Business Intelligence: um sistema de apoio a decisões gerenciais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Business Intelligence: um sistema de apoio a decisões gerenciais"

Transcrição

1 Business Intelligence: um sistema de apoio a decisões gerenciais André Amaral Muszinski, Silvia de Castro Bertagnolli Faculdade de Informática Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação Centro Universitário Ritter dos Reis (Uniritter) Porto Alegre RS Brasil Resumo. Os ambientes de negócios cada vez mais complexos exigem dos gestores ações mais rápidas, inovadoras e ágeis. Um dos maiores problemas enfrentados pelas empresas é a dificuldade em realizar a análise dos negócios e a gestão de desempenho da corporação. Este artigo descreve o desenvolvimento de uma solução de Business Intelligence (centrada em um Data warehouse, utilizando Integração de Dados e Processamento Analítico Online), que permite, através de relatórios e gráficos, a visualização de dados financeiros e estratégicos da empresa, apoiando o processo de tomada de decisão. Abstract. The business environments increasingly complex, requires quicker, innovative and agile actions from the managers. One of the biggest problems faced by companies is the difficulty in performing business analysis and performance management of the corporation. This paper presents the development of a Business Intelligence solution (centered in a Data Warehouse, using the Data Integration and Online Analytical Processing), which allows, through reports and graphs, visualization of financial and strategic data of company, supporting the decision making process. 1. Introdução Um dos maiores problemas enfrentados pelas empresas é a dificuldade em realizar a análise dos negócios e gestão de desempenho da corporação. Hoje, estas análises são realizadas utilizando-se planilhas eletrônicas e consultas SQL (Structured Query Language) complexas com vários joins que são executadas nos bancos de dados transacionais, gerando lentidão (e até mesmo paradas) nos sistemas. A consulta SQL gerada pela equipe de TI (Tecnologia da Informação), normalmente não atende a todas as necessidades do usuário final, fazendo com que todo o ciclo se repita (solicitar os dados, esperar, receber os dados, revisar a informação e analisar os resultados). A geração de uma simples planilha eletrônica, para ser utilizada como ferramenta no planejamento estratégico, pode levar semanas para ser desenvolvida. Neste cenário, um sistema computadorizado de suporte aos gestores, como o Business Intelligence (BI), permite decisões melhores e mais rápidas. Uma solução de BI centrada em Data Warehouse (DW), separada do servidor de banco de dados transacional, proporciona um repositório central de dados, criando uma fábrica de informações, onde relatórios, gráficos e alertas de desempenho podem ser gerados diretamente pelo usuário final. Isto permite que os usuários possam acessar dados

2 históricos da empresa, possibilitando decisões ágeis, análise dos negócios, análise de tendências, descoberta de informações e conhecimento. O DW é um ponto-chave nesta arquitetura, pois centraliza a informação, possibilitando uma versão única da verdade. O presente trabalho foi desenvolvido na NeoGrid Informática, empresa especializada em soluções de Business-to-Business (B2B). O projeto iniciou com a análise dos relatórios financeiros e de desempenho, gerados pelo Administrador de Banco de Dados (DBA), solicitados pela diretoria mensalmente. O objetivo foi implementar uma solução de BI de modo a apoiar a tomada de decisão de gerentes de negócios (nível comercial), gerentes departamentais (nível tático) e diretores (nível estratégico) da NeoGrid, utilizando dados históricos e atuais, e visualizando-os através de relatórios, gráficos e indicadores-chave de desempenho (Key Performance Indicator - KPI) utilizando ferramentas de processamento analítico. Para tanto, foi necessário (i) definir e implantar a arquitetura necessária para o desenvolvimento da solução; (ii) analisar os relatórios financeiros e de desempenho gerados pelo DBA mensalmente; (iii) definir os Data Marts e relatórios necessários; (iv) validar a implementação dos relatórios junto a gerentes de negócios, gerentes departamentais e diretores. O texto deste artigo encontra-se organizado em 5 seções, onde: a seção 2 detalha os aspectos teóricos que fundamentam a solução proposta; a seção 3 descreve a solução implementada, bem como os diagramas e elementos que auxiliaram na modelagem; a seção 4 apresenta os resultados obtidos com a aplicação do trabalho em um estudo de caso real; e a seção 5 apresenta a conclusão do trabalho. 2. Referencial Teórico Este capítulo apresenta os principais elementos teóricos que foram utilizados para elaborar a solução proposta. 2.1 Business Intelligence Business Intelligence (BI) é um termo relativamente novo, mas certamente não é um conceito novo. Este termo foi criado pelo Grupo Gartner no início dos anos 1990 e inclui arquiteturas, ferramentas, bancos de dados, aplicações e metodologias. O conceito é simples: fazer uso de informações já disponíveis nas organizações para ajudar os responsáveis pelas tomadas de decisões a adotar as melhores opções e de forma mais rápida. Os principais objetivos do BI são permitir o acesso interativo aos dados, proporcionar a manipulação destes dados e fornecer aos gestores a capacidade de realizar a análise adequada. Ao examinarem os dados, situações e desempenhos históricos e atuais, os tomadores de decisão conseguem uma melhor compreensão dos dados, que podem servir como base para decisões melhores e mais informadas. O processo de BI baseia-se na transformação de dados em informações (TURBAN et. al, 2009). O principal benefício do BI para uma organização é a capacidade de fornecer informações precisas quando necessário, incluindo uma visão em tempo real do desempenho corporativo. Estas informações são necessárias para todos os tipos de

3 decisões, principalmente para o planejamento estratégico (TURBAN et. al, 2009). Seus principais benefícios compreendem: economia de tempo, versão única da verdade, melhores estratégias e planos, melhores decisões táticas, processos mais eficientes e economia de custos. As aplicações de BI visam diminuir a diferença entre o desempenho atual de uma organização e o desempenho desejado, expresso em sua missão, objetivos, metas e a estratégia para atingi-los. Um sistema de BI possui quatro grandes componentes, conforme descreve Turban (2009): (i) data warehouse, banco ou repositório de dados especial preparado para dar suporte a aplicações de tomada de decisão; (ii) análise de negócios, corresponde a uma coleção de ferramentas para manipular e analisar os dados no DW, incluindo processamento analítico, multidimensionalidade, mineração de dados e técnicas de análise avançada; (iii) gestão de desempenho do negócio (Business Performance Management BPM) para monitoria e comparação do desempenho da corporação às metas estabelecidas, com a aplicação de balanced scorecards; e (iv) interface com usuário. As áreas mais comuns de aplicação do BI são relatórios gerais, análise de vendas e marketing, planejamento e previsão, consolidação financeira, relatórios de desempenho, orçamento e análise de rentabilidade (JACOBSON; MISNER, 2007). Transformar dados históricos em conhecimento estratégico é um dos objetivos da tecnologia da informação nas organizações. O DW é uma ferramenta que surgiu com esse propósito, trazendo a idéia de centralização das informações, visualização multidimensional dos dados e descoberta de padrões de comportamento para dar aos administradores maior agilidade na tomada de decisões (BARBALHO, 2003). 2.2 Data Warehouse Um data warehouse (DW) é um conjunto de dados produzido para oferecer suporte à tomada de decisões. Ele é um repositório de dados atuais e históricos de possível interesse aos gestores de toda a organização. Os dados, normalmente, são estruturados de modo a estarem disponíveis em um formato pronto para atividades de processamento analítico (processamento analítico online, mineração de dados, consultas, geração de relatórios, outras aplicações de suporte à decisão). Portanto, um DW é uma coleção de dados orientada por assunto, integrada, variável no tempo e não-volátil, que proporciona suporte ao processo de tomada de decisões da gerência (LARSON; AGARWAL, 2006). Os DWs contêm uma grande variedade de dados que apresentam uma imagem coerente das condições da empresa em um determinado ponto no tempo. A idéia por trás do conceito foi criar uma infra-estrutura de banco de dados que estivesse sempre online e contivesse todas as informações dos sistemas de processamento de transações online (Online Transaction Processing - OLTP), incluindo dados históricos (DELANEY; AGARWAL, 2006). Porém, esta infra-estrutura seria reorganizada e estruturada de forma a oferecer rapidez e eficiência em consultas, análises e suporte à decisão. Em geral, o DW é armazenado em um banco de dados separado da base operacional. Esta separação evita a perda de desempenho no processo operacional da empresa (BARBALHO, 2003). Os tomadores de decisão necessitam de informações concisas e confiáveis, sobre operações atuais, tendências e mudanças. As informações de interesse para a empresa

4 são constantemente fragmentadas com o uso de diferentes sistemas operacionais e fontes externas, e assim os gestores tomam decisões com informações parciais, na melhor das hipóteses. O DW supera este obstáculo acessando, integrando e organizando os principais dados operacionais de uma forma consistente, confiável e prontamente disponível, onde for necessário (TURBAN et. al, 2009). Um data warehouse une bancos de dados de toda uma empresa. Já um Data Mart (DM), normalmente é menor e se concentra em um assunto ou departamento específico. Um Data Mart é um subconjunto de um DW, que normalmente consiste em uma única área temática (ex.: marketing, vendas, operações). Em um DM pode existir mais de um fato e a utilização de dimensões comuns a eles (MACHADO, 2004). Os DMs são uma solução menos cara, capazes de serem substituídos por um DW ou de complementá-lo. Eles podem ser dependentes ou independentes de um DW Arquiteturas de Data Warehouse A escolha da arquitetura e sua implementação são decisões gerenciais do projeto. Estes fatores estão relacionados à infra-estrutura disponível (banco de dados, ferramentas OLAP e ETL, processamento paralelo, particionamento de dados), ao ambiente de negócios (porte da empresa), escopo de abrangência desejado, assim como a capacidade da equipe interna de TI e dos recursos disponibilizados para investimento (MACHADO, 2004). De acordo com Ballard et. al (2006), as principais arquiteturas utilizadas são: arquitetura de Data Warehouse Empresarial (Enterprise Data Warehouse EDW) é considerada a que suporta toda ou maior parte dos requisitos ou necessidades. Ela possui grande grau de acesso e a utilização das informações é para todos os departamentos de uma empresa; arquitetura de Data Mart Independente é um DW projetado para uma unidade estratégica de negócios ou um departamento, mas cuja fonte não é um EDW. Eles são fáceis de construir, porém envolvem altos custos, redundância de dados e não permitem uma visão global da empresa; arquitetura de Data Mart Dependente (Integrados) é um subconjunto criado a partir do EDW. Ele tem a vantagem de usar um modelo de dados consistente e apresentar dados de qualidade. Cada arquitetura de DW tem aplicações específicas para as quais sua eficiência é maior (ou menor), e assim oferece os benefícios máximos para a organização (BALLARD et. al, 2006). A decisão de qual arquitetura implementar pode causar impactos quanto ao sucesso do projeto de um DW. Diversos fatores influenciam a escolha da arquitetura e implementação, entre elas o tempo para execução do projeto, a necessidade urgente de um DW, o retorno do investimento a ser realizado, a velocidade dos benefícios da utilização das informações, a limitação de recursos, a satisfação do usuário executivo, a compatibilidade com sistemas existentes e os recursos necessários à implementação de uma arquitetura (KIMBALL, 2002).

5 2.2.2 Tipos de Implementação Vários tipos de implementação de arquiteturas de DW podem ser usados. Segundo Machado (2004), os tipos de implementação mais utilizadas em empresas são: top down, bottom up e uma combinação das duas. A implementação top down é conhecida como padrão inicial do conceito de DW. Ela requer maior planejamento e trabalho de definições conceituais de tecnologias completos antes de iniciar o projeto de DW. Neste tipo de arquitetura constrói-se, em primeiro lugar, o EDW e depois se extrai os dados para os DMs (INMON, 2005). A abordagem top down, proposta por Inmon (2005), apresenta como vantagens: (i) herança de arquitetura todos os DMs originados de um DW utilizam a arquitetura e os dados do DW; (ii) visão de empreendimento o DW concentra todos os negócios da empresa; (iii) controle e centralização de regras garante a existência de um único conjunto de aplicações ETL (Extract, Transform and Load). Machado (2004) destaca as seguintes desvantagens: (i) implementação muito longa; (ii) alta taxa de risco não existem garantias para o investimento neste tipo de ambiente; (iii) expectativas relacionadas ao ambiente a demora do projeto e a falta de retorno podem induzir expectativas nos usuários. Devido ao custo e tempo necessários em uma implementação top down, a implementação bottom up vem se tornando muito popular. O propósito é construir um DW incremental a partir do desenvolvimento de DMs independentes. Ela é bastante utilizada, pois possui um retorno de investimento muito rápido (KIMBALL, 2002). Kimball (2002) destaca as seguintes vantagens da abordagem bottom up: implementação rápida, retorno rápido e enfoque inicial nos principais negócios. Já Machado (2004) destaca as seguintes desvantagens: (i) perigo de DMs legados: um dos maiores perigos no DW é a criação de DMs independentes. A solução pode não considerar a arquitetura de forma global. Desse modo, os DMs independentes transformam-se em DM legados, que podem inviabilizar futuras integrações; (ii) dificuldade em obter a visão do empreendimento; (iii) coordenação de múltiplas equipes e iniciativas; e (iv) procedimentos de ETL mais complexos. A implementação combinada tem o propósito de integrar a arquitetura top down com a bottom up. Nessa abordagem efetua-se a modelagem de dados do DW de visão macro, sendo o passo seguinte a implementação de partes desse modelo. Essas partes são escolhidas por processos ou atividades da área de interesse e constituem os DMs. Cada DM pode ser gerado a partir do macromodelo de dados do DW e integrado ao modelo físico do DW (MACHADO, 2004) Modelagem dimensional O projeto de DW se baseia no conceito de modelagem dimensional (ou multidimensional), que compreende um sistema baseado em recuperação que suporta acessos com alto volume de consultas. A representação dos dados é estruturada como um cubo, transmitindo a idéia de múltiplas dimensões. A maior vantagem da multidimensionalidade é que ela permite que os dados sejam organizados de acordo com a preferência de cada usuário (ou área de negócio).

6 Apresentações diferentes dos mesmos dados podem ser providenciadas de modo rápido e fácil (ITALIANO; ESTEVES, 2004a). O modelo multidimensional é baseado em três tipos de estruturas (REIS; TEIXEIRA; ARAÚJO, 2009): fatos a tabela de fatos é a tabela central do modelo e contém os valores (numéricos) que se deseja analisar, geralmente, contendo um grande volume de dados. A tabela fato possui chaves externas, que se relacionam com suas tabelas de dimensões, e campos numéricos que são os valores (medidas) que serão analisados; dimensões as tabelas de dimensões representam um aspecto do negócio que está sendo analisado. Sua chave primária serve para manter a integridade referencial na tabela fato à qual está relacionada. Uma dimensão oferece ao usuário um grande número de combinações e intersecções para analisar os dados, possibilitando diversas formas de visualizar os dados; medidas são atributos numéricos armazenados na tabela de fatos, que representam o desempenho de um indicador em relação às dimensões que participam desse fato. A modelagem multidimensional é um processo que envolve algumas etapas cujo objetivo é levantar e representar as necessidades de análise e de informações dos usuários de determinado departamento ou área de negócios (REIS; TEIXEIRA; ARAÚJO, 2009). Para Ballard et. al (2006), existem três tipos básicos de modelos multidimensionais: esquema estrela cada dimensão é formada por apenas uma tabela não padronizada. O fato de suas tabelas não estarem normalizadas, resultará em uma menor quantidade de tabelas no modelo do DM, mas como conseqüência poderá causar redundância dos dados, fato característico neste tipo de solução; esquema multi-estrela este esquema é baseado no esquema estrela, com uma tabela para cada dimensão, porém existem múltiplas tabelas de fatos, unidas através das dimensões; esquema floco de neve neste esquema as tabelas das dimensões estão padronizadas para eliminar a redundância dos dados. Diferente do esquema estrela, neste esquema os dados das dimensões estão distribuídos em múltiplas tabelas. As estruturas das dimensões possuem níveis, onde cada nível de uma dimensão deve ter correspondência com uma coluna na tabela da dimensão. Os dados são classificados (ordenados) por grau de detalhe e são organizados em uma estrutura hierárquica (ITALIANO; ESTEVES, 2004b) Integração de dados e processos de ETL Um grande objetivo do DW é integrar dados de múltiplos sistemas. A integração de dados compreende três grandes processos que, quando implementados corretamente,

7 permitem que eles sejam disponibilizados a um conjunto de ferramentas de Extração, Transformação e Carga (ETL), análise e ao ambiente de data warehousing (LANGIT, 2008). Já os processos compreendem: (i) acesso aos dados (a capacidade de acessar e extrair dados de qualquer fonte), (ii) federação de dados (a integração das visualizações de negócios em diversos data stores) e (iii) captura de alterações (com base na identificação, captura e entrega das alterações feitas nas fontes de dados da empresa). O ETL é extremamente importante na integração de dados e também no DW, pois seu objetivo é carregar dados integrados e limpos. Os dados usados nestes processos podem ser oriundos de qualquer fonte: uma aplicação de mainframe, uma aplicação ERP (Enterprise Resource Planning), uma ferramenta de CRM (Relationship Management), um arquivo texto, uma planilha do Excel ou até uma fila de mensagens (TURLEY; KASPRZAK; CAMERON, 2007). O processo de ETL é um componente essencial de qualquer projeto centrado em dados. Langit (2008) classifica o processo em três etapas: (i) extração, com leitura de uma ou mais fontes de dados; (ii) transformação, onde dados anteriormente extraídos são convertidos na forma em que precisam estar, para que sejam colocados em um DW ou em um banco de dados; (iii) e carga dos dados no DW. É comum que as organizações possuam sistemas transacionais desenvolvidos por diferentes equipes e, que no seu desenvolvimento, tenham adotado diferentes convenções na codificação de variáveis, nomes dos atributos das tabelas, diferentes tipos de dados ou formatos de datas. Ao extrair os dados dos diferentes sistemas, deve ser definido um formato único para o DW e realizar as transformações necessárias em cada caso (TURLEY; KASPRZAK; CAMERON, 2007) Processamento Analítico Online (OLAP) O OLAP (Online Analytical Processing) é um conjunto de ferramentas e técnicas que permite realizar a exploração dos dados de um DW, utilizando os recursos de modelagem, análise e visualização de grandes conjuntos de dados. O OLAP ajuda a analisar de forma mais eficiente a quantidade de dados crescente armazenados pelas organizações transformando-os em informação (JACOBSON; MISNER, 2007). Relatórios e consultas fazem parte das atividades mais antigas de OLAP e BI. O OLAP possibilita que o usuário produza facilmente seus próprios relatórios e analise tendências e desempenho diariamente (TURBAN et. al, 2009). Os sistemas OLAP oferecem uma alternativa aos sistemas transacionais, produzindo uma visão dos dados orientados à análise, além de uma navegação rápida e flexível (LARSON; AGARWAL, 2006). Um sistema OLAP apresenta as seguintes características: (i) esquema otimizado para que as consultas realizadas pelos usuários sejam retornadas rapidamente; (ii) geração de relatórios complexos de uma forma simples; (iii) utilização interativa com os usuários, ou seja, as consultas não necessitam estar pré-definidas; e (iv) permite a redundância de dados para otimização de consultas. Kimball (2002) classifica os sistemas OLAP em três tipos: (i) OLAP multidimensional (MOLAP) é implementado através de um DW multidimensional. Os dados são organizados em uma estrutura de cubos; (ii) OLAP relacional (ROLAP) é implementado sobre um banco de dados relacional; e (iii) OLAP híbrido (HOLAP) combina atributos de MOLAP e ROLAP.

8 Ballard et. al (2006) destaca as principais operações utilizadas nas ferramentas OLAP: (i) drill down e roll up - são operações que movimentam a visão dos dados (cubo) ao longo das hierarquias de uma dimensão. O drill down ocorre quando o usuário desagrupa os dados, aumentando o nível de detalhe da informação. O roll up (ou drill up) é o contrário. Ele ocorre quando o usuário agrupa os dados, diminuindo o nível de detalhamento da informação; (ii) slice e dice - o slice é quando um membro em particular de uma dimensão é selecionado, formando uma espécie de fatia (slice) do cubo original. O dice seleciona vários membros de várias dimensões formando um subcubo. Tanto o slice quanto o dice são formas particulares de filtro; e (iii) pivot - é o ângulo pelo qual os dados são visualizados. Permite a troca de linhas por colunas em uma tabela ou modificação da posição das dimensões em um gráfico. A aplicação dessas operações (visões) sobre um modelo multidimensional cria uma visão no formato cubo, conhecida como Decision Cube (BARBALHO, 2003). 3. Solução Implementada O objetivo deste trabalho foi desenvolver uma solução de BI, que apóie a tomada de decisão de diretores e gerentes da empresa NeoGrid, através da visualização de relatórios e KPIs, manipulando fatos, medidas e dimensões. O foco é o desenvolvimento de um DW, composto por cubos OLAP e o acesso a relatórios via Web. Segundo Turban et. al (2009), os fatores essenciais para que um projeto deste porte seja bem-sucedido são: (i) definir claramente os objetivos, (ii) reunir apoio ao projeto junto à gerência, (iii) estabelecer cronogramas e orçamentos; e (iv) administrar as expectativas. O desenvolvimento desta solução utiliza como metodologia os passos (fases) propostos por Barbieri (2001) para a implementação de um sistema de BI: (i) planejamento, (ii) levantamento das necessidades, (iii) modelagem dimensional, (iv) projeto físico dos bancos de dados, (v) projeto de ETL, (vi) desenvolvimento de aplicações, (vii) teste e homologação, (viii) treinamento e (ix) implantação. As próximas seções irão apresentar cada um destes passos, de forma detalhada. 3.1 Planejamento Na etapa de planejamento o escopo do projeto deve ser definido, sempre mantendo o foco no negócio. Deve-se atentar para as áreas mais críticas e que possuem necessidades mais abrangentes de informações gerenciais (BARBIERI, 2001). Nesta etapa, também deve ser definida a arquitetura e o tipo de implementação que deverão ser utilizados para a construção do DW. Neste momento foi definida uma arquitetura do tipo Data Warehouse Empresarial, sendo implementada utilizando técnicas combinadas ( top down e bottom up ). Com relação ao mecanismo de processamento de consultas, utilizou-se um servidor de banco de dados multidimensional (MOLAP), devido ao seu melhor desempenho e a um conjunto rico e complexo de funções de análise (CARVALHO, 2003). Assim, definiu-se o foco deste projeto, que são os dados de desempenho financeiro e estratégico da aplicação Mercador (www.mercador.com), solução de EDI (Electronic Data Interchange) que é o produto de maior faturamento da NeoGrid.

9 Depois de definido o escopo do projeto, foi realizada uma análise prévia com o intuito de identificar as principais métricas e dimensões. Posteriormente, foi realizada uma análise da visão macro, para verificar como os projetos futuros serão integrados ao projeto inicial. A modelagem foi desenvolvida de modo a garantir que ela possa ser aproveitada em outros DMs da empresa. Outro fator importante para o sucesso da implantação do BI é a definição da arquitetura tecnológica. A arquitetura deve ser definida durante o planejamento, pois características de desempenho e disponibilidade irão definir níveis de serviço e graus de compromissos variados (BARBIERI, 2001). Os componentes básicos desta definição compreendem: (i) sistema gerenciador de banco de dados, (ii) ferramentas de desenvolvimento de sistemas OLAP, (iii) ferramentas para processos ETL (com mecanismos para transferência de dados entre ambientes heterogêneos) e (iv) um visualizador de relatórios (de preferência que as informações possam ser visualizadas através da Web) (BARBIERI, 2001). A arquitetura escolhida para este projeto foi a da plataforma Microsoft, que além de possuir todos os requisitos de desempenho e escalabilidade, é a arquitetura de BI mais utilizada (The OLAP Report, 2009). Além disso, a NeoGrid já trabalha há mais de 10 anos com a plataforma SQL Server, além de ser uma empresa parceira (Microsoft Partner Gold) da Microsoft. Ao concluir o planejamento foi realizado o levantamento das necessidades do DW relacionado aos setores financeiro e estratégico, conforme descreve a próxima seção. 3.2 Levantamento de necessidades A etapa de levantamento de necessidades é uma das mais importantes, pois nesta fase é possível identificar e priorizar as necessidades de informação que a organização necessita. É importante o envolvimento de analistas de sistemas, usuários, equipe de tecnologia da informação e DBAs durante esta fase (BARBIERI, 2001). Diferente do desenvolvimento de sistemas tradicionais, o ciclo de desenvolvimento de um DW inicia pela análise dos dados. Esta primeira análise da base de dados transacional, permite que o analista obtenha um melhor entendimento das necessidades e limitações do projeto, pois o DW é um grande repositório de dados originados destes sistemas (KIMBALL, 2002). Barbieri (2001) destaca dois modelos que devem ser utilizados durante o levantamento de necessidades: (i) o modelo Fonte das Informações, que representa quais informações e análises são esperadas pelos usuários do sistema; e o (ii) modelo Fonte dos Dados, que representa as fontes de informações e o destino delas no modelo dimensional. O objetivo destes modelos não é o de definir e modelar fatos, dimensões e tabelas auxiliares, porque o foco está nos requisitos levantados. A documentação gerada durante esta fase é baseada na solução proposta por Scheeren (2009), que utiliza a UML (Unified Modeling Language) para auxiliar a modelagem de DWs. Após algumas entrevistas com os usuários, foi detectada a necessidade de análise do faturamento e do tráfego de documentos da aplicação Mercador, que permitisse aos gestores uma visão estratégica. Conforme proposto por Scheeren (2009), o modelo

10 Fonte das Informações, que descreve as necessidades levantadas pelos usuários, é representado por um diagrama de caso de uso, que apresenta graficamente a especificação do projeto. Após a definição do escopo (faturamento e tráfego de documentos), foram identificados os requisitos do projeto, relacionando os tipos de análises necessárias pelos usuários (gestores). O Apêndice A ilustra os diagramas de casos de uso, relacionados, respectivamente, ao escopo de faturamento e de tráfego de documentos. Além das entrevistas com os usuários, outra fonte que auxiliou o levantamento de dados foram os relatórios gerenciais. Alguns scripts SQL, que são executados mensalmente pelo DBA, também foram analisados. Os resultados destas consultas são inseridos em planilhas eletrônicas e enviados aos gestores. Desse modo, estas consultas permitiram uma análise prévia, que possibilitou identificar o foco inicial do projeto. Independente do fato que está sendo criado, ele sempre possui no mínimo quatro elementos (MACHADO, 2004): (i) onde aconteceu o fato; (ii) quando aconteceu o fato; (iii) quem executou o fato; e (iv) o que é o objeto do fato. Com base nestes elementos, Machado (2004) propõe a utilização de quatro pontos cardeais para facilitar a descoberta de informações (modelo Fonte dos Dados) levantadas pelo modelo anterior. Estes pontos cardeais são definidos pelas seguintes perguntas: Onde?, Quando?, Quem? e O quê?. Para o modelo Fonte dos dados, que representa a fonte das informações, Scheeren (2009) também propõe a especificação através da utilização de casos de uso. Neste modelo, sistemas de origem e destino são representados por atores. Para definir o que representa cada ator, Scheeren (2009) criou os seguintes estereótipos: <<st>> para sistema transacional; <<ad>> para arquivo de dados e <<md>> para modelo dimensional. Para os pontos cardeais propostos por Machado (2004), Scheeren (2009) definiu os seguintes estereótipos para os casos de uso: <<onde?>>, <<quando?>>, <<quem?>> e <<o quê?>>. No Apêndice B encontram-se os modelos Fonte dos Dados das necessidades levantadas nos modelos anteriores (Apêndice A). Inicialmente, os usuários propuseram uma solução de data warehouse ativo (tempo real), porém este tipo de solução pode gerar diferentes resultados dependendo do momento em que o relatório será gerado. Por este motivo, ficou definido que as cargas devem ser geradas diariamente. Outro requisito necessário é que a solução deve estar operando no modelo 24x7, com um acordo de nível de serviço (Service Level Agreement - SLA) de 99,5% de disponibilidade. Todo o hardware e software do servidor é monitorado, pois caso ocorra alguma falha ou instabilidade no sistema o responsável pelo suporte será acionado. Após a finalização do levantamento das necessidades, foi iniciada a modelagem dimensional do DW, conforme apresentada na próxima seção. 3.3 Modelagem Dimensional A etapa de modelagem dimensional é considerada uma das mais importantes e é um dos fatores críticos de sucesso em um projeto de DW. Ela possibilita que o usuário obtenha as informações em uma forma muito próxima do seu entendimento, com várias perspectivas possíveis. A normalização e a não redundância são dispensadas na

11 modelagem dimensional, com o intuito de se obter estruturas mais ágeis. Tabelas que poderão conter milhares de registros, com muitos gigabytes, ou até mesmo alguns terabytes de dados, são manipuladas (BARBIERI, 2001). A modelagem dimensional produz um modelo conceitual dimensional, formado por tabelas Fato e tabelas Dimensão. Para auxiliar a modelagem, Scheeren (2009) sugere a utilização de diagramas de classes. Segundo Italiano e Esteves (2004b), a etapa de modelagem dimensional é composta por alguns passos, cujo objetivo é representar as necessidades de análise e de informações do usuário: definir fatos e métricas neste passo é definido o que deve ser avaliado no DW. Definida a área de negócios que está sendo modelada, deve ser respondida a seguinte questão: O que estamos avaliando?. A resposta desta pergunta é a lista de fatos. Com isso, foi possível identificar dois fatos: Faturamento e Tráfego de Documentos. Depois de encontrar os fatos, foram identificadas as métricas para cada fato; definir as dimensões de negócios após a identificação dos fatos e métricas que serão armazenados no DW, são definidas as dimensões relacionadas às métricas, que serão utilizadas para a avaliação dos fatos. A questão deste passo é: Como as métricas serão analisadas? ; definir a granularidade das informações em cada dimensão após a definição das dimensões de negócio, deve ser definido o nível de detalhe (granularidade) mais baixo que será avaliado. O seguinte questionamento deve ser realizado ao usuário: Qual o nível de detalhe desejado?. Para o fato Faturamento a granularidade é mensal, para o fato Tráfego é diária; definir a hierarquia de agrupamento das informações é necessário definir as possibilidades de agrupamento (sumarização) das informações desejadas pelo usuário, especificando estes agrupamentos em cada uma das dimensões de negócio. Este passo deve responder a seguinte questão: Como se espera agrupar ou sumarizar as informações?. A dimensão tempo do fato Tráfego possui a seguinte hierarquia: Ano Semestre Trimestre Mês Dia. Para o fato Faturamento, a dimensão tempo possui a hierarquia a seguir: Ano Semestre Trimestre Mês. Após a identificação de todos os elementos necessários para a modelagem, através de entrevistas e análise dos modelos Fonte das Informações, Fonte dos Dados e Entidade-Relacionamento, foram definidos os modelos esquematizados pela Figura 1.

12 Figura 1: Modelos Dimensionais Faturamento e Tráfego. Conforme ilustrado na Figura 1, todos os fatos foram modelados utilizando o esquema estrela, proposto por Kimball (2002). Além de ser o esquema de modelagem mais conhecido e utilizado em bases de dados de suporte à decisão (MACHADO, 2004), ele possui excelente desempenho nas consultas, pois reduz o número de joins. Outra vantagem do esquema estrela é a facilidade com que o usuário não técnico consegue visualizar as análises do negócio (MACHADO, 2004). Optou-se pela criação de um DM para cada aplicação da organização NeoGrid. Por esse motivo, estes dois fatos serão armazenados em apenas um DM. Um importante atributo da tabela Dimensão é a sua chave primária. Por questões de desempenho, não serão utilizadas chaves compostas ou concatenadas. Para cada tabela Dimensão foi definido que sua chave primária será um número inteiro atribuído seqüencialmente. Kimball (2002) sugere que sejam utilizadas chaves genéricas (artificiais), também chamadas de surrogate keys. Um dos principais motivos para a criação de chaves genéricas é que o DW, por manter as informações históricas, não pode ficar vulnerável a problemas de duplicação de chaves durante novas cargas de dados. Outra importante razão para o uso de chaves genéricas, é que em caso de alterações de atributos nos sistemas transacionais, as chaves genéricas serão a base para se manter o histórico destas alterações no DW. A tabela Fato será composta por métricas e chaves para cada uma das dimensões. A chave primária da tabela Fato será composta por atributos que correspondem a chaves estrangeiras, satisfazendo as restrições impostas pela integridade de entidade (obrigatoriedade e unicidade da chave primária) e pela integridade referencial. A finalização da modelagem dimensional é a condição necessária para iniciar o projeto físico do banco de dados, conforme apresenta a próxima seção. 3.4 Projeto Físico dos Bancos de Dados Nesta etapa são definidas as estruturas lógicas do modelo dimensional, ou seja, são definidas as tabelas fato e de dimensões, os seus relacionamentos, os índices, os atributos e as regras de tabelas (BARBIERI, 2001).

13 Para a modelagem dimensional foi utilizada a ferramenta ERwin Data Modeler. Após a modelagem, a ferramenta permitiu a geração automática de um script SQL com a criação de todos os objetos do banco de dados (tabelas, índices, constraints) do DM. A partir da modelagem realizada percebeu-se a necessidade de definir dois fatos, um para cada escopo mapeado, e para cada fato, foram definidas dimensões relacionadas com ele. O Apêndice C esquematiza, respectivamente, os modelos Entidade- Relacionamento (ER) dos dois fatos propostos (Faturamento e Tráfego). A solução será implantada no data center de Joinville, onde será integrado ao SharePoint Server, permitindo acesso Web (interno e externo) aos relatórios. O SQL Server cria automaticamente índices cluster para todas as chaves primárias (Primary Keys PKs) das tabelas. Os índices não-cluster foram criados para as tabelas de dimensões que possuem campos de data e CNPJ. Durante a fase de homologação, foram gerados testes de carga, que permitiram avaliar o desempenho das consultas, percebendo-se a necessidade da criação de novos índices. 3.5 Projeto de ETL Componente essencial de qualquer projeto centrado em dados, as tecnologias de extração, transformação e carga (ETL) são consideradas o coração da parte técnica do processo de data warehousing (TURBAN et. al, 2009). Durante esta etapa são definidos os processos necessários para transformar o modelo Fonte em um modelo Dimensional (BARBIERI, 2001). Esta etapa é um grande desafio para os gestores de TI, pois os processos de ETL costumam consumir cerca de 70% do tempo de um projeto (TURBAN et. al, 2009). Conforme apresentado no Trabalho de Conclusão de Curso I, durante este projeto foi utilizada a ferramenta Integration Services, que faz parte do pacote SQL Server. O Integration Services é a ferramenta de ETL da solução de BI da Microsoft. Ela permite desenvolver graficamente todo o fluxo do processo (Figura 2). Além de facilitar o desenvolvimento, permite uma melhor compreensão do processo, tornando menos complexas as futuras manutenções. Figura 2: Processo ETL do Fato Tráfego. Todos os dados foram importados dos servidores de bancos de dados de produção (3 servidores SQL Server 2008). Não foi necessária a importação de arquivos ou de qualquer outro tipo de estrutura de armazenamento. O primeiro passo foi desenvolver os processos de ETL das dimensões e, posteriormente, os processos dos fatos. A tabela de fatos referencia as tabelas de dimensões através de chaves estrangeiras e por este motivo deve sempre ser a última tabela a ser atualizada durante o processo de ETL (integridade referencial).

14 No desenvolvimento dos pacotes ETL, foram utilizados componentes para conexões a bancos de dados (OLE DB), execução de scripts SQL e captura de alterações nas fontes de dados. Na dimensão LOCALIZACAO_REMETENTE, os dados de CNPJ e razão social são monitorados na base transacional. Caso algum destes valores seja alterado, o processo realiza a atualização destes no DW. A Figura 3 apresenta a execução do ETL da dimensão LOCALIZACAO_REMETENTE. Foram analisados registros, atualizados 647 membros e incluídos novos registros na dimensão. Figura 3: Subprocesso responsável pela dimensão LOCALIZACAO_REMETENTE. Esta etapa do projeto gerou dois pacotes de software, com dois grandes processos ETL, um para cada fato. Nenhuma informação foi sumarizada neste processo. A tabela do fato Tráfego, por exemplo, possui um registro para cada registro na tabela fonte. Finalizado o desenvolvimento dos processos de extração, transformação e carga das dimensões e fatos, foram criadas duas rotinas (uma para cada fato) responsáveis pela execução dos processos ETL e processamento dos cubos (nesta ordem). Todos os processos de ETL são executados no servidor onde está armazenado o DW. Finalizado o projeto de ETL do DW, iniciou-se o desenvolvimento dos cubos, como apresenta a próxima seção. 3.6 Desenvolvimento de Aplicações Após adquirir dados e informações de diversas fontes e organizá-los em um data warehouse, iniciou-se o desenvolvimento da solução de análise de negócios. A análise de negócios é um conjunto de ferramentas e técnicas que permitem reunir, armazenar, analisar e fornecer acesso aos dados, com o objetivo de ajudar os usuários a tomarem melhores decisões comerciais e estratégicas (TURBAN et. al, 2009). Para realizar a análise de negócios foram desenvolvidos os seguintes recursos: (i) geração de cubos OLAP para permitir consultas analíticas com visões multidimensionais; (ii) relatórios na Web pré-formatados com as consultas mais utilizadas; e (iii) consultas e análise ad hoc. O primeiro passo nesta etapa foi iniciar o desenvolvimento dos dois cubos (sendo que, cada fato gerou um cubo). Através do Analysis Services (ferramenta para desenvolvimento OLAP da Microsoft), foram definidas as tabelas fato e suas dimensões (Figura 4). A linguagem utilizada foi a MDX (Multidimensional Expressions), linguagem criada pela Microsoft e que hoje é utilizada na maioria das ferramentas OLAP. Esta linguagem é uma extensão do SQL, que permite acesso às múltiplas dimensões.

15 Figura 4: Cubo Tráfego no Analysis Services. Com a estrutura básica do cubo projetada, foram definidas as métricas e as agregações necessárias. Para cada dimensão, foram definidos os atributos que serão visualizados pelos usuários, e também, criadas as suas hierarquias. A tabela da dimensão TEMPO não precisou ser preenchida manualmente. O Analysis Services possui um wizard para a criação de dimensões do tipo TEMPO. Após definir as datas inicial e final necessárias, foi gerado um script para a carga desta tabela. A hierarquia da dimensão TEMPO é apresentada na Figura 5. Figura 5: Hierarquia da dimensão TEMPO. Durante o desenvolvimento dos cubos, também foram definidos e ajustados os labels dos fatos, métricas, atributos e dimensões, além da ordem de visualização das informações. Assim, estes objetos são visualizados pelo usuário final com nomes mais significativos do ponto de vista do usuário (Figura 6). Figura 6: Atributos do usuário, hierarquia e tabela da dimensão REGIÃO_REMETENTE. Inicialmente, os dados do fato Tráfego (agora cubo Tráfego) seriam agrupados por dia (uma única entrada com o total e tamanho total dos documentos trafegados por parceiros comerciais durante o dia). Porém, durante o desenvolvimento, os usuários perceberam que poderiam utilizar as consultas para gerar extratos analíticos do tráfego dos clientes. Este processo geralmente gera uma carga excessiva no banco de dados transacional, além de ser realizado apenas pelo DBA através de scripts SQL.

16 Após finalizar os cubos, foi projetada a visualização dos dados. Ela torna as aplicações de suporte à decisão mais atraentes e compreensíveis aos usuários, permitindo uma melhor interpretação dos dados. As ferramentas visuais podem ajudar a identificar relações, como por exemplo, tendências. A visualização de análise de negócio através da Web facilita o seu uso, pois não é necessária a instalação de nenhum software adicional (sem falar nas atualizações de versões). Assim, foi criada uma série de relatórios (utilizando a ferramenta Microsoft Reporting Services), integrados à Intranet da corporação (Microsoft SharePoint), que permitem aos usuários de nível de conhecimento (administradores de nível médio - decisões táticas) a obtenção de relatórios e realizar análises destes. Um primeiro exemplo foi a criação de um relatório que permitiu a análise do volume de documentos trafegados (Figura 7), e um dashboard (Figura 8) que possibilitou um melhor acompanhamento do faturamento da empresa. Figura 7: Relatório através da Web. Figura 8: Dashboard do faturamento através da Web. Embora a interface Web seja fácil de utilizar, ela possui algumas limitações. Todos os relatórios são pré-formatos, permitindo uma manipulação limitada das

17 dimensões. Apesar de o projeto priorizar o uso da Web, para o caso de análises mais sofisticadas, são necessárias algumas ferramentas específicas, que incorporam, inclusive, métodos e práticas diferentes (BARBIERI, 2001). Para isso, percebe-se a necessidade de utilizar alguma ferramenta que conecte a base multidimensional e permita análises de negócios mais avançadas. As planilhas são as principais ferramentas do usuário final para a programação de aplicações de suporte à decisão (TURBAN et. al, 2009). Neste contexto, o Microsoft Excel tem sido amplamente adotado como uma ferramenta eficiente e fácil de usar para a manipulação de dados. Ele evoluiu para além de uma simples ferramenta para cálculo de dados, ao ponto de agora ser usado como uma ferramenta sofisticada e flexível para coleta, análise e sintetização de dados de múltiplas fontes. Por estes motivos, o Excel é uma ferramenta que se integra às principais soluções de BI do mercado. Sua principal função é como ferramenta de visualização de dados com acesso a cubos. Empresas como Microsoft, SAP, MicroStrategy e até mesmo a Oracle, disponibilizam plugins para que o Excel conecte aos seus cubos. Como é uma ferramenta amplamente utilizada na NeoGrid, o Excel será a ferramenta que será conectada aos cubos e permitir que os diretores da empresa (administradores de nível superior - decisões estratégicas), possam realizar análises mais avançadas (Figura 9). Figura 9: Acesso aos cubos através do Excel. Durante o desenvolvimento da aplicação, surgiu a oportunidade de realizar um teste em produção, e verificar a eficiência da solução. O faturamento, referente à aplicação Mercador, do mês de outubro havia diminuído comparado com o mês de setembro. Depois de realizada a carga dos dados de produção, foi possível analisar os relatórios e estabelecer alguns relacionamentos. Ao contrário do que se pensava, o aumento no volume de documentos trafegados não aumenta proporcionalmente o faturamento (o que deixou diretores e gerentes preocupados). Com os relatórios gerados (Figura 10), foi possível analisar o faturamento dos Top 400 clientes ao longo dos últimos 6 meses. Analisando o faturamento dos meses anteriores, foi identificado um erro operacional nas tabelas de preço e de cobrança.

18 Como a descoberta da informação foi rápida, após algumas correções, foi possível gerar as faturas novamente, sem gerar perdas para a NeoGrid. Até o presente momento, não existiam maneiras de comparar (ou relacionar) o faturamento ou tráfego de documentos ao longo do tempo. O último relatório deste tipo havia levado mais de dois meses para ser finalizado. Figura 10: Relatório de utilização do portal Mercador. 3.7 Teste e Homologação Finalizado o desenvolvimento, a aplicação foi instalada no ambiente alpha (ambiente para produtos em fase de testes, sem acesso aos usuários finais) e entregue à equipe de testes para realizar o processo de verificação. Durante os testes de processamento dos cubos, foram detectadas algumas anomalias nos dados de produção, como, por exemplo, empresas cadastradas mais de uma vez (foram encontradas empresas com até 10 cadastros). O processamento dos cubos gerava erro, pois a razão social da empresa é um dos atributos das dimensões de LOCALIZACAO e ORGANIZACAO. O erro era causado pela duplicação de membros do atributo. A solução foi desenvolver mais um passo no processo ETL para limpar estas informações, onde foi adicionado o CNPJ da empresa à razão social. Terminado o processo de verificação (e após algumas correções de problemas detectados nos testes), o sistema foi implantado no ambiente de homologação (processo de validação). Este foi o último passo antes da implantação do sistema no ambiente de produção. A equipe de homologação realizou simulações de volume e de processamento para avaliar o impacto da solução na produção. Foi validado também, o pacote de instalação da solução. 3.8 Treinamento Após a entrega do projeto à equipe de homologação, foi realizado um workshop sobre a solução. Participaram deste encontro o diretor da solução de EDI, o gerente da equipe de implantação EDI e alguns colaboradores da equipe de atendimento ao cliente. O principal objetivo foi apresentar a solução para estimular os usuários finais a participarem do processo de validação (homologação).

19 A participação dos usuários neste processo, além de garantir uma melhor qualidade na entrega do projeto, possibilitou alguns ajustes (ex.: ajuste de layout de alguns relatórios, campos de texto livre que foram alterados para combos, etc.) antes de entrar em produção. 3.9 Implantação Com o produto homologado, foi iniciada a etapa de implantação do sistema no ambiente de produção. Foi selecionado, para hospedar a solução, o servidor SQL Server responsável pelos sistemas internos da NeoGrid (que está hospedado em um data center diferente do sistema transacional). Este servidor possui um sistema operacional Windows 2003 Enterprise 64 bits em conjunto com SQL Server 2008 Enterprise 64 bits. Este servidor está em cluster failover (1 nó ativo + 1 nó passivo). O cluster SQL Server já possuía rotinas de manutenção e backups (em fita), não sendo necessário a criação de novas rotinas (jobs). Com os serviços necessários instalados, foram criados monitores para verificar espaço em disco, utilização de hardware (CPU, disco, memória), número de transações por segundo, número de usuários conectados, além de verificar se os serviços estão ativos. Com isso, pode-se gerar relatórios para calcular a disponibilidade do sistema, além de realizar planejamento de capacidade. Após a disponibilização da infra-estrutura necessária, todos os pacotes ETL, cubos e relatórios foram publicados. Os processos ETL terão acesso aos bancos de dados de produção (base transacional) através de um VPN (Virtual Private Network) estabelecida entre os dois data centers (20Mb/s). 4. Conclusões Alguns fatores foram importantes para o sucesso deste projeto, como: (i) a obtenção de um patrocinador executivo, que facilitou o envolvimento de equipes e a liberação de recursos; (ii) a lembrança constante de que o objetivo é aumentar a produtividade do usuário; (iii) a participação dos usuários um fator crítico para o sucesso do projeto; (iv) o envolvimento tanto de profissionais de TI, quanto analistas de negócios no projeto; e (v) a atenção que deve ser dedicada às etapas de levantamento de necessidades e modelagem dimensional. A solução continuará evoluindo com novos dashboards e incluíndo outros produtos da NeoGrid, como a Nota Fiscal Eletrônica (NF-e).

20 Referências Ballard, C., Farrell, D., Gupta, A., Mazuela, C. e Vohnic, S. (2006), Dimensional Modeling: In a Business Intelligence Environment, IBM, 645 p. Barbalho, P. (2003), Descubra o Data Warehouse: produtividade e rapidez, SQL Magazine, Rio de Janeiro, n. 03, p Barbieri, C. (2001), Business Intelligence: Modelagem e Tecnologia, Axcel Books, 424p. Carvalho, B. (2003), Arquitetura de ferramentas OLAP, SQL Magazine, Rio de Janeiro. 09, p Delaney, K. e Agarwal, S. (2006), Practical Business Intelligence with SQL Server 2005, Addison-Wesley Professional, 432 p. Inmon, W. H. (2005), Building the Data Warehouse, Wiley, 576 p. Italiano, I. C. e Esteves, L. A. (2004a), Modelagem de Data Warehouses e Data Marts Parte 1, SQL Magazine, Rio de Janeiro, n. 13, p Italiano, I. C. e Esteves, L. A. (2004b), Modelagem de Data Warehouses e Data Marts Parte 2, SQL Magazine, Rio de Janeiro, n. 14, p Jacobson, R. e Misner, S. (2007), Microsoft SQL Server Server 2005: Analysis Services, Microsoft Press, 340 p. Kimball, R. (2002), The Data Warehouse Toolkit, Wiley, 464 p. Langit, L. (2008), Foundations of SQL Server 2005: Business Intelligence, Apress, 396 p. Larson, B. e Agarwal, S. (2006), Delivering Business Intelligence with Microsoft SQL Server 2005, McGraw-Hill, 792 p. Machado, F. N. (2004), Tecnologia e Projeto de Data Warehouse, Érica, 318 p. Reis, E., Teixeira, F. e Araújo, M. A. (2009), Implementando uma solução de Business Intelligence com o Microsoft SQL Server 2005 Parte 1, SQL Magazine, Rio de Janeiro, n. 59, p Scheeren, J. (2009), Modelagem Visual de Data Warehouses e Data Marts, Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Sistemas de Informação), Centro Universitário Ritter dos Reis, Porto Alegre. The OLAP Report (2009), OLAP market share analysis, Junho. Turban, E., Sharda, R., Aronson, J. e King, D. (2009), Business Intelligence: um enfoque gerencial para a inteligência do negócio, Artmed, 254 p. Turley, P., Kasprzak, J. e Cameron, S. (2007), Microsoft SQL Server Server 2005: Integration Services, Microsoft Press, 453 p.

DESENVOLVIMENTO DA SOLUÇÃO DE BUSINESS INTELLIGENCE EM UMA UNIVERSIDADE ESTADUAL, UTILIZANDO A FERRAMENTA EXCEL PARA MANIPULAÇÃO DOS DADOS

DESENVOLVIMENTO DA SOLUÇÃO DE BUSINESS INTELLIGENCE EM UMA UNIVERSIDADE ESTADUAL, UTILIZANDO A FERRAMENTA EXCEL PARA MANIPULAÇÃO DOS DADOS DESENVOLVIMENTO DA SOLUÇÃO DE BUSINESS INTELLIGENCE EM UMA UNIVERSIDADE ESTADUAL, UTILIZANDO A FERRAMENTA EXCEL PARA MANIPULAÇÃO DOS DADOS Flávio Augusto Lacerda de Farias Rogério Tronco Vassoler ** Resumo

Leia mais

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE Engenharia de Computação Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto OLPT x OLAP Roteiro OLTP Datawarehouse OLAP Operações OLAP Exemplo com Mondrian e Jpivot

Leia mais

Data Warehouse Processos e Arquitetura

Data Warehouse Processos e Arquitetura Data Warehouse - definições: Coleção de dados orientada a assunto, integrada, não volátil e variável em relação ao tempo, que tem por objetivo dar apoio aos processos de tomada de decisão (Inmon, 1997)

Leia mais

Business Intelligence Conceitos, Metodologia de Desenvolvimento e Exemplos de BI

Business Intelligence Conceitos, Metodologia de Desenvolvimento e Exemplos de BI Matriz: Av. Caçapava, 527 CEP 90.460-130 Tecnopuc: Av. Ipiranga, 6681 Prédio 32 Sala 109 CEP 90.619-900 Porto Alegre - RS, Brasil Contate-nos: +55 (51) 3330.7777 contato@dbccompany.com.br www.dbccompany.com.br

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.1 Armazenamento... 5 4.2 Modelagem... 6 4.3 Metadado... 6 4.4

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazem uso de acontecimentos e sistemas e apoiam a tomada de decisões. Utilização de várias fontes de informação para se definir estratégias de competividade

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado

Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado DW OLAP BI Ilka Kawashita Material preparado :Prof. Marcio Vitorino Sumário OLAP Data Warehouse (DW/ETL) Modelagem Multidimensional Data Mining BI - Business

Leia mais

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso 5 Estudo de Caso De modo a ilustrar a estruturação e representação de conteúdos educacionais segundo a proposta apresentada nesta tese, neste capítulo apresentamos um estudo de caso que apresenta, para

Leia mais

Data Warehousing Visão Geral do Processo

Data Warehousing Visão Geral do Processo Data Warehousing Visão Geral do Processo Organizações continuamente coletam dados, informações e conhecimento em níveis cada vez maiores,, e os armazenam em sistemas informatizados O número de usuários

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago DATA WAREHOUSE Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago Roteiro Introdução Aplicações Arquitetura Características Desenvolvimento Estudo de Caso Conclusão Introdução O conceito de "data warehousing" data

Leia mais

Módulo 2. Definindo Soluções OLAP

Módulo 2. Definindo Soluções OLAP Módulo 2. Definindo Soluções OLAP Objetivos Ao finalizar este módulo o participante: Recordará os conceitos básicos de um sistema OLTP com seus exemplos. Compreenderá as características de um Data Warehouse

Leia mais

Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence

Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence Juntamente com o desenvolvimento desses aplicativos surgiram os problemas: & Data Warehouse July Any Rizzo Oswaldo Filho Década de 70: alguns produtos de BI Intensa e exaustiva programação Informação em

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios-

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- Curso: Administração Hab. Sistemas de Informações Disciplina: Gestão de Tecnologia

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

Chapter 3. Análise de Negócios e Visualização de Dados

Chapter 3. Análise de Negócios e Visualização de Dados Chapter 3 Análise de Negócios e Visualização de Dados Objetivos de Aprendizado Descrever a análise de negócios (BA) e sua importância par as organizações Listar e descrever brevemente os principais métodos

Leia mais

Data Warehouses Uma Introdução

Data Warehouses Uma Introdução Data Warehouses Uma Introdução Alex dos Santos Vieira, Renaldy Pereira Sousa, Ronaldo Ribeiro Goldschmidt 1. Motivação e Conceitos Básicos Com o advento da globalização, a competitividade entre as empresas

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Exercícios OLAP - CESPE Material preparado: Prof. Marcio Vitorino OLAP Material preparado: Prof. Marcio Vitorino Soluções MOLAP promovem maior independência de fornecedores de SGBDs

Leia mais

Business Intelligence Um enfoque gerencial para a Inteligência do Negócio.Efrain Turban e outros.tradução. Bookman, 2009.

Business Intelligence Um enfoque gerencial para a Inteligência do Negócio.Efrain Turban e outros.tradução. Bookman, 2009. REFERÊNCIAS o o Business Intelligence Um enfoque gerencial para a Inteligência do Negócio.Efrain Turban e outros.tradução. Bookman, 2009. Competição Analítica - Vencendo Através da Nova Ciência Davenport,

Leia mais

MODELAGEM GRÁFICA DE DATA WAREHOUSES E DATA MARTS USANDO UML

MODELAGEM GRÁFICA DE DATA WAREHOUSES E DATA MARTS USANDO UML 1 MODELAGEM GRÁFICA DE DATA WAREHOUSES E DATA MARTS USANDO UML JOANA SCHEEREN Porto Alegre 2009 2 JOANA SCHEEREN MODELAGEM GRÁFICA DE DATA WAREHOUSES E DATA MARTS USANDO UML Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO DW NA ANVISA

IMPLANTAÇÃO DO DW NA ANVISA IMPLANTAÇÃO DO DW NA ANVISA Bruno Nascimento de Ávila 1 Rodrigo Vitorino Moravia 2 Maria Renata Furtado 3 Viviane Rodrigues Silva 4 RESUMO A tecnologia de Business Intelligenge (BI) ou Inteligência de

Leia mais

Uma Ferramenta Web para BI focada no Gestor de Informação

Uma Ferramenta Web para BI focada no Gestor de Informação Uma Ferramenta Web para BI focada no Gestor de Informação Mikael de Souza Fernandes 1, Gustavo Zanini Kantorski 12 mikael@cpd.ufsm.br, gustavoz@cpd.ufsm.br 1 Curso de Sistemas de Informação, Universidade

Leia mais

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3.

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3. Sumário Data Warehouse Modelagem Multidimensional. Data Mining BI - Business Inteligence. 1 2 Introdução Aplicações do negócio: constituem as aplicações que dão suporte ao dia a dia do negócio da empresa,

Leia mais

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING http://www.uniriotec.br/~tanaka/tin0036 tanaka@uniriotec.br Introdução a Data Warehousing e OLAP Introdução a Data Warehouse e Modelagem Dimensional Visão

Leia mais

Processo Decisório, OLAP e Relatórios Corporativos OLAP E RELATÓRIOS CORPORATIVOS

Processo Decisório, OLAP e Relatórios Corporativos OLAP E RELATÓRIOS CORPORATIVOS Processo Decisório, OLAP e Relatórios Corporativos OLAP E RELATÓRIOS CORPORATIVOS Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 5 2. OLAP... 6 3. Operações em OLAP... 8 4. Arquiteturas em OLAP...

Leia mais

Data Warehouses. Alunos: Diego Antônio Cotta Silveira Filipe Augusto Rodrigues Nepomuceno Marcos Bastos Silva Roger Rezende Ribeiro Santos

Data Warehouses. Alunos: Diego Antônio Cotta Silveira Filipe Augusto Rodrigues Nepomuceno Marcos Bastos Silva Roger Rezende Ribeiro Santos Data Warehouses Alunos: Diego Antônio Cotta Silveira Filipe Augusto Rodrigues Nepomuceno Marcos Bastos Silva Roger Rezende Ribeiro Santos Conceitos Básicos Data Warehouse(DW) Banco de Dados voltado para

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES.

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 88 BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Andrios Robert Silva Pereira, Renato Zanutto

Leia mais

Uma estrutura (framework) para o Business Intelligence (BI)

Uma estrutura (framework) para o Business Intelligence (BI) Uma estrutura conceitural para suporteà decisão que combina arquitetura, bancos de dados (ou data warehouse), ferramentas analíticas e aplicações Principais objetivos: Permitir o acesso interativo aos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP.

DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP. DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP. Eduardo Cristovo de Freitas Aguiar (PIBIC/CNPq), André Luís Andrade

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

PLANO DE ENSINO PRÉ-REQUISITOS: ENS

PLANO DE ENSINO PRÉ-REQUISITOS: ENS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI PLANO DE ENSINO DEPARTAMENTO: DSI Departamento de Sistema de Informação DISCIPLINA: Data Warehouse

Leia mais

Data Warehouse. Djenane Cristina Silveira dos Santos¹, Felipe Gomes do Prado¹, José Justino Neto¹, Márcia Taliene Alves de Paiva¹

Data Warehouse. Djenane Cristina Silveira dos Santos¹, Felipe Gomes do Prado¹, José Justino Neto¹, Márcia Taliene Alves de Paiva¹ Data Warehouse. Djenane Cristina Silveira dos Santos¹, Felipe Gomes do Prado¹, José Justino Neto¹, Márcia Taliene Alves de Paiva¹ ¹Ciência da Computação Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) MG Brasil

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE APLICADO NA GESTÃO ACADÊMICA

BUSINESS INTELLIGENCE APLICADO NA GESTÃO ACADÊMICA BUSINESS INTELLIGENCE APLICADO NA GESTÃO ACADÊMICA Marcio Rodrigo Teixeira e Mehran Misaghi Instituto Superior Tupy (IST) / Sociedade Educacional de Santa Catarina (SOCIESC) Campus Boa Vista, Joinville,

Leia mais

Tópicos Avançados Business Intelligence. Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira. Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence.

Tópicos Avançados Business Intelligence. Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira. Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence. Tópicos Avançados Business Intelligence Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence Roteiro Introdução Níveis organizacionais na empresa Visão Geral das

Leia mais

Módulo 5. Implementando Cubos OLAP

Módulo 5. Implementando Cubos OLAP Módulo 5. Implementando Cubos OLAP Objetivos Compreender a importância da manipulação correta da segurança nos dados. Conhecer as operações que podem ser realizadas na consulta de um cubo. Entender o uso

Leia mais

A importância da. nas Organizações de Saúde

A importância da. nas Organizações de Saúde A importância da Gestão por Informações nas Organizações de Saúde Jorge Antônio Pinheiro Machado Filho Consultor de Negócios www.bmpro.com.br jorge@bmpro.com.br 1. Situação nas Empresas 2. A Importância

Leia mais

Business Intelligence e ferramentas de suporte

Business Intelligence e ferramentas de suporte O modelo apresentado na figura procura enfatizar dois aspectos: o primeiro é sobre os aplicativos que cobrem os sistemas que são executados baseados no conhecimento do negócio; sendo assim, o SCM faz o

Leia mais

OLAP: Características, Arquitetura e Ferramentas

OLAP: Características, Arquitetura e Ferramentas INSTITUTO VIANNA JÚNIOR FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR OLAP: Características, Arquitetura e Ferramentas Erika Maria Teixeira Araújo 1 Mônica de Lourdes Souza Batista 2 Teresinha Moreira de Magalhães

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios?

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? O CA ERwin Modeling fornece uma visão centralizada das principais definições de

Leia mais

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Material de Apoio de Informática - Prof(a) Ana Lucia 53. Uma rede de microcomputadores acessa os recursos da Internet e utiliza o endereço IP 138.159.0.0/16,

Leia mais

Curso Data warehouse e Business Intelligence

Curso Data warehouse e Business Intelligence Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Apresentação Os projetos de Data Warehouse e Business Intelligence são dos mais interessantes e complexos de desenvolver

Leia mais

Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura

Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Apresentação Os projetos de Data Warehouse e Business Intelligence são dos mais interessantes e complexos de desenvolver

Leia mais

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento.

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento. BUSINESS INTELLIGENCE Agenda BI Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento Segurança da Objetivo Áreas Conceito O conceito de Business Intelligencenão é recente: Fenícios, persas, egípcios

Leia mais

KDD E MINERAÇÃO DE DADOS:

KDD E MINERAÇÃO DE DADOS: KDD E MINERAÇÃO DE DADOS: Revisão em Data Warehouses Prof. Ronaldo R. Goldschmidt ronaldo@de9.ime.eb.br rribeiro@univercidade.br geocities.yahoo.com.br/ronaldo_goldschmidt 1 DATA WAREHOUSES UMA VISÃO GERAL

Leia mais

Prof. Ronaldo R. Goldschmidt. ronaldo.rgold@gmail.com

Prof. Ronaldo R. Goldschmidt. ronaldo.rgold@gmail.com DATA WAREHOUSES UMA INTRODUÇÃO Prof. Ronaldo R. Goldschmidt ronaldo.rgold@gmail.com 1 DATA WAREHOUSES UMA INTRODUÇÃO Considerações Iniciais Conceitos Básicos Modelagem Multidimensional Projeto de Data

Leia mais

Sistemas de Apoio à Inteligência do Negócio

Sistemas de Apoio à Inteligência do Negócio Sistemas de Apoio à Inteligência do Negócio http://www.uniriotec.br/~tanaka/sain tanaka@uniriotec.br Visão Geral de Business Intelligence Evolução dos Sistemas de Informação (computadorizados) 1950 s:

Leia mais

Thiago Locatelli de OLIVEIRA, Thaynara de Assis Machado de JESUS; Fernando José BRAZ Bolsistas CNPq; Orientador IFC Campus Araquari

Thiago Locatelli de OLIVEIRA, Thaynara de Assis Machado de JESUS; Fernando José BRAZ Bolsistas CNPq; Orientador IFC Campus Araquari DESENVOLVIMENTO DE AMBIENTE PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO RELACIONADO AOS DADOS PRODUZIDOS PELO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE TRANSITO DA CIDADE DE JOINVILLE/SC PARTE I Thiago Locatelli de OLIVEIRA, Thaynara

Leia mais

PROPOSTA DE UMA ARQUITETURA PARA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE PARA GESTÃO DA SAÚDE PÚBLICA DE UM MUNICÍPIO DO VALE DO ITAJAÍ

PROPOSTA DE UMA ARQUITETURA PARA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE PARA GESTÃO DA SAÚDE PÚBLICA DE UM MUNICÍPIO DO VALE DO ITAJAÍ PROPOSTA DE UMA ARQUITETURA PARA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE PARA GESTÃO DA SAÚDE PÚBLICA DE UM MUNICÍPIO DO VALE DO ITAJAÍ Renan Felipe dos Santos Prof. Alexander Roberto Valdameri,Orientador ROTEIRO

Leia mais

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados slide 1 1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Como um banco de dados

Leia mais

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS Vimos em nossas aulas anteriores: COMPUTADOR Tipos de computadores Hardware Hardware Processadores (CPU) Memória e armazenamento Dispositivos de E/S

Leia mais

Arquiteturas de DW e Abordagens de Implementação. Arquiteturas e Abordagens de Implementação

Arquiteturas de DW e Abordagens de Implementação. Arquiteturas e Abordagens de Implementação Curso de Dwing TecBD-DI PUC-Rio Prof. Rubens Melo Arquiteturas de DW e Abordagens de Implementação Arquiteturas e Abordagens de Implementação Arquitetura adequada é fundamental Infra-estrutura disponível

Leia mais

MANUAL BI- Business Intelligence

MANUAL BI- Business Intelligence 1. VISÃO GERAL 1.1 SISTEMA BI Business Intelligence: Segundo Gartner Group, a maior ameaça das empresas da atualidade é o desconhecimento... O Business Intelligence se empenha em eliminar as dúvidas e

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

Aplicação de Data Warehousing no Cadastro de Ficha Limpa do TSE

Aplicação de Data Warehousing no Cadastro de Ficha Limpa do TSE Aplicação de Data Warehousing no Cadastro de Ficha Limpa do TSE Mateus Ferreira Silva, Luís Gustavo Corrêa Lira, Marcelo Fernandes Antunes, Tatiana Escovedo, Rubens N. Melo mateusferreiras@gmail.com, gustavolira@ymail.com,

Leia mais

Capítulo 1 - A revolução dos dados, da informação e do conhecimento 1 B12 4

Capítulo 1 - A revolução dos dados, da informação e do conhecimento 1 B12 4 Sumário Capítulo 1 - A revolução dos dados, da informação e do conhecimento 1 B12 4 Capítulo 2 - Reputação corporativa e uma nova ordem empresarial 7 Inovação e virtualidade 9 Coopetição 10 Modelos plurais

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE BI Aplicado à Gestão das Águas Subterrâneas. Frederico Cláudio Peixinho Flávio Luis de Mello 23 a 26 de Outubro de 2012

BUSINESS INTELLIGENCE BI Aplicado à Gestão das Águas Subterrâneas. Frederico Cláudio Peixinho Flávio Luis de Mello 23 a 26 de Outubro de 2012 XVII Congresso Brasileiro de Águas Subterrâneas Bonito - MT Serviço Geológico do Brasil CPRM BUSINESS INTELLIGENCE BI Aplicado à Gestão das Águas Subterrâneas Frederico Cláudio Peixinho Flávio Luis de

Leia mais

Aplicando Técnicas de Business Intelligence sobre dados de desempenho Acadêmico: Um estudo de caso

Aplicando Técnicas de Business Intelligence sobre dados de desempenho Acadêmico: Um estudo de caso Aplicando Técnicas de Business Intelligence sobre dados de desempenho Acadêmico: Um estudo de caso Ana Magela Rodriguez Almeida 1, Sandro da Silva Camargo 1 1 Curso Engenharia de Computação Universidade

Leia mais

Quem estiver interessado favor mandar currículo para sabrina.rodrigues@neogrid.com. As vagas são as seguintes: *Analista de BI (2 vagas)*

Quem estiver interessado favor mandar currículo para sabrina.rodrigues@neogrid.com. As vagas são as seguintes: *Analista de BI (2 vagas)* Quem estiver interessado favor mandar currículo para sabrina.rodrigues@neogrid.com. As vagas são as seguintes: *Analista de BI (2 vagas)* Buscamos candidatos com interesse e experiência na área de desenvolvimento,

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 4.2 2 1 BI BUSINESS INTELLIGENCE BI CARLOS BARBIERI

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 4.3 2 1 BI BUSINESS INTELLIGENCE BI CARLOS BARBIERI

Leia mais

Business Intelligence aplicado a área da saúde: potencializando a tomada de decisão

Business Intelligence aplicado a área da saúde: potencializando a tomada de decisão Business Intelligence aplicado a área da saúde: potencializando a tomada de decisão Daiane Kelly de Oliveira 1, Dorirley Rodrigo Alves 1 1 Instituto de Ciências Exatas e Informática PUC Minas Campus Guanhães

Leia mais

CAPÍTULO 5. Introdução ao Gerenciamento de Bancos de Dados.

CAPÍTULO 5. Introdução ao Gerenciamento de Bancos de Dados. CAPÍTULO 5. Introdução ao Gerenciamento de Bancos de Dados. VISÃO GERAL DO CAPÍTULO O objetivo do capítulo é enfatizar o gerenciamento dos recursos de dados de organizações que utilizam computadores. O

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS Capítulo 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação?

Leia mais

Business Intelligence. BI CEOsoftware Partner YellowFin

Business Intelligence. BI CEOsoftware Partner YellowFin Business Intelligence BI CEOsoftware Partner YellowFin O que é Business Intelligence Business Intelligence (BI) é a utilização de uma série de ferramentas para coletar, analisar e extrair informações,

Leia mais

Pacotes de Relatório do IBM Cognos 8 BI MidMarket Atenda a todos os seus requisitos de relatório dentro do orçamento

Pacotes de Relatório do IBM Cognos 8 BI MidMarket Atenda a todos os seus requisitos de relatório dentro do orçamento Data Sheet Pacotes de Relatório do IBM Cognos 8 BI MidMarket Atenda a todos os seus requisitos de relatório dentro do orçamento Visão Geral Organizações de tamanho médio precisam melhorar drasticamente

Leia mais

Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse

Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse Alcione Benacchio (UFPR) E mail: alcione@inf.ufpr.br Maria Salete Marcon Gomes Vaz (UEPG, UFPR) E mail: salete@uepg.br Resumo: O ambiente de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO COORDENAÇÃO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO COORDENAÇÃO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO COORDENAÇÃO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO BUSINESS INTELLIGENCE COMO FERRAMENTA DE APOIO A AUDITORIA DE CONTROLE

Leia mais

Business Intelligence para Computação TítuloForense. Tiago Schettini Batista

Business Intelligence para Computação TítuloForense. Tiago Schettini Batista Business Intelligence para Computação TítuloForense Tiago Schettini Batista Agenda Empresa; Crescimento de Dados; Business Intelligence; Exemplos (CGU, B2T) A empresa Empresa fundada em 2003 especializada

Leia mais

Uma aplicação de Data Warehouse para apoiar negócios

Uma aplicação de Data Warehouse para apoiar negócios Uma aplicação de Data Warehouse para apoiar negócios André Vinicius Gouvêa Monteiro Marcos Paulo Oliveira Pinto Rosa Maria E. Moreira da Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ IME - Dept

Leia mais

Aline França a de Abreu, Ph.D

Aline França a de Abreu, Ph.D Aline França a de Abreu, Ph.D igti.eps.ufsc.br 07 / 10/ 04 Núcleo de estudos Criado em 1997 - UFSC/EPS Equipe multidisciplinar, com aproximadamente 20 integrantes OBJETIVO Gerar uma competência e uma base

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM. Metadados

MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM. Metadados MBA Inteligência Competitiva BI/CPM 1 Data Warehousing PÓS-GRADUAÇÃO MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM Metadados Andréa Cristina Montefusco (36927) Hermes Abreu Mattos (36768) Robson Pereira

Leia mais

Complemento I - Noções Introdutórias em Data Warehouses

Complemento I - Noções Introdutórias em Data Warehouses Complemento I - Noções Introdutórias em Data Warehouses Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE Fabio Favaretto Professor adjunto - Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de 1 Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de relatórios dos sistemas de informação gerencial. Descrever

Leia mais

Plataforma de Business Intelligence

Plataforma de Business Intelligence Plataforma de Business Intelligence ASTEN TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO A Asten é uma empresa do ramo da tecnologia da informação (TI) que tem seu foco na busca por soluções inovadoras. Nosso slogan criando

Leia mais

Módulo 4. Construindo uma solução OLAP

Módulo 4. Construindo uma solução OLAP Módulo 4. Construindo uma solução OLAP Objetivos Diferenciar as diversas formas de armazenamento Compreender o que é e como definir a porcentagem de agregação Conhecer a possibilidade da utilização de

Leia mais

Percio Alexandre de Oliveira Prof. Maurício Capobianco Lopes - Orientador

Percio Alexandre de Oliveira Prof. Maurício Capobianco Lopes - Orientador Percio Alexandre de Oliveira Prof. Maurício Capobianco Lopes - Orientador Índice Introdução Objetivos Data Warehouse Estrutura Interna Características Principais elementos: ETC, Metadados e Modelagem Dimensional

Leia mais

Business Intelligence

Business Intelligence 1/ 24 Business Intelligence Felipe Ferreira 1 Nossa empresa Jornal O Globo Jornais Populares Parcerias Grupo Folha Grupo Estado 2 1 Fundada em 1925 3100 funcionários 2 Parques Gráficos e SP Globo: 220

Leia mais

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Business Intelligence: Desafios e Melhores Práticas

Business Intelligence: Desafios e Melhores Práticas Sucesu RJ - IV Congresso de Inteligência Competitiva Business Intelligence: Desafios e Melhores Práticas Eugenio Pedrosa Petrobras Roteiro Arquitetura de BI Evolução da BI nas Empresas Corporate Performance

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UM DATA MART PARA ÁREA COMERCIAL DA HAVAN LOJAS DE DEPARTAMENTOS Área de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação ão? Como um sistema de gerenciamento

Leia mais

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C#

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# Camila Sanches Navarro 1,2, Wyllian Fressatti 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sanchesnavarro@gmail.com wyllian@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel

Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel Carlos Alberto Ferreira Bispo (AFA) cafbispo@siteplanet.com.br Daniela Gibertoni (FATECTQ) daniela@fatectq.com.br

Leia mais

Bloco Administrativo

Bloco Administrativo Bloco Administrativo BI Business Intelligence Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Business Intelligence, que se encontra no Bloco Administrativo. Todas informações aqui

Leia mais

Solução de Business Intelligence para Seguros

Solução de Business Intelligence para Seguros Solução de Business Intelligence para Seguros António Roberto Taveira de Vasconcelos Pinto de Gouveia Mestrado Integrado em Engenharia de Redes e Sistemas Informáticos Departamento de Ciências de Computadores

Leia mais

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Agenda Introdução Contexto corporativo Agenda Introdução Contexto corporativo Introdução O conceito de Data Warehouse surgiu da necessidade de integrar dados corporativos

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

Kimball University: As 10 Regras Essenciais para a Modelagem de Dados Dimensional

Kimball University: As 10 Regras Essenciais para a Modelagem de Dados Dimensional Kimball University: As 10 Regras Essenciais para a Modelagem de Dados Dimensional Margy Ross Presidente Kimball Group Maio de 2009, Intelligent Enterprise.com Tradução livre para a língua portuguesa por

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação IETEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Gestão e Tecnologia da Informação BAM: Analisando Negócios e Serviços em Tempo Real Daniel Leôncio Domingos Fernando Silva Guimarães Resumo

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

OLAP em âmbito hospitalar: Transformação de dados de enfermagem para análise multidimensional

OLAP em âmbito hospitalar: Transformação de dados de enfermagem para análise multidimensional OLAP em âmbito hospitalar: Transformação de dados de enfermagem para análise multidimensional João Silva and José Saias m5672@alunos.uevora.pt, jsaias@di.uevora.pt Mestrado em Engenharia Informática, Universidade

Leia mais

Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento

Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento ELC1075 Introdução a Sistemas de Informação Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento Raul Ceretta Nunes CSI/UFSM Introdução Gerenciando dados A abordagem de banco de dados Sistemas de gerenciamento

Leia mais