PROCEDIMENTO OPERACIONAL CÓDIGO: PO-LQT-001

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCEDIMENTO OPERACIONAL CÓDIGO: PO-LQT-001"

Transcrição

1 Folha: 1/21 1. OBJETIVO Descrever a sistemática dos processos de execução de Qualificação Térmica. 2 REFERÊNCIA ABNT NBR ISO Esterilização de produtos para à saúde Requerimento para validação e controle de rotina Esterilização Industrial por calor úmido - Vapor; ABNT NBR ISO Esterilização de produtos para à saúde Vapor Parte 2: Guia de Aplicação da ABNT NBR ISSO ABNT NBR Produtos para saúde Validação e controle de rotina da esterilização por óxido de etileno (Eto); ABNT NBR Esterilização de produtos para saúde Esterilizadores de vapor a baixa temperatura e formaldeído Requisitos e métodos de ensaio; ISO Washer-disinfectors - Part 1: General requirements, terms and definitions and tests; ISO Lavadoras Desinfetadoras - Parte 1: Requisitos Gerais, Termos, Definições e Ensaios; ISO Lavadoras Desinfetadoras - Parte 2: Requisitos e ensaios para lavadoras desinfetadoras automáticas destinadas à desinfecção térmica para instrumentos cirúrgicos, equipamento anestésico, recipientes, utensílios, vidrarias, entre outros. RDC 15/10 Boas Práticas de para o processamento de produtos para saúde; RDC 17/10 Boas Práticas de Fabricação de Medicamentos; Centro de Educação Profissional - Qualificação Térmica (Apostila); Centro de Educação Profissional - Qualificação de Equipamentos (Apostila). 3. DEFINIÇÕES 3.1 Medição Conjunto de operações que tem por objetivo determinar um valor de uma grandeza. 3.2 Qualificação Térmica Estudo(s) da(s) condição(ões) ambiental(ais) no interior do equipamento sob análise para garantir que o mesmo apresenta boas condições de funcionamento, conforme critério(s) definido(s) pelo cliente, por norma ou fabricante e, se necessário for, dar subsídios para que o cliente possa tomar ações corretivas, preventivas e/ou alterar parâmetros do processo.

2 Folha: 2/ Estudo de Distribuição Térmica Visa demonstrar que o equipamento possui temperatura homogênea em toda a sua extensão. Este estudo pode ser realizado tanto com a câmara vazia quanto com a câmara com carga. Aplica-se a todos os equipamentos que possuam controle de temperatura, conforme alistado no item 4 deste procedimento. Mediante este estudo, avaliam-se as condições de temperatura dentro do equipamento sob análise e comparam-se os resultados obtidos com aqueles indicados pela instrumentação do próprio equipamento em estudo. Por meio dos vários sensores de temperatura distribuídos de forma a permitir uma reprodução fiel das condições de temperatura no espaço a ser avaliado, faz-se uma análise das condições de trabalho do equipamento estudado em comparação com os critérios de aceitação previamente definidos, bem como a avaliação do(s) ponto(s) com maior e menor dificuldade(s) de aquecimento. 3.4 Estudo de Penetração de Calor Visa estudar o comportamento do calor absorvido pela carga utilizada no processo do cliente. Mediante este estudo, avaliam-se as condições de temperatura do equipamento com a câmara carregada, para diferentes tipos de recipientes e produtos (carga). Faz-se necessário testar o sistema sob condições normais de operação. Por meio dos vários sensores de temperatura distribuídos de forma a permitir uma reprodução fiel das condições de temperatura no interior da carga (no centro geométrico da carga), fazse uma análise das condições de trabalho do equipamento estudado, com uma carga específica. 3.5 Esterilização Conjunto de operações destinadas a eliminar ou inviabilizar a reprodução da maior quantidade de formas de microorganismos contidos em um objeto ou substância. 3.6 Desinfecção Processo de eliminação ou destruição de microorganismos, na forma vegetativa e presentes nos artigos inanimados, mediante a aplicação de agentes físicos ou químicos chamados de desinfectante ou germicidas, capazes de destruir os microorganismos em determinado tempo com determinada temperatura. 3.6 Despirogenização Forma de destruição de microrganismos por meio do calor seco gerado em estufas elétricas próprias para esterilização pela condução térmica. A esterilização por calor seco é usada para despirogenizar vidrarias e outros materiais não-termosensíveis.

3 Folha: 3/21 4. APLICAÇÃO Este procedimento aplica-se à Qualificação Térmica de Equipamentos Industriais e Hospitalares, como: Estufas ou Fornos de Calor Seco; Autoclaves: o Vapor; o Formaldeído; o EtO. Lavadoras e Termodesinfectoras. 5. FINALIDADE Este procedimento tem como finalidade apresentar o processo de execução de Qualificação Térmica com vistas à sua padronização. 6. PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Autoclave: O objetivo da Autoclave é a esterilização final de produtos que requerem o decréscimo da sua carga microbiana a fim de se obter sua condição estéril (ampolas com soluções injetáveis, frascoampola, meios de cultura em frascos não-herméticos, roupas da área limpa embaladas, utensílios variados, porta-filtros de aço inox, etc.) utilizando vapor saturado sob pressão. Estufa de Esterilização / Despirogenização: O objetivo da Estufa de Calor Seco é destruir ou remover a endotoxina (pirogênio), que é uma toxina que é parte integrante da parede celular de algumas bactérias e só é libertada após a destruição da parede celular da bactéria. Os pirogênios são produtos do metabolismo de organismos, como bactérias e fungos, que podem causar febre. Na produção de medicamentos injetáveis é proibida a presença de pirogênios, por isso realiza-se o processo de Despirogenização. Lavadora e Termodesinfectora: O objetivo da Lavadora e Termodesinfectora são a lavagem e desinfecção de materiais, com o objetivo de remover matéria orgânica e reduzir a carga microbiana, resultando em maior segurança na termodesinfecção de artigos odontomédico - hospitalares, e redução dos riscos ocupacionais dos profissionais envolvidos. A Lavadora termodesinfectadora é destinada para limpeza automática, desinfecção térmica e secagem de instrumentais e materiais médico hospitalares reutilizáveis.

4 Folha: 4/21 7 PADRÕES, EQUIPAMENTOS E MATERIAIS 7.1 Padrões utilizados DESCRIÇÃO MODELO FABRICANTE IDENTIFICAÇÃO / NÚMERO DE SÉRIE Termorresistência Pt-100 Probe 1/5 Din-R Presys / ELM067 Termômetro Digital com Sensor Pt-100 T-650P-2-BP06 Presys ELM068 / Termômetro Digital com Sensor Pt-100 T-25N-2-BP07-BP09 Presys ELM069 / Registrador Digital de Temperatura Tag Temp Novus Registrador Digital de Temperatura Tag Temp Novus Registrador Digital de Temperatura Tag Temp Novus Registrador Digital de Temperatura Tag Temp Novus Registrador Digital de Temperatura Tag Temp Novus Módulo de Aquisição de Dados 34908A AGILENT US Módulo de Aquisição de Dados 34901A AGILENT MY Módulo de Aquisição de Dados 34901A AGILENT MY Módulo de Aquisição de Dados 34908A AGILENT US Módulo de Aquisição de Dados 34901A AGILENT MY Termohigrômetro Digital Log Box-Rht-Lcd Novus Termohigrômetro Digital Log Box-Rht-Lcd Novus Termohigrômetro Digital Log Box-Rht-Lcd Novus Termohigrômetro Digital Log Box-Rht-Lcd Novus Termohigrômetro Digital Log Box-Rht-Lcd Novus Termohigrômetro Digital Log Box-Rht-Lcd Novus Transmissor Digital de Umidade com Saída de (4 a 20)mA GTU Gulton Transmissor Digital de Umidade com Saída de (4 a 20)mA GTU Gulton Transmissor Digital de Umidade com Saída de (4 a 20)mA GTU Gulton Manômetro Digital PC C-9-M Presys ELM070 / Manovacuômetro GTP1000 Gulton Manovacuômetro GTP1000 Gulton ELM078 / 75604

5 Folha: 5/ Materiais de apoio Descrição Software LogChart II Software "Agilent BenchLink Data Logger" Cabo Termopar Instrumento: 34970A, fabricante AGILENT 8. CUIDADOS E RECOMENDAÇÕES Antes de iniciar a Qualificação Térmica, certifique-se de que o equipamento que será qualificado está funcionando adequadamente. Recomenda-se que os instrumentos de controle estejam calibrados. 9. IMPORTÂNCIA DE EQUIPAMENTOS ADEQUADOS E OPERADORES Como forma de garantir os resultados obtidos nos estudos realizados, todos os equipamentos (padrões) utilizados na Qualificação Térmica são calibrados. No laboratório de Qualificação Térmica (EMPTEQ) a) Estude o instrumento sob qualificação como um todo, ou seja, grandezas consideradas, faixas de medição e critérios de aceitação (especificado por cliente, fabricante ou norma); b) Monte a configuração (setup) do Módulo de Aquisição de Dados (padrão) de acordo com a faixa de trabalho do equipamento sob teste ver procedimento PT-LQT-001; c) Faça a calibração e ajuste da malha de temperatura (termopares em conjunto com o Módulo de Aquisição de Dados). A calibração da malha de temperatura deve ser realizada por técnico treinado e habilitado (ver procedimento PT-LQT-001). d) Sempre ao voltar do cliente para a EMPTEQ, faça a verificação da malha de temperatura.

6 Folha: 6/21 Nas instalações do cliente Antes de iniciar a qualificação térmica, preencha, em forma eletrônica, os campos destinados no Relatório de Qualificação Térmica em elaboração, registrando todos os detalhes do equipamento sob análise, como: modelo, número de série, identificação, local da instalação do equipamento, nomes do(s) responsável(is) do setor onde o equipamento está instalado, programação do CLP (se houver) etc. Pode parecer exagero, mas detalhes verificados na hora e não anotados desaparecem, mesmo que possam vir a ser necessários. Além disso, tome nota de cada posição onde os sensores estão instalados, quer seja na câmara vazia que seja na câmara com carga. Registre todas as cargas (materiais) utilizadas no equipamento sob teste, bem como a posição em que cada uma se encontra. Registre no relatório de qualificação térmica todos os dados dos testes químicos e biológicos utilizados na carga qualificada (se houver), como código do produto, data de fabricação, validade, lote etc, bem como a posição onde cada um foi colocado na carga. Exemplo: 1. Indicador biológico de Leitura Rápida Attest Fabricante: 3M/USA Código do Produto: 1292 Fabricado em: MAR/2012 Vencimento em: MAR/2014 Lote: DF

7 Folha: 7/21 2. Integrador Químico Fabricante: 3M Código do Produto: 1243A Vencimento em: JAN/2017 Lote: AC Obs.: A posição onde cada indicador biológico e integrador químico são posicionados na carga fica identificada nos desenhos ou fotos que são apresentadas no relatório de qualificação térmica.

8 Folha: 8/ PROCEDIMENTO A seguir estão as definições para todas as etapas do processo de Qualificação Térmica Análise da Qualificação Térmica A análise da Qualificação Térmica é realizada conforme diretriz normativa DN-AS-001 Relações Comerciais Emissão do Orçamento A emissão do orçamento é realizada conforme diretriz normativa DN-AS Relações Comerciais Execução da Qualificação Térmica Verificação de Funcionamento e Detecção de Defeitos Ocasionalmente é detectado defeito no equipamento sob análise. A fim de evitar atrasos inesperados e/ou retrabalhos, é conveniente que antes de iniciar o processo de qualificação térmica seja feita uma verificação de funcionamento. Esta verificação pode ser feita das seguintes formas: Por informações recebidas pelo operador do equipamento, etc. Visualmente, analisando os instrumentos de controle do equipamento durante o processo normal de funcionamento e, além disso, por meio de avaliação física da existência de vazamento em alguma parte do equipamento; Caso seja uma autoclave, por realizar um estudo de Bowie Dick antes de iniciar a qualificação, conforme exemplo abaixo: Nota: 01: O resultado do Bowie Dick inicial deve ser entregue ao cliente logo após a análise dos resultados.

9 Folha: 9/ Realização da Qualificação Para a realização da Qualificação Térmica é adotada a seguinte metodologia: a) Após a confirmação do funcionamento do equipamento, instale os termopares e o transmissor de pressão (se for aplicável) na câmara interna. b) Para a realização da qualificação térmica em Autoclaves que realizam a esterilização por vapor, distribua a quantidade de sensores de acordo com o volume da câmara de modo que atinja a maior cobertura do volume possível, sendo: Câmaras de até 60 litros: no mínimo 04 sensores na câmara. Câmaras de 61 a 100 litros: no mínimo 06 sensores na câmara. Câmaras de 101 a 200 litros: no mínimo 08 sensores na câmara. Câmaras de 201 a 300 litros: no mínimo 10 sensores na câmara. Acima de 301: no mínimo 12 sensores na câmara. Em todos os processos deve-se posicionar um sensor junto ao sensor de controle do equipamento. c) Para a realização da qualificação térmica em Autoclaves que realizam a esterilização por gás EtO, distribua a quantidade de sensores de acordo com o volume da câmara, sendo: Câmaras de até 5m 3 : no mínimo 10 sensores na câmara. Câmaras acima de 5m 3 : no mínimo uma posição adicional a cada 1m 3. Câmaras acima de 10m 3 : no mínimo 20 sensores. Em todos os processos deve-se posicionar um sensor junto ao sensor de controle do equipamento.

10 Folha: 10/21 d) Para a realização da qualificação térmica em Autoclaves que realizam a esterilização por formaldeído, distribua a quantidade de sensores de acordo com o volume da câmara, sendo: Câmaras de até 60 litros: no mínimo 04 sensores na câmara. Câmaras de 61 a 100 litros: no mínimo 06 sensores na câmara. Acima de 101: Dois pontos adicionais de medição de temperatura por cada 100 litros adicionais. Em todos os processos deve-se posicionar um sensor junto ao sensor de controle do equipamento. DISTRIBUIÇÃO DOS SENSORES CÂMARA VAZIA Autoclaves: FIGURA Câmara vista de frente. 8 Dreno: sensor 13 junto com o sensor de controle.

11 Folha: 11/21 e) Para a realização da qualificação térmica em Lavadoras e Termodesinfectoras, distribua: No mínimo 10 sensores; Em todos os processos deve-se posicionar um sensor junto ao sensor de controle do equipamento. Lavadora e Termodesinfectora: FIGURA 02 2 Prateleira Prateleira 02 Prateleira 03 Prateleira Prateleira Dreno / Tanque: Sensor 13 junto com o sensor de controle.

12 Folha: 12/21 f) Para a realização da qualificação térmica em Estufas de Esterilização / Despirogenização, distribua: No mínimo 10 sensores; Em todos os processos deve-se posicionar um sensor junto ao sensor de controle do equipamento. Estufas de Esterilização / Despirogenização FIGURA OBS.: Não existe uma regra para o posicionamento dos sensores. O importante é que abranja toda a área do equipamento sob análise e que o mesmo seja documentado no relatório de qualificação térmica, conforme desenho abaixo: Ex: Visualização dos sensores sobrepostos: FIGURA e

13 Folha: 13/21 DISTRIBUIÇÃO DOS SENSORES CÂMARA COM CARGA AUTOCLAVE Carga: Instrumental S9 S10 e S11 S12 S5 e S6 S7 S8 S2 S1 S3 e S4

14 Folha: 14/21 Carga: Tecido S6 S12 S5 S11 S4 S10 S3 S9 S8 S2 S1 S7 Sensor dentro do pacote

15 Folha: 15/21 ESTUFAS DE ESTERILIZAÇÃO / DESPIROGENIZAÇÃO Carga: Vidraria S10 S1 S9 S2 S3 S4 S5 S6 S7 S8

16 Folha: 16/21 LAVADORA E TERMODESINFECTORA Carga: Instrumental Carga: Anestesia / Respiratório S3 S1 S2 S3 S4 S1 S2 S7 S4 S5 S9 S6 S7 S9 e S10 S5 S6 S8 S10 S8

17 Folha: 17/21 g) Ajuste a data e hora de acordo com a indicação do equipamento sob teste; h) Inicie o processo de qualificação térmica, realizando as aquisições dos dados em intervalos de tempo pré-definidos; i) Não existe uma regra para o tempo de aquisição, porém o tempo de aquisição normalmente utilizado e aceito no mercado são: Tempo de Processo Equipamentos com tempo de processo de até 3 horas. Equipamentos com tempo de processo acima de 3 horas até 12 horas. Equipamentos com tempo de processo acima de 12 horas Intervalo das aquisições Mínimo: 10 segundos Mínimo: 30 segundos De 60 a 120 segundos Obs.: Caso o cliente solicite o tempo de intervalo das aquisições diferente dos relacionados acima, poderá ser atendida a solicitação do cliente. j) Os critérios de aceitação estabelecidos pelo cliente, fabricante ou norma devem ser analisados após a estabilização térmica do equipamento. k) Quando a analise dos critérios é realizada com base em especificações de normas, segue-se o seguinte: Autoclave à Vapor Saturado: Referência: ABNT ISO/TS (esterilização a vapor): Esta norma, no ANEXO A - item A.4 estabelece os seguintes parâmetros de temperatura durante o tempo de exposição: Temperatura de Controle (ºC) Faixa de Temperatura de Esterilização Limite Inferior L.I. (ºC) Limite Superior L.S. (ºC) Máx / Min ( C) Tempo de Equilíbrio de Temperatura (s) Câmara Vazia Câmara com Carga Temperatura de Esterilização Temperatura de Esterilização 3 C acima da temperatura de esterilização ( 8m 3 ) 30 ( 8m 3 ) Ex: Temperatura de Esterilização 134 C: Limite Inferior: 134 C Limite Superior: 137 C

18 Folha: 18/21 O tempo de Equilíbrio de temperatura é o período que passa entre a obtenção da temperatura de esterilização no ponto de medição de referência e a obtenção da temperatura de esterilização em todos os pontos dentro da carga de esterilização. A norma não determina o tempo de Equilíbrio de temperatura na câmara vazia. Devido a irradiação de calor/ temperatura gerada pela jaqueta da câmara (câmara externa), determinados que o período de estabilização térmica na câmara vazia seja de 120 segundos (2 minutos) em todos os pontos dentro da câmara após o inicio da esterilização. Autoclave à Formaldeído: Referência: ABNT NBR (esterilização a formaldeído). Esta norma, no item estabelece os mesmos parâmetros de temperatura tanto para o estudo de distribuição térmica com a câmara vazia, bem como para o estudo de penetração de calor na carga, durante o tempo de exposição, sendo: Temperatura de Controle (ºC) Faixa de Temperatura de Esterilização Limite Inferior L.I. (ºC) Limite Superior L.S. (ºC) Máx / Min ( C) Tempo de Equilíbrio de Temperatura (s) Câmara Vazia e Câmara com Carga Temperatura de Esterilização Temperatura de Esterilização 4 C acima da temperatura de esterilização 2 60 Ex: Temperatura de Esterilização 56 C Limite Inferior: 56 C Limite Superior: 60 C O tempo de Equilíbrio de temperatura é o período que passa entre a obtenção da temperatura de esterilização no ponto de medição de referência e a obtenção da temperatura de esterilização em todos os pontos dentro da carga de esterilização.

19 Folha: 19/21 Autoclave à EtO: Referencia: ABNT NBR ISO (esterilização por óxido de etileno EtO): Câmara Vazia: Esta norma descreve que os resultados da Qualificação Térmica com a câmara vazia devem estar de acordo com o item A.3.2.2, que diz: Deve ser obtida uma variação da temperatura registrada dentro de uma câmara vazia durante a exposição do gás, menor ou igual a +/- 3 C do ponto estabelecido exigido. Portanto, segue abaixo os critérios de aceitação: Temperatura de Controle (ºC) Faixa de Temperatura de Esterilização Limite Inferior L.I. (ºC) Limite Superior L.S. (ºC) Temperatura de Esterilização 3 C abaixo da temperatura de esterilização 3 C acima da temperatura de esterilização Ex: Temperatura de Esterilização 55 C Limite Inferior: 52 C Limite Superior: 58 C Câmara com Carga: No processo com a câmara com carga, a norma, no mesmo item A.3.2.2, diz que: Durante todo o tempo de exposição, a carga de esterilização deve alcançar a temperatura mínima especificada e a variação de temperatura através da carga do produto deve ser menor ou igual a 10 C em qualquer momento durante a exposição ao agente esterilizador. Temperatura de Controle (ºC) Faixa de Temperatura de Esterilização Limite Inferior L.I. (ºC) Limite Superior L.S. (ºC) Temperatura de Esterilização 3 C abaixo da temperatura de esterilização 7 C acima da temperatura de esterilização Ex: Temperatura de Esterilização 55 C Limite Inferior: 52 C Limite Superior: 62 C

20 Folha: 20/21 Quanto à Umidade Relativa o item A da norma descreve que uma umidade relativa de 30% é comumente usada para umidificar a carga e o item A diz que a umidade relativa não pode ser tão baixa a ponto de condensar nem tão alta a ponto de comprometer a temperatura do processo. Portanto, os parâmetros de umidade devem ser estabelecidos pelo cliente com base em estudos e literaturas. O tempo de Equilíbrio de temperatura é o período que passa entre a obtenção da temperatura de esterilização no ponto de medição de referência e a obtenção da temperatura de esterilização em todos os pontos dentro da câmara de esterilização. A norma não determina o tempo de Equilíbrio de temperatura. Determinados que o período de estabilização térmica para o processo de Óxido de Etileno seja de 30 minutos, tempo necessário para estabilização térmica após entrada do gás. Termodesinfectora: Referência: ISO (desinfecção). Temperatura de Controle (ºC) Temperatura de Desinfecção LI Limite Inferior (ºC) Temperatura de Desinfecção LS Limite Superior (ºC) 5 C acima da Temperatura de Desinfecção Variação de Temperatura por Sensor ( C) Máx / Min ( C) ± 2,0 < 4,0 Ex: Temperatura de Esterilização: 80,0 C Limite Inferior: 80 C Limite Superior: 85 C l) Após cada estudo, envie os dados coletados para a planilha padrão do Excel utilizada pelo Laboratório de Qualificação Térmica Aprovação dos Resultados A Qualificação de Desempenho Físico (estudo de distribuição térmica com a câmara vazia e estudo de penetração de calor na câmara com carga) será considerado aprovado se os resultados obtidos nos estudos estiverem dentro dos limites admissíveis especificados pelo cliente (em função da tolerância do produto ou processo) ou pelo fabricante do equipamento sob qualificação (especificações de manual ou catálogo), ou por norma regulamentadora durante o tempo de exposição.

21 Folha: 21/21 Obs.: Caso o cliente possua algum procedimento interno que determine critérios de aceitação diferente dos definidos nas normas citadas acima para o processo e solicite que as análises dos resultados sejam feitas com base nestes critérios, no relatório deve-se constar esta solicitação Elaboração do Relatório de Qualificação Térmica Após a execução da qualificação térmica, o laboratório emite o relatório de qualificação térmica conforme o procedimento operacional PO-LQT Elaboração de Relatório de Qualificação. 11. REGISTROS RELACIONADOS Ordem de Serviço OS; Relatório de Qualificação Térmica; Planilhas de dados da Qualificação Térmica. Foram revisados os itens: ALTERAÇÕES EFETUADAS NESTA VERSÃO 1. Foram revisados os padrões, material de apoio e as normas de referência.

Análise do desempenho

Análise do desempenho Validação de Equipamentos em CME Análise do desempenho Conforme a RDC 15 Validação de Equipamentos em CME APRESENTAÇÃO Luciano Manoel - Especialista em processos de Qualificação de Equipamentos, com experiência

Leia mais

Relatório de Qualificação Térmica

Relatório de Qualificação Térmica Página 1 Relatório de Qualificação Térmica Cliente: Hospital e Maternidade Nossa Senhora das Graças Equipamento: Autoclave a Vapor Identificação/TAG: 13.00165 Local de Instalação: C.M.E. Faixa de Trabalho:

Leia mais

CONCEITOS E ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA IDENTIFICAÇÃO DA NECESSIDADE DA QUALIFICAÇÃO

CONCEITOS E ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA IDENTIFICAÇÃO DA NECESSIDADE DA QUALIFICAÇÃO Instituto de Qualidade e Metrologia Ltda Rio de Janeiro - RJ QUALIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS AUTOCLAVES E ESTUFAS CONCEITOS E ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA IDENTIFICAÇÃO DA NECESSIDADE DA QUALIFICAÇÃO Instituto

Leia mais

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno A eficácia do processo de esterilização de um dispositivo médico é avaliada com base numa série de experiências e protocolos que

Leia mais

ESTERILIZAÇAO PELO CALOR

ESTERILIZAÇAO PELO CALOR Faculdade de Farmácia da UFMG ESTERILIZAÇÃO NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA ESTERILIZAÇAO PELO CALOR CALOR SECO Accácia Júlia Guimarães Pereira Messano ABRIL 2010 Mecanismo de destruição de microrganismos pelo

Leia mais

Limpeza e Esterilização: normatizações aplicáveis à RDC 15 André Cabral

Limpeza e Esterilização: normatizações aplicáveis à RDC 15 André Cabral André Cabral Divisão de Prevenção de Infecção 3M do Brasil Prezados Colegas, O processamento de produtos para saúde é uma atividade que requer conhecimento e embasamento científico necessitando atualização

Leia mais

Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico.

Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico. 2º WORKSHOP DE PROCESSAMENTO DE ARTIGOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE CONTAGEM-MG Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico. TERESINHA NEIDE DE OLIVEIRA A Verdadeira obra

Leia mais

CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO

CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Sala de Preparo e Esterilização Equipe: Carla, Marcela e Maria Cristina 6º Período de Enfermagem UNIS Sala de preparo A

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS Alessandra Lima PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DOS 2005: 5 ENF 2006: 2 ENF 2007: 3 ENF CONSULTÓRIOS MÉDICOS 2009: 2 ENF 2008 3 ENF Necessidade de mudança do foco: Preocupação

Leia mais

O que é o CME? Segundo a RDC 15, a CME é classificada como: Unidade funcional destinada ao processamento de produtos para saúde dos serviços de saúde.

O que é o CME? Segundo a RDC 15, a CME é classificada como: Unidade funcional destinada ao processamento de produtos para saúde dos serviços de saúde. O que é o CME? Segundo a RDC 15, a CME é classificada como: Unidade funcional destinada ao processamento de produtos para saúde dos serviços de saúde. A CME é uma unidade nobre do hospital responsável

Leia mais

PORTARIA Nº 500 DE 2010

PORTARIA Nº 500 DE 2010 PORTARIA Nº 500 DE 2010 Regulamento técnico para Processamento de artigos por método físico em estabelecimentos sujeitos à Vigilância Sanitária no RS A SECRETÁRIA DA SAÚDE DO RIO GRANDE DO SUL, no uso

Leia mais

EQUIPAMENTO ESTERILIZADOR - Autoclave Horizontal - Especificação Técnica

EQUIPAMENTO ESTERILIZADOR - Autoclave Horizontal - Especificação Técnica EQUIPAMENTO ESTERILIZADOR - Autoclave Horizontal - Especificação Técnica Descrição Geral: Equipamento esterilizador horizontal automático para esterilização por vapor saturado de alta temperatura com duas

Leia mais

Valério Lucas Gonçalves 13/12/12 Técnico Saulo de Tarso Mota 14/12/12

Valério Lucas Gonçalves 13/12/12 Técnico Saulo de Tarso Mota 14/12/12 Pág.: 01/05 Elaboração (nome/ass): Data: Departamento: Aprovação (nome/ass.): Data: Valério Lucas Gonçalves 13/12/12 Técnico Saulo de Tarso Mota 14/12/12 SUMÁRIO 1 Objetivo 6 Glossário 2 Âmbito 7 Procedimento

Leia mais

Enfª Karin Bienemann

Enfª Karin Bienemann Enfª Karin Bienemann CONCEITOS BÁSICOS: CME É uma unidade voltada à prestação de serviços, onde é realizado o trabalho de limpeza, montagem, embalagem, esterilização e armazenamento de materiais. LIMPEZA

Leia mais

Samy Menasce. Associação Brasileira de Esterilização - ABE. Esterilização de material cirúrgico pelo Gás Ozônio ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTERILIZAÇÃO

Samy Menasce. Associação Brasileira de Esterilização - ABE. Esterilização de material cirúrgico pelo Gás Ozônio ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTERILIZAÇÃO RUA DO ROSÁRIO, 135 4º ANDAR / CENTRO RIO DE JANEIRO / RJ CEP.: 20041-005 (21) 2224-2237 (31) 2224-3237 www.abebrasil.org.br Associação Brasileira de Esterilização - ABE Esterilização de material cirúrgico

Leia mais

RM 62 REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DE LABORATÓRIOS EM ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA SUMÁRIO

RM 62 REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DE LABORATÓRIOS EM ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA SUMÁRIO SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO O presente documento tem o objetivo definir os requisitos sobre a participação de laboratórios

Leia mais

A Monitorização do Processo

A Monitorização do Processo A Monitorização do Processo Ana Rita Martins DIL/UI 22 anos de serviço público com valores e ética Reprocessamento Novo processamento de algo que já foi processado anteriormente ou Processar mais uma vez

Leia mais

CRISTÓFOLI S I S T E M A D E R E G I S T R O P A R A A U T O C L A V E S A V A P O R

CRISTÓFOLI S I S T E M A D E R E G I S T R O P A R A A U T O C L A V E S A V A P O R CRISTÓFOLI SISTEMA DE REGISTRO PARA AUTOCLAVES A VAPOR Este Sistema de Registro para autoclaves a vapor foi elaborado para trabalhar em conjunto com os Emuladores- Integradores de Controle TST Browne (código

Leia mais

A Viabilidade de Implementação de Sistemas de Calibração na Indústria Newton Bastos Vendas Técnicas Presys Instrumentos e Sistemas Ltda * Alguns Questionamentos * Você sabe como está a Gerenciamento das

Leia mais

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO Versão: 2 Pág: 1/6 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO Dr. Renato de Lacerda Diretor Técnico 02/09/2010 APROVADO POR Dr. Jose Carlos dos

Leia mais

Especificação Técnica ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE REQUISITOS DE CALIBRAÇÃO ÍNDICE DE REVISÕES

Especificação Técnica ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE REQUISITOS DE CALIBRAÇÃO ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 7 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS Rev. 0 Rev. 1 Rev. 2 Rev. 3 Rev. 4 Rev. 5 Rev. 6 Rev. 7 Rev. 8 DATA: 19/09/14 ELABORAÇÃO: Volnei VERIFICAÇÃO:

Leia mais

ertificado de Calibración

ertificado de Calibración Software de Calibração ertificado de Calibración ISOPLAN-5 Sistema completo para sua Gestão de Calibração Benefícios Melhora a produtividade do serviço dos técnicos. Fácil revisão dos dados e históricos

Leia mais

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Gessilene de Sousa Sobecc, julho2011 Agenda Regulamentação Definição: Centro de Material Esterilizado - CME; Estrutura Física: Áreas de composição; Fluxograma

Leia mais

CURSO DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES EDUCAÇÃO CONTINUADA MÓDULO II E ODONTOLÓGICOS

CURSO DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES EDUCAÇÃO CONTINUADA MÓDULO II E ODONTOLÓGICOS CURSO DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES E ODONTOLÓGICOS EDUCAÇÃO CONTINUADA MÓDULO II Autoclave Vapor saturado sob pressão Denise Demarzo Curitiba, 17 de novembro de 2010-2010 CME Uso Esterilização,

Leia mais

Princípios e métodos de esterilização

Princípios e métodos de esterilização Princípios e métodos de esterilização FUNDAMENTOS DE ESTERILIZAÇÃO Bactérias (forma vegetativa ou esporulada) São os menores organismos vivos; Existem em maior número; São as maiores responsáveis pelos

Leia mais

Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção

Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção 45 45 1 A legislação Brasileira (mais recentes) RDC 156 de 2006 RE-2605 de 2006 RE-2606 de 2006

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS BIOMÉDICOS. Mecânica da Autoclave

CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS BIOMÉDICOS. Mecânica da Autoclave CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS BIOMÉDICOS Mecânica da Autoclave INTRODUÇÃO Grande demanda de pacientes Avanço da medicina, equipamentos sofisticados e complexos Necessidade da manutenção Capacitação

Leia mais

AUTOCLAVE: ASPECTOS DE ESTRUTURA, FUNCIONAMENTO E VALIDAÇÃO RESUMO. 2 qualificação de instalação da autoclave. Palavras-chave:

AUTOCLAVE: ASPECTOS DE ESTRUTURA, FUNCIONAMENTO E VALIDAÇÃO RESUMO. 2 qualificação de instalação da autoclave. Palavras-chave: breve comunicação ISSN 22381589 AUTOCLAVE: ASPECTOS DE ESTRUTURA, FUNCIONAMENTO E VALIDAÇÃO Carlos Righetti; Paulo Cesar Gomes Vieira Seção de Meios de Cultura do Instituto Butantan Autor para correspondência:

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Kit de Instrumental para Cirurgia do Túnel do Carpo VOLMED Nome Técnico: KIT CIRÚRGICO Fabricante: VOLMED BRASIL EQUIPAMENTOS LTDA -ME AV. SÃO GABRIEL, 291 JD. PAULISTA CEP: 13574-540

Leia mais

15/08/2010. www.baumer.com.br. Eng. Gerson R. Luqueta

15/08/2010. www.baumer.com.br. Eng. Gerson R. Luqueta Autoclaves para laboratório de microbiologia de alimentos: critérios técnicos para aquisição, utilização e manutenção para a garantia da qualidade laboratorial Proibida a reprodução total ou parcial sem

Leia mais

Qualificação de equipamentos térmicos utilizados em ensaios

Qualificação de equipamentos térmicos utilizados em ensaios Qualificação de equipamentos térmicos utilizados em ensaios Marise Tenório Wanderley Hübner INCQS / FIOCRUZ QUALIFICAÇÃO Conjunto de operações que estabelece, sob condições especificadas, que os resultados

Leia mais

Ajuda On-line - Sistema de Central de Materiais Esterilizados. Versão 1.0

Ajuda On-line - Sistema de Central de Materiais Esterilizados. Versão 1.0 Ajuda On-line - Sistema de Central de Materiais Esterilizados Versão 1.0 Sumário Central de Materiais Esterilizados 3 1 Manual... de Processos - Central de Materiais Esterilizados 4 Fluxos do... Processo

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PRODUTO E PROCESSO LANCETAS AUTOMÁTICAS DE SEGURANÇA INJEX

ESPECIFICAÇÕES PRODUTO E PROCESSO LANCETAS AUTOMÁTICAS DE SEGURANÇA INJEX Página: 1 de 8 1) DESCRIÇÃO DO PRODUTO Lanceta Automática de Segurança Injex - Estéril - calibre: 28 G = 0,36mm Produto Classe: 2 Registro: 10160610037 2) TIPO DE USO Produto uso único - doméstico (usuários

Leia mais

ATIVIDADES DE ENFERMAGEM NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA O DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL

ATIVIDADES DE ENFERMAGEM NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA O DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL ATIVIDADES DE ENFERMAGEM NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA O DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL Janaína Anchieta Costa Enfermeira Mestre em Enfermagem na área de Administração em Serviços de

Leia mais

Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor

Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor Rosa M. P. Fonseca Supervisora do CC / CME do Hospital Paulistano Diretora do conselho Fiscal da SOBECC gestão 2013-2015 200

Leia mais

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Instrutor Gilberto Carlos Fidélis Eng. Mecânico com Especialização em Metrologia pelo NIST - Estados Unidos e NAMAS/UKAS

Leia mais

Eficiência e segurança dos produtos saneantes

Eficiência e segurança dos produtos saneantes Eficiência e segurança dos produtos saneantes Elenildes Silva Amorim Gerência Geral de Saneantes Porto Alegre, 08 de novembro de 2013 2 Área suja Área limpa 3 Resolução - RDC n 6, de 30 de janeiro de 2012

Leia mais

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado. 11.8x. março de 2015 Versão: 3.0

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado. 11.8x. março de 2015 Versão: 3.0 TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado 11.8x março de 2015 Versão: 3.0 1 Sumário 1 Objetivos... 4 2 Introdução... 4 3 Cadastros... 5 3.1 Cadastros de Unidades de CME...

Leia mais

SEGURANÇA E TÉCNICA DE LABORATÓRIO AULA 01: ORGANIZANDO O LABORATÓRIO TÓPICO 03: ORGANIZAÇÃO LABORATORIAL O laboratório, seja de uma indústria, de um centro de pesquisa ou de uma instituição de ensino

Leia mais

E-QP-EIN-022 REV. B 25/Jul/2011 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. APLICAÇÃO 4. TERMINOLOGIA 5. REGRAS GERAIS 6. EXECUÇÃO DA PROVA PRÁTICA

E-QP-EIN-022 REV. B 25/Jul/2011 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. APLICAÇÃO 4. TERMINOLOGIA 5. REGRAS GERAIS 6. EXECUÇÃO DA PROVA PRÁTICA ENGENHARIA QUALIFICAÇÃO DE INSPETOR DE CONSTRUÇÃO, MONTAGEM E COMISSIONAMENTO DE INSTRUMENTAÇÃO NÍVEL 1 Instruções ao Candidato Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG03108 MEDIÇÕES TÉRMICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG03108 MEDIÇÕES TÉRMICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG03108 MEDIÇÕES TÉRMICAS ANÁLISE DA EFICIÊNCIA TÉRMICA DE ISOLAMENTOS EM AQUECIMENTO E RESFRIAMENTO

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N.º 23915, DE 13 DE JANEIRO DE 2004 DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO SANITÁRIO A QUE ESTÃO SUJEITOS OS SALÕES DE CABELEIREIROS, OS INSTITUTOS DE BELEZA, ESTÉTICA, PODOLOGIA E ESTABELECIMENTOS CONGÊNERES;

Leia mais

CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME

CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME II SIMPÓSIO NORTE/NORDESTE DE ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO, RECUPERAÇÃO ANESTÉSICA E CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO NADJA FERREIRA Enfermeira

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

PROVA DE NÍVEL SUPERIOR

PROVA DE NÍVEL SUPERIOR PROVA DE NÍVEL SUPERIOR CARGO: Técnico de Nível Superior Júnior I - QUÍMICA 1. PPHO são os Procedimentos-Padrão de Higiene Operacional. Um bom plano de PPHO deve ser estruturado sobre alguns pontos básicos.

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos 1. Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Fornecer diretrizes

Leia mais

22/08/2007 DEFINIÇÃO PORQUE VALIDAR? Gerson R. Luqueta. Gerson R. Luqueta

22/08/2007 DEFINIÇÃO PORQUE VALIDAR? Gerson R. Luqueta. Gerson R. Luqueta VALIDAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CONFORME NORMATIZAÇÃO (ênfase em processos de esterilização) VALIDAÇÃO DO PROCESSO DEFINIÇÃO Procedimento documentado para obtenção, registro e interpretação de resultados desejados

Leia mais

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Limpeza, Desinfecção e Controle de Temperatura do Refrigerador

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Limpeza, Desinfecção e Controle de Temperatura do Refrigerador Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Limpeza, Desinfecção e Controle de Temperatura do Refrigerador Enfermeiro Adilson Adair Böes Enfermeiro João de Deus Reck Lima Junior Rotina

Leia mais

getinge 6000 A LAvAdorA-desinfectorA totalmente AutomáticA

getinge 6000 A LAvAdorA-desinfectorA totalmente AutomáticA getinge 6000 A Lavadora-Desinfectora totalmente automática 2 Getinge 6000 Getinge 6000 3 FAZENDO A DIFERENÇA NO CONTROLE DE INFECÇÃO A Getinge 6000 é uma lavadora desinfectora totalmente automática para

Leia mais

Autoclavagem. Microondas. Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Tratamento preliminar e destinação

Autoclavagem. Microondas. Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Tratamento preliminar e destinação USP Incineração Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Profa. Dra. Vera Letticie de Azevedo Ruiz 2014 1 Deve seguir a Resolução CONAMA nº 316 de 2002 Processo cuja operação seja realizada acima

Leia mais

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS.

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Módulo 2 Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Conteúdos deste módulo Discriminação Decomposição da variação do sistema de medição Variação

Leia mais

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO.

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. Márcia Cristina O Pereira Enfermeira encarregada da central de material esterilizado HMSL. Especialista em CC, CME, RA USP Mestrado em saúde do adulto - USP FINALIDADE DA

Leia mais

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12 1. Objectivo o Estabelecer normas para o processamento dos dispositivos médicos, baseadas em padrões de qualidade. o Estabelecer condições de

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EXPOSIÇÃO AO CALOR EM AMBIENTE DE TRABALHO

AVALIAÇÃO DE EXPOSIÇÃO AO CALOR EM AMBIENTE DE TRABALHO LAUDO TÉCNICO AVALIAÇÃO DE EXPOSIÇÃO AO CALOR EM AMBIENTE DE TRABALHO 1 - OBJETIVO Tem por objetivo o presente laudo técnico, avaliar a exposição ocupacional ao calor conforme NR 15 anexo n o 3 da Portortaria

Leia mais

MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL

MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL (As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente)

Leia mais

1ª RETIFICAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 413/2014 - CPL 04 SESACRE

1ª RETIFICAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 413/2014 - CPL 04 SESACRE 1ª RETIFICAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 413/2014 - CPL 04 SESACRE OBJETO: Aquisição de Equipamentos, Mobiliários, Eletroeletrônicos e Eletrodomésticos, para atender as Necessidades

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3. OGX Procedimento de Gestão PG.SMS.004 Denominação: Gestão de Mudanças SUMÁRIO Este procedimento estabelece as condições que permitam identificar, avaliar e controlar os riscos inerentes as mudanças, desde

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação 1. Objetivos Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Desenvolver habilidades para

Leia mais

CONTROLE DIMENSIONAL - CALDEIRARIA CALIBRAÇÃO DE TRENA E ESCALA COM ESCALA PADRÃO E TRENA PADRÃO

CONTROLE DIMENSIONAL - CALDEIRARIA CALIBRAÇÃO DE TRENA E ESCALA COM ESCALA PADRÃO E TRENA PADRÃO Página: 1 de 5 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo descrever o processo de calibração de trenas de fita de aço e escalas metálicas, utilizando como padrões trenas padrão ou escalas padrão.

Leia mais

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso Vasos de Pressão Ruy Alexandre Generoso VASOS DE PRESSÃO DEFINIÇÃO: São equipamentos que contêm fluidos sob pressão, cujo produto P x V seja superior a 8. Em que: Pressão (Kpa) Volume (m 3 ) VASOS DE PRESSÃO

Leia mais

Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso

Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso Enfa. Dra. ROSA AIRES BORBA MESIANO Coordenadora de Controle e Monitoramento de saneantes Gerência Geral de Saneantes

Leia mais

CURSO II - PRÉ-CONGRESSO

CURSO II - PRÉ-CONGRESSO RUA DO ROSÁRIO, 135 4º ANDAR / CENTRO RIO DE JANEIRO / RJ CEP.: 20041-005 (21) 2224-2237 (31) 2224-3237 www.abebrasil.org.br 11º Congresso Mundial de Esterilização e 7 Edição do Simpósio Internacional

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

Proposta de Nota Técnica Cgcre. Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos

Proposta de Nota Técnica Cgcre. Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos Proposta de Nota Técnica Cgcre Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos Ana Cristina D. M. Follador Coordenação Geral de Acreditação

Leia mais

Capítulo 4: Diagnóstico do Sistema Normativo do SISMETRA

Capítulo 4: Diagnóstico do Sistema Normativo do SISMETRA Capítulo 4: Diagnóstico do Sistema Normativo do SISMETRA Caracterizado no Capítulo 3, à luz da prática internacional de normalização, o sistema normativo do SISMETRA foi objeto de criteriosa análise de

Leia mais

Pag: 1/20. SGI Manual. Controle de Padrões

Pag: 1/20. SGI Manual. Controle de Padrões Pag: 1/20 SGI Manual Controle de Padrões Pag: 2/20 Sumário 1 Introdução...3 2 Cadastros Básicos...5 2.1 Grandezas...5 2.2 Instrumentos (Classificação de Padrões)...6 3 Padrões...9 3.1 Padrão Interno...9

Leia mais

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS DISA: DATA: UNIDADE: RECURSOS HUMANOS ÍTEM AVALIAÇÃO FORMA DE VERIFICAÇÃO EM CONFORMI DADE NÃO CONFORMI DADE OBSERVAÇÃO 1) A unidade

Leia mais

SEGMENTO: HOSPITALAR USO CORRETO DE INDICADORES QUÍMICOS PARA ESTERILIZAÇÃO

SEGMENTO: HOSPITALAR USO CORRETO DE INDICADORES QUÍMICOS PARA ESTERILIZAÇÃO SEGMENTO: HOSPITALAR USO CORRETO DE INDICADORES QUÍMICOS PARA ESTERILIZAÇÃO O QUE É UM INDICADOR QUÍMICO Indicador Químico e a combinação do agente indicador e o seu substrato que revela alteração de uma

Leia mais

Eberhardt Comércio e Assist. Técnica. Ltda.

Eberhardt Comércio e Assist. Técnica. Ltda. Rua das Cerejeiras, 80 Ressacada CEP 88307-330 Itajaí SC Fone/Fax: (47) 3349 6850 Email: vendas@ecr-sc.com.br Guia de instalação, operação e manutenção do sistema de monitoramento de poços ECR. Cuidados

Leia mais

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 MANUAL FORNECEDORES A Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda pretende com este Manual aprimorar a relação com seus fornecedores e padronizar informações entre as partes.

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Bem Vindos! HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Quem sou? Farmacêutica Bioquímica e Homeopata. Especialista em Análises Clínicas, Micologia, Microbiologia e Homeopatia. 14 anos no varejo farmacêutico

Leia mais

NORMAS PARA O PROCESSAMENTO DE ARTIGOS - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO.

NORMAS PARA O PROCESSAMENTO DE ARTIGOS - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO. NORMAS PARA O PROCESSAMENTO DE - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO. ATENÇÃO Para desenvolver esta atividade, sem risco de contaminação por material orgânico (sangue, fluídos orgânicos, secreções e excreções)

Leia mais

Controle de Qualidade de Laboratório

Controle de Qualidade de Laboratório Controle de Qualidade de Laboratório de Ensaio Aliado à Tecnologia Paulo Henrique Muller Sary Diretor Técnico SaaS Ambiental Porto Alegre, 25 de julho de 2014. Garantia da Qualidade O programa de garantia

Leia mais

Métodos de esterilização de artigos médico-hospitalares

Métodos de esterilização de artigos médico-hospitalares Métodos de esterilização de artigos médico-hospitalares 1 Esterilização de artigos médico-hospitalares: qual a melhor solução? 3 1 A esterilização é um processo multiparamétrico Depende dos fatores físicos

Leia mais

OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 CERTIFICADOS DE CALIBRAÇÃO

OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 CERTIFICADOS DE CALIBRAÇÃO OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 Muitas vezes ao longo das investigações de Tecnovigilância de acidentes relacionados com equipamentos médico-hospitalares, principalmente quando

Leia mais

GETINGE FD1600 LAVADORA DE DESCARGA COM ABERTURA FRONTAL

GETINGE FD1600 LAVADORA DE DESCARGA COM ABERTURA FRONTAL GETINGE FD1600 LAVADORA DE DESCARGA COM ABERTURA FRONTAL 2 Getinge FD1600 Getinge FD1600 3 COMBATENDO A INFECÇÃO CRUZADA DE MANEIRA SIMPLES E EFETIVA Com seu projeto moderno e atraente, operação fácil

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

Indicadores de Limpeza O que há de novo? Andréa Alfaya Acuña andrea.acuna@hsl.org.br

Indicadores de Limpeza O que há de novo? Andréa Alfaya Acuña andrea.acuna@hsl.org.br Indicadores de Limpeza O que há de novo? Andréa Alfaya Acuña andrea.acuna@hsl.org.br Indicadores São valores ou variáveis associadas a uma atividade que nos indicam alguma relação, são medidas quantitativas

Leia mais

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos SECAGEM DE GRÃOS Disciplina: Armazenamento de Grãos 1. Introdução - grãos colhidos com teores elevados de umidade, para diminuir perdas:. permanecem menos tempo na lavoura;. ficam menos sujeitos ao ataque

Leia mais

Esterilização e desinfecção

Esterilização e desinfecção Esterilização e desinfecção História 1683 Leeuwenhoek 1857 Pasteur Ignatz Semmelweis (1816-1865) Joseph Lister (1827-1912) Introduz a higienização hospitalar: - Lavagem de mãos - Lavagem de material cirúrgico

Leia mais

APOIO PARCEIROS ESTRATÉGICOS

APOIO PARCEIROS ESTRATÉGICOS Soluções Tecnoecológicas com ozônio APOIO PARCEIROS ESTRATÉGICOS A BrasilOzônio Localizada no CIETEC/USP Mais de 5 anos de pesquisa; Parcerias com especialistas e grandes centros tecnológicos do país como

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE PRODUTOS

QUALIFICAÇÃO DE PRODUTOS QUALIFICAÇÃO DE PRODUTOS HISTÓRICO DO PSQ-Esquadrias de Aço - NOV/1996 :O Programa da Qualidade da Construção Habitacional do Estado de São Paulo (QUALIHAB), implantado pela CDHU, estimulou a criação do

Leia mais

MANIPULAÇÃO DOS INSTRUMENTOS PERSONALIZADOS PROPHECY DESCARTÁVEIS DA MICROPORT 150807-0

MANIPULAÇÃO DOS INSTRUMENTOS PERSONALIZADOS PROPHECY DESCARTÁVEIS DA MICROPORT 150807-0 PT MANIPULAÇÃO DOS INSTRUMENTOS PERSONALIZADOS PROPHECY DESCARTÁVEIS DA MICROPORT 150807-0 Estão incluídos na presente embalagem os idiomas seguintes: English (en) Deutsch (de) Nederlands (nl) Français

Leia mais

ENISO 15883-1: 2009 Máquinas de lavar e desinfectar. Parte1: Requisitos gerais, termos, definições e testes.

ENISO 15883-1: 2009 Máquinas de lavar e desinfectar. Parte1: Requisitos gerais, termos, definições e testes. 1 INTRODUÇÃO É consenso que a primeira e mais importante etapa do processo de esterilização de produtos para saúde é a etapa de limpeza. As etapas subseqüentes como desinfecção e esterilização são necessárias

Leia mais

Hepatites B e C. são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA.

Hepatites B e C. são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA. Hepatites B e C são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA. heto hepatite manucure.indd 1 Faça sua parte. Não deixe as hepatites virais frequentarem seu salão.

Leia mais

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 15 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 1 2 6.1.6-b inclusão: repetibilidade de 0,1% (zero virgula um por cento); 6.1.7 inclusão: Desvio padrão

Leia mais

INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Manual de Operação REV 0 EQUITEST Sistema de Detecção de Vazamentos em Testes de Estanqueidade VERSÃO 1.0 UNIDADE DE LEITURA SÉRIE I INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Parabéns! Você acaba de adquirir um produto de

Leia mais

DATA LOGGER PARA REGISTO DE TEMPERATURAS COM LIGAÇÃO USB

DATA LOGGER PARA REGISTO DE TEMPERATURAS COM LIGAÇÃO USB DATA LOGGER PARA REGISTO DE TEMPERATURAS COM LIGAÇÃO USB AVISO PRÉVIO A partir de 1 de Janeiro de 2014 os data loggers deixam de ser fornecidos com CD-ROM com software. O software continua a ser gratuito

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto;

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto; PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE MACEIÓ DIRETORIA DE VIGILÂNCIA À SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE VIGILÄNCIA SANITÁRIA INSPETORIA DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL ORIENTAÇÕES GERAIS

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

GETINGE FD1800 LAVADORAS DESINFECTORA

GETINGE FD1800 LAVADORAS DESINFECTORA GETINGE FD1800 LAVADORAS DESINFECTORA 2 Getinge FD1800 Getinge FD1800 3 COMPROVADAS NA LUTA CONTRA A INFECÇÃO CRUZADA O excelente desempenho de lavagem e desinfecção da Getinge FD1800 garantiu-lhe o respeito

Leia mais

A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS

A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS 10º Congresso Brasileiro de Enfermagem en Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e ESterilização- 2011 A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS

Leia mais

CUIDADOS NA MANUTENÇÃO EM ESTUFAS

CUIDADOS NA MANUTENÇÃO EM ESTUFAS RECOMENDAÇÃO TÉCNICA ISSN 1413-9553 agosto, 1998 Número 11/98 CUIDADOS NA MANUTENÇÃO EM ESTUFAS Luiz F. de Matteo Ferraz Ladislau Marcelino Rabello Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP: L 20 Página 1 de 7 1. Identificação do Equipamento: Autoclave 1.1 Setor Alocado: Setor de Microbiologia. 1.2 Assistência Técnica: Gerência de Engenharia e Patrimônio. Ramal: 2017, 2008 e 2142. 1.3.1

Leia mais