ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras"

Transcrição

1 ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras

2 ESPANHA: UM PAÍS QUE SAIU DA CRISE Crecemento do PIB espanhol T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 T1 T2 T Taxa anual Taxa trimestral Fonte: INE. Instituto Nacional de Estatistica. Novembro Previsões de crescimento Organism o PIB 2016 PIB 2017 FMI 2,5% 2,2% OCDE 2,8% União Europeia 2,7% 2,4% S&P 2,7% 2,4% Moody s 2,7% Fitch 2,5% 2,2% BBVA 2,7% Funcas 2,7% Governo 2,9% 3,0% RECUPERAÇÃO DO CRESCIMIENTO 2

3 ESPANHA: UM PAÍS QUE SAIU DA CRISE Evolução prêmio de risco contra as obrigações da Alemanha Fonte: Infobolsa. AMELHORAMENTO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA 3

4 ESPANHA: UM PAÍS QUE SAIU DA CRISE Melhora da qualificação do RATING SOBERANO Agência Data Qualificaçao Grao Investimento Moody s Fevereiro De Baa3 para Baa2 Fitch Abril De BBB para BBB+ S&P Setembro De BBB para BBB+ Grao Especulativo Melhora da qualificação do RATING DA BANCA MELHORA DAS EXPECTATIVAS EMPRESARIAIS 4

5 ESPANHA: UM PAÍS QUE SAIU DA CRISE Balança Conta Corrente sobre PIB ( ) 4.0% 2.0% 1.4% 0.8% 0.0% -2.0% % -4.0% -6.0% -4.7% -4.4% -3.6% -8.0% -10.0% -12.0% -8.8% -9.8% -9.5% Fonte: Banco Mundial ECONOMÍA MAIS SUSTENTÁVEL E COMPETITIVA 5

6 COM UMAS EMPRESAS LÍDERES Alta velocidade Sistemas de navegação aérea Infraestrutura LIDERANÇA MUNDIAL 3 de cada 5 voos são controlados mediante sistemas de navegação espanhóis. Segunda maior rede de Alta Velocidade, depois da China. 40% das concessões em infraestruturas correspondem à empresas espanholas. 6

7 COM UMAS EMPRESAS LÍDERES Telecomunicações Renováveis Setor financeiro LIDERANÇA MUNDIAL Primeiro operador europeio de telecomunicações integradas Maior companhia do mundo em energia renovável Maior entidade financeira da zona euro 7

8 ABERTOS A IBEROAMÉRICA E NORTE DA ÁFRICA Acordos de Dupla Tributação e Acordos para a Promoção e Protecção dos Investimentos 16 Acordos de Dupla Tributação em Iberoamérica. 4 no Norte da África. 20 Acordos para a Promoção e Proteção dos Investimentos em Iberoamérica. 5 no Norte da África. 8

9 ABERTOS A IBEROAMÉRICA E NORTE DA ÁFRICA Acordos de Dupla Tributação e Acordos para a Promoção e Protecção dos Investimentos 16 Acordos de Dupla Tributação em Iberoamérica. 4 no Norte da África. 20 Acordos para a Promoção e Proteção dos Investimentos em Iberoamérica. 5 no Norte da África. 9

10 ABERTOS A IBEROAMÉRICA E BRASIL 3 º maior investidor na América Latina e no Brasil Stock de investimentos no Brasil Fonte: Banco Central de Brasil Milhões USD. Convênio dupla tributação com Brasil 5º mercado do Brasil na Europa Forte incremento das exportações brasileiras no

11 ABERTOS A IBEROAMÉRICA E BRASIL BASE EUROPÉIA PARA EMPRESAS E ORGANISMOS LATINO-AMERICANOS América Latina Multilaterais Brasil 11

12 ABERTOS A IBEROAMÉRICA E BRASIL BASE EUROPÉIA PARA EMPRESAS E ORGANISMOS LATINO-AMERICANOS América Latina Multilaterais Brasil 12

13 ESPANHA: PORTA DE ENTRADA À U.E. Maior mercado mundial (UE-28) Acesso a 500 milhões de habitantes Renda per capita media Livre movimentação de mercadorias: MERCADO ÚNICO EUROPEU Livre movimientação de capitais: ÁREA EURO Livre movimentação de pessoas: ESPAÇO SCHENGEN 13

14 UM PAÍS BEM CONETADO COM O BRASIL 46 voos diretos Brasil-Espanha cada semana Companhia Embarque Destino Frequência semanal Observações Air Europa Salvador Madri 3ª, 5ª, sab. 3 DIRETO São Paulo Madri Diária 7 DIRETO Iberia São Paulo Madri Diária 12* DIRETO Rio de Janeiro Madri Diária 7 DIRETO Singapore Continua a São Paulo Barcelona 2ª, 5ª, sab. 3 Airlines Singapura TAM São Paulo Madri Diária 9** DIRETO São Paulo Barcelona 3ª, 5ª, dom. 3*** DIRETO Air China São Paulo Madri 5ª, dom. 2 Continua a Beijing 46 *2 voos diários, com a exceção de 2ª e 6ª, que tem um voo. ** 1 voo diário, com a exceção de 2ª e 6ª, que tem 2 voos. *** Essa rota começa a operar a partir do dia 01/10/ Total de vagas por semana (Junho 2015) Portugal Espanha França Alemanha Reino Unido Itália Países Baixos Suiza 14

15 POR QUÊ INVESTIR NA ESPANHA? CUSTOS FAVORÁVEIS Evolução de Custos Trabalhistas Unitarios (CLUs) Alemanha Espanha França Itália Reino Unido Media UE Fonte: Eurostat. 15

16 POR QUÊ INVESTIR NA ESPANHA? QUALIFICAÇAO MÃO DE OBRA 3 das 20 melhores escolas de negócios do mundo População com estudos superiores Fonte: Financial Times Reino Unido França Espanha Alemanha Italia Fonte: OCDE % entre anos. 16

17 POR QUÊ INVESTIR NA ESPANHA? CUSTOS OPERACIONAIS Custo de aluguéis de escritórios nas áreas Premium centrais das cidades Ranking Cidade Custo Ranking Cidade Custo 1 Londres Múnich Hong Kong Taipéi Moscú Ámsterdam Pekín Beirut Tokio Dublín Nueva York Yakarta Río de Janeiro Tel Aviv Nueva Delhi Vancouver París Ho Chi Minh Sidney Madrid Singapur Seúl Luxemburgo Helsinki Oslo Tibilisi Dubái Caracas Ginebra Bogotá Almaty Auckland Doha Varsovia Estocolmo Bruselas Estambul Kiev Milán Atenas Fonte: Office space across the world 2014, por Cushman&Wakefield. Custo por metro quadrado.

18 POR QUÊ INVESTIR NA ESPANHA? APOIO À TECNOLOGÍA 80 parques tecnológicos 2º país OCDE mais favorável em incentivos fiscais para atividades de I+D 0,5 0,4 0,4 0,3 0,3 0,2 0,2 0,1 0,1 0,0-0,1 Taxa de Incentivos ao I+D Large firms SMEs Nota: Os incentivos fiscais se calculam como 1 menos o índice B. Por exemplo, na Espanha, 1 unidade de gasto em I+D por uma grande empresa resulta em uma exenção fiscal de 0,349. Fonte: OCDE. 18

19 China Myanmar Saudi Arabia Indonesia Jordan India New Zealand Malaysia Mexico Tunisia Russia Canada Iceland Kazakhstan Korea Australia Israel Ukraine Austria Brazil Mongolia Peru United States Norway Switzerland Kyrgyzstan Poland Morocco Egypt United Kingdom Sweden Turkey Chile South Africa Italy Japan Slovak Republic Costa Rica France Ireland Belgium Argentina Latvia Lithuania Denmark Greece Hungary Colombia Germany Spain Finland Estonia Netherlands Czech Republic Romania Portugal Slovenia Luxembourg POR QUÊ INVESTIR NA ESPANHA? FACILIDADES LEGISLAÇÃO PARA FAVORÁVEL INVESTIR 9º país com menos barreiras do mundo 0.45 Índice de barreiras e restrições ao IED Media OCDE 0 Fonte: OCDE,

20 POR QUÊ INVESTIR NA ESPANHA? FACILIDADES LEGISLAÇÃO PARA FAVORÁVEL INVESTIR Recente redução do Imposto de Sociedades até o 25% Carga Tributária na União Europeia Fonte: Eurostat, Dados para

21 POR QUÊ INVESTIR NA ESPANHA? ÓTIMAS INFRAESTRUTURAS Maior rede de rodovias da Europa Segundo país do mundo em Alta Velocidade 4ª posição em transporte marítimo de mercadorias e 3 dos 10 maiores portos de containers da Europa 2 dos 10 maiores aeroportos da Europa e 3º país da UE em tráfego de passageiros 21

22 POR QUÊ INVESTIR NA ESPANHA? UM PAÍS AGRADÁVEL DE VIVER 3º posto mundial em qualidade de vida Fonte: The Economist Proximidade geográfica, cultural e histórica com Brasil 22

23 POR QUÊ INVESTIR NA ESPANHA? APOIOS AO INVESTIMENTO Desde as soluções financeiras mais simples, como o financiamento de médio e longo prazo, às mais sofisticadas. Ajudas regionais, estaduais e europeias para pequenas, médias e grandes empresas. Mais informações: Buscador de ajudas e incentivos.* Guia de ajudas e incentivos.* *http://www.investinspain.org/invest/es/canal-de-informacion/servicios-de-acceso-ainformacion/buscador-de-ayudas-e-incentivos/index.html *http://www.investinspain.org/invest/wcm/idc/groups/public/documents/documento/m da0/nty4/~edisp/ pdf 23

24 RISING START UP SPAIN PROGRAMA ESPANHOL PARA O ESTABELECIMENTO DE START UPS ESTRANGEIRAS EM ESPANHA Inscrições até o dia 30 de Setembro Para projetos estrangeiros de caráter innovador e em etapas iniciais de desenvolvimento Auxilio financeiro direto não reembolsável de Serviços de assistência para os vistos dos empreendedores Espaço de trabalho gratuito em Madrid e Barcelona de acordo com disponibilidade A duração total do programa é de 6 meses 24

25 PROGRAMA FEDER DE CRESCIMENTO INTELIGENTE PROGRAMA PARA EMPRESAS COM PROJETOS DE I+D QUE QUIERAM SE IMPLANTAR NA ESPANHA Próxima convocatória: Fevereiro/Março 2017 Dirigido a empresas de capital estrangeiro e agrupamentos de empresas Auxilios a fundo perdido para a realização de novos projetos de pesquisa aplicada e desenvolvimento experimental de até

26 FICHA NOVO PROJETO DADOS DA EMPRESA Nombre Facturamento Número de funcionários Setor de atividade Filiais / empresas do grupo em Espanha ou Europa 26

27 FICHA NOVO PROJETO DADOS DO PROJETO DE INVESTIMENTO Tipo de projeto Instalações Capacidade de produção Montante do investimento (em euros) Empregos a crear Ámbito geográfico de atuação Detalhes do financiamento 27

28 Colaboração tecnológica entre o Brasil e a Espanha 28 (07/12/2016)

29 Convocatória / Chamada bilateral de ajudas Chamada conjunta CDTI- FINEP Participação mínima: - 1 empr. espanhola - 1 participante brasileiro (empr. /empr. e organismo de investigação). 2ª chamada - Começo: novembro 2016 (previsão) - Término: março 2017 Ajudas: No Brasil: financiamento FINEP Na Espanha: condições de financiamento CDTI Internacional Aberta para todos os setores da indústria. Durabilidade: Até 2 anos (3 em alguns casos) 29 (07/12/2016)

30 Convocatórias / Chamada bilateral de ajudas Informação sobre as convocatórias Julio Cesar Imenes Departamento de Cooperação Internacional e Articulação com os Estados (DCIN) Tel: (21) Javier Romero Departamento de Ação Tecnológica Exterior (DATE) Tel: (07/12/2016)

31 No Brasil Escritório Econômico e Comercial da Espanha em Brasília Av. das Naçoes, Quadra 811, Lote Brasília (DF) Tel Fax Escritório Econômico e Comercial da Espanha em São Paulo Praça General Gentil Falcão, 108 8º andar CJ. 82, Brooklyn Novo São Paulo (SP) Tel Fax Na Espanha 31 ICEX-Invest in Spain Paseo de la Castellana, Madrid (Espanha) Tel. (+34) Fax. (+34)

ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras

ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras Existem muitas empresas e investimentos espanhóis no Brasil. É a hora de ter investimentos brasileiros na Espanha Presidente Lula da Silva,

Leia mais

ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras

ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras Existem muitas empresas e investimentos espanhóis no Brasil. É a hora de ter investimentos brasileiros na Espanha Presidente Lula da

Leia mais

ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras

ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA: UM PAÍS QUE SAE DA CRISE 2,00% 1,50% Evolução do PIB espanhol 1,70% 1,00% 1% 0,50% 0,00% -0,50% -0,20% 0,10% 2010 2011 2012

Leia mais

A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT)

A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT) A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT) É A AGÊNCIA PÚBLICA NACIONAL PARA A INVESTIGAÇÃO E A INOVAÇÃO EM PORTUGAL WWW.FCT.PT A VISÃO DA FCT É: TORNAR PORTUGAL UMA REFERÊNCIA MUNDIAL EM CIÊNCIA,

Leia mais

Indices de Felicidade

Indices de Felicidade Indices de Felicidade FELICIDADE PRESENTE NotaMédiadeFelicidadePresente(de0a10)3-55-66-77-88-9Seminformação Denmark Felicidade Presente (Nota de 0 a 10) Italy Brazil Russia China Fonte: CPS/FGV Processando

Leia mais

A Previdência Social ao redor do mundo

A Previdência Social ao redor do mundo A Previdência Social ao redor do mundo Pinheiro IBRE/FGV IE/UFRJ Brasília, 17 de abril de 2017 17 abr 2017 1960 1964 1968 1972 1976 1980 1984 1988 1992 1996 2000 2004 2008 2012 2016 2020 2024 2028 2032

Leia mais

Apresentação Corporativa 3M. 21 September M. All Rights Reserved.

Apresentação Corporativa 3M. 21 September M. All Rights Reserved. Apresentação Corporativa 3M 1. VISÃO 3M Tecnologia 3M impulsionando cada empresa Produtos 3M melhorando cada lar Inovações 3M facilitando a vida de cada pessoa 2. Quem somos nós 3. A 3M é uma companhia

Leia mais

Previsão Salarial 2016 Korn Ferry Hay Group aponta que turbulência econômica afetará os salários no Brasil

Previsão Salarial 2016 Korn Ferry Hay Group aponta que turbulência econômica afetará os salários no Brasil INFORMAÇÕES À IMPRENSA GWA Comunicação Integrada Caroline Mártire Tel.: (11) 3030-3000 ramal 229 / (11) 96396 6222 caroline@gwa.com.br Previsão Salarial 2016 Korn Ferry Hay Group aponta que turbulência

Leia mais

Original page: VISTO E1 (comerciantes do tratado) e E2 (investidores do tratado)

Original page: VISTO E1 (comerciantes do tratado) e E2 (investidores do tratado) PDF Acrobat www.drmoises.com 1 Original page: VISTO E1 (comerciantes do tratado) e E2 (investidores do tratado) Os comerciantes do tratado são Vistos E-1, investidores do tratado são Vistos E-2. Estes

Leia mais

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE MEL 2009 a 2014 (NCM 04.09.00.00) ANO 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Meses US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor

Leia mais

Programa Mais Médicos

Programa Mais Médicos II ENCONTRO NACIONAL DE MUNICÍPIOS Programa Mais Médicos Brasília- 02/03/16 Lançado em julho de 2013 para atender demanda histórica da insuficiência de médicos no Brasil, em especial, no SUS e na Atenção

Leia mais

Meninas casadas até os 18 anos na América Latina (%) Meninas casadas até os 15 anos (%) Bolivia (Plurinational State Costa Rica (17º) Brazil (3º)

Meninas casadas até os 18 anos na América Latina (%) Meninas casadas até os 15 anos (%) Bolivia (Plurinational State Costa Rica (17º) Brazil (3º) Nicaragua (1º) Dominican Republic (2º) Brazil (3º) Honduras (4º) Guatemala (5º) Equatorial Guinea (6º) Panama (7º) Cuba (8º) El Salvador (9º) Uruguay (10º) Colombia (11º) Guyana (12º) Mexico (13º) Ecuador

Leia mais

Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP

Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP e-ciência em Portugal IBERCIVIS: Lançamento do projecto SOLUVEL e apresentação de resultados do projecto AMILOIDE Museu da Ciência, U. de Coimbra, 1 de Julho de 211 Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência

Leia mais

A Economia do Brasil nos últimos 40 Anos e Perspectivas para o Futuro

A Economia do Brasil nos últimos 40 Anos e Perspectivas para o Futuro A Economia do Brasil nos últimos 40 Anos e Perspectivas para o Futuro 40 Anos da Editoria de Economia de O Globo Marcelo Neri mcneri@fgv.br Décadas: 60 e 70 Milagre Crescimento 80 Redemocratização 90 Estabilização

Leia mais

O Veículo Eléctrico na perspectiva da mobilidade

O Veículo Eléctrico na perspectiva da mobilidade MOBILIDADE ELÉCTRICA ambição e riscos O Veículo Eléctrico na perspectiva da mobilidade CIM CÁVADO MINHO LIMA OURENSE Braga, 6 Abril 2011 António Pérez Babo 1 Infraestrutura rodoviária (AE) 2007 Nos 24

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável EDUCAÇÃO Base do Desenvolvimento Sustentável 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais

Leia mais

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC Categorias / Products:, INDUSTRIALIZADA / PROCESSED, MIÚDOS / OFFALS,, Periodo: jan/2015 - dez/2015 1 de 19 2015 2014 Janeiro / January US$ (000) TONNES US$/Ton US$ (000) TONNES US$/Ton US$ (000) TONNES

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento EDUCAÇÃO Base para o desenvolvimento 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais de escolaridade.

Leia mais

Serviços de Informação do Benchmark de Métricas da Força de Trabalho

Serviços de Informação do Benchmark de Métricas da Força de Trabalho Serviços de Informação do Benchmark de Métricas da Força de Trabalho Transformando dados em conhecimento que você pode aplicar imediatamente Foco em composição da força de trabalho e métricas de retenção.

Leia mais

CONFERÊNCIA REABILITAÇÃO URBANA E HABITAT CONTRIBUTOS PARA EDIFÍCIOS CONFORTÁVEIS E SUSTENTÁVEIS

CONFERÊNCIA REABILITAÇÃO URBANA E HABITAT CONTRIBUTOS PARA EDIFÍCIOS CONFORTÁVEIS E SUSTENTÁVEIS REABILITAÇÃO URBANA E HABITAT CONTRIBUTOS PARA EDIFÍCIOS CONFORTÁVEIS E SUSTENTÁVEIS PAINEL 1 O CONFORTO E A SUSTENTABILIDADE NA REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS NO ÂMBITO DA FILEIRA DA HOTELARIA PAINEL 2 DE

Leia mais

Prof. Sandro Wambier

Prof. Sandro Wambier Prof. Sandro Wambier A segurança da informação é alcançada implementando-se um grupo adequado de controles: Políticas de segurança; Boas práticas; Estruturas organizacionais; Funções de softwares e hardwares.

Leia mais

UNI EN ISO 9001:2008 UNI EN ISO 14001:2004 BS OHSAS 18001:2007 EC DIRECTIVE 2014/34/EU (ATEX) CERTIFIED MANAGEMENT SYSTEM

UNI EN ISO 9001:2008 UNI EN ISO 14001:2004 BS OHSAS 18001:2007 EC DIRECTIVE 2014/34/EU (ATEX) CERTIFIED MANAGEMENT SYSTEM PT ISM-BSM CERTIFIED Tecnologia Made in Italy Desde 1955 o Grupo Varvel projecta e fabrica redutores e variadores para aplicações de pequena e média potências. Parceiro de confiança na produção e comercialização

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007 FaculdadedeEconomia João Salgueiro João Amador Seminário de Economia Europeia Economia Portuguesa e Europeia Exame de 1 a época 5 de Janeiro de 2007 Atenção:

Leia mais

Fluxo internacional de capitais. Reinaldo Gonçalves

Fluxo internacional de capitais. Reinaldo Gonçalves Fluxo internacional de capitais Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com Sumário 1. Movimento internacional de fatores de produção 2. Funções 3. Taxonomia 4. Capital de curto prazo 5. Reservas internacionais

Leia mais

Sistemas DYWIDAG - Ancoragens em Solos e Rochas

Sistemas DYWIDAG - Ancoragens em Solos e Rochas Sistemas DYWIDAG - Ancoragens em Solos e Rochas ANCORAGENS EM SOLOS E ROCHAS Os sistemas DYWIDAG são mundialmente reconhecidos na execução de tirantes ancorados no terreno (solos e rochas), permanentes

Leia mais

Desafios Futuros dos Investimentos dos Fundos de Pensão. José Antonio Gragnani

Desafios Futuros dos Investimentos dos Fundos de Pensão. José Antonio Gragnani Desafios Futuros dos Investimentos dos Fundos de Pensão José Antonio Gragnani Patrimônio dos Fundos de Pensão como proporção do PIB em 2014 (%) Países membros da OCDE Países não membros da OCDE O Patrimônio

Leia mais

SEMINÁRIO A Gestão de Energia nas PMEs. Os novos desafios das PME. 14 Julho Museu do Oriente - Lisboa. Vítor Bento

SEMINÁRIO A Gestão de Energia nas PMEs. Os novos desafios das PME. 14 Julho Museu do Oriente - Lisboa. Vítor Bento SEMINÁRIO A Gestão de Energia nas PMEs 14 Julho Museu do Oriente - Lisboa Os novos desafios das PME Vítor Bento HISTÓRICO DO CRESCIMENTO 2 1875 1880 1885 1890 1895 1900 1905 1910 1915 1920 1925 1930 1935

Leia mais

Assessing PORTUGAL s Competitiveness The Global Competitiveness Index Report Ilídio de Ayala Serôdio Lisboa,

Assessing PORTUGAL s Competitiveness The Global Competitiveness Index Report Ilídio de Ayala Serôdio Lisboa, Assessing PORTUGAL s Competitiveness The Global Competitiveness Index Report 2017-2018 Ilídio de Ayala Serôdio Lisboa, 27.09.2017 Apoios 1 World Economic Forum Global Competitiveness Report 2017-2018 PORTUGAL

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES Eduardo Augusto Guimarães Maio 2012 Competitividade Brasil 2010: Comparação com Países Selecionados. Uma chamada para a ação África

Leia mais

Transição da Escola para o Mercado de Trabalho no Brasil. André Portela Souza EESP/FGV

Transição da Escola para o Mercado de Trabalho no Brasil. André Portela Souza EESP/FGV Transição da Escola para o Mercado de Trabalho no Brasil André Portela Souza EESP/FGV SEADE 25 de Março de 2013 Estrutura da Apresentação 1. Alguns Aspectos Conceituais: A Teoria do Capital Humano 2. Evidências

Leia mais

A evolução dos impostos nos países da OCDE, no período de 1990 a 2003: Comparação com Portugal

A evolução dos impostos nos países da OCDE, no período de 1990 a 2003: Comparação com Portugal A evolução dos impostos nos países da OCDE, no período de 1990 a 2003: Comparação com Portugal 0 Sumário e conclusões 1 - O peso das receitas fiscais totais no PIB 2 O peso dos impostos sobre o rendimento

Leia mais

Empresa POLÍTICA DA HELPLINE DE COMPLIANCE. Data de entrada em vigor Janeiro de 2015

Empresa POLÍTICA DA HELPLINE DE COMPLIANCE. Data de entrada em vigor Janeiro de 2015 Empresa POLÍTICA DA HELPLINE DE COMPLIANCE Função Legal & Compliance Data de entrada em vigor Janeiro de 2015 Páginas 12 Escopo: a presente Política aplica-se à CNH Industrial N.V. e respectivas subsidiárias

Leia mais

PERIGOS DA PERCEPÇÃO PERILS OF PERCEPTION ESTUDO REALIZADO EM 40 PAÍSES PERILS OF PERCEPTION

PERIGOS DA PERCEPÇÃO PERILS OF PERCEPTION ESTUDO REALIZADO EM 40 PAÍSES PERILS OF PERCEPTION PERIGOS DA PERCEPÇÃO 2016 PERILS OF PERCEPTION ESTUDO REALIZADO EM 40 PAÍSES PERILS OF PERCEPTION 2016 1 ESTES SÃO OS RESULTADOS DA NOVA EDIÇÃO DA PESQUISA PERIGOS DA PERCEPÇÃO DA IPSOS. OS RESULTADOS

Leia mais

Desaceleração da Economia Brasileira: Causas Externas ou Domésticas? Silvia Matos

Desaceleração da Economia Brasileira: Causas Externas ou Domésticas? Silvia Matos Desaceleração da Economia Brasileira: Causas Externas ou Domésticas? Silvia Matos 6 de Agosto de 2015 Resumo da Apresentação Após 2011, o Brasil desacelerou mais do que outros países da América Latina

Leia mais

A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos

A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos Realidade Operacional e Gerencial do Poder Judiciário de Mato Grosso Na estrutura organizacional, existe a COPLAN que apoia administrativamente e oferece

Leia mais

Brasil: Conjuntura e Perspectivas. Prof. Dr. Fernando Sarti

Brasil: Conjuntura e Perspectivas. Prof. Dr. Fernando Sarti Brasil: Conjuntura e Perspectivas Prof. Dr. Fernando Sarti Centro Altos Estudos Brasil Século XXI - UNICAMP Fundação Desenvolvimento da Unicamp-FUNCAMP Brasília, Se da Andifes, 25 fevereiro 2016 Estrutura

Leia mais

PERFIL DO MERCADO Automotive Business VII Forum 2016

PERFIL DO MERCADO Automotive Business VII Forum 2016 28/03/2016 PERFIL DO MERCADO Automotive Business VII Forum 2016 Vitor Klizas, Presidente, JATO Dynamics Brasil WTC São Paulo - Brasil A GLOBAL COMPANY JATO Dynamics JATO North America USA Canada JATO China

Leia mais

ESPANHA 5º Seminário de Capacitação em Atração de Investimentos Recife. 2-4 abril 2014 Conselheiro Econômico e Comercial em Brasilia: Fernando Salazar

ESPANHA 5º Seminário de Capacitação em Atração de Investimentos Recife. 2-4 abril 2014 Conselheiro Econômico e Comercial em Brasilia: Fernando Salazar ESPANHA 5º Seminário de Capacitação em Atração de Investimentos Recife. 2-4 abril 2014 Conselheiro Econômico e Comercial em Brasilia: Fernando Salazar ICEX-INVEST IN SPAIN Icex-Invest in Spain pertence

Leia mais

Agenda Digital Europeia

Agenda Digital Europeia Agenda Digital Europeia Financiar o futuro - ANACOM 1 de Junho de 2013, Lisboa Mário Campolargo European Commission - DG CONNECT Director, NET Futures "The views expressed in this presentation are those

Leia mais

ETWINNING, ENSINAR E APRENDER EM COLABORAÇÃO

ETWINNING, ENSINAR E APRENDER EM COLABORAÇÃO ETWINNING, ENSINAR E APRENDER EM COLABORAÇÃO Teresa Lacerda teresalacerda@hotmail.com Agrupamento de Escolas de Póvoa de Lanhoso Embaixadora etwinning da Zona Norte O etwinning é Uma iniciativa da Comissão

Leia mais

A reputação das cidades-sede da Copa do Mundo de Futebol 2014 no Brasil Resultados da Pesquisa City RepTrak Brasil

A reputação das cidades-sede da Copa do Mundo de Futebol 2014 no Brasil Resultados da Pesquisa City RepTrak Brasil A reputação das cidades-sede da Copa do Mundo de Futebol 2014 no Brasil Resultados da Pesquisa City RepTrak Brasil Maio de 2014 O ESTUDO A reputação é um dos temas que tem cada vez mais ganhado espaço

Leia mais

Políticas para Inovação no Brasil

Políticas para Inovação no Brasil Políticas para Inovação no Brasil Naercio Menezes Filho Centro de Políticas Públicas do Insper Baixa Produtividade do trabalho no Brazil Relative Labor Productivity (GDP per Worker) - 2010 USA France UK

Leia mais

ACONTECE - Estudos da OCDE e do Banco Mundial apontam o Brasil como um dos países que menos poupam no Mundo. O que falta ao nosso País?

ACONTECE - Estudos da OCDE e do Banco Mundial apontam o Brasil como um dos países que menos poupam no Mundo. O que falta ao nosso País? ACONTECE - O Brasil tem revelado historicamente uma baixa taxa interna de poupança. E que nos últimos anos vêm declinando ainda mais. Como estão os números hoje e, mesmo considerando haver outras formas

Leia mais

TORRE DO RIO SUL. Rua Lauro Muller, 116 Botafogo Rio de Janeiro

TORRE DO RIO SUL. Rua Lauro Muller, 116 Botafogo Rio de Janeiro TORRE DO RIO SUL Rua Lauro Muller, 116 Botafogo Rio de Janeiro ÍNDICE 1. O EDIFÍCIO TORRE DO RIO SUL 2. A LOCALIZAÇÃO 3. FICHA TÉCNICA DA OPORTUNIDADE 4. PLANTA DO ANDAR TIPO 5. FOTO DO ANDAR 6. PLANTA

Leia mais

I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil:

I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil: I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil: Projeções e Reflexões Fonte: FMI G7: EUA. Alemanha, Japão,

Leia mais

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO P CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO RELATÓRIO SOBRE O MERCADO CAFEEIRO Abril de 2009 A escassez de café colombiano e o aumento sem precedentes dos prêmios pagos por esta origem continuam a dominar a evolução

Leia mais

PEC 241 ou PEC 55 e o Gasto em Educação e Saúde

PEC 241 ou PEC 55 e o Gasto em Educação e Saúde PEC 241 ou PEC 55 e o Gasto em Educação e Saúde Carlos Frederico Rocha Professor da Instituto de Economia da UFRJ e Diretor da ADUFRJ (fred@ie.ufrj.br) Art. 6º da Constituição da República Federativa do

Leia mais

A COMPETITIVIDADE DAS EMPRESAS E DO ESTADO DESAFIOS DA ECONOMIA PORTUGUESA

A COMPETITIVIDADE DAS EMPRESAS E DO ESTADO DESAFIOS DA ECONOMIA PORTUGUESA LISBOA, 4 DE ABRIL DE 2013 A COMPETITIVIDADE DAS EMPRESAS E DO ESTADO DESAFIOS DA ECONOMIA PORTUGUESA MANUEL CALDEIRA CABRAL - UNIVERSIDADE DO MINHO Y = F ( K; L; RN) K- Capital L Trabalho RN Recursos

Leia mais

Q: Preciso contratar um numero de empregados para solicitar o visto E2? R: Não, o Visto E2 não requer um numero de empregados como o Visto Eb5.

Q: Preciso contratar um numero de empregados para solicitar o visto E2? R: Não, o Visto E2 não requer um numero de empregados como o Visto Eb5. RE: Visto E1 O E2 Visto E1 O E2 Q :Preciso contratar um advogado para solicitar o Visto E2? R: Sim, o visto E2 requer o conhecimento especializado da legislacao migratória e a experiência de um advogado

Leia mais

Prof. Maria Antonieta Del Tedesco Lins IRI-USP. O que nós temos a ver com isso?

Prof. Maria Antonieta Del Tedesco Lins IRI-USP. O que nós temos a ver com isso? AULA 1 REVISÃO DE CONCEITOS TEÓRICOS: BALANÇO DE PAGAMENTOS E MERCADO DE CÂMBIO Fevereiro 2017 Prof. Maria Antonieta Del Tedesco Lins IRI-USP Plano da aula 2 Estrutura do BP Contas nacionais e o BP Equilíbrio

Leia mais

SGA. Introdução. Qualidade PLANEAMENTO SGA Aspectos ISO SGA por. Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis.

SGA. Introdução. Qualidade PLANEAMENTO SGA Aspectos ISO SGA por. Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis. por DO DESENVOLVIMENTO DO À SISTEMAS DE GESTÃO DO AMBIENTE 2004/2005 4.3 - PLANEAMENTO 4.3.1 - Aspectos Ambientais 4.3.2 - Requisitos Legais por e Outros Requisitos 4.3.3 - Objectivos e metas 4.3.4 - Programa

Leia mais

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO P CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO RELATÓRIO SOBRE O MERCADO CAFEEIRO Dezembro de 2008 Os níveis de preços confirmaram em dezembro a tendência baixista que se observava no mercado cafeeiro desde setembro de

Leia mais

Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007

Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007 Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007 1. Visitações Diárias ( Y ) Visitas ( X ) Dia do mês 1.1) Janeiro 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15

Leia mais

Teoria e Sistemas da Inovação

Teoria e Sistemas da Inovação A technology gap approach to why growth rates differ FAGERBERG, Jan Trabalho elaborado por: Fernando Machado 1. Introdução (Porque diferem as taxas de crescimento entre países?) Introdução Diferenças do

Leia mais

ASPECTOS DA ROTULAGEM AMBIENTAL PROJETO DE COOPERAÇÃO ENTRE SECEX/UNIÃO. CURSO DE CAPACITAÇÃO SETOR PRIVADO ABTCP/ SÃO PAULO 02/03/2010 e 03/03/2010

ASPECTOS DA ROTULAGEM AMBIENTAL PROJETO DE COOPERAÇÃO ENTRE SECEX/UNIÃO. CURSO DE CAPACITAÇÃO SETOR PRIVADO ABTCP/ SÃO PAULO 02/03/2010 e 03/03/2010 ASPECTOS DA ROTULAGEM AMBIENTAL PROJETO DE COOPERAÇÃO ENTRE SECEX/UNIÃO EUROPÉIA/PNUMA CURSO DE CAPACITAÇÃO SETOR PRIVADO ABTCP/ SÃO PAULO 02/03/2010 e 03/03/2010 Rotulagem Ambiental: O que é isto? É a

Leia mais

Cinema, Soft Power e os BRICS

Cinema, Soft Power e os BRICS Seminário Cinema, Soft Power e os BRICS Mostra Internacional de Cinema de São Paulo Debora Ivanov 27/10/2016 Diretrizes Diretrizes das ações internacionais realizadas pela ANCINE 1. Estímulo à realização

Leia mais

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS 29 de março 217 198 9+ 8 8 7 7 6 6 4 4 3 3 2 2 2.. 1.. 1.... 1.. 1.. 2.. + 6 anos Fonte: IBGE (Projeção da População,

Leia mais

O Investimento em Protecção Social no Brasil: uma análise comparativa. Ronaldo Alves Nogueira

O Investimento em Protecção Social no Brasil: uma análise comparativa. Ronaldo Alves Nogueira O Investimento em Protecção Social no Brasil: uma análise comparativa Ronaldo Alves Nogueira Resumo do projeto de investigação Pergunta de partida: Quão distante estamos do nível de gasto com a função

Leia mais

UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro

UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro Saúde no Mundo: Notas para o Debate I Encontro Nacional Conselho Federal de Medicina Brasília 08 de março de 2012 Ligia Bahia Roteiro da Apresentação 1. Um Panorama

Leia mais

Indicadores sobre o álcool em Portugal e no mundo

Indicadores sobre o álcool em Portugal e no mundo Fórum Nacional Álcool e Saúde Palácio dos Marqueses da Praia e Monforte, Loures 14 de abril de 2015 Indicadores sobre o álcool em Portugal e no mundo Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos

Leia mais

Luís Filipe Reis Fim de tarde na Ordem 22 Março Luís Filipe Reis. Fim de tarde na Ordem 22 Março 2017

Luís Filipe Reis Fim de tarde na Ordem 22 Março Luís Filipe Reis. Fim de tarde na Ordem 22 Março 2017 Luís Filipe Reis Fim de tarde na Ordem 22 Março 2017 Luís Filipe Reis Fim de tarde na Ordem 22 Março 2017 UMA ALIMENTAÇÃO EQUILIBRADA Gorduras e óleos Laticínios Leguminosas e derivados Carne, pescado

Leia mais

OECD Territorial Review of Portugal. Mario Pezzini Soo-Jin Kim

OECD Territorial Review of Portugal. Mario Pezzini Soo-Jin Kim OECD Territorial Review of Portugal Mario Pezzini Soo-Jin Kim GDP per capita in OECD countries Luxembourg United States Norway Ireland Switzerland Iceland Austria Denmark United Kingdom Canada Australia

Leia mais

useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior

useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior Headquarters: Rua Senhor da Paciência, 39 6200-158 Covilhã Portugal Telephone: +351 275 319 530 Fax: +351 275

Leia mais

Tudo o que precisa para tornar a sua oficina limpa, segura e eficiente

Tudo o que precisa para tornar a sua oficina limpa, segura e eficiente Tudo o que precisa para tornar a sua oficina limpa, segura e eficiente Melhore a sua oficina Fumos de escape e de soldadura, pó de lixagem e rebarbagem, derrames de óleo e mangueiras desarrumadas estes

Leia mais

A importância e desafios da agricultura na economia regional. Assessoria Econômica

A importância e desafios da agricultura na economia regional. Assessoria Econômica A importância e desafios da agricultura na economia regional Assessoria Econômica A Agricultura é importante para o crescimento e desenvolvimento econômico ou é apenas fornecedora de alimentos? Taxa Média

Leia mais

A incerteza da renovação das concessões e os investimentos em infraestrutura

A incerteza da renovação das concessões e os investimentos em infraestrutura A incerteza da renovação das concessões e os investimentos em infraestrutura Corporação Cemig Áreas de Atuação: Geração, transmissão, comercialização e distribuição de energia elétrica Exploração e Distribuição

Leia mais

ASSIM VAI O MUNDO ALGUMAS GRANDES TENDÊNCIAS MARCANTES. VÍTOR BENTO Outubro 2016

ASSIM VAI O MUNDO ALGUMAS GRANDES TENDÊNCIAS MARCANTES. VÍTOR BENTO Outubro 2016 ASSIM VAI O MUNDO ALGUMAS GRANDES TENDÊNCIAS MARCANTES VÍTOR BENTO Outubro 2016 DEMOGRAFIA 1 250 POPULAÇÃO TOTAL (2015=100) 2015 2025 2050 200 150 100 50 0 WORLD More developed regions Less developed regions

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO PARA OS ESTUDANTES DA EDUCAÇAO SUPERIOR PRIVADA CAMARA DOS DEPUTADOS AUDIENCIA PUBLICA 25 DE OUTUBRO DE 2016

FONTES DE FINANCIAMENTO PARA OS ESTUDANTES DA EDUCAÇAO SUPERIOR PRIVADA CAMARA DOS DEPUTADOS AUDIENCIA PUBLICA 25 DE OUTUBRO DE 2016 FONTES DE FINANCIAMENTO PARA OS ESTUDANTES DA EDUCAÇAO SUPERIOR PRIVADA CAMARA DOS DEPUTADOS AUDIENCIA PUBLICA 25 DE OUTUBRO DE 2016 Fluxograma de Recursos Na Teoria: O Espírito do Financiamento Estudantil

Leia mais

Private Debt Dívida Privada. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica. Conjuntura Económica. Banca e Seguros. Portugal Economy Probe (PE Probe)

Private Debt Dívida Privada. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica. Conjuntura Económica. Banca e Seguros. Portugal Economy Probe (PE Probe) dossiers Economic Outlook Private Debt Dívida Privada Last Update Última Actualização: 12/07/2016 Portugal Economy Probe (PE Probe) Prepared by PE Probe Preparado por PE Probe Copyright 2015 Portugal Economy

Leia mais

Estatística e Probabilidades

Estatística e Probabilidades Estatística e Probabilidades Nesse resumo vamos mostrar como a análise crítica de séries estatísticas podem contribuir para uma compreensão mais precisa da realidade. Todos os dias ouvimos falar sobre

Leia mais

Livro Verde sobre a eficiência energética

Livro Verde sobre a eficiência energética Livro Verde sobre a eficiência energética Fazer mais com menos Integrado na estratégia de Lisboa Paula Abreu Marques Comissão Europeia Direcção Geral da Energia e dos Transportes 1 Antecedentes: O Livro

Leia mais

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas 19 de Dezembro de 2011 O IRC na receita fiscal -5,3% IRC Page 2/28 Artigos alterados 8.º - Período de tributação 10.º - Isenções 29.º - Depreciações 52.º

Leia mais

Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação

Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação André Portela Souza EESP/FGV Rio de Janeiro 13 de maio de 2011 Estrutura da Apresentação 1. Porque Educação? Educação e Crescimento 2. Educação

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL SOBRE O MERCADO CAFEEIRO

RELATÓRIO MENSAL SOBRE O MERCADO CAFEEIRO P RELATÓRIO MENSAL SOBRE O MERCADO CAFEEIRO Janeiro de 2011 Problemas climáticos em muitos países exportadores continuaram a dominar a evolução do mercado, os preços do café e as notícias. Assim, os preços

Leia mais

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL Súmula dos dados provisórios do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional, IPCTN, 2007 I DESPESA 1. Despesa em I&D nacional total

Leia mais

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café P CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO RELATÓRIO SOBRE O MERCADO CAFEEIRO

Leia mais

BEPS e suas consequências imediatas no Brasil. 23 de junho de 2017

BEPS e suas consequências imediatas no Brasil. 23 de junho de 2017 BEPS e suas consequências imediatas no Brasil 23 de junho de 2017 Brasil e OCDE - BEPS Page 2 A iniciativa BEPS Os relatórios finais do BEPS a posição do Brasil Em 5 de outubro de 2015 a OCDE publicou

Leia mais

A Ética em Processos de Expatriação 24 de Outubro de Mauricio Rossi

A Ética em Processos de Expatriação 24 de Outubro de Mauricio Rossi A Ética em Processos de Expatriação 24 de Outubro de 2012 Mauricio Rossi Roche - Valores e Competências de Liderança Valores Roche Competências de Liderança Integridade Foco para Criar Valor Coragem Mobilizar

Leia mais

A internacionalização das empresas portuguesas

A internacionalização das empresas portuguesas A internacionalização das empresas portuguesas O Paradoxo da Globalização Motor de crescimento e aproximação de culturas 350 milhões de pessoas sairam da pobreza Fonte de instabilidade e de incerteza Pressão

Leia mais

Sistemas DYWIDAG 36mm

Sistemas DYWIDAG 36mm Sistemas DYWIDAG 36mm SISTEMA DYWIDAG 36mm As barras e componentes DYWIDAG excedem os limites requeridos pelas normas brasileiras. Sua rosca robusta proporciona máxima aderência aço/concreto, única no

Leia mais

Breve estudo geo-estatístico sobre o comércio exterior de vinhos do Brasil e no mundo

Breve estudo geo-estatístico sobre o comércio exterior de vinhos do Brasil e no mundo Breve estudo geo-estatístico sobre o comércio exterior de vinhos do Brasil e no mundo Rogério Vianna, setembro de 2017 rsvianna@hotmail.com, www.inicio.com.br O produto vinho segundo a classificação internacional

Leia mais

Evolução Nacional e Comparações Internacionais

Evolução Nacional e Comparações Internacionais Forum para a Sociedade da Informação 10 de Março de 2006 Evolução Nacional e Comparações Internacionais Facilitação da Compra de Computador com Ligação à Internet por Famílias com Estudantes Dedução fiscal

Leia mais

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO 11/09/12 11/10/12 11/11/12 11/12/12 11/01/13 11/02/13 11/03/13 11/04/13 11/05/13 11/06/13 11/07/13 11/08/13 11/09/13 11/10/13 11/11/13 11/12/13 11/01/14 11/02/14 11/03/14

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Departamento de Ciência Política

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Departamento de Ciência Política Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Departamento de Ciência Política FLS 5028 Métodos Quantitativos e Técnicas de Pesquisa em Ciência Política FLP0406 Métodos e

Leia mais

ECO Economia Brasileira

ECO Economia Brasileira Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January, 2012 ECO 112 - Economia Brasileira Eloi Martins Senhoras Available at: http://works.bepress.com/eloi/124/

Leia mais

Tirantes DYWIDAG para Estruturas Marítimas

Tirantes DYWIDAG para Estruturas Marítimas Tirantes DYWIDAG para Estruturas Marítimas Tirantes DYWIDAG e GEWI para Estruturas Marítimas Tirantes de barra de aço DYWIDAG e GEWI podem ser utilizados para uma variedade de aplicações marítimas. A construção

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 11.75% 13.00% 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.00% 8.50% 9.00%

Leia mais

PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTO E MELHORIAS NA GESTÃO PORTUÁRIA. Priscila Santiago CNT

PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTO E MELHORIAS NA GESTÃO PORTUÁRIA. Priscila Santiago CNT PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTO E MELHORIAS NA GESTÃO PORTUÁRIA Priscila Santiago CNT Setor de transporte no Brasil Agente indutor de desenvolvimento e integração Histórico de baixos investimentos em infraestrutura

Leia mais

SITUAÇÃO E PERSPETIVAS DA INDÚSTRIA PORTUGUESA

SITUAÇÃO E PERSPETIVAS DA INDÚSTRIA PORTUGUESA SITUAÇÃO E PERSPETIVAS DA INDÚSTRIA PORTUGUESA IDN Instituto da Defesa Nacional Porto, 10 de fevereiro de 2014 José António de Barros Presidente da AEP 1 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.50% 9.00% 10.00% 10.50% 11.00%

Leia mais

AMCHAM BRASIL SÃO PAULO OBJETIVOS E METAS DO GOVERNO TEMER PARA O COMÉRCIO EXTERIOR

AMCHAM BRASIL SÃO PAULO OBJETIVOS E METAS DO GOVERNO TEMER PARA O COMÉRCIO EXTERIOR AMCHAM BRASIL SÃO PAULO PALESTRA OBJETIVOS E METAS DO GOVERNO TEMER PARA O COMÉRCIO EXTERIOR JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo, 30 de agosto de 2016 2 EXPORTAÇÕES POR FATOR AGREGADO, EM TONELADAS Em milhões

Leia mais

Proposta de Abordagem para Construção da Reforma Tributária

Proposta de Abordagem para Construção da Reforma Tributária Proposta de Abordagem para Construção da Reforma Tributária 27/04/2009 1 Três Perguntas Básicas da Estratégia Onde queremos ir? Onde estamos?? Para onde o ambiente nos empurra? MARQUES (2006) 2 Prospectiva

Leia mais

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde 1º Encontro Nacional - Desafios do presente e do futuro Alexandre Lourenço www.acss.min-saude.pt Sumário Organizações do Terceiro Sector Necessidade

Leia mais

Global leader in hospitality consulting. Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2014 BRASIL

Global leader in hospitality consulting. Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2014 BRASIL Global leader in hospitality consulting Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2014 BRASIL % DE RESPOSTAS POR REGIÃO INTRODUÇÃO Américas 19% Ásia 31% A pesquisa global de opinião sobre o mercado

Leia mais

Os desafios da competitividade industrial e o Plano Brasil Maior

Os desafios da competitividade industrial e o Plano Brasil Maior Os desafios da competitividade industrial e o Plano Brasil Maior Jackson De Toni Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial Abril de 2013 jackson.detoni@abdi.com.br Os desafios da competitividade

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 14,25% 13,75% 13,75% 13,5% 13,00% 13,25% 12,75% 12,25% 11,75% 12,75% 12,25% 12,75% 12,50% 12,5% 12,00%

META DA TAXA SELIC 14,5% 14,25% 13,75% 13,75% 13,5% 13,00% 13,25% 12,75% 12,25% 11,75% 12,75% 12,25% 12,75% 12,50% 12,5% 12,00% abr-08 ago-08 dez-08 abr-09 ago-09 dez-09 abr-10 ago-10 dez-10 abr-11 ago-11 dez-11 abr-12 ago-12 dez-12 abr-13 ago-13 dez-13 abr-14 ago-14 dez-14 abr-15 ago-15 dez-15 abr-16 ago-16 dez-16 META DA TAXA

Leia mais

FIFA WORLD CUP. Roadmap to the Greatest Show on Earth G O A L D E N T I M E S. O R G

FIFA WORLD CUP. Roadmap to the Greatest Show on Earth G O A L D E N T I M E S. O R G FIFA WORLD CUP 2014 Roadmap to the Greatest Show on Earth Group A Group B Group C Group D Brazil Spain Colombia Uruguay Croatia Netherlands Greece Costa Rica Mexico Chile Côte d'ivoire England Cameroon

Leia mais

SISTEMA GEWI 50mm PROPRIEDADES DO SISTEMA

SISTEMA GEWI 50mm PROPRIEDADES DO SISTEMA Sistemas GEWI 50mm SISTEMA GEWI 50mm O sistema GEWI é composto por barras e componentes de ancoragem de alta capacidade. Possuem rosca esquerda, duplo filetada e robusta, por toda sua extensão. Esta característica

Leia mais

3 A economia na sociedade actual

3 A economia na sociedade actual 3 A economia na sociedade actual 3.1. A evolução económica da humanidade Leituras: [D] I, II e III; [S] cap. 27 3.2. Efeitos sociais do desenvolvimento Leituras: [N] 6; [S] cap. 28 3 A economia na sociedade

Leia mais