Relações de Trabalho (Marlene Melo, Antônio Carvalho Neto e José Francisco Siqueira Neto)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relações de Trabalho (Marlene Melo, Antônio Carvalho Neto e José Francisco Siqueira Neto)"

Transcrição

1 Relações de Trabalho (Marlene Melo, Antônio Carvalho Neto e José Francisco Siqueira Neto) Relações industriais, relações trabalhistas, relações sindicais ou relações profissionais: interações entre assalariados, empregadores e governo; somatório das dimensões macro, mesoe micro -Nível macro: contextos político, econômico, tecnológico e cultural e legislação do trabalho - Nível Meso: negociações coletivas -Nível Micro: processo de trabalho, condições de trabalho e saúde, gestão da força de trabalho Admissão do conflito e busca de acordos Variáveis ideológicas, contextuais e institucionais

2 Modelo de J. Dunlop Sistema de Relações Industriais: Pacto social fordista: aceitação do conflito, dentro das regras do jogo, com diminuição dos conflitos capital-trabalho Moderna sociedade industrial com regulação Movimento sindical independente, reconhecido pelos empresários, mas moderado e cooperativo Gerência esclarecida e profissional Fordismo: sistema de gestão do trabalho em grandes empresas com produção em massa, divisão entre trabalho manual e concepção, especialização de funções e incentivo salarial para criação de mercado consumidor

3 Negociações coletivas: instrumento de regulação dos conflitos e de efetivação do pacto social Três grandes grupos de atores: - Organização dos trabalhadores e seus representantes - Organização dos dirigentes de empresas e seus representantes - Instituições públicas e privadas Com ambiente dado e ideologias compatíveis, como fonte de estabilização

4 Críticas: - Escola francesa de sociologia do trabalho: Ocorreriam concessões dependendo do contexto político e econômico. Ideologia comum compartilhada seria deixada de lado caso mudasse o poder de barganha Depois dos anos 1970: crise do fordismoe dos sindicatos, antagonismo crescente dos empregadores nos EUA -Kochan, Katz e McKersie: escolhas estratégicas feitas pela gerência, pelos trabalhadores e pelo governo são o determinante nas transformações das relações de trabalho, mais que as negociações

5 - Situações muito distintas entre países: Negociações centralizadas nacionalmente, com sindicatos com razoável poder: Suécia e Alemanha. Pulverização de negociações: EUA e GB Negociações por empresas no Japão

6 Aspectos estruturais da negociação coletiva A) Dinâmica das negociações coletivas: 1-Em períodos determinados, de forma esporádica, em situações de crises ou permanentemente 2- Sujeitos das negociações: -Pelos trabalhadores: organizações sindicais ou, eventualmente, comissões de empresas -Pelos empresários: associações de empregadores ou empresas individualmente 3-Por seções de empresas, por empresas, conjunto de empresas, por setor produtivo, por cadeia produtiva ou para todos os setores

7 4-Abrangência territorial: empresa, local, municipal, intermunicipal, regional, inter-regional, estadual, interestadual ou nacional Podem haver níveis hierárquicos de negociações: do mais geral (nacional) para o particular (até a empresa): negociação articulada 5- Tipos de negociações: Negociações normativas: regular condições de trabalho Negociações institucionais: criar instituições, como regimes de aposentadoria, proteção ao desemprego etc. Negociações transacionais: para encerrar um conflito Negociações decisionais: estabelecer condutas e parâmetros de gestão empresarial 6-Procedimentos nas etapas da negociação: formais (estabelecidas em lei ou acordos) ou informais

8 B) Instrumentos normativos: 1- Denominações: - Acordo coletivo: entre sindicato de trabalhadores e uma ou mais empresas - Convenção coletiva: entre sindicatos de trabalhadores e de empresários - Acordo por empresa: negociação direta dos empregados -Sentença normativa: decisão da Justiça do Trabalho em processo de dissídio coletivo 2-Campo de aplicação: limitada aos sujeitos que firmam o pacto, aos associados ou com abrangência generalizada

9 3- Aplicação após os acordos: -Adesão: pode ocorrer posteriormente por outros sindicatos ou empregadores -Oposição: em caso de acordo desfavorável por conta de sindicatos não representativos -Extensão: pelo poder público (com autorização legislativa), por motivos sociais ou econômicos (equilibrar condições de concorrência), para outras realidades similares, em caso de falta de proteção coletiva -Ampliação: pelo poder público (com autorização legislativa), em caso de falta de organizações ou de negociações 4- Vigência: por tempo determinado ou indeterminado

10 C) Sistema de composição de conflitos: Conflitos jurídicos: de interpretação Conflitos econômicos: de aspiração Regras para composição, mas não sua eliminação 1-Autocomposição: sem interferência obrigatório de terceiros e sem força vinculante -Conciliação: negócio jurídico entre as partes. Pode ser judicial, extrajudicial, obrigatória ou voluntária -Mediação: com intervenção de terceiro, escolhido pelas partes, que apresenta proposta sem força vinculante 2-Heterocomposição: com interferência de um poder acima das partes, admitido ou imposto juridicamente -Arbitragem(voluntária ou obrigatória, com escolha livre pelas partes): emite laudo com força vinculante -Solução jurisdicional: tribunal imposto às partes. Dissídio coletivo com sentença normativa

11 Negociações coletivas no Brasil Sistema com origem no corporativismo Contra liberalismo (individualismo) e socialismo: colaboração de classes e interesse da nação Forte presença do Estado Controle das organizações sindicais Carta sindical do Ministério do Trabalho Unicidade sindical, base territorial Enquadramento sindical por categorias econômicas (empregadores) e categorias profissionais (trabalhadores)

12 Sistema confederativo: Sindicatos, federações e confederações Negociações feitas pelos sindicatos Pouca representação dos trabalhadores nos locais de trabalho Negociações coletivas no Brasil até 1988: Anuidade contratual: datas-base Não unificadas por setor econômico Negociações por categorias em suas bases territoriais Definições válidas para todos os membros da categoria, sem adesão, oposição, extensão e ampliação Poder normativo da Justiça do Trabalho: solução jurisdicional compulsória

13 Constituição de 1988: Manteve unicidade sindical e contribuição sindical Extensão da sindicalização para funcionários públicos civis Liberdade: impedir interferência e intervenção dos poderes públicos nos sindicatos Possibilidade de arbitragem Centrais sindicais: sem poder de negociação, mas com poder de elaborar estratégias comuns e de difundir conquistas

14 Tendências sindicais e de negociações Quedas das taxas de sindicalização e de greves Heterogeneidade dos trabalhadores Individualização crescente das relações de trabalho Descentralização das negociações para o nível das empresas Sindicalismo de classe média e de operários Postura empresarial anti-sindical nos EUA Muitas diferenças entre países (Ex.: Suécia X EUA)

15 Tendências sindicais e de negociações no mundo Quedas das taxas de sindicalização e de greves Heterogeneidade dos trabalhadores Individualização crescente das relações de trabalho Descentralização das negociações para o nível das empresas Sindicalismo de classe média e de operários Confronto maior das empresas nos EUA Muitas diferenças entre países (Ex.: Suécia X EUA)

16 Governos influem muito nas pautas de discussão social Importância do Welfare State Negociações sobre redução de jornadas, flexibilização de jornadas e moderação salarial Flexibilização do mercado de trabalho, CLT Participação nos lucros Discussões sobre gestão empresarial e tecnologias Sindicatos acionistas de empresas Questão dos trabalhadores por conta própria e informais

17 Número de sindicatos no Brasil: 1980: : Taxa de sindicalização de trabalhadores urbanos: 1970: 12% 1988: 24% 1996: 21%

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Direito do Trabalho II Código da Disciplina: JUR256 Curso: Direito Semestre de oferta da disciplina: 8 Faculdade responsável: Direito Programa em vigência a partir de:

Leia mais

Disciplina: Direito e Processo do Trabalho 3º Semestre Professor Donizete Aparecido Gaeta Resumo de Aula

Disciplina: Direito e Processo do Trabalho 3º Semestre Professor Donizete Aparecido Gaeta Resumo de Aula 1. Fontes materiais e formais. 2. Normas Jurídicas de Direito do Trabalho. Constituição, Leis, Atos do Poder Executivo, Sentença normativa, Convenções e Acordos Coletivos, Regulamentos de empresa, Disposições

Leia mais

Capacitação de Lideranças Empresariais Sindicais. Módulo VI. Legislação Sindical

Capacitação de Lideranças Empresariais Sindicais. Módulo VI. Legislação Sindical 2009 Capacitação de Lideranças Empresariais Sindicais Módulo VI Legislação Sindical Iconografia: Conceitos e pontos de vista Organograma e Fluxograma Exemplos e exposições Comparação Atores e responsáveis

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO. Autarquia Municipal PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU DIREITO E RELAÇÕES DO TRABALHO

FACULDADE DE DIREITO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO. Autarquia Municipal PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU DIREITO E RELAÇÕES DO TRABALHO Módulo: Direito Coletivo do Trabalho Professores: Marcelo José Ladeira Mauad (Doutor em Direito das Relações Sociais pela PUC/SP) e Ivani Contini Bramante ( Doutora em Direito das Relações Sociais pela

Leia mais

ENTENDA SEUS DIREITOS. O SINDEMED reservou este espaço para esclarecer seus direitos trabalhistas.

ENTENDA SEUS DIREITOS. O SINDEMED reservou este espaço para esclarecer seus direitos trabalhistas. ENTENDA SEUS DIREITOS O SINDEMED reservou este espaço para esclarecer seus direitos trabalhistas. As contribuições cobradas pelos Sindicatos são motivos de muitas dúvidas pelos empregados. Assim, a fim

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação.

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2012/01 DISCIPLINA: DIREITO DO II PROFESSOR: FRANCISCA JEANE PEREIRA DA SILVA MARTINS TURMAS: 8

Leia mais

ESTATUTO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS TÉCNICOS EM MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO PARANÁ SINDITTEMA-PR

ESTATUTO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS TÉCNICOS EM MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO PARANÁ SINDITTEMA-PR ESTATUTO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS TÉCNICOS EM MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO PARANÁ SINDITTEMA-PR TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO, PRERROGATIVAS, DIREITOS E DEVERES DOS ASSOCIADOS Capítulo I

Leia mais

DIREITO COLETIVO (conceito) DIREITO DO TRABALHO II

DIREITO COLETIVO (conceito) DIREITO DO TRABALHO II Aula 13 O Direito Coletivo do Trabalho. Organização sindical; enquadramento sindical e contribuições sindicais. MARIA INÊS GERARDO www.mariainesgerardo.com.br Conteúdo Programático desta aula O Direito

Leia mais

CURSO DE ARBITRAGEM EMPRESARIAL

CURSO DE ARBITRAGEM EMPRESARIAL CURSO DE ARBITRAGEM EMPRESARIAL Princípios (Texto aprovado na reunião ordinária de 24 de abril de 1999) I. O Árbitro é o privilegiamento da autonomia da vontade das partes, que o elegem para dirimir uma

Leia mais

ABRIL DE Apoio

ABRIL DE Apoio PROPOSTA DE TRABALHO CAMPANHA CONTRA AS PRÁTICAS ANTI-SINDICAIS ABRIL DE 2008 Apoio I. IDENTIFICAÇÃO DO PROJ ETO Título: Campanha Sindical contra as Práticas Anti-Sindicais (PAS) Duração do Projeto: 24

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2011

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2011 Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2011 DISCIPLINA: DIREITO DO II PROFESSOR: MARCELLO MANCILHA TURMA: 3º ANO INTEGRAL UNIDADES CONTEÚDOS

Leia mais

FINANCIAMENTO DO SISTEMA SINDICAL: UMA INTRODUÇÃO NECESSÁRIA FLAVIA MOREIRA GUIMARÃES PESSOA

FINANCIAMENTO DO SISTEMA SINDICAL: UMA INTRODUÇÃO NECESSÁRIA FLAVIA MOREIRA GUIMARÃES PESSOA FINANCIAMENTO DO SISTEMA SINDICAL: UMA INTRODUÇÃO NECESSÁRIA FLAVIA MOREIRA GUIMARÃES PESSOA Distinções entre as relações coletivas e as relações individuais de trabalho a) Critério rio relativo aos sujeitos

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO. Fontes formais autônomas: elaboradas pelos próprios interessados em aplicá-las. (grupos sociais = sindicatos)

DIREITO DO TRABALHO. Fontes formais autônomas: elaboradas pelos próprios interessados em aplicá-las. (grupos sociais = sindicatos) DIREITO DO TRABALHO FONTES DO DIREITO DO TRABALHO: MATERIAIS: FORMAIS: Fontes formais autônomas: elaboradas pelos próprios interessados em aplicá-las. (grupos sociais = sindicatos) Convenções coletivas

Leia mais

Direito do Trabalho. Fontes e Princípios do Direito do Trabalho. Professor Pedro Kuhn.

Direito do Trabalho. Fontes e Princípios do Direito do Trabalho. Professor Pedro Kuhn. Direito do Trabalho Fontes e Princípios do Direito do Trabalho Professor Pedro Kuhn www.acasadoconcurseiro.com.br Direito do Trabalho CONCEITO, FONTES E PRINCÍPIOS DO DIREITO DO TRABALHO CONCEITO DO DIREITO

Leia mais

2.6 Relações de Trabalho

2.6 Relações de Trabalho Por que Relações de Trabalho? No Brasil, o sistema legal e institucional que rege o mercado de trabalho é defasado, rígido e juridicamente inseguro, o que compromete a competitividade das empresas e o

Leia mais

,UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO P L A N O D E E N S I N O

,UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO P L A N O D E E N S I N O ,UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO P L A N O D E E N S I N O I IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Administração Disciplina: Legislação Social e Trabalhista Ano Letivo:

Leia mais

Em defesa do Brasil e da CLT

Em defesa do Brasil e da CLT Em defesa do Brasil e da CLT Audiência Pública, Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado Federal Brasília, 22 de novembro de 2012 Foto trabalhadores saudando Getúlio CONSOLIDAÇÃO

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO E DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO

DIREITO DO TRABALHO E DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO EMENTA DIREITO DO TRABALHO E DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO DISCIPLINA: Teoria Geral do Direito do Trabalho CARGA-HORÁRIA: 10 horas EMENTA: Estudo sobre a introdução ao direito do trabalho, analisando

Leia mais

Sindicato e Organização das OCEMG

Sindicato e Organização das OCEMG Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado de MG - OCEMG Funções do sindicato patronal: Assistencial: no âmbito dos sindicatos patronais, essencialmente, e a assessoria na área jurídica e econômica.

Leia mais

CÓDIGO DO TRABALHO. CAPÍTULO I - Fontes do direito do trabalho CAPÍTULO II - Aplicação do direito do trabalho. CAPÍTULO I - Disposições gerais

CÓDIGO DO TRABALHO. CAPÍTULO I - Fontes do direito do trabalho CAPÍTULO II - Aplicação do direito do trabalho. CAPÍTULO I - Disposições gerais CÓDIGO DO TRABALHO Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro LIVRO I - Parte geral TÍTULO I - Fontes e aplicação do direito do trabalho CAPÍTULO I - Fontes do direito do trabalho CAPÍTULO II - Aplicação do direito

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO PRINCÍPIOS DO DIREITO DO TRABALHO

DIREITO DO TRABALHO PRINCÍPIOS DO DIREITO DO TRABALHO DIREITO DO TRABALHO PRINCÍPIOS DO DIREITO DO TRABALHO Atualizado em 13/01/2016 PRINCÍPIOS DO DIREITO DO TRABALHO PRINCÍPIO PROTETOR Nas relações empregatícios sempre existe o conflito entre o detentor

Leia mais

EIXO FUNDAMENTAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC LINHAS DE PESQUISA

EIXO FUNDAMENTAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC LINHAS DE PESQUISA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC LINHAS DE PESQUISA Direito Constitucional e Teoria Geral do Estado * O Poder Constituinte * Processo Legislativo

Leia mais

Processo do Trabalho I

Processo do Trabalho I Processo do Trabalho I»Aula 5 Jurisdição e Competência Parte 1 Introdução Jurisdição Competência Em razão da Matéria Competência Funcional Jurisdição e competência da Justiça a do Trabalho I Introdução

Leia mais

Planejamento Estratégico Conselho Moveleiro. Resultados

Planejamento Estratégico Conselho Moveleiro. Resultados Planejamento Estratégico Conselho Moveleiro Resultados PROPÓSITO DO CONSELHO Articular a indústria moveleira para obter: sucesso, excelência, qualificação e informação. Articular de politicas e ações estratégicas

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Convenção e acordo coletivo de trabalho Paulo Moreira 1. CONFLITOS COLETIVOS E FORMAS DE SOLUÇÃO Para uma melhor compreensão do assunto, ora proposto, necessário se faz, comentar

Leia mais

Agenda de Ações PDA

Agenda de Ações PDA Agenda de Ações PDA - 2013 Planejamento Estratégico O PDA fornece metodologia e facilitadores para a realização de duas reuniões de planejamento, com duração de oito horas cada. Esse processo possibilita

Leia mais

POLÍTICA DE VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE E NÃO DISCRIMINAÇÃO

POLÍTICA DE VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE E NÃO DISCRIMINAÇÃO POLÍTICA DE VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE E NÃO DISCRIMINAÇÃO A Petrol Industrial S/A está entre aquelas empresas que estão preocupadas com as questões trabalhistas, procurando adotar os Princípios de Direito

Leia mais

CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE A AÇÃO CIVIL PÚBLICA... 23

CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE A AÇÃO CIVIL PÚBLICA... 23 SUMÁRIO Capítulo I CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE A AÇÃO CIVIL PÚBLICA... 23 1. Previsão normativa... 23 1.1. A tradição individualista na tutela dos direitos... 23 1.2. Surgimento e consolidação da tutela

Leia mais

GESTÃO SUSTENTÁVEL IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA NA SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO GEP BRASIL 2015 RIBEIRÃO PRETO JUNHO 2015

GESTÃO SUSTENTÁVEL IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA NA SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO GEP BRASIL 2015 RIBEIRÃO PRETO JUNHO 2015 GESTÃO SUSTENTÁVEL IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA NA SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO GEP BRASIL 2015 RIBEIRÃO PRETO JUNHO 2015 SUMÁRIO PROBLEMAS LEGISLAÇÃO AMBIENTE SOLUÇÕES PROBLEMAS CULTURA HISTÓRIA

Leia mais

CONVENÇÃO N Liberdade Sindical e Proteção ao Direito de Sindicalização

CONVENÇÃO N Liberdade Sindical e Proteção ao Direito de Sindicalização CONVENÇÃO N. 87 1 Liberdade Sindical e Proteção ao Direito de Sindicalização Aprovada na 31ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (São Francisco 1948), entrou em vigor no plano internacional

Leia mais

PONTO 1: Fontes do Direito do Trabalho PONTO 2: Princípios 1. FONTES DO DIREITO DO TRABALHO. b.1) HETERÔNOMAS dispostas pelo legislador.

PONTO 1: Fontes do Direito do Trabalho PONTO 2: Princípios 1. FONTES DO DIREITO DO TRABALHO. b.1) HETERÔNOMAS dispostas pelo legislador. 1 DIREITO DO TRABALHO PONTO 1: Fontes do Direito do Trabalho PONTO 2: Princípios 1. FONTES DO a) MATERIAIS OU INFORMAIS São as fontes históricas. b) FORMAIS Há documentos. b.1) HETERÔNOMAS dispostas pelo

Leia mais

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Instituto Sindipeças de Educação Corporativa 2016 Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Missão Oferecer soluções educacionais para elevar a competitividade e a sustentabilidade do setor de autopeças.

Leia mais

A Responsabilidade Social Empresarial O Balanço Social

A Responsabilidade Social Empresarial O Balanço Social A Responsabilidade Social Empresarial O Balanço Social A. Domingues Azevedo Bastonário da OTOC XXIV Seminário Internacional de Paises Latinos Europa América 2 de Novembro 2011 Argentina 1 Preocupação social

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000249/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 11/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR022255/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.000856/2015-03

Leia mais

PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS OU RESULTADOS Escrito por Administrator Seg, 31 de Janeiro de :40 -

PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS OU RESULTADOS Escrito por Administrator Seg, 31 de Janeiro de :40 - CONVENÇÃO COLETIVA A FEDERAÇÃO NACIONAL DOS SECURITÁRIOS, REPRESENTADA POR SEU PRESIDENTE SERAFIM GIANOCARO, CONSTITUÍDO REPRESENTANTE DE TODOS OS EMPREGADOS DA CATEGORIA NOS LUGARES INORGANIZADOS EM SINDICATOS

Leia mais

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento Agenda Contexto O Nordeste Territorial Fórum de Governança da Atividade Econômica Formas de Financiamento Área de atuação do BNB Nordeste: 1.554,4 mil Km 2 Semi-árido: 974,4 mil Km 2 (62,7% do território

Leia mais

INTRODUÇÃO. Um bom passeio histórico pela Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público.

INTRODUÇÃO. Um bom passeio histórico pela Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público. INTRODUÇÃO No âmbito da Câmara dos Deputados, os trabalhos legislativos podem ser exercidos por comissões temáticas, ou seja, órgãos que compõem a estrutura da Câmara e se organizam segundo temas e matérias

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000926/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR070301/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46232.001993/2015-07

Leia mais

Desenvolvimento, Trabalho Decente e Igualdade Racial

Desenvolvimento, Trabalho Decente e Igualdade Racial Desenvolvimento, Trabalho Decente e Igualdade Racial Lais Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Brasília, julho de 2012 Esquema da Apresentação 1. Trabalho decente e estratégia de desenvolvimento

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO001067/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 11/12/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR072783/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.015511/2013-23

Leia mais

Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais. Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais. cadeia e estratégia.

Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais. Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais. cadeia e estratégia. Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais Módulos Delimitação do projeto Análise da cadeia e estratégia Implementação Monitoria 0 Decisão sobre

Leia mais

Como proceder nos contratos por prazo O que é estabilidade provisória? determinado?

Como proceder nos contratos por prazo O que é estabilidade provisória? determinado? O que é estabilidade provisória? É o período em que o empregado tem seu emprego garantido, não podendo ser dispensado por vontade do empregador, salvo por justa causa ou força maior. Encontram-se previstas

Leia mais

Aspectos legais da conciliação. Autotula/autocomposição/heterocomposição/ mediação/conciliação

Aspectos legais da conciliação. Autotula/autocomposição/heterocomposição/ mediação/conciliação Aspectos legais da conciliação Autotula/autocomposição/heterocomposição/ mediação/conciliação 1. Aspectos legais da conciliação Autotula: resolução dos conflitos com utilização de força. Autocomposição:

Leia mais

PROJETO DE LEI 6.708/2009 CONTRIBUIÇÃO ASSISTENCIAL REGULAMENTAÇÃO

PROJETO DE LEI 6.708/2009 CONTRIBUIÇÃO ASSISTENCIAL REGULAMENTAÇÃO PROJETO DE LEI 6.708/2009 CONTRIBUIÇÃO ASSISTENCIAL REGULAMENTAÇÃO 1 1. EMENTA - Projeto de lei nº 6708/2009 (nº de origem no Senado 248/2006) de autoria do Senador Paulo Paim (PT/RS) dispondo sobre a

Leia mais

produção no Brasil 3. Panorama da formalização nas MPE s 4. Políticas públicas de formalização para o segmento dos micro e pequenos empreendimentos

produção no Brasil 3. Panorama da formalização nas MPE s 4. Políticas públicas de formalização para o segmento dos micro e pequenos empreendimentos Formalização recente em pequenas unidades de 1. Contexto geral 2. Ciclos da formalização produção no Brasil 3. Panorama da formalização nas MPE s 4. Políticas públicas de formalização para o segmento dos

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA DA EMPRESA E DA CONCORRÊNCIA PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES

MESTRADO EM ECONOMIA DA EMPRESA E DA CONCORRÊNCIA PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES MESTRADO EM ECONOMIA DA EMPRESA E DA CONCORRÊNCIA PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise Macroeconómica 1. Introdução à Macroeconomia 2. Medição da Actividade Económica

Leia mais

Contribuição e Enquadramento Sindical: algumas dúvidas

Contribuição e Enquadramento Sindical: algumas dúvidas Contribuição e Enquadramento Sindical: algumas dúvidas Contribuição Sindical Benefícios de recolher a Contribuição Sindical Patronal: A empresa contribuirá para o fortalecimento da sua categoria econômica;

Leia mais

Modernização das Leis Trabalhistas

Modernização das Leis Trabalhistas Modernização das Leis Trabalhistas Legislação trabalhista marcada por seu caráter protetivo e por sua rigidez. A CLT DE 1943 cumpriu o seu papel na proteção do trabalhador. Conflitos tirados das ruas,

Leia mais

PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE

PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE 1 CONTRATO DE SOCIEDADE 1 Elementos contratuais 2 Sociedades simples e empresárias 3 Sociedades não personificadas 4 Sociedade em comum 4.1 Patrimônio social e responsabilidade

Leia mais

SuMÁRIO APRESENTAÇÃO CAPÍTULO I

SuMÁRIO APRESENTAÇÃO CAPÍTULO I SuMÁRIO APRESENTAÇÃO... 15 CAPÍTULO I O TRABALHo NA ERA DA INFORMAÇÃo E DA CoMUNICAÇÃo 1.1. Impactos das novas tecnologias no meio social...... 17 1.2. Descentralização produtiva e organização empresarial

Leia mais

Administração Interdisciplinar Professora Bruna Panzarini

Administração Interdisciplinar Professora Bruna Panzarini Administração Interdisciplinar Professora Bruna Panzarini Ação Gerencial Quais são os fatores que realmente influenciam o desempenho de uma organização? Visão onipotente da administração - Perspectiva

Leia mais

Escrito por FENESPIC Qua, 29 de Fevereiro de :53 - Última atualização Qua, 29 de Fevereiro de :02

Escrito por FENESPIC Qua, 29 de Fevereiro de :53 - Última atualização Qua, 29 de Fevereiro de :02 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO ESPECÍFICA SOBRE PARTICIPAÇÃO DOS EMPREGADOS NOS LUCROS OU RESULTADOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS PRIVADOS E DE CAPITALIZAÇÃO EM 2012. A FEDERAÇÃO NACIONAL DOS SECURITÁRIOS-

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação.

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2014/01 DISCIPLINA: DO II PROFESSOR: FRANCISCA JEANE PEREIRA DA SILVA MARTINS TURMA: 8º DM / EN

Leia mais

TBELA DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL

TBELA DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL TBELA DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL Os dados são referentes aos cálculos aplicáveis aos empregados e agentes do comércio organizados em firmas ou empresas, entidades ou instituições com capital arbitrado e

Leia mais

Participação nos Lucros? Mas de onde vem o lucro?

Participação nos Lucros? Mas de onde vem o lucro? ILAESE Luci Praun Participação nos Lucros? Mas de onde vem o lucro? Decomposição do trabalho do produtor Trabalho necessário sustento do produtor Trabalho excedente Subproduto social do trabalho (não destinado

Leia mais

Sumário. Direito_Trabalho_Simplificado_Cad_00.indd 13 24/06/ :03:33

Sumário. Direito_Trabalho_Simplificado_Cad_00.indd 13 24/06/ :03:33 Sumário Capítulo 1 História e Evolução do Direito do Trabalho... 1 1.1. Sumário da Evolução Histórica do Direito do Trabalho no Mundo... 1 1.2. Sumário da Evolução Histórica do Direito do Trabalho no Brasil...

Leia mais

A empresa e o seu ambiente

A empresa e o seu ambiente A empresa e o seu ambiente 1. Noção de empresa A) EMPRESA VS ORGANIZAÇÃO (A. SOUSA, 1994) Perspectiva 1 (externa): Inserção da organização no meio socioeconómico «Entidades que surgem para operar tecnologias

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina Direito Individual e Coletivo

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL 1. A recuperação extrajudicial é uma modalidade prevista na Lei Nº 11.101/2005, e pode ser adotada pelo empresário em dificuldade e com

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA PLANO DE ENSINO

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA PLANO DE ENSINO FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA PLANO DE ENSINO - 2015 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 PROFESSOR: Iara Marthos Águila 1.2 DEPARTAMENTO: Direito Privado 1.3 DISCIPLINA: Direito do Trabalho 1.4 SÉRIE: 5º. Ano TURMAS:

Leia mais

Políticas salariais em tempos de crise 2010/11

Políticas salariais em tempos de crise 2010/11 Políticas salariais em tempos de crise 2010/11 Organização Internacional do Trabalho travail@ilo.org PARTE I: Salários na Crise Econômica e Financeira Crescimento global dos salários mensais reduzido pela

Leia mais

SUMÁRIO. Direito do Trabalho Direito Processual Civil Direito Processual do Trabalho

SUMÁRIO. Direito do Trabalho Direito Processual Civil Direito Processual do Trabalho SUMÁRIO Direito do Trabalho... 05 Direito Processual Civil... 139 Direito Processual do Trabalho... 195 DIREITO DO TRABALHO ÍNDICE CAPÍTULO 01... 7 Fontes e Princípios de Direito do Trabalho... 7 Surgimento

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO PROGRAMA DE PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS OU RESULTADOS PPLR/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO PROGRAMA DE PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS OU RESULTADOS PPLR/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO PROGRAMA DE PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS OU RESULTADOS PPLR/2011 CENTRAIS ELÉTRICAS DO PARÁ S.A., inscrita no CNPJ/MF sob nº 04.895.728/0001-80 e Inscrição Estadual nº 15.074.480-3,

Leia mais

1. PRINCÍPIOS E FONTES DO DIREITO DO TRABALHO

1. PRINCÍPIOS E FONTES DO DIREITO DO TRABALHO 1. PRINCÍPIOS E FONTES DO DIREITO DO TRABALHO (AJAJ TRT da 19ª Região FCC 2014) 001 A relação objetiva evidenciada pelos fatos define a verdadeira relação jurídica estipulada pelos contratantes, ainda

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Administração - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Administração - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.2 Administração - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE DISCIPLINAS DA SÉRIE GESTÃO DA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIA GESTÃO DE PESSOAS DIREITO EMPRESARIAL E TRABALHISTA CONTABILIDADE Os recursos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Unidade de Ensino Médio e Técnico CETEC Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso no. 224 aprovado pela Portaria Cetec 168, de 7 5 2013, publicada no Diário Oficial de 9 5 2013 Poder

Leia mais

Indicações de bibliográficas: CLT. Leis e artigos importantes: OJ até 421 SÚMULAS TST até 444

Indicações de bibliográficas: CLT. Leis e artigos importantes: OJ até 421 SÚMULAS TST até 444 CURSO: OAB X EXAME - NOITE DISCIPLINA: DIREITO DO TRABALHO PROFESSOR: JULIANA MONTEIRO AULA 01 BLOCO: 01- MATÉRIA: INTRODUÇÃO (LEI TRABALHISTA NO TEMPO E ESPAÇO, FONTES, EMPREGADO). Indicações de bibliográficas:

Leia mais

Imperialismo. Estudo dos Capítulos 9 e 10 da obra Economia Política: uma introdução Crítica para o Curso de Economia Política

Imperialismo. Estudo dos Capítulos 9 e 10 da obra Economia Política: uma introdução Crítica para o Curso de Economia Política uma introdução Crítica para o Curso de Economia Política Rosa Luxemburgo Vladimir Lênin Nikolai Bukharin capitalismo mobilidade e transformação atividade econômica desenvolvimento das forças produtivas

Leia mais

CURSO: ADMINISTRAÇÃO

CURSO: ADMINISTRAÇÃO CURSO: ADMINISTRAÇÃO EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: MATEMÁTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO Equações do primeiro e segundo graus com problemas. Problemas aplicando sistemas; sistemas com três incógnitas

Leia mais

Trabalhista. Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados.

Trabalhista. Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados. Trabalhista Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados. Nossos serviços A prática tem reconhecida atuação no consultivo trabalhista, contencioso judicial e

Leia mais

FUTURO TENDÊNCIAS INOVAÇÃO PARA QUEM BUSCA SUCESSO NA CARREIRA JURÍDICA, PRATICAR É LEI. Uma instituição do grupo

FUTURO TENDÊNCIAS INOVAÇÃO PARA QUEM BUSCA SUCESSO NA CARREIRA JURÍDICA, PRATICAR É LEI. Uma instituição do grupo FUTURO TENDÊNCIAS INOVAÇÃO PARA QUEM BUSCA SUCESSO NA CARREIRA JURÍDICA, PRATICAR É LEI. Uma instituição do grupo PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DO TRABALHO E PROCESSO DO TRABALHO OBJETIVOS: O curso de Pós-graduação

Leia mais

A nova redação da Súmula 277 do TST e a integração das cláusulas normativas dos acordos coletivos ou convenções coletivas nos contratos de trabalho.

A nova redação da Súmula 277 do TST e a integração das cláusulas normativas dos acordos coletivos ou convenções coletivas nos contratos de trabalho. A nova redação da Súmula 277 do TST e a integração das cláusulas normativas dos acordos coletivos ou convenções coletivas nos contratos de trabalho. Convenção Coletiva de Trabalho É um ato jurídico pactuado

Leia mais

CURSO PRÁTICAS PROCESSUAIS LABORAIS I (2.ª Edição)

CURSO PRÁTICAS PROCESSUAIS LABORAIS I (2.ª Edição) CURSO PRÁTICAS PROCESSUAIS LABORAIS I (2.ª Edição) Enquadramento: A formação académica em Direito do Trabalho não aborda, em regra, os procedimentos com vista a promover o despedimento do trabalhador.

Leia mais

Custas processuais à fl Contrarrazões às fls. 177/181.

Custas processuais à fl Contrarrazões às fls. 177/181. PROCESSO: 0000958-75.2012.5.01.0013 - RTSum ACÓRDÃO 9ªTurma CONTRIBUIÇÃO SINDICAL. AÇÃO DE COBRANÇA. REPRESENTATIVIDADE SINDICAL. DEPÓSITO JUDICIAL. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos de

Leia mais

Abordagens Organizacionais

Abordagens Organizacionais NOTA DE AULA CLASS NOTE Abordagens Organizacionais Roberto de Medeiros Junior roberto.medeiros.junior@hotmail.com Prof. Maria Terezinha Angeloni, Dr. terezinha.angeloni@unisul.br Abordagens Organizacionais

Leia mais

1 Classificação das sociedades

1 Classificação das sociedades 1 Classificação das sociedades Qto à forma de exploração do objeto Qto à personificação Qto ao regime de constituição Qto à forma de constituição Qto à nacionalidade Qto ao capital Qto à responsabilidade

Leia mais

Arbitragem administrativa: potencialidades por explorar

Arbitragem administrativa: potencialidades por explorar Arbitragem administrativa: potencialidades por explorar Arbitragem administrativa: um desafio lançado ao contencioso administrativo português Instituto de Ciências Jurídico Políticas/Faculdade de Direito

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DA EDUCAÇÃO BÁSICA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA NACIONAL DA EDUCAÇÃO BÁSICA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA NACIONAL DA EDUCAÇÃO BÁSICA INTRODUÇÃO O Ministério de Educação, nos últimos três anos, vem construindo uma concepção educacional tendo em vista a articulação dos níveis e modalidades de ensino,

Leia mais

E C O N Ô S O C E N T A L. Cultura e Tradição

E C O N Ô S O C E N T A L. Cultura e Tradição 3º. Seminário Responsabilidade Social com Foco nos Atores Interessados 7 a 8/10/2008 Biodiesel e Agricultura Familiar www.biodiesel.gov.b PNPB Pilares de Sustentação PNPB S O C I A L E C O N Ô M I C O

Leia mais

A C Ó R D Ã O 6ª T U R M A E M E N T A

A C Ó R D Ã O 6ª T U R M A E M E N T A A C Ó R D Ã O 6ª T U R M A E M E N T A CONTRIBUIÇÃO SINDICAL INDEVIDA PELAS MICROEMPRESAS INSCRITAS NO SIMPLES, CONFORME ARTIGO 149 DA CRFB C/C ARTIGO 3º, 4º, DA LEI 9.317/1996 E ARTIGO 5º, 8º, DA INSTRUÇÃO

Leia mais

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Maio 2014 Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Missão Oferecer soluções educacionais para elevar a competitividade e a sustentabilidade do setor de

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES DO TRABALHO NA SOCIEDADE INFORMACIONAL

AS TRANSFORMAÇÕES DO TRABALHO NA SOCIEDADE INFORMACIONAL AS TRANSFORMAÇÕES DO TRABALHO NA SOCIEDADE INFORMACIONAL Disciplina: Trabalho, Sociedade e Desigualdades Prof. Francisco E. B. Vargas Instituto de Filosofia, Sociologia e Política IFISP/UFPel - 2013/2

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO SOBRE PARTICIPAÇÃO DOS EMPREGADOS NOS LUCROS OU RESULTADOS DOS BANCOS EM 2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO SOBRE PARTICIPAÇÃO DOS EMPREGADOS NOS LUCROS OU RESULTADOS DOS BANCOS EM 2010 A Federação dos Empregados em Estabelecimentos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul, por seu Sr. David Zaia, e os Sindicatos dos Empregados em Estabelecimentos Bancários (SEEBs) de Andradina

Leia mais

FETHESP, sindicatos filiados e SINTRALAV-SP discutem pauta de reivindicações unificada dos trabalhadores em Lavanderias do Estado de São Paulo

FETHESP, sindicatos filiados e SINTRALAV-SP discutem pauta de reivindicações unificada dos trabalhadores em Lavanderias do Estado de São Paulo FETHESP, sindicatos filiados e SINTRALAV-SP discutem pauta de reivindicações unificada dos trabalhadores em Lavanderias do Estado de São Paulo Reunião entre federação e sindicatos definiu as reivindicações

Leia mais

Relatório da atividade: Igualdade de oportunidade e não discriminação nas relações de trabalho DIEESE, OIT e INSPIR 01 e 02 de outubro de 2009

Relatório da atividade: Igualdade de oportunidade e não discriminação nas relações de trabalho DIEESE, OIT e INSPIR 01 e 02 de outubro de 2009 Relatório da atividade: Igualdade de oportunidade e não discriminação nas relações de trabalho DIEESE, OIT e INSPIR 01 e 02 de outubro de 2009 Acordo DIEESE/ OIT Apresentação A atividade teve como objetivos

Leia mais

Negociação coletiva do trabalho

Negociação coletiva do trabalho Negociação coletiva do trabalho Pedro José de Paula Gelape Mestrando em Direito Empresarial pela FDMC Resumo O presente artigo aborda os mecanismos da negociação coletiva do trabalho demonstrando, num

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC de Mairiporã Código: 271 Município: Mairiporã EE: Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional:

Leia mais

Relações Sindicais. Aula Atividade. Rh News. Gestão de RH. Prof. Ms. Mauricio Libreti de Almeida

Relações Sindicais. Aula Atividade. Rh News. Gestão de RH. Prof. Ms. Mauricio Libreti de Almeida Gestão de RH Prof. Ms. Mauricio Libreti de Almeida Relações Sindicais Aula Atividade Programas de menores aprendizes (resgate dos melhores) Rh News Como deve ser a relação do RH com os sindicatos? História

Leia mais

SIS ÊNCIA DAS DEMOCRACIAS LIBERAIS

SIS ÊNCIA DAS DEMOCRACIAS LIBERAIS A RESISTÊNCIA DAS DEMOCRACIAS LIBERAIS A ascensão dos regimes totalitários não eliminou os regimes democráticos liberais No início dos anos 30, o economista John Keynes pôs em causa a capacidade de o sistema

Leia mais

SEBRAE SEBRAE DA LEI GERAL DAS. Quem são os Pequenos Negócios?

SEBRAE SEBRAE DA LEI GERAL DAS. Quem são os Pequenos Negócios? A IMPLEMENTAÇÃO DA LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS EM MATO GROSSO Quem são os Pequenos Negócios? PRODUTOR RURAL Pessoa física ou jurídica que explora a terra, com fins econômicos ou de subsistência

Leia mais

Unidade: Introdução à Sociologia

Unidade: Introdução à Sociologia Unidade: Introdução à Sociologia Construção do conhecimento em sociologia Senso comum: conjunto de opiniões, recomendações, conselhos, práticas e normas fundamentadas na tradição, nos costumes e vivências

Leia mais

O desafio da produtividade

O desafio da produtividade O desafio da produtividade 21º Seminário Dia da Qualidade Caxias CIC Renato da Fonseca Caxias do Sul, RS, 20/07/2015 Roteiro 1. O estado da indústria e da economia brasileira 2. Baixa competitividade:

Leia mais

Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais FIEMG

Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais FIEMG Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais FIEMG Vídeo: A Força de quem FAZ O SISTEMA FIEMG A Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais representa as indústrias do Estado e atua na defesa

Leia mais

PLENÁRIA DO BANCO DO BRASIL. Sindicato dos Bancários do ABC Novembro/2016

PLENÁRIA DO BANCO DO BRASIL. Sindicato dos Bancários do ABC Novembro/2016 PLENÁRIA DO BANCO DO BRASIL Sindicato dos Bancários do ABC Novembro/2016 REESTRUTURAÇÃO DO BANCO DO BRASIL Período do PEAI: até 09/12/2016 Meta: 18 mil empregados (16% dos atuais 109 mil empregados diretos)

Leia mais

Relação de Documentos para Dar Baixa no CNPJ

Relação de Documentos para Dar Baixa no CNPJ Relação de Documentos para Dar Baixa no CNPJ 1. Baixa da Inscrição da Entidade (Matriz) Natureza Jurídica (NJ) Data do Evento Ato Extintivo (regra geral) Órgão Público NJs 101-5, 102-3, 103-1, 104-0, 105-8,

Leia mais

PARA: DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA ENTIDADE/EMPRESA TAL DE: FULANO (A) DE TAL ESTATÍSTICO (A)

PARA: DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA ENTIDADE/EMPRESA TAL DE: FULANO (A) DE TAL ESTATÍSTICO (A) Brasília-DF, 00 de... de 2015. JUNTAR O COMPROVANTE DO PAGAMENTO AO CONSELHO E PROTOCOLAR NO ÓRGÃO. DEVE APRESENTAR ATÉ FEVEREIRO DE CADA ANO, POIS O DESCONTO DE 01 (um) DIA DE TRABALHO ACONTECE NA FOLHA

Leia mais

Participação nos Lucros e Resultados Lei10.101/2000. João Roberto Liébana Costa

Participação nos Lucros e Resultados Lei10.101/2000. João Roberto Liébana Costa Participação nos Lucros e Resultados Lei10.101/2000 João Roberto Liébana Costa jcosta@viseu.com.br Constituição Federal, de 1988. CONCEITOS Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além

Leia mais

1. Fontes Materiais do Direito do Trabalho:

1. Fontes Materiais do Direito do Trabalho: 1 DIREITO DO TRABALHO PONTO 1: Fontes Materiais do Direito do Trabalho PONTO 2: Fontes Formais do Direito do Trabalho PONTO 3: Princípios 1. Fontes Materiais do Direito do Trabalho: Na idade média começaram

Leia mais

TRANSFORMAÇÃO DA TELEBRASIL EM ENTIDADE SINDICAL PATRONAL DE NÍVEL SUPERIOR. Elaborado por Cícero Domingos Penha

TRANSFORMAÇÃO DA TELEBRASIL EM ENTIDADE SINDICAL PATRONAL DE NÍVEL SUPERIOR. Elaborado por Cícero Domingos Penha TRANSFORMAÇÃO DA TELEBRASIL EM ENTIDADE SINDICAL PATRONAL DE NÍVEL SUPERIOR Elaborado por Cícero Domingos Penha VISÃO ESTRATÉGICA: Transformar a TELEBRASIL numa entidade sindical patronal de nível superior.

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR000062/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 13/01/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR073771/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.000204/2014-60

Leia mais