Palavras-chave: Comunicação. Enfermagem. Revisão bibliográfica.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chave: Comunicação. Enfermagem. Revisão bibliográfica."

Transcrição

1 O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM: PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA DE 1997 A Silvia Soares dos Santos Ricardo Ricardo Magali Telecio Tatiana Longo Borges Miguel Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium RESUMO: Este trabalho teve como objetivo principal investigar a produção científica de comunicação em enfermagem, no Brasil, no período de 1997 a Foram investigados artigos divulgados em revistas brasileiras e analisados os dados referentes ao periódico, tema e ano de publicação. Do total de 49 artigos versando sobre comunicação em enfermagem 36,7% tiveram como tema a comunicação enfermeiro-cliente e a maior parte dos artigos foram publicados pela Revista Latinoamericana de Enfermagem (25). Em síntese, os resultados desta investigação mostraram que a produção científica na área de comunicação em enfermagem, encontra-se ainda incipiente, não se observando crescimento no decorrer dos anos. Palavras-chave: Comunicação. Enfermagem. Revisão bibliográfica. INTRODUÇÃO O conhecimento produzido nas diversas áreas da enfermagem vem crescendo gradativamente no Brasil, impulsionado pela criação dos cursos de pós-graduação stricto sensu na década de 70 após a reforma universitária (PADILHA et. Al., 1983). Na área da saúde é fundamental saber lidar com pessoas. A todo o momento podem surgir conflitos decorrentes de reações inesperadas, ou por parte do cliente, da família ou de um membro da equipe de saúde. Tais conflitos podem acontecer levando-se em consideração que a base do trabalho não só do enfermeiro, mas de outros profissionais de saúde são a relações humanas (SILVA, 1996). A escrita, a fala, as expressões faciais, a audição e o tato são formas de comunicação utilizada conscientemente ou não. A tarefa do profissional de saúde é decodificar o significado da mensagem que o paciente envia, para então estabelecer um plano de cuidados adequado (MEZZOMO et.al, 2003). Logo, o enfermeiro deve conhecer e utilizar técnicas de comunicação interpessoal. Levando-se em consideração que a comunicação e as técnicas para efetivá-la são conteúdos básicos na formação do enfermeiro, na tentativa de elucidarmos como ocorre o processo de comunicação em enfermagem, analisamos a produção científica de 1997 a Pretende-se com este estudo, oferecer subsídios que direcionem o desenvolvimento de pesquisas que visem um aprimoramento da comunicação interpessoal. OBJETIVOS Investigar a produção científica de comunicação em enfermagem, no Brasil, no período de 1997 a METODOLOGIA Trata-se de um estudo de levantamento bibliográfico que teve com foco os artigos científicos da área de comunicação em enfermagem publicados em periódicos nacionais de enfermagem no período de 1997 a 2006.

2 2 Os dados foram obtidos pelas autoras por meio de levantamento bibliográfico nas bases de dados Lilacs e Scielo. Os artigos específicos sobre comunicação deveriam conter no título do trabalho os descritores comunicação e enfermagem. Foram incluídos neste estudo, apenas os artigos classificados como de pesquisa e revisão de literatura, sendo excluídos os editoriais artigos de reflexão, relatos de experiência, ensaios, documentários notas prévias, resumos de teses e resenhas, além de números de edições especiais comemorativas. Após a localização dos periódicos, a coleta de dados foi realizada por meio de um instrumento criado para este fim contendo: título do periódico e do artigo, ano de publicação e tema de estudo. A coleta de dados foi efetuada com base nas informações contidas nos resumos e na leitura do artigo na íntegra. Os dados foram armazenados em um banco de dados eletrônico, sendo os resultados analisados segundo valores absolutos e percentuais e apresentados em forma de tabelas. RESULTADOS E DISCUSSÃO A Tabela 1, a seguir, mostra a distribuição das publicações em cada um dos periódicos analisados. A Tabela 1 mostra que, no período de 1997 a 2006 foram publicados apenas 49 artigos sobre comunicação em enfermagem. Observa-se que a Revista Latinoamericana de Enfermagem (25) foi a que mais publicou artigos específicos de comunicação seguida pela Revista Brasileira de Enfermagem (4) e Acta Paulista de Enfermagem (3). A seguir serão analisadas com maior detalhamento as publicações específicas de comunicação identificadas no período de 1997 a Tabela 1 Artigos publicados em periódicos nacionais de Enfermagem, no período de 1997 a 2006, segundo periódicos e artigos sobre comunicação publicados. São Paulo, Periódicos Artigos sobre comunicação publicados Rev Gaúch Enferm 2 Esc. Anna Nery Rev. Enferm 1 Cogitare enferm 2 REME Rev Min Enferm 1 Mundo saúde 1 Nursing (São Paulo) 3 Online braz. j. nurs. (On line) 1 Ciência Cuid. Saúde 2 Rev. Bras. Enfermagem 4 Rev. Enfermagem UERJ 1 Acta Paul Enfermagem 3 Rev. Eletrônica Enferm. 1 Rev. Esc. Enfermagem USP 2 Rev. Latinoam. Enfermagem 25 Total 49

3 3 Pode-se verificar pelos dados da Tabela 2 que, no geral, a comunicação enfermeirocliente (36,7%) foi o tema mais abordado pelos pesquisadores. No entanto, comparando-se os qüinqüênios analisados, nota-se que houve um leve acréscimo no interesse pelo tema comunicação enfermeiro-cliente e diminuição de estudos sobre comunicação no processo ensino-aprendizagem e comunicação enfermeiro-família. Tabela 2 Publicações de enfermagem sobre comunicação em periódicos nacionais, nos períodos de 1997 a 2001 e 2002 a 2006 segundo temas abordados. São Paulo, Temas abordados Ano de Publicação Total n % n % n % Ensino -prendizagem 6 22,2 3 13,6 9 18,4 Comunicação não-verbal 3 11,1 4 18,2 7 14,3 Comunicação enfermeiro-família 4 14,8 0 0,0 4 8,2 Comunicação enfermeiro-cliente 8 29, , ,7 Comunicação no processo de gestão 2 7,4 3 13,6 5 10,2 Outros* 4 14,8 2 9,1 6 12,2 Total *Anotações de enfermagem, comunicação mãe-filho. Podem justificar os resultados encontrados, a diversidade de áreas a serem exploradas na enfermagem ao pouco interesse dos profissionais e pesquisadores em estudar aspectos relacionados à comunicação. É interessante ressaltar que a grande maioria dos artigos publicados mostra que a comunicação não-terapêutica ou não efetiva pode gerar problemas tanto de ordem administrativa quanto assistencial (ANDRADE et. al., 2004). Ainda, alguns estudos mostram a necessidade de clientelas específicas pela comunicação terapêutica (CARVALHO et.al., 1997; INABA et.al., 2005). Em síntese, os resultados desta investigação mostraram que a produção científica na área de comunicação em enfermagem, encontra-se ainda incipiente, não se observando crescimento no decorrer dos anos. Mais do que mostrar o passado e o estado atual das investigações, os resultados trazem subsídios para a reflexão da grande necessidade de investigações nesta área. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS MEZZOMO Pe. A. A. (editor) Fundamentos da Humanização Hospitalar: uma versão multiprofissional. 1ª ed., São Paulo, Loyola, PADILHA K.G., PIERIN A.M., IDE C.A., BRAZ E., FARIAS G.M., TAKAHASHI O.C. Pesquisa em enfermagem médico-cirúrgica no Brasil. Revista Paulista de Enfermagem. 3 (5): , SILVA MJP. Comunicação tem remédio: a comunicação nas relações interpessoais em saúde. 4ª ed. São Paulo, Gente, INABA L.C., SILVA M.J.P., TELLES S.C.R. Paciente crítico e comunicação: visão de familiares sobre sua adequação pela equipe de enfermagem. Revista Escola de Enfermagem da USP. 39 (4): , ANDRADE J.S., VIEIRA M. J., SANTANA M.A., LIMA D. M. A comunicação entre enfermeiros na passagem de plantão. Acta Paulista de Enfermagem. 17 (3):

4 CARVALHO E.C., BACHION M. M., BRAGA M. R. Comunicação oral com pacientes hematológicos: comportamentos facilitadores e bloqueadores. Revista Escola de Enfermagem da USP. 31 (1):

5 This document was created with Win2PDF available at The unregistered version of Win2PDF is for evaluation or non-commercial use only.

ANEXO II PARTILHA DO SIMPLES NACIONAL - INDÚSTRIA

ANEXO II PARTILHA DO SIMPLES NACIONAL - INDÚSTRIA ANEXO II PARTILHA DO SIMPLES NACIONAL - INDÚSTRIA Seção I: Receitas decorrentes da venda de mercadorias por elas industrializadas não sujeitas a substituição tributária, exceto as receitas decorrentes

Leia mais

CURSO DE TECN OLOGI A DO VÁCUO

CURSO DE TECN OLOGI A DO VÁCUO FATEC-SP CURSO DE TECN OLOGI A DO VÁCUO Prof. Me. Francisco Tadeu Degasperi Janeiro de 2005 Agradeço a colaboração do Tecnólogo Alexandre Cândido de Paulo Foi Auxiliar de Docente do LTV da Fatec-SP Atualmente

Leia mais

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos 1 AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos Ernesto F. L. Amaral 19 de março de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Severino, Antônio Joaquim. 2007. Metodologia do trabalho científico.

Leia mais

Visão Geral do Trabalho de Pesquisa

Visão Geral do Trabalho de Pesquisa Visão Geral do Trabalho de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Etapas do Trabalho de Pesquisa Escolha do

Leia mais

DIAGNÓSTICOS DA NANDA CONFORME AS NECESSIDADES HUMANAS BÁSICAS DE WANDA HORTA NAS PRÁTICAS DE CAMPO DOS GRADUANDOS EM ENFERMAGEM

DIAGNÓSTICOS DA NANDA CONFORME AS NECESSIDADES HUMANAS BÁSICAS DE WANDA HORTA NAS PRÁTICAS DE CAMPO DOS GRADUANDOS EM ENFERMAGEM DIAGNÓSTICOS DA NANDA CONFORME AS NECESSIDADES HUMANAS BÁSICAS DE WANDA HORTA NAS PRÁTICAS DE CAMPO DOS GRADUANDOS EM ENFERMAGEM Iaskara Mazer 1 Ana Paula Modesto 2 Janaina Vall 3 Introdução: É dever do

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO. Programa de Orientação. Psicopedagógica

FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO. Programa de Orientação. Psicopedagógica 1 FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO Programa de Orientação Psicopedagógica 2 Regulamento do Programa de Orientação Psicopedagógica da Faculdade Sudoeste Paulistano INTRODUÇÃO A necessidade de atenção às dificuldades

Leia mais

UM OLHAR AMPLIADO PARA A QUALIDADE: DESAFIO CONTEMPORÂNEO E MUNDIAL PARA A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

UM OLHAR AMPLIADO PARA A QUALIDADE: DESAFIO CONTEMPORÂNEO E MUNDIAL PARA A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. UM OLHAR AMPLIADO PARA A QUALIDADE: DESAFIO CONTEMPORÂNEO E MUNDIAL PARA A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. São Paulo/SP Maio/2016 Juliana Bezerra Joaquim Campos - UNIFESP - Universidade Federal de São Paulo - juliana.jbj2013@gmail.com

Leia mais

Este é um manual de procedimentos básicos padronizados para os Formulários on-line da Coleta Seletiva.

Este é um manual de procedimentos básicos padronizados para os Formulários on-line da Coleta Seletiva. MANUAL DE PROCEDIMENTOS Formulários on-line SISTEMAS INTEGRADOS MANUAL DE PROCEDI MENTOS PADRÃO Formulários on-line Este é um manual de procedimentos básicos padronizados para os Formulários on-line da

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS Prof. Dr. Constantino de Gaspari Gonçalves Exemplo de Aplicação do ABC

ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS Prof. Dr. Constantino de Gaspari Gonçalves Exemplo de Aplicação do ABC Exemplo de Aplicação do ABC A indústria de Confecções Pano Bom Ltda produz três tipos de produtos: Camisas, Calças, Blusas. O quadro abaixo apresenta as quantidades produzidas e seus respectivos preços.

Leia mais

1 - Na eletrosfera de um átomo de magnésio temos 12 elétrons. Qual a carga elétrica de sua eletrosfera?

1 - Na eletrosfera de um átomo de magnésio temos 12 elétrons. Qual a carga elétrica de sua eletrosfera? 1 - Na eletrosfera de um átomo de magnésio temos 12 elétrons. Qual a carga elétrica de sua eletrosfera? 2 - Na eletrosfera de um átomo de carbono temos 6 elétrons. Qual a carga elétrica de sua eletrosfera?

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Centro de Ciência da Educação Curso de Biblioteconomia. Angelita Margarida Falacio

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Centro de Ciência da Educação Curso de Biblioteconomia. Angelita Margarida Falacio UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Centro de Ciência da Educação Curso de Biblioteconomia Projeto de Revista Científica em meio eletrônico Revista Regência Florianópolis 2011 Area do Conhecimento:

Leia mais

Egressos de Enfermagem: uma revisão sistemática da literatura Palavras-Chave: INTRODUÇÃO

Egressos de Enfermagem: uma revisão sistemática da literatura Palavras-Chave: INTRODUÇÃO Egressos de : uma revisão sistemática da literatura Nayla Cecília da Silva Silvestre BRANQUINHO I ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA II Universidade Federal de Goiás - Faculdade de I E-mail: naylacecilia@gmail.com

Leia mais

Capítulo 13 - A Análise SWOT

Capítulo 13 - A Análise SWOT Capítulo 13 - A Análise SWOT O objetivo da SWOT é definir estratégias para manter pontos fortes, reduzir a intensidade de pontos fracos, aproveitando oportunidades e protegendo-se de ameaças.(vana, Monteiro

Leia mais

TENDÊNCIAS DA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA NO BRASIL DE 2000 A 2013: EVENTOS CIENTÍFICOS

TENDÊNCIAS DA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA NO BRASIL DE 2000 A 2013: EVENTOS CIENTÍFICOS TENDÊNCIAS DA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA NO BRASIL DE 2000 A 2013: EVENTOS CIENTÍFICOS Ailton Paulo de Oliveira Júnior UFTM Tayrinne Helena Vaz - UFTM Resumo: Com a intenção de obter indicadores

Leia mais

Fichamento: Técnica de Estudo. Prof. Alexandre Nojoza Amorim.

Fichamento: Técnica de Estudo. Prof. Alexandre Nojoza Amorim. : Técnica de Estudo Prof. Alexandre Nojoza Amorim. Você já leu algo muito importante em algum lugar (obra escrita) e nunca mais encontrou para ler novamente? O fichamento é uma forma de investigar que

Leia mais

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Conceitos de pesquisa A Pesquisa é: procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis,

Leia mais

CONSULTA DE ENFERMAGEM PARA O IDOSO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

CONSULTA DE ENFERMAGEM PARA O IDOSO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA CONSULTA DE ENFERMAGEM PARA O IDOSO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA INDIARA CARVALHO DOS SANTOS PLATEL (NEPB/UFPB) MARIA ANDRÉA FERNANDES (MESTRANDA E BOLSISTA DA CAPES/UFPB) ANA ALINE LACET ZACCARA (MESTRANDA

Leia mais

Quebra Cabeça das Ligações Químicas Autora: Karine Nantes da Silva Veronez Introdução. O jogo

Quebra Cabeça das Ligações Químicas Autora: Karine Nantes da Silva Veronez Introdução. O jogo Quebra Cabeça das Ligações Químicas Autora: Karine Nantes da Silva Veronez Introdução A química estuda as substâncias e suas transformações químicas. Essas substâncias são formadas de átomos de elementos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS COORDENAÇÃO DE ESTÁGIO SUPERVISONADO AGRONOMIA ESAGRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS COORDENAÇÃO DE ESTÁGIO SUPERVISONADO AGRONOMIA ESAGRO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS COORDENAÇÃO DE ESTÁGIO SUPERVISONADO AGRONOMIA ESAGRO NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO

Leia mais

Instituto Federal do Maranhão PRÓ- REITORIA DE ENSINO

Instituto Federal do Maranhão PRÓ- REITORIA DE ENSINO Instituto Federal do Maranhão PRÓ- REITORIA DE ENSINO QUADRO DE VAGAS PARA OS CURSOS DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO IFMA CAMPUS SÃO LUIS MONTE CASTELO Engenharia Elétrica Industrial Engenharia Civil Engenharia

Leia mais

ESCALA DE CONCEPÇÕES ACERCA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA E EDUCAÇÃO ESPECIAL E SUA APLICAÇÃO EM PESQUISA

ESCALA DE CONCEPÇÕES ACERCA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA E EDUCAÇÃO ESPECIAL E SUA APLICAÇÃO EM PESQUISA ESCALA DE CONCEPÇÕES ACERCA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA E EDUCAÇÃO ESPECIAL E SUA APLICAÇÃO EM PESQUISA Carla Cristina Marinho Sadao Omote Faculdade de Filosofia e Ciências, UNESP, campus de Marília Eixo Temático:

Leia mais

Declaração de Renda de Autônomo, Profissional Liberal ou Atividade Informal

Declaração de Renda de Autônomo, Profissional Liberal ou Atividade Informal Declaração de Renda de Autônomo, Profissional Liberal ou Atividade Informal Eu,...,... (membro do grupo familiar que exerce a atividade autônoma ou de profissional liberal) inscrito no CPF sob o nº....,

Leia mais

Aula 7- Desgaste e Vida da Ferramenta

Aula 7- Desgaste e Vida da Ferramenta A vida da ferramenta é o tempo que a mesma trabalha efetivamente ( deduzidos os tempos passivos ), até perder sua capacidade de corte. Considerando um critério de fim-de-vida pré-estabelecido (exemplo

Leia mais

ÁREA: Ciências Contábeis

ÁREA: Ciências Contábeis ÁREA: Ciências Contábeis ARTIGOS CIENTÍFICOS EM AUDITORIA: um estudo bibliométrico a partir das revistas Contabilidade & Finanças USP, Contabilidade Vista & Revista - UFMG, e Revista de Contabilidade do

Leia mais

GRAFÍA Cuaderno de trabajo de los profesores de la Facultad de Ciencias Humanas. Universidad Autónoma de Colombia

GRAFÍA Cuaderno de trabajo de los profesores de la Facultad de Ciencias Humanas. Universidad Autónoma de Colombia Chamada Internacional de Artigos Revista Grafía n. 9-2012 Caderno de Trabalho dos Professores da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Autônoma de Colômbia Com o objetivo de estreitar os laços

Leia mais

NORMAS PARA REDAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO (TCC) DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA.

NORMAS PARA REDAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO (TCC) DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA. ANEXO 02 DA RESOLUÇÃO CGESA Nº 001, DE 27 DE MARÇO DE 2013. NORMAS PARA REDAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO (TCC) DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA. A estrutura do TCC deverá ser composta por pré-texto,

Leia mais

TÍTULO DO ARTIGO: Subtítulo do Artigo

TÍTULO DO ARTIGO: Subtítulo do Artigo TÍTULO DO ARTIGO: Subtítulo do Artigo Nome do autor(a) 1 Nome do(a) professor(a) orientador(a) 2 RESUMO Este modelo permite a visualização da estrutura geral de um artigo científico e apresenta orientações

Leia mais

A INTERVENÇÃO HUMOR EM ENFERMAGEM NUM SERVIÇO DE ORTOPEDIA: ESTRATÉGIAS E BENEFÍCIOS

A INTERVENÇÃO HUMOR EM ENFERMAGEM NUM SERVIÇO DE ORTOPEDIA: ESTRATÉGIAS E BENEFÍCIOS REVISTA INVESTIGAÇÃO EM ENFERMAGEM - AGOSTO 2016: 36-44 A INTERVENÇÃO HUMOR EM ENFERMAGEM NUM SERVIÇO DE ORTOPEDIA: ESTRATÉGIAS E BENEFÍCIOS Resumo Objetivo Materiais e Métodos: Considerações Finais THE

Leia mais

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM ÚLCERA VENOSA: ORIENTAÇÕES PARA CICATRIZAÇÃO E PREVENÇÃO DE RECIDIVAS

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM ÚLCERA VENOSA: ORIENTAÇÕES PARA CICATRIZAÇÃO E PREVENÇÃO DE RECIDIVAS TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM ÚLCERA VENOSA: ORIENTAÇÕES PARA CICATRIZAÇÃO E PREVENÇÃO DE RECIDIVAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO:

Leia mais

MÓDULO XVIII PRÊMIO NACIONAL DA QUALIDADE PNQ

MÓDULO XVIII PRÊMIO NACIONAL DA QUALIDADE PNQ SISTEMA DE QUALIDADE EAD MÓDULO XVIII PRÊMIO NACIONAL DA QUALIDADE PNQ Nesse módulo iremos estudar o Modelo de Excelência Brasileiro, seus fundamentos, características e especificidades, abordando os critérios

Leia mais

RESOLUÇÃO. Parágrafo único. O novo currículo é o 0004-LS, cujas ementas e objetivos das disciplinas também constam do anexo.

RESOLUÇÃO. Parágrafo único. O novo currículo é o 0004-LS, cujas ementas e objetivos das disciplinas também constam do anexo. RESOLUÇÃO CONSEPE 28/2016 ALTERA MATRIZ CURRICULAR E APROVA O PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOLOGIA DO TRÂNSITO DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. O Presidente do Conselho

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Faculdade de Tecnologia SENAI de Desenvolvimento Gerencial NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 1. Introdução A Iniciação Científica é um instrumento de formação de recursos humanos,

Leia mais

II SIEPS XX ENFERMAIO I MOSTRA DO INTERNATO EM ENFERMAGEM CUIDADO DE ENFERMAGEM NA DETECÇÃO PRECOCE DE DOENÇAS NEONATAIS POR MEIO DO TESTE DO PEZINHO

II SIEPS XX ENFERMAIO I MOSTRA DO INTERNATO EM ENFERMAGEM CUIDADO DE ENFERMAGEM NA DETECÇÃO PRECOCE DE DOENÇAS NEONATAIS POR MEIO DO TESTE DO PEZINHO II SIEPS XX ENFERMAIO I MOSTRA DO INTERNATO EM ENFERMAGEM Fortaleza CE 23 a 25 de Maio de 2016 CUIDADO DE ENFERMAGEM NA DETECÇÃO PRECOCE DE DOENÇAS NEONATAIS POR MEIO DO TESTE DO PEZINHO Ana Caroline Andrade

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Estabelece normas para o andamento das disciplinas de Trabalho de Graduação I e II referentes ao trabalho de conclusão de curso. Aprovado em reunião de colegiado

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA DISCIPLINA 1 o.semestre de 2013

PROGRAMAÇÃO DA DISCIPLINA 1 o.semestre de 2013 PROGRAMAÇÃO DA DISCIPLINA 1 o.semestre de 2013 DISCIPLINA: Administração em Enfermagem Hospitalar COORDENADOR: Profa. Dra. Maria Lucia Alves de Sousa Costa CARGA HORÁRIA: 60 horas teóricas SEMESTRE: 7

Leia mais

O CUIDADO HUMANIZADO AO RECÉM-NASCIDO PREMATURO: UMA REVISÃO DE LITERATURA.

O CUIDADO HUMANIZADO AO RECÉM-NASCIDO PREMATURO: UMA REVISÃO DE LITERATURA. O CUIDADO HUMANIZADO AO RECÉM-NASCIDO PREMATURO: UMA REVISÃO DE LITERATURA. Silva, MA* *Enfermeiro. Resinte do Programa Residência em Saú da criança e do Adolescente do Hospital Pequeno Príncipe. Curitiba-PR

Leia mais

BVS ENFERMAGEM INFORMES PARA INDEXAÇÃO NA BASE DE DADOS DE ENFERMAGEM - BDENF. Informe Técnico Nº 2: Publicações Periódicas

BVS ENFERMAGEM INFORMES PARA INDEXAÇÃO NA BASE DE DADOS DE ENFERMAGEM - BDENF. Informe Técnico Nº 2: Publicações Periódicas BVS ENFERMAGEM INFORMES PARA INDEXAÇÃO NA BASE DE DADOS DE ENFERMAGEM - BDENF Informe Técnico Nº 2: Publicações Periódicas A BDENF Base de dados em Enfermagem foi criada em 1986 com o objetivo de coletar

Leia mais

Nilson do Rosário Costa 1, Ana Paula Coelho 2, Maria Thereza Fortes 3 e Vanina Matos 4

Nilson do Rosário Costa 1, Ana Paula Coelho 2, Maria Thereza Fortes 3 e Vanina Matos 4 IX Encontro Nacional da Associação Nacional de Economia da Saúde, Rio de Janeiro, dez/2009. A posição regional das empresas no mercado de planos privados de assistência à saúde Nilson do Rosário Costa

Leia mais

TRABALHOS / NORMAS. 1. Normas para Submissão de Trabalhos: 1.1 COMUNICAÇÃO ORAL

TRABALHOS / NORMAS. 1. Normas para Submissão de Trabalhos: 1.1 COMUNICAÇÃO ORAL TRABALHOS / NORMAS 1. Normas para Submissão de Trabalhos: 1.1 COMUNICAÇÃO ORAL a) Será considerada Comunicação Oral, ensaios, estudos e resultados de pesquisa abordando temáticas novas ou já estabelecidas

Leia mais

3º Encontro de Ciência e Tecnologia FARO/IJN. Edital Tema: CIÊNCIA ALIMENTANDO O BRASIL

3º Encontro de Ciência e Tecnologia FARO/IJN. Edital Tema: CIÊNCIA ALIMENTANDO O BRASIL 3º Encontro de Ciência e Tecnologia FARO/IJN Edital 2016 Tema: CIÊNCIA ALIMENTANDO O BRASIL A Direção da Faculdade de Rondônia FARO/IJN torna público, por meio deste edital, as informações para realização

Leia mais

Modelo para elaboração e formatação de artigos para Boletim Científico

Modelo para elaboração e formatação de artigos para Boletim Científico Modelo para elaboração e formatação de artigos para Boletim Científico Nome (s) do (s) autor (es) *, Nome (s) do (s) autor (es) ** * Instituição afiliada ** Instituição afiliada E-mail (s) Resumo O texto

Leia mais

Física Geral e Experimental II Engenharia Ambiental e de Produção. Prof. Dr. Aparecido Edilson Morcelli

Física Geral e Experimental II Engenharia Ambiental e de Produção. Prof. Dr. Aparecido Edilson Morcelli Física Geral e Experimental II Engenharia Ambiental e de Produção Prof. Dr. Aparecido Edilson Morcelli TERMOLOGIA A termologia é uma parte da Física que estuda as diversas manifestações de calor. A parte

Leia mais

II CONGRESSO 2015 FAMINAS-BH COMPARTILHANDO IDEAIS NA BUSCA POR DIAS MELHORES: DISCUTINDO A SUSTENTABILIDADE

II CONGRESSO 2015 FAMINAS-BH COMPARTILHANDO IDEAIS NA BUSCA POR DIAS MELHORES: DISCUTINDO A SUSTENTABILIDADE CHAMADA DE TRABALHOS: A comissão técnico-científica do II CONGRESSO FAMINAS-BH 2015 convida para a submissão de trabalhos técnicos para apresentação e discussão no evento. TEMA: SUSTENTABILIDADE: SOCIAL,

Leia mais

Controle de um sistema de ventilação em um quadro de comando e controle

Controle de um sistema de ventilação em um quadro de comando e controle UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÂO ELETRÔNICA Controle de um sistema de ventilação em um quadro de comando e controle

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 6 Matrícula 10 Cronograma de Aulas Pág. 10 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM PREVENÇÃO E CONTROLE

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA Unidade Dias

Leia mais

UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA ACERCA DA ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS CRIANÇAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS

UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA ACERCA DA ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS CRIANÇAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS 1 UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA ACERCA DA ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS CRIANÇAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS RESUMO: ¹Silvana Cruz da Silva ² Eliane Tatsch Neves ³Pâmela de Almeida Batista Este trabalho trata-se

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Educação - FEUSP. Plano de aula

Universidade de São Paulo Faculdade de Educação - FEUSP. Plano de aula Universidade de São Paulo Faculdade de Educação - FEUSP Disciplina: Metodologia do ensino de português - a alfabetização Docente: Dr.ª Nilce da Silva Discente: Eliana da Silva Santos Plano de aula Parte

Leia mais

Para Rauen ( 2002) esquema é um tipo de produção textual que explicita a linha diretriz do autor de um documento de base.

Para Rauen ( 2002) esquema é um tipo de produção textual que explicita a linha diretriz do autor de um documento de base. Esquema Textual Para Rauen ( 2002) esquema é um tipo de produção textual que explicita a linha diretriz do autor de um documento de base. Assim esquema é a apresentação do texto, colocando em destaque

Leia mais

Edital nº 04/2016. Concurso Cultural para seleção da Capa da Revista Extensão 11ª edição

Edital nº 04/2016. Concurso Cultural para seleção da Capa da Revista Extensão 11ª edição Edital nº 04/2016 Concurso Cultural para seleção da Capa da Revista Extensão 11ª edição A Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, por intermédio da Pró-Reitoria de Extensão da Universidade, torna público

Leia mais

NECESSIDADES DE CUIDADOS DE PACIENTES PSIQUIÁTRICOS HOSPITALIZADOS

NECESSIDADES DE CUIDADOS DE PACIENTES PSIQUIÁTRICOS HOSPITALIZADOS NECESSIDADES DE CUIDADOS DE PACIENTES PSIQUIÁTRICOS HOSPITALIZADOS Resumo Estudo descritivo com abordagem quantitativa objetivou investigar as necessidades de cuidados de enfermagem de pacientes com transtornos

Leia mais

OS CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE TRANSPLANTADO COM CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOIÉTICAS RESUMO

OS CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE TRANSPLANTADO COM CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOIÉTICAS RESUMO OS CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE TRANSPLANTADO COM CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOIÉTICAS Jaíne das Graças Oliveira Silva Resende 1 ; Monique Conceição Leles 2 1 Docente do Curso de Enfermagem do Instituto

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO?

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO? Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003 COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO? Título do artigo, centralizado. Maria da Silva Pereira* Maria Alves de Arruda** Nome(s) do(s) autor(es). RESUMO

Leia mais

Metodologia SciELO. Odila Duru BIREME/OPAS/OMS. I Encontro de Editores de Revistas Científicas na Área de Psicologia São Paulo, 30 de agosto de 2004

Metodologia SciELO. Odila Duru BIREME/OPAS/OMS. I Encontro de Editores de Revistas Científicas na Área de Psicologia São Paulo, 30 de agosto de 2004 Metodologia SciELO Odila Duru BIREME/OPAS/OMS I Encontro de Editores de Revistas Científicas na Área de Psicologia São Paulo, 30 de agosto de 2004 Novas Perspectivas da Comunicação Científica Peer Review

Leia mais

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES)

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ID: 103 A TEORIA COGNITIVA COMPORTAMENTAL NA INTERVENÇÃO TELEFÔNICA PARA CESSAÇÃO DO TABAGISMO Profa. Dra. Eliane Corrêa Chaves (EEUSP)

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PLANO DE TRABALHO INDIVIDUAL ATIVIDADES EM DESENVOLVIMENTO ENSINO ORIENTAÇÃO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PLANO DE TRABALHO INDIVIDUAL ATIVIDADES EM DESENVOLVIMENTO ENSINO ORIENTAÇÃO Amilton Giácomo Tomasi DECF 2007/2 EFETIVO Mestre 40 Estatutário Contabilidade Gerencial ADM/Empresarial (vespertino) 2º 4 ESTÁGIO 02 ADM/Empresarial 7º e 8º 02 Secretário de Comunicação Portaria Reitoria

Leia mais

Bibliográfica: Levantamento de informações impressas e eletrônicas de obras publicadas sobre um tema; De campo: A partir da coleta de dados in

Bibliográfica: Levantamento de informações impressas e eletrônicas de obras publicadas sobre um tema; De campo: A partir da coleta de dados in A pesquisa científica faz parte da vida acadêmica do aluno exigindo que o pesquisador, através de seu trabalho, proponha formas de superar o conhecimento existente até o momento sobre determinado assunto.

Leia mais

TRABALHO DE CURSO TC CURSO DE DIREITO - UCB

TRABALHO DE CURSO TC CURSO DE DIREITO - UCB TRABALHO DE CURSO TC - UCB O aluno em fase de realização do Trabalho de Curso tem, entre outros, os seguintes deveres específicos: I - Freqüentar as reuniões convocadas pela Coordenação de Trabalho de

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 1 ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ORIENTAÇÕES GERAIS Cada aluno deve elaborar seu relatório, mesmo que o trabalho esteja sendo desenvolvido em grupo. Os relatórios devem

Leia mais

Metodologia Científica. Aula 2

Metodologia Científica. Aula 2 Metodologia Científica Aula 2 Proposito da aula Conhecer a definição de Metodologia Científica; A importância da Metodologia Científica; Objetivos da Metodologia Científica enquanto disciplina; Divisão

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO V COLÓQUIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO Educação e cidadania: desafios e estratégias possíveis II SEMINÁRIO

Leia mais

Núcleo de Apoio ao Planejamento e Gestão da Inovação. Junho de 2006

Núcleo de Apoio ao Planejamento e Gestão da Inovação. Junho de 2006 Núcleo de Apoio ao Planejamento e Gestão da Inovação Junho de 2006 NUGIN: Núcleo de Gestão da Inovação Missão Promover a geração de ambientes inovadores, fomentando e apoiando as empresas na gestão da

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DO CARGO DA CARREIRA DO MAGISTÉRIO SUPERIOR

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DO CARGO DA CARREIRA DO MAGISTÉRIO SUPERIOR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Anexo I da Resolução 02/2010 - ICED PROVA ESCRITA MATÉRIA: CANDIDATO(A): AVALIADOR(A): VALORAÇÃO PONTUAÇÃO ATRIBUIDOS 01. Inclui os elementos fundamentais (introdução, desenvolvimento

Leia mais

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA O CONHECIMENTO COMPUTACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE RIACHÃO PB

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA O CONHECIMENTO COMPUTACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE RIACHÃO PB LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA O CONHECIMENTO COMPUTACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE RIACHÃO PB Autor Ginaldo Ribeiro da Silva Graduando de Lic. Computação e Informática IFPB Campus Cajazeiras/PB

Leia mais

SCOPINO TREINAMENTOS

SCOPINO TREINAMENTOS INSTRUTOR: SCOPINO TREINAMENTOS SELO SINDIREPA DE SUSTENTABILIDADE AULA 01 LEGALI DADE NESTA 1ª AULA ÀS QUINTAS VEREMOS OS DETALHES DE UMA NOVA FORMA DE CERTIFICAÇÃO DAS OFICINAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS

Leia mais

Periódicos Online - Matemática

Periódicos Online - Matemática APRESENTAÇÃO Dadas às dificuldades de assinatura de periódicos científicos por instituições de ensino público no Brasil, e reconhecendo que, existe uma gama de periódicos disponibilizados online sem custos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Orientação Bibliográfica. Normas Técnicas. Bases de dados.

PALAVRAS-CHAVE Orientação Bibliográfica. Normas Técnicas. Bases de dados. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL VALE DO SÃO FRANCISCO ESCOLA SUPERIOR EM MEIO AMBIENTE

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL VALE DO SÃO FRANCISCO ESCOLA SUPERIOR EM MEIO AMBIENTE FUNDAÇÃO EDUCACIONAL VALE DO SÃO FRANCISCO ESCOLA SUPERIOR EM MEIO AMBIENTE NORMAS DE APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA (laboratório ou campo) E VISITAS TÉCNICAS. IGUATAMA-MINAS GERAIS 2007 FUNDAÇÃO

Leia mais

MODELO PRÉ-PROJETO DE TCC

MODELO PRÉ-PROJETO DE TCC MODELO PRÉ-PROJETO DE TCC NOME DO ALUNO TEMA SERRA/ ES ANO NOME DO ALUNO TEMA Pré-projeto apresentado à disciplina de Trabalho de Conclusão de Curso I, como requisito básico para a apresentação da disciplina

Leia mais

BIREME/OPAS/OMS Comitê Assessor Nacional do Convênio de Manutenção da BIREME I Reunião do ano 2004, BIREME, São Paulo, 06 de agosto de 2004

BIREME/OPAS/OMS Comitê Assessor Nacional do Convênio de Manutenção da BIREME I Reunião do ano 2004, BIREME, São Paulo, 06 de agosto de 2004 BIREME/OPAS/OMS Comitê Assessor Nacional do Convênio de Manutenção da BIREME I Reunião do ano 2004, BIREME, São Paulo, 06 de agosto de 2004 Anexo 2 Biblioteca Virtual em Saúde e o controle bibliográfico

Leia mais

PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO

PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO Pamella Soares Rosa Resumo:A Prova Brasil é realizada no quinto ano e na oitava série do Ensino Fundamental e tem como objetivo medir o Índice de Desenvolvimento da

Leia mais

1ª Circular - Chamada de Trabalhos

1ª Circular - Chamada de Trabalhos 1ª Circular - Chamada de Trabalhos Datas: Local de Realização: De 22 a 26 de Junho de 2011 (quarta - domingo) Universidade Federal Fluminense, Campus Gragoatá, Bloco O (ICHF), Niterói, Rio de Janeiro.

Leia mais

Normas para envio de trabalhos para o I Workshop Internacional de Ergonomia do IEDUV

Normas para envio de trabalhos para o I Workshop Internacional de Ergonomia do IEDUV Normas para envio de trabalhos para o I Workshop Internacional de Ergonomia do IEDUV O IEDUV traz para Vitória do Espirito Santo e em especial para o Brasil, o I Workshop Internacional de Ergonomia, neste

Leia mais

Apresentação. Atuando em diversos ramos do direito, nosso Escritório tem como meta oferecer. O Escritório

Apresentação. Atuando em diversos ramos do direito, nosso Escritório tem como meta oferecer. O Escritório Um Escritório de Advocacia, atualmente, tem que estar preparado para atender as mais diversas situações do mundo moderno. Para tanto, focalizamos como nossos preceitos, que os serviços oferecidos sejam:

Leia mais

PARECER COREN-SP 041 /2013 CT PRCI n 101.064 Tickets nº 291.263, 300.088

PARECER COREN-SP 041 /2013 CT PRCI n 101.064 Tickets nº 291.263, 300.088 PARECER COREN-SP 041 /2013 CT PRCI n 101.064 Tickets nº 291.263, 300.088 Ementa: Passagem de plantão ao turno seguinte. Quando caracteriza-se abandono de plantão. 1. Do fato Enfermeiro solicita parecer

Leia mais

REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO EM CIÊNCIAS SOCIAIS LINHA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA

REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO EM CIÊNCIAS SOCIAIS LINHA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA 1 REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO EM CIÊNCIAS SOCIAIS LINHA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA Em conformidade com o que estabelece o Projeto Pedagógico do Curso de Ciências Sociais

Leia mais

PESQUISA: é a busca organizada da resposta de alguma questão estabelecida.

PESQUISA: é a busca organizada da resposta de alguma questão estabelecida. INVESTIGANDO A PESQUISA: é a busca organizada da resposta de alguma questão estabelecida. DOCUMENTO: é toda fonte de informação verídica que pode servir para consulta, podendo ser escrita ou não escrita,

Leia mais

Como Elaborar Artigos para Publicação?

Como Elaborar Artigos para Publicação? Material compilado pelo Prof. Dr. Luiz Alberto Pilatti do Programa de Mestrado em Engenharia de Produção da UTFPR Campus Ponta Grossa Como Elaborar Artigos para Publicação? Apresentar a norma NBR 6022

Leia mais

E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1

E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1 Debate Regrado - desenvolvendo a argumentação e promovendo o protagonismo dos alunos E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1 Professor Apresentador: Celina Aparecida Rodrigues Machado dos

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS Manual para a elaboração do TCC em formato Monografia Curso de Publicidade e Propaganda 1º/2015. Monografia: disposições gerais Monografia é uma das alternativas oferecidas pela UPM como Trabalho de Conclusão

Leia mais

TESTE SELETIVO PARA A CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR EDITAL Nº 19/2016

TESTE SELETIVO PARA A CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR EDITAL Nº 19/2016 EDITAL Nº 19/2016 O Reitor do Centro Universitário Autônomo do Brasil, UniBrasil torna público que estão abertas as inscrições para o teste seletivo de contratação de professor para o curso de Pedagogia.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA CÓDIGO DISCIPLINA CENTRO QA-133 Pesquisa em Química I e Monografia CIÊNCIAS E TECNOLOGIA CRÉDTOS C.H. PRÉ-REQUISITO DEPARTAMENTO T P o 90h/a 2 2 QA-117

Leia mais

Regulamento da Revista Thema

Regulamento da Revista Thema Regulamento da Revista Thema Capítulo I - Da finalidade e objetivo Art. 1 o - A Revista Thema é publicada pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense (IFSul) através da Pró-Reitoria

Leia mais

Boletim de Medicamentos e Terapêuticas de Navarra. Espanha

Boletim de Medicamentos e Terapêuticas de Navarra. Espanha Boletim de Medicamentos e Terapêuticas de Navarra. Espanha Como criar um boletim independente sobre medicamentos Boas Práticas em Informação Imparcial sobre Medicamentos Workshop da organização HAI Europe,

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA COMARCA DE SANTA CATARINA LAUDO PERICIAL

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA COMARCA DE SANTA CATARINA LAUDO PERICIAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA COMARCA DE SANTA CATARINA LAUDO PERICIAL Nº DO PROCESSO: 0000000 CLASSE: AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: RÉU:, brasileira, solteira, contadora, estabelecida

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência 11º Ano Inglês - Ano letivo 2014/ 2015

Informação Prova de Equivalência à Frequência 11º Ano Inglês - Ano letivo 2014/ 2015 Informação Prova de Equivalência à Frequência 11º Ano Inglês - Ano letivo 2014/ 2015 O presente documento divulga informação relativa ao Exame de Equivalência à Frequência do 11º ano do ensino secundário,

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1 Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Maria Bernardete Martins Alves * Susana Margaret de Arruda ** Nome do (s) autor

Leia mais

Áquila Lopes Gouvêa Enfermeira da Equipe de Controle de Dor Instituto Central do Hospital das Clínica da Faculdade de Medicina da USP

Áquila Lopes Gouvêa Enfermeira da Equipe de Controle de Dor Instituto Central do Hospital das Clínica da Faculdade de Medicina da USP SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ASSISTÊNCIA MULDISCIPLINAR AO PACIENTE POLITRAUMATIZADO Áquila Lopes Gouvêa Enfermeira da Equipe de Controle de Dor Instituto Central do Hospital das Clínica da Faculdade de Medicina

Leia mais

Carla Kowalski Marzari

Carla Kowalski Marzari Carla Kowalski Marzari CONSULTA DE ENFERMAGEM Lei do Exercício Profissional A consulta de enfermagem (CE) é uma atividade específica do enfermeiro, conforme decreto Lei n.º 94406 de junho de 1987, sendo

Leia mais

Analise Financeira das Demonstrações Contábeis

Analise Financeira das Demonstrações Contábeis Gest ão em Cooper at i vi smo Analise Financeira das Demonstrações Contábeis Dirceu Granado de Souza Dinâmica Patrimonial Consult & Assess Empresarial www.dinamicapatrimonial.com.br 1 Serve para uma avaliação

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS DE REVISÃO ÉTICA E REGULATÓRIA DE ENSAIOS CLÍNICOS

OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS DE REVISÃO ÉTICA E REGULATÓRIA DE ENSAIOS CLÍNICOS 1 OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS DE REVISÃO ÉTICA E REGULATÓRIA DE ENSAIOS CLÍNICOS ANDRÉ BERTOMEU São Paulo, Outubro de 2015 RESUMO O Brasil possui um enorme potencial para o desenvolvimento de pesquisa clínica,

Leia mais

17ª Semana de Psicologia da UNIT SUBMISSÃO DE PROPOSTAS MODALIDADES DE TRABALHO

17ª Semana de Psicologia da UNIT SUBMISSÃO DE PROPOSTAS MODALIDADES DE TRABALHO 17ª Semana de Psicologia da UNIT SUBMISSÃO DE PROPOSTAS Estamos recebendo propostas de apresentação de trabalhos na 17ª Semana de Psicologia da UNIT. MODALIDADES DE TRABALHO Os trabalhos deverão ser inscritos

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prática

Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prática Ano Letivo Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prática (De acordo com o Capítulo III, Artigo 18º do Regulamento das Provas e dos Exames do Ensino Básico e do Ensino Secundário, anexo ao Despacho

Leia mais

Seleção SciELO Brasil: critérios e procedimentos para a admissão e a permanência de periódicos científicos na coleção

Seleção SciELO Brasil: critérios e procedimentos para a admissão e a permanência de periódicos científicos na coleção Seleção SciELO Brasil: critérios e procedimentos para a admissão e a permanência de periódicos científicos na coleção Universidade Estadual de Maringá Maringá, 15 de maio de 2008 Fabiana Montanari Lapido

Leia mais

HARMONIA DO MUNDO. Documentário da série Avisos da Natureza: lições não aprendidas

HARMONIA DO MUNDO. Documentário da série Avisos da Natureza: lições não aprendidas HARMONIA DO MUNDO Documentário da série Avisos da Natureza: lições não aprendidas SINOPSE Um professor de física discute e apresenta uma proposta de atividade sobre o documentário A Harmonia dos Mundos,

Leia mais

COMUNICAÇÃO. É a capacidade de transmitir uma informação com certeza de que o outro lado entenda a mensagem.

COMUNICAÇÃO. É a capacidade de transmitir uma informação com certeza de que o outro lado entenda a mensagem. NÚCLEO COMUM DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL (DPP) AULA 08 E 09: COMUNICAÇÃO, ELABORAÇÃO E ACEITAÇÃO DE CRÍTICAS Disciplina do Curso Superior em Design de Interiores da UNAES/Anhanguera Educacional

Leia mais

Preparando um projeto de pesquisa - ideias apresentadas no texto de Raul Wazlawick Metodologia de Pesquisa para Ciência da Com

Preparando um projeto de pesquisa - ideias apresentadas no texto de Raul Wazlawick Metodologia de Pesquisa para Ciência da Com Preparando um projeto de pesquisa - ideias apresentadas no texto de Raul Wazlawick Metodologia de Pesquisa para Ciência da Computação Maria Angélica de Oliveira Camargo Brunetto Universidade Estadual de

Leia mais

COLÉGIO INTEGRADO DE GUARULHOS CURSO DE ARTE Ensino Fundamental/Médio APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS E CIENTÍFICOS (TÍTULO DA PESQUISA)

COLÉGIO INTEGRADO DE GUARULHOS CURSO DE ARTE Ensino Fundamental/Médio APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS E CIENTÍFICOS (TÍTULO DA PESQUISA) 1 DIRETRIZES PARA ELEBORAÇÃO DE TRABALHOS - ABNT Modelo de estrutura de um trabalho simples e completo. 1. capa 2. página de rosto 3. agradecimentos (*) 4. índice 5. introdução 6. desenvolvimento 7. conclusão

Leia mais

Decreto-Lei nº3 / 2008, de 7 de janeiro, Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho, Despacho Normativo n.º 24-

Decreto-Lei nº3 / 2008, de 7 de janeiro, Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho, Despacho Normativo n.º 24- INFORMAÇÃO DE PROVA FINAL A NÍVEL DE ESCOLA Português ANO LETIVO 2012/2013 TIPO DE PROVA: Escrita CÓDIGO DA PROVA: 81 ANO: 9º Decreto-Lei nº3 / 2008, de 7 de janeiro, Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de

Leia mais

ANEXO I MODELO DE PROJETO DISCENTE CAPA

ANEXO I MODELO DE PROJETO DISCENTE CAPA ANEXO I MODELO DE PROJETO DISCENTE Segue abaixo o modelo para apresentação de projeto discente ao Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ), Campus São Gonçalo, com o

Leia mais