3.3 Homem-Natureza: uma relação sustentável?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3.3 Homem-Natureza: uma relação sustentável?"

Transcrição

1 Área de Integração Curso Profissional de Nível Secundário Técnico de Comunicação, Marketing, Relações Públicas e Publicidade 3.3 Homem-Natureza: uma relação sustentável? 1

2 2

3 Dez países respondem por mais de 60 por cento da biocapacidade total de Terra em Isso inclui cinco dos seis países BRIICS: Brasil, Rússia, Índia, Indonésia e China. 3

4 COMPONENTES DA PEGADA ECOLÓGICA 4

5 A Pegada Ecológica mede a pressão que a humanidade coloca sobre a biosfera, comparando o que as pessoas estão a consumir com a capacidade dos recursos renováveis da Terra, a biocapacidade: a área de terra disponível para produzir recursos renováveis e absorver as emissões de CO2. Estamos a usar 50 por cento mais recursos do que a Terra pode fornecer e, se não mudarmos de rumo, este número vai crescer rapidamente e até 2030, onde dois planetas não serão suficientes para nos sustentar. 5

6 DIFERENTES PAÍSES COM DIFERENTES PEGADAS ECOLÓGICAS Se todos vivêssemos como um residente de Portugal, precisaríamos de 2.32 planetas. A média per capita da Pegada Ecológica em Portugal é 4.12 gha por pessoa Gha Hectare biologicamente produtivo com a produtividade média mundial. 6

7 A pegada ecológica per capita de países de rendimentos altos supera a de países de baixos e de médios rendimentos. Em contraste, a pegada de países de rendimentos médios e baixos exigiu menos do que a biocapacidade média per capita disponível globalmente, até 2006, enquanto países de rendimentos altos ultrapassaram este valor. Pegada Ecológica por agrupamento geográfico, 1961 Pegada Ecológica por agrupamento geográfico,

8 DIFERENTES PAÍSES COM DIFERENTES PEGADAS ECOLÓGICAS 8

9 FATORES CAUSAIS 9

10 DETERMINANTES INDIRETOS 10

11 PRESSÕES DIRETAS SOBRE A BIODIVERSIDADE E OS ECOSSISTEMAS 11

12 FLORESTAS As Florestas são importantes para o armazenamento de carbono e estabilização do clima. O serviço de armazenamento de carbono fornecido pelas florestas do mundo é vital para a estabilização do clima. A quantidade de carbono armazenado em florestas diferentes varia: As florestas tropicais armazenam mais carbono. Quase metade desse carbono acima do solo é nas florestas da América Latina, com 26 por cento na Ásia e 25 por cento em África À parte da Europa e dos Estados Unidos, as florestas do mundo estão a ser desflorestadass e degradadas por atividades humanas, libertando gases com efeito de estufa, especialmente CO2, para a atmosfera. Globalmente, cerca de 13 milhões de hectares de floresta foram perdidos a cada ano entre 2000 e A desflorestação e a degradação florestal atualmente são responsáveis por cerca de 20 por cento do total das emissões antropogénicas de CO2 - a terceira maior fonte depois do carvão e do petróleo. Isso faz com que a conservação da floresta seja uma estratégia vital nos esforços globais para reduzir drasticamente as emissões de gases com efeito de estufa. 12

13 RIOS Os ecossistemas de água doce ocupam cerca de 1 por cento da superfície da Terra, sendo o lar de cerca de 10 por cento de todas as espécies animais conhecidas. Em virtude da sua posição na paisagem, estes ligam os ecossistemas terrestres aos biomas marinhos. Os rios fornecem serviços vitais para a saúde e estabilidade das comunidades humanas, incluindo a pesca, a água para uso agrícola e doméstico, regulação do fluxo hidrológico, navegação e comércio, controlo de poluição e serviços de purificação/despoluição. Mas inúmeras pressões, incluindo as alterações do uso do solo, uso da água, desenvolvimento de infraestruturas, poluição e alterações climáticas mundiais, quer individualmente quer em conjunto, contribuem para afetar a saúde dos rios e lagos em todo o planeta. 13

14 OCEANOS Os Oceanos são uma importante fonte de proteína de peixe e outros frutos do mar para milhares de milhões de pessoas, mas também as algas marinhas e plantas são usadas para o fabrico de materiais, produtos químicos, energia e até materiais de construção. No entanto, a saúde dos oceanos está ameaçada pela sobre-exploração, as emissões de gases de efeito estufa e poluição. A expansão e o impacto das frotas de pesca no mundo 14

15 OCEANOS 15

16 OCEANOS 16

17 O QUE ESPERAR DO FUTURO A maioria das pessoas desejam essencialmente a mesma coisa: uma vida onde as necessidades sejam satisfeitas, uma vida segura e saudável, serem capazes de seguir interesses pessoais e terem oportunidade de explorar os seus potenciais, e melhorando o seu bem-estar. No entanto, se continuarmos a viver como temos vivido nas últimas décadas - no âmbito de um cenário "business as usual", tais expectativas tornar-se-ão cada vez mais difíceis de cumprir. Em 2050, seria necessário o equivalente a 2,9 planetas para suportar o crescimento da Pegada Ecológica da humanidade. A fim de reverter o declínio do Índice do Planeta, é necessário reduzir a Pegada Ecológica para níveis dentro dos limites da Terra, a fim de evitar mudanças climáticas perigosas e alcançar o desenvolvimento sustentável, uma realidade fundamental que deve ser pensada como a base de qualquer economia, modelos de negócios e estilos de vida: o capital natural da Terra - biodiversidade, ecossistemas e serviços ambientais - é limitada. 17

18 O QUE ESPERAR DO FUTURO É necessário dissociar o desenvolvimento humano do consumo insustentável (evitando os materiais e o uso intensivo de energia e outros produtos), para evitar emissões de gases de efeito estufa, manter a integridade dos ecossistemas, e promover o crescimento e desenvolvimento 18

19 O QUE ESPERAR DO FUTURO PODEMOS REDUZIR A NOSSA PEGADA ECOLÓGICA, PRODUZINDO MAIS COM MENOS, E CONSUMINDO MELHOR, DE FORMA INTELIGENTE E POUPADA. Sistemas de produção eficientes ajudarão a diminuir a Pegada Ecológica da humanidade reduzindo-a para níveis inferiores aos limites ecológicos ao mesmo tempo que diminuem significativamente a procura humana por terra, água, energia e outros recursos naturais. Viver dentro dos limites ecológicos da Terra também exige um padrão de consumo global em equilíbrio com a biocapacidade do planeta. A primeira medida deve ser a diminuição drástica da pegada ecológica das populações de altos rendimentos - principalmente as suas pegadas de carbono. Alterar hábitos alimentares entre as populações ricas e reduzir o desperdício de alimentos são cruciais. 19

20 ATIVIDADES E PRESSÕES SOBRE A BIODIVERSIDADE 20

21 EFEITO DE ESTUFA - GEE A atmosfera é constituída fundamentalmente por oxigénio (O2) e azoto (N2); estes dois gases representam 99% da sua composição, o restante 1% integra vapor de água (H2O), dióxido de carbono (CO2) e outros componentes, mas que têm contudo, uma importância fundamental - por exemplo, é a partir do vapor de água existente na atmosfera que se formam as nuvens. Para além disso o vapor de água e o dióxido de carbono são fundamentais num fenómeno muito importante: o EFEITO DE ESTUFA. Se a atmosfera não tivesse na sua composição gases com efeito de estufa (GEE), a Terra seria um planeta com uma temperatura média muito mais baixa (cerca de -20 C). Estes gases funcionam como.um cobertor. mantendo a superfície terrestre a uma temperatura amena (cerca de 15 C, em média). Podemos concluir que o efeito de estufa é um fenómeno muito importante para a existência de vida no nosso planeta, pelo menos tal como nós a conhecemos. No entanto, se esse efeito de estufa for muito forte, podemos ter o fenómeno contrário ou seja um planeta demasiado quente, como acontece em Vénus onde a temperatura média é superior a 400 C. 21

22 Emissão de GEE PROTOCOLO DE QUIOTO Entre 2008 e 2012, os países desenvolvidos devem reduzir as suas emissões em 5,2% relativamente às emissões de No acordo de partilha de responsabilidades a nível comunitário ficou estabelecido que Portugal poderia aumentar as suas emissões em 27% em relação a 1990, não podendo exceder no período os 381,94 milhões de toneladas de equivalentes de CO2 (Mt CO2e), representando um valor médio anual de 76,39 Mt CO2e. 22

23 PRODUÇÃO DE GEE (Portugal) O sector da energia, incluindo transportes, mantém-se em 2010 como o principal sector responsável pelas emissões de gases com efeito de estufa, representando 70,3% das emissões nacionais, e apresentando um crescimento face a 1990 de cerca de 21,2%. 23

24 Evolução das emissões de gases com efeito de estufa em Portugal Fonte: Agência Portuguesa do Ambiente Maio de

25 Emissão de GEE Plano Nacional para as alterações climáticas - PNACE 25

26 Emissão de GEE Atitudes pessoais a desenvolver Fonte: Instituto do Ambiente

27 Águas de consumo A procura de água em Portugal, ou seja, a água utilizada, está atualmente estimada em cerca de m3/ano no conjunto dos sectores Agrícola, Industrial e Urbano. Agrícola Industrial Urbano Poupança Total Quanto aos custos efetivos da utilização da água, /ano (correspondentes a 1,65% do PIB nacional em 2000) Desperdício verificado na procura de água Pretende-se uma redução para... 40% 30% 40% 35% 15% 20% Atingir estas metas significa uma poupança de... 64*10 6 / ano 805*10 6 m 3 / ano 75*10 6 / ano 60*10 6 m 3 / ano 241*10 6 / ano 157*10 6 m 3 / ano 380*10 6 / ano 1022*10 6 m 3 / ano 27

28 Águas de consumo ilename=/lib/10/ c4722f70a9ef83b0a55aeb2ce 7F01.swf 28

29 Águas Abastecimento e Tratamento 29

30 Resíduos Sólidos e Urbanos 30

31 Resíduos Sólidos e Urbanos 31

32 Resíduos Sólidos e Urbanos Recolha de RSU - Diferenciados Os ecocentros são locais onde se depositam os resíduos recicláveis, que pelas suas dimensões não podem ser depositados nos ecopontos. Os resíduos depositados nos ecocentros são posteriormente enviados para tratamento e/ ou reciclagem. Os ecocentros da ERSUC localizam-se: 1. Aterro Sanitário de Coimbra; 2. Aterro Sanitário de Aveiro 3. Aterro Sanitário da Figueira da Foz; 4. Estação de Triagem de Ansião; 5. Estação de Triagem de Góis; 6. Estação de Triagem de Estarreja; 7. Estação de Triagem de Ossela. Nos ecocentros podemos depositar resíduos de embalagem de papel e cartão, de plástico e de metal e embalagens de vidro de grandes dimensões; resíduos de equipamento elétrico e eletrónico (eletrodomésticos fora de uso, computadores, impressoras, lâmpadas fluorescentes, etc.); madeiras, pilhas, baterias e acumuladores e sucata. Os nossos ecocentros estão abertos 24 horas por dia e estão disponíveis para receber os resíduos de qualquer munícipe Todos os resíduos de embalagem depositados nos Ecoponto são encaminhados para as estações de triagem, triados e enviados para a reciclagem. Deixam de ser um resíduo, passando a constituir uma matéria-prima para a produção de novas embalagens. A ERSUC é responsável pela recolha seletiva destes materiais e pela sua triagem. Posteriormente, encaminha os para a reciclagem através da Sociedade Ponto Verde SPV, entidade gestora a nível nacional pela retoma, valorização e reciclagem dos resíduos de embalagem. 32

33 Resíduos Sólidos e Urbanos Recolha de RSU - Diferenciados 33

Pegada Ecológica AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE A TEMÁTICA TICA DO AMBIENTE NO CONTEXTO MUNDIAL. António Gonçalves Henriques

Pegada Ecológica AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE A TEMÁTICA TICA DO AMBIENTE NO CONTEXTO MUNDIAL. António Gonçalves Henriques AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE A TEMÁTICA TICA DO AMBIENTE NO CONTEXTO MUNDIAL PRINCIPAIS FACTORES DAS PRESSÕES HUMANAS SOBRE O AMBIENTE ANÁLISE PROSPECTIVA 2001-2020 crescimento populacional: mais 25%, 7,5

Leia mais

PEGADA ECOLÓGICA: que marcas queremos deixar no Planeta? A Pegada Ecológica: Uma visão geral

PEGADA ECOLÓGICA: que marcas queremos deixar no Planeta? A Pegada Ecológica: Uma visão geral A Pegada Ecológica: Uma visão geral Pegada Ecológica: Uma ferramenta de contabilidade d ecológica É uma medida da quantidade de terra e águas biologicamente produtivas, um indivíduo, população ou atividade,

Leia mais

Domínio: TERRA UM PLANETA COM VIDA

Domínio: TERRA UM PLANETA COM VIDA SISTEMA TERRA: DA CÉLULA À BIODIVERSIDADE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Planificação

Leia mais

Grandes Problemas ambientais

Grandes Problemas ambientais Grandes Problemas ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A desflorestação; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos perigosos; A escassez

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS PEGADAS AMBIENTAIS

INTRODUÇÃO ÀS PEGADAS AMBIENTAIS INTRODUÇÃO ÀS PEGADAS AMBIENTAIS Módulo 3 Curso de Formação IMPRINT+ 2015-1-PT01-KA201-012976 INTRODUÇÃO ÀS PEGADAS O que são as pegadas? O que medem? Como interpretá-las? INTRODUÇÃO ÀS PEGADAS Pegadas

Leia mais

Planificação Curricular Anual Ano letivo 2014/2015

Planificação Curricular Anual Ano letivo 2014/2015 Terra, um planeta com vida Sistema Terra: da célula à biodiversidade 1. Compreender as condições próprias da Terra que a tornam o único planeta com vida conhecida no Sistema Solar 1.1. Identificar a posição

Leia mais

Domínio: TERRA UM PLANETA COM VIDA

Domínio: TERRA UM PLANETA COM VIDA SISTEMA TERRA: DA CÉLULA À BIODIVERSIDADE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Planificação

Leia mais

Metas Curriculares. Ensino Básico. Ciências Naturais

Metas Curriculares. Ensino Básico. Ciências Naturais Metas Curriculares Ensino Básico Ciências Naturais 2013 8.º ANO TERRA UM PLANETA COM VIDA Sistema Terra: da célula à biodiversidade 1. Compreender as condições próprias da Terra que a tornam o único planeta

Leia mais

Papel dos Sumidouros na Economia do Carbono

Papel dos Sumidouros na Economia do Carbono Papel dos Sumidouros na Economia do Carbono Paulo Canaveira Ciclo de Conferências Direito ao Assunto As Alterações Climáticas e a Economia do Carbono CCB, 16 de Fevereiro de 2006 CELPA, Associação da Indústria

Leia mais

População, Recursos e Ambiente

População, Recursos e Ambiente Instituto Superior Técnico População, Recursos e Ambiente Prof. Henrique Miguel Pereira Exame - 2 a Época 1 de Fevereiro de 2006 Duração: 2h15m A primeira parte do exame consiste em perguntas de escolha

Leia mais

SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA

SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA Aula 1: Aspectos Gerais Sobre Saúde Ambiental: Processo Saúde/Doença; Sustentabilidade, Meio Ambiente, Doenças do Aquecimento Global, Efeito Estufa, Repercussões

Leia mais

Pegada Ecológica. Ana Galvão

Pegada Ecológica. Ana Galvão Pegada Ecológica Ana Galvão Eng.ª Território 2º Semestre 2005/2006 1 Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento sustentável é o desenvolvimento que assegura das necessidades do presente sem comprometer

Leia mais

Sessão Pública Apresentação da Agenda Regional para a Energia. Resíduos do Nordeste, EIM

Sessão Pública Apresentação da Agenda Regional para a Energia. Resíduos do Nordeste, EIM Sessão Pública Apresentação da Agenda Regional para a Energia Resíduos do Nordeste, EIM 17.03.2010 Resíduos do Nordeste, EIM A actividade da empresa engloba a recolha e deposição de resíduos indiferenciados

Leia mais

Pegada Ecológica. Desenvolvimento Sustentável

Pegada Ecológica. Desenvolvimento Sustentável Pegada Ecológica Ana Galvão Eng.ª Território 2º Semestre 2004/2005 1 Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento sustentável é o desenvolvimento que assegura das necessidades do presente sem comprometer

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO No domínio da Terra - um planeta com vida, o aluno deve ser capaz de: Compreender as condições próprias da Terra que a tornam o único

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS

LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS P2-4º BIMESTRE 6º ANO FUNDAMENTAL II Aluno (a): Turno: Turma: Unidade Data: / /2016 HABILIDADES E COMPETÊNCIAS Identificar os principais poluentes atmosféricos; Identificar

Leia mais

AMBIENTE E SOCIEDADE

AMBIENTE E SOCIEDADE AMBIENTE E SOCIEDADE Problemas associados à poluição atmosférica Aumento do efeito de estufa devido às actividades humanas (transportes, indústria e produção de energia) que diariamente libertam para a

Leia mais

Agrupamento de Escolas Terras de Larus Escola Básica 2,3 da Cruz de Pau Ciências Naturais 8º Ano Ficha de Avaliação

Agrupamento de Escolas Terras de Larus Escola Básica 2,3 da Cruz de Pau Ciências Naturais 8º Ano Ficha de Avaliação Agrupamento de Escolas Terras de Larus Escola Básica 2,3 da Cruz de Pau Ciências Naturais 8º Ano Ficha de Avaliação Nome: n.º Turma: Data: Classificação: Prof: Enc. Edu. 1. As figuras seguintes ilustram

Leia mais

*Todas as imagens neste documento foram obtidas em e

*Todas as imagens neste documento foram obtidas em  e Insetos, aves & morcegos Estima-se que existem cerca de 950,000 espécies de insetos, 10,000 de aves, e 1,200 de morcegos no mundo. Controlo de pragas Em 2006, estimou-se que o control de pragas natural

Leia mais

Funções da Atmosfera. pág Q

Funções da Atmosfera. pág Q A Atmosfera A atmosfera é a mistura de gases que envolve a Terra; O seu limite situa-se a cerca de 1000 Km acima do nível do mar, mas 99% da massa que constitui a atmosfera localiza-se a menos de 40 km

Leia mais

SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA, MEIO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS.

SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA, MEIO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS. SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA, MEIO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS. Nos últimos vinte anos fala-se com mais intensidade da crise energética, em sua dupla vertente: 1. O esgotamento dos combustíveis fósseis.

Leia mais

Aula 1. 3º)A biodiversidade inclui componentes físicos do ambiente como minerais, agua ar? Justifique

Aula 1. 3º)A biodiversidade inclui componentes físicos do ambiente como minerais, agua ar? Justifique Aula 1 1º) Conceitue meio ambiente É tudo que tem a ver com o ser ou com um grupo de seres vivos. É o conjunto de fatores, sociais e culturais que envolvem um individuo e com os quais ele interage. 2º)

Leia mais

A crise Económica e o Consumo. Seminário " Consumo alimentar: Planear, Aproveitar e Poupar" Lipor, 30 de Setembro de 2009

A crise Económica e o Consumo. Seminário  Consumo alimentar: Planear, Aproveitar e Poupar Lipor, 30 de Setembro de 2009 A crise Económica e o Consumo Seminário " Consumo alimentar: Planear, Aproveitar e Poupar" Lipor, 30 de Setembro de 2009 1 CRISE Perigo + Oportunidade 2 Perigo! 3 De que crise(s)estamos a falar? o Crise

Leia mais

Características particulares da Terra: composição química

Características particulares da Terra: composição química Características particulares da Terra: composição química Predomínio de carbono, oxigénio, azoto, enxofre e fósforo Abundância de água Elementos químicos essenciais a todos os seres vivos Características

Leia mais

Workshop Produção Ecoeficiênte na Fileira da Carne Castelo Branco 24 Julho 2014

Workshop Produção Ecoeficiênte na Fileira da Carne Castelo Branco 24 Julho 2014 Workshop Produção Ecoeficiênte na Fileira da Carne Castelo Branco 24 Julho 2014 ACV da Carne de Frango Introdução Objetivos Gerais Identificar e quantificar os principais potenciais impactes ambientais

Leia mais

Relatório Anual da Reciclagem. Relatório Anual da Reciclagem

Relatório Anual da Reciclagem. Relatório Anual da Reciclagem Relatório Anual da Reciclagem 213 Relatório Anual da Reciclagem Ambisousa Empresa Intermunicipal de Tratamento e Gestão de Resíduos Sólidos, EIM Av. Sá e Melo, n.º 3, Cristelos 462-151, Lousada www.ambisousa.pt

Leia mais

Ecoparque da Ilha de São Miguel

Ecoparque da Ilha de São Miguel Ecoparque da Ilha de São Miguel Distância ao Continente = 1.500 Km Ligações marítimas = frequência semanal com duração de dois dias + 2 dias de operações portuárias Dispersão por 600 Km (mais do que

Leia mais

ECONOMIA DE BAIXO CARBONO SUSTENTABILIDADE PARA O SETOR DE MINERAÇÃO: CASO DA SIDERURGIA NO BRASIL

ECONOMIA DE BAIXO CARBONO SUSTENTABILIDADE PARA O SETOR DE MINERAÇÃO: CASO DA SIDERURGIA NO BRASIL Garo Batmanian Especialista Senior de Meio Ambiente Setembro 28, 2011 Banco Mundial ECONOMIA DE BAIXO CARBONO SUSTENTABILIDADE PARA O SETOR DE MINERAÇÃO: CASO DA SIDERURGIA NO BRASIL Grande Consumidor

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS 8º ANO

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS 8º ANO PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS 8º ANO Ano letivo 2017-2018 Conteúdos Domínios e subdomínios METAS CURRICULARES Objetivos e descritores Estratégias/Atividades Materiais/recursos Modalidades e critérios

Leia mais

Plano de Gestão de. Resíduos Sólidos Urbanos

Plano de Gestão de. Resíduos Sólidos Urbanos Plano de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos I. INTRODUÇÃO Até meados do século passado, o lixo doméstico, praticamente, não constituía problema. A maioria dos materiais utilizados continha componentes

Leia mais

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE Telma Manjta MICOA Conteúdo da Apresentação Enquadramento da mitigação dos GEE em Moçambique Prioridades de Mitigação identificadas na ENAMMC Emissões GEE em Moçambique Oportunidades

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS 8º ANO

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS 8º ANO PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS 8º ANO Ano letivo 2016-2017 Conteúdos Domínios e subdomínios METAS CURRICULARES Objetivos e descritores Estratégias/Atividades Materiais/recursos Modalidades e critérios

Leia mais

SIMPLESMENTE V E R D E WATERLOGIC E O MEIO AMBIENTE

SIMPLESMENTE V E R D E WATERLOGIC E O MEIO AMBIENTE SIMPLESMENTE WATERLOGIC E O MEIO AMBIENTE SIMPLESMENTE Os produtos Waterlogic permitem - REDUZIR A SUA PEGADA DE CARBONO - REDUZIR A DEPOSIÇÃO DE RESÍDUOS EM ATERROS - REDUZIR O CONSUMO ENERGÉTICO - REDUZIR

Leia mais

Pagamento por Serviços Ambientais Urbanos para Gestão de Resíduos Sólidos

Pagamento por Serviços Ambientais Urbanos para Gestão de Resíduos Sólidos Pagamento por Serviços Ambientais Urbanos para Gestão de Resíduos Sólidos Bruno Milanez Universidade Federal de Juiz de Fora Novembro 2010 Estrutura da apresentação Parte 1: Estimativa dos benefícios econômicos

Leia mais

Departamento de Alterações Climáticas (DCLIMA)

Departamento de Alterações Climáticas (DCLIMA) Index (1990=100) Departamento de Alterações Climáticas (DCLIMA) Inventário Nacional de Emissões Atmosféricas (NIR 2014 emissões 2012) Memorando sobre emissões de CO2e elaborado com base na submissão oficial

Leia mais

OCEANOS, MARES E RECURSOS MARINHOS

OCEANOS, MARES E RECURSOS MARINHOS III CICLO DE ESTUDOS ODS - INFORMATIVO 17 IV ENCONTRO 06/2017 OCEANOS, MARES E RECURSOS MARINHOS O D S 1 4 C O N S E R V A R E P R O M O V E R O U S O S U S T E N T Á V E L D O S O C E A N O S, M A R E

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável no Varejo

Desenvolvimento Sustentável no Varejo Desenvolvimento Sustentável no Varejo Daniela de Fiori Outubro de 2006 Desenvolvimento Sustentável As três dimensões Objetivos Econômicos Crescimento Valor para acionistas Eficiência Inovação Objetivos

Leia mais

Ficha Informativa + Segurança

Ficha Informativa + Segurança Ficha Informativa + Segurança Saúde no Trabalho Edição N.º 17 Problemática da Segurança e Saúde Com a introdução de novas tecnologias e processos na economia verde, quais serão as implicações para a Saúde

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8º ANO -Sustentabilidade na Terra-

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8º ANO -Sustentabilidade na Terra- PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8º ANO -Sustentabilidade na Terra- Tema / Capítulos Competências/Objectivos Estratégias / Actividades Recursos/ Materiais Avaliação Aulas previstas (45 min) Tema I Ecossistemas

Leia mais

O PAPEL ESTRATÉGICO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA Jaime Ferreira Lisboa, 19 Abril 2013

O PAPEL ESTRATÉGICO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA Jaime Ferreira Lisboa, 19 Abril 2013 O PAPEL ESTRATÉGICO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA Jaime Ferreira Lisboa, 19 Abril 2013 1. Situação de referência A agricultura é produção de alimentos Contribuir para a preservação da biodiversidade e recursos

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 3º Trimestre de 2015 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

10º ANO FÍSICA - Módulo Inicial Situação energética Mundial e degradação de energia

10º ANO FÍSICA - Módulo Inicial Situação energética Mundial e degradação de energia 10º ANO FÍSICA - Módulo Inicial Situação energética Mundial e degradação de energia PROBLEMAS ENERGÉTICOS DA ACTUALIDADE O avanço científico e tecnológico da nossa sociedade provocou o aumento acelerado

Leia mais

RECURSOS NATURAIS E ENERGIAS RENOVÁVEIS. Professor: Amison de Santana Silva Carga horária: 60 h Aulas: segunda 7:00 as 9:00 quarta 9:00 as 11:00

RECURSOS NATURAIS E ENERGIAS RENOVÁVEIS. Professor: Amison de Santana Silva Carga horária: 60 h Aulas: segunda 7:00 as 9:00 quarta 9:00 as 11:00 RECURSOS NATURAIS E ENERGIAS RENOVÁVEIS Professor: Amison de Santana Silva Carga horária: 60 h Aulas: segunda 7:00 as 9:00 quarta 9:00 as 11:00 Unidade 1 Introdução e conceitos fundamentais O que são recursos

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 1º Trimestre de 2015 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

RARU 13 ANEXO II Metodologia e Pressupostos

RARU 13 ANEXO II Metodologia e Pressupostos O Decreto-Lei nº 178/2006, de 5 de setembro, com a nova redação do Decreto-Lei n.º 73/2011, de 17 de junho, veio criar um Sistema Integrado de Registo Eletrónico de Resíduos (SIRER), suportado pelo Sistema

Leia mais

Recursos minerais explorados para a obtenção de um determinado elemento metálico que faz parte da sua constituição.

Recursos minerais explorados para a obtenção de um determinado elemento metálico que faz parte da sua constituição. Recursos minerais explorados para a obtenção de um determinado elemento metálico que faz parte da sua constituição. Ouro Prata Ferro Magnésio Manganês Cobre Exemplos: ouro, prata, cobre, alumínio, ferro,

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 1º Trimestre de 2016 Versão 1.2 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE

Leia mais

Geografia. Claudio Hansen (Rhanna Leoncio) Problemas Ambientais

Geografia. Claudio Hansen (Rhanna Leoncio) Problemas Ambientais Problemas Ambientais Problemas Ambientais 1. A emissão de CO2 na atmosfera é uma das principais causas do aquecimento global. O mapa a seguir apresenta as emissões de dióxido de carbono per capita em alguns

Leia mais

Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento; Fez um balanço tanto dos problemas existentes quanto dos progressos realizados;

Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento; Fez um balanço tanto dos problemas existentes quanto dos progressos realizados; MUDANÇAS CLIMÁTICAS 1 A Rio-92 Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento; Fez um balanço tanto dos problemas existentes quanto dos progressos realizados; O tema principal foi

Leia mais

GINO FRANCESCO MAZZOCCATO ASPECTOS AMBIENTAIS NAS EMBALAGENS DE MADEIRA PARA FIOS E CABOS

GINO FRANCESCO MAZZOCCATO ASPECTOS AMBIENTAIS NAS EMBALAGENS DE MADEIRA PARA FIOS E CABOS GINO FRANCESCO MAZZOCCATO ASPECTOS AMBIENTAIS NAS EMBALAGENS DE MADEIRA PARA FIOS E CABOS SÃO PAULO 06 de Novembro de 2008 CARRETÉIS DE MADEIRA INTRODUÇÃO ORIGEM DA MATÉRIA-PRIMA FLORESTAS PLANTADAS MATÉRIA

Leia mais

Energia e Ambiente. Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética;

Energia e Ambiente. Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética; Energia e Ambiente Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética; Investigação de formas novas e renováveis de energia; Potenciar as

Leia mais

Carlos Machado de Freitas

Carlos Machado de Freitas 1 MUDANÇAS CLIMÁTICAS COMO RESULTADO DE GRANDES MUDANÇAS SOCIAIS E AMBIENTAIS AO LONGO DA HISTÓRIA AGRICULTURA (+ de 10.000 anos) FIM DA ERA GLACIAL E DOMESTICAÇÃO DA NATUREZA (entre 10.000 e 5.000 anos

Leia mais

QUEIMA DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS EMISSÃO DOS GEE ( RETENÇÃO DE CALOR)

QUEIMA DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS EMISSÃO DOS GEE ( RETENÇÃO DE CALOR) AQUECIMENTO GLOBAL QUEIMA DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS EMISSÃO DOS GEE ( RETENÇÃO DE CALOR) CHINA GRANDE EMISSÃO DO GEE DEZ SINAIS DE ALARME DO AQUECIMENTO GLOBAL AUMENTO DO NÍVEL DOS OCEANOS TUVALU refugiados

Leia mais

Introdução. Outros TBM. Orgânicos Rejeitados. Reciclagem. Emprego. Produtos. Conclusão. Introdução. Porta-a-porta Outros TBM

Introdução. Outros TBM. Orgânicos Rejeitados. Reciclagem. Emprego. Produtos. Conclusão. Introdução. Porta-a-porta Outros TBM : solução de reciclagem e tratamento para RSU pedrocarteiro@quercus.pt 144 836 (população máxima) http://residuos.quercus.pt A SPV simplificou a informação para o consumidor. 1 2 Fonte: SPV Dados reciclagem

Leia mais

Ecossistemas I. Umberto Kubota Laboratório de Interações Inseto-Planta Dep. Zoologia IB Unicamp. Produtividade secundária

Ecossistemas I. Umberto Kubota Laboratório de Interações Inseto-Planta Dep. Zoologia IB Unicamp. Produtividade secundária Ecossistemas I Umberto Kubota ukubota@gmail.com Laboratório de Interações Inseto-Planta Dep. Zoologia IB Unicamp Ecossistemas I Conceitos básicos Fluxo de energia Produtividade primária Ecossistema: Conceitos

Leia mais

Sofia Santos BCSD-Portugal

Sofia Santos BCSD-Portugal Sofia Santos BCSD-Portugal O Papel das Empresas na Economia Circular 21 outubro 2016, Lisboa Lançamento do portal ECO.NOMIA Sofia Santos Da Economia à Nova Economia do Século XXI Dicionário Oxford: Economia

Leia mais

O projecto Biorrefina-Ter: território, floresta e desenvolvimento regional sustentável

O projecto Biorrefina-Ter: território, floresta e desenvolvimento regional sustentável O projecto Biorrefina-Ter: território, floresta e desenvolvimento regional sustentável João Nunes1,2; Paulo Serra e Silva2; Helena Freitas1,2 1 2 Universidade de Coimbra Associação Blc.Ceres.2G Plataforma

Leia mais

Impactos Ambientais Urbanos

Impactos Ambientais Urbanos Impactos Ambientais Urbanos Impactos locais e regionais CHUVA ÁCIDA Queima de combustíveis fósseis e carvão. Principais poluentes carros e indústrias. Resulta da combinação da água com dióxido de enxofre

Leia mais

Preparando as florestas e a silvicultura para o desenvolvimento sustentável. Center for International Forestry Research

Preparando as florestas e a silvicultura para o desenvolvimento sustentável. Center for International Forestry Research Preparando as florestas e a silvicultura para o desenvolvimento sustentável Center for International Forestry Research Quem somos O Centro Internacional de Pesquisa Florestal é uma organização global,

Leia mais

TECNOSISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS

TECNOSISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS TECNOSISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS O que é um resíduo (DL 178/2006)? Qualquer substância ou objecto que o detentor se desfaz ou tem a intenção ou a obrigação de se desfazer, nomeadamente os identificados

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Setor dos Resíduos: Importância Estratégica para Portugal 2020 17 de outubro de 2014 / Luís Marinheiro

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 13.2.2015 C(2015) 853 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 13.2.2015 que aprova o programa de desenvolvimento rural de Portugal-Madeira, para apoio pelo Fundo Europeu Agrícola

Leia mais

Fórum sobre Sustentabilidade ABINEE

Fórum sobre Sustentabilidade ABINEE Fórum sobre Sustentabilidade ABINEE Ana Lucia Dolabella Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental São Paulo, 03/09/2012 Sustentabilidade Ambiental Econômica Social

Leia mais

Alimento, Combustível, Fibra e Florestas (4Fs) - Contexto Internacional

Alimento, Combustível, Fibra e Florestas (4Fs) - Contexto Internacional Alimento, Combustível, Fibra e Florestas (4Fs) - Contexto Internacional Rod Taylor Diretor, Florestas, WWF Internacional & Co-chair, The 4Fs Dialogue Brazil 4Fs Dialogue Capão Bonito Brasil Novembro, 2012

Leia mais

Recursos naturais: utilização e consequências. Planeta Terra 8.º ano. Hélder Giroto Paiva - EPL

Recursos naturais: utilização e consequências. Planeta Terra 8.º ano. Hélder Giroto Paiva - EPL Recursos naturais: utilização e consequências Hélder Giroto Paiva - EPL O que são recursos naturais? Painéis solares. Pesca. Diamantes. Água. Plataforma petrolífera. O que são recursos naturais? Matéria

Leia mais

ATIVIDADES CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Pré-Escolar e 1º Ciclo

ATIVIDADES CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Pré-Escolar e 1º Ciclo GUIA DE ATIVIDADES de educação ambiental ATIVIDADES CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Pré-Escolar e 1º Ciclo Centro de Educação Ambiental de Albufeira Localização: Quinta da Palmeira - R. dos Bombeiros Voluntários

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Programa ABC Plano Setorial de Mitigação e de Adaptação às Mudanças Climáticas visando à Consolidação de uma Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura

Leia mais

Avaliação das. externalidades. do regadio em. Portugal. Sumário executivo

Avaliação das. externalidades. do regadio em. Portugal. Sumário executivo Avaliação das externalidades do regadio em Portugal Sumário executivo Março 2013 Dada a reconhecida importância do sistema de produção agrícola em regadio no desenvolvimento social e económico das regiões

Leia mais

PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade

PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula 14 e 15 Energia e Meio Ambiente: As Causas Profa. Eliane Fadigas Prof. Alberto Bianchi slide 1 / 30 Recordar é viver Fontes convencionais Termoeletricidade

Leia mais

COMO MANTER CARNÍVOROS DE ESTIMAÇÃO EM UM PLANETA FAMINTO?

COMO MANTER CARNÍVOROS DE ESTIMAÇÃO EM UM PLANETA FAMINTO? COMO MANTER CARNÍVOROS DE ESTIMAÇÃO EM UM PLANETA FAMINTO? Flávia Maria de Oliveira Borges Saad Médica Veterinária, MSc., Dra Nutrição Animal Universidade Federal de Lavras - DZO - UFLA INTERAÇÃO HOMEM

Leia mais

Tópico I - Composição da atmosfera da Terra. Notas de aula de Meteorologia Ambiental Profa. Maria de Fatima Andrade

Tópico I - Composição da atmosfera da Terra. Notas de aula de Meteorologia Ambiental Profa. Maria de Fatima Andrade Tópico I - Composição da atmosfera da Terra Notas de aula de Meteorologia Ambiental 2014 Profa. Maria de Fatima Andrade A composição da atmosfera da Terra é o resultado de vários processos que ocorreram

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

Módulo V: Projetos de MDL Grupo 5 - Outras oportunidades PROJETOS FLORESTAIS. 23 a 26/10/2006, FIRJAN

Módulo V: Projetos de MDL Grupo 5 - Outras oportunidades PROJETOS FLORESTAIS. 23 a 26/10/2006, FIRJAN Módulo V: Projetos de MDL Grupo 5 - Outras oportunidades PROJETOS FLORESTAIS 23 a 26/10/2006, FIRJAN Emissões per capita de CO 2 (1990) *Middle East & North Africa **Centrally Planned Asia & China Source:

Leia mais

Geografia. Claudio Hansen (Rhanna Leoncio) A Questão Ambiental

Geografia. Claudio Hansen (Rhanna Leoncio) A Questão Ambiental A Questão Ambiental A Questão Ambiental 1. (UNESP) Desde 1957 o mar de Aral, localizado entre o Cazaquistão e o Uzbequistão, teve uma redução de 50% de área e de mais 66% de volume, em boa parte por causa

Leia mais

O desafio das compras sustentáveis. Fábio Cyrillo Diretor Comercial 15 de Maio de 2008

O desafio das compras sustentáveis. Fábio Cyrillo Diretor Comercial 15 de Maio de 2008 O desafio das compras sustentáveis Fábio Cyrillo Diretor Comercial 15 de Maio de 2008 Wal-Mart no Mundo Canadá Reino Unido México Estados Unidos Porto Rico Índia China Japão El Salvador Guatemala Costa

Leia mais

-ECOLOGIA APLICADA. Espécies símbolos. Prevenção da Poluição. Conservação de áreas. Preservação da diversidade genética bbbb

-ECOLOGIA APLICADA. Espécies símbolos. Prevenção da Poluição. Conservação de áreas. Preservação da diversidade genética bbbb -ECOLOGIA APLICADA * É o estudo dos efeitos causados pelo homem nos sistemas ecológicos, e o consequente manejo desses sistemas e recursos em benefício da sociedade. Espécies símbolos Questões Prevenção

Leia mais

Conjunto de elementos que interagem entre si, realizando trocas e influenciando-se uns aos outros

Conjunto de elementos que interagem entre si, realizando trocas e influenciando-se uns aos outros Conjunto de elementos que interagem entre si, realizando trocas e influenciando-se uns aos outros Tipos de sistemas em função das suas inter-relações com o meio Sistema fechado Sistema isolado Sistema

Leia mais

A Floresta e o Protocolo de Quioto

A Floresta e o Protocolo de Quioto A Floresta e o Protocolo de Quioto Paulo Canaveira Acção de Formação A Floresta Nacional: Mitos e Realidades CENJOR, 26 de Maio de 2006 CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no Papel

Leia mais

Fontes de Energias Renováveis e Não Renováveis. Aluna : Ana Cardoso

Fontes de Energias Renováveis e Não Renováveis. Aluna : Ana Cardoso Fontes de Energias Renováveis e Não Renováveis Aluna : Ana Cardoso Fontes de Energias Renováveis As fontes de energia renováveis são aquelas que vem de recursos naturais e que se renovam continuamente

Leia mais

Cadeia Produtiva da Silvicultura

Cadeia Produtiva da Silvicultura Cadeia Produtiva da Silvicultura Silvicultura É a atividade que se ocupa do estabelecimento, do desenvolvimento e da reprodução de florestas, visando a múltiplas aplicações, tais como: a produção de madeira,

Leia mais

Pressão antropogénica sobre o ciclo da água

Pressão antropogénica sobre o ciclo da água O CICLO DA ÁGUA Pressão antropogénica sobre o ciclo da água 2. Poluição difusa 3. Poluição urbana 1. Rega 8. Barragens 7. Erosão do solo 4. Poluição industrial 5. Redução das zonas húmidas Adaptado de:

Leia mais

ESTILOS DE VIDA SUSTENTÁVEIS E MERCADO DE INOVAÇÃO AO NÍVEL DO CONHECIMENTO DA ÁGUA

ESTILOS DE VIDA SUSTENTÁVEIS E MERCADO DE INOVAÇÃO AO NÍVEL DO CONHECIMENTO DA ÁGUA AquaPath Módulo 4 ESTILOS DE VIDA SUSTENTÁVEIS E MERCADO DE INOVAÇÃO AO NÍVEL DO CONHECIMENTO DA ÁGUA Este Projecto é financiado com o apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta publicação

Leia mais

Contabilidade através da PEGADA ECOLÓGICA

Contabilidade através da PEGADA ECOLÓGICA Contabilidade através da PEGADA ECOLÓGICA Ter sucesso num mundo com crescente limitação de recursos A Pegada na economia: empresas e produtos 5 www.calculadoracarbono-cgd.com A Pegada PESSOAL Quantos

Leia mais

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 8º Ano

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 8º Ano PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR Ciências Naturais 8º Ano COMPETÊNCIAS TEMAS/UNIDADES CONTEÚDOS 1º Período SUSTENTABILIDADE NA TERRA 28 Compreender o significado dos conceitos: espécie, população, comunidade,

Leia mais

QUÍMICA ENSINO MÉDIO PROF.ª DARLINDA MONTEIRO 3 ANO PROF.ª YARA GRAÇA

QUÍMICA ENSINO MÉDIO PROF.ª DARLINDA MONTEIRO 3 ANO PROF.ª YARA GRAÇA QUÍMICA 3 ANO PROF.ª YARA GRAÇA ENSINO MÉDIO PROF.ª DARLINDA MONTEIRO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Vida e ambiente 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 6 Conteúdos Efeito estufa. Fontes de energia alternativa.

Leia mais

Florestas, Alterações Climáticas e Biodiversidade

Florestas, Alterações Climáticas e Biodiversidade Florestas, Alterações Climáticas e Biodiversidade A nossa pegada regista-se 1. A importância dos ecossistemas florestais, nas alterações climáticas e biodiversidade 2. Os impactos das alterações climáticas

Leia mais

A Questão Ambiental na Nova Ordem Mundial

A Questão Ambiental na Nova Ordem Mundial A Questão Ambiental na Nova Ordem Mundial tudo aquilo que a natureza nos oferece é Renováveis Recursos naturais Não renováveis são aqueles que O em uso predatório tese nunca se esgotam dos recursos pode

Leia mais

LIPOR A Sustentabilidade na Gestão dos Resíduos Urbanos

LIPOR A Sustentabilidade na Gestão dos Resíduos Urbanos SEMINÁRIO RESÍDUOS E SAÚDE LIPOR A Sustentabilidade na Gestão dos Resíduos Urbanos Susana Lopes Departamento Produção e Logística 29 de maio de 2013 1 Tópicos Sistema Integrado Gestão de Resíduos o caso

Leia mais

Apoio à Economia Circular no Portugal 2020. O caso do PO SEUR. Helena Pinheiro de Azevedo

Apoio à Economia Circular no Portugal 2020. O caso do PO SEUR. Helena Pinheiro de Azevedo Apoio à Economia Circular no Portugal 2020 O caso do PO SEUR Helena Pinheiro de Azevedo ECONOMIA CIRCULAR o que é É uma sociedade que privilegia a Eficiência no Uso de Recursos Naturais Evita o uso e desperdício

Leia mais

Conversas Sustentáveis à 5ª Água Milhões para 1 litro vs. 1 litro para milhões

Conversas Sustentáveis à 5ª Água Milhões para 1 litro vs. 1 litro para milhões Conversas Sustentáveis à 5ª Água Milhões para 1 litro vs. 1 litro para milhões CONCEITOS GERAIS Aproximadamente 2 / 3 da superfície de nosso planeta é coberta por água, ou mais precisamente 71%. Essa "abundância"

Leia mais

Feito pela Professora Elizabete Soares. Disponibilizado especialmente para Resumos.tk

Feito pela Professora Elizabete Soares. Disponibilizado especialmente para Resumos.tk Feito pela Professora Elizabete Soares Disponibilizado especialmente para Resumos.tk A geologia, os geólogos e os seus métodos Pré-teste O que estuda a Geologia? Qual a idade da Terra? À quanto tempo apareceu

Leia mais

RECOLHA SELECTIVA ECOPONTOS

RECOLHA SELECTIVA ECOPONTOS RECOLHA SELECTIVA ECOPONTOS O QUE É UM ECOPONTO? Ecoponto é uma bateria de contentores individuais destinados a receber separadamente os diversos materiais para reciclagem. Os ecopontos de Oliveira de

Leia mais

Ciclos Biogeoquímicos

Ciclos Biogeoquímicos Ciclos Biogeoquímicos Matéria orgânica: são os restos dos seres vivos. É composta essencialmente de compostos de carbono. Decompositores: são responsáveis pela degradação da matéria orgânica e favorecem

Leia mais

Fundamentos da Gestão Ambiental. Prof. Esp. Leandro Lima

Fundamentos da Gestão Ambiental. Prof. Esp. Leandro Lima Fundamentos da Gestão Ambiental Prof. Esp. Leandro Lima lima_biologia@hotmail.com Capítulo1 do livro: SHIGUNOV NETO, A. CAMPOS, L.M.S. SHIGUNOV, T. 2009. Fundamentos da Gestão Ambiental. Rio de Janeiro,

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Compras Sustentáveis

Compras Sustentáveis OBJETIVO ESTRATÉGICO DO SGAC Alcançar o Nível de Maturidade de uma Empresa de Classe Mundial Evento com Fornecedores dos Correios AÇÃO ESTRATÉGICA Implantar o modelo de gestão ambiental da empresa de acordo

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Curso de Engenharia Civil. HIDROLOGIA Capítulo 1 Introdução à hidrologia

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Curso de Engenharia Civil. HIDROLOGIA Capítulo 1 Introdução à hidrologia UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Curso de Engenharia Civil HIDROLOGIA Capítulo 1 Introdução à hidrologia 1 Objecto da Hidrologia A hidrologia trata da ocorrência, circulação e distribuição da água na Terra,

Leia mais

Evolução da ciência da hidrologia. HIDROLOGIA Capítulo 1 Introdução à hidrologia 7/27/2017. Antiguidade Oriental

Evolução da ciência da hidrologia. HIDROLOGIA Capítulo 1 Introdução à hidrologia 7/27/2017. Antiguidade Oriental UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Curso de Engenharia Civil HIDROLOGIA Capítulo 1 Introdução à hidrologia 1 Objecto da Hidrologia A hidrologia trata da ocorrência, circulação e distribuição da água na Terra,

Leia mais

Na Atmosfera da Terra: Radiação, Matéria e Estrutura Unidade temática 2

Na Atmosfera da Terra: Radiação, Matéria e Estrutura Unidade temática 2 Sumário Na Atmosfera da Terra: Radiação, Matéria e Estrutura Unidade temática 2 Breve história. Composição média da atmosfera atual. Agentes de alteração da concentração de constituintes vestigiais da

Leia mais

Na Atmosfera da Terra: Radiação, Matéria e Estrutura Unidade temática 2

Na Atmosfera da Terra: Radiação, Matéria e Estrutura Unidade temática 2 Sumário Na Atmosfera da Terra: Radiação, Matéria e Estrutura Unidade temática 2 Breve história. Composição média da atmosfera atual. Agentes de alteração da concentração de. - Contaminação e toxicidade.

Leia mais