Câncer de Mama em Mulheres com mais de 70 anos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Câncer de Mama em Mulheres com mais de 70 anos"

Transcrição

1 Juvenal Mottola Junior Centro de Referência da Saúde da Mulher e Hospital Geral V. N. Cachoeirnha Secretaria de Estado da Saúde São Paulo

2 Questões / Problemática? Qual a cirurgia ideal na mama e na axila? O que muda na adjuvância? A radioterapia após cirurgia conservadora é sempre obrigatória? O que fazer quando a cirurgia é contra-índicada?

3 1. Qual a definição de idosa? Quais os diferentes subgrupos de idosos? 2. Idade é apenas cronológica? 3. Qual é a expectativa de vida em pacientes idosas saudáveis? 4. Qual é a expectativa de vida em pacientes idosas com doenças associadas? 5. Qual é a expectativa de vida de acordo com performance funcional? 6. Escalas geriátricas multidimensionais são mais adequadas para avaliação expectativa vida? 7. Como lidar com diferentes formas de apresentações clínica / ca mama LNP- e com doenças local/avançadas neste grupo? 8. Qual melhor tratamento cirúrgico, riscos anestésicos e outros? 9. Qual melhor tratamento da axila na doença inicial e avançada? 10. Porque pacientes idosas e com doenças associadas não são incluídas em trials aleatorizados? 11. A radioterapia é necessária em estágios iniciais e tem risco nos avançados? 12. Deve-se tratar com diferentes esquemas poli-quimioterápicos como nas pacientes em outras faixas etárias? 13. Apenas a hormonioterapia pode ser o tratamento de escolha nas pacientes idosas? 14. A hormonioterapia neo-adjuvante deve ser sempre a escolha para pacientes com doença localmente avançada. 15. Na doença metastática a conduta adjuvante quimio ou radioterápica deve ser a mesma da pacientes em outras faixas etárias? 16. Como e quando caracterizar, diferentemente, o que é tratamento paliativo de cuidado paliativo para pacientes idosas?

4 Câncer de mama em pacientes idosas um problema heterogêneo e complexo com equívocos conceituais Paciente idosa sempre tem doença oncológica menos agressiva Paciente idosa tem câncer mama mais indolente que pacientes jovens (GN e RE) Paciente idosa acima de 70 anos sempre tem baixa expectativa de vida Paciente idosa é menos tolerante ao tratamento cirúrgico, quimio e radioterápico A mortalidade por câncer de mama paciente idosa tem menos impacto comparando-se com outras causas O tamoxifeno ou outros tratamentos hormonais, isoladamente, são os tratamentos mais adequados para pacientes idosas!

5 Qual Perfomance Funcional/Expectativa de vida e qual o estadiamento clínico? Sobrevida em 5 anos por estádio x expectativa de vida com base no performance funcional 100% 50% 10% Cura Cura Tratamento paliativo Tratamento paliativo Cuidado Paliativo Cirurgia - Quimioterapia Radioterapia Hormonioterapia Controle dor e sintomas 0 I II III IV Progressão

6 População Censo ,9 mi População Ano ,9 mi População feminina Censo 2000 > 60 anos (55,1%)

7 Distribuição Percentual Câncer de Mama por Faixa Etária SEER/USA % 20% 15% 10% 5% 0% Faixa etária 100% Distribuição Percentual de Casos Câncer de Mama por Faixa Etária - Registro Hospitalar de Câncer Fundação Oncocentro * 80% 60% 40% 20% % * FOSP Não serve para cálculo de Incidência RHC perfil de atendimento de grupo Instituições Computado números apenas destas faixas etárias

8 Número Médio de Doenças Associadas de acordo com Faixa Etária 4 3 n Porcentagem de Idosos com 5 ou Mais Doenças Associadas por Faixa Etária % Yancik R. Cancer 1997; 80: (adaptado).

9 Charlson MP, Pompei P, Ales KL et al. A new method of classifying prognostic comorbidity in longitudinal studies: development and Validation. J Chronic Dis 1987;40: Objetivo: Avaliar doenças associadas que poderiam alterar o risco de morte Estudo coorte-longitudinal. 19 categorias de doenças associadas 1º. Estudo n=550 pacientes. Freqüência de mortalidade em diferentes scores 2º. Estudo n=665 pacientes em seguimento de 10 anos Score (%) mortalidade 0 8% 1 25% 3 48% >5 59%

10 Expectativa de Vida de acordo com Doenças Associadas por Faixa Etária anos idade Saudável Intermediária Doente/Frail Extermann M et al. J Clin Oncol 2000;19: (adaptado).

11 Balducci L, Yates J. General guidelines for the management of older patients with cancer. Oncology 2001;14: Câncer de Mama em Mulheres

12 O que é ser idoso versus Idade? A. Idoso é estar em um heterogêneo processo vida B. Declínio progressivo na reserva funcional com o progredir da idade Não aparente em repouso Mais aparente em situações de stress C. Compreender as mudanças fisiológicas com a idade e stress Reconhecimento precoce das potenciais toxicidades Instituir precocemente medidas de suporte para diminuir riscos NCCN guidelines, 2008.

13 2006;3(3: )e25 J Clin Oncol 2005;33(18): Breast J 2006;12(4):353-9.

14 Distribuição das pacientes pela Faixa Etária, Método Diagnóstico, Estadiamento Fator Faixa Etária 50-69a 70-74a 75-79a 80-84a N (%) N(%) N(%) N(%) Diagnóstico 5.788(63,9%) 1.261(13,9%) 1.021(11,3%) 989(10,9%) Rastreamento 3.379/58,4 542/43,0 72/7,1 15/1,5 Clínico 2.386/41,2 713/56,5 946/92,7 967/97,8 Estadiamento I 2.584/44,6 50(40,1 298/29,2 187/18,9 IIa 1.451/25,1 304/24,1 283/27,7 170/17,2 IIb-III 921/15,9 212/17,6 262/25,7 240/25,3 IV 81/1,4 28/2,7 24/2,4 39/3,9 S/ Estadiamento 751/13,0 202/16,0 154/15,1 297/30,0 Linfonodos Negativos 3.331/57,6 692/54,9 500/49,0 365/36,9 Positivos 1.704/29,4 359/28,5 350/34,3 281/28,4 Não Avaliáveis 753/12,1 210/16,7 171/16,7 343/34,7

15 Características dos Tumores e Tipo de tratamento por Estádio I e II Características EC I EC IIa EC IIb Receptor E 50-69a 70-84a 50-69a 70-84a 50-69a 70-84a N (%) N(%) N(%) N(%) N(%) N(%) Positivo 1.665/30 616/62,2 955/65,8 521/64,1 405/59,4 341/65,2 Negativo 355/13,7 110/11,1 305/21,0 144/17,7 182/26,7 96/18,4 Desconhecido 564/21,8 264/26,7 191/13,2 148/18,2 95/13,9 86/16,4 Tipo Cirurgia Mastectomia 469/18,2 323/32,6 532/36,7 498/61,3 408/99,8 412/72,2 Conservadora 2097/81,2 656/66,3 912/62,9 291/35,8 268/39,3 99/18,9 Nenhuma/SOE 18/0,7 6/0,6 7/0,5 9/1,1 5/0,7 3/0,6 Conserv e RXT 1910/91,1 389/59,3 870/95,4 217/74,6 252/94,0 80/80,1 Quimioterapia 123/4,8 5/0,5 566/39,0 36/4,4 403/59,1 34/6,5 Tamoxifeno 535/20,7 249/25,2 938/64,7 567/69,7 423/62,0 411/78,6 (* p<0,05)

16 Sobrevivência em 5 anos pacientes de anos período (9059 pacientes) Parâmetro Número total Sobrevivência 5 anos Esperada Observada Faixa etária anos ,9 86, anos ,0 77, anos ,8 63, anos ,4 49,0

17 Ann Surg 2005:242(1):1-6 Câncer de Mama em Mulheres

18 Editorial NEJM 2004;351(10):

19 CALGB (Cancer and Leukemia Group B) 9343 ou Hughes study Eligibilidade Idade >/= 70 anos Axila negativa Margens livres (tumorectomia) Tumor </= 2cm RE positivo ou indeterminado Aleatorização Radioterapia e Tamoxifeno (319) Tamoxifeno (317) Seguimento 8,2 anos (Mediana 5 anos) 647 pacientes (Elegíveis 631) / Inelegíveis 5 Canceladas/nunca tratadas - 11

20 CALGB (Cancer and Leukemia Group B) 9343 ou Hughes study Objetivo Primário - Recidiva local ou regional - Freqüência de mastectomia para recidiva - Sobrevivência específica câncer mama - Tempo de metástase à distância e sobrevivência global Objetivo Secundário - Resultados cosméticos - Efeitos adversos

21 CALGB (Cancer and Leukemia Group B) 9343 ou Hughes study RxT+TAM TAM Pacientes tratadas (317) (319) Idade > 75 anos 176(56%) 172(54%) RE positivo 308(97%) 310(97%) Tumor < 2cm 295(93%) 206(93%) No. Dissecção Axilar 200(63%) 203(64%)

22 CALGB (Cancer and Leukemia Group B) 9343 ou Hughes study RxT+TAM TAM Pacientes tratadas (317) (319) Recidiva local % Recidiva Axila 0 4 0,9% Total recidiva ,9%

23 CALGB (Cancer and Leukemia Group B) 9343 ou Hughes study Objetivo Primário CALGB Causas de Mortalidade de todas as Pacientes - Recidiva local ou regional (TMX+RxT 99% x TMX 96%) p<0,001 - Freqüência Mortalidade de mastectomia ca mama para recidiva Outras (99% causas x 98%) Vivas NS - Tempo de metástase à distância e sobrevivência global (87% x 86%) NS 2% - Sobrevivência específica câncer de mama NS 27% Objetivo Secundário 71% - Resultados cosméticos (Médico e Pacientes NS/4anos) - Efeitos adversos (Médico NS) (Pacientes p<0,01 Dor mama e Im. Braço)

24 Principais Estudos Aleatorizados Comparando IA de Terceira Geração com TMX na Neo-adjuvância Estudo Pacientes Tratamento Taxa de Resposta Melhora Condições Cir e métodos Clin MMG USG P024 n=337 RE+ Tam/20mg 36% 16% 25% 35% 2001 Inop/NECC Letrozol/2,5mg 55% 34% 35% 45% 4 meses p (T x L) p<0,001 p<0,001 p<0,0042 p<0,022 IMPACT n=330 RE+ Tam/20mg 36% % 31%/22%* 2005 pos-men/la Anastrosol/1mg 37% % 44%/46%* 3 meses (A+T) 39% % 24%/26% NS NS NS/p<0,03 PROACT n=451 RE+ Tam/20mg 40% % 31% 2006 T2-3N0-2 oper Anastrosol/1mg 50% % 43% T4bN0-2M0 p<0,08 p<0,07 p<0,04 3 meses T+QT 36% % A+QT 49% 36% 30% 28% Semiglazov n=87 RE+ A/1mg 70% 56% 44% p<0,048 44%/42% et al, 2003 T2N1/T3N0-1/T4 A+T 49% 40% 32% p<0,058 42% p<0,056 3 meses T 40% 37% 37% p<0,072 20% Semiglazov n=151 RE+ Tam 20mg et al, meses E/25mg 76% 64% 81% 37% p<0,05 p<0,082 p<0,0092 p<0,005 Inop=inoperável ( NE CC) não elegível cirurgia conservadora p=significãncia LA+ localmente avançado (*)avalição pré e do cirurgião

25

26 Comparação IA versus não IA na Sobrevivência Geral (informada ou calculada) Estudo HR HR Anastrozole 1mg (95%-IC) (95%-IC) Bonneterre,2001 0,97(0,81-1,16) Buzdar,1996ª 0,78(0,61-1,00) Mila-Santos,2003 0,92(0,68-1,24) Sub-total 0,90(0,79-0,99) Examestane 25mg Kaufman,2000 0,85(0,72-0,99) Subtotal 0,85(0,72-0,99) Letrozol 2,5mg Buzdar,2001 0,92(0,73-1,16) Dombernowsky,1998 0,82(0,63-1,07) Subtotal 0,88(0,73-1,05) Total 0,89(0,82-0,96) 0,5 0,7 1 1,5 2 Gibson LJ, Dawson CL, Lawrence DJ, Bliss JM. Aromatase inhibitors for treatment of advanced breast cancer in postmenopausal women. Cochrane Database of Systematic review 2007, Issue1.Art. No. CD

27 Comparação IA versus não IA na Taxa Objetiva Resposta (randomizado) Estudo HR HR Anastrozole 1mg (95%-IC) (95%-IC) Bonneterre,2001 0,81(0,63-1,04) Buzdar,1996ª 0,93(0,65-1,31) Mila-Santos,2003 0,26(0,14-0,48) Sub-total 0,74(0,48-1,12) Examestane 25mg Kaufman,2000 0,88(0,66-1,19) Subtotal 0,78(0,53-1,17) Letrozol 2,5mg Buzdar,2001 0,84(0,53-1,32) Dombernowsky,1998 0,88(0,57-1,37) Mouridsen,2001 0,65(0,50-0,84) Subtotal 0,89(0,77-1,02) Total 0,89(0,82-1,02) 0,2 0, Gibson LJ, Dawson CL, Lawrence DJ, Bliss JM. Aromatase inhibitors for treatment of advanced breast cancer in postmenopausal women. Cochrane Database of Systematic review 2007, Issue1.Art. No. CD

28 Aapro MS et al. Never Too Old? Age Should Not Be a Barrier to Enrollment in Cancer Clinical Trials. Oncologist 2005;10: Delapasqua S et al. New Criteria for Selecting Elderly Patients for Breast Cancer Adjuvant Treatment Studies. Oncologist 2007;12; Adjuvant therapy for breast cancer. In: National Institutes of Health. NIH Consensus Statement 17. Bethesda, MD: National Institutes of Health, 2000:1-35.

29 B J Surg 2004;91: Câncer de Mama em Mulheres

30 12% 14% 33% (90% sobrevivência específica câncer mama) 20% 7% 2% 12% (46% sobrevivência específica câncer mama) Bouchardy C, Rapiti E, Laissue P et al.undertreatment strongly decreases prognosis of breast cancer in elderly woman. JCO 2003;21(19):

31 Qual Perfomance Funcional/Expectativa de vida e qual o estadiamento clínico? Sobrevida em 5 anos por estádio 100% 50% 10% Cura Cura Tratamento paliativo Tratamento paliativo Cuidado Paliativo Cirurgia - Quimioterapia Radioterapia Hormonioterapia Controle dor e sintomas 0 I II III IV Progressão

32 CONCLUSÕES Câncer de Mama em Mulheres 1. Considerar a idade fisiológica não cronológica 2. Avaliar não apenas doenças associadas e sim quantas, seus controles e a interferência desta na expectativa de vida 3. Conhecer as reservas funcionais hepática, renal e medula óssea para escolha do tratamento adjuvante 4. Avaliar função cognitiva, preferência individual e participação de cuidadores para adequada aderência ao tratamento proposto 1. Propor e realizar cirurgia e tratamento mais indicado para o caso 2. Se RE-, T>2cm realizar BLNS e tratamento complementar necessário 3. Se Cir. Conservadora possível com RE+, T<2cm Se planejado QT adj possível realizar BLNS Se não planejado QT é possível não realizar BLNS 4. Tratar a axila de acordo com indicação prognóstica ou com doença regional (não se furtar) 5. Se >70a, T<2cm, RE+, Axila negativa, Margens livres e Cir. Cons., pode-se omitir a Rxt e dissecção axilar sem alterar sobrevivência com TMX 6 Cir. Conservadora adequada de acordo com EC, Mastectomia em tumores localmente avançados com hormonioterapia neo ou adj, e metastáticos com melhora sobrevivência global. 7. QT é sempre indicado em pacientes alto risco (GN3, RE-, LN+) de acordo com performance funcional

33 Questões / Problemática? Qual a cirurgia ideal na mama e na axila? (A) / (B) O que muda na adjuvância? A radioterapia após cirurgia conservadora é sempre obrigatória? (A) O que fazer quando a cirurgia é contra-índicada? (A)

34

35 Desenho do Protocolo 025 : Letrozol vs.tamoxifeno em Primeira Linha População do estudo: Pós-menopausadas; local/ avançado ou recidiva loco-regional ou metastático; ER e/ou PgR positivos ou desconhecidos Fase Inicial Duplo Cego Randomizado Fase de Extensão Duplo-cego Não Randomizado Progressão Progressão Letrozol 2,5 mg /dia Letrozol 2,5 mg /dia Crossover Opcional Tamoxifeno 20 mg /dia Tamoxifeno 20 mg /dia Seguimento de Sobrevida Mouridsen et al. J Clin Oncol. 2001;19: 2596.

36 Grupos de Letrozol (n=453) e tamoxifeno (n=454) bem balanceados quanto a: Idade Performance status Intervalo Livre de Doença Sítio dominante de doença Status do Receptor (receptor positivo 65% vs 67%) QT prévia Antiestrógeno adjuvante prévio (19% vs 18%)

37 Letrozol vs Tamoxifeno Sobrevida Geral Câncer de Mama em Mulheres 1,0 0,9 Sobrevida mediana Letrozol 34 meses Tamoxifeno 30 meses 1,0 0,9 Kaplan-Meier Estimativa 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 p=0,530 (log-rank test) Letrozol Tamoxifeno 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0, Tempo (meses( meses)

38

39 Eaker S, Dickman PW, Bergvist L,Holmberg L. Differences in manegement of older women influence breast cancer survival: Results from a population-based database in Sweden. PLoS Medicine 2006;3:

40

41 CANCER IN OLD AGE - IS IT INADEQUATELY INVESTIGATED AND TREATED? Turner NJ, Haward RA, Mulley GP, Selby PJ BMJ 1999;319: Apesar de mais de 50% cânceres são diagnosticados > 65a, este grupo é menos investigado Pacientes de 75a ou acima tem expectativa de vida em torno de 11,1a e 8,5a O número menor de intervenções nestes pacientes não é justificado com base nas doenças associadas pode ser no paciente idoso frailty Pacientes idosos podem tolerar cirurgia, quimioterapia, radioterapia tão bem quanto pacientes jovens Discriminação com idosos, apenas pela idade cronológica, pelos profissionais de saúde Falta de consciência quanto a expectativa de vida e tratamentos disponíveis Falta de conscientização dos familiares que na maioria negam qualquer tratamento Proporção (%) de confirmação histológica, sem definição de tratamento definitiva, e sobrevivência em 5 anos por grupo etário Yorkshire Confirmação histológica Sem definição tratamento Sobrevivência em 5 anos Situs 0-64a 65-74a >75a 0-64a 65-74a >75a 0-64a 65-74a >75a mama

42 Letrozol vs Tamoxifeno Sobrevida Geral Câncer de Mama em Mulheres 1,0 0,9 Sobrevida mediana Letrozol 34 meses Tamoxifeno 30 meses 1,0 0,9 Kaplan-Meier Estimativa 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 p=0,530 (log-rank test) Letrozol Tamoxifeno 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0, Tempo (meses( meses)

43 Ver projeção para 2050 Yancik R, Ries LAG. Cancer in old person: an international issue in aging world. Sem Oncol 2004;31: Lyman GH. Cancer care in elderly. Cancer Control 1998;5: Brasil Censo ,3% > 60 anos Censo ,6% > 60 anos

44 Charlson MP, Pompei P, Ales KL et al. A new method of classifying prognostic comorbidity in longitudinal studies: development and Validation. J Chronic Dis 1987;40: Objetivo: Avaliar doenças associadas que poderiam alterar o risco de morte Estudo coorte-longitudinal. 19 categorias de doenças associadas 1º. Estudo n=550 pacientes. Freqüência de mortalidade em diferentes scores 2º. Estudo n=665 pacientes em seguimento de 10 anos Score (%) mortalidade Score (%) mortalidade 0 12% % % >5 85% 0 8% 1 25% 3 48% >5 59%

É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo?

É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo? É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo? Rosangela Correa Villar Radioterapia Beneficência Portuguesa- Hospital São Jose FMUSP villardias@uol.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante.

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante. Estudo de sobrevida de mulheres com câncer de mama não metastático tico submetidas à quimioterapia adjuvante Maximiliano Ribeiro Guerra Jane Rocha Duarte Cintra Maria Teresa Bustamante Teixeira Vírgilio

Leia mais

Como tratar o câncer de mama na paciente com mutação genética? Prof. Dr. Giuliano Duarte

Como tratar o câncer de mama na paciente com mutação genética? Prof. Dr. Giuliano Duarte Como tratar o câncer de mama na paciente com mutação genética? Prof. Dr. Giuliano Duarte Quem é a paciente com mutação BRCA1/2? Ansiedade Penetrância dos genes BRCA1 e BRCA 2 até os 70 anos Meta-análise

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de tratamento adjuvante e neoadjuvante do câncer de mama Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Tratamento sistêmico adjuvante A seleção de tratamento sistêmico

Leia mais

Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático. Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009

Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático. Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático O tratamento de pacientes com câncer de mama metastático

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama

Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama O câncer de mama - 2º tipo de câncer mais freqüente no mundo e o mais comum

Leia mais

Declaro não haver nenhum conflito de interesse.

Declaro não haver nenhum conflito de interesse. Declaro não haver nenhum conflito de interesse. Faculdade de Medicina do ABC Disciplina de Ginecologia Serviço do Prof. Dr. César Eduardo Fernandes Setor de Mastologia IVO CARELLI FILHO Maior dilema da

Leia mais

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 209/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 01/11/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

Controle loco-regional na doença metastática

Controle loco-regional na doença metastática Câncer de pâncreas Controle loco-regional na doença metastática Fabio Kater Centro Paulista de Oncologia Hospital Nove de Julho Não tenho conflitos de interesse FIGURE 1 Ten Leading Cancer Types for the

Leia mais

Radioterapia para Metástases em Coluna Eduardo Weltman Hospital Israelita Albert Einstein Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Radioterapia para Metástases em Coluna Aspectos Clínicos Indicações

Leia mais

Casos Clínicos: câncer de mama

Casos Clínicos: câncer de mama Casos Clínicos: câncer de mama Coordenador: Eder Babygton Alves Clinirad Curitiba PR Comentários: Dr. Alvaro Martinez Oakland University William Beaumont School of Medicine Dr. Robert Kuske MD Scottsdale

Leia mais

13th StGallenInternationalBreast CancerConference2013 Aspectos Clínicos. Marcelo R. S. Cruz Oncologista Clínico

13th StGallenInternationalBreast CancerConference2013 Aspectos Clínicos. Marcelo R. S. Cruz Oncologista Clínico 13th StGallenInternationalBreast CancerConference2013 Aspectos Clínicos Marcelo R. S. Cruz Oncologista Clínico Declaraçãode Conflitosde Interesse Não tenho conflitos para esta apresentação 13th Consenso

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

Programa de Mastologia do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás 74690-000, Brasil. rosraquel@hotmail.com; ruffojr@terra.com.

Programa de Mastologia do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás 74690-000, Brasil. rosraquel@hotmail.com; ruffojr@terra.com. Análise Descritiva de Pacientes Submetidas a Endocrinoterapia Neoadjuvante para Tratamento do Câncer de Mama em Estádios Avançados na Cidade de Goiânia. Raquel Oliveira dos Santos 1, Ruffo de Freitas Junior

Leia mais

Projeto Amazona: Desfechos Clínicos de Pacientes Públicos e Privados

Projeto Amazona: Desfechos Clínicos de Pacientes Públicos e Privados Projeto Amazona: Desfechos Clínicos de Pacientes Públicos e Privados Pedro E. R. Liedke Grupo Brasileiro de Estudos do Câncer de Mama; Serviço de Oncologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre; Instituto

Leia mais

Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama

Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama Declaro não haver conflito de interesse Dra Maria Cecília Monteiro Dela Vega Médica Oncologista Clínica- CEBROM e Hospital Araujo Jorge

Leia mais

Os Trabalhos/Abstracts mais Relevantes em Avaliação genética e tratamentos preventivos

Os Trabalhos/Abstracts mais Relevantes em Avaliação genética e tratamentos preventivos Os Trabalhos/Abstracts mais Relevantes em Avaliação genética e tratamentos preventivos Simône Noronha Hospital São José São Paulo - Brasil Índice: Radioterapia no câncer de mama hereditário (Revisão) Perfil

Leia mais

Mecanismos de resistência ao tratamento hormonal. José Bines Instituto Nacional de Câncer

Mecanismos de resistência ao tratamento hormonal. José Bines Instituto Nacional de Câncer Mecanismos de resistência ao tratamento hormonal José Bines Instituto Nacional de Câncer Declaração de conflito de interesses Sem conflito de interesses Opinião pessoal que pode não refletir necessariamente

Leia mais

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 38/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 22/02/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

IONE JAYCE CEOLA SCHNEIDER ELEONORA d ORSI

IONE JAYCE CEOLA SCHNEIDER ELEONORA d ORSI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAP GRADUAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICAP IONE JAYCE CEOLA SCHNEIDER ELEONORA d ORSI Os fatores relacionados com a sobrevida após

Leia mais

Sobrevida Mediana Classe I: 7,1 meses Classe II: 4,2 meses Classe III: 2,3 meses

Sobrevida Mediana Classe I: 7,1 meses Classe II: 4,2 meses Classe III: 2,3 meses Tratamento das Metástases Cerebrais Eduardo Weltman Hospital Israelita Albert Einstein Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Tratar ou Não Tratar? Piora do prognóstico Déficits neurológicos

Leia mais

Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama

Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama 2004 Projeto Núcleo Mama Porto Alegre Estudo com parceria entre Hospital

Leia mais

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação: Bioestatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2010 Organização Pesquisa Médica Variabilidade Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Leia mais

RM MAMÁRIA: quando indicar?

RM MAMÁRIA: quando indicar? RM MAMÁRIA: quando indicar? Lucio De Carli Serviço de Diagnóstico por Imagem da Mama Hospital Mãe de Deus SSMD Porto Alegre/RS e-mail: luciodc@terra.com.br RM MAMÁRIA - indicações - Incoerência EF x MG

Leia mais

Estado da arte: QT adjuvante para tumor Her-2 negativo

Estado da arte: QT adjuvante para tumor Her-2 negativo Estado da arte: QT adjuvante para tumor Her-2 negativo Ingrid A. Mayer, M.D., M.S.C.I. Professora Assistente Diretora, Pesquisa Clínica Programa de Câncer de Mama Vanderbilt-Ingram Cancer Center Nashville,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA IONE JAYCE CEOLA SCHNEIDER ESTUDO DE SOBREVIDA EM MULHERES COM CÂNCER

Leia mais

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

CIRURGIA CITORREDUTORA E NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL. Ademar Lopes

CIRURGIA CITORREDUTORA E NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL. Ademar Lopes CIRURGIA CITORREDUTORA E QUIMIOTERAPIA INTRAPERITONEAL HIPERTÉRMICA NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL Ademar Lopes CÂNCER COLORRETAL SOB mediana em doença avançada versus tratamento sistêmico Meyerhardt

Leia mais

TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto

TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto Médico Assistente do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP) FMUSP Médico Titular

Leia mais

Câncer de Testículo Não Seminomatoso

Câncer de Testículo Não Seminomatoso Câncer de Testículo Não Seminomatoso Estágio Clínico II Estado da Arte Fabio Kater Centro Paulista de Oncologia / Hospital Nove de Julho Introdução Incidência maior que no começo do século passado Idade

Leia mais

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV?

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Controvérsias no Tratamento de Câncer de Cabeça e Pescoço Localmente Avançado Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Igor A. Protzner Morbeck, MD, MSc Oncologista Clínico Onco-Vida,

Leia mais

Conclusões científicas

Conclusões científicas Anexo II Conclusões científicas e fundamentos para a alteração do Resumo das Características do Medicamento, da Rotulagem e do Folheto Informativo apresentados pela Agência Europeia de Medicamentos 7 Conclusões

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal Nota Técnica 90/2013 Data: 18/05/2014 Solicitante: Dr. Daniel da Silva Ulhoa Juíz de Direito Comarca de Timóteo Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo: 0009774-08.2014.8.13.0667

Leia mais

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA RESSONÂNCIA NUCLEAR MAGNÉTICA DAS MAMAS DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA A crescente experiência com a Ressonância Nuclear Magnética (RNM) vem trazendo dúvidas pertinentes quanto

Leia mais

Módulo Doença avançada

Módulo Doença avançada Módulo Doença avançada Radioterapia de SNC no Câncer de pulmão: Up date 2013 Robson Ferrigno Esta apresentação não tem qualquer conflito de interesse Metástases Cerebrais Câncer mais freqüente do SNC 1/3

Leia mais

Os Trabalhos/Abstracts mais Relevantes em Câncer de mama Tratamento Adjuvante: Hormonioterapia. José Bines Instituto Nacional de Câncer

Os Trabalhos/Abstracts mais Relevantes em Câncer de mama Tratamento Adjuvante: Hormonioterapia. José Bines Instituto Nacional de Câncer Os Trabalhos/Abstracts mais Relevantes em Câncer de mama Tratamento Adjuvante: Hormonioterapia José Bines Instituto Nacional de Câncer Índice Podemos selecionar pacientes para não receber tratamento adjuvante?

Leia mais

CARCINOMA DUCTAL IN SITU GUILHERME NOVITA SERVIÇO O DE MASTOLOGIA DISCIPLINA DE GINECOLOGIA - HCFMUSP

CARCINOMA DUCTAL IN SITU GUILHERME NOVITA SERVIÇO O DE MASTOLOGIA DISCIPLINA DE GINECOLOGIA - HCFMUSP CARCINOMA DUCTAL IN SITU GUILHERME NOVITA SERVIÇO O DE MASTOLOGIA DISCIPLINA DE GINECOLOGIA - HCFMUSP DEFINIÇÃO Mokbel et Cutulli, Lancet Oncol,, 2006; 7: 756-65 65 TIPOS DE CDIS Gaps > 2 cm Baixo grau

Leia mais

André Luís Montagnini Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo - HC/FMUSP

André Luís Montagnini Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo - HC/FMUSP PODE A RADIOQUIMIOTERAPIA SUBSTITUIR A DISSECÇÃO LINFONODAL ESTENDIDA NO CÂNCER GÁSTRICO? André Luís Montagnini Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo - HC/FMUSP http://www.cancerresearchuk.org/home/

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

RADIOTERAPIA HIPOFRACIONADA EM MAMA: INDICAÇÕES E RESULTADOS

RADIOTERAPIA HIPOFRACIONADA EM MAMA: INDICAÇÕES E RESULTADOS III ENCONTRO DE RESIDENTES DA SBRT 2012 RADIOTERAPIA HIPOFRACIONADA EM MAMA: INDICAÇÕES E RESULTADOS VINICIUS T. MOSCHINI DA SILVA Residente de Radioterapia HSPE/IAMSPE -SP Introdução O câncer de mama:

Leia mais

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Objetivo: Definir a extensão da doença: Estadiamento TNM (American Joint Committee on Cancer ). 1- Avaliação

Leia mais

Perfusao e Infusao Papel Atual Frente os Novos Tratamentos

Perfusao e Infusao Papel Atual Frente os Novos Tratamentos Perfusao e Infusao Papel Atual Frente os Novos Tratamentos Dr. André Molina Cirurgião Oncológico Mestre em Oncologia Núcleo de Câncer de Pele e Dermatologia Hospital A. C. Camargo - SP Conflitos de Interesse

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA

ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA Pinheiro, A.C ¹, Aquino, R. G. F. ¹, Pinheiro, L.G.P. ¹, Oliveira, A. L. de S. ¹, Feitosa,

Leia mais

Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento. Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013

Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento. Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013 Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013 Objetivos do seguimento após tratamento de Câncer Detecção

Leia mais

ATUALIZAÇÃO NO TRATAMENTO DO CARCINOMA INFLAMATÓRIO

ATUALIZAÇÃO NO TRATAMENTO DO CARCINOMA INFLAMATÓRIO São Paulo, 27-29 Novembro 2008. IV JORNADA PAULISTA DE MASTOLOGIA ATUALIZAÇÃO NO TRATAMENTO DO CARCINOMA INFLAMATÓRIO EDUARDO MILLEN HSPE-SP- IAMSPE/ EPM UNIFESP HOSPITAL VITA VOLTA REDONDA- RJ ATUALIZAÇÃO

Leia mais

Agentes Biológicos e Terapia Alvo em Câncer de Mama Metastático. Antonio C. Buzaid

Agentes Biológicos e Terapia Alvo em Câncer de Mama Metastático. Antonio C. Buzaid Agentes Biológicos e Terapia Alvo em Câncer de Mama Metastático Antonio C. Buzaid Índice TDM4450g: Trastuzumab Emtansine (T-DM1) Versus Trastuzumab + Docetaxel em Pacientes com CMM Her-2 + sem Tratamento:

Leia mais

Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira

Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira METÁSTASES CEREBRAIS INTRODUÇÃO O SIMPLES DIAGNÓSTICO DE METÁSTASE CEREBRAL JÁ PREDIZ UM POBRE PROGNÓSTICO.

Leia mais

FÓRUM Câncer de Mama. Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS

FÓRUM Câncer de Mama. Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS FÓRUM Câncer de Mama Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS Análise Situacional Marcadores das ações em saúde envolvendo a saúde da mulher na atual gestão: Pré-natal -

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal Nota Técnica 49/2013 Data: 23/03/2014 Solicitante: Dr. José Hélio da Silva Juíz de Direito da 4a Vara Civel Comarca de Pouso Alegre em Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo:

Leia mais

S R E V R I V Ç I O D E E C IR I URGIA I A T O T RÁCIC I A

S R E V R I V Ç I O D E E C IR I URGIA I A T O T RÁCIC I A Neoadjuvância Julio Espinel R2 CIT Cristiano Feijó Andrade Outubro 2009 Importância Estadiamento linfonodal Unificar para discutir e poder propor modificações; Selecionar tratamento multimodais; Discordâncias

Leia mais

Key Words: câncer de mama, quimioterapia neoadjuvante, quimioterapia, resposta patológica, carbopaltina.

Key Words: câncer de mama, quimioterapia neoadjuvante, quimioterapia, resposta patológica, carbopaltina. Alta taxa de resposta completa patológica (prc) em câncer de mama triplo negativo após quimioterapia neoadjuvante sequencial Augusto Ribeiro GABRIEL, MD* Ruffo de FREITAS JÚNIOR, MD, PhD* * Programa de

Leia mais

Caso Clínico para Site SBM

Caso Clínico para Site SBM Caso Clínico para Site SBM 18/03/13 Primeira consulta Paciente 35 anos Feminino Parda Casada Brasileira Natural de Pacatuba-CE Queixa Principal: Nódulo doloroso em MAMA DIREITA há 2 meses. Refere Ultrasonografia

Leia mais

Arn Migowski. Diretrizes Nacionais para a Detecção Precoce do Câncer de Mama

Arn Migowski. Diretrizes Nacionais para a Detecção Precoce do Câncer de Mama Diretrizes Nacionais para a Detecção Precoce do Câncer de Mama Arn Migowski Médico sanitarista e epidemiologista Divisão de Detecção Precoce Instituto Nacional de Câncer INCA, 09 de outubro de 2015 Declaro

Leia mais

Tratamento adjuvante sistêmico (como decidir)

Tratamento adjuvante sistêmico (como decidir) Tópicos atuais em câncer de mama Tratamento adjuvante sistêmico (como decidir) Dr. André Sasse Oncologista Clínico sasse@cevon.com.br Centro de Evidências em Oncologia HC UNICAMP Centro de Evidências em

Leia mais

TEMA: Octreotida LAR no tratamento de tumor neuroendócrino

TEMA: Octreotida LAR no tratamento de tumor neuroendócrino NTRR 31/2013 Solicitante: Juiz Juarez Raniero Número do processo:0479.13.003726-6 Reu: Secretaria de Saúde de Passos Data: 25/03/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura TEMA: Octreotida LAR

Leia mais

Terapia hormonal prévia e adjuvante à radioterapia externa no tratamento do câncer de próstata

Terapia hormonal prévia e adjuvante à radioterapia externa no tratamento do câncer de próstata Terapia hormonal prévia e adjuvante à radioterapia externa no tratamento do câncer de próstata N o 145 Março/2015 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que

Leia mais

Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Cerca de 11.7 milhões de sobreviventes de câncer nos EUA em 2007. Destes 2.6 milhões ou 22% são

Leia mais

Setor de PET/CT & Medicina Nuclear PET/CT (FDG) Agradecimento a Dra. Carla Ono por ceder material científico

Setor de PET/CT & Medicina Nuclear PET/CT (FDG) Agradecimento a Dra. Carla Ono por ceder material científico PET/CT (FDG) Agradecimento a Dra. Carla Ono por ceder material científico EMENTA 1. PET/CT com FDG: Conceitos básicos 2. PET/CT-FDG no CA de Pulmão e NPS: a. Indicações aprovadas pela ANS b. Bases científicas

Leia mais

COMO SEGUIR AS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA? Dr. José Luiz B. Bevilacqua

COMO SEGUIR AS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA? Dr. José Luiz B. Bevilacqua COMO SEGUIR AS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA? Dr. José Luiz B. Bevilacqua DECLARAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE Nenhum conflito de interesse COMO SEGUIR AS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA? Como fazer o acompanhamento

Leia mais

BENDAMUSTINA PARA LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA. Data: 31/01/2013. Medicamento. Nota Técnica 07/ 2013. Material

BENDAMUSTINA PARA LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA. Data: 31/01/2013. Medicamento. Nota Técnica 07/ 2013. Material Data: 31/01/2013 Nota Técnica 07/ 2013 Número do processo: MANDADO DE SEGURANÇA nº 145120844231, impetrado por Luiz Ernesto Bernardino Alves Filho contra ato do Secretário de Saúde de Juiz de Fora Medicamento

Leia mais

TRATAMENTO SISÊMICO NEOADJUVANTE SEGUIDO DE CITORREDUÇÃO DE INTERVALO. Eduardo Vieira da Motta

TRATAMENTO SISÊMICO NEOADJUVANTE SEGUIDO DE CITORREDUÇÃO DE INTERVALO. Eduardo Vieira da Motta TRATAMENTO SISÊMICO NEOADJUVANTE SEGUIDO DE CITORREDUÇÃO DE INTERVALO Eduardo Vieira da Motta Sobrevida global por doença residual Fatos Citorredução é efetiva porque há quimioterapia Maior volume tumoral,

Leia mais

II ENCONTRO DE UROLOGIA DO SUDESTE CÂNCER DE BEXIGA QUANDO INDICAR UMA TERAPIA MAIS AGRESSIVA NO T1 DE ALTO GRAU? CARLOS CORRADI

II ENCONTRO DE UROLOGIA DO SUDESTE CÂNCER DE BEXIGA QUANDO INDICAR UMA TERAPIA MAIS AGRESSIVA NO T1 DE ALTO GRAU? CARLOS CORRADI II ENCONTRO DE UROLOGIA DO SUDESTE CÂNCER DE BEXIGA QUANDO INDICAR UMA TERAPIA MAIS AGRESSIVA NO T1 DE ALTO GRAU? CARLOS CORRADI T1 ALTO GRAU DOENCA AGRESSIVA 4ª Causa de Óbito oncológico Pouca melhora

Leia mais

Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07

Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07 Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07 Tema: Linfonodo sentinela no câncer de mama I Data: 27/09/2007 II Grupo de Estudo: Izabel Cristina Alves Mendonça; Célia Maria da Silva;

Leia mais

Tratamento quimioterápico de primeira-linha na doença resistente à castração Fábio A. B. Schütz

Tratamento quimioterápico de primeira-linha na doença resistente à castração Fábio A. B. Schütz Tratamento quimioterápico de primeira-linha na doença resistente à castração Fábio A. B. Schütz Hospital São José; São Paulo, SP Introdução Câncer de próstata castração-resistente (CRPC) A maioria dos

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

16/04/2015 CÂNCER DE PULMÃO. Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação?

16/04/2015 CÂNCER DE PULMÃO. Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação? Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação? Bruno Hochhegger MD, PhD Médico Radiologista do Pavilhão Pereira Filho e Hospital Dom Vicente Scherer Professor de Radiologia da UFCSPA e PUC/RS

Leia mais

Paciente de Alto Risco

Paciente de Alto Risco Paciente de Alto Risco Novas Fronteiras do Bloqueio Estrogênico na Prevenção do Câncer de Mama Não há conflitos de interesse. Nunca recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade

Leia mais

Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) no Tratamento do. Câncer de Cabeça e Pescoço. Contexto da Medicina Baseada em Evidências

Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) no Tratamento do. Câncer de Cabeça e Pescoço. Contexto da Medicina Baseada em Evidências CONGRESSO DE AUDITORIA - NATAL - 2015 Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) no Tratamento do Câncer de Cabeça e Pescoço Contexto da Medicina Baseada em Evidências Tratamento do Câncer de Cabeça e

Leia mais

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA.

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. OUTUBRO ROSA ^ um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA ~ prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. ~ ^ O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete

Leia mais

ÉRICA ELAINE TRAEBERT CÂNCER DE MAMA EM MULHERES COM IDADE IGUAL OU SUPERIOR A 65 ANOS: ESTUDO DE PROBABILIDADE DE SOBREVIDA LIVRE DE DOENÇA

ÉRICA ELAINE TRAEBERT CÂNCER DE MAMA EM MULHERES COM IDADE IGUAL OU SUPERIOR A 65 ANOS: ESTUDO DE PROBABILIDADE DE SOBREVIDA LIVRE DE DOENÇA ÉRICA ELAINE TRAEBERT CÂNCER DE MAMA EM MULHERES COM IDADE IGUAL OU SUPERIOR A 65 ANOS: ESTUDO DE PROBABILIDADE DE SOBREVIDA LIVRE DE DOENÇA FLORIANÓPOLIS 2006 1 ÉRICA ELAINE TRAEBERT CÂNCER DE MAMA EM

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

TEMA: Trastuzumabe (Herceptin ) para tratamento câncer de mama localmente avançado

TEMA: Trastuzumabe (Herceptin ) para tratamento câncer de mama localmente avançado NTRR 09/2013 Solicitante: Desembargador Alyrio Ramos Número do processo: 1.0134.12.010459-8/001 Impetrato: Secretaria de Caratinga Data: 02/02/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Trastuzumabe

Leia mais

Recomendações do tratamento do câncer de rim estadio T1

Recomendações do tratamento do câncer de rim estadio T1 V Congresso Internacional de Uro-Oncologia Recomendações do tratamento do câncer de rim estadio T1 Afonso C Piovisan Faculdade de Medicina da USP São Paulo Ari Adamy Hospital Sugusawa e Hospital Santa

Leia mais

Câncer de próstata. Câncer de próstata localmente avançado Resultados do tratamento com radioterapia e supressão hormonal.

Câncer de próstata. Câncer de próstata localmente avançado Resultados do tratamento com radioterapia e supressão hormonal. Câncer de próstata Câncer de próstata localmente avançado Resultados do tratamento com radioterapia e supressão hormonal Robson Ferrigno RT + HT Bloqueio hormonal isolado: sem intuito curativo Associado

Leia mais

AJUSTE DO MODELO DE COX A DADOS DE CÂNCER DE MAMA

AJUSTE DO MODELO DE COX A DADOS DE CÂNCER DE MAMA AJUSTE DO MODELO DE COX A DADOS DE CÂNCER DE MAMA Luciene Resende Gonçalves 1, Verônica kataoka 2, Mário Javier Ferrua Vivanco 3, Thelma Sáfadi 4 INTRODUÇÃO O câncer de mama é o tipo de câncer que se manifesta

Leia mais

TEMA: Temozolomida para tratamento de glioblastoma multiforme

TEMA: Temozolomida para tratamento de glioblastoma multiforme NOTA TÉCNICA 256/2013 Solicitante Dr. Carlos Renato de Oliveira Corrêa Juiz de Direito São Domingos do Prata Data: 19/12/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Processo número: 0610.13.002372-0

Leia mais

Tema: Tratamento da Doença Leptomeníngea

Tema: Tratamento da Doença Leptomeníngea Módulo: Doença Metastática para Sistema Nervoso central Bloco: Manejo das Lesões Múltiplas Tema: Tratamento da Doença Leptomeníngea Aknar Calabrich Oncologia Clínica Em 1 ano... Pubmed 67 artigos (nenhum

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

vulva 0,9% ovário 5,1%

vulva 0,9% ovário 5,1% endométrio 12,3% ovário 5,1% vulva 0,9% colo uterino 13,3% câncer de mama 68,4% Maior incidência nas mulheres acima de 60 anos ( 75% ) Em 90% das mulheres o primeiro sintoma é o sangramento vaginal pós-menopausa

Leia mais

PARECER TÉCNICO-CIENTÍFICO DE TECNOLOGIA EM SAÚDE EVEROLIMUS NO TRATAMENTO DO CÂNCER METASTÁTICO DE MAMA POSITIVO PARA RECEPTOR HORMONAL

PARECER TÉCNICO-CIENTÍFICO DE TECNOLOGIA EM SAÚDE EVEROLIMUS NO TRATAMENTO DO CÂNCER METASTÁTICO DE MAMA POSITIVO PARA RECEPTOR HORMONAL PARECER TÉCNICO-CIENTÍFICO DE TECNOLOGIA EM SAÚDE EVEROLIMUS NO TRATAMENTO DO CÂNCER METASTÁTICO DE MAMA POSITIVO PARA RECEPTOR HORMONAL Belo Horizonte Junho/2013 1 Declaração de Potenciais Conflitos de

Leia mais

TEMA: Abiraterona (Zytiga ) para tratamento de câncer de próstata avançado sem quimioterapia prévia.

TEMA: Abiraterona (Zytiga ) para tratamento de câncer de próstata avançado sem quimioterapia prévia. NTRR 158/2014 Solicitante: Juíz: Dra. Solange Maria de Lima Oliveira Juiza da 1ª Vara Cível de Itaúna. Data: 04/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0338.14.006.873-9

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO Apudoma 0304020117 Quimioterapia paliativa de apudoma (doença loco-regional avançada, inoperável, metastática ou recidivada; alteração da função hepática;

Leia mais

Comitê Gestor dos Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços COGEP

Comitê Gestor dos Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços COGEP Comitê Gestor dos Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços COGEP GT Indicadores de SADT 3ª Reunião Subgrupo Oncologia 22 de abril de 2013 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Definição da Estratificação

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

História natural de carcinoma lobular x ductal

História natural de carcinoma lobular x ductal Filomena Marino Carvalho filomena@usp.br História natural de carcinoma lobular x ductal 1 Classificaçãohistológicados tumores de mama Carcinoma invasivo de tipo não especial (ductal invasivo) Subtipos

Leia mais

SEQUENCIAMENTO DA HORMONIOTERAPIA NA DOENÇA METASTÁTICA DO INÍCIO ATÉ A RESISTÊNCIA HORMONAL?

SEQUENCIAMENTO DA HORMONIOTERAPIA NA DOENÇA METASTÁTICA DO INÍCIO ATÉ A RESISTÊNCIA HORMONAL? SEQUENCIAMENTO DA HORMONIOTERAPIA NA DOENÇA METASTÁTICA DO INÍCIO ATÉ A RESISTÊNCIA HORMONAL? ELIAS ABDO CHEFE DO SERVIÇO ONCO-GINECOLOGIA CLÍNICA ICESP SÃO PAULO, 23 DE NOVEMBRO 2012 Conflito de Interesse

Leia mais

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM Qual é a situação do câncer de mama? Pode ser prevenido? Como prevenir? Qual o papel da mamografia?

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS HÁBITOS H VIDA NO CÂNCER DE MAMA. Prof. Dr. Henrique Brenelli CAISM - UNICAMP

INFLUÊNCIA DOS HÁBITOS H VIDA NO CÂNCER DE MAMA. Prof. Dr. Henrique Brenelli CAISM - UNICAMP INFLUÊNCIA DOS HÁBITOS H DE VIDA NO CÂNCER DE MAMA Prof. Dr. Henrique Brenelli CAISM - UNICAMP Transtornos depressivos e câncer de mama Incidência população geral: 8% pacientes com ca de mama: 30% Qualidade

Leia mais

TEMA: Temozolomida para tratamento de glioblastoma multiforme

TEMA: Temozolomida para tratamento de glioblastoma multiforme NOTA TÉCNICA 2014 Solicitante Dr. Renato Martins Prates Juiz Federal da 8ª Vara Data: 19/02/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Temozolomida para tratamento de glioblastoma multiforme

Leia mais

NLST: estamos prontos para o rastreamento do câncer de pulmão?

NLST: estamos prontos para o rastreamento do câncer de pulmão? NLST: estamos prontos para o rastreamento do câncer de pulmão? Vladmir Cláudio Cordeiro de Lima, MD, PhD Hospital A.C. Camargo São Paulo - Brasil Rastreamento do Câncer de Pulmão Fonte: World Health Organization.

Leia mais

Prostatectomia para doença localmente avançada. José Milfont Instituto de Urologia do Rio de Janeiro

Prostatectomia para doença localmente avançada. José Milfont Instituto de Urologia do Rio de Janeiro Prostatectomia para doença localmente avançada José Milfont Instituto de Urologia do Rio de Janeiro Apesar dos esforços para detecção precoce do câncer de próstata: 10% dos homens ainda são diagnosticados

Leia mais

Uso de Citrato de Clomifeno: existe abuso?

Uso de Citrato de Clomifeno: existe abuso? Hospital Regional da Asa Sul (HRAS) Setor de Reprodução 46 o Congresso Humancopia de Ginecológica Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal Uso de Citrato de Clomifeno: existe abuso? Natalia I. Zavattiero

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais