11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas"

Transcrição

1 ECOLOGIA ISOTÓPICA, DIETA E ESTRUTURA POPULACIONAL DE Caiman crocodilus e Melanosuchus niger (CROCODYLIA, ALLIGATORIDAE) NO RIO JAVAÉS, ENTORNO PARQUE NACIONAL DO ARAGUAIA, TOCANTINS. Mauro Celso Hoffmann da Silva 1 ; Adriana Malvasio 2 1 Aluno do Curso de Engenharia Ambiental; Campus de Palmas; PIBIC/UFT 2 Orientador(a) do Curso de Engenharia Ambiental; Campus de Palmas; RESUMO No Brasil, estão presentes seis espécies de crocodilianos, três delas são encontradas no Estado do Tocantins. C. crocodilus e M. niger apresentam potencial de criação zootécnica, sendo permitida sua comercialização, uma vez que estão inseridas no II da CITES. Estudos sobre aspectos ecológicos viabilizam a descrição das suas condições de existência e sobrevivência, servindo de base para o desenvolvimento de programas de manejo e conservação. A utilização do isótopo de nitrogênio é comum em estudos que visam analisar a cadeia trófica de determinado ambiente. Este estudo foi realizado no rio Javaés, entorno do Parque Nacional do Araguaia. Com quatro campanas na seca e quatro na cheia. No total para o Rio Javaés foram contabilizados 1453 jacarés, e capturados 75 indivíduos, 48 na época seca, 27 na época de cheia. 59 eram da espécie C. crocodilus e 16 M. niger. Foram encontrados animais com lesões em todas as campanhas. As principais variáveis ambientais registradas foram à temperatura da água e do ar. Realizou-se triagem do conteúdo estomacal coletado de 20 indivíduos, 10 de cada espécie. Realizando Regressão linear simples no programa Bioestat (versão 5.3), adotando-se que para p < 0.05 é significativo, constatou-se que é significativa às relações entre 15N/C.R.C. e 15N/Massa para ambas as espécies. Onde material vegetal foi o item mais encontrado. Houve diferença de nível trófico entre as espécies duas espécies estudadas e entre indivíduos de tamanho diferentes dentro da mesma espécie, já que foram capturados jacarés de diversos tamanhos e em locais diferentes. Palavras-chave: Crocodilianos, Dieta, Isótopos instáveis, Rio Javaés. INTRODUÇÃO No Brasil, estão presentes seis espécies de crocodilianos (todos da família Alligatoridae), onde três podem ser encontradas no rio Javaés, Estado do Tocantins, sendo elas: Melanosuchus niger, Caiman crocodilus, Paleosuchus palpebrosus (MALVASIO & SALERA JUNIOR, 2006).

2 Os crocodilianos sempre constituíram um recurso da fauna silvestre de grande importância para as populações que vivem nas margens dos rios e lagos amazônicos (DA SILVEIRA et al., 1999) No entanto o consumo indiscriminado de algumas espécies, somado à destruição ou ocupação desordenada de seu ambiente natural provocaram um declínio acentuado de suas populações (DA SILVEIRA et al., 1999). As duas espécies apresentam potencial de criação zootécnica, sendo permitida sua comercialização, uma vez que estão inseridas no II da CITES. É notável a carência por pesquisas envolvendo crocodilianos da fauna brasileira apesar de sua significativa importância ecológica, econômica e cultural. Estudos sobre aspectos ecológicos que caracterizam a razão sexual, a biometria e a biologia alimentar dos crocodilianos, viabiliza a descrição das suas condições de existência e sobrevivência, servindo de base para o desenvolvimento de programas de manejo e conservação. Para Pereira & Benedito (2007), os isótopos estáveis de carbono, nitrogênio entre outros, são ferramentas atualmente consideradas úteis paras os pesquisadores, que estudam os ciclos de matérias e energia no ambiente, onde os isótopos estáveis estão presentes nos ecossistemas e sua distribuição natural reflete, de forma integrada, a história dos processos físicos e metabólicos do ambiente. A utilização do isótopo de nitrogênio é comum em estudos que visam analisar a cadeia trófica de determinado ambiente, pois ocorre um progressivo enriquecimento de átomos de 15 N ao longo da cadeia. A transferência de nível trófico geralmente acontece com um aumento de 3-5 no valor do δ 15 N, no entanto, são escassos trabalhos envolvendo esta metodologia em crocodilianos neotropicais. MATERIAL E MÉTODOS Este estudo foi realizado no rio Javaés, na Base Física do Centro de Conservação e Manejo dos Répteis e Anfíbios (RAN/ICMBIO), localizado no entorno do Parque Nacional do Araguaia (PNA), Ilha do Bananal/TO, entre as coordenadas Lat 9º 52 10º 00 S; Long 50º 00 50º 09 W, e em um lago adjacente (Lago Chaves 9º 52 S / 50º08 W ). Foram realizadas quatro campanhas nos meses de seca, entre os meses de agosto a novembro de 2011 e quatro nos meses de chuva: entre os meses de março a junho de 2012, cada campanha teve duração de uma semana. Realizou-se realizado censo e captura no trecho de aproximadamente 50 km do Rio Javaés, entre as praias Sambaíba e Bonita e também Lago Chaves. Dedicaram-se 10 horas de esforço de captura divididas durante os sete dias. Após a captura o animal foi imobilizado, vendando

3 as maxilas e olhos com fita adesiva e amarrando os membros anteriores e posteriores para trás com barbantes, minimizando os riscos de acidentes. No início e término dos censos, as principais variáveis ambientais relacionadas ao comportamento biológico das espécies foram anotadas. Cada animal avistado teve, quando possível, sua espécie e tamanho estimados. Marcando um ponto no GPS quando um indivíduo for avistado ou capturado. Os dados de temperatura da água e do ar foram aferidos através de leitura direta, utilizando termômetro manual ou digital. Os dados biométricos foram retirados logo após a captura dos exemplos, com exceção dos indivíduos que foram submetidos à lavagem estomacal. A soltura dos indivíduos foi feita no mesmo local de captura, logo após a finalização dos trabalhos. Foram obtidas as medidas dos comprimentos do crânio, rosto-cloaca, total, cauda, diâmetro da cintura e massa, utilizando fita métrica de precisão de 0,1cm e balança de precisão 0,1 kg. A marcação foi realizada com o auxílio de um alicate marcador, que perfura a primeira crista única da cauda do jacaré, fixando um brinco plástico numerado. Os brincos possuem quatro cores diferentes, diferenciando as espécies e os sexos. A sexagem foi realizada através do toque cloacal, verificando a presença ou não do pênis. Os conteúdos armazenados em álcool a 70%, em frasco com tampa, identificando o número, o sexo do animal e a data de captura, e serão levados ao Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA - USP), onde foram processados e classificados em: crustáceo, aracnídeo, peixe, escama, molusco, material vegetal (graveto, folha), parasitas e não identificado, além da quantificação e foi realizado os estudos isotópicos. Retiraram-se fragmentos de unhas, identificando-as e armazenando-as, levadas posteriormente para CENA USP. Onde foram lavadas manualmente e fragmentados no menor tamanho possível. O material resultante será pesado (0,8-1,2 mg) e colocado em pequenas cápsulas de estanho. As composições isotópicas do nitrogênio serão determinadas pela combustão on-line da amostra por CF-IRMS em um analisador elementar Carlo Erba (CHN-1110) acoplado ao espectrômetro de massas Delta Plus, no laboratório de ecologia isotópica do CENA-USP, da Universidade de São Paulo (USP). O cálculo da composição isotópica do nitrogênio será feito por meio da equação: R 15 δ N = amostra R R padrão padrão *1000 Onde R é a razão molar N 15 /N 14 na mostra e no padrão, sendo os resultados representados em delta (δ) por mil ( ).

4 Os defeitos e anomalias existentes nos animais capturados foram descritos, anotando-se o tipo de defeito ou anomalia e o local onde ocorreu (SOARES; 2007). RESULTADOS E DISCUSSÃO No total para o Rio Javaés foram contabilizados 1453 jacarés, onde a espécie mais identificada foi a C. crocodilus com 466 (34.09%) indivíduos contabilizados, M. niger ficou com 287 (21.46%) e espécimes não identificados 700 (48.18%). O elevado número de animais não identificados se dá devido as dificuldade de aproximação do barco até o local onde se encontra o jacaré, ou devido ao fato que o animal emerge (mergulha) quando detecta a aproximação do barco, onde só é possível a identificação da presença do jacaré. Durante o período de duração do projeto, foram capturados um total de 75 jacarés, 48 na época seca, segundo semestre de 2011, e 27 indivíduos na época de cheia, primeiro semestre de Onde 59 (78,67%) eram da espécie C. crocodilus e 16 M. niger (21,3%). A quantidade maior de C. crocodilus capturados, corrobora com os dados de contagem, onde demonstra uma maior população de C. crocodilus na região. Foram encontrados animais com lesões em todas as campanhas, onde a principal lesão é a falta da ponta da cauda, uma lesão que é provavelmente ocasionada por peixes carnívoros. As principais variáveis ambientais registradas foram à temperatura da água que teve média inicial de 30,5ºC e final de 31,0ºC e do ar media inicial de 26,8ºC e final de 27,3ºC. A Lua esteve presente no censo realizado no mês de agosto e outubro, não estando presente no mês de novembro. Houve também presença de vento em quase todos os dias de censo. Realizou-se triagem do conteúdo estomacal coletado de 20 indivíduos, 10 de cada espécie. Onde Material Vegetal foi o item mais encontrado, estando presente em todos os conteúdos, também foram encontrados: tecido animal (mamíferos e peixes), nemátoide, inseto, crustáceo, grãos de areias e pedregulhos. Jacarés são animais generalistas, consomem tudo o que encontram e conseguem capturar. Quando são juvenis geralmente se alimentam basicamente de insetos, moluscos, larvas, ou seja, tudo aqui que é capaz de capturar. Já quando vão crescendo, a diversidade de itens alimentares tende a aumentar, já que são capazes de capturar presas maiores. Passando a se alimentar de invertebrados, crustáceos, peixe, mamíferos, répteis, etc.

5 Realizando Regressão linear simples no programa Bioestat (versão 5.3), adotando-se que para p < 0.05 é significativo, constatou-se que é significativa as relações entre 15N/C.R.C. (Comprimento Rosto- Cloaca) e 15N/Massa para ambas as espécies. Onde para C. crocodilus com de N de 56 indivíduos teve p = para 15N/C.R.C. e p = para 15N/Massa. Já para M. niger o teste foi realizando com um N de 13 espécimes, onde a relação 15N/CRC teve p = e 15N/Massa teve p = Pode-se determinar o nível trófico de um organismo utilizando a razão do nitrogênio (δ 15 N) pode ser usada para determinar o nível trófico de um organismo (FRY, 2006). Isso demonstra que não há diferença de nível trófico entre as espécies duas espécies estudas e entre indivíduos de tamanho diferentes dentro da mesma espécie, já que foram capturados jacarés de diversos tamanhos e em locais diferentes. Só é possível definir com mais precisão o nível trófico das duas espécies se fossem amostrados os itens alimentares presente nos locais onde eles habitam, e realizados teste isotópicos com esses itens, caracterizando assim a cadeia como um todo, tanto na seca, como na cheia (WILSON, 2010). LITERATURA CITADA DA SILVEIRA, R. & THORBJARNARSON, J. B. Conservation implications of commercial hunting of black and spectacled caiman in the Mamirauá Sustainable Development Reserve, Brazil. Biological Conservation. v. 88. p FRY, B. Stable Isotope Ecology. Springer, Berlin (2006). MALVASIO, A. & SALERA JR., G. Studies of Melanosuchus niger and C. crocodilus populations in the Javaés river, Araguaia National Park, Tocantins, Brazil. Crocodile Specialist Group NEWSLETTER. Vol. 25. nº. 01. p PEREIRA, A.L. & BENEDITO, E. Isótopos estáveis em estudos ecológicos: métodos, aplicações e perspectivas. Rev. biociên., Taubaté, v.13, n.1-2, p.16-27, jan/jun SOARES, E.A Densidade Populacional, Lesões e Anomalias em Melanosuchus niger (SPIX, 1825) e Caiman crocodilus (LINEAU, 1758), (Crocodylia, Alligatoridae) na Bacia do Rio Araguaia, Estado do Tocantins, Dissertação (Mestrado em Ciências do Ambiente). Universidade Federal do Tocantins, UFT, Palmas, Brasil. WILSON, R.P. Resource partitioning and niche hyper-volume overlap in free-living Pygoscelid penguins. Functional Ecology 24, (2010). AGRADECIMENTOS Aos membros do grupo CROQUE, a UFT, ao Centro de Pesquisa Canguçu e ao seu Coordenador, ao RAN/ICMBIO, ao IBAMA e a Professora Drª Adriana Malvasio. O presente trabalho foi realizado com o apoio da UFT.

Ecologia trófica de lobo-guará, Chrysocyon brachyurus, no Parque Estadual do Guartelá, Tibagi, PR, Brasil

Ecologia trófica de lobo-guará, Chrysocyon brachyurus, no Parque Estadual do Guartelá, Tibagi, PR, Brasil Ecologia trófica de lobo-guará, Chrysocyon brachyurus, no Parque Estadual do Guartelá, Tibagi, PR, Brasil Acadêmico:Lincoln José Michalski Orientador: Ivana de Freitas Barbola CNPq Conselho Nacional de

Leia mais

SINOPSE DAS OFICINAS

SINOPSE DAS OFICINAS SINOPSE DAS OFICINAS Oficina 1: Título: Diversidade de quelônios do sul do Brasil: Distribuição e ameaças Oficineiras: Raíssa Bressan - bióloga, doutoranda em Biologia Animal pela UFRGS, com experiência

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA Como pode cair no enem (ENEM) Várias estratégias estão sendo consideradas para a recuperação da diversidade biológica de um ambiente degradado, dentre elas, a criação

Leia mais

I SIMPÓSIO DA REDE PPBio MATA ATLÂNTICA

I SIMPÓSIO DA REDE PPBio MATA ATLÂNTICA I SIMPÓSIO DA REDE PPBio MATA ATLÂNTICA 11 de Agosto de 2015 Sandro Muniz Biólogo Gestor de Unidade de Conservação DEMANDAS DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO PN Serra da Lontra PEIG Hidrogeologia Conhecer

Leia mais

Ficha Sumativa. Onde existe vida na Terra? Ambientes naturais: terrestres e aquáticos. Tema 2 - Terra em transformação.

Ficha Sumativa. Onde existe vida na Terra? Ambientes naturais: terrestres e aquáticos. Tema 2 - Terra em transformação. Ficha Sumativa Onde existe vida na Terra? Ambientes naturais: terrestres e aquáticos. Tema 2 - Terra em transformação. Bloco de trabalho 7 - Diversidade nos animais: como se alimentam. 1. A figura 1 representa,

Leia mais

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A.

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. AFUGENTAMENTO E RESGATE DE FAUNA NA ÁREA DE SUPRESSÃO DA VEGETAÇÃO DA UNIDADE INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE CELULOSE DO MARANHÃO INTRODUÇÃO Atividades de resgate de fauna são normatizadas

Leia mais

PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS 4.8 Programa de Acompanhamento e Resgate de Fauna durante a Limpeza e Enchimento da Área do Reservatório Revisão 00 NOV/2013

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1G

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1G CADERNO DE EXERCÍCIOS 1G Ensino Fundamental Ciências da Natureza Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Movimentos dos continentes H7 2 Origem dos seres vivos na Terra H17 3 Relações ecológicas

Leia mais

I CURSO DE MANEJO IMEDIATO DE ANIMAIS SILVESTRES EM ATIVIDADES FISCALIZATÓRIAS CONCEITOS

I CURSO DE MANEJO IMEDIATO DE ANIMAIS SILVESTRES EM ATIVIDADES FISCALIZATÓRIAS CONCEITOS I CURSO DE MANEJO IMEDIATO DE ANIMAIS SILVESTRES EM CONCEITOS APREENSÃO ato de tomar, legalmente e sem compensação, animal mantido de forma ilegal ou sob maus tratos, como estratégia patrimonial de combate

Leia mais

ABRAVAS. Associação Brasileira de Veterinários de Animais Selvagens. www.abravas.org.br

ABRAVAS. Associação Brasileira de Veterinários de Animais Selvagens. www.abravas.org.br ABRAVAS Associação Brasileira de Veterinários de Animais Selvagens www.abravas.org.br Doenças em Animais Selvagens, porque estudá-las? Profa. Dra. Eliana Matushima Depto. de de Patologia FMVZ USP ermatush@usp.br

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica UFRGS ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica 1. (Ufrgs 2014) Considere as seguintes afirmações sobre conceitos utilizados em ecologia. I. Nicho ecológico é a posição biológica ou funcional que um ecossistema

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEITO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

MINISTÉRIO DO MEITO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS MINISTÉRIO DO MEITO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS PORTARIA Nº 118-N DE 15 DE OUTUBRO DE 1997 O PRESIDENTE

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Lucas Mattos Martins (*), Guilherme Resende Tavares,

Leia mais

Seu pé direito nas melhores faculdades

Seu pé direito nas melhores faculdades Seu pé direito nas melhores faculdades FUVEST 2 a Fase 10/janeiro/2011 conhecimentos gerais 01. a) Quantos são os números inteiros positivos de quatro algarismos, escolhidos sem repetição, entre 1, 3,

Leia mais

SELEÇÃO MESTRADO 2014 15

SELEÇÃO MESTRADO 2014 15 INSTRUÇÕES: UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO SELEÇÃO MESTRADO 2014 15 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Escreva seu Nome Completo, Número do RG e Número de Inscrição nos espaços indicado abaixo. Não

Leia mais

PORTARIA N.º 118/97 de 15.10.97

PORTARIA N.º 118/97 de 15.10.97 Página 1 PORTARIA N.º 118/97 de 15.10.97 Regulamenta a criação de animais da fauna silvestre brasileira com fins econômicos e industriais INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

Leia mais

Categoria de uso Classe de consumo Tarifas codigo Faixa Agua esgoto (m3/mês.econ) (R$ m3) (R$ m3) Residencial R1 00 a 15 0,40 x TRA 0,40 x TRE R2 16 a 30 1,00 x TRA 1,00 x TRE R3 31 a 60 1,50 x TRA 1,50

Leia mais

Macaco-Prego, como controlar esta nova praga florestal?

Macaco-Prego, como controlar esta nova praga florestal? FLORESTA 30(1/2): 95-99 Macaco-Prego, como controlar esta nova praga florestal? VALMIR JOSÉ ROCHA Palavras chaves: praga florestal, Cebus apella, Pinus spp.; INTRODUÇÃO O macaco-prego é a espécie de primata

Leia mais

Composição, Resgate, Realocação e Sobrevivência de uma População de Dinoponera Lucida Emery (Hymenoptera: Formicidae)

Composição, Resgate, Realocação e Sobrevivência de uma População de Dinoponera Lucida Emery (Hymenoptera: Formicidae) III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 189 Composição, Resgate, Realocação e Sobrevivência de uma População de Dinoponera Lucida Emery (Hymenoptera: Formicidae) R. A. Ferreira 1 ;

Leia mais

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS Teor de Umidade dos Grãos TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS O teor de umidade dos grãos representa a quantidade de água por unidade de massa do grão úmido ou seco. Pode ser expresso pela relação entre a quantidade

Leia mais

ECOLOGIA IMPACTOS ANTRÓPICOS (AR E ÁGUA) - AR

ECOLOGIA IMPACTOS ANTRÓPICOS (AR E ÁGUA) - AR ECOLOGIA IMPACTOS ANTRÓPICOS (AR E ÁGUA) é uma das áreas da biologia que mais cai no ENEM, sendo que, dentro da ecologia, impactos ambientais são pontos bem cobrados. Nessa aula, iremos estudar alguns

Leia mais

Específicas. I. Harmônicas. II. Desarmônicas. I. Harmônicas 1) SOCIEDADE. Estas relações podem ser

Específicas. I. Harmônicas. II. Desarmônicas. I. Harmônicas 1) SOCIEDADE. Estas relações podem ser Relações Ecológicas Os seres vivos mantém constantes relações entre si, exercendo influências recíprocas em suas populações. INTRA ou INTERESPECÍFICAS Estas relações podem ser HARMÔNICAS OU DESARMÔNICAS

Leia mais

Procedimentos Clínicos Realizados em Bugio (Alouatta Guariba) após Acidente Elétrico.

Procedimentos Clínicos Realizados em Bugio (Alouatta Guariba) após Acidente Elétrico. III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 449 Procedimentos Clínicos Realizados em Bugio (Alouatta Guariba) após Acidente Elétrico. T. P. Morellato 2 *, S. C. G. D Almeida 1 & S. R. Passos

Leia mais

Anexos da Seção 5.2.2

Anexos da Seção 5.2.2 Anexos da Seção 5.2.2 Anexo 4 Relação de Fórmulas Utilizadas na Análise do Levantamento Fitossociológico Anexo 5 Registro Fotográfico do Levantamento Fitossociológico Anexo 6 Registro Fotográfico do Levantamento

Leia mais

CURSO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA FAUNA E FLORA COM ÊNFASE NA MATA ATLÂNTICA

CURSO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA FAUNA E FLORA COM ÊNFASE NA MATA ATLÂNTICA PROGRAMAÇÃO I CURSO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA FAUNA E FLORA COM ÊNFASE PERÍODO: 08 a 13 de Junho de 2015 LOCAL: ITEP 1º DIA SEGUNDA-FEIRA DATA: 08/06/15 HORÁRIO CRONOGRAMA PALESTRANTE 08:00-09:00h Abertura

Leia mais

Em quais LINHAS ESTRATÉGICAS atuar para a conservação da biodiversidade? Como garantir a EFETIVIDADE DOS RECURSOS aplicados em conservação?

Em quais LINHAS ESTRATÉGICAS atuar para a conservação da biodiversidade? Como garantir a EFETIVIDADE DOS RECURSOS aplicados em conservação? Em quais LINHAS ESTRATÉGICAS atuar para a conservação da biodiversidade? Como garantir a EFETIVIDADE DOS RECURSOS aplicados em conservação? Como escolher uma AÇÃO EFETIVA para a conservação da biodiversidade?

Leia mais

PROJETO QUELÔNIOS SAMA - (PQS) Cilene Bastos de Paula, Coordenadora de Programas Sociais e Sustentabilidade cbpaula@sama.com.br

PROJETO QUELÔNIOS SAMA - (PQS) Cilene Bastos de Paula, Coordenadora de Programas Sociais e Sustentabilidade cbpaula@sama.com.br PROJETO QUELÔNIOS SAMA - (PQS) Cilene Bastos de Paula, Coordenadora de Programas Sociais e Sustentabilidade cbpaula@sama.com.br RESUMO O Projeto Quelônios SAMA - PQS nasceu de uma das diretrizes da mineradora

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 15 DE ABRIL DE 1999 (Renomeada para IN 003/99) O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

A Matéria Química Geral

A Matéria Química Geral Química Geral A Matéria Tudo o que ocupa lugar no espaço e tem massa. A matéria nem sempre é visível Noções Preliminares Prof. Patrícia Andrade Mestre em Agricultura Tropical Massa, Inércia e Peso Massa:

Leia mais

BOTO-CINZA: SOTALIAGUIANENSIS (VAN BÉNÉDEN, 1864)

BOTO-CINZA: SOTALIAGUIANENSIS (VAN BÉNÉDEN, 1864) BOTO-CINZA: SOTALIAGUIANENSIS (VAN BÉNÉDEN, 1864) Juliana Ywasaki Lima Leonardo Serafim da Silveira Boto-cinza: Sotaliaguianensis (Van Bénéden, 1864) Juliana Ywasaki Lima, MV, MSc., Doutoranda do Programa

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 42 2012 COORDENAÇÃO

Leia mais

CONTEÚDO 1.1 OBJETIVOS...1.1 1.2 ESTRUTURA DO DOCUMENTO...1.2 1.3 ESTRUTURA DOS PROGRAMAS AMBIENTAIS...1.3 3.1 INTRODUÇÃO...3.1

CONTEÚDO 1.1 OBJETIVOS...1.1 1.2 ESTRUTURA DO DOCUMENTO...1.2 1.3 ESTRUTURA DOS PROGRAMAS AMBIENTAIS...1.3 3.1 INTRODUÇÃO...3.1 CONTEÚDO Pág. 1 INTRODUÇÃO...1.1 1.1 OBJETIVOS...1.1 1.2 ESTRUTURA DO DOCUMENTO...1.2 1.3 ESTRUTURA DOS PROGRAMAS AMBIENTAIS...1.3 2 CONTEXTO GEOGRÁFICO...2.1 3 CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO MINERAL...3.1

Leia mais

Nome científico: Nome Popular: Classe: Ordem: Família: Subfamília: Género: Espécie: Características:

Nome científico: Nome Popular: Classe: Ordem: Família: Subfamília: Género: Espécie: Características: Nome científico: Lutra lutra Nome Popular: Lontra europeia, lontra-comum Classe: Mammalia Ordem: Carnívora Família: Mustelidae Subfamília: Lutrinae Género: Lutra Espécie: Lutra lutra Características: A

Leia mais

Bios Consultoria e Serviços Ambientais Ltda. MARÇO 2012 LAVRAS MG

Bios Consultoria e Serviços Ambientais Ltda. MARÇO 2012 LAVRAS MG 1 PLANO DE RESGATE DA ICTIOFAUNA NOS VÃOS DO VERTEDOURO PRINCIPAL DA UHE SANTO ANTÔNIO PARA CONSTRUÇÃO DAS OGIVAS FASE DE IMPLANTAÇÃO DA UHE SANTO ANTÔNIO, RIO MADEIRA/RO Bios Consultoria e Serviços Ambientais

Leia mais

CERVEJAS COMERCIAIS BRASILEIRAS ATRAVÉS DE ANÁLISE ISOTÓPICA

CERVEJAS COMERCIAIS BRASILEIRAS ATRAVÉS DE ANÁLISE ISOTÓPICA DETERMINAÇÃO Determinação DO do PERCENTUAL percentual de malte DE e adjuntos MALTE em cervejas... E ADJUNTOS EM 163 CERVEJAS COMERCIAIS BRASILEIRAS ATRAVÉS DE ANÁLISE ISOTÓPICA Determination of malt and

Leia mais

1. O conjunto de indivíduos de uma mesma espécie que vive numa mesma área geográfica constitui:

1. O conjunto de indivíduos de uma mesma espécie que vive numa mesma área geográfica constitui: COLÉGIO JOÃO PAULO I ENSINO MÉDIO 2009 ECOLOGIA PROF. XANDI 1. O conjunto de indivíduos de uma mesma espécie que vive numa mesma área geográfica constitui: a) população b) comunidade c) ecossistema d)

Leia mais

TÍTULO: MONITORAMENTO DA FAUNA SILVESTRE ATROPELADA NAS RODOVIAS BR-277, PR-508 E PR-407, NO LITORAL DO PARANÁ.

TÍTULO: MONITORAMENTO DA FAUNA SILVESTRE ATROPELADA NAS RODOVIAS BR-277, PR-508 E PR-407, NO LITORAL DO PARANÁ. TÍTULO: MONITORAMENTO DA FAUNA SILVESTRE ATROPELADA NAS RODOVIAS BR-277, PR-508 E PR-407, NO LITORAL DO PARANÁ. INTRODUÇÃO O Brasil figura com louvor entre os países que detêm as maiores biodiversidades

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS UNIDADE 1 Conteúdos. UNIDADE 2 Conteúdos

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS UNIDADE 1 Conteúdos. UNIDADE 2 Conteúdos Ser humano: semelhanças e diferenças (características físicas e comportamentais, gostos pessoais) Partes do corpo humano Sentidos humanos: audição, visão, paladar, tato e olfato Cuidados com os órgãos

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

Equação Geral dos Gases

Equação Geral dos Gases Equação Geral dos Gases EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (EEM-SP) Uma determinada massa gasosa, confinada em um recipiente de volume igual a 6,0 L, está submetida a uma pressão de 2,5 atm e sob temperatura de

Leia mais

Introdução à Química Inorgânica

Introdução à Química Inorgânica Introdução à Química Inorgânica Orientadora: Drª Karla Vieira Professor Monitor: Gabriel Silveira Química A Química é uma ciência que está diretamente ligada à nossa vida cotidiana. A produção do pão,

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU ECOLOGIA APLICADA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS 6 ano 1 volume CONTEÚDOS OBJETIVOS 1.Astronomia: estudando o céu Estrelas e constelações Sistema Solar e exploração do Universo - Movimentos da - Terra e da Lua Reconhecer

Leia mais

Biologia da Conservação

Biologia da Conservação Biologia da Conservação Prof. Alexandre R. T. Palma Conservação de espécies Introdução Conservação in-situ Conservação ex-situ Biologia da Conservação Prof. Alexandre R. T. Palma Conservação de espécies

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS PELA RODOVIA TO-030 DE PALMAS-TO. RECOVERY OF DEGRADED AREAS FOR HIGHWAY TO-030 PALMAS-TO

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS PELA RODOVIA TO-030 DE PALMAS-TO. RECOVERY OF DEGRADED AREAS FOR HIGHWAY TO-030 PALMAS-TO RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS PELA RODOVIA TO-030 DE PALMAS-TO. RECOVERY OF DEGRADED AREAS FOR HIGHWAY TO-030 PALMAS-TO Suyane Saraiva Lima Silva Graduando em Tecnologia Ambiental na Faculdade Católica

Leia mais

Projeto Básico Ambiental Versão Final Set/2011

Projeto Básico Ambiental Versão Final Set/2011 VOLUME VI Plano de Conservação dos Ecossistemas Aquáticos Plano de Gerenciamento Integrado da Volta Grande Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno dos Reservatório (PACUERA) Conclusão Equipe Técnica

Leia mais

PROJETO MORRO DO PILAR. Considerações sobre os aspectos de cobertura vegetal para manutenção das condições microclimáticas e tróficas das cavidades

PROJETO MORRO DO PILAR. Considerações sobre os aspectos de cobertura vegetal para manutenção das condições microclimáticas e tróficas das cavidades PROJETO MORRO DO PILAR Considerações sobre os aspectos de cobertura vegetal para manutenção das condições microclimáticas e tróficas Belo Horizonte / MG Junho/2014 EMPRESA RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO

Leia mais

Os Recursos Hídricos e a Biodiversidade do Brasil

Os Recursos Hídricos e a Biodiversidade do Brasil Os Recursos Hídricos e a Biodiversidade do Brasil Comunidade dos países de Língua portuguesa (CPLP) A CPLP foi criada em17 de Julho de 1996 por Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Informações de Tabela Periódica CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Folha de Dados Elemento H C N O F Al Cl Zn Sn I Massa atômica (u) 1,00 12,0 14,0

Leia mais

EXCREÇÃO COMPARADA. Profº Moisés Myra Araújo, por www.bioloja.com

EXCREÇÃO COMPARADA. Profº Moisés Myra Araújo, por www.bioloja.com EXCREÇÃO COMPARADA Profº Moisés Myra Araújo, por www.bioloja.com EXCREÇÃO Através da excreção são eliminadas substâncias tóxicas do organismo (como resíduos nitrogenados provenientes do metabolismo de

Leia mais

Maxillaria silvana Campacci

Maxillaria silvana Campacci Ecologia Aula 1 Habitat É o lugar que reúne as melhores condições de vida para uma espécie. Temperatura, quantidade de água, intensidade da luz solar e tipo de solo determinam se o habitat é adequado ao

Leia mais

Entre os seres vivos de um ecossistema, há um inter relacionamento dinâmico e equilibrado, que permite a troca de matéria e de energia.

Entre os seres vivos de um ecossistema, há um inter relacionamento dinâmico e equilibrado, que permite a troca de matéria e de energia. Cadeia alimentar A biosfera, parte do planeta onde vivem os seres vivos, é formado por ecossistemas. O ecossistema é constituído por comunidades (parte biótica) e os fatores físicos e químicos do meio

Leia mais

Prof. Vasco Vasconcelos

Prof. Vasco Vasconcelos 1 o TC de Revisão Enem 2011 Prof. Vasco Vasconcelos 01. Cotidianamente, durante a execução de algumas brincadeiras, que cientificamente, poderiam ser encaradas como verdadeiros experimentos, chegamos a

Leia mais

Guião de exploração. Enciclopédia da Natureza. Disciplina: Biologia

Guião de exploração. Enciclopédia da Natureza. Disciplina: Biologia Guião de exploração Enciclopédia da Natureza Disciplina: Biologia Este CD-Rom faz parte de uma colecção de enciclopédias multimédia de formato idêntico. Para te ajudar a explorar o CD e a encontrar a informação

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DIRETORIA DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DIRETORIA DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DIRETORIA DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE LEONARDO VIANNA MOHR Biólogo Coordenação de Conservação da Fauna Ameaçada

Leia mais

Carlos Ramón Ruiz Miranda 1,3 ;Mayara Paulino Amescua 2 ; Roberta Silva Santos 2 ; Stephane Gomes Batista Paula 2. Resumo

Carlos Ramón Ruiz Miranda 1,3 ;Mayara Paulino Amescua 2 ; Roberta Silva Santos 2 ; Stephane Gomes Batista Paula 2. Resumo O MICO-LEÃO-DOURADO COMO ESPÉCIE BANDEIRA PARA A CONSERVAÇÃO DA MATA ATLÂNTICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA PROFESSORES, ASSENTAMENTOS E AGENTES DE FISCALIZAÇÃO Carlos Ramón Ruiz Miranda 1,3 ;Mayara Paulino

Leia mais

Bagagem. Voos nacionais. Bagagem despachada DICAS IMPORTANTES

Bagagem. Voos nacionais. Bagagem despachada DICAS IMPORTANTES Voos nacionais Bagagem despachada Bagagem Nas aeronaves com mais de 31 assentos, cada passageiro (adulto ou criança) tem direito a 23 Kg de bagagem (franquia de bagagem). Pode-se despachar mais de um volume,

Leia mais

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM Ana Cristina da Silva¹, José Max Barbosa de Oliveira Junior¹, Lauana Nogueira², Letícia Gomes ¹, Thales Amaral² Reginaldo Constantino³

Leia mais

Objetivos Quantificar as proporções das ocorrências nas diferentes espécies ou taxa encontrados;

Objetivos Quantificar as proporções das ocorrências nas diferentes espécies ou taxa encontrados; QUANTIFICAÇÃO DE ATROPELAMENTOS DE VERTEBRADOS SILVESTRES EM UM TRECHO DA GO 213. Kaio César Damacena Silva (UEG) kaiodamacena@gmail.com Dhesy Allax Cândido de Freitas (UEG) dhesy_allax@hotmail.com Kyrly

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 7, de 30 de abril de 2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 7, de 30 de abril de 2015 Pág. 1 de 50 INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 7, de 30 de abril de 2015 Institui e normatiza as categorias de uso e manejo da fauna silvestre em cativeiro, e define, no âmbito do Ibama, os procedimentos autorizativos

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS PORTARIA Nº 117 DE 15 DE OUTUBRO DE 1997 O PRESIDENTE DO

Leia mais

SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS. FIGURA 7.8.4.4-1 - Localização das áreas de amostragem de crocodilianos, indicadas pelos círculos em amarelos...

SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS. FIGURA 7.8.4.4-1 - Localização das áreas de amostragem de crocodilianos, indicadas pelos círculos em amarelos... SUMÁRIO 7.8.4.4 Crocodilianos do Médio Rio Xingu...452 7.8.4.4.1 Procedimentos...452 7.8.4.4.2 Resultados e Discussão...454 7.8.4.4.3 Referências Bibliográficas...464 LISTA DE FIGURAS FIGURA 7.8.4.4-1

Leia mais

Projeto Conservação Recifal (PCR) Conservação, Pesquisa e Ordenamento do num sistema recifal do Nordeste brasileiro

Projeto Conservação Recifal (PCR) Conservação, Pesquisa e Ordenamento do num sistema recifal do Nordeste brasileiro Projeto Conservação Recifal (PCR) Conservação, Pesquisa e Ordenamento do num sistema recifal do Nordeste brasileiro Pereira, P.H.C 1.; Pedrosa, M 1.; Lima, R 1.; Silva, R 1.;Lippi, D. L. 1 ;Leal, I. 1

Leia mais

Dinâmica dos Ecossistemas

Dinâmica dos Ecossistemas UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ECOLOGIA Prof. Oriel Herrera Monitores: John David & Giuliane Sampaio Dinâmica dos Ecossistemas Fortaleza-CE Versão

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS DO IFC CAMPUS CAMBORIÚ

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS DO IFC CAMPUS CAMBORIÚ AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS DO IFC CAMPUS CAMBORIÚ Autores : Nathan Willian DOS SANTOS, Thayna HACK, Daniel Ferreira de Castro FURTADO Identificação autores: Aluno

Leia mais

Construindo as bases para um Sistema de Manejo Participativo [dos Jacarés Amazônicos

Construindo as bases para um Sistema de Manejo Participativo [dos Jacarés Amazônicos Construindo as bases para um Sistema de Manejo Participativo [dos Jacarés Amazônicos Baseado nas Experiências Desenvolvidas nos Setores Jarauá e Aranapu na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá

Leia mais

2012 3ª PROVA PARCIAL (QUESTÕES FECHADAS) DE CIÊNCIAS E GEOGRAFIA

2012 3ª PROVA PARCIAL (QUESTÕES FECHADAS) DE CIÊNCIAS E GEOGRAFIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 3ª PROVA PARCIAL (QUESTÕES FECHADAS) DE CIÊNCIAS E GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 7º Turma: Data: 27/11/2012 Nota: Professoras: Karina e Edvaldo Valor da Prova:

Leia mais

Resumo de SAÚDE AMBIENTAL E ECOLOGIA. Parte 01. Nome: Curso:

Resumo de SAÚDE AMBIENTAL E ECOLOGIA. Parte 01. Nome: Curso: Resumo de SAÚDE AMBIENTAL E ECOLOGIA Parte 01 Nome: Curso: Data: / / 1 - Introdução Diversas são as definições que podem ser atribuídas à Ecologia. Segundo diversos autores, Ecologia é: a) O estudo das

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS DA FIBRA DE CURAUÁ

ESTUDO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS DA FIBRA DE CURAUÁ ESTUDO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS DA FIBRA DE CURAUÁ Carolina Coelho da Rosa carolinarosa@ufpa.br Debora Dias Costa Moreira deborinhadias@hotmail.com Géssica Katalyne Bilcati ge_katalyne87@hotmail.com UFPA,

Leia mais

3ºano. 4º período 1.3 CIÊNCIAS. 5 de dezembro de 2013. 1. Leia o texto abaixo. Em seguida, faça o que lhe é solicitado. Que bicho é esse?

3ºano. 4º período 1.3 CIÊNCIAS. 5 de dezembro de 2013. 1. Leia o texto abaixo. Em seguida, faça o que lhe é solicitado. Que bicho é esse? 3ºano 1.3 CIÊNCIAS 4º período 5 de dezembro de 2013 Cuide da organização da sua avaliação, escreva de forma legível, fique atento à ortografia e elabore respostas claras. Tudo isso será considerado na

Leia mais

DNIT. Solos Compactação utilizando amostras não trabalhadas Método de Ensaio. Resumo. 8 Resultados... 4

DNIT. Solos Compactação utilizando amostras não trabalhadas Método de Ensaio. Resumo. 8 Resultados... 4 DNIT Janeiro/2013 NORMA DNIT 164/2013-ME Solos Compactação utilizando amostras não trabalhadas Método de Ensaio MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE IN- FRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA

Leia mais

O TRÁFICO DE MAMÍFEROS NA BAHIA: UMA AMOSTRAGEM OBTIDA NO CENTRO DE TRIAGEM DE ANIMAIS SILVESTRES CETAS, SALVADOR, BAHIA

O TRÁFICO DE MAMÍFEROS NA BAHIA: UMA AMOSTRAGEM OBTIDA NO CENTRO DE TRIAGEM DE ANIMAIS SILVESTRES CETAS, SALVADOR, BAHIA 280 O TRÁFICO DE MAMÍFEROS NA BAHIA: UMA AMOSTRAGEM OBTIDA NO CENTRO DE TRIAGEM DE ANIMAIS SILVESTRES CETAS, SALVADOR, BAHIA Vanessa Blanco Vidal¹;Ana Cerilza Santana Mélo² 1. Graduanda em Ciências Biológicas,

Leia mais

O javali asselvajado NORMA. e medidas de controle

O javali asselvajado NORMA. e medidas de controle O javali asselvajado NORMA e medidas de controle O JAVALI é um porco selvagem, originário da Europa, Ásia e norte da África. Foi introduzido em diversas regiões do mundo como animal de criação para consumo.

Leia mais

Causas de ameaça de exlnção: os humanos destroem o hábitat do Cervo e também caçam esse ser vivo em grande quanldade (caça predatória).

Causas de ameaça de exlnção: os humanos destroem o hábitat do Cervo e também caçam esse ser vivo em grande quanldade (caça predatória). GRUPO 1 Cervo- do- Pantanal Altura até o dorso do Cervo- do- Pantanal: de 1,1 a 1,2 metro. O comprimento dele é de 1,8 a 1,9 metro. A pelagem desse ser vivo é comprida e áspera. A cria dele é de um filhote

Leia mais

MODELO DE LAUDO 14/10/2010 III DO OBJETIVO

MODELO DE LAUDO 14/10/2010 III DO OBJETIVO MODELO DE LAUDO LAUDO TÉCNICO I - PREÂMBULO Aos onze dias do mês de maio do ano de dois mil e seis, em atendimento a solicitação do Comandante da Polícia Militar, deslocamos até o município de Matinho

Leia mais

Manejo Ambiental na Avicultura Aspectos Agro e Zooecológicos

Manejo Ambiental na Avicultura Aspectos Agro e Zooecológicos Manejo Ambiental na Avicultura Aspectos Agro e Zooecológicos A cadeia de produção avícola nacional constituí-se no setor pecuário com maior índice de industrialização. As questões ambientais relacionadas

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

A Ecologia e sua Importância. Componentes Estruturais. Estudo das Relações dos Seres Vivos entre si e com o meio onde vivem

A Ecologia e sua Importância. Componentes Estruturais. Estudo das Relações dos Seres Vivos entre si e com o meio onde vivem Link para acessar o conteúdo, calendário, notas, etc. www.e-conhecimento.com.br Ensino Médio Primeiros Anos Ecologia oikos casa ; logos - estudo A Ecologia e sua Importância Estudo das Relações dos Seres

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE 1- Leia o texto e responda as questões Todos os animais, independentemente do seu estilo de vida, servem como fonte de alimento para outros seres vivos. Eles estão

Leia mais

Anexo 14.1 26 Mapa elaborado pelo Programa de Supervisão Ambiental utilizando as coordenadas geográficas do projeto de monitoramento da ictiofauna.

Anexo 14.1 26 Mapa elaborado pelo Programa de Supervisão Ambiental utilizando as coordenadas geográficas do projeto de monitoramento da ictiofauna. CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DO COMPONENTE INDÍGENA Anexo 14.1 26 Mapa elaborado pelo Programa de Supervisão Ambiental utilizando as coordenadas geográficas do projeto de monitoramento

Leia mais

PORTARIA N o 44, DE 4 DE OUTUBRO DE 2007. (publicada no DOU de 05/10/2007, seção I, página 155)

PORTARIA N o 44, DE 4 DE OUTUBRO DE 2007. (publicada no DOU de 05/10/2007, seção I, página 155) PORTARIA N o 44, DE 4 DE OUTUBRO DE 2007. (publicada no DOU de 05/10/2007, seção I, página 155) A SECRETÁRIA DE ORÇAMENTO FEDERAL, tendo em vista a autorização constante do art. 62, inciso III, da Lei

Leia mais

O PROBLEMA DOS SAGUIS INTRODUZIDOS NO RIO DE JANEIRO VÍTIMAS E VI 44 CIÊNCIAHOJE VOL. 48 283

O PROBLEMA DOS SAGUIS INTRODUZIDOS NO RIO DE JANEIRO VÍTIMAS E VI 44 CIÊNCIAHOJE VOL. 48 283 O PROBLEMA DOS SAGUIS INTRODUZIDOS NO RIO DE JANEIRO VÍTIMAS E VI 44 CIÊNCIAHOJE VOL. 48 283 BIOLOGIA DA CONSERVAÇÃO FOTO DE MAURÍCIO DIAS É comum ver saguis em florestas no interior do Rio de Janeiro,

Leia mais

Caça e destruição de hábitat. O homem caça e destrói o hábitat desse animal, causando sua exknção.

Caça e destruição de hábitat. O homem caça e destrói o hábitat desse animal, causando sua exknção. GRUPO 1 Cervo- do- Pantanal O Cervo é herbívoro. Ele cria um filhote por ano. Seu período de gestação é de nove meses. Vive em áreas alagadas do Pantanal. Sua altura é de 1,8 a 1,9 m. Ele pesa de 100

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZONIA - INPA AGÊNCIA DE FLORESTAS E NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS DO AMAZONAS DEPARTAMENTO DE ANIMAIS SILVESTRES

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZONIA - INPA AGÊNCIA DE FLORESTAS E NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS DO AMAZONAS DEPARTAMENTO DE ANIMAIS SILVESTRES INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZONIA - INPA AGÊNCIA DE FLORESTAS E NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS DO AMAZONAS DEPARTAMENTO DE ANIMAIS SILVESTRES Desenvolvimento Sustentável por meio da cadeia produtiva de

Leia mais

PROJETO ALGAS MARINHAS DA ILHA DO ARVOREDO

PROJETO ALGAS MARINHAS DA ILHA DO ARVOREDO FURG PROJETO ALGAS MARINHAS DA ILHA DO ARVOREDO Variabilidade sazonal da estrutura da comunidade de macroalgas no infralitoral da Ilha do Arvoredo, ReBioMar do Arvoredo, SC (Licença de Pesquisa n 186/2006)

Leia mais

(Natureza e Conservação, no prelo)

(Natureza e Conservação, no prelo) (Natureza e Conservação, no prelo) 4 Perguntas para ecologia 1. Qual a extensão mínima das Áreas de Preservação Permanente ao longo de rios? 2. Qual a quantidade mínima de RL em termos de conservação de

Leia mais

Programa de Estágio em Educação Ambiental Jardim Zoobotânico de Toledo Parque das Aves

Programa de Estágio em Educação Ambiental Jardim Zoobotânico de Toledo Parque das Aves Programa de Estágio em Educação Ambiental Jardim Zoobotânico de Toledo Parque das Aves Estamos cadastrando alunos cursando Biologia interessados em trabalhar em atividades monitoradas em Ed.Ambiental no

Leia mais

TERMORESISTÊNCIA. pote. resina. rabicho. solda do. rabicho. pote. resina. rabicho. solda do. rabicho

TERMORESISTÊNCIA. pote. resina. rabicho. solda do. rabicho. pote. resina. rabicho. solda do. rabicho TERMORESISTÊNCIA GRÁFICO DEMONSTRATIVO DOS DESVIOS NAS TERMORESISTÊNCIAS CLASSES A e B TOLERÂNCIA ºC,,,0,,,,,0,,,,,0 0, 0, 0, 0, TERMORESISTÊNCIA CLASSE B TERMORESISTÊNCIA CLASSE A -00-00 0,0 00 00 00

Leia mais

Gelson Genaro Associação Mata Ciliar e Departamento de Fisiologia, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo

Gelson Genaro Associação Mata Ciliar e Departamento de Fisiologia, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo Quando se fala em felinos brasileiros, as pessoas pensam logo na onça-pintada, o maior e mais conhecido representante dessa família no país. A maioria da população, no entanto, não sabe que, além das grandes

Leia mais

Mata Ciliar-Importância, Conservação e Recuperação. Marcos Gamberini 20061

Mata Ciliar-Importância, Conservação e Recuperação. Marcos Gamberini 20061 Mata Ciliar-Importância, Conservação e Recuperação Marcos Gamberini 20061 O QUE É A MATA CILIAR? 2 As matas ciliares desempenham múltiplas funções no ecossistema Mata Ciliar tem relação direta com a QUALIDADE

Leia mais

Que tipo de relação há entre o peixe-palhaço e a anêmona? Justifique sua resposta. R.:

Que tipo de relação há entre o peixe-palhaço e a anêmona? Justifique sua resposta. R.: PROFESSOR: EQUIPE DE CIÊNCIAS BANCO DE QUESTÕES - CIÊNCIAS - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= 01- Nas figuras abaixo

Leia mais

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Realização: Instituto Energias do Brasil Endereço: Rua Bandeira Paulista, 530 11º andar CEP: 04532-001 São Paulo São Paulo, Brasil. Responsável:

Leia mais

ESPÉCIES DE TRICOGRAMATÍDEOS EM POSTURAS DE Spodoptera frugiperda (LEP.: NOCTUIDAE) E FLUTUAÇÃO POPULACIONAL EM CULTIVO DE MILHO

ESPÉCIES DE TRICOGRAMATÍDEOS EM POSTURAS DE Spodoptera frugiperda (LEP.: NOCTUIDAE) E FLUTUAÇÃO POPULACIONAL EM CULTIVO DE MILHO ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ESPÉCIES DE TRICOGRAMATÍDEOS EM POSTURAS DE Spodoptera frugiperda (LEP.: NOCTUIDAE) E FLUTUAÇÃO POPULACIONAL

Leia mais

ECOSSISTEMA DE AQUÁRIO

ECOSSISTEMA DE AQUÁRIO V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ECOSSISTEMA DE AQUÁRIO Ana Caroline Casalvara dos Santos 1, Camila Strassacapa 1, Gleisson Luis Pagliarini Ricardo

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 3º Ano - III Trimestre

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 3º Ano - III Trimestre CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 3º Ano - III Trimestre Língua Portuguesa PRODUÇÃO DE LEITURA Fábulas Tirinhas História em quadrinhos Crônicas Biografia Cartaz Reportagem Comandos verbais (específicos da etapa) Gêneros

Leia mais

Conceitos em Ecologia: o estudo de Populações, Comunidades e Ecossistemas. Prof. Francisco Soares Santos Filho, D.Sc. UESPI

Conceitos em Ecologia: o estudo de Populações, Comunidades e Ecossistemas. Prof. Francisco Soares Santos Filho, D.Sc. UESPI Conceitos em Ecologia: o estudo de Populações, Comunidades e Ecossistemas. Prof. Francisco Soares Santos Filho, D.Sc. UESPI População é o conjunto de seres da mesma espécie que vivem na mesma área geográfica,

Leia mais

RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO

RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO Dezembro de 2011 ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406082 Revisão 0.0 Índice ÍNDICE... I INTRODUÇÃO 1... 1 CONTEÚDO DESTE MANUAL... 1 ONDE

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA 1 BOVINOS DE CORTE EM CONFINAMENTO MANEJO DE DEJETOS EM ESTERQUEIRA DIMENSIONAMENTO.

RESPOSTA TÉCNICA 1 BOVINOS DE CORTE EM CONFINAMENTO MANEJO DE DEJETOS EM ESTERQUEIRA DIMENSIONAMENTO. Núcleo de Pesquisa em Ambiência e Engenharia de Sistemas Agroindustriais AMBIAGRO Departamento de Engenharia Agrícola Universidade Federal de Viçosa ambiagro@ufv.br 031 3899 2729 031 3899 1865 RESPOSTA

Leia mais

Grandezas e Medidas no CAp UFRJ Introdução. Exercícios

Grandezas e Medidas no CAp UFRJ Introdução. Exercícios Grandezas e Medidas no CAp UFRJ Introdução Exercícios 1) Indique três aspectos diferentes que podem ser medidos num carro. Para cada aspecto identificado, informe a grandeza e a unidade de medida correspondente

Leia mais

Sumário OS ALIMENTOS E NÓS...52 AMBIENTES E SERES VIVOS... 10. Explorando um jardim...10. O que já sei...41

Sumário OS ALIMENTOS E NÓS...52 AMBIENTES E SERES VIVOS... 10. Explorando um jardim...10. O que já sei...41 Sumário 1 AMBIENTES E SERES VIVOS... 10 Módulo 1 Explorando um jardim...10 O que já sei......11 Atividade prática....11 Observando e descrevendo animais....12 Comparando animais....16 Módulo 2 Conhecendo

Leia mais