CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA GERENCIA EDUCACIONAL DE FORMAÇAO GERAL E DE SERVIÇOS CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA (MÓDULO I)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA GERENCIA EDUCACIONAL DE FORMAÇAO GERAL E DE SERVIÇOS CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA (MÓDULO I)"

Transcrição

1 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA GERENCIA EDUCACIONAL DE FORMAÇAO GERAL E DE SERVIÇOS CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA (MÓDULO I) RELATÓRIO DO PROJETO INTEGRADOR SAÚDE E METEOROLOGIA ANGELA PAULA DE OLIVEIRA JAQUELINE TEREZINHA MARTINS KAMILLY DOS SANTOS RIBEIRO KARINA GRAZIELA JOCHEM VANESSA RIBAS CÚRCIO FLORIANÓPOLIS, SETEMBRO DE 2005.

2 Dedicamos todo este trabalho a nós, alunas, por todo esforço empenhado neste projeto, afim da realização do mesmo.

3 Agradecemos a todos que confiaram em nós e depositaram sempre sua confiança em nosso potencial. 10

4 A ciência poderá ter achado a cura para a maioria dos males, mas não achou ainda o remédio para o pior de todos: a apatia dos seres humanos. Helen Keller 11

5 RESUMO A meteorologia esta inteiramente ligada a saúde humana, em especial a das crianças. No decorrer das estações, o organismo humano nem sempre esta apto para enfrentar a próxima estação. O objetivo principal desse estudo é mostrar as doenças mais freqüentes de cada estação, através da confirmação de dados de doeis hospitais de Florianópolis e compara-los com os dados do CIRAM. 12

6 ABSTRACT Meteorology is completely related to human health, especially to the children s. During the seasons of the year the human organism is not always ready to face the changing conditions of the next season. The main objective of this study is to point the season most frequent deseases analyzing data confrontation from two hospitals from Florianópolis and a local meteorological information center CIRAM. Key words: seasons, deseases, children. 13

7 SUMÁRIO Lista de Figuras...viii Introdução Saúde e Meteorologia Patologias mais Frequentes em Crianças nas Diferentes Estações do Ano Efeitos da Primavera no Brasil Alergias Sintomas Tratamento Verão Micoses Sintomas Tratamento Insolação Sintomas Tratamento Desidratação Sintomas Tratamento Intoxicação Alimentar Outono Gripe Sintomas Tratamento Resfriado Sintoma Tratamento Inverno Sinusite

8 Sintomas Tratamento Asma Sintomas Tratamento Bronquite Sintomas Tratamento Pneumonia Sintomas Tratamento Analise dos dados coletados nos Hospitais Doenças mais freqüentes na Primavera Doenças mais freqüentes no Verão Doenças mais freqüentes no Outono Doenças mais freqüentes no Inverno...36 Considerações Finais...37 Referências

9 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 - Do lado esquerdo a Terra está sendo iluminada pelo Sol em junho e por isso que está no Trópico de Câncer. Do lado direito ela está sendo iluminada em dezembro, portanto, o sol está no Trópico de Capricórnio...11 FIGURA 2 solstícios e equinócios, traçando as posições do sol em relação às estações do ano...11 FIGURA 3 - Tipos de alergias no organismo...18 FIGURA 4 - Alvéolos normais no primeiro caso, e Alvéolos com pneumonia no segundo caso( parte mais avermelhada )...32 GRAFICO 1- Percentual de casos de alergias ocorridos na primavera, no Hospital Infantil Joana de Gusmão...34 GRAFICO 2- Percentual de casos de desidratação, insolação e intoxicação alimentar ocorridos no verão, no Hospital Infantil Joana de Gusmão...35 GRAFICO 3- Percentual de casos de gripes e resfriados ocorridos no outono, no Hospital Infantil Joana de Gusmão...35 GRAFICO 4- Percentual de casos de rinites, sinusites, pneumonia e asma ocorridos no inverno, no Hospital Infantil Joana de Gusmão...36 GRAFICO 5- Percentual de casos de rinites, sinusites, pneumonia e asma ocorridos no inverno,no Hospital Universitário

10 INTRODUÇAO A Meteorologia esta inteiramente ligada à saúde humana, especificamente a das crianças de 0 a 16 anos, que será enfatizada neste projeto. A causa de todas as variações meteorológicas na Terra é devido à posição do sol em relação ao nosso planeta, sendo que as estações do ano são causadas pelo movimento orbital da Terra, trata-se do movimento de translação, e pelo fato da inclinação do seu eixo. Com a chegada de uma nova estação o ser humano tende a se adaptar com a transformação, porém nosso organismo nem sempre esta apto para enfrentar tais mudanças climáticas. O objetivo principal desse projeto é mostrar as doenças mais freqüentes de cada estação (verão, outono, inverno e primavera),que influencia na saúde das crianças, tendo em vista como se origina, os sintomas e o tratamento para cada uma delas, comparando essa freqüência de doenças utilizando dados hospitalares com dados climatológicos (temperatura, pressão e umidade). A metodologia adotada para realização dessa pesquisa foi a utilização de livros de sites da Internet, complementando com dados coletados no Hospital Infantil Joana de Gusmão no ano de 2004 e no Hospital Universitário no ano de 2003 e, por fim, os dados climáticos que será cedido pelo CIRAM(Centro de Informação de Recursos Ambientais e Hidrometeorológicos de Santa Catarina ). Portanto é importante conhecer as variações climáticas existentes em nosso planeta, pois como sabemos ele está em constante mudança. Por isso, é que saibamos identificar e prevenir as doenças causadas pelas variações climáticas. Isso permitirá uma melhor qualidade de vida, principalmente, para as crianças, que por serem mais frágeis são as mais prejudicadas. 17

11 SAUDE E METEOROLOGIA A Terra possui vários movimentos, porém dentre todos, destacam-se os movimentos de Rotação e o de Translação. A posição mais próxima ao sol, o periélio, é atingido aproximadamente em 3 de janeiro e o ponto mais distante, o afélio, em aproximadamente 4 de julho. O movimento de Rotação é o que a Terra realiza em torno do seu eixo, tendo sentido de rotação de oeste para leste, causando a sucessão dos dias e das noites. Portanto, a Terra ao girar em torno do seu próprio eixo, apresenta constantemente um hemisfério iluminado pelo Sol e o outro voltado para o lado oposto. O movimento de translação é o que a Terra realiza em torno do Sol, num período aproximado de 365 dias, 5 horas, 48 minutos e 48 segundos. Deste movimento resultam: desigual distribuição de luz e calor, desigual duração dos dias e das noites, as estações do ano e as sucessões de solstícios e equinócios, tudo isso conforme a época do ano e a posição do sol. Os solstícios correspondem às épocas do ano em que os hemisférios norte e sul são desigualmente iluminados e ocorrem nas seguintes datas: 21 de dezembro solstício de verão no HS e coincide com a passagem do sol pelo Trópico de Capricórnio, quando os raios solares ficam perpendiculares a esse trópico, recebendo maior quantidade de luz e calor, dias mais longos e noites mais curtas. E no HN é o início do inverno. 21 de junho solstício de verão no HN e coincide com a passagem do sol pelo Trópico de Câncer, quando os raios ficam perpendiculares a esse trópico, recebendo maior quantidade de luz e calor, dias mais longos que as noites. E no HS é o início do inverno. Os equinócios correspondem às épocas do ano em que ambos os hemisférios são igualmente iluminados, tendo os dias iguais as noites, coincidindo com a passagem do sol pelo Equador. Ocorrem nas seguintes datas: 21 de março início do outono no HS e da primavera no HN. 23 de setembro início da primavera no HS e do outono no HN. 18

12 Podemos ver estas descrições nas figuras abaixo (fig 1 e fig 2): FIGURA 1 - Do lado esquerdo a Terra está sendo iluminada pelo Sol em junho e por isso que está no Trópico de Câncer. Do lado direito ela está sendo iluminada em dezembro, portanto, o sol está no Trópico de Capricórnio. FIGURA 2 solstícios e equinócios, traçando as posições do sol em relação às estações do ano. 19

13 A quantidade total de radiação solar recebida depende não apenas da duração do dia como também da altura do Sol. Como a Terra é curva, a altura do Sol varia com a latitude. A altura do Sol influencia a intensidade de radiação solar, ou irradiância, que é a quantidade de energia que atinge uma área unitária por unidade de tempo (também chamada densidade de fluxo), de duas maneiras: a)primeiro - quando os raios solares atingem a Terra verticalmente, eles são mais concentrados. Quanto menor a altura solar, mais espalhada e menos intensa a radiação; b)segundo - a altura do sol influencia a interação da radiação solar com atmosfera. Se a altura do sol decresce, o percurso dos raios solares através da atmosfera cresce e a radiação solar sofre maior absorção, reflexão ou espalhamento, o que reduz sua intensidade na superfície. A incidência de raios verticais do sol, portanto, ocorre entre N e S. Todos os locais situados na mesma latitude têm idênticas alturas do Sol e duração do dia. Se os movimentos relativos Terra-Sol fossem os únicos controladores da temperatura, estes locais teriam temperaturas idênticas. A existência das estações se deve à forma elíptica da órbita terrestre e a inclinação do eixo da Terra com respeito ao plano da órbita terrestre. Porém, o fato de que, além da excentricidade da órbita terrestre, ambos os planos, equador e elíptica, estejam inclinados entre si, e também que, ao se deslocar a Terra em redor do Sol, o eixo de rotação se mantenha paralelamente a si mesmo, implica que os raios solares incidam mais ou menos obliquamente sobre cada região determinada, originando as estações. Entretanto, as principais causas das estações do ano são: o movimento de translação e as mudanças decorrentes da inclinação de seu eixo, porém também há outros fatores que as influenciam. Regiões mais sólidas da superfície terrestre se aquecem e se resfriam mais rapidamente do que as águas dos oceanos e mares, ou seja, a temperatura varia de acordo com a proximidade do local, além disso, a presença de montanhas ou vales influencia muito a ocorrência de ventos e nebulosidade, o que também provoca variações no clima. 20

14 Contudo, apesar da altura do Sol ser o principal controlador da temperatura, não é o único. Podemos citar, a radiação, a adveccão de massas de ar, o aquecimento diferencial da Terra e da água, as correntes oceânicas, a altitude e a posição geográfica. Sabendo do processo de formação das estações do ano e as posições que o sol ocupa em determinada estação, verificamos que a Terra está em constante mudança e que a todo instante podemos nos ver diante de uma variação climática. Assim sendo, devemos nos prevenir de toda e qualquer mudança meteorológica. 21

15 PATOLOGIAS MAIS FREQUENTES EM CRIANÇAS NAS DIFERENTES ESTAÇÕES DO ANO 3.1. Primavera No ponto de vista geográfico a primavera é a estação do ano que se caracteriza por temperaturas moderadas e pela renovação e floração das plantas. No hemisfério norte se estende de março a junho e, no hemisfério sul, de setembro a dezembro Efeitos da Primavera no Brasil A estação, que é um período de transição entre o inverno e o verão, caracterizase pelo aumento da temperatura e variações bruscas nas condições climáticas em grande parte do Brasil. A partir de setembro, as chuvas aumentam gradativamente nas Regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, principalmente pela maior freqüência de sistemas frontais que passam pelos estados. A passagem desses sistemas no começo da estação, podem provocar pequenas quedas nas temperaturas, mas as mesmas se recuperam rapidamente em alguns dias. Além disto, a umidade trazida da Região Amazônica, vinda pelos ventos, com o aumento das temperaturas começam a provocar as chamadas "chuvas de verão". Na maior parte do Nordeste, predomina o sol e a estação não é tão sentida quanto nos estados do Sul e Sudeste. Os ventos também aumentam de intensidade a partir de outubro na Região Nordeste e normalmente chove um pouco Alergias É na primavera que as flores estão presentes em maior abundância, deixando os ambientes mais lindos, recobertos com as mais diversas cores e perfumados com os mais diferentes aromas. Porém, todo esse presente da natureza pode não ser tão benéfico assim ao ser humano. As flores produzem o pólen, substância formada por 22

16 grãos minúsculos, em geral amarelados, produzidos no aparelho reprodutor das flores das plantas superiores. Seu transporte por ar ou pela água produz a fecundação das plantas. Assim, é nessa época do ano, que é muito comum a alergia respiratória (rinites) relacionada ao pólen, essa poeira fina que se desprende das flores. Costumam surgir camufladas sob coriza e espirros, como se a criança estivesse resfriada. É alta, também, a incidência de varicela (catapora), com aquelas pintinhas vermelhas espalhadas pelo corpo. Resfriados e gripes, estas acompanhadas de febre alta, tosse, mal estar e dores no corpo acontecem na primavera, como nas outras estações. Quando determinados agentes entram em contato com o organismo, este põe em funcionamento seu sistema imunológico, que atua como defesa, gerando os chamados anticorpos, que são moléculas produzidas por determinado tipo de componentes do sangue, os linfócitos. Os anticorpos interagem com os elementos invasores, denominados antígenos, para ocasionar as reações antígeno-anticorpo. Em alguns casos, essas reações são prejudiciais ao organismo e constituem o fundamento da alergia. Em outras palavras, alergia é uma resposta exagerada do nosso organismo quando este entra em contato com determinadas substâncias provenientes de fora, podendo produzir lesões nos tecidos ou uma enfermidade. Na alergia o antígeno se chama alérgeno e o anticorpo reagina. Mesmo em quantidade mínima, os alérgenos podem originar uma reação alérgica, por ingestão ou absorção, assim como por comunicação externa. O início do processo se dá em duas fases: na primeira, o organismo recebe uma quantidade de antígeno gerador, que corresponde à dose sensibilizante ou indutora e que não produz qualquer manifestação sensível. Em seguida, uma segunda dose desencadeia a reação. Os alérgenos podem ser classificados de acordo com a causa em: Inalantes: poeira doméstica, fungos, ácaros, pêlos de animais, pólens; Digestivos: alimentos (trigo, ovos, cítricos, chocolate, pescado, soja), medicamentos (penicilina, aspirina); Infectantes: parasitas, bactérias, vírus; Injetáveis: medicamentos, venenos por picadas; Através do contato: cimento, cromo, níquel, cosméticos, látex. 23

17 Sintomas Os sintomas que as crianças portadoras de alergias apresentam são obstrução nasal (entupimento), coriza, espirros (algumas vezes o paciente espirra mais 20 vezes seguidas) e coceira no nariz. Esta coceira pode ser na garganta ou nos olhos. Além disto a rinite alérgica, pode causar outros problemas, como otites (inflamação dos ouvidos), sinusites (inflamação de cavidades existentes na face) e roncos (pelo entupimento do nariz) que faz com que a crianças acabe não durmindo bem a noite. acriança só vai apresentar estes sintomas quando estiver em contato com as substâncias aos quais é alérgico. Quanto maior o contato, mais intensos tendem a ser os sintomas. Todos os doentes apresentam estes sintomas minutos após o contato com o alérgeno, e cerca de metade deles terão novamente sintomas cerca de 4 a 6 horas depois. Muitas pessoas convivem normalmente quando estão em contato com os alérgenos, porém muitas desencadeam diversas formas de reações alérgicas. A distinção básica entre os vários tipos de reações alérgicas determina o estabelecimento de dois grupos: reações anafiláticas de hipersensibilidade imediata: se dão poucos instantes após a introdução do alérgeno no organismo. Costumam afetar a musculatura lisa e os vasos sangüíneos e provocam manifestações do tipo urticária. Seu efeito pode ser 24

18 O fundamento da alergia cutânea é igual ao do choque anafilático. Induzida através da pele ou por via alimentar, a alergia cutânea se caracteriza pela rápida atenuação dos sintomas, que em geral se limitam ao eritema e à inflamação. Outro tipo de alergia imediata é constituído pelas manifestações atópicas, que são as corriqueiras rinites e alergias ao pólen. Neste caso, tanto a penetração como o próprio antígeno são naturais, sem mediação de qualquer mecanismo fisiológico. O desencadeador mais freqüente é o pólen de numerosas espécies de gramíneas, e é nessa modalidade que se obtêm melhores resultados na dessensibilização por injeção alergênica progressiva. alergias infecciosas ou de hipersensibilidade retardada: a alergia retardada pode demorar horas e até dias para manifestar-se depois da introdução do alérgeno. À diferença da imediata, que afeta apenas a musculatura lisa e os vasos sangüíneos, pode atingir qualquer tipo de tecido. Seu desenvolvimento não se combate mediante dessensibilização. As manifestações mais freqüentes nesse grupo de reações são as de alergia infecciosa, originada por antígenos de natureza microbiana ou parasitária. Caracterizam-se pela liberação do chamado fator de inibição de migração de monócitos, substância que impede a mobilidade de certas células sangüíneas, as quais, ao serem detidas, provocam a alteração do tecido em que se encontram até produzir sua necrose. Outra modalidade relativamente comum é a dermatite de contato, processo alérgico originado por certos cosméticos e detergentes. Nesse caso, os sintomas 25

19 consistem na vermelhidão da zona afetada, inflamação e, em casos extremos, necrose dos tecidos. O fundamento da reação alérgica retardada, embora com algumas variações, é o mesmo do processo de rejeição de enxertos, tão importante na evolução dos transplantes de órgãos. FIGURA 3 - Tipos de alergias no organismo. Cabe mencionar, por fim, os processos de alergia medicamentosa, que podem obedecer tanto a mecanismos imediatos quanto a retardados e que, às vezes, chegam a desencadear choques anafiláticos. Dentro desse tipo de manifestação, um caso muito freqüente é o da alergia à penicilina: este fármaco pode unir-se às proteínas do paciente que o ingere, ocasionando uma reação antígeno-anticorpo que provoca a liberação de antígenos alergênicos. 26

20 Tratamento Na medicina há um campo voltado para tratar de doenças relacionadas com as alergias: a Alergologia e o especialista que é incubido de tratar de tais doenças é conhecido como alergista. O tratamento das crianças portadoras de alergias é composto por três pontos fundamentais: Higiene ambiental: A forma mais simples de tratar alergia é evitar o contato com a substância que desencadeia os sintomas. Por exemplo, se o paciente apresenta obstrução nasal, coriza e espirros quando ingere determinado alimento, o mais fácil a fazer é simplesmente não comê-lo. Infelizmente, a principal causa de rinite alérgica é o ácaro, e não é fácil evitar o contato com ele. Algumas medidas simples podem ser adotadas, e irão diminuir a quantidade destes insetos. A casa e principalmente o quarto onde o doente dorme devem ser limpos com bastante freqüência. Infelizmente a vassoura e espanador de pó apenas espalham o pó pelo ambiente. Os aspiradores são capazes de reter alguma sujeira, porém normalmente sue filtro não é desenvolvido para limpar o ar por completo, e, portanto muitas vezes o que ele faz é uma pulverização de poeira no ambiente. Aspiradores com filtros especiais e de alta eficiência existem, porém tem um custo muito elevado. No caso de não existir carpete ou tapetes no chão, o uso de pano úmido na limpeza é uma forma bastante eficaz para remover a poeira. Um ponto importante a ser considerado, é a existência de uma boa ventilação na casa e no quarto, e se possível ambientes ensolarados, para evitar o surgimento de bolor (fungos). Além disto, o ideal é que não existam carpetes, tapetes, cortinas, bichos de pelúcia ou outros móveis ou utensílios que possam acumular poeira. Ainda, deve-se evitar o uso e contato com travesseiros e almofadas de penas ou outros materiais que possam causar alergia. A utilização de capas protegendo os colchões e travesseiros, assim como de substâncias para eliminar os ácaros do ambiente apresentam eficácia quando aplicados corretamente.estas medidas de higiene não acabam com os ácaros e outros alérgenos, mas diminuem a sua quantidade. Além destas mediadas de higiene ambiental, onde o objetivo é reduzir a quantidade de alérgenos, é muito importante que os doentes fiquem afastados de outras substâncias capazes de irritar o nariz. Cheiros 27

21 Tratamento medicamentoso: A critério médico, se estas medidas não forem suficientes para controlar os sintomas do paciente, poderá ser receitado medicamentos. Existem dois grandes grupos de drogas que podem ser usadas. Um tipo funciona preventivamente e outro apenas alivia os sintomas. Do ponto de vista farmacológico, dispomos de descongestionantes, anti-histamínicos, estabilizadores de membranas, e corticosteróides. Cada uma destas drogas atua de forma diferente, e nenhuma é isenta de efeitos colaterais que algumas vezes podem ser graves. Por isto, o ideal, é não realizar auto medicação e, sim, procurar seu médico, evitando danos maiores do que os existentes. Vacinas antialérgicas: Quando o tratamento feito nestas condições (higiene ambiental e medicamentos) falha, pode-se associar o uso de vacinas anti-alérgicas. Este tratamento é longo, porém quando feito corretamente, diminuí a sensibilidade do doente àquela substância ao qual ele era alérgico. Muitas vezes chegamos ao ponto onde não há mais necessidade do uso de medicamentos. É importante tomar alguns cuidados preventivos, mesmo dentro de sua casa, a fim de evitar as reações alérgicas: Mantenha os quartos sempre arejado e limpo, deixando o sol entrar para eliminar os ácaros; Limpe a casa com pano úmido. Não use espanador. Com ele, você só vai mudar a poeira de lugar: Evite limpar a casa com desinfetantes muito fortes; Use sabão neutro, com pouco cheiro, para lavar roupas e lençóis; Se puder, mantenha-se longe de animais com pêlos/penas (cães, gatos, pássaros). Pêlos e fezes podem ser agentes de doenças, como a asma brônquica; 28

22 plásticos. Substitua tapetes e carpetes por tacos, tábuas corridas, revestimentos 3.2.Verão O verão começa oficialmente dia 21 de dezembro, com a radiação direta (sem inclinação) os raios solares atuam com maior intensidade sobre o hemisfério. Esse calor contribui para existência de alguns tipos de fungos e bactérias, podendo ocasionar algumas doenças na estação. Devido ao calor, a transpiração é maior, o que proporciona uma grande perda de liquido, que muitas vezes por não ser reposto, pode provocar uma desidratação, dando chances a outras infecto-doenças Micoses As micoses são causadas por fungos na pele, esses fungos estão presentes no meio ambiente nas pessoas e nos animais.os fungos são microorganismos que necessitam de umidade e calor, e se alimentam da queratina que se localiza na superfície da pele. Com o fornecimento de calor eles se reproduzem originando a MICOSE Sintomas As manchas em forma de circulo na pele, bolinhas cheias de água, ou com descamamento na borda, são as primeiras características das micoses, porem nos pés pode ocorrer descamação entre os dedos e bolinhas na sola. Em muitos casos, homens apresentam avermelhamento na parte da verilha seguido de coceira e descamação, já nas crianças ao atingir o couro cabeludo pode causar a queda de cabelo. 29

23 Tratamento Após a descoberta da micose, deve-se procurar um dermatologista e iniciar o tratamento, que geralmente é feito com remédios ou cremes, dependendo do local e da extensão atingida. Para evitar do aparecimento dessas micoses nas crianças, deve-se tomar alguns cuidado tais como; andar descalço em vestiários e piscinas, tocar em animais desconhecidos (principalmente se seus pelos estiverem caindo), usar calçados de outras pessoas. Alem disso deixar o ambiente arejado em casa e utilizar sandálias abertas e roupas confortáveis, previnem o aparecimento desse fungo Insolação A insolação é uma perturbação decorrente da exposição direta e prolongada do organismo ao raios solares Sintomas A insolação começa pela intensa falta de ar e dor de cabeça, em seguida vem as náuseas e a tontura ; a temperatura do corpo se eleva, a pele tende a ficar mais quente, avermelhada e seca, as extremidades podem ficar arroxeadas, e a pessoa pode ficar inconsciente Tratamento A pessoa deve ser encaminhada imediatamente para um hospital, caso isso não ocorra recomenda-se que remova a pessoa para um lugar fresco arejado, afrouxe as vestes deixando-o em repouso e que aplique compressa geladas ou que de um banho frio se possível e em seguida deite com a cabeça elevada. 30

24 Desidratação A desidratação é a perda de líquidos e sais minerais do corpo. Normalmente, perdemos em média 2,5 litros de água por dia, seja pela urina, fezes, suor ou até mesmo pela respiração. Essa perda pode ser aumentada por vários fatores no verão. O aumento da transpiração, ou ainda alterações provocadas pela ingestão de alimentos contaminados ou mal conservados como vômitos e diarréias são mais freqüentes neste período Sintomas Quando uma crianças está desidratada, ela apresenta sede, fica muito tempo sem urinar, com a boca e mucosas secas, olhos ressecados e fundos e mais irritada. A desidratação pode ser grave e por isso, deve ser evitada. Algumas dicas importantes para prevenir a desidratação são: prefira local arejado e com sombra, use roupas leves, e ingira constantemente líquidos, deve-se estar atento também aos alimentos consumidos Tratamento O soro caseiro pode ser utilizado sempre que se suspeitar de uma desidratação. Ele deve ser feito misturando uma colher de chá de açúcar e uma colher de café de sal em um litro de água. Deve-se oferecer à criança desidratada à vontade a cada 20 minutos e após cada evacuação no caso de diarréia. Há casos em que a desidratação se torna mais grave sendo necessário o atendimento hospitalar Intoxicação Alimentar A intoxicação é causada pela ingestão de alimentos contaminados por bactérias, toxinas, ou mesmo venenos ou produtos químicos que podem ter contaminado ou sido colocados no alimento. Geralmente a intoxicação pelas bactérias ou toxinas ocorrem 31

25 naqueles produtos preparados sem higiene ou mal conservados, principalmente nos dias mais quentes e nos alimentos preparados na véspera.em geral a intoxicação alimentar é causada por três tipos de bactérias: Salmonela, clostrídios e estafilococos. Salmonela: contaminam tipos de carnes, leite, ovos, vegetais crus e a te a água.os animais como ratos, cachorros, vacas e cavalos, são reservatórios de germes e as moscas são as transmissoras dessa bactéria. Os principais sintomas dessa doença são geralmente a febre, diarréia, vomito, náuseas e cólicas. É necessário que se faça um exame de fezes para que a doença seja diagnosticada ou através de um exame de sangue. Para evitar a salmonela é necessário que os alimentos sejam bem conservados e que a higiene do local seja periódica. Clostrídios: essas bactérias estão presentes no ar, na poeira e no chão, disseminados pelas moscas, são indestrutíveis e sobrevivem as fervuras durante horas. Os principais sintomas surgem entre 12 a 24 horas após a ingestão do alimento contaminado.fortes dores abdominais seguidas de diarréia, a temperatura do corpo permanece normal mais à criança fica indisposta.é necessário que se realize exames de fezes e sangue para o diagnostico, deve-se também ingerir bastante água e permanecer em repouso. Estafilococos: são microorganismos que geralmente está na superfície da pele, em torno do nariz, e também em certas infecções cutâneas(camada acima da pele), tais como cortes sépticos, espinhas e furúnculos. Um corte infeccionado na mão pode contaminar os alimentos se eles não forem cozidos a uma temperatura de 60ºC por 1/2hora. Os alimentos comumente relacionados a esse tipo de intoxicação são: presuntos, língua, sorvetes, confeitos e doces industrializados (os conservantes não eliminam essa bactéria). Os sintomas surgem de 1 a 4 horas após a ingestão do alimento contaminado e costumam ser bastante acentuados: vômitos abundantes que durem entre 4 a 6 horas, porem a maioria dos pacientes paciente se recuperam em 24horas, mais as crianças costumam demorar mais. O tratamento deve ser acompanhado por um médio e a criança deve permanecer em repouso e ingerir muito liquido. 32

26 3.3. Outono Sendo uma estação de transição entre o verão e inverno, verificam-se características de ambas, ou seja, mudanças rápidas nas condições de tempo, maior freqüência de nevoeiros e registros de geadas em locais serranos. Os dias voltam a ser mais curtos e frescos, o vento começa a soprar e as pessoas voltam a agasalhar-se. O outono é a temporada da gripe: Tosse, espirros, corisa, dores no corpo e uma carinha abatida.nessa época, o ar esta mais seco, a temperatura, mais baixa, e as crianças passam mais tempo em ambientes fechados, resultando em gripes e resfriados que nessa época aumenta em 40% e costumam ter de 5 a 8 infecções virais por ano(na maioria das vezes é resfriado, que pode ser causado por 200 vírus diferentes). Desse total, pelo menos um é gripe desencadeado pelo vírus influenza, com muitos subtipos.por isso a mesma criança pode pegar varias vezes, com o tempo, a memória imunológica da criança vai se fortalecendo Gripe É uma infecção viral das vias respiratórias, geralmente as crianças podem sofrer três ou quatro destas infecções por ano, e é raro o adulto que escapa. As gotas eliminadas pelas pessoas contaminadas ao tossir ou espirar são as principais responsáveis pela transmissão do vírus da gripe.o vírus se multiplica nas vias respiratórias alcançando sua concentração máxima nas secreções aos 2 ou 3 dias da infecção.deixa de ser detectável depois de aproximadamente Sete dias, embora as crianças infectadas pela primeira vez passam levar duas semanas para elimina-lo. Nos climas temperados, a gripe é uma doença dos meses frios que tende a se apresentar de forma epidêmica. 33

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

ALERGIAS NA INFÂNCIA

ALERGIAS NA INFÂNCIA ALERGIAS NA INFÂNCIA Tema: Alergias na Infância Objetivos Conceituar alergia, classificar os principais tipos e indutores das doenças alérgicas. Identificar e relacionar os fatores de risco associados

Leia mais

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Prevenir é o melhor remédio para uma boa saúde, evitando-se as doenças e suas complicações. Problemas respiratórios, por exemplo, podem se tornar

Leia mais

Cartilha. Doenças e Complicações. de Verão. Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas.

Cartilha. Doenças e Complicações. de Verão. Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas. Cartilha Doenças e Complicações de Verão Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas. Devido às condições climáticas, diversas são as doenças

Leia mais

Gripe Suína ou Influenza A (H1N1)

Gripe Suína ou Influenza A (H1N1) Gripe Suína ou Influenza A (H1N1) Perguntas e respostas 1. O que é Gripe Suína ou Influenza A (H1N1)? 2. A gripe causada pelo Influenza A (H1N1) é contagiosa? 3. Quem pode adoecer pela nova gripe causada

Leia mais

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada.

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada. Influenza A H1N1 /GRIPE SUÍNA PERGUNTAS E RESPOSTAS: PERGUNTA 1. Quanto tempo o vírus da gripe suína permanece vivo numa maçaneta ou superfície lisa? 2. O álcool em gel é útil para limpar as mãos? 3. Qual

Leia mais

Influenza. João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina)

Influenza. João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina) Influenza João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina) O que éinfluenza Também conhecida como gripe, a influenza éuma infecção do sistema respiratório

Leia mais

Aula 12: Doenças do sistema respiratório

Aula 12: Doenças do sistema respiratório Aula 12: Doenças do sistema respiratório Doenças do sistema respiratório Doenças respiratórias são aquelas que atingem órgãos do sistema respiratório (pulmões, boca, faringe, fossas nasais, laringe, brônquios,

Leia mais

Perigo: as brotoejas podem coçar, causando incômodo ao bebê e, por serem uma irritação, tornam-se foco de infecções.

Perigo: as brotoejas podem coçar, causando incômodo ao bebê e, por serem uma irritação, tornam-se foco de infecções. Trate os problemas de pele mais comuns em bebês Pais devem ficam atentos a descamações, manchas e brotoejas Se existe uma característica comum a todos os bebês saudáveis, só pode ser a pele macia e sedosa,

Leia mais

Sinais de alerta perante os quais deve recorrer à urgência:

Sinais de alerta perante os quais deve recorrer à urgência: Kit informativo Gripe Sazonal A gripe Sazonal é uma doença respiratória infeciosa aguda e contagiosa, provocada pelo vírus Influenza. É uma doença sazonal benigna e ocorre em todo o mundo, em especial,

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

Ass. de Comunicação www.ptexto.com.br. Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Trabalho Pág.: 3 Assunto: Great Place to Work

Ass. de Comunicação www.ptexto.com.br. Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Trabalho Pág.: 3 Assunto: Great Place to Work Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Trabalho Pág.: 3 Assunto: Great Place to Work Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Saúde Pág.: 27 Assunto: Amados mas perigosos Veículo:

Leia mais

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos 1 O que é? A bronquiolite é uma doença que se carateriza por uma inflamação nos bronquíolos e que, geralmente,

Leia mais

INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS

INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS Fazer de cada dia um dia melhor Informe-se e proteja a sua saúde e a de sua família. Talvez você esteja inseguro com tantas informações

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ

GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ A asma, que afeta 7% das grávidas, é uma doença comum que potencialmente pode complicar, mas, quando é bem controlada, não representa risco significativo para

Leia mais

Informações aos Pais sobre a Gripe nas Creches

Informações aos Pais sobre a Gripe nas Creches The Commonwealth of Massachusetts Executive Office of Health and Human Services Department of Public Health Informações aos Pais sobre a Gripe nas Creches 18 de setembro, 2009 A gripe H1N1 (suína) voltará

Leia mais

Informativo Empresarial Especial

Informativo Empresarial Especial Informativo Empresarial Especial Gripe Suína Plano de Contingência Empresarial A Gripe Influenza A H1N1 e o Transporte Rodoviário A gripe que ficou conhecida como gripe suína é causada por vírus que se

Leia mais

PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA

PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA O estudo do sistema imune (proteção) surgiu no início do século 20, com futuro muito promissor, mas isto não se confirmou de imediato. Os fenômenos imunológicos

Leia mais

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção A gripe é uma doença causada pelo vírus da Influenza, que ocorre predominantemente nos meses mais frios do ano. Esse vírus apresenta diferentes subtipos que produzem a chamada gripe ou influenza sazonal.

Leia mais

Gripe: o que você pode fazer. Cuidados em casa

Gripe: o que você pode fazer. Cuidados em casa Gripe: o que você pode fazer Cuidados em casa Para mais informações, confira: www.mass.gov/dph/flu Gripe: o que você pode fazer Cuidados em casa ÍNDICE: O que é a gripe? 2 Prevenção da gripe 6 Cuidados

Leia mais

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS ORIENTAÇÃO AOS PEDAGOGOS Todas as informações constantes nesta cartilha devem ser levadas ao conhecimento de todos os alunos,

Leia mais

Gripe H1N1 ou Influenza A

Gripe H1N1 ou Influenza A Gripe H1N1 ou Influenza A A gripe H1N1 é uma doença causada por vírus, que é uma combinação dos vírus da gripe normal, da aviária e da suína. Essa gripe é diferente da gripe normal por ser altamente contagiosa

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

Orientações para cuidado em casa com pessoas suspeitas ou confirmadas de Gripe por Influenza A H1N1(Gripe A)

Orientações para cuidado em casa com pessoas suspeitas ou confirmadas de Gripe por Influenza A H1N1(Gripe A) Orientações para cuidado em casa com pessoas suspeitas ou confirmadas de Gripe por Influenza A H1N1(Gripe A) Essas são recomendações do CDC (Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos) sobre o tempo

Leia mais

PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO

PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO Como prevenir? Como evitar? Como tratar? PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO (cont.) Anatomia das vias aéreas superiores e dos seios paranasais Seio frontal Cavidade nasal

Leia mais

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Criado em 22/04/15 10h50 e atualizado em 22/04/15 11h27 Por Sociedade Brasileira de Pediatria Para se ter sucesso no tratamento da criança alérgica ou

Leia mais

LOPPIANO ENGENHARIA LTDA. Rua dos Andradas, 107 - Centro 13300-170 - Itu SP Fone: (11) 4022-7415 DENGUE

LOPPIANO ENGENHARIA LTDA. Rua dos Andradas, 107 - Centro 13300-170 - Itu SP Fone: (11) 4022-7415 DENGUE DENGUE A palavra dengue tem origem espanhola e quer dizer "melindre", "manha". O nome faz referência ao estado de moleza e prostração em que fica a pessoa contaminada pelo arbovírus (abreviatura do inglês

Leia mais

Apresentação Mobilização no combate à dengue

Apresentação Mobilização no combate à dengue Apresentação Mobilização no combate à dengue Atualmente, a dengue é considerada um dos principais problemas de saúde pública do mundo. Com a temporada de chuvas, os riscos de surtos da doença ficam ainda

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

Quinta Edição/2015 Quinta Região de Polícia Militar - Quarta Companhia Independente

Quinta Edição/2015 Quinta Região de Polícia Militar - Quarta Companhia Independente GRIPE X RESFRIADO GRIPE e RESFRIADO são as mesmas coisas? Não. A gripe é uma doença grave, contagiosa, causada pelo vírus Influenza (tipos A,B e C) e o resfriado é menos agressivo e de menor duração, causado

Leia mais

GRIPE A (H1N1) v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar

GRIPE A (H1N1) v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar GRIPE A (H1N1) v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar Informação para Professores Agosto de 2009 Direcção-Geral da Saúde (www.dgs.pt) Direcção de Serviços de Promoção e Protecção da Saúde Gripe

Leia mais

Gripe por Influenza A H1N1 *

Gripe por Influenza A H1N1 * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, maio de 2009. Gripe por Influenza A H1N1 * Informações básicas O que é Gripe por Influenza A H1N1? A gripe por Influenza A H1N1 (Suína) é uma doença

Leia mais

SAÚDE.sempre. Gripe. newsletter. medidas de auto cuidado. Secretaria Regional dos Assuntos Sociais

SAÚDE.sempre. Gripe. newsletter. medidas de auto cuidado. Secretaria Regional dos Assuntos Sociais Janeiro * 2014 Instituto de Administração da Saúde e Assuntos Sociais, IP-RAM Gripe medidas de auto cuidado newsletter Secretaria Regional dos Assuntos Sociais Ficha Técnica Newsletter - Janeiro de 2014

Leia mais

Apresentação. O que é Dengue Clássica?

Apresentação. O que é Dengue Clássica? Apresentação É no verão que acontecem as maiores epidemias de dengue devido ao alto volume de chuva. O Santa Casa Saúde, por meio do Programa Saúde Segura, está de olho no mosquito aedes aegypti e na sua

Leia mais

Gripe A (H1N1) de origem suína

Gripe A (H1N1) de origem suína Gripe A (H1N1) de origem suína A gripe é caracterizada como uma doença infecciosa com alto potencial de contagio causado pelo vírus Influenza. Este vírus apresenta três tipos, sendo eles o A, B e C. Observam-se

Leia mais

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares.

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Dengue Dengue Agente Infectante Arbovirus Vetor / Transmissão Picada do mosquito Aedes Aegypti Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Profilaxia

Leia mais

AVICULTURA ALTERNATIVA

AVICULTURA ALTERNATIVA AVICULTURA ALTERNATIVA Principais doenças e métodos de prevenção São várias as doenças que atacam as aves, a maioria são doenças respiratórias. Aspergilose é uma infecção que ataca as aves, sendo provocada

Leia mais

Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1

Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 DOCUMENTO PARA O PÚBLICO EM GERAL Coordenação: Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) Associação Médica Brasileira (AMB) Apoio e participação:

Leia mais

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR?

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? O NÚMERO DE PESSOAS AFETADAS POR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EVITÁVEIS NÃO PÁRA DE AUMENTAR. AS CRIANÇAS E OS MAIS VELHOS SÃO OS MAIS ATINGIDOS. SÃO DOENÇAS

Leia mais

Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de

Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de Enfrentamento da Influenza A H1N1 elaborou esta cartilha com

Leia mais

ALERGIA RESPIRATÓRIA POEIRA DOMICILIAR PERGUNTAS E RESPOSTAS

ALERGIA RESPIRATÓRIA POEIRA DOMICILIAR PERGUNTAS E RESPOSTAS ALERGIA RESPIRATÓRIA POEIRA DOMICILIAR PERGUNTAS E RESPOSTAS A poeira domiciliar provoca alergia mesmo em casa bem limpa? Sim. A poeira domiciliar desencadeia crises de coriza aquosa, nariz entupido, coceira

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR

HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR HC UFPR COMITÊ DE INFLUENZA SUÍNA 27 de abril DIREÇÃO DE ASSISTÊNCIA SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA INFECTOLOGIA CLÍNICA - ADULTO E PEDIÁTRICA SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

Leia mais

FRUTOSSE Laboratório Farmacêutico Caresse Ltda Xarope adulto 6 mg/ml Xarope pediátrico 3 mg/ml

FRUTOSSE Laboratório Farmacêutico Caresse Ltda Xarope adulto 6 mg/ml Xarope pediátrico 3 mg/ml FRUTOSSE Laboratório Farmacêutico Caresse Ltda Xarope adulto 6 mg/ml Xarope pediátrico 3 mg/ml FRUTOSSE XAROPE BULA PACIENTE FRUTOSSE cloridrato de ambroxol APRESENTAÇÕES Xarope adulto de 6 mg/ml: frasco

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999

cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. Xarope Pediátrico 3 mg/ml Xarope Adulto 6 mg/ml Modelo de Bula para Paciente IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral

INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial

Leia mais

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO Profª Fernanda Toledo RECORDAR Qual a função do alimento em nosso corpo? Por quê comer????? Quando nascemos, uma das primeiras atitudes do nosso organismo

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

Bactérias e Doenças Associadas

Bactérias e Doenças Associadas Bactérias e Doenças Associadas Disenteria Bacilar Agente Etiológico: Bactérias do gênero Shigella Forma de transmissão: Água e alimentos contaminados com as fezes dos doentes. Sintomas: Infecção intestinal,

Leia mais

-.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS"

-.BORDETELOSE CANINA TOSSE DOS CANIS -.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS" A bactéria Bordetella bronchiséptica é a causa primária da traqueobronquite infecciosa canina (tosse dos canis).embora a tosse dos canis seja a manifestação clínica

Leia mais

Rinite alérgica e não-alérgica Resumo de diretriz NHG M48 (primeira revisão, abril 2006)

Rinite alérgica e não-alérgica Resumo de diretriz NHG M48 (primeira revisão, abril 2006) Rinite alérgica e não-alérgica Resumo de diretriz NHG M48 (primeira revisão, abril 2006) Sachs APE, Berger MY, Lucassen PLBJ, Van der Wal J, Van Balen JAM, Verduijn MM. traduzido do original em holandês

Leia mais

Movimentos da Terra e suas consequências

Movimentos da Terra e suas consequências Movimentos da Terra e suas consequências Movimentos da Terra A Terra descreve, como todos os outros planetas principais do Sistema Solar: Movimento de rotação movimento em torno de si própria, em volta

Leia mais

'FORTALEZA CAMARA MUNICIPAL DE REQUERIMENTO N O5 3 9 / 2 O 1 3

'FORTALEZA CAMARA MUNICIPAL DE REQUERIMENTO N O5 3 9 / 2 O 1 3 CAMARA MUNICIPAL DE 'FORTALEZA REQUERIMENTO N O5 3 9 / 2 O 1 3 Requer a transcrição da reportagem do Jornal "O Estado"" do dia 20 de fevereiro de 2013, intitulada "Chuvas trazem risco de contágio de doenças"

Leia mais

GRIPE sempre deve ser combatida

GRIPE sempre deve ser combatida GRIPE sempre deve ser combatida Aviária Estacional H1N1 SAZONAL suína GRIPE = INFLUENZA Que é a INFLUENZA SAZONAL? É uma doença própria do ser humano e se apresenta principalmente durante os meses de inverno

Leia mais

Caspa piora com o frio

Caspa piora com o frio Revista MedABC O bom profissional da Medicina, sobretudo o médico, nunca para de estudar. Cursos, congressos, atualizações do conhecimento adquirido na escola fazem parte do dia a dia, razão pela qual

Leia mais

COMPOSIÇÃO Cada 100 ml de solução contém: fusafungina (DCB 04367)...500 mg excipientes q.s.p...100 ml de solução

COMPOSIÇÃO Cada 100 ml de solução contém: fusafungina (DCB 04367)...500 mg excipientes q.s.p...100 ml de solução IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: LOCABIOTAL fusafungina 5,0 mg/ml APRESENTAÇÕES: Aerossol contendo 5,0 mg/ml de fusafungina. Embalagem contendo gerador portátil dosificador de 10 ml de solução e dois inaladores

Leia mais

Unidade 4 Funções da nutrição

Unidade 4 Funções da nutrição Sugestões de atividades Unidade 4 Funções da nutrição 8 CIÊNCIAS Nutrição. As proteínas, encontradas em alimentos como leite, ovos, carne, soja e feijão, são fundamentais para nossa saúde. Justifique essa

Leia mais

Cólera e Escarlatina

Cólera e Escarlatina Cólera e Escarlatina Nome do Aluno Daiane, Lisandra e Sandra Número da Turma 316 Disciplina Higiene e Profilaxia Data 30 de Maio de 2005 Nome da Professora Simone Introdução O presente trabalho irá apresentar

Leia mais

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. Pág. 01 A bronquiolite é uma infeção respiratória causada por vírus, ocorrendo em crianças com menos de 2 anos.

Leia mais

Respire aliviado! Tuberculose tem cura

Respire aliviado! Tuberculose tem cura Respire aliviado! Tuberculose tem cura O que é tuberculose? A tuberculose é uma doença infecciosa causada por um micróbio visível apenas ao microscópio, chamado Bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis).

Leia mais

Adultos e idosos também precisam se vacinar

Adultos e idosos também precisam se vacinar ANO VII N.º 10 Abril 2013 Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Adultos e idosos também precisam se vacinar Na hora de cuidar da própria saúde, muitos adultos e idosos não dão importância

Leia mais

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular.

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Técnico em Enfermagem

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Técnico em Enfermagem INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Técnico em Enfermagem JUNIEL PEREIRA BRITO A INFLUEZA A-H1N1 Debate e Prevenção MUZAMBINHO 2010 JUNIEL

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

Otite externa Resumo de diretriz NHG M49 (primeira revisão, dezembro 2005)

Otite externa Resumo de diretriz NHG M49 (primeira revisão, dezembro 2005) Otite externa Resumo de diretriz NHG M49 (primeira revisão, dezembro 2005) Rooijackers-Lemmens E, Van Balen FAM, Opstelten W, Wiersma Tj traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014

Leia mais

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose DOENÇAS DE FELINOS Sindrome respiratória felina Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose RINOTRAQUEÍTE Agente etiológico: Herpesvírus felino Conhecida como "a gripe do gato", pois os sintomas são parecidos

Leia mais

GRIPE SUÍNA PERGUNTAS E RESPOSTAS: Até 10 horas.

GRIPE SUÍNA PERGUNTAS E RESPOSTAS: Até 10 horas. GRIPE SUÍNA PERGUNTAS E RESPOSTAS: PERGUNTA 1.- Quanto tempo dura vivo o vírus suíno numa maçaneta ou superfície lisa? 2. - Quão útil é o álcool em gel para limpar-se as mãos? 3.- Qual é a forma de contágio

Leia mais

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico:

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico: Questionário de avaliação para vacinação de [ Endereço Nome da criança Nome do pai/mãe/responsável M F ポルトガル 語 版 Formulário 2 ] (bebês/crianças em idade escolar) Temperatura corporal antes da entrevista

Leia mais

Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses

Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Elementos de Astronomia Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Rogemar A. Riffel Sol, Terra e Lua Movimento Diurno do Sol Relembrando a aula passada De leste para oeste; O círculo diurno do Sol

Leia mais

OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES

OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES Introdução É possível que o nível de doenças ocupacionais provocadas pelo pó se encontre em declínio, embora isso não signifique que esteja desaparecendo. Na atualidade, os

Leia mais

Traduzido por: Edson Alves de Moura Filho e-mail: edson.moura@saude.gov.br

Traduzido por: Edson Alves de Moura Filho e-mail: edson.moura@saude.gov.br A Doença Do Boletim Epidemiológico, Vol 22, nº 3, setembro de 2001 Influenza: Aspectos Epidemiológicos Básicos para o Desenvolvimento de Vacinas A influenza (a flu ) é uma dos mais notórios achaques (doença

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO]

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] 2 Complexo Respiratório Viral Felino É um conjunto de sintomas causado pelas doenças Rinotraqueíte Felina e Calicivirose Felina. São doenças virais cujos sinais clínicos

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO Muitos trabalhadores passam parte de sua jornada diária diante de fontes de calor. As pessoas que trabalham em fundições, siderúrgicas, padarias, - para citar

Leia mais

Para que Serve? Tratamento

Para que Serve? Tratamento Quimioterapia O que é? É um tratamento que utiliza medicamentos quimioterápicos para eliminar células doentes. Cada agente quimioterápico tem diferentes tipos de ação sobre as células e, consequentemente,

Leia mais

FEBRE AMARELA: Informações Úteis

FEBRE AMARELA: Informações Úteis FEBRE AMARELA: Informações Úteis Quando aparecem os sintomas? Os sintomas da febre amarela, em geral, aparecem entre o terceiro e o sexto dia após a picada do mosquito. Quais os sintomas? Os sintomas são:

Leia mais

SAIBA MAIS SOBRE A GRIPE A (H1N1)

SAIBA MAIS SOBRE A GRIPE A (H1N1) - TRANSMISSÃO SAIBA MAIS SOBRE A GRIPE A (H1N1) O vírus se propaga por gotículas que o doente elimina pela secreção nasal ou saliva ao tossir, falar ou espirrar. Essas gotículas podem ficar em suspensão

Leia mais

VÍRUS. Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html

VÍRUS. Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html VÍRUS Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html RESUMO -Os vírus não pertencem a nenhum reino específico, são estudados como um caso à parte. -Os vírus são

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais PROFESSORA NAIANE A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais de alguns poucos minutos. Você sabe

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

Desportistas. Recomendações para Ondas de Calor. Saúde e Desenolvimento Humano

Desportistas. Recomendações para Ondas de Calor. Saúde e Desenolvimento Humano A prática regular e moderada da actividade física pode trazer benefícios substanciais para a saúde da população, como seja reduzir para metade o risco de doenças coronárias, baixar o risco de desenvolver

Leia mais

DICAS DE SAÚDE Proteja sua família

DICAS DE SAÚDE Proteja sua família DICAS DE SAÚDE Proteja sua família Elaborado: Apoio: Saúde e o Sistema Imunológico Saber como o organismo combate os agressores e se protege, assim como conhecer os fatores que o levam a um funcionamento

Leia mais

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Para entender a influenza: perguntas e respostas A comunicação tem espaço fundamental na luta contra qualquer doença. Um exemplo é o caso do enfrentamento da influenza

Leia mais

EXERCÍCIOS DE MONITORIA 2º PERÍODO JULHO GEOGRAFIA - ENEM

EXERCÍCIOS DE MONITORIA 2º PERÍODO JULHO GEOGRAFIA - ENEM 1ª série Ens. Médio EXERCÍCIOS DE MONITORIA 2º PERÍODO JULHO GEOGRAFIA - ENEM 1. Fenômeno astronômico marca início do inverno no hemisfério sul A figura abaixo ajuda a compreender o fenômeno. Para dar

Leia mais

Objectivos Pedagógicos

Objectivos Pedagógicos Programa de Ciências da Natureza 6º Ano Tema: Ambiente de Vida Capítulo II- Agressões do meio e integridade do organismo 1) Os Micróbios No Capítulo 1.3, Micróbios Nocivos, são apresentadas várias situações

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

QUALIDADE DO AR INTERIOR

QUALIDADE DO AR INTERIOR QUALIDADE DO AR INTERIOR POR DIA OS NOSSOS PULMÕES FILTRAM CERCA DE 13. 000 LITROS DE AR! A POLUIÇÃO EM AMBIENTES FECHADOS É UMA DAS PRINCIPAIS CAUSAS DE DOENÇAS RESPIRATÓRIAS A maior parte das nossas

Leia mais

M i c r o Z o o m. - um jogo de observação e memória -

M i c r o Z o o m. - um jogo de observação e memória - M i c r o Z o o m - um jogo de observação e memória - Material de Apoio Raiva A raiva é uma doença fatal. Isso significa que se uma pessoa que se uma pessoa não vacinada for contaminada pelo vírus da raiva

Leia mais

Intoxicações. Suporte às funções vitais (respiração e circulação).

Intoxicações. Suporte às funções vitais (respiração e circulação). Intoxicações Quando estiver em casa, dê uma olhada no seu armário de medicamentos. Vá até a área de serviço e conte quantos produtos de limpeza existem lá. Imagine a felicidade de uma criança ao deparar-se

Leia mais

Luz Solar. 1. Cite duas doenças que podem ser prevenidas com a luz solar? 3. Cite alguns benefícios da luz solar para os seres humanos.

Luz Solar. 1. Cite duas doenças que podem ser prevenidas com a luz solar? 3. Cite alguns benefícios da luz solar para os seres humanos. Luz Solar 1. Cite duas doenças que podem ser prevenidas com a luz solar? Raquitismo e Osteoporose 2. Em qual dia da criação, Deus criou a luz? 1 dia 3. Cite alguns benefícios da luz solar para os seres

Leia mais

GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO

GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO As escolas e outros estabelecimentos de ensino assumem um papel muito importante na prevenção de uma pandemia

Leia mais

VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL CIEVS- Centro de Informações Estratégicas em Saúde

VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL CIEVS- Centro de Informações Estratégicas em Saúde VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL CIEVS- Centro de Informações Estratégicas em Saúde Boletim de Alerta do VIGIAR Palmas 09 de setembro de 2014 RECOMENDAÇÕES PARA ENFRENTAR SITUAÇÕES DE A BAIXA UMIDADE RELATIVA

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER

O QUE VOCÊ PRECISA SABER DIAGNÓSTICO DE INFLUENZA E OUTROS VIRUS RESPIRATÓRIOS NO HIAE. O QUE VOCÊ PRECISA SABER Maio de 2013 Laboratório Clínico Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Apenas para lembrar alguns aspectos das

Leia mais