Gestão do Trabalho e Educação Permanente do SUAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão do Trabalho e Educação Permanente do SUAS"

Transcrição

1 VI Seminário Estadual de Assistência Social Santa Catarina Florianópolis, 18 a 20 de maio de 2015 Gestão do Trabalho e Educação Permanente do SUAS José Crus Departamento de Gestão do SUAS Secretaria Nacional de Assistência Social - MDS

2 Consolidação do SUAS DIREITO Normativas Âncoras Nacional Política Pública # direito LOAS PNAS NOBSUAS NOB-RH/SUAS - PNEP/SUAS Universalidade e Uniformidade Federalismo Elaboração Implantação Conteúdo Institucionalidade específica Serviços (Tipificados) e Benefícios Especificidade da área Estruturação Entidades/organiza ções de assistência social Controle social Complementar e regulamentada Participação social Efetivação

3 Princípios e Diretrizes: NOB-RH/SUAS Gestão do Trabalho como função estratégica Destaque do caráter público Delimitação dos princípios éticos para o trabalho social e trabalhadores do SUAS Definição de equipes de referência Previsão da instituição da Educação Permanente no SUAS Delimitação de diretrizes para formulação dos planos de cargos, carreiras e salários Atribuições dos entes pacto federativo Diretrizes para o cofinanciamento da gestão do trabalho

4 GESTÃO DO TRABALHO NO SUAS: Aprimoramento da Gestão do Sistema e da Qualidade dos Serviços, programas, projetos, benefícios e transferência de renda Compreende o planejamento, a organização e a execução das ações relativas à valorização do trabalhador e à estruturação do processo de trabalho institucional, no âmbito da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. (Art. 109, NOB/SUAS) NOB/SUAS (2012)

5 Princípios e Diretrizes: NOB/SUAS 2012 É importante que os entes atualizem a Lei do SUAS em seu âmbito, em consonância com os avanços normativos. Concursos Públicos; Avaliação de Desempenho; Educação Permanente; Mesa de Negociação (Mesa Nacional da Gestão do Trabalho: princípios e diretrizes nacionais); Plano de Cargos (PCCS); Saúde do trabalhador; Valorização Observatório do de práticas Trabalhador profissionais Desenhos organizacionais; Processos de negociação do trabalho; Sistemas de informação; Supervisão Técnica. CADSUAS Planejamento Instrumentos de Gestão Estruturação do Processo de Trabalho

6 Gestão do Trabalho no SUAS É um processo de trabalho articulado às funções do SUAS: Proteção Social, Defesa de direitos e Vigilância Socioassistencial.

7 Avanços e agenda da Gestão do Trabalho do SUAS

8 O Trabalho Social no SUAS NOB-RH/SUAS: Destaca o caráter público da prestação dos serviços socioassistenciais Necessidade de Servidores Públicos. NOBSUAS/2012: Avança na concepção da Gestão do Trabalho. Lei /11: Art. 6 -E Autoriza Estados, DF e Municípios a utilizar percentual do cofinanciamento federal para contratação de recursos humanos para compor as Equipes de Referência do SUAS. Programa CapacitaSUAS Programa Nacional de Capacitação do SUAS. PNEP-SUAS/2013 Política Nacional de Educação Permanente do Sistema Único de Assistência Social. Resolução CNAS n 17/2011: Ratifica as equipes de referência e reconhece as categorias profissionais de nível superior. Resolução CNAS n 09/2014: Reconhece as ocupações e áreas de ocupação de ensino médio e fundamental do SUAS. Portaria N 137 de 18 de dezembro de 2013: Institui a Mesa Nacional da Gestão do Trabalho do Sistema Único de Assistência Social SUAS.

9 PROFISSIONALIZAÇÃO, PERFIS E COMPETÊNCIAS Profissionalização e Ressignificação do trabalho social: dimensão ética, política, técnica. PNAS Resolução CNAS 17/2011 NOB-RH/SUAS Resolução CNAS 09/2014 NOBSUAS PNEP/SUAS Programa CapacitaSUAS Competências Requeridas: Conhecimentos, Habilidades e Atitudes

10 PROFISSIONALIZAÇÃO, PERFIS E COMPETÊNCIAS Equipe de Referência O trabalhador é quem está junto aos usuários e é responsável pela construção de processos interventivos que promovam o protagonismo dos usuários e o fortalecimento da prática democrática e da cultura de direitos. Referência Equipes de Referência do SUAS São aquelas constituídas por servidores efetivos responsáveis pela organização e oferta de serviços, programas, projetos e benefícios de proteção social básica e especial, levando-se em consideração o número de famílias e indivíduos referenciados, o tipo de atendimento e as aquisições que devem ser garantidas aos usuários. (NOB/SUAS-RH)

11 PROFISSIONALIZAÇÃO, PERFIS E COMPETÊNCIAS Dimensões do conceito de Referência Caráter continuado da oferta dos Serviços Socioassistenciais; Certeza e satisfação de necessidades sociais; Respostas qualificadas; São referências de proteção social; Vínculos contínuos e duradouros / Laços de confiança Postura ética, Escuta e Valorização do/a cidadão/ã. Produzir para o/a cidadão/ã a certeza de que ele encontrará acolhida, convívio e meios para o desenvolvimento de sua autonomia. Sentimento de segurança/referência: se eu precisar, sei que posso contar ; Direção para onde ela sinaliza: um norte, um rumo; Indicação de um ponto de chegada, a satisfação de uma expectativa.

12 PROFISSIONALIZAÇÃO, PERFIS E COMPETÊNCIAS Equipes de Referência do SUAS É muito importante que os perfis profissionais definidos para cada oferta socioassistencial, sempre que possível, favoreça a formação de equipes interdisciplinares, considerando suas especificidades e necessidades.

13 PROFISSIONALIZAÇÃO, PERFIS E COMPETÊNCIAS Resolução CNAS Nº17/2011

14 PROFISSIONALIZAÇÃO, PERFIS E COMPETÊNCIAS Resolução CNAS Nº17/2011 Assistente Social; Psicóloga(o); Advogada (o); Antropóloga (o); Economista Doméstico; Pedagoga (o); Socióloga (o); Terapeuta ocupacional; e Musicoterapeuta. Serviços Socioassistenciais Assistente Social Psicólogo Advogado Administrador Antropólogo Contador Economista Economista Doméstico Pedagogo Sociólogo Terapeuta ocupacional Funções de Gestão

15 PROFISSIONALIZAÇÃO, PERFIS E COMPETÊNCIAS Resolução CNAS Nº 09/2014

16 PROFISSIONALIZAÇÃO, PERFIS E COMPETÊNCIAS Resolução CNAS Nº 09/2014 APOIO AO PROVIMENTO Nível Médio Cuidador Social Orientador Social ou Educador Social Nível Fundamental Auxiliar de Cuidador Social APOIO FUNÇÕES DE GESTÃO funções administrativas funções de gestão financeira e orçamentária funções de gestão da informação, monitoramento, avaliação, vigilância socioassistencial, de benefícios, transferência de renda e CadÚnico Funções de Gestão- Nível Médio

17 PROFISSIONALIZAÇÃO, PERFIS E COMPETÊNCIAS Resolução CNAS Nº 09/2014 APOIO OPERACIONAL função de limpeza funções de lavanderia funções de cozinha funções de copeiragem funções de transporte, nas seguintes modalidades funções de segurança Nível Fundamental

18 Desprecarização dos vínculos de Trabalho Concursos Públicos Caráter público e de continuidade dos serviços socioassistenciais: Servidores Públicos, contratados mediante aprovação em Concurso Público. Programas e Projetos Socioassistenciais: Servidores Públicos Temporários, contratados mediante aprovação em Processo Seletivo Simplificado. Os recursos do cofinanciamento federal de que trata o Artigo 6 E da LOAS, com os recursos provenientes do Fundo Nacional de Assistência Social FNAS, podem ser utilizados para pagamento de pessoal concursado seja pelo regime estatutário, celetista, comissionado ou temporário, desde que integrem as equipes de referência das Proteções Sociais Básica e Especial, em consonância com a NOB-RH/SUAS e Resoluções CNAS nº 17/2011 e 09/2014, independente da sua data de ingresso no quadro de pessoal do ente federado. Os processos de recrutamento e seleção de pessoal devem ser considerados como estratégicos e vitais para que se assegure a inserção de profissionais que reúnam as competências profissionais necessárias ao trabalho no SUAS

19 Metas para a Gestão do Trabalho nos Municípios Pacto de Aprimoramento do SUAS Municípios e DF Gestão Desprecarização dos vínculos trabalhistas das equipes que atuam nos serviços socioassistenciais e na gestão do SUAS, atingindo: O percentual mínimo 60% de trabalhadores do SUAS de nível superior e médio com vínculo de servidor estatutário ou empregado público. 100% dos municípios de grande porte e metrópole com instituição formal, na estrutura do órgão gestor de assistência social, com competência de: Gestão do Trabalho, Regulação do SUAS e Vigilância Socioassistencial.

20 Metas para a Gestão do Trabalho nos Estados Pacto de Aprimoramento do SUAS Estados Gestão Atingir em 100% dos Estados com instituição na estrutura do órgão gestor de assistência social, áreas constituídas como subdivisões administrativas da Proteção Social Básica, Proteção Social Especial, Gestão do Fundo Estadual de Assistência Social e Gestão do SUAS com competência de Gestão do Trabalho e Vigilância Socioassistencial. Atingir em 100% dos Estados quadro de pessoal efetivo correspondente às funções de gestão no órgão e em suas unidades administrativas descentralizadas, se houver, assim como as equipes de referência das unidades públicas.

21 Mesa Nacional da Gestão do Trabalho do SUAS Portaria MDS n 137 de 2013 Fórum de diálogo permanente e de negociação entre gestores e trabalhadores do SUAS, no que concerne à pauta da Gestão do Trabalho, na perspectiva de qualificação dos serviços, programas, projetos, benefícios e de valorização dos trabalhadores do SUAS. Deve estabelecer diretrizes, materializadas em protocolos nacionais, que visam orientar os gestores, os conselhos e as mesas estaduais, municipais e do Distrito Federal. Ressalta-se o papel fundamental da Mesa Nacional de Gestão do Trabalho do SUAS no apoio aos entes municipais, estaduais e do DF na consolidação das Mesas nos seus respectivos âmbitos, bem como na disseminação a todas instâncias das diretrizes estabelecidas para o Sistema Único de Assistência Social e esforços conjuntos para sua efetivação.

22 Profissionalização e Educação Permanente no SUAS As vulnerabilidades e riscos sociais e pessoais não são fatos homogêneos e simples, mas complexos e multifacetados, e exigem respostas complexas e diversas. Profissionalização e Qualificação do Trabalho Social Considera-se competência profissional um ato de assumir responsabilidades frente a situações de trabalho complexas, o que exige um conjunto de conhecimentos e habilidades profissionais, porém, mais do que isto, valores e atitudes éticas, pois impõe-se aos trabalhadores do SUAS que superem a atuação como simples executores de programas para a de viabilizadores de direitos.

23 POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO PERMANENTE DO SUAS A Educação Permanente é um novo arranjo teórico-metodológico, ético-político, inserido na Gestão do Trabalho do Sistema Único de Assistência Social, que junto às demais ações, deve, entre outros, possibilitar a construção de respostas qualificadas à demandas sociais, assegurando proteção social e direitos.

24 Educação Permanente não... se confunde com os modelos tradicionais de educar por meio da simples transmissão de conteúdos, tampouco se identifica com os modelos de formação e capacitação de pessoas baseados na apartação dos que pensam, dirigem e planejam; dos que produzem, operam e implementam. Ela também não admite a hierarquização e a fragmentação disciplinar do conhecimento e dos saberes. (...) RESOLUÇÃO CNAS 004/ PNEP- SUAS

25 Perspectiva Político-Pedagógica da Educação Permanente INTERDISCIPLINARIDADE HISTORICIDADE CENTRALIDADE DOS PROCESSOS DE TRABALHO E DAS PRÁTICAS PROFISSIONAIS APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA DESENVOLVIMENTO DE CAPACIDADES E COMPETÊNCIAS REQUERIDAS PELO SUAS

26 Política Nacional de Educação Permanente do SUAS PNEP/SUAS A PNEP/SUAS estabelece também, os tipos de ação de formação e capacitação que deverão ser executadas no âmbito do SUAS. Capacitação: Capacitação introdutória( 20-40h) Capacitação de Atualização (40-100h) Supervisão Técnica Formação: Formação técnica de nível médio (1800h); Aperfeiçoamento (180h); Especialização (360h); Mestrado (2 anos).

27 Núcleos de Educação Permanente do SUAS Instâncias de consulta e assessoramento dos órgãos gestores do SUAS para o planejamento, operacionalização e efetivação da perspectiva político-pedagógica da Educação Permanente no SUAS. Análise e elaboração de propostas relativas à implementação da PNEP/SUAS às equipes responsáveis pela Gestão do Trabalho nas três esferas de governo; Descentralização para estados, Distrito Federal e municípios de atribuições correspondentes à elaboração de diagnósticos de competências e necessidades de qualificação; Desenho e oferta de ações de formação e capacitação; Controle social na elaboração de diagnósticos de necessidades de formação e capacitação e no planejamento das ações de Educação Permanente; Interlocução, diálogo e cooperação entre os diferentes sujeitos envolvidos na implementação da PNEP (gestores, trabalhadores, usuários, RENEP, conselhos)

28 Programa CapacitaSUAS O Programa Nacional de Capacitação do SUAS, CapacitaSUAS, foi instituído por meio da Resolução CNAS nº 08/2012 e da Portaria Ministerial nº 142, de 5 de Julho de 2012 e foi atualizado pela Resolução CNAS n 28 de 2014, em consonância com a PNEP/SUAS. Objetivo: Contribuir com o aprimoramento das funções, capacidades e competências das funções de gestão, do provimento de serviços, programas, projetos, benefícios e transferência de renda, e do exercício do controle social, por meio do apoio aos estados e ao Distrito Federal na execução de seus Planos de Capacitação. Público: Gestoras/es, trabalhadoras/es e dirigentes da rede socioassistencial e conselheiras/os da assistência social, no exercício de suas competências e responsabilidades.

29 Programa CapacitaSUAS Cursos ofertados pelo CapacitaSUAS: Curso de Introdução ao Provimento dos Serviços e Benefícios Socioassistenciais do SUAS e à implementação de ações do Plano Brasil Sem Miséria; Curso de Atualização em Gestão Financeira e Orçamentária do SUAS; Curso de Atualização em Indicadores para Diagnóstico e Acompanhamento do SUAS e do BSM. Curso de Introdução ao Exercício do Controle Social do SUAS; Curso de Atualização em Vigilância Socioassistencial do SUAS Curso de Atualização para Elaboração de Planos de Assistência Social; Curso de Atualização sobre Especificidades e Interfaces da Proteção Social Básica do SUAS; Curso de Atualização sobre a Organização e Oferta dos Serviços da Proteção Social Especial. Por meio deste Programa, o governo federal, dentre as suas corresponsabilidades, cofinancia a oferta de ações de capacitação e formação, a serem executadas pelos estados e Distrito Federal em parceria com as Instituições de Ensino, que devem estar credenciadas na Rede Nacional de Capacitação e Educação Permanente do SUAS RENEP/SUAS, de âmbito nacional e sob gestão do MDS.

30 Dados Gestão do Trabalho do SUAS

31 Gestão do Trabalho no SUAS Gestão do Trabalho constituída no Órgão Gestor Municipal Gestão do Trabalho constituída no Órgão Gestor Estadual 1.614; 29% 2.241; 41% 1.665; 30% Sim, na estrutura formal do órgão gestor Sim, de maneira informal 16; 59% 4; 15% 7; 26% Não constituída Sim, na estrutura formal do órgão gestor Não constituída Sim, de maneira informal Censo SUAS 2014

32 Gestão do Trabalho no SUAS Dados Gerais dos Trabalhadores Ensino Superior - Gestão Municipal Estatutário Crescimento 11.58% 26423; 29% 18060; 20% 36590; 40% 10244; 11% Celetista Somente Comissionado Outros Vínculos Dados: CensoSUAS 2014

33 Gestão do Trabalho no SUAS Dados Gerais dos Trabalhadores Trabalhadores das Entidades e Organizações de Assistência Social Ensino Fundamental (incompleto/ completo) Ensino Médio Ensino Superior Total Dados CensoSUAS 2011 Total Trabalhadores Rede Complementar Trabalhadores do SUAS Total de Trabalhadores Rede Estatal

34 Gestão do Trabalho no SUAS Dados Gerais dos Trabalhadores Escolaridade e Vínculo Ensino Fundamental Ensino Fundamental - Gestão Municipal Ensino Fundamental - Gestão Estadual 15295; 38% 15784; 40% Estatutário Celetista 265; 10% 410; 15% 383; 14% 1625; 61% Estatutário Celetista 4548; 11% 4401; 11% Somente Comissionado Outros Vínculos Somente Comissionado Outros Vínculos Total = Total de Trabalhadores Ensino Fundamental Total = Dados: CensoSUAS 2014

35 Gestão do Trabalho no SUAS Dados Gerais dos Trabalhadores Escolaridade e Vínculo Ensino Médio Ensino Médio - Gestão Municipal Ensino Médio - Gestão Estadual Estatutário 817; 15% Estatutário 53357; 42% 37690; 30% Celetista 1196; 21% 2491; 45% Celetista 20842; 17% 13624; 11% Somente Comissionado Outros Vínculos 1047; 19% Somente Comissionado Outros Vínculos Total = Total = Total de Trabalhadores Ensino Medio Dados: CensoSUAS 2014

36 Gestão do Trabalho no SUAS Dados Gerais dos Trabalhadores Escolaridade e Vínculo Ensino Superior Ensino Superior - Gestão Municipal Ensino Superior - Gestão Estadual Estatutário 726; 13% Estatutário 26423; 29% 36590; 40% Celetista 1498; 28% 2700; 49% Celetista 18060; 20% 10244; 11% Somente Comissionado Outros Vínculos 555; 10% Somente Comissionado Outros Vínculos Total = Total de Trabalhadores Ensino Superior Dados: CensoSUAS 2014 Total = 5.479

37 Gestão do Trabalho no SUAS Dados Gerais dos Trabalhadores Trabalhadores (as) por Formação Ensino Superior Gestão Municipal + Estadual Órgão Gestor e Unidades CensoSUAS 2014 Estatistica 23 Trabalhadores (as) por Formação Ensino Superior Entidades e Organizações de Assistência Social CensoSUAS 2011 Antropologia 30 Economia Domestica 62 Musicaterapia 111 Pedagogos Economia 286 Assistentes sociais Terapia Ocupacional 408 Psicólogos Sociologia 455 Terapeutas ocupacionais Contabilidade 1168 Advogados Administração Sociólogos 371 Direito 3349 Pedagogia Psicologia Serviço Social 33434

38 Gestão do Trabalho no SUAS Dados Gerais dos Trabalhadores Trabalhadores (as) Ensino Médio Ocupação/Área de ocupação Gestão Municipal e Estadual Órgão Gestor e Unidades Funções Administrativas Gestão Financeira Gestão da informação, monitoramento, avaliação, vigilância socioassistencial, de benefícios, transferência de renda e Cadúnico Cuidador Social Orientador /Educador Social Dados: CensoSUAS 2014

39 Gestão do Trabalho no SUAS Dados Trabalhadores CRAS Equipe de Referência CRAS Coordenador(a) Não há coordenador neste CRAS 18% 9% 3% Exerce exclusivamente a função de coordenador 70% Acumula as funções de coordenador e de técnico neste CRAS Acumula as funções de coordenador com outra atividade da Secretaria Municipal de Assistência Social Dados: CensoSUAS 2014

40 Gestão do Trabalho no SUAS Dados Trabalhadores CREAS Equipe de Referência CREAS Coordenador(a) 21% 6% 4% Não há coordenador neste CREAS Exerce exclusivamente a função de coordenador 69% Acumula as funções de coordenador e de técnico neste CREAS N: Total de CREAS Acumula as funções de coordenador com outra atividade da Secretaria Municipal de Assistência Social Dados: CensoSUAS 2014

41 Gestão do Trabalho no SUAS Dados Trabalhadores CentroPOP Equipe de Referência CentroPOP Coordenador(a) Não há coordenador nesta Unidade 13% 4% 4% Exerce exclusivamente a função de coordenador 79% Acumula as funções de coordenador e de técnico nesta Unidade Acumula as funções de coordenador com outra atividade da Secretaria Municipal de Assistência Social ou do DF Dados: CensoSUAS 2014

42 Gestão do Trabalho no SUAS Dados Trabalhadores Unidades Acolhimento Equipe de Referência Unidades de Acolhimento Ensino Fundamental Enisno Médio Ensino Superior Dados: CensoSUAS 2014

43 Gestão do Trabalho no SUAS Dados Concursos Públicos Municípios que realizaram Concurso Público 11,80% 6,50% 7,50% 5,30% 8,70% 1,80% Nivel Médio Nivel superior N: Total de Municípios CensoSUAS

44 Gestão do Trabalho no SUAS Gestão Municipal Por Região Uso do co-financiamento federal para pagamento de servidores públicos das equipes de referência conforme Art. 6 E Não Sim 38% 62% Censo SUAS 2014

45 Gestão do Trabalho no SUAS Gestão Municipal Por Porte Uso do co-financiamento federal para pagamento de servidores públicos das equipes de referência conforme Art. 6 E Não Sim 38% % Pequeno I Pequeno II Médio Grande Metrópole Censo SUAS 2014

46 Gestão do Trabalho no SUAS Gestão Municipal Percentual dos recursos do cofinanciamento destinado ao pagamento de servidores 286; 8% 236; 7% 571; 17% 2.334; 68% De 41 a 60% De 21 a 40% Até 20% Não sabe Censo SUAS 2014 N: Total de municípios que declaram usar o co-financiamento conforme Art. 6 E

47 Gestão do Trabalho no SUAS Gestão Municipal Plano de Cargos, Carreiras e Salários O Município possui PCCS Não O PCCS pertence a qual órgão do município 1% 3% 4% 11% Sim, para a minoria dos servidores 4% 2% 7% Do próprio órgão gestor da Assistência Social 81% Sim, para a metade dos servidores Centralizado da prefeitura Sim, para a maioria dos servidores Sim, para a totalidade dos servidores 87% Do órgão responsável pelo planejamento De outro órgão Censo SUAS 2014

48 Dados Gestão do Trabalho Santa Catarina

49 Gestão do Trabalho no SUAS Santa Catarina Gestão do Trabalho constituída no Órgão Gestor Municipal 81; 28% 120; 41% Não constituída 91; 31% Sim, na estrutura formal do órgão gestor Sim, de maneira informal Censo SUAS 2014

50 Gestão do Trabalho no SUAS Santa Catarina Escolaridade e Vínculo Gestão Municipal + Estadual Órgão gestor e Unidades Ensino Fundamental Ensino Médio Ensino Superior Total Estatutários Censo SUAS 2014 Empregados Públicos Celetistas Somente Comissionados Outros Vínculos Total

51 Gestão do Trabalho no SUAS Santa Catarina Trabalhadores (as) por Formação de Nível Superior - Gestão Municipal e Estadual Órgão Gestor e Unidades Assistente Social 1453 Psicólogo 803 Pedagogo 526 Administrador(a) 64 Advogado(a) 63 Contador(a) 42 Terapeuta Ocupacional 21 Sociólogo(a) 8 Economista 5 Musicoterapeuta 4 Censo SUAS 2014

52 Gestão do Trabalho no SUAS Santa Catarina Trabalhadores (as) de Nível Médio - Gestão Municipal e Estadual Órgão Gestor e Unidades Orientador Social ou Educador Social 869 Funções administrativas 708 Cuidador Social 378 Funções de gestão da informação, monitoramento, avaliação, vigilância socioassistencial, de benefícios, transferência de renda e CadÚnico 260 Funções de gestão financeira e orçamentária 146 Censo SUAS 2014

53 Gestão do Trabalho no SUAS Santa Catarina Equipes de Referência CRAS Número total de CRAS: 349 Psicologia 396 Serviço Social 557 Censo SUAS 2014

54 Gestão do Trabalho no SUAS Santa Catarina Equipes de Referência CREAS Número total de CREAS: 88 Direito 37 Psicologia 267 Serviço Social 315 Censo SUAS 2014

55 Gestão do Trabalho no SUAS Santa Catarina Equipe de Referência Centro POP Número total de Centro POP: 11 Pedagogia 3 Psicologia 16 Serviço Social 25 Censo SUAS 2014

56 Gestão do Trabalho no SUAS Santa Catarina Equipe de Referência Serviços de Acolhimento Economia 2 Terapia Ocupacional 11 Sociologia 2 Administração 22 Direito 6 Pedagogia 95 Psicologia 153 Serviço Social 205 Censo SUAS 2014

57 Gestão do Trabalho no SUAS Santa Catarina Equipe de Referência Serviço de Convivência Total de unidades: 387 Educador Social 362 Orientador Social 205 Musicotarapia 15 Terapia Ocupacional 27 Administração Economista Domestico 3 6 Pedagogia 377 Psicologia 135 Serviço Social 174 Censo SUAS 2014

58 Gestão do Trabalho no SUAS Santa Catarina Uso do cofinanciamento federal para pagamento de servidores públicos das equipes de referência conforme Art. 6 E da LOAS Não Sim 98; 60,5% 128; 44% 162; 56% 27; 16,5% 25; 15,5% Não De 41 a 60% De 21 a 40% Até 20% Não sabe 12; 7,5% Censo SUAS 2014

59 Gestão do Trabalho no SUAS Santa Catarina O Município possui PCCS Não Sim, para a metade dos servidores Sim, para a minoria dos servidores Sim, para a maioria dos servidores Sim, para a totalidade dos servidores 25% 1% 3% 6% 65% Censo SUAS 2014

60 Gestão do Trabalho no SUAS Santa Catarina Município Realizou concurso - nível superior Não Sim Município Realizou concurso - nível médio Não Sim 8% 5% 92% 95% Censo SUAS 2014

61 Desafios Gestão do Trabalho: Profissionalização da área; Debate sobre o perfil das ocupações (funções e competências); Identidade de trabalhadores do SUAS e reconhecimento da importância da organização dos trabalhadores; Desprecarização dos vínculos de trabalho; Realização de concursos públicos; Instalação das Mesas de Gestão do Trabalho no SUAS; Acompanhamento dos processos de implementação art. 6º E; Diálogo, protocolos e fluxos entre SUAS e Sistema de Justiça; Lei de Responsabilidade fiscal.

62 Desafios Educação Permanente do SUAS Instituir e potencializar a Educação Permanente na Assistência Social; Instituir os Núcleos de Educação Permanente do SUAS; Cofinanciamento das três esferas de Governo para potencializar as ações de formação e de capacitação do CapacitaSUAS; Potencializar os Planos de Capacitação em consonância às necessidades dos trabalhadores e as diretrizes e princípios da PNEP/SUAS; Potencializar a produção e sistematização dos conhecimentos produzidos nos processos formativos e no cotidiano do trabalho; Fomentar pesquisas e extensão; Instituir Fóruns e Observatórios de práticas profissionais; Fomentar a Supervisão Técnica; Instituir a Residência na Assistência Social.

63 A efetivação do SUAS, com a qualidade e alcance almejados, passa pela reconfiguração do Trabalho Social nesta área, no sentido de sua valorização, desfragmentação, profissionalização e formação técnica, política e ética.

64 Obrigado! José Crus Diretor de Gestão do SUAS SNAS/MDS Publicações disponíveis em:

As Ações Estratégicas da Gestão do Trabalho travadas no âmbito da Gestão do SUAS

As Ações Estratégicas da Gestão do Trabalho travadas no âmbito da Gestão do SUAS As Ações Estratégicas da Gestão do Trabalho travadas no âmbito da Gestão do SUAS José Crus Assistente Social Coordenador-Geral Coordenação Geral da Gestão do Trabalho do SUAS Departamento de Gestão do

Leia mais

A GESTÃO DO TRABALHO NO SUAS

A GESTÃO DO TRABALHO NO SUAS A GESTÃO DO TRABALHO NO SUAS III Seminário Estadual de Gestores e Trabalhadores da Assistência Social de Santa Catarina Piratuba - SC CONSIDERAÇÕES INICIAIS: Centralidade do Trabalho na Assistência Social;

Leia mais

A Identidade Profissional dos Trabalhadores da Assistência Social NOB-RH / SUAS

A Identidade Profissional dos Trabalhadores da Assistência Social NOB-RH / SUAS A Identidade Profissional dos Trabalhadores da Assistência Social NOB-RH / SUAS Marcelo Garcia CENSO SUAS 2011 EQUIPES TÉCNICAS SEGUNDO A ESCOLARIDADE Nos Órgãos Municipais da Assistência Social: 40.477

Leia mais

RESOLUÇÃO CNAS Nº 6, DE 13 DE ABRIL DE 2016.

RESOLUÇÃO CNAS Nº 6, DE 13 DE ABRIL DE 2016. RESOLUÇÃO CNAS Nº 6, DE 13 DE ABRIL DE 2016. Estabelece parâmetros para a Supervisão Técnica no âmbito do Sistema Único de Assistência Social SUAS, em consonância com a Política Nacional de Educação Permanente

Leia mais

Orientações Técnicas Centro de Referência de Assistência Social CRAS (2009)

Orientações Técnicas Centro de Referência de Assistência Social CRAS (2009) Orientações Técnicas Centro de Referência de Assistência Social CRAS (2009) Caderno do Cras capítulo 6 Equipe de Referência do CRAS A equipe de referência do CRAS é constituída por profissionais responsáveis

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 32, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 32, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013. Dispõe sobre o Pacto de Aprimoramento da Gestão dos Estados e do Distrito Federal no âmbito do Sistema Único de Assistência Social SUAS, estabelece a revisão

Leia mais

PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS

PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS O NOVO MOMENTO DO SUAS NOBSUAS 2012 PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS O QUE É: Acordo/Compromisso, entre os entes (Federal, Estadual e Municipal), para ajustar o SUAS local.

Leia mais

TEXTO 4 OS DESAFIOS POSTOS PARA EFETIVAÇÃO DA GESTÃO DO TRABALHO NO ÂMBITO DO SUAS 1.

TEXTO 4 OS DESAFIOS POSTOS PARA EFETIVAÇÃO DA GESTÃO DO TRABALHO NO ÂMBITO DO SUAS 1. TEXTO 4 OS DESAFIOS POSTOS PARA EFETIVAÇÃO DA GESTÃO DO TRABALHO NO ÂMBITO DO SUAS 1. Bem, estamos chegando ao fim do nosso estudo e não poderíamos deixar de trazer uma contribuição da nossa Doutora Iamamoto.

Leia mais

PROCESSO DE DEBATE PARA A DEFINIÇÃO DOS TRABALHADORES DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - REUNIÃO DE TRABALHO DOS ARTICULADORES ESTADUAIS/REGIONAIS

PROCESSO DE DEBATE PARA A DEFINIÇÃO DOS TRABALHADORES DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - REUNIÃO DE TRABALHO DOS ARTICULADORES ESTADUAIS/REGIONAIS PROCESSO DE DEBATE PARA A DEFINIÇÃO DOS TRABALHADORES DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - REUNIÃO DE TRABALHO DOS ARTICULADORES ESTADUAIS/REGIONAIS Local: Brasília, DF Data: 31 de agosto de 2010 TEMAS A SEREM ABORDADOS

Leia mais

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS Escolaridade de nível superior de acordo com a NOB/RH/2006

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social Secretaria Nacional de Assistência Social ORIENTAÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS RELATIVOS AO ARTIGO 6º E/LOAS

Ministério do Desenvolvimento Social Secretaria Nacional de Assistência Social ORIENTAÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS RELATIVOS AO ARTIGO 6º E/LOAS ORIENTAÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS RELATIVOS AO ARTIGO 6º E/LOAS INFORMAÇÕES INICIAIS O que é o Art. 6 E da Lei nº 8.742/1993, inserido pela Lei nº 12.435/2011 no texto da Lei Orgânica da Assistência

Leia mais

Organização de Serviços Básicos do SUAS em Comunidades Tradicionais. CONGEMAS Belém/PA 18 a 20 de abril de 2011

Organização de Serviços Básicos do SUAS em Comunidades Tradicionais. CONGEMAS Belém/PA 18 a 20 de abril de 2011 Organização de Serviços Básicos do SUAS em Comunidades Tradicionais CONGEMAS Belém/PA 18 a 20 de abril de 2011 Pilares: Constituição Federal Lei Orgânica de Assistência Social - LOAS Política Nacional

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO SUAS AVANÇOS E DESAFIOS

IMPLEMENTAÇÃO DO SUAS AVANÇOS E DESAFIOS SECRETARIA DE ESTADO DO TRABALHO, EMPREGO E PROMOÇÃO SOCIAL Núcleo de Coordenação da Assistência Social IMPLEMENTAÇÃO DO SUAS AVANÇOS E DESAFIOS POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO VIII CONFERÊNCIA ESTADUAL DE

Leia mais

PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS NOS MUNICÍPIOS

PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS NOS MUNICÍPIOS PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS NOS MUNICÍPIOS PRIORIDADES E METAS PARA A GESTÃO MUNICIPAL DO SUAS PARA O QUADRIÊNIO 2014/2017 André YoSan Analista de Políticas Sociais Coordenador-Geral Substituto Coordenação-Geral

Leia mais

Modelo Brasileiro de Proteção Social: destaques da concepção e da gestão. Abigail Torres Agosto de 2014

Modelo Brasileiro de Proteção Social: destaques da concepção e da gestão. Abigail Torres Agosto de 2014 Modelo Brasileiro de Proteção Social: destaques da concepção e da gestão Abigail Torres Agosto de 2014 Constituição 1988 Institucionalização da AS LOAS 1993 PNAS 2004 NOB 2005 NOB-RH 2006 Tipificação de

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE

Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE Resolução nº XX, de 21 de outubro de 2016 Pactua o desenho do Programa Criança

Leia mais

Oficina: Gestão do Trabalho no SUAS Competências e (Re)Organização

Oficina: Gestão do Trabalho no SUAS Competências e (Re)Organização Oficina: Gestão do Trabalho no SUAS Competências e (Re)Organização Jucimeri Isolda Silveira Qual o significado do trabalho combinado na assistência social? A que projeto político os trabalhadores se vinculam?

Leia mais

Orçamento e Financiamento da Assistência Social Monitoramento e Avaliação da Assistência Social

Orçamento e Financiamento da Assistência Social Monitoramento e Avaliação da Assistência Social Orçamento e Financiamento da Assistência Social Monitoramento e Avaliação da Assistência Social Célio Vanderlei Moraes Orçamento e Financiamento da Assistência Social Orçamento e Financiamento: Definições

Leia mais

Orçamento e Financiamento da Assistência Social

Orçamento e Financiamento da Assistência Social Orçamento e Financiamento da Assistência Social Orçamento e Financiamento: Definições O Orçamento Público é um Planejamento que gera um compromisso de um governo em relação às políticas públicas; Ele reflete

Leia mais

VI SEMINÁRIO DA REDE BRASILEIRA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO 19 a 21 de Novembro de 2014

VI SEMINÁRIO DA REDE BRASILEIRA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO 19 a 21 de Novembro de 2014 [1 ] VI SEMINÁRIO DA REDE BRASILEIRA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO 19 a 21 de Novembro de 2014 O papel estratégico do monitoramento e da avaliação no contexto das políticas públicas: a experiência de execução

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social. Fundo Nacional de Assistência Social

Secretaria Nacional de Assistência Social. Fundo Nacional de Assistência Social Secretaria Nacional de Assistência Social Fundo Nacional de Assistência Social fevereiro / 2011 O PLANEJAMENTO E A EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA DO SUAS Bases Legais do Financiamento Instrumentos

Leia mais

Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social. Recife, 04 de dezembro de 2013.

Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social. Recife, 04 de dezembro de 2013. Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Recife, 04 de dezembro de 2013. Definição Firmado entre a União, Estados, Distrito Federal e municípios; Instrumento pelo qual se materializam

Leia mais

Monitoramento do Sistema Único de Assistência Social

Monitoramento do Sistema Único de Assistência Social Monitoramento do Sistema Único de Assistência Social Módulo CRAS SAGI - Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação MDS - Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome AGENDA O MDS A SAGI Atividades

Leia mais

A produção de indicadores na Secretaria Nacional de Assistência Social

A produção de indicadores na Secretaria Nacional de Assistência Social A produção de indicadores na Secretaria Nacional de Assistência Social Hugo Miguel Pedro Nunes Coordenador Geral dos Serviços de Vigilância Social- substituto Departamento de Gestão do SUAS Secretaria

Leia mais

Plano Decenal da Assistência Social: Desafios para os Entes Federados

Plano Decenal da Assistência Social: Desafios para os Entes Federados Plano Decenal da Assistência Social: Desafios para os Entes Federados Proteção Social para todos/as os/as brasileiros/as II Plano Decenal - 2016/2026 CARACTERÍSTICAS DOS PLANOS São técnicos e políticos;

Leia mais

Qualificação da Gestão

Qualificação da Gestão Qualificação da Gestão O que é o SUS Instituído pela Constituição de 1988, o Sistema Único de Saúde SUS é formado pelo conjunto das ações e serviços de saúde sob gestão pública Com direção única em cada

Leia mais

Caderno de. das equipes de. profissionais. sobre os gastos. no pagamento dos. Orientações técnicas

Caderno de. das equipes de. profissionais. sobre os gastos. no pagamento dos. Orientações técnicas Caderno de Orientações técnicas sobre os gastos no pagamento dos profissionais das equipes de referência do SUAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Caderno de Orientações técnicas sobre

Leia mais

CONCEITOS ADOTADOS: No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010).

CONCEITOS ADOTADOS: No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010). CONCEITOS ADOTADOS: Pessoas com Deficiência são aquelas que têm impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação com diversas barreiras, obstruem

Leia mais

A Política de Assistência Social Um novo desenho.

A Política de Assistência Social Um novo desenho. A Política de Assistência Social Um novo desenho. Profª. Eline Alcoforado Maranhão Sá Profª. Maria Aparecida Guimarães Skorupski Profª Regina Coeli Climaco Matos A Assistência Social como política de proteção

Leia mais

PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS

PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS IMPLANTAÇÃO DA NOB SUAS BRASILIA / JULHO DE 2013 NOB SUAS Aperiodicidade de elaboração do Pacto será quadrienal, com o acompanhamento e a revisão anual das prioridades e

Leia mais

INFORME 03/2013. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social

INFORME 03/2013. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social IX CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL INFORME 03/2013 Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social Conteúdo: Orientações para realização das Conferências Municipais

Leia mais

Estratégia de Monitoramento das unidades do SUAS: CRAS e CREAS

Estratégia de Monitoramento das unidades do SUAS: CRAS e CREAS II Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação Fortaleza, junho de 2010 Estratégia de Monitoramento das unidades do SUAS: CRAS e CREAS Gláucia Macedo / Caio Nakashima Departamento de Gestão

Leia mais

RESIDÊNCIAS INCLUSIVAS

RESIDÊNCIAS INCLUSIVAS Viver sem Limite Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência 2011-2014 RESIDÊNCIAS INCLUSIVAS O que é Residência Inclusiva? A Residência Inclusiva é uma unidade que oferta Serviço de Acolhimento

Leia mais

PROGRAMA RESIDÊNCIA TÉCNICA NA ÁREA

PROGRAMA RESIDÊNCIA TÉCNICA NA ÁREA PROGRAMA RESIDÊNCIA TÉCNICA NA ÁREA DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (SUAS) FERNANDA BERNARDI VIEIRA RICHA TATIANA POSSA SCHAFACHEK 2 Painel 01/003 A construção dos perfis profissionais para a execução

Leia mais

Coordenação de Proteção Social Básica

Coordenação de Proteção Social Básica - S E D S Coordenação de Proteção Social Básica Agosto 212 Coordenação Proteção Social Básica A coordenação e o controle das ações da Política Pública da Assistência Social relacionadas a proteção social

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua O FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL CF-88 art. 204 as ações governamentais na área da assistência social devem ser realizadas com recursos

Leia mais

A Política Nacional de Assistência Social - PNAS e a concepção do Sistema Único de Assistência Social - SUAS

A Política Nacional de Assistência Social - PNAS e a concepção do Sistema Único de Assistência Social - SUAS 1 A Política Nacional de Assistência Social - PNAS e a concepção do Sistema Único de Assistência Social - SUAS Profa. Conferencista: Márcia Terezinha de Oliveira Profa. Web: Larissa Marsolik Tissot 2 Programa

Leia mais

IV JORNADA DE ESTUDOS EM SERVIÇO SOCIAL

IV JORNADA DE ESTUDOS EM SERVIÇO SOCIAL ISSN 2359-1277 AS CONDIÇÕES DE TRABALHO DOS ASSISTENTES SOCIAIS QUE ATUAM NOS MUNICÍPIOS DE ABRANGÊNCIA DO ESCRITÓRIO REGIONAL DE PARANAVAÍ - SECRETARIA DA FAMÍLIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO ESTADO DO

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO E NORMAS DE COOPERAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO E NORMAS DE COOPERAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO E NORMAS DE COOPERAÇÃO Audiência Pública em 14/6/16 Na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados Adão Francisco de Oliveira Secretário de Estado da Educação do Tocantins

Leia mais

Redesenho do PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil

Redesenho do PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Redesenho do PETI Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI É um programa de caráter intersetorial que,no âmbito do SUAS, compreende transferência de renda, trabalho social com famílias e oferta

Leia mais

AÇÕES, SERVIÇOS E BENEFICIOS SOCIOASSISTENCIAIS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES - BAHIA

AÇÕES, SERVIÇOS E BENEFICIOS SOCIOASSISTENCIAIS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES - BAHIA AÇÕES, SERVIÇOS E BENEFICIOS SOCIOASSISTENCIAIS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES - BAHIA Sistema Único de Assistência Social Fundos Conselhos SUAS Planejamento Diagnóstico Rede Socioassistencial Serviços Tipificados

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR

POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Saúde do Trabalhador POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR

Leia mais

PLANO DECENAL Algumas reflexões

PLANO DECENAL Algumas reflexões PLANO DECENAL 2016-2026 Algumas reflexões NOVA FASE DO SUAS 2016-2025 Conjuntura de interinidade federal Ano eleitoral municipal Gestões estaduais em consolidação AMPLIAR A FORÇA ASCENDENTE DO SUAS Promover

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL E DASAFIOS DO COTIDIANO NO CREAS CRIANÇA E ADOLESCENTES (SENTINELA) NO MUNICIPIO DE PONTA GROSSA

PRÁTICA PROFISSIONAL E DASAFIOS DO COTIDIANO NO CREAS CRIANÇA E ADOLESCENTES (SENTINELA) NO MUNICIPIO DE PONTA GROSSA PRÁTICA PROFISSIONAL E DASAFIOS DO COTIDIANO NO CREAS CRIANÇA E ADOLESCENTES (SENTINELA) NO MUNICIPIO DE PONTA GROSSA BARTMEYER, Tania (estagio I), e-mail: taniabartmeyer@hotmail.com VALIGURA, Maristela

Leia mais

O SUAS PARÁ NO PLANO ESTADUAL DE AÇÕES INTEGRADAS SOBRE DROGAS. Meive Ausonia Piacesi

O SUAS PARÁ NO PLANO ESTADUAL DE AÇÕES INTEGRADAS SOBRE DROGAS. Meive Ausonia Piacesi O SUAS PARÁ NO PLANO ESTADUAL DE AÇÕES INTEGRADAS SOBRE DROGAS Meive Ausonia Piacesi POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL Sistema Único de Assistência Social - SUAS INDIVÍDUOS E FAMÍLIAS EM SITUAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO N 26, DE 16 DE SETEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO N 26, DE 16 DE SETEMBRO DE 2011. RESOLUÇÃO N 26, DE 16 DE SETEMBRO DE 2011. Aprova os critérios para expansão 2011 do cofinanciamento federal, nos serviços de proteção social básica, apresentados pela SNAS O CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 5 09/02/2009 07:57 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.825, DE 29 DE JUNHO DE 2006. Estabelece as diretrizes para elaboração do Plano de Desenvolvimento

Leia mais

REDE SOCIOASSISTENCIAL

REDE SOCIOASSISTENCIAL REDE SOCIOASSISTENCIAL O que é Vulnerabilidade Social? Pode ser entendida como a condição de risco em que uma pessoa se encontra. Um conjunto de situações mais, ou menos problemáticas, que situam a pessoa

Leia mais

Criando Conhecimento e Desenvolvendo Competências ESCOLA DE GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL

Criando Conhecimento e Desenvolvendo Competências ESCOLA DE GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL Criando Conhecimento e Desenvolvendo Competências ESCOLA DE GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL Plano de Trabalho 2013 PALAVRA DO PRESIDENTE Desde 2007, os municípios de Santa Catarina contam com a Escola de Gestão

Leia mais

4 Perfil do Quadro de Servidores

4 Perfil do Quadro de Servidores 4 Perfil do Quadro de Servidores 4.1 Servidores Docentes O quadro de servidores docentes do IFRO é composto por Professores do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico regidos pela Lei nº 8.112/90 e Lei nº

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.825, DE 29 DE JUNHO DE 2006. Estabelece as diretrizes para elaboração do Plano de Desenvolvimento dos Integrantes do Plano

Leia mais

Curso de Especialização em Gestão do Trabalho e da Educação em Saúde

Curso de Especialização em Gestão do Trabalho e da Educação em Saúde Curso de Especialização em Gestão do Trabalho e da Educação em Saúde EXERCÍCIO DE ENLACE Os Exercícios de Enlace irão compor as três unidades de aprendizagem do curso de especialização. O objetivo desses

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE ORÇAMENTO FEDERAL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE ORÇAMENTO FEDERAL REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE ORÇAMENTO FEDERAL ORÇAMENTOS DA UNIÃO EXERCÍCIO FINANCEIRO 2015 PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Leia mais

Avaliação e Monitoramento do PME. Professora Marcia Adriana de Carvalho

Avaliação e Monitoramento do PME. Professora Marcia Adriana de Carvalho Avaliação e Monitoramento do PME Professora Marcia Adriana de Carvalho TEMAS 1 Por que avaliar e monitorar o PME 2 Qual a diferença entre avaliar e monitorar 3 4 Como definir plano de ações para o período

Leia mais

PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO ESTADUAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO ESTADUAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO ESTADUAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL A Gestão proposta pelo SUAS pauta-se no Pacto Federativo onde devem ser atribuídas e detalhadas as competências e responsabilidades

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social Secretaria Nacional de Assistência Social. Índice de Gestão Descentralizada do SUAS - IGDSUAS

Ministério do Desenvolvimento Social Secretaria Nacional de Assistência Social. Índice de Gestão Descentralizada do SUAS - IGDSUAS Índice de Gestão Descentralizada do SUAS - IGDSUAS MARCO LEGAL O IGDSUAS foi instituído pela Lei n.º 12.435/2011, que altera a Lei n.º 8.742/1993 (LOAS) art. 12-A Regulamentado pelo Decreto n.º 7.636 de

Leia mais

CONTROLE SOCIAL e PARTICIPAÇÃO NO SUS: O PAPEL DO CONSELHO ESTADUAL DE SAÚDE

CONTROLE SOCIAL e PARTICIPAÇÃO NO SUS: O PAPEL DO CONSELHO ESTADUAL DE SAÚDE CONTROLE SOCIAL e PARTICIPAÇÃO NO SUS: O PAPEL DO CONSELHO ESTADUAL DE SAÚDE EDERSON ALVES DA SILVA Vice-Presidente Conselho Estadual de Saúde de Minas Gerais conselhoestadualdesaudemg@gmail.com O Sistema

Leia mais

III Projeto Político Pedagógico. 3.1 Princípios. 3.2 Valores. Valorização da educação pela oferta de um ensino de qualidade.

III Projeto Político Pedagógico. 3.1 Princípios. 3.2 Valores. Valorização da educação pela oferta de um ensino de qualidade. Quatro pilares do conhecimento. Pedagogia da Presença. Educação Interdimensional. Protagonismo Juvenil. III Projeto Político Pedagógico 3.1 Princípios 3.2 Valores Valorização da educação pela oferta de

Leia mais

*2FF6B6EB* PROJETO DE LEI. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Emprego, criado pelo Decreto n o , de 8 de outubro de 1975.

*2FF6B6EB* PROJETO DE LEI. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Emprego, criado pelo Decreto n o , de 8 de outubro de 1975. ** PROJETO DE LEI Dispõe sobre o Sistema Nacional de Emprego, criado pelo Decreto n o 76.403, de 8 de outubro de 1975. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei, tendo em vista o disposto no inciso

Leia mais

AVALIAÇÃO E GESTÃO DA INFORMAÇÃO

AVALIAÇÃO E GESTÃO DA INFORMAÇÃO 8 AVALIAÇÃO E GESTÃO DA INFORMAÇÃO 130 Dentre as atividades de apoio para o desenvolvimento das políticas sociais, o Governo Federal investe em ações de avaliação, gestão da informação, disseminação do

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Assistência Social séculos de assistencialismo contra 13 anos de LOAS Legado : A assistência social como favor, como algo complementar, a subsidiar aqueles que não tiveram

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CARACTERIZAÇÃO DO CAMPO DE ESTÁGO CENTRO DE REFERÊNCIA ASSISTÊNCIA SOCIAL VILA ROSA - PALMEIRA - PR

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CARACTERIZAÇÃO DO CAMPO DE ESTÁGO CENTRO DE REFERÊNCIA ASSISTÊNCIA SOCIAL VILA ROSA - PALMEIRA - PR VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL GARCIA, Andressa de Oliveira 1. TRENTINI, Fabiana Vosgerau 2. CARACTERIZAÇÃO DO CAMPO DE ESTÁGO CENTRO DE REFERÊNCIA ASSISTÊNCIA SOCIAL VILA ROSA - PALMEIRA -

Leia mais

Mini Curso Orientações para a elaboração dos Planos Decenais Municipais

Mini Curso Orientações para a elaboração dos Planos Decenais Municipais XVIII ENCONTRO NACIONAL DO CONGEMAS Plano Decenal: Concretizando o Pacto Federativo Brasília, 23 a 25 de maio de 2016 Mini Curso Orientações para a elaboração dos Planos Decenais Municipais Facilitadoras:

Leia mais

NASF e PAIF/CRAS: a contribuição de cada serviço para a garantia dos direitos. Débora Martini

NASF e PAIF/CRAS: a contribuição de cada serviço para a garantia dos direitos. Débora Martini NASF e PAIF/CRAS: a contribuição de cada serviço para a garantia dos direitos Débora Martini Saúde Direito de todos Núcleo de Apoio a Saúde da Família - NASF Atenção Primária à Saúde Centros de Saúde Assistência

Leia mais

MINICURSO ELABORAÇÃO DE PLANOS DE EDUCACÃO PERMANENTE

MINICURSO ELABORAÇÃO DE PLANOS DE EDUCACÃO PERMANENTE MINICURSO ELABORAÇÃO DE PLANOS DE EDUCACÃO PERMANENTE Objetivo Geral Apresentar a finalidade e a necessidade de elaboração do Plano (Estadual ou Municipal) de Educação Permanente (PEP), a partir da construção

Leia mais

NOTA TÉCNICA N. 028/2013 Brasília, 21 de agosto de Desenvolvimento Social. O Planejamento da Assistência Social no Plano Plurianual.

NOTA TÉCNICA N. 028/2013 Brasília, 21 de agosto de Desenvolvimento Social. O Planejamento da Assistência Social no Plano Plurianual. NOTA TÉCNICA N. 028/2013 Brasília, 21 de agosto de 2013. ÁREA: TÍTULO: Desenvolvimento Social. O Planejamento da Assistência Social no Plano Plurianual. REFERÊNCIA: Lei 4.320, de 1964; Lei Complementar

Leia mais

1º ENCONTRO INTERMUNICIPAL DE ESCOLAS DE GOVERNO DA REGIÃO DE SOROCABA

1º ENCONTRO INTERMUNICIPAL DE ESCOLAS DE GOVERNO DA REGIÃO DE SOROCABA 1º ENCONTRO INTERMUNICIPAL DE ESCOLAS DE GOVERNO DA REGIÃO DE SOROCABA A Avaliação de Desempenho em municípios paulistas, com destaque para o município de Tarumã Maria do Carmo M. T. Cruz Gestão de Pessoas

Leia mais

EDITAL N.º 17/2016 ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC. Competência: Visão Estratégica

EDITAL N.º 17/2016 ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC. Competência: Visão Estratégica 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS JOÃO PESSOA PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE GESTORES

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 34, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº 34, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2011. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Esplanada dos Ministérios, bloco F, anexo, ala A, 1º andar, Brasília/DF CEP: 70059-900 RESOLUÇÃO Nº 34, DE

Leia mais

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Marcelo De Nardi Porto Alegre, 04 de julho de 2011. CONTEXTUALIZAÇÃO Poder Judiciário no Contexto da Gestão Pública Nacional Processos

Leia mais

O PSICÓLOGO NO SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL: MAPEANDO REDES DE SERVIÇOS NAS REGIÕES SUL E CENTRO-OESTE DO PAÍS

O PSICÓLOGO NO SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL: MAPEANDO REDES DE SERVIÇOS NAS REGIÕES SUL E CENTRO-OESTE DO PAÍS O PSICÓLOGO NO SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL: MAPEANDO REDES DE SERVIÇOS NAS REGIÕES SUL E CENTRO-OESTE DO PAÍS Davi Magalhães Carvalho (bolsista ICV, graduação em Psicologia UFPI/CMRV), João Paulo

Leia mais

PROPOSTA PARA NOVO ID-CRAS 2014

PROPOSTA PARA NOVO ID-CRAS 2014 PROPOSTA PARA NOVO ID-CRAS 2014 Proposta de Metodologia de Cálculo para o Índice de Desenvolvimento dos Centros de Referências da Assistência Social (CRAS) Ministério do Desenvolvimento Social e Combate

Leia mais

ESTRUTURA DA CARREIRA

ESTRUTURA DA CARREIRA ESTRUTURA DA CARREIRA Os 365 cargos foram classificados a partir dos requisitos de escolaridade, nível de responsabilidade, conhecimentos, habilidades específicas, formação especializada, experiência,

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA. Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência/CD Comissão de Seguridade Social e Família/

AUDIÊNCIA PÚBLICA. Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência/CD Comissão de Seguridade Social e Família/ AUDIÊNCIA PÚBLICA Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência/CD Comissão de Seguridade Social e Família/ Brasília, 13 de maio de 2015 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Leia mais

Apoio Técnico da Vigilância Socioassistencial. 04:Principais instrumentos e fontes de informação

Apoio Técnico da Vigilância Socioassistencial. 04:Principais instrumentos e fontes de informação Apoio Técnico da Vigilância Socioassistencial 04:Principais instrumentos e fontes de informação Módulo 04:Principais instrumentos e fontes de informação MÓDULOS DO APOIO TÉCNICO Módulo 1: Introdução à

Leia mais

ROTEIRO PROPOSITIVO Proposta Preliminar de Estrutura e Organização do Documento-Referência

ROTEIRO PROPOSITIVO Proposta Preliminar de Estrutura e Organização do Documento-Referência ROTEIRO PROPOSITIVO Proposta Preliminar de Estrutura e Organização do Documento-Referência Introdução: Proposta preliminar construída a partir do documento final da Conae 2014, do PNE e das contribuições

Leia mais

(a) Metropolitana Garanhuns TOTAIS QUANTITATIVO DE VAGAS FUNÇÃO. Metropolitana Garanhuns TOTAIS

(a) Metropolitana Garanhuns TOTAIS QUANTITATIVO DE VAGAS FUNÇÃO. Metropolitana Garanhuns TOTAIS ANEXO I QUADRO DE VAGAS, REQUISITOS, REMUNERAÇÃO MENSAL, JORNADA DE TRABALHO E ATRIBUIÇÕES. I VAGAS POR LOTAÇÃO, COM RESERVA PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. 1.1 Nível Superior Advogado Região 02 01 03 (a)

Leia mais

Pacto de Gestão do SUS. Pacto pela Vida. Pacto em Defesa do SUS

Pacto de Gestão do SUS. Pacto pela Vida. Pacto em Defesa do SUS Pacto de Gestão do SUS Pacto pela Vida Pacto em Defesa do SUS PACTO PELA SAÚDE Conjunto de reformas institucionais do SUS. Pacto entre União, Estados e Municípios. Objetivo - promover inovações nos processos

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social 1

IX Conferência Nacional de Assistência Social 1 IX Conferência Nacional de Assistência Social INFORMATIVO Nº08/2013 SOBRE A MOBILIZAÇÃO PARA A PARTICIPAÇÃO DOS USUÁRIOS NAS CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL IX Conferência Nacional de Assistência Social

Leia mais

OFICINA: VIGILÂNCIA SOCIAL. CLARICE IMPERIAL Fortaleza, março de 2012

OFICINA: VIGILÂNCIA SOCIAL. CLARICE IMPERIAL Fortaleza, março de 2012 OFICINA: VIGILÂNCIA SOCIAL CLARICE IMPERIAL Fortaleza, março de 2012 FOTO Capital do Espírito Santo Possui 327.801 habitantes Censo 2010 Compõem com outros seis municípios (Cariacica, Fundão, Guarapari,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA

PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA 2012 PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA POLÍTICAS DE PROTEÇÃO POLÍTICA PÚBLICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL/ PROTEÇÃO ESPECIAL META: COMBATE AO TRABALHO INFANTIL

Leia mais

PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E VENCIMENTOS

PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E VENCIMENTOS III Congresso Consad de Gestão Pública PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E VENCIMENTOS Fernanda Mayer dos Santos Souza Painel 02/008 Avaliação de desempenho e remuneração variável PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E

Leia mais

O BPC Trabalho. XIV ENCONTRO NACIONAL DO CONGEMAS Oficina de Operacionalização do BPC Trabalho e BPC na Escola Fortaleza, março de 2012

O BPC Trabalho. XIV ENCONTRO NACIONAL DO CONGEMAS Oficina de Operacionalização do BPC Trabalho e BPC na Escola Fortaleza, março de 2012 O BPC Trabalho XIV ENCONTRO NACIONAL DO CONGEMAS Oficina de Operacionalização do BPC Trabalho e BPC na Escola Fortaleza, março de 2012 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome - MDS Secretaria

Leia mais

IX JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS PALMEIRA¹ / PR.

IX JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS PALMEIRA¹ / PR. IX JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS PALMEIRA¹ / PR. MARTINS, Mayara Lucia (Estágio I), e-mail: mayamartins1993@hotmail.com.

Leia mais

INDEPAC MISSÃO VISÃO

INDEPAC MISSÃO VISÃO O INDEPAC é especializado em serviços de Consultoria e Assessoria Educacional, nas dimensões: administrativa, jurídica e pedagógica, além de oferecer cursos de formação em serviço, voltados para o aprimoramento

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: 1. Sistema Único de Assistência Social (Suas) 2. Assistência Social. 3. Organização da Sociedade Civil. 4. Marco Regulatório.

PALAVRAS-CHAVE: 1. Sistema Único de Assistência Social (Suas) 2. Assistência Social. 3. Organização da Sociedade Civil. 4. Marco Regulatório. NOTA TÉCNICA N o 12/2017 Brasília, 24 de fevereiro de 2017 ÁREA: Assistência Social TÍTULO: Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil no Suas REFERÊNCIAS: Lei 8.742, de 7 de dezembro de 1993.

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul MUNICÍPIO DE CAPÃO DO CIPÓ Gabinete do Prefeito Municipal LEI Nº 648, DE 11 DE ABRIL DE 2013.

Estado do Rio Grande do Sul MUNICÍPIO DE CAPÃO DO CIPÓ Gabinete do Prefeito Municipal LEI Nº 648, DE 11 DE ABRIL DE 2013. LEI Nº 648, DE 11 DE ABRIL DE 2013. AUTORIZA O MUNICÍPIO DE CAPÃO DO CIPÓ A CONTRATAR, EM CARÁTER TEMPORÁRIO, PROFISSIONAL PARA O DESEMVOLVIMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE INCLUSÃO DE JOVENS - PROJOVEM ADOLESCENTE.

Leia mais

CARTA DE GOIÂNIA - GO

CARTA DE GOIÂNIA - GO CARTA DE GOIÂNIA - GO Nos dias 8 e 9 de junho de 2011, em Goiânia, foi realizado o III Encontro Regional dos Fóruns Estaduais de Educação Infantil da Região Centro-Oeste, com a temática Educação Infantil:

Leia mais

D E C R E T A. a) dos cursos de licenciaturas; b) das residências pedagógicas; c) das práticas pedagógicas curriculares;

D E C R E T A. a) dos cursos de licenciaturas; b) das residências pedagógicas; c) das práticas pedagógicas curriculares; Imprimir "Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial do Estado." DECRETO Nº 16.718 DE 11 DE MAIO DE 2016 Dispõe sobre a instituição e organização dos Complexos Integrados de Educação, no âmbito

Leia mais

ANEXO I CARGO: PROFESSOR ATRIBUIÇÕES:

ANEXO I CARGO: PROFESSOR ATRIBUIÇÕES: ANEXO I CARGO: PROFESSOR ATRIBUIÇÕES: a) Descrição Sintética: Orientar a aprendizagem do aluno; participar no processo de planejamento das atividades da escola; organizar as operações inerentes ao processo

Leia mais

Os 10 anos do Sistema Único de Assistência Social SUAS

Os 10 anos do Sistema Único de Assistência Social SUAS Os 10 anos do Sistema Único de Assistência Social SUAS Em 2015, o SUAS comemora uma década de existência. A experiência de implementação do Sistema público resulta da decisão política de priorização da

Leia mais

Ofício Circular S/SUBPAV/SAP/CPNASF n.º 05/2016

Ofício Circular S/SUBPAV/SAP/CPNASF n.º 05/2016 Ofício Circular S/SUBPAV/SAP/CPNASF n.º 05/2016 Rio de Janeiro, 07 de dezembro de 2016. Às Coordenadorias Gerais de Atenção Primária, com vistas às Organizações Sociais de Saúde Assunto: Diretrizes de

Leia mais

Reabilitação Integral: o desafio de uma política intersetorial. Conselho Nacional de Previdência Social

Reabilitação Integral: o desafio de uma política intersetorial. Conselho Nacional de Previdência Social Reabilitação Integral: o desafio de uma política intersetorial. Conselho Nacional de Previdência Social Junho 2016 Reabilitação Profissional Lei 8213/1991 Artigo 89 Decreto 3048/1999 Artigo 136 A prestação

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe confere o inciso I do parágrafo único do art. 87 da Constituição, e

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe confere o inciso I do parágrafo único do art. 87 da Constituição, e PORTARIA No- 2.728, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador (RENAST) e dá outras providências. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

NORMA OPERACIONAL BÁSICA DE RECURSOS HUMANOS DO SUAS NOB-RH/SUAS

NORMA OPERACIONAL BÁSICA DE RECURSOS HUMANOS DO SUAS NOB-RH/SUAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional da Assistência Social NORMA OPERACIONAL BÁSICA DE RECURSOS HUMANOS DO SUAS NOB-RH/SUAS SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SUAS

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social Abril/2013

Secretaria Nacional de Assistência Social Abril/2013 Secretaria Nacional de Assistência Social Abril/2013 Resgate Histórico Contextualização Inovações Regras de Transição Resgate Histórico 3 Resgate Histórico NOB-SUAS/2005 detalhes sobre o financiamento

Leia mais

Circular 02 - Frente em Defesa do SUAS e da Seguridade Social

Circular 02 - Frente em Defesa do SUAS e da Seguridade Social Circular 02 - Frente em Defesa do SUAS e da Seguridade Social Brasília, 5 de junho de 2016. A Frente em Defesa do SUAS e da Seguridade Social, por meio do grupo de trabalho de mobilização constituído em

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 5 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 5 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 17, DE 5 DE JUNHO DE 2014 Aprova metas e critérios de partilha para o cofinanciamento federal do Programa Nacional de Promoção da Integração ao Mundo do Trabalho para o exercício de 2014 e

Leia mais

CENTRO DE DEFESA DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (CEDECA RIO DE JANEIRO)

CENTRO DE DEFESA DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (CEDECA RIO DE JANEIRO) CENTRO DE DEFESA DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (CEDECA RIO DE JANEIRO) CNPJ Nº 10.832.372/0001-38 EDITAL Nº 001 /2017 O CENTRO DE DEFESA DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CEDECA RJ, no

Leia mais

Avaliação do repasse anual fundo a fundo para a estruturação e implementação das ações de Alimentação e Nutrição no SUS

Avaliação do repasse anual fundo a fundo para a estruturação e implementação das ações de Alimentação e Nutrição no SUS Avaliação do repasse anual fundo a fundo para a estruturação e implementação das ações de Alimentação e Nutrição no SUS BRASÍLIA DF 2015 Equipe Coordenação Maria Fabiana Damásio Passos, FIOCRUZ Leonor

Leia mais