A ANÁLISE NEO RIEMANNIANA APLICADA À OBRA DE ALBERTO NEPOMUCENO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ANÁLISE NEO RIEMANNIANA APLICADA À OBRA DE ALBERTO NEPOMUCENO"

Transcrição

1 1 A ANÁLISE NEO RIEMANNIANA APLICADA À OBRA DE ALBERTO NEPOMUCENO Rita de Cássia Taddei Universidade de São Paulo - Resumo: Agregando teoria e análise, este estudo apresenta uma aplicação da ferramenta proposta pelo teórico neo-riemanniano David Kopp, o Sistema de Transformações Cromáticas, em um fragmento da ópera Artemis (1848), de Alberto Nepomuceno. Demonstra-se, assim, a importância em se atrelar adequadamente teoria, análise e repertório. Palavras-Chave: Transformações Cromáticas, Nepomuceno, Análise Musical THE NEO RIEMANNIAN ANALYSIS APPLIED TO THE WORK OF ALBERTO NEPOMUCENO Abstract: Adding theory and analysis, this study presents an application of the tool proposed by the neo-riemannian theorist David Kopp, the Chromatic Transformations System, in a fragment of the opera Artemis (1848), by Alberto Nepomuceno. From this we can see the importance in properly tying theory, analysis, and repertory. Key Words: Chromatic Transformations, Nepomuceno, Musical Analysis Introdução Dentre as questões que levantaram estudos e discussões entre os teóricos ao longo da história, está a expansão da tonalidade, presente no repertório do século XIX, que se deve, entre outros fatores, ao excessivo uso do cromatismo, que implicou em uma nova organização no que se refere ao emprego das mediantes cromáticas e dos acordes alterados. O teórico David Kopp afirma que o cromatismo do século XIX possui uma identidade própria, distinta dos modelos anteriores, razão pela qual situa-se à parte de um sistema ou grupo de sistemas envolvidos. No livro Chromatic Transformations in Nineteenth-Century Music (KOPP, 2002), abarca as propostas de vários teóricos sobre as questões do cromatismo e da tonalidade expandida, discorrendo amplamente sobre as teorias de Hugo Riemann, a quem se atribui um elaborado estudo de tonalidade cromática. Após demonstrar e comparar várias possibilidades de análise, chega aos sistemas organizados por David Lewin, Brian Hyer e Richard Cohn, e neste ponto propõe sua própria forma de abordagem, que será adotada neste trabalho, visto tratar-se de uma linha neo riemanniana. Levando em conta a metodologia adotada nos livros e artigos que tratam do assunto, a qual associa as teorias a exemplos de análise de peças significativas do

2 2 repertório do século XIX, considera-se que os conhecimentos adquiridos por meio da análise de peças de compositores desse período constitui uma das fontes de estudo do cromatismo na música: ao se investigar as ferramentas de análise mais apropriadas a determinada peça deste repertório, organiza-se um processo lógico para a compreensão da estrutura cromática da mesma. Dessa forma, esse artigo objetiva agregar teoria e análise, em um fragmento da ópera Artemis (1848), de Alberto Nepomuceno. O trecho escolhido (Introdução, compassos 1-72), apresenta acordes alterados cromaticamente que não apontam relação funcional, sendo, portanto, um texto musical adequado para a aplicação da teoria analítica proposta. A teoria apresentada por David Kopp Aspectos Gerais Há várias possibilidades de se organizar o espaço cromático harmônico, somando um maior número de relações que no espaço diatônico: com a quinta e a fundamental, a manutenção do mesmo modo resulta em uma relação diatônica, a mudança de modo em uma relação cromática. Com a terça, a manutenção do mesmo modo resulta em uma relação cromática, a mudança de modo implica em uma relação diatônica. A teoria de Hugo Riemann, explica essas movimentações por meio dos conceitos de Marcha e Contra-Marcha, conforme se vê na tabela 1 (RIEMANN, 2005, pp ). Marcha de terça Contra-marcha de terça Marcha de sexta Contra-marcha de sexta Tabela 1 Marchas da Harmonia, por Hugo Riemann O Sistema de Transformações Cromáticas de David Kopp A linha de investigação na teoria da transformação tonal parece ter mudado seu foco para modelos baseados na voz principal e consequente redução de transformações. Tal afirmação apoia-se no argumento de que algumas relações de acordes, além das relações diatônicas, devem ser resultados de processos não harmônicos.

3 3 Essa abordagem fornece uma visão considerável em aspectos de organização na música do século XIX, no entanto, paralelamente a essa mudança há um desvio de atenção da ideia de que o sistema tonal harmônico possui uma complexidade maior da que é própria da prática ordinária (KOPP, 2002, p.165). Portanto, em alguns casos, a noção de função cromática parece ser apropriada, o que aponta para o reconhecimento e inclusão das relações cromáticas de notas comuns em um modelo musical abrangente de relações harmônicas. Kopp estabelece um sistema de transformações fundamentado na tonalidade de notas comuns: Sistema de Transformações Cromáticas. Quanto às características gerais das transformações, que podem ocorrer nas fundamentais, terças ou quintas dos acordes, com ou sem mudança de modo, empregam-se as notações (em itálico) descritas na tabela 3 (KOPP, 2002, pp ): Características Gerais das Transformações Cromáticas intervalo mesmo modo mudança de modo observações Fundamental I P Aqui Kopp considera as mesmas notações do Sistema de Lewin, onde IDENT preserva o modo do acorde, e REL implica na alteração da terça, convertendo a tríade maior em menor ou vice versa. Terça M/m R/r M e m: correspondem, respectivamente, aos intervalos de 3M e 3m, no sentido descendente. Caso ocorram no sentido ascendente, acrescenta-se aos mesmos -1. R e r: correspondem, respectivamente, aos intervalos de 3M e 3m, nos sentidos ascendente ou descendente. Quinta D F D e F : correspondem ao intervalo descendente de 5J (com a diferença de que no primeiro o modo é mantido e no segundo, não). Para indicar sentido ascendente, acrescenta-se -1. Tabela 3: Características Gerais das Transformações Cromáticas segundo Kopp Tranformações Compostas: Transformação Slide (KOPP, 2002, p.175): duas tríades de modos opostos separadas por um semitom (tríade maior abaixo e a tríade menor acima). Chamada de mudança dupla de terça por Riemann e reconhecida por Lewin como transformação Slide, ou S. A fórmula para ii-v é F, e para N-V é SF. S será também utilizado em outras formas similares de análise.

4 4 Se o primeiro acorde é maior, indica-se esta conexão por meio da fórmula composta DM, como, por exemplo a sequência C-Db (KOPP, 2002, pp. 187, 198). Progressões por movimento de graus conjuntos (KOPP, 2002, p. 176) Progressões por graus conjuntos não apresentam conexão a menos que notas extras, como sétimas, sejam introduzidas. A Teoria da Transformação admite a ocorrência de um acorde mediador aproximando as progressões por movimentação de segunda. A progressaõ IV-Vrecebe a fórmula D -2, representando um transformação da dominante inversa do acorde inicial para o acorde intermediário, seguido por outro, que vai do acorde intermediário ao acorde final. A sexta aumentada (KOPP, 2002, p. 180) Na teoria da transformação, a movimentação de qualquer nota em uma progressão de acorde deve ser especificada matematicamente e adota-se um tratamento mais informal da teoria harmônica, colocando as dissonâncias acrescentadas como uma transformação adicional adjunta às relações de tríade. Isto leva à conclusão, por analogia, que LFM-I e Ger +6 -I são exemplos de M -1. A fórmula indicada para a resolução de uma sexta germânica em um acorde menor 6 4 é R. A resolução da sexta germânica direto para a dominante requer uma fórmula composta, M -1 D -1 para modo maior e RF -1 para modo menor. Alberto Nepomuceno Artemis (c. 1-72) Análise Na análise, procede-se à aplicação do sistema de transformações cromáticas, organizado por Kopp, ao texto musical de Alberto Nepomuceno. Esse processo aponta que esta ferramenta se ajusta às questões estruturais da peça abordada, bem como promove uma compreensão de suas conexões harmônicas. É oportuno esclarecer que, para esta análise, os acordes diminutos são considerados acordes de 7ª ou 7ª e 9ª com a fundamental oculta, tal como são abordados na teoria riemanniana e em alguns exemplos apresentados por Kopp (KOPP, 2002, p. 242).

5 5 Realiza-se uma redução do texto analisado, com a indicação de conexões no sistema de transformações cromáticas e um diagrama, conforme os exemplos registrados no livro de David Kopp. Esta investigação aponta que uma mesma estrutura harmônica é repetida em dois centros tonais, Ebm (c. 1-11) e Fm (c ), que, no sistema adotado apresentam a conexão D -2, definindo Fm como o centro do fragmento analisado. Nota-se um prolongamento de tônica que vai dos compassos 14 ao 69, onde a estrutura harmônica está organizada nas funções de subdominante, dominante e tônica. O sistema de transformações cromáticas permite verificar que o intervalo entre a subdominante e a dominante compõe-se de uma sequência de relações de terça, quais sejam, Db-Bb-Gb. Nota-se que esta sucessão descendente em terças contém três acordes importantes na estrutura tonal da peça: Db é a Napolitana da Dominante, Bb é a subdominante com mudança de modo, e Gb é a Napolitana da tônica, além de englobar, em si mesmo, as três alturas aqui citadas (Gb = solb-sib-réb). Da mesma forma, o centro tonal, F, associado a Db e Bb estrutura a tríade de Bbm. Considerando-se, então, um ponto de conexão entre essas duas estruturas triádicas (Bbm e Gb) na nota Db, obtém a sequência: F-Bb-Db-Bb-Gb, que resume a estrutura dessa passagem. O cromatismo presente entre as extremidades desta sequência (F-Gb), que representa dois centros tonais distantes, é resolvido pela cadência V-I (C- Fm) do final, graças à conexão Gb-C, denominada neste sistema de SF. O ciclo de acordes que resume a organização harmônica do excerto, Fm-Bb-C- Fm, representa as conexões F -1 (Fm-Bb) e F (C-Fm), esclarecendo uma estrutura essencialmente tonal. Já a ligação entre a tônica e os acordes intermediários, Fm-Db e Fm-Gb corresponde às transformações R e S, onde Db é a dominante de Gb, ou seja, está aí implícita outra relação de 5ª, desta vez D. Fechando o processo de análise, organiza-se a estrutura Fm-Bbm- Bb-C- Fm no Tonnetz Expandido de Hugo Riemann, confirmando o aspecto racional e fundado deste estudo. A conclusão mostra que os acordes que estruturam a peça podem ser organizados em uma sucessão de terças seguida de uma cadência V-I, o que valida o emprego do sistema de transformações cromáticas na análise da peça, conforme se nota na tabela 4.

6 6 Análise: conexões do Sistema da Transformações Cromáticas Diagrama de Conexões Análise: conexões do Sistema da Transformações Cromáticas Tabela 4: Alberto Nepomuceno, Artemis c Estágios do processo de análise. Referências Bibliográficas KOPP, David. Chromatic Transformations in Nineteenth-Century Music. New York: Cambridge University Press, RIEMANN, Hugo. Armonia e Modulación. Barcelona: Labor, Harmony Simplified: or, The Theory of the Tonal Fuctions of Chords. Londres: Augener Ltd., Teoria General de La Musica. Barcelona: Idea Books, 2005.

7 7

A TEORIA DE HUGO RIEMANN: ALÉM DA HARMONIA SIMPLIFICADA OU FUNÇÕES TONAIS DOS ACORDES

A TEORIA DE HUGO RIEMANN: ALÉM DA HARMONIA SIMPLIFICADA OU FUNÇÕES TONAIS DOS ACORDES 1313 A TEORIA DE HUGO RIEMANN: ALÉM DA HARMONIA SIMPLIFICADA OU FUNÇÕES TONAIS DOS ACORDES Rita de Cássia Taddei Universidade de São Paulo Doutorado em Musicologia SIMPOM: Subárea de Musicologia Resumo:

Leia mais

Para responder à questão 1, ouça atentamente o trecho musical I.

Para responder à questão 1, ouça atentamente o trecho musical I. Nas questões de 1 a 10, responda de acordo com o comando de cada uma delas. As questões 1, 3 e 8 exigem respostas a serem construídas; as questões 2, 7, 9 e 10 são de associação. As respostas a essas questões

Leia mais

INTERVALO MUSICAL. Nota.: Os intervalos são contados em semitom, que é o menor intervalo entre duas notas, no sistema musical ocidental.

INTERVALO MUSICAL. Nota.: Os intervalos são contados em semitom, que é o menor intervalo entre duas notas, no sistema musical ocidental. 1 Definição: INTERVALO MUSICAL Intervalo é a distância entre duas notas. São numerados segundo a ordem natural das notas musicais. Ex: Do, Re, Mi, Fa, Sol, La, Si, Do... Como as notas musicais sâo teoricamente

Leia mais

I- Música É a arte dos sons. É constituída de melodia, ritmo e harmonia. II- Representação violão ou guitarra Gráfica do braço do

I- Música É a arte dos sons. É constituída de melodia, ritmo e harmonia. II- Representação violão ou guitarra Gráfica do braço do I- Música É a arte dos sons. É constituída de melodia, ritmo e harmonia. a) Melodia É uma sucessão de sons musicais combinados b) Ritmo É a duração e acentuação dos sons e pausas c) Harmonia é a combinação

Leia mais

Universidade Federal da Bahia UFBA LEM Literatura e Estruturação Musical

Universidade Federal da Bahia UFBA LEM Literatura e Estruturação Musical Universidade Federal da Bahia UFBA LEM Literatura e Estruturação Musical são notas que não são membros de um acorde. Elas podem ser: Submétricas: quando duram uma fração de um tempo e ocorrem ou em porções

Leia mais

Teoria Musical. Prof. Rodrigo Faleiros. Prof. Rodrigo Faleiros. blog: rodfaleiros.wordpress.com

Teoria Musical. Prof. Rodrigo Faleiros. Prof. Rodrigo Faleiros.   blog: rodfaleiros.wordpress.com Teoria Musical Prof. Rodrigo Faleiros Prof. Rodrigo Faleiros e-mail: rodfaleiros@gmail.com blog: rodfaleiros.wordpress.com 2 Aula 1 Ritmo Ritmo é a sucessão de tempos fortes e fracos que se alternam com

Leia mais

Fundamentos de harmonia

Fundamentos de harmonia Fundamentos de harmonia Hudson Lacerda 19 de Fevereiro de 2010 Resumo Este texto foi escrito originalmente para uso na disciplina Fundamentos de Harmonia ministrada pelo autor na Escola de Música da Universidade

Leia mais

MÚSICA. 1ª QUESTÃO A tonalidade relativa de Mi Bemol Maior é. A) Sol Menor. B) Ré Sustenido Maior. C) Dó Menor. D) Dó Maior. E) Mi Bemol Menor.

MÚSICA. 1ª QUESTÃO A tonalidade relativa de Mi Bemol Maior é. A) Sol Menor. B) Ré Sustenido Maior. C) Dó Menor. D) Dó Maior. E) Mi Bemol Menor. MÚSICA 1ª QUESTÃO A tonalidade relativa de Mi Bemol Maior é A) Sol Menor. B) Ré Sustenido Maior. C) Dó Menor. D) Dó Maior. E) Mi Bemol Menor. 2ª QUESTÃO A tonalidade de Si Maior tem, em sua armadura convencional,

Leia mais

CADERNO DE PROVA (Manhã)

CADERNO DE PROVA (Manhã) Universidade do Estado de Santa Catarina Vestibular 2013.1 CADERNO DE PROVA (Manhã) Conhecimentos Musicais 30 questões NOME DO(A) CANDIDATO(A) Instruções Para fazer a prova você usará: este caderno de

Leia mais

Introdução 11 Sobre este Livro 11 Para quem é este livro? 11 Como está organizado este livro 12 Para onde ir a partir daqui 13 PARTE I 15 Ritmo 15

Introdução 11 Sobre este Livro 11 Para quem é este livro? 11 Como está organizado este livro 12 Para onde ir a partir daqui 13 PARTE I 15 Ritmo 15 Introdução 11 Sobre este Livro 11 Para quem é este livro? 11 Como está organizado este livro 12 Para onde ir a partir daqui 13 PARTE I 15 Ritmo 15 Capítulo 1 16 O que é a Teoria musical afinal? 16 Como

Leia mais

trecho musical ì í î ï ð

trecho musical ì í î ï ð Nas questões de 1 a 10, responda de acordo com o comando de cada uma delas. As questões 1, 4, 6, 7 e 9 exigem respostas a serem construídas; as questões 2 e 8 são de associação. As respostas a essas questões

Leia mais

Para responder à questão 1, ouça atentamente o trecho musical I.

Para responder à questão 1, ouça atentamente o trecho musical I. Nas questões de 1 a 10, responda de acordo com o comando de cada uma delas. As questões 1 e 8 exigem respostas a serem construídas; a questão 2 é de associação. A resposta a essa questão deverá ser transcrita

Leia mais

01. Assinale CORRETAMENTE a alternativa que corresponde às possibilidades de tonalidades apresentadas na sequência a seguir.

01. Assinale CORRETAMENTE a alternativa que corresponde às possibilidades de tonalidades apresentadas na sequência a seguir. 01. Assinale CORRETAMENTE a alternativa que corresponde às possibilidades de tonalidades apresentadas na sequência a seguir. Mi menor, Ré b maior, Sol maior Mi Maior, Ré bemol Maior, Lá Maior Sol# Maior,

Leia mais

TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA

TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA THE 2010 MÚSICA CONQUISTE ESTA VITÓRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE Centro de Humanidades Coordenação do Curso de Bacharelado e Licenciatura em Música THE 2010

Leia mais

Curso Básico de Música

Curso Básico de Música Curso Básico de Música Betel Brasileiro - Juazeirinho Instrutores: Alex Junior e Nilson Barbosa Contatos: (83)9333-4185 Facebook Page: www.facebook.com/musicadicas 1 Dicas Se você deseja ser um bom músico

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA BACHARELADO EM MÚSICA

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA BACHARELADO EM MÚSICA A questão 01 é acompanhada de um exemplo musical gravado, que será repetido 4 vezes, com um silêncio de 30 segundos entre cada repetição; um som de aviso (quatro toques ) aparecerá antes do extrato musical

Leia mais

Teoria e Percepção Musicais 2

Teoria e Percepção Musicais 2 Teoria e Percepção Musicais 1 O arranjo a seguir, realizado para quarteto de madeiras, é de uma conhecida canção folclórica brasileira e emprega ostensivamente as técnicas contrapontísticas As questões

Leia mais

VIOLÃO 7 CORDAS CURSO BÁSICO

VIOLÃO 7 CORDAS CURSO BÁSICO VIOLÃO 7 CORDAS CURSO BÁSICO NOTAS MUSICAIS: Existem sete notas musicais: DÓ, RÉ, MI, FÁ, SOL, LÁ, SI. De uma nota para a outra, seguindo a seqüência natural, existe um tom de distância, exceto de MI para

Leia mais

Processo Seletivo UFAL 2013 Curso

Processo Seletivo UFAL 2013 Curso CADERNO DE QUESTÕES Serviço Público Federal UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Graduação - PROGRAD Instituto de Ciências Humanas, Comunicação e Artes ICHCA TESTE ESPECÍFICO PROVA ESCRITA Processo

Leia mais

Tríades. Teoria Musical. Formação acordes I. Tríades. Assista a aula completa em: http://youtu.be/zw7v4tma8j4

Tríades. Teoria Musical. Formação acordes I. Tríades. Assista a aula completa em: http://youtu.be/zw7v4tma8j4 Teoria Musical Formação acordes I Tríades Assista a aula completa em: http://youtu.be/zw7v4tma8j4 1 Fórmula para Tríades Maiores: Fundamental 3ª Maior 5ª Justa C Dó Mi Sol Terça maior Fórmula para Tríades

Leia mais

07 de JUNHO de Conteúdo: NOME: CARTEIRA Nº. 20 questões. Este caderno não será liberado

07 de JUNHO de Conteúdo: NOME: CARTEIRA Nº. 20 questões. Este caderno não será liberado 07 de JUNHO de 2009 ²3½ ±æ è ÜËÎßY]Ñ Üß ÐÎÑÊßæ ìø Conteúdo: 20 questões Este caderno não será liberado NOME: CARTEIRA Nº PROVA DE HABILIDADES ESPECÍFICAS MÚSICA ETAPA TEÓRICA Para responder às questões

Leia mais

Prof. Juarez Barcellos

Prof. Juarez Barcellos Intervalos Intervalo é a distância existente entre duas notas. (harmônico ou melódico) Acorde é um grupo de notas que soam simultaneamente formando a base harmônica da música. (intervalo harmônico) Um

Leia mais

TESTE ESPECÍFICO - PROVA ESCRITA Processo Seletivo UFAL Curso INSTRUÇÕES GERAIS

TESTE ESPECÍFICO - PROVA ESCRITA Processo Seletivo UFAL Curso INSTRUÇÕES GERAIS Serviço Público Federal UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Graduação - PROGRAD Instituto de Ciências Humanas, Comunicação e Artes - ICHCA TESTE ESPECÍFICO - PROVA ESCRITA Processo Seletivo

Leia mais

C-FSG-MU/2014 CÓD. 11

C-FSG-MU/2014 CÓD. 11 1) Em relação aos conhecimentos sobre Escalas Cromáticas, analise as afirmativas abaixo como sendo falsas (F) ou verdadeiras (V) e marque a alternativa correta. I Na descida de uma escala cromática maior,

Leia mais

II NOTAÇÃO MUSICAL. NOTAS NATURAIS São 7 (sete) as notas naturais DÓ - RÉ - MI - FA - SOL - LA - SI

II NOTAÇÃO MUSICAL. NOTAS NATURAIS São 7 (sete) as notas naturais DÓ - RÉ - MI - FA - SOL - LA - SI I MÚSICA Música é a arte de combinar os sons, seguindo as variações da altura, proporção, duração e ordenados por afinidades comuns. É através da música que o músico demonstra seus diversos sentimentos,

Leia mais

42. Construa a escala maior e indique os tetracordes de cada uma das tonalidades indicadas abaixo:

42. Construa a escala maior e indique os tetracordes de cada uma das tonalidades indicadas abaixo: Escalas Exercícios 42. Construa a escala maior e indique os tetracordes de cada uma das tonalidades indicadas abaixo: A. SOL maior B. LA maior C. SI maior D. FA maior E. MI maior F. RE maior 89 43. Construa

Leia mais

GRADE CURRICULAR CAVALLIERI TECLADO

GRADE CURRICULAR CAVALLIERI TECLADO MÓDULO I 1º Semestre 1.1 Apresentação do instrumento - Conhecimento das características e possibilidades de uso com seus recursos sonoros e eletrônicos e diferenças entre o teclado e o piano. 1.2 Postura,

Leia mais

PROVA ESCRITA. 2. Tendo como referencia as escalas maiores abaixo,

PROVA ESCRITA. 2. Tendo como referencia as escalas maiores abaixo, PROVA ESCRITA 1. De acordo com o trecho musical abaixo assinale a alternativa que corresponde as notas escritas em suas devidas alturas, segundo a escala geral. A) Lá3-Sol3-Fá3-Fá4-Sol4-Lá4-Si2-Dó3-Lá2-Sol2-Lá3-Si3-Dó3.

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS INTERVALOS MUSICAIS. Ex.

CLASSIFICAÇÃO DOS INTERVALOS MUSICAIS. Ex. LIÇÃO - 01 INTERVALO MUSICAL As notas musicais indicam as diferentes alturas do som. Assim sendo, entre estas diferentes alturas sonoras, obviamente, cria-se uma distância entre elas, a qual chamamos de

Leia mais

Segunda Etapa SEGUNDO DIA 2ª ETAPA TEORIA MUSICAL COMISSÃO DE PROCESSOS SELETIVOS E TREINAMENTOS

Segunda Etapa SEGUNDO DIA 2ª ETAPA TEORIA MUSICAL COMISSÃO DE PROCESSOS SELETIVOS E TREINAMENTOS Segunda Etapa SEGUNDO DIA 2ª ETAPA TEORIA MUSICAL COMISSÃO DE PROCESSOS SELETIVOS E TREINAMENTOS 01. A barra dupla indica: 0-0) fim de um trecho musical. 1-1) mudança de compasso. 2-2) mudança de modo.

Leia mais

Daniel Faustino

Daniel Faustino Daniel Faustino http://danielfaustino.webnode,pt ÍNDICE 1. Improvisação 3 2. Modos Gregos ou Eclesiásticos 3 2.1. Modo Jónio 3 2.2. Modo Mixólidio 4 2.3. Modo Lídio 4 2.4. Modo Dórico 5 2.5. Modo Frígio

Leia mais

Escala Maior Natural

Escala Maior Natural EXERCÍCIOS PARA FIXAÇÃO - ESCALAS 1. Escreva a Escala Maior nas tonalidades relacionadas abaixo. Siga o modelo com a seqüência de tons e semitons acrescentando acidentes (# ou b) quando necessário para

Leia mais

CAMPO HARMÔNICO MAIOR

CAMPO HARMÔNICO MAIOR CAMPO HARMÔNICO MAIOR CENTROS TONAIS CAMPO HARMÔNICO MAIOR Todas as músicas que você escuta habitualmente, utilizam algum tipo de centro tonal (campo harmônico), estes campos são as famílias de acordes

Leia mais

ACORDES. Acorde Cluster: 2M/2m. Acorde Triádico: 3M/3m. Acorde Quartal: 4J/4A

ACORDES. Acorde Cluster: 2M/2m. Acorde Triádico: 3M/3m. Acorde Quartal: 4J/4A ACORDES Acorde Cluster: 2M/2m Acorde Triádico: 3M/3m Acorde Quartal: 4J/4A ACORDES TRIÁDICOS Acorde de 3 sons: Acorde tríade ou acorde de quinta Acorde de 4 sons: Acorde tétrade ou acorde de sétima Acorde

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS. Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD Escola Técnica de Artes - ETA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS. Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD Escola Técnica de Artes - ETA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD Escola Técnica de Artes - ETA Prova de Teoria Musical e Percepção Melódica e Rítmica Curso Técnico em Música (Canto, Violoncelo e Piano)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE CONCURSO VESTIBULAR 2010 E MÓDULO III DO PISM - TRIÊNIO 2007/2009

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE CONCURSO VESTIBULAR 2010 E MÓDULO III DO PISM - TRIÊNIO 2007/2009 PROVA DE PERCEPÇÃO E TEORIA (HABILIDADE ESPECÍFICA IAD/UFJF 2010) Parte I: PERCEPÇÃO Instruções: Cada uma das questões de 1 a 5 é acompanhada de um exemplo musical gravado; cada exemplo musical será repetido

Leia mais

Processo Seletivo

Processo Seletivo UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Processo Seletivo 2011.2 2ª Fase Habilidades Específicas Candidato (a): Feira de Santana, de julho de 2011. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE

Leia mais

XXIV Congresso da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música São Paulo 2014

XXIV Congresso da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música São Paulo 2014 Proposição de um sistema composicional gerado a partir da reengenharia dos parâmetros musicais levantados na análise schenkeriana da canção Chovendo na Roseira, de Tom Jobim MODALIDADE: COMUNICAÇÃO Ricardo

Leia mais

001. Prova de Conhecimento e Habilidade em Música

001. Prova de Conhecimento e Habilidade em Música vestibular 2014 001. Prova de Conhecimento e Habilidade em Música presencial Confira seus dados impressos neste caderno. Esta prova contém 30 questões objetivas e terá duração total de 2 horas. Para cada

Leia mais

Teoria Musical. 01. Na primeira linha das claves de sol e de fá, tem-se, respectivamente, as notas : 02. A respeito do termo VALOR, pode-se dizer que:

Teoria Musical. 01. Na primeira linha das claves de sol e de fá, tem-se, respectivamente, as notas : 02. A respeito do termo VALOR, pode-se dizer que: Teoria Musical 01. Na primeira linha das claves de sol e de fá, tem-se, respectivamente, as notas : 0-0) mi e mi. 1-1) sol e mi. 2-2) sol e sol. 3-3) mi e sol. 4-4) mi e si. Resposta: FFFVF A clave de

Leia mais

Harmonia Musical. Prof. Juarez Barcellos. Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos!

Harmonia Musical. Prof. Juarez Barcellos. Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Harmonia Musical Prof. Juarez Barcellos Licença Creative Commons Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Em 2002, comecei a dar aulas particulares nas Em 2002, comecei a dar aulas

Leia mais

Análise da seção A do Estudo n o 12 para violão de Heitor Villa-Lobos

Análise da seção A do Estudo n o 12 para violão de Heitor Villa-Lobos Análise da seção A do Estudo n o 12 para violão de Heitor VillaLobos Modalidade: COMUNICAÇÃO Ciro Visconti CMUECA/USP, São Paulo, SP cirovisconti@gmail.com Resumo: esta análise verifica as progressões

Leia mais

Prof. Juarez Barcellos

Prof. Juarez Barcellos Diferenças entre Violão Popular e Violão Clássico ou Erudito O violonista popular toca suas músicas, guiado por acordes cifrados, mesmo que ele saiba ler partitura, não estará nela o foco de seus arranjos

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso null - null. Ênfase. Disciplina LEM1418T1 - Percepção e Rítmica II

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso null - null. Ênfase. Disciplina LEM1418T1 - Percepção e Rítmica II Curso null - null Ênfase Identificação Disciplina LEM1418T1 - Percepção e Rítmica II Docente(s) Mauricio Funcia de Bonis Unidade Instituto de Artes Departamento Departamento de Música Créditos 0 60 Carga

Leia mais

- TEORIA MUSICAL - Sistema Harmônico Tonal Tradicional - Parte 1

- TEORIA MUSICAL - Sistema Harmônico Tonal Tradicional - Parte 1 - TEORIA USIAL - Sistema Harmônico Tonal Tradicional - Parte 1 Teórico usical: Flaviandekson Pereira Teixeira www.asasdaalva.com 2015 "A universalidade não pode, portanto, ser compreendida como o que abarca

Leia mais

Vejamos abaixo, por exemplo, o campo harmônico de C Maior com suas dominantes secundárias: C7M Dm7 Em7 F7M

Vejamos abaixo, por exemplo, o campo harmônico de C Maior com suas dominantes secundárias: C7M Dm7 Em7 F7M Dominantes Secundárias Cada um dos acordes diatônicos do campo harmônico, pode ser preparado por um acorde de dominante. Esse acorde se chama dominante secundário. A dominante primária de uma tonalidade

Leia mais

MÚSICA LEIA AS INSTRUÇÕES

MÚSICA LEIA AS INSTRUÇÕES MÚSICA 20 de março 2016 INÍCIO: 8h DURAÇÃO: 4 horas CONTEÚDO: 20 questões LEIA AS INSTRUÇÕES 1. Confira, na etiqueta colada na carteira, os seus dados cadastrais. Qualquer erro, solicite a correção ao

Leia mais

1.1. CIFRA DE ACORDES CIFRA DE ACORDES CIFRA DE ACORDES

1.1. CIFRA DE ACORDES CIFRA DE ACORDES CIFRA DE ACORDES VIOLÃO 1. O QUE SÃO CIFRAS 1.1. CIFRA DE ACORDES CIFRA DE ACORDES CIFRA DE ACORDES A Cifra é um símbolo usado para representar um acorde de uma forma prática. A Cifra é composta de letras, números e sinais.

Leia mais

Serviço Público Federal UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Graduação - PROGRAD INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES ICHCA

Serviço Público Federal UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Graduação - PROGRAD INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES ICHCA CADERNO DE QUESTÕES Serviço Público Federal UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Graduação - PROGRAD INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES ICHCA TESTE ESPECÍFICO PROVA ESCRITA Processo

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Prova de Habilitação Específica. Música Teste Teórico-Perceptivo

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Prova de Habilitação Específica. Música Teste Teórico-Perceptivo Universidade Federal do Rio Grande do Sul Prova de Habilitação Específica Música - 2015 Teste Teórico-Perceptivo Instruções Verifique se este caderno contém 20 questões do Teste Teórico-Perceptivo (questões

Leia mais

Apostila de Ensino Teoria Musical Noções Gerais

Apostila de Ensino Teoria Musical Noções Gerais Apostila de Ensino Teoria Musical Noções Gerais Edição 2016 APRESENTAÇÃO Esta apostila reúne uma compilação de estudos embasados nas devidas referências bibliográficas, notações complementares e exercícios

Leia mais

NELSON FARIA HARMONIA. Um estudo das possibilidades para guitarra Solo (Chord Melody) Chord Melody

NELSON FARIA HARMONIA. Um estudo das possibilidades para guitarra Solo (Chord Melody) Chord Melody NELSON FARIA HARMONIA Um estudo das possibilidades para guitarra Solo (Chord Melody) Foto:Nelsinho Faria Chord Melody Edição e distribuição exclusiva: www.nossamusica.com - Nossa Música Prod. Mus. Ltda.

Leia mais

1.ª CERTIFICAÇÃO DE HABILIDADE ESPECÍFICA DE 2010 Prova de Habilidades Específicas Teste teórico-prático

1.ª CERTIFICAÇÃO DE HABILIDADE ESPECÍFICA DE 2010 Prova de Habilidades Específicas Teste teórico-prático 1.ª CERTIFICAÇÃO DE HABILIDADE ESPECÍFICA DE 2010 Prova de Habilidades Específicas Teste teórico-prático Música Bacharelado Música Licenciatura Educação Artística: Música Licenciatura 1 Este caderno é

Leia mais

Conceitos para tirar e tocar músicas de ouvido Teclado, violão, etc ÍNDICE 1 OBJETIVO NOTAS MUSICAIS INTERVALOS...

Conceitos para tirar e tocar músicas de ouvido Teclado, violão, etc ÍNDICE 1 OBJETIVO NOTAS MUSICAIS INTERVALOS... ÍNDICE 1 OBJETIVO... 02 2 NOTAS MUSICAIS... 02 3 INTERVALOS... 02 4 ACIDENTES... 02 5 FORMAÇÃO DOS ACORDES... 03 6 ESTUDO DAS ESCALAS... 04 7 INVERSÃO DE ACORDES... 10 8 TIRANDO E TOCANDO AS MÚSICAS DE

Leia mais

Nível 1 básico Prof. Andersen Medeiros 1. Tocando de ouvido 10. Melodia + harmonia mão direita 2. Preparações 11.

Nível 1 básico Prof. Andersen Medeiros 1. Tocando de ouvido 10. Melodia + harmonia mão direita 2. Preparações 11. Nível 1 básico Prof. Andersen Medeiros 1. Tocando de ouvido (modo maior) a. Melodia b. Harmonia (acordes) c. Melodia X Harmonia d. Dominante e subdominante e. Notas de passagem e repouso 2. Preparações

Leia mais

Marcelo Morales Torcato. Arranjos Musicais. 1ª Edição. Pauliceia Marcelo Morales Torcato Marcelo Torca Início em Arranjos Musicais 1

Marcelo Morales Torcato. Arranjos Musicais. 1ª Edição. Pauliceia Marcelo Morales Torcato Marcelo Torca Início em Arranjos Musicais 1 Marcelo Morales Torcato Arranjos Musicais 1ª Edição Pauliceia Marcelo Morales Torcato 2009 Marcelo Torca Início em Arranjos Musicais 1 Pauliceia, agosto de 2009. Marcelo Torca Início em Arranjos Musicais

Leia mais

SEÇÃO ESCRITA. 1- Escrever as armaduras das seguintes tonalidades (0,1 ponto cada subitem): a) Mi Maior d) Fá# menor. b) Si menor e) Mib menor

SEÇÃO ESCRITA. 1- Escrever as armaduras das seguintes tonalidades (0,1 ponto cada subitem): a) Mi Maior d) Fá# menor. b) Si menor e) Mib menor 1 SEÇÃO ESCRITA 1- Escrever as armaduras das seguintes tonalidades (0,1 ponto cada subitem): a) Mi Maior d) Fá# menor b) Si menor e) Mib menor c) Réb Maior 2- Dadas as tonalidades, escrever a armadura

Leia mais

Ensaio Musical Prof. Juarez Barcellos

Ensaio Musical Prof. Juarez Barcellos Ensaio Musical Prof. Juarez Barcellos CURSO DE MÚSICA PARA VIOLÃO Módulo III juarezbarcellos.com Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem. Glória en excelsis

Leia mais

Para responder à questão 1, ouça atentamente o trecho musical I.

Para responder à questão 1, ouça atentamente o trecho musical I. Nas questões de 1 a 11, responda de acordo com o comando de cada uma delas. As questões 1, 4, 5, 8, 9 e 10 exigem respostas a serem construídas; as questões 3 e 11 são de associação. As respostas a essas

Leia mais

O uso das tétrades na linguagem harmônica de Barry Galbraith

O uso das tétrades na linguagem harmônica de Barry Galbraith O uso das tétrades na linguagem harmônica de Barry Galbraith Adriano Carvalho Resumo: Este artigo discorre sobre a análise harmônica feita sobre a transcrição de um acompanhamento de blues tocado pelo

Leia mais

Intervalos. Classificação numérica. Classificação de dimensão

Intervalos. Classificação numérica. Classificação de dimensão Intervalos Um intervalo é a distância entre duas notas ou sons diferentes, sendo ascendente ou descendente em função da direção melódica que adotar. Estão sujeitos às seguintes classificações: Classificação

Leia mais

TEORIA MUSICAL. 01. Os tons vizinhos de Ré Maior são: 02. Classifique os intervalos abaixo:

TEORIA MUSICAL. 01. Os tons vizinhos de Ré Maior são: 02. Classifique os intervalos abaixo: TEORIA MUSICAL 01. Os tons vizinhos de Ré Maior são: 0-0) si m - sol m - Lá M - mi m - fá# m 1-1) si m - Sol M - Lá M - mi m - fá# m 2-2) ré m - Sol M - Lá M - mi m - fá # m 3-3) si m - Sol M - lá m -

Leia mais

EXAME INTELECTUAL AOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS SOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE TEORIA MUSICAL

EXAME INTELECTUAL AOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS SOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE TEORIA MUSICAL MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx DETMil ESCOLA DE SARGENTOS DAS ARMAS ESCOLA SARGENTO MAX WOLF FILHO EXAME INTELECTUAL AOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS 2012-13 SOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE

Leia mais

Nome: (ATENÇÃO: coloque seu nome em todas as páginas deste teste) I. TESTE PERCEPTIVO

Nome: (ATENÇÃO: coloque seu nome em todas as páginas deste teste) I. TESTE PERCEPTIVO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE ARTES DEPARTAMENTO DE MÚSICA CONCURSO VESTIBULAR 2016 PROVA ESPECÍFICA TESTE TEÓRICO-PERCEPTIVO Nome: (ATENÇÃO: coloque seu nome em todas as páginas

Leia mais

Baixarias no violão de 6 cordas - Matéria publicada na Revista Violão Pró

Baixarias no violão de 6 cordas - Matéria publicada na Revista Violão Pró Baixarias no violão de 6 cordas - Matéria publicada na Revista Violão Pró Olá pessoal. Hoje vamos falar sobre as baixarias feitas pelo violão de seis cordas Historicamente, o instrumento acompanhante,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2016 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA CURSO DE MÚSICA. Assinatura: PROVA COLETIVA

PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2016 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA CURSO DE MÚSICA. Assinatura: PROVA COLETIVA PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2016 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA CURSO DE MÚSICA Nome do Candidato: Inscrição: Assinatura: PROVA COLETIVA 1- A prova está dividida em 4 questões com as seguintes pontuações:

Leia mais

Harmonia I. Prof. Dr. Paulo de Tarso Salles CMU0230 ECA/USP 2017

Harmonia I. Prof. Dr. Paulo de Tarso Salles CMU0230 ECA/USP 2017 Harmonia I Prof. Dr. Paulo de Tarso Salles CMU0230 ECA/USP 2017 Introdução O Sistema Tonal. Modos Maior e menor. Rameau e Bach: 1722. Temperamento igual: divisão da oitava em 12 semitons equidistantes.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR VESTIBULAR 2014 MÚSICA INSTRUÇÕES - Ao receber este caderno de prova verifique se contém 30 questões. Caso contrário,

Leia mais

Plano de Ensino usual

Plano de Ensino usual Plano de Ensino usual Aulas de Música Instrumental Este plano de ensino será o roteiro das aulas de como ocorrerão e quais serão os conteúdos abordados em cada aula e também os acordos para que ocorra

Leia mais

Improvisação. Prof. Juarez Barcellos. Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos!

Improvisação. Prof. Juarez Barcellos. Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Improvisação Prof. Juarez Barcellos Licença Creative Commons Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Em 2002, comecei a dar aulas particulares nas Em 2002, comecei a dar aulas particulares

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR PROCESSO SELETIVO SERIADO - 2008 MÚSICA INSTRUÇÕES - Ao receber este caderno de prova verifique se contém

Leia mais

O Acorde Napolitano. Uso convencional do Napolitano

O Acorde Napolitano. Uso convencional do Napolitano Capítulo 22 O Acorde Napolitano Introdução Apesar da progressão I-V-I ser a força organizacional básica na harmonia tonal, muito do interesse harmônico da superfície em uma passagem tonal pode ser obtido

Leia mais

C-FSG-MU/2017 CÓDIGO - 11

C-FSG-MU/2017 CÓDIGO - 11 1) São considerados como andamentos médios: (A) Vivo e Adágio. (B) Adagio e Andante. (C) Maestoso e Allegro. (D) Stretto e Animato. (E) Andantino e Sostenuto. 2) Qual o nome do ornamento grafado na pauta

Leia mais

Ensaio Musical Prof. Juarez Barcellos

Ensaio Musical Prof. Juarez Barcellos Ensaio Musical Prof. Juarez Barcellos CURSO DE MÚSICA PARA VIOLÃO Módulo IV juarezbarcellos.com Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem. Glória en excelsis

Leia mais

SÉRIE HARMÔNICA. As notas do contraponto são formadas com intervalos de repouso e/ou tensão,

SÉRIE HARMÔNICA. As notas do contraponto são formadas com intervalos de repouso e/ou tensão, 1 SÉRIE HARMÔNICA Texto: Prof. Dirso Anderle SESC/2001 As notas do contraponto são formadas com intervalos de repouso e/ou tensão, consonantes e/ou dissonantes entre as linhas (vozes) da melodia e as linhas

Leia mais

UEL Prova de Habilidades Específicas. Vestibular. M Ú S I C A 2 5 / 0 9 / M a t u t i n o P r o v a C o l e t i v a.

UEL Prova de Habilidades Específicas. Vestibular. M Ú S I C A 2 5 / 0 9 / M a t u t i n o P r o v a C o l e t i v a. Prova de Habilidades Específicas M Ú S I C A 2 5 / 0 9 / 2 0 1 6 M a t u t i n o P r o v a C o l e t i v a Nome do Candidato: Inscrição: Assinatura: PROVA COLETIVA 1- A prova está dividida em 4 questões

Leia mais

Contraponto Modal. 1 Espécie - nota contra nota. Hugo L. Ribeiro. 30 de março de Regras: Consonâncias Perfeitas. Quinta justa Oitava

Contraponto Modal. 1 Espécie - nota contra nota. Hugo L. Ribeiro. 30 de março de Regras: Consonâncias Perfeitas. Quinta justa Oitava Contraponto Modal Hugo L. Ribeiro 0 de março de 20 Espécie - nota contra nota Consonâncias Perfeitas Uníssono Quinta justa Oitava Consonâncias Imperfeitas Terça Sexta Dissonâncias Segunda Quarta Quinta

Leia mais

Disciplina: Análise e Técnicas de Composição 2017

Disciplina: Análise e Técnicas de Composição 2017 Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga INFORMAÇÃO - Prova de Equivalência à Frequência Disciplina: Análise e Técnicas de Composição 2017 Código da prova 672 Secundário / 12º ano de escolaridade

Leia mais

APONTAMENTOS TEORIA MUSICAL

APONTAMENTOS TEORIA MUSICAL APONTAMENTOS DE TEORIA MUSICAL ISABEL FERREIRA Julho de 2011 Inclinar-me-ei para o teu santo templo, e louvarei o teu nome pela tua benignidade, e pela tua verdade; pois engrandeceste a tua palavra acima

Leia mais

Conteúdo {Curso Básico}

Conteúdo {Curso Básico} Conteúdo {Curso Básico} Dicas para comprar um bom instrumento Tipos de Palhetas Segurando a palheta Posição da mão esquerda Posição para pestana Afinador Digital Metrônomo Afinando do Cavaquinho Intervalos

Leia mais

- MATRIZES DAS DISCIPLINAS -

- MATRIZES DAS DISCIPLINAS - - MATRIZES DAS DISCIPLINAS - FORMAÇÃO MUSICAL Anexo II Matrizes das Disciplinas Admissões 2015/2016 Página 30 de 80 1. DITADOS RÍTMICOS FORMAÇÃO MUSICAL ACESSO AO 2º GRAU PROVA ESCRITA 1.1. Duas frases

Leia mais

C-FSG-MU/2015 CÓDIGO - 11

C-FSG-MU/2015 CÓDIGO - 11 1) Em relação à escala cromática, ao analisarmos a origem das notas cromáticas podese dizer que estas devem pertencer aos tons afastados da escala diatônica que lhe corresponde. não devem pertencer aos

Leia mais

VESTIBULAR MÚSICA

VESTIBULAR MÚSICA 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ - REITORIA DE ENSINO COMISSÃO DE PROCESSOS VESTIBULARES UNIDADE ACADEMICA DE ARTE E MÍDIA VESTIBULAR 2014.2 TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA MÚSICA CONQUISTE

Leia mais

HORÁRIO DAS OFICINAS DO SEMINÁRIO DE MÚSICA Semestre

HORÁRIO DAS OFICINAS DO SEMINÁRIO DE MÚSICA Semestre HORÁRIO DAS OFICINAS DO SEMINÁRIO DE MÚSICA Semestre 2017.2 APRECIAÇÃO MUSICAL OFICINA DE APRECIAÇÃO MUSICAL - A PARTIR DE 18 ANOS Análise de literatura musical e análise de instrumentos (seus timbres,

Leia mais

Notas do acorde M b b M. 1 - b3-5 - b7

Notas do acorde M b b M. 1 - b3-5 - b7 Categorias dos acordes com 4 notas Aula 1 Um bom conhecimento da formação e das características de cada tipologia de tétrade é indispensável. Para simplificar o estudo, vamos organizar esses acordes em

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx DEE ESCOLA DE SARGENTOS DAS ARMAS ESCOLA SARGENTO MAX WOLF FILHO

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx DEE ESCOLA DE SARGENTOS DAS ARMAS ESCOLA SARGENTO MAX WOLF FILHO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx DEE ESCOLA DE SARGENTOS DAS ARMAS ESCOLA SARGENTO MAX WOLF FILHO EXAME INTELECTUAL AOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS 2013-14 SOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE TEORIA

Leia mais

TESTE ESPECÍFICO - PROVA ESCRITA Processo Seletivo UFAL 2016 Edital nº 02/2016/PROGRAD-UFAL. Curso INSTRUÇÕES GERAIS

TESTE ESPECÍFICO - PROVA ESCRITA Processo Seletivo UFAL 2016 Edital nº 02/2016/PROGRAD-UFAL. Curso INSTRUÇÕES GERAIS Serviço Público Federal UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Graduação - PROGRAD Instituto de Ciências Humanas, Comunicação e Artes - ICHCA TESTE ESPECÍFICO - PROVA ESCRITA Processo Seletivo

Leia mais

TEORIA MUSICAL Todas as questões estão baseadas no seguinte excerto musical, do Prelúdio da ópera Tristão e Isolda, de Richard Wagner.

TEORIA MUSICAL Todas as questões estão baseadas no seguinte excerto musical, do Prelúdio da ópera Tristão e Isolda, de Richard Wagner. TEORIA MUSICAL Todas as questões estão baseadas no seguinte excerto musical, do Prelúdio da ópera Tristão e Isolda, de Richard Wagner. 01. Em termos matemáticos, quais fórmulas de compasso podem ser utilizadas

Leia mais

Habilidade Específica

Habilidade Específica 1 PROCESSO SELETIVO 2014 13/10/2013 INSTRUÇÕES 1. Confira, abaixo, o seu número de inscrição, turma e nome. Assine no local indicado. 2. Aguarde autorização para abrir o caderno de prova. Antes de iniciar

Leia mais

MATERIAL DE REFORÇO PARA USO DO PROFESSOR

MATERIAL DE REFORÇO PARA USO DO PROFESSOR MATERIAL DE REFORÇO PARA USO DO PROFESSOR 1. PROPRIEDADES DO SOM 1.1. Preencher os espaços com a propriedade correta: a)... : é a propriedade de o som ser agudo ou grave. b)... : é o tempo que o som permanece

Leia mais

Para responder às questões 1 e 2, ouça atentamente o trecho musical 1 e considere o exemplo musical I, que corresponde a esse trecho musical.

Para responder às questões 1 e 2, ouça atentamente o trecho musical 1 e considere o exemplo musical I, que corresponde a esse trecho musical. Nas questões de 1 a 10, responda de acordo com o comando de cada uma delas. A questão 1 exige resposta a ser construída pelo próprio candidato; as questões 3, 4, 9 e 10 são de associação ou complementação.

Leia mais

Você ouvirá quatro trechos musicais, com instrumentação variada, que contêm intervalos melódicos que se repetem.

Você ouvirá quatro trechos musicais, com instrumentação variada, que contêm intervalos melódicos que se repetem. QUESTÃO 01 2 Você ouvirá quatro trechos musicais, com instrumentação variada, que contêm intervalos melódicos que se repetem. Com relação aos trechos ouvidos, é INCORRETO afirmar que, no primeiro, a voz

Leia mais

TAM I - aula 3 UFJF - IAD. Prof. Luiz E. Castelões

TAM I - aula 3 UFJF - IAD. Prof. Luiz E. Castelões TAM I - aula 3 UFJF - IAD Prof. Luiz E. Castelões luiz.casteloes@ufjf.edu.br Plano Geral da Aula: (1) Princípios básicos de Teoria Musical; (2) Aplicação da Teoria do item (1) na análise de pequenos trechos

Leia mais

Prova de Aptidão Musical

Prova de Aptidão Musical Vestibular 2010 Prova de Aptidão Musical Curso de Licenciatura em Música 1. o Caderno Questões Objetivas 18.12.2009 Escreva seu nome e número da carteira na capa e na última folha deste caderno. Esta prova

Leia mais

APOSTILA 1, MÉTODO DE GUITARRA ALEX MEISTER

APOSTILA 1, MÉTODO DE GUITARRA ALEX MEISTER Índice Introdução... 0 Notas & Cifras... 0 Intervalos... 05 Acordes Maiores... 06 Acordes Menores... 07 Sistema Cinco Para Inversão De Acordes... 08 Acordes sus (sus11)... 09 Acordes sus9 (sus)... 10 Acordes

Leia mais

Intervalo é a diferença de altura entre sons. Na pauta musical é a diferença de altura entre notas musicais.

Intervalo é a diferença de altura entre sons. Na pauta musical é a diferença de altura entre notas musicais. INTERVALO S INTERVALOS Intervalo é a diferença de altura entre sons. Na pauta musical é a diferença de altura entre notas musicais. INTERVALO UNÍSSONO Quando duas notas têm a mesma altura e são simultâneas,

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO ESCOLA DE SARGENTOS DAS ARMAS ESCOLA SARGENTO MAX WOLF FILHO

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO ESCOLA DE SARGENTOS DAS ARMAS ESCOLA SARGENTO MAX WOLF FILHO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO ESCOLA DE SARGENTOS DAS ARMAS ESCOLA SARGENTO MAX WOLF FILHO EXAME INTELECTUAL AOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS 2017-18 SOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MÚSICA Em se

Leia mais

Universidade Metodista de Piracicaba Processo Seletivo 2013 Prova de Aptidão Curso Música Licenciatura Prova 1

Universidade Metodista de Piracicaba Processo Seletivo 2013 Prova de Aptidão Curso Música Licenciatura Prova 1 INSTRUÇÕES A prova de aptidão musical constitui-se de três partes: Universidade Metodista de Piracicaba Processo Seletivo 2013 Prova de Aptidão Curso Música Licenciatura Prova 1 1. HISTÓRICO MUSICAL Você

Leia mais

TAP - 13 / 11 / 2009 UFJF - IAD. Prof. Luiz E. Castelões

TAP - 13 / 11 / 2009 UFJF - IAD. Prof. Luiz E. Castelões TAP - 13 / 11 / 2009 UFJF - IAD Prof. Luiz E. Castelões lecasteloes@gmail.com Plano Geral da Aula: (1) Princípios básicos de Teoria Musical; (2) Aplicação da Teoria do item (1) na análise de pequenos trechos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS. Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD Escola Técnica de Artes - ETA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS. Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD Escola Técnica de Artes - ETA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD Escola Técnica de Artes - ETA Prova de Teoria Musical e Percepção Melódica e Rítmica Curso Técnico em Música (Canto Erudito, Piano, Violino

Leia mais