Índice ENTREVISTA COMPORTAMENTO SAÚDE ESPECIAL ALERGO AR SOCIAL. Gripe: Como se prevenir? SAÚDE DA CRIANÇA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Índice ENTREVISTA COMPORTAMENTO SAÚDE ESPECIAL ALERGO AR SOCIAL. Gripe: Como se prevenir? SAÚDE DA CRIANÇA"

Transcrição

1

2 EXPEDIENTE Diretoria José Roberto Zimmerman CRM Milton Galper Posener CRM Leonardo Ferreira Zimmerman CRM Rogério Nogueira de Melo CRM Silnice Quintela Administradora Produzido por Selles & Henning Comunicação Integrada Projeto Gráfico Patrícia Ouvinha Editoração Eletrônica Leonardo Rocha Jornalista Responsável Giselle Soares Estagiárias de Jornalismo Marina Braga e Aline Ferreira Unidades Rio de janeiro Barra da Tijuca Av. Armando Lombardi, Bloco II Salas 140 e Condomínio Barra Life Center - Tel: Centro Rua Sete de Setembro, 92 - Grupo 905 Tel: Madureira Estrada do Portela, 99 - Grupo 1101 Vacinas: sala Tel: Tijuca Rua Desembargador Izidro, 22 - Lj. B Tel: Niterói Centro Rua da Conceição, Grupo 2308 Tel: Administração: Marcação de Consultas: Índice ENTREVISTA Metas para o controle da asma COMPORTAMENTO Automedicação em casos de dengue SAÚDE Testes alérgicos, por que fazer? ESPECIAL Epidemia de sarampo na Europa causa alerta mundial ALERGO AR SOCIAL Associação São Martinho transforma vidas CORPO HUMANO E SAÚDE Gripe: Como se prevenir? SAÚDE DA CRIANÇA Vacinação: Melhor forma de combate a coqueluche ACONTECE NA ALERGO AR Alergo ar, trinta anos fazendo história

3 Revista Alergo ar - Nº 7 - Ano 3 / 2012 Mantenha os seus cuidados com a chegada do outono EDITORIAL O aumento de casos de sarampo nos países da Europa fez a Organização Mundial de Saúde (OMS) emitir um alerta em relação à doença, que vem tendo a sua incidência aumentada há quatro anos. c hegou o outono, a estação caracterizada pelo amarelar das folhas e pelas noites mais longas. É nessa época também que ocorrem as mudanças bruscas de temperatura e a diminuição da umidade do ar, por isso os cuidados devem ser ainda maiores com a saúde. Especialistas brasileiros decidiram apoiar a meta lançada pela GINA Brasil (Iniciativa Global Contra a Asma) para os próximos quatro anos, de reduzir em 50% o número de internações causadas pela asma. Confira mais informações na entrevista com a Sociedade Brasileira de Alergia e Imunopatologia (ASBAI). A automedicação, comum em casos de gripe e outras doenças, deve ser evitada quando ha suspeita de dengue, pois essa prática pode agravar o quadro da doença e levar à morte. Um indivíduo com suspeita ou com dengue, deve ingerir medicamentos apenas sob orientação médica. Saiba mais sobre o assunto na seção Comportamento. Ressecamento, coceira intensa e lesões avermelhadas fazem parte dos sintomas de dermatite atópica. A doença alérgica e inflamatória da pele, de origem genética, acomete principalmente as crianças, logo nos primeiros anos de vida. Leia na seção Saúde. O aumento de casos de sarampo nos países da Europa fez a Organização Mundial de Saúde (OMS) emitir um alerta em relação à doença, que vem tendo a sua incidência aumentada há quatro anos. Somente em 2011 foram 26 mil novos casos notificados em todo o mundo. Confira por que o programa de vacinação é tão importante para a redução das ocorrências na seção Especial. Crianças e jovens que têm seus direitos violados encontram na Associação Beneficente São Martinho projetos que transformam a realidade dura em que vivem em aprendizado. Conheça a entidade e os projetos culturais desenvolvidos por ela na seção Alergo ar Social. Entenda também os sintomas do vírus influenza, popularmente conhecido como vírus da gripe, na seção Corpo Humano e Saúde. Saiba como se prevenir e aprenda a diferença entre resfriado e gripe. Na seção Saúde da Criança, descubra a melhor forma de combater a coqueluche, conhecida popularmente como tosse comprida. Esse ano a Alergo ar comemora seus 30 anos. Na seção Acontece na Alergo ar conheça um pouco da história da clínica e da sua evolução. Aproveite e boa leitura! 03

4 ENTREVISTA Metas para o controle da asma Durante congresso realizado em novembro de 2011, especialistas brasileiros decidiram apoiar a meta lançada pela GINA Brasil (Iniciativa Global Contra a Asma) para os próximos quatro anos: reduzir em 50% o número de internações. Entrevista com a Diretotia da Sociedade Brasileira de Alergia e Imunopatologia (ASBAI) aborda os principais subtemas debatidos no XXXVIII Congresso Brasileiro de Alergia e Imunopatologia, como a relação entre a asma e a automedicação, a obesidade, além das suas causas. 1. O que é asma e como ela se desenvolve? Asma é uma doença inflamatória, obstrutiva, de natureza alérgica das vias aéreas inferiores (brônquios). Há uma reatividade exagerada do indivíduo a diversos estímulos como partículas alergênicas, irritantes, poluentes, exercícios físicos, mudanças de temperatura ambiente, etc. 2. Quais são os sintomas da asma e os principais riscos do seu agravamento? O asmático tem tosse frequente, prolongada, em geral noturna, que pode prejudicar o sono. Nem sempre tem expectoração. O chiado no peito é outra característica do asmático, acompanhado de dificuldade para respirar e opressão no peito. Os sintomas podem estar combinados ou ocorrer isoladamente. Assim, uma criança que tem tosse crônica pode ser asmática. Falta de ar quando pratica exercícios físicos é outra manifestação da asma. A asma é uma doença que atinge de 10 a 20% da população brasileira e é responsável por cerca de 400 mil internações hospitalares. Sem contar com os vários transtornos causados no dia a dia, como faltas ao trabalho e à escola. Cerca de 80% dos pacientes com asma apresentam causa alérgica e 78% desses pacientes sofrem, também, de rinite alérgica. 3. A asma foi amplamente debatida no XXXVIII Congresso Brasileiro de Alergia e Imunopatologia. A que se deve este destaque? Dentre as doenças respiratórias, a asma é a segunda maior causa de hospitalizações no país e, entre 1998 e 2003, a doença foi responsável por mais de óbitos. Diante desta realidade, os especialistas decidiram apoiar a meta lançada pela GINA Brasil (Iniciativa Global Contra a Asma) para os próximos quatro anos: reduzir em 50% o número de internações. 4. O que é GINA (Iniciativa Global Contra a Asma)? O GINA (Iniciativa Global contra a asma) é uma ONG internacional que chegou no Brasil durante a campanha mundial 2010 O ano do pulmão afirmando-se como um dos membros mais ativos da Aliança Global contra as Doenças Respiratórias Crônicas (GARD) liderada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). 5. Atualmente como é realizado o tratamento para asma? Existem vários tipos de remédios para tratar a asma, mas pode-se dividir em dois grupos: remédios aliviadores, para aliviar sintomas e tratar as crises da doença; e remédios controladores, que atuam na inflamação dos brônquios, controlam a doença e evitam novas crises. O tratamento pode ser feito com a utilização de medicações por via inalada sob a forma de sprays (conhecidas como bombinhas ), nebulização ou como inalado- 04

5 Revista Alergo ar - Nº 7 - Ano 3 / 2012 res de pó seco. Outra maneira importante de prevenir é ressaltar que a higiene ambiental deve ser feita com rigor na casa dos pacientes que sofrem da doença. deve consumir o medicamento sem antes consultar um especialista. 6. Qual a relação entre a asma e a obesidade? A obesidade é um fator de risco para a asma. 7. Quais os riscos da automedicação? Existe uma característica genética que determina se o paciente vai responder ou não e como o seu organismo reagirá a um determinado medicamento e, portanto, nem todos os medicamentos utilizados para tratar as doenças alérgicas apresentam as exigências da prescrição médica. No entanto, possuem efeitos colaterais que podem levar o paciente a situações de extrema gravidade como, por exemplo, acidentes de trabalho. Especialistas ressaltam que, em hipótese alguma, o paciente 8. Quais são as principais causas para o desenvolvimento da asma? Como as crises asmáticas podem ser evitadas ou controladas? São desencadeantes de crises de asma: exposição ou contato com alérgenos (partículas que causam alergia) como a poeira, mofo e pelo de animais, assim como, irritantes (odores fortes de perfumes, materiais de limpeza, etc.) e poluentes intradomiciliares (cigarro, fumaça de fogão, etc.) e de fora da casa (resíduos industriais e de queima de combustível), infecções (resfriados), exercícios, mudanças de clima, etc. Para evitar a asma, o ambiente em que o asmático vive deve ser o mais higiênico possível, visando restringir o contato do paciente com elementos desencadeantes de crise, sejam alérgenos ou irritantes. Recomenda-se não ter fumantes no ambiente domiciliar. Os animais devem ser mantidos fora de casa, ou no mínimo, não entrarem nos quartos. Colchões e travesseiros devem ser forrados com material impermeável e este forro lavado periodicamente. Alguns desinfetantes podem reduzir a proliferação de ácaros em casa. Baratas devem ser combatidas, pois estão relacionadas à alergia e maior gravidade da asma. 05

6 COMPORTAMENTO Automedicação em casos de dengue A costumados a automedicação em casos de gripe e outras doenças comuns, muitas vezes as pessoas tomam medicamentos para aliviar o mal-estar, mesmo sem saber o que de fato estão sentindo ou o que está lhe causando os sintomas. Um indivíduo com dengue, ou com suspeita de ter a doença, deve ingerir medicamentos sob orientação médica, pois a automedicação pode agravar o quadro da doença e levar à morte. Em casos de dengue os medicamentos que devem ser evitados são: AAS, Aspirina, Melhoral, Voltaren, Scaflan e outros, pois favorecem o surgimento de hemorragias por interferir no processo de coagulação do sangue. Não há um tratamento específico para a dengue clássica, logo a atenção médica se volta para o fortalecimento do organismo para que ele próprio tenha condições para combater o vírus. Recomenda-se repouso, aumento da ingestão de líquidos, e medicamentos apenas para reduzir as dores e a febre. Vacina contra a dengue Pesquisas foram realizadas e o Ministério da Saúde autorizou a realização de testes da vacina contra a dengue em alguns estados brasileiros. Pesquisadores usaram material genético do vírus da vacina contra a febre amarela, que é muito parecido com o vírus da dengue, e inseriram amostras de quatro tipos de vírus da dengue. Uma associação que protege, mas não causa doença. Concluídos os testes com êxito, a vacina deverá ser registrada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária para, então, ser distribuída. Enquanto isso, a população deve continuar se protegendo contra a dengue, evitando a proliferação do mosquito transmissor da doença. Novo tipo de dengue Existem ao todo quatro diferentes tipos de vírus da dengue em circulação. Os vírus 1, 2 e 3 têm causado, todos os verões, um novo surto da doença, que se repete devido à infecção por um vírus de tipo diferente do anteriormente contraído. Recentemente, foi notificada no Brasil a presença do vírus tipo 4, que não era encontrado em território brasileiro há quase 30 anos. O vírus tipo 4, causa os mesmo sintomas que os demais, no entanto, por ser novo, tem maior potencial para desencadear um epidemia, pois muitas pessoas estão susceptíveis a sua infecção. Fontes: Portal da Saúde, Site da Fiocruz e Site do Dr. Dráuzio Varella. 06

7 Revista Alergo ar - Nº 7 - Ano 3 / 2012 Testes alérgicos, por que fazer? SAÚDE I rritações na pele, urticária, tosse, vômitos, diarreia, coriza, etc. São inúmeros os sintomas da alergia, uma doença crônica, fruto de uma reação imunológica exagerada por intolerância do organismo a determinadas substâncias físicas, químicas ou biológicas. A melhor maneira de detectar esses agentes desencadeadores (alérgenos) e de apontar o tratamento adequado para cada paciente é realizando os testes de alergia, também chamados de alergo imuno diagnósticos. Os testes, além de definirem a natureza alérgica dos sintomas, avaliam também o grau de sensibilização do indivíduo. Existem vários tipos de testes alérgicos. Em geral, podemos dividi-los em dois grupos: os testes de pele e os feitos a partir de análise sanguínea. Os tipos de testes mais realizados são: - Prick Test, epicutâneo ou punctura: É um procedimento rápido e indolor, no qual são introduzidas pequenas quantidades de alérgenos no antebraço do paciente, através de um pequeno furo na pele. São testados vários alérgenos de cada vez e depois observa-se o local por cerca de 20 minutos. Caso haja alguma reação, o teste é positivo. - Teste intradérmico: Através de injeção na pele, é colocada uma pequena quantidade de alérgenos. Geralmente, é feito para identificar as substâncias desencadeadoras em pacientes que possuem uma alergia fraca e, por isso, não foram detectadas no prick test. os testes alérgicos são de extrema importância e podem ser realizados em adultos e crianças de qualquer idade que apresentem sintomas de doença alérgica... - Teste de contato ou Patch Test: É usado para detectar a fonte de urticárias e dermatites de contato. Durante o exame, a solução contendo possíveis alérgenos é colocada nas costas do paciente, por meio de adesivos, que são retirados cerca de 48 horas após o exame. Caso seja notada alguma ocorrência de reação no local, o teste é positivo. - Teste sanguíneo: É realizado em laboratórios, a partir da coleta do sangue do paciente, com o objetivo de medir a quantidade de anticorpos produzidos pelo organismo quando exposto a um alérgeno. É feito em pacientes que não podem realizar os testes cutâneos devido ao uso de certos medicamentos ou de serem portadores de doenças de pele. - Testes de provocação: Consistem na introdução de pequena quantidade de substâncias suspeitas, por via oral, inalatória ou diretamente no local onde ocorre a alergia. Os testes orais são utilizados para os casos de alergias alimentares, e os nasais, ou de broncoprovocação, para alergias respiratórias. Esses testes são realizados raramente, e quando indicados, devem ser feitos sob vigilância cuidadosa do médico. Vale lembrar que os testes alérgicos são de extrema importância e podem ser realizados em adultos e crianças de qualquer idade, que apresentem sintomas de doença alérgica. Portanto, não hesite em fazê-los caso solicitado, procure o seu médico e garanta a sua qualidade de vida. Fonte: Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia 07

8 ESPECIAL Epidemia de sarampo na Europa causa alerta mundial O aumento do número de casos de sarampo nos países da Europa fez a Organização Mundial de Saúde (OMS) emitir um alerta em relação à doença, que vem tendo a sua incidência aumentada há quatro anos. Somente em 2011, foram 26 mil novos casos notificados em todo o mundo. A vacina contra o sarampo foi incluída no calendário de vacinação na década de 80 e, por isso, alguns adultos podem estar susceptíveis à doença. Devido ao surto na Europa, foi realizada uma campanha de vacinação que imunizou crianças de um ano a menores de sete, logo no segundo semestre de O intenso fluxo de turistas europeus no Brasil resulta em importação do vírus de genótipo D4, que atualmente circula na Europa. Estados e municípios brasileiros notificaram ao Ministério da Saúde a ocorrência de 18 casos de sarampo em 2011, número este que não se estendeu graças à vacinação. As ocorrências foram relatadas em sete estados brasileiros e todos os casos são considerados importados, já que, desde 2001, o vírus selvagem não circula no país. O controle da doença no Brasil se deu por meio da vacinação, que precisa ter seu esquema completo para garantir a imunidade. Entre 2001 e 2005, foram registrados no Brasil apenas 10 casos da doença, todos importados. Em 2006, foram notificados 57 casos, todos na Bahia e de origem desconhecida. O aumento da incidência da doença gera preocupação quanto à imunização da população brasileira, que, por pouco ouvir sobre o sarampo, desconhece os seus riscos e a importância da vacinação. O sarampo é uma doença infecto-contagiosa transmitida de pessoa para pessoa por meio de secreções das vias respiratórias, como gotículas eliminadas através do espirro ou da tosse. Altamente contagiosa, a doença também pode ser propagada através de partículas suspensas no ar, o que torna o ambiente fechado propício para a sua disseminação. A infecção pelo vírus do gênero Morbillivirus, causador do sarampo, provoca o desenvolvimento de anticorpos que impedirão uma reinfecção. Logo, só se desenvolve a doença apenas uma vez. O diagnóstico da doença pode ser feito por meio da análise clínica dos sintomas ou através de exame de sangue. O vírus O período de transmissão varia de quatro a seis dias antes do aparecimento de manchas vermelhas (exantemas) e estende até quatro dias depois. O estado nutricional e a imunidade do indivíduo influenciam na gravidade da doença, que, entre as contagiosas, é a principal causa de mortalidade de crianças com menos de cinco anos de idade. Estes fatores interferem não só no desenvolvimento da patologia, como podem torná-la uma epidemia. Prevenção Acompanhar o calendário de vacinação proposto pelo Ministério da Saúde é essencial para se prevenir contra o sarampo, que pode ser considerada uma doença grave, principalmente se contraída por indivíduos com baixa imunidade e gestantes. Essa responsabilidade começa cedo para os pais, pois a vacina contra a doença deve ser aplicada em duas doses a partir do nono mês de vida da criança. 08

9 Revista Alergo ar - Nº 7 - Ano 3 / 2012 A Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) recomenda a vacina a todos os viajantes, pois o vírus em circulação no exterior poderá ser contraído e trazido para o território nacional, assim como nos casos notificados nos últimos anos. A vacina demora cerca de 15 dias para estabelecer a imunidade no organismo, por isso deve ser tomada com antecedência. A pessoa com sarampo apresenta manchas avermelhadas na pele (exantema maculopapular eritematoso), que aparecem no rosto e se estendem em direção aos pés, febre, tosse, mal-estar, conjuntivite, coriza, perda do apetite e manchas brancas na parte interna das bochechas (exantema de Koplik). lheres grávidas, pessoas imunossuprimidas, adultos que não foram vacinados e não tiveram sarampo na infância, devem tomar a vacina, para diminuir o risco de contrair a doença. Não há tratamento específico para o sarampo, por isso as medidas visam apenas aliviar os sintomas, o que ressalta a importância da vacina. Durante a infecção é necessário que o indivíduo faça repouso, beba bastante líquido, coma alimentos leves, limpe os olhos com água morna e faça uso de antitérmicos para baixar a febre. Em alguns casos, há necessidade de tratamento para o aumento de imunidade. Fontes: Portal da Saúde e Site do Dráuzio Varella. O sarampo pode trazer muitos problemas à saúde do infectado, pois a morte por essa doença é decorrente de complicações como pneumonia, otite média, broncopneumonia, diarreia e encefalite. Em gestantes, pode provocar aborto ou parto prematuro. Tratamento A vacina contra o sarampo é eficaz em 97% dos casos. Mu-

10 Alergo ar Social Associação São Martinho transforma vidas C rianças e jovens que têm seus direitos violados encontram na Associação Beneficente São Martinho projetos que transformam a realidade dura em que vivem em aprendizado. Há mais de 27 anos, a São Martinho, entidade que atua na área da infância e juventude, resgata das ruas e das comunidades carentes, crianças e jovens entre seis e 18 anos de idade, que não desfrutam dos direitos fundamentais como acesso à saúde, alimentação, educação, lazer, profissionalização, cultura, dignidade, respeito, liberdade, além de convivência familiar e comunitária. Quando acolhidos pela Associação, os jovens passam a participar de atividades culturais e educativas após o horário escolar, possuem defesa jurídico-so- cial, que contribui para a garantia de seus direitos e formação como cidadãos, conforme prevê o Estatuto da Criança e do Adolescente, além de serem preparados para o mercado formal de trabalho (Lei do Aprendiz). Atualmente, a São Martinho trabalha através de quatro programas: Ao Encontro dos Meninos e Meninas em Situação de Rua, que tem como objetivo possibilitar o retorno dos jovens ao convívio familiar e comunitário; Educagente Centro Cultural, que oferece a oportunidade de acesso à educação, cultura, esporte e lazer; Mundo do Trabalho, que coopera para o ingresso dos jovens no mercado formal de trabalho, em conformidade com a Lei do Aprendiz; e o Centro de Defesa Dom Luciano Mendes de Almeida, que presta assistência social-jurídica a crianças, jovens e suas famílias. O trabalho realizado pela Fundação gera frutos palpáveis, como mostram os números. Nos últimos cinco anos a equipe multidisciplinar da São Martinho atendeu mais de 10 mil crianças e jovens. 450 foram reinseridas em suas famílias e/ou famílias extensivas ou encaminhadas a um abrigo voluntário e quatro mil jovens (16 a18 anos) foram formalmente incluídos no mercado de trabalho. As parcerias que a Associação possui são fundamentais para o sucesso das ações realizadas. Qualquer pessoa pode se tornar voluntária da São Martinho. Para ajudar a instituição é necessário participar presencialmente dos projetos e ações ou através de doações que podem ser desde materiais escolares, artísticos, roupas, material de higiene pessoal, material de limpeza e lanches. Para saber mais sobre a São Martinho, faça contato através dos telefones: (21) / ou envie uma mensagem para o saomartinho.org.br Conheça também o site da Associação: Crianças e jovens pela Associação São Martinho

11 Revista Alergo ar - Nº 7 - Ano 3 / 2012 CORPO HUMANO E SAÚDE Gripe: Como se prevenir? A tualmente, os vírus influenza infectam em média, 5% a 10% da população mundial e causam aproximadamente 500 mil mortes por ano. A influenza, popularmente conhecida como gripe, é uma infecção do sistema respiratório que geralmente evolui para cura completa devido à reação do próprio organismo humano à ação do vírus. Em indivíduos com baixa imunidade, a doença pode predispor o desenvolvimento de outras mais graves, como pneumonia. Dentre os sintomas da doença, estão: febre alta (acima de 38ºC), dores musculares, de cabeça, de garganta, tosse seca, calafrios, fraqueza, espirros e coriza. O principal sintoma é a febre, que dura cerca de três dias. Os outros sintomas ficam mais evidentes com o avanço da doença. Transmissão A gripe pode ser transmitida pelo contato com as secreções das vias respiratórias de uma pessoa contaminada ao falar, espirrar, ou tossir; ou por meio das mãos que, após contato com superfícies contaminadas, podem levar o agente infeccioso diretamente para a boca, nariz e olhos. O período de transmissão da doença é de dois dias antes até cinco dias após o início dos sintomas. 11

12 Corpo Humano e Saúde No inverno há maior número de gripes devido às aglomerações em ambientes fechados e não ao frio. A proximidade entre as pessoas facilita que o vírus seja transmitido, assim, o frio não causa a gripe, porém cria um ambiente suscetível para que o vírus se instale. Resfriado ou gripe? Muitas pessoas confundem resfriado com gripe. Embora os sintomas sejam parecidos, se tratam de doenças diferentes. O resfriado é mais brando que a gripe, e dura em média de dois a quatro dias, podendo ser causado por vários tipos de vírus, sendo o Rinovírus o mais comum. Já a gripe é causada pelo vírus Influenza e dura aproximadamente duas semanas. Ambas apresentam sintomas relacionados ao comprometimento das vias aéreas superiores, como congestão nasal, secreção nasal (rinorreia), tosse, rouquidão, dores musculares (mialgia) e dor de cabeça (cefaleia). Porém, na gripe o infectado tem febre alta e os sintomas aparecem subitamente ao contrário do resfriado, em que eles surgem gradualmente. Formas de tratamento Na maioria dos casos o tratamento é realizado com analgésicos, antitérmicos, repouso e hidratação. Em alguns, são utilizados medicamentos antivirais que atuam especificamente sobre os vírus. Em quadros em que há complicações, como infecções bacterianas, poderão ser prescritos antibióticos, que desde novembro de 2010 são vendidos mediante receita e devem ser usados apenas sob orientação médica. Vacina, a melhor prevenção A melhor forma de prevenir a gripe é através da vacinação, que deve ser anual, devido à mutação dos vírus. A composição da vacina varia de acordo com os vírus que estão em circulação, dos quais os três principais são selecionados pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Por isso, mesmo após a vacinação, ainda existe a chance de se contrair a doença, causada por um vírus que passou por uma mutação e é diferente daqueles selecionados para a vacina. Nestes casos, a vacina funciona como um apaziguador, que reduz a potência da gripe e, consequentemente, as chances de complicação. Em geral, a pessoa demora duas semanas para desenvolver os anticorpos adequados, logo a vacina deve ser tomada no outono, antes do frio chegar, para que o organismo tenha tempo para atingir o estágio ideal de defesa. Dentre os benefícios da vacina, estão a proteção contra o vírus influenza e as complicações da gripe. Qualquer pessoa a partir dos seis meses de vida pode tomar a vacina, desde que não tenha alergia a ovo, uma vez que esta vacina é produzida em ovos de galinha. Os grupos de risco, que têm maior chance de desenvolver complicações da doença são: - Crianças de seis a 18 meses que estejam recebendo tratamento com aspirina; - Adultos e crianças portadoras de doenças pulmonares crônicas (incluindo asma) ou doenças cardiovasculares; que estejam sendo tratadas de doenças metabólicas crônicas (como diabetes), disfunção renal ou com deficiência imunológica (incluindo infecção pelo HIV); - Mulheres que estarão no segundo trimestre de gravidez quando chegar a estação de gripe (de junho a agosto, no Brasil); - Homens e mulheres a partir dos 50 anos; - Profissionais que trabalham em creches, orfanatos e casas de repouso. Fontes: Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia, site Dr. Dráuzio Varella e do Ministério da Saúde. 12

13 Vacinação: melhor forma de combate a coqueluche Revista Alergo ar - Nº 7 - Ano 3 / 2012 SAÚDE DA CRIANÇA P opularmente conhecida como tosse comprida, a coqueluche voltou a preocupar o Ministério da Saúde. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), em 2011 foram registrados mais de 500 casos de coqueluche no país, mais que o dobro dos casos confirmados em A imunidade oferecida pela vacina tríplice clássica, incluída no Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde e encontrada em clínica particulares, dura em torno de cinco a dez anos e, depois disso, todos voltam a estar susceptíveis à doença. A coqueluche é uma doença infecto-contagiosa transmissível que compromete o aparelho respiratório (traqueia e brônquios). De início, os sintomas da infecção são semelhantes aos de uma gripe ou resfriado, mas logo se intensificam, causando desconforto. A vacina contra a coqueluche é a tríplice clássica (DPT), que previne também contra a difteria e o tétano. Incluída no Calendário Básico de Vacinação da Criança do Ministério da Saúde, a vacina deve ser ministrada aos dois, quatro e seis meses de idade, com doses de reforço aos 15 meses e aos quatro anos de idade. A infecção pode ocorrer mais de uma vez e ainda em indivíduos já vacinados, após o fim do período de imunidade oferecido pela vacina. Por isso, tosse seca e constante por mais de duas semanas, pode ser sinal de coqueluche. Transmissão A bactéria Bordetella Pertussis, causadora da coqueluche, pode ser transmitida através do contato direto com a pessoa infectada ou por meio de gotículas eliminadas pelo doente ao tossir, espirrar ou falar. Confirmada a doença, o indivíduo deve tomar alguns cuidados importantes para não disseminar a doença, que é altamente contagiosa. O infectado deve evitar ambientes coletivos e procurar lugares ventilados durante todo período de transmissão, que dura duas semanas. Apesar de menos frequente, a doença também pode ser transmitida através de materiais contaminados. Por isso, objetos como talheres, pratos e copos devem ser separados para uso exclusivo, e as mãos devem ser lavadas antes e depois de entrar em contato com outras pessoas. Os adultos suscetíveis à doença se tornam os principais transmissores da bactéria para o grupo de risco, que inclui crianças lactentes e menores de um ano. Por isso a Sociedade 13

14 Saúde da Criança Brasileira de Imunizações (SBIm) recomenda a vacinação de adultos que convivem com grupo de crianças. Os idosos correm um risco ainda maior. Se dependentes exclusivamente do Serviço Público, que oferece a vacina apenas para crianças, estarão sujeitos ao desenvolvimento da infecção e são também propensos a ter complicações da doença, devido à baixa imunidade. Sintomas O período de manifestação da coqueluche varia entre sete e 17 dias. Os sintomas duram cerca de seis semanas e podem ser divididos em três estágios: Catarral - período que dura uma ou duas semanas, no qual há febre baixa, coriza, espirros, lacrimejamento, falta de apetite, mal-estar e tosse noturna. Sintomas que, nessa fase, podem ser confundidos com os da gripe e resfriados comuns. Paroxístico - estágio de duas semanas, em que ocorrem acessos de tosse paroxística, ou seja, tosse seca e repentina, incontrolável, com tossidas rápidas e curtas em uma única expiração, ou espasmódicas (involuntárias). De início esses episódios são breves, mas ocorrem um atrás do outro, sem que o indivíduo tenha condições de respirar entre eles. A inspiração profunda, entre uma tosse e outra, pode provocar um ruído agudo, semelhante ao de um guincho. A falta de ar pode deixar a face azulada (cianose) e ainda provocar vômitos. Convalescença - etapa final da doença, na qual o organismo começa a se restabelecer. Em geral, a partir da quarta semana os sintomas vão regredindo até desaparecerem completamente. Diagnóstico Na maioria dos casos o diagnóstico é clínico, ou seja, obtido através da avaliação dos sintomas e queixas apresentadas. Exames laboratoriais podem ajudar a determinar a presença da bactéria Bordetella Pertussis, através da análise de secreções da nasofaringe, parte interna do nariz. Complicações A coqueluche pode evoluir para quadros graves principalmente nas crianças lactentes e nos idosos, causando complicações respiratórias como a pneumonia e outras complicações neurológicas, hemorrágicas e desidratação. Tratamento O tratamento geralmente é ambulatorial e feito em casa, com acompanhamento médico. O paciente faz uso de antibióticos que devem ser tomados por um período de 14 dias sem intervalo. Caso haja complicações e o paciente precise de suporte de oxigênio e alimentação por via que não seja a oral, será necessária a internação. De acordo com a Associação Brasileira de Imunizações (SBIm), todas as pessoas que tiveram contatos próximos com infectados, como os familiares, amigos, colegas de escola ou de trabalho, devem receber uma dose da vacina dtpa, que previne contra difteria, tétano e coqueluche. A vacina dtpa é encontrada apenas em clínicas particulares. Fontes: Site do Dráuzio Varella, Site da Sociedade Brasileira de Infectologia e Portal da Saúde. 14

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS ORIENTAÇÃO AOS PEDAGOGOS Todas as informações constantes nesta cartilha devem ser levadas ao conhecimento de todos os alunos,

Leia mais

Influenza. João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina)

Influenza. João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina) Influenza João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina) O que éinfluenza Também conhecida como gripe, a influenza éuma infecção do sistema respiratório

Leia mais

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção A gripe é uma doença causada pelo vírus da Influenza, que ocorre predominantemente nos meses mais frios do ano. Esse vírus apresenta diferentes subtipos que produzem a chamada gripe ou influenza sazonal.

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

Gripe Suína ou Influenza A (H1N1)

Gripe Suína ou Influenza A (H1N1) Gripe Suína ou Influenza A (H1N1) Perguntas e respostas 1. O que é Gripe Suína ou Influenza A (H1N1)? 2. A gripe causada pelo Influenza A (H1N1) é contagiosa? 3. Quem pode adoecer pela nova gripe causada

Leia mais

Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1

Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 DOCUMENTO PARA O PÚBLICO EM GERAL Coordenação: Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) Associação Médica Brasileira (AMB) Apoio e participação:

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

Gripe H1N1 ou Influenza A

Gripe H1N1 ou Influenza A Gripe H1N1 ou Influenza A A gripe H1N1 é uma doença causada por vírus, que é uma combinação dos vírus da gripe normal, da aviária e da suína. Essa gripe é diferente da gripe normal por ser altamente contagiosa

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

Adultos e idosos também precisam se vacinar

Adultos e idosos também precisam se vacinar ANO VII N.º 10 Abril 2013 Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Adultos e idosos também precisam se vacinar Na hora de cuidar da própria saúde, muitos adultos e idosos não dão importância

Leia mais

Quinta Edição/2015 Quinta Região de Polícia Militar - Quarta Companhia Independente

Quinta Edição/2015 Quinta Região de Polícia Militar - Quarta Companhia Independente GRIPE X RESFRIADO GRIPE e RESFRIADO são as mesmas coisas? Não. A gripe é uma doença grave, contagiosa, causada pelo vírus Influenza (tipos A,B e C) e o resfriado é menos agressivo e de menor duração, causado

Leia mais

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos 1 O que é? A bronquiolite é uma doença que se carateriza por uma inflamação nos bronquíolos e que, geralmente,

Leia mais

INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS

INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS Fazer de cada dia um dia melhor Informe-se e proteja a sua saúde e a de sua família. Talvez você esteja inseguro com tantas informações

Leia mais

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada.

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada. Influenza A H1N1 /GRIPE SUÍNA PERGUNTAS E RESPOSTAS: PERGUNTA 1. Quanto tempo o vírus da gripe suína permanece vivo numa maçaneta ou superfície lisa? 2. O álcool em gel é útil para limpar as mãos? 3. Qual

Leia mais

PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA

PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA O estudo do sistema imune (proteção) surgiu no início do século 20, com futuro muito promissor, mas isto não se confirmou de imediato. Os fenômenos imunológicos

Leia mais

GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ

GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ A asma, que afeta 7% das grávidas, é uma doença comum que potencialmente pode complicar, mas, quando é bem controlada, não representa risco significativo para

Leia mais

Informativo Empresarial Especial

Informativo Empresarial Especial Informativo Empresarial Especial Gripe Suína Plano de Contingência Empresarial A Gripe Influenza A H1N1 e o Transporte Rodoviário A gripe que ficou conhecida como gripe suína é causada por vírus que se

Leia mais

Informações aos Pais sobre a Gripe nas Creches

Informações aos Pais sobre a Gripe nas Creches The Commonwealth of Massachusetts Executive Office of Health and Human Services Department of Public Health Informações aos Pais sobre a Gripe nas Creches 18 de setembro, 2009 A gripe H1N1 (suína) voltará

Leia mais

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR?

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? O NÚMERO DE PESSOAS AFETADAS POR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EVITÁVEIS NÃO PÁRA DE AUMENTAR. AS CRIANÇAS E OS MAIS VELHOS SÃO OS MAIS ATINGIDOS. SÃO DOENÇAS

Leia mais

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Prevenir é o melhor remédio para uma boa saúde, evitando-se as doenças e suas complicações. Problemas respiratórios, por exemplo, podem se tornar

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO]

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] 2 Complexo Respiratório Viral Felino É um conjunto de sintomas causado pelas doenças Rinotraqueíte Felina e Calicivirose Felina. São doenças virais cujos sinais clínicos

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Técnico em Enfermagem

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Técnico em Enfermagem INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Técnico em Enfermagem JUNIEL PEREIRA BRITO A INFLUEZA A-H1N1 Debate e Prevenção MUZAMBINHO 2010 JUNIEL

Leia mais

Rede Pública ou Particular?

Rede Pública ou Particular? Vacinar seu filho na feito com carinho para você ganhar tempo! Rede Pública ou Particular? guia rápido das vacinas e principais diferenças Um guia de utilidade pública com as fichas de 10 vacinas para

Leia mais

Sinais de alerta perante os quais deve recorrer à urgência:

Sinais de alerta perante os quais deve recorrer à urgência: Kit informativo Gripe Sazonal A gripe Sazonal é uma doença respiratória infeciosa aguda e contagiosa, provocada pelo vírus Influenza. É uma doença sazonal benigna e ocorre em todo o mundo, em especial,

Leia mais

Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de

Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de Enfrentamento da Influenza A H1N1 elaborou esta cartilha com

Leia mais

INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral

INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial

Leia mais

FEBRE AMARELA: Informações Úteis

FEBRE AMARELA: Informações Úteis FEBRE AMARELA: Informações Úteis Quando aparecem os sintomas? Os sintomas da febre amarela, em geral, aparecem entre o terceiro e o sexto dia após a picada do mosquito. Quais os sintomas? Os sintomas são:

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

Gripe A (H1N1) de origem suína

Gripe A (H1N1) de origem suína Gripe A (H1N1) de origem suína A gripe é caracterizada como uma doença infecciosa com alto potencial de contagio causado pelo vírus Influenza. Este vírus apresenta três tipos, sendo eles o A, B e C. Observam-se

Leia mais

ATCHIM!! Gripe Suína. Influenza A. Conheça essa doença que está assustando todo mundo...

ATCHIM!! Gripe Suína. Influenza A. Conheça essa doença que está assustando todo mundo... ATCHIM!! Gripe Suína Influenza A Conheça essa doença que está assustando todo mundo... Coordenadoria de Assistência Social da Universidade de São Paulo Divisão de Promoção Social Educação em Saúde São

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR

HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR HC UFPR COMITÊ DE INFLUENZA SUÍNA 27 de abril DIREÇÃO DE ASSISTÊNCIA SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA INFECTOLOGIA CLÍNICA - ADULTO E PEDIÁTRICA SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

Traduzido por: Edson Alves de Moura Filho e-mail: edson.moura@saude.gov.br

Traduzido por: Edson Alves de Moura Filho e-mail: edson.moura@saude.gov.br A Doença Do Boletim Epidemiológico, Vol 22, nº 3, setembro de 2001 Influenza: Aspectos Epidemiológicos Básicos para o Desenvolvimento de Vacinas A influenza (a flu ) é uma dos mais notórios achaques (doença

Leia mais

Orientações para cuidado em casa com pessoas suspeitas ou confirmadas de Gripe por Influenza A H1N1(Gripe A)

Orientações para cuidado em casa com pessoas suspeitas ou confirmadas de Gripe por Influenza A H1N1(Gripe A) Orientações para cuidado em casa com pessoas suspeitas ou confirmadas de Gripe por Influenza A H1N1(Gripe A) Essas são recomendações do CDC (Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos) sobre o tempo

Leia mais

Nota Técnica Varicela 2012

Nota Técnica Varicela 2012 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

Gripe por Influenza A H1N1 *

Gripe por Influenza A H1N1 * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, maio de 2009. Gripe por Influenza A H1N1 * Informações básicas O que é Gripe por Influenza A H1N1? A gripe por Influenza A H1N1 (Suína) é uma doença

Leia mais

Aulas só reiniciarão no dia 31 de agosto

Aulas só reiniciarão no dia 31 de agosto Informativo eletrônico do IFRS Campus Sertão Ano 01 Edição 1 Agosto de 2009 Aulas só reiniciarão no dia 31 de agosto Docentes decidiram protelar a volta às aulas de 17 para 31 de agosto em reunião na manhã

Leia mais

Cartilha da Influenza A (H1N1)

Cartilha da Influenza A (H1N1) Cartilha da Influenza A (H1N1) Agosto 2009 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SECRETARIA ADJUNTA DE ATENÇÃO INTEGRADA Á SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Micarla de Sousa Prefeita da Cidade do Natal

Leia mais

NOTA TÉCNICA N o 014/2012

NOTA TÉCNICA N o 014/2012 NOTA TÉCNICA N o 014/2012 Brasília, 28 de agosto de 2012. ÁREA: Área Técnica em Saúde TÍTULO: Alerta sobre o vírus H1N1 REFERÊNCIA(S): Protocolo de Vigilância Epidemiológica da Influenza Pandêmica (H1N1)

Leia mais

-.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS"

-.BORDETELOSE CANINA TOSSE DOS CANIS -.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS" A bactéria Bordetella bronchiséptica é a causa primária da traqueobronquite infecciosa canina (tosse dos canis).embora a tosse dos canis seja a manifestação clínica

Leia mais

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES DÚVIDAS MAIS FREQUENTES O Departamento Médico da FAPES selecionou as perguntas mais frequentes sobre a Vacinação contra a Gripe, visando minimizar as dúvidas dos participantes da campanha 2016. SOBRE AS

Leia mais

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Criado em 22/04/15 10h50 e atualizado em 22/04/15 11h27 Por Sociedade Brasileira de Pediatria Para se ter sucesso no tratamento da criança alérgica ou

Leia mais

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ,

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ, VACINAÇÃO DE GESTANTES Isabella Ballalai (MD) Diretora Médica da VACCINI - Clínica de Vacinação Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ Edimilson Migowski (MD, PhD, MSc) Professor Adjunto de

Leia mais

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014:

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: O Estado de São Paulo reforça a recomendação para que todos os GVE mantenham os municípios de sua área de abrangência em TOTAL ALERTA

Leia mais

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Para entender a influenza: perguntas e respostas A comunicação tem espaço fundamental na luta contra qualquer doença. Um exemplo é o caso do enfrentamento da influenza

Leia mais

Boletim Epidemiológico Volume 01, Nº 2, 04 de Julho 2013.

Boletim Epidemiológico Volume 01, Nº 2, 04 de Julho 2013. Boletim Epidemiológico Volume 0, Nº 2, 04 de Julho 20. Influenza O controle da Influenza no país continua sendo feito por monitoramento - vigilância de Síndrome Gripal (SG) e da Síndrome Respiratória Aguda

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Página 1 / 8 1. Situação Epidemiológica do Sarampo Diferentes regiões do mundo estão definindo metas para a eliminação do sarampo e da rubéola até o ano de 2015. No entanto, surtos recentes de sarampo

Leia mais

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico:

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico: Questionário de avaliação para vacinação de [ Endereço Nome da criança Nome do pai/mãe/responsável M F ポルトガル 語 版 Formulário 2 ] (bebês/crianças em idade escolar) Temperatura corporal antes da entrevista

Leia mais

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA Regina Lúcia Dalla Torre Silva 1 ; Marcia helena Freire Orlandi

Leia mais

GRIPE sempre deve ser combatida

GRIPE sempre deve ser combatida GRIPE sempre deve ser combatida Aviária Estacional H1N1 SAZONAL suína GRIPE = INFLUENZA Que é a INFLUENZA SAZONAL? É uma doença própria do ser humano e se apresenta principalmente durante os meses de inverno

Leia mais

Aula 12: Doenças do sistema respiratório

Aula 12: Doenças do sistema respiratório Aula 12: Doenças do sistema respiratório Doenças do sistema respiratório Doenças respiratórias são aquelas que atingem órgãos do sistema respiratório (pulmões, boca, faringe, fossas nasais, laringe, brônquios,

Leia mais

Informe Técnico - SARAMPO nº2 /2010 Atualização da Situação Epidemiológica

Informe Técnico - SARAMPO nº2 /2010 Atualização da Situação Epidemiológica 1 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC Av. Dr. Arnaldo, 351-6º andar SP/SP CEP: 01246-000 Fone: (11)3082-0957 Fax:

Leia mais

Novo inverno com infecções respiratórias antigas

Novo inverno com infecções respiratórias antigas EXPEDIENTE EDITORIAL Diretoria José Roberto Zimmerman CRM 52.13458-0 Milton Galper Posener CRM 52.13695-2 Leonardo Ferreira Zimmerman CRM 52.77204-6 Rogério Nogueira de Melo CRM 52.56012-8 Índice ENTREVISTA

Leia mais

INFLUENZA. Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD

INFLUENZA. Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD INFLUENZA Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD GRIPE x RESFRIADO Resfriado: é uma doença do trato respiratório superior. É geralmente causada por um vírus, mais freqüentemente um rhinovirus

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS PARA CASOS DE DVE. Maria Inês Pinheiro Costa

GESTÃO DE RISCOS PARA CASOS DE DVE. Maria Inês Pinheiro Costa GESTÃO DE RISCOS PARA CASOS DE DVE Maria Inês Pinheiro Costa O problema... O problema... Podemos afirmar? Não há nenhum caso suspeito ou confirmado da doença no país. Anvisa e Ministério recomendaram mais

Leia mais

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais.

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Fonte: Agência Fiocruz 1. Há casos de influenza A (H1N1) no Brasil? Não. Até

Leia mais

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE DENGUE O que é? A dengue é uma doença febril aguda, causada por vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti (Brasil e Américas) e Aedes albopictus (Ásia). Tem caráter epidêmico, ou seja, atinge um grande

Leia mais

- Sazonalidade: A infecção por Influenza ocorre durante todo o ano, mas é mais frequente nos meses de outono e inverno.

- Sazonalidade: A infecção por Influenza ocorre durante todo o ano, mas é mais frequente nos meses de outono e inverno. Características clínicas da influenza - Sazonalidade: A infecção por Influenza ocorre durante todo o ano, mas é mais frequente nos meses de outono e inverno. - Incubação: um a quatro dias. - Transmissibilidade:

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório 2015 Orientações gerais para as famílias Ambulatório Orientações gerais para as famílias O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de uma médica, uma enfermeira e uma auxiliar de enfermagem, para oferecer

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica Estado de São Paulo, Maio 2014:

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica Estado de São Paulo, Maio 2014: ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica Estado de São Paulo, Maio 2014: Definição de caso suspeito de sarampo: Todo paciente que, independente da idade e da situação vacinal, apresentar febre

Leia mais

Será que é influenza (gripe)? Quem tem sintomas de febre repentina, tosse e dor de garganta. Guia de consulta e Cuidado. (Tradução Provisória)

Será que é influenza (gripe)? Quem tem sintomas de febre repentina, tosse e dor de garganta. Guia de consulta e Cuidado. (Tradução Provisória) Será que é influenza (gripe)? Quem tem sintomas de febre repentina, tosse e dor de garganta. Guia de consulta e Cuidado (Tradução Provisória) Introdução: O outono é a estação do ano mais propícia para

Leia mais

Medidas de Controle e Prevenção da Infecção

Medidas de Controle e Prevenção da Infecção Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Protocolos Influenza A (H1N1) Medidas de Controle e Prevenção da Infecção Porta

Leia mais

LOPPIANO ENGENHARIA LTDA. Rua dos Andradas, 107 - Centro 13300-170 - Itu SP Fone: (11) 4022-7415 DENGUE

LOPPIANO ENGENHARIA LTDA. Rua dos Andradas, 107 - Centro 13300-170 - Itu SP Fone: (11) 4022-7415 DENGUE DENGUE A palavra dengue tem origem espanhola e quer dizer "melindre", "manha". O nome faz referência ao estado de moleza e prostração em que fica a pessoa contaminada pelo arbovírus (abreviatura do inglês

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório Ambulatório O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de uma médica, uma enfermeira e uma auxiliar de enfermagem para oferecer o primeiro atendimento aos alunos e funcionários. O primeiro atendimento

Leia mais

Gripe H1N1, o que a Escola precisa saber!

Gripe H1N1, o que a Escola precisa saber! 1 Gripe H1N1, o que a Escola precisa saber! O que é a gripe H1N1? A gripe H1N1, também conhecida como gripe A, é uma doença respiratória infecciosa de origem viral, que pode levar ao agravamento e ao óbito,

Leia mais

SAIBA MAIS SOBRE A GRIPE A (H1N1)

SAIBA MAIS SOBRE A GRIPE A (H1N1) - TRANSMISSÃO SAIBA MAIS SOBRE A GRIPE A (H1N1) O vírus se propaga por gotículas que o doente elimina pela secreção nasal ou saliva ao tossir, falar ou espirrar. Essas gotículas podem ficar em suspensão

Leia mais

ANO: 02 Nº 01 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTANA DO IPANEMA AL JANEIRO Á JUNHO - 2008

ANO: 02 Nº 01 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTANA DO IPANEMA AL JANEIRO Á JUNHO - 2008 ANO: 02 Nº 01 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTANA DO IPANEMA AL JANEIRO Á JUNHO - 2008 Informe Este informe tem como objetivo fornecer informação semestral sobre a ocorrência de doenças de notificação

Leia mais

'FORTALEZA CAMARA MUNICIPAL DE REQUERIMENTO N O5 3 9 / 2 O 1 3

'FORTALEZA CAMARA MUNICIPAL DE REQUERIMENTO N O5 3 9 / 2 O 1 3 CAMARA MUNICIPAL DE 'FORTALEZA REQUERIMENTO N O5 3 9 / 2 O 1 3 Requer a transcrição da reportagem do Jornal "O Estado"" do dia 20 de fevereiro de 2013, intitulada "Chuvas trazem risco de contágio de doenças"

Leia mais

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes Sarampo Introdução O sarampo é uma doença infecciosa aguda de alta transmissibilidade, causada por um vírus da família Paramixoviridae, gênero Morbillivirus A transmissão ocorre através de secreções e

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

Pesquisa Etiológica. Exame específico

Pesquisa Etiológica. Exame específico Influenza A (H1N1) O vírus A Influenza A(H1 N1) é uma doença respiratória e a transmissão ocorre de pessoa a pessoa, principalmente por meio de tosse, espirro ou de contato com secreções respiratórias

Leia mais

Gripe. Responsável por elevada morbilidade e aumento da mortalidade

Gripe. Responsável por elevada morbilidade e aumento da mortalidade Da Gripe Sazonal à Gripe Pandémica Gripe Doença a respiratória ria aguda transmissível Carácter epidémico Responsável por elevada morbilidade e aumento da mortalidade O Vírus V da Gripe 3 tipos: A, B,

Leia mais

cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999

cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. Xarope Pediátrico 3 mg/ml Xarope Adulto 6 mg/ml Modelo de Bula para Paciente IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

SAÚDE.sempre. Gripe. newsletter. medidas de auto cuidado. Secretaria Regional dos Assuntos Sociais

SAÚDE.sempre. Gripe. newsletter. medidas de auto cuidado. Secretaria Regional dos Assuntos Sociais Janeiro * 2014 Instituto de Administração da Saúde e Assuntos Sociais, IP-RAM Gripe medidas de auto cuidado newsletter Secretaria Regional dos Assuntos Sociais Ficha Técnica Newsletter - Janeiro de 2014

Leia mais

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com VIROSES Prof. Edilson Soares www.profedilson.com CATAPORA OU VARICELA TRANSMISSÃO Saliva Objetos contaminados SINTOMAS Feridas no corpo PROFILAXIA Vacinação HERPES SIMPLES LABIAL TRANSMISSÃO Contato

Leia mais

II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013

II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013 1 INDICADORES MUNICIPAIS DE SAÚDE II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013 Ago/2013 2 INTRODUÇÃO A Vigilância em Saúde tem como objetivo a análise permanente da situação de saúde

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

Doenças e procedimentos que desconhecemos...

Doenças e procedimentos que desconhecemos... EXPEDIENTE EDITORIAL Diretoria José Roberto Zimmerman CRM 52.13458-0 Milton Galper Posener CRM 52.13695-2 Rogério Nogueira de Melo CRM 52.56012-8 Silnice Quintela Administradora Índice ENTREVISTA Não tem

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE SARAMPO

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE SARAMPO MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE SARAMPO 25 de março de 2014 Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Conteúdo Contexto atual Objetivos Manifestações clínicas e definições utilizadas Diagnóstico diferencial

Leia mais

DOENÇAS PREVENÍVEIS NA INFÂNCIA.

DOENÇAS PREVENÍVEIS NA INFÂNCIA. DOENÇAS PREVENÍVEIS NA INFÂNCIA. Calendário de Vacinação da CRIANÇA Comentários numerados Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações devem ser consultados. (SBIm) - 2014/2015 CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO

Leia mais

15ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe

15ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe 15ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe O que é a gripe? A influenza (gripe) é uma infecção viral que afeta principalmente nariz, garganta, brônquios e, ocasionalmente, os pulmões. A infecção

Leia mais

PROCEDIMENTOS RELATIVOS À GRIPE A (H1N1) PARA AS COMPETIÇÕES DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL

PROCEDIMENTOS RELATIVOS À GRIPE A (H1N1) PARA AS COMPETIÇÕES DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL COMUNICADO OFICIAL N.: 193 DATA: 2009.11.20 PROCEDIMENTOS RELATIVOS À GRIPE A (H1N1) PARA AS COMPETIÇÕES DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL Para conhecimento dos Sócios Ordinários, Clubes, Sad s e demais

Leia mais

Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar. Informação para alunos e Pais

Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar. Informação para alunos e Pais Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar Informação para alunos e Pais O que éo vírus da Gripe A(H1N1)v? O vírus A(H1N1)v é um novo vírus da gripe, que afecta os seres humanos. Esta nova estirpe,

Leia mais

Hepatites Virais 27/07/2011

Hepatites Virais 27/07/2011 SOCIEDADE DIVINA PROVIDÊNCIA Hospital Nossa Senhora da Conceição Educação Semana Continuada de Luta Contra em CCIH as Hepatites Virais 27/07/2011 Enfº Rodrigo Cascaes Theodoro Enfº CCIH Rodrigo Cascaes

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

GRIPE SUÍNA PERGUNTAS E RESPOSTAS: Até 10 horas.

GRIPE SUÍNA PERGUNTAS E RESPOSTAS: Até 10 horas. GRIPE SUÍNA PERGUNTAS E RESPOSTAS: PERGUNTA 1.- Quanto tempo dura vivo o vírus suíno numa maçaneta ou superfície lisa? 2. - Quão útil é o álcool em gel para limpar-se as mãos? 3.- Qual é a forma de contágio

Leia mais

Influenza humana: perguntas e respostas

Influenza humana: perguntas e respostas Influenza humana: perguntas e respostas 1. O que é influenza? 2. Resfriado e influenza (gripe) são a mesma coisa? 3. Existem outras doenças que podem ser confundidas com a influenza? 4. Qual o agente causador

Leia mais

Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 15

Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 15 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 15 Ariane Guerra Fernandes 1 Layanne Kelly Lima de Carvalho Rego 1 Liessia Thays de Araújo 1 Selonia Patrícia Oliveira

Leia mais

EXPEDIENTE. Índice ENTREVISTA. COMPORTAMENTO Poluição em grandes cidades pode provocar bronquite urbana

EXPEDIENTE. Índice ENTREVISTA. COMPORTAMENTO Poluição em grandes cidades pode provocar bronquite urbana EXPEDIENTE Diretoria José Roberto Zimmerman CRM 52.13458-0 Milton Galper Posener CRM 52.13695-2 Leonardo Ferreira Zimmerman CRM 52.77204-6 Rogério Nogueira de Melo CRM 52.56012-8 Silnice Quintela Administradora

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2014 - SESI RS

TERMO DE REFERÊNCIA CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2014 - SESI RS TERMO DE REFERÊNCIA CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2014 - SESI RS O SESI-RS - Serviço Social da Indústria do Rio Grande do Sul divulga a Campanha de Vacinação contra a Gripe 2014, vinculada ao Programa

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Viva intensamente. Cuide-se DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nossos órgãos internos HÁBITOS SAUDÁVEIS Para se ter qualidade com aumento da expectativa de vida,precisa-se manter hábitos saudáveis: Alimentação balanceada

Leia mais

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 Medidas de prevenção: Higienizar as mãos com água e sabonete/sabão antes

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares.

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Dengue Dengue Agente Infectante Arbovirus Vetor / Transmissão Picada do mosquito Aedes Aegypti Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Profilaxia

Leia mais

Tuberculose, o que é?

Tuberculose, o que é? Tuberculose, o que é? P Á T R I A E D U C A D O R A O que é tuberculose? A tuberculose é uma doença infecciosa causada por um micróbio visível apenas ao microscópio chamado bacilo de Koch. Uma doença causada

Leia mais