VALOR E VALORAÇÃO CRITÉRIOS VALORATIVOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VALOR E VALORAÇÃO CRITÉRIOS VALORATIVOS"

Transcrição

1 Valor VALOR E VALORAÇÃO CRITÉRIOS VALORATIVOS Critério de orientação. Guia para a ação humana, atribuído pelo homem às coisas, seres e acontecimentos, em função da relação que com eles estabelece. Diz respeito à forma afetiva como o Homem se relaciona com o mundo e o organiza, configura e interpreta

2 Valores Vida Lealdade Tolerância Justiça Igualdade Solidariedade Amor Paz Beleza Verdade Amizade Liberdade Honestidade

3 VALORES E VALORAÇÃO A Filosofia promove uma reflexão sobre os valores na chamada filosofia dos valores ou Axiologia área da reflexão filosófica que estuda a problemática dos valores O que são os valores?

4 VALORES Podem sugerir várias aceções: um significado técnico: o valor de uma mercadoria (domínio da economia); o valor de uma incógnita (domínio da matemática) um significado afetivo: o valor do que nos merece estima (um objecto, a amizade ) um significado moral: o valor de um comportamento: ser honesto, solidário, altruísta...

5 VALORES Valor Resulta da relação estabelecida entre o indivíduo, os objectos, os acontecimentos, as pessoas. O que é um valor, o que são os valores? Os valores guiam e orientam as nossas escolhas, as nossas decisões. Escolhemos sempre em função de um determinado valor, de um determinado ideal.

6 NOÇÃO DE VALOR(ES) Valor é uma qualidade potencial resultante de uma apreciação que um indivíduo ou uma sociedade faz acerca de um objeto, de uma ação ou de um ser real ou ideal, de acordo com a presença ou ausência de algo que é desejável ou digno de estima.

7 VALORES No sentido filosófico, os valores não são materiais, não são coisas, não se identificam com qualidades das coisas o valor não se encontra nos objetos mas é-lhe atribuído pelo sujeito. Por que razão? Perante a realidade exterior, face a objectos, situações e acontecimentos, o homem é incapaz de se manter neutro. Os valores revelam a diferença entre o mundo humano e o mundo não humano. Nessa relação com o homem, a realidade bruta transfigura-se em mundo humano.

8 VALORES O homem adere ou rejeita ele atribui valor, valora. É pela sua capacidade valorativa, que o homem orienta a sua existência, dá sentido às suas atitudes, às suas condutas. O mundo não é apenas o que é, mas também, posto que o Homem o habita e anima, o que pode ser e o que deve ser. (Savater)

9 FACTOS E VALORES A partir da afirmação de Savater, distinguimos factos e valores, distinguimos juízos de facto e juízos de valor. Factos realidade são acontecimentos, descrições de algo, da juízos de facto Valores são apreciações de caráter pessoal, exprimindo preferências subjectivas juízos de valor

10 JUÍZOS DE FACTO (DE REALIDADE) Descrevem o que se passa na realidade. São objetivos São verificáveis São suscetíveis de os considerarmos verdadeiros ou falsos São neutros e impessoais EX: 3x3=9; Paris é a capital da França.

11 JUÍZOS DE VALOR (DE APRECIAÇÃO) Sustentam opiniões pessoais Exprimem uma apreciação ou valoração. São relativos São discutíveis Exprimem escolhas de caráter emotivo, sentimental e ou afetivo Ex. As pessoas do norte são mais trabalhadoras do que as do sul; a música dos Beatles é eterna; adoro a cor azul.

12 OS VALORES Não são qualidades sensíveis já existentes nos objectos mas qualidades potenciais atribuídas por alguém em certas circunstâncias. Como ideais que orientam a relação do homem com a realidade, os valores não são propriedade dos objetos como o são o tamanho, a cor ou o volume. O conceito de valor reporta-se sempre a um sujeito que avalia. Assim, a beleza de uma paisagem não se identifica com a própria paisagem mas com o juízo que é emitido sobre ela.

13 OBJETIVIDADE E SUBJETIVIDADE DOS VALORES Será que os valores terão uma existência independente do sujeito que avalia? Ou Será que os valores dependem das sociedades e das culturas dos indivíduos, dos espaços e dos contextos?

14 OBJETIVIDADE E SUBJETIVIDADE DOS VALORES Estas questões revelam a oposição entre o objetivismo e o subjetivismo e relativismo axiológicos. Em que consiste o objetivismo axiológico?

15 O OBJETIVISMO AXIOLÓGICO As coisas são valiosas em si, os valores existem independentemente dos sujeitos e mantêm-se apesar das mudanças dos sujeitos e dos objetos no espaço e no tempo. Valores como o Belo, o Bem são ideias intemporais imutáveis e absolutas, mantendo-se independentemente das circunstâncias exteriores e dos sujeitos.

16 O OBJETIVISMO AXIOLÓGICO Há valores absolutos e imutáveis que se impõem por si mesmos e transcendem o Homem. O valor existe independentemente de um sujeito. O Homem reconhece o valor como tal e considera as coisas valiosas como coisas que incorporam o valor.

17 O SUBJETIVISMO AXIOLÓGICO Os valores são uma criação humana; os objetos apenas ganham valor na sua relação com o indivíduo. São os seres humanos com as suas necessidades, emoções, sentimentos, experiências e contextos pessoais que atribuem valores ao real.

18 O SUBJETIVISMO AXIOLÓGICO O valor depende da subjetividade humana, dos sentimentos de agrado ou desagrado, do facto de serem ou não desejados. O valor deve a sua existência, o seu sentido e validade às reações do sujeito que valoriza. Os valores são variáveis e contingentes.

19 CARATERÍSTICAS DOS VALORES Embora haja uma grande diversidade de valores, há um conjunto de caraterísticas que lhes são comuns: polaridade, hierarquização, perenidade, historicidade, absolutividade e relatividade.

20 CARATERÍSTICAS DOS VALORES Caraterísticas dos valores Polaridade Hierarquização Perenidade Historicidade Absolutividade Relatividade

21 CARATERÍSTICAS DOS VALORES Polaridade Os valores apresentam uma dupla face, uma polaridade positiva e uma polaridade negativa. Ex: O belo (pólo positivo) encontra oposição no feio (pólo negativo); bom / mau; sagrado / profano

22 CARATERÍSTICAS DOS VALORES Hierarquização os valores encontram-se ordenados segundo uma hierarquia. Cada pessoa, as diferentes sociedades e culturas organizam a sua tábua de valores e elegem alguns deles como superiores a outros. Para certas pessoas, a liberdade é um valor superior à vida; para outras a beleza é considerada superior à liberdade.

23 CARATERÍSTICAS DOS VALORES Perenidade os valores são intemporais, não sofrem alterações nem acompanham a história dos homens Ex: o bem, a amizade, a tolerância, ( ) como valores em si mesmos, mantém-se inalteráveis.

24 CARATERÍSTICAS DOS VALORES Historicidade As avaliações são diferentes de acordo com o tempo e com os condicionalismos sócio culturais. Por isso, sofrem alterações em função da história da humanidade. Ex: os conceitos de beleza, igualdade

25 CARATERÍSTICAS DOS VALORES Absolutividade - há valores aos quais atribuímos um sentido absoluto, impositivo porque eles são fundamentais como princípios orientadores da nossa ação. Ex: os valores éticos, essenciais para a coexistência com os outros (verdade, honestidade, justiça )

26 CARATERÍSTICAS DOS VALORES Relatividade - Há valores relativos, específicos de uma sociedade sujeitos ao tempo histórico e à cultura. Tal significa que os valores dependem da valoração do sujeito seja em termos pessoais, seja tendo em conta a sociedade e a cultura em que está inserido.

27 TÁBUA DE VALORES Ao longo da história da filosofia, surgiram várias classificações dos valores. Classicamente, consideraram-se três grandes tipos de valores: éticos, estéticos e religiosos. Max Scheler (séc. XX) Valores ético-morais Valores lógicos Valores estéticos Valores vitais Valores úteis Valores religiosos

28 A TÁBUA DE VALORES DE MAX SCHELER Valores ético-morais: justo/injusto; bom/mau; leal/desleal. Valores lógicos: verdade/falsidade; conhecimento/ignorância; evidente/provável Valores estéticos: belo/feio; elegante/deselegante; gracioso/tosco Valores vitais: são/doente; forte/fraco; enérgico/inerte Valores úteis: caro/barato; capaz/incapaz; conveniente/inconveniente Valores religiosos: sagrado /profano; divino/demoníaco

29 OS VALORES podem ser encarados como: A) Vivência - Psicologismo B) Qualidade - Naturalismo C) Ideia - Ontologismo

30 OS VALORES A) Psicologismo os valores resultam de uma vivência pessoal pelo que correspondem ao sentimento ou emoção resultante de um estado psicológico. Logo os valores são uma consequência das experiências que vivemos. Esta perspetiva entende os valores como subjetivos. Duas dificuldades desta perspetiva: a impossibilidade de se explicar a permanência dos valores na vida dos homens; a impossibilidade de diferentes indivíduos se entenderem acerca dos valores que adotam.

31 OS VALORES B) Naturalismo defende a existência real dos valores como qualidades das coisas, como propriedades objetivas das coisas. Os valores são vistos como qualidades reais e objetivas das coisas. Assim, está associada ao objetivismo axiológico. Dificuldades: partindo-se do pressuposto que os valores existem nas coisas, como propriedades delas, torna-se impossível as diferenças e desentendimentos dos indivíduos a propósito dos valores. Se os valores são objetivos, por que será que nem todos encontramos a justiça num mesmo ato?

32 OS VALORES C) Ontologismo o valor é uma entidade ideal, existindo em si mesmos, independentes dos objetos reais e do espaço e do tempo em que vivemos. Os objetos dependem dos valores para se tornarem valiosos, mas os valores não dependem em nada dos objetos. Os valores não existem como os objetos, Têm uma existência ideal. São imateriais, intemporais, imutáveis. Os valores são considerados como objetivos. Dificuldade: sendo os valores como absolutos, independentes do sujeito, será possível um mundo de valores separado do mundo real, do mundo humano?

Valores e valoração Fontes: páginas 87 à 99 do manual

Valores e valoração Fontes: páginas 87 à 99 do manual Valores e valoração Fontes: páginas 87 à 99 do manual 1- Qual a relação entre a ação e o valor? Para agir temos de decidir, e decidir implica escolher. Para escolher temos de preferir umas opções a outras,

Leia mais

Assinala a única opção correta Éticos Estéticos Religiosos Lógicos Úteis Vitais X X X X X X X

Assinala a única opção correta Éticos Estéticos Religiosos Lógicos Úteis Vitais X X X X X X X O pão é um alimento sagrado. Há harmonia e elegância na arquitetura da antiguidade Todos os seres humanos nascem livre s e iguais A beleza dos lugares religiosos é inigualável Todos os espaços religiosos

Leia mais

Escola Secundária Manuel Teixeira Gomes PROVA GLOBAL DE INTRODUÇÃO À FILOSOFIA 10º ANO ANO LECTIVO 2001/2002

Escola Secundária Manuel Teixeira Gomes PROVA GLOBAL DE INTRODUÇÃO À FILOSOFIA 10º ANO ANO LECTIVO 2001/2002 Escola Secundária Manuel Teixeira Gomes PROVA GLOBAL DE INTRODUÇÃO À FILOSOFIA 10º ANO ANO LECTIVO 2001/2002 Grupo I 1. Afirmar que a autonomia é uma das características da filosofia significa que A. A

Leia mais

Objetividade e diálogo de culturas. A professora M. Clara Gomes

Objetividade e diálogo de culturas. A professora M. Clara Gomes Objetividade e diálogo de culturas A professora M. Clara Gomes A questão dos critérios valorativos levanta o problema da natureza dos juízos morais. O Subjetivismo moral é teoria que defende que os juízos

Leia mais

Escola Secundária 2-3 de Clara de Resende COD COD

Escola Secundária 2-3 de Clara de Resende COD COD CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 27 de outubro de 2015) No caso específico da disciplina de FILOSOFIA, do 10º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ao nível do

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE GONDOMAR ANO LETIVO de 2014 / 2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE GONDOMAR ANO LETIVO de 2014 / 2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE GONDOMAR ANO LETIVO de 014 / 015 PLANIFICAÇÃO de Filosofia 10º ANO Gestão Temporal do Programa UNIDADE CONTEÚDO LETIVOS I Módulo inicial II A acção humana e os valores 1.

Leia mais

Trabalho da página 92 à 94

Trabalho da página 92 à 94 Trabalho da página 92 à 94 1.O que significa perguntar sobre a natureza dos valores? Significa perguntar se os valores existem nas coisas e ações e o sujeito os descobre ou se existem apenas no sujeito

Leia mais

TIPOS DE CONHECIMENTO

TIPOS DE CONHECIMENTO CONDICIONAMENTO DO COMPORTAMENTO HUMANO CONCEPÇÕES Conscientes / Inconscientes - Valores, crenças e preconceitos - Conhecimentos - Experiências - Necessidades afetivas, sentimentos PERCEPÇÕES / ATITUDES

Leia mais

Grupo I 1- Assinala a alternativa correta:

Grupo I 1- Assinala a alternativa correta: FICHA FORMATIVA Correção Grupo I 1- Assinala a alternativa correta: O pão é um alimento sagrado. Há harmonia e elegância na arquitetura da antiguidade Todos os seres humanos nascem livre s e iguais A beleza

Leia mais

À Descoberta dos Valores

À Descoberta dos Valores Projeto Educativo Transversal Creche, Pré-escolar e 1º Ciclo À Descoberta dos Valores 2016-2019 1 Índice Introdução 3 Objetivos 3 Objetivos gerais 3 Objetivos específicos 4 Metas 5 Estratégias 5 Fundamentação

Leia mais

Planificação Anual - Disciplina Filosofia 10º Ano /2018

Planificação Anual - Disciplina Filosofia 10º Ano /2018 Planificação Anual - Disciplina Filosofia 10º Ano - 2017/2018 OBJECTIVOS GERAIS DO PROGRAMA DE FILOSOFIA 10º ANO Domínio cognitivo - Apropriar-se progressivamente da especificidade da filosofia Reconhecer

Leia mais

Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Filosofia Teste Intermédio Filosofia Duração do Teste: 90 minutos 22.02.2011 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Utilize apenas caneta ou esferográfica

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MACEIRA

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MACEIRA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MACEIRA Critérios de Avaliação de EMRC 2009 / 2010 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS A base dos critérios de avaliação para o Segundo, Terceiro Ciclos do Ensino Básico e para o Ensino

Leia mais

Fundamentação da ética

Fundamentação da ética Fundamentação da ética Objeto da ética Problemas: O que é a ética? Que tipo de problemas ela tenta resolver? Por que o ser humano deve ser guiado pela ética e não pelos instintos? Que elemento nos distingue

Leia mais

Conceito de Moral. O conceito de moral está intimamente relacionado com a noção de valor

Conceito de Moral. O conceito de moral está intimamente relacionado com a noção de valor Ética e Moral Conceito de Moral Normas Morais e normas jurídicas Conceito de Ética Macroética e Ética aplicada Vídeo: Direitos e responsabilidades Teoria Exercícios Conceito de Moral A palavra Moral deriva

Leia mais

Ética aplicada: ética, moral, valores e virtudes. Professora Renata Lourdes.

Ética aplicada: ética, moral, valores e virtudes. Professora Renata Lourdes. Ética aplicada: ética, moral, valores e virtudes Professora Renata Lourdes. renatalourdesrh@hotmail.com CONCEITO DE ÉTICA Estudo dos juízos de apreciação referentes à conduta humana suscetível de qualificação

Leia mais

AXIOLOGIA CONTABILÍSTICA

AXIOLOGIA CONTABILÍSTICA 1 AXIOLOGIA CONTABILÍSTICA HOOG, Wilson Alberto Zappa. 1 Resumo: Apresentamos uma breve análise sobre a importância da axiologia, como matéria auxiliar à teoria pura da contabilidade, pontualmente no que

Leia mais

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça?

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça? Hans Kelsen Prof. Nogueira O que é Justiça? Biografia Básica 1881 1973 Austríaco Judeu Biografia Básica 1 ed. Teoria Pura do Direito 1934 O que é Justiça? 1957 2 ed. Teoria Pura do Direito 1960 Histórico

Leia mais

Semiologia e semiotécnica I. Prof.ª DANIELA GARCIA

Semiologia e semiotécnica I. Prof.ª DANIELA GARCIA Semiologia e semiotécnica I Prof.ª DANIELA GARCIA Valores éticos humanos Não fazemos distinção entre ética e moral, usamos as duas palavras como sinônimos. Mas os estudiosos da questão, fazem uma distinção

Leia mais

AULA FILOSOFIA. O realismo aristotélico

AULA FILOSOFIA. O realismo aristotélico AULA FILOSOFIA O realismo aristotélico DEFINIÇÃO O realismo aristotélico representa, na Grécia antiga, ao lado das filosofias de Sócrates e Platão, uma reação ao discurso dos sofistas e uma tentativa de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA FLOR ESCOLA EB2,3/S DE VILA FLOR DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS ÁREA DISCIPLINAR DE FILOSOFIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA FLOR ESCOLA EB2,3/S DE VILA FLOR DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS ÁREA DISCIPLINAR DE FILOSOFIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA FLOR 151841 ESCOLA EB2,3/S DE VILA FLOR 346184 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS ÁREA DISCIPLINAR DE PLANIFICAÇÃO ANUAL - ANO LETIVO 2016/ 2017 1 PLANIFICAÇÃO A

Leia mais

Biografia Básica. Austríaco. Judeu

Biografia Básica. Austríaco. Judeu Biografia Básica 1881 1973 Austríaco Judeu Biografia Básica 1 ed. Teoria Pura do Direito 1934 O que é Justiça? 1957 2 ed. Teoria Pura do Direito 1960 Histórico Revolução francesa. Liberdade, igualdade

Leia mais

Filosofia 10º Ano Ano letivo de 2015/2016 PLANIFICAÇÃO

Filosofia 10º Ano Ano letivo de 2015/2016 PLANIFICAÇÃO I Iniciação à Atividade Filosófica 1. Abordagem introdutória à filosofia e ao filosofar PERCURSOS 10.º ANO Competências a desenvolver/objectivos a concretizar Recursos Estratégias Gestão 1.1. O que é a

Leia mais

Resolução da Questão 1 Texto Definitivo

Resolução da Questão 1 Texto Definitivo Questão Redija um texto dissertativo acerca dos dois sistemas da economia nordestina no século XVII, atendendo, necessariamente, ao que se pede a seguir: identifique e caracterize esses dois sistemas econômicos;

Leia mais

MORAL E ÉTICA. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto.

MORAL E ÉTICA. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto. MORAL E ÉTICA O homem é um ser dotado de senso moral. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto. Senso moral se manifesta em sentimentos, atitudes, juízos de valor Moral vem

Leia mais

INFORMAÇÃO-EXAME A NÍVEL DE ESCOLA FILOSOFIA 2017

INFORMAÇÃO-EXAME A NÍVEL DE ESCOLA FILOSOFIA 2017 INFORMAÇÃO-EXAME A NÍVEL DE ESCOLA FILOSOFIA 2017 PROVA 225 Cursos Científicos Humanísticos Artigo 20.º do Decreto- Lei n.º 3 / 2008, de 7 de janeiro 11.º Ano de Escolaridade Duração da Prova: 120 minutos

Leia mais

Critérios de Avaliação Disciplina: Orquestra de Sopros 2º CICLO

Critérios de Avaliação Disciplina: Orquestra de Sopros 2º CICLO 2º CICLO DOMÍNIO DA CRITÉRIOS GERAIS PERFIL DO ALUNO: DESCRITORES GERAIS INSTRUMENTOS INDICADORES DE % Coordenação psico-motora. Sentido de pulsação/ritmo/harmonia/ fraseado. COGNITIVOS: APTIDÕES CAPACIDADES

Leia mais

A Estética é uma especialidade filosófica que visa investigar a essência da beleza e as bases da arte. Ela procura compreender as emoções, idéias e

A Estética é uma especialidade filosófica que visa investigar a essência da beleza e as bases da arte. Ela procura compreender as emoções, idéias e A Estética A Estética é uma especialidade filosófica que visa investigar a essência da beleza e as bases da arte. Ela procura compreender as emoções, idéias e juízos que são despertados ao observar uma

Leia mais

ÉTICA PROFISSIONAL. Curso de Engenharia UNIP

ÉTICA PROFISSIONAL. Curso de Engenharia UNIP ÉTICA PROFISSIONAL Curso de Engenharia UNIP O QUE É ÉTICA? O QUE É ÉTICA? Tradicionalmente é entendida como um estudo ou uma reflexão sobre os costumes ou sobre as ações humanas. Pode ser entendida também

Leia mais

JURISPRUDÊNCIA DOS INTERESSES

JURISPRUDÊNCIA DOS INTERESSES JURISPRUDÊNCIA DOS INTERESSES Sequência da Jurisprudência Teleológica, de Jhering: Direito vinculado a um determinado fim desejado pela sociedade. Decisões judiciais: objetivam satisfazer as necessidades

Leia mais

Roteiro 31. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas

Roteiro 31. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Roteiro 31 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Objetivos Explicar a abrangência da Teoria dos valores e sua evolução histórica Analisar

Leia mais

ÉTICA PROFISSIONAL NA PSICOPEDAGOGIA DR. ANGELO BARBOSA

ÉTICA PROFISSIONAL NA PSICOPEDAGOGIA DR. ANGELO BARBOSA ÉTICA PROFISSIONAL NA PSICOPEDAGOGIA DR. ANGELO BARBOSA ÉTICA: Ética vem do grego ethos que significa modo de ser. É a forma que o homem deve se comportar no seu meio social. A ética pode ser o estudo

Leia mais

Fixando o Conhecimento Módulo Relações Humanas

Fixando o Conhecimento Módulo Relações Humanas Fixando o Conhecimento Módulo Relações Humanas 1. O homem, através de sua racionalidade, busca conhecer a si e ao mundo que o cerca. Neste sentido, a ética: a) Não ajuda em nada o ser humano b) É um dos

Leia mais

SOMOS LIVRES AO DECIDIR

SOMOS LIVRES AO DECIDIR FILOSOFIA 2º ano Partindo do principio de que liberdade é LIBERDADE DE ESCOLHER Afinal, até onde alcança o poder da nossa liberdade? Nossas escolhas estão ligadas aos princípios morais da nossa sociedade;

Leia mais

orientar. Esta obra tenta, pois, pôr ordem no afluxo de elementos que balizam o campo psicossocial. A fim de perseguir essa intenção, privilegiou-se

orientar. Esta obra tenta, pois, pôr ordem no afluxo de elementos que balizam o campo psicossocial. A fim de perseguir essa intenção, privilegiou-se INTRODUÇÃO Cem anos após o nascimento da Psicologia Social, é a partir de agora possível fazer o balanço da evolução desta disciplina. Nessa perspectiva, Elementos de Psicologia Social responde a um duplo

Leia mais

A ÉTICA E A DEONTOLOGIA PROFISSIONAL. Cristina Gonçalves

A ÉTICA E A DEONTOLOGIA PROFISSIONAL. Cristina Gonçalves A ÉTICA E A DEONTOLOGIA PROFISSIONAL Cristina Gonçalves A ética e a deontologia profissional Cristina Gonçalves 3 A ética e a deontologia profissional Cristina Gonçalves 4 A ética e a deontologia profissional

Leia mais

Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes

Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes Filosofia da Arte Unidade II O Universo das artes FILOSOFIA DA ARTE Campo da Filosofia que reflete e permite a compreensão do mundo pelo seu aspecto sensível. Possibilita compreender a apreensão da realidade

Leia mais

SOCIOLOGIA. Prof. Carlos Eduardo Foganholo. Colégio CEC

SOCIOLOGIA. Prof. Carlos Eduardo Foganholo. Colégio CEC SOCIOLOGIA Prof. Carlos Eduardo Foganholo Colégio CEC Cultura - Conceitos Todos os seres humanos possuem cultura. Ninguém tem mais cultura que outra pessoa Não existe cultura superior ou inferior, uma

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO P á g i n a 1 Questão 1. Hans Kelsen em sua obra Teoria Pura do Direito : I. Define a Teoria Pura do Direito como uma teoria do Direito positivo

Leia mais

Exercícios do manual. Página 105 Exercício V

Exercícios do manual. Página 105 Exercício V Exercícios do manual 1. Falácia do apelo à ignorância Página 105 Exercício V 2. Falácia contra a pessoa ou ad hominem (hipocrisia ou tu quoque tu também não fazes o que defendes) 3. Falso dilema (quer

Leia mais

A Economia e o problema económico. A Economia no contexto das ciências sociais

A Economia e o problema económico. A Economia no contexto das ciências sociais A Economia no contexto das ciências sociais Realidade social Objeto de estudo das ciências sociais Conjunto dos seres humanos e das relações que resultam da vida em grupo. O estudo da realidade social

Leia mais

EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S

EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S Ética e Moral EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S 2009/2010 Valores No mundo contemporâneo o Homem já não segue valores modelos mas cria os seus próprios valores em função

Leia mais

ÉTICA E MORAL. O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1

ÉTICA E MORAL. O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1 ÉTICA E MORAL O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1 Ética e Moral são indiferenciáveis No dia-a-dia quando falamos tanto usamos o termo ética ou moral, sem os distinguirmos. Também

Leia mais

A estética de Hegel. Antonio Rodrigues Belon

A estética de Hegel. Antonio Rodrigues Belon A estética de Hegel Antonio Rodrigues Belon A necessidade universal da arte é, pois, a necessidade racional que o ser humano tem de elevar a uma consciência espiritual o mundo interior e exterior, como

Leia mais

o PRINCÍPIO DA DESCULPA

o PRINCÍPIO DA DESCULPA STJ00096270 FERNANA PALMA o PRINÍPIO A ESULPA EM IREITO PENAL ALMEINA o PRINÍPIO A ESULPA EM IREITO PENAL AUTORA FERNANA PALMA EITOR EIÇÕES ALMEINA. SA Rua da Estrela, n.o 6 3000-161 oimbra Te!.: 239851904

Leia mais

Profª Karina Oliveira Bezerra Aula 05 Unidade 1, capítulo 5: p. 63 Unidade 8, capítulo 5: p. 455 Filme: Germinal

Profª Karina Oliveira Bezerra Aula 05 Unidade 1, capítulo 5: p. 63 Unidade 8, capítulo 5: p. 455 Filme: Germinal Profª Karina Oliveira Bezerra Aula 05 Unidade 1, capítulo 5: p. 63 Unidade 8, capítulo 5: p. 455 Filme: Germinal No século XIX, em decorrência do otimismo trazido pelas idéias de progresso (positivismo),

Leia mais

Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes.

Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes. Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de 1998 Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. O Presidente

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS

QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS Shalom H. Schwartz; Tradução e Adaptação: Menezes & Campos, 989 Recriação: Prioste, Narciso, & Gonçalves (00) Neste questionário deve perguntar-se a si próprio: "Que

Leia mais

INTRODUÇÃO À FILOSOFIA MORAL

INTRODUÇÃO À FILOSOFIA MORAL INTRODUÇÃO À FILOSOFIA MORAL 13 & 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (3ª aula) Sumário da Aula Anterior: Definições de Ética. Teorias consequencialistas e teorias deontológicas. Definições de Bioética. A Bioética

Leia mais

O CONHECIMENTO E SEUS NÍVEIS

O CONHECIMENTO E SEUS NÍVEIS O CONHECIMENTO E SEUS NÍVEIS 1. O CONHECIMENTO é uma relação que se estabelece entre o sujeito que conhece e o objeto conhecido. O sujeito que conhece se apropria, de certo modo, do objeto conhecido. Através

Leia mais

A teoria do conhecimento

A teoria do conhecimento conhecimento 1 A filosofia se divide em três grandes campos de investigação. A teoria da ciência, a teoria dos valores e a concepção de universo. Esta última é na verdade a metafísica; a teoria dos valores

Leia mais

Informação-Exame Final Nível de Escola para N.E.E. Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro Prova de Filosofia 10º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 225 2015 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Ética e Organizações EAD 791. Prof. Wilson Amorim 16/Agosto/2017 FEA USP

Ética e Organizações EAD 791. Prof. Wilson Amorim 16/Agosto/2017 FEA USP Ética e Organizações EAD 791 Prof. 16/Agosto/2017 FEA USP Ética e Organizações EAD 791 Aula de Hoje Senso moral, Consciência Moral Juízo de fato, juízo de valor Constituintes do campo ético: virtude, sujeito

Leia mais

Psicologia da Religião. Conceitos e Reflexões Profa. Dra. Patrícia Pazinato

Psicologia da Religião. Conceitos e Reflexões Profa. Dra. Patrícia Pazinato Psicologia da Religião Conceitos e Reflexões Profa. Dra. Patrícia Pazinato Experiência Religiosa Termo experiência do grego empeiria significando empírico ou empirismo que passa ao português como experiência.

Leia mais

DEMOCRACIA, ÉTICA E CIDADANIA

DEMOCRACIA, ÉTICA E CIDADANIA DEMOCRACIA, ÉTICA E CIDADANIA Seminário do ENADE Agronomia, Biomedicina, Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Educação Física, Medicina Veterinária e Estética e Cosmética Profª. Ma. Denise Tatiane Girardon

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2).

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2). EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 9/202, de de julho Prova Escrita de Filosofia.º Ano de Escolaridade Prova 74/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 20 minutos. Tolerância: 0 minutos.

Leia mais

Faculdade Integrada Cantareira 5 ano/2010 Profa. Thais Cavalcanti. Professora Thais Cavalcanti

Faculdade Integrada Cantareira 5 ano/2010 Profa. Thais Cavalcanti. Professora Thais Cavalcanti Faculdade Integrada Cantareira 5 ano/2010 Profa. Thais Cavalcanti 1 Direitos humanos Direitos naturais Direitos do homem Direitos individuais Direitos públicos Direitos fundamentais Direitos subjetivos

Leia mais

TÉCNICA DE PESQUISA EM ECONOMIA

TÉCNICA DE PESQUISA EM ECONOMIA TÉCNICA DE PESQUISA EM ECONOMIA Professores Helder Queiroz Pinto Jr Marcelo Matos INSTITUTO DE ECONOMIA UFRJ 2016 Problema de Pesquisa e Hipótese Bibliografia: ANTONIO CARLOS GIL - Como Elaborar Projetos

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS SOCIAS - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS SOCIAS - Gabarito . UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ACADÊMICOS COSEAC-COORDENADORIA DE SELEÇÃO TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2007 e 1 o semestre letivo de 2008 CURSO de CIÊNCIAS SOCIAS -

Leia mais

Durkheim SOCIEDADE HOMEM. Anos 70 ROCOCÓ DETERMINA OPERÁRIOS

Durkheim SOCIEDADE HOMEM. Anos 70 ROCOCÓ DETERMINA OPERÁRIOS Durkheim Durkheim SOCIEDADE Anos 70 OPERÁRIOS ROCOCÓ DETERMINA HOMEM Sociologia Ciências naturais Sociologia Objetividade Relações causais Bases estatísticas Tipologia Social Sociedades de: Solidariedade

Leia mais

PSICOLOGIA B - 12º ano

PSICOLOGIA B - 12º ano PSICOLOGIA B - 12º ano Tema 2: EU Processos emocionais A professora: Antónia Couto Ano letivo: 2011-2012 Índice Introdução Distinção entre afeto, sentimento e emoção (D5) Definição de emoção (D6 e D7)

Leia mais

Introdução a Filosofia

Introdução a Filosofia Introdução a Filosofia Baseado no texto de Ludwig Feuerbach, A essência do homem em geral, elaborem e respondam questões relacionadas a este tema. 1- Quem foi Feuerbach? PERGUNTAS 2- Qual é a diferença

Leia mais

Unidade III ÉTICA E LEGISLAÇÃO. Profª. Gislaine Stachissini

Unidade III ÉTICA E LEGISLAÇÃO. Profª. Gislaine Stachissini Unidade III ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL Profª. Gislaine Stachissini Ética É o estudo dos juízos de apreciação referentes à conduta humana, suscetível de qualificação do ponto de vista do bem e do mal,

Leia mais

André Filipe dos Santos Coelho

André Filipe dos Santos Coelho 1 Em que consistem os processos conativos? A conação, os processos conativos, ligam-se, por sua vez, à dimensão do fazer, das maneiras como regulamos os nossos comportamentos e acções. Esta procura compreender

Leia mais

TEMA TRANSVERSAL: ÉTICA

TEMA TRANSVERSAL: ÉTICA TEMA TRANSVERSAL: ÉTICA LEITURA PARA O ALUNO O QUE É ÉTICA O dicionário nos traz o significado de ética como estudo dos juízos de apreciação referentes à conduta humana, do ponto de vista do bem e do mal

Leia mais

Por Fernanda Cintra Lauriano Silva. 1 Ética

Por Fernanda Cintra Lauriano Silva. 1 Ética Analisa a ética enquanto influenciadora da conduta ideal e da conduta real dos indivíduos. Demonstra divergência doutrinária entre os conceitos de moral e ética, juízo de fato e juízo de valor e analisa

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ÉTICA. A Geografia Levada a Sério

FUNDAMENTOS DA ÉTICA.  A Geografia Levada a Sério FUNDAMENTOS DA ÉTICA 1 Eu não sei o que quero ser, mas sei muito bem o que não quero me tornar. Friedrich Nietzsche 2 CHEGA Gabriel, o pensador (2015) 3 A Ética e a Cidadania Desde cedo aprendemos a não

Leia mais

CAPÍTULO 2 A ECONOMIA COMO CIÊNCIA SOCIAL. Introdução

CAPÍTULO 2 A ECONOMIA COMO CIÊNCIA SOCIAL. Introdução CAPÍTULO 2 A ECONOMIA COMO CIÊNCIA SOCIAL Introdução A economia é tida como uma ciência social. Ou seja, o estudo das actividades económicas do ponto de vista social. Contudo, muitos economistas sustentam

Leia mais

Unidade 2: Teoria Sociológica de Durkheim. Sociologia Geral - Psicologia Igor Assaf Mendes

Unidade 2: Teoria Sociológica de Durkheim. Sociologia Geral - Psicologia Igor Assaf Mendes Unidade 2: Teoria Sociológica de Durkheim Sociologia Geral - Psicologia Igor Assaf Mendes Teorias e Perspectivas Sociológicas Funcionalismo: enfatiza que o comportamento humano é governado por estruturas

Leia mais

DO ETERNO NO HOMEM. Azizi Manuel Tempesta 1

DO ETERNO NO HOMEM. Azizi Manuel Tempesta 1 RESENHA DO ETERNO NO HOMEM Azizi Manuel Tempesta 1 SCHELER, M. Do eterno no homem. Petrópolis: Vozes; Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2015. Max Scheler foi um filósofo alemão, nascido

Leia mais

Aula 00 Ética na Administração do Estado e Atribuições p/ ARTESP (Analista de Suporte à Regulação)

Aula 00 Ética na Administração do Estado e Atribuições p/ ARTESP (Analista de Suporte à Regulação) Aula 00 Ética na Administração do Estado e Atribuições p/ ARTESP (Analista de Suporte à Regulação) Professor: Tiago Zanolla 00000000000 - DEMO LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA ARTESP Teoria e questões comentadas

Leia mais

Sofistas ou Sophistés

Sofistas ou Sophistés - Sofista (sophistés) vem da palavra sophos que significa sábio. Sofistas ou Sophistés Principais sofistas: - Protágoras de Abdera 480-410 a.c. - Gógias de Leontini 487?-380? a.c. - Isócrates de Atenas

Leia mais

Disciplina Ética e Serviço Social. Professora Ms. Márcia Rejane Oliveira de Mesquita Silva

Disciplina Ética e Serviço Social. Professora Ms. Márcia Rejane Oliveira de Mesquita Silva Disciplina Ética e Serviço Social Professora Ms. Márcia Rejane Oliveira de Mesquita Silva 2. Considerações Sobre o Código de Ética dos Assistente Sociais Maria Lucia Barroco A autora parte da constatação

Leia mais

ÉTICA AMBIENTAL INTRODUÇÃO 29 DE ABRIL DE (20ª aula) Departamento de Biologia Vegetal Bioética 2012 /2013 Jorge Marques da Silva

ÉTICA AMBIENTAL INTRODUÇÃO 29 DE ABRIL DE (20ª aula) Departamento de Biologia Vegetal Bioética 2012 /2013 Jorge Marques da Silva ÉTICA AMBIENTAL INTRODUÇÃO 29 DE ABRIL DE 2013 (20ª aula) Sumário da Aula Anterior: Ética animal: visão política e visão filosófica. A teoria de ética animal de Peter Singer. Aspectos-chave: igualdade

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Especialização em Redes de Computadores Metodologia do Trabalho Científico Ciência e Conhecimento Científico Tipos de Conhecimento Antes de conceituar conhecimento científico, é necessário diferenciá-lo

Leia mais

Disciplina de Cidadania 6º Ano Turma A

Disciplina de Cidadania 6º Ano Turma A Disciplina de Cidadania 6º Ano Turma A Conteúdos programáticos e aulas previstas 1º 2º 3º TOTAIS Nº de aulas previstas 13 12 9 34 Nº de aulas para apresentação e autoavaliação 2 1 1 4 Nº de aulas para

Leia mais

O indivíduo na organização

O indivíduo na organização Aula 2 O indivíduo na organização 1 Agenda Valores Atitudes Percepção Personalidade 2 1 Valores Valores Representam convicções básicas de que um modo específico de conduta ou de condição de existência

Leia mais

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Unidade 2: História da Filosofia Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Períodos Históricos da Filosofia Filosofia Grega ou Antiga (Séc. VI a.c. ao VI d.c.) Filosofia Patrística (Séc. I ao VII) Filosofia

Leia mais

Os valores juízos de realidade, quando partimos do fato

Os valores juízos de realidade, quando partimos do fato Ética Os valores Diante de pessoas, coisas e situações, estamos constantemente fazendo avaliações: "Esta caneta é ruim, pois falha muito"; "Esta moça é atraente"; "Acho que João agiu mal não ajudando você";

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO LEI Nº 357/2007, DE 29 DE OUTUBRO

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO LEI Nº 357/2007, DE 29 DE OUTUBRO MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO LEI Nº 357/2007, DE 29 DE OUTUBRO (duração: 90 minutos + 30 minutos de tolerância) DIREITO 12º ANO (Cursos Científico Humanísticos Decreto

Leia mais

Então começamos por ali. Com quebracabeças. Cada um de vocês tem uma peça de um quebra-cabeça. Me fala um pouco sobre a sua peça. [Passa alguns minuto

Então começamos por ali. Com quebracabeças. Cada um de vocês tem uma peça de um quebra-cabeça. Me fala um pouco sobre a sua peça. [Passa alguns minuto ACHANDO SEU LUGAR A tema ou o rumo deste estudo será Achando Seu Lugar. Muitos nós temos lugares onde sentimos em casa: onde achamos amor e aceitação, um pouco do significado e propósito que buscamos.

Leia mais

Hermenêutica Filosofica - Schleiermacher

Hermenêutica Filosofica - Schleiermacher Hermenêutica Filosofica - Schleiermacher Deu início a um novo modelo de hermenêutica Utilizou o método histórico-crítico e o conceito de razão histórica Trouxe para a hermenêutica o caráter científico,

Leia mais

INTRODUÇÃO À FILOSOFIA MORAL (cont. 2)

INTRODUÇÃO À FILOSOFIA MORAL (cont. 2) INTRODUÇÃO À FILOSOFIA MORAL (cont. 2) 20 & 22 DE FEVEREIRO DE 2013 (5ª aula) Sumário da Aula Anterior: O Subjectivismo: definição, pontos fortes e fragilidades. O Subjectivismo Simples. O Argumento da

Leia mais

FILOSOFIA. As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina.

FILOSOFIA. As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina. INFORMAÇÃO-EXAME FILOSOFIA 2017 Exame a Nível de Escola 225 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características do exame

Leia mais

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia O que caracteriza a consciência mítica é a aceitação do destino: Os costumes dos ancestrais têm raízes no sobrenatural; As ações humanas são determinadas pelos

Leia mais

Lealdade e Fidelidade no ambiente Religioso. ED da IPBut Abril de 2010 Marcos C. Ribeiro

Lealdade e Fidelidade no ambiente Religioso. ED da IPBut Abril de 2010 Marcos C. Ribeiro Lealdade e Fidelidade no ambiente Religioso ED da IPBut Abril de 2010 Marcos C. Ribeiro Conceitos Básicos: Lealdade: Respeito aos princípios e regras que norteiam a honra e a probidade. Fidelidade aos

Leia mais

A identidade como fator distintivo entre os seres humanos

A identidade como fator distintivo entre os seres humanos A identidade como fator distintivo entre os seres humanos Homem Unidade Diversidade Espécie humana Património genético único; tempo, sociedade e cultura diferentes Eu sou único Eu sou eu, diferente de

Leia mais

Jorge Teixeira da Cunha. Ética Teológica Fundamental

Jorge Teixeira da Cunha. Ética Teológica Fundamental Jorge Teixeira da Cunha Ética Teológica Fundamental UNIVERSIDADE CATÓLICA EDITORA Lisboa, 2009 In t ro d u ç ã o Esta explicação teológica da ética nasce de algumas preocupações. Esperamos interpretar

Leia mais

MATÉRIA DA DISCIPLINA ÉTICA E CIDADANIA APLICADA AO DIREITO I

MATÉRIA DA DISCIPLINA ÉTICA E CIDADANIA APLICADA AO DIREITO I 4 MATÉRIA DA DISCIPLINA ÉTICA E CIDADANIA APLICADA AO DIREITO I MINISTRADA PELO PROFESSOR MARCOS PEIXOTO MELLO GONÇALVES PARA A TURMA 1º T NO II SEMESTRE DE 2003, de 18/08/2003 a 24/11/2003 O Semestre

Leia mais

Cotações. Prova Escrita de Filosofia. 10.º Ano de Escolaridade Março de Duração da prova: 90 minutos. 3 Páginas

Cotações. Prova Escrita de Filosofia. 10.º Ano de Escolaridade Março de Duração da prova: 90 minutos. 3 Páginas Prova Escrita de Filosofia Versão A 10.º Ano de Escolaridade Março de 2016 Duração da prova: 90 minutos 3 Páginas Leia atentamente o enunciado Para cada resposta, identifique o grupo e o item. Apresente

Leia mais

AULA 2 A CONSTITUIÇÃO DO CAMPO DA SOCIOLOGIA ECONÔMICA (I) NADYA ARAUJO GUIMARÃES FSL 0638 SOCIOLOGIA ECONÔMICA 01/2015

AULA 2 A CONSTITUIÇÃO DO CAMPO DA SOCIOLOGIA ECONÔMICA (I) NADYA ARAUJO GUIMARÃES FSL 0638 SOCIOLOGIA ECONÔMICA 01/2015 AULA 2 A CONSTITUIÇÃO DO CAMPO DA SOCIOLOGIA ECONÔMICA (I) NADYA ARAUJO GUIMARÃES FSL 0638 SOCIOLOGIA ECONÔMICA 01/2015 ROTEIRO 1. Os principais momentos na constituição do campo: cronologia e território

Leia mais

CONTRATOS INTERNACIONAIS: NOVOS PARADIGMAS AO JURISTA BRASILEIRO

CONTRATOS INTERNACIONAIS: NOVOS PARADIGMAS AO JURISTA BRASILEIRO CONTRATOS INTERNACIONAIS: NOVOS PARADIGMAS AO JURISTA BRASILEIRO Neuci Pimenta de Medeiros * Walcemir de Azevedo de Medeiros ** há uma novidade no ordenamento jurídico brasileiro: a Convenção das Nações

Leia mais

Paradigmas filosóficos e conhecimento da educação:

Paradigmas filosóficos e conhecimento da educação: Paradigmas filosóficos e conhecimento da educação: Limites atual do discurso filosófico no Brasil na abordagem da temática educacional Fonte: SEVERINO, Antonio Joaquim (USP) A preocupação do texto Os discursos

Leia mais

Clóvis de Barros Filho

Clóvis de Barros Filho Clóvis de Barros Filho Sugestão Formação: Doutor em Ciências da Comunicação pela USP (2002) Site: http://www.espacoetica.com.br/ Vídeos Produção acadêmica ÉTICA - Princípio Conjunto de conhecimentos (filosofia)

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL FADIVALE FILOSOFIA DO DIREITO

PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL FADIVALE FILOSOFIA DO DIREITO PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL FADIVALE FILOSOFIA DO DIREITO lugafap@yahoo.com.br jlgabriel.blogspot.com POSITIVISMO JURÍDICO: O NORMATIVISMO DE HANS KELSEN BITTAR e ALMEIDA, Curso de Filosofia do

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FILOSOFIA MAIO 2017 Prova: 161

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FILOSOFIA MAIO 2017 Prova: 161 INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FILOSOFIA MAIO 2017 Prova: 161 Escrita 10.º e 11.º de Escolaridade (Portaria n.º 207/2008, de 25 de Fevereiro - Cursos Tecnológicos de informática; Contabilidade

Leia mais

Direito Administrativo I

Direito Administrativo I Discricionariedade Administrativa Fernanda Paula Oliveira 1 Considerações introdutórias Fernanda Paula Oliveira 2 Vinculação e discricionariedade como dois pólos de uma mesma realidade: há um continuum

Leia mais

Prova Escrita de Filosofia

Prova Escrita de Filosofia Exame Final Nacional do Ensino Secundário Prova Escrita de Filosofia.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 9/202, de de julho Prova 74/2.ª Fase Critérios de Classificação Páginas 204 Prova 74/2.ª F. CC

Leia mais

RELACIONAMENTO INTERPESSOAL COMPETÊNCIAS. Prof. Dr. Márcio Magalhães Fontoura

RELACIONAMENTO INTERPESSOAL COMPETÊNCIAS. Prof. Dr. Márcio Magalhães Fontoura RELACIONAMENTO INTERPESSOAL COMPETÊNCIAS Prof. Dr. Márcio Magalhães Fontoura Competência..., o que é? Qualidade de quem é capaz de apreciar e resolver certos assuntos. Philippe Perrenoud Mobilizar um conjunto

Leia mais