Projeto de Investigação Aplicada Alojamento do Futuro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto de Investigação Aplicada Alojamento do Futuro"

Transcrição

1 Projeto de Investigação Aplicada Alojamento do Futuro Universidade de Aveiro BTL 2014 Lisboa,

2 01. Enquadramento da atividade Evolução da Oferta Instalada

3 Enquadramento da atividade Evolução da Oferta Instalada 01. Evolução do Número de Estabelecimentos Hoteleiros, e Regiões de Convergência, ,3% 22,7% 14,1% ,7% 20,6% 14,0% Evolução da Capacidade nos Estabelecimentos Hoteleiros, e Regiões de Convergência, ,6% 7,4% 4,3% ,4%

4 Enquadramento da atividade Evolução da Oferta Instalada 01. Evolução do Número de Parques de Campismo, e Regiões de Convergência, ,3% 23,7% 17,4% ,8% 37,7% 34,8% Evolução da Capacidade nos Parques de Campismo, e Regiões de Convergência, ,4% ,8% ,3% ,0%

5 Enquadramento da atividade Evolução da Oferta Instalada 01. Evolução do Número de Empreendimentos TER e TH, e Regiões de Convergência, ,9% 41,0% 39,1% ,0% 21,7% 22,1% Evolução da Capacidade nos Empreendimentos TER e TH, e Regiões de Convergência, ,2% ,4% 22,3% ,5%

6 Enquadramento da atividade Evolução da Oferta Instalada 01. Evolução do Número de Empreendimentos Turísticos, e Regiões de Convergência, ,5% 28,9% 16,8% ,9% 22,2% 24,7% Evolução da Capacidade de Empreendimentos Turísticos, e Regiões de Convergência, ,9% ,5% 13,8% ,4%

7 01. Enquadramento da atividade Evolução da Procura Turística

8 Enquadramento da atividade Evolução da Procura Turística Evolução do Número de Hóspedes nos Estabelecimentos Hoteleiros, e Regiões de Convergência, , ,0 +39,9% 19,3% ,8% , ,0 38,3% 14,5% 9,0% 0, Evolução do Número de Dormidas nos Estabelecimentos Hoteleiros, e Regiões de Convergência, , ,5% 4,5% ,0 2,7% , , ,0 23,5% 0,

9 Enquadramento da atividade Evolução da Procura Turística 01. Evolução do Número de Campistas nos Parques de Campismo, e Regiões de Convergência, , ,0% 2.000, ,0 +5,8% 11,8% 1.000,0 500,0 0,0 59,0% 27,4% 26,0% Evolução do Número de Dormidas nos Parques de Campismo, e Regiões de Convergência, , ,6% 8.000, ,0-10,7% 14,2% 4.000, ,0 52,0% 0,

10 Enquadramento da atividade Evolução da Procura Turística 01. Evolução do Número de Dormidas nos Empreendimentos TER e TH, e Regiões de Convergência, , ,0 +135,1% 800,0 30,7% 600,0 400,0 200,0 68,7% 15,2% 0, ,8%

11 Enquadramento da atividade Evolução da Procura Turística 01. Evolução do Número de Hóspedes nos Empreendimentos Turísticos, e Regiões de Convergência, , ,7% ,0 +31,6% 11,9% , ,0 41,8% 17,0% 12,5% 0, Evolução do Número de Dormidas nos Empreendimentos Turísticos, e Regiões de Convergência, , ,7% 6,1% ,0 4,9% , , , ,0 29,3% 0,

12 estrangeiros estrangeiros estrangeiros estrangeiros estrangeiros estrangeiros estrangeiros estrangeiros Enquadramento da atividade Evolução da Procura Turística 01. Evolução do Número de Dormidas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Principais Mercados Emissores (Top-10), 2000, 2005, 2010, 2012, uk de es nl fr it be us se dk out [ ] uk de es nl fr ir it se us be out [ ] uk de es nl fr it br ir us be out [ ] uk de es fr nl br ir it us be out [ ] Evolução do Número de Dormidas nos Parques de Campismo, Principais Mercados Emissores (Top-10), 2000, 2005, 2010, 2012, fr 334.de 317.nl 266.es 196.uk 151.be 066.it 058.dk 020.ch 017.at 011.out [ ] fr 278.es 224.nl 222.uk 209.de 193.be 054.it 044.dk 013.fi 013.ir 011.out [ ] fr 345.es 331.nl 276.uk 214.de 184.be 060.it 038.ir 016.se 013.dk 013.out [ ] fr 398.nl 271.es 266.uk 221.de 194.be 064.it 033.se 016.dk 013.ir 013.out [ ]

13 01. Enquadramento do projeto Sistema de Incentivos

14 Enquadramento do projeto Sistema de Incentivos (SIAC) 01. ARTIGO 2.º 1. São abrangidos pelo SIAC os projetos e outras iniciativas de resposta a riscos e oportunidades comuns, cujos resultados se traduzam na provisão de bens coletivos ou públicos com geração de externalidades positivas, 2. Os projetos devem visar a melhoria da competitividade do país, de uma região, de um setor ou grupos de setores organizados em clusters, polos de competitividade e tecnologia ou outras redes associadas a estratégias de eficiência coletiva, 3. Para assegurarem a natureza de bens coletivos ou públicos, os projetos devem observar cumulativamente as seguintes condições: a) Possuir um objetivo de interesse comum, b) Visar suprir falhas de mercado que afetem um conjunto alargado de empresas, c) Assegura que o acesso aos produtos e serviços disponibilizados com a sua realização é amplamente publicitado e complementado por ações de demonstração e disseminação. ARTIGO 3.º No âmbito da Agenda da Competitividade do QREN, o SIAC é complementar dos sistemas de incentivos diretamente orientado para as empresas e visa potenciar os seus resultados com a criação ou melhoria das condições envolventes, com particular relevo para as associadas aos fatores imateriais da competitividade de natureza coletiva, que se materializem na disponibilização de bens coletivos ou públicos, visando a obtenção de ganhos sociais, e na geração de externalidades indutoras de efeitos de arrastamento na economia. ARTIGO 4.º 1. São suscetíveis de financiamento os projetos que se enquadrem nos seguintes domínios de intervenção: a) b) Internacionalização, conhecimento e acesso a mercados e valorização da oferta nacional, c) d) e)

15 02. Projeto descrição sumária

16 Projeto Objetivo Estratégico 02. Desenvolvimento do projeto de investigação aplicada, intitulado alojamento do futuro, através da realização de estudos estratégicos e prospetivos, da criação e implementação de soluções de base tecnológica e da operacionalização de uma diversidade de instrumentos e iniciativas de comunicação para o projeto (incentivar a participação pública) e do projeto (disseminar os resultados produzidos), de modo a alcançar os seguintes desígnios estratégicos: oferta promover a qualificação e modernização das unidades de alojamento turístico nacionais procura reforçar o conhecimento sobre a evolução do turismo mundial e, especificamente, dos principais mercados emissores mundiais internacionalização potenciar a operação das unidades de alojamento nos mercados externos e projetar a internacionalização da atividade.

17 Projeto Objetivos Operacionais 02. obj.1 Estudos Estratégicos e Prospetivos Dimensão da Oferta obj.2 Estudos Estratégicos e Prospetivos Dimensão da Procura obj.3 Soluções de Base Tecnológica Investigação e Desenvolvimento obj.4 Soluções de Base Tecnológica Operacionalização obj.5 Instrumentos e Iniciativas de Comunicação obj.6 Espaço Aplicacional Alojamento do Futuro

18 Dimensão Oferta Dimensão Procura Investigação & Desenvolvimento Operacionalização Ferramentas de Comunicação Espaço Aplicacional AHRESP Norte Projeto Estrutura Conceptual 02. Estudos Estratégicos e Prospetivos Soluções de Base Tecnológica Instrumentos e Iniciativas de Comunicação

19 Projeto Principais Atividades 02. obj.1 Estudos Estratégicos e Prospetivos Dimensão da Oferta Estudo estratégico sobre os fatores competitivos do alojamento do futuro Relatórios Técnicos Executivos (fatores competitivos do alojamento do futuro) Referenciais Normativos dos Emp. Turísticos Label de Certificação para os Emp. Turísticos Referenciais para Livro Branco dos Emp. Turísticos Análise e avaliação económica do setor do alojamento nas regiões de convergência Impacto Económico dos Empreendimentos Turísticos (regiões de convergência Norte, Centro e Alentejo) Impacto Económico dos Est. Hoteleiros Região Norte Impacto Económico dos P. Campismo Região Centro Impacto Económico dos Emp. TER/ TH Região Alentejo Sistema de avaliação e monitorização da performance operacional da hotelaria PerformHotel.Monitor (sistema de avaliação da performance hoteleira)

20 Projeto Principais Atividades 02. obj.2 Estudos Estratégicos e Prospetivos Dimensão da Procura Estudo estratégico e prospetivo sobre a evolução do turismo mundial Nova Geografia do Turismo Mundial (estudo estratégico e prospetivo sobre o turismo mundial) Estudos prospetivos específicos por mercado emissor tradicionais e emergentes Dossiers Prospetivos Mercados Tradicionais (Alemanha, Bélgica, Escandinávia (Dinamarca, Finlândia, Noruega e Suécia) Espanha, França, Holanda, Itália, Reino Unido, Irlanda e EUA) Dossiers Prospetivos Mercados Emergentes (Brasil, Rússia, Índia e China) Dossiers Prospetivos Mercados de Potencial Elevado (Angola, México e Moçambique)

21 Projeto Principais Atividades 02. Obj.3 Soluções de Base Tecnológica Investigação e Desenvolvimento Estudo prospetivo sobre as tendências tecnológicas que implicam o setor do alojamento Novas Tecnologias no Setor do Alojamento (estudo prospetivo sobre as soluções tecnológicas de vanguarda) Base de Dados de Soluções Tecnológicas (repositório de soluções tecnológicas) Desenvolvimento de soluções específicas para as diferentes tipologias de alojamento Soluções Inov.Tec Estabelecimentos Hoteleiros Soluções Inov.Tec Parques de Campismo Soluções Inov.Tec Empreendimentos TER/ TH Desenvolvimento de soluções específica para destinos turísticos (regiões de convergência) Aplicação Tecnológica Enoturismo (Douro Região Norte) Aplicação Tecnológica Neve (Serra da Estrela Região Centro) Aplicação Tecnológica Golfe (Litoral Alentejano Região Alentejo)

22 Projeto Principais Atividades 02. Obj.4 Soluções de Base Tecnológica Operacionalização Apps para Smartphones Apps p/ Smartphones Concierge Hotel Apps p/ Smartphones Pay by Phone Apps p/ Smartphones Energy Monitor Plataforma integrada para gestão dos meios e suportes de comunicação Software IntegraGestCom (software de gestão da comunicação na web 2.0) Mapear a oferta nacional de unidades de alojamento (regiões de convergência) Aplicação Cartográfica Estabelecimentos Hoteleiros (Região Norte restantes regiões de convergência) Aplicação Cartográfica Parques de Campismo (Região Centro restantes regiões de convergência) Aplicação Cartográfica Empreendimentos TER/ TH (Região Alentejo restantes regiões de convergência)

23 Projeto Principais Atividades 02. Obj.4 Soluções de Base Tecnológica Operacionalização (cont.) Desenvolvimento do cartão do turista Tourism Business Intelligence Cartão do Turista OportoCardTour (software de business intelligence) Plataformas web para promoção de produtos e oportunidades de negócio Plataforma Web Produtos/ Programas Turísticos (plataforma de promoção de programas turísticos) Plataforma Web Oportunidades de Investimento (plataforma de promoção de oportunidades de negócio)

24 Projeto Principais Atividades 02. Obj.5 Instrumentos e Iniciativas de Comunicação Portal multifunções do projeto Portal de Apresentação do Projeto ( Micro-Sites Temáticos (concurso de ideias; oportunidades de investimento; programas turísticos) Redes sociais do projeto Facebook ( ) LinkedIn Twitter Youtube Plataforma Web-TV Plataforma Web-TV (monitorização/ dinamização das ações do projeto)

25 Projeto Principais Atividades 02. Obj.5 Instrumentos e Iniciativas de Comunicação (cont.) Road-Show nacional de workshops temáticos (regiões de convergência) Road-Show de Workshops Temáticos (regiões Norte, Centro e Alentejo) Concurso de Ideias desenvolvimento de aplicações para smartphones Concurso de Ideias It s App to You (concurso.alojamentodofuturo.pt) Seminário Internacional do Alojamento do Futuro Seminário Internacional (sessão pública alargada disseminação dos resultados do projeto)

26 Projeto Principais Atividades 02. Obj.6 Espaço Aplicacional Alojamento do Futuro Desenho do espaço modelar, áreas críticas da unidade de alojamento Espaço Aplicacional Modelar Cluster do Alojamento (AHRESP.Norte) Estrutura de conteúdos para soluções tecnológicas, mesas e superfícies interativas Mesa Interativa Alojamento do Futuro Superfície Interativa Alojamento do Futuro Iniciativas de dinamização do espaço modelar Eventos Temáticos (sessões públicas restritas apresentação de estudos e tecnologias)

27 Projeto de Investigação Aplicada Alojamento do Futuro IDTOUR/ Universidade de Aveiro BTL 2014 Lisboa, Obrigado,

TURISMO 2020 FUNDOS COMUNITÁRIOS DE APOIO

TURISMO 2020 FUNDOS COMUNITÁRIOS DE APOIO TURISMO 2020 FUNDOS COMUNITÁRIOS DE APOIO Jaime S. Andrez Vogal da Comissão Diretiva FIL 25 de fevereiro de 2015 Atividade estratégica Uma atividade múltipla e compósita Uma atividade de arrastamento Uma

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS (SIAC)

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS (SIAC) AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 02 / SIAC / 2012 SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS (SIAC) Nos termos do regulamento do SIAC, a apresentação de candidaturas processa-se, em regra, através de

Leia mais

ESTATÍSTICAS DO TURISMO TOURISM STATISTICS

ESTATÍSTICAS DO TURISMO TOURISM STATISTICS ESTATÍSTICAS DO TURISMO TOURISM STATISTICS 2009 2013 Secretaria Regional da Cultura, Turismo e Transportes Avenida Arriaga, 18 9004-519 Funchal Madeira Telf: 351-291 211 900 Fax: 351-291 232 151 e-mail:

Leia mais

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO CRITÉRIOS DE INSERÇÃO DE PROJECTOS NO PÓLO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA TURISMO 2015 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO ELEGÍVEIS 1. No âmbito dos

Leia mais

Hotelaria: Balanço & Perspetivas. Cristina Siza Vieira Presidente Executiva

Hotelaria: Balanço & Perspetivas. Cristina Siza Vieira Presidente Executiva Hotelaria: Balanço & Perspetivas Cristina Siza Vieira Presidente Executiva The Vintage Lisboa 22 de junho de 2016 AGENDA 1 BALANÇO DO 1º QUADRIMESTRE 2016 2 PERSPETIVAS VERÃO 2016 3 GRANDES EVENTOS IMPACTO

Leia mais

Copyright 2015 OTA a partir do SREA. Todos os direitos reservados. Alojamento Local

Copyright 2015 OTA a partir do SREA. Todos os direitos reservados. Alojamento Local Copyright 2015 OTA a partir do SREA. Todos os direitos reservados. Análise Semestral Alojamento Local Condições de Utilização Este documento é da exclusiva propriedade do Observatório do Turismo dos Açores

Leia mais

Estatísticas de Alojamento turístico, 2015

Estatísticas de Alojamento turístico, 2015 Estatísticas de Alojamento turístico, 2015 Departamento de Estatísticas Económicas Serviço de Estatísticas de Comércio, Turismo e Transportes Rute Cruz Calheiros CSE - GT DEM, 27/10/2016 As estatísticas

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação

Sistema de Incentivos à Inovação Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva e Empreendedorismo Qualificado até concursos abertos 26 de abril de 2012 sistema de incentivos à inovação Inovação Produtiva e Empreendedorismo Qualificado

Leia mais

T U R I S M O E M N Ú M E R O S

T U R I S M O E M N Ú M E R O S HÓSPEDES, DORMIDAS, PROVEITOS E REVPAR em CAMA em apartamentos turísticos QUARTO em hoteleiros Fonte: Turismo de Portugal FLUXOS NOS AEROPORTOS Fonte: ANA Aeroportos de Portugal FLUXOS NOS PORTOS MARÍTIMOS

Leia mais

PORTUGAL NA EUROPA: BALANÇO, PERSPETIVAS E TENDÊNCIAS NA HOTELARIA. BTL Feira Internacional de Turismo 3 março 2016

PORTUGAL NA EUROPA: BALANÇO, PERSPETIVAS E TENDÊNCIAS NA HOTELARIA. BTL Feira Internacional de Turismo 3 março 2016 PORTUGAL NA EUROPA: BALANÇO, PERSPETIVAS E TENDÊNCIAS NA HOTELARIA BTL Feira Internacional de Turismo 3 março 2016 AGENDA 1 HOTELARIA EM PORTUGAL: FECHO DO ANO - BALANÇO E PERSPETIVAS EVOLUÇÃO DA HOTELARIA

Leia mais

ESTATÍSTICAS DO TURISMO TOURISM STATISTICS

ESTATÍSTICAS DO TURISMO TOURISM STATISTICS ESTATÍSTICAS DO TURISMO TOURISM STATISTICS 2008 2012 Secretaria Regional da Cultura, Turismo e Transportes Avenida Arriaga, 18 9004-519 Funchal Madeira Telf: 351-291 211 900 Fax: 351-291 232 151 e-mail:

Leia mais

MELHOR HOTELARIA Maria João Martins Gestora de Projetos & Research

MELHOR HOTELARIA Maria João Martins Gestora de Projetos & Research MELHOR HOTELARIA 2020 Maria João Martins Gestora de Projetos & Research Évora 21 de março de 2016 AGENDA 1. Desempenho do Sector Turístico Nacional 2. Balanço 2015 3. Evolução da Oferta Hoteleira 4. Programa

Leia mais

APOIOS À INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA

APOIOS À INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA APOIOS À INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Piedade Valente Vogal da Comissão Diretiva do COMPETE Viana do Castelo, 11

Leia mais

Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais

Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Paulo Lobo Viana do Castelo - 11 de fevereiro 1 Segmentos de Atividade da Construção e Imobiliário VAB Volume de Negócios

Leia mais

ANIMAÇÃO TURÍSTICA. Desafios num mercado competitivo

ANIMAÇÃO TURÍSTICA. Desafios num mercado competitivo ANIMAÇÃO TURÍSTICA Desafios num mercado competitivo João Cotrim de Figueiredo 29 janeiro 2016 Mais um ano de resultados históricos Resultados de novembro 2015 superam ano de 2014 CAGR 6,9% CAGR 4,7% Receitas

Leia mais

LABORATÓRIO ESTRATÉGICO NORTE

LABORATÓRIO ESTRATÉGICO NORTE LABORATÓRIO ESTRATÉGICO NORTE Museu do Douro PESO DA RÉGUA, 6 de setembro de 2016 Nuno Fazenda O Turismo nos últimos 10 anos ESTRUTURA Gestão e Monitorização Grandes Desafios Referencial Estratégico GRANDES

Leia mais

Anuário. do Turismo 2008

Anuário. do Turismo 2008 Anuário das Estatísticas do Turismo 2008 Anuário das Estatísticas do Turismo 2008 www.turismodeportugal.pt ÍndIce CAPÍTULO I Séries Internacionais e Nacionais 2000 a 2008 5 Fluxos Turísticos Internacionais

Leia mais

ESTATÍSTICAS DO TURISMO TOURISM STATISTICS

ESTATÍSTICAS DO TURISMO TOURISM STATISTICS ESTATÍSTICAS DO TURISMO TOURISM STATISTICS 2007 2011 Secretaria Regional da Cultura, Turismo e Transportes Avenida Arriaga, 18 9004-519 Funchal Madeira Telf: 351-291 211 900 Fax: 351-291 232 151 e-mail:

Leia mais

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A INDÚSTRIA QUEM NÃO REAGIR LE CIRQUE DU SOLEIL O QUE NOS ESPERA NO PERÍODO 2007/2013

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A INDÚSTRIA QUEM NÃO REAGIR LE CIRQUE DU SOLEIL O QUE NOS ESPERA NO PERÍODO 2007/2013 ESTRUTURA DA COMUNICAÇÃO BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A INDÚSTRIA NOVO PARADIGMA QUEM NÃO REAGIR LE CIRQUE DU SOLEIL O QUE NOS ESPERA NO PERÍODO 2007/2013 ESTRUTURA DA COMUNICAÇÃO BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE

Leia mais

RESTAURANTE DO FUTURO

RESTAURANTE DO FUTURO PROJETO DE INVESTIGAÇÃO APLICADA RESTAURANTE DO FUTURO CANAL CARLOS COSTA IDTOUR UNIQUE SOLUTIONS/ UNIVERSIDADE DE AVEIRO LAMEGO, 29.NOVEMBRO.2012 INVESTIGAÇÃO APLICADA CANAL [ 02 ] RESTAURANTE DO FUTURO

Leia mais

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo

Leia mais

Workshop Relatório Estratégico do QREN Balanço dos Resultados e de alguns Instrumentos INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA FINANCEIRA

Workshop Relatório Estratégico do QREN Balanço dos Resultados e de alguns Instrumentos INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA FINANCEIRA Workshop Relatório Estratégico do QREN 2012 - Balanço dos Resultados e de alguns Instrumentos INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA FINANCEIRA Carla Leal Instituto Financeiro Desenvolvimento Regional, IP 30 abril

Leia mais

Região do Médio Tejo. Características e Desafios

Região do Médio Tejo. Características e Desafios Região do Médio Tejo Características e Desafios 09 março 2015 A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo Território e Municípios A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo Atribuições e Competências das

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira congresso LiderA, Lisboa 25/05/2011 Plataforma para a Construção Sustentável Visão e Missão OClusterHabitat? agregador em rede de actividades

Leia mais

Dormidas de não residentes continuaram em crescimento

Dormidas de não residentes continuaram em crescimento Atividade Turística Junho de 2015 14 de agosto de 2015 Dormidas de não residentes continuaram em crescimento A hotelaria registou 5,0 milhões de dormidas em junho de 2015, a que corresponde um aumento

Leia mais

Atividade Turística manteve resultados positivos em 2015

Atividade Turística manteve resultados positivos em 2015 Estatísticas do Turismo 2015 28 de julho de 2016 Atividade Turística manteve resultados positivos em 2015 Segundo os dados mais recentes publicados pela Organização Mundial de Turismo, as chegadas de turistas

Leia mais

ECOEFICIÊNCIA E COMPETITIVIDADE

ECOEFICIÊNCIA E COMPETITIVIDADE apresentação do projeto ECOEFICIÊNCIA E COMPETITIVIDADE Em relação a barreiras à inovação, as respostas (das empresas ao inquérito) apontam os recursos financeiros como os mais relevantes, o que denota,,

Leia mais

LABORATÓRIO ESTRATÉGICO ALENTEJO

LABORATÓRIO ESTRATÉGICO ALENTEJO LABORATÓRIO ESTRATÉGICO ALENTEJO Évora Hotel ÉVORA, 13 de setembro de 2016 Nuno Fazenda O Turismo nos últimos 10 anos ESTRUTURA Gestão e Monitorização Grandes Desafios Referencial Estratégico FOCO EM ATIVOS

Leia mais

Seminário de Apresentação do Projeto Victor Ferreira Aveiro, 15/09/2016

Seminário de Apresentação do Projeto Victor Ferreira Aveiro, 15/09/2016 Seminário de Apresentação do Projeto Victor Ferreira Aveiro, 15/09/2016 15 de Setembro 2016 Enquadramento SIG HABITAT - Sistema de Informação e Gestão do Cluster Habitat Projeto SIAC nº 016209 Programa

Leia mais

Portugal é feito de todos nós Turismo de Portugal na BTL 2014

Portugal é feito de todos nós Turismo de Portugal na BTL 2014 Portugal é feito de todos nós Turismo de Portugal na BTL 2014 Portugal é feito de todos nós é o tema da participação do Turismo de Portugal na BTL Feira Internacional de Turismo, que se realiza de 12 a

Leia mais

II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios]

II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios] II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios] Painel: Como é que os destinos turísticos se estão a preparar? O caso do Destino Douro Porto, 18 de Junho

Leia mais

para o desenvolvimento do turismo em portugal

para o desenvolvimento do turismo em portugal para o desenvolvimento do turismo em portugal Nuno Fazenda Turismo de Portugal, I.P Albufeira, 7 de Abril 2015 1 Do plano de ação turismo 2020 ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS TURISMO 2020: QUESTÕES ESTRUTURAIS

Leia mais

Verbas comunitárias do Turismo modernizam e aumentam qualidade da hotelaria no Centro de Portugal

Verbas comunitárias do Turismo modernizam e aumentam qualidade da hotelaria no Centro de Portugal QREN/Turismo 2015 viabiliza 12 investimentos turísticos Verbas comunitárias do Turismo modernizam e aumentam qualidade da hotelaria no Centro de Portugal A assinatura de 12 contratos de financiamento comunitário

Leia mais

Janeiro a Setembro 2016

Janeiro a Setembro 2016 1 Oferta Turística Turismo no Espaço Rural nos Açores Por Ilha Por Mercados Procura Procura Turística Turística Janeiro a Setembro 2016 Tendência Condições de Utilização 2 Este documento é da exclusiva

Leia mais

Saúde: um setor com elevado potencial exportador

Saúde: um setor com elevado potencial exportador Projetar Portugal 2013.01.03 Saúde: um setor com elevado potencial exportador Joaquim Cunha 3 janeiro 2013 science innovation research innovation development innovation strategy innovation networking innovation

Leia mais

O COMPETE 2020 ANEXO I

O COMPETE 2020 ANEXO I O COMPETE 2020 O Programa Operacional Temático Competitividade e Internacionalização, designado por COMPETE 2020, insere-se na prioridade temática Competitividade e Internacionalização do Portugal 2020

Leia mais

Congresso Internacional Turismo Interior O Turismo, Compromisso de Todos

Congresso Internacional Turismo Interior O Turismo, Compromisso de Todos visão do turismo Portugal-Espanha desde a colaboração da Região Centro e Extremadura Congresso Internacional Turismo Interior O Turismo, Compromisso de Todos Turismo Centro Portugal Plasencia I Espanha

Leia mais

Divulgação do Programa Estratégico +E + I. CIM Alto Minho Arcos de Valdevez

Divulgação do Programa Estratégico +E + I. CIM Alto Minho Arcos de Valdevez Divulgação do Programa Estratégico +E + I CIM Alto Minho Arcos de Valdevez 31.01.2013 O Programa +E+I O Empreendedorismo e a inovação são objectivos prioritários para o desenvolvimento e o aumento da competitividade

Leia mais

SIG HABITAT - Sistema de Informação e Gestão do Cluster Habitat

SIG HABITAT - Sistema de Informação e Gestão do Cluster Habitat António Soares O projeto SIG HABITAT - Sistema de Informação e Gestão do Cluster Habitat identificado com o nº 016209 apresentado ao Programa Operacional Competitividade e Internacionalização, nos termos

Leia mais

4º Congresso APECATE Portugal 2020 O Estado das Coisas

4º Congresso APECATE Portugal 2020 O Estado das Coisas José Mendes, CEO IDTOUR Ílhavo, 30.01.2016 I. O Passado das Coisas I execução do QREN 2007-13 I II. O Desafio das Coisas I visão das associações representativas e das empresas do setor I III. O Caminho

Leia mais

Análise Mensal Abril 2016

Análise Mensal Abril 2016 1 Procura Turística Por Ilha Por Mercados Comparação Em Relação à Média Nacional Hotelaria Tradicional Análise Mensal Abril 2016 Oferta Turística Condições de Utilização 2 Este documento é da exclusiva

Leia mais

VÊ PORTUGAL 4.º FÓRUM TURISMO INTERNO PAINEL 1 PROGRAMAS DE APOIO À VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DESTINO PORTUGAL 2020

VÊ PORTUGAL 4.º FÓRUM TURISMO INTERNO PAINEL 1 PROGRAMAS DE APOIO À VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DESTINO PORTUGAL 2020 VÊ PORTUGAL 4.º FÓRUM TURISMO INTERNO PAINEL 1 PROGRAMAS DE APOIO À VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DESTINO PORTUGAL 2020 Jaime S. Andrez Presidente da CD do COMPETE 2020 29 maio 2017 AJvidade estratégica Uma

Leia mais

Oferta Turística. Turismo no Espaço Rural nos Açores. 1º Semestre de Procura Turística. Tendência. Por Ilha Por Mercados

Oferta Turística. Turismo no Espaço Rural nos Açores. 1º Semestre de Procura Turística. Tendência. Por Ilha Por Mercados 1 Oferta Turística Turismo no Espaço Rural nos Açores Procura Turística 1º Semestre de 2016 Tendência Por Ilha Por Mercados Condições de Utilização 2 Este documento é da exclusiva propriedade do Observatório

Leia mais

INOVAÇÃO PRODUTIVA CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º 07/SI/ All rights reserved

INOVAÇÃO PRODUTIVA CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º 07/SI/ All rights reserved CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º 07/SI/2017 1 Introdução Enquadramento Incentivar a inovação do tecido económico nacional através do desenvolvimento de empresas e empreendedores, inovando

Leia mais

INQUÉRITO BALANÇO PERSPETIVAS 2016

INQUÉRITO BALANÇO PERSPETIVAS 2016 INQUÉRITO BALANÇO 2015 - PERSPETIVAS 2016 Balanço 2015 Taxa de ocupação quarto Preço médio por quarto vendido MELHOR 76% MELHOR 73% IGUAL 13% IGUAL 1 PIOR PIOR 4% NÃO APLICÁVEL NÃO APLICÁVEL 76% considera

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS PORTUGAL 2020

SISTEMAS DE INCENTIVOS PORTUGAL 2020 SISTEMAS DE INCENTIVOS PORTUGAL 2020 Qualificação PME Esta candidatura consiste num plano de apoio financeiro a projetos que visam ações de qualificação de PME em domínios imateriais com o objetivo de

Leia mais

Barómetro Turismo Alentejo

Barómetro Turismo Alentejo Barómetro Turismo Alentejo Janeiro 2012 METODOLOGIA TOP DORMIDAS JANEIRO 2012 Inicia-se este ano de 2012 com alterações na metodologia do Barómetro, incluindo a sistemática comparação dos dados de 2012

Leia mais

O projeto Competitividade Responsável (CR) no Citeve Sessão de apresentação dos resultados do projeto CR Semana da Competitividade Responsável 31

O projeto Competitividade Responsável (CR) no Citeve Sessão de apresentação dos resultados do projeto CR Semana da Competitividade Responsável 31 O projeto Competitividade Responsável (CR) no Citeve Sessão de apresentação dos resultados do projeto CR Semana da Competitividade Responsável 31 maio 2012 O projeto Desenvolvido no âmbito do Pólo de Competitividade

Leia mais

As PME s em Moçambique

As PME s em Moçambique MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO Seminário Económico Moçambique Portugal As em Moçambique Por Claire Zimba Existimos para Auditório da Culturgest, 10:40Hrs 11:00Hrs, 17 de Julho de 2015, Lisboa - Portugal

Leia mais

ESTATÍSTICAS DO TURISMO TOURISM STATISTICS

ESTATÍSTICAS DO TURISMO TOURISM STATISTICS ESTATÍSTICAS DO TURISMO TOURISM STATISTICS 2006-2010 Secretaria Regional do Turismo e Transportes Avenida Arriaga, 18 9004-519 Funchal Madeira Telf: 351-291 211 900 Fax: 351-291 232 151 e-mail: info@madeiratourism.com

Leia mais

Apoios à Inovação e Internacionalização das Empresas Franquelim Alves

Apoios à Inovação e Internacionalização das Empresas Franquelim Alves Apoios à Inovação e Internacionalização das Empresas Franquelim Alves Gestor do COMPETE Braga, 17 de Fevereiro de 2012 QREN 2007-2013 Agendas Prioritárias Competitividade Potencial Humano Valorização do

Leia mais

Barómetro Turismo Alentejo

Barómetro Turismo Alentejo Barómetro Turismo METODOLOGIA Com a edição do Barómetro de Abril, além de aumentar o número de entidades que aderiram ao sistema enviando dados mensais (94), fortalecemos a metodologia das amostras com

Leia mais

Implementação da ENM Abordagens Integradas para a Náutica

Implementação da ENM Abordagens Integradas para a Náutica Implementação da ENM 2013-2020 Abordagens Integradas para a Náutica Náutica 2020 Vila Praia de Âncora, 21 de novembro de 2014 João Fonseca Ribeiro Diretor-Geral de Politica do Mar O Mar-Portugal é um desígnio

Leia mais

O MUNDO A RAM COMPROMISSO COM A ESTRATÉGIA UM DUPLO RECONHECIMENTO O EXEMPLO A RETER

O MUNDO A RAM COMPROMISSO COM A ESTRATÉGIA UM DUPLO RECONHECIMENTO O EXEMPLO A RETER O MUNDO A RAM COMPROMISSO COM A ESTRATÉGIA UM DUPLO RECONHECIMENTO O EXEMPLO A RETER 1. ENQUADRAMENTO INTERNACIONAL 1. ENQUADRAMENTO INTERNACIONAL -7% -5% WRD 2,9% PT 5,8% RAM 25% EM 2001 RAM 2013

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DAS PME

INTERNACIONALIZAÇÃO DAS PME CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º 11/SI/2017 1 Introdução Enquadramento Reforçar a competitividade das empresas, promover o aumento da exportação de produtos com alta intensidade tecnológica

Leia mais

AGENDA CARACTERIZAÇÃO DA FILEIRA VINHO E AZEITE AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS ADERENTES DEBATE DE IDEIAS CONCLUSÕES

AGENDA CARACTERIZAÇÃO DA FILEIRA VINHO E AZEITE AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS ADERENTES DEBATE DE IDEIAS CONCLUSÕES AGENDA CARACTERIZAÇÃO DA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS ADERENTES DEBATE DE IDEIAS CONCLUSÕES ENQUADRAMENTO ECONÓMICO Portugal Norte Terras de Trás-os- Montes Douro Alto Tâmega

Leia mais

Rede de Museus e Equipamentos Culturais de Évora. Comemorações do Dia Mundial do Turismo 23 de setembro de Évora

Rede de Museus e Equipamentos Culturais de Évora. Comemorações do Dia Mundial do Turismo 23 de setembro de Évora Rede de Museus e Equipamentos Culturais de Évora Comemorações do Dia Mundial do Turismo 23 de setembro de 2016 - Évora 1. Diagnóstico síntese - Pontos fortes CLASSIFICAÇÃO UNESCO - ÉVORA PATRIMÓNIO DA

Leia mais

Turismo 2015_Folheto Aviso_Concurso_SI_Inovação_Inovação Produtiva e Empreededorismo Qualificado

Turismo 2015_Folheto Aviso_Concurso_SI_Inovação_Inovação Produtiva e Empreededorismo Qualificado Tipologias de Projectos a Apoiar na Inovação Produtiva: Região NUTS II do Centro, Norte e Alentejo e Requalificação - Aldeamentos Turísticos [de 4 ou 5 estrelas] - Parques de Campismo [desde que resultem

Leia mais

O papel da AICEP nas Feiras Internacionais. 20 de fevereiro de 2013

O papel da AICEP nas Feiras Internacionais. 20 de fevereiro de 2013 O papel da AICEP nas Feiras Internacionais 20 de fevereiro de 2013 Tópicos da apresentação 1. Feiras Internacionais no contexto da globalização 2. Papel da AICEP nas feiras internacionais 2.1 Organização

Leia mais

PLANO AQUARELA

PLANO AQUARELA PLANO AQUARELA 2007-2010 Evolução do Turismo no Mundo TABELA 1 TENDÊNCIAS DO TURISMO MUNDIAL - ENTRADA DE TURISTAS (MILHÕES) 2003 2004 2005 2006 Previsão 2010 Previsão 2020 MUNDO 694,0 764,0 806,0 842,0

Leia mais

Medidas de apoio ao I&D nas Empresas. Investigação em Co-Promoção SIFIDE. Aveiro, 7 de Fevereiro 2011

Medidas de apoio ao I&D nas Empresas. Investigação em Co-Promoção SIFIDE. Aveiro, 7 de Fevereiro 2011 Medidas de apoio ao I&D nas Empresas Investigação em Co-Promoção SIFIDE Aveiro, 7 de Fevereiro 2011 Investigação em Consórcio I&D em Consórcio: Instrumento do Alargamento do Número de Empresas com Actividades

Leia mais

OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO PARA AS EMPRESAS NO PORTUGAL 2020

OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO PARA AS EMPRESAS NO PORTUGAL 2020 OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO PARA AS EMPRESAS NO PORTUGAL 2020 Sessão de apresentação/divulgação Barreiro Vítor Escária 28.01.2015 1. Enquadramento 2. Condições de Elegibilidade e Apoios Máximos 3. Apoio

Leia mais

Turismo no Espaço Rural. Análise Acumulada. Janeiro a Setembro 2015

Turismo no Espaço Rural. Análise Acumulada. Janeiro a Setembro 2015 Turismo no Espaço Rural Análise Acumulada Janeiro a Setembro 2015 Condições de Utilização Este documento é da exclusiva propriedade do Observatório do Turismo dos Açores Região Autónoma dos Açores. Nenhuma

Leia mais

Quota 17,5% volume Quota 17,4% valor Preço médio 3,93 (Alentejo 3,81 )

Quota 17,5% volume Quota 17,4% valor Preço médio 3,93 (Alentejo 3,81 ) H E L L O VENDAS Quota 17,5% volume Quota 17,4% valor Preço médio 3,93 (Alentejo 3,81 ) 2015 + 54 M +7% + 23 M. Litros 3% + 100 mercados 1º EUA +13 M 30% 2º Alemanha +9M 3º França 4º Canadá 5º Brasil 57%

Leia mais

Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo

Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo Atividade Turística Julho de 20 15 de setembro de 20 Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo A hotelaria registou 5,8 milhões de dormidas em julho de 20, valor correspondente a

Leia mais

Fórum das Exportações

Fórum das Exportações Ponta Delgada 27 de Junho de 2011 Arnaldo Machado Director Regional de Apoio ao Investimento e à Competitividade 1 Internacionalização Delimitação do conceito compreende todo o tipo de intervenção qualitativamente

Leia mais

Lisboa, 25 de novembro de 2011

Lisboa, 25 de novembro de 2011 Lisboa, 25 de novembro de 2011 A reabilitação urbana constitui um fator essencial no desenvolvimento do setor do turismo, enquanto elemento integrante da nossa oferta turística A regeneração urbana estabelece

Leia mais

Cluster Habitat Sustentável rede de cooperação

Cluster Habitat Sustentável rede de cooperação Cluster Habitat Sustentável rede de cooperação COIMBRA, 19/04/2012 Victor Ferreira (Plataforma Construção Sustentável) Cluster Habitat Sustentável - Rede de Cooperação O cluster Habitat? agregador em rede

Leia mais

Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil,

Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil, «Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil, Departamento de Estatísticas Demográficas e Sociais Serviço de Estatísticas Demográficas 07/10/2016

Leia mais

LAYOUT DO TÍTULO SUBTÍTULO

LAYOUT DO TÍTULO SUBTÍTULO LAYOUT DO TÍTULO SUBTÍTULO FORÇAS DO TURISMO BRASILEIRO 1 colocado na classificação de Recursos Naturais (Relatório de Competitividade em Viagem e Turismo 2017 Fórum Econômico Mundial) 8 colocado na classificação

Leia mais

Gastronomia & Vinhos no contexto do Plano Estratégico Nacional do Turismo. Santarém, 16 de Outubro

Gastronomia & Vinhos no contexto do Plano Estratégico Nacional do Turismo. Santarém, 16 de Outubro Gastronomia & Vinhos no contexto do Plano Estratégico Nacional do Turismo Santarém, 16 de Outubro - 2008 PENT- Plano Estratégico Nacional do Turismo Uma estratégia para o desenvolvimento do Turismo em

Leia mais

PROGRAMA TURISMO 4.0

PROGRAMA TURISMO 4.0 PROGRAMA TURISMO 40 Estrutura para a implementação do programa no setor do Turismo Potenciar Portugal como um hub global de inovação no Turismo, promovendo um ecossistema de cooperação tecnológica e empresarial

Leia mais

TURISMO INDUSTRIAL NO CONTEXTO DO PRODUTO TOURING. Conferência Turismo Industrial e Desenvolvimento Local

TURISMO INDUSTRIAL NO CONTEXTO DO PRODUTO TOURING. Conferência Turismo Industrial e Desenvolvimento Local TURISMO INDUSTRIAL NO CONTEXTO DO PRODUTO TOURING Conferência Turismo Industrial e Desenvolvimento Local Imagem: museu chapelaria, s.j.madeira Lisboa, 30 de Outubro de 2013 Teresa Ferreira O produtotouring

Leia mais

TURISMO EQUESTRE EM PORTUGAL

TURISMO EQUESTRE EM PORTUGAL Workshop Técnico TURISMO EQUESTRE EM PORTUGAL oportunidades de desenvolvimento ORGANIZAR E PROMOVER A OFERTA NACIONAL João Portugal, Departamento de Desenvolvimento e Inovação Palácio Nacional de Queluz

Leia mais

Sistemas de Incentivos do QREN

Sistemas de Incentivos do QREN Sistemas de Incentivos do QREN Sistemas de Incentivos do QREN 1. Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME 2. Sistema de Incentivos à Inovação 3. Sistema de Incentivos à Investigação

Leia mais

PO FACTORES DE COMPETITIVIDADE PO REGIONAL DO NORTE PO REGIONAL DO CENTRO PO REGIONAL DO ALENTEJO PO REGIONAL DO ALGARVE

PO FACTORES DE COMPETITIVIDADE PO REGIONAL DO NORTE PO REGIONAL DO CENTRO PO REGIONAL DO ALENTEJO PO REGIONAL DO ALGARVE PERGUNTAS & RESPOSTAS AAC Nº 04/SI/2010 (SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA) AAC Nº 05/SI/2010 (SI INOVAÇÃO EMPREENDEDORISMO) AAC Nº 07/SI/2010 (SI QUALIFICAÇÃO PME) Página 1 de 7 A. Volume de negócios internacional

Leia mais

movimentos aéreos movimentos marítimos dormidas hóspedes estada média taxas ocupação proveitos médios balança turística

movimentos aéreos movimentos marítimos dormidas hóspedes estada média taxas ocupação proveitos médios balança turística Variações entre os valores anuais de 2005 e 2006: +4,2% no movimento de passageiros desembarcados de voos internacionais clássicos; +38,6% movimento de passageiros desembarcados de voos low-cost; -0,8%

Leia mais

Anuário das Estatísticas do Turismo 2009

Anuário das Estatísticas do Turismo 2009 Anuário das Estatísticas do Turismo 2009 1 Índice CAPÍTULO I - Séries Internacionais e Nacionais 2001 a 2009 3 Fluxos Turísticos Internacionais 4 O Turismo na Economia Nacional 12 O Alojamento Turístico

Leia mais

Dormidas e proveitos desaceleram

Dormidas e proveitos desaceleram 14 de outubro de 2016 Atividade Turística Agosto de 2016 Dormidas e proveitos desaceleram A hotelaria registou 2,3 milhões de hóspedes e 7,5 milhões de dormidas em agosto de 2016, resultados que se traduziram

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2017

PLANO DE ATIVIDADES 2017 PLANO DE ATIVIDADES 2017 PE1 Reforçar a participação ativa na discussão, implementação e avaliação de planos, políticas e legislação ambientais, promovendo a partilha de informação e conhecimento com os

Leia mais

Calendário Comum de Lançamento de Concursos

Calendário Comum de Lançamento de Concursos Calendário Comum de Lançamento de Concursos Domínio Competitividade e Internacionalização do Portugal 2020 Março de 2015 a Março de 2016 Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Rua

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº LISBOA SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS REFERENCIAL DE MÉRITO DO PROJETO

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº LISBOA SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS REFERENCIAL DE MÉRITO DO PROJETO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº LISBOA-52-2017-10 SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS INTERNACIONALIZAÇÃO REFERENCIAL DE MÉRITO DO PROJETO PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DE LISBOA 26

Leia mais

Regeneração Urbana Um novo Impulso

Regeneração Urbana Um novo Impulso Regeneração Urbana Um novo Impulso O ENQUADRAMENTO Portugal tem 1,5 milhões de fogos que precisam de ser reabilitados dos quais 126 mil edifícios têm necessidade de intervenções urgentes e podem colocar

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Presidente António dos Reis Duarte

FICHA TÉCNICA. Presidente António dos Reis Duarte FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Cidade

Leia mais

Agenda Factores de Competitividade

Agenda Factores de Competitividade QREN Agenda Factores de Competitividade 12 Novembro 07 1 Objectivos desenvolvimento de uma economia baseada no conhecimento e na inovação; incremento da produção transaccionável e de uma maior orientação

Leia mais

DIREÇÃO DE APOIO AO INVESTIMENTO

DIREÇÃO DE APOIO AO INVESTIMENTO DIREÇÃO DE APOIO AO INVESTIMENTO Turismo em Portugal Importância na economia portuguesa. Um setor competitivo e com relevância crescente na economia de Portugal. 11,4Mm Receitas Turísticas (2015, BdP)

Leia mais

Estatísticas do Turismo 2001

Estatísticas do Turismo 2001 Informação à Comunicação Social 29 de Agosto de 22 Estatísticas do Turismo 21 Estando disponível na Internet a publicação Estatísticas do Turismo 21, o INE apresenta os principais resultados referentes

Leia mais

SI INOVAÇÃO TURISMO SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO E EMPREENDORISMO QUALIFICADO (AVISO DE CANDIDATURA JANEIRO 2011) INFORMAÇÃO SINTETIZADA

SI INOVAÇÃO TURISMO SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO E EMPREENDORISMO QUALIFICADO (AVISO DE CANDIDATURA JANEIRO 2011) INFORMAÇÃO SINTETIZADA SI INOVAÇÃO SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO E EMPREENDORISMO QUALIFICADO (AVISO DE CANDIDATURA JANEIRO 2011) TURISMO QREN QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL 2007-2013 INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 ÍNDICE

Leia mais

Cristina Siza Vieira AHP Associação da Hotelaria de Portugal

Cristina Siza Vieira AHP Associação da Hotelaria de Portugal Cristina Siza Vieira AHP Associação da Hotelaria de Portugal European Cities Hotel Forecast for 2016 and 2017 PORTO Palacete dos Viscondes de Balsemão 17 de maio 2016 AHP TOURISM MONITORS Plataforma da

Leia mais

O TURISMO DE NATUREZA NA ESTRATÉGIA PARA O TURISMO 2027

O TURISMO DE NATUREZA NA ESTRATÉGIA PARA O TURISMO 2027 Conselho Nacional do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável O TURISMO DE NATUREZA NA ESTRATÉGIA PARA O TURISMO 2027 Nuno fazenda Lisboa, 28 de outubro de 2016 AGENDA ET 27: enquadramento e percurso

Leia mais

Missão: o que fazemos e porque existimos

Missão: o que fazemos e porque existimos Fundada em 1991. Estatutos, Artigo 4º: A Movijovem tem como objeto principal promover, apoiar e fomentar acções de mobilidade juvenil na sua vertente social, possibilitando aos jovens portugueses, em especial

Leia mais

Sistema de incentivos às empresas

Sistema de incentivos às empresas www.finaccount.com Sistema de incentivos às empresas Prestação de Serviços de Consultoria Empresarial e Formação Índice 1. Inovação empresarial e 3 2. 8 3. Investigação e desenvolvimento tecnológico 15

Leia mais

PortugalFoods - Pólo de Competitividade e Tecnologia Agro-Alimentar. ALTO MINHO Desafio Isabel Braga da Cruz

PortugalFoods - Pólo de Competitividade e Tecnologia Agro-Alimentar. ALTO MINHO Desafio Isabel Braga da Cruz PortugalFoods - Pólo de Competitividade e Tecnologia Agro-Alimentar ALTO MINHO Desafio 2020 Isabel Braga da Cruz Vila Nova de Cerveira, 19 de Abril 2012 O Pólo de Competitividade e Tecnologia Agro-Alimentar

Leia mais

Inovação Produtiva PME Qualificação das PME

Inovação Produtiva PME Qualificação das PME Sistema de Incentivos Inovação Empresarial e Empreendedorismo Qualificação das PME Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (I&DT) Inovação Empresarial e Empreendedorismo Qualificação e Internacionalização

Leia mais

6.º ENCONTRO DE ARQUIVOS EMPRESARIAIS OEIRAS, 17 DE FEVEREIRO 2017 ARQUIVOS DE EMPRESAS: QUEM NÃO TRABUCA, NÃO MANDUCA

6.º ENCONTRO DE ARQUIVOS EMPRESARIAIS OEIRAS, 17 DE FEVEREIRO 2017 ARQUIVOS DE EMPRESAS: QUEM NÃO TRABUCA, NÃO MANDUCA 6.º ENCONTRO DE ARQUIVOS EMPRESARIAIS OEIRAS, 17 DE FEVEREIRO 2017 ARQUIVOS DE EMPRESAS: QUEM NÃO TRABUCA, NÃO MANDUCA GERIR INFORMAÇÃO EMPRESARIAL: DO SUPORTE PAPEL AOS SISTEMAS MULTISSENSORIAIS INTELIGENTES

Leia mais

Define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos fundos comunitários para o período de

Define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos fundos comunitários para o período de QREN: Uma oportunidade para potenciar a inovação nas empresas O que é o QREN? Define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos fundos comunitários para o período de 2007-2013. As suas

Leia mais

Luís Filipe Reis Fim de tarde na Ordem 22 Março Luís Filipe Reis. Fim de tarde na Ordem 22 Março 2017

Luís Filipe Reis Fim de tarde na Ordem 22 Março Luís Filipe Reis. Fim de tarde na Ordem 22 Março 2017 Luís Filipe Reis Fim de tarde na Ordem 22 Março 2017 Luís Filipe Reis Fim de tarde na Ordem 22 Março 2017 UMA ALIMENTAÇÃO EQUILIBRADA Gorduras e óleos Laticínios Leguminosas e derivados Carne, pescado

Leia mais

PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS

PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 32 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO (SI I&DT) PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS Nos termos do Regulamento do

Leia mais

para o setor industrial no Brasil Felipe Sgarbi

para o setor industrial no Brasil Felipe Sgarbi O avanço da gestão da energia e as oportunidades para o setor industrial no Brasil Felipe Sgarbi Agenda O ICA/Procobre Gestão de Energia e a ISO 50001 O setor industrial brasileiro Conclusões O avanço

Leia mais