5 a LISTA DE EXERCÍCIOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "5 a LISTA DE EXERCÍCIOS"

Transcrição

1 5 a LITA DE EXERCÍCIO ) A ação de controle proporcionalderivativo só apresenta influência durante o regime permanente não tendo nenhum efeito durante os transitórios do sistema. Responda se a afirmação acima é verdadeira ou falsa; Justifique sua resposta. ) Dado o sistema abaixo, defina o valor do erro causado na saída, devido a uma perturbação P T (s), a qual é um degrau de amplitude,5. P T (s) 0 5 3) Para o sistema abaixo, após esboçar o lugar das raízes, determine o valor de K, tal que os pólos de malha fechada dominantes tenham uma relação de amortecimento entre 0,5 e 0,75. Porém, a resposta do sistema deve ser a mais rápida possível. Utilizando o ganho K projetado acima, obtenha a resposta ao degrau unitário do sistema. K ()() 0,5 4) Para o sistema abaixo, esboce o lugar das raízes. Determine o valor de w, tal que a relação de amortecimento dos pólos de malha fechada dominantes seja 0,5. Calcule o tempo de acomodação para as faixas de % e 5% de tolerância. W () 5) Um sistema de controle para uma plataforma lançadora de foguetes é regido pelas expressões mostradas a seguir, onde r(t): posição desejada da plataforma; p(t): posição atual da plataforma; W(t): perturbação na posição da plataforma devido a um agente externo. Obtenha uma representação por espaço de estado para o sistema onde p(t) é a saída do sistema e r(t) e w(t) são as entradas. a) dx ( t ) dx( t) 4x( t) θ ( t) e) v t t t dt dt ( ) r ( ) b( ) b) x( t) m ( t) p( t) f) d θ( t ) v( t) dt 3 c) dm ( t ) dm ( t) dm( t) 3 4 3ω ( t) g) v ( t) 8v( t) dt dt dt d) b( t) ρ( t) dp( t) dt

2 6) eja o diagrama de blocos de um sistema mostrado abaixo, onde R() é a entrada principal do sitema e N() é uma perturbação indesejada. abese que a entrada principal é do tipo rampa e a perturbação é do tipo degrau. Projete a função de transferência dos blocos G c () e H() para que o sinal de saída não apresente erro de regime em relação a entrada principal e a perturbação. Comente sobre a influência dos ganhos de G c () e H() na minimização da parcela do sinal de saída referente a perturbação. N() R() E() Gc() b a C() H() 7) O diagrama mostrado abaixo representa um sistema de controle de velocidade e posição de um servo motor de corrente contínua. Calcule o erro de regime permanente para uma entrada do tipo degrau unitário.o sistema apresenta erro de posição em regime, qual é sua sugestão para tornálo nulo, caso isto seja possível. Todas as unidades abaixo são compatíveis. C 00µF; R 0KΩ; La 5mH; Ra 0mΩ ; B 6Nm. seg / rad; J Kgm As expressões do torque e da força contraeletromotriz produzida na armadura são: T(s) 5Ia( s) e Ea(s) θ ( s) OB : ERVO MOTOR CONTROLADO PELA ARMADURA. 8) eja o diagrama de Blocos mostrado abaixo, onde os ganhos K e Kx só podem assumir valores. x(s) K () y(s).kx Pedese: a) Considerando que a chave encontrase aberta, determine a estabilidade do sistema em função da variação do parâmetro K, através do Lugar das Raízes do sistema. b) Considere agora que a chave foi fechada, e que o ganho K é igual a. Determine a estabilidade do sistema em função da variação do parâmetro Kx.

3 c) Com a chave fechada, determine o valor do ganho Kx e do ganho K, que faça com que o sistema apresente uma resposta de segunda ordem com um overshoot igual a 80%, para um entrada do tipo degrau unitário. 9) Considere o servomecanismo mostrado abaixo. COMPENADOR x(s) Ga(s) 5550 y(s) Gs(s) K.( Z) a) abese que o modelo compensador é igual a Ga(), e o modelo do sensor é igual a ( P) Gs(), onde P 3. Determine os valores de K, Z e P, para que as raízes dominantes da equação Z característica deste sistema, apresentem ξ 0, 5 e parte real igual a 7. b) Qual o erro de regime permanente do sistema acima, se a entrada for: Um degrau unitário; Uma Rampa unitária; Uma parábola unitária. c) Projete um compensador do tipo PI, que faça com o sistema projetado no item a, apresente erro nulo para uma entrada do tipo rampa unitária. 50 0) eja a função G( ) H( ) ( ) ( 0) Determine: o valor da função, para a qual a fase associada é 80 ; o valor do ganho K a ser adicionado ao sistema, para que o sistema tornese criticamente estável; o valor de ω para o qual a fase do sistema e 80 ) O sistema em malha aberta mostrado na figura.a, apresenta uma entrada principal R() e uma perturbação D() que são do tipo degrau unitário. a) Calcule o valor do ganho K na figura l.b, para que a resposta em regime permanente do sistema, para a entrada principal, seja a mesma apresentada pelo sistema em malha aberta na figura.a. b) Com o valor do ganho K definido em (a), comente sobre as principais alterações causadas pela realimentação utilizada na figura l.b. D(s) τ. figura l.a

4 D(s) K 9 τ. figura l.b ) Considere um sistema com realimentação unitária, cujo modelo de espaço de estado esta representado a seguir: x (t) 0 b x (t) x ( t) u(t) y(t) [ 0 ] x (t) a x (t) b x ( t) Determine graficamente a região no plano ab para a qual o sistema é completamente estável. 3) As equações diferenciais do sistema de controle para um motor são dadas por: T(t) J. d θ (t) B. d (t) c θc K. θ c(t) () T(t) Ki. i( t) (4) dt dt di( t) v( t) Ri( t) L. K dt b dθc ( t). dt ( ) v( t) K. e( t) (5) A e( t) K.( θ ( t) θ ( t)) (3) R C Onde: T(t): Torque do motor; i(t): corrente do motor; v(t): tensão aplicada no motor; q C (t): deslocamento de saída do motor; q R (t): entrada de referência; e(t): sinal de erro; L: indutância do motor; R: resis tência do motor; K b : constante de força contraeletromotriz do motor; J: momento de inércia da carga do motor; K: constante de elasticidade ligada ao eixo do motor; K A : ganho do amplificador; K : ganho do detector de erro e(t). Pedese: (a) Defina as variáveis de estado e escreva as equações de estado para osistema na forma: X(t) A.X(t) B.u(t) y(t) C.X(t) D.u(t) (b) Mostre o diagrama de blocos para este sistema; c) Determine a função de transferência entre θ C () e θ R (), utilizando a regra de Mason. Com o objetivo de obter o melhor desempenho possível deste sistema, qual das relações acima, você escolheria. Explique sua resposta. 4) eja o mesmo diagrama de blocos mostrado na questão anterior, onde: 00 G( s) e H(s).( 0) Projete G C (), se possível, para que o sistema atenda as seguintes especificações; Erro de regime permanente menor que 5%, para uma entrada do tipo rampa unitária; Margem de Fase de 55 graus.

5 OBERVAÇÕE: Caso não seja possível atender estas especificações, explique sua resposta. 5) Dada a função abaixo, determinar a sua transformada de Laplace. f(t) α a aα 6) eja a Função de transferência mostrado abaixo: X( ) 0( ) M( ) 4( 5)( ) Pedese: (a) Obtenha a expressão de X(t), sabendose que: a.) m(t) 0t a.) m(t) 4t (b) Para m(t) 0t, determine o valor de X(t) quando t c) Para m(t) 4t, determine o valor de X(t) quando t t 7) eja o sistema elétrico mostrado abaixo, onde i (t) e i (t) são sinais de entrada. Pedese: a) Diagrama de blocos equivalente, considerando a tensão sobre a resistência, como sendo o sinal de saída do sistema; b) Um modelo de variáveis de estado para o sistema, considerando como variáveis de estado a tensão v C (t) e a corrente i L (t). Os sinais de saída a serem considerados são também v C (t) e i L (t). 8) Para o diagrama de blocos mostrado a seguir, pedese: a) A função de transferência entre o sinal de entrada e de saída, através da simplificação de blocos; b) A função de transferência entre o sinal de entrada e de saída, através da fórmula do ganho de Mason;

6 ) abendo que a equação diferencial que define um determinado sistema é dada por: c(t) 3.c(t) 4.c(t) 7.u(t).t Onde: c(0) c(t) Pedese o valor de c(t). 0) Dada a função abaixo, determine a sua transformada de Laplace. f(t) a ) eja o seguinte circuito elétrico: a (aa) t Pedese: Utilizando transformada de Laplace, obtenha a expressão de i(t). ) eja a Função de transferência mostrada abaixo: X( ) 0( ) M( ) 4( )( 5) Pedese: a) Obtenha a expressão de x(t), sabendose que: a.) m(t) degrau unitário a.) m(t) rampa unitária b) Para m(t) sendo um degrau unitário, calcule o valor final de x(t). 3) eja o sistema mecânico mostrado abaixo. O sistema esta inicialmente em repouso, isto é, x(0)0 e x ( 0) 0. Para t0 uma força f(t)fsen wt é aplicada na massa. Obtenha a expressão x(t), para t>0, sabendo que: M kg, K00 N/m, F50N, W5 rad/seg., ωn K M. OB.: rad/seg ( N/kg.m).

7 4) eja o sistema mecânico abaixo, obtenha: d y t K dy t ( ) ( ). K. y( t) u( t) K3. u( t) dt dt dy ( t) K y t K dy ( t ) 4. ( ) 5. K6. u( t) dt dt Onde: y (t) e y (t) são saídas e u (t) e u (t) são entradas. Obtenha a REPREENTAÇÃO POR EPAÇO DE ETADO. 5) Um sistema de controle de temperatura de uma câmara fria, é mostrado abaixo. A perturbação D(s) modela (representa) a abertura da porta da câmara fria, e é do tipo degrau unitário quando a porta está aberta. Neste problema assuma que a porta da câmara esteja sempre fechada. a) Defina o valor da entrada r(t), em Volts, necessária para manter a temperatura interna da câmara em 40 C; b) e Gc(s), calcule o erro de regime permanente em grau Celsius; c) É necessário que o erro de regime seja menor que 5% da temperatura desejada. Caso isto não seja satisfeito pela própria planta, projete Gc(s), sem o uso de integradores, para atender esta especificação. d) Com o controlador projetado no item anterior, calcule o erro de regime para a perturbação. D(s) Graus Celsius Perturbação θ 0s Volts Controlador Gc() Planta 0 0s Graus Celsius ensor 0,04 6) eja o seguinte sistema: Compensador PD X() Kd Kp Planta K () Y()

8 a) Comente sobre os efeitos causados no desempenho do sistema, para cada um dos casos abaixo, Kp sabendose que: a Kd (i) a > 0; (ii) < a < 0; (iii) a < ; b) Qual dos 3 casos apresenta o menor tempo de resposta. Explique sua resposta. ATENÇÃO: As questões a seguir se relacionam com o diagrama de blocos mostrado abaixo. E(s) Gc(s) K.Gp(s) Gc(s) 7) No diagrama de blocos mostrado, os blocos apresentam as seguintes funções de transferência: Gc(s) K Gp(s) H(s) 5. Pedese: a) Desejase que este sistema apresente erro de regime permanente nulo para uma entrada do tipo rampa. Para tanto, devese modificar o bloco Gc(s)K para Gc(s) K. Comente sobre as alterações mais significativas que deverão ocorrer neste sistema, caso esta modificação seja realizada; b) e for mantida a modificação proposta no item a, e se o bloco H(s) for modificado para H(s),5, comente sobre as alterações que deverão ocorrer em relação ao sistema do item a. c) e for mantida a modificação proposta no item a, e se o bloco H(s) for modificado para H(s), comente sobre as alterações que deverão ocorrer em relação ao sistema do item a., 5 8) eja o diagrama de blocos mostrado. Quais são os efeitos causados, se adicionarmos um pólo real negativo na função de transferência de malha direta Gp(s). Comente também o caso deste mesmo pólo ser adicionado no ramo de realimentação H(s). As funções de transferência dos blocos são: Gc(s) K Gp(s) 4. H(s) 9) Diga se o sistema mostrado é estável para todos os valores de K. Explique. Caso não seja, apresente uma solução para tornálo estável para qualquer valor de K. As funções de transferências dos blocos são: Gc(s) K Gp(s) H(s) ( 0).( ± j) 30) Para o sistema mostrado, após esboçar o gráfico do lugar das raízes, determine o valor de K, tal que os pólos de malha fechada dominantes tenham uma relação de amortecimento entre 0,5 e 0,75. Porém, a resposta do sistema deve ser a mais rápida possivel. Utilizando o ganho K projetado acima, obtenha a resposta ao degrau unitário do sistema. As funções de transferências dos blocos são:

9 Gc(s) K Gp(s).(, 5).( 35, ) H(s) 0,. 3) Para o sistema mostrado, esboce o gráfico do lugar das raízes. Determine o valor de w, tal que a relação de amortecimento dos pólos de malha fechada dominantes seja 0,5. Calcule o tempo de acomodação para as faixas de % e 5% de tolerância. As funções de transferências dos blocos são: Gc(s) W Gp(s) H(s).( ) 3) Dado o diagrama de bloco, mostrado a seguir, pedese: a) O circuito elétrico equivalente no domínio do tempo, especificando a variável de entrada, a variável de saída e as demais variáveis envolvidas; b) A função de Transferência obtida por simplificação de blocos, explicitando as simplificações feitas, passo a passo; c) Aplicando o teorema do Valor final, determine o valor de i o (t) em regime permanente, onde I() degrau unitário; d) A expressão no domínio do tempo de i o (t), sabendose que I() é um degrau de corrente cuja amplitude é 3A, e que R 0,5 Ω, L 7,5 mh, C,8 F. I() C L Io() R 33) abendose que no diagrama de blocos mostrado abaixo, N() é uma perturbação externa ao sistema e X() é a entrada de referência, quais as condições dos ganhos G (), G () e H(), para que a resposta do sistema a esta perturbação seja desprezível e que o sinal de saída seja igual ao sinal de entrada. N() X() G (s) G (s) Y() H(s) 34) Dada a função f(t) abaixo, obtenha a sua Transformada de Laplace F().

10 f(t) t 35) Utilizando a FÓRMULA DO GANHO DE MAON, obtenha a função de transferência para o diagrama de blocos do sistema dinâmico mostrado a seguir. Após, para uma entrada do tipo degrau unitário, obtenha o valor de v(t). 3 3s 4 0,5 36) Considere a seguinte função de T. de M.A. 50 G( s). H( s) ( )( )( 0) a) Obtenha a D.B. para este sistema: EXATO; APROX. AINTÓTICA. Comente sobre erros e para quais F. o ω é máximo. b) abendose que a entrada do sistema é igual a 0.cos (ωt30 ), determine a saída deste sistema, para: b.) ω 0,0 b.) ω 0, b.3) ω 0 Comente sobre os resultados obtidos. 37) eja o seguinte sistema: a) idem b) 4.cos ωt b. ω 0 b. ω G( s) ( )( ) 38) Obtenha os seguintes diagramas de Bode:

11 a) G( s) ( 0 ) d s ) G ( ) ( )( ) 8. b) G( s) ( ) e s ) G ( ) ( )( ) 00( ) c) G( s) f ) G ( s) ( ) ( ) 39) abese que a representação por espaço de estado para um dado sistema é a seguinte: 0 X t X t u t a 0 ( ). ( ). ( ) 5 a b Y(t) [5a 0]. X(t) jw j,73 j,73 a) Determine os valores de a e b para que as raízes do sistema, seja mostradas ao lado. b) Determine para este sistema os seguintes parâmetros: Overshoot: %; Tempo de Pico: segundos; Tempo de Acomodação: segundos; Constante de Erro de Posição: Erro de Regime Permanente: %. 40) Dado o sistema mecânico mostrado abaixo, pedese: a) Determine os valores das grandezas K, B e M para que o deslocamento x (t), apresente o comportamento mostrado considerandose que a força aplicada seja um degrau unitário. b) Caso esta força seja uma rampa unitária, qual é o erro de regime permanente do sinal de saída? x (t),08 4.τ 4 seg FiGURA 4) ejam os diagramas de blocos mostrados abaixo:

12 a) b) 0 0 () () K H Para o sistema mostrado na letra a, o coeficiente de amortecimento é de 0,58 e a freqüência natural nãoamortecida é de 3,6 rad/seg.. Para melhorar a estabilidade relativa, é empregada uma realimentação como mostrada em b. Pedese: a) Mostre como a introdução desta realimentação no sistema, pode melhorar a estabilidade relativa; b) Calcule o valor do parâmetro K H, para que o coef. de amortecimento seja igual a 0,5; c) Qual a vantagem que a alteração do coef. de amortecimento pode trazer para o sistema. 4) Considere um sistema de controle com Realimentação Unitária cuja Função de Transferência é a seguinte: C( ) K b R( ) a b Pedese: a) Determine a função de Transferência de malha direta; b) Calcule o erro de Regime Permanente na resposta à uma entrada do tipo Rampa Unitária, e qual a condição para que este erro seja nulo. 43) Determine a faixa de valores de K para o sistema abaixo, que resultará em instabilidade seja na Presença do sinal de entrada, seja na Presença de Perturbação. θi(s) 0 4 P(s) 5 5 As questões 44) e 45) estão relacionadas com o seguinte sistema: P(s) Gc (s) G(s) H(s) abese que em operação normal, a perturbação externa não apresenta interferência no desempenho desta planta. No diagrama de blocos mostrado, os blocos apresentam as seguintes funções de transferência: Gp( s) H(s) 44) endo Gc(s) um compensador do tipo proporcional, pedese: a) Para qual faixa de valores de Gc(s) o sistema será estável;

13 b) Para qual faixa de valores de Gc(s) o sistema apresenta uma resposta superamortecida; c) Para qual faixa de valores de Gc(s) o sistema apresenta uma resposta subamortecida; d) Para qual faixa de valores de Gc(s) o sistema apresenta uma resposta criticamente amortecida; e) Para quais valores de w e Gc(s), o sistema apresentará uma resposta oscilatória; f) e a perturbação externa for modelada como um degrau unitário e o sistema apresentar uma resposta criticamente amortecida, qual será o erro causado no sinal de saída devido a perturbação. 45) endo Gc(s)(Td Kd.). Pedese: a) Que tipo de compensador é este (P, PI, PD ou PID). Explique sua resposta: b) Desejase que a saída do sistema, seja o mais próximo possível do sinal mostrado abaixo, isto é, y(t)(e 3.t ), para uma entrada do tipo degrau unitário. Caso isto seja possível, projete os valores de Kd e Td que atendam a esta especificação. Caso não seja possível, explique sua resposta. y(t) 46) eja o seguinte sistema: t Gc (s) G(s) Onde: H(s) 0 Gc( s) ; Gp(s) ; 0, ,5 H(s) O diagrama de Bode mostrado a seguir, é referente a este sistema. a) Calcule a margem de fase e a margem de ganho deste sistema; b) Calcule o erro em regime permanente, considerando que a entrada é uma rampa unitária; c) Desejase que este erro seja igual ou menor a 0,35. Caso esta especificação não seja satisfeita pelo sistema, qual é sua sugestão para satisfazêla; d) Para a sugestão implementada no item c), calcule a nova margem de fase e margem de ganho; e) uponha que fosse desejado trabalhar com o menor erro possível, mantendo o sistema estável. Qual é sua sugestão e qual é a margem de fase e de ganho, neste caso. OB.: Nesta questão somente o ganho Proporcional, poderá ser alterado. 47) eja o seguinte sistema: X(s) G(s) y(s) H(s)

14 ( ) 47.) eja G( s) e H(s). Pedese: a) Esboce o Diagrama de Nyquist; b) Calcule a freqüência para qual G ( jw ) ; c) Determine a margem de fase e margem de ganho ) eja G( s) 3 e H(s). Pedese: ( 3) a) Esboce o Diagrama de Nyquist; b) Determine se o sistema é estável; c) Adicione um ganho K ao sistema, tal que o sistema tornese oscilatório em K.P.. Calcule o valor de K e a freqüência de oscilação. 47.3) Repita o problema 49.), para H(s)4; 4( ) 47.4) eja G( s) e H(s) ( 4) a) Esboce o Diagrama de Nyquist; b) Calcule a Freqüência para o qual G ( jw ) ; c) Determine a margem de ganho e a margem de fase. 50. K 47.5) eja K. G( s) ( ).( ).( 0) e H(s), onde a resposta em freqüência de G(s) é dada na tabela abaixo: a) endo K, determine a margem de fase e de ganho para este sistema; b) endo K,5, repita a letra a); c) abendose que x(t)5 cos(t30 ) e K, determine o valor de y(t). 48) No sistema mecânico mostrado abaixo, f (t) e f (t) são forças aplicadas nas massas M e M, respectivamente. Estas forças quando aplicadas a este sistema produzem os deslocamentos x (t) e x (t). Obtenha uma representação por espaço de estado para este sistema. FIGURA 50 49) eja a seguinte equação diferencial: dx( t) e x ( t ) dt Linearizea para o ponto x0 e obtenha a expressão que define x(t), sabendo que x(0)0,05. 50) No sistema abaixo, X(s) é a entrada do sistema e N(s) é uma perturbação indesejada. Calcule se o sistema apresenta erro de regime permanente e qual é o valor deste erro, caso exista. Considere a perturbação, como sendo um degrau de amplitude Mo. Caso o sistema apresente erro de regime devido a perturbação, proponha uma solução para eliminálo.

15 N(s) X(s) K R R() R R() y(s) H(s)

R + b) Determine a função de transferência de malha fechada, Y (s)

R + b) Determine a função de transferência de malha fechada, Y (s) FUP IC Teoria do Controlo xercícios Análise de Sistemas ealimentados Teoria do Controlo xercícios Análise de Sistemas ealimentados AS Considere o sistema da figura ao lado: a) Determine a função de transferência

Leia mais

Questões para Revisão Controle

Questões para Revisão Controle Questões para Revisão Controle 1. (PROVÃO-1999)A Figura 1 apresenta o diagrama de blocos de um sistema de controle, e a Figura 2, o seu lugar das raízes para K > 0. Com base nas duas figuras, resolva os

Leia mais

1ā lista de exercícios de Sistemas de Controle II

1ā lista de exercícios de Sistemas de Controle II ā lista de exercícios de Sistemas de Controle II Obtenha uma representação em espaço de estados para o sistema da figura R(s) + E(s) s + z U(s) K Y (s) s + p s(s + a) Figura : Diagrama de blocos do exercício

Leia mais

Aula 04 Representação de Sistemas

Aula 04 Representação de Sistemas Aula 04 Representação de Sistemas Relação entre: Função de Transferência Transformada Laplace da saída y(t) - Transformada Laplace da entrada x(t) considerando condições iniciais nulas. Pierre Simon Laplace,

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

Controle de Velocidade

Controle de Velocidade 1 Capítulo 1 Controle de Velocidade 1.1 Objetivos O objetivo neste experimento é projetar um controlador que regule a velocidade do eixo do motor. O procedimento será baseado na análise da resposta em

Leia mais

Sintonia do compensador PID

Sintonia do compensador PID Sintonia do compensador PID 0.1 Introdução DAELN - UTFPR - Controle I Paulo Roberto Brero de Campos Neste capítulo será estudado um problema muito comum na indústria que consiste em fazer o ajuste dos

Leia mais

PMR3404 Controle I Aula 3

PMR3404 Controle I Aula 3 PMR3404 Controle I Aula 3 Resposta estática Ações de controle PID Newton Maruyama 23 de março de 2017 PMR-EPUSP Classificação de sistemas de acordo com o seu desempenho em regime estático Seja o seguinte

Leia mais

Resposta dos Exercícios da Apostila

Resposta dos Exercícios da Apostila Resposta dos Exercícios da Apostila Carlos Eduardo de Brito Novaes carlos.novaes@aedu.com 5 de setembro de 0 Circuitos Elétricos. Passivos a) b) V o (s) V i (s) 64s + 400 s + 96s + 400, v o ( ) v i ( )

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DINÂMICOS NA FORMA DO ESPAÇO DOS ESTADOS

REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DINÂMICOS NA FORMA DO ESPAÇO DOS ESTADOS REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DINÂMICOS NA FORMA DO ESPAÇO DOS ESTADOS. Espaço dos estados Representação da dinâmica de um sistema de ordem n usando n equações diferenciais de primeira ordem. Sistema é escrito

Leia mais

Controle de Processos Aula: Sistema em malha fechada

Controle de Processos Aula: Sistema em malha fechada 107484 Controle de Processos Aula: Sistema em malha fechada Prof. Eduardo Stockler Tognetti Departamento de Engenharia Elétrica Universidade de Brasília UnB 1 o Semestre 2016 E. S. Tognetti (UnB) Controle

Leia mais

Teoria de Controle. Helio Voltolini

Teoria de Controle. Helio Voltolini Teoria de Controle Helio Voltolini Conteúdo programático Introdução aos sistemas de controle; Modelagem matemática de sistemas dinâmicos; Resposta transitória de sistemas de controle; Estabilidade dos

Leia mais

CAPÍTULO 7 Projeto usando o Lugar Geométrico das Raízes

CAPÍTULO 7 Projeto usando o Lugar Geométrico das Raízes CAPÍTULO 7 Projeto usando o Lugar Geométrico das Raízes 7.1 Introdução Os objetivos do projeto de sistemas de controle foram discutidos no Capítulo 5. No Capítulo 6 foram apresentados métodos rápidos de

Leia mais

Física para Engenharia II - Prova P a (cm/s 2 ) -10

Física para Engenharia II - Prova P a (cm/s 2 ) -10 4320196 Física para Engenharia II - Prova P1-2012 Observações: Preencha todas as folhas com o seu nome, número USP, número da turma e nome do professor. A prova tem duração de 2 horas. Não somos responsáveis

Leia mais

Desempenho de Sistemas de Controle Realimentados. 3. Efeitos de um terceiro pólo e um zero na resposta de um sistema de segunda ordem

Desempenho de Sistemas de Controle Realimentados. 3. Efeitos de um terceiro pólo e um zero na resposta de um sistema de segunda ordem Desempenho de Sistemas de Controle Realimentados 1. Sinais de teste 2. Desempenho de sistemas de segunda ordem 3. Efeitos de um terceiro pólo e um zero na resposta de um sistema de segunda ordem 4. Estimação

Leia mais

Sumário. CAPÍTULO 1 Introdução 1. CAPÍTULO 2 Terminologia dos Sistemas de Controle 14

Sumário. CAPÍTULO 1 Introdução 1. CAPÍTULO 2 Terminologia dos Sistemas de Controle 14 Sumário CAPÍTULO 1 Introdução 1 1.1 Sistemas de controle 1 1.2 Exemplos de sistemas de controle 2 1.3 Sistemas de controle de malha aberta e malha fechada 3 1.4 Realimentação 3 1.5 Características da realimentação

Leia mais

Conteúdo. Definições básicas;

Conteúdo. Definições básicas; Conteúdo Definições básicas; Caracterização de Sistemas Dinâmicos; Caracterização dinâmica de conversores cc-cc; Controle Clássico x Controle Moderno; Campus Sobral 2 Engenharia de Controle Definições

Leia mais

LISTA /1. a) Quanto maior o tempo morto, maior deverá ser a ação b) Quanto maior o ganho do processo menor deverá ser o ganho do controlador.

LISTA /1. a) Quanto maior o tempo morto, maior deverá ser a ação b) Quanto maior o ganho do processo menor deverá ser o ganho do controlador. LISTA 006/ ) (005/, PARTE A) Um sistema dinâmico é modelado por função de transferência de primeira ordem com tempo morto. Comente sobre as seguintes afirmativas: a) Quanto maior o tempo morto, maior deverá

Leia mais

Controladores: Proporcional (P) Proporcional e Integral (PI) Proporcional, Integral e Derivativo (PID)

Controladores: Proporcional (P) Proporcional e Integral (PI) Proporcional, Integral e Derivativo (PID) Sistemas Realimentados Regulação e Tipo de sistema: Entrada de referência Entrada de distúrbio Controladores: Proporcional (P) Proporcional e Integral (PI) Proporcional, Integral e Derivativo (PID) Fernando

Leia mais

I Controle Contínuo 1

I Controle Contínuo 1 Sumário I Controle Contínuo 1 1 Introdução 3 11 Sistemas de Controle em Malha Aberta e em Malha Fechada 5 12 Componentes de um sistema de controle 5 13 Comparação de Sistemas de Controle em Malha Aberta

Leia mais

SC1 Sistemas de Controle 1. Cap. 5 Método do Lugar das Raízes Abordagem de Projetos Prof. Tiago S Vítor

SC1 Sistemas de Controle 1. Cap. 5 Método do Lugar das Raízes Abordagem de Projetos Prof. Tiago S Vítor SC1 Sistemas de Controle 1 Cap. 5 Método do Lugar das Raízes Abordagem de Projetos Prof. Tiago S Vítor Sumário 1. Introdução 2. Definições 3. Alguns detalhes construtivos sobre LR 4. Condições para um

Leia mais

Controle de Processos: Solução analítica de sistemas lineares dinâmicos

Controle de Processos: Solução analítica de sistemas lineares dinâmicos Controle de Processos: Solução analítica de sistemas lineares dinâmicos Prof. Eduardo Stockler Tognetti & David Fiorillo Laboratório de Automação e Robótica (LARA) Dept. Engenharia Elétrica - UnB Conteúdo

Leia mais

EN2607 Transformadas em Sinais e Sistemas Lineares Lista de Exercícios Suplementares 3 3 quadrimestre 2012

EN2607 Transformadas em Sinais e Sistemas Lineares Lista de Exercícios Suplementares 3 3 quadrimestre 2012 EN607 Transformadas em Sinais e Sistemas Lineares Lista de Exercícios Suplementares 3 fevereiro 03 EN607 Transformadas em Sinais e Sistemas Lineares Lista de Exercícios Suplementares 3 3 quadrimestre 0

Leia mais

8 Compensação. 8.1 Introdução. 8.2 Pré-Compensadores. 8.3 Compensador por Avanço de Fase. V(s) G p (s) + G c (s) G (s) D(s) + 8 Compensação 109

8 Compensação. 8.1 Introdução. 8.2 Pré-Compensadores. 8.3 Compensador por Avanço de Fase. V(s) G p (s) + G c (s) G (s) D(s) + 8 Compensação 109 8 Compensação 09 8 Compensação 8. Introdução O objetivo deste capítulo é apresentar e discutir algumas técnicas de projeto de S.L.I.T.'s. Entende-se por compensação a definição e o ajuste de dispositivos

Leia mais

Aula 05 Transformadas de Laplace

Aula 05 Transformadas de Laplace Aula 05 Transformadas de Laplace Pierre Simon Laplace (1749-1827) As Transformadas de Laplace apresentam uma representação de sinais no domínio da frequência em função de uma variável s que é um número

Leia mais

2ª Avaliação - Controle Automático II (CTR 03) Prof. Accacio

2ª Avaliação - Controle Automático II (CTR 03) Prof. Accacio Data de Entrega do relatório e apresentação do trabalho: 06/05/2017 Pontuação da atividade: 30pts Objetivo - Projetar um Controlador para o sistema de estudo (sorteado) através dos Métodos do Lugar das

Leia mais

Controle de Processos Aula: Estabilidade e Critério de Routh

Controle de Processos Aula: Estabilidade e Critério de Routh 107484 Controle de Processos Aula: Estabilidade e Critério de Routh Prof. Eduardo Stockler Tognetti Departamento de Engenharia Elétrica Universidade de Brasília UnB 1 o Semestre 2016 E. S. Tognetti (UnB)

Leia mais

Fundamentos de Controle

Fundamentos de Controle Fundamentos de Controle Análise de resposta transitória. Sistemas de primeira e segunda ordem. Prof. Juliano G. Iossaqui Engenharia Mecânica Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Londrina,

Leia mais

1. Diagrama de Blocos. 2. Gráfico de fluxo de sinais. Representação e Análise de Sistemas Dinâmicos Lineares

1. Diagrama de Blocos. 2. Gráfico de fluxo de sinais. Representação e Análise de Sistemas Dinâmicos Lineares Representação e Análise de Sistemas Dinâmicos Lineares 1. Diagrama de Blocos 2. Gráfico de fluxo de sinais Fernando de Oliveira Souza pag.1 Engenharia de Controle Aula 3 Diagrama de Blocos U(s) G(s) Y

Leia mais

Projeto de Compensadores no Domínio da Frequência

Projeto de Compensadores no Domínio da Frequência Projeto de Compensadores no Domínio da Frequência Maio de 214 Loop Shaping I No projeto de compensadores no domínio da frequência, parte-se do pressuposto de que o sistema a ser controlado pode ser representado

Leia mais

Compensadores: projeto no domínio da

Compensadores: projeto no domínio da Compensadores: projeto no domínio da frequência Relembrando o conteúdo das aulas anteriores: o Compensador (também conhecido como Controlador) tem o objetivo de compensar características ruins do sistema

Leia mais

Prova de Seleção

Prova de Seleção Área de Concentração: Prova de Seleção 2016.2 Código de Inscrição do candidato: Cada questão assinalada corretamente vale 1,0 ponto. π Questão 1. Dada a integral definida y 0 (sin t ) 2 π dt + (cos(t))

Leia mais

I Controle Contínuo 1

I Controle Contínuo 1 Sumário I Controle Contínuo 1 1 Introdução 3 1.1 Sistemas de Controle em Malha Aberta e em Malha Fechada................ 5 1.2 Componentes de um sistema de controle............................ 5 1.3 Comparação

Leia mais

Análise Dinâmica de Sistemas Mecânicos e Controle

Análise Dinâmica de Sistemas Mecânicos e Controle Análise Dinâmica de Sistemas Mecânicos e Controle Unidade 2 Representação de sistemas Através de Diagramas e Espaço de Estados Prof. Thiago da Silva Castro thiago.castro@ifsudestemg.edu.br 1. Representação

Leia mais

SISTEMAS DE CONTROLE II

SISTEMAS DE CONTROLE II SISTEMAS DE CONTROLE II - Algumas situações com desempenho problemático 1) Resposta muito oscilatória 2) Resposta muito lenta 3) Resposta com erro em regime permanente 4) Resposta pouco robusta a perturbações

Leia mais

CONTROLADOR PROPORCIONAL, INTEGRAL E DERIVATIVO (PID)

CONTROLADOR PROPORCIONAL, INTEGRAL E DERIVATIVO (PID) CONTROLADOR PROPORCIONAL, INTEGRAL E DERIVATIVO (PID) AÇÕES DE CONTROLE O controlador PID é um controlador composto por três ações de controle Ação proporcional: u t = k e t Ação integral: u t = k 0 t

Leia mais

Análise de Sistemas no Domínio da Freqüência. Diagrama de Bode

Análise de Sistemas no Domínio da Freqüência. Diagrama de Bode Análise de Sistemas no Domínio da Freqüência Diagrama de Bode Análise na Freqüência A análise da resposta em freqüência compreende o estudo do comportamento de um sistema dinâmico em regime permanente,

Leia mais

Capítulo 2 Dinâmica de Sistemas Lineares

Capítulo 2 Dinâmica de Sistemas Lineares Capítulo 2 Dinâmica de Sistemas Lineares Gustavo H. C. Oliveira TE055 Teoria de Sistemas Lineares de Controle Dept. de Engenharia Elétrica / UFPR Gustavo H. C. Oliveira Dinâmica de Sistemas Lineares 1/57

Leia mais

PROJETO DE CONTROLADORES A PARTIR DO PLANO S. critério Routh-Hurwitz análise de estabilidade análise de desempenho

PROJETO DE CONTROLADORES A PARTIR DO PLANO S. critério Routh-Hurwitz análise de estabilidade análise de desempenho PROJETO DE CONTROLADORES A PARTIR DO PLANO S critério Routh-Hurwitz análise de estabilidade análise de desempenho Critério Routh-Hurwitz: análise da estabilidade Sistemas de primeira ordem: 1 x o (t)=

Leia mais

Método de Margem de Ganho

Método de Margem de Ganho Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Disciplina: TEQ102- CONTROLE DE PROCESSOS custo Método de Margem de Ganho Outros Processos e de de Fase Separação Prof a Ninoska Bojorge Resposta de

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Prof: Marcos Lajovic Carneiro Aluno (a): Sistemas de Controle I

Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Prof: Marcos Lajovic Carneiro Aluno (a): Sistemas de Controle I Pontifícia Universidade Católica de Goiás Projeto de Escola de Engenharia ENG 3502 Controle de Processos Controle I Prof: Marcos Lajovic Carneiro Aluno (a): Sistemas de Controle I Estudo de Caso Antena

Leia mais

PID e Lugar das Raízes

PID e Lugar das Raízes PID e Lugar das Raízes 1. Controlador PID 2. Minorsky (1922), Directional stability of automatically steered bodies, Journal of the American Society of Naval Engineers, Vol. 34, pp. 284 Pilotagem de navios

Leia mais

CAPÍTULO IX. Análise de Circuitos RLC

CAPÍTULO IX. Análise de Circuitos RLC CAPÍTULO IX Análise de Circuitos RLC 9. Introdução Neste capítulo, serão estudados os circuitos RLC s, ou seja, aqueles que possuem resistores, indutores e capacitores. Em geral, a análise desses circuitos

Leia mais

CAPÍTULO Compensação via Compensador de Avanço de Fase

CAPÍTULO Compensação via Compensador de Avanço de Fase CAPÍTULO 8 Projeto no Domínio da Freqüência 8.1 Introdução Este capítulo aborda o projeto de controladores usando o domínio da freqüência. As caracteristicas de resposta em freqüência dos diversos controladores,

Leia mais

Experiência 2. Controle de Motor de Corrente Contínua com Tacômetro usando Lugar Geométrico das Raízes

Experiência 2. Controle de Motor de Corrente Contínua com Tacômetro usando Lugar Geométrico das Raízes Experiência 2 Controle de Motor de Corrente Contínua com Tacômetro usando Lugar Geométrico das aízes Professores: Adolfo Bauchspiess e Geovany A. Borges O objetivo deste experimento é realizar o controle

Leia mais

Circuitos Elétricos Ativos, análise via transformada de Laplace

Circuitos Elétricos Ativos, análise via transformada de Laplace Circuitos Elétricos Ativos, análise via transformada de Laplace Carlos Eduardo de Brito Novaes carlosnov@gmail.com 8 de maio de 0 Introdução Utilizando a transformada de Laplace, a modelagem dinâmica de

Leia mais

I Controle Contínuo 1

I Controle Contínuo 1 Sumário I Controle Contínuo 1 1 Introdução 3 1.1 Sistemas de Controle em Malha Aberta e em Malha Fechada................ 5 1.2 Componentes de um sistema de controle............................ 5 1.3 Comparação

Leia mais

Função de Transferência da Máquina cc

Função de Transferência da Máquina cc Função de Transferência da Máquina cc 2-1 Função de Transferência da Máquina cc V + - T - L (s) 1/La + 1/J s+ 1/τ a Ia(s) T(s) s+ 1/τm O motor cc comporta-se como um sistema em malha fechada devido a influência

Leia mais

CAPÍTULO 4 - ANÁLISE DA RESPOSTA EM FREQÜÊNCIA

CAPÍTULO 4 - ANÁLISE DA RESPOSTA EM FREQÜÊNCIA CAPÍTULO 4 - ANÁLISE DA RESPOSTA EM FREQÜÊNCIA 4.. Introdução Pelo termo resposta em freqüência, entende-se a resposta em regime estacionário de um sistema com entrada senoidal. Nos métodos de resposta

Leia mais

VI. MÉTODO DO LUGAR GEOMÉTRICO DAS RAÍZES

VI. MÉTODO DO LUGAR GEOMÉTRICO DAS RAÍZES INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA-AERONÁUTICA MPS-43: SISTEMAS DE CONTROLE VI. MÉTODO DO LUGAR GEOMÉTRICO DAS RAÍZES Prof. Davi Antônio dos Santos (davists@ita.br) Departamento

Leia mais

Fundamentos de Controle

Fundamentos de Controle Fundamentos de Controle Modelagem matemática de sistemas de controle Prof. Juliano G. Iossaqui Engenharia Mecânica Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Londrina, 2017 Prof. Juliano G. Iossaqui

Leia mais

Teoria do Controlo. Síntese de controladores. Controladores PID MIEEC

Teoria do Controlo. Síntese de controladores. Controladores PID MIEEC Teoria do Controlo Síntese de controladores Controladores PID MIEEC! Esquema de controlo r - G c (s) G p (s) y TCON 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 Controlador com pura ação proporcional

Leia mais

Resposta natural de circuitos RLC paralelo

Resposta natural de circuitos RLC paralelo Exemplo 1 i R 6 Ω 7 H 1/42 F i C v v() = V () = 1 A α = 3. 5 rad/s s = 1 rad/s ω = 6 rad/s s = 6 rad/s 2 1 v(t) = 84 (e t e 6t ) V Regime sobreamortecido ou aperiódico Teoria dos Circuitos Circuitos RLC

Leia mais

CAPÍTULO 6 Métodos expeditos de projeto

CAPÍTULO 6 Métodos expeditos de projeto 0 CAPÍTULO 6 Métodos expeditos de projeto 6. Introdução Neste capítulo serão introduzidos métodos diretos que permitem o projeto de controladores sem a necessidade de métodos mais sofisticados, a serem

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO PROCET DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Disciplina de Controle II Prof. MC. Leonardo Gonsioroski da Silva

UNIVERSIDADE GAMA FILHO PROCET DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Disciplina de Controle II Prof. MC. Leonardo Gonsioroski da Silva UNIVERSIDADE GAMA FILHO PROCET DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Disciplina de Controle II Prof. MC. Leonardo Gonsioroski da Silva 1. K. Ogata: Engenharia de Controle Moderno, 5 Ed., Pearson, 2011 2.

Leia mais

Fundamentos de Controlo

Fundamentos de Controlo Fundamentos de Controlo 4 a Série Root-locus: traçado, análise e projecto. S4.1 Exercícios Resolvidos P4.1 Considere o sistema de controlo com retroacção unitária representado na Figura 1 em que G(s) =

Leia mais

FEP Física para Engenharia II

FEP Física para Engenharia II FEP96 - Física para Engenharia II Prova P - Gabarito. Uma plataforma de massa m está presa a duas molas iguais de constante elástica k. A plataforma pode oscilar sobre uma superfície horizontal sem atrito.

Leia mais

PSI.3031 LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELETRICOS INTRODUÇÃO TEÓRICA EXPERIÊNCIA 10: REDES DE SEGUNDA ORDEM

PSI.3031 LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELETRICOS INTRODUÇÃO TEÓRICA EXPERIÊNCIA 10: REDES DE SEGUNDA ORDEM ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos PSI - EPUSP PSI.3031 LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELETRICOS INTRODUÇÃO TEÓRICA Edição 2017 E.Galeazzo / L.Yoshioka

Leia mais

AULA 3. CRITÉRIO DE ESTABILIDADE DE Routh-Hurwitz. Universidade Federal do ABC UFABC ESTA003-17: SISTEMAS DE CONTROLE I

AULA 3. CRITÉRIO DE ESTABILIDADE DE Routh-Hurwitz. Universidade Federal do ABC UFABC ESTA003-17: SISTEMAS DE CONTROLE I Universidade Federal do ABC UFABC ESTA003-17: SISTEMAS DE CONTROLE I AULA 3 CRITÉRIO DE ESTABILIDADE DE Routh-Hurwitz PROF. DR. ALFREDO DEL SOLE LORDELO TELA CHEIA Critério de estabilidade de Routh A questão

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 2

LISTA DE EXERCÍCIOS 2 LISTA DE EXERCÍCIOS 2 Esta lista trata de vários conceitos associados ao movimento harmônico forçado e/ou amortecido. Tais conceitos são abordados no capítulo 4 do livro-texto (seções 4.1 a 4.5): Moysés

Leia mais

Aula 6 Redução de diagrama de blocos Prof. Marcio Kimpara

Aula 6 Redução de diagrama de blocos Prof. Marcio Kimpara FUNDAMENTOS DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 6 Redução de diagrama de blocos Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Prof. Marcio Kimpara 2 Sistemas de primeira ordem Existem casos

Leia mais

ERRO EM REGIME PERMANENTE

ERRO EM REGIME PERMANENTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA ERRO EM REGIME PERMANENTE Inicialmente veja o sistema realimentado mostrado na figura

Leia mais

Capítulo 2: Modelos Matemáticos de Sistemas -Sinais e Sistemas 1 -

Capítulo 2: Modelos Matemáticos de Sistemas -Sinais e Sistemas 1 - Modelos Matemáticos de Sistemas -Sinais e Sistemas 1 - Objetivos Sinais Sistemas 1 Sistemas Eletro Entender o que significa fisicamente e matematicamente a transformada de Laplace Encontrar a transformada

Leia mais

Modelagem no Domínio da Frequência. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello 1

Modelagem no Domínio da Frequência. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello 1 Modelagem no Domínio da Frequência Carlos Alexandre Mello 1 Transformada de Laplace O que são Transformadas? Quais as mais comuns: Laplace Fourier Cosseno Wavelet... 2 Transformada de Laplace A transf.

Leia mais

Disciplina: Instrumentação e Controle de Sistemas Mecânicos. Teoria de Controle Parte 2

Disciplina: Instrumentação e Controle de Sistemas Mecânicos. Teoria de Controle Parte 2 Disciplina: Instrumentação e Controle de Sistemas Mecânicos Teoria de Controle Parte 2 Sistemas de Primeira Ordem: Função de Transferência Pelo o que já foi dito, devido aos diferentes tipos de atraso,

Leia mais

Controle de Sistemas Dinâmicos. Informações básicas

Controle de Sistemas Dinâmicos. Informações básicas Controle de Sistemas Dinâmicos Informações básicas Endereço com material http://sites.google.com/site/disciplinasrgvm/ Ementa Modelagem de Sistemas de Controle; Sistemas em Malha Aberta e em Malha Fechada;

Leia mais

PMR3404 Aula 1. Introdução os sistemas de controle. Newton Maruyama 10 de março de 2017 PMR-EPUSP

PMR3404 Aula 1. Introdução os sistemas de controle. Newton Maruyama 10 de março de 2017 PMR-EPUSP PMR3404 Aula 1 Introdução os sistemas de controle Newton Maruyama 10 de março de 2017 PMR-EPUSP Conteúdo 1. Introdução 2. Sistemas de controle: malha aberta versus malha fechada 3. Uma análise do conceito

Leia mais

Sistemas de Controle (CON) Modelagem de Sistemas de Rotação e Eletromecânicos

Sistemas de Controle (CON) Modelagem de Sistemas de Rotação e Eletromecânicos Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Departamento de Engenharia Mecânica DEM Sistemas de Controle (CON) Modelagem de Sistemas de Rotação e Eletromecânicos

Leia mais

EES-49/2012 Resolução da Prova 3. 1 Dada a seguinte função de transferência em malha aberta: ( s 10)

EES-49/2012 Resolução da Prova 3. 1 Dada a seguinte função de transferência em malha aberta: ( s 10) EES-49/2012 Resolução da Prova 3 1 Dada a seguinte função de transferência em malha aberta: ( s 10) Gs () ss ( 10) a) Esboce o diagrama de Nyquist e analise a estabilidade do sistema em malha fechada com

Leia mais

UM MODELO DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE CONTROLE

UM MODELO DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE CONTROLE XXVI COBENGE 2337 UM MODELO DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE CONTROLE Basilio, João Carlos, E.E., M.Sc. Ph.D. Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Engenharia - Depto. de Eletrotécnica Cidade Universitária

Leia mais

Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Controlo 2003/2004. Controlo de velocidade de um motor D.C.

Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Controlo 2003/2004. Controlo de velocidade de um motor D.C. Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Controlo 2003/2004 Controlo de velocidade de um motor D.C. Realizado por : E. Morgado 1 e F. M. Garcia 2 -Março de

Leia mais

ENG Problema #1 Data de devolução:

ENG Problema #1 Data de devolução: ENG1403 2012.1 Problema #1 Data de devolução: 05.03.2012 Um engenheiro eletricista fez o projeto de instalação elétrica para um chuveiro elétrico em duas residências, A e B. Ambos os chuveiros dissipam

Leia mais

Introdução Diagramas de Bode Gráficos Polares Gráfico de Amplitude em db Versus Fase. Aula 14. Cristiano Quevedo Andrea 1

Introdução Diagramas de Bode Gráficos Polares Gráfico de Amplitude em db Versus Fase. Aula 14. Cristiano Quevedo Andrea 1 Cristiano Quevedo Andrea 1 1 UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná DAELT - Departamento Acadêmico de Eletrotécnica Curitiba, Outubro 2012. 1 / 48 Resumo 1 Introdução 2 Diagramas de Bode 3

Leia mais

Escola Politécnica FGE GABARITO DA P3 29 de junho de 2006

Escola Politécnica FGE GABARITO DA P3 29 de junho de 2006 P3 Física III Escola Politécnica - 006 FGE 03 - GABARITO DA P3 9 de junho de 006 Questão 1 Um espira retangular com lados a e b e um fio muito longo passando pelo centro da espira, ambos co-planares, foram

Leia mais

As Oscilações estão presentes no nosso dia a dia como o vento que balança uma linha de transmissão elétrica, as vibrações da membrana de um

As Oscilações estão presentes no nosso dia a dia como o vento que balança uma linha de transmissão elétrica, as vibrações da membrana de um As Oscilações estão presentes no nosso dia a dia como o vento que balança uma linha de transmissão elétrica, as vibrações da membrana de um alto-falante, ou de um instrumento de percussão. Um terremoto

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELETRÔNICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELETRÔNICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO EXÉRCITO BRASILEIRO ENGENHARIA ELETRÔNICA CADERNO DE QUESTÕES 2012 l a QUESTÃO Valor: 1,00 Um filtro digital é especificado pela seguinte equação: y[n] = 4n-1]

Leia mais

SISTEMAS DE CONTROLE E CONTROLE EM MALHA FECHADA

SISTEMAS DE CONTROLE E CONTROLE EM MALHA FECHADA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS SISTEMAS DE CONTROLE E CONTROLE EM MALHA FECHADA Apresentado ao professor Renato de Sousa Dâmaso, da disciplina de Contexto Social e Profissional

Leia mais

Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF. Disciplina: TEQ102- CONTROLE DE PROCESSOS. Diagrama de Bode. Outros Processos de Separação

Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF. Disciplina: TEQ102- CONTROLE DE PROCESSOS. Diagrama de Bode. Outros Processos de Separação Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Disciplina: TEQ1- CONTROLE DE PROCESSOS custo Diagrama de Bode Outros Processos de Separação Prof a Ninoska Bojorge Informação Papel Bode 1 3 Papel

Leia mais

CAPÍTULO V I APLICAÇÕES DOS AMPLIFICADORES OPERACIONAIS

CAPÍTULO V I APLICAÇÕES DOS AMPLIFICADORES OPERACIONAIS CAPÍTULO V I APLICAÇÕES DOS AMPLIFICADORES OPERACIONAIS Neste capítulo, o objetivo é o estudo das aplicações com os Amplificadores Operacionais realizando funções matemáticas. Como integração, diferenciação,

Leia mais

Fundamentos de Controlo

Fundamentos de Controlo Fundamentos de Controlo 5 a Série Análise no Domínio da Frequência: Diagrama de Bode e Critério de Nyquist. S5. Exercícios Resolvidos P5. Considere o SLIT causal cujo mapa polos/zeros se representa na

Leia mais

ESTRUTURAS ESPECIAIS DE CONTROLE

ESTRUTURAS ESPECIAIS DE CONTROLE Joinville Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Sistemas de Controle - I ESTRUTURAS ESPECIAIS DE CONTROLE

Leia mais

CAPÍTULO 8: O CONTROLADOR PID

CAPÍTULO 8: O CONTROLADOR PID CAPÍTULO 8: O CONTROLADOR PID Quando eu terminar este capítulo eu quero ser capaz de completar o seguinte Conhecer os pontos fortes e fracos do controle PID Determinar o modelo do sistema feedback utilizando

Leia mais

Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace

Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace Prof. Cassiano Rech, Dr. Eng. rech.cassiano@gmail.com Prof. Rafael Concatto Beltrame, Me.

Leia mais

CONTROLADOR PROPORCIONAL, INTEGRAL E DERIVATIVO (PID)

CONTROLADOR PROPORCIONAL, INTEGRAL E DERIVATIVO (PID) CONTROLADOR PROPORCIONAL, INTEGRAL E DERIVATIVO (PID) AÇÕES DE CONTROLE O controlador PID é um controlador composto por três ações de controle Ação proporcional: u t = k e t Ação integral: u t = k 0 t

Leia mais

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada de Laplace. Resposta ao Sinal Exponencial

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada de Laplace. Resposta ao Sinal Exponencial Resumo Sinais e Sistemas Transformada de aplace uís Caldas de Oliveira lco@istutlpt Instituto Superior Técnico Definição da transformada de aplace Região de convergência Propriedades da transformada de

Leia mais

3. Modelos de funcionamento transiente de motores a dois tempos.

3. Modelos de funcionamento transiente de motores a dois tempos. 3. Modelos de funcionamento transiente de motores a dois tempos. O modo de operação de um motor é resultado da combinação de diversos parâmetros de desempenho: a potência efetiva, kw e, o torque, Q e,

Leia mais

O Papel dos Pólos e Zeros

O Papel dos Pólos e Zeros Departamento de Engenharia Mecatrônica - EPUSP 27 de setembro de 2007 1 Expansão em frações parciais 2 3 4 Suponha a seguinte função de transferência: m l=1 G(s) = (s + z l) q i=1(s + z i )(s + p m ),

Leia mais

Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores - MEEC CONTROLO. 1º semestre Introdução ao Matlab e Simulink

Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores - MEEC CONTROLO. 1º semestre Introdução ao Matlab e Simulink Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores - MEEC CONTROLO º semestre 0-0 Introdução ao Matlab e Simulink - Ensaios a realizar durante a sessão de Laboratório Objectivo: Familiarização

Leia mais

Introdução ao controle de conversores

Introdução ao controle de conversores Unidade VI Introdução ao controle de conversores 1. Controle por Histerese 2. Controle Linear 3. Utilização da ferramenta SmartCtrl (PSIM) Eletrônica de Potência 1 Introdução Conversores estáticos devem

Leia mais

Introdução aos Circuitos Elétricos

Introdução aos Circuitos Elétricos Introdução aos Circuitos Elétricos A Transformada de Laplace Prof. Roberto Alves Braga Jr. Prof. Bruno Henrique Groenner Barbosa UFLA - Departamento de Engenharia A Transformada de Laplace História Pierri

Leia mais

Transformada de Laplace

Transformada de Laplace Transformada de aplace Nas aulas anteriores foi visto que as ferramentas matemáticas de Fourier (série e transformadas) são de extrema importância na análise de sinais e de sistemas IT. Isto deve-se ao

Leia mais

I Controle Contínuo 1

I Controle Contínuo 1 Sumário I Controle Contínuo 1 1 Introdução 3 1.1 Sistemas de Controle em Malha Aberta e em Malha Fechada................ 5 1.2 Componentes de um sistema de controle............................ 5 1.3 Comparação

Leia mais

Sistemas Lineares e Invariantes: Tempo Contínuo e Tempo Discreto

Sistemas Lineares e Invariantes: Tempo Contínuo e Tempo Discreto Universidade Federal da Paraíba Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Sistemas Lineares e Invariantes: Tempo Contínuo e Tempo Discreto Prof. Juan Moises Mauricio Villanueva jmauricio@cear.ufpb.br

Leia mais

Unidade IV - Característica de Sistemas de Controle com Retroação

Unidade IV - Característica de Sistemas de Controle com Retroação Unidade IV - Característica de istemas de Controle com Retroação istemas de controle a Malha Aberta e Fechada; ensibilidade a Variações de Parâmetros; Controle da Resposta Transitória; inais de Perturbação

Leia mais

SISTEMAS REALIMENTADOS

SISTEMAS REALIMENTADOS SISTEMAS REALIMENTADOS Prof.: Helder Roberto de O. Rocha Engenheiro Eletricista Doutorado em Computação Projeto de Sistemas de Controle pelo LDR Consiste em inserir pólos e zeros, na forma de um compensador,

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA MECÂNICA. MPS 43 Sistemas de Controle

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA MECÂNICA. MPS 43 Sistemas de Controle INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA MECÂNICA MPS 43 Sistemas de Controle LABORATÓRIO 03: Projeto de um Compensador um Método de Resposta em Frequência Data: Turma: Conceito: Nomes:

Leia mais

Sistemas e Sinais. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Engenharia Elétrica. Sistemas de Controle Realimentados

Sistemas e Sinais. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Engenharia Elétrica. Sistemas de Controle Realimentados Margens de Estabilidade Introdução Margens de Fase e de Ganho Exemplos Problemas Propostos 1 Margens de Estabilidade Definições: Diz-se que um sistema LTI é absolutamente estável se todas as raízes da

Leia mais

Controle por Computador Parte II. 22 de novembro de 2011

Controle por Computador Parte II. 22 de novembro de 2011 Controle por Computador Parte II 22 de novembro de 2011 Outline 1 Exemplo de Projeto 2 Controladores PID 3 Projeto de Controle em Tempo Discreto Exemplo de Projeto Exemplo de Projeto: Controle de azimute

Leia mais

Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá. 3 de abril de 2013

Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá. 3 de abril de 2013 OSCILAÇÕES FORÇADAS Mecânica II (FIS-6) Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá IEFF-ITA 3 de abril de 013 Roteiro 1 Forçadas Roteiro 1 Resultado M: 66 DP: 0 Conceito N L 3 MB 4 B 7 R 3 I 1 D 5 Roteiro Forçadas

Leia mais