CURSO DE INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO DE INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA"

Transcrição

1 CURSO DE INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA INTRODUÇÃO TEÓRICA E OBSERVACIONAL 1

2 Introdução Este curso destina-se a todas as pessoas interessadas por observações astronômicas, sendo adequado a qualquer pessoa. Estudantes de qualquer área, professores do ensino básico e secundário ou simplesmente interessados em Astronomia que queiram uma experiência prática de observação astronômica poderão usufruir deste curso. Objetivos O objetivo do curso é familiarizar os conceitos e terminologia da Astronomia moderna. No final deste curso o formando terá uma visão geral sobre o Universo em que vivemos, e a informação necessária para observar e compreender a esfera celeste. Terá também a informação necessária para auxiliá-lo na aquisição, utilização e manutenção dos equipamentos astronômicos de forma adequada, ao mesmo tempo em que ganha uma compreensão técnica e teórica sobre os instrumentos de óptica. Pretende-se com este curso fornecer conhecimentos introdutórios de técnicas de observação a olho nu/binóculos/telescópios, assim como familiarizar os interessados com os conceitos essenciais e terminologia para a realização de observações eficientes. O objetivo final a atingir será que os participantes consigam planejar e executar as suas próprias observações. Para as aulas práticas será disponibilizado o equipamento astronômico necessário, incluindo telescópios, oculares, filtros e outros acessórios de modo a oferecer uma experiência de manuseio com estes equipamentos. 2

3 Estrutura do Curso O curso está dividido em três tipos de aulas, que no total somam 20 horas de formação, que serão distribuídas por três semanas: Teóricas 6 horas Técnicas 8 horas Práticas 5 horas Aulas: O curso terá ao todo cinco aulas práticas noturnas, onde se aprenderá a utilizar o telescópio, a conhecer o céu noturno, fazer orientação pelas estrelas principais e reconhecer os movimentos e ângulos de posição fundamentais. Não haverá alteração do horário e dias das aulas. Contudo, se por razão de força maior for combinada uma substituição, esta será também informada por aos participantes. Se as condições meteorológicas o exigirem, as aulas de observação astronômica serão adiadas. Valor do curso: R $ 8 0, 0 0 Inscrições: são exclusivamente efetuadas no site: w w w. s o c i e d a d e a s t r o n o m i c a. c o m. b r Fone: /

4 Datas do curso: 26 de Abril(sábado) 27 de Abril(Domingo) 03 de Maio(Sábado) 04 de Maio(Domingo) Totalizando 4 aulas Vagas: 20 Horário: As aulas iniciarão às 14hs, exceto a aula prática que iniciará mais tarde. Maiores informações serão repassadas na primeira aula. Endereço: Sede do I.P.P.P. - Rua Sérgio Magalhães, 54, bairro das Graças, Recife, Pernambuco. Certificado: Serão conferidos certificados de conclusão do curso, aos participantes que tiverem 75% de presença. Nele constarão os dados pessoais, o percentual de presença e o número de horas do curso (20hs). 4

5 Programa do Curso Aula n 1 História da Astronomia e a visão dos mundos Será apresentada uma retrospectiva desde o início da Astronomia até os dias atuais, mostrando também a grande revolução causada por Galileu Galilei. Aula n 2 Observação Astronômica 1. Localize-se! Como nos orientamos no céu? 2. Estrelas e Constelações: da Antiguidade à IAU. 3. Referências: Polos, Zênite, Nadir, Horizonte e Meridiano. 4. Coordenadas Locais: Altura e Azimute. 5. Coordenadas Equatoriais: Ascenção Reta α e Declinação δ. 6. Usando a carta celeste 7. Software de Simulação do Céu: Celestia e Stellarium 5

6 1. O que é um planeta Aula n 3 Introdução ao Sistema Solar 2. Classificações dos planetas 2.1 Planetas telúricos ou de tipo terrestre. 2.2 Planetas gigantes. 2.3 Planetas anões. 2.4 Centauros, troianos, transneptunianos e mais 2.5 Pequenos corpos do Sistema Solar. 3. Dinâmica orbital 3.1 Movimentos dos planetas, órbitas e interações orbitais. 3.2 A formação dos planetas. 4. Os planetas de tipo terrestre 4.1 Interiores dos planetas telúricos. 4.2 Processos de formação da crusta no Sistema Solar. 4.3 Geologia planetária. 4.4 Principais marcas presentes nas superfícies planetárias. 5. Interiores dos planetas gigantes 5.1 Porque são uns gigantes gasosos e outros gigantes gelados. 5.2 Júpiter: uma estrela que não chegou a nascer. 6. As luas do Sistema Solar 6.1 Os seus interiores. 6.2 O oceano de Europa, os gêiseres de Encelado e os vulcões de Io. 6.3 As suas superfícies e processos que as modificam. 6.4 Corpos menores do Sistema Solar 6

7 Aula n 4 O que é uma Estrela 1. A Formação Estelar 2. Características Físicas de uma Estrela 3. Sequência Principal e a Fusão de Hidrogênio. 4. Diagrama de Hertzprung-Russell. 5. Gigantes Vermelhas e a Fusão do Hélio ao Carbono. 6. Estágios Finais da Vida de uma Estrela: 7. Estrelas Compactas de Pequena Massa. Anãs Brancas. 8. Supernovas. Sintetização dos Elementos Químicos Pesados. Aula n 5 Equipamentos de Observação 1. Parâmetros Característicos de um b i n ó c u l o 2. Parâmetros Característicos de um Telescópio 3. Qualidade Óptica do Aparelho 4. Poder de Resolução 5. Poder de ampliação 6. Diâmetro da Óptica Primária 7. Poder de Captação de Luz 8. Tipos de Telescópio: 9. Telescópios Refratores 10. Telescópios Refletores 11. Montagem Equatorial e azimutal 7

8 Aula n 6 Observação do céu 1. O céu profundo: como observar Estrelas duplas, variáveis, Aglomerados estelares (abertos e globulares), nebulosas e galáxias. 2. Catálogos de objetos difusos NGC, Messier 3. Como observar o nosso Sistema Solar. 4. Como utilizar um anuário astronômico. 5. Como planejar uma observação astronômica. Aula n 7 Observação prática 1. Utilização da carta celeste. 2. Observação a olho nu: reconhecimento das principais estrelas, constelações e planetas. 3. Observação com binóculos e telescópios: Aglomerados de estrelas, nebulosas, estrelas duplas, galáxias. 8

INICIAÇÃO ÀS OBSERVAÇÕES ASTRONÓMICAS CURSO DE OBSERVAÇÕES ASTRONÓMICAS OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA. João Nuno Retrê

INICIAÇÃO ÀS OBSERVAÇÕES ASTRONÓMICAS CURSO DE OBSERVAÇÕES ASTRONÓMICAS OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA. João Nuno Retrê CURSO DE OBSERVAÇÕES ASTRONÓMICAS NO OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA INICIAÇÃO ÀS OBSERVAÇÕES ASTRONÓMICAS MÓDULO: CIA IOB João Nuno Retrê Abril, Maio e Julho de 2016 Conteúdo Objectivos e Estrutura

Leia mais

INICIAÇÃO À ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA CURSO DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA. Rui Jorge Agostinho José Manuel Afonso

INICIAÇÃO À ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA CURSO DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA. Rui Jorge Agostinho José Manuel Afonso CURSO DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA NO OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA INICIAÇÃO À ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA MÓDULO: CA IAA Rui Jorge Agostinho José Manuel Afonso Janeiro e Junho de 2017 Conteúdo Objectivos

Leia mais

XI CURSO DE INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA

XI CURSO DE INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA Plutão SAR - SOCIEDADE ASTRONÔMICA DO RECIFE XI CURSO DE INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA INTRODUÇÃO TEÓRICA E OBSERVACIONAL R 1 Introdução Este curso destina-se a todas as pessoas interessadas por observações

Leia mais

Curso de Introdução à Astronomia e Utilização de Telescópios

Curso de Introdução à Astronomia e Utilização de Telescópios Curso de Introdução à Astronomia e Utilização de Telescópios Esta acção de formação destina-se a utilizadores de telescópios com pouca experiência prática de observação ou amadores que queiram saber mais

Leia mais

Curso de Introdução à Astronomia e Utilização de Telescópios

Curso de Introdução à Astronomia e Utilização de Telescópios Curso de à Astronomia e Utilização de Telescópios Esta acção de formação destina-se a utilizadores de telescópios com pouca experiência prática de observação ou amadores que queiram saber mais sobre o

Leia mais

CURSO AVANÇADO EM ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA O NOVO SISTEMA SOLAR. David Luz MÓDULO CAOAL SS.

CURSO AVANÇADO EM ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA O NOVO SISTEMA SOLAR. David Luz MÓDULO CAOAL SS. CURSO AVANÇADO EM ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA DO OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA O NOVO SISTEMA SOLAR MÓDULO CAOAL SS David Luz Março de 2013 Conteúdo Objectivos e Estrutura do Curso..............................

Leia mais

TESTE TIPO Nº1 UNIVERSO GRUPO I

TESTE TIPO Nº1 UNIVERSO GRUPO I TESTE TIPO Nº1 UNIVERSO GRUPO I 1. Exemplos de astros com luz própria são: A. o Sol e a Lua. B. as estrelas e a Lua. C. as estrelas. 2. As galáxias são formadas por: A. apenas estrelas. B. estrelas e planetas.

Leia mais

CURSO DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA VIDA E MORTE DAS ESTRELAS MÓDULO: CA VME. Rui Jorge Agostinho.

CURSO DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA VIDA E MORTE DAS ESTRELAS MÓDULO: CA VME. Rui Jorge Agostinho. CURSO DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA NO OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA VIDA E MORTE DAS ESTRELAS MÓDULO: CA VME Rui Jorge Agostinho Outubro de 2016 Conteúdo Objectivos e Estrutura do Curso..............................

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia. Fundamentos de Astronomia e Astrofísica

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia. Fundamentos de Astronomia e Astrofísica Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia Fundamentos de Astronomia e Astrofísica Prof. Rogério Riffel Por que estudamos astronomia? Por que estudamos astronomia?

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia. Fundamentos de Astronomia e Astrofísica: FIS02010

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia. Fundamentos de Astronomia e Astrofísica: FIS02010 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia Fundamentos de Astronomia e Astrofísica: FIS02010 Prof. Tibério B. Vale Bibliografia básica: http://astro.if.ufrgs.br/

Leia mais

ROTEIRO DO PROFESSOR

ROTEIRO DO PROFESSOR VISITAS DE ESTUDO ROTEIRO DO PROFESSOR Para a realização da visita escolar ao Centro Ciência Viva de Constância, o professor pode escolher de entre os seguintes Menus apresentados, tendo em conta o nível

Leia mais

Astrofísica Geral. Tema 02: Noções de Astronomia

Astrofísica Geral. Tema 02: Noções de Astronomia ma 02: Noções de Astronomia Outline 1 Forma e movimentos da rra 2 Constelações 3 Estações do ano 4 Esfera celeste 5 Medidas de tempo 6 Bibliografia 2 / 48 Outline 1 Forma e movimentos da rra 2 Constelações

Leia mais

10 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia

10 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia 10 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 18 de março de 2015 15:00 (Continente e Madeira) / 14:00 (Açores) Duração máxima 120 minutos Notas: Leia atentamente todas as questões.

Leia mais

ROTEIRO DO PROFESSOR

ROTEIRO DO PROFESSOR VISITAS DE ESTUDO ROTEIRO DO PROFESSOR Para a realização da visita escolar ao Centro Ciência Viva de Constância, o professor pode escolher de entre os seguintes Menus apresentados, tendo em conta o nível

Leia mais

2. Alguns conceitos e convenções na relação da Terra com o Céu

2. Alguns conceitos e convenções na relação da Terra com o Céu 2. Alguns conceitos e convenções na relação da Terra com o Céu Luís Cunha Depº de Física Universidade do Minho Esfera Celeste Equador Celeste Equador Pólo Norte Celeste Pólo Sul Celeste Pólo Norte Pólo

Leia mais

OBA Astronomia. Prof. MSc. Elton Dias Jr.

OBA Astronomia. Prof. MSc. Elton Dias Jr. OBA-2011 -Astronomia Prof. MSc. Elton Dias Jr. Astronomia de Posição 1. Astronomia de Posição 1.1. Coordenadas Celestes Devemos imaginar que as estrelas estão fixas na superfície de uma esfera oca, cujo

Leia mais

Colisões de galáxias. Gastão B. Lima Neto IAG/USP

Colisões de galáxias. Gastão B. Lima Neto IAG/USP Colisões de galáxias Gastão B. Lima Neto IAG/USP AGA extensão junho / 2008 O que são galáxias? Do grego, Galaxias Kyklos = círculo leitoso (γαλαξίας =galaxias = leite). Segundo a mitologia grega, leite

Leia mais

Ficha de Avaliação Sumativa 2

Ficha de Avaliação Sumativa 2 Ficha de Avaliação Sumativa 2 DISCIPLINA: Física e Química 7 ºAno de escolaridade 2015/2016 Data: Nome: Turma: N.º Classificação: (%) A Docente: E. E: As respostas às questões deste enunciado devem ser

Leia mais

Telescópios na Escola. Osvaldo Souza Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas USP Instituto de Física - USP

Telescópios na Escola. Osvaldo Souza Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas USP Instituto de Física - USP Telescópios na Escola Osvaldo Souza (osvald.souza@usp.br) Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas USP Instituto de Física - USP Recentemente o sistema educacional brasileiro vem aumentando

Leia mais

Urano(Úrano em Portugal) é o sétimo planeta a partir do Sol, o terceiro maior e o quarto mais massivo dos oito planetas do Sistema Solar.

Urano(Úrano em Portugal) é o sétimo planeta a partir do Sol, o terceiro maior e o quarto mais massivo dos oito planetas do Sistema Solar. Urano(Úrano em Portugal) é o sétimo planeta a partir do Sol, o terceiro maior e o quarto mais massivo dos oito planetas do Sistema Solar. Foi nomeado em homenagem ao deus grego do céu, Urano, o pai de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS JOINVILLE CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE CURSO BACHARELADO INTERDISCIPLINAR EM MOBILIDADE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS JOINVILLE CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE CURSO BACHARELADO INTERDISCIPLINAR EM MOBILIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS JOINVILLE CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE CURSO BACHARELADO INTERDISCIPLINAR EM MOBILIDADE SEMESTRE 2016/1 I. IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Nome: Astrofísica

Leia mais

Universo Competências a atingir no final da unidade

Universo Competências a atingir no final da unidade Universo Competências a atingir no final da unidade Constituição e origem do Universo. Como é constituído globalmente o Universo. Saber mencionar e distinguir objectos celestes como galáxia, supernova,

Leia mais

Resumo Expandido. Título da Pesquisa: Astrofotografia do sistema solar e objetos de fundo de céu

Resumo Expandido. Título da Pesquisa: Astrofotografia do sistema solar e objetos de fundo de céu Resumo Expandido Título da Pesquisa: Astrofotografia do sistema solar e objetos de fundo de céu Palavras-chave: Astrofotografias, câmera CCD, filtros LRGB, RegiStax, DeepSkyStaker Campus: Bambuí Tipo de

Leia mais

O Universo e o Sistema Solar

O Universo e o Sistema Solar O Universo e o Sistema Solar 1 O cientista não estuda a natureza porque ela é útil; ele a estuda porque tem prazer nisso, e ele tem prazer nisso porque ela é linda. Se a natureza não fosse linda, não valeria

Leia mais

Espaço. 1. Universo. Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Básica Manuel Figueiredo Agrupamento de Escolas Gil Paes

Espaço. 1. Universo. Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Básica Manuel Figueiredo Agrupamento de Escolas Gil Paes Espaço 1. Universo Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Básica Manuel Figueiredo Agrupamento de Escolas Gil Paes Corpos celestes 1.1 Distinguir vários corpos celestes. Estrela Astro

Leia mais

Planetas são:

Planetas são: Características dos planetas (Pp. 71 a 78) Planetas do Sistema Solar Planeta Planeta anão Mercúrio Vénus Terra Marte Júpiter Saturno Úrano Neptuno Atenção às Páginas do MANUAL Manual Espaço Manual Pg.

Leia mais

O céu pertence a todos

O céu pertence a todos I Curso Introdução à Astronomia Jan 2017 O céu pertence a todos Daniel R. C. Mello Observatório do Valongo - UFRJ Nesta aula veremos: A divisão do céu e o conceito de constelações O conceito de esfera

Leia mais

2.2 Os planetas e as características que os distinguem

2.2 Os planetas e as características que os distinguem Período de rotação O tempo que um planeta demora para realizar uma rotação completa em torno do seu eixo chama-se período de rotação e corresponde a um dia nesse planeta. Mercúrio Vénus Saturno 59 dias

Leia mais

Astrofísica Geral. Tema 01: Astronomia Antiga

Astrofísica Geral. Tema 01: Astronomia Antiga ma 01: Astronomia Antiga Outline 1 Curso de Astrofísica 2 Astronomia antes dos gregos 3 Astronomia grega 4 Astronomia nas américas 5 Astronomia pré-telescópio 6 Desenvolvimento dos telescópios 7 Bibliografia

Leia mais

Disciplina: Físico-Química 7ºX Aula nº X Data XX/XX/201X Plano de aula

Disciplina: Físico-Química 7ºX Aula nº X Data XX/XX/201X Plano de aula Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos Infante D. Henrique Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Disciplina: Físico-Química 7ºX Aula nº X Data XX/XX/201X Plano de aula Duração da aula: 45 min Unidade

Leia mais

4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova Final Nacional 5 de Junho de :00

4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova Final Nacional 5 de Junho de :00 4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova Final Nacional 5 de Junho de 2009 15:00 Duração máxima 120 minutos Leia atentamente todas as questões. A questão 1 é de escolha múltipla. Nas restantes questões

Leia mais

O Nosso sistema solar faz parte de uma galáxia. A Via Láctea

O Nosso sistema solar faz parte de uma galáxia. A Via Láctea NÓS E O UNIVERSO 1 O Nosso sistema solar faz parte de uma galáxia A Via Láctea VIA LÁCTEA OUTRAS GALÁXIAS Andrómeda Grande Nuvem de Magalhães Pequena Nuvem de Magalhães SISTEMA SOLAR S M V T M J S U N

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Martins Setúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação Físico Química Ano Lectivo 2007/ 2008 N. º NOME: TURMA: B CLASSIFICAÇÃO 1. O Rui e a Sofia são alunos do 7º ano. Depois

Leia mais

Evolução Estelar. Introdução à Astronomia Prof. Alessandro Moisés Colegiado Acadêmico de Ciências da Natureza SBF

Evolução Estelar. Introdução à Astronomia Prof. Alessandro Moisés Colegiado Acadêmico de Ciências da Natureza SBF Evolução Estelar Introdução à Astronomia 2015.2 Prof. Alessandro Moisés Colegiado Acadêmico de Ciências da Natureza SBF http://www.univasf.edu.br/~ccinat.bonfim http://www.univasf.edu.br/~alessandro.moises

Leia mais

Ficha de Avaliação Sumativa 1

Ficha de Avaliação Sumativa 1 Ficha de Avaliação Sumativa 1 DISCIPLINA: Física e Química 7 ºAno de escolaridade 2015/2016 Data: Nome: Turma: N.º Classificação: (%) A Docente: E. E: As respostas às questões deste enunciado devem ser

Leia mais

Estrelas. Carlos Alberto Bielert Neto Felipe Matheus da S. Silva

Estrelas. Carlos Alberto Bielert Neto Felipe Matheus da S. Silva Estrelas Carlos Alberto Bielert Neto Felipe Matheus da S. Silva Nesta apresentação há slides em branco que contem dicas sobre a aula sobre estrelas. Estas dicas são resultados das perguntas realizadas

Leia mais

ESCOLA PÚBLICA DE ASTROFOTOGRAFIA AULA 02 DADOS E COMPLEMENTOS ESSENCIAIS

ESCOLA PÚBLICA DE ASTROFOTOGRAFIA AULA 02 DADOS E COMPLEMENTOS ESSENCIAIS ESCOLA PÚBLICA DE ASTROFOTOGRAFIA AULA 02 DADOS E COMPLEMENTOS ESSENCIAIS SUMÁRIO 02. DADOS E COMPLEMENTOS ESSENCIAIS Sistema Horizontal ou Altazimutal de Coordenadas Pontos Cardeais Azimute Altura/Ângulo

Leia mais

Universidade da Madeira. Grupo de Astronomia. Nós s e o Universo. (c) 2009/2014 Grupo de Astronomia da Universidade da Madeira

Universidade da Madeira. Grupo de Astronomia. Nós s e o Universo. (c) 2009/2014 Grupo de Astronomia da Universidade da Madeira Nós s e o Universo 1 (c) 2009/2014 da Universidade da Madeira A Terra, a Lua e o Sol 2 Sol Terra http://umbra.nascom.nasa.gov/sdac.html http://www.msss.com/earth/earth.html 700 000 Km 6 370 Km 3 O raio

Leia mais

Material de Aperfeiçoamento de Estudos MAE 5ª série 1º Bimestre Professora MaristelA Borges

Material de Aperfeiçoamento de Estudos MAE 5ª série 1º Bimestre Professora MaristelA Borges Material de Aperfeiçoamento de Estudos MAE 5ª série 1º Bimestre Professora MaristelA Borges Um pouco de história da Astronomia A regularidade dos movimentos do Sol e das outras estrelas, da Lua, o aparecimento

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia. Introdução à Astronomia. Prof.

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia. Introdução à Astronomia. Prof. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia Introdução à Astronomia Prof. Rogério Riffel Por que estudamos astronomia? Por que estudamos astronomia? Para entender

Leia mais

FORMAÇÃO DO SISTEMA SOLAR A TERRA E OS PLANETAS TELÚRICOS

FORMAÇÃO DO SISTEMA SOLAR A TERRA E OS PLANETAS TELÚRICOS FORMAÇÃO DO SISTEMA SOLAR A TERRA E OS PLANETAS TELÚRICOS Constituído por: uma estrela central, o SOL ( que ocupa cerca de 99% da massa do Sistema Solar); 8 planetas 3 planetas anões cerca de 58 satélites

Leia mais

Telescópios e a prática observacional

Telescópios e a prática observacional Telescópios e a prática observacional Prof. Rodolfo Langhi Depto. de Física Unesp/Bauru Astroaula 11 Tipos de telescópios e seu funcionamento básico Parâmetros dos telescópios: aumento, magnitude limite,

Leia mais

Você acha que só no nosso planeta há vida? Como você acha que a vida surgiu? Quando e como?

Você acha que só no nosso planeta há vida? Como você acha que a vida surgiu? Quando e como? Atividade: Vida Entregar dia: 11/02/2016 (2 feira) Manuscrito Cabeçalho; Data; Nome O que é vida? O que significa para você estar vivo? O que é um ser vivo? Você acha que só no nosso planeta há vida? Como

Leia mais

Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo

Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo QUÍMICA TEMAS OBJECTIVOS DE APRENDIZAGEM SITUAÇÕES E EXPERIÊNCIAS EDUCATIVAS AULAS TERRA

Leia mais

Fundamentos de Astronomia e Astrofísica

Fundamentos de Astronomia e Astrofísica Fundamentos de Astronomia e Astrofísica Astronomia Antiga, Esfera Celeste, Coordenadas e Movimento Diurno dos Astros Rogemar A. Riffel Sala: N101 e-mail: rogemar@ufrgs.br http://www.if.ufrgs.br/~rogemar

Leia mais

Planetas fora do Sistema Solar

Planetas fora do Sistema Solar Planetas fora do Sistema Solar José Eduardo Costa Dep. Astronomia Instituto de Física UFRGS (2016-2) O Sistema Solar Massa do Sol = 2 x 1030 Kg (333 000x a massa da Terra; 1 000x a massa de Júpiter) Diâmetro

Leia mais

10 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia

10 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia 10 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da final nacional PROVA EÓRICA 17 de abril de 2015 16H45 Duração máxima 120 minutos Notas: Leia atentamente todas as questões. odas as respostas devem ser

Leia mais

As tabelas desta seção contém as efemérides do Sol, Lua e grandes planetas.

As tabelas desta seção contém as efemérides do Sol, Lua e grandes planetas. EXPLICAÇÕES DA SEÇÃO C 1 C As tabelas desta seção contém as efemérides do Sol, Lua e grandes planetas. Essas efemérides fundamentais foram preparadas com base nos dados da integração numérica DE200/LE200,

Leia mais

Astrobiologia Mestrado e Doutorado em Física e Astronomia

Astrobiologia Mestrado e Doutorado em Física e Astronomia Astrobiologia Mestrado e Doutorado em Física e Astronomia Prof. Dr. Sergio Pilling Aluno: Alexandre Bergantini de Souza Evelyn Cristine. F. M. Martins Víctor de Souza Bonfim Aula 8 - Zona de Habitabilidade:

Leia mais

Manual para Stellarium. 1. Início do Stellarium e breves notas de interesse

Manual para Stellarium. 1. Início do Stellarium e breves notas de interesse Manual para Stellarium Conteúdo 1. Início do Stellarium e breves notas de interesse 2. Criar pontos de interesse 3. Como medir onde um objeto irá se pôr e nascer 4. Relacionar a magnitude com a poluição

Leia mais

REORGANIZAÇÃO DE EMPRESAS: Resultados através de estruturas e processos

REORGANIZAÇÃO DE EMPRESAS: Resultados através de estruturas e processos REORGANIZAÇÃO DE EMPRESAS: Resultados através de estruturas e processos Ingresso Janeiro 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias Reorganização de empresas: resultados através de estruturas

Leia mais

O Sistema Solar. Os Astros do Sistema Solar. 1. Astros do Sistema Solar 2. Os planetas do Sistema Solar Unidade 2 O SISTEMA SOLAR

O Sistema Solar. Os Astros do Sistema Solar. 1. Astros do Sistema Solar 2. Os planetas do Sistema Solar Unidade 2 O SISTEMA SOLAR Ciências Físico-químicas - 7º ano de escolaridade Unidade 2 O SISTEMA SOLAR O Sistema Solar 1. Astros do Sistema Solar 2. Os planetas do Sistema Solar Os Astros do Sistema Solar 2 1 Competências a desenvolver:

Leia mais

Cartografia I. BRITALDO SILVEIRA SOARES FILHO Departamento de Cartografia Centro de Sensoriamento Remoto

Cartografia I. BRITALDO SILVEIRA SOARES FILHO  Departamento de Cartografia Centro de Sensoriamento Remoto Cartografia I BRITALDO SILVEIRA SOARES FILHO britaldo@csr.ufmg.br www.csr.ufmg.br Departamento de Cartografia Centro de Sensoriamento Remoto Introdução Histórico da Cartografia definição, história e evolução.

Leia mais

ASTRONOMIA APLICADA À NAVEGAÇÃO

ASTRONOMIA APLICADA À NAVEGAÇÃO CURSO ASTRONOMIA APLICADA À NAVEGAÇÃO CARGA HORÁRIA: 160 HORAS PROJETO: IMPORTÂNCIA DA ASTRONOMIA NA NAVEGAÇÃO PROGRAMA: EU E O MAR PROFESSOR RESPONSÁVEL: ALEXANDRE RIBEIRO ANDRADE COORDENADORA DO PROJETO:

Leia mais

O universo das Galáxias. Hugo Vicente Capelato Divisão de Astrofísica Inpe

O universo das Galáxias. Hugo Vicente Capelato Divisão de Astrofísica Inpe O universo das Galáxias Hugo Vicente Capelato Divisão de Astrofísica Inpe Uma galáxia chamada Via Láctea (A Galáxia!) Qual é a natureza da Via Láctea??? Antiguidade Grega: Galaxias Kyklos = circulo

Leia mais

4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 15 de Abril de :00

4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 15 de Abril de :00 4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 15 de Abril de 2009 15:00 Duração máxima 120 minutos Nota: Ler atentamente todas as questões. Existe uma tabela com dados no final

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Telescópios. Telescopio Refrator. tub o Bandeja porta oculares Haste de micro ajuste Tripé. Buscador Ajuste de foco

Perguntas e Respostas sobre Telescópios. Telescopio Refrator. tub o Bandeja porta oculares Haste de micro ajuste Tripé. Buscador Ajuste de foco Perguntas e Respostas sobre Telescópios A palavra telescópio é de origem grega e significa ver ao longe (Tele Skopen). Os telescópios têm dois tipos básicos: refratores, regidos pelo princípio físico da

Leia mais

Física B Extensivo V. 1

Física B Extensivo V. 1 Física B Extensivo V. 1 Exercícios 01) 38 01. Falsa. f Luz > f Rádio 02. Verdadeira. Todas as ondas eletromagnéticas são transversais. 04. Verdadeira. Do tipo secundária. 08. Falsa. Do tipo secundária.

Leia mais

Astronomia. Ricardo Antônio da Silva Rodrigues

Astronomia. Ricardo Antônio da Silva Rodrigues Astronomia Ricardo Antônio da Silva Rodrigues ENSINO DE ASTRONOMIA: Guia de utilização de um binóculo para observações de sistemas binários de estrelas Belo Horizonte Olá! Vamos começar uma viagem inesquecível,

Leia mais

SISTEMAS PLANETÁRIOS: O NOSSO E OS OUTROS CURSO DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA. Rui J. Agostinho.

SISTEMAS PLANETÁRIOS: O NOSSO E OS OUTROS CURSO DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA. Rui J. Agostinho. CURSO DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA NO OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA SISTEMAS PLANETÁRIOS: O NOSSO E OS OUTROS MÓDULO: CA SP Rui J. Agostinho Setembro de 2016 Conteúdo Objectivos e Estrutura do Curso..............................

Leia mais

Manual Espaço (62-63) Manual Terra no Espaço (56-57)

Manual Espaço (62-63) Manual Terra no Espaço (56-57) Manual Espaço (62-63) Manual Terra no Espaço (56-57) Astros do Sistema Solar: a sua origem e os seus astros (Pp. 64 a 70) Objetos celestes do Sistema Solar Teoria da Nebulosa Solar Sistema Solar Sol Planetas

Leia mais

3ª Ficha de Trabalho para Avaliação de Biologia e Geologia (ano 1)

3ª Ficha de Trabalho para Avaliação de Biologia e Geologia (ano 1) 3ª Ficha de Trabalho para Avaliação de Biologia e Geologia (ano 1) Ano Lectivo: 2007/2008 Nome: Nº Turma: º CT Curso: CH-CT Data: 23/11/2007 Docente: Catarina Reis 1. Complete as frases que se seguem,

Leia mais

Curso de Formação Para. Animadores Científicos

Curso de Formação Para. Animadores Científicos Curso de Formação Para Animadores Científicos AEFCUP - Porto Ficha Informativa Curso de Formação para Cientistas 1. A Empresa A Science4you é uma empresa 100% Nacional que teve origem em Janeiro de 2008.

Leia mais

Beatriz e Alexandre 2º ano Diamante

Beatriz e Alexandre 2º ano Diamante 2º ano D Beatriz e Alexandre 2º ano Diamante A Terra é o terceiro planeta do Sistema Solar a contar a partir do Sol e o quinto em diâmetro. Os oitos planetas que compõe o Sistema Solar são Mercúrio, Vênus,

Leia mais

Terra Marte Júpiter Saturno. O Sistema Solar. Introdução à Astronomia Fundamental. O Sistema Solar

Terra Marte Júpiter Saturno. O Sistema Solar. Introdução à Astronomia Fundamental. O Sistema Solar Introdução à Astronomia Fundamental Lua Distância média da Terra: 384 400 km Diâmetro equatorial: 3480 km Massa: 0,012 massa terrestre Gravidade: 1,62 m/s 2 Densidade: 3340 kg/m 3 Rotação: 27,32 dias Período

Leia mais

Estrutura da Matéria Prof. José Antonio Souza

Estrutura da Matéria Prof. José Antonio Souza Estrutura da Matéria Prof. José Antonio Souza Aula 1 Estrutura do Universo Interações fundamentais O Universo geocentrismo vs heliocentrismo Nicolau Copérnico Tycho Brahe Galileu e Galilei Ptolomeu afirmava

Leia mais

EFEMÉRIDES DO MÊS DE DEZEMBRO DE 2014

EFEMÉRIDES DO MÊS DE DEZEMBRO DE 2014 EFEMÉRIDES DO MÊS DE DEZEMBRO DE 2014 POSIÇÃO GEOGRÁFICA: LATITUDE: -8.1º LONGITUDE: -34.9º LATITUDE: 8º 0 48.1 Sul LONGITUDE: 34º 51 3.4 Oeste CALENDÁRIO DO CÉU COM OS HORÁRIOS DE VISIBILIDADE DOS OBJETOS

Leia mais

TUENNY NUNES AMARAL ANA BEATRIZ MAGNANELLI 2º ano B

TUENNY NUNES AMARAL ANA BEATRIZ MAGNANELLI 2º ano B 2º ano B TUENNY NUNES AMARAL ANA BEATRIZ MAGNANELLI 2º ano B SISTEMA SOLAR O SISTEMA SOLAR É FORMADO POR OITO PLANETAS QUE GIRAM AO REDOR DO SOL. O NOSSO SISTEMA SOLAR ESTÁ LOCALIZADO EM UMA GALÁXIA CHAMADA

Leia mais

Agrupamento de Escolas Luís António Verney. Escola EB 2,3 Luís António Verney. Ano lectivo de 2012/13

Agrupamento de Escolas Luís António Verney. Escola EB 2,3 Luís António Verney. Ano lectivo de 2012/13 Tema B- Terra em Transformação Nº aulas prevista s Materiais Constituição do mundo material Substâncias e misturas de substâncias Relacionar aspectos do quotidiano com a Química. Reconhecer que é enorme

Leia mais

Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses

Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Hipertexto: http://www.astro.if.ufrgs.br Fundamentos de Astronomia e Astrofísica Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Rogemar A. Riffel e-mail: rogemar@ufrgs.br http://www.if.ufrgs.br/~rogemar

Leia mais

Planetas Externos. Paulo Roberto - A astronomia é uma experiência de humildade e formação de caráter.

Planetas Externos. Paulo Roberto -  A astronomia é uma experiência de humildade e formação de caráter. Planetas Externos Paulo Roberto - http://www.laboratoriodopaulo.com.br A astronomia é uma experiência de humildade e formação de caráter. [Carl Sagan em O pálido ponto azul.] Planetas Externos? Planetas

Leia mais

A Via-Láctea. ( O texto foi extraido quase que em sua integra de :

A Via-Láctea. ( O texto foi extraido quase que em sua integra de : A Via-Láctea ( O texto foi extraido quase que em sua integra de : http://www.if.ufrgs.br/ast/index.html) Em noites claras e sem lua, longe das luzes artificiais das áreas urbanas, podese ver claramente

Leia mais

d)cheia 10. Existe relação entre umbra,penumbra,eclipse e sombra?

d)cheia 10. Existe relação entre umbra,penumbra,eclipse e sombra? 1ª aula : Questões 1. Por quê não acontece eclipse em todo lugar no Brasil na mesma hora? 2. O que é umbra? 3. O que é penumbra? 4. O que é sombra? 5. O que é eclipse? 6. Qual a diferença entre eclipse

Leia mais

INTRODUÇÃO À CARTOGRAFIA. Prof. Rogério da Mata

INTRODUÇÃO À CARTOGRAFIA. Prof. Rogério da Mata INTRODUÇÃO À CARTOGRAFIA A importância dos pontos de referência Pontos Cardeais: são pontos principais utilizados como padrão de localização ou pontos de referência. Através deles é possível localizar

Leia mais

Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses

Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses FIS02010 Professora Ana Chies Santos IF/UFRGS https://anachiessantos.wordpress.com/ensino/fis02010/ Facebook #AstroUFRGS Relembrando... Sistemas de Coordenadas

Leia mais

Técnico de Informática

Técnico de Informática Técnico de Informática Redes e Sistemas Certificado - Inclui Certificação Formato: Presencial Preço: 1800 ( Os valores apresentados não incluem IVA. Oferta de IVA a particulares e estudantes. ) Horário:

Leia mais

Universidade de São Paulo Instituto de Química de São Carlos Programa de Educação Tutorial - PET

Universidade de São Paulo Instituto de Química de São Carlos Programa de Educação Tutorial - PET Universidade de São Paulo Instituto de Química de São Carlos Programa de Educação Tutorial - PET Monografia: Sol suas origens e seus elementos químicos Alunos: Ana Paula Brumann Clemente, Gabriela Ribeiro

Leia mais

Física Legal.NET - O seu site de Física na Internet

Física Legal.NET - O seu site de Física na Internet 11. (Fei 97) A luz solar se propaga e atravessa um meio translúcido. Qual das alternativas a seguir representa o que acontece com a propagação dos raios de luz? 12. (Fuvest 93) A luz solar penetra numa

Leia mais

Aula 11: Distâncias Astronômicas.

Aula 11: Distâncias Astronômicas. Aula 11: Distâncias Astronômicas. Maria de Fátima Oliveira Saraiva, Kepler de Souza Oliveira Filho & Alexei Machado Müller. Ilustração do uso da triangulação para medir a distância da Terra à Lua. Introdução

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014

ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014 ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014 NOVA ANDRADINA MS DEZEMBRO/2013 ESCOLA IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014 Plano de ações previstas a serem executadas no

Leia mais

TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO E VENDAS

TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO E VENDAS TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO E VENDAS Ingresso Janeiro 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias Técnicas de Negociação e Vendas A construção e a condução do processo de negociação pode ser

Leia mais

Luther Kirk Dale

Luther Kirk Dale Luther Kirk Dale www.hogwartsliveschool.com Sumário Introdução à astronomia e aos corpos celestes... 3 Uma breve história... 3 Classificação dos corpos celestes... 4 Asteroides... 4 Meteoros e meteoritos...

Leia mais

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo Título da Pesquisa: Astrofotografia do sistema solar e objetos de fundo de céu Palavras-chave: Astrofotografias, câmera CCD, filtros LRGB, RegiStax, DeepSkyStaker Campus: Bambuí Tipo de Bolsa: PIBIC Financiador:

Leia mais

INT R ODU ÇÃO À AS T R ONOMIA AGA S istemas de Coordenadas

INT R ODU ÇÃO À AS T R ONOMIA AGA S istemas de Coordenadas INT R ODU ÇÃO À AS T R ONOMIA AGA-210 3. S istemas de Coordenadas (J.B.K aler, 1994, Fig. 3.11, p.36) S ol à meia noite? Nas calotas polares, durante o ver ão, o S ol nunca s e põe. IAG/U S P E NOS PICAZZIO

Leia mais

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Exame de admissão para o programa de pós-graduação em Astrofísica 16/12/2013 - Duração: 4h00 Nome: Instruções para realização do exame: a) a prova é individual,

Leia mais

PORTUGAL. Regras da Competição de Grupos. 1. Podem participar na competição de grupos equipes compostas por três ou mais estudantes.

PORTUGAL. Regras da Competição de Grupos. 1. Podem participar na competição de grupos equipes compostas por três ou mais estudantes. Regras da Competição de Grupos 1. Podem participar na competição de grupos equipes compostas por três ou mais estudantes. 2. A equipe receberá um conjunto de 5 questões para resolver em 60 minutos. 3.

Leia mais

Astronomia A MÃE DE TODAS AS CIENCIAS

Astronomia A MÃE DE TODAS AS CIENCIAS Astronomia A MÃE DE TODAS AS CIENCIAS O que é Astronomia? Astronomia é uma ciência exata que se preocupa com a origem, evolução, composição, classificação e dinâmica dos corpos celestes todos eles. (zênite.nu)

Leia mais

CENSO ESCOLAR - EDUCACENSO

CENSO ESCOLAR - EDUCACENSO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR

Leia mais

A Lua, satélite natural da Terra. Roberto Ortiz EACH/USP

A Lua, satélite natural da Terra. Roberto Ortiz EACH/USP A Lua, satélite natural da Terra Roberto Ortiz EACH/USP Nesta aula veremos: O que são as lunações? Qual é o período de rotação da Lua? A rotação da Lua e suas faces Fases da Lua Horários de nascer e ocaso

Leia mais

FSC1057: Introdução à Astrofísica. Galáxias. Rogemar A. Riffel

FSC1057: Introdução à Astrofísica. Galáxias. Rogemar A. Riffel FSC1057: Introdução à Astrofísica Galáxias Rogemar A. Riffel Galáxias x Estrelas Processos de formação e evolução das galáxias não tão bem conhecidos como das estrelas Por que? Complexidade dos sistemas

Leia mais

1. Classifica as afirmações seguintes em verdadeiras ou falsas corrigindo as falsas. B. As nebulosas são grandes nuvens de gases e poeiras cósmicas.

1. Classifica as afirmações seguintes em verdadeiras ou falsas corrigindo as falsas. B. As nebulosas são grandes nuvens de gases e poeiras cósmicas. Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Teste de Ciências Físico - Químicas 7.º Ano Ano Lectivo 08/09 Duração do Teste: 45 minutos Data: 06 / 11 / 08 Prof. Dulce Godinho Nome N.º Turma Prof. Classificação

Leia mais

Edital do Processo Seletivo para o Programa de Estágio em Cardiologia

Edital do Processo Seletivo para o Programa de Estágio em Cardiologia Edital do Processo Seletivo para o Programa de Estágio em Cardiologia Associação Portuguesa de Beneficência de São José do Rio Preto A Associação Portuguesa de Beneficência de São José do Rio Preto, instituição

Leia mais

Movimentos da Terra. Gastão B. Lima Neto Vera Jatenco-Pereira IAG/USP. Agradecimento ao Prof. Roberto Boczko pelo material cedido

Movimentos da Terra. Gastão B. Lima Neto Vera Jatenco-Pereira IAG/USP. Agradecimento ao Prof. Roberto Boczko pelo material cedido Movimento aparente diurno e anual Sistemas geocêntrico e heliocêntrico Leis de Kepler Rotação e translação da Terra Definição de dia e ano Precessão e nutação Estações do ano Movimentos da Terra Gastão

Leia mais

Relatório de Atividades Observações com o telescópio Argus E. E. Patriarca da Independência 04/09/2008

Relatório de Atividades Observações com o telescópio Argus E. E. Patriarca da Independência 04/09/2008 Relatório de Atividades Observações com o telescópio Argus E. E. Patriarca da Independência 04/09/2008 Resumo: Nível: Tipo: Imagens obtidas: Tempo de observação: Número de alunos envolvidos: Disciplinas

Leia mais

COMPREENDENDO E SIMULANDO AS ESTAÇÕES DO ANO Denis E. Peixoto PECIM/UNICAMP- NASE - Brasil

COMPREENDENDO E SIMULANDO AS ESTAÇÕES DO ANO Denis E. Peixoto PECIM/UNICAMP- NASE - Brasil COMPREENDENDO E SIMULANDO AS ESTAÇÕES DO ANO Denis E. Peixoto PECIM/UNICAMP- NASE - Brasil Introdução Quando levamos o estudo do fenômeno das estações do ano para sala de aula, comumente optamos por duas

Leia mais

Movimentos da Terra e da Lua e eclipses. Gastão B. Lima Neto IAG/USP

Movimentos da Terra e da Lua e eclipses. Gastão B. Lima Neto IAG/USP Movimentos da Terra e da Lua e eclipses Gastão B. Lima Neto IAG/USP AGA 210 2 semestre/2006 Nascer do Sol Movimento aparente do Sol Movimento aparente dos astros frequência quotidiana. Interpretação? (1)

Leia mais

Aula 11. A Morte das Estrelas

Aula 11. A Morte das Estrelas Aula 11 A Morte das Estrelas Baseado no livro Universe, Roger A. Freedman Robert M. Gellar William J. Kaufmann III, Oitava edição, W.H. Freeman,and Company, New York! Evolução Pós-Seqüência Principal

Leia mais

Eclipses Solares e Lunares. Roberto Ortiz EACH/USP

Eclipses Solares e Lunares. Roberto Ortiz EACH/USP Eclipses Solares e Lunares Roberto Ortiz EACH/USP Eclipses A palavra procede do grego, que significa desaparecimento. Os eclipses podem ser solares ou lunares. Eclipses solares Ocorrem quando há o alinhamento

Leia mais

2. Observe atentamente o mapa PLANISFÉRIO FUSOS HORÁRIOS.

2. Observe atentamente o mapa PLANISFÉRIO FUSOS HORÁRIOS. SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 6ª Ano

Leia mais

A Galáxia. Roberto Ortiz EACH/USP

A Galáxia. Roberto Ortiz EACH/USP A Galáxia Roberto Ortiz EACH/USP A Galáxia (ou Via-Láctea) é um grande sistema estelar contendo cerca de 2 x 10 11 estrelas, incluindo o Sol, ligadas gravitacionalmente. As estrelas (e demais componentes)

Leia mais