2. (UFLA) Em relação à frase "ao vencedor, as batatas", do livroquincas Borba, de Machado de Assis, vencedor e batatas são, respectivamente:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2. (UFLA) Em relação à frase "ao vencedor, as batatas", do livroquincas Borba, de Machado de Assis, vencedor e batatas são, respectivamente:"

Transcrição

1 Exercícios complementares P2 2º ANO Prof. Ítalo Puccini 1. (FUVEST-SP) A questão refere-se ao seguinte excerto: Este último capítulo é todo de negativas. Não alcancei a celebridade do emplasto, não fui ministro, não fui califa, não conheci o casamento. Verdade é que, ao lado dessas faltas, coube-me a boa fortuna de não comprar o pão com o suor do meu rosto. Mais; não padeci a morte de D. Plácida, nem a semidemência do Quincas Borba. Somadas umas coisas e outras, qualquer pessoa imaginará que não houve míngua nem sobra, e conseguintemente que saí quite com a vida. E imaginará mal; porque ao chegar a este outro lado do mistério, achei-me com um pequeno saldo, que é a derradeira negativa deste capítulo de negativas: Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado da nossa miséria. (Machado de Assis, Memórias Póstuas de Brás Cubas) O texto evidencia, com clareza, pelo menos uma das características principais de Machado de Assis: a. O pessimismo ingênuo dos escritores realistas e naturalistas do Século XIX. b. A linguagem rebuscada, de tal modo ambígua, que quase prejudica a compreensão do sentido. c. O gosto pela frase lapidar, carregada de expressões inusitadas. d. A capacidade de sintetizar, em apenas um parágrafo, todo o enredo do romance. e. Um pessimismo irônico, disfarçado sob a aparência de conformidade indiferente. 2. (UFLA) Em relação à frase "ao vencedor, as batatas", do livroquincas Borba, de Machado de Assis, vencedor e batatas são, respectivamente: a) Rubião / rei da Prússia b) Aparência de riqueza / Rubião c) Exploradores (Cristiano e Sofia) / bens materiais d) Herança de Quincas Borba / o cão e) Amigos / os empregados da casa

2 3. (UFPR) Nesta questão, some os pontos correspondentes às alternativas corretas. Enfim chegou a hora da encomendação e da partida. Sancha quis despedir-se do marido, e o desespero daquele lance consternou a todos. Muitos homens choravam também, as mulheres todas. Só Capitu, amparando a viúva, parecia vencer-se a si mesma. Consolava a outra, queria arrancá-la dali. A confusão era geral. No meio dela, Capitu olhou alguns instantes para o cadáver tão fixa, tão apaixonadamente fixa, que não admira lhe saltassem algumas lágrimas poucas e caladas... A partir do fragmento de Dom Casmurro, de Machado de Assis, assim como de informações gerais desse romance, é correto afirmar: 01) A cena descrita é tipicamente romântica, em consonância com o estilo da obra, que tematiza os infelizes amores de Bentinho e Capitu. 02) Como os fatos posteriores comprovarão, entre Escobar e Capitu não houve qualquer relacionamento além de uma sólida amizade. 04) O momento descrito é crucial para o relacionamento de Bentinho e Capitu. Instalada a dúvida na mente do marido, o casamento se deteriorará, encaminhando-se para a inevitável separação. 08) Para Bentinho, a irrefutável prova de traição de Capitu será a semelhança física de Ezequiel com o amigo morto. 16) Conforme observamos pela linguagem do narrador Dom Casmurro, a atitude de Capitu diante do cadáver testemunha apenas a amizade que ela sentia por Escobar. ( ) 4. (UEL) A próxima questão refere-se ao texto a seguir, extraído do sexto capítulo de Quincas Borba (1892), de Machado de Assis ( ). Supõe tu um campo de batatas e duas tribos famintas. As batatas apenas chegam para alimentar uma das tribos, que assim adquire forças para transpor a montanha e ir à outra vertente, onde há batatas em abundância; mas, se as duas tribos dividem em paz as batatas do campo, não chegam a nutrir-se suficientemente e morrem de inanição. A

3 paz, nesse caso, é a destruição; a guerra é a conservação. Uma das tribos extermina a outra e recolhe os despojos. Daí a alegria da vitória, os hinos, aclamações, recompensas públicas e todos os demais efeitos das ações bélicas. Se a guerra não fosse isso, tais demonstrações não chegariam a dar-se, pelo motivo real de que o homem só comemora e ama o que lhe é aprazível ou vantajoso, e pelo motivo racional de que nenhuma pessoa canoniza uma ação que virtualmente a destrói. Ao vencido, ódio ou compaixão; ao vencedor, as batatas. (ASSIS, Joaquim Maria Machado de. Quincas Borba. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1997.) O Humanitismo, filosofia criada por Quincas Borba, é revelador: a) Do posicionamento crítico de Machado de Assis aos muitos ismos surgidos no século XIX: darwinismo, positivismo, evolucionismo. b. Da admiração de Machado de Assis pelos muitos ismos surgidos no início do século XX: futurismo, impressionismo, dadaísmo. c. Da capacidade de Machado de Assis em antever os muitos ismos que surgiriam no século XIX: darwinismo, positivismo, evolucionismo. d. Da preocupação didática de Machado de Assis com a transmissão de conhecimentos filosóficos consolidados na época. e. Da competência de Machado de Assis em antecipar a estética surrealista surgida no século XX. 5. Assinale as alternativas corretas. O Realismo é uma reação contra o Romantismo: O Romantismo era a apoteose do sentimento; - o Realismo é a anatomia do caráter. É a crítica do homem. É a arte que nos pinta a nossos próprios olhos para condenar o que houve de mau na nossa sociedade. (Eça de Queirós) O Realismo pode ser exemplificado por: ela era o calor vermelho das sestas da fazenda; (...) era o veneno e era o açúcar gostoso; era o sapoti mais doce que o mel e era a castanha de caju, que abre feridas com o seu azeite de fogo.

4 o olhar fulgurante, sob a crispação áspera dos supercílios de monstro japonês, penetrando de luz as almas circunstantes era a educação da inteligência; o queixo, severamente escanhoado, de orelha a orelha, lembrava a lisura das consciências limpas. 04. A flauta soltou o cintilante prelúdio de uma valsa de Strauss. Os valsistas afamados deixaram-se ficar de parte, sem dúvida para se fazerem desejar. Os caloiros e a gente de encher hesitavam em tomar a dianteira Eu sabia que era bela; mas a minha imaginação apenas tinha esboçado o que Deus criara. Ela olhava-me e sorria. Era um ligeiro sorriso, uma flora que desfolhava-se nos seus lábios, um reflexo que iluminava o seu lindo rosto. 16. A praça da Alegria apresentava um ar fúnebre. De um casebre miserável, de porta e janela, ouviam-se gemer os armadores enferrujados de uma rede e uma voz tísica e aflautada, de mulher, cantar em falsete; doutro lado da praça, uma preta velha, vergada por imenso tabuleiro de madeira, sujo, seboso, cheio de sangue e coberto por uma nuvem de moscas. ( ) 6. (PUC-PR) Com base na leitura de Dom Casmurro, e considerando a importância de Machado de Assis para a literatura brasileira, identifique as alternativas como VERDADEIRAS ou FALSAS: ( ) Escrito quando o Realismo era a estética dominante, Dom Casmurro é antes um romance filosófico que um romance social. ( ) Ao contrário de diversas heroínas românticas, punidas com a morte por comportamentos inadequados para os padrões de sua época, a principal personagem feminina de Dom Casmurro não morre no final da narrativa. ( ) Ainda que acreditasse não ser pai de Ezequiel, Bento Santiago não deixou que isso interferisse na relação pai-filho, e sempre quis ter o rapaz muito perto de si. ( ) Assim como em Esaú e Jacó, a presença do Imperador e as referências à vida política brasileira são constantes em Dom Casmurro e interferem nos acontecimentos narrados. A seqüência correta é:

5 (A) V, F, F, F (B) F, F, F, V (C) F, V, F, V (D) V, V, V, F (E) F, V, F, F GABARITO 1 e 2 c = 12 4 a = 18 6 a

REALISMO NATURALISMO

REALISMO NATURALISMO REALISMO NATURALISMO O Realismo é uma reação contra o Romantismo: o Romantismo era a apoteose do sentimento; o Realismo é a anatomia do caráter. É a crítica do homem. É a arte que nos pinta a nossos próprios

Leia mais

MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS (1881) Professor Kássio

MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS (1881) Professor Kássio MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS (1881) Professor Kássio MACHADO DE ASSIS Filho de uma lavadeira de origem portuguesa e de um mulato, nasceu em 1839 no Morro do Livramento. De origem pobre, viu na intelectualidade

Leia mais

Aula MACHADO DE ASSIS E O REALISMO BRASILEIRO. META Apresentar e discutir o lugar da obra de Machado de Assis na literatura brasileira realista.

Aula MACHADO DE ASSIS E O REALISMO BRASILEIRO. META Apresentar e discutir o lugar da obra de Machado de Assis na literatura brasileira realista. MACHADO DE ASSIS E O REALISMO BRASILEIRO META Apresentar e discutir o lugar da obra de Machado de Assis na literatura brasileira realista. OBJETIVOS social; realista; - Releitura das aulas 1, 2 e 3. (Fonte:

Leia mais

A ÁGUIA. Prof.: Michele Nasu Tomiyama Bucci

A ÁGUIA. Prof.: Michele Nasu Tomiyama Bucci A ÁGUIA Prof.: Michele Nasu Tomiyama Bucci A Águia A Águia, representada pela cabeça, nos indica o estado de controle do corpo pela mente. A Águia Cabeça erguida significa hipertrofia do controle mental.

Leia mais

Machado de Assis: um gênio brasileiro

Machado de Assis: um gênio brasileiro Machado de Assis: um gênio brasileiro Fonte: www.wikipedia.com Machado de Assis: um gênio brasileiro (1839-1908) Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881) marco inicial do Realismo brasileiro (1881) Capa

Leia mais

Foco narrativo AO VERME QUE PRIMEIRO ROEU AS FRIAS CARNES DO MEU CADÁVER DEDICO COMO SAUDOSA LEMBRANÇA ESTAS MEMÓRIAS PÓSTUMAS

Foco narrativo AO VERME QUE PRIMEIRO ROEU AS FRIAS CARNES DO MEU CADÁVER DEDICO COMO SAUDOSA LEMBRANÇA ESTAS MEMÓRIAS PÓSTUMAS Profª Neusa Brás Cubas Foco narrativo AO VERME QUE PRIMEIRO ROEU AS FRIAS CARNES DO MEU CADÁVER DEDICO COMO SAUDOSA LEMBRANÇA ESTAS MEMÓRIAS PÓSTUMAS Algum tempo hesitei se devia abrir estas memórias pelo

Leia mais

Bárbara da Silva. Literatura. Aula 15 - Realismo

Bárbara da Silva. Literatura. Aula 15 - Realismo Bárbara da Silva Literatura Aula 15 - Realismo O Realismo é marcado por uma transição política, social e econômica no Brasil, que ainda era colônia, passando de Segundo Reinado. Neste momento o tráfico

Leia mais

Quincas Borba Machado de Assis

Quincas Borba Machado de Assis Quincas Borba Machado de Assis Local: Barbacena Rio de Janeiro Época: 1867 1871 Lei do Ventre Livre (dos Ingênuos) Guerra do Paraguai Partido Republicano Perda de prestígio político de D. Pedro II Queda

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES 1 NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: Escritor dos mais aclamados, Machado de Assis representa um dos pontos culminantes da literatura brasileira. Dentro de sua obra, o romance Dom Casmurro

Leia mais

O mundo de cavaleiros destemidos, de virgens ingênuas e frágeis, e o ideal de uma vida primitiva, distante da civilização, tudo isso terminara.

O mundo de cavaleiros destemidos, de virgens ingênuas e frágeis, e o ideal de uma vida primitiva, distante da civilização, tudo isso terminara. O mundo de cavaleiros destemidos, de virgens ingênuas e frágeis, e o ideal de uma vida primitiva, distante da civilização, tudo isso terminara. A segunda metade do século XIX presencia profundas modificações

Leia mais

Machado de Assis foi um dos principais responsáveis pela fundação da Academia Brasileira de Letras, sendo o seu primeiro presidente.

Machado de Assis foi um dos principais responsáveis pela fundação da Academia Brasileira de Letras, sendo o seu primeiro presidente. Aula 16 MACHADO DE ASSIS I CONTEXTO HISTÓRICO O Realismo brasileiro tem início em 1881, com a publicação de Memórias Póstumas de Brás Cubas, romance realista de Machado de Assis. Machado de Assis está

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES 1 NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: Um dos mais importantes escritores portugueses, Eça de Queirós foi um arguto analista da sociedade e das relações humanas. Crítico implacável, satirista

Leia mais

ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE L. PORTUGUESA

ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE L. PORTUGUESA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE L. PORTUGUESA Nome: Nº: Série: 9º ANO Profª MARIANA PERIGRINO Data: JULHO 2016 Leia o texto a seguir e responda ao que se pede. UMA AULA QUE LEVA À LUA O bom exemplo do biólogo

Leia mais

Comunicação e Semiótica e Análises Gráficas

Comunicação e Semiótica e Análises Gráficas Comunicação e Semiótica e Análises Gráficas Alunos: Camila de Souza Silva 200720331 Mayara Moreira da Silva 200711846 Renato Graça Duque 200720337 4º Período Apresentação do Projeto O cliente Cátedra UNESCO

Leia mais

Machado de Assis e o Realismo

Machado de Assis e o Realismo Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 2º ano Disciplina: Literatura Data da prova: 16/04/2014. LISTA DE EXERCÍCIOS P1 2º BIMESTRE Machado de Assis

Leia mais

Matéria: literatura Assunto: realismo - machado de assis Prof. IBIRÁ

Matéria: literatura Assunto: realismo - machado de assis Prof. IBIRÁ Matéria: literatura Assunto: realismo - machado de assis Prof. IBIRÁ Literatura MACHADO DE ASSIS (1839-1908) Primeira Fase (Romântica) Obras: Ressurreição (1872), A Mão e a Luva (1874) e Iaiá Garcia (1878)

Leia mais

Aula REALISMO-NATURALISMO NO BRASIL: UM BRASIL REAL E BRASILEIRO META OBJETIVOS. aula de Literatura Brasileira II.

Aula REALISMO-NATURALISMO NO BRASIL: UM BRASIL REAL E BRASILEIRO META OBJETIVOS. aula de Literatura Brasileira II. REALISMO-NATURALISMO NO BRASIL: UM BRASIL REAL E BRASILEIRO Aula 2 META OBJETIVOS aula de Literatura Brasileira II. (Fonte: http://www.dezenovevinte.net) Literatura Brasileira II avam na imprensa e nas

Leia mais

Faça isso por mim. Aquela carta com um logotipo do banco enchia. Cenatexto M Ó D U L O 26

Faça isso por mim. Aquela carta com um logotipo do banco enchia. Cenatexto M Ó D U L O 26 Faça isso por mim A UU L AL A M Ó D U L O 26 Aquela carta com um logotipo do banco enchia de vaidades a cabeça de Rubião. Por mais que tentasse disfarçar, ainda era um novorico. Rodou muito tempo com ela

Leia mais

FUVEST 1999 Prova de Língua Portuguesa. Observe este texto, criado para propaganda de embalagens:

FUVEST 1999 Prova de Língua Portuguesa. Observe este texto, criado para propaganda de embalagens: Q.01 Observe este texto, criado para propaganda de embalagens: Ao final do processo de reciclagem, aquele lixo de lata vira lata de luxo, embalando as bebidas que todo mundo gosta, das marcas que todo

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS EM LÍNGUA PORTUGUESA

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS EM LÍNGUA PORTUGUESA LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS EM LÍNGUA PORTUGUESA QUESTÕES DISCURSIVAS N ọ DE ORDEM: N ọ DE INSCRIÇÃO: NOME: INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA 1. Verifique se este caderno contém 6 questões discursivas

Leia mais

POR UMA LEITURA PLURAL DO TEXTO LITERÁRIO

POR UMA LEITURA PLURAL DO TEXTO LITERÁRIO Resumo POR UMA LEITURA PLURAL DO TEXTO LITERÁRIO Érica Antonia Caetano* Este artigo propõe uma leitura da obra clássica brasileira Dom Casmurro, de Machado de Assis, publicada no ano de 1899, considerada

Leia mais

Uma das mais importantes obras da literatura brasileira, SUPLEMENTO DE ATIVIDADES MEMORIAS POSTUMAS DE BRAS CUBAS MACHADO DE ASSIS NOME: SÉRIE/ANO:

Uma das mais importantes obras da literatura brasileira, SUPLEMENTO DE ATIVIDADES MEMORIAS POSTUMAS DE BRAS CUBAS MACHADO DE ASSIS NOME: SÉRIE/ANO: SUPLEMENTO DE ATIVIDADES MEMORIAS POSTUMAS DE BRAS CUBAS MACHADO DE ASSIS NOME: N o : ESCOLA: SÉRIE/ANO: 1 Uma das mais importantes obras da literatura brasileira, Memórias póstumas de Brás Cubas é um

Leia mais

ARTES VISUAIS E LITERATURA

ARTES VISUAIS E LITERATURA Vestibular 2007 1ª Fase ARTES VISUAIS E LITERATURA Instruções Gerais: No dia de hoje (15/11), você deverá responder as questões de Geografia, História, Artes Visuais e Literatura e Raciocínio Lógico-Matemático.

Leia mais

Análise de Livros Viagens na Minha Terra Almeida Garret;

Análise de Livros Viagens na Minha Terra Almeida Garret; Análise de Livros Viagens na Minha Terra ; LITERATURA PROF. HENRIQUE 1799- Porto 1854 Lisboa João Leitão da Silva, pseudônimo Direito em Coimbra Revolução Liberal de 1820 Exílio durante os anos miguelistas:

Leia mais

01 - A escola realista, que contou com nomes como Machado de Assis, Raul Pompéia e Aluísio Azevedo, teve como principais características:

01 - A escola realista, que contou com nomes como Machado de Assis, Raul Pompéia e Aluísio Azevedo, teve como principais características: SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 2ª TURMA(S): DISCIPLINA:

Leia mais

O REALISMO E O NATURALISMO NO BRASIL

O REALISMO E O NATURALISMO NO BRASIL GOIÂNIA, / / 2016 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: Literatura SÉRIE: 2 ano ALUNO(a): Data da prova: 21/10/2016. No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes

Leia mais

Biologia. Rubens Oda e Alexandre Bandeira (Hélio Fresta) Genética

Biologia. Rubens Oda e Alexandre Bandeira (Hélio Fresta) Genética Genética Genética 1. Em tomates, a característica planta alta é dominante em relação à característica planta anã e a cor vermelha do fruto é dominante em relação à cor amarela. Um agricultor cruzou duas

Leia mais

DOM CASMURRO MACHADO DE ASSIS

DOM CASMURRO MACHADO DE ASSIS DOM CASMURRO MACHADO DE ASSIS JOAQUIM MARIA MACHADO DE ASSIS Nasceu aos 21 dias do mês de junho de 1839, no Rio de Janeiro. Filho de brasileiro, pintor de paredes e de portuguesa, lavadeira. Estudou em

Leia mais

ATIVIDADE CURRICULAR: LITERATURA BRASILEIRA MODERNA PROFESSOR: CARLOS AUGUSTO NASCIMENTO SARMENTO-PANTOJA

ATIVIDADE CURRICULAR: LITERATURA BRASILEIRA MODERNA PROFESSOR: CARLOS AUGUSTO NASCIMENTO SARMENTO-PANTOJA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE ABAETETUBA - CAAB FACULDADE DE CIÊNCIAS DA LINGUAGEM - FACL CURSO LETRAS LICENCIATURA EM LETRAS PLANO DE CURSO ATIVIDADE CURRICULAR: LITERATURA BRASILEIRA

Leia mais

PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA

PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA INSTRUÇÃO: As questões de 07 a 12 baseiam-se no texto abaixo. Leia atentamente todo o texto antes de responder a elas. O AQUECIMENTO GLOBAL 5 10 15 20

Leia mais

Aula A LITERATURA BRASILEIRA REALISTA-NATURALISTA: AUTORES E OBRAS META OBJETIVOS

Aula A LITERATURA BRASILEIRA REALISTA-NATURALISTA: AUTORES E OBRAS META OBJETIVOS A LITERATURA BRASILEIRA REALISTA-NATURALISTA: AUTORES E OBRAS META Fazer um breve panorama da literatura brasileira realista-naturalista produzida na segunda metade do OBJETIVOS estudo do texto; Releitura

Leia mais

DEIXA-ME SENTIR TUA ALMA ATRAVÉS DO TEU CALOROSO ABRAÇO

DEIXA-ME SENTIR TUA ALMA ATRAVÉS DO TEU CALOROSO ABRAÇO EU AMO VOCÊ: DEIXA-ME SENTIR TUA ALMA ATRAVÉS DO TEU CALOROSO ABRAÇO Cleber Chaves da Costa 1 O amor é paciente, o amor é benigno, não é invejoso; o amor não é orgulhoso, não se envaidece; não é descortês,

Leia mais

latim persona máscara

latim persona máscara A PERSONAGEM latim persona máscara É um simulacro; personagem X pessoa; Verdade X verossimilhança; ela precisa ser verossímil. PERSONAGEM SÓ APARECE NO TEXTO LITERÁRIO???? Figura humana representada em

Leia mais

Cordel para Machado de Assis: O Bruxo do Cosme Velho. (Gustavo Dourado)

Cordel para Machado de Assis: O Bruxo do Cosme Velho. (Gustavo Dourado) Cordel para Machado de Assis: O Bruxo do Cosme Velho. (Gustavo Dourado) Joaquim Maria Machado Do Morro do Livramento Foi um moleque baleiro E foi um ás no talento Um Gênio da Literatura E luminar do Pensamento...

Leia mais

SOUZA, Ronaldes de Melo e. O romance tragicômico de Machado de Assis. Rio de. Janeiro: Ed. UERJ, 2006.

SOUZA, Ronaldes de Melo e. O romance tragicômico de Machado de Assis. Rio de. Janeiro: Ed. UERJ, 2006. SOUZA, Ronaldes de Melo e. O romance tragicômico de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2006. A crítica literária brasileira e estrangeira se acostumou a repetir que a obra de Machado de Assis

Leia mais

Realismo e Naturalismo Textos

Realismo e Naturalismo Textos Realismo e Naturalismo Textos Texto I O quarto respirava todo um ar triste de desmazelo e boêmia. Fazia má impressão estar ali: o vômito de Amâncio secava-se no chão, azedando o ambiente; a louça que servira

Leia mais

LITERATURA BRASILEIRA E PORTUGUESA Profª. Maria Helena Pôrto

LITERATURA BRASILEIRA E PORTUGUESA Profª. Maria Helena Pôrto LITERATURA BRASILEIRA E PORTUGUESA Profª. Maria Helena Pôrto I. DOM CASMURRO Machado de Assis 1. (FUVEST / GV) O meu fim evidente era atar as duas pontas da vida, e restaurar na velhice a adolescência.

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 2º TRIMESTRE. Nome: Nº: Nota: (Valor 1,0)

LISTA DE EXERCÍCIOS 2º TRIMESTRE. Nome: Nº: Nota: (Valor 1,0) LISTA DE EXERCÍCIOS 2º TRIMESTRE Nome: Nº: Nota: (Valor 1,0) EM 1ºA/B e 2ºA Atenção!!! A lista de exercícios a seguir irá auxiliá-los nos estudos para avaliação trimestral, consulte também o caderno e

Leia mais

A LITERATURA É A ARTE QUE SE MANIFESTA PELA PALAVRA, SEJA ELA FALADA OU ESCRITA

A LITERATURA É A ARTE QUE SE MANIFESTA PELA PALAVRA, SEJA ELA FALADA OU ESCRITA GÊNEROS LITERÁRIOS A LITERATURA É A ARTE QUE SE MANIFESTA PELA PALAVRA, SEJA ELA FALADA OU ESCRITA Na Antiguidade Clássica os textos literários dividiam em em três gêneros: GÊNERO LÍRICO GÊNERO DRAMÁTICO

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE LITERATURA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE LITERATURA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE LITERATURA Nome: Nº 2 a. Série Data: / /2015 Professores: Fernando, Roberto Nota: (valor: 1,0) 3º bimestre Introdução Caro aluno. Neste semestre, você obteve média inferior a

Leia mais

Data: Junho/2016 Professor(a): Elias Disciplina: Língua Portuguesa TRABALHO DE RECUPERAÇÃO BIMESTRAL

Data: Junho/2016 Professor(a): Elias Disciplina: Língua Portuguesa TRABALHO DE RECUPERAÇÃO BIMESTRAL ENSINO MÉDIO VALOR: 2,0 NOTA: Data: Junho/2016 Professor(a): Elias Disciplina: Língua Portuguesa Nome: n o : SÉRIE: 1ª 2º BIM. TRABALHO DE RECUPERAÇÃO BIMESTRAL A hora e a vez de Augusto Matraga (trecho)

Leia mais

Português 11º ano PLANIFICAÇÃO ANUAL Ano letivo 2016/2017

Português 11º ano PLANIFICAÇÃO ANUAL Ano letivo 2016/2017 OBJETIVOS GERAIS 1. Compreender textos orais de complexidade crescente e de diferentes géneros, apreciando a sua intenção e a sua eficácia comunicativas. 2. Utilizar uma expressão oral correta, fluente

Leia mais

Fabiany Monteiro do Nascimento. Amor Perfeito

Fabiany Monteiro do Nascimento. Amor Perfeito Fabiany Monteiro do Nascimento Amor Perfeito Dedico este livro a... Grandes pessoas que fizeram de minha vida uma fábula de sonhos reais. Primeiro agradeço a Deus, que mesmo nós momentos ruins, nunca me

Leia mais

(D) ratificação. (E) dúvida. OS DOUTORES

(D) ratificação. (E) dúvida. OS DOUTORES MÓDULO 3 Português 3 a série do Ensino Médio Texto I A CAPITAL DA PREGUIÇA Os baianos sempre foram vítimas de gozações por sua suposta índole preguiçosa. Agora, o Rio de Janeiro surrupiou o troféu indolência,

Leia mais

Nada escapa ao naufrágio das ilusões. O Realismo de Machado de Assis

Nada escapa ao naufrágio das ilusões. O Realismo de Machado de Assis Nada escapa ao naufrágio das ilusões O Realismo de Machado de Assis Até aqui observamos: Agora Classicismo (séc. XVI; poesia) X Barroco (séc. XVII; poesia) X (fins do séc. XIX) Arcadismo (séc. XVIII; poesia)

Leia mais

A Cidade e as Serras. José Maria Eça de Queirós

A Cidade e as Serras. José Maria Eça de Queirós A Cidade e as Serras José Maria Eça de Queirós. 1900. O Autor: Nascimento: Póvoa do Varzim, 1845 Falecimento: Paris, 1900. Formado em direito por Coimbra; Diplomata em Paris, Londres, Havana e Egito. Principais

Leia mais

O retrato oval. de Edgar Allan Poe. Manual pp

O retrato oval. de Edgar Allan Poe. Manual pp O retrato oval de Edgar Allan Poe Manual pp. 126-129 1. Assinala, em cada alínea, a opção que, segundo o conto, é verdadeira. 1.1. O narrador pernoitou num castelo dos Apeninos devido à iniciativa do seu

Leia mais

Lua Prateada e outras Poesias

Lua Prateada e outras Poesias Lua Prateada e outras Poesias Copyright Suzi Marques, 2017. Ficha Catalográfica na Publicação (CIP) M357l Marques, Suzi,2003 Lua prateada e outras poesias / Suzi Marques. Perse: São Paulo, 2017. 228 p.

Leia mais

CARGO: CARPINTEIRO TURNO: MANHÃ ESTADO DO MARANHA O PREFEITURA MUNICIPAL DE GOVERNADOR EDISON LOBA O - MA CONCURSO PU BLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS

CARGO: CARPINTEIRO TURNO: MANHÃ ESTADO DO MARANHA O PREFEITURA MUNICIPAL DE GOVERNADOR EDISON LOBA O - MA CONCURSO PU BLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS ESTADO DO MARANHA O PREFEITURA MUNICIPAL DE GOVERNADOR EDISON LOBA O - MA CONCURSO PU BLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS CARGO: CARPINTEIRO TURNO: MANHÃ CADERNO DE PROVA OBJETIVA LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES

Leia mais

3.2 Como devem elas ser escritas?

3.2 Como devem elas ser escritas? Prova da 2.ª Fase do Concurso de Leitura Categoria A - alunos do 1º ciclo (4º ano) Nome: Nº Turma: Data: / / Classificação ( ) O Júri, Esta é a prova da 2.ª fase do Concurso de Leitura 12/13. Responde

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente 2016

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente 2016 Plano de Curso nº 267 aprovado pela portaria Cetec nº 182 de 26/09/2016 Etec: Professora Maria Cristina Medeiros Código:

Leia mais

Dom Casmurro e Capitu, a obra literária virou minissérie

Dom Casmurro e Capitu, a obra literária virou minissérie Dom Casmurro e Capitu, a obra literária virou minissérie Introdução Danyelle Marques Freire SILVA 1 Em entrevista para a tese de mestrado de Hélio de Freitas Guimarães (1995), Manual Carlos, renomado autor

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

Comigo mais poesia. Nelson Martins. Reflexões e Sentimentos

Comigo mais poesia. Nelson Martins. Reflexões e Sentimentos Comigo mais poesia Comigo mais poesia Nelson Martins Reflexões e Sentimentos Apresentação A poesia de Nelson Martins conduz o leitor à territorialidade da existência humana, como memória grifada de cada

Leia mais

O Amor se resume em se sentir bem, especial, incrivelmente Feliz. Um estado espiritual destinado a trazer muitas coisas boas. As vezes ele existe em

O Amor se resume em se sentir bem, especial, incrivelmente Feliz. Um estado espiritual destinado a trazer muitas coisas boas. As vezes ele existe em O Amor O Amor se resume em se sentir bem, especial, incrivelmente Feliz. Um estado espiritual destinado a trazer muitas coisas boas. As vezes ele existe em ter alguém por perto ou fazer algo que goste.

Leia mais

RESENHA Tipos de Resenha resenha acadêmica, resenha crítica, resenha descritiva e resenha temática. 1. Identifique a obra: 2.

RESENHA Tipos de Resenha resenha acadêmica, resenha crítica, resenha descritiva e resenha temática. 1. Identifique a obra: 2. RESENHA Tipos de Resenha As resenhas apresentam algumas divisões que vale destacar. A mais conhecida delas é a resenha acadêmica, que apresenta moldes bastante rígidos, responsáveis pela padronização dos

Leia mais

O Realismo iniciou-se na França, em 1857, com a publicação de Madame Bovary, de Gustave Flaubert.

O Realismo iniciou-se na França, em 1857, com a publicação de Madame Bovary, de Gustave Flaubert. REALISMO O Realismo iniciou-se na França, em 1857, com a publicação de Madame Bovary, de Gustave Flaubert. No Brasil foi em 1881, com Memórias Póstumas da Brás Cubas de Machado de Assis e O Mulato de Aluísio

Leia mais

A CIDADE E AS SERRAS (1901) Professor Kássio

A CIDADE E AS SERRAS (1901) Professor Kássio A CIDADE E AS SERRAS (1901) Professor Kássio Obra publicada um ano após a morte do escritor Eça de Queirós, é uma das últimas grandes publicações realistas em Portugal. O seu mote está em um conto publicado

Leia mais

VERÔNICA PRE-VEST LITERATURA

VERÔNICA PRE-VEST LITERATURA PRE-VEST 25-06-2015 VERÔNICA LITERATURA Realismo e Naturalismo A partir da segunda metade do século 20, as concepções estéticas que nortearam o ideário romântico começaram a perder espaço. Uma nova tendência,

Leia mais

Vestibular ª Fase LÍNGUA PORTUGUESA

Vestibular ª Fase LÍNGUA PORTUGUESA Vestibular 2008 1ª Fase LÍNGUA PORTUGUESA Instruções Gerais: No dia de hoje (11/11), você deverá elaborar uma Redação e responder as questões de Língua Portuguesa e Inglês. Você terá 4 horas para realizar

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE III

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE III AULA 23.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE III Realismo: a sociedade no centro da obra literária O avanço do conhecimento científico sobre a natureza e as relações sociais a partir da segunda metade do século

Leia mais

(PUC-Rio/2005 Adaptada) Texto para as questões 2 e 3:

(PUC-Rio/2005 Adaptada) Texto para as questões 2 e 3: 2º EM Literatura Carolina Aval. Mensal 18/05/12 Textos para a questão 1: Texto I OS SAPOS O sapo tanoeiro, Parnasiano aguado, Diz: Meu cancioneiro É bem martelado (...) Brada em um assomo O sapo tanoeiro:

Leia mais

O cortiço. Aluísio Azevedo

O cortiço. Aluísio Azevedo O cortiço Aluísio Azevedo Nasceu em São Luís (MA),em 1857 e faleceu em Buenos Aires, em 1913. Estudou irregularmente, foi escritor, pintor desenhista (caricatura) e diplomata. 1 Principais obras literárias

Leia mais

LITERATURA PROFESSOR LUQUINHA

LITERATURA PROFESSOR LUQUINHA LITERATURA PROFESSOR LUQUINHA Romantismo e Modernismo Características; Contexto; Abordagens; Enem. LITERATURA LUQUINHA Características da Literatura Romântica A natureza como expressão do eu; A valorização

Leia mais

Sugestões de atividades. Unidade 2 Mistérios PORTUGUÊS

Sugestões de atividades. Unidade 2 Mistérios PORTUGUÊS Sugestões de atividades Unidade 2 Mistérios 8 PORTUGUÊS 1 Português O texto que você lerá é um trecho do conto O gato preto, de Edgar Allan Poe, um escritor venerado em todo o Ocidente e que é considerado

Leia mais

Escolas Literárias. Realismo/Naturalismo. Parnasianismo. Modernismo. Autores Contemporaneos

Escolas Literárias. Realismo/Naturalismo. Parnasianismo. Modernismo. Autores Contemporaneos LITERATURA 1 Escolas Literárias Quinhentismo Arcadismo Realismo/Naturalismo Simbolismo Modernismo Barroco Romantismo Parnasianismo Pré-Modernismo Autores Contemporaneos 2 Entrada do Passeio Público no

Leia mais

Apresento a todos, o início de um trabalho feito. Com muito carinho. São poemas e alguns contos.

Apresento a todos, o início de um trabalho feito. Com muito carinho. São poemas e alguns contos. APRESENTAÇÃO Apresento a todos, o início de um trabalho feito Com muito carinho. São poemas e alguns contos. Para Vocês: VIRTUALMENTE EU USO A MINHA LUZ INTERIOR PARA FALAR AOS CÉUS E A CADA ESTRELA QUE

Leia mais

AMOR PROVADO Ninho Bagunçado (Décimo primeiro ao décimo nono ano)

AMOR PROVADO Ninho Bagunçado (Décimo primeiro ao décimo nono ano) AMOR PROVADO Ninho Bagunçado (Décimo primeiro ao décimo nono ano) a) Manter uma identidade pessoal e uma identidade para o casamento > Dependência exagerada - A identidade do cônjuge é um reflexo do seu

Leia mais

Literatura Fransergio Av. Mensal 26/02/14 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

Literatura Fransergio Av. Mensal 26/02/14 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 2º EM Literatura Fransergio Av. Mensal 26/02/14 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta

Leia mais

Prof. Abimael Luiz de Souza (org.)

Prof. Abimael Luiz de Souza (org.) DICAS ENEM Prof. Abimael Luiz de Souza (org.) abimael@cnsd.com.br Carlos Drummond de Andrade Obras do autor que mais caíram no Enem: "Poema de Sete Faces" e "A Dança e a Alma". Carlos Drummond de Andrade

Leia mais

ÍNDICE BREVE NOTA A HISTÓRIA DE JULIETA, A SANTA DA BAVIERA A HISTÓRIA DE LIANOR DE MILETO A HISTÓRIA DE LISTO MERCATORE...

ÍNDICE BREVE NOTA A HISTÓRIA DE JULIETA, A SANTA DA BAVIERA A HISTÓRIA DE LIANOR DE MILETO A HISTÓRIA DE LISTO MERCATORE... 7. a edição ÍNDICE BREVE NOTA... 11 A HISTÓRIA DE JULIETA, A SANTA DA BAVIERA... 13 A HISTÓRIA DE LIANOR DE MILETO... 21 A HISTÓRIA DE LISTO MERCATORE... 29 A HISTÓRIA DE METÃO, O PEQUENO... 39 A HISTÓRIA

Leia mais

REVISTA VERBA VOLANT RESENHA LITERÁRIA

REVISTA VERBA VOLANT RESENHA LITERÁRIA 55 REVISTA VERBA VOLANT RESENHA LITERÁRIA OBRA RESENHADA: ASSIS, Joaquim Maria Machado de. DOM CASMURRO. AUTOR DA RESENHA: MARINHO, José Álvaro Gomes URCA Universidade Regional do Cariri 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA DE CONTO COM 3º ANO C PROFESSORA: FERNANDA SILVA MELO ROCHA A BELA ADORMECIDA OBJETIVO

SEQUÊNCIA DIDÁTICA DE CONTO COM 3º ANO C PROFESSORA: FERNANDA SILVA MELO ROCHA A BELA ADORMECIDA OBJETIVO SEQUÊNCIA DIDÁTICA DE CONTO COM 3º ANO C PROFESSORA: FERNANDA SILVA MELO ROCHA A BELA ADORMECIDA OBJETIVO Proporciona no aluno a habilidade de conhecer os diversos tipos de contos, e desenvolver no aluno

Leia mais

PROVA DE INTERPRETAÇÃO DE TEXTO CÓD. 01. A vida em cliques

PROVA DE INTERPRETAÇÃO DE TEXTO CÓD. 01. A vida em cliques 14 PROVA DE INTERPRETAÇÃO DE TEXTO CÓD. 01 A vida em cliques Era uma vidinha monótona sem perspectivas: medíocre emprego numa empresa, as conversas inconseqüentes com os amigos, o trânsito congestionado.

Leia mais

MISCELÂNEA. Miscelânea, Assis, vol.4, jun./nov.2008

MISCELÂNEA.  Miscelânea, Assis, vol.4, jun./nov.2008 MISCELÂNEA Revista de Pós-Graduação em Letras UNESP Campus de Assis ISSN: 1984-2899 www.assis.unesp.br/miscelanea Miscelânea, Assis, vol.4, jun./nov.2008 DOM CASMURRO E A MULHER FATAL Camila Soares López

Leia mais

DATA: 02 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE LÍNGUA PORTUGUESA 3.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA:

DATA: 02 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE LÍNGUA PORTUGUESA 3.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 0 / / 03 UNIDADE: III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE LÍNGUA PORTUGUESA 3.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

Colégio Avanço de Ensino Programado

Colégio Avanço de Ensino Programado α Colégio Avanço de Ensino Programado Trabalho Bimestral 1º Semestre - 1º Bim. /2016 Nota: Professor (a): Fernanda Disciplina: L.Portuguesa Turma: 2ª Série E. Médio Nome: Nº: Atividade deverá ser entregue

Leia mais

QUESTÕES OBSERVE, REFLITA E LEIA OS TEXTOS A SEGUIR PARA RESPONDER ÀS QUESTÕES.

QUESTÕES OBSERVE, REFLITA E LEIA OS TEXTOS A SEGUIR PARA RESPONDER ÀS QUESTÕES. 3º EM Literatura Klaus Av. Dissertativa 09/03/16 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta

Leia mais

Confiança Estereótipos de Género e Papéis Sociais

Confiança Estereótipos de Género e Papéis Sociais Amor Ciúme Confiança Estereótipos de Género e Papéis Sociais Amor é fogo que arde sem se ver; É ferida que dói e não se sente; É um contentamento descontente; É dor que desatina sem doer.. Luís Vaz de

Leia mais

Moinhos, Branca Sobreira, Edição: Camila Araujo & Nathan Matos. Revisão: LiteraturaBr Editorial. Projeto Gráfico: André Miyasaki

Moinhos, Branca Sobreira, Edição: Camila Araujo & Nathan Matos. Revisão: LiteraturaBr Editorial. Projeto Gráfico: André Miyasaki 20 Branca Sobreira 20 Moinhos, 2017. Branca Sobreira, 2017. Edição: Camila Araujo & Nathan Matos Revisão: LiteraturaBr Editorial Projeto Gráfico: André Miyasaki Diagramação: LiteraturaBr Editorial Ilustrações:

Leia mais

Rompendo com a Mediocridade. 2 Reis 13: 14-19

Rompendo com a Mediocridade. 2 Reis 13: 14-19 Rompendo com a Mediocridade 2 Reis 13: 14-19 Pr. Luiz Carlos Muniz 16/02/2014 2 Reis 13:14-19 E Eliseu estava doente da enfermidade de que morreu, e Jeoás, rei de Israel, desceu a ele, e chorou sobre o

Leia mais

A marca de uma lágrima

A marca de uma lágrima A marca de uma lágrima O autor O livro é uma obra de Pedro Bandeira, o autor responsável pela minha paixão por livros nacionais. É comum encontrarmos leitores com um alto teor de preconceito em relação

Leia mais

Presente Perfeito A. D. Feldman

Presente Perfeito A. D. Feldman Presente Perfeito A. D. Feldman Encontramo-nos em algum lugar de um pequeno planeta e observamos a beleza fria e ao mesmo tempo arrebatadora do infinito em sua profundeza impenetrável. Lá a morte e a vida

Leia mais

- Professora Sofia Almeida - A princesa baixinha

- Professora Sofia Almeida - A princesa baixinha 2.º ano Português AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada da Quinta do Conde - Professora Sofia Almeida - Nome: Data: / / 1. Lê o texto todo com muita atenção. Avaliação da minha

Leia mais

EFLProfessionals.com.br

EFLProfessionals.com.br 1. Definição: Uma frase é um enunciado que apresenta um sentido e uma estrutura completa. A estruturação de palavras em frase visa a um propósito de comunicação, de transmissão de um conteúdo. Existem

Leia mais

MACHADO DE ASSIS Dom Casmurro. PROJETO DE LEITURA Douglas Tufano Maria José Nóbrega

MACHADO DE ASSIS Dom Casmurro. PROJETO DE LEITURA Douglas Tufano Maria José Nóbrega MACHADO DE ASSIS Dom Casmurro PROJETO DE LEITURA Douglas Tufano Maria José Nóbrega Literatura é aprendizado de humanidade DOUGLAS TUFANO A literatura não é matéria escolar, é matéria de vida. A boa literatura

Leia mais

OLHOS DE RESSACA. 02- "(...) não admira lhe saltassem algumas lágrimas poucas e caladas. As minhas cessaram logo.

OLHOS DE RESSACA. 02- (...) não admira lhe saltassem algumas lágrimas poucas e caladas. As minhas cessaram logo. PROFESSOR: Maria Anna BANCO DE QUESTÕES - PRODUÇÃO TEXTUAL - 2ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================= Conteúdos trabalhados

Leia mais

DATA: 02 / 05 / 2016 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE LÍNGUA PORTUGUESA 3.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA:

DATA: 02 / 05 / 2016 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE LÍNGUA PORTUGUESA 3.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: 02 / 05 / 206 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE LÍNGUA PORTUGUESA 3.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A):

Leia mais

Os nomes usados nesta prova são de personagens da obra do grande escritor brasileiro Machado de Assis.

Os nomes usados nesta prova são de personagens da obra do grande escritor brasileiro Machado de Assis. Ensino MédioNível 3 2ª FASE - 8 de outubro de 2005 Cole aqui a etiqueta com os dados do aluno. Nome do(a) aluno(a): Assinatura do(a) aluno(a): Parabéns pelo seu desempenho na 1 ª Fase da OBMEP. É com grande

Leia mais

Bible Animacao Professor Eliseu Aluno: Rodrigo Gallucci Naufal RA

Bible Animacao Professor Eliseu Aluno: Rodrigo Gallucci Naufal RA Bible Animacao Professor Eliseu Aluno: Rodrigo Gallucci Naufal RA 00147614 Efeitos sonoros: https://www.youtube.com/watch?v=iryixkv8_sm A musica, um instrumental, iria tocar do inicio ate aproximadamente

Leia mais

Histórias do Romantismo

Histórias do Romantismo LINGUAGENS E SUAS TECNOLOGIAS Material de Apoio / 9º ano Professor: Me. Renato Dering Histórias do Romantismo De sonhos e conquistas 1.0 A Bolsa de Seda Joaquim Manuel de Macedo 1.1 Personagens Escritor

Leia mais

SACRIFICIO Y DESCENDêNCIA

SACRIFICIO Y DESCENDêNCIA Ficha No. 8 SACRIFICIO Y DESCENDêNCIA (Gênesis 17, 21-26) Repensando o próprio nascimento e infância Revendo desde a infância a vida de Isaac, vemos que ele nasce depois da promessa de Deus, quando os

Leia mais

APRESENTA. Exercícios para uma adjetivação sugestiva

APRESENTA. Exercícios para uma adjetivação sugestiva APRESENTA Exercícios para uma adjetivação sugestiva 01 Quem sou Desde criança, as palavras me fascinam. De belas histórias ouvidas ao pé da cama, até as grandes aventuras de Monteiro Lobato devoradas no

Leia mais

Bárbara da Silva. Literatura. Parnasianismo

Bárbara da Silva. Literatura. Parnasianismo Bárbara da Silva Literatura Parnasianismo O Parnasianismo foi um movimento essencialmente poético, surgido na segunda metade do século XIX, reagindo contra o sentimentalismo e o subjetivismo dos românticos.

Leia mais

( ) A literatura brasileira da fase colonial é autônoma em relação à Metrópole.

( ) A literatura brasileira da fase colonial é autônoma em relação à Metrópole. 3º EM Literatura Carolina Aval. Subs. / Opt. 23/04/12 1. Sobre o Quinhentismo brasileiro, assinale V para verdadeiro e F para falso. Em seguida, explicite o erro das afirmações julgadas falsas. (Os itens

Leia mais

1º Edição

1º Edição Sensações 1º Edição WWW.Perse.com.br Página 1 Codinome: Tabrao Email: Tania_morenagata@hotmail.com Nasceu no dia 09 de Agosto de 1984 Natural da cidade de Lapa - PR Reside a Rua Francisco Veloso, 282 Ponta

Leia mais

2 Reescreva o texto acima na variedade padrão.

2 Reescreva o texto acima na variedade padrão. TRABALHO DE RECUPERAÇÃO REDAÇÃO 1º SEMESTRE NOME: PROFESSORA: VIVIANE MARQUES PARTE 1 ESTRUTURA E CARACTERÍSTICAS DOS GÊNEROS LITERÁRIOS ESTUDADOS 1 Leia o texto abaixo e assinale a única alternativa correta:

Leia mais

VIAGENS NA MINHA TERRA (1846) Professor Kássio

VIAGENS NA MINHA TERRA (1846) Professor Kássio VIAGENS NA MINHA TERRA (1846) Professor Kássio ALMEIDA GARRETT (1799-1854) O autor nasce em Porto e, desde a infância, tem a vida marcada por acontecimentos políticos. Invasões napoleônicas e Guerra Civil

Leia mais

Entrevista com Alfredo Bosi

Entrevista com Alfredo Bosi Entrevista com Alfredo Bosi P: É possível definir o modo de olhar de Machado de Assis? Quais as suas características? R: Definir o modo de olhar de Machado de Assis é uma das maiores dificuldades da crítica,

Leia mais