Departamento Nacional de Aquecimento Solar. Relatório de Pesquisa. Ano de 2013

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Departamento Nacional de Aquecimento Solar. Relatório de Pesquisa. Ano de 2013"

Transcrição

1 Departamento Nacional de Aquecimento Solar Relatório de Pesquisa Produção de Coletores Solares para Aquecimento de Água e Reservatórios Térmicos no Brasil Ano de 2013 Março de 2013

2 APRESENTAÇÃO O DASOL Departamento Nacional de Aquecimento Solar da ABRAVA desenvolve anualmente com as empresas associados pesquisas de produção do setor de aquecimento solar, que tem como objetivo auxiliar as indústrias no planejamento do mercado, conhecer o seu desempenho e acompanhar as expectativas do mercado brasileiro. Este documento apresenta os resultados da pesquisa de produção realizada no mês de fevereiro de 2014, com participação amostral das empresas associadas ao DASOL, para obter os indicadores de produção de coletores solares e reservatórios térmicos em Das empresas fabricantes associadas, 77% participaram da pesquisa. As empresas respondentes têm total confidencialidade dos seus dados de produção, pois está pesquisa foi realizada através de sistema com sigilo de informações. 1

3 INTRODUÇÃO No Brasil, o mercado de Aquecimento Solar é constituído por empresas fabricantes, revendas, instaladoras e projetistas. As empresas associadas ao DASOL são participantes do PBE Programa Brasileiro de Etiquetagem do INMETRO, fabricando assim apenas produtos etiquetados. Em março de 2014 participam do PBE, ainda na fase voluntária, 51 empresas com coletores solares etiquetados, que estão divididos nas categorias de banho, de piscina e acoplado, conforme tabela abaixo: Tabela 1 Coletores Solares etiquetados Produto Empresas Marcas Modelos Coletor solar banho Coletor solar piscina Coletor solar acoplado Em relação aos Reservatórios Térmicos, 44 empresas têm seus produtos etiquetados, em quatro categorias: reservatório térmico de alta pressão (AP), baixa pressão (BP), operação de nível (OpN) e sem apoio elétrico (SAE). Tabela 2 Reservatórios Térmicos etiquetados Produto Empresas Marcas Modelos Reservatórios Térmicos Alta Pressão (AP) Reservatórios Térmicos Baixa Pressão (BP) Reservatórios Térmicos Operação De Nível (OpN) Reservatórios Térmicos Sem Apoio Elétrico (SAE) Em 2013, o percentual de crescimento de mercado, conforme apresentado neste relatório, demonstrou moderada retomada, sendo que o setor foi fortalecido por ações comerciais das empresas no mercado, pelas iniciativas do Governo, como Habitações de Interesse Social que utilizam Sistemas de Aquecimento Solar, leis de incentivo ao uso de SAS e pelo ritmo de crescimento da construção civil. 2

4 PESQUISA DE PRODUÇÃO DA INDÚSTRIA DE AQUECIMENTO SOLAR A pesquisa foi realizada em amostra de empresas associadas ao Departamento Nacional de Aquecimento Solar da ABRAVA - Associação Brasileira de Ar Condicionado, Refrigeração, Ventilação e Aquecimento, no mês de fevereiro 2014, e teve por objetivo pesquisar indicadores de produção de coletores solares e reservatórios térmicos no ano de Os dados coletados a partir da amostra de empresas foram submetidos a avaliações e tratamentos estatísticos para representar de forma adequada a evolução de todo o mercado nacional e consolidar indicadores do ano de Coletores Solares A pesquisa sobre a produção de coletores solares (abertos, fechados e de tubo à vácuo) no Brasil aponta que em 2013 houve crescimento de 19,8% (em relação ao ano anterior), sendo produzido m 2. A área acumulada de coletores solares no Brasil é de 9,8 milhões de m 2. Ano Tabela 3 Evolução da Produção de Coletores Solares Área Nova Instalada (m 2 ) Área Acumulada (m 2 ) Crescimento sobre o Período Anterior (%) % da Área Acumulada Instalada ,3% 19,2% ,2% 19,4% ,4% 16,4% ,1% 15,5% ,0% 17,7% ,9% 17,8% ,1% 18,3% ,5% 16,5% ,8% 15,8% ,8% 16,4% 3

5 Área Acumulada (m 2 ) Área Nova Produzida (m 2 ) O gráfico a seguir apresenta a evolução do mercado de aquecimento solar brasileiro nos últimos 13 anos: Gráfico 1 Evolução do Mercado de Aquecimento Solar Brasileiro Área total acumulada de mil m ,8 mil m 2 de coletores produzidos em Área Nova Produzida Área Acumulada A próxima tabela apresenta o crescimento dos coletores solares por semestre, comparando com o mesmo período do ano anterior. O segundo semestre de 2013 apresentou crescimento pouco superior ao primeiro semestre, em relação ao ano de Tabela 4 Evolução da Produção de Coletores Solares por semestre Semestres Área Nova Instalada (m 2 ) Área Acumulada (m 2 ) Crescimento da Área Nova sobre o Mesmo período do ano anterior ,6% ,4% 4

6 A pesquisa também abordou a produção de coletores solares classificados por tipos: aberto, fechado e à vácuo. Os coletores abertos são normalmente utilizados para piscinas, pois não possuem cobertura transparente e nem isolamento térmico. Os coletores fechados planos e de tudo à vácuo são utilizados para fins sanitários. Tabela 5 Participação da Produção de Coletores Solares por tipo (em m²) Semestres Coletor Aberto Coletor Fechado Coletor à Vácuo ,5% ,5% ,7% ,3% ,7% ,6% ,7% ,4% ,8% ,7% A produção média de coletores solares por tipo demonstra leve concentração para os coletores fechados. Pela primeira vez, foram coletadas informações quanto a representatividade do coletor de tubo á vácuo. Tabela 6 Demonstrativo anual da Participação dos Coletores Solares por tipo (em m²): Ano / Tipo Coletor Aberto Coletor Fechado Coletor à Vácuo ,0% ,0% ,1% ,9% ,7% ,3% ,6% ,4% ,1% ,2% ,7% Comparado ao ano anterior, em 2013 o crescimento dos coletores solares abertos foi de 18,3%. Já o crescimento dos coletores fechados foi de 19,4%. Tabela 7 Crescimento da Produção de Coletores Solares por tipo (em m²) Ano / Tipo Coletor Aberto Coletor Fechado Tubo Evacuado Cresc Cresc ,3% ,9% ,7% ,4% ,6% ,9% ,3% ,4%

7 Reservatórios Térmicos As empresas respondentes também foram questionadas quanto as quantidade de reservatórios térmicos produzidos e volume de litros. Em 2013, foram produzidas unidades de reservatórios térmicos, o que representa um crescimento de 1,42% em relação ao ano anterior. A média de litros por m² de coletor fechado foi de 74 litros por reservatório produzido. Tabela 8 Reservatórios produzidos e comparativos com área de coletor fechado Ano Quantidade Vol.(litros) m² Col.Fech. Lit. / m² c.fech. m² c.fech. / reserv , , , ,4 Admitindo-se a média de volume dos reservatórios para dois segmentos distintos do mercado, ou seja, 200 litros para o mercado de Habitação de Interesse Social HIS, e 500 litros para os outros nichos, temos a seguinte situação hipotética de crescimento: Período Tabela 9 - Comparação de crescimento - HIS e Outros Segmentos Total de Unidades Crescimento no mesmo período HIS (200l) Crescimento no mesmo período Outros (500l) Crescimento no mesmo período ,44% ,92% ,53% ,81% ,49% ,50% ,09% ,59% ,20% ,42% ,82% ,4% 6

8 DISTRIBUIÇÃO DAS VENDAS Vendas por segmento As empresas também participaram da pesquisa respondendo sobre as vendas por segmento em O segmento mais atendido foi o Residencial com 60%, seguido pelo segmento de Programas Habitacionais com 19%, Comércio e Serviço com 18% e aplicação em Indústria com 3% das vendas. Gráfico 4 Distribuição das vendas por segmento em 2013 Programa Habitacionais (HIS) 19% Indústria 3% Comércio e Serviços 18% Residencial 60% Nesta pesquisa, pela primeira vez, o item Indústria, Comércio e Serviço foi divido em Indústria e Comércio e Serviços. O gráfico a seguir apresenta a evolução das vendas por segmento, nos anos de 2011 e 2012, divididos por semestres. Gráfico 5 Evolução das vendas por semestre (2012 e 2013) 67,08% 65,83% 59,80% 59,30% 17,83% 15,08% 16,08% 18,08% 18,85% 18,00% 16,80% 20,80% 3,35% 3,10% 1º Sem. 12 2º Sem. 12 1º Sem. 13 1º Sem. 13 Indústria, Comércio e Serviços Residencial Programa Habitacionais (HIS) Indústria Residencial Comércio e Serviços Programa Habitacionais (HIS) 7

9 Vendas por Região A região Sudeste é a principal compradora de aquecedores solares, com representatividade de com 56,6% das vendas, a região Centro-Oeste representou 17,33% e a região Sul respondeu por 16,55%. As regiões com menores participações de mercado em 2013 foram a Nordeste e Norte, com 6,8% e 2,73% respectivamente. As informações das vendas dos produtos em 2013 têm como base as empresas participantes da pesquisa, portanto não deve ser comparada com períodos anteriores, uma vez que a base se difere de uma pesquisa para outra. Figura 1 Vendas por regionais em ,73% 6,80% 17,33% 56,60% 16,55% 8

10 CRESCIMENTO DAS EMPRESAS Crescimento do volume de vendas de Coletores As empresas participantes da pesquisa de produção responderam o quanto foi seu crescimento em 2013, com relação ao volume de vendas de coletores solares em comparação com Dentre as empresas respondentes 50% cresceram até 20%. Para 25% das empresas participantes, houve redução nas vendas. Gráfico 6 Distribuição do crescimento de vendas de coletores em ,00% 25,00% 15,00% 10,00% Decresceu de 0% a 20% de 21% a 40% mais de 40% Crescimento do volume de vendas de Reservatórios Térmicos Quanto ao volume de vendas de Reservatórios Térmicos, para 20% das empresas houve redução das. Já para 50% das empresas respondentes, ocorreu crescimento de até 20%. E para 15% das empresas, houve crescimento superior a 40%. Gráfico 7 Distribuição do crescimento de vendas de reservatórios em ,00% 20,00% 15,00% 15,00% Decresceu de 0% a 20% de 21% a 40% mais de 40% 9

11 Expectativa de crescimento de vendas de Coletores Solares para 2014 Nas vendas de coletores solares (fechado, aberto e à vácuo) a expectativa de 50% das empresas é crescer até 20%. Gráfico 8 Expectativa de crescimento de vendas de coletores para ,00% 20,00% 15,00% 15,00% 15,00% 5,00% de 0% a 5% de 6 a 10% de 11% a 15% de 16% a 20% de 21% a 30% mais de 30% Expectativa de crescimento de vendas de Reservatórios Térmicos para 2014 Nas vendas de reservatórios térmicos, 55% das empresas estimam crescimento de até 20%. Gráfico 9 Expectativa de crescimento de vendas de reservatórios para ,00% 20,00% 20,00% 15,00% 10,00% 5,00% de 0% a 5% de 6 a 10% de 11% a 15% de 16% a 20% de 21% a 30% mais de 30% Nathalia Paukowski Moreno Telefone: (11) ramais

Departamento Nacional de Aquecimento Solar. Relatório de Pesquisa. Ano de 2014

Departamento Nacional de Aquecimento Solar. Relatório de Pesquisa. Ano de 2014 Departamento Nacional de Aquecimento Solar Relatório de Pesquisa Produção de Coletores Solares para Aquecimento de Água e Reservatórios Térmicos no Brasil Ano de 2014 Maio de 2015 APRESENTAÇÃO O DASOL

Leia mais

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas.

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas. Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar Boas práticas O sistema de aquecimento solar e seus componentes O que é sistema de aquecimento solar (SAS) A ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas)

Leia mais

Associação Brasileira de Energia Solar Térmica. Marcelo Mesquita Secretário Executivo

Associação Brasileira de Energia Solar Térmica. Marcelo Mesquita Secretário Executivo Associação Brasileira de Energia Solar Térmica Marcelo Mesquita Secretário Executivo Uma história de pioneirismo e de compromisso com o desenvolvimento - 33 empresas associadas - 100% nacionais, algumas

Leia mais

DESEMPENHO DE COLETORES SOLARESS

DESEMPENHO DE COLETORES SOLARESS DESEMPENHO DE COLETORES SOLARESS Profa. Elizabeth Marques Duarte Pereira Grupo Anima de Educação São Paulo, 5 de novembro de 29 Sumário da Apresentação 1.Coletores solares e as características dos produtos

Leia mais

Certificação compulsória para sistemas de aquecimento solar de água

Certificação compulsória para sistemas de aquecimento solar de água Certificação compulsória para sistemas de aquecimento solar de água 22-12-2014 São Paulo/SP Por que certificar Sistemas de Aquecimento Solar (SAS)? Todo equipamento certificado por um Organismo de Certificação

Leia mais

Eficiência de Coletores Solares

Eficiência de Coletores Solares Universidade do Sol: artigo técnico, número 1, Edição 1, Novembro de 2013 Eficiência de Coletores Solares Comparações entre Tubos Evacuados e Coletores Planos Eng. Lúcio César de Souza Mesquita, Ph.D.

Leia mais

ESTADO DA ARTE SOBRE AQUECIMENTO DE ÁGUA NO BRASIL

ESTADO DA ARTE SOBRE AQUECIMENTO DE ÁGUA NO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ESTADO DA ARTE SOBRE AQUECIMENTO DE ÁGUA NO BRASIL DOUGLAS GHERARDT BRECHT Acadêmico de ENEDIR GHISI, Ph.D. Professor orientador

Leia mais

MANUAL TÉCNICO AQUECEDOR SOLAR SOLETROL. Utilização Instalação Dados técnicos

MANUAL TÉCNICO AQUECEDOR SOLAR SOLETROL. Utilização Instalação Dados técnicos MANUAL TÉCNICO AQUECEDOR SOLAR SOLETROL Utilização Instalação Dados técnicos Importante Não instale e não use o seu Aquecedor Solar Soletrol antes de ler este manual. Edição 10/2002 APRESENTAÇÃO PARABÉNS!

Leia mais

Engº J. Jorge Chaguri Jr. Sistema de aquecimento solar de água em circuito direto ABNT NBR 15569: 2008

Engº J. Jorge Chaguri Jr. Sistema de aquecimento solar de água em circuito direto ABNT NBR 15569: 2008 Engº J. Jorge Chaguri Jr Sistema de aquecimento solar de água em circuito direto ABNT NBR 15569: 2008 Introdução Apresentação 1 Conceito das Norma instalações 2A 3Questões A Norma aplicada 1 Conceito das

Leia mais

Regiões Norte e Sudeste apresentam aumento expressivo de dívidas atrasadas e menor crescimento econômico

Regiões Norte e Sudeste apresentam aumento expressivo de dívidas atrasadas e menor crescimento econômico Resumo Regiões Norte e Sudeste apresentam aumento expressivo de dívidas atrasadas e menor crescimento econômico A alta do número de dívidas em atraso em fevereiro no Brasil (0,80% na comparação com janeiro)

Leia mais

ENERSOLAR Proposta de Trabalho e Experiência. Eng. Leonardo Chamone Cardoso

ENERSOLAR Proposta de Trabalho e Experiência. Eng. Leonardo Chamone Cardoso ENERSOLAR 2015 Proposta de Trabalho e Experiência Eng. Leonardo Chamone Cardoso Diferenciação Diferenciação Procuramos clientes que, além de se preocuparem com melhor custo benefício, procuram por produtos

Leia mais

Informações Gerenciais de. Contratações Públicas de Bens. e Serviços de Tecnologia da. Informação

Informações Gerenciais de. Contratações Públicas de Bens. e Serviços de Tecnologia da. Informação Informações Gerenciais de Contratações Públicas de Bens e Serviços de Tecnologia da Informação janeiro a dezembro de 2012 Sumário Executivo MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Em 2012, os órgãos da administração

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos NOTA TÉCNICA Nº 1/2012 GEMUC/FEAM AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO APROVEITAMENTO DA ENERGIA SOLAR TÉRMICA NO ESTADO DE MINAS GERAIS: DIAGNÓSTICO DA

Leia mais

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM RESIDENCIAIS Roberto Lamberts, PhD. Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações Conselho Brasileiro de Construção

Leia mais

POSSIBILIDADES DE APROVEITAMENTO

POSSIBILIDADES DE APROVEITAMENTO POSSIBILIDADES DE APROVEITAMENTO Energia Solar Energia térmica A baixa temperatura (até 100 o C) A média temperatura (até 1000 o C) Aquecimento de ambientes aquecimento de água Condicionamento de ar refrigeração

Leia mais

INTRODUÇÃO AO NOVO MÉTODO DE AVALIAÇÃO DO PBE EDIFICA

INTRODUÇÃO AO NOVO MÉTODO DE AVALIAÇÃO DO PBE EDIFICA INTRODUÇÃO AO NOVO MÉTODO DE AVALIAÇÃO DO PBE EDIFICA ENERGIA PRIMÁRIA CONCEITO Forma de energia disponível na natureza que não foi submetida a qualquer processo de conversão ou transformação. É a energia

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A SISTEMAS E EQUIPAMENTOS PARA AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A SISTEMAS E EQUIPAMENTOS PARA AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A SISTEMAS E EQUIPAMENTOS PARA AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA (DOCUMENTO COMPLEMENTAR AO REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA

Leia mais

Exercício Etapa 3 PEA 2200 / PEA Coletor solar : Aquecimento de água

Exercício Etapa 3 PEA 2200 / PEA Coletor solar : Aquecimento de água 1- Objetivos Exercício Etapa 3 PEA 2200 / PEA 3100 Coletor solar : Aquecimento de água Esta terceira etapa do exercício tem os seguintes objetivos: Substituir a tecnologia utilizada no aquecimento de água

Leia mais

Catálogo de produtos

Catálogo de produtos Catálogo de produtos Karimbó - Guaratinguetá Karimbó - Guaratinguetá Edifício residencial em Belo Horizonte Karimbó - Guaratinguetá Edifício com medição individual Um novo conceito em energia solar Os

Leia mais

Workshop Técnico Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP

Workshop Técnico Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP Workshop Técnico Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP Arthur Cursino IEE/USP Setembro / 2014 Estrutura da Apresentação Regulamento PBE Edifica Introdução: Conceitos Sistema de

Leia mais

ENERGIA SOLAR NO BRASIL

ENERGIA SOLAR NO BRASIL ENERGIA SOLAR NO BRASIL Prof. Paulo Cesar C. Pinheiro Universidade Federal de Minas Gerais UFMG Resistencia (Argentina), 27 de Abril de 2017 XXI Seminario Internacional de Energía y Biocombustibles CAE/AUGM

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO NACIONAL DO EMPREGO NO SEGMENTO DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA

MOVIMENTAÇÃO NACIONAL DO EMPREGO NO SEGMENTO DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA MOVIMENTAÇÃO NACIONAL DO EMPREGO NO SEGMENTO DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA São Paulo 2010 Sumário 1. Movimentação Nacional do Emprego no segmento da Arquitetura e Engenharia Consultiva 2010...

Leia mais

Nº 003 Março/ Nº de usinas

Nº 003 Março/ Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

Mais sol na sua vida

Mais sol na sua vida Mais sol na sua vida 2 Aquecedor Solar Coletor Solar Linha Quality Selo PROCEL de eficiência energética 3 Maior eficiência e durabilidade Solda por ultrassom: máxima condução de calor e maior eficiência

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES DE PRODUTOS E SERVIÇOS PARA SISTEMAS DE AQUECIMENTO SOLAR PROGRAMA QUALISOL BRASIL MANUAL GERAL

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES DE PRODUTOS E SERVIÇOS PARA SISTEMAS DE AQUECIMENTO SOLAR PROGRAMA QUALISOL BRASIL MANUAL GERAL PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES DE PRODUTOS E SERVIÇOS PARA SISTEMAS DE AQUECIMENTO SOLAR PROGRAMA QUALISOL BRASIL MANUAL GERAL VERSÃO Janeiro de 2015 Apresentação Este documento denominado por

Leia mais

Edição Controladores para Aquecimento

Edição Controladores para Aquecimento Edição 2016 Controladores para Aquecimento Controlador Lógico para Aquecimento Conjugado O Controlador Lógico para Aquecimento Conjugado (CLAC) foi desenvolvido para o controle de sistemas de aquecimento

Leia mais

PAIC confirma que 2005 não foi um ano bom para grande parte das empresas da construção

PAIC confirma que 2005 não foi um ano bom para grande parte das empresas da construção PAIC confirma que 2005 não foi um ano bom para grande parte das empresas da construção O balanço de final do ano de 2005 já mostrará que se não foi um ano perdido, os resultados frustraram as expectativas

Leia mais

Perspectivas do mercado de Aquecimento Solar Brasileiro e o Desenvolvimento Tecnológico. Departamento Nacional de Aquecimento Solar da ABRAVA

Perspectivas do mercado de Aquecimento Solar Brasileiro e o Desenvolvimento Tecnológico. Departamento Nacional de Aquecimento Solar da ABRAVA Perspectivas do mercado de Aquecimento Solar Brasileiro e o Desenvolvimento Tecnológico Departamento Nacional de Aquecimento Solar da ABRAVA Principais Aplicações de Sistemas de Aquecimento Solar no Brasil

Leia mais

Aplicação. Onde pode ser aplicado? Edifícios Residenciais

Aplicação. Onde pode ser aplicado? Edifícios Residenciais Obras de Grande Porte 1 Aplicação Onde pode ser aplicado? Edifícios Residenciais 2 Onde pode ser aplicado? Hotéis Aplicação 3 Onde pode ser aplicado? Motéis Aplicação 4 Onde pode ser aplicado? Hospitais

Leia mais

Manual Eficiência Energética em Edificações. Eng J. Jorge Chaguri Jr

Manual Eficiência Energética em Edificações. Eng J. Jorge Chaguri Jr Manual Eficiência Energética em Edificações Eng J. Jorge haguri Jr Estrutura da presentação valiação da eficiência do aquecimento de agua a gás Estudo de caso e exemplos Sistema de aquecimento de água

Leia mais

Projeto de Instalação de Aquecimento Solar em Comunidades de Baixo Poder Aquisitivo 04/12/2006

Projeto de Instalação de Aquecimento Solar em Comunidades de Baixo Poder Aquisitivo 04/12/2006 Projeto de Instalação de Aquecimento Solar em Comunidades de Baixo Poder Aquisitivo 04/12/2006 Apresentação O projeto teve como objetivo, a redução do consumo de energia elétrica dos clientes de baixa

Leia mais

Sumário. Expediente. Estatísticas e Mercado...4. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano VI - Nº 47 - Fevereiro/Março 2012

Sumário. Expediente. Estatísticas e Mercado...4. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano VI - Nº 47 - Fevereiro/Março 2012 Sumário...4 Expediente Conselho Deliberativo ABEGÁS - Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado Presidente: Luis Domenech Vice-Presidente: Aldo Guedes Conselheiros: Bruno Armbrust,

Leia mais

Sistemas de Aquecimento Solar COLETORES SOLARES

Sistemas de Aquecimento Solar COLETORES SOLARES Sistemas de Aquecimento Solar Sumário Tipos de coletores Sistemas de aquecimento solar com coletor solar de placa plana Qualidade e Normas Projeto e Dimensionamento Coletor reservatório Placa plana sem

Leia mais

WORKSHOP Título do trabalho CHAMADA PÚBLICA PROPEE - 001/2016. WORKSHOP Centro de Pesquisas de Energia Elétrica - CEPEL

WORKSHOP Título do trabalho CHAMADA PÚBLICA PROPEE - 001/2016. WORKSHOP Centro de Pesquisas de Energia Elétrica - CEPEL CEPEL WORKSHOP Título do trabalho CHAMADA PÚBLICA PROPEE - 001/2016 Autor/apresentador José Carlos de Souza Guedes Área Cepel - DTE Materiais e equipamentos Vida útil e perdas O anexo I da chamada Pública

Leia mais

Março Divulgado em 14 de abril de 2015.

Março Divulgado em 14 de abril de 2015. Março - 2015 Divulgado em 14 de abril de 2015. VAREJO AMPLIADO CRESCE 3,3% EM MARÇO, APONTA ICVA O comércio varejista brasileiro apresentou alta de 3,3% em março em relação ao mesmo período do ano passado,

Leia mais

Junho Divulgado em 17 de julho de 2017

Junho Divulgado em 17 de julho de 2017 Junho - 2017 Divulgado em 17 de julho de 2017 ICVA REGISTRA RETRAÇÃO DE 0,1% PARA O VAREJO EM JUNHO Receita de vendas no varejo apresenta a menor queda desde julho de 2015; indicador, calculado pela Cielo,

Leia mais

AQUECEDORES SOLARES COMPACTOS. Chuveiro Solar Topsol e Chuveiro Solar Topsol Max

AQUECEDORES SOLARES COMPACTOS. Chuveiro Solar Topsol e Chuveiro Solar Topsol Max Soletrol apresenta suas novidades em aquecimento solar de água Aquecedores solares compactos e ultracompactos de fácil instalação, além de reservatórios termoplásticos para todo tipo de água e aquecedores

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA SISTEMAS E EQUIPAMENTOS PARA AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA SISTEMAS E EQUIPAMENTOS PARA AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA SISTEMAS E EQUIPAMENTOS PARA AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA Revisão I 27/02/2007 ELETROBRÁS/PROCEL DTD DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DA

Leia mais

Março Divulgado em 14 de abril de 2016.

Março Divulgado em 14 de abril de 2016. Março - 2016 Divulgado em 14 de abril de 2016. ICVA REGISTRA RETRAÇÃO DE 5,8% PARA O VAREJO EM MARÇO Indicador considera a receita deflacionada de vendas do varejo em relação a março de 2015. Sem os efeitos

Leia mais

1 - hot acoplado.pdf 1 14/09/11 04:05 C M Y CM MY CY CMY K Acoplados Sistemas

1 - hot acoplado.pdf 1 14/09/11 04:05 C M Y CM MY CY CMY K Acoplados Sistemas Sistemas Acoplados Sistema de Aquecimento HOT ACOPLADO O HOT ACOPLADO é um equipamento destinado a produção de água quente para uso sanitário até 50.C garantindo conforto e aquecimento durante o ano todo

Leia mais

Proposta de métodos para avaliação da eficiência energética. Edificações residenciais

Proposta de métodos para avaliação da eficiência energética. Edificações residenciais Proposta de métodos para avaliação da eficiência energética Edificações residenciais MÉTODO PRESCRITIVO Checklist MÉTODO PRESCRITIVO VANTAGENS - Simplificação, agilidade e redução de custos do processo

Leia mais

Energia solar na habitação. Morenno de Macedo Gerente Executivo GN Sustentabilidade e RSA

Energia solar na habitação. Morenno de Macedo Gerente Executivo GN Sustentabilidade e RSA Energia solar na habitação Morenno de Macedo Gerente Executivo GN Sustentabilidade e RSA MCMV 1 + MCMV 2: 224.405 MCMV Fase 1 41.449 unidades habitacionais com SAS 136 empreendimentos 69 municípios - 10

Leia mais

JULHO RV0 1ª Semana

JULHO RV0 1ª Semana JULHO 2015 RV0 1ª Semana Sumário INTRODUÇÃO... 3 CONDIÇÕES INICIAIS... 3 1 - Nível dos reservatórios... 3 2 - Expansão da oferta hidrotérmica (MW)... 4 ANÁLISE DAS CONDIÇÕES HIDROMETEREOLÓGICAS... 5 1

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL JANEIRO 2016 Respostas não indicam recuperação econômica, mas apontam para estabilização na produção do nível de emprego.

SONDAGEM INDUSTRIAL JANEIRO 2016 Respostas não indicam recuperação econômica, mas apontam para estabilização na produção do nível de emprego. Respostas não indicam recuperação econômica, mas apontam para estabilização na produção do nível de emprego. Este relatório de Sondagem Industrial tem como objetivo analisar as respostas relativas à produção,

Leia mais

Censo Demográfico de 2010 Primeiros resultados População e Domicílios recenseados

Censo Demográfico de 2010 Primeiros resultados População e Domicílios recenseados Censo Demográfico de 2010 Primeiros resultados População e Domicílios recenseados Eduardo Pereira Nunes Presidente do IBGE Eduardo.nunes@ibge.gov.br Data 9/12/2010 A DPA do Brasil e sua Dinâmica 70 anos

Leia mais

Coletiva de Imprensa

Coletiva de Imprensa Coletiva de Imprensa ABECIP 1º Semestre 2014 Octavio de Lazari Junior Presidente - Abecip São Paulo, 24 Julho de 2014 Pauta: 1) Conjuntura Econômica 2) Carteiras de Crédito 3) Financiamento Imobiliário

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS O presente Projeto de Lei foi elaborado a partir de proposição apresentada pelo então Deputado Federal Gervásio Oliveira 1, onde manifestou o seguinte entendimento sobre o tema de

Leia mais

Indústria brasileira SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA

Indústria brasileira SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA Indústria brasileira SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA Indústria brasileira SOLUÇÃO PARA O SEU PROJETO. FABRICANDO QUALIDADE Os sistemas de aquecimento solar Komeco são fabricados em São José Santa

Leia mais

A nova era das edificações

A nova era das edificações A nova era das edificações Nos dias atuais, chamou atenção a etiqueta do INMETRO fixada em veículos novos comercializados no país, apontando eficiência energética no que se refere ao consumo de combustível.

Leia mais

APÓS 2 ANOS DE RETRAÇÃO, VAREJO APRESENTA CRESCIMENTO REAL EM AGOSTO

APÓS 2 ANOS DE RETRAÇÃO, VAREJO APRESENTA CRESCIMENTO REAL EM AGOSTO CIELO S.A. CNPJ/MF 01.027.058/0001-91 Comunicado ao Mercado APÓS 2 ANOS DE RETRAÇÃO, VAREJO APRESENTA CRESCIMENTO REAL EM AGOSTO Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA) apresentou crescimento de sobre o

Leia mais

Fevereiro Divulgado em 15 de março de 2016.

Fevereiro Divulgado em 15 de março de 2016. Fevereiro - 2016 Divulgado em 15 de março de 2016. ICVA: BENEFICIADO PELO CALENDÁRIO, VAREJO AMPLIADO REGISTRA RETRAÇÃO DE 3,4% EM FEVEREIRO Indicador considera a receita deflacionada de vendas do varejo

Leia mais

KITS SOLARES TÉRMICOS >> SISTEMA TERMOSSIFÃO >> SISTEMA CIRCULAÇÃO FORÇADA SISTEMA HÍBRIDO

KITS SOLARES TÉRMICOS >> SISTEMA TERMOSSIFÃO >> SISTEMA CIRCULAÇÃO FORÇADA SISTEMA HÍBRIDO KITS SOLARES TÉRMICOS >> SISTEMA >> SISTEMA CIRCULAÇÃO FORÇADA >> SISTEMA HÍBRIDO CIRCULAÇÃO FORÇADA SISTEMA HÍBRIDO PROGRAMA SOLAR GOLD GUIA DE SELEÇÃO KITS SOLARES ZANTIA > PASSOS DA SELEÇÃO 1 PASS0

Leia mais

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Aula 13 Sistema Predial de Água Quente: Energia Solar e Aquecimento a Gás Profª Heloise G. Knapik 1 Aquecimento

Leia mais

Sistemas de Aquecimento Solar no Mercado Brasileiro

Sistemas de Aquecimento Solar no Mercado Brasileiro 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Sistemas de Aquecimento Solar no Mercado Brasileiro José Ronaldo Kulb Departamento Nacional de Aquecimento Solar da ABRAVA ABRAVA: Desde 1962, 400

Leia mais

Quem busca economia prefere Heliotek

Quem busca economia prefere Heliotek Linha de aquecimento para banho Quem busca economia prefere Heliotek A marca de aquecimento solar do grupo Bosch Aquecedor solar 1 Coletor solar Os coletores captam o calor do sol e aquecem a água a ser

Leia mais

BALANÇO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 SETOR DA BORRACHA Rio Grande do Sul

BALANÇO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 SETOR DA BORRACHA Rio Grande do Sul Janeiro de 2009 BALANÇO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 SETOR DA BORRACHA Rio Grande do Sul SINBORSUL Sindicato das Indústrias de Artefatos de Borracha no Estado do Rio Grande do Sul PERSPECTIVAS PARA

Leia mais

INSTALAÇÃO DE SISTEMAS DE AQUECIMENTO SOLAR

INSTALAÇÃO DE SISTEMAS DE AQUECIMENTO SOLAR INSTALAÇÃO DE SISTEMAS DE AQUECIMENTO SOLAR CONDIÇÕES PARA O FUNCIONAMENTO DO SISTEMA Caixa d' água fria Respiro OESTE Reservatório térmico Radiação solar Retorno para os coletores Consumo SUL 20 20 NORTE

Leia mais

Selo Procel Eletrobras 04 de Setembro de Rafael M. David

Selo Procel Eletrobras 04 de Setembro de Rafael M. David Selo Procel Eletrobras 04 de Setembro de 2012 Rafael M. David Ministério das Minas e Energia 39.453 MW É A CAPACIDADE GERADORA DAS EMPRESAS ELETROBRAS, O QUE EQUIVALE A CERCA DE TRANSMISSÃO GERAÇÃO 37%

Leia mais

Trópicos inox. Trópicos. Coletor Solar INOVAÇÃO SOLIS

Trópicos inox. Trópicos. Coletor Solar INOVAÇÃO SOLIS linhapremium MEUSOL linha ** INOVAÇÃO SOLIS linha inox 3 3 B 3 PRODUTO MAIS DURÁVEL E ROBUSTO DO BRASIL; RESISTE MUITO MAIS AO TEMPO; ÓTIMA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA; VIDRO TERMOENDURECIDO, RESISTENTE AO IMPACTO

Leia mais

Outubro Divulgado em 16 de novembro de 2015.

Outubro Divulgado em 16 de novembro de 2015. Outubro - 2015 Divulgado em 16 de novembro de 2015. ICVA REGISTRA RETRAÇÃO DE 3,3% NO VAREJO EM OUTUBRO Indicador considera a receita de vendas do varejo deflacionada pelo IPCA em relação a outubro de

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Março Semana Operativa de 05/03/2016 11/03/2016 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 27/02 a 04/03 ocorreu chuva fraca a moderada nas bacias da região Sul

Leia mais

LEI Nº , DE 3 DE JULHO DE 2007 (Projeto de Lei nº 313/06,do Vereador Russomanno - PP)

LEI Nº , DE 3 DE JULHO DE 2007 (Projeto de Lei nº 313/06,do Vereador Russomanno - PP) LEI Nº 14.459, DE 3 DE JULHO DE 2007 (Projeto de Lei nº 313/06,do Vereador Russomanno - PP) Acrescenta o item 9.3.5 à Seção 9.3 Instalações Prediais do Anexo I da Lei nº11.228, de 25 de junho de 1992 (Código

Leia mais

Baixa Pressão 5m.c.a Modelos: 15/20/25 Tubos

Baixa Pressão 5m.c.a Modelos: 15/20/25 Tubos Baixa Pressão 5m.c.a Modelos: 15/20/25 Tubos Página2 SUMÁRIO INFORMAÇÕES SOBRE O PRODUTO Coletor a Vácuo... 3 Indicações de segurança Cuidados especiais Principais vantagens do sistema solar a vácuo Especificações

Leia mais

COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS

COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS A B C D COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS E F G COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS COMPARAR É POUPAR ENERGIA O SEEP, Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos, é um sistema

Leia mais

Maio Divulgado em 16 de junho de 2015.

Maio Divulgado em 16 de junho de 2015. Maio - 2015 Divulgado em 16 de junho de 2015. VAREJO AMPLIADO CRESCE 0,4% EM MAIO, APONTA ICVA Percentual é calculado a partir da receita de vendas deflacionada pelo IPCA em comparação com maio de 2014;

Leia mais

Construção civil: desempenho em 2011 e perspectivas para /12/2011

Construção civil: desempenho em 2011 e perspectivas para /12/2011 Construção civil: desempenho em 2011 e perspectivas para 2012 6/12/2011 Desempenho e perspectivas A revisão do PIB Desempenho da cadeia em 2011 Perspectivas Revisão dos números do PIB 2009 Destaque: Os

Leia mais

ENTRAVES AO INVESTIMENTO EM SANEAMENTO SUMÁRIO EXECUTIVO

ENTRAVES AO INVESTIMENTO EM SANEAMENTO SUMÁRIO EXECUTIVO ENTRAVES AO INVESTIMENTO EM SANEAMENTO SUMÁRIO EXECUTIVO ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental Setembro de 2013 2 Introdução: A situação do saneamento básico no Brasil A situação

Leia mais

Eficiência Energética com Aquecimento Solar. Eng. Luiz Antonio dos Santos Pinto Presidente da ANDESOL Diretor da Solis Aquecedor Solar

Eficiência Energética com Aquecimento Solar. Eng. Luiz Antonio dos Santos Pinto Presidente da ANDESOL Diretor da Solis Aquecedor Solar Eficiência Energética com Aquecimento Solar Eng. Luiz Antonio dos Santos Pinto Presidente da ANDESOL Diretor da Solis Aquecedor Solar Mercado Tecnologia Mercado e Oportunidades Aplicação 384,7 Milhões

Leia mais

Apresentação. de Metais não Ferrosos realizaram a primeira pesquisa para melhor entendimento

Apresentação. de Metais não Ferrosos realizaram a primeira pesquisa para melhor entendimento PERFIS GALVANIZADOS Apresentação Este estudo é realizado desde 2014 pelo CBCA Centro Brasileiro da Construção em Aço e o ICZ Instituto de Metais não Ferrosos com o objetivo de promover o entendimento Em

Leia mais

Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia Solar para Aquecimento de Água

Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia Solar para Aquecimento de Água Seminário: COPA DO MUNDO DE 2014 NORMATIZAÇÃO PARA OBRAS SUSTENTÁVEIS Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia

Leia mais

TELHAS DE AÇO & STEEL DECK

TELHAS DE AÇO & STEEL DECK TELHAS DE AÇO & STEEL DECK Crédito: Medabil Vinicius Costa Apresentação Este estudo é realizado desde 2014 pelo CBCA Centro Brasileiro da Construção em Aço Desdee 2012 o ICZ o CBCA Instituto de Centro

Leia mais

VENDAS NO VAREJO DEIXAM DE CAIR PELA PRIMEIRA VEZ EM DOIS ANOS

VENDAS NO VAREJO DEIXAM DE CAIR PELA PRIMEIRA VEZ EM DOIS ANOS I C V A J U L H O D E 2 0 1 7 CIELO S.A. CNPJ/MF 01.027.058/0001-91 Comunicado ao Mercado VENDAS NO VAREJO DEIXAM DE CAIR PELA PRIMEIRA VEZ EM DOIS ANOS Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA) não apontou

Leia mais

VALORIZE SEU MOMENTO DE LAZER. AQUECIMENTO DE ÁGUA. O novo grau de conforto. LINHA BOMBA DE CALOR PARA PISCINA

VALORIZE SEU MOMENTO DE LAZER. AQUECIMENTO DE ÁGUA. O novo grau de conforto. LINHA BOMBA DE CALOR PARA PISCINA TO EN M A Ç N LA VALORIZE SEU MOMENTO DE LAZER. AQUECIMENTO DE ÁGUA LINHA BOMBA DE CALOR PARA PISCINA 00487mn01.indd 1 O novo grau de conforto. 13/02/2015 14:33:35 EFICIÊNCIA COMPROVADA, SATISFAÇÃO GARANTIDA.

Leia mais

Procel Selo. Inauguração oficial do Laboratório de Eficiência Energética em Hidráulica e Saneamento - Lenhs da UFMS e da UFRGS;

Procel Selo. Inauguração oficial do Laboratório de Eficiência Energética em Hidráulica e Saneamento - Lenhs da UFMS e da UFRGS; Inauguração oficial do Laboratório de Eficiência Energética em Hidráulica e Saneamento - Lenhs da UFMS e da UFRGS; Apoio técnico à elaboração do PNEf. Vista superior do Lenhs da UFRGS Procel Selo Instituído

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa já representa quase 10% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

VAREJO AMPLIADO TEM RETRAÇÃO DE 1,9% EM MARÇO, APONTA ICVA

VAREJO AMPLIADO TEM RETRAÇÃO DE 1,9% EM MARÇO, APONTA ICVA CIELO S.A. CNPJ/MF 01.027.058/0001-91 Comunicado ao Mercado VAREJO AMPLIADO TEM RETRAÇÃO DE 1,9% EM MARÇO, APONTA ICVA Mês de março apresentou a menor queda de vendas desde julho de 2015 Crescimento da

Leia mais

ETIQUETAGEM: Perspectivas e desafios

ETIQUETAGEM: Perspectivas e desafios ETIQUETAGEM: Perspectivas e desafios Roberto Lamberts LabEEE Universidade Federal de Santa Catarina estrutura breve histórico GERAL breve histórico TÉCNICO perspectivas desafios 2 Convênio Eletrobras UFSC

Leia mais

COMISSIONAMENTO DE SISTEMAS PREDIAIS

COMISSIONAMENTO DE SISTEMAS PREDIAIS AGENDA OBJETIVO DO COMISSIONAMENTO; PAPEL DO AGENTE/ EMPRESA DE COMISSIONAMENTO; PRINCIPAIS ATIVIDADES NA CADEIA DA CONSTRUÇÃO; CASES; BENEFÍCIOS DO COMISSIONAMENTO; AÇÕES DO COMISSIONAMENTO NO BRASIL;

Leia mais

GUIA PRÁTICO HIS SOLAR

GUIA PRÁTICO HIS SOLAR BENEFÍCIOS DO AQUECIMENTO SOLAR EM INCLUI HISTÓRIA DO AQUECEDOR SOLAR EM HIS ROTEIRO PARA A INSTALAÇÃO DE UM AQUECEDOR SOLAR COMPACTO PADRÃO MINHA CASA, MINHA VIDA PAC 2 BENEFÍCIOS DO AQUECIMENTO SOLAR

Leia mais

Os gases combustíveis e a eficiência nas edificações

Os gases combustíveis e a eficiência nas edificações Os gases combustíveis e a eficiência nas edificações Apresentação Eficiência energética em edificações Panorama internacional O caso Brasileiro PBE Edificação Custos nas instalações Eficiência energética

Leia mais

A Energia solar. Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia solar 1

A Energia solar. Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia solar 1 A Energia solar Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia solar 1 Forma de aproveitamento Quase todas as fontes de energia hidráulica, biomassa, eólica, combustíveis fósseis e energia

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL

AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL PESQUISA DE POSSE DE EQUIPAMENTOS E HÁBITOS DE USO - ANO BASE 2005 - CLASSE COMERCIAL ALTA TENSÃO RELATÓRIO SETORIAL: HOTÉIS / MOTÉIS SUMÁRIO 1.

Leia mais

Eficiência e Sustentabilidade

Eficiência e Sustentabilidade Eficiência e Sustentabilidade P r i n c i p a i s r e s u l t a d o s d a p e s q u i s a J u n h o / 2 0 1 6 w w w. o i 3 e. o r g. b r E f i c i ê n c i a e S u s t e n t a b i l i d a d e Objetivos

Leia mais

VENDAS DE ANIDRO CRESCEM, 5% EM MARÇO EM TENDÊNCIA DE ALTA

VENDAS DE ANIDRO CRESCEM, 5% EM MARÇO EM TENDÊNCIA DE ALTA Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XII 18/maio/2017 n. 545 VENDAS DE ANIDRO CRESCEM, 5% EM MARÇO EM TENDÊNCIA DE ALTA A tendência de recuperação na economia esperada para o segundo semestre

Leia mais

Anais da Mostra de Trabalhos do IFTM Campus Uberlândia Centro 2016

Anais da Mostra de Trabalhos do IFTM Campus Uberlândia Centro 2016 A Percepção dos Estudantes do Curso Técnico do IFTM Sobre o Consumo de Energia Residencial Izabella Pereira Lemos 1 ; Robson Humberto Rosa 2 ; Walteno Martins Parreira Júnior 2 1 Discente do Curso Técnico

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL

AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL PESQUISA DE POSSE DE EQUIPAMENTOS E HÁBITOS DE USO - ANO BASE 2005 - CLASSE COMERCIAL ALTA TENSÃO RELATÓRIO SETORIAL: BANCOS SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

PRIMEIROS RESULTADOS DA ANÁLISE DA LINHA DE BASE DA PESQUISA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

PRIMEIROS RESULTADOS DA ANÁLISE DA LINHA DE BASE DA PESQUISA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PRIMEIROS RESULTADOS DA ANÁLISE DA LINHA DE BASE DA PESQUISA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Instituição Executora: Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional CEDEPLAR / UFMG Ministério

Leia mais

Roteiro da Aula. Automação Predial e Domótica. Iluminação Elétrica. Iluminação Natural. Iluminação Natural. Iluminação Natural 03/05/17

Roteiro da Aula. Automação Predial e Domótica. Iluminação Elétrica. Iluminação Natural. Iluminação Natural. Iluminação Natural 03/05/17 Roteiro da Aula Automação Predial e Domótica Sistemas de Automação Residenciais Fabricia Neres Iluminação elétrica; Iluminação natural; Tomadas Comandadas Climatização; Home Theater Sonorização ambientes;

Leia mais

EXPORTAÇÕES DE AÇÚCAR PARA A ÍNDIA CAEM 18% EM MARÇO

EXPORTAÇÕES DE AÇÚCAR PARA A ÍNDIA CAEM 18% EM MARÇO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XIX 24/abril/2017 n. 672 EXPORTAÇÕES DE AÇÚCAR PARA A ÍNDIA CAEM 18% EM MARÇO Os dados mais atualizados sobre as exportações de açúcar bruto, refinado e

Leia mais

Workshop Qualinstal Elétrica. O Programa de Certificação das Empresas Instaladoras QUALINSTAL. Julho 2016

Workshop Qualinstal Elétrica. O Programa de Certificação das Empresas Instaladoras QUALINSTAL. Julho 2016 Workshop Qualinstal Elétrica O Programa de Certificação das Empresas Instaladoras QUALINSTAL Julho 2016 Temáticas Motivos para tratar da conformidade setorial Situação dos serviços prediais Desafios para

Leia mais

KITS SOLARES TÉRMICOS >> SISTEMA TERMOSSIFÃO >> SISTEMA CIRCULAÇÃO FORÇADA SISTEMA HÍBRIDO

KITS SOLARES TÉRMICOS >> SISTEMA TERMOSSIFÃO >> SISTEMA CIRCULAÇÃO FORÇADA SISTEMA HÍBRIDO KITS SOLARES TÉRMICOS >> SISTEMA TERMOSSIFÃO >> SISTEMA CIRCULAÇÃO FORÇADA >> SISTEMA HÍBRIDO TERMOSSIFÃO CIRCULAÇÃO FORÇADA SISTEMA HÍBRIDO GUIA DE SELEÇÃO KITS SOLARES ZANTIA > PASSOS DA SELEÇÃO > OPÇÕES

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ANÁLISE MENSAL DO MERCADO DE BIODIESEL: EDIÇÃO Nº 4 - MAIO DE 2013 A, documento elaborado pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ABIOVE, possui o intuito de levar ao mercado informações

Leia mais

Palavras-chave: Arranjos domiciliares; Benefício de Prestação Continuada; Idoso; PNAD

Palavras-chave: Arranjos domiciliares; Benefício de Prestação Continuada; Idoso; PNAD Idosos atendidos pelo Benefício de Prestação Continuada (BPC) que vivem em domicílios com outros rendimentos: perfil sociodemográfico e comparação com os idosos que vivem em domicílios com presença de

Leia mais

CONTEÚDO ABORDADO. O Programa. Vertentes. Rede de Eficiência Energética. Regulamentos

CONTEÚDO ABORDADO. O Programa. Vertentes. Rede de Eficiência Energética. Regulamentos 2012 CONTEÚDO ABORDADO O Programa Vertentes Rede de Eficiência Energética Regulamentos Avaliação dos Sistemas Individuais Envoltória, Iluminação e Ar condicionado Processo de Etiquetagem Treinamento e

Leia mais

Instalações Hidráulicas: Água Quente. Prof. Fabiano de Sousa Oliveira Curso: Engenharia Civil FTC/VC

Instalações Hidráulicas: Água Quente. Prof. Fabiano de Sousa Oliveira Curso: Engenharia Civil FTC/VC Instalações Hidráulicas: Água Quente Prof. Fabiano de Sousa Oliveira Curso: Engenharia Civil FTC/VC INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS: ÁGUA QUENTE Primeiro ponto: Apresentação da norma técnica, vigente. Projeto

Leia mais

Aspectos técnicos da etiquetagem de pneus. Gustavo Kuster Chefe de Divisão, Diretoria da Qualidade, Inmetro Rio de Janeiro, 18 de outubro de 2012

Aspectos técnicos da etiquetagem de pneus. Gustavo Kuster Chefe de Divisão, Diretoria da Qualidade, Inmetro Rio de Janeiro, 18 de outubro de 2012 Aspectos técnicos da etiquetagem de pneus Gustavo Kuster Chefe de Divisão, Diretoria da Qualidade, Inmetro Rio de Janeiro, 18 de outubro de 2012 Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE) Gustavo Kuster

Leia mais

Expansão industrial e maior oferta de raiz sustentam produção recorde de fécula em 2015

Expansão industrial e maior oferta de raiz sustentam produção recorde de fécula em 2015 Expansão industrial e maior oferta de raiz sustentam produção recorde de fécula em 2015 Quantidade de fécula produzida cresceu 17% e superou 750 mil toneladas em 2015 A produção brasileira de fécula cresceu

Leia mais

Benchmarking e etiquetagem energética em uso. Visão Brasileira

Benchmarking e etiquetagem energética em uso. Visão Brasileira Benchmarking e etiquetagem energética em uso Visão Brasileira SUMARIO EXECUTIVO Benchmarks e etiquetas prediais são as ferramentas mais eficazes para redução de consumo de energia no ambiente construído.

Leia mais

PAC SOLAR O que o aquecimento solar pode fazer pelo Brasil

PAC SOLAR O que o aquecimento solar pode fazer pelo Brasil PAC SOLAR O que o aquecimento solar pode fazer pelo Brasil Eng. Carlos Felipe da Cunha Faria (Café) Diretor Executivo da ABRAVA Coordenador da Iniciativa Cidades Solares O mercado brasileiro de aquecedores

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 123/2010

PROJETO DE LEI Nº 123/2010 PROJETO DE LEI Nº 123/2010 Dispõe sobre a obrigatoriedade da instalação de sistema de aquecimento solar de água por meio do aproveitamento da energia solar nas edificações de uso residencial e não-residencial."

Leia mais