FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM ADOLESCENTES, COMPARAÇÃO ENTRE OS ANOS DE 2009 E 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM ADOLESCENTES, COMPARAÇÃO ENTRE OS ANOS DE 2009 E 2010"

Transcrição

1 FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM ADOLESCENTES, COMPARAÇÃO ENTRE OS ANOS DE 2009 E 2010 WANSING, Andriéle 1 ; PUIATTI, Cátia¹, SAMPAIO, Aline¹; BASTIANELLO, Juliane¹; BARROS, Simone¹; BENEDETTI, Franciliane² 1 Acadêmicos do curso de Nutrição do Centro Universitário Franciscano, Santa Maria, RS, Brasil. 2 Docente Orientadora do Curso de Nutrição do Centro Universitário Franciscano-UNIFRA. RESUMO Classificar e comparar a prevalência para doenças cardiovasculares, quanto ao estado nutricional, alimentação e atividade física nos anos de 2009 e 2010 em adolescentes, da cidade de Santa Maria, RS. Estudo transversal, do qual participaram adolescentes com idade entre 14 e 19 anos. A amostra corresponde a 119 alunos do ano de 2009 e 120 do ano de Foram comparadas as variáveis quantitativas e qualitativas CC (Circunferência da Cintura); PA (Pressão Arterial); AI (Altura/Idade); QFA (Questionário de Frequência Alimentar); IPAC (Interantional Physical Activity Questionaire); FRDC (Fatores de Risco para Doenças Cardiovasculares) e IMC (Índice de Massa Corporal). Na comparação das variáveis o grupo apresentou até 2 fatores de risco 87,8% (n=212), sendo que 12,2% (n=27) apresentaram entre 3 a 5. Selecionar o melhor método para corrigir o estado nutricional em adolescentes é a melhor forma de modificar hábitos e prevenir doenças futuras. Palavras-chave: Doenças Cardiovasculares, Adolescentes, Alimentação. 1. INTRODUÇÃO A adolescência consiste no período de transição entre a infância e a vida adulta, caracterizado por intensas mudanças somáticas, psicológicas e sociais, compreendendo a faixa etária dos 10 aos 19 anos de idade (OMS,1995 ). É uma fase considerada especialmente vulnerável em termos nutricionais por várias razões, entre eles a mudança de estilo de vida e hábitos alimentares (MAHAN; ESCOTT, 2002). Consumo alimentar inadequado e sedentarismo são importantes fatores de risco para várias doenças, dentre elas, as doenças cardiovasculares que apesar da maioria dos casos aparecerem somente na fase adulta da vida, os fatores de risco, muitas vezes, começam a aparecer na infância e na adolescência (VASQUES,2008). Devido a isso, é fundamental manter uma alimentação equilibrada, rica em vitaminas e minerais, com baixa concentração de gorduras trans e saturadas, e consumo limitado de álcool e sal (BRASIL, 2007). Corroborando com a alimentação, a atividade física na adolescência contribui para um estilo de vida saudável, à medida que promove benefícios na saúde óssea e cardiovascular, além de estar associada à manutenção da atividade física na fase adulta. 1

2 Esses hábitos saudáveis são fundamentais para prevenção de doenças crônicas não transmissíveis (ALBIERO; ALVES, 2007). A obesidade é um problema de saúde pública mundial, atinge não somente adultos, mas também crianças e adolescentes de todas as classes sociais (COSTA, CINTRA; FISBERG,2006). Sendo um fator de risco independente para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares (SINAIKO, 2007; BUFF et al., 2007; SILVA; RAMOS ; COSTA, 2008). Outro fator importante no desenvolvimento de doenças cardíacas é a hipertensão arterial, sendo o mais comum fator de risco para cardiopatias, além de ser considerada um grave problema de saúde pública em todos os extratos socioeconômicos (BRASIL,2002). Sabe-se que os níveis de Pressão Arterial (PA) são diretamente relacionados ao consumo de sódio, então o consumo de sal merece atenção especial na alimentação, principalmente por estar presente em quantidade significativa na maioria dos alimentos industrializados, os quais vêm sendo cada vez mais consumidos, isso se deve a grande oferta e ao estilo de vida atual. Em suma, a prática de atividade física regular, redução de peso, pressão arterial normal e hábitos alimentares mais saudáveis, são medidas importantes para a redução do risco cardiovascular. Sendo assim, o presente trabalho teve como objetivo analisar e comparar os fatores de risco para doenças cardiovasculares nos anos de 2009 e 2010 de adolescentes do ensino médio de escola estadual de um município da região central do estado do RS. 2. MATERIAL E MÉTODOS Estudo transversal no qual foram avaliados todos os alunos matriculados no ensino médio, totalizando 119 alunos no ano de 2009 e 120 no ano de 2010, em idade entre 14 e 19 anos. Para a avaliação antropométrica, foi verificado peso por meio de balança digital Plenna, para isto os adolescentes estavam com o mínimo de roupa, tiram casacos e calçados, a estatura foi aferida por meio de estadiômetro Sanny. Por meio desses dados se foi possível calcular o índice de Massa Corporal (IMC) o qual foi classificado segundo OMS 2007, para se fazer essa classificação primeiramente foi obtido os percentis no programa Anthro Plus, a circunferência da cintura foi feita com utilização de fita métrica inelástica posicionada na menor circunferência (entre a crista ilíaca e a última costela), a classificação foi realizada de acordo com o percentil, em que P<80 não há excesso de adiposidade corporal e P>80 há excesso de adiposidade corporal. A pressão arterial foi 2

3 aferida com esfigmomanômetro mecânico, houve classificação em normotenso (PA<13,7mmHg) e pré-hipertenso (PA>13,7). Todos os dados forem realizados em duplicata e então foi feita a média aritmética para o cálculo dos resultados. A avaliação do consumo alimentar foi verificada por meio do Questionário Simplificado de Frequência Alimentar de acordo com a pontuação classificou-se em consumo é adequado os adolescentes que apresentaram pontuação menor ou igual a 100 pontos, de 101 a 119 o consumo é elevado e maior ou igual a 120 o consumo é excessivo. Para a análise do nível de atividade física foi aplicado um questionário, e os critérios de classificação seguiram o agrupamento em categorias propostas pelo IPAQ, o qual classifica em três categorias: insuficientemente ativo - 1, suficientemente ativo - 2 e muito ativo 3. Para quantificar os fatores de risco para desenvolvimento de doenças cardiovasculares, foi utilizado Método progressivo da OMS para avaliação de fatores de risco, para tal foram utilizados o módulo principal passos um e dois, os quais abordam: inatividade física, nutrição, peso, altura, circunferência da cintura e pressão arterial. Foram incluídos neste estudo os alunos matriculados na escola nos anos de 2009 e 2010, e excluídos os alunos que tem apresentaram alguma deficiência que interferisse no resultado. As variáveis com distribuição simétrica foram descritas através de média e desvio padrão ao passo que as com distribuição assimétrica, através de mediana e percentis 25 e 75. Para descrever as variáveis qualitativas, as frequências absolutas e relativas foram utilizadas. Na comparação dos grupos em relação às variáveis qualitativas, o teste quiquadrado de Pearson foram aplicados. O nível de significância adotado foi de 5% (0,05) e as análises foram realizadas no programa SPSS (Statistical Package for the Social Sciences) versão RESULTADOS E DISCUSSÕES Foram avaliados ao total 239 estudantes, sendo 124 meninos (51,9%), com média de idade de 16,22±1,08 anos. Quanto ao estado nutricional os adolescentes apresentam peso de 62,69±14,32kg, circunferência da cintura (CC) de 73,53±9,65cm. Percentil de altura para idade mediana de 48,75(29,65-73,57). A média do Índice de Massa Corporal (IMC) foi de 22,14±6,68Kg/m². Para a classificação do percentil de IMC obtivemos mediana de 56,90 (27,75-81,50). Além da avaliação antropométrica, realizou-se aferição de pressão arterial (PA), e aplicação de questionário para verificação de consumo alimentar e atividade física. A média 3

4 de PA sistólica foi de 113,59±11,55mmHg e 74±8,94mmHg para a PA diastólica. A avaliação do consumo alimentar obteve mediana de 101,50 (67-177). Quanto aos fatores de risco para doenças cardiovasculares obtive-se mediana de 1(0-2) fator. Apresentaram até dois fatores de risco 87,8% (n=212), sendo que 12,2% (n=27) apresentou entre 3 a 5 fatores. A tabela 1 apresenta os dados da classificação geral da amostra em relação ao estado nutricional, alimentação e atividade física. Na tabela 2 estão demonstradas a associação entre as classificações do estado nutricional, alimentação e atividade física nos anos de 2009 e Tabela 1: Classificação geral da amostra de escolares matriculados em uma escola estadual de um município da região central do estado do RS. Variáveis Classificação N % IMC Magresa 5 2,1 Eutrofia ,8 Sobrepeso 36 15,5 Obesidade 7 3 Obesidade Grave 6 2,6 PA Normotenso ,2 Pré-hipertenso 28 11,8 AI Baixa estatura/idade 4 1,7 Estatura adequada/idade ,3 QFA Consumo adequado ,6 Consumo elevado 15 6,3 Consumo excessivo ,1 IPAQ Insuficientemente ativo 78 32,9 Suficientemente ativo ,5 Muito ativo 37 15,6 IMC: Índice de Massa Corporal; PA: Pressão Arterial; AI: Altura/Idade; QFA: Questionário de Frequência Alimentar; IPAQ: Interantional Physical Activity Questionaire. Devido à adolescência ser uma fase de transição em que os padrões de dieta e o estilo de vida encontram-se em estruturação, há implicações no risco de desenvolvimento da doença na vida adulta (SILVA, et al., 2005) o estudo analisou fatores que podem auxiliar no desenvolvimento de doenças cardiovasculares, tais como: circunferência da cintura, pressão arterial, consumo alimentar, atividade física e IMC. Apartir de então, os resultados encontrados apresentaram uma porcentagem significativa de sobrepeso e obesidade, colaboram para uma prevalência acentuada de adultos com peso elevado. Pesquisas realizadas demonstram alto índice de sobrepeso e obesidade em adultos (SILVA; RAMOS; COSTA, 2008). Obteve-se significância na 4

5 comparação de dados dos anos de 2009 e 2010 para atividade física, consumo alimentar e o número de fatores de riscos para doenças cardiovasculares, comprovando as taxas de mortalidade por doenças cardíacas que segundo dados da WHO é de 30% (WHO, 2005). Tabela 2: Associação entre classificações dos anos de 2009 e 2010 de adolescentes de escola estadual de um município da região central do estado do RS. Variáveis Classificação 2009 n (%) 2010 n (%) *P CC <P (87,3) 94 (81,7) 0,241 >P80 15 (12,7) 21 (18,3) PA Normotenso 109 (92,4) 101 (84,1) 0,089 Pré-hipertenso 9 (7,6) 19 (15,9) AI Baixa estatura/idade 3 (2,5) 1 (0,9%) 0,33 Estatura adequada/idade 115 (97,5) 113 (99,1) QFA Consumo adequado 63 (53,4) 55 (45,8) 0,014 Consumo elevado 2 (1,7) 13 (10,8) Consumo excessivo 53 (44,9) 52 (43,4) IPAQ Insuficientemente ativo 39 (33) 39 (32,8) 0,005 Insuficientemente inativo 68 (57,7) 54 (45,4) Muito ativo 11 (9,3) 26 (21,8) Número de FRDC 0 52 (44,1) 24 (19,8) 0, (39,8) 51 (42,1) 2 12 (10,2) 26 (21,5) 3 7 (5,9) 12 (9,9) 4 0 (0) 6 (5) 5 0 (0) 2 (1,7) CC: Circunferência da Cintura; PA: Pressão Arterial; AI: Altura/Idade; QFA: Questionário de Frequência Alimentar; IPAC: Interantional Physical Activity Questionaire; FRDC: Fatores de Risco para Doenças Cardiovasculares. *P>0,05 pelo teste Qui-quadrado de Pearson. Pode observar ainda, que houve um aumento de aproximadamente 10% quanto ao consumo elevado e excessivo de alimentos. Sabe-se que a alimentação inadequada está diretamente influenciada pelo aumento de produtos industrializados disponíveis no mercado, bem como a grande oferta de alimentações do tipo fast food. Pois, esses alimentos apresentam alto teor de sódio e gordura saturada que em grandes quantidades são prejudiciais a saúde, desencadeando doenças crônicas (SICHIERI; SOUZA,2008). Esta alimentação inadequada contribui para o aumento dos níveis pressóricos, os resultados demonstraram que houve diminuição de adolescentes normotensos e consequente aumento de pré-hipertensos. Justificando a pressão arterial como uma preocupação da contemporaneidade, pois os hábitos de vida modernos, os quais se incluem alimentação inadequada e sedentarismo contribuem substancialmente para o aumento da 5

6 massa corporal e alterações metabólicas a qual se inclui a hipertensão arterial (WINNICK et al.,2006). 4. CONCLUSÃO Comparando os dados de 2009 e 2010, pode-se observar que houveram resultados significativos quanto a analise estatística (P<0,05) referente a atividade física, consumo alimentar e o número de fatores de riscos para doenças cardiovasculares. Sabendo que esses resultados são preocupantes para o desenvolvimento de doenças cardíacas na vida adulta é necessário promover ações para mudanças de hábitos na adolescência a fim de evitar complicações futuras. REFERÊNCIAS ALBIERO, K; ALVES, F. Formação e Desenvolvimento de Hábitos Alimentares em Crianças pela Educação Nutricional. Nutrição em Pauta. 2007; 82 (15): BUFF, C. G.; RAMOS, E.; SOUZA, F. I. S.; SARNI, R. O. S. Frequência de síndrome metabólica em crianças e adolescentes com sobrepeso e obesidade. Rev. paul. pediatr, 2007; 25(3): COSTA, R. F.; CINTRA, I. P.; FISBERG, M. Prevalência de sobrepeso e obesidade em escolares da cidade de Santos, SP. Arq. bras. endocrinol. metab, 2006; 50(1): IV Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial. Sociedade Brasileira de Hipertensão. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Sociedade Brasileira de Nefrologia. Campos do Jordão (SP); IV Diretriz brasileira sobre dislipidemias e prevenção da aterosclerose do departamento de aterosclerose da sociedade brasileira de cardiologia. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 88, GUEDES, D. P.; LOPES, C. C.; GUEDES, J. E. R. P. Reprodutibilidade e validade do Questionário Internacional de Atividade Física em adolescentes. Rev Bras Med Esporte, MAHAN, K; ESCOTT, S. Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. 10ª ed. São Paulo: Rocca; MOURA, A. Á. et al. Prevalência de Fatores de Risco Cardiovascular em Crianças e Adolescentes da Rede de Ensino da Cidade de Maceió. Arq. bras. cardiol, 2005; 84(5): ORGANIZACIÓN MUNDIAL DE LA SALUD. La salud de los jóvenes: un reto y una esperanza. 6

7 Genebra, p. SINAIKO, A. Obesidade, resistência à insulina e, síndrome metabólica. J. Pediatr, 2007, 83 (1): 3-4. SILVA, M. C. P.; RAMOS, C. H. B.; COSTA, R. F. Estado nutricional e níveis pressóricos de escolares adolescentes da cidade de Cubatão - SP, Brasil. Rev Bras Crescimento e Desenvolv. Hum, 2008; 18(3): SILVA, M. A. M.; RIVERA, I. R.; FERRAZ, M. R. M. T.; PINHEIRO, A. J. T.; ALVES, S. W. dos S.; SICHIERI, R; SOUZA, R. A. Estratégias para prevenção da obesidade em crianças e adolescentes. Cad. Saúde Pública, 2008, 24 Sup 2:S209-S234. TAYLOR, R. W. et al. Evolution of waist circunference, waist-to-hip ratio, and the conicity índex as screening tools for high trunk fat mass, as measured by dual-energy X-ray absorptiometry, in children aged 3-19 y. Am. J Clin Nutr. 2000; 72: VASQUES, D. Fatores de risco para doenças cardiovasculares em adolescentes de Caxias do Sul- RS, Brasil. Dissertação de mestrado.florianópolis, World Health Organization (WHO). Preventing chronic disease: a vital investment: WHO global report. Geneva: World Health Organization, WINNICK, M.; SOMERS, V. K.; DORIGATTI, F.; LONGO, D.; SANTONASTASO, M.; MOS, L.; et al. Lifestyle, family history and progression of hypertension. Journal of Hypertension,

AUTOR(ES): LUIS FERNANDO ROCHA, ACKTISON WENZEL SOTANA, ANDRÉ LUIS GOMES, CAIO CÉSAR OLIVEIRA DE SOUZA, CLEBER CARLOS SILVA

AUTOR(ES): LUIS FERNANDO ROCHA, ACKTISON WENZEL SOTANA, ANDRÉ LUIS GOMES, CAIO CÉSAR OLIVEIRA DE SOUZA, CLEBER CARLOS SILVA 16 TÍTULO: NÍVEL DE OBESIDADE ENTRE MÃES E FILHOS ESCOLARES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO AUTOR(ES):

Leia mais

AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes

AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes Sumário Ver Livro Didático: pág. 37 à 45 e 65 à 71. Lipídeos e Lipoproteínas Sanguíneas Quando pedir ao responsável a análise do perfil lipídico? Pais

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE COLABORADORES DE REDE HOTELEIRA

ESTADO NUTRICIONAL DE COLABORADORES DE REDE HOTELEIRA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTADO NUTRICIONAL DE COLABORADORES DE REDE HOTELEIRA Larissa Paula da Silva de Souza 1, Jordana Lara de Miranda Camargo 2, Isabelle Zanquetta Carvalho

Leia mais

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA?

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? Bianca Silva Santos 1 ; Henrique Flausino de Souza 2 ; Maria Eduarda Guedes Coutinho 3 ; Maria Julia Rocha Ferreira

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS

CADERNO DE EXERCÍCIOS CADERNO DE EXERCÍCIOS MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Ms.C. Ana Beatriz Monteiro http://avaliacaoemeducacaofisica.webnode.com Nome: Introdução Crescimento é a atividade biológica dominante

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: RELAÇÃO ENTRE INATIVIDADE FÍSICA E ÍNDICE DE MASSA CORPORAL EM CRIANÇAS DA REDE MUNICIPAL DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO PE.

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: RELAÇÃO ENTRE INATIVIDADE FÍSICA E ÍNDICE DE MASSA CORPORAL EM CRIANÇAS DA REDE MUNICIPAL DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO PE. EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: RELAÇÃO ENTRE INATIVIDADE FÍSICA E ÍNDICE DE MASSA CORPORAL EM CRIANÇAS DA REDE MUNICIPAL DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO PE. RAMON WAGNER BARBOSA DE HOLANDA PABLO RUDÁ FERREIRA BARROS

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 TEIXEIRA, Giselle 2 ; BOSI, Greice 2 ; FONTOURA, Ethiene 2 ; MUSSOI, Thiago 2 ; BLASI,

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA PREVALÊNCIA DA OBESIDADE INFANTIL NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO

DIAGNÓSTICO DA PREVALÊNCIA DA OBESIDADE INFANTIL NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO DIAGNÓSTICO DA PREVALÊNCIA DA OBESIDADE INFANTIL NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO Eduardo Silva Pinheiro Neves (PIBIC-Jr/Fundação Araucária), Paulo César Paulino (Orientador),

Leia mais

Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados

Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados Cadimiel Gomes¹; Raíla Dornelas Toledo²; Rosimar Regina da Silva Araujo³ ¹ Acadêmico do Curso

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHANGUERA DE SÃO PAULO

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHANGUERA DE SÃO PAULO TÍTULO: AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE GORDURA SATURADA E DA SUA ASSOCIAÇÃO COM OS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DE MULHERES ATENDIDAS NA CLÍNICA DE NUTRIÇÃO DA UNIBAN CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E DO RISCO CARDIOVASCULAR DA CORPORAÇÃO DE BOMBEIROS DE MARINGÁ/PR

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E DO RISCO CARDIOVASCULAR DA CORPORAÇÃO DE BOMBEIROS DE MARINGÁ/PR 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E DO RISCO CARDIOVASCULAR DA CORPORAÇÃO DE BOMBEIROS DE MARINGÁ/PR Juciane Tonon Chinarelli 1 ; Renata Cristina Casale

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN Ana Paula Araujo de Souza 1 ; Luciana Karla Miranda Lins 2 1 Secretaria Municipal do Trabalho e Assistência

Leia mais

PREVALÊNCIA DE PRESSÃO ARTERIAL ELEVADA EM ADOLESCENTES DE ACORDO COM ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA

PREVALÊNCIA DE PRESSÃO ARTERIAL ELEVADA EM ADOLESCENTES DE ACORDO COM ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA PREVALÊNCIA DE PRESSÃO ARTERIAL ELEVADA EM ADOLESCENTES DE ACORDO COM ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA Caroline de Lima Malosti (PIBIC/Fundação Araucária), Regiane de Souza Antonio,

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE SOBREPESO E OBESIDADE NO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PARTICULAR E UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA.

ANÁLISE COMPARATIVA DE SOBREPESO E OBESIDADE NO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PARTICULAR E UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA. CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: 2357-8645 ANÁLISE COMPARATIVA DE SOBREPESO E OBESIDADE NO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PARTICULAR E UMA ESCOLA PÚBLICA

Leia mais

PERCENTIL DE CRESCIMENTO EM ATLETAS DE BASQUETEBOL MIRIM

PERCENTIL DE CRESCIMENTO EM ATLETAS DE BASQUETEBOL MIRIM 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PERCENTIL DE

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DE IDOSOS EM UMA CIDADE DO NORDESTE BRASILEIRO

CORRELAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DE IDOSOS EM UMA CIDADE DO NORDESTE BRASILEIRO CORRELAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DE IDOSOS EM UMA CIDADE DO NORDESTE BRASILEIRO Karoline de Lima Alves UFPB/ e-mail: krol_lima_17@hotmail.com 1 Anna Cláudia Freire

Leia mais

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016.

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Cristiane Aparecida Rosa 1, Tissiane Narai de Oliveira Ferreira 1, Nayane Aparecida Araújo Dias 2, Renata de

Leia mais

Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP

Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP Nadine Herreria dos Santos 2 ; Talita Poli Biason 1 ; Valéria Nóbrega da Silva 1 ; Anapaula

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 1 Influência de um programa de exercícios aeróbios sobre níveis pressórios de indivíduos com Síndrome Metabólica Chane Basso Benetti;

Leia mais

DIETOTERAPIA INFANTIL DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA OBESIDADE

DIETOTERAPIA INFANTIL DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA OBESIDADE DIETOTERAPIA INFANTIL DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA OBESIDADE Um dos principais problemas de saúde pública da atualidade, Doença nutricional que mais cresce no mundo e de mais difícil tratamento; Etiologia

Leia mais

TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR

TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FARMÁCIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN Victor Henrique dos Santos Silva 1 ; Adriana Moura de Lima 2 Resumo: Perante a abordagem da

Leia mais

PERFIL DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DOS ESCOLARES INGRESSOS NO INSTITUTO FEDERAL DO TOCANTINS Campus Paraíso do Tocantins

PERFIL DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DOS ESCOLARES INGRESSOS NO INSTITUTO FEDERAL DO TOCANTINS Campus Paraíso do Tocantins PERFIL DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DOS ESCOLARES INGRESSOS NO INSTITUTO FEDERAL DO TOCANTINS Campus Paraíso do Tocantins Gabriela de Medeiros Cabral 1, Avelino Pereira Neto 2 1 Professora do Ensino Básico,

Leia mais

Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 3 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADULTOS

Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 3 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADULTOS CAPÍTULO 3 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADULTOS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADULTOS A avaliação antropométrica em adultos envolve vários indicadores. A escolha do indicador dependerá do que se quer avaliar e

Leia mais

INTRODUÇÃO PROBLEMA DE INVESTIGAÇÃO OBJECTIVOS METODOLOGIA RESULTADOS CONCLUSÕES

INTRODUÇÃO PROBLEMA DE INVESTIGAÇÃO OBJECTIVOS METODOLOGIA RESULTADOS CONCLUSÕES ONOCOP Hotel Tivoli Marina Vilamoura 19 Novembro 2009 Joana Sousa Dietista Trabalho a ser desenvolvido no âmbito do Doutoramento em Saúde Pública da Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade Nova

Leia mais

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CORONARIANA DOS SERVIDORES DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CORONARIANA DOS SERVIDORES DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CORONARIANA DOS SERVIDORES DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Natália Ribeiro (PIBIC/CNPq/FA-UEM), Ana Paula Vilcinski

Leia mais

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental 16 Estado nutricional das crianças de 7 a 10 anos de idade do Município de Vinhedo (SP) em 2005 e 2008, segundo os critérios da Organização Mundial da Saúde (2007) Estela Marina Alves Boccaletto Doutoranda

Leia mais

ÍNDICE. CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO Introdução Pertinência do trabalho Objectivos e Hipóteses de Estudo...

ÍNDICE. CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO Introdução Pertinência do trabalho Objectivos e Hipóteses de Estudo... ÍNDICE CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Pertinência do trabalho... 2 1.3. Objectivos e Hipóteses de Estudo... 2 CAPÍTULO 2: REVISÃO DA LITERATURA... 5 2.1. Obesidade Infantil... 5

Leia mais

FIEP BULLETIN - Volume 82 - Special Edition - ARTICLE I (http://www.fiepbulletin.net)

FIEP BULLETIN - Volume 82 - Special Edition - ARTICLE I (http://www.fiepbulletin.net) CORRELAÇÃO ENTRE O ÍNDICE DE ADIPOSIDADE CORPORAL, ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E ESTIMATIVA DE ADIPOSIDADE CORPORAL POR MEIO DE DE DOBRAS CUTÂNEAS EM DIFERENTES FAIXAS ETÁRIAS RAFAEL MACEDO SULINO HENRIQUE

Leia mais

COMPOSIÇÃO CORPORAL DE JOVENS ESTUDANTES

COMPOSIÇÃO CORPORAL DE JOVENS ESTUDANTES COMPOSIÇÃO CORPORAL DE JOVENS ESTUDANTES Vivian Mendes de Souza /UFGD Aline Rodrigues Guedes da Silva/UFGD Wallisson Lucas dos Santos Farias /UFGD Dra. Josiane Fujisawa Filus de Freitas /UFGD Dr. Gustavo

Leia mais

PERFIL DOS HIPERTENSOS IDOSOS DA EQUIPE 1 DA UNIDADE BÁSICA DA SAÚDE DA FAMÍLIA DE CAMPINA GRANDE

PERFIL DOS HIPERTENSOS IDOSOS DA EQUIPE 1 DA UNIDADE BÁSICA DA SAÚDE DA FAMÍLIA DE CAMPINA GRANDE PERFIL DOS HIPERTENSOS IDOSOS DA EQUIPE 1 DA UNIDADE BÁSICA DA SAÚDE DA FAMÍLIA DE CAMPINA GRANDE Felipe Matheus Neves Silva(1); Thiago Assis Ferreira Santiago (2) ; Larissa Nóbrega Rodrigues (3); Matheus

Leia mais

IMC DOS ALUNOS DO 4º PERÍODO DO CURSO TÉCNICO EM ALIMENTOS DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS CAMPI/INHUMAS.

IMC DOS ALUNOS DO 4º PERÍODO DO CURSO TÉCNICO EM ALIMENTOS DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS CAMPI/INHUMAS. IMC DOS ALUNOS DO 4º PERÍODO DO CURSO TÉCNICO EM ALIMENTOS DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS CAMPI/INHUMAS. MÁXIMO, Jefferson Jorcelino 1 Introdução: O índice de massa corpórea IMC é uma medida simples do

Leia mais

INTERAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL, COM FLEXIBILIDADE E FLEXÕES ABDOMINAIS EM ALUNOS DO CESUMAR

INTERAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL, COM FLEXIBILIDADE E FLEXÕES ABDOMINAIS EM ALUNOS DO CESUMAR Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 07 INTERAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL, COM FLEXIBILIDADE E FLEXÕES ABDOMINAIS EM ALUNOS DO CESUMAR Alceste Ramos Régio

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA GORDURA CORPORAL DOS PARTICIPANTES DO PIBEX INTERVALO ATIVO 1

A INFLUÊNCIA DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA GORDURA CORPORAL DOS PARTICIPANTES DO PIBEX INTERVALO ATIVO 1 A INFLUÊNCIA DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA GORDURA CORPORAL DOS PARTICIPANTES DO PIBEX INTERVALO ATIVO 1 CARDOSO, Eduardo Rangel 2 ; PANDA, Maria Denise de Justo 3 ; FIGUEIRÓ, Michele Ferraz

Leia mais

DESEMPENHO MOTOR DE ADOLESCENTES OBESOS E NÃO OBESOS: O EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO REGULAR

DESEMPENHO MOTOR DE ADOLESCENTES OBESOS E NÃO OBESOS: O EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO REGULAR DESEMPENHO MOTOR DE ADOLESCENTES OBESOS E NÃO OBESOS: O EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO REGULAR Juliana Ewelin dos Santos 1 ; Sérgio Roberto Adriano Prati 2 ; Marina Santin¹. RESUMO: Essa pesquisa quase experimental

Leia mais

Co-orientadora Profa. Dra. da Faculdade de Nutrição/UFG,

Co-orientadora Profa. Dra. da Faculdade de Nutrição/UFG, CONSUMO DE FRUTAS, VERDURAS E LEGUMES E SUA CORRELAÇÃO COM ESTADO NUTRICIONAL E PRESSÃO ARTERIAL DE ADOLESCENTES DE GOIÂNIA (DADOS PARCIAIS REGIÃO SUDOESTE). Carolina de Souza CARNEIRO 1 ; Paulo César

Leia mais

INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB

INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB Lindemberg Medeiros de Araújo Evi Clayton de Lima Brasil TRANSIÇÃO NUTRICIONAL: CAUSAS, SIGNIFICADOS, EFEITOS

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

PREVALÊNCIA DE INATIVIDADE FÍSICA E SOBREPESO EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNTAMENTAL

PREVALÊNCIA DE INATIVIDADE FÍSICA E SOBREPESO EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNTAMENTAL PREVALÊNCIA DE INATIVIDADE FÍSICA E SOBREPESO EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNTAMENTAL Beatriz Vital Dos Santos 1 ; Aline Santos de Sousa 1 ; Perla da Silva 1 ; Natali Silva Sousa 1 ; Paulo Eduardo Pereira 1,2

Leia mais

TÍTULO: ÍNDICE DE CONICIDADE EM ADULTOS SEDENTÁRIOS DA CIDADE DE CAMPO GRANDE-MS

TÍTULO: ÍNDICE DE CONICIDADE EM ADULTOS SEDENTÁRIOS DA CIDADE DE CAMPO GRANDE-MS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ÍNDICE DE CONICIDADE EM ADULTOS SEDENTÁRIOS DA CIDADE DE CAMPO GRANDE-MS CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

AVALIAÇÃO IMC E DE CONSUMO DE ALIMENTOS FONTE DE PROTEÍNA, VITAMINA C E MAGNÉSIO POR ESCOLARES

AVALIAÇÃO IMC E DE CONSUMO DE ALIMENTOS FONTE DE PROTEÍNA, VITAMINA C E MAGNÉSIO POR ESCOLARES AVALIAÇÃO IMC E DE CONSUMO DE ALIMENTOS FONTE DE PROTEÍNA, VITAMINA C E MAGNÉSIO POR ESCOLARES RODRIGUES, Fernanda Nunes (UNITRI) nanda-nutricao@hotmail.com ARAÚJO, Ana Cristina Tomaz (UNITRI) anacrisnutricao@yahoo.com.br

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL ESTUDO POPULACIONAL NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS - MS

EPIDEMIOLOGIA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL ESTUDO POPULACIONAL NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS - MS EPIDEMIOLOGIA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL ESTUDO POPULACIONAL NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS - MS Daniela da Silva Garcia; Discente do curso de Fisioterapia das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS, e-mail:

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL E RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM IDOSOS

ESTADO NUTRICIONAL E RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM IDOSOS 20 a 24 de outubro de 2008 ESTADO NUTRICIONAL E RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM IDOSOS Gizele Regina Fanhani Casarin 1 ; Rose Mari Bennemann 2 RESUMO: O envelhecimento é um processo dinâmico e progressivo,

Leia mais

FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR EM MULHERES NA PÓS-MENOPAUSA

FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR EM MULHERES NA PÓS-MENOPAUSA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR EM MULHERES NA PÓS-MENOPAUSA Larissa Paula da Silva de Souza 1, Maria Helena Maniezo de Sousa 2, Isabelle Zanquetta Carvalho

Leia mais

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 ABRANGÊNCIA A Pesquisa Nacional de Saúde 2013 foi planejada para a estimação de vários indicadores com a precisão desejada

Leia mais

COMPOSIÇÃO CORPORAL DE ESCOLARES DA REDE DE ENSINO PÚBLICA E PRIVADA EM UMA CIDADE DA REGIÃO NORTE RESUMO

COMPOSIÇÃO CORPORAL DE ESCOLARES DA REDE DE ENSINO PÚBLICA E PRIVADA EM UMA CIDADE DA REGIÃO NORTE RESUMO COMPOSIÇÃO CORPORAL DE ESCOLARES DA REDE DE ENSINO PÚBLICA E PRIVADA EM UMA CIDADE DA REGIÃO NORTE PEDROSA, Olakson Pinto. Professor do Curso de Educação Física da ULBRA * NETO, Wilson Nonato Rabelo. Graduado

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO

EDUCAÇÃO FÍSICA FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO EDUCAÇÃO FÍSICA 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Tecnologia: Corpo, Movimento e Linguagem na Era da Informação 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES

Leia mais

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Modelagem e Educação Matemática (MEM) GT 4 Ângela Tereza Silva de SOUZA Universidade Federal da Paraíba anjinhatereza@hotmail.com RESUMO Neste

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE INDICADORES DE MUSCULATURA E DE ADIPOSIDADE COM MASSA CORPORAL E RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

RELAÇÃO ENTRE INDICADORES DE MUSCULATURA E DE ADIPOSIDADE COM MASSA CORPORAL E RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS RELAÇÃO ENTRE INDICADORES DE MUSCULATURA E DE ADIPOSIDADE COM MASSA CORPORAL E RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS Marcos Felipe Silva de Lima marcosfelipe@ymail.com Larissa Praça de Oliveira

Leia mais

MEDIDAS E AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE MOTORA

MEDIDAS E AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE MOTORA Escola de Educação Física e Esporte da USP Avaliação morfológica: peso, estatura, índice de massa corporal MEDIDAS E AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE MOTORA Profa. Dra. Maria Urbana P. B. Rondon 1º. Semestre/ 2017

Leia mais

Perfil de Hábitos Alimentares e IMC dos Alunos dos Cursos de Educação Física e Tecnologia da Informação

Perfil de Hábitos Alimentares e IMC dos Alunos dos Cursos de Educação Física e Tecnologia da Informação BALBINO, Jhonatan Sousa [1] SOUZA, Vanessa Batista [2] BALBINO, jhonatan Sousa e SOUZA, Vanessa Batista Perfil de hábitos alimentares e IMC dos alunos do curso de educação física e tecnologia da informação.

Leia mais

Questão 1 Sabe-se que o consumo mensal per capita de um determinado produto tem distribuição normal com desvio padrão σ = 2kg

Questão 1 Sabe-se que o consumo mensal per capita de um determinado produto tem distribuição normal com desvio padrão σ = 2kg Lista suplementar Teste de uma média populacional Questão 1 Sabe-se que o consumo mensal per capita de um determinado produto tem distribuição normal com desvio padrão σ = kg. A diretoria da indústria

Leia mais

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS Autor(es): LEIVAS, Vanessa Isquierdo; GONÇALVES, Juliana Macedo;

Leia mais

Avaliação Nutricional

Avaliação Nutricional Avaliação Nutricional Prof a Renato Marques 5 o período de Enfermagem Importância e conceitos da Avaliação Nutricional ESTADO NUTRICIONAL Definição Condição de saúde de um indivíduo, influenciada pelo

Leia mais

Roteiro. Procedimento: Verificação do peso corporal em balança plataforma mecânica.

Roteiro. Procedimento: Verificação do peso corporal em balança plataforma mecânica. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM GERAL E ESPECIALIZADA DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM 2017 Roteiro Unidade: Avaliação clínica do estado

Leia mais

EFEITOS DE DOIS PROTOCOLOS DE TREINAMENTO FÍSICO SOBRE O PESO CORPORAL E A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE MULHERES OBESAS

EFEITOS DE DOIS PROTOCOLOS DE TREINAMENTO FÍSICO SOBRE O PESO CORPORAL E A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE MULHERES OBESAS A obesidade é uma doença crônica classificada como epidêmica, tendo apresentado importante aumento na sua prevalência nas últimas décadas, em diversos países, em todas as faixas etárias e níveis econômicos

Leia mais

OBESIDADE NA INFÂNCIA. Dra M aria Fernanda Bádue Pereira

OBESIDADE NA INFÂNCIA. Dra M aria Fernanda Bádue Pereira OBESIDADE NA INFÂNCIA Dra M aria Fernanda Bádue Pereira Obesidade infantil Um dos maiores problemas de saúde pública da atualidade. >>>>> Ingestão calórica e

Leia mais

Avaliação e Interpretação da Pressão Arterial na Infância

Avaliação e Interpretação da Pressão Arterial na Infância Avaliação e Interpretação da Pressão Arterial na Infância Medida da Pressão Arterial na Infância Prof. Dra Marcia Camegaçava Riyuzo Disciplina de Nefrologia Pediátrica Departamento de Pediatria FMB - UNESP

Leia mais

41 ANOS DE EXISTÊNCIA. 942 Médicos Cooperados 71 mil clientes. 1ª Sede Praça Carlos de Campos

41 ANOS DE EXISTÊNCIA. 942 Médicos Cooperados 71 mil clientes. 1ª Sede Praça Carlos de Campos 41 ANOS DE EXISTÊNCIA 942 Médicos Cooperados 71 mil clientes 1ª Sede Praça Carlos de Campos UNIDADES DE NEGÓCIOS PROGRAMA DR. SAUDÁVEL EQUIPE MEDICINA PREVENTIVA 04 Cooperados Coordenador Médico Supervisor

Leia mais

IV Mostra Interna de Trabalhos de Iniciação Científica do Cesumar 20 a 24 de outubro de 2008

IV Mostra Interna de Trabalhos de Iniciação Científica do Cesumar 20 a 24 de outubro de 2008 20 a 24 de outubro de 2008 PREVALÊNCIA DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E SUA RELAÇÃO COM FATORES DE RISCO CARDIOVASCULARES EM CUIDADORES DE PACIENTES DE CLÍNICAS DE REABILITAÇÃO DA CIDADE DE MARINGÁ Juliana Barbosa

Leia mais

AVALIAÇÃO LONGITUDINAL DO ESTADO NUTRICIONAL DE ESCOLARES DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA-RS 1

AVALIAÇÃO LONGITUDINAL DO ESTADO NUTRICIONAL DE ESCOLARES DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA-RS 1 AVALIAÇÃO LONGITUDINAL DO ESTADO NUTRICIONAL DE ESCOLARES DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA-RS 1 SOUZA, Juliana Gusman de 2 ; FLORES, Priscila 2 ; PASETTO, Luciane Zamberlan 3 ; STORCK, Cátia Regina 2 ; WINTER,

Leia mais

ESTILO DE VIDA EM ADOLESCENTES DO ENSINO MÉDIO

ESTILO DE VIDA EM ADOLESCENTES DO ENSINO MÉDIO V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ESTILO DE VIDA EM ADOLESCENTES DO ENSINO MÉDIO Rafaela Pilegi Dada 1 ; Sérgio Roberto Adriano Prati 2 RESUMO: O estilo

Leia mais

TÍTULO: OBESIDADE INFANTIL NAS ESCOLAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM

TÍTULO: OBESIDADE INFANTIL NAS ESCOLAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: OBESIDADE INFANTIL NAS ESCOLAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

ESTILO DE VIDA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE ADOLECENTES DE NÍVEL MÉDIO DE UMA ESCOLA ESTADUAL DA CIDADE DE MARIALVA/PR

ESTILO DE VIDA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE ADOLECENTES DE NÍVEL MÉDIO DE UMA ESCOLA ESTADUAL DA CIDADE DE MARIALVA/PR 20 a 24 de outubro de 2008 ESTILO DE VIDA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE ADOLECENTES DE NÍVEL MÉDIO DE UMA ESCOLA ESTADUAL DA CIDADE DE MARIALVA/PR Rafaela Pilegi Dada 1 ; Sérgio Roberto Adriano Prati 2 RESUMO:

Leia mais

Caracterização do Perfil Nutricional, Associados com Dislipidemias em Adolescentes Atendidos no Programa de Atenção à Saúde do Adolescente (PROASA)

Caracterização do Perfil Nutricional, Associados com Dislipidemias em Adolescentes Atendidos no Programa de Atenção à Saúde do Adolescente (PROASA) Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Caracterização do Perfil Nutricional, Associados com Dislipidemias em Adolescentes Atendidos no Programa

Leia mais

AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DOS ESTUDANTES DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DOS ESTUDANTES DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS EVERTON MENEGUELI CARAVLHO AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DOS ESTUDANTES DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

INSATISFAÇÃO CORPORAL E COMPORTAMENTO ALIMENTAR EM PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA

INSATISFAÇÃO CORPORAL E COMPORTAMENTO ALIMENTAR EM PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 INSATISFAÇÃO CORPORAL E COMPORTAMENTO ALIMENTAR EM PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA Juciane Tonon Chinarelli 1 ; Renata Cristina Casale Veronezzi 2 ; Angela

Leia mais

ACONSELHAMENTO SOBRE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA: PRÁTICA E ADESÃO EM USUÁRIOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE.

ACONSELHAMENTO SOBRE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA: PRÁTICA E ADESÃO EM USUÁRIOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE. ACONSELHAMENTO SOBRE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA: PRÁTICA E ADESÃO EM USUÁRIOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE. Camila Silva Souza graduanda, milasspsi@gmail.com Cristiane Aparecida dos Santos- graduanda, cristyanne17@yahoo.com.br

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE FUNCIONÁRIOS DO HOSPITAL PÚBLICO DE MONTES CLAROS/MG

PERFIL NUTRICIONAL DE FUNCIONÁRIOS DO HOSPITAL PÚBLICO DE MONTES CLAROS/MG PERFIL NUTRICIONAL DE FUNCIONÁRIOS DO HOSPITAL PÚBLICO DE MONTES CLAROS/MG DA SILVA, Adislaine Ferreira¹ ; REIS, Fernando Kaiky Rodrigues¹; RODRIGUES, Vinícius Dias² 1 Graduados em Nutrição pela Faculdade

Leia mais

EDUCAÇÃO, NUTRIÇÃO E SAÚDE NA ESCOLA ZÉ PEÃO APRENDENDO E ENSINANDO UMA NOVA LIÇÃO

EDUCAÇÃO, NUTRIÇÃO E SAÚDE NA ESCOLA ZÉ PEÃO APRENDENDO E ENSINANDO UMA NOVA LIÇÃO EDUCAÇÃO, NUTRIÇÃO E SAÚDE NA ESCOLA ZÉ PEÃO APRENDENDO E ENSINANDO UMA NOVA LIÇÃO ARAÚJO, Lindemberg Medeiros BRASIL, Evi Clayton Lima PAIVA, Maria Paula RESUMO Assumindo que é possível organizar com

Leia mais

PREVALÊNCIA DO TRANSTORNO DE COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA EM UNIVERSITÁRIAS

PREVALÊNCIA DO TRANSTORNO DE COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA EM UNIVERSITÁRIAS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PREVALÊNCIA DO TRANSTORNO DE COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA EM UNIVERSITÁRIAS Maria Alice Nunes de Campos Monteiro 1 ; Gersislei Antonia Salado 2 ; Talma

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA ENTENDENDO a doença metabólica A doença metabólica, também chamada de síndrome metabólica ou ainda de plurimetabólica, em geral faz parte de um conjunto de

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS ATENDIDAS NA USF VIVER BEM DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA-PB

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS ATENDIDAS NA USF VIVER BEM DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA-PB AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS ATENDIDAS NA USF VIVER BEM DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA-PB Tainá Gomes Diniz; Caroline Severo de Assis; Suzy Souto de Oliveira Faculdade de Ciências

Leia mais

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO E SEDENTÁRIOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36 RESUMO

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO E SEDENTÁRIOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36 RESUMO COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO E SEDENTÁRIOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36 Danilo Cardoso de Sá dos Santos Profa. Ma. Giseli de Barros Silva Centro Universitário

Leia mais

PROMOÇÃO DE SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS HIPERTENSOS E DIABÉTICOS: UMA INICIATIVA DO PET- SAÚDE

PROMOÇÃO DE SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS HIPERTENSOS E DIABÉTICOS: UMA INICIATIVA DO PET- SAÚDE 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

19/04/2016. Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail:

19/04/2016. Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail: Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail: andrea@salesiano-ata.br 1 A Obesidade Definida como doença crônica caracterizada pelo excesso de peso corporal Decorre na maior parte dos casos de um desequilíbrio

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E HÁBITOS ALIMENTARES DE ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E HÁBITOS ALIMENTARES DE ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E HÁBITOS ALIMENTARES DE ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP AUTORES Juliane Tavares da SILVA Discente da União das Faculdades dos Grandes Lagos

Leia mais

Aula prática. O roteiro da aula prática. O que se vai calcular no software Anthro/AnthroPlus. Anthro (WHO 2006) Anthro (WHO 2006) Anthro (WHO 2006)

Aula prática. O roteiro da aula prática. O que se vai calcular no software Anthro/AnthroPlus. Anthro (WHO 2006) Anthro (WHO 2006) Anthro (WHO 2006) 5/6/217 Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Departamento de Nutrição HNT21 Avaliação Nutricional O roteiro da aula prática 1 atividade:, versão 3 de 211 Aula prática a) Uso do software

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES HIV/AIDS EM USO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL 1 NUTRITIONAL STATUS OF HIV/AIDS PATIENTS IN USE OF ANTIRETROVIRAL THERAPY

ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES HIV/AIDS EM USO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL 1 NUTRITIONAL STATUS OF HIV/AIDS PATIENTS IN USE OF ANTIRETROVIRAL THERAPY Disciplinarum Scientia, Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 4, n. 1, p. 95-102, 2004. 95 ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES HIV/AIDS EM USO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL 1 NUTRITIONAL STATUS OF HIV/AIDS

Leia mais

Acadêmico do curso de Biomedicina PIBIC/IESA.Instituto Cenecista de Ensino Superior de Santo Ângelo.

Acadêmico do curso de Biomedicina PIBIC/IESA.Instituto Cenecista de Ensino Superior de Santo Ângelo. AVALIAÇÃO DE FATORES DETERMINANTES PARA OBESIDADE NOS ACADÊMICOS INGRESSANTES E CONCLUINTES DE BIOMEDICINA DO INSTITUTO CENECISTA DE ENSINO SUPERIOR DE SANTO ÂNGELO (IESA) SIGNORI, Daniela¹; OLIVEIRA,

Leia mais

GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO

GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO CONTROLE DA OBESIDADE E PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO Introdução Obesidade Brasil EPIDEMIA 40% em sobrepeso 12,7% adultos obesos

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS INDICADORES DOS NÍVEIS DE APTIDÃO RELACIONADA A SAÚDE DE ALUNOS DE 10 A 14 ANOS DO MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS/RJ

AVALIAÇÃO DOS INDICADORES DOS NÍVEIS DE APTIDÃO RELACIONADA A SAÚDE DE ALUNOS DE 10 A 14 ANOS DO MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS/RJ AVALIAÇÃO DOS INDICADORES DOS NÍVEIS DE APTIDÃO RELACIONADA A SAÚDE DE ALUNOS DE 10 A 14 ANOS DO MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS/RJ CARLOS EDUARDO DAS NEVES; MARCIO LUIZ FERREIRA; JOAO GABRIEL BERNARDO LEANDRO;

Leia mais

Alimentação Responsável A responsabilidade social dos fornecedores de alimentos e refeições

Alimentação Responsável A responsabilidade social dos fornecedores de alimentos e refeições Alimentação Responsável A responsabilidade social dos fornecedores de alimentos e refeições Hábitos Alimentares e Saúde Alexandra Bento Associação Portuguesa dos Nutricionistas 10 de Maio Fundação Cidade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS NASCIDOS PRÉ- TERMO DE ACORDO COM O SEXO

DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS NASCIDOS PRÉ- TERMO DE ACORDO COM O SEXO Introdução O nascimento prematuro é um problema de saúde pública mundial, e um dos mais significativos na perinatologia. Nasceram aproximadamente 12,87 milhões bebês prematuros no mundo, apenas em 2005,

Leia mais

SÍNDROME METABÓLICA E ADOLESCÊNCIA

SÍNDROME METABÓLICA E ADOLESCÊNCIA 44 Manual sobre Insulino-resistência SÍNDROME METABÓLICA E ADOLESCÊNCIA Helena Fonseca Unidade de Medicina do Adolescente, Clínica Universitária de Pediatria Hospital de Santa Maria A prevalência de obesidade

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM UM GRUPO DE IDOSOS DE UM MUNICÍPIO DE PEQUENO PORTE

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM UM GRUPO DE IDOSOS DE UM MUNICÍPIO DE PEQUENO PORTE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM UM GRUPO DE IDOSOS DE UM MUNICÍPIO DE PEQUENO PORTE Iohrana Braz Nascimento (1); Claudiana Nunes Rodrigues (1); Izabela Cristina Silva Guedes (1); Michelle

Leia mais

Palavras-chave: hipertensão arterial, educação em saúde, prevenção. (83)

Palavras-chave: hipertensão arterial, educação em saúde, prevenção. (83) EDUCAÇÃO EM SAÚDE COMO INSTRUMENTO PARA PREVENÇÃO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL EM SERVIDORES PÚBLICOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Emerson Eduardo Farias Basílio (1); Emily

Leia mais

EXCESSO DE PESO E OBESIDADE EM ESCOLARES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

EXCESSO DE PESO E OBESIDADE EM ESCOLARES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DA CIDADE DE MARINGÁ-PR EXCESSO DE PESO E OBESIDADE EM ESCOLARES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DA CIDADE DE MARINGÁ-PR Camila Ferreira da Silva 1 ; Rose Mari Bennemann 2 RESUMO: O objetivo do presente estudo foi avaliar a prevalência

Leia mais

NÚCLEO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO ADOLESCENTE NASAD

NÚCLEO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO ADOLESCENTE NASAD O Estatuto da Criança e do Adolescente, Lei n.º 8.069/90 (BRASIL, 1990), circunscreve a adolescência como o período de vida que vai dos 12 aos 18 anos de idade e a Organização Mundial da Saúde (OMS) delimita

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE CIRCUNFERÊNCIA DA CINTURA E PRESSÃO ARTERIAL EM ADOLESCENTES

RELAÇÃO ENTRE CIRCUNFERÊNCIA DA CINTURA E PRESSÃO ARTERIAL EM ADOLESCENTES Saúde e Pesquisa, Maringá (PR) DOI: http://dx.doi.org/10.177651/1983-1870.2016v9n2p243-249 RELAÇÃO ENTRE CIRCUNFERÊNCIA DA CINTURA E PRESSÃO ARTERIAL EM ADOLESCENTES Giuliano Roberto da Silva Doutorando

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ENTRE A OBESIDADE E AS COMORBIDADES APRESENTADAS POR IDOSOS ATENDIDOS NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

ASSOCIAÇÃO ENTRE A OBESIDADE E AS COMORBIDADES APRESENTADAS POR IDOSOS ATENDIDOS NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA ASSOCIAÇÃO ENTRE A OBESIDADE E AS COMORBIDADES APRESENTADAS POR IDOSOS ATENDIDOS NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Milena Freire Delgado 1 ; Maria Isabel da Conceição Dias Fernandes 2 ; Isabel Neves Duarte

Leia mais

Marque a opção do tipo de trabalho que está inscrevendo: ( x ) Resumo ( ) Relato de Caso

Marque a opção do tipo de trabalho que está inscrevendo: ( x ) Resumo ( ) Relato de Caso Marque a opção do tipo de trabalho que está inscrevendo: ( x ) Resumo ( ) Relato de Caso Projeto Horta escolar e a gastronomia em uma escola Municipal de Montauri-RS. AUTOR PRINCIPAL: Ana Rita Toffoli

Leia mais

VARIABILIDADE DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E RESPOSTA DA PRESSÃO ARTERIAL PÓS-EXERCÍCIO EM ATLETAS E NÃO-ATLETAS

VARIABILIDADE DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E RESPOSTA DA PRESSÃO ARTERIAL PÓS-EXERCÍCIO EM ATLETAS E NÃO-ATLETAS 1 VARIABILIDADE DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E RESPOSTA DA PRESSÃO ARTERIAL PÓS-EXERCÍCIO EM ATLETAS E NÃO-ATLETAS Rodrigo Batista Maia UFPI Cláudio Henrique Lima Rocha UFPI Irapuá Ferreira Ricarte UFPI Vitor

Leia mais

ALTERAÇÕES NA SATISFAÇÃO DA IMAGEM CORPORAL A PARTIR DA INTERVENÇÃO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL EM UM PROGRAMA DE REEDUCAÇÃO ALIMENTAR MULTIDISCIPLINAR.

ALTERAÇÕES NA SATISFAÇÃO DA IMAGEM CORPORAL A PARTIR DA INTERVENÇÃO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL EM UM PROGRAMA DE REEDUCAÇÃO ALIMENTAR MULTIDISCIPLINAR. ALTERAÇÕES NA SATISFAÇÃO DA IMAGEM CORPORAL A PARTIR DA INTERVENÇÃO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL EM UM PROGRAMA DE REEDUCAÇÃO ALIMENTAR MULTIDISCIPLINAR. Gabriela Salim Xavier, André Luiz Moreno da Silva,

Leia mais

Período de Realização. De 3 de julho à 15 de setembro de População em geral. Sujeitos da Ação

Período de Realização. De 3 de julho à 15 de setembro de População em geral. Sujeitos da Ação Objetivos: Pesquisa Nacional sobre Saúde e Nutrição PNSN (1989) O objetivo central desta pesquisa foi apurar os indicadores da situação nutricional da população brasileira. Procurou-se observar quem eram

Leia mais

PREVALÊNCIA DA OBESIDADE ABDOMINAL EM ADULTOS AVALIADOS NO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO FÍSICA DA ACADEMIA DA UNI EVANGÉLICA

PREVALÊNCIA DA OBESIDADE ABDOMINAL EM ADULTOS AVALIADOS NO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO FÍSICA DA ACADEMIA DA UNI EVANGÉLICA 1 PREVALÊNCIA DA OBESIDADE ABDOMINAL EM ADULTOS AVALIADOS NO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO FÍSICA DA ACADEMIA DA UNI EVANGÉLICA Luiz Antônio da Trindade Silva - UniEVANGÉLICA Dra. Cristina Gomes de Oliveira

Leia mais

Avaliação antropométrica de crianças

Avaliação antropométrica de crianças Avaliação antropométrica de crianças Sylvia do Carmo Castro Franceschini Taís Cristina Araújo Magalhães Fabiana de Cássia Carvalho de Oliveira Viçosa Agosto, 2010 Peso: início da vida perda de peso fisiológica

Leia mais

VALORES CRÍTICOS DO IMC PARA A SAÚDE DOS ALUNOS DO 5º ANO DO PIBID/UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1

VALORES CRÍTICOS DO IMC PARA A SAÚDE DOS ALUNOS DO 5º ANO DO PIBID/UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1 VALORES CRÍTICOS DO IMC PARA A SAÚDE DOS ALUNOS DO 5º ANO DO PIBID/UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1 FUHRMANN, Marlon 2 ; PANDA, Maria Denise Justo 3 Palavras Chave: IMC. PIBID. Saúde. Educação Física. Introdução

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES.

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. Sara Crosatti Barbosa (CNPq-UENP), Antonio Stabelini Neto (ORIENTADOR), e-mail: asneto@uenp.edu.br Universidade Estadual do

Leia mais

15º FÓRUM DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA AUDITÓRIO 10

15º FÓRUM DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA AUDITÓRIO 10 Fóruns 28 de setembro de 2013 15º FÓRUM DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA AUDITÓRIO 10 Insuficiência Cardíaca Como abordar na: IC Fração de ejeção reduzida / normal IC descompensada IC Crônica IC Chagásica

Leia mais