Palavras-chave: Comunicação. Enfermagem. Revisão bibliográfica.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chave: Comunicação. Enfermagem. Revisão bibliográfica."

Transcrição

1 O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM: PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA DE 1997 A Silvia Soares dos Santos Ricardo Ricardo Magali Telecio Tatiana Longo Borges Miguel Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium RESUMO: Este trabalho teve como objetivo principal investigar a produção científica de comunicação em enfermagem, no Brasil, no período de 1997 a Foram investigados artigos divulgados em revistas brasileiras e analisados os dados referentes ao periódico, tema e ano de publicação. Do total de 49 artigos versando sobre comunicação em enfermagem 36,7% tiveram como tema a comunicação enfermeiro-cliente e a maior parte dos artigos foram publicados pela Revista Latinoamericana de Enfermagem (25). Em síntese, os resultados desta investigação mostraram que a produção científica na área de comunicação em enfermagem, encontra-se ainda incipiente, não se observando crescimento no decorrer dos anos. Palavras-chave: Comunicação. Enfermagem. Revisão bibliográfica. INTRODUÇÃO O conhecimento produzido nas diversas áreas da enfermagem vem crescendo gradativamente no Brasil, impulsionado pela criação dos cursos de pós-graduação stricto sensu na década de 70 após a reforma universitária (PADILHA et. Al., 1983). Na área da saúde é fundamental saber lidar com pessoas. A todo o momento podem surgir conflitos decorrentes de reações inesperadas, ou por parte do cliente, da família ou de um membro da equipe de saúde. Tais conflitos podem acontecer levando-se em consideração que a base do trabalho não só do enfermeiro, mas de outros profissionais de saúde são a relações humanas (SILVA, 1996). A escrita, a fala, as expressões faciais, a audição e o tato são formas de comunicação utilizada conscientemente ou não. A tarefa do profissional de saúde é decodificar o significado da mensagem que o paciente envia, para então estabelecer um plano de cuidados adequado (MEZZOMO et.al, 2003). Logo, o enfermeiro deve conhecer e utilizar técnicas de comunicação interpessoal. Levando-se em consideração que a comunicação e as técnicas para efetivá-la são conteúdos básicos na formação do enfermeiro, na tentativa de elucidarmos como ocorre o processo de comunicação em enfermagem, analisamos a produção científica de 1997 a Pretende-se com este estudo, oferecer subsídios que direcionem o desenvolvimento de pesquisas que visem um aprimoramento da comunicação interpessoal. OBJETIVOS Investigar a produção científica de comunicação em enfermagem, no Brasil, no período de 1997 a METODOLOGIA Trata-se de um estudo de levantamento bibliográfico que teve com foco os artigos científicos da área de comunicação em enfermagem publicados em periódicos nacionais de enfermagem no período de 1997 a 2006.

2 2 Os dados foram obtidos pelas autoras por meio de levantamento bibliográfico nas bases de dados Lilacs e Scielo. Os artigos específicos sobre comunicação deveriam conter no título do trabalho os descritores comunicação e enfermagem. Foram incluídos neste estudo, apenas os artigos classificados como de pesquisa e revisão de literatura, sendo excluídos os editoriais artigos de reflexão, relatos de experiência, ensaios, documentários notas prévias, resumos de teses e resenhas, além de números de edições especiais comemorativas. Após a localização dos periódicos, a coleta de dados foi realizada por meio de um instrumento criado para este fim contendo: título do periódico e do artigo, ano de publicação e tema de estudo. A coleta de dados foi efetuada com base nas informações contidas nos resumos e na leitura do artigo na íntegra. Os dados foram armazenados em um banco de dados eletrônico, sendo os resultados analisados segundo valores absolutos e percentuais e apresentados em forma de tabelas. RESULTADOS E DISCUSSÃO A Tabela 1, a seguir, mostra a distribuição das publicações em cada um dos periódicos analisados. A Tabela 1 mostra que, no período de 1997 a 2006 foram publicados apenas 49 artigos sobre comunicação em enfermagem. Observa-se que a Revista Latinoamericana de Enfermagem (25) foi a que mais publicou artigos específicos de comunicação seguida pela Revista Brasileira de Enfermagem (4) e Acta Paulista de Enfermagem (3). A seguir serão analisadas com maior detalhamento as publicações específicas de comunicação identificadas no período de 1997 a Tabela 1 Artigos publicados em periódicos nacionais de Enfermagem, no período de 1997 a 2006, segundo periódicos e artigos sobre comunicação publicados. São Paulo, Periódicos Artigos sobre comunicação publicados Rev Gaúch Enferm 2 Esc. Anna Nery Rev. Enferm 1 Cogitare enferm 2 REME Rev Min Enferm 1 Mundo saúde 1 Nursing (São Paulo) 3 Online braz. j. nurs. (On line) 1 Ciência Cuid. Saúde 2 Rev. Bras. Enfermagem 4 Rev. Enfermagem UERJ 1 Acta Paul Enfermagem 3 Rev. Eletrônica Enferm. 1 Rev. Esc. Enfermagem USP 2 Rev. Latinoam. Enfermagem 25 Total 49

3 3 Pode-se verificar pelos dados da Tabela 2 que, no geral, a comunicação enfermeirocliente (36,7%) foi o tema mais abordado pelos pesquisadores. No entanto, comparando-se os qüinqüênios analisados, nota-se que houve um leve acréscimo no interesse pelo tema comunicação enfermeiro-cliente e diminuição de estudos sobre comunicação no processo ensino-aprendizagem e comunicação enfermeiro-família. Tabela 2 Publicações de enfermagem sobre comunicação em periódicos nacionais, nos períodos de 1997 a 2001 e 2002 a 2006 segundo temas abordados. São Paulo, Temas abordados Ano de Publicação Total n % n % n % Ensino -prendizagem 6 22,2 3 13,6 9 18,4 Comunicação não-verbal 3 11,1 4 18,2 7 14,3 Comunicação enfermeiro-família 4 14,8 0 0,0 4 8,2 Comunicação enfermeiro-cliente 8 29, , ,7 Comunicação no processo de gestão 2 7,4 3 13,6 5 10,2 Outros* 4 14,8 2 9,1 6 12,2 Total *Anotações de enfermagem, comunicação mãe-filho. Podem justificar os resultados encontrados, a diversidade de áreas a serem exploradas na enfermagem ao pouco interesse dos profissionais e pesquisadores em estudar aspectos relacionados à comunicação. É interessante ressaltar que a grande maioria dos artigos publicados mostra que a comunicação não-terapêutica ou não efetiva pode gerar problemas tanto de ordem administrativa quanto assistencial (ANDRADE et. al., 2004). Ainda, alguns estudos mostram a necessidade de clientelas específicas pela comunicação terapêutica (CARVALHO et.al., 1997; INABA et.al., 2005). Em síntese, os resultados desta investigação mostraram que a produção científica na área de comunicação em enfermagem, encontra-se ainda incipiente, não se observando crescimento no decorrer dos anos. Mais do que mostrar o passado e o estado atual das investigações, os resultados trazem subsídios para a reflexão da grande necessidade de investigações nesta área. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS MEZZOMO Pe. A. A. (editor) Fundamentos da Humanização Hospitalar: uma versão multiprofissional. 1ª ed., São Paulo, Loyola, PADILHA K.G., PIERIN A.M., IDE C.A., BRAZ E., FARIAS G.M., TAKAHASHI O.C. Pesquisa em enfermagem médico-cirúrgica no Brasil. Revista Paulista de Enfermagem. 3 (5): , SILVA MJP. Comunicação tem remédio: a comunicação nas relações interpessoais em saúde. 4ª ed. São Paulo, Gente, INABA L.C., SILVA M.J.P., TELLES S.C.R. Paciente crítico e comunicação: visão de familiares sobre sua adequação pela equipe de enfermagem. Revista Escola de Enfermagem da USP. 39 (4): , ANDRADE J.S., VIEIRA M. J., SANTANA M.A., LIMA D. M. A comunicação entre enfermeiros na passagem de plantão. Acta Paulista de Enfermagem. 17 (3):

4 CARVALHO E.C., BACHION M. M., BRAGA M. R. Comunicação oral com pacientes hematológicos: comportamentos facilitadores e bloqueadores. Revista Escola de Enfermagem da USP. 31 (1):

5 This document was created with Win2PDF available at The unregistered version of Win2PDF is for evaluation or non-commercial use only.

ANEXO II PARTILHA DO SIMPLES NACIONAL - INDÚSTRIA

ANEXO II PARTILHA DO SIMPLES NACIONAL - INDÚSTRIA ANEXO II PARTILHA DO SIMPLES NACIONAL - INDÚSTRIA Seção I: Receitas decorrentes da venda de mercadorias por elas industrializadas não sujeitas a substituição tributária, exceto as receitas decorrentes

Leia mais

Manual de Aplicação da Marca UEC

Manual de Aplicação da Marca UEC 1 Manual de Aplicação da Marca UEC 2 Apresentação Nossa História...5 Introdução... 6 Introdução à Marca... 7 Elementos Básicos Marca UEC...9 Marca Cor Positiva... 11 Preto e Branco... 12 Negativa... 13-14

Leia mais

Cardans de Trat ores

Cardans de Trat ores Cardans de Trat ores Com o código da Montadora ou do Fabricante, montamos qualquer tipo de Cardans e fornecemos seus componentes avulsos. N DA MONTADORA TRATORES JONH DEERE PRODUTO OBS. SERIE DQ44685 CARDAN

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETO

METODOLOGIA DE PROJETO METODOLOGIA DE PROJETO DE INTERIORES AULA 10: PLANEJAMENTO E PRINCÍPIOS DO DESIGN Disciplina do Curso Superior em Design de Interiores da UNAES/Anhanguera Educacional Arq. Urb. Octavio F. Loureiro Data:

Leia mais

CURSO DE TECN OLOGI A DO VÁCUO

CURSO DE TECN OLOGI A DO VÁCUO FATEC-SP CURSO DE TECN OLOGI A DO VÁCUO Prof. Me. Francisco Tadeu Degasperi Janeiro de 2005 Agradeço a colaboração do Tecnólogo Alexandre Cândido de Paulo Foi Auxiliar de Docente do LTV da Fatec-SP Atualmente

Leia mais

Egressos de Enfermagem: uma revisão sistemática da literatura Palavras-Chave: INTRODUÇÃO

Egressos de Enfermagem: uma revisão sistemática da literatura Palavras-Chave: INTRODUÇÃO Egressos de : uma revisão sistemática da literatura Nayla Cecília da Silva Silvestre BRANQUINHO I ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA II Universidade Federal de Goiás - Faculdade de I E-mail: naylacecilia@gmail.com

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DOS REGISTROS DE ENFERMAGEM: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

ANÁLISE DA QUALIDADE DOS REGISTROS DE ENFERMAGEM: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA ANÁLISE DA QUALIDADE DOS REGISTROS DE ENFERMAGEM: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA 1 OLIVEIRA, Valdir Antunes, 2 TEIXEIRA Cristiane Chagas, 3 SILVA Ludyanne Neres, 4 Arruda Nara Lilia Oliveira 1. Enfermeiro.

Leia mais

Determinação do Consumo de Água e Kc para Plantas Isoladas utilizando a Técnica da Lisimetria.

Determinação do Consumo de Água e Kc para Plantas Isoladas utilizando a Técnica da Lisimetria. Determinação do Consumo de Água e Kc para Plantas Isoladas utilizando a Técnica da Lisimetria. José Alves Júnior Cláudio Ricardo da Silva Tonny José Araújo da Silva Marcos Vinícius Folegatti ESALQ-USP

Leia mais

A nossa catedral, concebida na primeira metade do século passado, foi projetada para um número de pessoas hoje não mais compatível quando em grandes

A nossa catedral, concebida na primeira metade do século passado, foi projetada para um número de pessoas hoje não mais compatível quando em grandes Catedral de goiânia TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO II Universidade Católica de Goiás Departamento de artes e Arquitetura TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO II Professor: Antonio LÚCIO ALUNO: igor toscani A nossa

Leia mais

Produção científica em língua portuguesa: padrão de citação e avaliação dos indicadores de citação atuais de revistas biomédicas de língua portuguesa

Produção científica em língua portuguesa: padrão de citação e avaliação dos indicadores de citação atuais de revistas biomédicas de língua portuguesa Produção científica em língua portuguesa: padrão de citação e avaliação dos indicadores de citação atuais de revistas biomédicas de língua portuguesa 30 Março/2012 AGENDA Enquadramento Objetivos Metodologia

Leia mais

Este é um manual de procedimentos básicos padronizados para os Formulários on-line da Coleta Seletiva.

Este é um manual de procedimentos básicos padronizados para os Formulários on-line da Coleta Seletiva. MANUAL DE PROCEDIMENTOS Formulários on-line SISTEMAS INTEGRADOS MANUAL DE PROCEDI MENTOS PADRÃO Formulários on-line Este é um manual de procedimentos básicos padronizados para os Formulários on-line da

Leia mais

Principais Periódicos Área de avaliação Enfermagem. Qualis A1

Principais Periódicos Área de avaliação Enfermagem. Qualis A1 Principais Periódicos Área de avaliação Enfermagem Qualis A1 0161-9268 Advances in Nursing Science http://journals.lww.com/advancesinnursingscience/pages/default.aspx 0090-0036 American Journal of Public

Leia mais

A diagramação entidade-relacionamento é muito simples, servindo como representação dos conceitos que são manipulados por ela.

A diagramação entidade-relacionamento é muito simples, servindo como representação dos conceitos que são manipulados por ela. MÓDULO 8 MODELAGEM DE DADOS I Em 1976 foi publicado um trabalho que definia uma possível abordagem para o processo de modelagem de dados. O trabalho intitulado de The Entity-Relationship Model passou a

Leia mais

1 - Na eletrosfera de um átomo de magnésio temos 12 elétrons. Qual a carga elétrica de sua eletrosfera?

1 - Na eletrosfera de um átomo de magnésio temos 12 elétrons. Qual a carga elétrica de sua eletrosfera? 1 - Na eletrosfera de um átomo de magnésio temos 12 elétrons. Qual a carga elétrica de sua eletrosfera? 2 - Na eletrosfera de um átomo de carbono temos 6 elétrons. Qual a carga elétrica de sua eletrosfera?

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS Prof. Dr. Constantino de Gaspari Gonçalves Exemplo de Aplicação do ABC

ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS Prof. Dr. Constantino de Gaspari Gonçalves Exemplo de Aplicação do ABC Exemplo de Aplicação do ABC A indústria de Confecções Pano Bom Ltda produz três tipos de produtos: Camisas, Calças, Blusas. O quadro abaixo apresenta as quantidades produzidas e seus respectivos preços.

Leia mais

O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS, no uso de suas atribuições legais e

O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS, no uso de suas atribuições legais e CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 002/2001-CONSUNIV DISPÕE sobre verificação do rendimento escolar. O REITOR DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO a necessidade de regular a verificação

Leia mais

UM OLHAR AMPLIADO PARA A QUALIDADE: DESAFIO CONTEMPORÂNEO E MUNDIAL PARA A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

UM OLHAR AMPLIADO PARA A QUALIDADE: DESAFIO CONTEMPORÂNEO E MUNDIAL PARA A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. UM OLHAR AMPLIADO PARA A QUALIDADE: DESAFIO CONTEMPORÂNEO E MUNDIAL PARA A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. São Paulo/SP Maio/2016 Juliana Bezerra Joaquim Campos - UNIFESP - Universidade Federal de São Paulo - juliana.jbj2013@gmail.com

Leia mais

22 DE NOVEMBRO SEGUNDA- FEIRA SALÃO NOBRE

22 DE NOVEMBRO SEGUNDA- FEIRA SALÃO NOBRE 12/11/2010 15:44:31 22 DE NOVEMBRO SEGUNDA- FEIRA SALÃO NOBRE 8h15min Abertura Oficial 8h30 O significado da doença renal crônica para o paciente em tratamento hemodialítico: a qualidade e expectativa

Leia mais

Testes de Aderência Testes de Independência Testes de Homogeneidade

Testes de Aderência Testes de Independência Testes de Homogeneidade Testes de Aderência Testes de Independência Testes de Homogeneidade 1 1. Testes de Aderência Objetivo: Testar a adequabilidade de um modelo probabilístico a um conjunto de dados observados Exemplo 1: Genética

Leia mais

Dumping, Subsídios e Salvaguardas

Dumping, Subsídios e Salvaguardas Conceito Dumping, Subsídios e Salvaguardas Considera-se haver prática de dumping, isto é, oferta de um produto no comércio de outro país a preço inferior a seu valor normal, no caso de o preço de exportação

Leia mais

Modelo teórico de pensamento crítico no processo diagnóstico em enfermagem

Modelo teórico de pensamento crítico no processo diagnóstico em enfermagem Modelo teórico de pensamento crítico no processo diagnóstico em enfermagem Greicy Kelly Gouveia Dias Bittencourt 1, Maria da Graça Oliveira Crossetti 2 1 Universidade Federal da Paraíba 2 Universidade

Leia mais

Capítulo 13 - A Análise SWOT

Capítulo 13 - A Análise SWOT Capítulo 13 - A Análise SWOT O objetivo da SWOT é definir estratégias para manter pontos fortes, reduzir a intensidade de pontos fracos, aproveitando oportunidades e protegendo-se de ameaças.(vana, Monteiro

Leia mais

Comércio Internacional. Aula 1

Comércio Internacional. Aula 1 Comércio Internacional Prof. Roberto Caparroz Aula 1 Políticas comerciais Protecionismo e livre-cambismo Comércio internacional e crescimento econômico Barreiras tarifárias e não-tarifárias Introdução

Leia mais

Aula 7- Desgaste e Vida da Ferramenta

Aula 7- Desgaste e Vida da Ferramenta A vida da ferramenta é o tempo que a mesma trabalha efetivamente ( deduzidos os tempos passivos ), até perder sua capacidade de corte. Considerando um critério de fim-de-vida pré-estabelecido (exemplo

Leia mais

CONSULTA DE ENFERMAGEM PARA O IDOSO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

CONSULTA DE ENFERMAGEM PARA O IDOSO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA CONSULTA DE ENFERMAGEM PARA O IDOSO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA INDIARA CARVALHO DOS SANTOS PLATEL (NEPB/UFPB) MARIA ANDRÉA FERNANDES (MESTRANDA E BOLSISTA DA CAPES/UFPB) ANA ALINE LACET ZACCARA (MESTRANDA

Leia mais

Podemos representar a relação existente entre as entidades de um relacionamento 1:1 através do conjunto abaixo:

Podemos representar a relação existente entre as entidades de um relacionamento 1:1 através do conjunto abaixo: MÓDULO 10 MODELAGEM DE DADOS II Os relacionamentos devem ser enquadrados em três grandes grupos para que possam cumprir a finalidade de expressar a semântica das associações entre as entidades. As três

Leia mais

Revista de Saúde Pública: história e desempenho na base JCR

Revista de Saúde Pública: história e desempenho na base JCR Revista de Saúde Pública: história e desempenho na base JCR Seminário sobre o desempenho dos periódicos brasileiros no JCR 2009 Setembro 2010 ANTECEDENTES Em 2010, a Revista de Saúde Pública, iniciada

Leia mais

Tutorial de Pesquisa Bibliográfica- BVS. 2ª. Versão 2012

Tutorial de Pesquisa Bibliográfica- BVS. 2ª. Versão 2012 B I B L I O T E C A D E C I Ê N C I A S D A S A Ú D E SD DA Universidade Federal do Paraná - UFPR Tutorial de Pesquisa Bibliográfica- BVS 2ª. Versão 2012 1 Pesquisa Bibliográfica É o levantamento de um

Leia mais

MÓDULO 16 PLANEJAMENTO DE CONSTRUÇÃO, TESTES E DOCUMENTAÇÃO DO SISTEMA

MÓDULO 16 PLANEJAMENTO DE CONSTRUÇÃO, TESTES E DOCUMENTAÇÃO DO SISTEMA MÓDULO 16 PLANEJAMENTO DE CONSTRUÇÃO, TESTES E DOCUMENTAÇÃO DO SISTEMA Quando falamos para os alunos sobre projeto e desenvolvimento de sistemas de informação eles pensam logo em programar. A programação

Leia mais

II SIEPS XX ENFERMAIO I MOSTRA DO INTERNATO EM ENFERMAGEM CUIDADO DE ENFERMAGEM NA DETECÇÃO PRECOCE DE DOENÇAS NEONATAIS POR MEIO DO TESTE DO PEZINHO

II SIEPS XX ENFERMAIO I MOSTRA DO INTERNATO EM ENFERMAGEM CUIDADO DE ENFERMAGEM NA DETECÇÃO PRECOCE DE DOENÇAS NEONATAIS POR MEIO DO TESTE DO PEZINHO II SIEPS XX ENFERMAIO I MOSTRA DO INTERNATO EM ENFERMAGEM Fortaleza CE 23 a 25 de Maio de 2016 CUIDADO DE ENFERMAGEM NA DETECÇÃO PRECOCE DE DOENÇAS NEONATAIS POR MEIO DO TESTE DO PEZINHO Ana Caroline Andrade

Leia mais

Física Geral e Experimental II Engenharia Ambiental e de Produção. Prof. Dr. Aparecido Edilson Morcelli

Física Geral e Experimental II Engenharia Ambiental e de Produção. Prof. Dr. Aparecido Edilson Morcelli Física Geral e Experimental II Engenharia Ambiental e de Produção Prof. Dr. Aparecido Edilson Morcelli TERMOLOGIA A termologia é uma parte da Física que estuda as diversas manifestações de calor. A parte

Leia mais

Pressupostos. Variações na composição orçamentária municipal refletem: relações intergovernamentais predominantes;

Pressupostos. Variações na composição orçamentária municipal refletem: relações intergovernamentais predominantes; IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ECONOMIA DA SAÚDE 20 Anos de ABRES, do SUS e a Reafirmação da Proteção Universal Condições de financiamento em saúde nos grandes municípios

Leia mais

TROMBOPROFILAXIA DURANTE A GRAVIDEZ, PARTO E PUERPÉRIO

TROMBOPROFILAXIA DURANTE A GRAVIDEZ, PARTO E PUERPÉRIO TROMBOPROFILAXIA DURANTE A GRAVIDEZ, PARTO E PUERPÉRIO FRANCISCO EDSON DE LUCENA FEITOSA IDENTIFICAÇÃO DE FATORES DE RISCO A gestação é fator de risco para tromboembolismo venoso (TEV) e está associada

Leia mais

NECESSIDADES DE CUIDADOS DE PACIENTES PSIQUIÁTRICOS HOSPITALIZADOS

NECESSIDADES DE CUIDADOS DE PACIENTES PSIQUIÁTRICOS HOSPITALIZADOS NECESSIDADES DE CUIDADOS DE PACIENTES PSIQUIÁTRICOS HOSPITALIZADOS Resumo Estudo descritivo com abordagem quantitativa objetivou investigar as necessidades de cuidados de enfermagem de pacientes com transtornos

Leia mais

Declaração de Renda de Autônomo, Profissional Liberal ou Atividade Informal

Declaração de Renda de Autônomo, Profissional Liberal ou Atividade Informal Declaração de Renda de Autônomo, Profissional Liberal ou Atividade Informal Eu,...,... (membro do grupo familiar que exerce a atividade autônoma ou de profissional liberal) inscrito no CPF sob o nº....,

Leia mais

Instituto Federal do Maranhão PRÓ- REITORIA DE ENSINO

Instituto Federal do Maranhão PRÓ- REITORIA DE ENSINO Instituto Federal do Maranhão PRÓ- REITORIA DE ENSINO QUADRO DE VAGAS PARA OS CURSOS DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO IFMA CAMPUS SÃO LUIS MONTE CASTELO Engenharia Elétrica Industrial Engenharia Civil Engenharia

Leia mais

Nilson do Rosário Costa 1, Ana Paula Coelho 2, Maria Thereza Fortes 3 e Vanina Matos 4

Nilson do Rosário Costa 1, Ana Paula Coelho 2, Maria Thereza Fortes 3 e Vanina Matos 4 IX Encontro Nacional da Associação Nacional de Economia da Saúde, Rio de Janeiro, dez/2009. A posição regional das empresas no mercado de planos privados de assistência à saúde Nilson do Rosário Costa

Leia mais

TENDÊNCIAS DA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA NO BRASIL DE 2000 A 2013: EVENTOS CIENTÍFICOS

TENDÊNCIAS DA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA NO BRASIL DE 2000 A 2013: EVENTOS CIENTÍFICOS TENDÊNCIAS DA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA NO BRASIL DE 2000 A 2013: EVENTOS CIENTÍFICOS Ailton Paulo de Oliveira Júnior UFTM Tayrinne Helena Vaz - UFTM Resumo: Com a intenção de obter indicadores

Leia mais

O CUIDADO HUMANIZADO AO RECÉM-NASCIDO PREMATURO: UMA REVISÃO DE LITERATURA.

O CUIDADO HUMANIZADO AO RECÉM-NASCIDO PREMATURO: UMA REVISÃO DE LITERATURA. O CUIDADO HUMANIZADO AO RECÉM-NASCIDO PREMATURO: UMA REVISÃO DE LITERATURA. Silva, MA* *Enfermeiro. Resinte do Programa Residência em Saú da criança e do Adolescente do Hospital Pequeno Príncipe. Curitiba-PR

Leia mais

Ambiente 1: Colônia de Pesca do Rio Vermelho

Ambiente 1: Colônia de Pesca do Rio Vermelho 186 Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia M E S T R A D O E M A R T E S V I S U A I S Linha: Processos Criativos nas Artes Visuais Orientadora: profª drª Sônia Rangel Aluna: Maria Isabel

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Enfermagem Ciências e Tecnologia em Saúde A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de um

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Estabelece normas para o andamento das disciplinas de Trabalho de Graduação I e II referentes ao trabalho de conclusão de curso. Aprovado em reunião de colegiado

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Faculdade de Tecnologia SENAI de Desenvolvimento Gerencial NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 1. Introdução A Iniciação Científica é um instrumento de formação de recursos humanos,

Leia mais

Apresentação. Atuando em diversos ramos do direito, nosso Escritório tem como meta oferecer. O Escritório

Apresentação. Atuando em diversos ramos do direito, nosso Escritório tem como meta oferecer. O Escritório Um Escritório de Advocacia, atualmente, tem que estar preparado para atender as mais diversas situações do mundo moderno. Para tanto, focalizamos como nossos preceitos, que os serviços oferecidos sejam:

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO. Programa de Orientação. Psicopedagógica

FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO. Programa de Orientação. Psicopedagógica 1 FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO Programa de Orientação Psicopedagógica 2 Regulamento do Programa de Orientação Psicopedagógica da Faculdade Sudoeste Paulistano INTRODUÇÃO A necessidade de atenção às dificuldades

Leia mais

Fundação de Assistência Social e Cidadania FASC Direção Técnica Coordenaçao Rede Básica

Fundação de Assistência Social e Cidadania FASC Direção Técnica Coordenaçao Rede Básica Fundação de Assistência Social e Cidadania FASC Direção Técnica Coordenaçao Rede Básica PROTEÇÃO SOCI AL BÁSI CA - PSB Centro de Referência da Assistência Social CRAS Organização da Rede Socioassistencial

Leia mais

PERSPECTIVAS FUTURAS DA TAXONOMIA II DA NANDA INTERNACIONAL E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO, ASSISTÊNCIA E PESQUISA 1

PERSPECTIVAS FUTURAS DA TAXONOMIA II DA NANDA INTERNACIONAL E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO, ASSISTÊNCIA E PESQUISA 1 PERSPECTIVAS FUTURAS DA TAXONOMIA II DA NANDA INTERNACIONAL E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO, ASSISTÊNCIA E PESQUISA 1 OLIVEIRA, Luciana Griebeler 2 ; OLIVEIRA, Stefanie Griebeler 3 ; GARCIA, Raquel Pötter

Leia mais

Palavras-Chave: Educação inclusiva. Alfabetização. Deficiente intelectual. Produção científica. 1 Introdução

Palavras-Chave: Educação inclusiva. Alfabetização. Deficiente intelectual. Produção científica. 1 Introdução ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE ALFABETIZAÇÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL PUBLICADA NA BASE DE DADOS SCIENTIFIC ELETRONIC LIBRARY ONLINE (SCIELO) Angel Saucedo Silvero Carla Cristina Marinho

Leia mais

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM ÚLCERA VENOSA: ORIENTAÇÕES PARA CICATRIZAÇÃO E PREVENÇÃO DE RECIDIVAS

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM ÚLCERA VENOSA: ORIENTAÇÕES PARA CICATRIZAÇÃO E PREVENÇÃO DE RECIDIVAS TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM ÚLCERA VENOSA: ORIENTAÇÕES PARA CICATRIZAÇÃO E PREVENÇÃO DE RECIDIVAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO:

Leia mais

OS CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE TRANSPLANTADO COM CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOIÉTICAS RESUMO

OS CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE TRANSPLANTADO COM CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOIÉTICAS RESUMO OS CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE TRANSPLANTADO COM CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOIÉTICAS Jaíne das Graças Oliveira Silva Resende 1 ; Monique Conceição Leles 2 1 Docente do Curso de Enfermagem do Instituto

Leia mais

UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA ACERCA DA ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS CRIANÇAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS

UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA ACERCA DA ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS CRIANÇAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS 1 UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA ACERCA DA ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS CRIANÇAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS RESUMO: ¹Silvana Cruz da Silva ² Eliane Tatsch Neves ³Pâmela de Almeida Batista Este trabalho trata-se

Leia mais

Importantes propriedades da Média, da Variância e do Desvio Padrão:

Importantes propriedades da Média, da Variância e do Desvio Padrão: Importantes propriedades da Média, da Variância e do Desvio Padrão: É importantíssimo o perfeito conhecimento de algumas propriedades da Média, da Variância e do Desvio Padrão para resolver, com facilidade,

Leia mais

MEMORIAL EXPLICATIVO

MEMORIAL EXPLICATIVO MEMORIAL EXPLICATIVO O Instituto, por ser destinado a pessoas especiais e planejado para atender suas necessidades, deve apresentar uma linguagem diferenciada e funcional. O prédio que se distribui cerca

Leia mais

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos 1 AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos Ernesto F. L. Amaral 19 de março de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Severino, Antônio Joaquim. 2007. Metodologia do trabalho científico.

Leia mais

AULA 01 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos

AULA 01 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos 1 AULA 01 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos Ernesto F. L. Amaral 08 de março de 2012 Metodologia (DCP 033) Fonte: Severino, Antônio Joaquim. 2007. Metodologia do trabalho científico.

Leia mais

METODOLOGIA CIENTÍFICA PATRÍCIA ALVAREZ RUIZ

METODOLOGIA CIENTÍFICA PATRÍCIA ALVAREZ RUIZ METODOLOGIA CIENTÍFICA PATRÍCIA ALVAREZ RUIZ Levantamento Bibliográfico LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO Procedimentos para localização e busca metódica dos documentos referentes ao tema Textos Livros Artigos

Leia mais

Item 1 Anexo IV Resolução 3616/ 2008 Material de expediente

Item 1 Anexo IV Resolução 3616/ 2008 Material de expediente ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS DE MARINGÁ APAE DE MARINGÁ CNPJ (MF) 78.191.848/0001-32 DEMONSTRATIVO DE TRANSFERÊNCIA CONVÊNIO SEED REF. 08/2011 VALOR RECEBIDO 62.754,00 RECURSOS PROPRIOS

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE ENFERMAGEM NA REGIÃO NORDESTE ( )*

PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE ENFERMAGEM NA REGIÃO NORDESTE ( )* PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE ENFERMAGEM NA REGIÃO NORDESTE (1988-1992)* Marluce Maria Araújo Assis (Coordenadora)** Maria Angela Alves do Nascimento** Maria Salete Bessa Jorge*** Maria Socorro Matos**** Violante

Leia mais

Noções de Morfossintaxe

Noções de Morfossintaxe Noções de Morfossintaxe Orações Substantivas É introduzida pelas conjunções QUE ou SE Aprenda a analisar a oração principal Oração Completiva Nominal Há a orientação de que Há a esperança de que Há o estudo

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PLANO DE TRABALHO INDIVIDUAL ATIVIDADES EM DESENVOLVIMENTO ENSINO ORIENTAÇÃO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PLANO DE TRABALHO INDIVIDUAL ATIVIDADES EM DESENVOLVIMENTO ENSINO ORIENTAÇÃO Amilton Giácomo Tomasi DECF 2007/2 EFETIVO Mestre 40 Estatutário Contabilidade Gerencial ADM/Empresarial (vespertino) 2º 4 ESTÁGIO 02 ADM/Empresarial 7º e 8º 02 Secretário de Comunicação Portaria Reitoria

Leia mais

O Sistema Harmonizado (SH) abrange:

O Sistema Harmonizado (SH) abrange: Sistema Harmonizado O Sistema Harmonizado (SH), é um método internacional de classificação de mercadorias, baseado em uma estrutura de códigos e suas respectivas descrições. Tem como objetivo padronizar

Leia mais

DIAGNÓSTICOS DA NANDA CONFORME AS NECESSIDADES HUMANAS BÁSICAS DE WANDA HORTA NAS PRÁTICAS DE CAMPO DOS GRADUANDOS EM ENFERMAGEM

DIAGNÓSTICOS DA NANDA CONFORME AS NECESSIDADES HUMANAS BÁSICAS DE WANDA HORTA NAS PRÁTICAS DE CAMPO DOS GRADUANDOS EM ENFERMAGEM DIAGNÓSTICOS DA NANDA CONFORME AS NECESSIDADES HUMANAS BÁSICAS DE WANDA HORTA NAS PRÁTICAS DE CAMPO DOS GRADUANDOS EM ENFERMAGEM Iaskara Mazer 1 Ana Paula Modesto 2 Janaina Vall 3 Introdução: É dever do

Leia mais

O Projeto COMET Corpus Multilíngüe para Ensino e Tradução na Universidade de São Paulo

O Projeto COMET Corpus Multilíngüe para Ensino e Tradução na Universidade de São Paulo O Projeto COMET Corpus Multilíngüe para Ensino e Tradução na Universidade de São Paulo Stella E. O. Tagnin - USP XI SILEL Uberlândia 22-24 de novembro de 2006 http://www.fflch.usp.br/dlm/comet/consulta_cortec.html

Leia mais

RESENHA / REVIEW COMPUTADORES E LINGUAGENS NAS AULAS DE CIÊNCIAS

RESENHA / REVIEW COMPUTADORES E LINGUAGENS NAS AULAS DE CIÊNCIAS RESENHAS REVIEWS RESENHA / REVIEW COMPUTADORES E LINGUAGENS NAS AULAS DE CIÊNCIAS GIORDAN, Marcelo. Computadores e Linguagens nas aulas de Ciências: uma perspectiva sociocultural para compreender a construção

Leia mais

RESOLUÇÃO COFEN-293/2004

RESOLUÇÃO COFEN-293/2004 RESOLUÇÃO COFEN-293/2004 Fixa e Estabelece Parâmetros para o Dimensionamento do Quadro de Profissionais de Enfermagem nas Unidades Assistenciais das Instituições de Saúde Legislação Rápida O Conselho Federal

Leia mais

Colheita da cana e analise da qualidade do caldo

Colheita da cana e analise da qualidade do caldo 1) Maturação da cana Colheita da cana e analise da qualidade do caldo A maturação da cana é o aumento da concentração de sólidos solúveis no caldo; especialmente da sacarose. A maturação da cana é influenciada

Leia mais

FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA

FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA ALL AMÉRICA LATINA LOGÍSTICA S.A. CNPJ/MF nº 02.387.241/0001-60 NIRE nº 413.000.19886 Companhia Aberta FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA Curitiba, 10 de março de 2010 A ALL América Latina Logística S.A. (Bovespa:

Leia mais

Ano / Turma: Data: / / Classificação: Observações: Espaço do aluno

Ano / Turma: Data: / / Classificação: Observações: Espaço do aluno Es c o la Bá s i c a d o s 2 º e 3 º c i c lo s d e S an t o An t ó n i o Ficha de Avaliação Sumativa M a t e m á t i c a Nome: N.º Professor: Ano / Turma: Data: / / Classificação: Observações: A MINHA

Leia mais

TESTANDO A EFICIÊNCIA DO HÚMUS DE MINHOCA COMO ADUBO

TESTANDO A EFICIÊNCIA DO HÚMUS DE MINHOCA COMO ADUBO TESTANDO A EFICIÊNCIA DO HÚMUS DE MINHOCA COMO ADUBO FATO OBSERVADO: A capacidade da minhoca de produzir húmus, que é considerado um ótimo adubo para as plantas. SITUAÇÃO PROBLEMA: 1-FASE I: Qual é o melhor

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA COMARCA DE SANTA CATARINA LAUDO PERICIAL

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA COMARCA DE SANTA CATARINA LAUDO PERICIAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA COMARCA DE SANTA CATARINA LAUDO PERICIAL Nº DO PROCESSO: 0000000 CLASSE: AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: RÉU:, brasileira, solteira, contadora, estabelecida

Leia mais

IX Encontro Nacional da

IX Encontro Nacional da IX Encontro Nacional da Economia da Saúde Inserção de Sistema Gerencial e o Bahia - Brasil ABrES 20 anos Rio de Janeiro, 2009 Definição: É um sistema gerencial, integrado aos sistemas corporativos do Estado,

Leia mais

NÃO. Art.41, 1º,III(avaliação desempenho) Art.169, 4º(excesso despesa pessoal) NÃO Idem anterior NÃO. NÃO Idem anterior SIM SIM.

NÃO. Art.41, 1º,III(avaliação desempenho) Art.169, 4º(excesso despesa pessoal) NÃO Idem anterior NÃO. NÃO Idem anterior SIM SIM. João Dado Deputado Federal PDT/SP Até Junho/98 Reforma Administrativa EC-19/98 - Jun Reforma Previdenciária EC-20/98 - Dez Reforma Previdenciária EC-41/03 Reforma Previdenciária EC-47/05 NÃO Estabilidade

Leia mais

TURISMO E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA COMUNIDADE DE SÃO PAULO NA SERRA DA VALÉRIA.

TURISMO E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA COMUNIDADE DE SÃO PAULO NA SERRA DA VALÉRIA. TURISMO E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA COMUNIDADE DE SÃO PAULO NA SERRA DA VALÉRIA. Vilmara Rocha Graça 1 Carlossandro Albuquerque 2 Em muitas localidades do mundo, o turismo é considerado a principal

Leia mais

Quebra Cabeça das Ligações Químicas Autora: Karine Nantes da Silva Veronez Introdução. O jogo

Quebra Cabeça das Ligações Químicas Autora: Karine Nantes da Silva Veronez Introdução. O jogo Quebra Cabeça das Ligações Químicas Autora: Karine Nantes da Silva Veronez Introdução A química estuda as substâncias e suas transformações químicas. Essas substâncias são formadas de átomos de elementos

Leia mais

6ª Edição junho/2016 EDITORIAL. Prezados membros, neste semestre estamos com o 6º boletim, online, do NEPE.

6ª Edição junho/2016 EDITORIAL. Prezados membros, neste semestre estamos com o 6º boletim, online, do NEPE. BOLETIM 6ª Edição junho/2016 EDITORIAL Prezados membros, neste semestre estamos com o 6º boletim, online, do NEPE. Em breve estaremos com nossa página NEPE no FACEBOOK, de maneira a otimizar as informações

Leia mais

INFORMÁTICA 9 ENCONTRO. PROF PAULO MAXIMO

INFORMÁTICA 9 ENCONTRO. PROF PAULO MAXIMO 9 ENCONTRO PROF PAULO MAXIMO pmaximo@gmail.com 1.Analise a planilha e o gráfico a seguir. Considerando a situação apresentada é correto afirmar que: (a) a média de João foi calculada utilizando a fórmula

Leia mais

Veja o gráfico a seguir. Ele mostra o histórico das vendas do produto.

Veja o gráfico a seguir. Ele mostra o histórico das vendas do produto. Módulo 2 Ciclo de Vida do Produto Os produtos são lançados, tendo sucesso começará a vender cada vez mais até atingir um pico de vendas e passará a cair. Usa-se em marketing a imagem de um ser vivo para

Leia mais

PROJETOS DE PESQUISA E CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS DE PESQUISAS

PROJETOS DE PESQUISA E CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS DE PESQUISAS METODOLOGIA CIENTÍFICA PROJETOS DE PESQUISA E CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS DE PESQUISAS 1 PROJETO DE PESQUISA CONCEITO PRODUTO MATERIAL DA ETAPA QUE ANTECEDE A PESQUISA PROPRIAMENTE DITA. ESTABELECE OS TERMOS

Leia mais

Analise Financeira das Demonstrações Contábeis

Analise Financeira das Demonstrações Contábeis Gest ão em Cooper at i vi smo Analise Financeira das Demonstrações Contábeis Dirceu Granado de Souza Dinâmica Patrimonial Consult & Assess Empresarial www.dinamicapatrimonial.com.br 1 Serve para uma avaliação

Leia mais

Produção científica em saúde coletiva: perfil dos periódicos e o processo de avaliação pela Capes. Aluísio J D Barros

Produção científica em saúde coletiva: perfil dos periódicos e o processo de avaliação pela Capes. Aluísio J D Barros Produção científica em saúde coletiva: perfil dos periódicos e o processo de avaliação pela Capes Aluísio J D Barros Centro de Pesquisas Epidemiológicas, UFPel Representante da Área de Saúde Coletiva,

Leia mais

Visão Geral do Trabalho de Pesquisa

Visão Geral do Trabalho de Pesquisa Visão Geral do Trabalho de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Etapas do Trabalho de Pesquisa Escolha do

Leia mais

Cisco Networking Academy

Cisco Networking Academy Cisco Networking Academy IT ESSENTIALS Hardware e Software for Personal Computer Pré-requisitos Não há pré-requisito. Objetivo de ensino Prover conhecimentos e capacidades básicas para trabalhar com montagem

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL - FATESG

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL - FATESG FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL - FATESG CALENDÁRIO DE ATIVIDADES ACADÊMICAS PEDAGÓGICAS 2014 MÊS DIA DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE RESPONSÁVEL JANEIRO 01 CONFRATERNIZAÇÃO UNIVERSAL

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM NEUROLOGIA CLÍNICA E INTENSIVA Unidade

Leia mais

O PROGRAMA 5 S. Prof.ª Ghislaine Bonduelle, Drª UFPR

O PROGRAMA 5 S. Prof.ª Ghislaine Bonduelle, Drª UFPR O PROGRAMA 5 S Prof.ª Ghislaine Bonduelle, Drª UFPR SUMÁRIO O PROGRAMA 5 S (PROGRAMA 8 S) O PROGRAMA 8 S IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA 5 S / 8 S MANUTENÇÃO DO PROGRAMA 5 S / 8 S A EDUCAÇÃO E O 5 S / 8 S CONCLUSÃO

Leia mais

AFRF Exercícios Tele-Transmitido. Prof. Sérgio Altenfelder Estatística - 01

AFRF Exercícios Tele-Transmitido. Prof. Sérgio Altenfelder Estatística - 01 01. Para dados agrupados representados por uma curva de freqüências, as diferenças entre os valores da média, da mediana e da moda são indicadores da assimetria da curva. Indique a relação entre essas

Leia mais

j = c.i.t M = c + j MATEMÁTICA FINANCEIRA

j = c.i.t M = c + j MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES j = c.i.t j = juros, c = capital, i = taxa, t = tempo 05) João abriu uma caderneta de poupança e, em 1o de janeiro de 2006, depositou R$ 500,00 a uma taxa de juros simples,

Leia mais

Análise de Compostos Orgânicos RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR

Análise de Compostos Orgânicos RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR Análise de Compostos Orgânicos Capítulo III O Retorno de Jedi RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR Prof. Dr. Roberto Berlinck História: Kekulé, 854: Chemistry will never reveal the structure of the molecules,

Leia mais

TRABALHO DE CURSO TC CURSO DE DIREITO - UCB

TRABALHO DE CURSO TC CURSO DE DIREITO - UCB TRABALHO DE CURSO TC - UCB O aluno em fase de realização do Trabalho de Curso tem, entre outros, os seguintes deveres específicos: I - Freqüentar as reuniões convocadas pela Coordenação de Trabalho de

Leia mais

ESCALA DE CONCEPÇÕES ACERCA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA E EDUCAÇÃO ESPECIAL E SUA APLICAÇÃO EM PESQUISA

ESCALA DE CONCEPÇÕES ACERCA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA E EDUCAÇÃO ESPECIAL E SUA APLICAÇÃO EM PESQUISA ESCALA DE CONCEPÇÕES ACERCA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA E EDUCAÇÃO ESPECIAL E SUA APLICAÇÃO EM PESQUISA Carla Cristina Marinho Sadao Omote Faculdade de Filosofia e Ciências, UNESP, campus de Marília Eixo Temático:

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA NO BRASIL

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA NO BRASIL PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA NO BRASIL Reunião do Comitê das Bacias do Alto Iguaçu e Afluentes do Alto Ribeira Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental

Leia mais

Edital nº 04/2016. Concurso Cultural para seleção da Capa da Revista Extensão 11ª edição

Edital nº 04/2016. Concurso Cultural para seleção da Capa da Revista Extensão 11ª edição Edital nº 04/2016 Concurso Cultural para seleção da Capa da Revista Extensão 11ª edição A Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, por intermédio da Pró-Reitoria de Extensão da Universidade, torna público

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CÓDIGO DISCIPLINA REQUISITOS SAU 221 METODOLOGIA DA PESQUISA EM SAÚDE I --

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CÓDIGO DISCIPLINA REQUISITOS SAU 221 METODOLOGIA DA PESQUISA EM SAÚDE I -- UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA U.E.F.S DEPARTAMENTO DE SAÚDE PROGRAMA DE DISCIPLINA CÓDIGO DISCIPLINA REQUISITOS SAU 221 METODOLOGIA DA PESQUISA EM SAÚDE I -- CARGA HORÁRIA CRÉDITOS PROFESSOR(A)

Leia mais

FATORES ASSOCIADOS AO ESTRESSE DO ENFERMEIRO INTENSIVISTA: UMA REVISÃO DA LITERATURA

FATORES ASSOCIADOS AO ESTRESSE DO ENFERMEIRO INTENSIVISTA: UMA REVISÃO DA LITERATURA FATORES ASSOCIADOS AO ESTRESSE DO ENFERMEIRO INTENSIVISTA: UMA REVISÃO DA LITERATURA Martha Maria Macedo Bezerra Rachel de Sá Barreto Luna Callou Cruz 2 Elisabeth Alves Silva 3 Resumo O estresse é um dos

Leia mais

Princípios Orçamentários

Princípios Orçamentários 01. Acerca dos princípios orçamentários aceitos em nosso país, é incorreto afirmar a) a existência da separação do orçamento da União em fiscal, de investimento das estatais e da seguridade social não

Leia mais

Unidade Gestora: DAAE - DEPTO AUTONOMO AGUA ESGOTO

Unidade Gestora: DAAE - DEPTO AUTONOMO AGUA ESGOTO Estado de São Paulo Balancete da Receita Dezembro/2006 Folha: 1 Unidade Gestora: DAAE - DEPTO AUTONOMO AGUA ESGOTO Receita Previsto Arrecadado no Mes Arrecadado no Ano Diferenca 1000.00.00.00.00 RECEITAS

Leia mais

BANCO DE TESES E DISSERTAÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO EM ASTRONOMIA: IMPLANTAÇÃO, DIFICULDADES E POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES

BANCO DE TESES E DISSERTAÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO EM ASTRONOMIA: IMPLANTAÇÃO, DIFICULDADES E POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES I Simpósio Nacional de Educação em Astronomia Rio de Janeiro - 2011 1 BANCO DE TESES E DISSERTAÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO EM ASTRONOMIA: IMPLANTAÇÃO, DIFICULDADES E POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES Paulo Sergio Bretones

Leia mais

PESQUISA CIENTÍFICA 2

PESQUISA CIENTÍFICA 2 PESQUISA CIENTÍFICA 2 TIPOS DE PESQUISA CIENTÍFICA 3 4 Tipos de Pesquisa Quantitativas: aquelas em que predominam os métodos estatísticos, com utilização de variáveis bem definidas e de cálculos estatísticos

Leia mais

OS FATORES DE RISCOS PARA NÃO REALIZAÇÃO DO PARTO NORMAL

OS FATORES DE RISCOS PARA NÃO REALIZAÇÃO DO PARTO NORMAL OS FATORES DE RISCOS PARA NÃO REALIZAÇÃO DO PARTO NORMAL Amanda Florêncio da Silva* Rosemeire do Carmo Martelo** JUSTIFICATIVA No Brasil vem aumentando o número de partos cesarianos, sem base científica

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Módulo XXXX Nome do Módulo Título do Artigo

Trabalho de Conclusão de Módulo XXXX Nome do Módulo Título do Artigo Trabalho de Conclusão de Módulo XXXX Nome do Módulo Título do Artigo Seu NOME - Turma 1 RESUMO: Esta orientação apresenta as regras e modelos que iremos utilizar na elaboração de nosso TCM Trabalho de

Leia mais