O Espaço da Sustentabilidade na Formação e na Pesquisa em Administração

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Espaço da Sustentabilidade na Formação e na Pesquisa em Administração"

Transcrição

1 O Espaço da Sustentabilidade na Formação e na Pesquisa em Administração ALEXANDRE SETTE ABRANTES FIORAVANTE Universidade Estadual de Campinas MAGNUS LUIZ EMMENDOERFER Universidade Federal de Viçosa GUSTAVO BONIN GAVA Universidade Estadual de Campinas

2 O Espaço da Sustentabilidade na Formação e na Pesquisa em Administração Resumo O objetivo é analisar o potencial e o alcance do uso de Indicadores de Sustentabilidade enquanto instrumentos de monitoramento e avaliação para a formação e pesquisa em administração por meio da apresentação de um dos métodos de identificação do nível de sustentabilidade, denominado, Painel de Sustentabilidade. Espera-se assim estimular reflexões sobre a inserção do tema da sustentabilidade no ensino superior, especificamente na discussão sobre a inclusão do tema no ensino da administração, cujo alvo é a formação de líderes, administradores, gestores e tomadores de decisão, possibilitando desenvolver perspectivas futuras que vão além dos olhares econômicos, do lucro e da competitividade. Observou-se neste trabalho que o espaço da sustentabilidade na formação em administração, na educação superior formal, é ainda incipiente, e que a inserção da temática da sustentabilidade nas suas mais diversas dimensões na formação e na pesquisa em administração é essencial, haja vista, a necessidade cada vez maior de perfil para lidar com problemas oriundos de um ambiente cada vez mais globalizado. Em função disto, destaca-se que o método do Painel de Sustentabilidade pode representar uma ferramenta com potencial para contribuir na formação, nas pesquisas, e na extensão universitária na área de administração. Palavras chave: Sustentabilidade; Administração; Ensino e Pesquisa; Indicadores Abstract The Space of Sustainability in Education and Research in Administration The main objective of this article is to analyze the potentialities in using the Indicators of Sustainability as an tool that can helps to monitor and to evaluate in connection with the formation and researches in the Administration field by the presentation of one of the methods that aims to identify the level of sustainability, called as The Dashboard of Sustainability. In this sense its expect with this article, to stimulate and to promote reflexions about the insertion of this theme in the administrators superior formation, specially in what concerns the discussions about the insertion of this theme in the administration teaching, which aims to form managers, policy makers and decision takers, enabling to develop future perspectives which goes beyond the strict economic vision, guided by the profits and the competitivity. As result, it was observed that the space of sustainability in the administrators formation, in higher education, is still incipient and that the insertion of the sustainability theme in its various dimensions in the formation and management research is essential, once that we face the increasing need a profile that can be able to deal with problems arising from an increasingly globalized environment. Because of this, it is highlighted that the method of Dashboard of Sustainability may represent a tool with the potential to contribute to the education, in researches, and university extension in the administration area. Key Words: Sustainability, Administration, Teaching and Research, Indicators

3 1. INTRODUÇÃO Muito tem-se falado em ecologia, meio ambiente, desenvolvimento sustentável, relação homem-natureza e relação empresa natureza. Estes assuntos estão tomando dimensões consideráveis, porque o ser humano está percebendo que a sua existência está sendo ameaçada pelo descontrole e abuso da exploração das fontes naturais de recursos. No final do século XX, os conceitos de desenvolvimento sustentável e da sustentabilidade surgem articulando ideias que buscam reduzir os efeitos negativos do atual processo de produção, a partir da necessidade de uma nova concepção de desenvolvimento de forma equilibrada e equitativa, sem que sejam comprometidas as possibilidades das gerações futuras atenderem às suas próprias necessidades. Para Silva e Mendes (2005) os dilemas colocados pelo acúmulo de evidências empíricas sobre os limites do crescimento material em nível biosférico vêm mobilizando de forma gradativa a atenção de comunidades científicas, de tomadores de decisão e setores organizados da sociedade civil no mundo todo. Neste caminho Bittencourt (2006), ressalta que ao se pensar em desenvolvimento sustentável não se pode pensar apenas em cumprir as leis ambientais de um país, estado ou município, o tema é transdisciplinar e vai muito além da esfera ambiental, e por isso não é tão simples. Assim, a ideia de desenvolvimento sustentável deve ser entendida como a realização progressiva e equilibrada do desenvolvimento econômico sustentando, e ainda a melhoria da equidade social e da sustentabilidade ambiental (LUXEM e BRYLD, 1997). Segundo o Instituto Ethos (2002, p. 9), a sustentabilidade só pode ser alcançada por meio de um equilíbrio nas complexas relações atuais entre necessidades econômicas, ambientais e sociais que não comprometa o desenvolvimento futuro. Para tanto, os indicadores de desenvolvimento sustentável mostram-se como instrumentos essenciais para guiar e subsidiar o acompanhamento e a avaliação de um progresso voltado ao futuro, e também uma importante ferramenta que possibilita compreender a complexidade e os movimentos de transformação dos sistemas urbanos, tornar a informação acessível à sociedade, prever os rumos do crescimento e nortear ações empreendedoras de desenvolvimento sustentável, bem como a tomada de decisão por parte de gestores e administradores públicos ou privados (BITTENCOURT, 2006). É importante ampliar a discussão do tema nos mais diversos espaços, facilitando o entendimento, numa linguagem simples onde toda população possa entender e se comprometer a novas atitudes que precisem ser desenvolvidas, novos hábitos que precisam ser adquiridos e novos saberes que precisam ser aprendidos e construídos coletivamente (TELLES, 2011). Recentemente algumas das discussões sobre sustentabilidade giram em torno da inserção dos valores e práticas sustentáveis no ensino, seja no nível básico, superior

4 ou mesmo na formação específica de pesquisadores, nos mais diversos campos e áreas de atuação e envolvendo diferentes esferas (social, econômica, ambiental e cultural). Para Telles (2011), sustentabilidade é um tema complexo e deve ser abordado de forma ampla. Os aspectos econômicos, sociais e ambientais de todos envolvidos precisam ser considerados, pelos países desenvolvidos e dos em desenvolvimento. Inserir sustentabilidade na formação dos administradores ou como pauta de pesquisas neste campo, não é uma tarefa simples por vários motivos, como por exemplo, pelo legado recebido da revolução industrial, do modelo capitalista que prioriza o lucro e o consumo, independente dos métodos insustentáveis adotados nos ciclos produtivos empresariais, pela cultura do egoísmo e do individualismo e pelos resquícios da ditadura que ainda influenciam e distanciam parte da sociedade. Em termos de instrumentos que poderiam auxiliar não só na formação e pesquisa em administração, mas também no exercício prático da sustentabilidade, os Indicadores de Sustentabilidade podem promover um melhor acompanhamento das variantes socioeconômicas e ambientais, de maneira integrada, no ambiente público ou privado, e não somente relacionado às questões específicas do meio ambiente, como muito tem se visto. Dessa forma a elaboração de índices de desenvolvimento sustentável, baseados em indicadores de diferentes áreas, pode ser visto como um instrumento que busca simplificar, analisar e quantificar informações técnicas, orientando a gestão e o planejamento de políticas e ações que podem vir a ser desenvolvidas (BENETTI, 2006). Inserido neste contexto, este artigo objetiva analisar o potencial e o alcance do uso de Indicadores de Sustentabilidade enquanto instrumentos de monitoramento e avalição para a formação e pesquisa em administração pública por meio da apresentação de um dos métodos de identificação do nível de sustentabilidade, denominado, Painel de Sustentabilidade, conhecido também como Dashboard of sustainability DS. Espera-se com isso estimular reflexões sobre a inserção do tema da sustentabilidade no ensino superior, especificamente na discussão sobre a inclusão do tema no ensino da administração, cujo alvo é a formação de líderes, administradores, gestores e tomadores de decisão, para que possam ser desenvolvidas perspectivas futuras que vão muito além dos olhares econômicos, do lucro e do espírito competitivo. Discutir sustentabilidade e desenvolvimento sustentável na formação e pesquisa em administração é trabalhar para que o indivíduo entenda que sustentabilidade, além de ser um valor básico da sociedade contemporânea, seja percebida como um elemento chave no processo de decisão do administrador, incorporando novos desafios para a gestão organizacional, formulação de políticas públicas, tomada decisão dentre tantas outras ações. Discutir sustentabilidade é pensar de forma sistêmica em como as organizações dependem das pessoas e do meio ambiente e do seu entorno como um todo para desenvolver. Dentre os diversos aspectos favoráveis à introdução de conteúdos relacionados à elaboração e análise de indicadores e índices de sustentabilidade para a formação e pesquisa em administração pública, pode-se destacar dois aspectos. O primeiro é fornecer informações que busquem subsidiar o processo decisório das políticas públicas para estados e municípios, reduzindo o grau de incerteza nesse processo. Segundo, prover um panorama geral para regiões quanto às dimensões: social, econômica, ambiental e institucional, permitindo, assim, uma análise mais específica sobre a avaliação de sustentabilidade nessas dimensões. E neste caminho, em se tratando de indicadores, Sato (2005) ressalta que um bom indicador além de transmitir informações relevantes e coerentes a respeito da sustentabilidade, também deve ser capaz de alertar para um problema antes que este se agrave, isto é, de atuar com proatividade, pois assim é concedido um tempo mínimo para mudar a trajetória do problema.

5 Os indicadores são uma importante ferramenta que possibilitam compreender a complexidade e os movimentos de transformação das regiões, tornar a informação acessível à sociedade, prevendo os rumos do crescimento e norteando ações empreendedoras, favorecendo, assim, o planejamento regional e de municípios envolvidos, uma vez que possuem embasamento científico e empírico capaz de fornecer informações sobre potencialidades e vulnerabilidades, itens indispensáveis na elaboração de políticas públicas em busca da sustentabilidade. 2. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS A metodologia de pesquisa seguiu um caminho qualitativo. Para atender ao objetivo deste estudo, realizou-se uma pesquisa exploratória, cujo universo compreendeu a área de sustentabilidade explorando o uso de indicadores e índices de sustentabilidade, no caso desta pesquisa, explorou-se especificamente o Método do Painel de Sustentabilidade, os indicadores que o compõem e a forma de construção do seu índice. Foram coletados dados secundários obtidos por meio de pesquisa bibliográfica em livros, periódicos e demais publicações que revelam o potencial deste tipo de instrumento para a formação do administrador público, bem como a contribuição para o exercício de práticas de gestão e formulação de políticas públicas. Realizou-se também pesquisa documental, (leis, normas, convenções, pesquisas nacionais de ordens de classe) realizada por meio de pesquisa virtual de documentos, focada na Pesquisa Nacional do Sistema CFA/CRAs (2011). Para este trabalho, a análise qualitativa foi essencial, por se tratar de um tema novo (sustentabilidade no espaço de formação do administrador), e de acordo com Neves (1996), um tema pouco explorado na literatura e a intenção de entender na totalidade um fenômeno, o que não é simples, são fatores que tornam propício o emprego de métodos qualitativos. Segundo a tipologia apresentada por Vergara (2005), esta pesquisa pode ser classificada segundo dois aspectos: quanto aos fins e aos meios. Quanto aos fins como descritiva uma vez que esta irá apresentar e caracterizar o método do Painel de Sustentabilidade - Dashboard of Sustainability, bem como suas potencialidades, aplicações e vantagens em relação a outros índices no contexto da administração pública e gestão social. Quanto aos meios a pesquisa é caracterizada como sendo uma análise bibliográfica e documental, utilizando sistemas informatizados de busca de documentos - recurso que facilita, mas também dificulta, a sua execução. 3. O CONCEITO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E INDICADORES DE MENSURAÇÃO DE SUSTENTABILIDADE O termo desenvolvimento sustentável possui diversas definições, a apresentada por Barbieri (1997), é interessante, por abarcar as diversas dimensões contidas neste processo. Para referido autor a questão do desenvolvimento sustentável deve ser entendida como uma nova forma de conceber as soluções para os problemas que tem solapado o mundo, não olhando apenas para o aspecto ecológico, mas contemplando outras dimensões como: social, política, cultura, desigualdade e pobreza. Neste contexto Figueiró (2001) destaca dois pontos importantes, o primeiro está ligado à questão de necessidade, cuja prioridade é fundamental, principalmente aquelas centradas nas necessidades essenciais para os homens. E segundo trata-se das limitações impostas ao meio ambiente pela tecnologia e pela organização social, fatores estes que impedem que as necessidades sejam atendidas. O conceito de desenvolvimento sustentável envolve a questão temporal, a sustentabilidade de um sistema só pode ser observada a partir da perspectiva futura, de ameaças e oportunidades. Assim, o conceito de desenvolvimento sustentável deve ser

6 dinâmico. A sociedade e o meio ambiente sofrem mudanças contínuas, as tecnologias, culturas, valores e aspirações se modificam constantemente e uma sociedade sustentável deve permitir e sustentar essas modificações. O resultado dessa constante adaptação do sistema não pode ser previsto, pois é consequência de um processo evolucionário (BOSSEL, 1999, apud BELLEN, 2005: 27-29). Nesse sentido, pesquisadores das mais diversas áreas passaram a estudar meios de crescimento das economias de forma sustentável, pensando numa maneira de quantificar e acompanhar essa sustentabilidade. Munasinghe (1995), por exemplo, procurou resumir a sustentabilidade por meio da obtenção de um grupo de indicadores que sejam referentes ao bem-estar e que possam ser mantidos ou que cresçam no tempo. Silva e Mendes (2005), mostram o surgimento de modelos ou indicadores mentais mesclados a fim de se otimizarem os estudos e avaliações do processo de desenvolvimento sustentável de um determinado local, segundo dimensões diferentes (social, ambiental, econômica, espacial e cultural), mas interdependentes. Neste contexto, em termos de instrumentos que promovam o melhor acompanhamento das variantes socioeconômicas e ambientais, de maneira integrada, o que se tem presenciado, atualmente, é a constante elaboração e análise de indicadores relativos às questões relacionadas ao meio ambiente. Conforme exposto por Benetti (2006), a Agenda 21 Global sugere o uso de indicadores que considerem a avaliação de diferentes parâmetros setoriais, para então, ter uma base sólida para a tomada de decisões, contribuindo para uma sustentabilidade autorregulada dos sistemas integrados de meio ambiente e desenvolvimento. Dessa forma a elaboração de um índice de desenvolvimento sustentável pode ser visto como um instrumento que busca simplificar, analisar e quantificar informações técnicas, orientando a gestão e o planejamento de políticas e ações que podem vir a serem desenvolvidas (BENETTI, 2006). Segundo Bellen (2003), existe uma série de ferramentas ou sistemas que procuram avaliar o grau de sustentabilidade do desenvolvimento, porém não se conhecem adequadamente as características teóricas e práticas destas ferramentas. Os processos de gestão precisam de mensuração. A gestão de atividades e o processo decisório necessitam de novas maneiras de medir o progresso e os indicadores são uma importante ferramenta nesse processo. Medições são indispensáveis para que o conceito de desenvolvimento sustentável se torne operacional. Elas podem ajudar aos tomadores de decisão e o púbico em geral a definir os objetivos e as metas do desenvolvimento e permitir a avaliação do desenvolvimento na medida em que alcance ou se aproxime destas metas (BELLEN, 2005). A mensuração também auxilia na escolha entre alternativas políticas e na correção da direção política, em alguns casos, em resposta a uma realidade dinâmica. As medidas fornecem uma base empírica e quantitativa de avaliação da performance e permitem comparações no tempo e no espaço, proporcionando oportunidades para descobrir novas correlações. Para Meadows (1998) apud Bellen (2005), bons indicadores devem possuir algumas características como: Devem ser claros nos valores, não são desejáveis incertezas nas direções que são consideradas corretas ou incorretas. Devem ser claros em seu conteúdo, devem ser entendíveis, com unidades que façam sentido. Devem ser suficientemente elaborados para impulsionar a ação política. Devem ser relevantes politicamente, para todos os atores sociais, mesmo para aqueles menos numerosos. Devem ser condutores, ou seja, devem fornecer informações que conduzem à ação, e ainda devem ser provocativos, levando à discussão, ao aprendizado e à mudança.

7 Todas essas características acima tendem a potencializar as ações que buscam o aumento do protagonismo dos atores locais, isto é, que podem contribuir para o aumento do nível de percepção social sobre a realidade local e oferecer informações que orientem na tomada de decisões e na formulação de políticas públicas, possibilitando assim a avaliação constante de todo o processo de desenvolvimento. Os indicadores funcionam como um guia para a agenda de formulação de políticas públicas, são um direcionador para as ações de um gestor, pois são capazes de mostrar os pontos críticos nas diferentes esferas sociais. Portanto a inserção de conteúdos relacionados a sustentabilidade na formação dos futuros gestores, administradores públicos e chefes de empresas tendem a contribuir para construção de valores, cultura e soluções criativa inovadoras no caminho da sustentabilidade. 4. O DASHBOARD OF SUSTAINABILITY (DS) FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA E EMPÍRICA O método DS (ou Painel de Sustentabilidade) é um índice agregado de vários indicadores de desempenho econômico, social, institucional e ambiental que mostra, visualmente, os avanços dos países em direção à sustentabilidade, utilizando a metáfora de um painel de veículo. De acordo com Louette (2009), o índice foi desenvolvido pelo Consultative Group on Sustainable Development Indicators, uma equipe internacional de especialistas em sustentabilidade coordenada pelo Instituto de Desenvolvimento Sustentável (ISD), do Canadá. Segundo Bellen (2003), as pesquisas sobre o Dashboard of Sustainability se iniciaram na segunda metade dos anos noventa no intuito de encontrar uma ferramenta robusta de indicadores de sustentabilidade que fosse aceita internacionalmente e que fosse capaz de responder à necessidade de harmonizar os trabalhos internacionais em indicadores de sustentabilidade e com foco nos desafios teóricos de criar um sistema simples, mas que ao mesmo tempo representasse a complexidade da realidade. Para Bellen (2005), por integrar os melhores insights científicos com as necessidades práticas dos tomadores de decisão, e por ter um escopo mais completo, o resultado obtido é uma apresentação atrativa e concisa da realidade que pode chamar a atenção do público-alvo. A ferramenta DS deve ser usada para a comparação entre nações, mas também pode ser aplicada para índices urbanos e regionais. De acordo com Benetti (2006), O Método do Painel de Sustentabilidade é um software obtido pela Internet na página Esse software, quando inserido no sistema computacional local, cria uma pasta chamada DB_CIRCS, que contém as informações e os arquivos necessários para que se possa utilizar o software. O método emprega o programa Excel para ajudar na tabulação dos dados. Após a inserção dos dados o pesquisador aplica o modelo e obtém os resultados. Este instrumento possibilita ainda ao pesquisador inserir ou retirar indicadores, conforme o objetivo pretendido. A estrutura do indicador inclui (HARDI e JESINGHAUS, 2002 apud Benetti 2006): 1) Dimensão Social: saúde, segurança, educação, habitação e população; 2) Dimensão Econômica: estrutura e padrões de consumo e de produção, custos; e 3) Dimensão Ambiental: solo, ar, águas e biodiversidade. O Painel de Sustentabilidade é constituído de um painel visual com 4 mostradores (cada um representa uma dimensão da sustentabilidade), que correspondem a 4 blocos ou grupos (clusters) que medem o nível de bem-estar da nação, o ambiente, o padrão institucional e a economia, marcados da seguinte maneira: qualidade ambiental, saúde

8 social, performance econômica e performance institucional (HARDI e SEMPLE, 2000). A figura 1 mostra a representação gráfica do Painel de Sustentabilidade. Figura 1. Gráfico de IISD representando o Painel de Sustentabilidade Fonte: BENETTI, L. B. Avaliação do Índice de Desenvolvimento Sustentável (IDS) do município de Lages/SC através do método do Painel de Sustentabilidade. Tese de Doutorado em Engenharia Ambiental, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, 2006, 215p. Cada indicador possui um ponteiro que reflete o valor atual do desempenho do sistema. Abaixo de cada indicador há uma luz de alerta que é disparada quando há uma extrapolação dos níveis limites ou ocorre uma mudança muito rápida no sistema. O estado geral do sistema é refletido num indicador de status composto em separado, marcado como Sustentabilidade Geral ou o Índice de Desenvolvimento Sustentável (HARDI e SEMPLE, 2000). Para cada uma das dimensões, um índice agregado deve incluir medidas de estado, do fluxo e dos processos relacionados, incluindo respostas de comparação e manejo. Para cada um dos 4 mostradores existem vários indicadores agregados, o que levou os autores, preliminarmente, a decidirem quais indicadores seriam utilizados dentro de cada mostrador. As informações obtidas dentro de cada mostrador podem ser apresentadas na forma de um índice. E o cálculo de valores agregados é um método normalmente utilizado para a construção de índices (HARDI e SEMPLE, 2000 apud BENETTI 2006). Deve-se incluir para cada um dos indicadores medidas de estado, do fluxo e dos processos relacionados, incluindo respostas de comparação e manejo. No método, todos os indicadores, dentro de cada um dos mostradores, possuem peso igual, devendo gerar um índice geral de sustentabilidade agregado (Sustainable Development Index). Os estoques ambientais podem ser representados pela capacidade ambiental, uma medida que inclui estoques de recursos naturais e tipos de ecossistemas por área e qualidade. A área plantada e o uso de fertilizantes e agrotóxicos podem ser utilizados para verificar o impacto do agronegócio no Índice de Desenvolvimento Sustentável (IDS) da região. O Produto Interno Bruto (PIB) pode medir o indicador econômico e o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH ou capital social pode ser utilizado para medir o indicador social (IISD, 1999). Para identificar o desempenho de cada indicador, dentro de cada dimensão, é adotada uma escala de nove cores, estas cores são definidas para cada indicador a partir da regressão linear simples dos dados entre dois valores extremos, o valor maior recebe 1000 (mil) pontos e o valor menor recebe pontuação 0 (zero). Por este motivo os indicadores das regiões devem

9 ser comparados com outros dois valores, um servindo de valor máximo (que receberá pontuação 1000) e outro servindo de valor mínimo (recebendo pontuação 0). O Método do Painel de Sustentabilidade já foi empregado em outros países no intuito de avaliar o índice de desenvolvimento sustentável em nível nacional e local, são exemplos: Milão, na Itália, onde o método foi empregado para dar suporte no planejamento territorial; no Canadá, nas províncias de Manitoba e também em Hannover (Alemanha) utilizou-se o método para ajudar nas políticas de gestão da água e, no Brasil, pode-se citar o estudo de Benetti (2006), que aplicou o método para avaliar o Índice de Desenvolvimento Sustentável para o município de Lages SC. 5. SUSTENTABILIDADE NA FORMAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO Em meio às diversas discussões conceituais sobre o tema, o ambiente do administrador, seja no ambiente formador de futuros administradores, ou em especial, no ambiente empresarial em sua grande maioria, parece persistir na manutenção de ações que garantam o cumprimento de suas metas e margens de lucros, através do poder decisório dos seus gestores, ainda que em prejuízo do meio ambiente (TELLES, 2011). Especificamente nos últimos quarenta anos a discussão sobre sustentabilidade tem conquistado espaço na agenda mundial. A atual conjuntura mundial revela a urgência de evoluir do universo das ideias para a formulação de políticas capazes de orientar ações contribui para que o tema integre a pauta de discussão das agências multilaterais, de governos, e demais organizações. No contexto dos cursos de formação de administradores, diversos cursos de administração passaram a incluir o tema da sustentabilidade em seus conteúdos programáticos. Porém, na maior parte destas iniciativas, observa-se a inclusão de disciplinas específicas relacionadas à ética empresarial e sustentabilidade. Isto acaba, dificultando o entendimento de que sustentabilidade é um elemento transversal, e por isso, essencial em todas as disciplinas e não apenas uma complementação de um conteúdo em seu processo formativo. A sustentabilidade, além de ser vista como um valor básico da sociedade contemporânea, seja percebida como um elemento essencial no processo de decisão do administrador, incorporando novos desafios para a gestão organizacional. Tudo isso possibilita estudar uma organização, seja ela pública ou privada, e analisar criticamente como a sustentabilidade está ou não incorporada nos processos de gestão organizacional. Todavia, o exercício do pensar, planejar e agir no caminho da sustentabilidade, não se restringindo aqui apenas à sustentabilidade no setor empresarial e na esfera ambiental, como já mencionado anteriormente, ainda esta muito a quem do que deveria estar sendo praticado no ensino e na pesquisa na área de administração. Este argumento é justificado por diversos motivos, que com base em documentos e dados de domínio público e no trabalho de Souza et al. (2011), serão abordados ao longo desta seção: 1. Em termos normativos, no campo do ensino, as diretrizes curriculares nacionais em administração de 2005 e posteriormente as de administração pública de 2010, não tratam do tema sustentabilidade na formação dos administradores contemporâneos (BRASIL, 2005; 2010), sendo um tema periférico e de cunho suplementar na formação profissional em administração;

10 2. As pesquisas em administração no Brasil sobre o tema sustentabilidade tem tido o seu debate predominantemente centrado no escopo ambiental, sendo as primeiras obras publicadas em 1993, ou seja, a menos de 20 anos (SOUZA et al. 2011); 3. Os resultados de pesquisas sobre sustentabilidade, produzidas por instituições de ensino superior no Brasil e que foram publicadas em eventos e periódicos qualificados em Administração pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES demonstram significativo crescimento desta produção a partir do ano 2000; 4. O tema sustentabilidade no âmbito da Associação Nacional de Cursos de Graduação em Administração ANGRAD, em especial, em seus encontros nacionais foi inserido em 2011, enquanto campo de pesquisa e de espaço para diálogo com professores e profissionais da área. Essas evidências revelam que é recente a discussão do tema sustentabilidade no âmbito da administração no Brasil, tanto no ensino quanto na pesquisa, embora esta última tenha mais tempo e resultados para a formação do que a primeira. Isso demonstra que há potencial para o tratamento deste do tema sustentabilidade, inclusive de forma indissociável, na formação e na pesquisa em Administração. A necessidade de gerar conhecimento e divulgar os respectivos resultados, somado à necessidade de contribuir para a formação de jovens com potencial de se mobilizar pelos princípios que norteiam reflexões e ações voltadas para a sustentabilidade nas mais diversas áreas do conhecimento, aproximou as instituições de educação superior do tema. Reconhecendo a centralidade dessa discussão para a área de Administração, o Sistema CFA/CRAs tem estimulado ações no sentido de valorizar o interesse pelo tema sustentabilidade, articulando esta temática com a questão da valorização das competências profissionais, a sustentabilidade das organizações e o desenvolvimento do país. O exercício do pensar, planejar e agir no caminho da sustentabilidade, não se restringindo aqui apenas à sustentabilidade na esfera ambiental, como já mencionado anteriormente, ainda esta muito a quem do que deveria estar sendo praticado no campo da administração. O olhar dos estudantes e dos profissionais e das pesquisas na área ainda está muito concentrado nas questões financeiras, de estratégia e recursos humanos. A Pesquisa Nacional do Sistema CFA/CRAs tem procurado analisar cenários e identificar tendências relacionadas à administração profissional no país, mediante a exploração de aspectos relativos ao perfil, à formação, à atuação e às perspectivas profissionais do administrador, e ressalta na sua 5 edição que a atuação do administrador no mercado de trabalho tem passado de uma visão generalista para assumir o papel de articulador e profissional com visão sistêmica de todo o processo de desenvolvimento, o que incorre consequentemente na incorporação de atitudes sustentáveis. O administrador seja no meio privado ou público, enquanto profissional que tem uma visão sistêmica da organização para exercer seu potencial de otimizar as diversas áreas de uma organização deve ser capaz de otimizar o uso de recursos e para isto deve ter acesso a ferramentas que o permitam identificar pontos críticos e alocar melhor os recursos de que dispõem. Neste sentido o ensino de conteúdos que direcionem para atitudes que resultem em práticas sustentáveis, o que pode ser viabilizado por meio do ensino e uso de metodologias de indicadores de sustentabilidade, como O Painel de Sustentabilidade, contribuiria direcionando tanto o pensar, mas também o planejar e o agir nas áreas mais críticas, seja na esfera social, ambiental, econômica ou institucional.

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: O

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: O IV Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade: Negócios Sociais e seus Desafios 24 e 25 de novembro de 2015 Campo Grande-MS Universidade Federal do Mato Grosso do Sul INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas.

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas. 1. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes que norteiem as ações das Empresas Eletrobras quanto à promoção do desenvolvimento sustentável, buscando equilibrar oportunidades de negócio com responsabilidade social,

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Empreendedorismo social Missão social Concebe a riqueza como meio para alcançar determinado fim.

Empreendedorismo social Missão social Concebe a riqueza como meio para alcançar determinado fim. Empreendedorismo privado geração de riquezas Empreendedorismo social Missão social Concebe a riqueza como meio para alcançar determinado fim. 1 Modelo de gestão com mais de 80 anos, originalmente relacionado

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

CURSO DE DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL

CURSO DE DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL CURSO DE DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL ELABORAÇÃO DOS PROJETOS PROFª: Daniele Dias de Oliveira Bertagnolli Mai/2012 PROJETO A palavra projeto (do latim projectu, particípio passado de projicere, lançar

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme RESPONSÁVEIS Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme - 3350-8628 - ajayme@pmc.curitiba.pr.gov.br - SEPLAN

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Presença nacional, reconhecimento mundial. Conheça a Fundação Dom Cabral Uma das melhores escolas de negócios do mundo, pelo ranking de educação executiva

Leia mais

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 Simone Machado Firme FURG 1 Karine Vargas Oliveira FURG 2 Michele Fernanda Silveira

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Engajamento com Partes Interessadas

Engajamento com Partes Interessadas Instituto Votorantim Engajamento com Partes Interessadas Eixo temático Comunidade e Sociedade Principal objetivo da prática Apoiar o desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento com as partes interessadas,

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

EDITAL CHAMADA DE CASOS

EDITAL CHAMADA DE CASOS EDITAL CHAMADA DE CASOS INICIATIVAS INOVADORAS EM MONITORAMENTO DO DESENVOLVIMENTO LOCAL E AVALIAÇÃO DE IMPACTO O Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (GVces) e as empresas

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011.

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011. 1 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA Araras, maio de 2011. Fernando da Silva Pereira Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS SP fernandosilper@uniararas.br

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS I Mostra de Iniciação Científica I MIC 23 e 24 de setembro de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Turismo responsável: uma alternativa ao turismo sustentável?. 1

Turismo responsável: uma alternativa ao turismo sustentável?. 1 1 Turismo responsável: uma alternativa ao turismo sustentável?. 1 Sérgio Domingos de Oliveira, Docente Dr;. 2 Rosislene de Fátima Fontana, Docente Msc. 3 Universidade Estadual Paulista. Unidade de Rosana,

Leia mais

educação ambiental: estamos caminhando... EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTAMOS CAMINHANDO...

educação ambiental: estamos caminhando... EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTAMOS CAMINHANDO... EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTAMOS CAMINHANDO... RAQUEL DA SILVA PEREIRA raquelspereira@uol.com.br universidade municipal de são caetano do sul O livro escrito pelos professores e pesquisadores José Carlos Barbieri

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional CASO PRÁTICO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE TALENTOS: COMO A GESTÃO DA CULTURA, DO CLIMA E DAS COMPETÊNCIAS CONTRIBUI PARA UM AMBIENTE PROPÍCIO À RETENÇÃO DE TALENTOS CASO PRÁTICO: COMPORTAMENTO

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

EMPRESA JÚNIOR UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE UNIVERSIDADE E SOCIEDADE EMPRESARIAL 1

EMPRESA JÚNIOR UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE UNIVERSIDADE E SOCIEDADE EMPRESARIAL 1 EMPRESA JÚNIOR UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE UNIVERSIDADE E SOCIEDADE EMPRESARIAL 1 PACHECO, Jean Alves 2 ; CARDOSO, Fernando Assunção 3 ; YAMANAKA, Lie 4 Palavras-chaves: Empresa Júnior, extensão,

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociologia da saúde 30 h Módulo II Economia da saúde 30 h Módulo III Legislação em saúde 30 h

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE MOVE 2015 AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE II CONGRESSO TODOS JUNTOS CONTRA O CANCER MOVE 2015 PRINCIPAIS MENSAGENS 01 AVALIAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA GARANTIR A QUALIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo ou quaisquer partes do documento, em

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA

Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA Comissão Nacional de Energia Nuclear Instituto de Engenharia Nuclear Ministério da Ciência e Tecnologia Responsável: Isaac José Obadia - Coordenador-Geral

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais