MA14 - Aritmética Unidade 1 Resumo. Divisibilidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MA14 - Aritmética Unidade 1 Resumo. Divisibilidade"

Transcrição

1 MA14 - Aritmética Unidade 1 Resumo Divisibilidade Abramo Hefez PROFMAT - SBM Julho 2013

2 Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina e o seu estudo não garante o domínio do assunto. O material completo a ser estudado encontra-se no do livro texto da disciplina: Capítulo 3 - Seção 3.1 Aritmética, A. Hefez, Coleção PROFMAT. Colaborou na elaboração desses resumos Maria Lúcia T. Villela. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 1 - Resumo - Divisibilidade slide 2/1

3 Introdução O nosso objeto de estudo neste curso é o conjunto dos números inteiros: Z = {..., 2, 1, 0, 1, 2,...}, munido com as suas operações de adição e multiplicação, tendo as seguintes propriedades, para quaisquer a, b, c Z: Comutativa: a + b = b + a e a b = b a. Associativa: (a + b) + c = a + (b + c) e (a b) c = a (b c). Existência de elementos neutros: a + 0 = a e a 1 = a. Existência de simétrico: Para cada a existe b(= a), tal que a + b = 0. Distributiva: a (b + c) = a b + a c. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 1 - Resumo - Divisibilidade slide 3/1

4 Introdução - Continuação Reveja, no Capítulo 1 do livro texto, as propriedades da adição e da multiplicação, a ordenação dos inteiros, os Princípios da Boa ordenação e Indução Matemática. Em Z há um subconjunto que se destaca, o conjunto dos números naturais: N = {1, 2, 3,...}. Alguns autores consideram 0 N. O fato de considerarmos que 0 N é apenas uma escolha. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 1 - Resumo - Divisibilidade slide 4/1

5 Divisibilidade - Definições Dados dois números inteiros quaisquer, é possível somá-los, subtraí-los e multiplicá-los. Entretanto, nem sempre é possível dividir um pelo outro, por exemplo: em Z não é possível dividir 3 por 2, mas é possível dividir 4 por 2. Só existe a Aritmética nos inteiros porque a divisão nem sempre é possível. Diremos que um inteiro a divide um inteiro b, escrevendo a b, quando existir c Z tal que b = c a. Neste caso, diremos também que a é um divisor ou um fator de b ou, ainda, que b é um múltiplo de a. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 1 - Resumo - Divisibilidade slide 5/1

6 Exemplos 2 0, pois 0 é múltiplo de 2: 1 6, pois 6 é múltiplo de 1: 6 = 6 1; 0 = 0 ( 2); 1 6, pois 6 é múltiplo de 1: 6 = 6 ( 1); 2 6, pois 6 é múltiplo de 2: 6 = 3 2; 3 6, pois 6 é múltiplo de 3: 6 = ( 2) ( 3); i! divide o produto de i números naturais consecutivos. Parece difícil de mostrar a última afirmação, mas escrevendo os inteiros consecutivos convenientemente, ou seja, n, n 1,..., n (i 1), para algum natural n, o resultado segue, imediatamente, da seguinte igualdade ( ) n n (n 1) (n i + 1) = i!, i o que mostra o desejado. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 1 - Resumo - Divisibilidade slide 6/1

7 Exercício - Aplicação do último exemplo 6 divide todo número da forma n(n + 1)(2n + 1), onde n N. Solução De fato, se n = 1 temos que n(n + 1)(2n + 1) = 6 e 6 6. Se n > 1, então n(n + 1)(2n + 1) = n(n + 1)(n n 1) = n(n + 1)(n + 2) + n(n + 1)(n 1). Como cada uma das parcelas n(n + 1)(n + 2) e n(n + 1)(n 1) é o produto de três naturais consecutivos, elas são múltiplas de 3! = 6. Portanto, sendo o número n(n + 1)(2n + 1) soma de dois múltiplos de 6, ele é também múltiplo de 6. Este fato não é surpreendente, pois sabemos que n(n + 1)(2n + 1) 6 = n 2. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 1 - Resumo - Divisibilidade slide 7/1

8 Definições A negação da sentença a b é representada pelo símbolo: a b, significando que não existe nenhum número inteiro c tal que b = c a. Por exemplo, 3 4 e 2 5. Suponha que a b, onde a 0, e seja c Z tal que b = c a. O número inteiro c, univocamente determinado, é chamado de quociente de b por a e denotado por c = b a. Por exemplo, 0 1 = 0, 0 2 = 0, 6 1 = 6, 6 1 = 6, 6 2 = 3, 6 3 = 2. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 1 - Resumo - Divisibilidade slide 8/1

9 Proposição (Propriedades da divisibilidade) Sejam a, b, c Z. Tem-se que i) 1 a, a a e a 0. ii) 0 a a = 0. iii) a divide b se, e somente se, a divide b. iv) se a b e b c, então a c (Propriedade transitiva). Demonstração i) Isso decorre das igualdades a = a 1, a = 1 a e 0 = 0 a. Deixamos as demonstrações dos itens (ii) e (iii) como exercício. iv) a b e b c implica que existem f, g Z, tais que b = f a e c = g b. Substituindo o valor de b da primeira equação na outra, obtemos o que nos mostra que a c. c = g b = g (f a) = (g f ) a, Os itens (i) e (ii) da proposição acima nos dizem que todo número inteiro a é divisível por ±1 e por ±a. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 1 - Resumo - Divisibilidade slide 9/1

10 Propriedades da divisibilidade - Continuação Listaremos a seguir outras propriedades da divisibilidade, cujas provas são semelhantes às feitas acima. Proposição Sejam a, b, c, d Z. Tem-se que i) a b e c d = a c b d; ii) a b = a c b c; iii) a (b ± c) e a b = a c; iv) a b e a c = a (xb + yc), para todos x, y Z. v) Seja b 0. Tem-se que a b = a b. É conveniente entender bem o significado das propriedades acima, pois elas serão utilizadas a todo momento. É também conveniente adquirir a habilidade em demonstrar tais propriedades, pois as demonstrações contêm argumentos usados com frequência. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 1 - Resumo - Divisibilidade slide 10/1

11 Resultados importantes Existem três propriedades da divisibilidade que são utilizadas com frequência ao longo do Curso. A primeira é dada a seguir. Proposição Sejam a, b Z e n N. Temos que a b divide a n b n. Demonstração Vamos provar isso por indução sobre n. A afirmação é obviamente verdadeira para n = 1, pois a b divide a 1 b 1 = a b. Suponhamos, agora, que (a b) (a n b n ). Escrevamos a n+1 b n+1 = aa n ba n + ba n bb n = (a b)a n + b(a n b n ). Como (a b) (a b) e, por hipótese, (a b) (a n b n ), decorre da igualdade acima e da Propriedade (iv) que (a b) (a n+1 b n+1 ). Estabelecendo assim o resultado para todo n N. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 1 - Resumo - Divisibilidade slide 11/1

12 Na verdade poder-se-ia provar o resultado mais forte: a n b n = (a b)(a n 1 + a n 2 b + + ab n 2 + b n 1 ). PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 1 - Resumo - Divisibilidade slide 12/1

13 Resultados importantes - Continuação Seguem as outras duas propriedades. Proposição Sejam a, b Z e n N {0}. Temos que a + b divide a 2n+1 + b 2n+1. Proposição Sejam a, b Z e n N. Temos que a + b divide a 2n b 2n. Novamente, as provas se fazem por indução sobre n, nos mesmos moldes da prova da primeira propriedade. Deixamos os detalhes por sua conta. Mãos à obra. Depois confira as suas soluções na Seção 1 do Capítulo 3 do livro texto. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 1 - Resumo - Divisibilidade slide 13/1

14 Exercícios a) Mostre que 5 ( ) Solução Da propriedade (a b) (a n b n ), temos, para todo n N, que (13 8) (13 n 8 n ). Portanto, 5 = 13 8 divide PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 1 - Resumo - Divisibilidade slide 14/1

15 Exercícios - Continuação b) Mostre que 13 ( ). Solução Note que = Como 35 é ímpar, da propriedade (a + b) (a 2n+1 + b 2n+1 ), temos que divide Portanto, 13 divide PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 1 - Resumo - Divisibilidade slide 15/1

16 Exercícios - Continuação c) Mostre que 9 e 41 dividem Solução Temos que = = (25) 2 6 (16) 2 6. Da propriedade obtemos que (a + b) (a 2n b 2n ), (5 + 4) ( ) e ( ) ( (5 2 ) 2 6 (4 2 ) 2 6). Portanto, 9 e 41 dividem PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 1 - Resumo - Divisibilidade slide 16/1

17 Exercícios - Continuação d) Mostre que 14 ( 3 4n n+1), para todo n N {0}. Solução Temos, para todo n N {0}, que 3 4n n+1 = ( 3 2) 2n n+1 = 9 2n n+1. Pela propriedade (a + b) (a 2m+1 + b 2m+1 ), temos que 14 = divide ( 3 4n n+1), para todo n N {0}. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 1 - Resumo - Divisibilidade slide 17/1

18 Exercícios - Continuação e) Mostre que 5 e 13 dividem 9 2n 2 4n, para todo n N. Solução Temos, para todo n N, que Pelas propriedades 9 2n 2 4n = 9 2n ( 2 2) 2n = 9 2n 4 2n. (a b) (a 2m b 2m ) e (a + b) (a 2m b 2m ), temos que 5 = 9 4 e 13 = dividem 9 2n 2 4n, para todo n N. Os exercícios (d) e (e) poderiam ser resolvidos utilizando indução. Tente fazê-lo. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 1 - Resumo - Divisibilidade slide 18/1

19 MA14 - Aritmética Unidade 2 Resumo Divisão Euclidiana Abramo Hefez PROFMAT - SBM

20 Aviso Este material é apenas um resumo de parte da disciplina e o seu estudo não garante o domínio do assunto. O material completo a ser estudado encontra-se no do livro texto da disciplina: Capítulo 3 - Seção 3.2 Aritmética, A. Hefez, Coleção PROFMAT. Estes resumos contaram com a colaboração de Maria Lúcia T. Villela. PROFMAT - SBM Aritmética - Resumo 2 - Divisão Euclidiana slide 2/21

21 Divisão Euclidiana Mesmo quando um número inteiro a, não nulo, não divide um número inteiro b, vale o seguinte fato: É sempre possível efetuar a divisão de b por a, com resto pequeno. Este resultado, de cuja justificativa geométrica daremos uma ideia quando a é natural, foi utilizado por Euclides (Século 3 a.c), nos seus Elementos, no âmbito dos números naturais, sem enunciá-lo explicitamente. Essa propriedade não só é um importante instrumento na obra de Euclides, como também é um resultado central da teoria elementar dos números. PROFMAT - SBM Aritmética - Resumo 2 - Divisão Euclidiana slide 3/21

22 De fato, suponhamos que a Z e consideremos a decomposição de Z em união de intervalos disjuntos: Z =... [ 2a, a) [ a, 0) [0, a) [a, 2a)... Fica claro que qualquer número inteiro b pertence a um e somente um desses intervalos, digamos b [qa, qa + a). Portanto, b = qa + r, onde q e r são univocamente determinados, com 0 r < a. PROFMAT - SBM Aritmética - Resumo 2 - Divisão Euclidiana slide 4/21

23 Agora enunciamos o resultado geral: Teorema (Divisão Euclidiana) Sejam a e b dois números inteiros com a 0. Existem dois únicos números inteiros q e r tais que b = a q + r, com 0 r < a. Nas condições do teorema, os números a e b são o divisor e o dividendo, enquanto q e r são chamados, respectivamente, de quociente e de resto da divisão de b por a. Note que o resto da divisão de b por a é zero se, e somente se, a divide b. PROFMAT - SBM Aritmética - Resumo 2 - Divisão Euclidiana slide 5/21

24 Exemplos Como 19 = , o quociente e o resto da divisão de 19 por 5 são q = 3 e r = 4. Como 19 = 5 ( 4) + 1 o quociente e o resto da divisão de 19 por 5 são q = 4 e r = 1. Como 32 = ( 5) ( 6) + 2 o quociente e o resto da divisão de 32 por 5 são q = 6 e r = 2. PROFMAT - SBM Aritmética - Resumo 2 - Divisão Euclidiana slide 6/21

25 Exemplos - Continuação Mostrar que o resto da divisão de 10 n por 9 é sempre 1, qualquer que seja o número natural n. Solução Como mostrar um tal resultado? Alguns experimentos ajudam a entender melhor o problema: 10 1 = 10 = , 10 2 = 100 = , 10 3 = 1000 = Agora já entendemos melhor a questão e o resultado nos parece tão óbvio que até podemos dizer que 10 n = 9 } 1.{{.. 11} +1, n vezes donde, por ser 0 1 < 9, podemos afirmar que o resto da divisão por 9 é sempre 1. PROFMAT - SBM Aritmética - Resumo 2 - Divisão Euclidiana slide 7/21

26 Muito bem, alguém poderia ponderar: Pronto, já mostramos! Mas, atenção! Mostrar em matemática é sinônimo de provar! E aí, como provar tal resultado? Via de regra, quando temos uma asserção que envolve todos os números naturais maiores do que um dado natural, a tendência é tentar indução, a menos que tenhamos uma ideia melhor! PROFMAT - SBM Aritmética - Resumo 2 - Divisão Euclidiana slide 8/21

27 A nossa asserção se traduz matematicamente do seguinte modo: P(n): Existe q Z tal que 10 n = 9q + 1. Já verificamos acima que P(1) é verdade. Para mostrar que P(n) = P(n + 1), suponhamos que P(n) seja verdade, ou seja que existe q Z tal que 10 n = 9q + 1. Multiplicando por 10 ambos os lados dessa última igualdade, temos que 10 n+1 = 10(9q + 1) = 9 10q + 10 = 9(10q + 1) + 1, o que mostra que existe q = 10q + 1 tal que 10 n+1 = 9q + 1, provando que P(n + 1) é verdade. Pelo Princípio de Indução Matemática, P(n) é verdade n N. PROFMAT - SBM Aritmética - Resumo 2 - Divisão Euclidiana slide 9/21

28 Outra Solução Com o que temos em mãos, poderíamos ter dado uma demonstração alternativa da nossa propriedade. De fato, lembrando da propriedade temos que ou seja, 9 10 n 1. (a b) (a n b n ), (10 1) (10 n 1 n ), Assim, 10 n 1 = 9q, logo 10 n = 9q + 1. Como 0 1 < 9, pela unicidade na divisão euclidiana, tem-se que o resto da divisão de 10 n por 9 é sempre 1. Recomendação: Antes de começar a resolver um problema, convém ler o enunciado com cuidado e tentar ver como o que se pede se relaciona com o que já conhecemos, isto pode poupar tempo e energia preciosos. PROFMAT - SBM Aritmética - Resumo 2 - Divisão Euclidiana slide 10/21

29 Exemplos - Continuação O resto da divisão de 7 4n 2 4n + 93 por 45 é sempre 3, para todo n N. Solução Note que 7 4n 2 4n + 93 = 49 2n 4 2n Temos que 45 = 49 4 divide 49 2n 4 2n, para todo n N, logo 7 4n 2 4n = 45q, para algum q Z. Por outro lado, como 93 = , 7 4n 2 4n + 93 = 45q = 45(q + 2) + 3, com 0 3 < 45. Da unicidade do resto na divisão euclidiana, segue que 3 é o resto da divisão de 7 4n 2 4n + 93 por 45, para todo n N. Tente, como exercício, mostrar essa propriedade por indução. PROFMAT - SBM Aritmética - Resumo 2 - Divisão Euclidiana slide 11/21

30 Parte inteira do racional a b, com b > 0 Sejam a, b Z com b > 0. Escrevamos a divisão euclidiana de a por b: a = bq + r, com 0 r < b. Vamos dar uma interpretação para o quociente q dessa divisão. Como temos que Então, dividindo por b, bq bq + r < bq + b = b(q + 1), }{{} a bq a < b(q + 1). q a b < q + 1. Portanto, q é o maior inteiro menor ou igual ao racional a b e é chamado de parte inteira do número racional a b, sendo denotado por [ ] a b. PROFMAT - SBM Aritmética - Resumo 2 - Divisão Euclidiana slide 12/21

31 Exemplos de parte inteira Aproveitando alguns cálculos feitos anteriormente, temos [ 19 5 [ 19 5 ] [ = ] [ 5 = ] = 3. ] [ ] = 5 ( 4)+1 5 = [ ] = 4. Note que 4 < 3, 8 = 19 5 < 3. [ ] [ ] 32 5 ( 7) + 3 = = 5 5 [ ] = 7. 5 Se a Z e α Q, com 0 α < 1, então [a + α] = a. PROFMAT - SBM Aritmética - Resumo 2 - Divisão Euclidiana slide 13/21

32 Aplicação Quantos múltiplos de 9 há entre 238 e 1247? Entendemos que se algum dos números 238 ou 1247 for múltiplo de 9, ele deve ser contado. Solução Às vezes, um problema se torna mais claro, quando generalizado. Dados 0 < a < c, vamos contar quantos múltiplos de a existem entre 1 e c. Pela divisão euclidiana, temos que c = aq + r, com 0 r < a. Portanto, podemos escrever a lista dos múltiplos de a entre 1 e c como segue: a, 2a,..., (q 1)a, qa. Agora ficou fácil contar esses números: o seu número é q = [ c a ]. PROFMAT - SBM Aritmética - Resumo 2 - Divisão Euclidiana slide 14/21

33 Continuação Agora, dados 0 < a < b < c, se quisermos contar quantos são os múltiplos de a entre b e c, procedemos como segue: De [ ] c a, que é o número de múltiplos de a entre 1 e c, devemos subtrair [ ] b 1 a, que é o número de múltiplos de a anteriores a b. Assim, o número de múltiplos de a entre b e c é [ c ] [ ] b 1. a a Portanto, a resposta para o nosso problema é: [ ] [ ] = PROFMAT - SBM Aritmética - Resumo 2 - Divisão Euclidiana slide 15/21

34 Par ou ímpar? Desde os tempos de Pitágoras, os números inteiros são classificados em pares e ímpares. Essa classificação pode ser justificada pela divisão euclidiana. Dado um número inteiro n Z qualquer, temos duas possibilidades: i) n é par: o resto da divisão de n por 2 é 0, isto é, existe q N tal que n = 2q; ou ii) n é ímpar: o resto da divisão de n por 2 é 1, ou seja, existe q N tal que n = 2q + 1. PROFMAT - SBM Aritmética - Resumo 2 - Divisão Euclidiana slide 16/21

35 Generalização: divisão por m 3 Mais geralmente, fixado um número natural m 2, pode-se sempre escrever um número qualquer n, de modo único, na forma n = mk + r, onde k, r Z e 0 r < m. Por exemplo, todo número inteiro n pode ser escrito em uma, e somente uma, das seguintes formas: 3k, 3k + 1, ou 3k + 2. Ou ainda, todo número inteiro n pode ser escrito em uma, e somente uma, das seguintes formas: 4k, 4k + 1, 4k + 2, ou 4k + 3. Este último fato, permite mostrar o resultado a seguir. PROFMAT - SBM Aritmética - Resumo 2 - Divisão Euclidiana slide 17/21

36 Exercício Nenhum quadrado de um número inteiro é da forma 4k + 3. Solução De fato, seja a Z. Se a = 4k, então a 2 = 16k 2 = 4k, onde k = 4k 2. Se a = 4k + 1, então a 2 = 16k 2 + 8k + 1 = 4k + 1, onde k = 4k 2 + 2k. Se a = 4k + 2, então a 2 = 16k k + 4 = 4k, onde k = 4k 2 + 4k + 1. Se a = 4k + 3, então a 2 = 16k k + 9 = 4k + 1, onde k = 4k 2 + 6k + 2. Vamos aplicar este resultado para mostrar algo interessante. PROFMAT - SBM Aritmética - Resumo 2 - Divisão Euclidiana slide 18/21

37 Exercício Nenhum número da forma a = (n algarismos iguais a 1, com n > 1) é um quadrado. Solução De fato, podemos escrever a = b = 4(25 b + 2) + 3, onde b = (n 2 algarismos iguais a 1). Logo, a é da forma 4k + 3 e, portanto, não pode ser um quadrado. Com esta técnica pode-se mostrar que nenhum número da forma é soma de dois quadrados. Deixamos isto como exercício. PROFMAT - SBM Aritmética - Resumo 2 - Divisão Euclidiana slide 19/21

38 Exercício a) Quais são os números que, quando divididos por 7, deixam resto igual à metade do quociente? Solução Seja a o número com a propriedade descrita acima. Pela divisão euclidiana de a por 7 temos que existem inteiros q e r, tais que a = 7q + r, com 0 r < 7. Como 0 r = q 2 6, então q é par, com 0 q 12. Os valores possíveis de q, r e a estão na seguinte tabela: q r a = 7q + r PROFMAT - SBM Aritmética - Resumo 2 - Divisão Euclidiana slide 20/21

39 Exercício b) (ENC: 2011) Seja N um número natural. Mostre que a divisão de N 2 por 6 nunca deixa resto 2. Solução Pela divisão euclidiana de N por 6, existem inteiros q e r tais que N = 6q + r, com 0 r 5. Portanto, N 2 = 36q qr + r 2 = 6(6q 2 + 2qr) + r 2. Assim, o resto que N 2 deixa na divisão por 6 é o mesmo resto de r 2. Analisaremos os valores de r 2, na seguinte tabela: r r = = = Logo, os restos possíveis são 0, 1, 3 e 4. PROFMAT - SBM Aritmética - Resumo 2 - Divisão Euclidiana slide 21/21

40 MA14 - Aritmética Resumo 3 Sistemas de Numeração Abramo Hefez PROFMAT - SBM

41 Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina e o seu estudo não garante o domínio do assunto. O material completo a ser estudado encontra-se no do livro texto da disciplina: Capítulo 4 - Seção 4.1 Aritmética, A. Hefez, Coleção PROFMAT. Estes resumos contaram com a colaboração de Maria Lúcia T. Villela. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 3 - Resumo - Sistemas de Numeração slide 2/21

42 Sistemas de Numeração Sabemos que existem infinitos números naturais. Os primeiros tantos possuem até nomes. Por exemplo: um, dois, três,..., cem, cento e um um trilhão, um trilhão e um... PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 3 - Resumo - Sistemas de Numeração slide 3/21

43 É impossível dar um nome para cada um dos números naturais, mas é possível de modo engenhoso dotar cada um deles de uma representação com um pequeno número de símbolos, por meio dos chamados sistemas de numeração. O sistema universalmente utilizado pelas pessoas comuns para representar os números inteiros é o sistema decimal posicional. Podemos nos restringir à representação dos números naturais, pois todo número inteiro negativo é representado por um número natural precedido pelo sinal e zero tem seu próprio símbolo que é 0. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 3 - Resumo - Sistemas de Numeração slide 4/21

44 Sistema decimal No sistema decimal, todo número natural é representado por uma sequência formada pelos algarismos 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, acrescidos do símbolo 0 (zero), que representa a ausência de algarismo. Por serem dez os algarismos, o sistema é chamado decimal. O sistema é também chamado posicional, pois cada algarismo, além do seu valor intrínseco, possui um peso que lhe é atribuído em função da posição que ele ocupa no número. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 3 - Resumo - Sistemas de Numeração slide 5/21

45 Peso do algarismo Esse peso, sempre uma potência de dez, varia do seguinte modo: o algarismo da extrema direita tem peso 1; o seguinte, sempre da direita para a esquerda, tem peso dez; o seguinte tem peso cem; o seguinte tem peso mil, etc. Portanto, os números de um a nove são representados pelos algarismos de 1 a 9, correspondentes. O número dez é representado por 10, o número cem por 100, o número mil por Por exemplo, o número 12019, na base 10, é a representação de = PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 3 - Resumo - Sistemas de Numeração slide 6/21

46 Ordem de um algarismo/classe de uma terna de ordens Cada algarismo de um número possui uma ordem contada da direita para a esquerda. Assim, no número 12019, o primeiro 1 que aparece (não se esqueça, sempre da direita para a esquerda) é de segunda ordem, enquanto que o último é de quinta ordem. O 9 é de primeira ordem, enquanto que o 2 é de quarta ordem. Cada terna de ordens, também contadas da direita para a esquerda, forma uma classe. As classes são, às vezes, separadas umas das outras por meio de um ponto. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 3 - Resumo - Sistemas de Numeração slide 7/21

47 Classes e ordens Damos a seguir os nomes das primeiras classes e ordens: Classe das Unidades unidades dezenas centenas 1 a ordem 2 a ordem 3 a ordem Classe do Milhar unidades de milhar dezenas de milhar centenas de milhar 4 a ordem 5 a ordem 6 a ordem Classe do Milhão unidades de milhão dezenas de milhão centenas de milhão 7 a ordem 8 a ordem 9 a ordem PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 3 - Resumo - Sistemas de Numeração slide 8/21

48 Expansão na base b Os sistemas de numeração posicionais baseiam-se no resultado a seguir, que é uma aplicação da divisão euclidiana. Teorema Dados números inteiros a e b, com a > 0 e b > 1, existem números inteiros n 0 e 0 r 0, r 1,..., r n < b, r n 0, univocamente determinados, tais que a = r 0 + r 1 b + r 2 b r n b n. A representação dada no teorema acima é chamada de expansão relativa à base b. Quando b = 10, essa expansão é chamada expansão decimal. Quando b = 2, ela toma o nome de expansão binária. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 3 - Resumo - Sistemas de Numeração slide 9/21

49 Demonstração Aplicamos sucessivamente a divisão euclidiana, permitindo determinar a expansão de a na base b, como segue: a = bq 0 + r 0, 0 r 0 < b, q 0 = bq 1 + r 1, 0 r 1 < b, q 1 = bq 2 + r 2, 0 r 2 < b, e assim por diante. Como a > q 0 > q 1 >, deveremos, em um certo ponto, ter q n 1 < b e, portanto, de q n 1 = bq n + r n, decorre que q n = 0, o que implica 0 = q n = q n+1 = q n+2 =, e, portanto, 0 = r n+1 = r n+2 =. Temos, então, que a = r 0 + r 1 b + + r n b n. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 3 - Resumo - Sistemas de Numeração slide 10/21

50 Exemplo 1 Vamos determinar a expansão na base b = 2 do número = 2 (26) }{{} q 0 + }{{} 1 26 = 2 (13) }{{} + }{{} 0 q 1 13 = 2 }{{} 6 + }{{} 1 q 2 6 = 2 }{{} 3 + }{{} 0 ; q 3 r 3 3 = 2 }{{} 1 + }{{} 1 ; q 4 r 4 1 = 2 }{{} 0 + }{{} 1 ; q 5 r 5 r 0 ; r 1 ; r 2 ; Logo, 53 = PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 3 - Resumo - Sistemas de Numeração slide 11/21

51 Exemplo 2 Vamos determinar a expansão de a = 113 na base b = = 3 (37) }{{} q 0 + }{{} 2 37 = 3 (12) + }{{}}{{} 1 ; q 1 r 1 12 = 3 }{{} 4 + }{{} 0 ; q 2 r 2 4 = 3 }{{} 1 + }{{} 1 ; q 3 r 3 1 = 3 }{{} 0 + }{{} 1. q 4 r 4 r 0 ; Logo, 113 = PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 3 - Resumo - Sistemas de Numeração slide 12/21

52 A expansão numa dada base b nos fornece um método para representar os números naturais. Para tanto, escolha um conjunto S de b símbolos S = { s 0, s 1,..., s b 1 }, com s 0 = 0, para representar os números de 0 a b 1. Um número natural a na base b se escreve na forma x n x n 1... x 1 x 0, com x 0,..., x n S, e n variando, dependendo de a, representando o número x 0 + x 1 b + + x n b n. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 3 - Resumo - Sistemas de Numeração slide 13/21

53 No sistema decimal, isto é, de base b = 10, usa-se S = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9}. Se a base b é tal que b 10, utilizam-se os símbolos 0, 1,..., b 1. Se a base b é tal que b > 10, costuma-se usar os símbolos de 0 a 9, acrescentando novos símbolos para 10,..., b 1. No sistema de base b = 2, temos que S = { 0, 1}, e todo número natural é representado por uma sequência de 0 e 1. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 3 - Resumo - Sistemas de Numeração slide 14/21

54 Representação na base 2 O número 10 na base 2 representa o número 2 (na base 10). Quando estivermos lidando com números em bases diferentes num mesmo contexto, utilizaremos símbolos como [a] b significando que a é a representação de um número na base b. Portanto, [10] 2 = [ ] 10 = [2] 10 ; [11] 2 = [ ] 10 = [3] 10 ; [100] 2 = [ ] 10 = [4] 10 ; [101] 2 = [ ] 10 = [5] 10 ; [110] 2 = [ ] = [6] 10 ; [111] 2 = [ ] 10 = [7] 10 ; [1011] 2 = [ ] 10 = [11] 10. O sistema na base 2 é utilizado nos computadores. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 3 - Resumo - Sistemas de Numeração slide 15/21

55 Exemplo 3 a) Representar na base 2 o número cuja representação na base 10 é 53. Segue do Exemplo 1 que 53 = , então [53] 10 = [110101] 2. b) Representar na base 3 o número cuja representação na base 10 é 113. Segue do Exemplo 2 que 113 = , então [113] 10 = [11012] 3. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 3 - Resumo - Sistemas de Numeração slide 16/21

56 Exemplo 4 Representar na base 5 o número cuja representação na base 10 é 723. Por divisão euclidiana sucessiva, Portanto, 723 = , 144 = , 28 = , 5 = , 1 = = , e, consequentemente, 723 na base 5 se representa por PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 3 - Resumo - Sistemas de Numeração slide 17/21

57 Exemplo 5 a) Representar na base b = 11 o número cuja representação na base 10 é Usaremos S = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, α}, onde α é o símbolo para 10 = b 1. Aplicando sucessivamente o algoritmo euclidiano, temos 3909 = Logo, 3909 é representado na base 11 por 2α34. b) Quais os números na base 10 representados na base b = 11 por 10, 100, 11 e 12? representação na base 11 número decimal b = b = b + 1 b 2 = 11 2 = b = = b = = 13 PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 3 - Resumo - Sistemas de Numeração slide 18/21

58 Critérios de divisibilidade por 5 e por 10 Seja a = r n r 1 r 0 um número representado no sistema decimal. Uma condição necessária e suficiente para que a seja divisível por 5 (respectivamente por 10) é que r 0 seja 0 ou 5 (respectivamente 0). Demonstração Sendo a = 10 (r n r 1 ) + r 0, temos que a é divisível por 5 se, e somente se, r 0 é divisível por 5, e, portanto, r 0 = 0 ou r 0 = 5. Por outro lado, a é divisível por 10 se, e somente se, r 0 é divisível por 10, o que somente ocorre quando r 0 = 0. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 3 - Resumo - Sistemas de Numeração slide 19/21

59 Critérios de divisibilidade por 3 e por 9 Seja a = r n r 1 r 0 um número representado no sistema decimal. Uma condição necessária e suficiente para que a seja divisível por 3 (respectivamente por 9) é que r n + + r 1 + r 0 seja divisível por 3 (respectivamente por 9). Demonstração Temos que a (r n + +r 1 +r 0 ) = r n 10 n + +r 1 10+r 0 (r n + +r 1 +r 0 ) = r n (10 n 1) + + r 1 (10 1). Sabemos que o termo à direita nas igualdades acima é divisível por 9 (Exemplo na Unidade 2), logo, para algum número q, temos que a = (r n + + r 1 + r 0 ) + 9q, de onde segue o resultado. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 3 - Resumo - Sistemas de Numeração slide 20/21

60 Exercício Verifique que 9 não divide e 3 divide Solução Aplicaremos, sucessivamente, os critérios de divisibilidade por 9 e por 3. Temos que = 57 e = 12. É claro que 9 12 e Portanto, 9 12 se, e somente se, 9 57 se, e somente se, e e 3 12 se, e somente se, 3 57 se, e somente se, PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 3 - Resumo - Sistemas de Numeração slide 21/21

61 MA14 - Aritmética Unidade 4 Resumo O Jogo de Nim Abramo Hefez PROFMAT - SBM

62 Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina e o seu estudo não garante o domínio do assunto. O material completo a ser estudado encontra-se no do livro texto da disciplina: Capítulo 4 - Seção 4.2 Aritmética, A. Hefez, Coleção PROFMAT. Estes resumos contaram com a colaboração de Maria Lúcia T. Villela. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 4 - Resumo - Jogo de Nim slide 2/13

63 Introdução O Jogo de Nim faz parte de uma teoria, relativamente jovem, chamada Teoria de Jogos. Vários jogos podem ser reduzidos a esse, conforme veremos mais adiante em um exemplo. O jogo de Nim consiste de N palitos separados em três grupos com números distintos de elementos e colocados em cima de uma mesa, no qual dois jogadores se alternam retirando, cada um na sua vez, um número não nulo qualquer de palitos de apenas um dos grupos, podendo retirar inclusive todos os palitos do grupo escolhido. Ganha o jogo quem primeiro não deixar nenhum palito sobre a mesa. Cada estado do jogo pode ser representado por uma terna de números, representando o número de palitos em cada grupo, ordenados previamente como Grupo 1, Grupo 2 e Grupo 3, começando com uma configuração inicial (n 1, n 2, n 3 ), onde n 1 + n 2 + n 3 = N. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 4 - Resumo - Jogo de Nim slide 3/13

64 Tomemos como exemplo a configuração inicial (3, 5, 7) e que os jogadores sejam João (J) e Maria (M) e vejamos um exemplo de uma partida: (3, 5, 7) J (2, 5, 7) M (2, 5, 0) J (2, 2, 0). Neste ponto já dá para perceber que Maria não tem mais saída, pois se ela retirar dois palitos de um grupo, João tira os dois palitos que sobraram no outro grupo e ganha o jogo. Se Maria tira um palito de um grupo, João tira um palito do outro grupo e assim Maria fica também sem saída. Portanto, João ganhou a partida. A primeira jogada do João, bem como as seguintes, não foram jogadas aleatórias, ele seguiu uma estratégia vencedora que explicaremos a seguir. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 4 - Resumo - Jogo de Nim slide 4/13

65 Voltemos à situação inicial da partida entre João e Maria em que N = 15, n 1 = 3, n 2 = 5 e n 3 = 7. Neste caso particular, vamos estabelecer uma estratégia de tal modo que, quem iniciar a partida fazendo uma boa abertura e seguindo as regras que estabeleceremos, sempre vencerá. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 4 - Resumo - Jogo de Nim slide 5/13

66 Para isto, a cada jogada, escreve-se o número de palitos de cada grupo na base 2, colocando-os um em cada linha, de modo que os algarismos das unidades se correspondam. Por exemplo, no início da partida tem-se Grupo 1 11 Grupo Grupo Somando os três números acima como se fosse na base 10, obtemos o número 223, que chamaremos, a cada etapa, de chave do jogo. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 4 - Resumo - Jogo de Nim slide 6/13

67 O primeiro jogador poderá, então, com uma jogada, tornar todos os algarismos da chave pares. Por exemplo, poderá retirar um palito do grupo três, obtendo Grupo 1 11 Grupo Grupo PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 4 - Resumo - Jogo de Nim slide 7/13

68 Agora, qualquer jogada que o segundo jogador efetuar transformará a chave 222 numa chave com, pelo menos, um algarismo ímpar (você pode verificar isto com a análise de todas as possibilidades). Agora, mediante uma jogada conveniente, o primeiro jogador poderá recolocar o jogo na situação em que todos os algarismos sejam pares. Uma situação em que todos os algarismos da chave são pares será chamada de posição segura, enquanto que, quando pelo menos um dos algarismos da chave é ímpar, será uma posição insegura. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 4 - Resumo - Jogo de Nim slide 8/13

69 Pode-se mostrar, de modo bem elementar, que qualquer que seja a configuração inicial do jogo, se um jogador encontra na sua vez uma posição segura, qualquer que seja a jogada que faça, só poderá chegar a uma posição insegura. Mostra-se também que, de uma posição insegura, pode-se, com uma jogada conveniente, sempre retornar a uma posição segura. Finalmente, observando que quem chegar primeiro em 000 ganha o jogo e que esta é uma posição segura, ganhará o jogo quem sempre, após a sua vez de jogar, se mantiver em posições seguras. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 4 - Resumo - Jogo de Nim slide 9/13

70 Em geral, nem sempre a configuração inicial do jogo será favorável ao primeiro jogador. Por exemplo, o jogo com a configuração inicial (3, 5, 6), nos dá a seguinte chave: Grupo Grupo Grupo Esta chave já coloca o primeiro jogador em desvantagem, pois qualquer jogada que fizer, o deixará em posição insegura. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 4 - Resumo - Jogo de Nim slide 10/13

71 Esta versão, bem como a sua estratégia, podem ser generalizadas sem dificuldade para um número arbitrário de grupos com um número arbitrário de palitos em cada grupo. Vamos a seguir discutir um problema emprestado do livro de Terence Tao (Resolvendo Problemas Matemáticos, Coleção Professor de Matemática, SBM). PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 4 - Resumo - Jogo de Nim slide 11/13

72 Um jogo consiste de um tablete de chocolate dividido em 6 10 quadradinhos separados por sulcos e jogado por dois jogadores. Cada jogador, na sua vez, quebra a barra de chocolate numa horizontal ou numa vertical ao longo de todo um sulco e come uma das partes. O jogo prossegue até que um dos jogadores é obrigado a comer o último quadradinho que restar e perde o jogo. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 4 - Resumo - Jogo de Nim slide 12/13

73 Vejamos como podemos reduzir este jogo a um jogo de Nim e aproveitar a estratégia já estudada. Cada sulco na horizontal é representado por um palito. Portanto, os 5 sulcos na horizontal são representados por 5 palitos e formam um dos dois grupos de um jogo de Nim. O outro grupo é formado por 9 palitos representando os 9 sulcos na vertical. Cada jogador, ao retirar um pedaço da barra de chocolate, está na realidade retirando um certo número de sulcos na horizontal ou na vertical, o que corresponde a retirar o mesmo número de palitos de um dos grupos. Ganha o jogo quem tirar o último palito, pois quando esse jogador retirar o último palito, o que sobrou da barra de chocolate é um pedaço sem sulcos, ou seja, um último quadradinho de chocolate que o outro jogador terá que comer, perdendo a partida. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 4 - Resumo - Jogo de Nim slide 13/13

74 MA14 - Aritmética Unidade 5 Resumo Máximo Divisor Comum Abramo Hefez PROFMAT - SBM Julho 2013

75 Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina e o seu estudo não garante o domínio do assunto. O material completo a ser estudado encontra-se no do livro texto da disciplina: Capítulo 5 - Seção 5.1 Aritmética, A. Hefez, Coleção PROFMAT. Colaborou na elaboração desses resumos Maria Lúcia T. Villela. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 5 - Resumo - Máximo Divisor Comum slide 2/19

76 Divisor Comum Sejam a e b dois inteiros, distintos ou não. Um número inteiro d será dito um divisor comum de a e b se d a e d b. Por exemplo, os números ±1, ±2, ±3 e ±6 são os divisores comuns de 12 e 18. A definição a seguir foi essencialmente dada por Euclides nos Elementos e se constitui em um dos pilares da sua aritmética. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 5 - Resumo - Máximo Divisor Comum slide 3/19

77 Definição: Máximo Divisor Comum Um número inteiro d 0 é um máximo divisor comum (mdc) de dois inteiros a e b se possuir as seguintes propriedades: i) d é um divisor comum de a e de b, e ii) d é divisível por todo divisor comum de a e b. Exemplo O máximo divisor comum de 12 e 18 é 6. A condição (ii) acima pode ser reenunciada como segue: ii ) Se c é um divisor comum de a e b, então c d. Em particular, se d e d são dois mdc de um mesmo par de números, então d d e d d, o que, juntamente com as condições d 0 e d 0 implicam d = d. Ou seja, quando existe, o mdc de dois números é único. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 5 - Resumo - Máximo Divisor Comum slide 4/19

78 Veremos mais adiante que sempre existe o mdc de dois números inteiros a e b e o denotaremos por (a, b). Como o mdc de a e b não depende da ordem em que a e b são tomados, temos que (a, b) = (b, a). Em alguns casos particulares, é facil verificar a existência do mdc. Por exemplo, se a é um número inteiro tem-se claramente que (0, a) = a, (1, a) = 1 e (a, a) = a. Mais geralmente, para todo b Z, temos que a b (a, b) = a. (1) Observação Sejam a, b Z. Tem-se que (a, b) = 0 a = b = 0. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 5 - Resumo - Máximo Divisor Comum slide 5/19

79 A demonstração da existência do mdc de qualquer par de números inteiros, não ambos nulos, é bem mais sutil. Se d > 0 é um mdc de a e b não nulos e c é um divisor comum desses números, então c divide d e, consequentemente, c divide d. Portanto, c c d. Isto mostra que, efetivamente, quando existe, o máximo divisor comum de dois números, não ambos nulos, é o maior dentre todos os divisores comuns desses números. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 5 - Resumo - Máximo Divisor Comum slide 6/19

80 Poderíamos, como se faz usualmente no Ensino Fundamental, definir o máximo divisor comum de dois números a e b, não ambos nulos, como o maior elemento do conjunto de todos os divisores comuns desses números, o que de imediato garantiria a sua existência. De qualquer modo, seria necessário provar a propriedade (ii) da definição de mdc, pois é ela que possibilita provar os resultados subsequentes, e não o fato do mdc ser o maior dos divisores comuns. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 5 - Resumo - Máximo Divisor Comum slide 7/19

81 Observe que dados a, b Z, se existir o mdc (a, b) de a e b, então (a, b) = ( a, b) = (a, b) = ( a, b). Assim, para efeito do cálculo do mdc de dois números, podemos supô-los não negativos. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 5 - Resumo - Máximo Divisor Comum slide 8/19

82 Resultado fundamental para o Algoritmo de Euclides Para provar a existência do máximo divisor comum de dois inteiros não negativos, Euclides utiliza, essencialmente, o resultado abaixo. Lema Sejam a, b, n Z. Se existe (a, b na), então (a, b) existe e (a, b) = (a, b na). O Lema é efetivo para calcular mdc, conforme veremos nos exemplos a seguir, e será fundamental para estabelecermos o algoritmo de Euclides, que permitirá, com muita eficiência, calcular o mdc de dois números naturais quaisquer. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 5 - Resumo - Máximo Divisor Comum slide 9/19

83 Exercício Vamos determinar o máximo divisor comum de e 90, usando o Lema. Solução (90, ) = (90, ) = (90, ) = (90, 6 525) = (90, ) = (90, ) = (90, 225) = (90, ) = (90, ) = (90, 45) = (45, 90) = 45. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 5 - Resumo - Máximo Divisor Comum slide 10/19

84 Exemplo 1 Dados a Z com a 1 e m N, temos que ( a m 1 a 1, a 1 ) = (a 1, m). Solução A igualdade acima é trivialmente verificada se m = 1. Suponhamos que m 2. Chamando de d o primeiro membro da igualdade, temos que Como d = (a m 1 + a m a + 1, a 1) = ( (a m 1 1) + (a m 2 1) + + (a 1) + m, a 1 ). a 1 (a m 1 1) + (a m 2 1) + + (a 1), segue-se, para algum n N, que (a m 1 1) + (a m 2 1) + + (a 1) = n(a 1). Portanto, pelo Lema anterior tem-se que d = (n(a 1) + m, a 1) = (a 1, n(a 1) + m) = (a 1, m). PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 5 - Resumo - Máximo Divisor Comum slide 11/19

85 Exemplo 2 Determinemos os valores de a Z e n N para os quais a + 1 divide a 2n + 1. Solução Note inicialmente que a + 1 a 2n + 1 (a + 1, a 2n + 1) = a + 1. Como a 2n + 1 = (a 2n 1) + 2, e a + 1 a 2n 1, segue-se do Lema anterior, para todo n, que (a + 1, a 2n + 1) = (a + 1, (a 2n 1) + 2) = (a + 1, 2). Portanto, a + 1 a 2n + 1, para algum n N, se, e somente se, a + 1 = (a + 1, 2), o que ocorre se, e somente se, a = 0, a = 1, a = 2 ou a = 3 e n qualquer. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 5 - Resumo - Máximo Divisor Comum slide 12/19

86 Exemplo 3 Vamos, neste exemplo, determinar os valores de a Z e n N para os quais a + 1 divide a 2n+1 1. Solução Note que (a + 1, a 2n+1 1) = (a + 1, a(a 2n 1) + a 1) = (a + 1, a 1). Portanto, a + 1 a 2n+1 1, para algum n N, se, e somente se, a+1 = (a+1, a 2n+1 1) = (a+1, a 1) = (a+1, 2) = (a+1, 2) o que ocorre se, e somente se, a = 0, a = 1, a = 2 ou a = 3 e n qualquer. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 5 - Resumo - Máximo Divisor Comum slide 13/19

87 Algoritmo de Euclides Prova construtiva da existência do mdc dada por Euclides. Dados a, b N, podemos supor a b. Se a = 1 ou a = b, ou ainda a b, já vimos que (a, b) = a. Suponhamos, então, que 1 < a < b e que a b. Logo, pela divisão euclidiana, podemos escrever b = aq 1 + r 1, com 0 < r 1 < a. Temos duas possibilidades: a) r 1 a, e, em tal caso, por (1) e pelo Lema, r 1 = (a, r 1 ) = (a, b q 1 a) = (a, b), e termina o algoritmo, ou b) r 1 a, e, em tal caso, podemos efetuar a divisão de a por r 1, obtendo a = r 1 q 2 + r 2, com 0 < r 2 < r 1. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 5 - Resumo - Máximo Divisor Comum slide 14/19

88 Novamente, temos duas possibilidades: a ) r 2 r 1, e, em tal caso, novamente, por (1) e pelo Lema de Euclides, r 2 = (r 1, r 2 ) = (r 1, a q 2 r 1 ) = (r 1, a) = (b q 1 a, a) = (b, a) = (a, b), e paramos, pois termina o algoritmo, ou b ) r 2 r 1, e, em tal caso, podemos efetuar a divisão de r 1 por r 2, obtendo r 1 = r 2 q 3 + r 3, com 0 < r 3 < r 2. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 5 - Resumo - Máximo Divisor Comum slide 15/19

89 Este procedimento não pode continuar indefinidamente, pois teríamos uma sequência de números naturais a > r 1 > r 2 >, que não possui menor elemento, o que não é possível pela Propriedade da Boa Ordenação. Logo, para algum n, temos que r n r n 1, o que implica que (a, b) = r n. O algoritmo acima pode ser sintetizado e realizado na prática, como mostramos a seguir. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 5 - Resumo - Máximo Divisor Comum slide 16/19

90 Inicialmente, efetuamos a divisão b = aq 1 + r 1 e colocamos os números envolvidos no diagrama ao lado. b r 1 q 1 a Continuamos efetuando a divisão a = r 1 q 2 + r 2 e colocamos os números envolvidos no diagrama ao lado. q 1 q 2 b a r 1 r 1 r 2 Prosseguindo, enquanto for possível (até que para algum n 2 r n r n 1 ), teremos q 1 q 2 q 3 q n 1 q n q n+1 b a r 1 r 2 r n 2 r n 1 r n = (a, b) r 1 r 2 r 3 r 4 r n PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 5 - Resumo - Máximo Divisor Comum slide 17/19

91 Exemplo 4 Calculemos o mdc de 372 e 162: Observe que, no exemplo acima, o Algoritmo de Euclides nos fornece: 6 = = = = Donde se segue que 6 = = 18 1 ( ) = = 3 ( ) 48 = = ( ) = Temos, então, que (372, 162) = 6 = ( 10) 372. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 5 - Resumo - Máximo Divisor Comum slide 18/19

92 Note que conseguimos, através do uso do Algoritmo de Euclides de trás para frente, escrever 6 = (372, 162) como múltiplo de 162 mais um múltiplo de 372. O Algoritmo de Euclides nos fornece, portanto, um meio prático de escrever o mdc de dois números como soma de dois múltiplos dos números em questão. Esta é uma propriedade geral do mdc que redemonstraremos com todo rigor na próxima seção. Quando utilizarmos o Algoritmo de Euclides para expressar (a, b) na forma ma + nb, com m, n Z, nos referiremos a ele como Algoritmo de Euclides Estendido. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 5 - Resumo - Máximo Divisor Comum slide 19/19

93 MA14 - Aritmética Unidade 6 Resumo Propriedades do mdc Abramo Hefez PROFMAT - SBM Julho 2013

94 Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina e o seu estudo não garante o domínio do assunto. O material completo a ser estudado encontra-se no do livro texto da disciplina: Capítulo 5 - Seção 5.2, Aritmética, A. Hefez, Coleção PROFMAT. Colaborou na elaboração desses resumos Maria Lúcia T. Villela. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 6 - Resumo - Propriedades do mdc slide 2/9

95 Sejam a, b Z. O conjunto a seguir desempenhará papel importante I (a, b) = {xa + yb; x, y Z}. Note que se a e b não são simultaneamente nulos, então I (a, b) N. De fato, temos que a 2 + b 2 = a a + b b I (a, b) N. A importância do conjunto I (a, b) pode ser medida pelo resultado a seguir. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 6 - Resumo - Propriedades do mdc slide 3/9

96 Teorema Sejam a, b Z não ambos nulos. Se d = min I (a, b) N, então i) d é o mdc de a e b; e ii) I (a, b) = dz (= {xd; x Z}). Esse teorema nos dá uma outra demonstração da existência do mdc de dois números. Note que essa demonstração, ao contrário da prova de Euclides, não é construtiva, no sentido de que não nos fornece um meio prático para achar o mdc dos dois números. O teorema admite vários corolários. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 6 - Resumo - Propriedades do mdc slide 4/9

97 Corolários 1. Quaisquer que sejam a, b Z, não ambos nulos, e n N, (na, nb) = n(a, b). 2. Dados a, b Z, não ambos nulos, tem-se que ( ) a (a, b), b = 1. (a, b) Dois números inteiros a e b serão ditos primos entre si, ou coprimos, se (a, b) = 1; ou seja, se o único divisor comum positivo de ambos é Dois números inteiros a e b são primos entre si se, e somente se, existem números inteiros m e n tais que ma + nb = 1. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 6 - Resumo - Propriedades do mdc slide 5/9

98 Um Teorema Fundamental A propriedade acima estabelece uma relação crucial entre as estruturas aditiva e multiplicativa dos números naturais, o que permite provar o importante resultado a seguir. Teorema Sejam a, b e c números inteiros. a b c e (a, b) = 1 = a c. Corolário Dados a, b, c Z, com b e c não ambos nulos, temos que b a e c a bc (b, c) a. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 6 - Resumo - Propriedades do mdc slide 6/9

99 Generalização do conceito de mdc Um número natural d será dito mdc de dados números inteiros a 1,..., a n, não todos nulos, se possuir as seguintes propriedades: i) d é um divisor comum de a 1,..., a n. ii) Se c é um divisor comum de a 1,..., a n, então c d. O mdc, quando existe, é certamente único e será representado por (a 1,..., a n ). Dados números inteiros a 1,..., a n, não todos nulos, existe o seu mdc e pode ser calculado recursivamente através da fórmula: (a 1,..., a n ) = (a 1,..., (a n 1, a n )). PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 6 - Resumo - Propriedades do mdc slide 7/9

100 Exemplos (72, 138, 252) = (72, (138, 252)) = (72, 6) = (15, 72, 180) = (15, (72, 180)) = (15, 36) = e PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 6 - Resumo - Propriedades do mdc slide 8/9

101 Os inteiros a 1,..., a n serão ditos primos entre si, ou coprimos, quando (a 1,..., a n ) = 1. Exemplo (5, 12, 18) = (5, (12, 18)) = (5, 6) = 1. (143, 175, 245) = (143, (175, 245)) = (143, 35) = e PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 6 - Resumo - Propriedades do mdc slide 9/9

102 MA14 - Aritmética Unidade 7 Resumo Mínimo Múltiplo Comum Abramo Hefez PROFMAT - SBM Julho 2013

103 Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina e o seu estudo não garante o domínio do assunto. O material completo a ser estudado encontra-se no do livro texto da disciplina: Capítulo 5 - Seção 5.4 Aritmética, A. Hefez, Coleção PROFMAT. Colaborou na elaboração desses resumos Maria Lúcia T. Villela. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 7 - Resumo - Mínimo Múltiplo Comum slide 2/9

104 Mínimo Múltiplo Comum Um número inteiro é um múltiplo comum de dois números inteiros dados se ele é simultaneamente múltiplo de ambos os números. Exemplo Os números ab e 0 são sempre múltiplos comuns de a e b. Um número inteiro m 0 é um mínimo múltiplo comum (mmc) dos números inteiros a e b, quando vale: (i) m é um múltiplo comum de a e b, e (ii) se c é um múltiplo comum de a e b, então m c. Exemplo 12 é um múltiplo comum de 2 e 3, mas não é um mmc destes números. O número 6 é um mmc de 2 e 3. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 7 - Resumo - Mínimo Múltiplo Comum slide 3/9

105 Se m e m são dois mínimos múltiplos comuns de a e b, então, do item (ii) da definição acima, temos que m m e m m. Como m e m são números inteiros não negativos, temos que m = m, o que mostra que o mínimo múltiplo comum, se existe, é único. Por outro lado, se m é o mmc de a e b e c é um múltiplo comum de a e b, então m c. Portanto, se c é positivo, temos que m c, mostrando que m é o menor dos múltiplos comuns positivos de a e b. O mínimo múltiplo comum de a e b, se existe, é denotado por [a, b]. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 7 - Resumo - Mínimo Múltiplo Comum slide 4/9

106 Caso exista [a, b] é fácil mostrar que [ a, b] = [a, b] = [ a, b] = [a, b]. Assim, para efeito do cálculo do mmc de dois números, podemos sempre supô-los não negativos. É também fácil verificar que [a, b] = 0 a = 0 ou b = 0. De fato, se [a, b] = 0, então 0 divide ab, que é múltiplo de a e b, logo ab = 0 e, portanto a = 0 ou b = 0. Reciprocamente, se a = 0 ou b = 0, então 0 é o único múltiplo comum de a e b, logo [a, b] = 0. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 7 - Resumo - Mínimo Múltiplo Comum slide 5/9

107 Relação entre o mdc, o mmc e o produto de dois inteiros Proposição Dados dois números inteiros a e b, temos que [a, b] existe e [a, b](a, b) = ab. Em virtude da proposição acima, o mínimo múltiplo comum de dois inteiros, ambos não nulos, pode ser encontrado por meio do Algoritmo de Euclides para o cálculo do mdc, pois basta dividir o módulo do produto dos dois números pelo seu mdc. Corolário Se a e b são números inteiros primos entre si, então [a, b] = ab. PROFMAT - SBM Aritmética - Unidade 7 - Resumo - Mínimo Múltiplo Comum slide 6/9

MA14 - Aritmética Unidade 2 Resumo. Divisão Euclidiana

MA14 - Aritmética Unidade 2 Resumo. Divisão Euclidiana MA14 - Aritmética Unidade 2 Resumo Divisão Euclidiana Abramo Hefez PROFMAT - SBM Aviso Este material é apenas um resumo de parte da disciplina e o seu estudo não garante o domínio do assunto. O material

Leia mais

MA14 - Aritmética Unidade 5 Resumo. Máximo Divisor Comum

MA14 - Aritmética Unidade 5 Resumo. Máximo Divisor Comum MA14 - Aritmética Unidade 5 Resumo Máximo Divisor Comum Abramo Hefez PROFMAT - SBM Julho 2013 Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina e o seu estudo não garante o domínio

Leia mais

MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08

MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08 MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08 Neste curso, consideraremos o conjunto dos números naturais como sendo o conjunto N = {0, 1, 2, 3,... }, denotando por N o conjunto N \ {0}. Como

Leia mais

MA14 - Aritmética Lista 1. Unidades 1 e 2

MA14 - Aritmética Lista 1. Unidades 1 e 2 MA14 - Aritmética Lista 1 Unidades 1 e 2 Abramo Hefez PROFMAT - SBM 05 a 11 de agosto 2013 Unidade 1 1. Mostre, por indução matemática, que, para todo n N {0}, a) 8 3 2n + 7 b) 9 10 n + 3.4 n+2 + 5 2.

Leia mais

MA14 - Aritmética Unidade 15 - Parte 1 Resumo. Congruências

MA14 - Aritmética Unidade 15 - Parte 1 Resumo. Congruências MA14 - Aritmética Unidade 15 - Parte 1 Resumo Congruências Abramo Hefez PROFMAT - SBM Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina e o seu estudo não garante o domínio do assunto.

Leia mais

MA14 - Aritmética Unidade 22 Resumo. Aritmética das Classes Residuais

MA14 - Aritmética Unidade 22 Resumo. Aritmética das Classes Residuais MA14 - Aritmética Unidade 22 Resumo Aritmética das Classes Residuais Abramo Hefez PROFMAT - SBM Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina e o seu estudo não garante o domínio

Leia mais

Definição. Diremos que um número inteiro d é um divisor de outro inteiro a, se a é múltiplo de d; ou seja, se a = d c, para algum inteiro c.

Definição. Diremos que um número inteiro d é um divisor de outro inteiro a, se a é múltiplo de d; ou seja, se a = d c, para algum inteiro c. Divisores Definição. Diremos que um número inteiro d é um divisor de outro inteiro a, se a é múltiplo de d; ou seja, se a = d c, para algum inteiro c. Quando a é múltiplo de d dizemos também que a é divisível

Leia mais

MATEMÁTICA 1 MÓDULO 2. Divisibilidade. Professor Matheus Secco

MATEMÁTICA 1 MÓDULO 2. Divisibilidade. Professor Matheus Secco MATEMÁTICA 1 Professor Matheus Secco MÓDULO 2 Divisibilidade 1. DIVISIBILIDADE 1.1 DEFINIÇÃO: Dizemos que o inteiro a é divisível pelo inteiro b (ou ainda que a é múltiplo de b) se existe um inteiro c

Leia mais

MA14 - Aritmética Unidade 9 Resumo. Teorema Fundamental Da Aritmética

MA14 - Aritmética Unidade 9 Resumo. Teorema Fundamental Da Aritmética MA14 - Aritmética Unidade 9 Resumo Teorema Fundamental Da Aritmética Abramo Hefez PROFMAT - SBM Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina e o seu estudo não garante o domínio

Leia mais

MATEMÁTICA MÓDULO 1 TEORIA DOS NÚMEROS 1. DIVISIBILIDADE 1.1. DEFINIÇÃO 1.2. CRITÉRIOS DE DIVISIBILIDADE

MATEMÁTICA MÓDULO 1 TEORIA DOS NÚMEROS 1. DIVISIBILIDADE 1.1. DEFINIÇÃO 1.2. CRITÉRIOS DE DIVISIBILIDADE TEORIA DOS NÚMEROS 1. DIVISIBILIDADE Neste momento inicial, nosso interesse será em determinar quando a divisão entre dois números inteiros é exata, ou seja, quando o resto da divisão é 0. Antes de mais

Leia mais

O REI MALIGNO E A PRINCESA GENEROSA: SOBRE BASES NUMÉRICAS E CRITÉRIOS DE DIVISIBILIDADE

O REI MALIGNO E A PRINCESA GENEROSA: SOBRE BASES NUMÉRICAS E CRITÉRIOS DE DIVISIBILIDADE O REI MALIGNO E A PRINCESA GENEROSA: SOBRE BASES NUMÉRICAS E CRITÉRIOS DE DIVISIBILIDADE ANA PAULA CHAVES AND THIAGO PORTO 1. Introdução Os temas centrais deste texto - bases numéricas e critérios de divisibilidade

Leia mais

Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se

Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se efetuar a divisão. Essas regras são chamadas de critérios

Leia mais

Módulo de Números Naturais. Divisibilidade e Teorema da Divisão Euclideana. 8 ano E.F.

Módulo de Números Naturais. Divisibilidade e Teorema da Divisão Euclideana. 8 ano E.F. Módulo de Números Naturais. Divisibilidade e Teorema da Divisão Euclideana. 8 ano E.F. Módulo de Números Naturais. Divisibilidade e Teorema da Divisão Euclideana. 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1.

Leia mais

Representação dos Naturais

Representação dos Naturais Representação dos Naturais O Sitema Decimal Os números naturais foram representados ao longo da história de vários modos distintos. O modo universalmente utilizado na atualidade é a representação decimal

Leia mais

1 Conjuntos, Números e Demonstrações

1 Conjuntos, Números e Demonstrações 1 Conjuntos, Números e Demonstrações Definição 1. Um conjunto é qualquer coleção bem especificada de elementos. Para qualquer conjunto A, escrevemos a A para indicar que a é um elemento de A e a / A para

Leia mais

é uma proposição verdadeira. tal que: 2 n N k, Φ(n) = Φ(n + 1) é uma proposição verdadeira. com n N k, tal que:

é uma proposição verdadeira. tal que: 2 n N k, Φ(n) = Φ(n + 1) é uma proposição verdadeira. com n N k, tal que: Matemática Discreta 2008/09 Vítor Hugo Fernandes Departamento de Matemática FCT/UNL Axioma (Princípio da Boa Ordenação dos Números Naturais) O conjunto parcialmente (totalmente) ordenado (N, ), em que

Leia mais

TEOREMA FUNDAMENTAL DA ARITMÉTICA: APLICAÇÕES

TEOREMA FUNDAMENTAL DA ARITMÉTICA: APLICAÇÕES 4. TEOREMA FUNDAMENTAL DA ARITMÉTICA: APLICAÇÕES 1). Achando os divisores de um número natural 2). Quantidade de divisores de um número natural 3). Decidindo se um número natural divide outro 4). Extrema

Leia mais

Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina.

Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina. Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina. O material completo a ser estudado encontra-se no Capítulo 11 - Seção 1.3 do livro texto da disciplina: Aritmética, A. Hefez,

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL GIRASSOL TD de Matemática Prof.: Tiago Rodrigues

CENTRO EDUCACIONAL GIRASSOL TD de Matemática Prof.: Tiago Rodrigues CENTRO EUCACIONAL GIRASSOL T de Matemática Prof.: Tiago Rodrigues proftiagorodrigues@gmail.com IVISIBILIAE E RESTO. Introdução O assunto divisibilidade no Conjunto dos Inteiros ( ) é extremamente importante

Leia mais

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS O conjunto dos números reais,, que possui as seguintes propriedades:, possui uma relação menor ou igual, denotada por O1: Propriedade Reflexiva:

Leia mais

Algoritmos. OBMEP Teoria dos números - Parte I. Algoritmo da divisão:

Algoritmos. OBMEP Teoria dos números - Parte I. Algoritmo da divisão: OBMEP Teoria dos números - Parte I Elaine Pimentel 1 o Semestre - 2006 Algoritmos Algoritmo = processo de cálculo baseado em regras formais Especificação de um algoritmo: entrada + instruções + saída Perguntas:

Leia mais

MA14 - Aritmética Unidade 4. Representação dos Números Inteiros (Sistemas de Numeração)

MA14 - Aritmética Unidade 4. Representação dos Números Inteiros (Sistemas de Numeração) MA14 - Aritmética Unidade 4 Representação dos Números Inteiros (Sistemas de Numeração) Abramo Hefez PROFMAT - SBM Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina e o seu estudo

Leia mais

a) Falsa. Por exemplo, para n = 2, temos 3n = 3 2 = 6, ou seja, um número par.

a) Falsa. Por exemplo, para n = 2, temos 3n = 3 2 = 6, ou seja, um número par. Matemática Unidade I Álgebra Série - Teoria dos números 01 a) Falsa. Por exemplo, para n =, temos 3n = 3 = 6, ou seja, um número par. b) Verdadeira. Por exemplo, para n = 1, temos n = 1 =, ou seja, um

Leia mais

Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas. Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano. Prof. Ulisses Lima Parente

Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas. Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano. Prof. Ulisses Lima Parente Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas Números Irracionais e Reais Oitavo Ano Prof. Ulisses Lima Parente 1 Os números irracionais Ao longo deste módulo, vimos que a representação

Leia mais

Chama-se conjunto dos números naturais símbolo N o conjunto formado pelos números. OBS: De um modo geral, se A é um conjunto numérico qualquer, tem-se

Chama-se conjunto dos números naturais símbolo N o conjunto formado pelos números. OBS: De um modo geral, se A é um conjunto numérico qualquer, tem-se UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Conjuntos Numéricos Prof.:

Leia mais

4.1 Cálculo do mdc: algoritmo de Euclides parte 1

4.1 Cálculo do mdc: algoritmo de Euclides parte 1 page 92 92 ENCONTRO 4 4.1 Cálculo do mdc: algoritmo de Euclides parte 1 OAlgoritmodeEuclidesparaocálculodomdcbaseia-senaseguintepropriedade dos números naturais. Observamos que essa propriedade está muito

Leia mais

Portal da OBMEP. Material Teórico - Módulo de Divisibilidade. MDC e MMC - Parte 1. Sexto Ano

Portal da OBMEP. Material Teórico - Módulo de Divisibilidade. MDC e MMC - Parte 1. Sexto Ano Material Teórico - Módulo de Divisibilidade MDC e MMC - Parte 1 Sexto Ano Autor: Prof. Angelo Papa Neto Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Neto 1 Máximo divisor comum Nesta aula, estudaremos métodos para

Leia mais

(Ciência de Computadores) 2005/ Diga quais dos conjuntos seguintes satisfazem o Princípio de Boa Ordenação

(Ciência de Computadores) 2005/ Diga quais dos conjuntos seguintes satisfazem o Princípio de Boa Ordenação Álgebra (Ciência de Computadores) 2005/2006 Números inteiros 1. Diga quais dos conjuntos seguintes satisfazem o Princípio de Boa Ordenação (a) {inteiros positivos impares}; (b) {inteiros negativos pares};

Leia mais

MATEMÁTICA 1 ARITMÉTICA Professor Matheus Secco

MATEMÁTICA 1 ARITMÉTICA Professor Matheus Secco MATEMÁTICA 1 ARITMÉTICA Professor Matheus Secco MÓDULO 3 Números Racionais e Operações com Frações 1.INTRODUÇÃO Quando dividimos um objeto em partes iguais, uma dessas partes ou a reunião de várias delas

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I

Cálculo Diferencial e Integral I Cálculo Diferencial e Integral I Texto de apoio às aulas. Amélia Bastos, António Bravo Dezembro 2010 Capítulo 1 Números reais As propriedades do conjunto dos números reais têm por base um conjunto restrito

Leia mais

SISTEMA DECIMAL. No sistema decimal o símbolo 0 (zero) posicionado à direita implica em multiplicar a grandeza pela base, ou seja, por 10 (dez).

SISTEMA DECIMAL. No sistema decimal o símbolo 0 (zero) posicionado à direita implica em multiplicar a grandeza pela base, ou seja, por 10 (dez). SISTEMA DECIMAL 1. Classificação dos números decimais O sistema decimal é um sistema de numeração de posição que utiliza a base dez. Os dez algarismos indo-arábicos - 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 - servem para

Leia mais

Aritmética. Somas de Quadrados

Aritmética. Somas de Quadrados Aritmética Somas de Quadrados Carlos Humberto Soares Júnior PROFMAT - SBM Objetivo Determinar quais números naturais são soma de dois quadrados. PROFMAT - SBM Aritmética, Somas de Quadrados slide 2/14

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Número Reais. Objetivos da Aula

CÁLCULO I. 1 Número Reais. Objetivos da Aula CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida EMENTA: Conceitos introdutórios de limite, limites trigonométricos, funções contínuas, derivada e aplicações. Noções introdutórias sobre a integral

Leia mais

MAT Laboratório de Matemática I - Diurno Profa. Martha Salerno Monteiro

MAT Laboratório de Matemática I - Diurno Profa. Martha Salerno Monteiro MAT 1511 - Laboratório de Matemática I - Diurno - 2005 Profa. Martha Salerno Monteiro Representações decimais de números reais Um número real pode ser representado de várias maneiras, sendo a representação

Leia mais

Elementos de Matemática Finita

Elementos de Matemática Finita Elementos de Matemática Finita Exercícios Resolvidos 1 - Algoritmo de Euclides; Indução Matemática; Teorema Fundamental da Aritmética 1. Considere os inteiros a 406 e b 654. (a) Encontre d mdc(a,b), o

Leia mais

Conjuntos. Notações e Símbolos

Conjuntos. Notações e Símbolos Conjuntos A linguagem de conjuntos é interessante para designar uma coleção de objetos. Quando os estatísticos selecionam indivíduos de uma população eles usam a palavra amostra, frequentemente. Todas

Leia mais

NÚMEROS INTEIROS. Álgebra Abstrata - Verão 2012

NÚMEROS INTEIROS. Álgebra Abstrata - Verão 2012 NÚMEROS INTEIROS PROF. FRANCISCO MEDEIROS Álgebra Abstrata - Verão 2012 Faremos, nessas notas, uma breve discussão sobre o conjunto dos números inteiros. O texto é basicamente a seção 3 do capítulo 1 de

Leia mais

CONJUNTO DOS NÚMEROS INTEIROS

CONJUNTO DOS NÚMEROS INTEIROS Fundamentos de Álgebra Moderna Profª Ana Paula CONJUNTO DOS NÚMEROS INTEIROS Os números inteiros formam um conjunto, que notaremos por, no qual estão definidas duas operações, que chamaremos de adição

Leia mais

Números Inteiros Axiomas e Resultados Simples

Números Inteiros Axiomas e Resultados Simples Números Inteiros Axiomas e Resultados Simples Apresentamos aqui diversas propriedades gerais dos números inteiros que não precisarão ser provadas quando você, aluno, for demonstrar teoremas nesta disciplina.

Leia mais

Números Reais. Víctor Arturo Martínez León b + c ad + bc. b c

Números Reais. Víctor Arturo Martínez León b + c ad + bc. b c Números Reais Víctor Arturo Martínez León (victor.leon@unila.edu.br) 1 Os números racionais Os números racionais são os números da forma a, sendo a e b inteiros e b 0; o conjunto b dos números racionais

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral Química Notas de Aula

Cálculo Diferencial e Integral Química Notas de Aula Cálculo Diferencial e Integral Química Notas de Aula João Roberto Gerônimo 1 1 Professor Associado do Departamento de Matemática da UEM. E-mail: jrgeronimo@uem.br. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO Esta notas de aula

Leia mais

Curso Satélite de. Matemática. Sessão n.º 1. Universidade Portucalense

Curso Satélite de. Matemática. Sessão n.º 1. Universidade Portucalense Curso Satélite de Matemática Sessão n.º 1 Universidade Portucalense Conceitos Algébricos Propriedades das operações de números reais Considerem-se três números reais quaisquer, a, b e c. 1. A adição de

Leia mais

Exemplos: Os números 12, 18 e 30 têm conjuntos de divisores respectivamente iguais a:

Exemplos: Os números 12, 18 e 30 têm conjuntos de divisores respectivamente iguais a: Lista de atividades sobre MDC. Nesta aula, definiremos e estudaremos métodos para calcular o máximo divisor comum e o mıınimo múltiplo comum de números naturais, bem como algumas de suas propri edades.

Leia mais

Denominamos equação polinomial ou equação algébrica de grau n a toda equação da forma:

Denominamos equação polinomial ou equação algébrica de grau n a toda equação da forma: EQUAÇÕES POLINOMIAIS. EQUAÇÃO POLINOMIAL OU ALGÉBRICA Denominamos equação polinomial ou equação algébrica de grau n a toda equação da forma: p(x) = a n x n + a n x n +a n x n +... + a x + a 0 = 0 onde

Leia mais

Módulo: aritmética dos restos. Divisibilidade e Resto. Tópicos Adicionais

Módulo: aritmética dos restos. Divisibilidade e Resto. Tópicos Adicionais Módulo: aritmética dos restos Divisibilidade e Resto Tópicos Adicionais Módulo: aritmética dos restos Divisibilidade e resto 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. Encontre os inteiros que, na divisão

Leia mais

Álgebra A - Aula 01 Algoritmo da divisão de Euclides e Algoritmo Euclideano estendido

Álgebra A - Aula 01 Algoritmo da divisão de Euclides e Algoritmo Euclideano estendido Álgebra A - Aula 01 Algoritmo da divisão de Euclides e Algoritmo Euclideano estendido Elaine Pimentel Departamento de Matemática, UFMG, Brazil 2 o Semestre - 2010 Introdução Objetivo: estudar o método

Leia mais

Matemática Régis Cortes EQUAÇÕES DE GRAUS

Matemática Régis Cortes EQUAÇÕES DE GRAUS EQUAÇÕES DE 1 0 E 2 0 GRAUS 1 EQUAÇÃO DO 1º GRAU As equações do primeiro grau são aquelas que podem ser representadas sob a forma ax+b=0,em que a e b são constantes reais, com a diferente de 0, e x é a

Leia mais

A resolução desses problemas pode geralmente ser feita com o seguinte procedimento: Problemas de divisibilidade 1

A resolução desses problemas pode geralmente ser feita com o seguinte procedimento: Problemas de divisibilidade 1 Três VIPs da Teoria dos Números É claro, VIP significa Very Important Problems. Os problemas discutidos aqui, além de suas variações, são bastante comuns em Olimpíadas de Matemática e costumam ser resolvidos

Leia mais

CURSO ANUAL DE MATEMÁTICA VOLUME 1

CURSO ANUAL DE MATEMÁTICA VOLUME 1 CURSO ANUAL DE MATEMÁTICA VOLUME ) SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL O sistema de numeração que usamos é o sistema de numeração decimal, pelo fato de contarmos os elementos em grupos de dez. Dezenas cada grupo

Leia mais

CURSO PRF 2017 MATEMÁTICA

CURSO PRF 2017 MATEMÁTICA AULA 001 1 MATEMÁTICA PROFESSOR AULA 001 MATEMÁTICA DAVIDSON VICTOR 2 AULA 01 - CONJUNTOS NUMÉRICOS CONJUNTO DOS NÚMEROS NATURAIS É o primeiro e o mais básico de todos os conjuntos numéricos. Pertencem

Leia mais

Produtos de potências racionais. números primos.

Produtos de potências racionais. números primos. MATEMÁTICA UNIVERSITÁRIA n o 4 Dezembro/2006 pp. 23 3 Produtos de potências racionais de números primos Mário B. Matos e Mário C. Matos INTRODUÇÃO Um dos conceitos mais simples é o de número natural e

Leia mais

, com k 1, p 1, p 2,..., p k números primos e α i, β i 0 inteiros, as factorizações de dois números inteiros a, b maiores do que 1.

, com k 1, p 1, p 2,..., p k números primos e α i, β i 0 inteiros, as factorizações de dois números inteiros a, b maiores do que 1. Como seria de esperar, o Teorema Fundamental da Aritmética tem imensas consequências importantes. Por exemplo, dadas factorizações em potências primas de dois inteiros, é imediato reconhecer se um deles

Leia mais

Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma anxn + an 1 xn 1 + an 2 xn a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x

Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma anxn + an 1 xn 1 + an 2 xn a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x EQUAÇÃO POLINOMIAL Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma a n x n + a n 1 x n 1 + a n 2 x n 2 +... + a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x C a incógnita e a n, a n 1,..., a

Leia mais

Introdução: A necessidade de ampliação dos conjuntos Numéricos. Considere incialmente o conjunto dos números naturais :

Introdução: A necessidade de ampliação dos conjuntos Numéricos. Considere incialmente o conjunto dos números naturais : Introdução: A necessidade de ampliação dos conjuntos Numéricos Considere incialmente o conjunto dos números naturais : Neste conjunto podemos resolver uma infinidade de equações do tipo A solução pertence

Leia mais

Propostas de resolução. Capítulo 1 Números racionais

Propostas de resolução. Capítulo 1 Números racionais Capítulo Números racionais F Pág... O número 89 89 não é divisível por, pois não se pode aplicar qualquer um dos critérios de divisibilidade por. Por outro lado, o resto da divisão inteira entre 89 89

Leia mais

Tópicos de Matemática Elementar

Tópicos de Matemática Elementar Tópicos de Matemática Elementar 2 a série de exercícios 2004/05. A seguinte prova por indução parece correcta, mas para n = 6 o lado esquerdo é igual a 2 + 6 + 2 + 20 + 30 = 5 6, enquanto o direito é igual

Leia mais

MA11 - Unidade 4 Representação Decimal dos Reais Semana 11/04 a 17/04

MA11 - Unidade 4 Representação Decimal dos Reais Semana 11/04 a 17/04 MA11 - Unidade 4 Representação Decimal dos Reais Semana 11/04 a 17/04 Para efetuar cálculos, a forma mais eciente de representar os números reais é por meio de expressões decimais. Vamos falar um pouco

Leia mais

OPERAÇÕES - LEIS DE COMPOSIÇÃO INTERNA

OPERAÇÕES - LEIS DE COMPOSIÇÃO INTERNA Professora: Elisandra Figueiredo OPERAÇÕES - LEIS DE COMPOSIÇÃO INTERNA DEFINIÇÃO 1 Sendo E um conjunto não vazio, toda aplicação f : E E E recebe o nome de operação sobre E (ou em E) ou lei de composição

Leia mais

1 bases numéricas. capítulo

1 bases numéricas. capítulo capítulo 1 bases numéricas Os números são representados no sistema decimal, mas os computadores utilizam o sistema binário. Embora empreguem símbolos distintos, os dois sistemas formam números a partir

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de PEDRÓGÃO GRANDE

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de PEDRÓGÃO GRANDE Números e Operações ANUAL 164 dias letivos Números naturais Relações numéricas 1. Conhecer os numerais ordinais 1. Utilizar corretamente os numerais ordinais até «centésimo». 2. Contar até um milhão 1.

Leia mais

PROFICIÊNCIA EM MATEMÁTICA Conjuntos Numéricos, Potenciação e Radiciação

PROFICIÊNCIA EM MATEMÁTICA Conjuntos Numéricos, Potenciação e Radiciação PROFICIÊNCIA EM MATEMÁTICA Conjuntos Numéricos, Potenciação e Radiciação Professor Alexandre M. M. P. Ferreira Sumário Definição dos conjuntos numéricos... 3 Operações com números relativos: adição, subtração,

Leia mais

Solução. Este problema pode ser resolvido de modo análogo ao problema anterior.

Solução. Este problema pode ser resolvido de modo análogo ao problema anterior. page 11 1.2 Sistema posicional de numeração 11 Solução. Este problema pode ser resolvido de modo análogo ao problema anterior. Exercício 15: Em um conjunto de 101 moedas, há 50 falsas e as demais são verdadeiras.

Leia mais

Os números naturais. Capítulo Operações em N

Os números naturais. Capítulo Operações em N Capítulo 1 Os números naturais O conjunto dos números naturais, denotado por N, é aquele composto pelos números usados para contar. Na verdade, o mais correto seria dizer que é o conjunto dos números usados

Leia mais

1).- Significado de congruência e de congruência numérica

1).- Significado de congruência e de congruência numérica 5. CONGRUÊNCIAS NUMÉRICAS 1). Significado de congruência e de congruência numérica 2). Exemplos exploratórios e a notação mod q 3). Definição geral de congruência numérica 4). Regras: somando e multiplicando

Leia mais

LAÉRCIO VASCONCELOS MATEMÁTICA PARA VENCER. Rio de Janeiro

LAÉRCIO VASCONCELOS MATEMÁTICA PARA VENCER. Rio de Janeiro LAÉRCIO VASCONCELOS MATEMÁTICA PARA VENCER Rio de Janeiro 2011 ÍNDICE Capítulo 1: HORA DE ESTUDAR Para que serve este livro...1 Porque Colégio Militar e Colégio Naval?...2 Matérias e alunos...2 Os exercícios

Leia mais

MA14 - Aritmética Unidade 2 - Parte 2

MA14 - Aritmética Unidade 2 - Parte 2 MA14 - Aritmética Unidade 2 - Parte 2 Aplicação da Indução (Aplicações Lúdicas) Abramo Hefez PROFMAT - SBM Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina e o seu estudo não garante

Leia mais

Inteiros. Inteiros. Congruência. Discrete Mathematics with Graph Theory Edgar Goodaire e Michael Parmenter, 3rd ed 2006.

Inteiros. Inteiros. Congruência. Discrete Mathematics with Graph Theory Edgar Goodaire e Michael Parmenter, 3rd ed 2006. Inteiros Inteiros. Congruência. Referência: Capítulo: 4 Discrete Mathematics with Graph Theory Edgar Goodaire e Michael Parmenter, 3rd ed 2006 1 Números reais A relação binária em R é uma ordem parcial

Leia mais

Geometria e Medida. Números e Operações. Domínios/Subdomínios Objetivos gerais Descritores de desempenho Avaliação. - Atenção.

Geometria e Medida. Números e Operações. Domínios/Subdomínios Objetivos gerais Descritores de desempenho Avaliação. - Atenção. Conselho de Docentes do 3º Ano PLANIFICAÇÃO Anual de Matemática Domínios/Subdomínios Objetivos gerais Descritores de desempenho Avaliação Geometria e Medida Localização e orientação no espaço Coordenadas

Leia mais

Podemos concluir que o surgimento do número fracionário veio da necessidade de representar quantidades menores que inteiros, por exemplo, 1 bolo é um

Podemos concluir que o surgimento do número fracionário veio da necessidade de representar quantidades menores que inteiros, por exemplo, 1 bolo é um FRAÇÕES Podemos concluir que o surgimento do número fracionário veio da necessidade de representar quantidades menores que inteiros, por exemplo, 1 bolo é um inteiro, mas se comermos um pedaço, qual seria

Leia mais

Matriz Curricular 1º Ciclo / 2016 Ano de Escolaridade: 3.º Ano Matemática

Matriz Curricular 1º Ciclo / 2016 Ano de Escolaridade: 3.º Ano Matemática Ano letivo 2015 / 16 Matriz Curricular 1º Ciclo Ano Letivo: 2015 / 2016 Ano de Escolaridade: 3.º Ano Matemática Nº total de dias letivos 164 dias Nº de dias letivos 1º período - 64 dias 2º período - 52

Leia mais

Polos Olímpicos de Treinamento (POT) Curso de Teoria dos Números - Nível 2. Aula 1 - Divisibilidade I

Polos Olímpicos de Treinamento (POT) Curso de Teoria dos Números - Nível 2. Aula 1 - Divisibilidade I Polos Olímpicos de Treinamento (POT) Curso de Teoria dos Números - Nível 2 Aula 1 - Divisibilidade I Samuel Barbosa Feitosa Arquivo Original 1 1 Documento:...gaia/educacional/matematica/teoria numeros2/aula01-divisibilidadei.pdf.

Leia mais

ENFOQUE USANDO CORTES DE DEDEKIND

ENFOQUE USANDO CORTES DE DEDEKIND Universidade Estadual de Maringá - Departamento de Matemática Cálculo Diferencial e Integral: um KIT de Sobrevivência c Publicação eletrônica do KIT http://www.dma.uem.br/kit CONSTRUÇÃO DOS REAIS: UM ENFOQUE

Leia mais

complemento para a disciplina de Matemática Discreta versão 1 - Jerônimo C. Pellegrini Relações de Equivalência e de Ordem

complemento para a disciplina de Matemática Discreta versão 1 - Jerônimo C. Pellegrini Relações de Equivalência e de Ordem Relações de Equivalência e de Ordem complemento para a disciplina de Matemática Discreta versão 1 Jerônimo C. Pellegrini 5 de agosto de 2013 ii Sumário Sumário Nomenclatura 1 Conjuntos e Relações 1 1.1

Leia mais

Definimos a soma de seqüências fazendo as operações coordenada-a-coordenada:

Definimos a soma de seqüências fazendo as operações coordenada-a-coordenada: Aula 8 polinômios (Anterior: chinês. ) 8.1 séries formais Fixemos um anel A. Denotaremos por A N o conjunto de todas as funções de N = {, 1, 2,... } a valores em A. Em termos mais concretos, cada elemento

Leia mais

36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase

36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase 36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase Soluções Nível 2 Segunda Fase Parte A CRITÉRIO DE CORREÇÃO: PARTE A Na parte A serão atribuídos 5 pontos para cada resposta correta e a pontuação

Leia mais

III) se deste número n subtrairmos o número 3816, obteremos um número formado pelos mesmos algarismos do número n, mas na ordem contrária.

III) se deste número n subtrairmos o número 3816, obteremos um número formado pelos mesmos algarismos do número n, mas na ordem contrária. 1 Projeto Jovem Nota 10 1. (Fuvest 2000) Um número inteiro positivo n de 4 algarismos decimais satisfaz às seguintes condições: I) a soma dos quadrados dos 1 e 4 algarismos é 58; II) a soma dos quadrados

Leia mais

CONHECIMENTOS CAPACIDADES OBJETIVOS / METAS CURRICULARES

CONHECIMENTOS CAPACIDADES OBJETIVOS / METAS CURRICULARES Escola Secundária 2-3 de Clara de Resende COD. 346 779 Critérios de Avaliação Perfil de Aprendizagens Específicas (Aprovado em Conselho Pedagógico de 18 julho de 2016) AGRU P A M E N T O DE No caso específico

Leia mais

Congruências I. Por exemplo, 7 2 (mod 5), 9 3 (mod 6), 37 7 (mod 10) mas 5 3 (mod 4). Veja que a b (mod m) se, e somente se, m a b.

Congruências I. Por exemplo, 7 2 (mod 5), 9 3 (mod 6), 37 7 (mod 10) mas 5 3 (mod 4). Veja que a b (mod m) se, e somente se, m a b. Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível 2 Prof. Samuel Feitosa Aula 6 Congruências I Definição 1. Dizemos que os inteiros a e b são congrentes módulo m se eles deixam o mesmo

Leia mais

Matemática E Extensivo V. 6

Matemática E Extensivo V. 6 Etensivo V. 6 Eercícios ) a) P() é sempre igual à soma dos coeficientes de P(). b) P() é sempre igual ao termo independente de P(). c) P() é a raiz de P(), pois P() =. ) D a) P() = ³ + 7. ² 7. P() = +

Leia mais

Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET

Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET MATEMÁTICA AULA DEMONSTRATIVA GRATUITA OPERAÇÕES NOS CONJUNTOS NUMÉRICOS A matemática é uma ciência em que o conhecimento é aplicado cumulativamente, ou seja, tudo o que foi aprendido será utilizado nos

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Disciplina: Matemática Trimestre: 1º Números Naturais: - Sistema de numeração - Adição e subtração - Multiplicação e divisão - Traduzir em palavras números representados por algarismos

Leia mais

Matemática E Extensivo V. 6

Matemática E Extensivo V. 6 Etensivo V. 6 Eercícios ) a) P() é sempre igual à soma dos coeficientes de P(). b) P() é sempre igual ao termo independente de P(). c) P() é a raiz de P(), pois P() =. a) P() = ³ + 7. ² 7. P() = + 7 7

Leia mais

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/30 3 - INDUÇÃO E RECURSÃO 3.1) Indução Matemática 3.2)

Leia mais

Identidades algébricas

Identidades algébricas LIÇÃO 5 Identidades algébricas Dos três tipos básicos de transformações algébricas: decomposições, reduções e fatorações, os dois primeiros já foram estudados na lição anterior. Antes de passarmos ao terceiro

Leia mais

Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano

Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas Números Irracionais e Reais Oitavo Ano Números Irracionais e Reais 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. No quadro abaixo, determine quais números são irracionais.

Leia mais

Aula 5: Conversões Entre Bases Numéricas

Aula 5: Conversões Entre Bases Numéricas Aula 5: Conversões Entre Bases Numéricas Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Conversões Entre Bases Numéricas FAC 1 / 43 Conversão

Leia mais

SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO

SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO Concurso Público 2016 Conteúdo - Operações com números reais. Mínimo múltiplo comum e Máximo divisor comum. - Razão e proporção. - Porcentagem. -

Leia mais

Módulo de Progressões Aritméticas. Soma dos termos de uma P.A. 1 a série E.M. Professores Tiago Miranda e Cleber Assis

Módulo de Progressões Aritméticas. Soma dos termos de uma P.A. 1 a série E.M. Professores Tiago Miranda e Cleber Assis Módulo de Progressões Aritméticas Soma dos termos de uma PA 1 a série EM Professores Tiago Miranda e Cleber Assis Progressões Aritméticas Soma dos termos de uma PA 1 Exercícios Introdutórios Exercício

Leia mais

MA14 - Unidade 2 Divisão Euclidiana Semana de 08/08 a 14/08

MA14 - Unidade 2 Divisão Euclidiana Semana de 08/08 a 14/08 MA14 - Unidade 2 Divisão Euclidiana Semana de 08/08 a 14/08 Divisão Euclidiana Mesmo quando um número natural a não divide o número natural b, Euclides 1, nos seus Elementos, utiliza, sem enunciá-lo explicitamente,

Leia mais

Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 05

Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET  RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 05 RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 05 NÚMEROS NATURAIS O sistema aceito, universalmente, e utilizado é o sistema decimal, e o registro é o indo-arábico. A contagem que fazemos: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, e assim

Leia mais

Aula 1. e o conjunto dos inteiros é :

Aula 1. e o conjunto dos inteiros é : Aula 1 1. Números reais O conjunto dos números reais, R, pode ser visto como o conjunto dos pontos da linha real, que serão em geral denotados por letras minúsculas: x, y, s, t, u, etc. R é munido de quatro

Leia mais

Expansões AULA ... META. Apresentar a expansão binomial e multinomial. OBJETIVOS. Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de:

Expansões AULA ... META. Apresentar a expansão binomial e multinomial. OBJETIVOS. Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de: Expansões META Apresentar a expansão binomial e multinomial. OBJETIVOS Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de: Identificar e utilizar algumas propriedades dos coeficientes binomiais; Expandir produto

Leia mais

MATEMÁTICA. ÍNDICE Conjuntos Numéricos... 2

MATEMÁTICA. ÍNDICE Conjuntos Numéricos... 2 MATEMÁTICA ÍNDICE Conjuntos Numéricos... 2 1 1 Matemática 2 Conjuntos Numéricos 00 Introdução Os conjuntos numéricos mostram a evolução do homem no decorrer do tempo mostrando que, de acordo com suas necessidades,

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2016/2017 MATEMÁTICA- 3ºANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2016/2017 MATEMÁTICA- 3ºANO Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região do Algarve Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas (Sede: Escola Secundária José Belchior Viegas) PLANIFICAÇÃO ANUAL 2016/2017

Leia mais

Obviamente não poderíamos ter um número negativo de livros. Também não poderíamos imaginar alguém falando: Tenho 3,4231 livros na minha estante.

Obviamente não poderíamos ter um número negativo de livros. Também não poderíamos imaginar alguém falando: Tenho 3,4231 livros na minha estante. Conjunto dos Números Naturais A noção de um número natural surge com a pura contagem de objetos. Ao contar, por exemplo, os livros de uma estante, temos como resultado um número do tipo: N = {0,1,2,3 }

Leia mais

Sequencias e Series. Exemplo 1: Seja tal que. Veja que os dez primeiros termos estão dados por: ,,,,...,, ou seja que temos a

Sequencias e Series. Exemplo 1: Seja tal que. Veja que os dez primeiros termos estão dados por: ,,,,...,, ou seja que temos a Sequencias e Series Autor: Dr. Cristian Novoa MAF- PUC- Go cristiancalculoii@gmail.com Este texto tem como objetivo principal, introduzir alguns conceitos de Sequencias e Series,para os cursos de Engenharia,

Leia mais

Introdução à Teoria dos Números - Notas 4 Máximo Divisor Comum e Algoritmo de Euclides

Introdução à Teoria dos Números - Notas 4 Máximo Divisor Comum e Algoritmo de Euclides Introdução à Teoria dos Números - Notas 4 Máximo Divisor Comum e Algoritmo de Euclides 1 Máximo Divisor Comum Definição 1.1 Sendo a um número inteiro, D a indicará o conjunto de seus divisores positivos,

Leia mais

Objetivos. em termos de produtos internos de vetores.

Objetivos. em termos de produtos internos de vetores. Aula 5 Produto interno - Aplicações MÓDULO 1 - AULA 5 Objetivos Calcular áreas de paralelogramos e triângulos. Calcular a distância de um ponto a uma reta e entre duas retas. Determinar as bissetrizes

Leia mais

Aula 1: Conjunto dos Números Inteiros

Aula 1: Conjunto dos Números Inteiros Aula 1: Conjunto dos Números Inteiros 1 Introdução Observe que, no conjunto dos números naturais N = {0, 1, 2, 3, 4, 5,..., a operação de subtração nem sempre é possível. a) 5 3 = 2 (é possível: 2 N) b)

Leia mais

Análise I Solução da 1ª Lista de Exercícios

Análise I Solução da 1ª Lista de Exercícios FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS Centro de Ciências e Tecnologia Curso de Graduação em Matemática Análise I 0- Solução da ª Lista de Eercícios. ATENÇÃO: O enunciado

Leia mais