Graduação em Administração

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Graduação em Administração"

Transcrição

1 Graduação em Administração Disciplina: Gestão da Inovação Aula 2 Surgimento da inovação relacionada à ciência São José dos Campos, abril de 2011

2 Inovações da Segunda Revolução Industrial Aprimoramento da tecnologia da máquina a vapor e sua ampla difusão na indústria e nos transportes Desenvolvimento da tecnologia do aço Inovações se espalham na Europa continental e nos Estados Unidos Fonte: Tigre, (2006) 2

3 Tecelagem movida a vapor em Lancastershire Fonte: Tigre, (2006) 3

4 Boom ferroviário da Segunda Revolução Industrial Fonte: Tigre, (2006) 4

5 O Brasil entra na era ferroviária relativamente cedo Em 1854, João Evangelista de Souza, o Barão de Mauá, inaugura a primeira ferrovia brasileira ligando o Porto de Mauá, na baía de Guanabara, com a raiz da serra de Petrópolis Fonte: Tigre, (2006) 5

6 Estação da Estrada de Ferro Mauá a Raiz da Serra O trajeto servia para a ligação com a região pioneira na produção de café (Vale do Paraíba) e era utilizado pelo Imperador Pedro II para suas idas a Petrópolis Fonte: Tigre, (2006) 6

7 O processo Bessemer de fabricação de aço Primeiro processo industrial de baixo custo para produção em massa de aço a partir de ferro gusa derretido O processo foi patenteado em 1855 por Henry Bessemer tendo sido desenvolvido a partir de conhecimentos práticos conhecidos na China desde o século III O princípio-chave é a remoção das impurezas do ferro pela oxidação obtida por meio da injeção de ar no ferro derretido. A oxidação também aumenta a temperatura da massa de ferro e o mantêm derretido Fonte: Tigre, (2006) 7

8 Tecnologia e o crescimento econômico A ciência básica teria como objetivo apenas o conhecimento científico, sem nenhuma finalidade prática e esse conhecimento seria, em outro momento e, provavelmente por outro cientista, usado na pesquisa aplicada, ou seja, ganharia um objetivo prático, visando à criação de um produto ou processo básico Após a pesquisa aplicada, viria a fase de desenvolvimento do produto ou processo, para que, aí sim, fosse lançado no mercado 8

9 Tecnologia e o crescimento econômico Básica Aplicada 9

10 Forma estática unidimensional Pesquisa básica Pesquisa aplicada Desenvolvimento Produção e operações 10

11 Fim da Guerra Fria A pesquisa básica perdeu importância para a pesquisa aplicada, em virtude de se necessitar de algo mais sólido para convencer a sociedade e os líderes políticos da viabilidade de investimentos públicos em pesquisa Especialmente após o final da Guerra Fria, os gastos direcionados a pesquisas para o setor militar também perdem força perante a sociedade Assim, a destinação de recursos governamentais para a ciência básica passou a ser questionada, inclusive pela própria sociedade norteamericana 11

12 Modelo de quadrantes Donald E. Stokes considera que a natureza das pesquisas não pode ser definida por um eixo cartesiano unidimensional, propondo uma análise através de um modelo composto por quadrantes 12

13 Modelo de quadrantes Considerações de uso Não Sim Busca de entendimento fundamental? Sim Pesquisa básica pura Bohr Pesquisa básica inspirada pelo uso Pasteur Não Pesquisa aplicada pura Edison 13

14 Os quadrantes O quadrante que leva o nome do físico Niels Bohr representa a pesquisa destinada ao avanço do conhecimento, sem nenhuma finalidade prática, como foi o desenvolvimento do modelo atômico pelo referido cientista O quadrante de Thomas Edison representa o extremo oposto, ou seja, a pesquisa aplicada visando o desenvolvimento tecnológico sem ter que passar, necessariamente, pela compreensão plena dos fenômenos, como foi o caso da invenção da lâmpada No quadrante de Pasteur estão as pesquisas que contribuem para o avanço do conhecimento e ao mesmo tempo possuem relevante aplicabilidade prática. As pesquisas de Louis Pasteur na área da microbiologia, que ampliaram os conhecimentos sobre a fermentação e contribuíram para a produção de álcool de beterraba, são o exemplo clássico do quadrante 14

15 Quadrante vazio Pesquisas que exploram sistematicamente fenômenos particulares sem ter em vista nem objetivos explanatórios gerais nem qualquer utilização prática à qual se destinam seus resultados Exemplos: Pesquisa sobre as características físicas e as áreas de incidência das espécies que apareceram no Peterson s Guide of the Birds of North America Catálogo de aeronaves Jane s: All the World s Aircraft Prova de que temos duas dimensões conceituais e não apenas uma versão mais elegante do espectro pesquisa básica-aplicada tradicional 15

16 Modelo dinâmico revisado 16

Locomotivas. Gilberto Felipe Pinho

Locomotivas. Gilberto Felipe Pinho Agenda Motivação Introdução Classificação a Vapor Diesel Elétricas Outros tipos Transporte Ferroviário no Brasil 2 Motivação Visita à América Latina Logística; 3 Introdução O que é uma locomotiva? 4 Comparativo

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração. Professor Maurício Teixeira

Antecedentes Históricos da Administração. Professor Maurício Teixeira Antecedentes Históricos da Administração Professor Maurício Teixeira Abordagens Mostrar a história Incipiente preocupação com a Administração na antiguidade Influencias da Administração Filosóficas Da

Leia mais

1º PERÍODO. Carga Horária e Creditação. Total (50') Física I 80 66, Laboratório de Física I 40 33,

1º PERÍODO. Carga Horária e Creditação. Total (50') Física I 80 66, Laboratório de Física I 40 33, 1º PERÍODO Física I 80 66,67 4 4 0 Laboratório de Física I 40 33,33 2 1 1 Laboratório de Computação 40 33,33 2 0 2 Introdução a Engenharia de Produção 60 50 3 3 0 Geometria Analítica 60 50 3 3 0 Química

Leia mais

BREVE HISTÓRICO SOBRE INCUBADORAS

BREVE HISTÓRICO SOBRE INCUBADORAS BREVE HISTÓRICO SOBRE INCUBADORAS As primeiras incubadoras de empresas surgiram no Brasil na década de 80 e desde então, o número de incubadoras vem crescendo sensivelmente. Em 1982, foi fundado sob a

Leia mais

A Segunda Revolução Industrial

A Segunda Revolução Industrial A Segunda Revolução Industrial Aula 44 As novas tecnologias A Segunda Revolução Industrial atingiu vários países do mundo e deu início à era dos oligopólios e do Capitalismo Financeiro. A expansão da Revolução

Leia mais

HISTÓRIA 2 ANO PROF. AMAURY PIO PROF. EDUARDO GOMES ENSINO MÉDIO

HISTÓRIA 2 ANO PROF. AMAURY PIO PROF. EDUARDO GOMES ENSINO MÉDIO HISTÓRIA 2 ANO PROF. AMAURY PIO PROF. EDUARDO GOMES ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade III Ocupação, Luta e Resistência 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 12.1 Conteúdos Revolução Industrial Inglesa

Leia mais

A função de ligar a produção ao consumo; A evolução do sistema de transporte está associada às mudanças econômicas do Brasil;

A função de ligar a produção ao consumo; A evolução do sistema de transporte está associada às mudanças econômicas do Brasil; Geografia A dimensão territorial do país; A função de ligar a produção ao consumo; A evolução do sistema de transporte está associada às mudanças econômicas do Brasil; Segunda metade do século XX: contradição

Leia mais

Plano Didático Pedagógico Unidade I Conteúdos

Plano Didático Pedagógico Unidade I Conteúdos CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA I Plano Didático Pedagógico Unidade I Conteúdos Industrialização e Imperialismo Heranças africanas A Primeira Guerra Mundial A Revolução Russa

Leia mais

Revolução Industrial I e II

Revolução Industrial I e II HISTÓRIA ORIGEM PIONERISMO INGLÊS CURIOSIDADES INVEÇÕES ENTRE OUTROS RELAÇÕES DE TRABALHO Revolução Industrial I e II Editoras/Grupo: Ana Clara, Kaline, Maria Bheatriz Sumário Pagina 3- O que foi a Revolução

Leia mais

O golpe nada mais foi que a antecipação da maioridade de D. Pedro II, que contava então com um pouco mais de 14 anos.

O golpe nada mais foi que a antecipação da maioridade de D. Pedro II, que contava então com um pouco mais de 14 anos. GOLPE DA MAIORIDADE Desde 1838, estava claro tanto para os LIBERAIS, quanto para os CONSERVADORES que somente a monarquia plena poderia levar o país a superar a sua instabilidade política. O golpe nada

Leia mais

Módulos 11 e 12: O modo de produção industrial e A indústria brasileira

Módulos 11 e 12: O modo de produção industrial e A indústria brasileira Módulos 11 e 12: O modo de produção industrial e A indústria brasileira Artesanato é essencialmente o próprio trabalho manual ou produção de um artesão (de artesão + ato). Manufatura é um sistema de fabricação

Leia mais

Atendimento. Curso de ATENDIMENTO. 1 Aula. Item 1 - Introdução

Atendimento. Curso de ATENDIMENTO. 1 Aula. Item 1 - Introdução Atendimento Atendimento Curso de ATENDIMENTO Item 1 - Introdução 1 Aula Atendimento Curso de ATENDIMENTO Item 1 - Introdução Item 2 - Marketing Atendimento Curso de ATENDIMENTO Item 1 - Introdução Item

Leia mais

SEGUNDO REINADO ( )

SEGUNDO REINADO ( ) SEGUNDO REINADO historiaula.wordpress.com (1840 1889) 2ª. Parte A fórmula do sucesso... Foi um atributo: 1º. Do aumento da demanda pelo café nos mercados dos Estados Unidos da América do Norte e da Europa;

Leia mais

Segundo Reinado 2ª Fase e Crise. Prof. Thiago Aula 07 Frente C

Segundo Reinado 2ª Fase e Crise. Prof. Thiago Aula 07 Frente C Segundo Reinado 2ª Fase e Crise Prof. Thiago Aula 07 Frente C O Ouro Verde Inicialmente produzido no Vale do Paraíba (RJ/SP) depois se expande ao Oeste de São Paulo; Estrutura semelhante à da cana de Açúcar:

Leia mais

Instituto de Física USP. Física V - Aula 24. Professora: Mazé Bechara

Instituto de Física USP. Física V - Aula 24. Professora: Mazé Bechara Instituto de Física USP Física V - Aula 24 Professora: Mazé Bechara Aula 24 Princípio de correspondênciam Experimento de Franck e Hertz, e regra de quantização de Wilson-Sommerfeld 1. O princípio de correspondência

Leia mais

CHRIS JONES/CORBIS/LATINSTOCK. Capítulo 4 Meios de transporte e de comunicação

CHRIS JONES/CORBIS/LATINSTOCK. Capítulo 4 Meios de transporte e de comunicação CHRIS JONES/CORBIS/LATINSTOCK Capítulo 4 Meios de transporte e de comunicação Objetos fixos, fluxos e rede de transporte Do ponto de vista da circulação, o espaço geográfico é uma combinação de objetos

Leia mais

Modal Ferroviário. Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel

Modal Ferroviário. Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel Modal Ferroviário Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel O que é modal? O modal ferroviário caracteriza-se, especialmente, por sua capacidade de transportar grandes volumes,

Leia mais

O ENFOQUE COMPORTAMENTAL NA ADMINISTRAÇÃO

O ENFOQUE COMPORTAMENTAL NA ADMINISTRAÇÃO O ENFOQUE COMPORTAMENTAL NA ADMINISTRAÇÃO Desde o início da moderna sociedade industrial, percebeu-se a importância do comportamento e sentimentos das pessoas para a produção e desempenho das organizações

Leia mais

Trens Regionais e Turísticos. João Paulo de Jesus Lopes Secretaria dos Transportes Metropolitanos

Trens Regionais e Turísticos. João Paulo de Jesus Lopes Secretaria dos Transportes Metropolitanos Trens Regionais e Turísticos João Paulo de Jesus Lopes Secretaria dos Transportes Metropolitanos O início Decreto nº 55.564, de 15 de março de 2010 amplia as atribuições da STM e permite que atue no transporte

Leia mais

INTRODUÇÃO A MANUFATURA

INTRODUÇÃO A MANUFATURA INTRODUÇÃO A MANUFATURA História da Manufatura A história da manufatura pode ser separada em duas partes: 1) A descoberta e invenção, pelo homem, dos materiais e processos para fazer coisas 2) Desenvolvimento

Leia mais

INDÚSTRIA MÁQUINAS Sistemas de produção: MESTRES APRENDIZES,

INDÚSTRIA MÁQUINAS Sistemas de produção: MESTRES APRENDIZES, L A I R T S U D O C FI Á R G G O E IN O QUE É INDÚSTRIA? O termo INDÚSTRIA é empregado para indicar a fabricação, quase sempre com o uso de MÁQUINAS do mais variados produtos, por exemplo: a) alimentos;

Leia mais

Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I

Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I Recursos e PRP (Processo de Realização do Produto) Prof. Marcos César Bottaro Os Recursos RECURSOS: é tudo que gera ou tem a capacidade de gerar riqueza

Leia mais

1ª Revolução Industrial

1ª Revolução Industrial Modelos de Administração da Produção Evolução dos Sistemas de Produção A Revolução Industrial trouxe uma produção acelerada, porém faltava organização e método. (Frederick Taylor 1856-1915) (Henry Ford

Leia mais

Industrialização Brasileira

Industrialização Brasileira Industrialização Brasileira Aula 26 LEMBRAR QUE A URBANIZAÇÃO SEMPRE FOI INFLUENCIADA PELA ECONOMIA. Algodão Maranhão. Açúcar Nordeste Brasileiro. Borracha Acre. Café- Sudeste. Minério- Minas Gerais. A

Leia mais

TÍTULO: MULTIMODALIDADE APLICADA AO ESCOAMENTO DAS PRINCIPAIS MASSA ECONOMICAS BRASILEIRAS DESTINADAS À EXPORTAÇÃO PELO PORTO DE SANTOS

TÍTULO: MULTIMODALIDADE APLICADA AO ESCOAMENTO DAS PRINCIPAIS MASSA ECONOMICAS BRASILEIRAS DESTINADAS À EXPORTAÇÃO PELO PORTO DE SANTOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MULTIMODALIDADE APLICADA AO ESCOAMENTO DAS PRINCIPAIS MASSA ECONOMICAS BRASILEIRAS DESTINADAS

Leia mais

Três Soluções para o Problema Econômico 26 Tradição 27 Comando 29 O mercado 30

Três Soluções para o Problema Econômico 26 Tradição 27 Comando 29 O mercado 30 SUMÁRIO Capítulo 1 O Problema Econômico 21 O Indivíduo e a Sociedade 22 A divisão do trabalho 23 Economia e escassez 23 As tarefas da sociedade econômica 24 Produção e Distribuição 24 Mobilização de esforços

Leia mais

ALTO FORNO E ACIARIA. Curso: Engenharia Mecânica Disciplina: Tecnologia Metalúrgica Período: Prof. Ms. Thayza Pacheco dos Santos Barros

ALTO FORNO E ACIARIA. Curso: Engenharia Mecânica Disciplina: Tecnologia Metalúrgica Período: Prof. Ms. Thayza Pacheco dos Santos Barros ALTO FORNO E ACIARIA Curso: Engenharia Mecânica Disciplina: Tecnologia Metalúrgica Período: 2017.1 Prof. Ms. Thayza Pacheco dos Santos Barros 1 Alto forno Serve para produzir o ferro gusa, que é uma forma

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS 1 Estruturas Metálicas e suas aplicações

ESTRUTURAS METÁLICAS 1 Estruturas Metálicas e suas aplicações PUC Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Civil ESTRUTURAS METÁLICAS 1 Estruturas Metálicas e suas aplicações Professor Juliano Geraldo Ribeiro Neto, MSc. Goiânia, 2016.

Leia mais

China: Oportunidades e Desafios. O Caso EMBRAER. Henrique Rzezinski Vice-Presidente Sênior de Relações Externas

China: Oportunidades e Desafios. O Caso EMBRAER. Henrique Rzezinski Vice-Presidente Sênior de Relações Externas China: Oportunidades e Desafios O Caso EMBRAER Henrique Rzezinski Vice-Presidente Sênior de Relações Externas Evento: Desafios Emergentes: A Ascenção econômica de China e índia e seus efeitos para o Brasil

Leia mais

PROJETO DE LEI N 047/2012

PROJETO DE LEI N 047/2012 PROJETO DE LEI N 047/2012 Institui a Política Intersetorial de Plantas Medicinais e de Medicamentos Fitoterápicos no Município de Gramado e dá outras providências. Art. 1º. Fica instituída a Política Intersetorial

Leia mais

Pesquisa Básica, Recursos Humanos e Inovação Tecnológica

Pesquisa Básica, Recursos Humanos e Inovação Tecnológica Pesquisa Básica, Recursos Humanos e Inovação Tecnológica Ivan Moura Campos Coordenador - Comitê Gestor da Internet no Brasil CEO, Akwan Information Technologies ivanmc@akwan.com.br Rio de Janeiro, 4 de

Leia mais

CURSO ONLINE: MATRIZ BCG

CURSO ONLINE: MATRIZ BCG CURSO ONLINE: MATRIZ BCG A matriz BCG é um modo de análise criada por Bruce Henderson para uma empresa de consultoria americana chamada Boston Consulting Group no ano de 1970. O objetivo da matriz era

Leia mais

Ciência, tecnologia e sociedade

Ciência, tecnologia e sociedade Ciência, tecnologia e sociedade Aula 5 _O surgimento de um sistema organizado de produção de tecnologia e sua transformação profa. Maria Caramez Carlotto SCB 2 quadrimestre de 2016 A história das políticas

Leia mais

29/11/2010 DEFINIÇÃO:

29/11/2010 DEFINIÇÃO: Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-056 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 DEFINIÇÃO: Trocadores de calor são dispositivo utilizados

Leia mais

Fontes energéticas. 8º ano Professor Gustavo Macieira

Fontes energéticas. 8º ano Professor Gustavo Macieira Fontes energéticas 8º ano Professor Gustavo Macieira Formas de energia Forno solar Com a ajuda de um carpinteiro, confeccione um baú de madeira, forrando-o com papel alumínio e colando um espelho do lado

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL. UNIDADE 1 Introdução à Pesquisa Operacional. Prof. Me. Carlos Guimarães

PESQUISA OPERACIONAL. UNIDADE 1 Introdução à Pesquisa Operacional. Prof. Me. Carlos Guimarães PESQUISA OPERACIONAL UNIDADE 1 Introdução à Pesquisa Operacional Prof. Me. Carlos Guimarães Objetivo Introduzir o tema Pesquisa Operacional por meio da apresentação: Da sua origem; Das sociedades profissionais

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Controle e Processos Industriais CURSO: Técnico em Química Integrado ao Ensino Médio FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado

Leia mais

Organização do espaço geográfico na Rússia Marco Abreu dos Santos.

Organização do espaço geográfico na Rússia Marco Abreu dos Santos. Organização do espaço geográfico na Rússia Marco Abreu dos Santos marcoabreu@live.com www.professormarco.wordpress.com Características gerais É o país mais extenso do mundo com mais de 17 milhões de km²;

Leia mais

09/03/15. Revolução Industrial. Conceito: Automação Industrial. Revolução Industrial. Automação - Histórico. O que é Automação?

09/03/15. Revolução Industrial. Conceito: Automação Industrial. Revolução Industrial. Automação - Histórico. O que é Automação? Revolução Industrial AULA 2 AUTOMAÇÃO DA PRODUÇÃO (O QUE É AUTOMAÇÃO) Prof. Fabricia O que foi a Revolução Industrial? Foi o principal evento que deu origem a automação industrial. Quando a Revolução Industrial

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ATIVOS FERROVIÁRIOS

RECUPERAÇÃO DE ATIVOS FERROVIÁRIOS RECUPERAÇÃO DE ATIVOS FERROVIÁRIOS 22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo 16/09/2016 HISTÓRIA DA FERROVIA O Nascimento do Trem Carruagem a vapor de Richard

Leia mais

REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO

REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO www.infoescola.com Revolução da técnica Introduz Forma eficiente de padronizar a mercadoria Menor tempo Menor custo Agrupamento de trabalhadores

Leia mais

3 - História da Ciência, Tecnologia e Inovação (C, T&I) no Mundo Políticas de C, T&I

3 - História da Ciência, Tecnologia e Inovação (C, T&I) no Mundo Políticas de C, T&I Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba Jornalismo e Divulgação Científica Graduação em Engenharia Ambiental Pós-Graduação em Ciências Ambientais Pós-Graduação em Engenharia Civil e Ambiental 3 -

Leia mais

A Administração na História

A Administração na História A Administração na História As primeiras organizações - Egito A administração é praticada desde que existem os primeiros agrupamentos humanos; Na História Antiga o exemplo melhor documentado são as pirâmides

Leia mais

A sociedade e a história têm como base O TRABALHO HUMANO TRABALHO é o intercâmbio (relação) HOMEM E NATUREZA OBJETIVO: produzir e reproduzir as

A sociedade e a história têm como base O TRABALHO HUMANO TRABALHO é o intercâmbio (relação) HOMEM E NATUREZA OBJETIVO: produzir e reproduzir as A sociedade e a história têm como base O TRABALHO HUMANO TRABALHO é o intercâmbio (relação) HOMEM E NATUREZA OBJETIVO: produzir e reproduzir as condições materiais (econômicas) da vida social TODAS AS

Leia mais

Quando o ENEM foi criado? O Exame Nacional do Ensino Médio foi criado em 1998.

Quando o ENEM foi criado? O Exame Nacional do Ensino Médio foi criado em 1998. Quando o ENEM foi criado? O Exame Nacional do Ensino Médio foi criado em 1998. Qual era o objetivo inicial do ENEM? Avaliar o desempenho do estudante ao fim da educação básica. Qual é o objetivo do ENEM

Leia mais

Princípios de Negócios Grupo Freudenberg

Princípios de Negócios Grupo Freudenberg Princípios de Negócios Grupo Freudenberg 2 Freudenberg uma empresa familiar diversificada 1. O Grupo Freudenberg é uma empresa amplamente diversificada. Desenvolveu-se de maneira orgânica, aproveitando-se

Leia mais

A MIC Série 550 Câmara robusta com rotação horizontal, vertical e zoom de exterior

A MIC Série 550 Câmara robusta com rotação horizontal, vertical e zoom de exterior A MIC Série 550 Câmara robusta com rotação horizontal, vertical e zoom de exterior 2 MIC Série 550 Definimos padrões em termos de vigilância Design compacto e elegante para uma integração discreta em ambientes

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL ESTRUTURAS EM AÇO

SEMINÁRIO INTERNACIONAL ESTRUTURAS EM AÇO SEMINÁRIO INTERNACIONAL ESTRUTURAS EM AÇO Ensino e Pesquisa Científica e Tecnológica Angela Uller, CRIAR/UFRJ CAPES Brasília, 5 de outubro de 2012 Quantos empregos a sua pesquisa gerou? Quantas tecnologias

Leia mais

Desenvolvimento das cidades

Desenvolvimento das cidades Gestão Desportiva e de Lazer Lazer e Urbanismo Desenvolvimento das cidades Texto base: SPOSITO, Maria Encarnação E. Capitalismo e urbanização Capítulo 03 Industrialização e urbanização Professora: Andréa

Leia mais

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER Entrevista: Luiz Carlos Aguiar São José dos Campos SP Março de 2007

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER Entrevista: Luiz Carlos Aguiar São José dos Campos SP Março de 2007 CENTRO HISTÓRICO EMBRAER Entrevista: Luiz Carlos Aguiar São José dos Campos SP Março de 2007 Privatização Com relação à questão governamental, a Embraer, no seu início, depois de privatizada, sem sombra

Leia mais

Unidade I SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO. Profa. Lérida Malagueta

Unidade I SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO. Profa. Lérida Malagueta Unidade I SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Profa. Lérida Malagueta Sistemática de importação e exportação - conteúdo O Comércio Internacional Legislação e a estrutura brasileira Termos internacionais

Leia mais

Tecnologias e Interoperabilidade no Transporte Ferroviário

Tecnologias e Interoperabilidade no Transporte Ferroviário Tecnologias e Interoperabilidade no Transporte Ferroviário Guilherme Quintella Chairman UIC South America 13 de Setembro de 2012 UIC União Internacional de Ferrovias» Fundada em 1922 com sede em Paris»

Leia mais

PLANO DE ENSINO CH NÃO PRESENCIAL E PROJETOS: 16 EMENTA

PLANO DE ENSINO CH NÃO PRESENCIAL E PROJETOS: 16 EMENTA PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO COMPONENTE CURRICULAR: Empreendedorismo CH TEÓRICA/PRÁTICA: 24 CH NÃO PRESENCIAL E PROJETOS: 16 EMENTA CARGA HORÁRIA TOTAL: 40 Sistemas e processos organizacionais. Empreendedorismo

Leia mais

Uma análise dos setores exportadores das economias brasileira e paranaense

Uma análise dos setores exportadores das economias brasileira e paranaense Uma análise dos setores exportadores das economias brasileira e paranaense Luciano Nakabashi * Luis Esteves ** Marcio José Vargas da Cruz *** RESUMO - O cenário internacional tem sido favorável tanto à

Leia mais

DEFESA. Política de Estado Soberania, Desenvolvimento e Inovação Tecnológica. Seminário. 23 de novembro de 2016

DEFESA. Política de Estado Soberania, Desenvolvimento e Inovação Tecnológica. Seminário. 23 de novembro de 2016 Seminário DEFESA Política de Estado Soberania, Desenvolvimento e Inovação Tecnológica 23 de novembro de 2016 EMPRESAS AÉREAS PAÍSES ARONAVES EM OPERAÇÃO 90 + 62 1700 + JATOS ENTREGUES 1000 + PAÍSES 60

Leia mais

Introdução à Engenharia Mecânica

Introdução à Engenharia Mecânica Introdução à Engenharia Mecânica P R O F. E D U A R D O L O U R E I R O, D S C. W W W. E D U L O U R E I R O. C O M. B R E D U A R D O L O U R E I R O @ P O L I. B R Sejam bem vindos!! Sejam bem vindos!!

Leia mais

UNIVERSIDADE E ESCOLA: DESPERTANDO O INTERESSE PELA CIÊNCIA AERONÁUTICA

UNIVERSIDADE E ESCOLA: DESPERTANDO O INTERESSE PELA CIÊNCIA AERONÁUTICA UNIVERSIDADE E ESCOLA: DESPERTANDO O INTERESSE PELA CIÊNCIA AERONÁUTICA MOREIRA, Gilberto Augusto Amado Orientador Centro de Energias Alternativas e Renováveis, Dep. de Energias Alternativas, PROBEX BRITO

Leia mais

Resposta: D Resolução comentada: Ci x Vi = Cf x Vf Ci = 0,5 mol/l Cf = 0,15 mol/l Vf = 250 ml Vi = 0,5 x Vi = 0,15 x 250 Vi = 75 ml.

Resposta: D Resolução comentada: Ci x Vi = Cf x Vf Ci = 0,5 mol/l Cf = 0,15 mol/l Vf = 250 ml Vi = 0,5 x Vi = 0,15 x 250 Vi = 75 ml. Unesp 1-Em 2013 comemora-se o centenário do modelo atômico proposto pelo físico dinamarquês Niels Bohr para o átomo de hidrogênio, o qual incorporou o conceito de quantização da energia, possibilitando

Leia mais

Aluno turma ELETRÔNICA ANALÓGICA AULA 01

Aluno turma ELETRÔNICA ANALÓGICA AULA 01 Aluno turma ELETRÔNICA ANALÓGICA AULA 01 Capítulo 1 Semicondutores A área de estudo que chamamos de eletrônica abrange uma grande área, sistemas analógicos, sistemas digitais, sistemas de comunicação,

Leia mais

TRANSFERÊNCIA NCIA DE TECNOLOGIA

TRANSFERÊNCIA NCIA DE TECNOLOGIA TREM DE ALTA VELOCIDADE - TAV TRANSFERÊNCIA NCIA DE TECNOLOGIA Seminário sobre o Trem de Alta Velocidade Federaçã ção o das Indústrias do Estado de São S o Paulo FIESP Agência Nacional de Transportes terrestres

Leia mais

JAPÃO O Gigante do Oriente

JAPÃO O Gigante do Oriente JAPÃO O Gigante do Oriente LOCALIZAÇÃO GEOGRAFICA O país ocupa um arquipélago formado por mais de 4 mil ilhas no Círculo de Fogo do oceano Pacífico Área de contato de placas tectônicas explica a existência

Leia mais

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS Coleta, transporte e destinação final de resíduos sólidos e manutenção de áreas verdes; Bases nas cidades de Campinas, Barueri, Arujá, Franco da Rocha e São José dos Campos; Mais

Leia mais

Redes de Incubadoras e Parques Tecnológicos: a experiência brasileira. Gostamos de redes clássicas...

Redes de Incubadoras e Parques Tecnológicos: a experiência brasileira. Gostamos de redes clássicas... Redes de Incubadoras e Parques Tecnológicos: a experiência brasileira IASP LA 2007 Gostamos de redes clássicas... GA Plonski 2 1 ... e valorizamos as redes como forma moderna de organização da sociedade

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 099/2016

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 099/2016 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 099/2016 Altera o Currículo do Curso de Engenharia de Controle e Automação, regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MEC- 481/2012,

Leia mais

Segunda Revolução Industrial. Um mundo cheio de mudanças

Segunda Revolução Industrial. Um mundo cheio de mudanças Segunda Revolução Industrial Um mundo cheio de mudanças Nas relações humanas da contemporaneidade, a informação circula com muita rapidez. A globalização envolve diferentes esferas sociais tais como a

Leia mais

IV Simpósio de Infraestrutura Metroviária, Ferroviária e Rodoviária. Assunto: Programa de Integridade Estrutural da Estrada de Ferro Carajás

IV Simpósio de Infraestrutura Metroviária, Ferroviária e Rodoviária. Assunto: Programa de Integridade Estrutural da Estrada de Ferro Carajás IV Simpósio de Infraestrutura Metroviária, Ferroviária e Rodoviária Assunto: Programa de Integridade Estrutural da Estrada de Ferro Carajás Tópico: Segurança e Condições de Serviço Autores: Engº João Alberto

Leia mais

OVERVIEW. eventos simultâneos ao IBAS

OVERVIEW. eventos simultâneos ao IBAS OVERVIEW» Primeiro Air show do Brasil» Cerimônia de abertura com a presença de autoridades» Exposição estática de aeronaves e equipamentos» Pavilhão de exposição indoor» Espaço formação, tecnologia e inovação»

Leia mais

COLÉGIO SANTA CRISTINA - DAMAS AULÃO. ENERGIA Do fogo a energia elétrica. Prof. Márcio Marinho

COLÉGIO SANTA CRISTINA - DAMAS AULÃO. ENERGIA Do fogo a energia elétrica. Prof. Márcio Marinho COLÉGIO SANTA CRISTINA - DAMAS AULÃO ENERGIA Do fogo a energia elétrica O fogo O fogo é a rápida oxidação de um material combustível liberando calor, luz e produtos de reação, tais como o dióxido de carbono

Leia mais

ESCOLHA DA MATÉRIA PRIMA

ESCOLHA DA MATÉRIA PRIMA ESCOLHA DA MATÉRIA PRIMA - Função das condições climáticas - regiões tropicais destaca-se a cana-de-açúcar e o sorgo sacarino - regiões temperadas destaca-se a beterraba açucareira (EUA - milho) ESCOLHA

Leia mais

ALL- AMERICA LATINA LOGÍSTICA MALHA NORTE S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2011

ALL- AMERICA LATINA LOGÍSTICA MALHA NORTE S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2011 ALL- AMERICA LATINA LOGÍSTICA MALHA NORTE S.A. (atual denominação da FERRONORTE S.A. FERROVIAS NORTE BRASIL) 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2011 Rio

Leia mais

Seminário Trem de Alta Velocidade TAV 18 de Abril de 2011 Guilherme Quintella

Seminário Trem de Alta Velocidade TAV 18 de Abril de 2011 Guilherme Quintella Seminário Trem de Alta Velocidade TAV 18 de Abril de 2011 Guilherme Quintella A Participação da Indústria Brasileira e a necessidade de mão de obra especializada » Sobre a AD-Trem» UIC União Internacional

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC de Mairiporã Código: 271 Município: Mairiporã EE: Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional:

Leia mais

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Origens Conceito e características Pioneirismo inglês Invenções Conseqüências:

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Origens Conceito e características Pioneirismo inglês Invenções Conseqüências: REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Origens Conceito e características Pioneirismo inglês Invenções Conseqüências: 1. econômicas 2. sociais 3. políticas Educação para o Trabalho 1 Aperfeiçoamento Escravismo, feudalismo

Leia mais

A Cultura Gastronômica. A alimentação como impulso transformador

A Cultura Gastronômica. A alimentação como impulso transformador A Cultura Gastronômica A alimentação como impulso transformador CASCUDO, 2007 apud SCHILERS Toda a existência humana decorre do binômio Estômago e Sexo. A Fome e o Amor governam o mundo. Problematização

Leia mais

PARATY para Cachaça. Palestrante : Eduardo Calegario Mello (APACAP)

PARATY para Cachaça. Palestrante : Eduardo Calegario Mello (APACAP) Indicação Geográfica de Procedência PARATY para Cachaça Palestrante : Eduardo Calegario Mello (APACAP) Histórico : 29/09/1999 fundação das APPAP. 22/07/2004 alteração para APACAP. 10/10/2006 modificação

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA PLANO DE TRABALHO Bacabeira-MA 2015 1. INTRODUÇÃO O presente Plano de Trabalho refere-se ao contrato firmado entre a Prefeitura Municipal de Bacabeira e a empresa de consultoria especializada de razão

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E GESTÃO DA INOVAÇÃO EMPREENDEDORISMO. Prof. Dr. Daniel Caetano

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E GESTÃO DA INOVAÇÃO EMPREENDEDORISMO. Prof. Dr. Daniel Caetano INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E EMPREENDEDORISMO GESTÃO DA INOVAÇÃO Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-2 Objetivos Compreender os modelos para gerenciar o processo de inovação Conhecer as fontes de inovação Conhecer

Leia mais

Segundo Reinado 2ª Fase e Crise. Prof. Thiago Aula 07 Frente C

Segundo Reinado 2ª Fase e Crise. Prof. Thiago Aula 07 Frente C Segundo Reinado 2ª Fase e Crise Prof. Thiago Aula 07 Frente C O Ouro Verde Inicialmente produzido no Vale do Paraíba (RJ/SP) depois se expande ao Oeste de São Paulo; Estrutura semelhante à da cana de Açúcar:

Leia mais

Conceito Trem especial ligando São Paulo aos principais pólos de atração turísticos no entorno da malha ferroviária existente

Conceito Trem especial ligando São Paulo aos principais pólos de atração turísticos no entorno da malha ferroviária existente Ayrton Camargo e Silva Conceito Trem especial ligando São Paulo aos principais pólos de atração turísticos no entorno da malha ferroviária existente Estação da Luz Balcão da operadora turística e bilheteria

Leia mais

ASPECTOS RELEVANTES DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADA

ASPECTOS RELEVANTES DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADA INOVAÇÃO NA ÁREA FARMACÊUTICA ASPECTOS RELEVANTES DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADA Empresa Universidade Governo @Neide Bueno Consultora em gestão de Propriedade Intelectual neidebueno09@gmail.com

Leia mais

VALEC. Ministério dos Transportes

VALEC. Ministério dos Transportes VALEC Ministério dos Transportes Outubro de 2007 LOCALIZAÇÃO MAPA DA FERROVIA NORTE-SUL AÇAILÂNDIA (MA) / PÁTIO DE ARAGUAÍNA (TO) Extensão: 361 km OBRAS CONCLUÍDAS PÁTIO DE ARAGUAÍNA (TO) / PÁTIO DE GUARAÍ

Leia mais

ANEXO PROPOSTA DE LINHAS DE PESQUISA DAS FACULDADES CATHEDRAL DE ENSINO SUPERIOR

ANEXO PROPOSTA DE LINHAS DE PESQUISA DAS FACULDADES CATHEDRAL DE ENSINO SUPERIOR ANEXO PROPOSTA DE LINHAS DE PESQUISA DAS FACULDADES CATHEDRAL DE ENSINO SUPERIOR Define-se como linha de pesquisa um conjunto de temas, que delimita diversos campos de interesse. Para que estas venham

Leia mais

Crescimento do empreendedorismo no Brasil.

Crescimento do empreendedorismo no Brasil. Professora Cíntia Crescimento do empreendedorismo no Brasil. Professora Cíntia 1 Conceito Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação

Leia mais

6º ANO ARGENTINA 6º ANO CHILE. 1º Horário: Ed. Física Conteúdo: Esportes. Atividade: *** Tarefa: ***

6º ANO ARGENTINA 6º ANO CHILE. 1º Horário: Ed. Física Conteúdo: Esportes. Atividade: *** Tarefa: *** 6º ANO ARGENTINA 6º ANO CHILE 1º Horário: Ed. Física 1º Horário: Geografia Atividade: Correção da tarefa. 2º Horário: Ed. Financeira/ Psicologia Conteúdo: Influência da mídia. Pilar poupar. Atividade:

Leia mais

CP/ECEME/2007 2ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0)

CP/ECEME/2007 2ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) CP/ECEME/07 2ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatos históricos, ocorridos durante as crises política, econômica e militar portuguesa/européia

Leia mais

Discurso de condecoração de Cavaleiro da ordem nacional. do mérito agrícola a Sr. Jacyr Costa Filho. Diretor da divisão Brasil do grupo Tereos

Discurso de condecoração de Cavaleiro da ordem nacional. do mérito agrícola a Sr. Jacyr Costa Filho. Diretor da divisão Brasil do grupo Tereos Discurso de condecoração de Cavaleiro da ordem nacional do mérito agrícola a Sr. Jacyr Costa Filho Diretor da divisão Brasil do grupo Tereos e Presidente do CA de Guarani Brasília, 8 de junho de 2016 Senhor

Leia mais

Pesquisa Operacional Introdução. Profa. Alessandra Martins Coelho

Pesquisa Operacional Introdução. Profa. Alessandra Martins Coelho Pesquisa Operacional Introdução Profa. Alessandra Martins Coelho agosto/2013 Operational Research Pesquisa Operacional - (Investigação operacional, investigación operativa) Termo ligado à invenção do radar

Leia mais

FABRICAÇÃO DO AÇO. Introdução

FABRICAÇÃO DO AÇO. Introdução FABRICAÇÃO DO AÇO Introdução Mesmo quando os métodos de fabricação eram bastante rudimentares os artesãos da Antigüidade, na Ásia e, mais tarde, na Europa medieval, conseguiam fabricar o aço. O aço daquela

Leia mais

Quebra Cabeça das Ligações Químicas Autora: Karine Nantes da Silva Veronez Introdução. O jogo

Quebra Cabeça das Ligações Químicas Autora: Karine Nantes da Silva Veronez Introdução. O jogo Quebra Cabeça das Ligações Químicas Autora: Karine Nantes da Silva Veronez Introdução A química estuda as substâncias e suas transformações químicas. Essas substâncias são formadas de átomos de elementos

Leia mais

Introdução ao HTML André Luiz Silva de Moraes Instituto Federal de Santa Catarina

Introdução ao HTML André Luiz Silva de Moraes Instituto Federal de Santa Catarina Introdução ao HTML André Luiz Silva de Moraes Hypertext Markup Language Linguagem de Marcação de Hipertexto Padroniza a Escrita do texto Permite que um navegador reconheça elementos para inserir em uma

Leia mais

1. Ensino Fundamental. O cotidiano europeu no século XVI Haydn Middleton Coleção Povos do passado São Paulo: Melhoramentos, 1992.

1. Ensino Fundamental. O cotidiano europeu no século XVI Haydn Middleton Coleção Povos do passado São Paulo: Melhoramentos, 1992. APÊNDICE 02 LIVROS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA QUE CONTEXTUALIZAM A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA DO PONTO DE VISTA HISTÓRICO, SOCIAL, CULTURAL, FILOSÓFICO, POLÍTICO E ECONÔMICO. 1. Ensino Fundamental O cotidiano

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 5º Encontro - 02/03/2012 18:40 às 20:30h Prof. Adm. Sérgio David Ferreira Cruz CRA-BA N 9813 COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? 02

Leia mais

CIÊNCIA CONSCIÊNCIA TURÍSTICA

CIÊNCIA CONSCIÊNCIA TURÍSTICA CIÊNCIA E CONSCIÊNCIA TURÍSTICA Paulo Roberto de Oliveira Rosa Professor no Dept. de Geociências Universidade Federal da Paraíba Mestre em Políticas Públicas Turismo Científico PALAVRA 1 (uma) imagem vale

Leia mais

P R O D U T O. HAROLDO RODRIGUES Diretor de Compras

P R O D U T O. HAROLDO RODRIGUES Diretor de Compras HAROLDO RODRIGUES Diretor de Compras 1 (filme) 2 MUDANÇAS ESTRUTURAIS 2012 2013 CAPTURA DE TENDÊNCIAS 2014 REATIVIDADE DA CADEIA 2008 ESCRITÓRIO NA CHINA 2007 PROCESSOS ESTRUTURADOS 2006 IMPORTAÇÕES 2005

Leia mais

Projetos e Soluções. Iluminação Pública Novembro 2015

Projetos e Soluções. Iluminação Pública Novembro 2015 Projetos e Soluções Iluminação Pública Novembro 2015 O que é um LED? Basicamente, os LEDs (diodos emissores de luz) são componentes semicondutores, mesma tecnologia utilizada nos chips dos computadores,

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS E APLICAÇÕES PROF. SILVIA FLORES ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ORÇAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS E APLICAÇÕES PROF. SILVIA FLORES ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ORÇAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS E APLICAÇÕES PROF. SILVIA FLORES ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ORÇAMENTO É um plano administrativo que cobre todas as operações da empresa, para um período de

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA. Prof. Everson José Fernandes

CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA. Prof. Everson José Fernandes CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA Prof. Everson José Fernandes TÉCNICO EM MECÂNICA OBJETIVO: O Curso Técnico de Mecânica tem por objetivo formar profissionais, cujas principais atividades são: atuar na elaboração

Leia mais

REGIÃO SERRANA DO RIO DE JANEIRO

REGIÃO SERRANA DO RIO DE JANEIRO REGIÃO SERRANA DO RIO DE JANEIRO ANTENCEDENTES Fortes chuvas ocorrida em janeiro de 2011 na Região Serrana atingiu diretamente os municípios de: Areal 11.402 hab. Bom Jardim 25.398 hab. Nova Friburgo 182.082

Leia mais

Oportunidades para apoio ao desenvolvimento do Centro Oeste. 25 de junho de 2013.

Oportunidades para apoio ao desenvolvimento do Centro Oeste. 25 de junho de 2013. Oportunidades para apoio ao desenvolvimento do Centro Oeste. 25 de junho de 2013. O Estado de Goiás Goiás, uma das 27 unidades federativas, está situado na região Centro Oeste do País ocupando uma área

Leia mais