Legrand Cabling Systems

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Legrand Cabling Systems"

Transcrição

1 Legrand Cabling Systems Módulo VII Outras normas Visão geral sobre outras normas ANSI/EIA/TIA que possuem relação com a ANSI/TIA 568.C 03/2016 CENTRO DE SUPORTE TÉCNICO / FORMAÇÃO Paulo Morais (31)

2 ANSI/TIA-606-B: 2012 Padrão para administração de infraestrutura de telecomunicações em edifícios comerciais 03/2016 CENTRO DE SUPORTE TÉCNICO / FORMAÇÃO

3 ANSI/TIA-606-B:2012 Especifica a administração para um cabeamento genérico para múltiplos usos e fabricantes, provê administração uniforme independente de aplicações que podem mudar diversas vezes durante a vida útil da infraestrutura de telecomunicações.

4 ANSI/TIA-606-B:2012 Principais considerações sobre as etiquetas e os registros O tamanho da identificação, cor e contraste par facilitar localização e leitura Deve ser resistente ao ambiente instalado (pó, vapor, etc) Deve durar pelo menos o mesmo tempo que o componente que identifica Devem ser gerados mecanicamente, não manuscritos Os identificadores devem ter relação com registros Os registros devem ser centralizados e controlados unicamente Movimentações e alterações devem ser atualizadas nos registros

5 Documentação e identificação Considerações importantes Patch cords devem ser identificados em ambas as extremidades para facilitar a localização no rack A identificação dos patch cords das estações de trabalho e a utilização de produtos que impeçam que os patch cords que foram testados no canal sejam mudados de seus locais originários

6 ANSI/TIA-607-B: 2011 Padrão para aterramento de telecomunicações em edifícios comerciais 03/2016 CENTRO DE SUPORTE TÉCNICO / FORMAÇÃO

7 ANSI/TIA-607-B:2011 Requerimentos para aterramento de telecomunicações em edifícios comerciais. Define padrões como bitola de cabos de terra, resistência, distâncias, conexões e materiais e geral para sistemas de aterramento.

8 ANSI/TIA-607-B:2011 Principais considerações: Terra único equipotencializado com outros sistemas Barra principal de aterramento (TMGB) Entrada de Serviços Barras secundárias em cada TR A cada 3 andares equalizar com o extremo oposto Todos os elementos metálicos da infraestrutura de um edifício devem ser aterrados.

9 ANSI/TIA-942-A:2013 Padrão de infraestrutura de telecomunicações para data centers 03/2016 CENTRO DE SUPORTE TÉCNICO / FORMAÇÃO

10 ANSI/TIA-942-A:2013 A Norma 942-A define padrões de infraestrutura de telecomunicações e facilities em ambientes de data centers. Foi publicada pela primeira vez em 2005 e teve a sua primeira revisão em 2013 e ainda é a versão vigente.

11 ANSI/TIA-942-A:2013 Abrangência da norma Níveis de disponibilidade (Tier I a IV) Topologia da rede Layout dos racks e gabinetes Cabeamento de telecomunicações Distribuição elétrica Climatização Segurança (patrimonial e proteção à vida) Arquitetura

12 ANSI/TIA-942-A:2013 Principais considerações Piso elevado: distribuição, suporte a carga, aterramento Ar condicionado Segurança, monitoramento e acesso; Administração; Fluxo de ar; Suportes e montagem; Energia e iluminação Cabeamento Prevenção, Detecção e combate a incêndio

13 ANSI/TIA-570-C: 2012 Padrão cabeamento e infraestrutura de telecomunicações em residências 03/2016 CENTRO DE SUPORTE TÉCNICO / FORMAÇÃO

14 ANSI/TIA-570-C:2012 Premissas para projeto e implantação de sistemas de voz, dados e imagem em residências. Entretenimento (Video/Audio) Voz Vigilância e segurança Automação Dados Sistema de detecção e combate a incêndio Controle ambiental

15 ANSI/TIA-570-C:2012

16 ANSI/TIA-570-C:2012 Cabos reconhecidos Cabo de par trançado não blindado (unshielded twisted-pair - UTP) de quatro pares, categoria 5e ou 6; Cabo coaxial de 75 ohm RG6 para CATV; Cabo coaxial de 75 ohm RG59 para CFTV; Cabos de fibra óptica multimodo e monomodo

17 ANSI/TIA-758-B: 2012 Padrão de infraestrutura de telecomunicações para planta externa de um único cliente 03/2016 CENTRO DE SUPORTE TÉCNICO / FORMAÇÃO

18 ANSI/TIA-758-B:2012 O propósito desta norma é orientar as melhores práticas para projetos e instalação de infraestrutura de cabeamento estruturado em planta externa.

19 ANSI/TIA-758-B:2012 Principais considerações sobre planta externa Caminhos e espaços - Aéreos: cabos aéreos, distâncias de postes, aterramento, ancoragem, proteção (elétrica, raios UV, mecânica), limites de transmissão - Enterrados: Caixas de passagem, valas, tubulação Topologia: estrela hierárquica de 2 níveis Tipos de cabos reconhecidos - cabo de pares trançados balanceado 100Ω - Fibra óptica multimodo - Fibra óptica monomodo - cabo coaxial 75Ω

20 ANSI/TIA-758-B:2012 Principais considerações sobre planta externa Considerações ambientais Raios de curvatura dos cabos Tipos de dutos Muitas práticas de planta externa variam em função da localização geográfica da instalação e em muitos casos não se aplicam no Brasil como precauções contra abalos sísmicos ou neve. Por isso temos que recorrer às orientações dos fabricantes que tem representação local e produtos desenvolvidos para este mercado específico.

21 ANSI/TIA-862-B: 2016 Padrão de infraestrutura de cabeamento estruturado para sistemas de automação em edifícios inteligentes 03/2016 CENTRO DE SUPORTE TÉCNICO / FORMAÇÃO

22 ANSI/TIA-862-B:2016 Este padrão especifica sistemas de cabeamento genérico para sistemas de automação predial.

23 ANSI/TIA-862-B:2016 Principais considerações sobre cabeamento estruturado para atender a sistemas de automação predial Segue estritamente as recomendações da TIA 568 Lança mão de alguns recursos pouco usados em sistemas de cabeamento comuns como bridgings, TAP s, splitters, conversores, balun s, etc

24 ANSI/TIA-1005-A: 2012 Padrão de infraestrutura de cabeamento estruturado para ambientes industriais 03/2016 CENTRO DE SUPORTE TÉCNICO / FORMAÇÃO

25 ANSI/TIA-1005-A:2012 Este padrão especifica sistemas de cabeamento para suportar as premissas de aplicações industriais.

26 ANSI/TIA-1005-A:2012 Principais considerações sobre a TIA 1005-A Segue as recomendações da TIA 568 com relação a desempenho, porém tem recomendações especificas para: - Aplicações industriais e controles prediais - Voz, dados e imagem - Segurança e Incêndio Prevê sistemas completos para suportar exposição em locais agressivos com grandes variações de temperatura, humidade, EMI, estática, vibração, corrosão, poeira,

27 ANSI/TIA-1179 Padrão de infraestrutura de telecomunicações para ambientes hospitalares e de saúde. 03/2016 CENTRO DE SUPORTE TÉCNICO / FORMAÇÃO

28 ANSI/TIA-1179 Esta norma tem como premissa melhorar a qualidade dos serviços de saúde e segurança de ambientes hospitalares considerando as características destas áreas e as frequentes transformações de rotinas.

29 EIA/ECA-310-E:2005 Racks, gabinetes, painéis e equipamentos associados 03/2016 CENTRO DE SUPORTE TÉCNICO / FORMAÇÃO

30 EIA/ECA-310-E:2005 Esta norma estabelece padrões para racks e gabinetes.

31 EIA/ECA-310-E:2005 Principais considerações: Reconhece racks de 19, 24 e 30 Define critérios de aterramento, gerenciamento de cabos, capacidade de carga, fluxo de ar, portas e energia Unidade de Rack (UR) = 44,45mm Tamanho e espaçamento dos furos dos racks (redondos ou quadrados)

32 Dúvidas????

Legrand Cabling Systems

Legrand Cabling Systems Legrand Cabling Systems Módulo IV TIA 568.C - Parâmetros para projeto Conceitos de projeto para sistemas de cabeamento estruturado 03/2016 CENTRO DE SUPORTE TÉCNICO / FORMAÇÃO Paulo Morais (31) 9 9922-4489

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 8 Projeto em cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 8 Projeto em cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 8 Projeto em cabeamento Projetos de cabeamento O serviço de execução do cabeamento em uma rede não consiste apenas no lançamento dos cabos. Quando um cliente solicita uma

Leia mais

Subsistemas e recomendações de projeto segundo NBR Segundo a ABNT os subsistemas do cabeamento, se subdividem conforme o desenho abaixo:

Subsistemas e recomendações de projeto segundo NBR Segundo a ABNT os subsistemas do cabeamento, se subdividem conforme o desenho abaixo: Subsistemas e recomendações de projeto segundo NBR 14565 Segundo a ABNT os subsistemas do cabeamento, se subdividem conforme o desenho abaixo: Projeto de rede secundária O desenvolvimento do projeto consiste

Leia mais

Redes. Cabeamento Estruturado

Redes. Cabeamento Estruturado Redes Cabeamento Estruturado Redes de Computadores Uso Doméstico Comércio Eletrônico Entretenimento Comunicação entre pessoas (bate-papo, comunicação instântanea, etc) Acesso a informações remotas Redes

Leia mais

Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO. Topologias Lógicas x Topologias Físicas 01/09/2016

Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO. Topologias Lógicas x Topologias Físicas 01/09/2016 Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO Uma rede de computadores é um conjunto de recursos inter-relacionados e interligados com o objetivo de formar um sistema em comum. PROF. FABRICIO

Leia mais

Simbologia de Projetos de redes. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Simbologia de Projetos de redes. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Simbologia de Projetos de redes Prof. Marciano dos Santos Dionizio Redes de Computadores Uso Doméstico Comércio Eletrônico Entretenimento Comunicação entre pessoas (bate-papo, comunicação instântanea,

Leia mais

PROJETO DE INFRAESTRUTURA DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES IRT Curso Técnico em Telecomunicações 4ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral

PROJETO DE INFRAESTRUTURA DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES IRT Curso Técnico em Telecomunicações 4ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral PROJETO DE INFRAESTRUTURA DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES IRT11104 Curso Técnico em Telecomunicações 4ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral 2016-1 Visão geral do cabeamento estruturado Distribuidor de campus

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Padrões ANSI/TIA/EIA-568 - Cabeamento Estruturado (CE) ANSI/TIA/EIA-569 - Caminhos e espaços para CE ANSI/TIA/EIA-606 - Administração de CE ANSI/TIA/EIA-607 - Aterramento de CE ISO/IEC

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 7 Blindagem e Aterramento do Cabeamento Estruturado

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 7 Blindagem e Aterramento do Cabeamento Estruturado APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 7 Blindagem e Aterramento do Cabeamento Estruturado Porque blindar ou aterrar? Quando um cabo é submetido a um campo eletromagnético, correntes e tensões são induzidas em

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA

CONSIDERAÇÕES SOBRE INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA CONSIDERAÇÕES SOBRE INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA. - 1 Todo o aterramento/conexão à terra e vinculação de terras (bonding) deverá atender aos códigos e regulamentos aplicáveis. Proteção de Circuito - 2

Leia mais

Cabeamento Estruturado CAB Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral

Cabeamento Estruturado CAB Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral Cabeamento Estruturado CAB6080721 Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral 2016-1 Um pouco de história Nos anos 80, empresas como AT&T e IBM tinham seus próprios

Leia mais

Cabeamento Estruturado CAB Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral

Cabeamento Estruturado CAB Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral Cabeamento Estruturado CAB6080721 Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral 2016-1 Revisão: Lista de exercícios 1 Explique o que é banda passante? Que unidades

Leia mais

Legrand Cabling Systems

Legrand Cabling Systems Legrand Cabling Systems Módulo VIII Solução Legrand Linha completa de produtos para sistemas de Cabeamento Estruturado 03/2016 CENTRO DE SUPORTE TÉCNICO / FORMAÇÃO Paulo Morais (31) 9 9922-4489 paulo.morais@psmgestec.com.br

Leia mais

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Cabo Coaxial

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Cabo Coaxial Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado Prof. Alexandre Beletti Ferreira COMPOSTO POR: Cabo Coaxial Fio de cobre rígido que forma o núcleo Envolto por um material isolante, O isolante, por

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - CAMPUS DE OEIRAS

MEMORIAL DESCRITIVO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - CAMPUS DE OEIRAS Projeto de Telefonia e Lógica por Cabeamento estruturado MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES DE TELEFONIA E LÓGICA POR CABEAMENTO ESTRUTURADO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - CAMPUS DE OEIRAS FAZENDA TALHADA,

Leia mais

Normas para cabeamento estruturado

Normas para cabeamento estruturado Normas para cabeamento estruturado Recomendações normativas para cabeamento estruturado em edifícios comerciais e em data centers. Frequentemente observamos projetos de cabeamento estruturado sendo feitos

Leia mais

PORTFÓLIO DE PRODUTOS E SERVIÇOS

PORTFÓLIO DE PRODUTOS E SERVIÇOS Desde já agradecemos a oportunidade de apresentarmos nossa empresa, nossos produtos e nossos serviços. O corpo diretivo da IDX Networks percebe como principal prioridade a qualidade. Assim, seguimos os

Leia mais

Cabeamento Estruturado CAB Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral

Cabeamento Estruturado CAB Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral Cabeamento Estruturado CAB6080721 Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral 2016-1 Revisão da aula anterior... Atenuação Maior em maiores frequências e maior comprimento

Leia mais

Capítulo 7 - Tecnologias Ethernet. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de Página

Capítulo 7 - Tecnologias Ethernet. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de Página Capítulo 7 - Tecnologias Ethernet 1 Tipos de Ethernet Quatro características comuns em todos os tipos de Ethernet: parâmetros de temporização, o formato de quadros, o processo de transmissão e as regras

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO LEGRAND

CABEAMENTO ESTRUTURADO LEGRAND CABEAMENTO ESTRUTURADO LEGRAND PERFORMANCE PARA TODOS OS AMBIENTES ESPECIALISTA MUNDIAL EM SISTEMAS ELÉTRICOS E DIGITAIS PARA INFRAESTRUTURAS PREDIAIS LCS² A solução completa para o seu projeto Sistema

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Introdução

REDES DE COMPUTADORES. Introdução REDES DE COMPUTADORES Introdução Parte 03 geovanegriesang@ifsul.edu.br www.geovanegriesang.com Ementa UNIDADE I Introdução às redes de computadores 1.1 Visão geral de protocolos, pilha de protocolos e

Leia mais

3 - Cablagem estruturada

3 - Cablagem estruturada Capítulo 3 3 - Cablagem estruturada 1 Os problemas Porquê organizar as cablagens? É fácil manter a organização da cablagem A identificação de um cabo é imediata (basta pôr-lhe a etiqueta correcta!!!!)

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇ ÃO NAC IONAL Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Departamento de Gestão Interna

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇ ÃO NAC IONAL Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Departamento de Gestão Interna MINISTÉRIO DA INTEGRAÇ ÃO NAC IONAL Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Departamento de Gestão Interna Termo de Adjudicação do Pregão Eletrônico Nº 00029/2013 Às 15:57 horas do dia 11 de setembro

Leia mais

Norma ANSI/TIA/EIA-569-A: Especificações de Infra-Estrutura de Cabeamento Estruturado

Norma ANSI/TIA/EIA-569-A: Especificações de Infra-Estrutura de Cabeamento Estruturado Norma ANSI/TIA/EIA-569-A: Especificações de Infra-Estrutura de Cabeamento Estruturado A prioridade desta norma é prover as especificações do projeto e direção para todas as instalações do prédio relacionadas

Leia mais

ANEXO VII. Registro de Preços Ponto de Rede. Planilhas de Serviços de Pontos de Rede Itens 01. 7) Anexo VII ao Orientador nº 362/2012. Fls.

ANEXO VII. Registro de Preços Ponto de Rede. Planilhas de Serviços de Pontos de Rede Itens 01. 7) Anexo VII ao Orientador nº 362/2012. Fls. PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CASA CIVIL EMPRESA MUNICIPAL DE INFORMATICA S.A - IPLANRIO Processo 7) Anexo VII ao Orientador nº 362/2012 ANEXO VII Registro de Preços Rede Planilhas de Serviços

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi fabianotaguchi@gmail.com http://fabianotaguchi.wordpress.com Meios de comunicação Protocolos de rede AULA 03 Meios de comunicação COMUTAÇÃO CIRCUITOS Necessário

Leia mais

A Norma EIA/TIA 569A. Silvio Lucas

A Norma EIA/TIA 569A. Silvio Lucas Enquanto a norma 568B divide os subsistemas de cabeamento estruturado em 7 subsistemas, a norma 569A trata dos detalhes dos caminhos e espaços bem como a infra-estrutura de dutos para as seguintes áreas:

Leia mais

ESPAÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES

ESPAÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES OBJETIVOS DA SEÇÃO Após concluir com êxito o módulo sobre Espaços de Telecomunicações, o aluno estará apto a: I. Definir os requisitos e recomendações dos Espaços de Telecomunicação, os quais estão inclusos

Leia mais

Prof. Filipe Ornelas

Prof. Filipe Ornelas Prof. Filipe Ornelas ICCRLRI Hardware de Redes Por onde seguem os sinais nas redes? 3 Meios de Transmissão ICORLI 4 Cabulagem 0Cabos eléctricos 0 Coaxiais 0 Entrançados 5 Cabulagem - Cabo Coaxial 0 Até

Leia mais

MACIEL FURTADO RELATÓRIO FINAL DE PROJETO

MACIEL FURTADO RELATÓRIO FINAL DE PROJETO Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática RAQUEL MACIEL FURTADO RELATÓRIO FINAL

Leia mais

Par Trançado e Cabo Coaxial

Par Trançado e Cabo Coaxial UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL COMUNIDADE EVANGÉLICA LUTERANA SÃO PAULO Reconhecida pela Portaria Ministerial nº 681 de 07/12/89 DOU de 11/12/89 Campus Torres Par Trançado e Cabo Coaxial Redes 1 Vitor

Leia mais

Em 1987: 21 Cia e Inst. Pesquisas iniciam o Desenvolvimento - Alemanha Em 1996: EN50170 Em 2002: IEC Em 2003: IEC

Em 1987: 21 Cia e Inst. Pesquisas iniciam o Desenvolvimento - Alemanha Em 1996: EN50170 Em 2002: IEC Em 2003: IEC PROcess FIeldBUS 1 Profibus Vagner S. Vasconcelos vsvasconcelos@gmail.com @vsvasconcelos Em 1987: 21 Cia e Inst. Pesquisas iniciam o Desenvolvimento - Alemanha Em 1996: EN50170 Em 2002: IEC 61158 Em 2003:

Leia mais

MEIOS DE TRANSMISSÃO REDES E SR1 ETER-FAETEC. Rio de Janeiro - RJ ETER-FAETEC

MEIOS DE TRANSMISSÃO REDES E SR1 ETER-FAETEC. Rio de Janeiro - RJ ETER-FAETEC MEIOS DE TRANSMISSÃO REDES E SR1 Rio de Janeiro - RJ INTRODUÇÃO É a conexão física entre os nós. Pode ser através de cabos ou por ondas de rádio, como no caso do wireless. Influencia diretamente no custo

Leia mais

GUIA DE APLICAÇÃO AMBIENTES CRÍTICOS INDUSTRIAIS Setembro / Cabeamento Estruturado para Ambientes Industriais. Ambientes Aplicáveis

GUIA DE APLICAÇÃO AMBIENTES CRÍTICOS INDUSTRIAIS Setembro / Cabeamento Estruturado para Ambientes Industriais. Ambientes Aplicáveis Cabeamento Estruturado para Ambientes Industriais Terminais portuários A Solução Ethernet para uso Industrial está relacionada a produtos de cabeamento estruturado que podem ser utilizados em qualquer

Leia mais

Guia Técnico Rede de Cabeamento para Comunicação de Dados e Telefonia em Unidades da ECT

Guia Técnico Rede de Cabeamento para Comunicação de Dados e Telefonia em Unidades da ECT Guia Técnico Rede de Cabeamento para Comunicação de Dados e Telefonia em Unidades da ECT INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. NORMAS, LEGISLAÇÃO E REGULAMENTOS... 3 3. DEFINIÇÕES E CONCEITOS ADOTADOS:... 3 4.

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 4 Práticas de Instalação

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 4 Práticas de Instalação APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 4 Práticas de Instalação Instalação de cabos e hardware metálicos Devem ser instalados de forma que se permita uma inspeção visual. Cabos com capa danificada; Cabos com

Leia mais

Redes de Computadores.

Redes de Computadores. Redes de Computadores www.profjvidal.com TOPOLOGIA DE REDES Topologia de Redes A topologia de rede descreve como é o layout de uma rede de computadores, através da qual há o tráfego de informações, e também

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO

CABEAMENTO ESTRUTURADO CABEAMENTO ESTRUTURADO Objetivos Tratar os conceitos relacionados à instalação de cabeamento estruturado e assuntos correlatos, abrangendo as principais normas que contemplam este assunto, entre as quais:

Leia mais

PARA RAIOS SURGE ARRESTERS

PARA RAIOS SURGE ARRESTERS PARA RAIOS SURGE ARRESTERS Nexans, líder mundial na indústria de cabos Total de venda de 6,2 bilhões de euros em 201 A mais completa variedade de cabos e sistema de cabeamento Plantas em mais de 40 países

Leia mais

Catálogo Recicabos. Recife: Fortaleza: Salvador: Natal:

Catálogo Recicabos. Recife: Fortaleza: Salvador: Natal: Catálogo Recicabos Recife: 81 3225.8550 Fortaleza: 85 3246.0357 Salvador: 71 3285.0533 Natal: 84 3231.8273 A EMPRESA A Recicabos é uma empresa Brasileira, Nordestina, fundada há 27 anos - agosto de 1989,

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina: Redes de Acesso Carga Horária: 100h Período: 5º. Ementa

PLANO DE ENSINO. Disciplina: Redes de Acesso Carga Horária: 100h Período: 5º. Ementa PLANO DE ENSINO Disciplina: Redes de Acesso Carga Horária: 100h Período: 5º Ementa Redes de acesso telefônico com cabos metálicos. Noções de projeto de redes metálicas. Tecnologias de acesso telefônico

Leia mais

MIT Manual de Infraestrutura

MIT Manual de Infraestrutura Copel Telecom MIT Manual de Infraestrutura BEL Fibra 04 de junho de 2014 Sumário Requisitos mínimos de infraestrutura para o cliente... 3 Instruções Gerais... 3 Passos para instalação... 3 Edificações

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Administração Euber

Leia mais

Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado

Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Histórico No início da década de 80 os sistemas Mainframe dominavam o mercado. Surgem os conceitos de "Networking"

Leia mais

Relatório Técnico de Consultoria. Detalhamento das Instalações Complementares de TIC para o Stadium Media Centre. Secopa

Relatório Técnico de Consultoria. Detalhamento das Instalações Complementares de TIC para o Stadium Media Centre. Secopa Relatório Técnico de Consultoria Detalhamento das Instalações Complementares de TIC para o Stadium Media Centre Secopa PD.33.10.83A.0090AB/RT-15 FINAL 2 / 19 SUMÁRIO 1 Resumo... 4 2 Introdução... 4 3 Desenvolvimento...

Leia mais

Cabeamento Estruturado e Infraestrutura Profº Luiz Cláudio Buzeti. Práticas de Gerenciamento do Cabeamento Instalado

Cabeamento Estruturado e Infraestrutura Profº Luiz Cláudio Buzeti. Práticas de Gerenciamento do Cabeamento Instalado 1 Práticas de Gerenciamento do Cabeamento Instalado Devem ser baseados em normas da indústria Há quatro classes de gerenciamento Essas normas definem: procedimentos e classes de gerenciamento para a manutenção

Leia mais

Cabos Ethernet 100BaseTX e 10BaseT: Guidelines and Specifications

Cabos Ethernet 100BaseTX e 10BaseT: Guidelines and Specifications Cabos Ethernet 100BaseTX e 10BaseT: Guidelines and Specifications Índice Introdução Prérequisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Qual o cabo necessário? Diretrizes de cabeamento de Ethernet

Leia mais

PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL 1 SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE DADOS FASE II ,62. 8 cj 7.711, ,32. 8 cj 1.871, ,00

PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL 1 SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE DADOS FASE II ,62. 8 cj 7.711, ,32. 8 cj 1.871, ,00 1 SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE DADOS FASE II 4.139.231,62 1.1 FORNECIMENTO DE EQUIPAMENTOS 1.974.167,44 1.1.1 Servidor padrão rack 19'' 8 un 56.128,56 449.028,48 1.1.2 Switches de distribuição 256 MB de SDRAM,

Leia mais

Service Cable Pré-Conectorizado LC/SC/FC/ST

Service Cable Pré-Conectorizado LC/SC/FC/ST Service Cable Pré-Conectorizado LC/SC/FC/ST Tipo do Produto Descrição Cabo Óptico Pré-Conectorizado Cabo óptico de construção tipo tight buffer (indoor ou indoor/outdoor) pré-conectorizado em fábrica com

Leia mais

Escrito por LdeR Domingo, 28 Março :49 - Actualizado em Segunda, 24 Outubro :42

Escrito por LdeR Domingo, 28 Março :49 - Actualizado em Segunda, 24 Outubro :42 O objectivo deste artigo é efectuar um resumo das principais alterações ao Manual ITED (Prescrições e Especificações Técnicas das Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios). Manual ITED - 2ª Edição

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO

CABEAMENTO ESTRUTURADO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIADO RIO GRANDE DO NORTE IFRN Disciplina: Redes de Computadores Professor: M. Sc Rodrigo Ronner T. da Silva E-mail: rodrigo.tertulino@ifrn.edu.br CABEAMENTO

Leia mais

Meios de Transmissão de Dados. Fundamentos. Silvio Lucas. FP.AC

Meios de Transmissão de Dados. Fundamentos. Silvio Lucas. FP.AC Meios de Transmissão de Dados Fundamentos Silvio Lucas silvio.lucas@ymail.com 2009 FP.AC.010.00 Dos primórdios... Modelo de Referência TCP/IP 2 10Base2 (Cabo Coaxial Fino) 10 = 10 Mbps; Base= Banda Base;

Leia mais

RELATÓRIO DE AS-BUILT ACESSO VIA SATÉLITE

RELATÓRIO DE AS-BUILT ACESSO VIA SATÉLITE 1. DADOS CADASTRAIS 1.1 DADOS SOBRE A LOJA DO BOTICÁRIO Código da loja ( BPCS ): 3849 Razão Social: SAGITARIUS COM. ESS. COLONIAS LTDA CNPJ: Inscrição Estadual: Endereço: RUA: GOV. PEDRO DE TOLEDO 913

Leia mais

Cabos de fibra ótica devem ser utilizados no backbone e risers (conexões verticais) em todos os projetos de cabeamento. Cabos de Categoria 6 UTP

Cabos de fibra ótica devem ser utilizados no backbone e risers (conexões verticais) em todos os projetos de cabeamento. Cabos de Categoria 6 UTP Projeto de camada 1 Um dos componentes mais importantes a considerar no projeto de uma rede é o cabeamento. Hoje, a maior parte do cabeamento das redes locais é baseada na tecnologia Fast Ethernet. Fast

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

SEITEC Tecnologia em Equipamentos

SEITEC Tecnologia em Equipamentos A SEITEC Tecnologia em Equipamentos é uma empresa constituída por um grupo de profissionais que possui longa experiência em produtos e serviços no mercado de telecomunicações, se destacando nas atividades

Leia mais

KIT EXTENSÃO ÓPTICA CONECTORIZADA 12 FIBRAS COLORIDO

KIT EXTENSÃO ÓPTICA CONECTORIZADA 12 FIBRAS COLORIDO KIT EXTENSÃO ÓPTICA CONECTORIZADA 12 FIBRAS COLORIDO Tipo do Produto Extensão Óptica Família do Produto Descrição TeraLan A Extensão Óptica Conectorizada 12 Fibras Colorido é composta por dois itens principais

Leia mais

Ligação intencional à terra por meio da qual correntes elétricas podem fluir. Pode ser: Funcional: ligação à terra de um dos condutores do sistema.

Ligação intencional à terra por meio da qual correntes elétricas podem fluir. Pode ser: Funcional: ligação à terra de um dos condutores do sistema. ATERRAMENTO Ligação intencional à terra por meio da qual correntes elétricas podem fluir. Pode ser: Funcional: ligação à terra de um dos condutores do sistema. Proteção: ligação à terra das massas e dos

Leia mais

Sumário: Par Trançado (UTP) 07/07/2016. Meios de Comunicação para (LAN): Fios e Cabos de Cobre; Fibras Óticas; Irradiação Eletromagnética;

Sumário: Par Trançado (UTP) 07/07/2016. Meios de Comunicação para (LAN): Fios e Cabos de Cobre; Fibras Óticas; Irradiação Eletromagnética; Sumário: Meios de Comunicação para (LAN): Fios e Cabos de Cobre; Fibras Óticas; Irradiação Eletromagnética; Técnico em Informática 4º Integrado Redes de Computadores Fabricio Alessi Steinmacher Par Trançado

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Rack. Organizador para CFTV 32 Canais ROH32 ROL32 ROU32

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Rack. Organizador para CFTV 32 Canais ROH32 ROL32 ROU32 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Rack Organizador para CFTV 32 Canais ROH32 ROL32 ROU32 www.compatec.com.br Índice 1. Apresentação... 4 2. Sistema Híbrido... 4 3. Fonte de Alimentação... 5 4. Diagramação

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 01 Conceitos

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA NORMAS AMERICANAS EIA/TIA EIA/TIA 568-B: Commercial Building Telecomunications Cabling Standard Essa norma de 2001 é a revisão da norma EIA/TIA 568-A de

Leia mais

Baseada na tecnologia GPON (Gigabit Passive Optical Network), a solução Laserway é uma rede

Baseada na tecnologia GPON (Gigabit Passive Optical Network), a solução Laserway é uma rede Baseada na tecnologia GPON (Gigabit Passive Optical Network), a solução Laserway é uma rede baseada em fibras monomodo com topologia ponto-multiponto. A transmissão de dados ocorre entre um equipamento

Leia mais

Derivador e terminação para rede RS485

Derivador e terminação para rede RS485 Descrição do Produto O derivador/terminador é um módulo integrante da Série Ponto de controladores programáveis. Sua função é facilitar a instalação de diversas UCPs da Série Piccolo e Ponto com interface

Leia mais

150,00 un 225, , , ,20 150,00 un 56, , , ,40

150,00 un 225, , , ,20 150,00 un 56, , , ,40 Item Nome Quantid Un Unitário Total Total Item Material Mão de obra 19.0 Inst. Elétricas, Telec. E Informática 310.568,25 181.780,20 128.788,05 19.1 Serviços Rede Lógica 19.1.1 19.1.2 19.1.3 19.1.4 19.1.5

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA 1. Considere a seguinte seqüência de cores utilizada para se fazer um cabo de par trançado no padrão T568A: 1 - Branco-verde 2 - Verde 3 - Branco-laranja 4 - Azul 5 - Branco-azul 6 - Laranja 7 - Branco-marrom

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE REDES-

CLASSIFICAÇÃO DE REDES- 1 CLASSIFICAÇÃO DE REDES- MEIO DE TRANSMISSÃO Prof. Me. Hélio Esperidião CLASSIFICAÇÃO SEGUNDO O MEIO DE TRANSMISSÃO: Rede por cabo Rede de Cabo coaxial Rede de Cabo de par trançado Rede de Cabo de fibra

Leia mais

Meios Ópticos SISTEMAS GIGABIT E 10 GIGABIT CABO FIS-OPTIC-AR Descrição Instalações externas em infra-estrutura de eletrodutos e caixas de passagem subterrâneas, susceptíveis a ação de roedores. Cabos

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura I - Redes Locais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura I - Redes Locais Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura I - Redes Locais Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Unidade III Impressão, exemplos

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 6 Cabeamento Residencial

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 6 Cabeamento Residencial APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 6 Cabeamento Residencial Cabeamento residencial Sistema que integra os serviços de telecomunicações em uma residência: Rede local de computadores, acesso à internet, controle

Leia mais

Cabo par trançado 4 pares. Professor: Cleber Jorge Amaral

Cabo par trançado 4 pares. Professor: Cleber Jorge Amaral Cabo par trançado 4 pares Professor: Cleber Jorge Amaral 2016-2 Cabo UTP (U/UTP) Par Trançado sem proteção (Unshielded Twisted Pair) Possui 4 pares (verde, laranja, marrom e azul) Há de 2 pares e outras

Leia mais

Terminador com Diagnóstico de Fonte

Terminador com Diagnóstico de Fonte Descrição do Produto O módulo é uma terminação ativa para redes PROFIBUS, com diagnóstico de fontes redundantes. É aplicado nas extremidades de segmentos de redes PROFIBUS-DP para assegurar o perfeito

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO DE LICITAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO DE LICITAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO DE LICITAÇÃO ANEXO II DO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO N.º 63/2016/AD 1 Patch panel padrão 19, categoria ansi/tia/eia-568-b.21, módulo

Leia mais

Anexo 3.3 Formulário de Pedido de Instalação

Anexo 3.3 Formulário de Pedido de Instalação Anexo 3.3 Formulário de Pedido de Instalação Data: 01 Dezembro 2014 Página: 1/6 Versão: V0 Por favor preencha o formulário com letras maiúsculas e legíveis 1. Pedido de Instalação nas Infraestruturas Referência

Leia mais

MATERIAIS DE INSTALAÇÃO DE TELECOMUNICAÇÔES - SNSG

MATERIAIS DE INSTALAÇÃO DE TELECOMUNICAÇÔES - SNSG DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO GERÊNCIA REGIONAL NORTE GRN SERVIÇO NORTE DE TELECOMUNICAÇÕES SNTL ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-SNTL-001/2012 MATERIAIS DE INSTALAÇÃO DE TELECOMUNICAÇÔES - SNSG COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA

Leia mais

2 O cabo óptico CABO ÓPTICO DROP FIG.8 TUBO LOOSE FTTH

2 O cabo óptico CABO ÓPTICO DROP FIG.8 TUBO LOOSE FTTH 1 Objetivo: Este manual tem o objetivo de auxiliar a instalação do CABO ÓPTICO DROP FIG.8 TUBO LOOSE FTTH Furukawa, especificando os acessórios e apresentando as principais recomendações para a instalação.

Leia mais

Cabo Óptico Dielétrico Duto com Capa Externa Retardante à Chama

Cabo Óptico Dielétrico Duto com Capa Externa Retardante à Chama Os cabos ópticos Telcon proporcionam excelente performance de transmissão e proteção das fibras ópticas contra mudanças ambientais. Este cabo foi desenvolvido com uma proteção externa contra fungos e bactérias,

Leia mais

I. Fatores a serem considerados durante o Projeto

I. Fatores a serem considerados durante o Projeto I. Fatores a serem considerados durante o Projeto 1. Adaptação do projeto ao meio ambiente; 2. Escolha do nível de tensão; 3. Seleção dos condutores fase (tipo e tamanho); 4. Seleção dos cabos pára-raios;

Leia mais

Redes de Computadores. Topologias

Redes de Computadores. Topologias Redes de Computadores Topologias Sumário! Topologia Tipo de topologias 2 Topologia Configuração dos cabos, computadores e outros equipamentos 3 Topologia de cablagem! Topologia física Localização real

Leia mais

Categorias e modelos de cabos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Categorias e modelos de cabos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Categorias e modelos de cabos Prof. Marciano dos Santos Dionizio Cabos Par Trançado STP Os cabos STP (Shielded Twisted Pair) vão um pouco além do cabo UTP, usando uma blindagem individual para cada par

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ATI_RACK+CATI

INSTRUÇÕES GERAIS ATI_RACK+CATI INSTRUÇÕES GERAIS ATI_RACK+CATI MANUAL ITED 2ª EDIÇÃO Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 1 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. DOCUMENTOS NORMATIVOS APLICADOS...3

Leia mais

SOLUÇÕES VDI SOHO QUADROS VDI PARA RESIDÊNCIAS OU ESCRITÓRIOS

SOLUÇÕES VDI SOHO QUADROS VDI PARA RESIDÊNCIAS OU ESCRITÓRIOS SOLUÇÕES VDI SOHO QUADROS VDI PARA RESIDÊNCIAS OU ESCRITÓRIOS Quadros VDI para residências ou escritórios O desenvolvimento e a evolução para sistemas de voz, dados e imagens são acompanhados continuamente

Leia mais

Procedimentos que o Grupo Arteseg Oferece com sua Consultoria NR10:

Procedimentos que o Grupo Arteseg Oferece com sua Consultoria NR10: Adequação e Consultoria à norma NR10 A NR10 é uma norma regulamentadora do Ministério do Trabalho e Emprego que estabelece uma série procedimentos e condutas para a realização de atividades que envolvem

Leia mais

CONVERSOR-ISOLADOR DE SINAIS TRM-670

CONVERSOR-ISOLADOR DE SINAIS TRM-670 CONVERSOR-ISOLADOR DE SINAIS TRM-670 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso CONVERSOR-ISOLADOR DE SINAIS TRM-670. Para garantir o uso correto e eficiente do TRM-670, leia este manual completo e atentamente

Leia mais

Como sobreviver a nova era digital Um novo horizonte para o cabeamento estruturado. MARIANA PAULI BALAN System Architect

Como sobreviver a nova era digital Um novo horizonte para o cabeamento estruturado. MARIANA PAULI BALAN System Architect Como sobreviver a nova era digital Um novo horizonte para o cabeamento estruturado MARIANA PAULI BALAN System Architect 2016 acabou.. Falta de grandes projetos Retração de 4.8% - Evolução anual - Faturamento

Leia mais

OBJETIVOS DA SEÇÃO. Após concluir com êxito o módulo sobre Área de Trabalho, o aluno deve estar apto a:

OBJETIVOS DA SEÇÃO. Após concluir com êxito o módulo sobre Área de Trabalho, o aluno deve estar apto a: OBJETIVOS DA SEÇÃO Após concluir com êxito o módulo sobre Área de Trabalho, o aluno deve estar apto a: I. Definir os critérios da Área de Trabalho para o Sistema de Cabeamento Siemon, tanto para interfaces

Leia mais

Foram projetados poços de aterramento com hastes de cobre e interligações feitas com solda exotérmicas e ligações mecânicas.

Foram projetados poços de aterramento com hastes de cobre e interligações feitas com solda exotérmicas e ligações mecânicas. SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. MEMORIAL DESCRITIVO... 4 2.1 SISTEMA DE ATERRAMENTO - CONCEPÇÃO... 5 2.2 SISTEMA DE ATERRAMENTO - MEDIÇÃO... 6 2.3 SISTEMA DE CAPTAÇÃO... 6 3. MATERIAIS APLICADOS... 7 3.1

Leia mais

Cabeamento Metálico: Tudo o que você precisa saber Parte 2

Cabeamento Metálico: Tudo o que você precisa saber Parte 2 Cabeamento Metálico: Tudo o que você precisa saber Parte 2 Conteúdo RECOMENDAÇÃO DE INSTALAÇÃO - CABLING NÃO RECOMENDADO PARA INSTALAÇÃO - CABLING CERTIFICAÇÃO DA REDE CERTIFICAÇÃO CABLING RECOMENDAÇÃO

Leia mais

Regimes ITUR - ITED. Paulo Mourato Mendes / Duarte Alves Direcção de Fiscalização

Regimes ITUR - ITED. Paulo Mourato Mendes / Duarte Alves Direcção de Fiscalização Regimes ITUR - ITED Paulo Mourato Mendes / Duarte Alves Direcção de Fiscalização Santarém, 4 de Julho de 2011 Regime ITUR Criação de condições para o livre acesso às infra-estruturas por parte dos diferentes

Leia mais

Um mundo Tyco de soluções

Um mundo Tyco de soluções Um mundo Tyco de soluções VENDAS VENDAS Safer. Smarter. Tyco. // Quem somos Tyco Integrated Security lidera o mercado de performance de loja, prevenção de perdas, soluções de segurança e gerenciamento

Leia mais

CONCEITOS DE CABOS COMPUTACIONAIS PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA

CONCEITOS DE CABOS COMPUTACIONAIS PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA CONCEITOS DE CABOS COMPUTACIONAIS PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA 1 2 Uma empresa relativamente informatizada finca seus pilares sobre depósitos de dados setoriais e globais e que são manipulados

Leia mais

T-802XXX. Carga Minima (Kg) Deflexão / mm

T-802XXX. Carga Minima (Kg) Deflexão / mm 10.17 APOIOS ANTIVIBRÁTEIS T-802XXX Suportes de teto tg & tm geral: As séries TG e TM são concebidas para evitar a transmissão de vibrações de unidades de ar condicionado e de qualquer outro equipamento

Leia mais

Eldorado Business Tower

Eldorado Business Tower Os desafios das soluções de sistemas prediais em edifícios altos: o caso do Eldorado Business Tower Engº.Luis Fernando Ciniello Bueno Gerente Geral de Obras Requisitos do Projeto > Ser Conectável > Ser

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Profa. M.Sc. Enga. Maria Cristina Fischer de Toledo cristinaft@osite.com.br 1/2011

Cabeamento Estruturado. Profa. M.Sc. Enga. Maria Cristina Fischer de Toledo cristinaft@osite.com.br 1/2011 Cabeamento Estruturado Profa. M.Sc. Enga. Maria Cristina Fischer de Toledo cristinaft@osite.com.br 1/2011 1 Roteiro da Apresentação Cabeamento Estruturado Evolução Histórico da Padronização Definição Projeto

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 2

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 2 Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 2 www.marcelomachado.com As redes de computadores se classificam conforme a forma de ligação entre as estações nas seguintes categorias: Linear ou Barramento Estrela Anel

Leia mais

PLANEJAMENTO DE UMA REDE DEVICENET 1. Rafael Ruppenthal 2.

PLANEJAMENTO DE UMA REDE DEVICENET 1. Rafael Ruppenthal 2. PLANEJAMENTO DE UMA REDE DEVICENET 1 Rafael Ruppenthal 2. 1 Projeto de pesquisa realizado no curso de Engenharia Elétrica da Unijui 2 Aluno do curso de Engenharia Elétrica da Unijui Com o desenvolvimento

Leia mais

Cabo Coaxial Fino ou 10 Base 2 também conhecido como Thin Cable ou RG58, suas características são:

Cabo Coaxial Fino ou 10 Base 2 também conhecido como Thin Cable ou RG58, suas características são: Cabo Coaxial Um Cabo coaxial é constituído de um condutor interno circundado por um condutor externo, tendo entre os condutores, um dielétrico que os separa. O condutor externo é por sua vez circundado

Leia mais

Topologias e abrangência de redes de computadores

Topologias e abrangência de redes de computadores Topologias e abrangência de redes de computadores Aula 10 1º semestre Prof. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Objetivos Tornar os estudantes capazes de reconhecer os tipos de topologias de redes

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento O cabeamento horizontal Compreende os segmentos de cabos que são lançados horizontalmente entre as áreas de trabalho e as salas de telecomunicações

Leia mais

Problemas de Compatibilidade Eletromagnética Entre Painéis Elétricos Análise de Caso

Problemas de Compatibilidade Eletromagnética Entre Painéis Elétricos Análise de Caso Problemas de Compatibilidade Eletromagnética Entre Painéis Elétricos Análise de Caso (EMField short paper 01-2008) Ricardo L. Araújo*, Leonardo M. Ardjomand e Artur R. Araújo EMField Consultoria em Ensaios

Leia mais