Relações de Trabalho (Marlene Melo, Antônio Carvalho Neto e José Francisco Siqueira Neto)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relações de Trabalho (Marlene Melo, Antônio Carvalho Neto e José Francisco Siqueira Neto)"

Transcrição

1 Relações de Trabalho (Marlene Melo, Antônio Carvalho Neto e José Francisco Siqueira Neto) Relações industriais, relações trabalhistas, relações sindicais ou relações profissionais: interações entre assalariados, empregadores e governo; somatório das dimensões macro, mesoe micro -Nível macro: contextos político, econômico, tecnológico e cultural e legislação do trabalho - Nível Meso: negociações coletivas -Nível Micro: processo de trabalho, condições de trabalho e saúde, gestão da força de trabalho Admissão do conflito e busca de acordos Variáveis ideológicas, contextuais e institucionais

2 Modelo de J. Dunlop Sistema de Relações Industriais: Pacto social fordista: aceitação do conflito, dentro das regras do jogo, com diminuição dos conflitos capital-trabalho Moderna sociedade industrial com regulação Movimento sindical independente, reconhecido pelos empresários, mas moderado e cooperativo Gerência esclarecida e profissional Fordismo: sistema de gestão do trabalho em grandes empresas com produção em massa, divisão entre trabalho manual e concepção, especialização de funções e incentivo salarial para criação de mercado consumidor

3 Negociações coletivas: instrumento de regulação dos conflitos e de efetivação do pacto social Três grandes grupos de atores: - Organização dos trabalhadores e seus representantes - Organização dos dirigentes de empresas e seus representantes - Instituições públicas e privadas Com ambiente dado e ideologias compatíveis, como fonte de estabilização

4 Críticas: - Escola francesa de sociologia do trabalho: Ocorreriam concessões dependendo do contexto político e econômico. Ideologia comum compartilhada seria deixada de lado caso mudasse o poder de barganha Depois dos anos 1970: crise do fordismoe dos sindicatos, antagonismo crescente dos empregadores nos EUA -Kochan, Katz e McKersie: escolhas estratégicas feitas pela gerência, pelos trabalhadores e pelo governo são o determinante nas transformações das relações de trabalho, mais que as negociações

5 - Situações muito distintas entre países: Negociações centralizadas nacionalmente, com sindicatos com razoável poder: Suécia e Alemanha. Pulverização de negociações: EUA e GB Negociações por empresas no Japão

6 Aspectos estruturais da negociação coletiva A) Dinâmica das negociações coletivas: 1-Em períodos determinados, de forma esporádica, em situações de crises ou permanentemente 2- Sujeitos das negociações: -Pelos trabalhadores: organizações sindicais ou, eventualmente, comissões de empresas -Pelos empresários: associações de empregadores ou empresas individualmente 3-Por seções de empresas, por empresas, conjunto de empresas, por setor produtivo, por cadeia produtiva ou para todos os setores

7 4-Abrangência territorial: empresa, local, municipal, intermunicipal, regional, inter-regional, estadual, interestadual ou nacional Podem haver níveis hierárquicos de negociações: do mais geral (nacional) para o particular (até a empresa): negociação articulada 5- Tipos de negociações: Negociações normativas: regular condições de trabalho Negociações institucionais: criar instituições, como regimes de aposentadoria, proteção ao desemprego etc. Negociações transacionais: para encerrar um conflito Negociações decisionais: estabelecer condutas e parâmetros de gestão empresarial 6-Procedimentos nas etapas da negociação: formais (estabelecidas em lei ou acordos) ou informais

8 B) Instrumentos normativos: 1- Denominações: - Acordo coletivo: entre sindicato de trabalhadores e uma ou mais empresas - Convenção coletiva: entre sindicatos de trabalhadores e de empresários - Acordo por empresa: negociação direta dos empregados -Sentença normativa: decisão da Justiça do Trabalho em processo de dissídio coletivo 2-Campo de aplicação: limitada aos sujeitos que firmam o pacto, aos associados ou com abrangência generalizada

9 3- Aplicação após os acordos: -Adesão: pode ocorrer posteriormente por outros sindicatos ou empregadores -Oposição: em caso de acordo desfavorável por conta de sindicatos não representativos -Extensão: pelo poder público (com autorização legislativa), por motivos sociais ou econômicos (equilibrar condições de concorrência), para outras realidades similares, em caso de falta de proteção coletiva -Ampliação: pelo poder público (com autorização legislativa), em caso de falta de organizações ou de negociações 4- Vigência: por tempo determinado ou indeterminado

10 C) Sistema de composição de conflitos: Conflitos jurídicos: de interpretação Conflitos econômicos: de aspiração Regras para composição, mas não sua eliminação 1-Autocomposição: sem interferência obrigatório de terceiros e sem força vinculante -Conciliação: negócio jurídico entre as partes. Pode ser judicial, extrajudicial, obrigatória ou voluntária -Mediação: com intervenção de terceiro, escolhido pelas partes, que apresenta proposta sem força vinculante 2-Heterocomposição: com interferência de um poder acima das partes, admitido ou imposto juridicamente -Arbitragem(voluntária ou obrigatória, com escolha livre pelas partes): emite laudo com força vinculante -Solução jurisdicional: tribunal imposto às partes. Dissídio coletivo com sentença normativa

11 Negociações coletivas no Brasil Sistema com origem no corporativismo Contra liberalismo (individualismo) e socialismo: colaboração de classes e interesse da nação Forte presença do Estado Controle das organizações sindicais Carta sindical do Ministério do Trabalho Unicidade sindical, base territorial Enquadramento sindical por categorias econômicas (empregadores) e categorias profissionais (trabalhadores)

12 Sistema confederativo: Sindicatos, federações e confederações Negociações feitas pelos sindicatos Pouca representação dos trabalhadores nos locais de trabalho Negociações coletivas no Brasil até 1988: Anuidade contratual: datas-base Não unificadas por setor econômico Negociações por categorias em suas bases territoriais Definições válidas para todos os membros da categoria, sem adesão, oposição, extensão e ampliação Poder normativo da Justiça do Trabalho: solução jurisdicional compulsória

13 Constituição de 1988: Manteve unicidade sindical e contribuição sindical Extensão da sindicalização para funcionários públicos civis Liberdade: impedir interferência e intervenção dos poderes públicos nos sindicatos Possibilidade de arbitragem Centrais sindicais: sem poder de negociação, mas com poder de elaborar estratégias comuns e de difundir conquistas

14 Tendências sindicais e de negociações Quedas das taxas de sindicalização e de greves Heterogeneidade dos trabalhadores Individualização crescente das relações de trabalho Descentralização das negociações para o nível das empresas Sindicalismo de classe média e de operários Postura empresarial anti-sindical nos EUA Muitas diferenças entre países (Ex.: Suécia X EUA)

15 Tendências sindicais e de negociações no mundo Quedas das taxas de sindicalização e de greves Heterogeneidade dos trabalhadores Individualização crescente das relações de trabalho Descentralização das negociações para o nível das empresas Sindicalismo de classe média e de operários Confronto maior das empresas nos EUA Muitas diferenças entre países (Ex.: Suécia X EUA)

16 Governos influem muito nas pautas de discussão social Importância do Welfare State Negociações sobre redução de jornadas, flexibilização de jornadas e moderação salarial Flexibilização do mercado de trabalho, CLT Participação nos lucros Discussões sobre gestão empresarial e tecnologias Sindicatos acionistas de empresas Questão dos trabalhadores por conta própria e informais

17 Número de sindicatos no Brasil: 1980: : Taxa de sindicalização de trabalhadores urbanos: 1970: 12% 1988: 24% 1996: 21%

PODER NORMATIVO DA JUSTIÇA DO TRABALHO. Davi Furtado Meirelles

PODER NORMATIVO DA JUSTIÇA DO TRABALHO. Davi Furtado Meirelles PODER NORMATIVO DA JUSTIÇA DO TRABALHO Davi Furtado Meirelles Resultado Negativo da Negociação - Mediação - é mais uma tentativa de conciliação, após o insucesso da negociação direta, porém, desta feita,

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO. Autarquia Municipal PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU DIREITO E RELAÇÕES DO TRABALHO

FACULDADE DE DIREITO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO. Autarquia Municipal PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU DIREITO E RELAÇÕES DO TRABALHO Módulo: Direito Coletivo do Trabalho Professores: Marcelo José Ladeira Mauad (Doutor em Direito das Relações Sociais pela PUC/SP) e Ivani Contini Bramante ( Doutora em Direito das Relações Sociais pela

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO. Direito Coletivo do Trabalho. Prof. Hermes Cramacon

DIREITO DO TRABALHO. Direito Coletivo do Trabalho. Prof. Hermes Cramacon DIREITO DO TRABALHO Direito Coletivo do Trabalho Prof. Hermes Cramacon Conceito: complexo de institutos, princípios e regras jurídicas que regulam as relações laborais de empregados e empregadores e outros

Leia mais

Capacitação de Lideranças Empresariais Sindicais. Módulo VI. Legislação Sindical

Capacitação de Lideranças Empresariais Sindicais. Módulo VI. Legislação Sindical 2009 Capacitação de Lideranças Empresariais Sindicais Módulo VI Legislação Sindical Iconografia: Conceitos e pontos de vista Organograma e Fluxograma Exemplos e exposições Comparação Atores e responsáveis

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Direito do Trabalho II Código da Disciplina: JUR256 Curso: Direito Semestre de oferta da disciplina: 8 Faculdade responsável: Direito Programa em vigência a partir de:

Leia mais

RESOLUÇÃO CA Nº 001/2014

RESOLUÇÃO CA Nº 001/2014 RESOLUÇÃO CA Nº 001/2014 Aprova a alteração na Organização Curricular do Curso Bacharelado em, da Faculdade Independente do Nordeste. O Conselho Acadêmico - CA da Faculdade Independente do Nordeste - FAINOR,

Leia mais

Disciplina: Direito e Processo do Trabalho 3º Semestre Professor Donizete Aparecido Gaeta Resumo de Aula

Disciplina: Direito e Processo do Trabalho 3º Semestre Professor Donizete Aparecido Gaeta Resumo de Aula 1. Fontes materiais e formais. 2. Normas Jurídicas de Direito do Trabalho. Constituição, Leis, Atos do Poder Executivo, Sentença normativa, Convenções e Acordos Coletivos, Regulamentos de empresa, Disposições

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação.

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2012/01 DISCIPLINA: DIREITO DO II PROFESSOR: FRANCISCA JEANE PEREIRA DA SILVA MARTINS TURMAS: 8

Leia mais

REFORMA SINDICAL E TRABALHISTA: EM ANÁLISE E DEBATE Rio de Janeiro, 11 de Maio de 2013

REFORMA SINDICAL E TRABALHISTA: EM ANÁLISE E DEBATE Rio de Janeiro, 11 de Maio de 2013 REFORMA SINDICAL E TRABALHISTA: EM ANÁLISE E DEBATE Rio de Janeiro, 11 de Maio de 2013 Helder Molina Historiador, mestre em Educação, Doutor em Políticas Públicas e Formação Humana, professor da Faculdade

Leia mais

1. Dissídio Coletivo: - Acordo coletivo: negociação coletiva pelo sindicato dos empregados de uma determinada categoria, diretamente com uma empresa.

1. Dissídio Coletivo: - Acordo coletivo: negociação coletiva pelo sindicato dos empregados de uma determinada categoria, diretamente com uma empresa. 1 DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO PONTO 1: Dissídio Coletivo PONTO 2: Dissídio Coletivo do Trabalho PONTO 3: Competência para Julgamento do Dissídio Coletivo 1. Dissídio Coletivo: - Acordo coletivo: negociação

Leia mais

CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 PLANO DE CURSO

CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 PLANO DE CURSO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: DIREITO DO TRABALHO II Código: DIR - 369 Pré-Requisito: Direito do Trabalho I Período Letivo: 2016.1

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO ESCOLA DE DIREITO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS COORDENAÇÃO DO CURSO DE DIREITO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO ESCOLA DE DIREITO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS COORDENAÇÃO DO CURSO DE DIREITO DIREITO COLETIVO *Histórico *Denominação *Conceito: segmento do Direito do Trabalho que regula a organização sindical, a negociação coletiva e os instrumentos normativos decorrentes e a greve (Gustavo

Leia mais

A CLT cuidou de definir expressamente o conceito de uma Convenção Coletiva de Trabalho, em seu artigo 611:

A CLT cuidou de definir expressamente o conceito de uma Convenção Coletiva de Trabalho, em seu artigo 611: Conceito Entende-se por Convenção Coletiva de Trabalho como sendo um acordo de caráter normativo, pactuado entre dois ou mais sindicatos representativos de categorias econômicas e profissionais, com o

Leia mais

Justifica-se a regressão de direitos trabalhistas na Europa diante da crise?

Justifica-se a regressão de direitos trabalhistas na Europa diante da crise? 1 6º Painel-A crise europeia e o Direito do Trabalho do 53º Congresso Brasileiro de Direito do Trabalho promovido pela LTr. Editora de 24 a 26 de junho de 2013 em São Paulo Justifica-se a regressão de

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2011

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2011 Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2011 DISCIPLINA: DIREITO DO II PROFESSOR: MARCELLO MANCILHA TURMA: 3º ANO INTEGRAL UNIDADES CONTEÚDOS

Leia mais

1. Instituição, funcionamento, prerrogativas e deveres dos sindicatos; 3. Os conflitos coletivos de trabalho e os meios para sua solução;

1. Instituição, funcionamento, prerrogativas e deveres dos sindicatos; 3. Os conflitos coletivos de trabalho e os meios para sua solução; Resumo Aula-tema 06: Direito Coletivo e Liberdade Sindical Em nosso curso até o momento discutimos as questões ligadas ao relacionamento entre empregado e empregador. Esse, como vimos, é o Direito Individual

Leia mais

DIREITO COLETIVO (conceito) DIREITO DO TRABALHO II

DIREITO COLETIVO (conceito) DIREITO DO TRABALHO II Aula 13 O Direito Coletivo do Trabalho. Organização sindical; enquadramento sindical e contribuições sindicais. MARIA INÊS GERARDO www.mariainesgerardo.com.br Conteúdo Programático desta aula O Direito

Leia mais

REFORMA TRABALHISTA (É TAMBÉM UMA REFORMA SINDICAL)

REFORMA TRABALHISTA (É TAMBÉM UMA REFORMA SINDICAL) (É TAMBÉM UMA REFORMA SINDICAL) A QUE VEM A REFORMA? Várias razões estão sendo dadas: MANTER E CRIAR EMPREGOS COM REDUÇÃO NO CUSTO DO TRABALHO; REGULAR FORMAS MAIS FLEXÍVEIS DE CONTRATAR PARA ATENDER AS

Leia mais

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site:

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesu@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

Amanda Duarte. Luana Freitas. Raiane Moreira. Victória Galter

Amanda Duarte. Luana Freitas. Raiane Moreira. Victória Galter Amanda Duarte Luana Freitas Raiane Moreira Victória Galter O TRABALHO ATÍPICO E A PRECARIEDADE COMO ELEMENTO ESTRATÉGICO DETERMINANTE DO CAPITAL NO PARADIGMA PÓS-FORDISTA Nesse último decênio, vem sendo

Leia mais

,UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO P L A N O D E E N S I N O

,UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO P L A N O D E E N S I N O ,UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO P L A N O D E E N S I N O I IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Administração Disciplina: Legislação Social e Trabalhista Ano Letivo:

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação.

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2014/01 DISCIPLINA: DO II PROFESSOR: FRANCISCA JEANE PEREIRA DA SILVA MARTINS TURMA: 8º DM / EN

Leia mais

DIREITO COLETIVO (conceito)

DIREITO COLETIVO (conceito) Aula 13 O Direito Coletivo do Trabalho. Organização sindical; enquadramento sindical e contribuições sindicais. Aula 14 - Os conflitos coletivos de trabalho: formas de solução dos conflitos coletivos de

Leia mais

Associação ou Sindicatos: Qual a diferença entre estas duas entidades. O que são os SINDICATOS

Associação ou Sindicatos: Qual a diferença entre estas duas entidades. O que são os SINDICATOS Associação ou Sindicatos: Qual a diferença entre estas duas entidades O que são os SINDICATOS Pp Antonieta Rosalina da Silva Salvador CRPP SINDICAL - Nº 010 Graduada em Letras pela UNIFACS, Teologia Bacharelado

Leia mais

DIREITO COLETIVO DO TRABALHO

DIREITO COLETIVO DO TRABALHO 1 UCG Universidade Católica de Goiás JUR Departamento de Ciências Jurídicas Disciplina: DIREITO DO TRABALHO II Prof.: Milton Inácio Heinen Texto 5 DIREITO COLETIVO DO TRABALHO Localização: - Cf, art. 5,XVII;

Leia mais

ENTENDA SEUS DIREITOS. O SINDEMED reservou este espaço para esclarecer seus direitos trabalhistas.

ENTENDA SEUS DIREITOS. O SINDEMED reservou este espaço para esclarecer seus direitos trabalhistas. ENTENDA SEUS DIREITOS O SINDEMED reservou este espaço para esclarecer seus direitos trabalhistas. As contribuições cobradas pelos Sindicatos são motivos de muitas dúvidas pelos empregados. Assim, a fim

Leia mais

REFORMA TRABALHISTA SUMÁRIO

REFORMA TRABALHISTA SUMÁRIO REFORMA TRABALHISTA REFORMA TRABALHISTA SUMÁRIO 1. CONTEXTO POLÍTICO LEGISLATIVO 2. ARGUMENTOS 3. EIXOS DE BASE DA REFORMA 3. DETALHES DA LEI 13467/2017 (REFORMA TRABALHISTA) 4. REFLEXÃO IMPEACHMENT CONTEXTO

Leia mais

CONCURSOS TRABALHISTAS

CONCURSOS TRABALHISTAS em CONCURSOS TRABALHISTAS 2 a Edição 2012 COMO PASSAR EM CONCURSOS TRABALHISTAS 2 a edição COMO USAR O LIVRO 15 01. Direito Individual do Trabalho 19 1. Teoria Geral do Direito do Trabalho... 19 1.1. Formação

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO E DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO

DIREITO DO TRABALHO E DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO EMENTA DIREITO DO TRABALHO E DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO DISCIPLINA: Teoria Geral do Direito do Trabalho CARGA-HORÁRIA: 10 horas EMENTA: Estudo sobre a introdução ao direito do trabalho, analisando

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR034459/2015 DATA E HORÁRIO DA TRANSMISSÃO: 15/06/2015 ÀS 13:21 SINDICATO DOS TECNICOS AGRICOLAS DE NIVEL MEDIO DE SC, CNPJ n. 80.460.785/0001-14,

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina Direito Individual e Coletivo

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO. Fontes formais autônomas: elaboradas pelos próprios interessados em aplicá-las. (grupos sociais = sindicatos)

DIREITO DO TRABALHO. Fontes formais autônomas: elaboradas pelos próprios interessados em aplicá-las. (grupos sociais = sindicatos) DIREITO DO TRABALHO FONTES DO DIREITO DO TRABALHO: MATERIAIS: FORMAIS: Fontes formais autônomas: elaboradas pelos próprios interessados em aplicá-las. (grupos sociais = sindicatos) Convenções coletivas

Leia mais

REFORMA TRABALHISTA. Reunião UGT

REFORMA TRABALHISTA. Reunião UGT REFORMA TRABALHISTA Reunião UGT Aumento da multa pelo não registro de trabalhadores: CLT PL 6787/2016 O valor da multa administrativa para as empresas que não registram seus empregados é de um salário

Leia mais

REFORMA TRABALHISTA RESISTIR, MUDAR E AVANÇAR. XVII CONFUP Salvador, 05 de agosto de 2017

REFORMA TRABALHISTA RESISTIR, MUDAR E AVANÇAR. XVII CONFUP Salvador, 05 de agosto de 2017 REFORMA TRABALHISTA RESISTIR, MUDAR E AVANÇAR XVII CONFUP Salvador, 05 de agosto de 2017 Contextualização Desmonte do papel social do Estado Reforma da Previdência Altera as regras de acesso e remuneração

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo 5 RESPONSABILIDADE DO SÓCIO RETIRANTE Capítulo 6 PRESCRIÇÃO... 41

SUMÁRIO. Capítulo 5 RESPONSABILIDADE DO SÓCIO RETIRANTE Capítulo 6 PRESCRIÇÃO... 41 SUMÁRIO Capítulo 1 INTRODUÇÃO... 17 Capítulo 2 GRUPO ECONÔMICO... 21 Capítulo 3 TEMPO À DISPOSIÇÃO DO EMPREGADOR... 29 Capítulo 4 DIREITO COMUM E JURISPRUDÊNCIA... 31 4.1 Direito Comum como fonte subsidiária...

Leia mais

EDITAL ESQUEMATIZADO PARA OAB ÉTICA PROFISSIONAL LEI E.A R

EDITAL ESQUEMATIZADO PARA OAB ÉTICA PROFISSIONAL LEI E.A R ÉTICA PROFISSIONAL LEI E.A R 1.1 Da Inscrição. 1.2 Da atividade de advocacia 1.3 Dos direitos do advogado 1.4 Da Sociedade de advogados 1.5 Do advogado empregado 1.6 Dos honorários advocatícios 1.7 Das

Leia mais

FINANCIAMENTO DO SISTEMA SINDICAL: UMA INTRODUÇÃO NECESSÁRIA FLAVIA MOREIRA GUIMARÃES PESSOA

FINANCIAMENTO DO SISTEMA SINDICAL: UMA INTRODUÇÃO NECESSÁRIA FLAVIA MOREIRA GUIMARÃES PESSOA FINANCIAMENTO DO SISTEMA SINDICAL: UMA INTRODUÇÃO NECESSÁRIA FLAVIA MOREIRA GUIMARÃES PESSOA Distinções entre as relações coletivas e as relações individuais de trabalho a) Critério rio relativo aos sujeitos

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS FACULDADE DE DIREITO Direito Processual do Trabalho Profª. Ms. Tatiana Riemann DISSÍDIO COLETIVO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS FACULDADE DE DIREITO Direito Processual do Trabalho Profª. Ms. Tatiana Riemann DISSÍDIO COLETIVO DISSÍDIO COLETIVO 1. Conceito - Dissídio coletivo é o processo que vai dirimir os conflitos coletivos do trabalho, por meio do pronunciamento do Poder Judiciário, criando ou modificando condições de trabalho

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Convenção e acordo coletivo de trabalho Paulo Moreira 1. CONFLITOS COLETIVOS E FORMAS DE SOLUÇÃO Para uma melhor compreensão do assunto, ora proposto, necessário se faz, comentar

Leia mais

BOLETIM SINDICAL 04 DE TEMA: Acordo coletivo de trabalho. ENVIADO EM 26 de maio de 2009

BOLETIM SINDICAL 04 DE TEMA: Acordo coletivo de trabalho. ENVIADO EM 26 de maio de 2009 BOLETIM SINDICAL 04 DE 2009 TEMA: Acordo coletivo de trabalho ENVIADO EM 26 de maio de 2009 1. Dando continuidade ao boletim sindical nº 003/2009 no qual abordamos a convenção coletiva de trabalho, vamos

Leia mais

Excelência em Auditoria e Consultoria

Excelência em Auditoria e Consultoria Excelência em Auditoria e Consultoria Wanderlei Costa Ferreira e Marco Antonio Sanson Alternativas Legais de Alterações nos Contratos de Trabalho em Tempos de Crise Durante o mês de janeiro acompanhamos

Leia mais

EQUIPE DE PROFESSORES DE TRABALHO DO DAMÁSIO CURSO DE 2ª FASE DA OAB EXAME PLANO DE ESTUDO - DIREITO DO TRABALHO

EQUIPE DE PROFESSORES DE TRABALHO DO DAMÁSIO CURSO DE 2ª FASE DA OAB EXAME PLANO DE ESTUDO - DIREITO DO TRABALHO EQUIPE DE PROFESSORES DE TRABALHO DO DAMÁSIO CURSO DE 2ª FASE DA OAB EXAME 2011.2 PLANO DE ESTUDO - DIREITO DO TRABALHO 1ª SEMANA Princípios 1. Princípios norteadores do Direito do Trabalho: 1.1 Princípio

Leia mais

XIV JORNADA NACIONAL DE DEBATES

XIV JORNADA NACIONAL DE DEBATES XIV JORNADA NACIONAL DE DEBATES CAMPANHAS SALARIAIS NO PÓS REFORMA TRABALHISTA RESISTIR, MUDAR E AVANÇAR São Paulo, 27 de julho de 2017 Contextualização Desmonte do papel social do Estado Reforma da Previdência

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2017/2018 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR002368/2017 DATA DE REGISTRO NO MTE: 11/07/2017 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR039881/2017 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.012988/2017-11 DATA

Leia mais

Prioridades e Recomendações ( ) Relações do Trabalho

Prioridades e Recomendações ( ) Relações do Trabalho Prioridades e Recomendações (2011-2014) Relações do Trabalho Documento de Trabalho SESSÃO TEMÁTICA Relações do Trabalho Indicador de importância das prioridades (Resultado da pesquisa de opinião realizada

Leia mais

Disciplina: Direito Individual e Coletivo do Trabalho Carga Horária: 72 (horas) 6º Período

Disciplina: Direito Individual e Coletivo do Trabalho Carga Horária: 72 (horas) 6º Período I EMENTA Histórico, conceito, divisão e fontes. Empregado e Empregador. Contrato de Trabalho. Férias. Carteira de Trabalho e Previdência Social. Higiene e Segurança do Trabalho. O Fundo de Garantia do

Leia mais

Direito do Trabalho. Fontes e Princípios do Direito do Trabalho. Professor Pedro Kuhn.

Direito do Trabalho. Fontes e Princípios do Direito do Trabalho. Professor Pedro Kuhn. Direito do Trabalho Fontes e Princípios do Direito do Trabalho Professor Pedro Kuhn www.acasadoconcurseiro.com.br Direito do Trabalho CONCEITO, FONTES E PRINCÍPIOS DO DIREITO DO TRABALHO CONCEITO DO DIREITO

Leia mais

Direito Coletivo. Paula Freire 2015

Direito Coletivo. Paula Freire 2015 Direito Coletivo Paula Freire 2015 Conceito É o segmento do Direito do Trabalho encarregado de tratar da organização sindical, da negociação coletiva, dos contratos coletivos, da representação dos trabalhadores

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOCIAL E TRABALHISTA

LEGISLAÇÃO SOCIAL E TRABALHISTA 1 Contrato de trabalho é o negócio jurídico entre uma pessoa física (empregado) e outra pessoa física ou jurídica (empregador) sobre condições de trabalho, em que se busca a execução de uma atividade e

Leia mais

CUSTEIO SINDICAL: ENTENDA SOBRE SUAS POSSÍVEIS FONTES

CUSTEIO SINDICAL: ENTENDA SOBRE SUAS POSSÍVEIS FONTES CUSTEIO SINDICAL: ENTENDA SOBRE SUAS POSSÍVEIS FONTES O Direito Coletivo do Trabalho tem como figura principal o sindicato, cuja finalidade é a defesa dos direitos e interesses coletivos ou individuais

Leia mais

A presente Convenção Coletiva de Trabalho abrangerá a(s) categoria(s) dos técnicos agrícolas, com abrangência territorial em SC.

A presente Convenção Coletiva de Trabalho abrangerá a(s) categoria(s) dos técnicos agrícolas, com abrangência territorial em SC. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2017/2018 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR031080/2017 SINDICATO DOS TECNICOS AGRICOLAS DE NIVEL MEDIO DE SC, CNPJ n. 80.460.785/0001-14, neste ato representado(a) por seu Presidente,

Leia mais

FONTE. Fontes materiais DIREITO DO TRABALHO 24/02/2016 FONTES E PRINCÍPIOS MATERIAL

FONTE. Fontes materiais DIREITO DO TRABALHO 24/02/2016 FONTES E PRINCÍPIOS MATERIAL FONTES E PRINCÍPIOS DIREITO DO TRABALHO Msc. Roseniura Santos CLT - Art. 8º - As autoridades administrativas e a Justiça do Trabalho, na falta de disposições legais ou contratuais, decidirão, conforme

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO PRINCÍPIOS DO DIREITO DO TRABALHO

DIREITO DO TRABALHO PRINCÍPIOS DO DIREITO DO TRABALHO DIREITO DO TRABALHO PRINCÍPIOS DO DIREITO DO TRABALHO Atualizado em 13/01/2016 PRINCÍPIOS DO DIREITO DO TRABALHO PRINCÍPIO PROTETOR Nas relações empregatícios sempre existe o conflito entre o detentor

Leia mais

SEMINÁRIO TRABALHISTA TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS SP 25/08/2017

SEMINÁRIO TRABALHISTA TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS SP 25/08/2017 SEMINÁRIO TRABALHISTA TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS SP 25/08/2017 Acordado sobre o legislado autorizado - art.611-a, CLT A CCT e o ACT têm prevalência sobre a Lei: 1) pacto quanto à jornada de trabalho

Leia mais

DIREITOS SINDICAIS DOS SERVIDORES PÚBLICOS. Direitos Sociais Constitucionais art. 39, 3º CF.

DIREITOS SINDICAIS DOS SERVIDORES PÚBLICOS. Direitos Sociais Constitucionais art. 39, 3º CF. DIREITOS SINDICAIS DOS SERVIDORES PÚBLICOS Direitos Sociais Constitucionais art. 39, 3º CF. DIREITOS SINDICAIS AS TRÊS DIMENSÕES QUE ESTRUTURAM A ATIVIDADE SINDICAL A associação sindical A negociação coletiva

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO E PROCESSO DO TRABALHO

DIREITO DO TRABALHO E PROCESSO DO TRABALHO Pós em Direito CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DIREITO DO TRABALHO E PROCESSO DO TRABALHO INFORMAÇÕES BÁSICAS ÁREA: Direito do Trabalho e Processo do Trabalho COORDENADORES: Otávio Calvet INÍCIO MÓDULO I: 03/03/2018

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001551/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR038324/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.003880/2014-96 DATA

Leia mais

P A R E C E R. XVII - é plena a liberdade de associação para fins lícitos, vedada a de caráter paramilitar;

P A R E C E R. XVII - é plena a liberdade de associação para fins lícitos, vedada a de caráter paramilitar; P A R E C E R ASSOCIAÇÕES DE PILOTOS NATUREZA JURÍDICA FUNDAMENTOS LEGAIS PRINCÍPIO CONSTITUCIONAL DA UNICIDADE DE REPRESENTAÇÃO PROFISSIONAL ARTIGO 8º. DA CF/88 DECRETO-LEI Nº 1.402, DE 5 DE JULHO DE

Leia mais

Em suma, o Projeto de Lei trata dos seguintes assuntos:

Em suma, o Projeto de Lei trata dos seguintes assuntos: INFORME N 01/2017 Projeto de Lei n. 6787/2016, que altera a Consolidação das Leis do Trabalho CLT e a Lei n. 6.019/74, para dispor sobre eleições de representantes dos trabalhadores no local de trabalho

Leia mais

Processo do Trabalho I

Processo do Trabalho I Processo do Trabalho I»Aula 5 Jurisdição e Competência Parte 1 Introdução Jurisdição Competência Em razão da Matéria Competência Funcional Jurisdição e competência da Justiça a do Trabalho I Introdução

Leia mais

Estratégia de Luta. Tel./Fax:

Estratégia de Luta. Tel./Fax: Estratégia de Luta Neste texto buscaremos refletir sobre alguns desafios que as alterações em curso no mundo do trabalho colocam para as instancias de representação dos trabalhadores. Elementos como desemprego

Leia mais

ESTATUTO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS TÉCNICOS EM MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO PARANÁ SINDITTEMA-PR

ESTATUTO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS TÉCNICOS EM MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO PARANÁ SINDITTEMA-PR ESTATUTO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS TÉCNICOS EM MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO PARANÁ SINDITTEMA-PR TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO, PRERROGATIVAS, DIREITOS E DEVERES DOS ASSOCIADOS Capítulo I

Leia mais

FUTURO TENDÊNCIAS INOVAÇÃO PARA QUEM BUSCA SUCESSO NA CARREIRA JURÍDICA, PRATICAR É LEI. Uma instituição do grupo

FUTURO TENDÊNCIAS INOVAÇÃO PARA QUEM BUSCA SUCESSO NA CARREIRA JURÍDICA, PRATICAR É LEI. Uma instituição do grupo FUTURO TENDÊNCIAS INOVAÇÃO PARA QUEM BUSCA SUCESSO NA CARREIRA JURÍDICA, PRATICAR É LEI. Uma instituição do grupo PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DO TRABALHO E PROCESSO DO TRABALHO OBJETIVOS: O curso de Pós-graduação

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DE PROFESSOR DE ENSINO MÉDIO E TÉCNICO - EDITAL Nº 236/01/ PROCESSO Nº 2762/2017.

CONCURSO PÚBLICO DE PROFESSOR DE ENSINO MÉDIO E TÉCNICO - EDITAL Nº 236/01/ PROCESSO Nº 2762/2017. ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL GUSTAVO TEIXEIRA SÃO PEDRO CONCURSO PÚBLICO DE PROFESSOR DE ENSINO MÉDIO E TÉCNICO - EDITAL Nº 236/01/2017 - PROCESSO Nº 2762/2017. AUTORIZAÇÃO GOVERNAMENTAL CONSTANTE DO PROCESSO

Leia mais

CURSO DE ARBITRAGEM EMPRESARIAL

CURSO DE ARBITRAGEM EMPRESARIAL CURSO DE ARBITRAGEM EMPRESARIAL Princípios (Texto aprovado na reunião ordinária de 24 de abril de 1999) I. O Árbitro é o privilegiamento da autonomia da vontade das partes, que o elegem para dirimir uma

Leia mais

NIVELAMENTO PARA PÓS GRADUAÇÃO. - Direito Individual do Trabalho - (aula 08/11)

NIVELAMENTO PARA PÓS GRADUAÇÃO. - Direito Individual do Trabalho - (aula 08/11) NIVELAMENTO PARA PÓS GRADUAÇÃO - Direito Individual do Trabalho - (aula 08/11) CUSTÓDIO NOGUEIRA Advogado militante especializado em Direito Civil e Processo Civil; Sócio da Tardem e Nogueira Assessoria

Leia mais

1. PRINCÍPIOS E FONTES DO DIREITO DO TRABALHO

1. PRINCÍPIOS E FONTES DO DIREITO DO TRABALHO 1. PRINCÍPIOS E FONTES DO DIREITO DO TRABALHO (AJAJ TRT da 19ª Região FCC 2014) 001 A relação objetiva evidenciada pelos fatos define a verdadeira relação jurídica estipulada pelos contratantes, ainda

Leia mais

ABRIL DE Apoio

ABRIL DE Apoio PROPOSTA DE TRABALHO CAMPANHA CONTRA AS PRÁTICAS ANTI-SINDICAIS ABRIL DE 2008 Apoio I. IDENTIFICAÇÃO DO PROJ ETO Título: Campanha Sindical contra as Práticas Anti-Sindicais (PAS) Duração do Projeto: 24

Leia mais

DIREITO COLETIVO DO TRABALHO

DIREITO COLETIVO DO TRABALHO DIREITO COLETIVO DO TRABALHO 1ª edição novembro, 2001 2ª edição setembro, 2003 3ª edição setembro, 2008 3ª edição 2ª tiragem março, 2010 4ª edição, revista, atualizada, ampliada setembro, 2011 5ª edição,

Leia mais

2.6 Relações de Trabalho

2.6 Relações de Trabalho Por que Relações de Trabalho? No Brasil, o sistema legal e institucional que rege o mercado de trabalho é defasado, rígido e juridicamente inseguro, o que compromete a competitividade das empresas e o

Leia mais

NEGOCIAÇÃO COLETIVA À LUZ DA REFORMA TRABALHISTA NO BRASIL

NEGOCIAÇÃO COLETIVA À LUZ DA REFORMA TRABALHISTA NO BRASIL NEGOCIAÇÃO COLETIVA À LUZ DA REFORMA TRABALHISTA NO BRASIL Ministro Aloysio Corrêa da Veiga INTRODUÇÃO Importância da Negociação Coletiva no Mundo Atual. Artigo 1º (Constituição da República Portuguesa)

Leia mais

UNIÃO ESPÍRITA MINEIRA Consultoria Jurídica Contribuição Sindical

UNIÃO ESPÍRITA MINEIRA Consultoria Jurídica Contribuição Sindical UNIÃO ESPÍRITA MINEIRA 2017 Contribuição Sindical O que é a Contribuição Sindical: É a contribuição devida por aqueles que participam de uma determinada categoria econômica ou profissional em favor do

Leia mais

IN SRT 16/13 - IN - Instrução Normativa SECRETÁRIO DE RELAÇÕES DO TRABALHO - SRT nº 16 de

IN SRT 16/13 - IN - Instrução Normativa SECRETÁRIO DE RELAÇÕES DO TRABALHO - SRT nº 16 de IN SRT 16/13 - IN - Instrução Normativa SECRETÁRIO DE RELAÇÕES DO TRABALHO - SRT nº 16 de 15.10.2013 D.O.U.: 16.10.2013 Dispõe sobre o depósito, registro e arquivo de convenções e acordos coletivos de

Leia mais

CONVENÇÃO N Liberdade Sindical e Proteção ao Direito de Sindicalização

CONVENÇÃO N Liberdade Sindical e Proteção ao Direito de Sindicalização CONVENÇÃO N. 87 1 Liberdade Sindical e Proteção ao Direito de Sindicalização Aprovada na 31ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (São Francisco 1948), entrou em vigor no plano internacional

Leia mais

[SINDICALISMO] Demissão de dirigente sindical é tema de debate no Senado

[SINDICALISMO] Demissão de dirigente sindical é tema de debate no Senado Audiência pública Federal retoma o debate sobre Reforma Sindical no Congresso Nacional. O tema foi debatido com dirigentes sindicais, representantes do Ministério do Trabalho e da Procuradoria Regional

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO

DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO 01. Dentre os aspectos peculiares aos órgãos jurisdicionais trabalhistas no Brasil, não se encontra: I - Não existem Varas do Trabalho especializadas em determinadas matérias,

Leia mais

REFORMA TRABALHISTA Panorama Atual. Luiz Fernando Alouche julho/2017

REFORMA TRABALHISTA Panorama Atual. Luiz Fernando Alouche julho/2017 REFORMA TRABALHISTA Panorama Atual Luiz Fernando Alouche julho/2017 SUMÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO ALGUNSNÚMEROS COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA REFORMA ALTERAÇÕES NA QUESTÃO PROCESSUAL POSSÍVEIS MODIFICAÇÕES

Leia mais

DIR. COLETIVO DO TRABALHO FABRÍCIO AITA IVO PONTO 1: DISSÍDIO COLETIVO PONTO 2: NEGOCIAÇÃO COLETIVA PONTO 3: SINDICATOS

DIR. COLETIVO DO TRABALHO FABRÍCIO AITA IVO PONTO 1: DISSÍDIO COLETIVO PONTO 2: NEGOCIAÇÃO COLETIVA PONTO 3: SINDICATOS DIR. COLETIVO DO TRABALHO DIR. COLETIVO DO TRABALHO PONTO 1: DISSÍDIO COLETIVO PONTO 2: NEGOCIAÇÃO COLETIVA PONTO 3: SINDICATOS DIREITO COLETIVO DO TRABALHO: os sujeitos são os Sindicatos. *DISSÍDIO COLETIVO:

Leia mais

PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE

PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE 1 CONTRATO DE SOCIEDADE 1 Elementos contratuais 2 Sociedades simples e empresárias 3 Sociedades não personificadas 4 Sociedade em comum 4.1 Patrimônio social e responsabilidade

Leia mais

O NOVO MOMENTO NA GESTÃO DE PESSOAS. Denise Poiani Delboni

O NOVO MOMENTO NA GESTÃO DE PESSOAS. Denise Poiani Delboni O NOVO MOMENTO NA GESTÃO DE PESSOAS Desfronteirização Organizacional Organizações transnacionais Facilidade de distribuição de produtos em escala mundial Pouco mais de 500 corporações controlam 70% do

Leia mais

Terceirização comparada. Brasil e outros países.

Terceirização comparada. Brasil e outros países. Terceirização comparada Brasil e outros países. O que é terceirização? A terceirização é a forma de gestão do processo produtivo da empresa que contrata de outra serviços específicos, realizados com organização

Leia mais

FORMAS DE SOLUÇÃO DOS CONFLITOS TRABALHISTAS

FORMAS DE SOLUÇÃO DOS CONFLITOS TRABALHISTAS FORMAS DE SOLUÇÃO DOS CONFLITOS TRABALHISTAS AUTO DEFESA: Nesta espécie a solução do conflito se faz diretamente pelos envolvidos, com a imposição do interesso de um sobre o do outro. O significado da

Leia mais

REFORMA TRABALHISTA LEI Nº , DE 13 DE JULHO DE 2017

REFORMA TRABALHISTA LEI Nº , DE 13 DE JULHO DE 2017 REFORMA TRABALHISTA LEI Nº 13.467, DE 13 DE JULHO DE 2017 André Luís Saraiva Vice-Presidente de Relações do Trabalho e Sindical 1 As Relações do trabalho são reconhecidamente diferenciais para o crescimento,

Leia mais

2. Transcreve-se a seguir as informações constantes no Despacho: Solicito parecer jurídico em relação ao assunto.

2. Transcreve-se a seguir as informações constantes no Despacho: Solicito parecer jurídico em relação ao assunto. Parecer Jurídico nº 14/2015 Interessado: CAU/DF. Assunto: Questionamento sobre a obrigatoriedade do pagamento da contribuição sindical Ementa: Direito Administrativo. Questionamento sobre a obrigatoriedade

Leia mais

Sindicato e Organização das OCEMG

Sindicato e Organização das OCEMG Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado de MG - OCEMG Funções do sindicato patronal: Assistencial: no âmbito dos sindicatos patronais, essencialmente, e a assessoria na área jurídica e econômica.

Leia mais

PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS OU RESULTADOS DE QUE TRATA A LEI DE

PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS OU RESULTADOS DE QUE TRATA A LEI DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO ESPECÍFICA SOBRE PARTICIPAÇÃO DOS EMPREGADOS NOS LUCROS OU RESULTADOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS PRIVADOS E DE CAPITALIZAÇÃO EM 2006. A FEDERAÇÃO NACIONAL DOS SECURITÁRIOS-

Leia mais

Um olhar sobre os contratos de trabalho após a Reforma Trabalhista. Prof. Maria Cláudia Felten

Um olhar sobre os contratos de trabalho após a Reforma Trabalhista. Prof. Maria Cláudia Felten Um olhar sobre os contratos de trabalho após a Reforma Trabalhista Prof. Maria Cláudia Felten E-mail: mariaclaudia@feltenadvogados.com.br - ASPECTOS QUE DEVEM SER RESSALTADOS, ANTES DE ADENTRAR AO TEXTO

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1 IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Curso 503 Direito Diurno Disciplina

Leia mais

O que está em jogo na Reforma Trabalhista?

O que está em jogo na Reforma Trabalhista? O que está em jogo na Reforma Trabalhista? O juiz do Trabalho de São Paulo, Jorge Luiz Souto Maior, especialista na área, professor da USP, escreveu artigos nos quais organizou os pontos da Reforma Trabalhista

Leia mais

É um tributo estabelecido no artigo 579 da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), de pagamento obrigatório, recolhido uma vez por ano.

É um tributo estabelecido no artigo 579 da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), de pagamento obrigatório, recolhido uma vez por ano. INFORMATIVO DE CONTRIBUIÇÃO SINDICAL O QUE É A CONTRIBUIÇÃO SINDICAL É um tributo estabelecido no artigo 579 da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), de pagamento obrigatório, recolhido uma vez por

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Unidade de Ensino Médio e Técnico CETEC Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso no. 224 aprovado pela Portaria Cetec 168, de 7 5 2013, publicada no Diário Oficial de 9 5 2013 Poder

Leia mais

Trabalho, Tecnologia e Inovação Aula 6

Trabalho, Tecnologia e Inovação Aula 6 Trabalho, Tecnologia e Inovação Aula 6 Tema II.2 - Reestruturação produtiva, novas tecnologias e novas formas de organização social do trabalho e da produção: A (difícil) transição pós-fordista e o modelo

Leia mais

REFORMA TRABALHISTA AS CONSEQUENCIAS PRÁTICAS NAS NEGOCIAÇÕES COM SINDICATOS E COMISSÕES DE EMPREGADOS. Cícero Domingos Penha

REFORMA TRABALHISTA AS CONSEQUENCIAS PRÁTICAS NAS NEGOCIAÇÕES COM SINDICATOS E COMISSÕES DE EMPREGADOS. Cícero Domingos Penha REFORMA TRABALHISTA AS CONSEQUENCIAS PRÁTICAS NAS NEGOCIAÇÕES COM SINDICATOS E COMISSÕES DE EMPREGADOS Cícero Domingos Penha OBSERVAÇÕES Sobre a reforma A REFORMA... Compreende mais de 114 dispositivos

Leia mais

Sumário. Direito_Trabalho_Simplificado_Cad_00.indd 13 24/06/ :03:33

Sumário. Direito_Trabalho_Simplificado_Cad_00.indd 13 24/06/ :03:33 Sumário Capítulo 1 História e Evolução do Direito do Trabalho... 1 1.1. Sumário da Evolução Histórica do Direito do Trabalho no Mundo... 1 1.2. Sumário da Evolução Histórica do Direito do Trabalho no Brasil...

Leia mais

S u m á r i o. Capítulo 1 Direito do Trabalho Capítulo 2 Princípios de Direito do Trabalho Trabalho...1

S u m á r i o. Capítulo 1 Direito do Trabalho Capítulo 2 Princípios de Direito do Trabalho Trabalho...1 S u m á r i o Capítulo 1 Direito do Trabalho... 1 1. Trabalho...1 1.1. Origem da palavra...1 1.2. Definição... 1 1.3. Conceito... 2 1.4. Característica...2 1.5. Divisão... 2 1.6. Fundamento...3 1.7. Breve

Leia mais

reforma trabalhista. lei nº /2017* lei nº /2017**

reforma trabalhista. lei nº /2017* lei nº /2017** reforma trabalhista. lei nº 13.429/2017* lei nº 13.467/2017** principais mudanças. trabalho temporário...3 terceirização...4 relações de trabalho...5 trabalho intermitente, teletrabalho (home office) férias...6

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL CONHEÇA O SEPRORGS Entidade Patronal Fundado em 04 de Julho de 1986-30 anos Defender os interesses das empresas de TIC do RS Representar mais de 7 mil empresas vinculadas 300

Leia mais

X - ENCONTRO ESTADUAL DOS PROFISSIONAIS DE CONTABILIDADE DAS COOPERATIVAS DE MINAS GERAIS

X - ENCONTRO ESTADUAL DOS PROFISSIONAIS DE CONTABILIDADE DAS COOPERATIVAS DE MINAS GERAIS Prof. AMAURI MASCARO NASCIMENTO: Reconheça-se, no entanto, que o sistema de organização sindical é contraditório. Tenta combinar a liberdade sindical com a unicidade sindical imposta por lei e a contribuição

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E A DEMOCRACIA

O SERVIÇO SOCIAL E A DEMOCRACIA O SERVIÇO SOCIAL E A DEMOCRACIA Francieli Jaqueline Gregório INTRODUÇÃO:O Serviço Social como construção histórica é um mecanismo de regulação social, assim como as políticas sociais. Enquanto o Serviço

Leia mais

Cartilha de Contribuição

Cartilha de Contribuição Cartilha de Contribuição 1) O QUE É A CONTRIBUIÇÃO SINDICAL? É a principal fonte de custeio das entidades sindicais. Ela objetiva o fortalecimento das empresas que representa, pois financia as diversas

Leia mais