IMPACTO DO AGRONEGÓCIO SOBRE O ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (IDS) DO ESTADO DA BAHIA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPACTO DO AGRONEGÓCIO SOBRE O ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (IDS) DO ESTADO DA BAHIA."

Transcrição

1 VIII SOBER Nordeste Novembro de 2013 Parnaíba- PI - Brasil IMPACTO DO AGRONEGÓCIO SOBRE O ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (IDS) DO ESTADO DA BAHIA. Artur Freitas Spíndola (UFPE) - Estudante de mestrado em economia

2 VIII SOBER Nordeste Pluralidades Econômicas, Sociais e Ambientais: interações para reinventar o Nordeste rural Parnaíba PI Impacto do agronegócio sobre o Índice de Desenvolvimento Sustentável (IDS) do estado da Bahia Grupo de Pesquisa: Desenvolvimento rural e meio ambiente RESUMO A Bahia possui, atualmente, o maior PIB agropecuário do Nordeste, que é um dos setores mais importantes para a economia brasileira. Entretanto, assim como todo processo que depende de recursos provenientes da natureza, sua prática e desenvolvimento pode levar a degradação do meio ambiente. O objetivo deste trabalho é analisar o impacto do agronegócio sobre o Índice de Desenvolvimento Sustentável (IDS) da Bahia, utilizando o Método do Painel de Sustentabilidade. O Painel de Sustentabilidade (Dashboard of Sustainability) é um indicar que utiliza de diversos instrumentos do desenvolvimento sustentável local, levando em conta quatro dimensões: natureza, social, econômica e institucional. Os resultados comprovam que os indicadores agropecuários prejudicam o Índice de Desenvolvimento Sustentável (IDS) do Estado da Bahia, evidenciando não apenas a necessidade de políticas que atuem para melhorar os índices dessas variáveis, mas apontam para outro grande problema, o do alto índice de desigualdade da região. Palavras chaves: Agronegócio. Bahia. Painel de sustentabilidade. 1. Introdução A agropecuária é uma atividade econômica que envolve tanto a agricultura quanto a pecuária, que sempre representou um papel determinante para o desenvolvimento do país. As mudanças ocorridas nesse setor foram muitas e o Brasil saiu da condição de colônia primárioexportadora para de um país em desenvolvimento, com um mercado interno industrializado, onde através de um contínuo aumento do uso de máquinas agrícolas e de insumos nos campos, resultou em um considerável aumento da produtividade desse setor (CLEMENTE E GOMES, 2011). O aumento da produtividade possui ligação direta com as melhorias tanto dos índices agrícolas, como o de desenvolvimento sustentável, sendo esse último que depende

3 principalmente de transformações econômicas e tecnológicas que reduzam o impacto do crescimento no meio ambiente (MAROUELLI, 2003). Existem diversas definições para o termo desenvolvimento sustentável. De acordo com a Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, publicado em 1987: O desenvolvimento sustentável é aquele que satisfaz as necessidades da geração presente sem comprometer as possibilidades das gerações futuras, vindo a partir daí diversos outros conceitos sobre o tema. Para Barbieri (1997), o desenvolvimento sustentável é uma forma de encontrar soluções para os problemas globais, não ligados apenas as questões ecológicas, mas diversas outros aspectos envolvendo as dimensões social, política, cultural, entre outras. A escolha do estado da Bahia deve-se a seu PIB agropecuário que foi, em 2009, de acordo com dados do IPEADATA, de ,77 (R$ de 2000 mil), representando 33,83% do PIB agropecuário do Nordeste, sendo o maior da região, e aproximadamente 6% do Brasil. Além disso, de acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (2011), a região denominada de MATOPIBA (que inclui o estado da Bahia) tem tido um crescimento maior do que a média brasileira. Diante disso, o trabalho tem por objetivo analisar o impacto do agronegócio sobre o Índice de Desenvolvimento Sustentável (IDS) da Bahia através do Método do Painel de Sustentabilidade. Os dados são referentes ao último relatório sobre Desenvolvimento Sustentável, publicado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no ano de O trabalho segue as mesmas suposições de Clemente e Gomes (2011), onde as variáveis relacionadas à produção agropecuária impactam inversamente o valor do Índice de Desenvolvimento Sustentável (IDS) quando se utiliza o método do Painel de Sustentabilidade. O presente artigo está dividido em seis seções, contando com esta introdução. Na segunda seção será apresentada a evolução recente do agronegócio, bem como algumas particularidades do estado da Bahia. A terceira seção será dedicada a apresentação do conceito de desenvolvimento sustentável e as diversas formas de mensuração do mesmo. A quarta seção será mostrada a metodologia utilizada, bem como a base de dados. A quinta seção trará os resultados encontrados e a última seção será a conclusão. 2. Evolução do agronegócio e o estado da Bahia Um dos setores mais importantes para a economia brasileira é o agronegócio, representando 26,46% do PIB brasileiro e renda equivalente a R$ 746,6 bilhões (Cepea,

4 2009). Porém, o setor perdeu sua participação na renda nacional, consequência da forte crise de liquidez que atingiu o agronegócio em 2005, quando a safra de grãos sofreu uma queda de 18% e consequência perda de receita de R$ 16,6 bilhões para produtores rurais. Recentemente ainda teve o impacto da crise financeira de 2009 (CRUZ et al 2010). No caso da Bahia, o agronegócio tem mostrado um desempenho significativo nos últimos anos. Depois de quedas sofridas desde 2005, o PIB agropecuário baiano vem se estabilizando. A tabela abaixo mostra esse resultado: Tabela 1 PIB agropecuário dos estados do Nordeste. Estados Al , , , , ,89 BA , , , , ,77 CE , , , , ,08 MA , , , , ,69 PB , , , , ,62 PE , , , , ,12 PI , , , , ,24 RN , , , , ,87 SE , , , , ,24 Fonte: Elaboração própria, IPEADATA. Como pode ser visto, apesar da pequena queda entre os anos de 2008 e 2009, o estado baiano representa o maior PIB do Nordeste. A Bahia foi o primeiro produtor nacional de cacau, sinal, mamona, coco, feijão e mandioca, sendo os dois últimos mais voltados para subsistência do que para a comercialização. Sua pecuária bovina ocupa o sexto lugar nacional, enquanto a caprina registra os maiores números do setor em todo Brasil. Em 2009, foi o segundo maior produtor (6,4 milhões de toneladas) e exportador (US$ 156,3 milhões) de frutas secas (Jornal da mídia, 2009). Com a ruptura do padrão colonial de monocultura, o Brasil foi favorecido com a implantação de práticas modernas, aliadas a um contínuo aumento de uso de máquinas agrícolas e de insumos nos campo (SILVA, 1998). Assim, o uso de certas tecnologias pode levar à degradação de ambientes ecológicos e naturais, tornando fundamental conhecer e medir o quanto a agropecuária do Estado da Bahia está inserida no contexto do

5 desenvolvimento sustentável, tendo em vista sua importância e dimensão para o Nordeste brasileiro. 3. Conceito de desenvolvimento sustentável e indicadores de mensuração de sustentabilidade O conceito de desenvolvimento sustentável surgiu a parti da ideia de ecodesenvolvimento, proposto durante a Primeira Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, em Estolcomo, na Suécia, em De acordo com essa comissão, desenvolvimento sustentável é aquele capaz de nutrir as necessidades dos seres humanos da atualidade, sem comprometer a capacidade do planeta para atender as futuras gerações, ou seja, desenvolvimento que não esgota os recursos, tornando-os perenemente disponíveis, se possível (DECININO, 2008). Se no início da revolução industrial os recursos naturais disponíveis eram abundantes, esse cenário mudou com o tempo. Hoje, o uso irracional da terra coloca em perigo a qualidade de vida de muitas pessoas, transformando-se em uma situação ambiental grave e irreversível no longo prazo, caso não seja feito nada agora (LIMA, 1997). Compartilhando essa preocupação, muitos autores passaram a pesquisar formas de quantificar essa sustentabilidade. Silva e Mendes (2005) sugeriram modelos ou indicadores mentais mesclados, com o objetivo de otimizar as avaliações do processo de desenvolvimento sustentável de um local, levando em consideração diversas dimensões (social, ambiental, econômica, espacial e cultural), mas interdependentes. De acordo com Hammond et al. (1995) apud Clemente e Gomes (2011), um indicador pode ter como objetivos: a) Definir ou monitorar a sustentabilidade de uma realidade. b) Facilitar o processo de tomada de decisão. c) Mostrar, de forma rápida, alterações significativas em um dado sistema. d) Determinar uma realidade, possibilitando a regulação de sistemas integrados. e) Avaliar o progresso em direção à sustentabilidade. A finalidade é auxiliar na busca da percepção social sobre a condição real do lugar, a fim de apresentar instrumentos que possam auxiliar decisões para um diagnóstico constante

6 durante o processo de desenvolvimento. O Painel de Sustentabilidade (Dashboard of Sustainability) é um indicador que esta associado ao conjunto de métodos e controles sob o para-brisas de um veículo ou de uma aeronave (HARDI E SEMPLE, 2000). De acordo com Hardi e Jesinguaus (2002), esse indicador engloba as seguintes dimensões: Dimensão social: saúde, segurança, educação, habitação e população. Dimensão econômica: estrutura e padrões de consumo e produção. Dimensão Ambiental: solo, ar, água e biodiversidade. Conforme esses mesmo autores, o Painel de Sustentabilidade é uma ferramenta disponibilizada online, cuja fidelidade à realidade permite atrair a atenção do público-alvo. O Painel de Sustentabilidade é formado por um painel visual com quatro indicadores, sendo cada um representando uma dimensão da sustentabilidade, mensurando o bem-estar da nação, o ambiente, o padrão institucional e a economia, aproveitando das seguintes designações: qualidade ambiental, saúde social, desempenho econômico e desempenho institucional (HARDI E SEMPLE, 2000). A figura abaixo mostra o funcionamento do Painel de Sustentabilidade: Figura 1 Gráfico de IISD representando o Painel de Sustetabilidade. Fonte: UNCSD (DIVISION FOR SUSTAINABLE DEVELOPMENT, 2001.

7 O valor atual do desempenho do sistema é representado por cada indicador através de um ponteiro. Cada indicador possui, abaixo, uma luz de alerta, que é disparada quando os níveis limites são extrapolados, ou quando uma alteração ocorre rapidamente. O estado geral do sistema é expresso por um indicador de status, posicionado de forma separada, identificado como Sustentabilidade Geral ou Índice de Desenvolvimento Sustentável (HARDI E SEMPLE, 2000). A cada indicador, medidas de estados, do fluxo e dos processos relacionados devem ser incluídas. Os estoques ambientais podem ser medidos pela capacidade ambiental, que incluí estoques de recursos naturais, diferenciados através de tipos de ecossistemas por área e qualidade. A área plantada e o uso de fertilizantes e agrotóxicos podem ser utilizados para verificar o impacto do agronegócio sobre o Índice de desenvolvimento Sustentável (IDS) da região, nesse caso, a Bahia. O capital social ou o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) pode ser escolhido para medir o indicador social, enquanto o Produto Interno Bruto (PIB) pode medir o indicador econômico (INTERNATIONAL INSTITUTE FOR SUSTAINABLE DEVELOPMENT, 1999). Esse método já foi utilizado em diversos países com objetivos similares, ligados a avaliar o IDS em Âmbito nacional e local. A Província de Milão (Itália) empregou o método para ajudar no planejamento territorial, enquanto as Províncias de Manitoba (Canadá) e Hannover (Alemanha) utilizaram para ajudar nas políticas de gestão de água. No Brasil, Bennetti (2006) utilizou essa metodologia para avaliar o Índice de Desenvolvimento Sustentável do município de Lages, SC e Clemente e Gomes (2011) mediram o impacto do agronegócio sobre esse mesmo índice para o Estado de Minas Gerais. 4. Metodologia A metodologia do Painel de Sustentabilidade é uma das ferramentas mais utilizadas internacionalmente para verificar o Índice de Desenvolvimento Sustentável. O método utilizado, bem como a escolha das variáveis, será baseado naquelas utilizadas por Clemente e Gomes (2011) no trabalho Impacto do agronegócio sobre o Índice de Desenvolvimento Sustentável (IDS) do estado de Minas Gerais, que propõem o mesmo objetivo, o de medir o impacto do agronegócio sobre esses índices, que no presente trabalho se aplica ao estado da Bahia.

8 Além de esse método fazer sua avaliação baseado nas quatros dimensões questionadas natureza, social, econômica e institucional -, possui fácil entendimento e apresentar os indicadores de forma concisa. A aplicação é feita através de um software obtido pela internet na página Esse software, quando utilizado no computador, cria uma pasta chamada DB_CIRCS, que contém informações e os arquivos necessários para usar o programa. Ele utiliza o programa Excel para tabulação de dados, onde após inseridos, aplica o modelo e obtém os resultados, permitindo ao usuário escolher indicadores de acordo com o objetivo desejado. Os indicadores são mostrados em gráficos do tipo pizza, baseando-se em certos princípios: a) o tamanho de cada fatia da pizza (segmento) reflete a importância relativa do assunto descrito pelo indicador; b) a performance vai depender da cor que ele assumir, sendo o verde considerado uma boa performance e o vermelho significando uma performance ruim; e c) a seta maior no painel reflete o Índice Geral de Desenvolvimento Sustentável (IDS) (BENETTI, 2006). Em relação aos critérios adotados para escolha dos indicadores, foram considerados as seguintes proposições: a) ser significante em relação à sustentabilidade do sistema; b) traduzir fiel e sinteticamente a preocupação; e c) ser de fácil interpretação pelo cidadão (CLEMENTE E GOMES, 2011). Dessa forma os indicadores escolhidos foram: Dimensão natureza: Área plantada, agrotóxicos, fertilizantes, participação das terras em uso na superfície territorial, terras em uso em relação à área dos estabelecimentos, queimadas em unidades de conservação federal, queimadas unidades de conservação estadual, unidades de conservação, reservas particulares, número de municípios com alguma ocorrência de invasão de animais, rede coletora de esgoto, lixo coletado, lixo jogados em terrenos, lixo jogados no rio, quantidade de lixo coletado. Dimensão social: Taxa de fecundidade, índice de Gini, esperança de vida ao nascer, serviços de saúde, doenças por saneamento inadequado, taxa de frequência escolar, taxa de alfabetização de pessoas de 15 anos ou mais, domicílios adequados para moradia, mortalidade por homicídios, mortalidade por acidentes de transporte. Dimensão econômica: PIB per capita, saldo comercial da balança, serviço de coleta seletiva do lixo.

9 Dimensão institucional: Conselho de meio ambiente, densidade telefônica, acesso a internet. Os indicadores, que mostram o impacto do agronegócio sobre o cálculo do índice, na dimensão natureza foram: área plantada, agrotóxicos, fertilizantes, participação das terras em uso na superfície territorial, terras em uso em relação à área dos estabelecimentos, queimadas em unidades de conservação federal, queimadas unidades de conservação estadual e número de municípios com alguma ocorrência de invasão de animais. Todos impactam inversamente o índice de desenvolvimento sustentável calculado pelo software. Ainda seguindo Clemente e Gomes (2011), será adotada uma escala de nove cores para determinar o desempenho de cada indicador dentro de casa dimensão, definida da seguinte forma: verde-escura excelente ; verde-médio-clara bom ; verde-clara razoável ; amarela médio ; vermelho-clara ruim ; vermelho-médio-clara muito ruim ; vermelho-médio-escura atenção severa ; e vermelho-escura estado crítico. Essas cores são determinadas para cada indicador através de uma regressão linear simples dos dados entre dois valores extremos: o valor maior recebe (mil) pontos e o valor menor tem pontuação 0 (zero). A fórmula utilizada para a avaliação de cada indicador é a seguinte: Onde X representa o local avaliado, pior é o menor valor constante e melhor o maior valor. Dessa forma os indicadores da Bahia devem ser comparados com outros dois valores, sendo um funcionando de valor máximo (que receberá pontuação de 1000) e outro servindo de valor mínimo (recebendo pontuação 0). O estado utilizado como teto máximo será o Estado de São Paulo, que possui os maiores níveis de sustentabilidade. Já o utilizado como teto mínimo será os indicadores do Estado do Amapá, que possui os menores níveis de sustentabilidade do Brasil (CLEMENTE E GOMES, 2011). Os dados foram retirados do último Relatório de Sustentabilidade do Índice Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) do ano de 2012 (IBGE, 2012). Quanto ao ano de referência, não foi delimitado data ou período específico, pois os dados do IBGE variam entre 2006 e 2011, dependendo da variável analisada. Porém isso não compromete a veracidade e robustez dos resultados, tendo em vista que o método não exige delimitação temporal. Vale lembrar que todos os indicadores retirados do IBGE são inspirados em movimento internacional

10 liderado pela Comissão para o Desenvolvimento Sustentável (CDS), das nações unidas, que pôs adiante um programa de trabalho para concretizar as disposições da Agenda 21, que tratam da relação com o meio ambiente, do desenvolvimento sustentável e de informações para a tomada de decisões (IBGE, 2010). 5. Resultados e discussões Foram obtidos, no geral, 31 indicadores para o estado da Bahia. As tabelas 2, 3, 4 e 5, a seguir, mostram os dados de acordo como foram utilizados no Método do Painel de Sustentabilidade, mostrando os valores dos indicadores. Tabela 2 Indicadores e suas unidades para a dimensão ambiental. Indicador Unidade Valor Área plantada Há Fertilizantes kg/há Distribuição percentual em relação ao total da superfície territorial % 32.9 Distribuição percentual do 62.7 uso das terras em relação à área dos estabelecimentos % agropecuários Queimadas Unidades de unid. 181 Conservação federal Queimadas Unidades de unid. 53 Conservação estadual Unidades de conservação % 0.1 Reservas particulares unid Número de municípios com % 100 alguma ocorrência Rede coletora de esgoto % 58.9 Lixo coletado % 23.7 Lixo jogado em terrenos % 13.3 Lixo jogado em rios % 0.1

11 Quantidade de lixo coletado % 37 Agrotóxicos Kg/há 2.4 Fonte: Elaboração própria Tabela 3 Indicadores e suas unidades para a dimensão social. Indicador Unidade Valor Taxa de fecundidade total % 2.03 Índice de Gini % Esperança de vida ao nascer % 72.6 Serviços de saúde /100 mil hab 0.6 Doenças por saneamento inadequado /100 mil hab Taxas de frequência escolar bruta das pessoas de 15 a 17 anos de idade % 85.7 Taxa de alfabetização das pessoas de 15 anos ou mais de idade % 83.3 Domicílios adequados para moradia % 44.4 Mortalidade por homicídios /100 mil hab 37 Mortalidade por acidentes de transporte /100 mil hab 13 Fonte: Elaboração própria Tabela 4 Indicadores e suas unidades para a dimensão institucional. Indicador Unidade Valor Conselho de Meio ambiente % 54.7 Densidade telefônica /1000 hab 1043 Acesso a internet % 17.1 Fonte: Elaboração própria Tabela 5 Indicadores e suas unidades para a dimensão econômica. Indicador Unidade Valor PIB per capita R$ 9342 Saldo comercial da balança de pagamentos R$ Serviço de coleta seletiva de lixo % 11.3 Fonte: Elaboração própria

12 5.1 Índice de Desenvolvimento Sustentável (IDS) da Bahia Abaixo será apresentado o resultado do Índice de Desenvolvimento Sustentável (IDS) do Estado da Bahia, de acordo com o Método do Painel de Sustentabilidade (figura 2). A tabela 6 mostra o desempenho da Bahia, em relação a dimensão natureza. É apresentado na tabela os indicadores com suas respectivas pontuações, assim como a classificação da sua performance. Figura 2 Índice de Desenvolvimento Sustentável da Bahia. Fonte: Índice de Desenvolvimento Sustentável da Bahia. É possível observar, de acordo com as informações da tabela, para dimensão natureza, os indicadores do Estado da Bahia aparecem da seguinte forma: 2 excelente (lixos jogados em rios e agrotóxicos); 2 razoável (rede coletora de esgoto, quantidade de lixo coletado); 2 médio (queimadas unidades de conservação estadual, distribuição percentual em relação ao total da superfície territorial); 2 ruim (distribuição percentual do uso das terras em relação à área dos estabelecimentos agropecuários, área plantada); e 7 estado crítico (fertilizantes, queimadas Unidades de Conservação federal, unidades de conservação, reservas particulares, número de municípios com alguma ocorrência, lixo coletado, lixo jogado em terrenos). São, no total, 6 indicadores em condições sustentáveis, contra 9 em condições pouco sustentável. A performance da dimensão foi ruim.

13 Tabela 6 Pontuação e classificação dos indicadores na dimensão natureza. Indicador Pontuação Performance Área plantada 399 Ruim Fertilizantes 0 Estado crítico Distribuição percentual em 546 Médio relação ao total da superfície territorial Distribuição percentual do 392 Ruim uso das terras em relação à área dos estabelecimentos agropecuários Queimadas Unidades de 0 Estado crítico Conservação federal Queimadas Unidades de 527 Médio Conservação estadual Unidades de conservação 0 Estado crítico Reservas particulares 0 Estado crítico Número de municípios com 0 Estado crítico alguma ocorrência Rede coletora de esgoto 642 Razoável Lixo coletado 0 Estado crítico Lixo jogado em terrenos 0 Estado crítico Lixo jogado em rios 958 Excelente Quantidade de lixo coletado 676 Razoável Agrotóxicos 1000 Excelente Fonte: Elaboração própria Os indicadores associados ao agronegócio do Estado da Bahia foram, em parte, responsáveis para a classificação baixa. A área plantada e distribuição em relação à área dos estabelecimentos sugerem que o Estado precisa de muita terra para produção agrícola. Isto pode está ligado ao fato de muitos estabelecimentos rurais não possuírem tecnologias avançadas que aumente a produtividade, levando a agricultura a utilizar de áreas ocupadas com floresta e áreas naturais. A baixa utilização de fertilizantes prejudica o meio ambiente, na medida em que diminui a produtividade da terra, criando a necessidade de procurar outras para novas plantações. As queimadas em unidades foram outro ponto negativo, que tiveram

14 resultados ruins, principalmente de conservação federal, o que pode indicar que o uso de fogo para preparo de novas áreas para atividades agropecuárias pode estar sendo de forma descontrolada ou não autorizada por órgãos ambientais. A forma que o lixo é coletado e tratado é outro ponto negativo do Estado e cujo dano ao meio ambiente pode ser irreversível no longo prazo. Um ponto positivo foi em relação ao uso de agrotóxicos, associados á agravos à saúde, contaminação de alimentos e degradação do meio ambiente, que foi considerada excelente para o Estado da Bahia. A tabela 7 mostra a pontuação obtida, na dimensão social, pelos indicadores da Bahia. É apresentado na tabela os indicadores com suas respectivas pontuações, assim como a classificação da sua performance. Tabela 7 Pontuação e classificação dos indicadores na dimensão social. Indicador Pontuação Performance Taxa de fecundidade total 387 Ruim Índice de Gini 0 Estado crítico Esperança de vida ao nascer 421 Ruim Serviços de saúde 1000 Excelente Doenças por saneamento inadequado 0 Estado crítico Taxas de frequência escolar bruta das pessoas de 15 a 17 anos de idade 0 Estado crítico Taxa de alfabetização das pessoas de 15 anos ou mais de idade 0 Estado crítico Domicílios adequados para moradia 341 Ruim Mortalidade por homicídios 0 Estado crítico Mortalidade por acidentes de transporte 1000 Excelente Fonte: Elaboração própria A análise da tabela mostra que os indicadores da dimensão social se comportam as seguinte forma: 2 excelente (serviços de saúde, mortalidade por acidentes de transporte); 3 ruim (taxa de fecundidade total, esperança de vida ao nascer, domicílios adequados para moradia); e 5 estado crítico (índice de Gini, doenças por saneamento inadequado, taxas de frequência escolar bruta das pessoas de 15 a 17 anos de idade, taxa de alfabetização das pessoas de 15 anos ou mais de idade, mortalidade por homicídios). A dimensão obteve performance muito ruim.

15 Os baixos índices da dimensão social estão, principalmente, ligados as altas taxas de desigualdade (evidenciado pelo índice de Gini) e de homicídios do Nordeste, que possui as piores taxas do Brasil, de acordo com o IPEADATA. A tabela 8 evidencia a pontuação adquirida pelos indicadores da Bahia a respeito da dimensão institucional. Tabela 8 Pontuação e classificação dos indicadores na dimensão institucional. Indicador Pontuação Performance Conselho de Meio ambiente 0 Estado crítico Densidade telefônica 0 Estado crítico Acesso a internet 164 Atenção severa Fonte: Elaboração própria Foi obtido 1 atenção severa (acesso a internet) e 2 estado crítico (conselho de Meio ambiente e densidade telefônica). A dimensão obteve performance estado crítico. Mas uma vez se pode atrelar o resultado a grande desigualdade do Nordeste, onde boa parte da população ainda não tem acesso a internet. O número de linhas telefônicas também obteve resultado decepcionante e segundo o IBGE (2010), à medida que crescem os serviços relacionados a este setor, diminui-se a dependência de transporte, impactando em efeitos positivos ao meio ambiente. Da mesma forma, o favorecimento da ampliação de internet permitiria a formação de redes digitais ou virtuais para troca de conhecimentos (CLEMENTE et al, 2011). A tabela 9 retrata a pontuação obtida pela Bahia quanto à dimensão econômica, apresentando os indicadores, bem como a classificação da performance. Tabela 9 Pontuação e classificação dos indicadores na dimensão econômica. Indicador Pontuação Performance PIB per capita 0 Ruim Saldo comercial da balança de pagamentos 1000 Excelente Serviço de coleta seletiva de lixo 310 Muito ruim Fonte: Elaboração própria De acordo com a tabela, os indicadores mostram que: 1 excelente (Saldo comercial da balança de pagamentos), 1 ruim (PIB per capita) e 1 muito ruim (serviços de coleta seletiva de lixo). A performance da dimensão foi ruim. Entretanto, a falta de indicadores

16 para esta dimensão compromete a interpretação do desempenho, pois exclui variáveis que poderiam ser relevantes para aumentar o valor da dimensão. A tabela 10 mostra a pontuação e a performance obtida em cada dimensão. Tabela 10 Pontuação e classificação de todas as dimensões. Dimensão Pontuação Classificação Natureza 343 Ruim Social 315 Muito ruim Econômica 437 Ruim Institucional 55 Estado crítico IDS 287,5 Muito ruim Fonte: Elaboração própria Como pode ser observado, todas as dimensões da Bahia foram negativas, mostrando que o estado precisa urgentemente de políticas apropriadas para o desenvolvimento em níveis sustentáveis. No caso da Bahia, a grande desigualdade presente na região pode ser apontada como um dos principais motivos para o resultado do IDS ser baixo, pois muitos indicadores que contribuíram para esses números estão ligados a ela. Em relação ao agronegócio, é preciso desenvolver políticas voltadas para o aperfeiçoamento dessa atividade na região, através de facilitação de crédito para obtenção de máquinas que possam aumentar a produtividade, além de pesquisas que visem diminuir a poluição, contribuindo para o desaceleramento da degradação ambiental. Também recomenda-se a elaboração de cursos a fim de orientar produtores em relação a forma correta de utilizar as queimadas de novas áreas, além de uma melhor fiscalização da mesma. 6. Considerações finais O presente trabalho procurou avaliar o impacto do agronegócio sobre Índice de Desenvolvimento Sustentável para o estado da Bahia, a fim de mostrar a situação do estado, do ponto de vista sustentável, fornecendo informações relevantes para o planejamento de políticas que visem o melhoramento desses indicadores. Utilizou-se do Método do Painel de Sustentabilidade (Dashboard of Sustainability), que além de inovador, é pertinente ao objetivo do trabalho, justamente por integrar diferentes dimensões em sua análise.

17 Os resultados mostraram que os indicadores relacionados as atividades agrícolas do estado estão baixos, sendo necessário medidas de urgência, a fim de elevar o Índice de Desenvolvimento Sustentável (IDS) da Bahia. Foi possível com esse estudo identificar os principais problemas que causam esse resultado, sendo preciso a prática de políticas eficazes e direcionadas a esses baixos indicadores, como os indicadores agrícolas. Dessa forma concluise que o agronegócio impacta inversamente o Índice de Desenvolvimento Sustentável do Estado da Bahia quando se utiliza o Método do Painel de Sustentabilidade. É importante frisar que a Bahia possui um problema maior, que está relacionado as grandes disparidades da Região Nordeste, influenciando de forma direta no resultado negativo dos seus índices. Referências BENETTI, L. B. Avaliação do Índice de Desenvolvimento Sustentável (IDS) do município de Lages/SC através do método do Painel de Sustentabilidade BARBIERI, J. C. Desenvolvimento e meio ambiente: as estratégias de mudanças da Agenda CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM ECONOMIA APLICADA (2009). Disponível em: Acesso em 01/09/2013. CRUZ, A. C.; TEIXEIRA, E. C.; CASTRO, E. R. A importância do agronegócio no estado de Minas Gerais: uma análise insumo-produto. (2010). CLEMENTE, F.; GOMES, S. T. Impacto do Agronegócio sobre o Índice de Desenvolvimento Sustentável (IDS) do Estado de Minas Gerais. Dez, DECICINO, R. Desenvolvimento sustentável: Como surgiu esse conceito. Fev, HARDI, P.; JESINGHAUS, J. Dashboard of sustainability: indicator guidance ti the 21ST century. Paper prepared for the World Summit on Sustainable Development, HARDI, P.; SEMPLE, P. The dashboard os sustainability: from a metphor to na operational set of índices. Paper presented at the fifth Internacional Conference on Social Science Methodology, May, IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Indicadores de desenvolvimento sustentável INTERNATIONAL INSTITUTE FOR SUSTAINABLE DEVELOPMENT. The dashboard of sustainability. Winnipeg, 1999.

18 IPEADATA. Disponível em: Ultimo acesso em: 31/08/2013. JORNAL DA MÍDIA (2009). Disponível em htpp://www.jornaldamidia.com.br/noticias/2009/07/11/bahia/bahia_mantem_segundo_lugar_ na_pro.shtml. Acesso em 05/09/2013. LIMA, G. F. C. O debate da sustentabilidade na sociedade insustentável. Política e Trabalho, João Pessoa, n. 13, p , MAROUELLI, R. P. O desenvolvimento sustentável da agricultura no cerrado brasileiro SILVA, C. L.; MENDES, J. T. G. Reflexões sobre o desenvolvimento sustentável: agentes e interações sob a ótica multidisciplinar. Petrópoles: Vozes, SILVA, J. G. A nova dinâmica da agricultura brasileira

Impacto do agronegócio sobre o Índice de Desenvolvimento Sustentável (IDS) do Estado de Minas Gerais 1

Impacto do agronegócio sobre o Índice de Desenvolvimento Sustentável (IDS) do Estado de Minas Gerais 1 Impacto do agronegócio sobre o Índice de Desenvolvimento Sustentável (IDS) do Estado de Minas Gerais 1 Felippe Clemente 2 Sebastião Teixeira Gomes 3 Resumo A agricultura moderna do Estado de Minas Gerais

Leia mais

Indicadores Anefac dos países do G-20

Indicadores Anefac dos países do G-20 Indicadores Anefac dos países do G-20 O Indicador Anefac dos países do G-20 é um conjunto de resultantes de indicadores da ONU publicados pelos países: África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina,

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI Roland Anton Zottele 1, Friedhilde M. K. Manulescu 2 1, 2 Faculdade de Ciências

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 4 créditos 60 horas. 1. Barômetro de Sustentabilidade. 2. Exercícios.

Professor Antônio Ruas. 4 créditos 60 horas. 1. Barômetro de Sustentabilidade. 2. Exercícios. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO REGIONAL Professor Antônio Ruas 4 créditos 60 horas

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL BANCO DE DADOS REGIONAL. Eixo temático: Indicadores Sociais 1. Variável: IDESE

OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL BANCO DE DADOS REGIONAL. Eixo temático: Indicadores Sociais 1. Variável: IDESE OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL BANCO DE DADOS REGIONAL Eixo temático: Indicadores Sociais 1 Variável: IDESE O Idese (Índice de Desenvolvimento Sócio-Econômico) é um índice sintético, inspirado

Leia mais

INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL: SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA PARA A GESTÃO PÚBLICA

INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL: SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA PARA A GESTÃO PÚBLICA INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL: SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA PARA A GESTÃO PÚBLICA Silvio A. F. Cario Prof. dos Cursos de Graduação e Pós-Graduação em Economia e Administração da Universidade

Leia mais

Sistema de Gestão Estratégica

Sistema de Gestão Estratégica Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Índice de Desenvolvimento Sustentável Brasília, março de 2011 Índice de Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013. Por Roberto Vertamatti*

Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013. Por Roberto Vertamatti* Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013 Por Roberto Vertamatti* Brasil recua novamente para a 15ª posição por não melhorar índices de saúde, educação e renda e piorar em relação a pobreza e desigualdade

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Aliança / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,06% ao ano, passando de 37.188 para 37.415 habitantes.

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

Estudo Comparativo 1991-2000

Estudo Comparativo 1991-2000 Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Planejamento e Gestão Estratégica - SEMPLA Departamento de Estudos e Pesquisas Setor de Estatística e Informações DESENVOLVIMENTO HUMANO EM NATAL Estudo

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Primeiro Trimestre 2015 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE INDICADORES DEMOGRÁFICOS E SOCIAIS E ECONÔMICOS DO NORDESTE Verônica Maria Miranda Brasileiro Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

Tema: Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Professor: Jonathan Kreutzfeld

Tema: Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Professor: Jonathan Kreutzfeld Tema: Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Professor: Jonathan Kreutzfeld O que é IDH? O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é uma medida comparativa de renda, escolaridade e longevidade para os diversos

Leia mais

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG BRENO FURTADO LIMA 1, EDUARDO OLIVEIRA JORGE 2, FÁBIO CHAVES CLEMENTE 3, GUSTAVO ANDRADE GODOY 4, RAFAEL VILELA PEREIRA 5, ALENCAR SANTOS 6 E RÚBIA GOMES

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 Disciplina a profissão de Agroecólogo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º É requisito mínimo para o exercício da função profissional de Agroecólogo a comprovação

Leia mais

Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu. Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA

Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu. Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA RI XINGU PIB de R$ 2,7 bilhões, respondendo por 3% do total do estado. 57.149 empregos

Leia mais

Santa Catarina. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Santa Catarina (1991, 2000 e 2010)

Santa Catarina. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Santa Catarina (1991, 2000 e 2010) Santa Catarina Em 21, no estado de Santa Catarina (SC), moravam 6,3 milhões de pessoas, onde parcela relevante (6,9%, 43,7 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 293 municípios,

Leia mais

Perfil Municipal - Rio Bom (PR)

Perfil Municipal - Rio Bom (PR) Caracterização do Território Área: 177,4 km² u Densidade Demográfica: 20,0 hab/km² Altitude da Sede: 680 m Ano de Instalação: 1.964 Distância à Capital: 284,5 km Microrregião: Faxinal Mesorregião: Norte

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 José Cechin Superintendente Executivo Carina Martins Francine Leite Nos últimos meses, vários relatórios publicados por diferentes instituições

Leia mais

O ESPAÇO RURAL e a EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O ESPAÇO RURAL e a EDUCAÇÃO AMBIENTAL EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO MEIO RURAL O ESPAÇO RURAL e a EDUCAÇÃO AMBIENTAL Luciano Gebler, MSc TESTE DE NIVELAMENTO 1 - O MEIO RURAL É : A - REGIÃO ONDE É FEITO O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES AGRÍCOLAS; B

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro?

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro? População mundial Leia as manchetes abaixo: População mundial superará 9,2 bilhões em 2050, estima ONU BBC Brasil Casais ricos burlam lei do filho único na China BBC Brasil A população mundial atingiu

Leia mais

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R:

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R: Data: / /2014 Bimestre: 3 Nome: 6 ANO Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Atividade: 2,0 (Dois) Nota: GRUPO 6 1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CNPq/FAPERJ/CAPES ---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO COORDENAÇÃO LUIZ CÉSAR DE QUEIROZ RIBEIRO EQUIPE RESPONSÁVEL ANDRÉ RICARDO SALATA LYGIA GONÇALVES

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo.

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza sociedade: questões ambientais. Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. 2 CONTEÚDO

Leia mais

A Ampliação do Acesso à Comunicação, à Informação e ao Entretenimento nos Domicílios Cearenses

A Ampliação do Acesso à Comunicação, à Informação e ao Entretenimento nos Domicílios Cearenses Nº 82 dezembro 2014 A Ampliação do Acesso à Comunicação, à Informação e ao Entretenimento nos Domicílios Cearenses Uma Análise Comparativa com o Brasil e os Estados Nordestinos 2002-2013 GOVERNO DO ESTADO

Leia mais

TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO

TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO Teresina (PI), Setembro 2014 1 ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH-m) As informações deste estudo são extraídas do site do Programa das Nações Unidas - PNUD,

Leia mais

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa:

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: NOSSO PLANETA O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: Interações entre atmosfera, terra sólida, oceanos e a biosfera resultaram no desenvolvimento de uma grande e complexa variedade

Leia mais

Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S. Escola de Governo 22/09/2015

Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S. Escola de Governo 22/09/2015 Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S Escola de Governo 22/09/2015 Gerações dos Direitos Humanos 1ª Dimensão Direitos Civis e Políticos

Leia mais

I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L

I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L Salassier Bernardo, Ph.D. UENF Este trabalho aborda aspectos do impacto ambiental da irrigação, considerando seus efeitos sobre modificação do meio ambiente,

Leia mais

Painel 1: Agricultura e Segurança Alimentar e Nutricional

Painel 1: Agricultura e Segurança Alimentar e Nutricional Painel 1: Agricultura e Segurança Alimentar e Nutricional Relatora Elíria Alves Teixeira Engenheira Agrônoma, M.Sc. Coordenadora da Câmara Especializada de Agronomia CREA/GO Presidente do Colegiado de

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade

Indicadores de Sustentabilidade Indicadores de Sustentabilidade - A ONU e os países que possuem dados históricos e consolidados têm produzido indicadores de diversos tipos (saúde, educação, transporte, renda, produção nacional, etc.)

Leia mais

PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO

PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO Maria do Socorro dos Santos EEEFM José Soares de Carvalho socorrosantosgba@gmail.com Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

82,5% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água tratada

82,5% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água tratada Saneamento no Brasil Definição: Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), saneamento é o controle de todos os fatores do meio físico do homem que exercem ou podem exercer efeitos nocivos sobre o bem

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

Paraná. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Paraná (1991, 2000 e 2010)

Paraná. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Paraná (1991, 2000 e 2010) Paraná Em, no estado do Paraná (PR), moravam 1,4 milhões de pessoas, onde uma parcela considerável (7,5%, 786,6 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 399 municípios, dos quais 23

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Curso de Desenvolvimento. sustentável.

Curso de Desenvolvimento. sustentável. 50 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 17 Curso de Desenvolvimento Sustentável Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras proferidas sobre

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Indicadores sócio-econômicos. Campos Gerais. Paraná.

PALAVRAS-CHAVE Indicadores sócio-econômicos. Campos Gerais. Paraná. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

A queda da desigualdade e da pobreza no Brasil

A queda da desigualdade e da pobreza no Brasil 28 set 2006 Nº 14 A queda da desigualdade e da pobreza no Brasil Por Antonio Prado 1 Economista do BNDES O salário mínimo subiu 97% de 1995 a 2006, enquanto a concentração de renda diminuiu O desenvolvimento

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Flávio Luiz de Azevedo BRAYNER Paulo Gustavo Sabino RAMOS Patrícia Verônica de Azevedo BRAYNER Resumo: Atualmente a Tecnologia da Informação

Leia mais

Rio de Janeiro. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio de Janeiro (1991, 2000 e 2010)

Rio de Janeiro. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio de Janeiro (1991, 2000 e 2010) Rio de Janeiro Em, no estado do Rio de Janeiro (RJ), moravam 16 milhões de pessoas, onde 8,9% (1,4 milhões) tinham 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 92 municípios, dos quais sete (7,6%)

Leia mais

DO OUTRO, O AGRONEGÓCIO PRODUZ UM PAÍS CADA VEZ MAIS FORTE.

DO OUTRO, O AGRONEGÓCIO PRODUZ UM PAÍS CADA VEZ MAIS FORTE. PRODUTOR RURAL: fale com o gerente do seu banco e saiba como ter acesso aos créditos e benefícios do Plano Agrícola e Pecuário 2014/2015. DO OUTRO, O AGRONEGÓCIO PRODUZ UM PAÍS CADA VEZ MAIS FORTE. Para

Leia mais

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado pela ONU, parte do pressuposto de que para aferir o avanço de uma população não se deve considerar

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Sugestões de avaliação Geografia 7 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Complete o quadro com as características dos tipos de clima da região Nordeste. Tipo de clima Área de ocorrência Características

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década 1 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO PROFESSOR BAHIA TEXTO DE CULTURA GERAL FONTE: UOL COTIDIANO 24/09/2008 Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década Fabiana Uchinaka Do UOL Notícias

Leia mais

O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções

O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções Dionísio Costa Cruz Junior dionisiojunior@iquali.com.br (orientador) Ismael Fiuza Ramos maelfiuza@gmail.com

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO INTEGRADO DE SANEAMENTO BÁSICO E RESÍDUOS SÓLIDOS PRIORIDADE INSTITUCIONAL 4 EIXOS DE ATUAÇÃO ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das futuras gerações satisfazerem suas próprias

Leia mais

Os impactos ambientais de maior incidência no país

Os impactos ambientais de maior incidência no país Os impactos ambientais de maior incidência no país Segundo a Pesquisa de Informações Básicas Municipais Perfil dos Municípios Brasileiros/MUNIC 2008, realizada regularmente pelo Instituto Brasileiro de

Leia mais

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Apresentação A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 Fase 2 apresenta a visão do empresário do transporte

Leia mais

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes 1. Perguntas e Respostas para Todos os Públicos: 1.1. O que é posicionamento de marca e por que está sendo

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 I Resultados do mês (comparativo Agosto/2015 Agosto/2014)

Leia mais

HETEROGENEIDADE ESTRUTURAL NO SETOR DE SERVIÇOS BRASILEIRO

HETEROGENEIDADE ESTRUTURAL NO SETOR DE SERVIÇOS BRASILEIRO HETEROGENEIDADE ESTRUTURAL NO SETOR DE SERVIÇOS BRASILEIRO João Maria de Oliveira* 2 Alexandre Gervásio de Sousa* 1 INTRODUÇÃO O setor de serviços no Brasil ganhou importância nos últimos tempos. Sua taxa

Leia mais

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta MERCADO -Comportamento das principais cultivares plantadas no Brasil; -Situação da Safra 2009/2010;

Leia mais

Evolução demográfica 1950-2010

Evolução demográfica 1950-2010 Evolução demográfica 195-1 37 A estrutura etária da população brasileira em 1 reflete as mudanças ocorridas nos parâmetros demográficos a partir da segunda metade do século XX. Houve declínio rápido dos

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais