-se! As respostas apresentadas a seguir não são únicas. Ou

Leia mais

Linguagem C Princípios Básicos (parte 1)

Linguagem C Princípios Básicos (parte 1) Linguagem C Princípios Básicos (parte 1) Objetivos O principal objetivo deste artigo é explicar alguns conceitos fundamentais de programação em C. No final será implementado um programa envolvendo todos

Leia mais

Programação: Vetores

Programação: Vetores Programação de Computadores I Aula 09 Programação: Vetores José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/62 Motivação Problema Faça um programa que leia

Leia mais

Lógica de Programação Atividade Avaliativa 1 RESPOSTAS

Lógica de Programação Atividade Avaliativa 1 RESPOSTAS Lógica de Programação Atividade Avaliativa 1 RESPOSTAS Avaliação individual. A interpretação das questões faz parte da avaliação. Não é permitida conversa bem como troca de materiais entre os alunos; 1)

Leia mais

LINGUAGEM C: FUNÇÕES FUNÇÃO 04/07/2017. Funções são blocos de código que podem ser nomeados e chamados de dentro de um programa.

LINGUAGEM C: FUNÇÕES FUNÇÃO 04/07/2017. Funções são blocos de código que podem ser nomeados e chamados de dentro de um programa. LINGUAGEM C: FUNÇÕES Prof. André Backes FUNÇÃO Funções são blocos de código que podem ser nomeados e chamados de dentro de um programa. printf(): função que escreve na tela scanf(): função que lê o teclado

Leia mais

ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS II (Parte 1)

ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS II (Parte 1) Algoritmos e Estruturas de Dados I1 Prof. Eduardo 1 ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS II (Parte 1) Prof. Eduardo Machado Real Conteúdos: Funções Ponteiros Se A é o sucesso, então A é igual a X mais Y mais

Leia mais

Programação C/C++ Slide 5 Nielsen Castelo Damasceno

Programação C/C++ Slide 5 Nielsen Castelo Damasceno Programação C/C++ Slide 5 Nielsen Castelo Damasceno Programação estruturada Programação estruturada Programação estruturada Programação estruturada Programação estruturada vetores vetores vetores vetores

Leia mais

Programação Básica. Estrutura de um algoritmo

Programação Básica. Estrutura de um algoritmo Programação Básica Estrutura de um algoritmo Código-fonte Como vimos na aula anterior um algoritmo pode ser representado usando um fluxograma Um algoritmo pode também ser representado usando texto Esse

Leia mais

Algoritmos Estrutura Condicional

Algoritmos Estrutura Condicional Algoritmos Estrutura Condicional Aula 06 Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa http://www2.ufersa.edu.br/portal/professor/diogopedrosa diogopedrosa@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semiárido Bacharelado

Leia mais

Exercícios Repetição. 8.3 Exercícios

Exercícios Repetição. 8.3 Exercícios Curso de Graduação em Ciência da Computação Disciplina: Algoritmos Professor: Marcelo Cendron Exercícios Repetição 8.3 Exercícios 1. Faça um programa utilizando o comando while, que fica lendo números

Leia mais

Exercícios Repetição

Exercícios Repetição Curso de Engenharia de Controle e Automação Disciplina: Informática para a Automação Professor: Marcelo Cendron Exercícios Repetição 1.1 8.3 Exercícios 1. Faça um programa utilizando o comando while, que

Leia mais

Arquitetura Von Neumann Dados e instruções são obtidos da mesma forma, simplificando o desenho do microprocessador;

Arquitetura Von Neumann Dados e instruções são obtidos da mesma forma, simplificando o desenho do microprocessador; 1 Microprocessador Um microprocessador é um circuito eletrônico capaz de realizar diversas tarefas conforme os comandos específicos. Para isso ele deve ler esses comandos da memória de programa (ROM) e

Leia mais

Estruturas de Repetição

Estruturas de Repetição Estruturas de Repetição Introdução As estruturas de repetição, permitem executar mais de uma vez um mesmo trecho de código. Trata-se de uma forma de executar blocos de comandos somente sob determinadas

Leia mais

AULA 07. HABILIDADES TRABALHADAS: Desenvolver algoritmos utilizando laços a partir da leitura de fluxogramas ou algoritmos em portugol.

AULA 07. HABILIDADES TRABALHADAS: Desenvolver algoritmos utilizando laços a partir da leitura de fluxogramas ou algoritmos em portugol. AULA 07 OBJETIVO: Estruturas de repetição: visão geral HABILIDADES TRABALHADAS: Desenvolver algoritmos utilizando laços a partir da leitura de fluxogramas ou algoritmos em portugol. ESTRUTURA DE REPETIÇÃO

Leia mais

Algoritmos e Introdução à Programação. Lógica e Linguagem de Programação

Algoritmos e Introdução à Programação. Lógica e Linguagem de Programação Algoritmos e Introdução à Programação Lógica e Linguagem de Programação Prof. José Honorato Ferreira Nunes honoratonunes@softwarelivre.org http://softwarelivre.org/zenorato/honoratonunes Linguagem C Seleção

Leia mais

Introdução à Ciência da Computação. Sumário. Modularização de Algoritmos. Agradecimentos. Modularização de Algoritmos e Funções em C

Introdução à Ciência da Computação. Sumário. Modularização de Algoritmos. Agradecimentos. Modularização de Algoritmos e Funções em C Agradecimentos Introdução à Ciência da Computação e Funções em C Parte dos slides a seguir são adaptações dos originais: de A. L. V. Forbellone e H. F. Eberspächer do Prof. Rudinei Goularte Prof. Ricardo

Leia mais

3ª Lista de Exercícios de Programação I

3ª Lista de Exercícios de Programação I 3ª Lista de Exercícios de Programação I Instrução As questões devem ser implementadas em C, apoiadas por representação em algoritmo para planejamento. 1. Desenvolva um programa que leia dois valores a

Leia mais

Estrutura de Dados Básica

Estrutura de Dados Básica Estrutura de Dados Básica Professor: Osvaldo Kotaro Takai. Aula 2: Revisão dos itens básicos O objetivo desta aula é revisar os conceitos envolvidos na abordagem da Programação Estruturada. Representações

Leia mais

Linguagem C. Programação Estruturada. Modularização (Funções) Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo

Linguagem C. Programação Estruturada. Modularização (Funções) Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo Programação Estruturada Linguagem C Modularização (Funções) Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br Sumário Introdução Por que usar funções? Escopo de Variáveis Declarando uma

Leia mais

Java e sua Sintaxe. Estrutura mínima de um programa em Java: public class Exemplo { }

Java e sua Sintaxe. Estrutura mínima de um programa em Java: public class Exemplo { } Java e sua Sintaxe Java e sua Sintaxe Estrutura mínima de um programa em Java: public class Exemplo { } Como todo programa deve ter um início, convenciona-se que a primeira ação de um programa é a execução

Leia mais

Introdução à Programação. Introdução a Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes

Introdução à Programação. Introdução a Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes Introdução à Programação Introdução a Linguagem C Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br Resumo da aula Introdução Variáveis Tipos de dados Operadores e Expressões: Operadores

Leia mais

1ª LISTA DE EXERCÍCIOS

1ª LISTA DE EXERCÍCIOS UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DISCIPLINA: TEORIA DA COMPUTAÇÃO E ALGORITMOS PROF: GIULIANO PRADO DE MORAIS GIGLIO 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS 1) Sobre variáveis, responda

Leia mais

Conceitos básicos de algoritmos

Conceitos básicos de algoritmos Conceitos básicos de algoritmos Operadores Aritméticos Unários: +, - Exemplos: +1-5.9... var a: inteiro... a

Leia mais

Introdução à Ciência da Computação SCC0120 Prof. Zhao Liang. Aula de Laboratório 1: Operadores, comandos básicos e comando IF 27/03/2012

Introdução à Ciência da Computação SCC0120 Prof. Zhao Liang. Aula de Laboratório 1: Operadores, comandos básicos e comando IF 27/03/2012 Introdução à Ciência da Computação SCC0120 Prof. Zhao Liang Aula de Laboratório 1: Operadores, comandos básicos e comando IF 27/03/2012 PARTE 1: OPERADORES E COMANDOS BÁSICOS EXEMPLO 1.1: Programa que

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO Primeiro programa em C #include int main() { int num1, num2, result; scanf("%d",&num1); scanf("%d",&num2); result = num1 + num2; printf("%d",

Leia mais

COMPORTAMENTOS - Observações

COMPORTAMENTOS - Observações COMPORTAMENTOS - Observações O próprio objeto realiza operações de consulta ou alteração dos valores dos seus atributos Essas operações são definidas em seus métodos Os métodos também são utilizados para

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTROLE

ESTRUTURAS DE CONTROLE ESTRUTURAS DE CONTROLE ESTRUTURA SEQUENCIAL E ESTRUTURAS CONDICIONAIS Introdução à Ciência da Computação Estruturas de Controle ESTRUTURA SEQUENCIAL ESTRUTURAS CONDICIONAIS Estrutura Condicional Simples

Leia mais

Desenvolvimento de programas. Análise do problema. Análise do problema. Análise do problema. Desenvolvimento do algoritmo. Codificação do programa

Desenvolvimento de programas. Análise do problema. Análise do problema. Análise do problema. Desenvolvimento do algoritmo. Codificação do programa Desenvolvimento de programas 1 Análise do problema Desenvolvimento do algoritmo Codificação do programa Compilação e execução Teste e depuração Análise do problema 2 Conhecer exatamente o que o problema

Leia mais

Estruturas de Repetição WHILE e DO- WHILE

Estruturas de Repetição WHILE e DO- WHILE Universidade Federal do Pampa UNIPAMPA Campus Itaqui RS Engenharia de Agrimensura Introdução à Programação (prof. Dr. Rogério Vargas) Lista 2 (entrega: 1 de junho de 2015) Instruções: Trabalhos iguais

Leia mais

Resolva os exercícios utilizando a linguagem de programação C

Resolva os exercícios utilizando a linguagem de programação C MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO Resolva os exercícios utilizando a linguagem de programação C 1 Manipulação de dados

Leia mais

Algoritmos e Introdução à Programação. Lógica e Linguagem de Programação

Algoritmos e Introdução à Programação. Lógica e Linguagem de Programação Algoritmos e Introdução à Programação Lógica e Linguagem de Programação Prof. José Honorato Ferreira Nunes honoratonunes@softwarelivre.org http://softwarelivre.org/zenorato/honoratonunes Linguagem C Prof.

Leia mais

Universidade Estadual do Maranhão Curso de Engenharia da Computação Mestrado em Engenharia da Computação e Sistemas

Universidade Estadual do Maranhão Curso de Engenharia da Computação Mestrado em Engenharia da Computação e Sistemas Notas de Aulas Sub-rotinas Prof. Dr. Luís Carlos Costa Fonseca São Luís 2013 Geralmente, problemas complexos exigem algoritmos complexos, mas sempre é possível dividir um problema grande em problemas menores.

Leia mais

Estrutura de um Algoritmo, Variáveis, Comandos de Entrada e Saída e Expressões Aritméticas

Estrutura de um Algoritmo, Variáveis, Comandos de Entrada e Saída e Expressões Aritméticas Estrutura de um Algoritmo, Variáveis, Comandos de Entrada e Saída e Expressões Aritméticas Estrutura de um Programa em Linguagem Algorítmica Nesse curso nós vamos utilizar a linguagem algorítmica para

Leia mais

Professora Martha Spalenza Professora de Informática da Faetec

Professora Martha Spalenza Professora de Informática da Faetec Algoritmos em Estrutura seqüencial 1. Tipos de dados São quatro os tipos básicos de dados, e podem assumir os seguintes valores válidos: - números inteiros: -,, -3, -2, -1, 0, 1, 2, 3,, + ; - números reais:

Leia mais

Noções de algoritmos - Aula 1

Noções de algoritmos - Aula 1 Noções de algoritmos - Aula 1 Departamento de Física UFPel Definição de algoritmo Sequência ordenada e finita de operações para a realização de uma tarefa. Tarefa: Experimento de Física I. Passo 1: Reunir

Leia mais

CAPÍTULO 3 INSTRUÇÕES BÁSICAS

CAPÍTULO 3 INSTRUÇÕES BÁSICAS CAPÍTULO 3 INSTRUÇÕES BÁSICAS Guilherme da Cunha Fonseca FEPI Centro Universitário de Itajubá Curso de Tecnologia em Fabricação Mecânica 1 INTRODUÇÃO As instruções ou comandos básicos são o conjunto de

Leia mais

11 - Estrutura de um programa em C

11 - Estrutura de um programa em C 11 - Estrutura de um programa em C directivas para o compilador { main ( ) declarações instruções } -É possível utilizar comentários, exemplo: /* Comentário */ que não são traduzidos pelo compilador, pois

Leia mais

Subprogramas. (ou Sub-rotinas) em C: Procedimentos e Funções. 2015/1 Programação Básica de Computadores (INF 09325)

Subprogramas. (ou Sub-rotinas) em C: Procedimentos e Funções. 2015/1 Programação Básica de Computadores (INF 09325) Subprogramas (ou Sub-rotinas) em C: Procedimentos e Funções 2015/1 Programação Básica de Computadores (INF 09325) Archimedes Detoni www.inf.ufes.br/~archimedesdetoni archimedesdetoni@inf.ufes.br Programa

Leia mais

Funções. Prof. Fabrício Olivetti de França

Funções. Prof. Fabrício Olivetti de França Funções Prof. Fabrício Olivetti de França Resposta do Exercício 4 while ( trocou ) { trocou = 0; for ( i=0; i

Leia mais

SSC INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO PARA ENGENHARIA AMBIENTAL MODULARIZAÇÃO. Profa. Dra. Milena Guessi Margarido

SSC INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO PARA ENGENHARIA AMBIENTAL MODULARIZAÇÃO. Profa. Dra. Milena Guessi Margarido SSC 301 - INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO PARA ENGENHARIA AMBIENTAL MODULARIZAÇÃO Profa. Dra. Milena Guessi Margarido (milena@icmc.usp.br) MODULARIZAÇÃO Um problema complexo é melhor abordado se for dividido primeiramente

Leia mais

ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM C++ Estrutura de um Programa em C++

ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM C++ Estrutura de um Programa em C++ ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM C++ Estrutura de um Programa em C++ #include { Este trecho é reservado para o corpo da função, com a declaração de suas variáveis locais, seus comandos e funções

Leia mais

Aula 1 Apresentação do Curso

Aula 1 Apresentação do Curso Departamento de Sistemas de Computação Universidade de São Paulo SSC 502 Laboratório de Introdução a Ciência de Computação I Aula 1 Apresentação do Curso Responsável Prof. Seiji Isotani (sisotani@icmc.usp.br)

Leia mais

MESMO QUE ESTAS VARIÁVEIS TENHAM NOME IDÊNTICOS

MESMO QUE ESTAS VARIÁVEIS TENHAM NOME IDÊNTICOS Funções As funções são blocos de instruções que facilitam o entendimento do código. Porque usar funções? Para permitir o reaproveitamento de código já construído (por você ou por outros programadores);

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARTE II. Prof. Dr. Daniel Caetano

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARTE II. Prof. Dr. Daniel Caetano LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARTE II Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Material de Estudo Material Notas de Aula Apresentação Material Didático Acesso ao Material

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 05 (GABARITO)

LISTA DE EXERCÍCIOS 05 (GABARITO) LISTA DE EXERCÍCIOS 0 (GABARITO) CURSO: Bacharelado em Engenharia Elétrica MÓDULO/SEMESTRE/SÉRIE: 1º TURMA: 0. DISCIPLINA: Introdução à Programação DOCENTE: Alexandro dos Santos Silva MODALIDADE: Ensino

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Produção / Elétrica Parte 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Aula 4 ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO (FOR)

Aula 4 ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO (FOR) Aula 4 ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO (FOR) Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1o semestre/2017 Estruturas de Controle l ESTRUTURA SEQUENCIAL l ESTRUTURAS CONDICIONAIS l l l Estrutura Condicional Simples Estrutura

Leia mais

Estruturas de Decisão. Adaptado de Deise Saccol

Estruturas de Decisão. Adaptado de Deise Saccol Estruturas de Decisão Adaptado de Deise Saccol 1 ESTRUTURAS DE DECISÃO Comandos de decisão ou desvio fazem parte das técnicas de programação, para construir estruturas de algoritmos que não são totalmente

Leia mais

Variáveis, Tipos de Dados e Operadores

Variáveis, Tipos de Dados e Operadores ! Variáveis, Tipos de Dados e Operadores Engenharias Informática Aplicada 2.o sem/2013 Profa Suely (e-mail: smaoki@yahoo.com) VARIÁVEL VARIÁVEL É um local lógico, ligado a um endereço físico da memória

Leia mais

Características da Linguagem C

Características da Linguagem C Características da Linguagem C Na aula passada, foi implementado o exemplo utilizado do reajuste salarial O resultado impresso pode ser visualizado da seguinte forma: Características da Linguagem C Introdução

Leia mais

Estrutura de Programas e Tipos de Dados Simples

Estrutura de Programas e Tipos de Dados Simples SSC0101 - ICC1 Teórica Introdução à Ciência da Computação I Estrutura de Programas e Tipos de Dados Simples Prof. Vanderlei Bonato: vbonato@icmc.usp.br Prof. Claudio Fabiano Motta Toledo: claudio@icmc.usp.br

Leia mais

Linguagem de Programação

Linguagem de Programação Linguagem de Programação aula 4 Engenharia Elétrica e Engenharia de Automação Introdução à Computação 1.o sem/2013 Profa Suely (e-mail: smaoki@yahoo.com) Programas Programas são seqüências de instruções

Leia mais

Lógica de Programação e Algoritmos

Lógica de Programação e Algoritmos Lógica de Programação e Algoritmos Professores autores Nélio Alessandro Azevedo Cacho Keivilany Janielle de Lima Coelho Aula 7 Estruturas de decisão simples SE Na aula 6 (Controle de fluxo de execução:

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados I Conceitos de Algoritmos. Prof. Elyssandro Piffer

Algoritmos e Estrutura de Dados I Conceitos de Algoritmos. Prof. Elyssandro Piffer Algoritmos e Estrutura de Dados I Conceitos de Algoritmos Prof. Elyssandro Piffer CONCEITO DE ALGORITMO O computador pode auxiliar em muitas tarefas, contudo ele não possui independência, não é inteligente,

Leia mais

Linguagem C (estruturas condicionais)

Linguagem C (estruturas condicionais) Linguagem C (estruturas condicionais) André Tavares da Silva atavares@joinville.udesc.br Comandos de Controle de Fluxo Todos os comandos devem ser terminados com um ;. { e são usados para delimitar um

Leia mais

A modularização é uma técnica de programação usada para dividir um programa em partes menores, organizando-as de acordo com suas funcionalidades.

A modularização é uma técnica de programação usada para dividir um programa em partes menores, organizando-as de acordo com suas funcionalidades. UFES CEUNES Ciência da Computação e Engenharia de Computação Programação Estruturada 2º período 2013/1 Lista de exercícios 07 Assuntos novos: modularização e funções Resumo e exemplos A modularização é

Leia mais

ITENS FUNDAMENTAIS Programando em C++

ITENS FUNDAMENTAIS Programando em C++ INFORMÁTICA E COMPUTAÇÃO - CMP 1060 AULA 3 ITENS FUNDAMENTAIS Programando em C++ 1. Constantes São valores que são mantidos fixos pelo compilador. Tipo de Dado Exemplos de Constantes char b \n \0 int 2

Leia mais

Conceitos Básicos de Algoritmos

Conceitos Básicos de Algoritmos Conceitos Básicos de Algoritmos 35 TIPOS PRIMITIVOS Palavra-reservada: inteiro - define variáveis numéricas do tipo inteiro, ou seja, sem casas decimais Palavra-reservada: real - define variáveis numéricas

Leia mais

Comandos de entrada. e saída. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada.

Comandos de entrada. e saída. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada. Comandos de entrada. e saída Biblioteca stdio.h Comandos Função scanf() Função gets() Função getchar() Material cedido pelo prof. Daniel Callegari scanf() Rotina de entrada que lê todos os tipos de dados. Protótipo: int scanf(const

Leia mais

Linguagem C++ Estruturas de controle Parte II Estruturas de repetição

Linguagem C++ Estruturas de controle Parte II Estruturas de repetição Fundamentos de Programação Linguagem C++ Estruturas de controle Parte II Estruturas de repetição Prof. Bruno E. G. Gomes IFRN 1 Estruturas de Controle Permitem o controle da sequência de execução de um

Leia mais

Introdução à Programação em C. Prof. Ricardo Teixeira Tecnologia em Mecatrônica Industrial SENAI

Introdução à Programação em C. Prof. Ricardo Teixeira Tecnologia em Mecatrônica Industrial SENAI Introdução à Programação em C Prof. Ricardo Teixeira Tecnologia em Mecatrônica Industrial SENAI Linguagem C Criada em 1972 para uso no LINUX; Sintaxe base para diversas outras (Java, JavaScript, PHP, C++,

Leia mais

Conceito de procedimentos e funções

Conceito de procedimentos e funções Tópicos Introdução Como funcionam as funções Declaração de funções Exemplo de funções 1 Introdução As funções, são unidades de código desenhadas para cumprir uma determinada tarefa. Até agora, já utilizamos

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Edirlei Soares de Lima Introdução a Computação Aula 02 Lógica de Programação Lógica de Programação Lógica de Programação é a técnica de criar sequências lógicas de ações para atingir

Leia mais

Puca Huachi Vaz Penna / José Américo T. Messias

Puca Huachi Vaz Penna / José Américo T. Messias BCC201 Introdução à Computação Turmas 61, 62, 63, 64, 65 e 66 Puca Huachi Vaz Penna / José Américo T. Messias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto http://www.decom.ufop.br/puca

Leia mais

1) Operadores de auto incremento ++ e auto decremento --

1) Operadores de auto incremento ++ e auto decremento -- Aula 09 - Operadores de auto incremento e auto decremento, atribuição múltipla, atribuição na declaração, atribuição resumida e algumas regras de boa programação. 1) Operadores de auto incremento ++ e

Leia mais

Vetores. e o programa deverá ler os valores separadamente:

Vetores. e o programa deverá ler os valores separadamente: Vetores Vetor é um tipo de dado usado para representar uma certa quantidade de variáveis de valores homogêneos (do mesmo tipo). Imagine o seguinte problema: calcular a média das notas da prova de 5 alunos.

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Linguagem C: Operadores relacionais e lógicos estruturas condicionais If...

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Linguagem C: Operadores relacionais e lógicos estruturas condicionais If... Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Linguagem C: Operadores relacionais e lógicos estruturas condicionais If... Else Switch Prof. Renato Pimentel 1 Operações relacionais Operações

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) 2013/1. Estruturas Básicas. Aula Tópico 4

Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) 2013/1. Estruturas Básicas. Aula Tópico 4 Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) 2013/1 Estruturas Básicas Aula Tópico 4 1 Problema 3 Exibir o maior número inteiro que pode ser representado no computador. 2 Qual o maior número inteiro? Para

Leia mais

Fluxogramas. Leandro Tonietto ago-09

Fluxogramas. Leandro Tonietto ago-09 Fluxogramas Leandro Tonietto ltonietto@unisinos.br ago-09 Introdução Planejar, modelar e projetar primeiro, depois fazer (programar). Maiores chances de sucesso na programação Facilita a resolução, pois

Leia mais

Linguagem C. André Tavares da Silva.

Linguagem C. André Tavares da Silva. Linguagem C André Tavares da Silva dcc2ats@joinville.udesc.br Lógica de Programação O objetivo da lógica de programação é exercitar os métodos de raciocínio e elaborar soluções coerentes para determinados

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. 2) Explique a diferença entre algoritmo computacional e não computacional.

LISTA DE EXERCÍCIOS. 2) Explique a diferença entre algoritmo computacional e não computacional. LISTA DE EXERCÍCIOS 1) Qual a definição de lógica de programação? 2) Explique a diferença entre algoritmo computacional e não computacional. 3) Qual a definição de instruções em computação? 4) Qual a definição

Leia mais

Objectivos. Iniciar a programação de funções. Estudar a chamada de funções. Estudar a forma como são executadas as funções

Objectivos. Iniciar a programação de funções. Estudar a chamada de funções. Estudar a forma como são executadas as funções Funções Objectivos Iniciar a programação de funções Estudar a chamada de funções Estudar a forma como são executadas as funções Passagem por valor e referência Como conceber funções 2 Programação modular

Leia mais

Estrutura de Seleção Múltipla Switch

Estrutura de Seleção Múltipla Switch Estrutura de Seleção Múltipla Switch Disciplina: Algoritmos e Programação Luciano Moraes Da Luz Brum Universidade Federal do Pampa Unipampa Campus Bagé Email: lucianobrum18@gmail.com Horários de atendimento:

Leia mais

Introdução a Linguagem C. Prof. Me. Hélio Esperidião

Introdução a Linguagem C. Prof. Me. Hélio Esperidião Introdução a Linguagem C Prof. Me. Hélio Esperidião Características de um programa De forma geral a maioria dos programas são compostos por dados de entrada, processamento e dados de saída. Entrada de

Leia mais

5. Expressões aritméticas

5. Expressões aritméticas 5. Expressões aritméticas 5.1. Conceito de Expressão O conceito de expressão em termos computacionais está intimamente ligado ao conceito de expressão (ou fórmula) matemática, onde um conjunto de variáveis

Leia mais

Lógica de Programação I

Lógica de Programação I Gilson de Souza Carvalho gaucho.gilson@hotmail.com 1 Comando Switch O comando Switch pode ser visto como uma especialização do comando if. Foi criado para facilitar um uso particular de comandos if encadeados.

Leia mais