Para efeitos da presente Política, consideram-se as seguintes definições:

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Para efeitos da presente Política, consideram-se as seguintes definições:"

Transcrição

1 POLÍTICA INTERNA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO E DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS DA CAIXAGEST TÉCNICAS DE GESTÃO DE FUNDOS, S.A. Considerando, 1. As alterações introduzidas no Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras (RGICSF), no quadro da transposição da Diretiva n.º 2013/36/UE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 26 de junho de 2013, estabelecendo regras sobre a adequação dos membros dos órgãos de administração e fiscalização e dos titulares de funções essenciais nas instituições de crédito, em particular o previsto nos artigos 30º a 33º-A daquele Regime; 2. As Orientações da Autoridade Bancária Europeia (EBA) GL44, de 27 de setembro de 2011, sobre a governação interna das instituições e EBA/GL/2012/06, de 22 de novembro de 2012, sobre a avaliação da aptidão dos membros dos órgãos de administração e fiscalização e de quem desempenha funções essenciais; 3. A Carta Circular do Banco de Portugal n.º 2/2015/DSP, de 2 de março, sobre Política interna de seleção e avaliação dos membros dos órgãos sociais e titulares de funções essenciais. O Conselho de Administração submete ao Acionista e à Assembleia Geral da Caixagest Técnicas de Gestão de Fundos, S.A. para efeitos do n.º 2 do artigo 30.º-A do RGICSF, a seguinte proposta de Política Interna de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização e dos Titulares de Funções Essenciais, da Caixagest Técnicas de Gestão de Fundos, S.A. (Caixagest): POLÍTICA INTERNA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO E DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS DA CAIXAGEST

2 1. Enquadramento 1.1. A adequação dos órgãos de administração e fiscalização para as funções que lhes estão cometidas constitui um fator determinante na gestão sã e prudente das instituições de crédito, contribuindo para o bom funcionamento do sistema financeiro e a satisfação das legítimas expetativas das diversas partes interessadas, nomeadamente dos clientes, investidores, credores, acionistas e outras entidades A adequação dos titulares que exercem funções consideradas essenciais, enquanto colaboradores cujas atividades têm um impacto significativo no perfil de risco das instituições de crédito, constitui um fator importante para a gestão sã e prudente das mesmas ao reforçar os mecanismos de governo interno existentes e contribuir para uma redução dos custos associados a eventuais ocorrências de falhas com impacto financeiro ou a risco reputacional material Constituem critérios especialmente relevantes na avaliação da adequação dos órgãos de administração e fiscalização a idoneidade, a qualificação profissional, a independência e a disponibilidade dos seus membros. O mesmo é aplicável aos titulares de funções essenciais Por outro lado, a avaliação da adequação deve ter em conta as características individuais dos membros dos órgãos que sejam colegiais, e a salvaguarda de condições subjacentes ao funcionamento destes órgãos enquanto entidades coletivas, designadamente a diversidade de qualificações e competências, a disponibilidade do conjunto dos membros dos órgãos de administração e fiscalização e a promoção do aumento do género sub-representado nestes órgãos Tendo como objetivo garantir a todo o tempo, a adequação dos seus órgãos de administração e fiscalização, bem como dos titulares de funções essenciais, a Caixagest estabelece princípios e procedimentos neste âmbito, consubstanciados no presente documento A Política de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização e dos Titulares de Funções Essenciais da Caixagest (doravante designada por Política) é definida em conformidade e rege-se pelos Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras, Código das Sociedades Comerciais, aprovado pelo Decreto-Lei nº 262/86, de 2 de setembro, Orientações da Autoridade Bancária Europeia (EBA) GL44, de 27 de

3 setembro de 2011, sobre a governação interna das instituições e EBA/GL/2012/06, de 22 de novembro de 2012, sobre a avaliação da aptidão dos membros dos órgãos de administração e fiscalização e de quem desempenha funções essenciais. 1.7 No que respeita à presença plural de mulheres e de homens nas nomeações ou designações para cargos de administração e fiscalização, foi ainda tomado como referência o objetivo estabelecido no ponto 1 da Resolução do Conselho de Ministros n.º 11-A/2015, de 5 de março, não obstante esta não ter aplicação direta à Caixagest. 2. Definições Para efeitos da presente Política, consideram-se as seguintes definições: a) Membros do órgão de administração: pessoas que integram o Conselho de Administração; b) Membros do órgão de fiscalização: Fiscal Único; c) Titulares de funções essenciais: primeiros responsáveis pelas funções de auditoria interna, de controlo e gestão de riscos e de compliance, ou outras funções que venham assim a ser definidas por deliberação do Conselho de Administração ou mediante regulamentação do Banco de Portugal; d) Comissão de Avaliação: órgão responsável pela seleção e avaliação da adequação dos membros dos órgãos de administração e fiscalização, de acordo com o disposto na presente Política; e) Comité de Avaliação: órgão responsável pela seleção e avaliação da adequação dos titulares de funções essenciais, de acordo com o disposto na presente Política; 3. Objeto A Política estabelece (i) os responsáveis pela avaliação da adequação; (ii) os procedimentos de avaliação à luz dos requisitos de adequação legalmente estabelecidos; (iii) as regras sobre

4 prevenção, comunicação e sanação de conflitos de interesses e (iv) os meios de formação profissional disponibilizados pela Caixagest tendo em vista a aquisição e desenvolvimento de competências. 4. Âmbito 4.1. A presente Política é aplicável aos membros dos órgãos de administração e fiscalização bem como aos titulares de funções essenciais da Caixagest. 5. Política e responsáveis pela avaliação da adequação dos membros dos órgãos de administração e fiscalização 5.1. Compete à Comissão de Avaliação a avaliação da adequação das pessoas a designar pelos acionistas como membros dos órgãos de administração e fiscalização A Comissão de Avaliação será composta por três membros independentes, com reconhecida idoneidade e qualificação profissional, designados pela Assembleia Geral Para efeitos do número anterior, considera-se prejudicada a independência se o membro em causa, o seu cônjuge, pessoa que com ele viva em união de facto, parentes e/ou afins na linha reta até ao 3.º grau inclusive, na linha colateral, integra e/ou integrou nos últimos 5 anos os órgãos sociais da Caixagest Sem prejuízo do número seguinte, o mandato dos membros da Comissão de Avaliação será de 3 anos, podendo ser renovada a sua designação até ao limite de 6 anos consecutivos Salvo no que respeita à designação da primeira comissão ou em situações de impedimento, a designação dos membros da Comissão de Avaliação nunca poderá ocorrer nos últimos seis meses de mandato do Conselho de Administração Compete à Comissão de Avaliação verificar que:

5 a) Todos os membros dos órgãos de administração e fiscalização, a eleger ou em funções, possuem os requisitos de adequação necessários para o exercício dos respetivos cargos, designadamente em termos de idoneidade, qualificação profissional, independência e disponibilidade; b) O órgão de administração e o órgão de fiscalização, considerada a sua composição como um todo, reúnem qualificações profissionais e disponibilidade suficientes para cumprir as respetivas funções legais e estatutárias em todas as áreas relevantes de atuação Para efeitos da verificação referida no número anterior, a Comissão de Avaliação é responsável por submeter à apreciação da Assembleia Geral: a) Uma descrição das funções e das qualificações necessárias para os cargos de membros dos órgãos de administração e fiscalização e a indicação do tempo a dedicar ao exercício de cada função, se for admissível o seu exercício em regime de não exclusividade; b) Um relatório de avaliação da adequação individual de cada membro dos órgãos de administração e fiscalização, com periodicidade mínima anual e sempre que ocorra um facto superveniente, contendo a indicação expressa de designação ou não designação, acompanhada da eventual recomendação de necessidade de desenvolvimento de capacidades, nos termos da lei e dos regulamentos desta comissão. c) Um relatório de avaliação e apreciação coletiva dos órgãos de administração e fiscalização, com uma periodicidade mínima anual e sempre que ocorra uma recomposição destes órgãos, para aferir se o grupo reúne as competências necessárias e/ou a disponibilidade mínima para cumprir as respetivas funções legais e estatutárias em todas as áreas relevantes de atuação, fazendo-o acompanhar de uma recomendação para suprir eventuais lacunas; d) A identificação das necessidades de formação para suprir eventuais deficiências decorrentes dos resultados dos processos de avaliação individual e coletiva; e) Recomendações de alteração ou atualização da presente Política sempre que considere que a mesma carece de atualização. 6. Política e responsáveis pela avaliação da adequação dos titulares de funções essenciais

6 6.1. Compete ao Comité de Avaliação a responsabilidade pela avaliação da adequação das pessoas a designar pelo Conselho de Administração para o exercício de funções essenciais O Comité de Avaliação é nomeado pelo Conselho de Administração, sendo composto pelo Fiscal Único, por um membro do Conselho de Administração com funções executivas e por um membro do Conselho de Administração sem funções executivas Compete ao Comité de Avaliação verificar que os titulares de funções essenciais possuem os requisitos de adequação necessários para o exercício dos respetivos cargos, designadamente em termos de idoneidade, qualificação profissional, independência e disponibilidade Para efeitos da verificação referida no número anterior, o Comité de Avaliação é responsável por submeter à apreciação do Conselho de Administração os Relatórios resultantes do exercício de avaliação efetuados Nas situações em que o Comité de Avaliação considere, no seu Relatório, que qualquer avaliado para o exercício de funções essenciais não cumpre os requisitos exigidos de idoneidade, qualificação profissional, independência ou disponibilidade, fica, expressa e automaticamente vedada, a sua designação e/ou contratação para o exercício dessa função, salvo se tal falta de aptidão for sanável em prazo considerado razoável. Neste caso, pode o Comité de Avaliação emitir uma opinião positiva condicionada à regularização da falta de aptidão identificada, bem como recomendar as medidas a adotar pelo avaliado e o prazo para o efeito O Comité de Avaliação é responsável por elaborar e manter atualizada uma descrição das funções e das qualificações exigidas para os cargos de titulares de funções essenciais e indicar o tempo a dedicar ao exercício de cada função se for admissível o seu exercício em regime de não exclusividade Para efeitos do previsto nos números anteriores, o Comité de Avaliação solicita, sempre que necessário, o apoio da Direção de Recursos Humanos e Meios ou o apoio de serviços externos especializados.

7 7. Requisitos de adequação 7.1. Os membros dos órgãos de administração e fiscalização, bem como os titulares de funções essenciais, devem cumprir os requisitos de idoneidade, qualificação profissional, independência e disponibilidade, previstos na lei, nomeadamente no Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras Em complemento a estes requisitos, é particularmente valorizada, no processo de avaliação, a demonstração de elevados princípios éticos, valores e comportamentos compatíveis com os padrões exigidos às instituições de crédito, designadamente de diligência, neutralidade, lealdade, discrição e respeito consciencioso dos interesses confiados aos membros dos órgãos sociais, bem como a sua capacidade para exercer um juízo crítico ponderado e construtivo e não influenciado por terceiros Compete à Comissão de Avaliação e ao Comité de Avaliação, respetivamente, elaborar e manter atualizados Regulamentos Internos que incidam sobre o processo de avaliação individual e de adequação coletiva dos órgãos de gestão e fiscalização e titulares de cargos essenciais, nos quais devem constar os requisitos exigidos e uma lista exaustiva de critérios a utilizar para a sua verificação, incluindo os que forem exigidos no âmbito do processo de autorização do Banco de Portugal, bem como os procedimentos e circuitos implementados. 8. Avaliação individual dos membros dos órgãos de administração e fiscalização e dos titulares de funções essenciais 8.1. A avaliação e os critérios a aplicar devem distinguir entre administradores executivos e não executivos, e entre estes e os titulares de funções essenciais, salvaguardando as diferenças resultantes da natureza e das funções a exercer Os membros do órgão de fiscalização e os demais membros do órgão de administração que não exerçam funções executivas devem possuir as competências e as qualificações que lhes permitam efetuar uma avaliação crítica das decisões tomadas pelo Conselho de Administração e fiscalizar eficazmente a função desta.

8 9. Avaliação da adequação coletiva dos órgãos 9.1. A avaliação coletiva do órgão de administração e do órgão de fiscalização da Caixagest visa verificar se o mesmo reúne as competências e a diversidade de qualificações profissionais adequadas e a disponibilidade suficiente para cumprir as respetivas funções legais e estatutárias em todas as áreas relevantes de atuação Os órgãos de administração e fiscalização devem integrar, em termos coletivos, membros com conhecimentos, competências e experiência prática em áreas relevantes para o exercício das correspondentes funções em instituições financeiras, nomeadamente: banca, finanças, economia, gestão, direito, administração, regulamentação financeira e métodos quantitativos Os membros dos órgãos de administração e fiscalização devem assegurar, em termos coletivos, a disponibilidade necessária ao desempenho das respetivas funções legais e estatutárias A composição dos órgãos de administração e de fiscalização e do conjunto dos titulares de funções essenciais assegura a diversidade de género, vinculando-se a Caixagest a um objetivo de representação de 30% do sexo sub-representado até ao final de Procedimentos de avaliação A avaliação individual dos membros a designar para os órgãos de administração e fiscalização, bem como a avaliação coletiva de cada um destes órgãos, é realizada previamente à sua designação e ao longo do mandato, pelo menos anualmente ou sempre que ocorrerem circunstâncias supervenientes que possam afetar os requisitos legalmente exigidos, segundo os seguintes procedimentos: a) As pessoas a designar para os órgãos de administração e fiscalização apresentam à Caixagest, previamente à sua designação, uma declaração escrita com todas as informações relevantes e necessárias para a avaliação da sua adequação, nos termos dos Regulamentos da Comissão de Avaliação; b) As pessoas designadas devem comunicar à Caixagest quaisquer factos supervenientes à designação ou à autorização que alterem o conteúdo da declaração atrás referida;

9 c) A Comissão de Avaliação procede à análise dos elementos de informação referidos nesta Política e de quaisquer outros que tenha solicitado e ainda das diligências que tenha considerado adequadas para a avaliação individual das pessoas e coletiva dos órgãos de administração e fiscalização; d) A Comissão de Avaliação deve promover a avaliação da adequação individual dos membros designados, bem como da adequação coletiva destes órgãos, em momento que garanta a disponibilização dos relatórios com os resultados da avaliação à Assembleia Geral da Caixagest; e e) Os Relatórios de avaliação individual e coletiva dos membros dos órgãos de administração e fiscalização, elaborados pela Comissão de Avaliação, acompanham o requerimento de autorização para o respetivo exercício de funções, dirigido ao Banco de Portugal A avaliação dos titulares de funções essenciais é realizada em momento prévio à sua designação ou contratação e durante o exercício das respetivas funções, pelo menos anualmente ou sempre que um ou mais factos supervenientes suscitarem a necessidade de uma reavaliação da sua adequação A avaliação da verificação dos requisitos de adequação necessários para o desempenho de funções essenciais é feita, com as necessárias adaptações, nos termos aplicáveis à avaliação dos candidatos a membros dos órgãos de administração e fiscalização, cabendo ao Comité de Avaliação a respetiva avaliação e a elaboração do correspondente Relatório. 11. Regras sobre prevenção, comunicação e sanação de situações de conflitos de interesses Os membros dos órgãos de administração e fiscalização, bem como os titulares de funções essenciais devem evitar qualquer situação suscetível de originar conflitos de interesses As situações de conflitos de interesses são tratadas ao abrigo do regime definido pelos normativos internos da Instituição, designadamente o Código de Conduta da Caixagest Os membros dos órgãos de administração e fiscalização, bem como os titulares de funções essenciais, devem comunicar, nos termos que estiverem estabelecidos, o exercício de qualquer

10 atividade exterior às funções desempenhadas na Caixagest, de forma a possibilitar a verificação de eventuais situações de conflitos de interesses ou de incompatibilidades Em caso de incumprimento do estipulado nos normativos internos da Caixagest sobre a prevenção e gestão de situações de conflitos de interesses, por membros dos órgãos de administração e fiscalização bem como por titulares de funções essenciais, a situação concreta é apresentada a discussão do Conselho de Administração. Subsequentemente, o Conselho de Administração promove as iniciativas que se mostrem necessárias para a sanação da situação concreta de conflito de interesses, a eventual responsabilização decorrente da atuação verificada e a adoção de medidas adicionais que se considerem adequadas para o reforço dos mecanismos de prevenção e gestão em vigor na Caixagest. 12. Aquisição e desenvolvimento de aptidões Sempre que, no âmbito das avaliações de adequação previstas na lei e nesta Política, sejam identificadas necessidades específicas que possam afetar o requisito de qualificação profissional de algum membro do órgão de administração ou de fiscalização ou de algum titular de funções essenciais, a Caixagest disponibiliza, através de programa constituído para o efeito, os instrumentos de formação necessários e adequados à sua sanação no pressuposto de que a mesma pode ser feita em tempo razoável e útil Sem prejuízo do referido no número anterior, a Caixagest disponibiliza cursos de formação em temas de natureza obrigatória relacionados com a atividade bancária, bem como outros que, em função de evoluções legislativas, regulamentares, tecnológicas ou outras, sejam tidos como necessários ou úteis ao cabal desempenho das funções consideradas nesta Política A reavaliação da adequação dos membros dos órgãos de administração e fiscalização, a realizar pela Comissão de Avaliação, toma em devida consideração a frequência regular de ações de formação com relevo para o exercício do cargo, designadamente para efeitos de apreciação do cumprimento do requisito de qualificação profissional.

11 13. Divulgação e atualização A presente Política é divulgada na página institucional da Caixagest na internet e, bem assim, na sua página intranet. Lisboa, 20 de outubro de 2015 Conselho de Administração

12

Política de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e de Fiscalização e dos Titulares de Cargos com Funções

Política de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e de Fiscalização e dos Titulares de Cargos com Funções Política de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e de Fiscalização e dos Titulares de Cargos com Funções Essenciais Página em branco 31-mai-2016 2 Índice Introdução...

Leia mais

Política Interna de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização, do ROC e dos Titulares de Funções

Política Interna de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização, do ROC e dos Titulares de Funções Política Interna de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização, do ROC e dos Titulares de Funções Essenciais 30 de maio de 2017 Título: Política Interna de

Leia mais

Política de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e de Fiscalização e dos Titulares de Cargos com Funções

Política de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e de Fiscalização e dos Titulares de Cargos com Funções Política de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e de Fiscalização e dos Titulares de Cargos com Funções Essenciais Página em branco Aprovação Nível 1 2 Índice 1. Introdução...

Leia mais

Política de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e de Fiscalização e dos Titulares de Cargos com Funções

Política de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e de Fiscalização e dos Titulares de Cargos com Funções Política de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e de Fiscalização e dos Titulares de Cargos com Funções Essenciais Página em branco 23-set-2015 2 Índice A. Âmbito de

Leia mais

Número: Versão: Data de Emissão: Âmbito de Distribuição Pública. Entrada em vigor:

Número: Versão: Data de Emissão: Âmbito de Distribuição Pública. Entrada em vigor: Título: Política Interna de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização e dos Titulares de Funções Essenciais Proprietário: Assembleia Geral Contribuidores:

Leia mais

Política Interna de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e de Fiscalização e dos Titulares de Funções Essenciais

Política Interna de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e de Fiscalização e dos Titulares de Funções Essenciais Política Interna de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e de Fiscalização e dos Titulares de Funções Essenciais Índice 1. Objeto... 3 2. Fontes legislativas e Documentos

Leia mais

POLÍTICA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO E DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS

POLÍTICA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO E DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS POLÍTICA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO E DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS do CAIXA BANCO DE INVESTIMENTO, S.A. ÍNDICE 1. Objeto... 3 2. Vigência...

Leia mais

POLÍTICA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO E DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS

POLÍTICA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO E DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS POLÍTICA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO E DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS da CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. ÍNDICE 1. OBJETO... 3 2. VIGÊNCIA...

Leia mais

Regulamento da Comissão de Remunerações e Avaliação

Regulamento da Comissão de Remunerações e Avaliação Regulamento da Comissão de Remunerações e Avaliação 30 de maio de 2017 Título: Regulamento da Comissão de Remunerações e Avaliação Proprietário: Assembleia Geral Contribuidores: Conselho de Administração;

Leia mais

CONSELHO FISCAL DO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO. (Aprovado na reunião do Conselho Fiscal de 17 de outubro de 2016)

CONSELHO FISCAL DO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO. (Aprovado na reunião do Conselho Fiscal de 17 de outubro de 2016) CONSELHO FISCAL DO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO (Aprovado na reunião do Conselho Fiscal de 17 de outubro de 2016) 1 REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL DO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. Artigo 1º

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO, COMUNICAÇÃO E SANAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES DO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. ( BANCO POPULAR )

POLÍTICA DE PREVENÇÃO, COMUNICAÇÃO E SANAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES DO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. ( BANCO POPULAR ) POLÍTICA DE PREVENÇÃO, COMUNICAÇÃO E SANAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES DO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. ( BANCO POPULAR ) 1. Objeto, âmbito e competência 1.1. O presente documento contém a Política de

Leia mais

Política Interna de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização e dos Titulares de Funções Essenciais

Política Interna de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização e dos Titulares de Funções Essenciais Política Interna de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização e dos Titulares de Funções Essenciais da UNICRE INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. 11 de

Leia mais

Política interna de seleção e avaliação da adequação dos membros dos órgãos de administração e fiscalização e titulares de funções essenciais

Política interna de seleção e avaliação da adequação dos membros dos órgãos de administração e fiscalização e titulares de funções essenciais Política interna de seleção e avaliação da adequação dos membros dos órgãos de administração e fiscalização e titulares de funções essenciais março de 2015 Índice ARTIGO 1.º Disposições Gerais... 3 ARTIGO

Leia mais

POLÍTICA INTERNA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DA CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL

POLÍTICA INTERNA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DA CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL POLÍTICA INTERNA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DA CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL 1. Introdução 1.1. Ao abrigo e nos termos do n.º 2 do artigo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO, AVALIAÇÃO E NOMEAÇÕES CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A.

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO, AVALIAÇÃO E NOMEAÇÕES CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO, AVALIAÇÃO E NOMEAÇÕES CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. Artigo 1.º Instituição da Comissão de Governo Societário, Avaliação e Nomeações 1. O presente Regulamento

Leia mais

DECISÃO (UE) 2017/935 DO BANCO CENTRAL EUROPEU

DECISÃO (UE) 2017/935 DO BANCO CENTRAL EUROPEU 1.6.2017 L 141/21 DECISÃO (UE) 2017/935 DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 16 de novembro de 2016 sobre a delegação de poderes para a adoção de decisões relativas à adequação e idoneidade e a avaliação dos requisitos

Leia mais

Política Interna de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização e Titulares de Funções Essenciais

Política Interna de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização e Titulares de Funções Essenciais Política Interna de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização e Titulares de Funções Essenciais Esta página foi intencionalmente deixada em branco. 2/19 Índice:

Leia mais

PROPOSTA PONTO 7 DA ORDEM DE TRABALHOS DA ASSEMBLEIA GERAL DE ASSOCIADOS DA CAIXA DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO DO DOURO E CÔA, C.R.L.

PROPOSTA PONTO 7 DA ORDEM DE TRABALHOS DA ASSEMBLEIA GERAL DE ASSOCIADOS DA CAIXA DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO DO DOURO E CÔA, C.R.L. Exmo. Senhor Presidente da Mesa da Assembleia Geral da CCAM do Douro e Côa, C.R.L. Assembleia Geral de 22 de Março 2015 PROPOSTA PONTO 7 DA ORDEM DE TRABALHOS DA ASSEMBLEIA GERAL DE ASSOCIADOS DA CAIXA

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL DO BANCO BIC PORTUGUÊS, S.A. Atualizado a 09 de novembro de 2017

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL DO BANCO BIC PORTUGUÊS, S.A. Atualizado a 09 de novembro de 2017 ÍNDICE Artigo 1.º - Composição... 2 Artigo 2.º - Competências... 2 Artigo 3.º - Reuniões... 4 Artigo 4.º - Ordem de trabalho das reuniões... 4 Artigo 5.º - Funcionamento das reuniões... 5 Artigo 6.º -

Leia mais

Portaria nº 420/2012, de 21 de dezembro

Portaria nº 420/2012, de 21 de dezembro Portaria nº 420/2012, de 21 de dezembro O Fundo de Resolução, que tem por objeto principal a prestação de apoio financeiro à aplicação de medidas de resolução adotadas pelo Banco de Portugal, foi criado

Leia mais

Política de Gestão do Risco de Compliance do Banco BIC Português, S.A.

Política de Gestão do Risco de Compliance do Banco BIC Português, S.A. Política de Gestão do Risco de Compliance do Banco BIC Português, S.A. Aprovada em Comissão Executiva a 24/06/2018 CLASSIFICAÇÃO: PÚBLICO ÍNDICE I. ÂMBITO... 3 II. SISTEMA DE CONTROLO INTERNO... 3 1. OBJETIVOS

Leia mais

Política de Gestão do Risco de Compliance

Política de Gestão do Risco de Compliance Política de Gestão do Risco de Compliance Classificação: Público Última Atualização: 23 de dezembro de 2016 ÍNDICE 1. ÂMBITO... 3 2. SISTEMA DE CONTROLO INTERNO... 3 3. RISCO DE COMPLIANCE E FUNÇÃO DE

Leia mais

REGULAMENTO COMISSÃO DE AUDITORIA CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL, CAIXA ECONÓMICA BANCÁRIA, S.A.

REGULAMENTO COMISSÃO DE AUDITORIA CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL, CAIXA ECONÓMICA BANCÁRIA, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DA CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL, CAIXA ECONÓMICA BANCÁRIA, S.A. ÍNDICE Artigo 1º.- Objetivo do Regulamento... 3 Artigo 2º. - Missão... 3 Artigo 3º.- Composição...

Leia mais

Instrução n. o 1/2017 BO n. o

Instrução n. o 1/2017 BO n. o Instrução n. o 1/2017 BO n. o 2 15-02-2017 Temas Supervisão Divulgação de informação Índice Texto da Instrução Texto da Instrução Assunto: Processos e critérios relativos à aplicação das noções de relevância,

Leia mais

REGULAMENTO DO COMITÉ DE NOMEAÇÕES E REMUNERAÇÕES

REGULAMENTO DO COMITÉ DE NOMEAÇÕES E REMUNERAÇÕES Aprovado na reunião do Conselho de Administração de 21 de Setembro de 2015 Artigo 1.º Objeto Deveres, Organização e Funcionamento 1. O presente Regulamento disciplina os princípios de atuação e deveres

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO, AVALIAÇÃO E NOMEAÇÕES CTT Correios de Portugal, S.A.

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO, AVALIAÇÃO E NOMEAÇÕES CTT Correios de Portugal, S.A. REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO, AVALIAÇÃO E NOMEAÇÕES CTT Correios de Portugal, S.A. Artigo 1.º Instituição da Comissão de Governo Societário, Avaliação e Nomeações 1. O presente Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS (Aprovado em 23/01/2017) - 1 - Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento Interno estabelece as regras de organização

Leia mais

REGULAMENTO COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES. (Whistleblowing)

REGULAMENTO COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES. (Whistleblowing) REGULAMENTO COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES (Whistleblowing) Maio 2016 1. Princípios e objetivos O Novo Banco tem entre os seus objetivos o cumprimento das disposições legais e regulamentares aplicáveis

Leia mais

Política de Comunicação de Irregularidades Whistleblowing

Política de Comunicação de Irregularidades Whistleblowing 2018 Política de Comunicação de Irregularidades Whistleblowing Grupo Novo Banco Fevereiro de 2018 ÍNDICE 1. Princípios e objetivos... 3 2. Aplicação da Política às entidades do Grupo Novo Banco... 3 3.

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE REMUNERAÇÕES, NOMEAÇÕES E AVALIAÇÕES

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE REMUNERAÇÕES, NOMEAÇÕES E AVALIAÇÕES REGULAMENTO DA COMISSÃO DE REMUNERAÇÕES, NOMEAÇÕES E AVALIAÇÕES Caixa Económica Montepio Geral, caixa económica bancária, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE REMUNERAÇÕES, NOMEAÇÕES E AVALIAÇÕES DA CAIXA ECONÓMICA

Leia mais

Janeiro de Versão 2.0

Janeiro de Versão 2.0 Política Interna de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e de Fiscalização e dos Titulares de Janeiro de 2019 Versão 2.0 Responsável Data Elaborado por: Direção de Serviços

Leia mais

POLÍTICA DE SELECÇÃO E AVALIAÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CONSELHO FISCAL E DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS DO BANCO BPI

POLÍTICA DE SELECÇÃO E AVALIAÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CONSELHO FISCAL E DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS DO BANCO BPI POLÍTICA DE SELECÇÃO E AVALIAÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CONSELHO FISCAL E DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS DO BANCO BPI Definições Banco ou BPI o Banco BPI, S.A. Membro qualquer

Leia mais

(Artigo 30-A, n.º 2, do Decreto-Lei n.º 298/92, de 31 de dezembro, que aprova o Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras)

(Artigo 30-A, n.º 2, do Decreto-Lei n.º 298/92, de 31 de dezembro, que aprova o Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras) POLÍTICA INTERNA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO E TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS DA MERCEDES-BENZ FINANCIAL SERVICES PORTUGAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO E DO REVISOR OFICIAL DE CONTAS

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO E DO REVISOR OFICIAL DE CONTAS POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO E DO REVISOR OFICIAL DE CONTAS Índice 1. ÂMBITO E OBJETIVOS...3 2. REMUNERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO...3 3. REMUNERAÇÃO

Leia mais

Atrium Investimentos SFC, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO E DE CERTOS COLABORADORES RELEVANTES

Atrium Investimentos SFC, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO E DE CERTOS COLABORADORES RELEVANTES Atrium Investimentos SFC, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO E DE CERTOS COLABORADORES RELEVANTES Índice I. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS

Leia mais

Regulamento do Comité de Controlo Interno

Regulamento do Comité de Controlo Interno Regulamento do Comité de Controlo Interno Introdução O regulamento do comité de controlo interno do Sistema Nacional de Garantia Mútua (SNGM) tem por objetivo principal, regular a atividade do mesmo, nomeadamente

Leia mais

ANEXO II REQUISITOS DE ADEQUAÇÃO EXIGIDOS

ANEXO II REQUISITOS DE ADEQUAÇÃO EXIGIDOS ANEXO II REQUISITOS DE ADEQUAÇÃO EXIGIDOS 1. Idoneidade 1.1. Na avaliação da idoneidade a Comissão de Avaliação tem em conta o modo como a pessoa gere habitualmente os negócios, profissionais ou pessoais,

Leia mais

Política de Seleção e Avaliação do Revisor Oficial de Contas do Novo Banco

Política de Seleção e Avaliação do Revisor Oficial de Contas do Novo Banco 2018 Política de Seleção e Avaliação do Revisor Oficial de Contas do Novo Banco Grupo Novo Banco Maio de 2018 ÍNDICE 1. Regime jurídico e regulamentar... 3 2. Âmbito... 4 3. Objetivos... 4 4. Responsabilidade

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 11/2017 Regulamento da Comissão de Ética da Universidade de Évora

ORDEM DE SERVIÇO Nº 11/2017 Regulamento da Comissão de Ética da Universidade de Évora ORDEM DE SERVIÇO Nº 11/2017 Regulamento da Comissão de Ética da Universidade de Évora Sob proposta da Comissão de Ética nomeada pelo Despacho nº 24/2017, de 15.fevereiro, e ao abrigo do disposto na alínea

Leia mais

Novo estatuto do gestor público

Novo estatuto do gestor público Decreto Lei n.º 71/2007, de 27 de março Novo estatuto do gestor público CAPÍTULO I Âmbito Artigo 1.º Gestor público 1 Para os efeitos do presente decreto lei, considera se gestor público quem seja designado

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO, COMUNICAÇÃO E SANAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES DA POPULAR GESTÃO DE ACTIVOS, S.A. ( PGA ) 1. Introdução

POLÍTICA DE PREVENÇÃO, COMUNICAÇÃO E SANAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES DA POPULAR GESTÃO DE ACTIVOS, S.A. ( PGA ) 1. Introdução POLÍTICA DE PREVENÇÃO, COMUNICAÇÃO E SANAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES DA POPULAR GESTÃO DE ACTIVOS, S.A. ( PGA ) 1. Introdução A Popular Gestão de Activos, S.A., adiante designada por PGA, é uma sociedade

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 3 de Março de 2016 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP)

REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP) REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP) Considerando a necessidade de se definir políticas, regras e procedimentos para o funcionamento do Conselho de Auditoria

Leia mais

CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S.A. Regulamento da Comissão de Auditoria

CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S.A. Regulamento da Comissão de Auditoria CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S.A. Regulamento da Comissão de Auditoria CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S.A. Regulamento da Comissão de Auditoria PREÂMBULO A Comissão de Auditoria da CIMPOR Cimentos

Leia mais

POLÍTICA INTERNA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃOE DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS

POLÍTICA INTERNA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃOE DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS POLÍTICA INTERNA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃOE DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS Capítulo I Objeto e definições 1. Objeto 1.1 A presente

Leia mais

2. Princípios Gerais. 3. Identificação dos Titulares de Funções Essenciais

2. Princípios Gerais. 3. Identificação dos Titulares de Funções Essenciais Anexo Três à Acta da Assembleia Geral número oitenta e quatro de trinta de Março de dois mil e quinze (ponto sétimo da Ordem de Trabalhos): Política Interna de seleção e avaliação da adequação dos titulares

Leia mais

Regulamento do Conselho Fiscal

Regulamento do Conselho Fiscal Regulamento do Conselho Fiscal 1 Regulamento do Conselho Fiscal da Oitante, S.A. ARTIGO 1º - OBJETO O presente instrumento regulamenta o exercício de competências, poderes e deveres, e o funcionamento,

Leia mais

Instrução n. o 1/2017 BO n. o

Instrução n. o 1/2017 BO n. o Instrução n. o 1/2017 BO n. o 2 15-02-2017 Temas Supervisão Divulgação de informação Índice Texto da Instrução Texto da Instrução Assunto: Processos e critérios relativos à aplicação das noções de relevância,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 17 de novembro de 2016

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 17 de novembro de 2016 da CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 17 de novembro de 2016 ÍNDICE OBJETO... 3 APROVAÇÃO E VIGÊNCIA... 3 CARÁCTER VINCULATIVO... 3 COMPETÊNCIA DO... 3 COMPOSIÇÃO... 5 FUNCIONAMENTO... 5 PRESENÇAS E AUSÊNCIAS...

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL. 1. Introdução

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL. 1. Introdução RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL 1. Introdução Este Relatório de Avaliação Inicial corresponde ao relatório que deve ser elaborado no processo de avaliação inicial de Membros do órgão de administração, nos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA PORTUCEL

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA PORTUCEL REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA PORTUCEL 1º (Composição) O Conselho Fiscal é composto por três membros efetivos, um dos quais será o Presidente, e dois suplentes, eleitos em Assembleia Geral,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL BANCO INTERATLÂNTICO, S.A.

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL BANCO INTERATLÂNTICO, S.A. BANCO INTERATLÂNTICO, S.A. 27 de Setembro de 2018 ÍNDICE OBJECTO... 3 APROVAÇÃO E VIGÊNCIA... 3 CARÁCTER VINCULATIVO... 3 COMPETÊNCIA DO CONSELHO FISCAL... 3 COMPOSIÇÃO... 5 FUNCIONAMENTO... 5 ARTICULAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO DO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E FINANCIAMENTO DO TERRORISMO VICTORIA SEGUROS, S.A.

POLÍTICA DE PREVENÇÃO DO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E FINANCIAMENTO DO TERRORISMO VICTORIA SEGUROS, S.A. POLÍTICA DE PREVENÇÃO DO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E FINANCIAMENTO DO TERRORISMO VICTORIA SEGUROS, S.A. INDICE CONTROLO DE VERSÕES... 2 Histórico de Versões... 2 1. ÂMBITO E ENQUADRAMENTO LEGAL... 3 2.

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA THE NAVIGATOR COMPANY, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA THE NAVIGATOR COMPANY, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA THE NAVIGATOR COMPANY, S.A. Artigo 1.º (Âmbito) 1. O presente regulamento estabelece as regras de funcionamento da Comissão do Governo Societário (adiante

Leia mais

Plano de prevenção de riscos de gestão, incluindo os de corrupção e infrações conexas da Câmara Municipal de Chaves.

Plano de prevenção de riscos de gestão, incluindo os de corrupção e infrações conexas da Câmara Municipal de Chaves. Plano de prevenção de riscos de gestão, incluindo os de corrupção e infrações conexas da Câmara Municipal de Chaves. Página 1 de 10 ÍNDICE 1. Enquadramento 2. Estrutura do Plano I. Compromisso Ético II.

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL CAIXA LEASING E FACTORING, S.A. 27 de fevereiro de 2019

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL CAIXA LEASING E FACTORING, S.A. 27 de fevereiro de 2019 da CAIXA LEASING E FACTORING, S.A. 27 de fevereiro de 2019 ÍNDICE 1. Objeto... 2 2. Aprovação e vigência... 2 3. Carácter Vinculativo... 2 4. Composição e poderes... 2 5. Competências... 3 6. Reuniões

Leia mais

Acompanhamento, Apreciação e Pronúncia pela Assembleia da República no âmbito do Processo de Construção da União Europeia 1

Acompanhamento, Apreciação e Pronúncia pela Assembleia da República no âmbito do Processo de Construção da União Europeia 1 Acompanhamento, Apreciação e Pronúncia pela Assembleia da República no âmbito do Processo de Construção da União Europeia 1 Lei n.º 43/2006, de 25 de agosto (TP), com as alterações introduzidas pela Lei

Leia mais

Sonaecom CONSELHO FISCAL REGULAMENTO

Sonaecom CONSELHO FISCAL REGULAMENTO CONSELHO FISCAL REGULAMENTO I. Âmbito 1. O funcionamento do Conselho Fiscal da Sonaecom, SGPS, S.A. rege-se pelo disposto na lei, nos estatutos, e no presente Regulamento. II. Composição 1. O Conselho

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE AUDITORIA CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A.

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE AUDITORIA CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE AUDITORIA CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. Artigo 1.º Instituição e Competências 1. O presente regulamento tem por objeto disciplinar a composição, o funcionamento, as competências

Leia mais

Relatório anual sobre a estrutura e práticas do governo societário do. Banco BAI Europa, SA. Estrutura do governo societário

Relatório anual sobre a estrutura e práticas do governo societário do. Banco BAI Europa, SA. Estrutura do governo societário do Banco BAI Europa, SA Estrutura do governo societário 1 O Banco BAI Europa, S.A. (BAIE ou Banco) é uma instituição financeira de direito português, cujo capital social, integralmente subscrito e realizado

Leia mais

AVISO n.º [ ] /2017. Acumulação de cargos

AVISO n.º [ ] /2017. Acumulação de cargos AVISO n.º [ ] /2017 Acumulação de cargos Nos termos do disposto no artigo 31.º, n.º 1, da Lei n.º 62/VIII/2014, de 13 de abril, que aprovou a Lei das Atividades e das Instituições Financeiras ( LAIF ),

Leia mais

Código de Conduta dos Membros do Conselho de Auditoria do Banco de Portugal

Código de Conduta dos Membros do Conselho de Auditoria do Banco de Portugal Código de Conduta dos Membros do Conselho de Auditoria do Banco de Portugal Lisboa, 2016 www.bportugal.pt Código de Conduta dos Membros do Conselho de Auditoria do Banco de Portugal Banco de Portugal Rua

Leia mais

ZON OPTIMUS, SGPS, S.A.

ZON OPTIMUS, SGPS, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO ZON OPTIMUS, SGPS, S.A. 1/8 Artigo 1º Composição 1. O Conselho de Administração tem a composição que for deliberada em Assembleia Geral com os limites estabelecidos

Leia mais

16 de Junho de 2017 REGULAMENTO DA COMISSÃO DE REMUNERAÇÕES DA ASSEMBLEIA GERAL CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A.

16 de Junho de 2017 REGULAMENTO DA COMISSÃO DE REMUNERAÇÕES DA ASSEMBLEIA GERAL CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE REMUNERAÇÕES DA ASSEMBLEIA GERAL da CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. ÍNDICE 2 REGULAMENTO DA COMISSÃO DE REMUNERAÇÕES DA ASSEMBLEIA GERAL OBJECTO O presente Regulamento da Comissão

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE CONTROLO E RISCOS. 1.º (Âmbito)

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE CONTROLO E RISCOS. 1.º (Âmbito) REGULAMENTO DA COMISSÃO DE CONTROLO E RISCOS 1.º (Âmbito) 1. O presente regulamento estabelece as regras de funcionamento da Comissão de Controlo e Riscos (doravante, CCR ) criada no seio do Conselho de

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE REMUNERAÇÕES BANCO INTERATLÂNTICO, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE REMUNERAÇÕES BANCO INTERATLÂNTICO, S.A. BANCO INTERATLÂNTICO, S.A. Aprovado em 26 de Abril de 2018 ÍNDICE OBJECTO... 3 APROVAÇÃO E VIGÊNCIA... 3 NOMEAÇÃO E COMPOSIÇÃO... 3 CARÁCTER VINCULATIVO... 4 COMPETÊNCIAS... 4 DIREITOS E DEVERES... 6 REUNIÕES...

Leia mais

Número: Versão: Data de Emissão: Entrada em vigor:

Número: Versão: Data de Emissão: Entrada em vigor: Título: Política de Remuneração dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização Proprietário: Assembleia Geral Contribuidores: Comissão de Remunerações e Avaliação Âmbito de Distribuição Pública

Leia mais

Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa

Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa Serviço de Auditoria Interna Regulamento Data e aprovação do órgão de gestão: 30 de Janeiro de 2019 Preâmbulo A gestão, cada vez mais complexa, das unidades de

Leia mais

PATRIS Sociedade Corretora, S.A. Sede: Rua Duque de Palmela, n.º 37, 3º piso, Lisboa Tel: Fax: Capital Social:

PATRIS Sociedade Corretora, S.A. Sede: Rua Duque de Palmela, n.º 37, 3º piso, Lisboa Tel: Fax: Capital Social: PATRIS Sociedade Corretora, S.A. Sede: Rua Duque de Palmela, n.º 37, 3º piso, 1250-097 Lisboa Tel: 21 0434200 Fax: 21 3803049 Capital Social: 400.000,00 Pessoa Coletiva e C.R.C. Lisboa sob nº 502.905.590

Leia mais

Política sobre a Prevenção, Comunicação e Sanação de Conflitos de Interesses envolvendo Partes Relacionadas

Política sobre a Prevenção, Comunicação e Sanação de Conflitos de Interesses envolvendo Partes Relacionadas Política sobre a Prevenção, Comunicação e Sanação de Conflitos de Interesses envolvendo Partes Relacionadas 6 de dezembro de 2018 Índice 1 Objeto... 3 2 Definições... 3 3 Procedimentos para Negócio Relevante

Leia mais

POLÍTICA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO, E DOS. Introdução

POLÍTICA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO, E DOS. Introdução POLÍTICA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO, E DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS DA POPULAR GESTÃO DE ATIVOS, S.A. ( PGA ) Introdução A presente Política de

Leia mais

2015 P. 1 de 6. Procedimento para a Comunicação de Irregularidades Linha de ética

2015 P. 1 de 6. Procedimento para a Comunicação de Irregularidades Linha de ética P. 1 de 6 Procedimento para a Aprovado em reunião do Conselho Fiscal de 3.12. P. 2 de 6 1. INTRODUÇÃO A Galp Energia, SGPS, S.A. (doravante Galp ) baseia o exercício da sua atividade em princípios de lealdade,

Leia mais

Relatório Governo Societário 2018

Relatório Governo Societário 2018 Data: 12 Setembro de 2018 Proprietário: Banco BAI Europa Classificação da Informação: PÚBLICA Lista de Distribuição: Público em Geral Banco BAI Europa, SA, sociedade anónima com sede na Rua Tierno Galvan,

Leia mais

Política de Transações com Partes Relacionadas

Política de Transações com Partes Relacionadas 2017 Política de Transações com Partes Relacionadas Grupo NOVO BANCO Julho / 2017 Índice 1. Objetivos... 3 2. Aplicação da Política às Entidades do Grupo NOVO BANCO... 3 3. Enquadramento Legal e Regulamentar...

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL DO BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. (22/05/2019) PROPOSTA RELATIVA AO PONTO 4 DA ORDEM DE TRABALHOS

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL DO BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. (22/05/2019) PROPOSTA RELATIVA AO PONTO 4 DA ORDEM DE TRABALHOS ASSEMBLEIA GERAL ANUAL DO BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. (22/05/2019) PROPOSTA RELATIVA AO PONTO 4 DA ORDEM DE TRABALHOS DELIBERAR SOBRE APOLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL DA SONAE INDÚSTRIA, SGPS, SA. 4 de Maio de 2015

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL DA SONAE INDÚSTRIA, SGPS, SA. 4 de Maio de 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL DA SONAE INDÚSTRIA, SGPS, SA 4 de Maio de 2015 Artigo 1º Âmbito O presente regulamento estabelece as regras aplicáveis ao funcionamento do Conselho Fiscal da Sonae Indústria,

Leia mais

POLÍTICA PREVENÇÃO DE BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E FINANCIAMENTO DO TERRORISMO POLÍTICA

POLÍTICA PREVENÇÃO DE BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E FINANCIAMENTO DO TERRORISMO POLÍTICA POLÍTICA PREVENÇÃO DE BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E FINANCIAMENTO DO TERRORISMO POLÍTICA INDICE CONTROLO DE VERSÕES... 2 Histórico de Versões... 2 1. ÂMBITO E ENQUADRAMENTO LEGAL... 3 2. OBJETIVO... 3 3.

Leia mais

COMISSÃO DE AUDITORIA E CONTROLO INTERNO DO BANCO BPI, SA REGULAMENTO

COMISSÃO DE AUDITORIA E CONTROLO INTERNO DO BANCO BPI, SA REGULAMENTO COMISSÃO DE AUDITORIA E CONTROLO INTERNO DO BANCO BPI, SA REGULAMENTO (Aprovado na reunião do Conselho de Administração de 25 de Julho 2008, com as alterações introduzidas na reunião de 6 de Março e 18

Leia mais

POLÍTICA DE SELECÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO GERAL E DE SUPERVISÃO E DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL S.A.

POLÍTICA DE SELECÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO GERAL E DE SUPERVISÃO E DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL S.A. POLÍTICA DE SELECÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO GERAL E DE SUPERVISÃO E DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL S.A. Aprovado em 27 de Julho de 2017 1. Enquadramento A EDP Energias

Leia mais

Orientações EBA/GL/2015/

Orientações EBA/GL/2015/ EBA/GL/2015/19 19.10.2015 Orientações sobre as notificações de passaporte de intermediários de crédito que intervenham em operações de crédito abrangidas pela Diretiva de Crédito Hipotecário 1 1. Obrigações

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE VENCIMENTOS

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE VENCIMENTOS REGULAMENTO DA COMISSÃO DE VENCIMENTOS Artigo 1.º (Objeto e âmbito) 1. O presente Regulamento estabelece as regras aplicáveis à composição, funcionamento e competências da Comissão de Vencimentos da REN

Leia mais

B2W COMPANHIA DIGITAL POLÍTICA DE INDICAÇÃO DE ADMINISTRADORES

B2W COMPANHIA DIGITAL POLÍTICA DE INDICAÇÃO DE ADMINISTRADORES B2W COMPANHIA DIGITAL POLÍTICA DE INDICAÇÃO DE ADMINISTRADORES 1. OBJETIVO 1.1. Esta Política de Indicação de Administradores ( Política ) visa estabelecer as diretrizes, critérios e procedimentos para

Leia mais

A MBF é uma instituição de crédito e, como tal, compete-lhe definir uma política de remuneração para os colaboradores em questão.

A MBF é uma instituição de crédito e, como tal, compete-lhe definir uma política de remuneração para os colaboradores em questão. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO, COLABORADORES COM IMPACTO NO PERFIL DE RISCO DA INSTITUIÇÃO E COLABORADORES QUE EXERÇAM FUNÇÕES DE CONTROLO DA MERCEDES-BENZ FINANCIAL

Leia mais

CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, SA COMISSÃO DE GOVERNO REGULAMENTO

CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, SA COMISSÃO DE GOVERNO REGULAMENTO 19 de outubro 2017 CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, SA COMISSÃO DE GOVERNO REGULAMENTO ÍNDICE 1. OBJECTO... 3 2. NOMEAÇÃO E COMPOSIÇÃO... 3 3. COMPETÊNCIAS... 3 4. RELATÓRIO DE GOVERNO... 5 5. REUNIÕES E REGIME

Leia mais

Instrução n. o 9/2016 BO n. o

Instrução n. o 9/2016 BO n. o Instrução n. o 9/2016 BO n. o 7 15-07-2016 Temas Supervisão Normas Prudenciais Índice Texto da Instrução Texto da Instrução Assunto: Autorização para a utilização de modelos internos para cálculo dos requisitos

Leia mais

Regulamento do Comité de Governo da Sociedade do Banco BIC Português, S.A.

Regulamento do Comité de Governo da Sociedade do Banco BIC Português, S.A. Regulamento do Comité de Governo da Sociedade do Banco BIC Português, S.A. Aprovado em reunião do Conselho de Administração de 23/04/2018 CLASSIFICAÇÃO: PÚBLICO Página 1 de 7 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 Artigo

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE RELATÓRIO ANUAL DE GOVERNO DOS EMITENTES DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMITIDOS À NEGOCIAÇÃO EM MERCADO

REGULAMENTO SOBRE RELATÓRIO ANUAL DE GOVERNO DOS EMITENTES DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMITIDOS À NEGOCIAÇÃO EM MERCADO REGULAMENTO SOBRE RELATÓRIO ANUAL DE GOVERNO DOS EMITENTES DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMITIDOS À NEGOCIAÇÃO EM MERCADO A AGMVM aprovou um Código de Governo dos Emitentes de Valores Mobiliários admitidos à

Leia mais

Política de Remuneração dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização e do ROC

Política de Remuneração dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização e do ROC Política de Remuneração dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização e do ROC 30 de maio de 2017 Título: Política de Remuneração dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização e do ROC

Leia mais

Regulamento do Comité de Riscos Financeiros do Banco BIC Português, S.A.

Regulamento do Comité de Riscos Financeiros do Banco BIC Português, S.A. Regulamento do Comité de Riscos Financeiros do Banco BIC Português, S.A. Aprovado em reunião do Conselho de Administração de 23/04/2018 CLASSIFICAÇÃO: PÚBLICO Página 1 de 6 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 Artigo

Leia mais

ounicre Alterações à Política de Remuneração dos Dirigentes da Unicre (alíneas a) a e) do n2 2 do artigo 1152-C do RGICSF)

ounicre Alterações à Política de Remuneração dos Dirigentes da Unicre (alíneas a) a e) do n2 2 do artigo 1152-C do RGICSF) 0 ounicre Alterações à Política de Remuneração dos Dirigentes da Unicre (alíneas a) a e) do n2 2 do artigo 1152-C do RGICSF) Submete-se à aprovação dos Senhores Acionístas a Política de Remuneração dos

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO POPULAR PORTUGAL, SA Introdução A presente Política de Remuneração dos membros do órgão de administração e fiscalização

Leia mais

Regulamento da Comissão de Ética da Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias do Instituto Politécnico de Castelo Branco

Regulamento da Comissão de Ética da Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias do Instituto Politécnico de Castelo Branco Regulamento da Comissão de Ética da Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias do Instituto Politécnico de Castelo Branco Artigo 1º Natureza e Objeto 1 - A Comissão de Ética (CE) da Escola Superior de Saúde

Leia mais

Regulamento aplicável às transações do Grupo Galp Energia com partes relacionadas GALP ENERGIA, SGPS, S.A.

Regulamento aplicável às transações do Grupo Galp Energia com partes relacionadas GALP ENERGIA, SGPS, S.A. Regulamento aplicável às transações do Grupo Galp Energia com partes relacionadas GALP ENERGIA, SGPS, S.A. Coordenado por: Direcção de Organização e Gestão de Recursos Humanos 1. CONTEXTO A Galp Energia,

Leia mais

STANDARD CHARTERED BANK ANGOLA, S.A. (O SCBA ) REGULAMENTO DA COMISSÃO DE RISCO E DE CONTROLO INTERNO ( BRC )

STANDARD CHARTERED BANK ANGOLA, S.A. (O SCBA ) REGULAMENTO DA COMISSÃO DE RISCO E DE CONTROLO INTERNO ( BRC ) STANDARD CHARTERED BANK ANGOLA, S.A. (O SCBA ) REGULAMENTO DA COMISSÃO DE RISCO E DE CONTROLO INTERNO ( BRC ) NOMEADO PELO: MEMBROS: PRESIDENTE: PARTICIPAÇÃO: Conselho de Administração do Standard Chartered

Leia mais

POLÍTICA INTERNA DE TRATAMENTO DOS TOMADORES DE SEGURO, SEGURADOS E BENEFICIÁRIOS. (Lusitania Vida)

POLÍTICA INTERNA DE TRATAMENTO DOS TOMADORES DE SEGURO, SEGURADOS E BENEFICIÁRIOS. (Lusitania Vida) POLÍTICA INTERNA DE TRATAMENTO DOS TOMADORES DE SEGURO, SEGURADOS E BENEFICIÁRIOS (Lusitania Vida) ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. VALORES DA LUSITANIA VIDA 4. TRATAMENTO EQUITATIVO, DILIGENTE

Leia mais

[DIGITE AQUI] REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GOVERNANÇA E INDICAÇÃO DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

[DIGITE AQUI] REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GOVERNANÇA E INDICAÇÃO DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO [DIGITE AQUI] REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GOVERNANÇA E INDICAÇÃO DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO INFORMAÇÃO INTERNA SUMÁRIO CAPÍTULO I - DO COMITÊ DE GOVERNANÇA E INDICAÇÃO... 3 CAPÍTULO II - DA COMPOSIÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO METROPOLITANO DE LISBOA

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO METROPOLITANO DE LISBOA REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO METROPOLITANO DE LISBOA Artigo 1º. O presente documento tem por objeto definir o estatuto do Provedor do Cliente do METROPOLITANO DE LISBOA, EPE (ML) e estabelecer

Leia mais