SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO & AVALIAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO & AVALIAÇÃO"

Transcrição

1 Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 25, 26 e 27 de março de 2014 SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO & AVALIAÇÃO NA SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE MARIDALVA PANTOJA DIAS PEDRO CÉSAR A. R. DE SOUZA TIAGO SILVA SANTOS

2 2 Painel 14/041 Gestão para resultados na saúde pública do Estado do Pará SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO & AVALIAÇÃO NA SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE Maridalva Pantoja Dias Pedro César A. R. de Souza Tiago Silva Santos RESUMO A adoção de uma sistemática de Monitoramento e Avaliação (M&A) para os resultados das ações de saúde pública é um importante desafio para os gestores de todo o País. Nesse sentido, os investimentos em tecnologias de gestão vem sendo aplicados com sucesso na Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará (SESPA). Trata-se de um robusto modelo de M&A fruto da atuação integrada do Instituto Publix com o Governo de Estado incorporado a um sistema automatizado e customizado às necessidades da Secretaria e suas unidades vinculadas. Foi definido um rol de diretrizes, objetivos, metas e indicadores em nível nacional para os anos de , que deve refletir as ações executadas até o nível local, pactuados de acordo com as características e objetivos de cada região. Esse modelo de M&A facilitará que a análise dos resultados desse planejamento integrado entre os entes do poder municipal, estadual e federal, responsáveis pelo Sistema Único de Saúde (SUS), ocorra de forma coerente e sem morosidades ou desalinhamentos.

3 3 1 CONTEXTO DO PROJETO A gestão e a prestação de serviços de saúde à população têm passado por constantes mudanças e evoluções nos últimos tempos, que acarretam na emergência de novos desafios. Dentre os principais desafios que surgiram recentemente no contexto da saúde no estado do Pará, destacam-se: Os desafios inerentes à alocação, retenção e desenvolvimento da força de trabalho, especialmente no interior do Estado; A implantação de novos modelos organizacionais voltados ao atendimento à população, o que demanda o fortalecimento da capacidade de formulação, regulação e controle por parte do Estado; A necessidade de disponibilização de informações aos gestores e aos cidadãos, em linha com as novas legislações que versam sobre o assunto. Em suma, os desafios citados refletem a necessidade de revisar o modelo burocrático atualmente instalado e edificar uma gestão mais eficaz, transparente e alinhada às necessidades da população do estado do Pará. Nesse sentido, a Secretaria Estadual de Saúde do Pará (SESPA) tem desenvolvido iniciativas que visam tornar a sua arquitetura organizacional mais moderna e eficiente, dispondo de condições para realizar uma gestão pública que apresente melhores resultados. No bojo de um conjunto de iniciativas de modernização da gestão, a SESPA desenvolveu metodologias e ferramentas visando adequar os seus instrumentos de planejamento e gestão estratégica ao Decreto nº 7.508/2011 publicado pelo Ministério da Saúde. O Decreto nº 7.508/2011 e a Lei Complementar nº 141/2012 inserem o planejamento da Saúde na centralidade da agenda da gestão, estabelecendo-o como um processo ascendente e integrado, do nível local até o federal. O Decreto estabelece o imperativo da compatibilização das necessidades das políticas de Saúde com a disponibilidade de recursos financeiros e o estabelecimento de metas de Saúde. A Figura 1 destaca o modelo de gestão da saúde pública preconizado pelo Decreto nº 7.508/2011; Nesse novo contexto, o planejamento da saúde é formulado de maneira integrada entre as esferas de gestão, realizado no âmbito regional, partindo do reconhecimento das dinâmicas presentes no território e que influenciam na saúde, bem como das necessidades da população dos municípios da região.

4 4 Figura 1. Planejamento regional integrado de saúde Fonte: Caderno de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores. Ministério da Saúde, 2012 Conforme estabelecido no Decreto nº 7.508/2011, a SESPA realizou um amplo debate junto às partes interessadas do Setor de Saúde visando à formulação de diretrizes de longo prazo. As diretrizes de longo prazo expressam o que deve ser feito, refletindo as situações a serem alteradas pela implementação de estratégias e ações no território, permitindo a agregação de um conjunto de iniciativas gestoras de formulação coordenada. As diretrizes foram desdobradas em metas e indicadores de resultado e compuseram assim o Plano Estadual de Saúde, que abrange o horizonte de 4 (quatro) anos e a Programação Anual de Saúde, com horizonte de 1 (um) ano. Após a formulação do Plano Estadual de Saúde e da Programação Anual de Saúde, foi percebida a necessidade de desenvolvimento de um modelo de monitoramento e avaliação para a estratégia da SESPA. Dentro desse contexto, o presente artigo apresentará a metodologia utilizada e os resultados advindos da implantação da sistemática de monitoramento e avaliação de políticas públicas da SESPA.

5 5 2 FUNDAMENTOS METODOLÓGICOS DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO NA GESTÃO PÚBLICA Do ponto de vista de um modelo de gestão para resultados, monitoramento e avaliação são mecanismos de controle e correção que permitem verificar a extensão na qual a agenda estratégica é pertinente e está sendo realizada, além de averiguar se os esforços empreendidos estão direcionados para ela. O ponto crítico em relação a sistemas de monitoramento e avaliação é gerar e disponibilizar informações de forma clara e expedita para proporcionar correções no momento oportuno e, por conseguinte, aprendizado. Uma sistemática de monitoramento e avaliação envolve definições sobre os objetos que serão monitorados e avaliados; sobre os prazos e procedimentos de coleta, tratamento e disponibilização dos dados e informações, sobre os sujeitos envolvidos e sobre os instrumentos e formas de disponibilização das informações geradas. O monitoramento e a avaliação devem abranger objetos tanto do esforço quanto do resultado. Os objetos de esforço podem ser iniciativas (marcos, ações, projetos ou processos, inclusive de melhoria da gestão, por meio de seus indicadores de execução, excelência e economicidade, conforme o caso), estejam ou não dispostas em instrumentos de pactuação de resultados. Os objetos do resultado são os elementos programáticos da agenda estratégica, seja sob a forma de objetivos e metas mobilizadoras (por meio de seus indicadores de efetividade, eficiência e eficácia, conforme o caso). Nesse sentido, a sistemática de monitoramento e avaliação deve incorporar, de forma integrada, arranjos normalmente denominados de escritórios de projetos e de processos, em perspectiva estratégica. O processo de Monitoramento e Avaliação define a forma e o timing como os dados serão obtidos, tratados e, principalmente, disponibilizados. Envolve definições de prazos, escopo, produtos e atores das avaliações, de modo que formem conjuntos integrados de modalidades de Monitoramento e Avaliação. Em relação aos prazos, um ciclo avaliatório (usualmente coincidente com um ciclo de pactuação) pode se dividir, conforme o caso, em períodos avaliatórios distintos (mês, quadrimestre, ano etc.) e compreender diferentes arranjos de objetos de avaliação, procedimentos e partes envolvidas. Usualmente, há três principais modalidades de avaliações, ex cursum e ex post:

6 6 Avaliação de esforços em períodos curtos (um a três meses); Avaliação de esforços e resultados em períodos médios e Avaliação de resultados ao fim do ciclo avaliatório. Sobre o lócus de monitoramento, a central de resultados é a sala de situação do governo ou da organização, não apenas porque monitora, informa e (re)programa, mas também, por essas razões, coordena e exerce um controle estratégico vital. A central de resultados deve estar atenta aos redirecionamentos necessários, e não apenas ao registro passivo dos atos e fatos ou à simples análise de se eles convergem ou divergem dos resultados preconizados. A central de resultados constitui os nervos e o cérebro do modelo de governança para resultados. Por essa razão, deve ser dotada de clara e inequívoca centralidade, e deve estar muito próxima ao executivo principal. A Figura 2 ilustra o posicionamento da central de resultados, com destaque para as setas pontilhadas que representam os principais fluxos de informação. Figura 2. Posicionamento da Central de Resultados

7 7 Por fim, é vital a integração entre a central de resultados, a comunicação social e os sistemas de controle interno e externo, essencialmente para promover a transparência e a responsabilização. Assim, a central de resultados pode engendrar arranjos peculiares, como colegiados (comitês de avaliação internos ou externos) responsáveis pela prestação de contas, transparência, controle social etc. Nesse sentido, recomenda-se a instituição de um conselho, formado por representantes das diversas partes interessadas, com o papel de dispor sobre os ciclos e as modalidades do processo de monitoramento e avaliação, para lhe dar maior legitimidade. Em síntese, o essencial no desenvolvimento de modelos de monitoramento e avaliação é desconstruir o mito do controle perfeito e total. Não há modelos perfeitos em termos de escopo, metodologia e timing. É impossível (e inviável) avaliar tudo, sem limitações no tempo certo. Avaliações custam, metodologias são limitadas (mesmo com a crescente aplicação em pesquisa acadêmica para Monitoramento e Avaliação), o tempo flui de forma instável (pode encurtar ou alargar períodos avaliatórios), e há múltiplos problemas de confiabilidade e qualidade de informações (desde o clássico problema de assimetria de informações até o difícil envolvimento de unidades executoras que atuam na ponta em complexos arranjos de implementação em rede). Ademais, isso tudo se aplica a objetos dinâmicos, complexos e multifacetados, que requerem múltiplas formas sobrepostas de avaliação para aumentar a segurança das conclusões e mitigar problemas de qualidade dos dados (interna, externa, autoavaliação, qualitativa, quantitativa, com desempenho pactuado, apurado, percebido, comparado etc.). 3 SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO & AVALIAÇÃO (M&A) DA SESPA Os objetos de monitoramento e avaliação definidos pela SESPA foram o Plano Estadual de Saúde e os Protocolos de Cooperação entre Entes Públicos (PCEP s). O Plano Estadual de Saúde é composto por 67 indicadores, que são classificados em duas categorias principais: Indicadores universais Expressam o acesso e a qualidade da organização em redes, além de considerar os indicadores epidemiológicos de abrangência nacional e desempenho do sistema (IDSUS), sendo de pactuação comum e obrigatória nacionalmente;

8 8 Indicadores específicos Expressam as características epidemiológicas locais e de organização do sistema e de desempenho do sistema (IDSUS), sendo de pactuação obrigatória quando forem observadas as especificidades no território. Outro instrumento destacado consiste nos documentos apresentando o Protocolo de Cooperação entre Entes Públicos (PCEP). O Protocolo tem por objetivo formalizar a cooperação entre os entes públicos na prestação de serviços ambulatoriais e hospitalares das unidades públicas federais no município, garantindo assim a autonomia e organização entre os entes para a efetiva execução do serviço de saúde. De acordo com artigo 2º da Portaria nº161, de 21 de janeiro de 2010, o Protocolo de Cooperação entre Entes Públicos (PCEP) é o instrumento que se destina à formalização da relação entre-gestores do Sistema Único de Saúde quando unidades públicas de saúde, hospitalares e ambulatoriais especializadas, situadas no território de um Município, estão sob gerência de determinada unidade federativa e gestão de outra. O protocolo prevê, nos artigos 3º e 4º da mesma portaria, a definição da oferta e fluxos de serviços, metas qualitativas e quantitativas, bem como mecanismos de acompanhamento e avaliação. Além disso, o PCEP prevê o Plano Operativo Anual relativo a cada unidade que o integrarem que deve conter: Definição das metas físicas das unidades, atendimentos ambulatoriais, atendimentos de urgência e emergência e dos serviços de apoio diagnóstico e terapêutico, com os seus quantitativos e fluxos de referência e contrarreferência; Definição das metas de qualidade; e Descrição das atividades de aprimoramento e aperfeiçoamento da gestão. A SESPA decidiu desenvolver uma estrutura de apoio dedicada à realização das atividades de monitoramento e avaliação. A Central de Resultados é uma unidade responsável pela coordenação dos processos de M&A e operação um painel de controle que se constitui na ferramenta essencial de disseminação interna e externa das informações geradas, essencial para sua incorporação aos processos decisórios. A Central de Resultados possui as seguintes atribuições:

9 9 Disponibilizar e disseminar informações a respeito do desempenho das ações da SESPA e dos indicadores estratégicos de saúde; Promover a integração das áreas da SESPA em torno do acompanhamento das ações de saúde estadual; Facilitar o processo de tomada de decisão pela cúpula da Secretaria; Desenvolver uma cultura de melhoria contínua de desempenho; Viabilizar e acompanhar a realização de ações corretivas e preventivas nos programas e projetos da SESPA; Facilitar a reprogramação dos planos estratégicos (Plano Estadual de Saúde e Programação Anual de Saúde); Garantir a transparência das ações da SESPA. As modalidades de Monitoramento e Avaliação estabelecem a forma e o timing como os dados serão obtidos e disponibilizados. Levando-se em consideração a realidade específica da SESPA, foram definidas as seguintes modalidades de M&A para a Secretaria: Reuniões de Monitoramento da Execução das Ações: Essa modalidade, com periodicidade mais curta, é focada em esforços. São reuniões de caráter mais interno, que devem envolver as equipes que estão diretamente relacionadas à implementação das ações. O foco das reuniões de monitoramento é mais processual, ou seja, dos esforços e dos marcos das ações (cumprimento das atividades de cada iniciativa); Reuniões de Avaliação dos Esforços e Resultados Intermediários: Essas reuniões tem caráter mais abrangente, pois são discutidos tanto os esforços quanto os resultados intermediários. Assim, nessas reuniões é possível realizar reflexões mais profundas a respeito das causas do desempenho, tanto positivo quanto negativo; Reuniões de Avaliação dos Resultados Finais: As reuniões de avaliação dos resultados finais são norteadas, sobretudo, por: análises sobre a pertinência e coerência dos resultados programados e alcançados; justificativas sobre eventuais descumprimentos ou superações; e indicações para os ciclos avaliatórios subsequentes.

10 10 A duração definida para o ciclo de monitoramento & avaliação da SESPA foi de um ano. Nesse período, portanto, as reuniões de M&A foram definidas com a seguinte periodicidade: Reuniões de Monitoramento da Execução das Ações Bimestral; Reuniões de Avaliação dos Esforços e Resultados Intermediários - Quadrimestral; e Reuniões de Avaliação dos Resultados Finais - Anual. A periodicidade foi definida dessa forma para adaptar às orientações do Ministério da Saúde no que se refere ao Caderno de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores A partir da realização das reuniões de M&A, é necessário consolidar os resultados dessas reuniões, em especial a análise a respeito do desempenho, a identificação dos obstáculos e a definição das ações corretivas e preventivas. Assim, para cada reunião de M&A, foi gerado um produto, que consolida os resultados da mesma. Para as reuniões de monitoramento da execução das ações, é gerado um Relatório Gerencial de Acompanhamento. Esse relatório deve gerar ações imediatas, de curto prazo, e é produzido pelas equipes. A responsabilidade, portanto, de entrega do produto, é do coordenador ou gerente de cada ação. Para as reuniões de avaliação dos esforços e resultados intermediários, por sua vez, é gerado um Relatório Quadrimestral de Monitoramento e Avaliação das Iniciativas e Indicadores. Assim, a Central de Resultados é responsável pela publicação do relatório, consolidando os resultados das reuniões quadrimestrais de cada programa do PPA. A abrangência do relatório é tanto no aspecto dos esforços quanto dos resultados intermediários, mensurados por meio dos resultados parciais dos indicadores. Por fim, para as reuniões de avaliação dos resultados finais, é gerado o Relatório Anual de Gestão. O RAG será enriquecido pela avaliação anual participativa, que será realizada nas reuniões de avaliação dos resultados finais. A publicação do relatório será responsabilidade da Central de Resultados, que receberá de cada área a consolidação dos indicadores e resultados finais de cada programa. Considerando todos os aspectos anteriormente abordados, visualiza-se a seguir a síntese da Sistemática de M&A da SESPA, na Figura 3 abaixo:

11 11 Periodicidade Bimestral Quadrimestral Anual Objetos de M&A Caderno de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores Programas do PPA 67 indicadores Acompanhamento Gerencial Avaliação dos resultados parciais de cada programa do PPA Mensuração parcial dos indicadores do Caderno Avaliação dos resultados finais e reprogramação de ações Avaliação da pertinência dos resultados dos indicadores e reprogramação de metas Gestão Hospitalar Indicadores Hospitalares Mensuração parcial dos Indicadores Hospitalares Avaliação da pertinência dos resultados dos indicadores e reprogramação de ações e metas Atores Equipes envolvidas, coordenadores das ações e Central de Resultados Coordenadores das ações, CR, Colegiado Gestor, Diretores, Diretores das regionais e hospitais e LACEN Conselho Estadual de Saúde, CR, Secretário de Saúde, Colegiado Gestor, Diretores, Sepof e SEEPDS Eventos Reuniões de monitoramento da execução das ações Reuniões de avaliação dos esforços e resultados intermediários Reunião de avaliação dos resultados finais Produtos Relatório Gerencial de Acompanhamento Relatório Quadrimestral de Monitoramento e Avaliação das Iniciativas e Indicadores Relatório Anual de Gestão - RAG Figura 3. Síntese da Sistemática de M&A

12 12 4 INCORPORAÇÃO DE SOFTWARE CUSTOMIZADO DE SUPORTE PARA A SISTEMÁTICA DE M&A O software Gestão Estratégica, implantado para dar suporte à sistemática de M&A desenvolvida pela SESPA em conjunto com o Instituto Publix, é um software que sistematiza a gestão do desempenho e da estratégia, sendo aderente a metodologias como Gerenciamento pelas Diretrizes (GPD), Balanced Scorecard (BSC), Value Based Management (VBM), Gestão da Qualidade, dentre outras. Esta ferramenta instrumentaliza o processo de Gestão Estratégica, de forma que ele seja praticado de maneira contínua e sistemática, garantindo assim, que a avaliação dos resultados seja realizada e que as medidas corretivas para o alcance das metas sejam implementadas. O software auxilia os gestores a colocar em ação a estratégia, possibilitando o planejamento de metas e planos de ação para seu alcance, o acompanhamento de sua execução e a comunicação e o monitoramento dos resultados organizacionais. Dessa forma, apoia a criação de uma cultura de transparência voltada para resultados e permite que a organização aprenda continuamente. Dentre suas principais funcionalidades, destaca-se: O acesso 100% web; Capacidade de manter o vínculo entre as diretrizes, as metas pactuadas e as metas de gestão; Possibilidade de trabalhar com desdobramento de metas de gestão em ações detalhadas; Funcionalidade de gestão de risco da estratégia; Envio de s automáticos para alertas e controles; Extremamente amigável e com interface intuitiva; Possui editor de fórmulas de cálculo de metas pactuadas e diretrizes e também de formas de acumulação dos valores realizados; Possibilidade de integração com os bancos de dados de outros softwares; Possibilidade de importação de arquivos com dados de valores realizados; Possibilidade de integrar com softwares de gerenciamento de projetos;

13 13 Perfis de acesso facilmente configuráveis e com alta flexibilidade; Possibilidade de criação de gráficos comparativos (quadrante, bolha, pareto, etc.); Georeferenciamento de metas pactuadas e metas de gestão; Análise Multidimensional (semelhante à Tabela Dinâmica do Excel); Possibilidade de criar Painéis de Bordo (Dashboards) corporativo, por área e individual, com visual flexível; Envio de relatórios pré-configurados por ; Acompanhamento em tempo real de itens desatualizados; Possibilidade de anexar documentos, evidenciando os dados informados; Flexibilidade na definição das faixas de farol; Flexibilidade na configuração dos gráficos para cada indicador ou objetivo especificamente; Possibilidade de estabelecer relações de causa e efeito entre diretrizes, metas pactuadas e metas de gestão; Possibilidade de restringir acesso por IP, caso o software fique disponível na internet; Define o perfil de usuários/ grupo de usuários, limitando as funcionalidades a que têm acesso; Define as permissões dos usuários em cada unidade gerencial alteração, somente leitura e sem permissão; Multiusuário acesso simultâneo; Login e senhas individuais, por usuário, com possibilidade de integração com o AD; Registro do histórico de modificações, identificando o responsável; Registro de acesso ao sistema; Acompanhamento de metas e resultados através de gráficos, planilhas e relatórios; Geração de relatórios de acompanhamento de resultados para metas não alcançadas; Elaboração da árvore de desdobramento de metas relação causa e efeito entre metas;

14 14 Envio de automático nos casos de metas não atingidas, planos de ação, ações corretivas cadastradas e dados desatualizados. O sistema foi estruturado com base na integração de metodologias referenciais de gestão para resultados (Gestão Matricial de Resultados 1 - GMR, Balanced Scorecard BSC e Gestão de Projetos) customizadas às necessidades e características da SESPA. Todos os usuários cadastrados no sistema, sejam eles administradores ou finais, possuem acesso próprio, com login e senha específico definido por eles ou pelos gestores do sistema. A página de acesso personalizada do sistema pode ser visualizada na Figura 4 a seguir. Figura 4. Tela de Acesso Inicial O planejamento da SESPA incorporado no sistema relaciona, inicialmente, o conjunto de diretrizes e metas pactuadas/indicadores priorizados do Programa Anual de Saúde (PAS) e do Plano Operativo Anual (POA). O enquadramento desses dois níveis de análise foi feitos da seguinte forma: Diretrizes no nível de Objetivos Estratégicos; e Metas pactuadas no nível de Indicadores Estratégicos. 1 MARINI, C., MARTINS, H. Um governo matricial: estruturas em rede para geração de resultados de desenvolvimento. Madri, Trabalho apresentado no Congresso Interamericano do CLAD sobre a Reforma do Estado e da Administração Pública, 9. Madri, Novembro de 2004.

15 15 Portanto, ao visualizar o mapa estratégico da SESPA, é possível identificar como objetivos estratégicos no mapa, as diretrizes priorizadas da PAS, assim como mostrado na Figura 5 a seguir. Figura 5. Mapa de diretrizes No caso dos indicadores do POA, que fazem parte do Protocolo de Cooperação entre Entes Públicos priorizado no planejamento da SESPA, foi definida a diretriz "PCEP" como sendo o resultado consolidado do plano. Logo, os indicadores do POA de cada hospital e Unidade de Referência Especializada (URE) estão relacionados com essa diretriz "PCEP". O mapa estratégico é utilizado de forma padrão como tela inicial do sistema assim que os usuários realizam o login. Nele, já é possível visualizar de forma prática os resultados realizados no período e resultados acumulados de cada diretriz contida no mapa por meio de faróis de desempenho. Para analisar de forma detalhada os motivos para o desempenho alcançado, o usuário pode navegar pelo próprio mapa estratégico acessando a diretriz que deseja obter mais informações ou utilizando filtros de busca. As metas pactuadas e indicadores do POA foram relacionados e estão enquadrados de acordo com cada diretriz relacionada como na Figura 6 abaixo.

16 16 Figura 6. Metas Pactuadas e indicadores do POA cadastrados Com os valores realizados lançados pelos responsáveis por cada meta pactuada ou indicador, são geradas informações automáticas como o desempenho alcançado no período, a tendência dos resultados, a série histórica, além de gráficos para análise que podem ser impressos ou importados para outras aplicações como apresentado na Figura 7 a seguir. Figura 7. Gráficos de metas pactuadas e indicadores O Programa Anual de Saúde do Estado do Pará concedido pelo Núcleo de Planejamento da SESPA, também possibilitou a inserção de dados referentes

17 17 aos projetos aqui renomeados Metas de Gestão, sendo ainda possível, em alguns casos, inserir também os Planos de Ação que apoiam o alcance das Metas de Gestão. Essa seção do software pode ser evidenciada na Figura 8 abaixo. Figura 8. Meta de Gestão cadastrada A gestão de planos de ação pode ser feita em todos os níveis do planejamento por meio do levantamento de etapas de execução, cada qual com informações referente ao previsto e realizado. Dentre as informações estão datas de execução, orçamento previsto, indicação de responsável, além da possibilidade de customização de outros campos de informação. A Figura 9 exemplifica um caso de detalhamento de metas de gestão.

18 18 Figura 9. Detalhamento de metas de gestão em etapas Por fim, foram realizados os treinamentos dos servidores no software de M&A. A preparação do conteúdo ministrado no treinamento teve como foco a utilização de dois perfis distintos. Perfil de Usuário e Perfil Administrador. O primeiro perfil possui como funções básicas habilitadas o lançamento de valores realizados para metas pactuadas/indicadores e metas de gestão de sua responsabilidade e a visualização de todas as informações lançadas no sistema. O segundo perfil possui funções adicionais habilitadas como a edição de parâmetros do sistema e de todo o conteúdo inserido pelos demais usuários. Outro aspecto relevante para a preparação da estrutura do treinamento foi o caráter prático que o treinamento deveria proporcionar. O objetivo deveria ser de que os participantes, ao mesmo tempo em que são apresentados às funções habilitadas para o seu perfil, praticassem e pudessem tirar dúvidas durante cada tópico apresentado. Por fim, o treinamento deveria priorizar as ações que fossem mais utilizadas pelo perfil. Assim, as funções mais relevantes deveriam ser melhor detalhadas e ter um tempo maior de prática durante a capacitação. Dentre outras funções importantes, os usuários puderam ser capacitados na navegação pelo software, lançamento e visualização de valores lançados e utilização de ferramentas especiais como as Apresentações feitas no próprio

19 19 software e o uso de dashboard individuais, onde o usuário customiza a tela inicial com informações de seu maior interesse como mostrado na Figura 10 abaixo. Figura 10. Criação e edição de Dashboards 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS A implantação de uma sistemática de M&A é um grande desafio na gestão pública. Ela deve ser aderente aos instrumentos de planejamento e gestão estratégica do Ministério da Saúde e englobar os diferentes atores envolvidos, adaptando-se ao contexto específico vivenciado pela SESPA. A adoção de uma solução tecnológica capaz de apoiar a gestão da Secretaria no alcance desse objetivo se mostra uma grande oportunidade de inovação, que pode, inclusive, ser replicada nos demais Estados brasileiros. A efetiva utilização dessa solução inovadora é fundamental e indispensável à institucionalização das práticas definidas pela sistemática de M&A e à utilização do software disponibilizado. Isso, não obstante, precisa percorrer o necessário caminho da formalização por meio de Decretos ou outras formas legais e normativas pertinentes. É fundamental, ainda, o envolvimento da alta cúpula da SESPA nesse trabalho, obtendo apoio para concretização das propostas e viabilizando sua efetiva implantação. O gerenciamento estratégico trabalhado de forma integrada e coesa na saúde pública do Estado do Pará já se encontra em franco desenvolvimento rumo a

20 20 excelência de resultados. Com o investimento tecnológico adequado e a vontade de buscar soluções inovadoras, a Secretaria de Estado de Saúde do Pará poderá obter grandes avanços na gestão pública em âmbito nacional. 6 REFERÊNCIAS Brasil. Ministério da Saúde. <http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/>. Acesso em outubro de Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Articulação Interfederativa. Caderno de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores : Série Articulação Interfederativa, volume p. : il MARTINS e MARINI. Um Guia de Governança para Resultados na Administração Pública. Brasília: Publix, 2010.

21 21 AUTORIA Maridalva Pantoja Dias Cogestora da Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará (SESPA). Endereço eletrônico: Pedro César A. R. de Souza Consultor do Instituto Publix. Endereço eletrônico: Tiago Silva Santos Consultor do Instituto Publix. Endereço eletrônico:

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

MÓDULO GESTÃO ESTRATÉGICA

MÓDULO GESTÃO ESTRATÉGICA MÓDULO GESTÃO ESTRATÉGICA STRATEC " Somos uma empresa de tecnologia, cujo DNA está na aplicação de metodologias de gestão, tendo sua origem no spin- off de uma empresa de consultoria. Desenvolvemos softwares

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília MGS Plano de execução de serviço Projeto de transformação de Processos Estrutura do Documento 1. Introdução

Leia mais

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS COAP 06/13 ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS 1.0 O que é o Contrato Organizativo da Ação Pública - COAP? O COAP é um acordo de colaboração firmado entre os três entes federativos, no âmbito de uma Região de

Leia mais

Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos)

Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos) Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos) SERPRO - Serviço Federal de Processamento de Dados Ministério da Fazenda Responsável: Adinilson Martins da Silva Técnico

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Revisão do Plano Estratégico 2013/2014 PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2014 Página 1 de 16 Sumário 1 Apresentação... 3 2 Objetivos... 4 3 Público-Alvo

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

Conceitos básicos em Monitoramento e Avaliação. Professor: Marconi Fernandes de Sousa Período: Julho de 2013.

Conceitos básicos em Monitoramento e Avaliação. Professor: Marconi Fernandes de Sousa Período: Julho de 2013. Conceitos básicos em Monitoramento e Avaliação Professor: Marconi Fernandes de Sousa Período: Julho de 2013. Sistemas de Monitoramento e Avaliação Pode ser entendido, em sentido lato, como o conjunto de

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

Decreto 7.508 de 28/06/2011. - Resumo -

Decreto 7.508 de 28/06/2011. - Resumo - Decreto 7.508 de 28/06/2011 - Resumo - GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Secretaria de Estado de Saúde Pública Sistema Único de Saúde SIMÃO ROBISON DE OLIVEIRA JATENE Governador do Estado do Pará HELENILSON PONTES

Leia mais

DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008.

DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. Dispõe sobre modificações no processo de implantação do monitoramento dos programas e ações governamentais, no âmbito da Administração Pública do Estado de Mato

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 03/13 PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ELABORAÇÃO - 2014 Introdução: O Planejamento é uma tecnologia de gestão que visa articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

Congresso COSEMS RS 2013

Congresso COSEMS RS 2013 Congresso COSEMS RS 2013 Planejamento em Saúde no âmbito do SUS Porto Alegre, 22 de Julho de 2013 DECRETO 7.508/2011 Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES -( Art. 1ºe Art. 2º) Capítulo II DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

Interact Solutions Apresentação do SA-Performance Manager. Por: Anderson Pereira Diretor de Negócios Unidade Excellence

Interact Solutions Apresentação do SA-Performance Manager. Por: Anderson Pereira Diretor de Negócios Unidade Excellence Interact Solutions Apresentação do SA-Performance Manager Por: Anderson Pereira Diretor de Negócios Unidade Excellence Interact Group Fundação: agosto / 1999 80 Colaboradores diretos 85 Colaboradores nas

Leia mais

GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do

GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do Governo e II - Plano de Governo / Planejamento Estratégico 1. Em que situação encontra-se o produto em seu Estado? Em contratação; Em construção

Leia mais

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 4 3 PÚBLICO-ALVO DA GESTÃO ESTRATÉGICA... 4 4 INFORMAÇÕES SOBRE O MODELO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DO TCE/RN... 5 4.1 DIRECIONADORES ESTRATÉGICOS... 5 4.2 OBJETIVOS

Leia mais

regionalização e contratos organizativos de ação pública.

regionalização e contratos organizativos de ação pública. A Regulamentação da Lei 8.080/90: A Regulamentação da Lei 8.080/90: regionalização e contratos organizativos de ação pública. Seminário Nacional PRÓ Saúde e PET Saúde Brasília, 19 de outubro de 2011.,

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. Institui o Programa de Fortalecimento Institucional da ANAC. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício das competências

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede GESTÃO Educacional A P R E S E N T A Ç Ã O www.semeareducacional.com.br Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede A EXPANSÃO TECNOLOGIA Nossa MISSÃO: Transformação de Dados em Informação Transformação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011.

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional CASO PRÁTICO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE TALENTOS: COMO A GESTÃO DA CULTURA, DO CLIMA E DAS COMPETÊNCIAS CONTRIBUI PARA UM AMBIENTE PROPÍCIO À RETENÇÃO DE TALENTOS CASO PRÁTICO: COMPORTAMENTO

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Ministério da Fazenda Banco Central do Brasil Responsável: José Clovis Batista Dattoli, Chefe do Departamento de Planejamento

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS RELATÓRIO DE GESTÃO / SARGSUS

PRESTAÇÃO DE CONTAS RELATÓRIO DE GESTÃO / SARGSUS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA Departamento de Articulação Interfederativa PRESTAÇÃO DE CONTAS RELATÓRIO DE GESTÃO / SARGSUS Brasília, Julho de 2013 Planejamento do

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

MODELO DE ORIENTAÇÃO PARA OPERAÇÃO DO SOFTWARE Autoria: InfoQuality Informática e Qualidade Ltda.

MODELO DE ORIENTAÇÃO PARA OPERAÇÃO DO SOFTWARE Autoria: InfoQuality Informática e Qualidade Ltda. MODELO DE ORIENTAÇÃO PARA OPERAÇÃO DO SOFTWARE Autoria: InfoQuality Informática e Qualidade Ltda. 1. A ORGANIZAÇÃO Para realizar cadastros e consultas referentes às Diretrizes Organizacionais: Manutenção/Organização/Registro

Leia mais

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Secretaria de Gestão Pública de São Paulo Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Objetivos As empresas e seus executivos se esforçam para: Manter informações de qualidade para subsidiar

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública Ministério do Planejamento, Orçamento e Programa 0792 GESTÃO PÚBLICA EMPREENDEDORA Objetivo Promover a transformação da gestão pública para ampliar os resultados para o cidadão e reduzir custos. Indicador(es)

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO Brasília, 28 de outubro de 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO

Leia mais

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Responsável: Hernandes Pires do Reis Consultor da Divisão de Manutenção e Suporte a Sistemas Endereço:

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa O Poder Judiciário tem-se conscientizado, cada vez mais, de que se faz necessária uma resposta para a sociedade que exige uma prestação jurisdicional mais célere e

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO DOU de 05/10/2015 (nº 190, Seção 1, pág. 669) Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Reunião de Abertura do Monitoramento 2015 Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Roteiro da Apresentação 1. Contextualização; 2. Monitoramento; 3. Processo de monitoramento;

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO HOSPITAL DE ENSINO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO DR. WASHINGTON ANTÔNIO DE BARROS DEZEMBRO DE 2013 SUMÁRIO MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO...

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

Plano de Gerenciamento do Projeto (PGP)

Plano de Gerenciamento do Projeto (PGP) 1.JUSTIFICATIVA A administração pública vem nos últimos anos sofrendo mudanças estruturais em sua forma de atuação, saindo de um modelo patrimonialista e burocrático para um modelo gerencial, focando nos

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde Decreto 7.508/11 Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

CONTRATUALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE:

CONTRATUALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE: CONTRATUALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE: INSTRUMENTO DE CONTROLE E AVALIAÇÃO DOS CONTRATOS DE GESTÃO XXVI Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo 06/03/2012 Secretaria de Saúde

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

RELATO DA SITUAÇÃO ANTERIOR À INTRODUÇÃO DA INOVAÇÃO

RELATO DA SITUAÇÃO ANTERIOR À INTRODUÇÃO DA INOVAÇÃO Experiência: GESTÃO POR PROJETOS ESTRUTURANTES Banco do Nordeste do Brasil S.A. Responsável: Valdemar Barros Filho Equipe: Antonio Carlos Rodrigues, Francisco Carlos Cavalcanti, Ana Altina Teixeira Marciano

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento 1 Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento I Congresso Informação de Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público Oficina II Informação de Custo para

Leia mais

Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4. 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4

Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4. 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4 Planejamento Estratégico do Sindicato Caderno de Orientações para Outubro de 2008 Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE

MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE Decreto 7.508/11 Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

Manual de Processo Elaborar Relatório Anual de Governo - RAG

Manual de Processo Elaborar Relatório Anual de Governo - RAG Manual de Processo Elaborar Relatório Anual de Governo - RAG Versão 1.0 Setembro de 2015 Governo do Estado da Bahia Rui Costa Secretaria do Planejamento João Felipe de Souza Leão Gabinete do Secretário

Leia mais

DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA

DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA 1 APRESENTAÇÃO Este conjunto de diretrizes foi elaborado para orientar a aquisição de equipamentos

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Oficina : CUSTOS 2 Orçamento sem financeiro (Cronograma X Desembolso) Comunicação quanto ao Risco de não execução do projeto Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Negociação com SPOA/Secr.

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

EDITAL CHAMADA DE CASOS

EDITAL CHAMADA DE CASOS EDITAL CHAMADA DE CASOS INICIATIVAS INOVADORAS EM MONITORAMENTO DO DESENVOLVIMENTO LOCAL E AVALIAÇÃO DE IMPACTO O Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (GVces) e as empresas

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Decreto N 7.508 de 28/06/11 Regulamentando a Lei N 8.080 de 19/09/90

Decreto N 7.508 de 28/06/11 Regulamentando a Lei N 8.080 de 19/09/90 Decreto N 7.508 de 28/06/11 Regulamentando a Lei N 8.080 de 19/09/90 Cesar Vieira cesarvieira@globo.com Reunião do CA/IBEDESS 12 de julho de 2011 Principais Conteúdos Organização do SUS Planejamento da

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE 1 REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE A Escola de Contas Públicas Professor Barreto Guimarães (ECPBG) torna público o regulamento do 1º Concurso Inovação no TCE-PE, que será regido de acordo com

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA SECOM-PR N o 8 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014 Disciplina a implantação e a gestão da Identidade Padrão de Comunicação Digital das

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA DO SISP

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA DO SISP SERVIÇOS DE CONSULTORIA EIXO TEMÁCO: GOVERNANÇA DE Implantação de Metodologia de Elaborar e implantar uma metodologia de gerenciamento de projetos no órgão solicitante, com a finalidade de inserir as melhores

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA

REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA VALIDAÇÃO DO MODELO CONCEITUAL DE GC DOS CORREIOS POR MEIO DO PROCESSO PILOTO CEP Alceu Roque Rech CORREIOS 17.06.13

Leia mais

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RELATÓRIO DE QUE? AVALIAÇÃO: Avaliação anual avaliamos a execução durante o ano, a entrega dos produtos e os seus impactos. AVALIAÇÃO PARA QUE? OBJETIVOS: Prestar

Leia mais