ORÇAMENTO RETIFICATIVO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORÇAMENTO RETIFICATIVO"

Transcrição

1 ORÇAMENTO RETIFICATIVO ANO 2013 Pág. 1

2 INDICE INDICE IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO CORPOS GERENTES MOTIVOS DA APRESENTAÇÃO DO ORÇAMENTO RETIFICATIVO PRESTAÇÃO SERVIÇOS Subsídios, doações e legados à exploração Outros rendimentos e ganhos Proveitos e Ganhos Financeiros Custo das mercadorias vendidas e matérias consumidas Fornecimentos e serviços externos Gastos com pessoal Gastos/Reversões de depreciação e de amortização Outros gastos e perdas Gastos e perdas de financiamento Demonstração dos resultados por natureza Demonstração resultados por funções Pág. 2

3 1 IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO Denominação Social: FUNDAÇÃO GASPAR E MANUEL CARDOSO Sede: Rua São Lázaro Armamar Contribuinte: Constituição: 18/10/1956 Atividade Principal: Atividades Apoio Social Para Pessoas Idosas, com Alojamento (CAE: 87301) Atividade Secundária: Educação Pré-escolar (CAE 85100) Telefone: Fax: Website: Pág. 3

4 2 CORPOS GERENTES CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Presidente - Carlos da Cruz Campos Secretário Fernando Artur Marques Mergulhão Cardoso Tesoureiro - Hernâni Pinto da Fonseca e Almeida Primeiro Vogal Afonso José Morais de Gouveia Segundo Vogal João Paulo Soares Carvalho Pereira da Fonseca CONSELHO FISCAL Presidente Carlos Alberto Moura Cabral Primeiro Vogal António Manuel Almeida Rego da Silva Segundo Vogal Armandina Adelaide Gouveia Ferreira CONSELHO CONSULTIVO Presidente José Maria da Fonseca Carvalho Vice-presidente José António Fonseca Pontes Secretário Mário Torres Marta Outros Membros - Fernando Félix Nevado Branquinho - Ana Cristina Guimarães Mexia Leitão Pág. 4

5 3 MOTIVOS DA APRESENTAÇÃO DO ORÇAMENTO RETIFICATIVO O conselho de Administração apresenta este orçamento retificativo devido a diversos fatores, entre os quais: 1. A não conclusão do novo edifício onde funcionará o Lar; 2. A obrigatoriedade de constar no orçamento a Implementação do Solar Térmico no edifício da Creche e Pré-Escolar Em relação ao primeiro, não foi possível concluir o novo edifício do Lar de Idosos devido a fatores de alteração de legislação, no que diz respeito a segurança contra incêndios e no sistema AVAC, originando alterações a nível de construção sendo necessário refazer o que já estava feito. Referente ao segundo ponto, o Conselho de Administração foi surpreendido com a aprovação da candidatura para a implementação do solar térmico no edifício da creche e jardim-de-infância, dado que essa candidatura foi apresentada há dois anos e só obtivemos resposta em meados de A aprovação da candidatura implicou também a inscrição no orçamento da verba recebida como subsídio, dado que o seu investimento estava contemplado no orçamento inicial. A apresentação do orçamento retificativo, teve como base os dados contabilísticos até Outubro de 2013, e terá em cada rúbrica 2 quadros, onde constará os valores do orçamento retificativo e do orçamento inicial, seguido de um breve comentário. Assim sendo, temos: Pág. 5

6 3.1 PRESTAÇÃO SERVIÇOS Resposta Social Mensalidades Outros ISS, IP Outros Creche , , , ,00 0, ,00 Pré Escolar , , , ,00 0, ,00 Lar Idosos ,25 0, , ,00 0, ,00 Lar Idosos Acamados ,07 0, , ,00 0, , , , , ,00 0, ,00 Este acréscimo no valor das prestações de serviços é justificado pelo cálculo das mensalidades, isto é, no orçamento inicial tivemos em conta os valores médios das mensalidades de 2010 e 2011, enquanto que no orçamento retificativo são valores de Subsídios, doações e legados à exploração Resposta Social ISS, IP Outros ISS, IP Outros Creche , , , ,00 0, ,00 Pré Escolar , , , ,00 0, ,00 Lar Idosos , , , , , ,00 Lar Idosos Acamados , , , , , , , , , , , ,00 O orçamento inicial foi elaborado com alguns pressupostos, entre os quais alguns cortes nos subsídios por imposição das medidas de austeridade. Verificamos que a nível social esses cortes não foram tão acentuados como esperávamos. Pág. 6

7 3.3 Outros rendimentos e ganhos Outros Rendimentos e Ganhos Outros Rendimentos e Ganhos Creche 1.714, , , ,00 Pré Escolar 8.873, ,00 200,00 200,00 Lar Idosos 9.436, , , ,00 Lar Idosos Acamados 9.719, , , ,00 Rendas e Alugueres , , , , , , , ,00 A diminuição de proveitos aqui verificada deve-se essencialmente a não contabilização do subsídio ao investimento do QREN devido a não conclusão do novo Lar. 3.4 Proveitos e Ganhos Financeiros Proveitos e Ganhos Financeiros Proveitos e Ganhos Financeiros Creche , , , ,00 Pré Escolar , , , ,00 Lar Idosos , , , ,00 Lar Idosos Acamados , , , ,00 Rendas e Alugueres 0,00 0,00 0,00 0, , , , ,00 Dados os valores das aplicações financeiras não terem diminuído como o previsto, devido à construção do novo lar, os juros dessas aplicações tiveram um acréscimo no orçamento retificativo. Pág. 7

8 3.5 Custo das mercadorias vendidas e matérias consumidas Matérias Primas Respostas Sociais Inventários Iniciais Compras Reclassificação e regularização de inventários Inventários Finais Creche 0, ,00 0,00 0, ,00 Pré Escolar 0, ,00 0,00 0, ,00 Lar Idosos 0, ,00 0,00 0, ,00 Lar Idosos Acamados 0, ,00 0,00 0, ,00 C.M.V.M.C. 0, ,00 0,00 0, ,00 Matérias Primas Inventários Iniciais Compras Reclassificação e regularização de inventários Inventários Finais 0, ,00 0,00 0, ,00 0, ,00 0,00 0, ,00 0, ,00 0,00 0, ,00 0, ,00 0,00 0, ,00 0, ,00 0,00 0, ,00 A política de procura dos melhores preços e com a não admissão de novos utentes no Lar são as razões da diminuição do custo das mercadorias. Pág. 8

9 3.6 Fornecimentos e serviços externos Subcontratos Serviços especializados Materiais Energia e fluídos Deslocações, estadas e transportes Serviços diversos Creche 0, ,55 897, ,05 21, , ,03 Pré Escolar 0, , , ,28 227, , ,24 Lar Idosos 0, , , ,95 43, , ,06 Lar Idosos Acamados 0, , , ,03 21, , ,28 Rendas e Alugueres 0,00 150,00 0,00 100,00 0, , ,00 0, , , ,31 313, , ,61 Subcontratos Serviços especializados Materiais Energia e fluídos Deslocações, estadas e transportes Serviços diversos Creche 0, ,00 700, ,00 25, , ,00 Pré Escolar 0, , , ,00 10, , ,00 Lar Acamados 0, , , ,00 130, , ,00 Lar Idosos 0, , , ,00 50, , ,00 Rendas e Alugueres 0, ,00 50, ,00 0, , ,00 0, , , ,00 215, , ,00 A política de procura dos melhores preços e com a não admissão de novos utentes no Lar são as razões da diminuição do custo dos fornecimentos e serviços externos. Pág. 9

10 3.7 Gastos com pessoal Remunerações certas Remunerações adicionais Formação profissional Encargos sobre remunerações Seguros Outros custos com o pessoal Creche , ,29 0, ,40 627,64 131, ,45 Pré Escolar , ,82 0, , ,33 266, ,01 Lar Idosos , ,69 0, , ,33 99, ,44 Lar Idosos Acamados , ,97 0, ,08 659,02 52, , , ,77 0, , ,32 549, ,18 Remunerações certas Remunerações adicionais Formação profissional Encargos sobre remunerações Seguros Outros custos com o pessoal Creche , ,00 0, ,00 700,00 250, ,00 Pré Escolar , ,00 0, , ,00 450, ,00 Lar Acamados , ,00 0, , , , ,00 Lar Idosos , ,00 0, ,00 850, , , , ,00 0, , , , ,00 A diferença verificada entre os 2 orçamentos é devida à assunção de responsabilidades referentes aos programas do Centro de Emprego e à necessidade de pagamento das horas de formação dos funcionários. Pág. 10

11 3.8 Gastos/Reversões de depreciação e de amortização Depreciações Depreciações Creche 7.896, , , ,00 Pré Escolar , , , ,00 Lar Idosos , , , ,00 Lar Idosos Acamados 6.051, , , ,00 Rendas e Alugueres , , , , , , , ,00 As diferenças verificadas nas valências creche e pré-escolar têm a ver com a conclusão das obras realizadas durante o ano de 2013 e sua amortização. Já o inverso se verifica nas valências lar de idosos e lar de idosos acamados, a não conclusão da obra obriga-nos à retirada do valor da amortização. 3.9 Outros gastos e perdas Impostos Outros gastos e perdas Impostos Outros gastos e perdas Creche 76,84 344,72 421,56 0,00 500,00 500,00 Pré Escolar 156,01 699,88 855,89 100,00 200,00 300,00 Lar Idosos 229,29 615,01 844,30 600,00 400, ,00 Lar Idosos Acamados 112,92 344,72 457,64 500,00 100,00 600,00 Rendas e Alugueres 1.495,18 510, , ,00 200, , , , , , , ,00 Pág. 11

12 O acréscimo verificado é devido a correções do exercício anterior, em relação ao CLDS em que a Instituição teve de reembolsar uma quantia, refletindo-se aqui o seu valor, e também ao aumento do Imposto Municipal de Imóveis Gastos e perdas de financiamento Gastos e Perdas de Financiamento Proveitos Suplementares Creche 0,00 0,00 0,00 0,00 Pré Escolar 0,00 0, , ,00 Lar Idosos 0,00 0, , ,00 Lar Idosos Acamados 0,00 0, , ,00 Rendas e Alugueres 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0, , ,00 Pelo fato da Instituição não ter contraído o empréstimo que ponderou fazer, houve um decréscimo nesta rúbrica. Assim, pelos valores apresentados anteriormente, temos as seguintes demonstrações referente ao orçamento retificativo: Pág. 12

13 3.11 Demonstração dos resultados por natureza (euros) Vendas e serviços prestados ,29 Subsídios, doações e legados à exploração ,15 Variação nos inventários da produção 0,00 Trabalhos para a própria entidade 0,00 Custo das mercadorias vendidas e das matérias consumidas ,00 Fornecimentos e serviços externos ,61 Gastos com o pessoal ,18 Ajustamentos de inventários (perdas/reversões) 0,00 Imparidade de dívidas a receber (perdas/reversões) 0,00 Provisões (aumentos/reduções) 0,00 Provisões específicas (aumentos/reduções) 0,00 Outras imparidade (perdas/reversões) 0,00 Aumentos/reduções de justo valor 0,00 Outros rendimentos e ganhos ,11 Outros gastos e perdas ,57 Resultado antes de depreciações, gastos de financiamento e impostos ,19 Gastos/reversões de depreciação e de amortização ,41 Resultado operacional (antes de gastos de financiamento e impostos) ,78 Juros e rendimentos similares obtidos ,00 Juros e gastos similares suportados 0,00 Resultado antes de impostos ,78 Imposto sobre o rendimento do período Resultado líquido do período ,78 Pág. 13

14 3.12 Demonstração resultados por funções Creche Pré Lar Lar Idosos RENDAS Escolar Idosos Acamados ALUGUERES (euros) TOTAL Vendas e serviços prestados , , , ,07 0, ,29 Custo das mercadorias vendidas e das matérias consumidas , , , ,00 0, ,00 Resultado bruto , , , ,07 0, ,29 Outros rendimentos , , , , , ,26 Gastos de distribuição ,00 Gastos com Pessoal , , , , ,18 Gastos de investigação e desenvolvimento ,00 Outros gastos , , , , , ,59 Resultado operacional (antes de gastos de financiamento e impostos) , , , , , ,78 Gastos de financiamento 0,00 Resultado antes de impostos , , , , , ,78 Imposto sobre o rendimento do período 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Resultado líquido do período , , , , , ,78. Conselho de Administração Presidente: Secretário: Tesoureiro: Primeiro Vogal: Segundo Vogal: Pág. 14

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO ANO 2014 Pág. 1 INDICE INDICE... 2 1 IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO... 3 2 CORPOS GERENTES... 4 3 PLANO DE ATIVIDADES... 5 3.1 INTRODUÇÃO... 5 3.2 ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL...

Leia mais

CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS ANO 2016 SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SANTAR

CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS ANO 2016 SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SANTAR CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS ANO 2016 SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SANTAR CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS 1.º Orçamento anual Revisão Orçamental

Leia mais

Fundação Gaspar e Manuel Cardoso I.P.S.S. Instituição Particular de Solidariedade Social Sem Fins Lucrativos

Fundação Gaspar e Manuel Cardoso I.P.S.S. Instituição Particular de Solidariedade Social Sem Fins Lucrativos INDICE INDICE... 1 1 IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO... 3 2 REFERENCIAL CONTABILISTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS... 4 2.1 Demonstrações Financeiras... 4 3 PRINCIPAIS POLÍTICAS DE CONTABILIZAÇÃO...

Leia mais

PEÇAS FINAIS DE APRESENTAÇÃO DE CONTAS

PEÇAS FINAIS DE APRESENTAÇÃO DE CONTAS ENTREGUE PEÇAS FINAIS DE APRESENTAÇÃO DE CONTAS NÚCLEO DE ORÇAMENTO DAS ANO DE 2015 E CONTAS DE IPSS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DENOMINAÇÃO: CENTRO DE BEM ESTAR SOCIAL DE SEIXAS

Leia mais

NISS PARECER DO CONSELHO FISCAL. DATA DECISÃO Favorável RESPOSTAS SOCIAIS COMPARTICIPADAS COM ACORDO COOPERAÇÃO N.º MÉDIO UTENTES

NISS PARECER DO CONSELHO FISCAL. DATA DECISÃO Favorável RESPOSTAS SOCIAIS COMPARTICIPADAS COM ACORDO COOPERAÇÃO N.º MÉDIO UTENTES DGCF IDENTIFICAÇÃO IPSS DESIGNAÇÃO Lar Luísa Canavarro NIPC 502050411 NISS 20004445167 MORADA DA SEDE Rua de S. Brás, nº 293, 4000-495 Porto DADOS ORÇAMENTO ANO ECONÓMICO 2017 VERSÃO Inicial PARECER DO

Leia mais

Demonstração dos Resultados por Naturezas

Demonstração dos Resultados por Naturezas Demonstração dos Resultados por Naturezas Período findo em 31 de Dezembro de 2015 PERÍODOS RENDIMENTOS E GASTOS NOTAS 2015 2014 Variância Vendas e serviços prestados 951.735,35 940.108,95 1,24% Subsídios,

Leia mais

CURPI COMISSÃO UNITÁRIA DE REFORMADOS PENSIONISTAS E IDOSOS DE SÃO JOÃO DA TALHA

CURPI COMISSÃO UNITÁRIA DE REFORMADOS PENSIONISTAS E IDOSOS DE SÃO JOÃO DA TALHA CURPI COMISSÃO UNITÁRIA DE REFORMADOS PENSIONISTAS E IDOSOS DE SÃO JOÃO DA TALHA Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2015 Balanço CURPI SÃO JOÃO DA TALHA BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 RUBRICAS

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: 2016 Identificação da Declaração: Data da recepção: 19/06/2017 1. Identificação da Instituição Nome: UNIÃO DISTRITAL DE VISEU DAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: 2014 Identificação da Declaração: Data da recepção: 29/06/2015 1. Identificação da Instituição Nome: CENTRO DE APOIO SOCIAL DO NADADOURO Morada: R DA AVÉ

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE LUDOTECAS DO PORTO Rua Alcaide Faria (Antiga Escola de Aldoar) * Porto VERSÃO PARECER DO CONSELHO FISCAL

ASSOCIAÇÃO DE LUDOTECAS DO PORTO Rua Alcaide Faria (Antiga Escola de Aldoar) * Porto VERSÃO PARECER DO CONSELHO FISCAL DGCF IDENTIFICAÇÃO IPSS DESIGNAÇÃO NIPC MORADA DA SEDE ASSOCIAÇÃO DE LUDOTECAS DO PORTO 501893326 NISS 20004479611 Rua Alcaide Faria (Antiga Escola de Aldoar) * 4100-354 Porto DADOS ORÇAMENTO ANO ECONÓMICO

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Programa de Incentivos 2017

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Programa de Incentivos 2017 FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Programa de Incentivos 2017 A preencher pelo serviço de atividades económicas, apoio ao empreendedorismo e turismo IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Data de Receção / Número do Processo

Leia mais

FUNDAÇÃO CASCAIS. Relatório de Contas. de Nº Contribuinte: Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril

FUNDAÇÃO CASCAIS. Relatório de Contas. de Nº Contribuinte: Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril FUNDAÇÃO CASCAIS Relatório de Contas de 2015 Nº Contribuinte: 503040843 Av. Clotilde, Lj 18- A 2765-266 Estoril FUNDAÇÃO CASCAIS Nº Contribuinte: 503040843 Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril 2765-266 Estoril

Leia mais

BALANÇO (em 31 de Dezembro de 2015)

BALANÇO (em 31 de Dezembro de 2015) RUBRICAS BALANÇO (em 31 de Dezembro de 2015) NOTAS Demonstrações Financeiras Montantes expressos em EURO PERÍODOS 2015 2014 ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 4 236.628,46 246.515,69

Leia mais

As Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2014

As Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2014 FUNDAÇÃO GRAMAXO RELATÓRIO E CONTAS As Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2014 1 ÍNDICE 1. Enquadramento 1.1 Apreciação Geral 2. Atividades Realizadas 2.1 Percurso de Lazer denominado «Parque

Leia mais

FUNDAÇÃO GRAMAXO RELATÓRIO E CONTAS. As Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2016

FUNDAÇÃO GRAMAXO RELATÓRIO E CONTAS. As Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2016 FUNDAÇÃO GRAMAXO RELATÓRIO E CONTAS As Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2016 Índice: Índice... 2 1.Enquadramento... 3 1.1.Apreciação Geral... 3 2.Atividades Realizadas... 3 2.1Conclusão da

Leia mais

1.º Orçamento anual. Revisão Orçamental. Natureza Jurídica IPSS. Resposta Social. 110 Casa de Repouso de Donim Casa de Repouso de S.

1.º Orçamento anual. Revisão Orçamental. Natureza Jurídica IPSS. Resposta Social. 110 Casa de Repouso de Donim Casa de Repouso de S. CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS 1.º Orçamento anual ANO 2016 Revisão Orçamental NISS 20007607253 DADOS INSTITUIÇÃO Nome SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE GUIMARÃES NIPC 500 839

Leia mais

Balanço 31 de Dezembro de 2016

Balanço 31 de Dezembro de 2016 SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SANTARÉM RELATÓRIO CONTABILÍSTICO ANO 2016 Santarém, 15 de Março de 2017 Balanço 31 de Dezembro de 2016 RUBRICAS Notas Datas 31-12-2016 31-12-2015 ATIVO Ativo não corrente

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO. FUNDAÇÃO GASPAR E MANUEL CARDOSO. Relatório de Gestão 2013 ANO 2013 MONTANTES EXPRESSOS EM EUROS

RELATÓRIO DE GESTÃO. FUNDAÇÃO GASPAR E MANUEL CARDOSO. Relatório de Gestão 2013 ANO 2013 MONTANTES EXPRESSOS EM EUROS RELATÓRIO DE GESTÃO ANO 2013 MONTANTES EXPRESSOS EM EUROS 1 Índice 1 Apresentação... 3 2 Órgãos Sociais... 4 3 Caracterização dos Utentes e atividades realizadas... 5 3.1 Caracterização dos Utentes...

Leia mais

Contas de 2015 Centro Social e Paroquial de Perosinho

Contas de 2015 Centro Social e Paroquial de Perosinho Contas de 2015 Centro Social e Paroquial de Perosinho Balanço Centro Social e Paroquial de Perosinho Centro Social e Paroquial de Perosinho Balanço Período findo em 31 de Dezembro de 2015 Rendimentos e

Leia mais

Associação Social e Cultural Paradense - NIF:

Associação Social e Cultural Paradense - NIF: Conta Saldo 11. Caixa 12. Depósitos à Ordem 13. Outros Depósitos Bancários Total Da Classe 1 687,51 D 19.428,20 D 200.000,00 D 220.115,71 D 21. Clientes 22. Fornecedores 23. Pessoal 24. Estado e Outros

Leia mais

Anexo III. Taxonomia M - SNC Microentidades. (a que se refere o artigo 4.º da presente portaria)

Anexo III. Taxonomia M - SNC Microentidades. (a que se refere o artigo 4.º da presente portaria) Anexo III Taxonomia M - SNC (a que se refere o artigo 4.º da presente portaria) 1 11 Caixa 2 12 Depósitos à ordem 3 13 Outros depósitos bancários 4 14 Outros 5 211 Clientes - Clientes c/c 6 212 Clientes

Leia mais

Conta de Exploração Previsional para o ano de 2017 Memoria Justificativa

Conta de Exploração Previsional para o ano de 2017 Memoria Justificativa 2017 Conta de Exploração Previsional para o ano de 2017 Memoria Justificativa O Bem Estar Associação de Solidariedade Social de Gondar Rua dos Tabulados n.º 60 4600-642 Gondar Amarante E- mail: geral.bemestar@gmail.com

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTAS 2014

RELATÓRIO DE CONTAS 2014 RELATÓRIO DE CONTAS 2014 CENTRO SOCIAL PADRE JOSÉ COELHO Agência Fontes de Júlio dos Santos Fontes Lda. @ geral@agenciafontes.pt tel. 227 441 281 FICHA TÉCNICA Proprietário CENTRO SOCIAL PADRE JOSÉ COELHO

Leia mais

Aos Nossos Associados e Associadas

Aos Nossos Associados e Associadas Relatório de Atividades & Contas Aos Nossos Associados e Associadas Destaques Estratégicos A CONCEITOS DO MUNDO Associação para a Promoção dos Direitos Humanos e Desenvolvimento Sustentável, é uma associação

Leia mais

B A L A N Ç O. Segurajuda - Corretores de Seguros, Lda Data:

B A L A N Ç O. Segurajuda - Corretores de Seguros, Lda Data: B A L A N Ç O Activo Não Corrente RUBRICAS NOTAS 31-Dez-2011 31 Dez 2010 Activos fixos tangíveis... 26.116,39 36.524,44 Activos intangíveis... 17.500,00 17.500,00 Activo Corrente Estado e outros entes

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Águeda. Índice CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS PARA 2017

Santa Casa da Misericórdia de Águeda. Índice CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS PARA 2017 CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS PARA 2017 Índice Assuntos Pág. 1 Demonstração de Resultados Previsionais para 2017 2 2 Investimentos 2 3 Memória justificativa 4 3.1 Custos

Leia mais

Aos Nossos Associados e Associadas

Aos Nossos Associados e Associadas Relatório de Atividades & Contas 2016 Nota Introdutória 2016 foi um ano para reflexão e reorganização da associação. Candidatámos diversos projetos, planeámos outros e nos destaques gostaríamos de notar:

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES e ORÇAMENTO PREVISIONAL 2016

PLANO DE ATIVIDADES e ORÇAMENTO PREVISIONAL 2016 w u s h u k u n g f u t a i j i q u a n q i g o n g PLANO DE ATIVIDADES e ORÇAMENTO PREVISIONAL Página 1 de 1 w u s h u k u n g f u t a i j i q u a n q i g o n g PLANO DE ATIVIDADES PLANO DE ATIVIDADES

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA ARTES MARCIAIS CHINESAS

FEDERAÇÃO PORTUGUESA ARTES MARCIAIS CHINESAS FEDERAÇÃO PORTUGUESA ARTES MARCIAIS CHINESAS wushu * kung fu * taijiquan * qigong PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO - 2013 MÊS DIAS ACTIVIDADE LOCAL JANEIRO FEVEREIRO 26/27 Formação Alta Competição de Wushu

Leia mais

1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo

1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo 1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo 2015-2016 UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Gestão e Economia Data: 2015-10-29 Licenciatura em

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTAS DE 2010

RELATÓRIO DE CONTAS DE 2010 Resumo Antes de discriminar em pormenor as várias rubricas deste mapa, saliente-se a diferença positiva entre os valores activos e passivos, como se pode constatar dos valores abaixo discriminados: ACTIVO

Leia mais

Relatório intercalar 1º semestre de 2016 Demonstrações financeiras individuais não auditadas a 30 de junho de 2016

Relatório intercalar 1º semestre de 2016 Demonstrações financeiras individuais não auditadas a 30 de junho de 2016 2 "Efficiency is doing the thing right. Effectiveness is doing the right thing." Peter Drucker Eficiência é fazer uma coisa bem. Eficácia é fazer a coisa certa. Peter Drucker 3 4 Entidade N.º de ações

Leia mais

Portaria n.º 104/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 104/2011, de 14 de Março Portaria n.º 104/2011, de 14 de Março O DecretoLei n.º 36A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para microentidades, prevendo a publicação, mediante portaria do membro do

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016)

CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016) CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016) Para: MICROENTIDADES Conta Descrição 11 CAIXA 111 Caixa 12 DEPÓSITOS Á ORDEM 1201 Banco A 13 OUTROS DEPÓSITOS BANCÁRIOS

Leia mais

erasa Relatório de Execução Orçamental

erasa Relatório de Execução Orçamental erasa Relatório de Execução Orçamental 2011 Índice 1. Sumário Executivo... 3 2. Análise da Execução Orçamental... 3 2.1 Execução da Receita por Rubricas... 4 2.2 Execução da Despesa por Rubricas... 6 3.

Leia mais

APARTAMENTOS TURISTICOS DE AMORIM & SANTOS LDA

APARTAMENTOS TURISTICOS DE AMORIM & SANTOS LDA CARATERIZAÇÃO DA EMPRESA Nome: Setor de Atividade Económica (CAE Rev.3): Classe de Dimensão: Localização da Sede (Distrito): Natureza Jurídica: Maturidade: 55118 - Apartamentos turísticos com restaurante

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS (Portaria n.º 218/2015, de 23 de julho 1 )

CÓDIGO DE CONTAS (Portaria n.º 218/2015, de 23 de julho 1 ) CÓDIGO DE CONTAS (Portaria n.º 218/2015, de 23 de julho 1 ) 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS * 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros * 14 Outros 141

Leia mais

Assoc.Amigos da Escola de Música do Conservatório

Assoc.Amigos da Escola de Música do Conservatório Assoc.Amigos da Escola de Música do Conservatório RELATÓRIO DE GESTÃO Ano 2013 FAC Fiscalidade, Administração e Contabilidade, Lda 1 1-Natureza e composição dos Rendimentos no exercício de 2013 Contribuíram

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= ASSOCIAÇÃO DE JUDO DO DISTRITO DO PORTO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= ASSOCIAÇÃO DE JUDO DO DISTRITO DO PORTO BALANÇO EM 31/12/2015 Rubricas NOTAS DATAS 31-12-2015 31-12-2014 Activo

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS 2007/2008

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS 2007/2008 TRABALHO 1 Enunciado (PARTE 1) Só uma alínea do grupo está correcta, inteiramente correcta, ou mais correcta. Refira qual e apresente nota justificativa sumária no anexo para resolução. 1 Em Portugal,

Leia mais

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Nazaré RELATÓRIO E CONTAS

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Nazaré RELATÓRIO E CONTAS Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Nazaré RELATÓRIO E CONTAS 2013 Mensagem da Direcção A Direcção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Nazaré tem, com espírito de missão,

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2016

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2016 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 216 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2015 (Montantes expressos em euros)

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2015 (Montantes expressos em euros) ASSOCIAÇÃO PARA O ESTUDO E INTEGRAÇÃO PSICOSSOCIAL CONTAS INDIVIDUAIS 2015 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO 1º SEMESTRE DE 2014

RELATÓRIO DE DESEMPENHO 1º SEMESTRE DE 2014 Relatório de Desempenho Controlo de Gestão Junho de 2014. Conteúdo 1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 Principais Indicadores... 3 2. DESEMPENHO ECONÓMICO... 4 Comparação com o planeado... 4 Evolução face ao ano

Leia mais

ATA ORGÃO DELIBERATIVO (ASSEMBLEIA GERAL/CONSELHO ADMINISTRAÇÃO) PARECER ORGÃO FISCALIZADOR (CONSELHO FISCAL) Outro REMUNERADOS NÃO REMUNERADO

ATA ORGÃO DELIBERATIVO (ASSEMBLEIA GERAL/CONSELHO ADMINISTRAÇÃO) PARECER ORGÃO FISCALIZADOR (CONSELHO FISCAL) Outro REMUNERADOS NÃO REMUNERADO DGCF 1 IDENTIFICAÇÃO IPSS DESIGNAÇÃO União Distrital das Instituições Particulares de Solidariedade Social NIF/NIPC 506449742 NISS 20016463885 TIPO Outra MORADA DA SEDE Rua Brancanes, nº 62, 2900-185 -

Leia mais

Demonstrações Financeiras Individuais Exercício 2015

Demonstrações Financeiras Individuais Exercício 2015 Exercício 2015 Monteiro & Guimarães, Lda Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 4 Demonstração dos Resultados Individuais em 5 Anexo 1. Nota introdutória...

Leia mais

Balancete Geral Resultados / 2014

Balancete Geral Resultados / 2014 1 de 6 11 Caixa 12.203,83 10.203,15 2.000,68 111 Caixa - Sede 12.203,83 10.203,15 2.000,68 12 Depósitos à ordem 1.376.542,59 1.226.212,03 150.330,56 121 Caixa Geral de Depositos 472693029 1.249.720,44

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2016 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2016 ========= FUNDAÇÃO PADRE LUIS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2016 ========= BALANÇO EM 31/12/2016 BALANÇO EM 31/12/2016 Rubricas Activo NOTAS DATAS 31-12-2016 31-12-2015 Activo não corrente Activos fixos

Leia mais

CONTA EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS

CONTA EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS ENTREGUE NO CENTRO DISTRITAL DE SEG. SOC. FARO CONTA EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS ANO DE 2016 1º ORÇAMENTO REVISTO Nº X NOME: MORADA CENTRO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço BALANÇO DOS EXERCÍCIOS 2014 E 2013 ACTIVO Notas Activo Bruto Amortizações / Provisões Activo Líquido Activo Líquido IMOBILIZADO: Imobilizações incorpóreas: Despesas de instalação

Leia mais

Regras de utilização. Principais regras de utilização:

Regras de utilização. Principais regras de utilização: Regras de utilização Para a melhor utilização do presente modelo o empreendedor deverá dominar conceitos básicos de análise económica e financeira ou, não sendo esse o caso, deve explorar as potencialidades

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Aldeia Galega da Merceana

Santa Casa da Misericórdia de Aldeia Galega da Merceana Santa Casa da Misericórdia de Aldeia Galega da Merceana Relatório de Gestão 05 Introdução Nos dias de hoje, qualquer Instituição ou Entidade tem como dever a apresentação de contas, sendo esta apresentação

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= FUNDAÇÃO PADRE LUIS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= BALANÇO EM 31/12/2015 BALANÇO EM 31/12/2015 Rubricas Ativo NOTAS DATAS 31-12-2015 31-12-2014 Ativo não corrente Ativos fixos tangíveis

Leia mais

MAPA SÍNTESE O presente mapa é preenchido automaticamente com a informação constante nas folhas "INVESTIMENTOS", "GASTOS" e "RENDIMENTOS"

MAPA SÍNTESE O presente mapa é preenchido automaticamente com a informação constante nas folhas INVESTIMENTOS, GASTOS e RENDIMENTOS Presidência do Conselho de Ministros Secretaria de Estado do Desporto e Juventude Instituto Português do Desporto e Juventude, I. P. MAPA SÍNTESE O presente mapa é preenchido automaticamente com a informação

Leia mais

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2016 (Montantes expressos em euros)

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2016 (Montantes expressos em euros) Contas individuais 2016 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2016 E 31.12.2016... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS EM 31.12.2016 E 31.12.2015... 5 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE ATALAIA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE ATALAIA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2015 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação ÍNDICE 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

Contabilidade e Gestão Financeira

Contabilidade e Gestão Financeira Contabilidade e Gestão Financeira Contabilidade Demonstrações Financeiras MESG - Mestrado Engenharia de Serviços e Gestão FEUP 2010 Rui Padrão Funções Património Passivo Eq. Fund. Factos patr. Inventário

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ESCLEROSE MÚLTIPLA DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= BALANÇO EM 31/12/2015 BALANÇO EM 31/12/2015 Rubricas NOTAS DATAS Activo 31-12-2015 31-12-2014 Activo não

Leia mais

DELEGAÇÃO DE ÁGUEDA P R E S T A Ç Ã O D E C O N T A S

DELEGAÇÃO DE ÁGUEDA P R E S T A Ç Ã O D E C O N T A S DELEGAÇÃO DE ÁGUEDA P R E S T A Ç Ã O D E C O N T A S 2 0 1 4 DELEGAÇÃO DE ÁGUEDA CRUZ VERMELHA PORTUGUESA 87902 - Actividades de apoio social com alojamento, n.e. Sede: Palácio do Conde d Óbidos Lisboa

Leia mais

Relatório e Contas. Referente. Ao exercício económico De

Relatório e Contas. Referente. Ao exercício económico De Relatório e Contas Referente Ao exercício económico De 2015 1 1 Demonstração Resultados 2 - Demonstração Resultados por Valências 3 Balanço 4 Demonstração Fluxos Caixa 5 Anexo ao Balanço 2 DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

1. Introdução Análise de resultados Estrutura de Gastos Fornecimentos e Serviços Externos... 3

1. Introdução Análise de resultados Estrutura de Gastos Fornecimentos e Serviços Externos... 3 Índice 1. Introdução... 2 2. Análise de resultados... 3 2.1. Estrutura de Gastos... 3 2.1.1. Fornecimentos e Serviços Externos... 3 2.1.2. Gastos com o Pessoal... 4 2.1.3. Gastos por Depreciações e Amortizações...

Leia mais

DELEGAÇÃO DE ÁGUEDA P R E S T A Ç Ã O D E C O N T A S

DELEGAÇÃO DE ÁGUEDA P R E S T A Ç Ã O D E C O N T A S DELEGAÇÃO DE ÁGUEDA P R E S T A Ç Ã O D E C O N T A S 2 0 1 3 DELEGAÇÃO DE ÁGUEDA CRUZ VERMELHA PORTUGUESA 87902 - Actividades de apoio social com alojamento, n.e. Sede: Palácio do Conde d Óbidos Lisboa

Leia mais

Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente. Cód. Validação: GONDOMAR ERNESTO JESUINO MARTINS AUGUSTO

Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente. Cód. Validação: GONDOMAR ERNESTO JESUINO MARTINS AUGUSTO IES Informação Empresarial Simplificada DECLARAÇÃO ANUAL Ano Identificação da Declaração Data de Receção Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente 0 468-I0060-8 0-06-

Leia mais

C N 2 - CÓDIGO DE CONTAS

C N 2 - CÓDIGO DE CONTAS o m i s s ã o 1 MEIOS FINANEIROS LÍQUIDOS * 11 aixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Instrumentos financeiros * 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente desfavoráveis

Leia mais

Documentos de Prestação de Contas

Documentos de Prestação de Contas Documentos de Prestação de Contas Balanço (5 Pocal) Demonstração de Resultados (6 Pocal) Controlo Orçamental Despesa (7.3.1 Pocal) Controlo Orçamental Receita (7.3.2 Pocal) Execução Anual do Plano Plurianual

Leia mais

Relatório de Execução Orçamental

Relatório de Execução Orçamental Erasa Relatório de Execução Orçamental 1º Semestre 2012 Índice 1. Sumário Executivo... 3 2. Execução da Receita por Rubricas... 4 3. Execução da Despesa por Rubricas... 5 4. Anexos... 7 4.1 Balanço 30

Leia mais

MEMÓRIA JUSTIFICATIVA PARA CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS PARA 2017

MEMÓRIA JUSTIFICATIVA PARA CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS PARA 2017 MEMÓRIA JUSTIFICATIVA PARA CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS PARA 2017 A conta de Exploração Previsional e Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos para

Leia mais

BALANÇO E CONTAS 2014

BALANÇO E CONTAS 2014 Fundação Manuel Leão BALANÇO E CONTAS 2014 Versão provisória Balanço - (modelo para ME) em 31-12-2014 (montantes em euros) RUBRICAS DATAS NOTAS 2014 2013 ATIVO Ativo não corrente Ativos fixos tangíveis

Leia mais

OS ATIVOS BIOLÓGICOS

OS ATIVOS BIOLÓGICOS Santarém, 5 de junho de 2012 Auditório CNEMA OS ATIVOS BIOLÓGICOS João Cipriano Abreu & Cipriano, Auditores, SROC Ativos Biológicos Sumário Estruturas Agrícolas Ativos Biológicos Âmbito e Conceito Ativos

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO Classe 0 Contas do controlo orçamental e de ordem* 01 Orçamento Exercício corrente* 02 Despesas 021 Dotações iniciais* 022 Modificações orçamentais* 0221 Transferências de dotações 02211 Reforços* 02212

Leia mais

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL. ( Art. 42º da Lei Nº.50/2012 de 31 de Agosto )

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL. ( Art. 42º da Lei Nº.50/2012 de 31 de Agosto ) INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL ( Art. 42º da Lei Nº.50/2012 de 31 de Agosto ) 2 0 14 ORÇAMENTO PREVISIONAL EXERCICIO DE 2014 Senhores Acionistas Excelentíssima Câmara Municipal de Olhão Nos termos

Leia mais

Centro Social Paroquial de São Nicolau

Centro Social Paroquial de São Nicolau Centro Social Paroquial de São Nicolau Anexo às Demonstrações Financeiras de 2015 1. Caracterização da entidade O Centro Social Paroquial de São Nicolau foi constituído em 1993 e tem a sua sede social

Leia mais

BALANÇO DO ANO DE 2014

BALANÇO DO ANO DE 2014 BALANÇO DO ANO DE 214 ACTIVO--------------------------------------------1.739.223 Activo não corrente ------------------------------ 1.447.599 Activos fixos tangíveis Activos fixos tangíveis é o termo

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade CASFIG Coordenação de Âmbito Social

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: Identificação da Declaração: Data da recepção: 30/07/2013 1. Identificação da Nome: FUNDAÇÃO MANUEL FRANCISCO CLERIGO Morada: R MANUEL FRANCISCO CLERIGO

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2008 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2008 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2008 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

RECEITAS QUOTIZAÇÕES , ,80

RECEITAS QUOTIZAÇÕES , ,80 APM - Custos e Proveitos - Exercício de 2007 QUOTAS RECEITAS QUOTIZAÇÕES 123.798,80 123.798,80 SUBSÍDIOS CENTRO DE FORMAÇÃO 19.413,99 ENCONTRO NACIONAL PROFMAT/2007 50.450,00 GRUPO DE TRABALHO T3 38.132,00

Leia mais

PARTE PRÁTICA (13 valores)

PARTE PRÁTICA (13 valores) PARTE PRÁTICA (13 valores) 1 - A empresa Mãe, SA, detém 80% do Capital da empresa Filha, SA, participação esta que foi adquirida, em N, por 340.000 Euros. Em 31 de Dezembro de N, as empresas do Grupo apresentavam

Leia mais

Relatório de Atividades e Contas

Relatório de Atividades e Contas Relatório de Atividades e Contas 2012 1 - Introdução A Direção do CGA Clube de Ginástica de Almada, no cumprimento do estatutariamente regulamentado, apresenta para apreciação, discussão e votação o Relatório

Leia mais

Centro Social de Figueiró do Campo Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro 2015

Centro Social de Figueiró do Campo Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro 2015 Centro Social de Figueiró do Campo Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro 2015 BALANÇO A 31/12/2015 RUBRICAS 2015 2014 ACTIVO Activo não corrente Activos fixos tangíveis 1.070.124,56 1.076.316,75 Bens

Leia mais

IDN - Incubadora de Empresas de Idanha-a-Nova

IDN - Incubadora de Empresas de Idanha-a-Nova IDN - Incubadora de Empresas de Idanha-a-Nova Formulário de Candidatura N.º de Processo Data de Entrada Denominação Social Pessoa a contactar Nome: Função: Telefone Fax Ass: IDENTIFICAÇÃO DO PROMOTOR/EMPRESA

Leia mais

AISA - Associação Apoio Social Nossa Senhora Assunção

AISA - Associação Apoio Social Nossa Senhora Assunção AISA - Associação Apoio Social Nossa Senhora Assunção ORÇAMENTO ORDINÁRIO 2017 GASTOS E PERDAS Valores Valores Orçamento Código Descrição até até Ordinário Observ. 62 FORN. SERV. EXTERNOS 61211 Generos

Leia mais

CENTRO DE BEM ESTAR SOCIAL DE SEIXAS

CENTRO DE BEM ESTAR SOCIAL DE SEIXAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 Página 1 de 7 1 - Identificação da entidade O Centro de Bem Estar Social de Seixas é uma instituição particular de solidariedade social, constituída

Leia mais

CSC-ASMECL Associação de Socorros Mútuos de Empregados no Comércio de Lisboa. Orçamento 2017

CSC-ASMECL Associação de Socorros Mútuos de Empregados no Comércio de Lisboa. Orçamento 2017 CSC-ASMECL Associação de Socorros Mútuos de Empregados no Comércio de Lisboa Orçamento 2017 Novembro 2016 Orçamento e Plano de Atividades Introdução O ano de 2017 será ainda marcado pela incerteza da evolução

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS (Decreto-Lei nº74/98, de 27 de Março) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS (Decreto-Lei nº74/98, de 27 de Março) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS (Decreto-Lei nº74/98, de 27 de Março) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 ENTIDADE: ART - Associação Regional de Turismo dos Açores SEDE: Angra do Heroísmo N.º DE

Leia mais

CONTAS INDIVIDUAIS 2015

CONTAS INDIVIDUAIS 2015 CONTAS INDIVIDUAIS 2015 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 3 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL

Leia mais

MENU DGCF ATENÇÃO! REGRAS REGISTO DADOS DADOS GERAIS INSTITUIÇÃO DEMONSTRAÇÃO RESULTADOS TIPO FINANCIAMENTO TIPO INVESTIMENTO MEMÓRIA JUSTIFICATIVA

MENU DGCF ATENÇÃO! REGRAS REGISTO DADOS DADOS GERAIS INSTITUIÇÃO DEMONSTRAÇÃO RESULTADOS TIPO FINANCIAMENTO TIPO INVESTIMENTO MEMÓRIA JUSTIFICATIVA MENU DGCF Ü Ü Ü Ü Ü Ü REGRAS REGISTO DADOS DADOS GERAIS INSTITUIÇÃO DEMONSTRAÇÃO RESULTADOS TIPO FINANCIAMENTO TIPO INVESTIMENTO MEMÓRIA JUSTIFICATIVA ATENÇÃO! Deve ler com cuidado as regras de registo

Leia mais

Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente. Cód. Validação: LISBOA

Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente. Cód. Validação: LISBOA IES Informação Empresarial Simplificada DECLARAÇÃO ANUAL Ano Identificação da Declaração Data de Receção Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente 0 6-I000-0-06-07

Leia mais

Associação de Futebol de Lisboa Instituição de Utilidade Pública

Associação de Futebol de Lisboa Instituição de Utilidade Pública Associação de Futebol de Lisboa Instituição de Utilidade Pública Rua Nova da Trindade, 2-2º 1249-250 LISBOA Tel.: + 351 213 224 870 - Fax: + 351 213 224 885 Direccao@afl.pt www.afl.pt AVISO CONVOCATÓRIO

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MONTALEGRE

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MONTALEGRE SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MONTALEGRE PROPOSTA ORÇAMENTO RETIFICATIVO 2016 Segue o Orçamento retificativo, para ajustar despesas e receitas à realidade, com vários anexos e notas justificativas de carácter

Leia mais

BANCO COMERCIAL DO ATLÂNTICO, S.A. BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E (Montantes expressos em milhares de Escudos de Cabo Verde)

BANCO COMERCIAL DO ATLÂNTICO, S.A. BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E (Montantes expressos em milhares de Escudos de Cabo Verde) BALANÇOS Activo Imparidade Activo Activo Notas bruto e amortizações líquido líquido PASSIVO E CAPITAL PRÓPRIO Notas Caixa e disponibilidades em bancos centrais 3 9.726.629-9.726.629 5.862.769 Recursos

Leia mais

E DESINVESTIMENTOS ASSOCIAÇÃO DE ESTUDOS DO ALTO TEJO RUA DE SANTANA PARECER: DESPACHO: / /

E DESINVESTIMENTOS ASSOCIAÇÃO DE ESTUDOS DO ALTO TEJO RUA DE SANTANA PARECER: DESPACHO: / / ENTREGUE NO CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL ANO: Instituto Português da Juventude E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS 1º ORÇAMENTO x DE E DESINVESTIMENTOS REVISTO Nº NOME: ASSOCIAÇÃO DE ESTUDOS DO ALTO TEJO RESERVADO

Leia mais

Imobilizaçoes corpóreas: Edificios e outras construções

Imobilizaçoes corpóreas: Edificios e outras construções DESIGNAÇÕES EXERCÍCIOS 1º SEM 01 1º SEM 00 AMORTIZAÇÕES ACT.BRUTO ACT.LÍQUIDO ACT.LÍQUIDO E PROVISÕES IMOBILIZADO ACTIVO Imobilizações incorporeas: Despesas de instalação 384 261 180 982 203 279 32 821

Leia mais

Aditamento às contas individuais. Informação aos accionistas

Aditamento às contas individuais. Informação aos accionistas BA Fábrica de Vidros BARBOSA & ALMEIDA, SA Sociedade com o Capital Aberto ao Investimento do Público Sede: Av. Vasco da Gama, 8001 - Aldeia Nova - Avintes - Vila Nova de Gaia Matriculada na Conservatória

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Exercício de 2016 FUNDO ESCOLAR DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA TOMÁS DE BORBA

RELATÓRIO DE ANÁLISE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Exercício de 2016 FUNDO ESCOLAR DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA TOMÁS DE BORBA RELATÓRIO DE ANÁLISE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Exercício de 2016 FUNDO ESCOLAR DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA TOMÁS DE BORBA FUNDO ESCOLAR DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA TOMÁS DE BORBA

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Exercício de 2015 FUNDO ESCOLAR DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA TOMÁS DE BORBA

RELATÓRIO DE ANÁLISE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Exercício de 2015 FUNDO ESCOLAR DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA TOMÁS DE BORBA RELATÓRIO DE ANÁLISE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Exercício de 2015 FUNDO ESCOLAR DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA TOMÁS DE BORBA FUNDO ESCOLAR DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA TOMÁS DE BORBA

Leia mais

Estudo Económico / Financeiro. Setor das Farmácias em Portugal Dados reais de 2013 e previsão para 2014

Estudo Económico / Financeiro. Setor das Farmácias em Portugal Dados reais de 2013 e previsão para 2014 Estudo Económico / Financeiro Setor das Farmácias em Portugal Dados reais de 2013 e previsão para 2014 1 Sumário Executivo Os últimos anos têm sido pautados por uma forte queda no volume de negócios das

Leia mais

Caixa Geral de Depósitos, SA

Caixa Geral de Depósitos, SA 164 Relatório e Contas 2011 CGD 1.13. Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Balanços Individuais (*) 31.12.2011 Pro forma 31.12.2010 Pro forma 01.01.2010 ATIVO Notas (a) Ativo bruto Provisões,

Leia mais

Demonstrações Financeiras Individuais

Demonstrações Financeiras Individuais Exercício 2013 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em...3 Demonstração de Resultados Individuais em........4 Demonstração de Fluxos de Caixa Individuais

Leia mais

NOÇÃO DE COOPERATIVA

NOÇÃO DE COOPERATIVA NOÇÃO DE COOPERATIVA As cooperativas são pessoas colectivas autónomas, de livre constituição, de capital e composição variáveis, que, através da cooperação e entreajuda dos seus membros, com obediência

Leia mais