APLICAÇÕES CARDIOVASCULARES EUA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICAÇÕES CARDIOVASCULARES EUA"

Transcrição

1 APLICAÇÕES CARDIOVASCULARES EUA nº total de implantes anual válvulas cardíacas (mecânicas e biológicas) pacemakers próteses vasculares Bypass (= oxigenadores ou cardiopulmonar bypass) Outros sistemas Bombas intra-aorta Dispositivos ventriculares 400 Corações artificiais 17

2 Materiais usados propriedades mecânicas e biocompatíveis Interacções sangue-material: Interacções que afectam o material, mas podem ou não ter um efeito indesejável sobre o sujeito 1. Adsorção de lípidos ou cálcio sobre a superfície do dispositivo 2. Adesão de plaquetas na superfície do dispositivo 3. Formação de cápsula de tecido na superfície exterior do dispositivo 4. Alterações das propriedades mecânicas ou outras dos dispositivos b) Interacções que têm um efeito indesejável no sujeito 1. Formação de coágulos na superfície do dispositivo (trombose) 2. Danificação das células sanguíneas que circulam no dispositivo resultando em anemia 3. Danificação das células e dos tecidos adjacentes aos dispositivos

3 BYPASS CARDIOPULMONAR =CPB Função: bombear sangue não oxigenado do lado direito do coração através de um oxigenador sintético (em vez dos pulmões) e devolver o sangue oxigenado ao sistema circulatório

4 CPB usado pelos cirurgiões para: reparar defeitos congénitos das paredes do coração fazer bypass das artérias coronárias (colocar prótese vascular nas artérias) permitir a continuação da vida em doentes com graves danos no coração ou pulmões (Ex: embolia pulmonar) CPB formado por: Dispositivo de troca gasosa (oxigenado) Bombas para mover o sangue dispositivos para trocas de calor linhas de sucção Tubos filtros Outros materiais membranas = elastómero de silicone Oxigenadores: Bolha ou Membrana Membrana de fibras ocas = polipropileno microporoso O sangue passe pela superfície exterior das fibras embebidas em poliuretano. No interior do dispositivo em contacto com o sangue estão tubos de Al revestidos com resina epoxídica (trocas de calor) Não existem materiais sintéticos que sejam totalmente trombo resistentes uso de anticoagulantes como a heparina (na superfície)

5 Válvulas cardíacas: mecânicas ou biológicas Válvulas mecânicas: elastómero de silicone, ligas cobalto-crómio, titânio, carbono pirolítico, PTFE Tromboembolismo em 2-5% dos pacientes terapia continua de anticoagulantes - PTFE=aro exterior - Carbono pirolítico=aro interior - Ligas Co-Cr=restante Si adicionado ao carbono isotrópo para aumentar resistência mecânica e ao desgaste

6 Válvulas biológicas: Feitas de materiais de origem biológica: a partir de cadáveres humanos a partir de tecidos de outras espécies (Ex: suínos ou bovinos) problemas (deterioração ao fim de 10 anos e calcificação)

7 biológicas Próteses vasculares: sintécticas Biológicas- Ex: retirar artéria abaixo do joelho e usar em bypass coronário, renal ou de artérias periféricas Maior duração que próteses sintécticas Ex: pacientes/ano USA Sintécticas é necessário usar em casos: 1) substituir ou bypass da aorta que ficou estreita ou sofreu aneurisma 2) performance insatisfatória das homopróteses 3)se não houver veia para prótese coronária ou outra artéria

8 Sintécticas PTFE (TEFLON) ou DRACON PTFE: -boa resistência à tracção (resiste à pressão sanguínea) -baixa incidência de trombose - usado para próteses com diâmetros 4mm; caso contrário riscos de coagulação do sangue DRACON: -usado para locais com diâmetros superiores a 4mm -é o material mais usado em próteses vasculares -impregnado com colagéneo -forma-se cápsula fibrosa à volta da prótese -usa-se heparina para evitar coagulação de sangue- trombose

9 EXTENSORES= STENT = serve como estrutura temporária para aumentar o diâmetro usado em angioplastia de balão =substituição de artéria coronária por oposição ao bypass=nova artéria alternativa por onde passa o sangue 4 tipos de design: design em espiral com um diâmetro pequeno e depois expande quando o constrangimento é removido extensores em Nitinol = liga metálica com memória de forma que varia com o aquecimento extensores tipo balão que funcionam devido à deformação plástica extensores de polímeros biodegradáveis Extensores boa resistência à flexão, torção, biocompatíveis

10 Extensores de artéria coronária em balão

11 Catéteres: = tubagem colocada em artérias ou veias São usados para: administrar fluidos (medicamentos, glucose) retirar amostras de sangue hemodiálise, quimioterapia como têm diâmetros muito pequenos riscos de obstrução; na superfície têm heparina elastómeros de poliuretano e silicone

12 PACEMAKERS= sincronizadores de ritmo cardíaco regularizam o ritmo cardíaco pessoas/eua possuem um pacemaker

13 PACEMAKER- consiste num gerador de pulso com eléctrodos e bateria. o gerador de pulso comunica com o exterior o gerador de pulso está fechado numa caixa de Ti é implantado debaixo da pele, abaixo da clavícula ou do abdomem superior os eléctrodos são de Pt, Ag, Ti, aço inox ou ligas de cobalto duração da bateria 10 anos Ligação = poliéter+poliuretano encapsulado por Ti Parafusos = liga TiAlV isolados por alumina Ligação= flexível, não corrosiva, condutor eléctrico: sofre as flexões das contracções cardíacas (30-40 milhões/ano)

14 Bomba intra-aorta = Balão cilíndrico de poliuretano colocado na aorta descendente através da aorta fémural e ligado por um catéter a uma bomba exterior. O balão enche durante a diástole (= período de relaxação e dilatação do coração) para bombear o sangue da aorta O balão contrai antes da sístole (= período de contracção do coração) Permite ao coração trabalhar com menos volume ; o objectivo é reduzir o trabalho do coração Usado após cirurgias cardíacas

15 Componentes de assistência ventricular e coração artificial usados quando o coração falha de forma irreversível e não é possível transplante (não há corações disponíveis) implante de componente de assistência ventricular ou de coração artificial até ser possível o transplante (duração = semanas) muito complicado; muitos materiais usados (poliuretano, Ti, Dracon, Silicone..)

DICIONÁRIO DE TERMOS DA HEMODINÂMICA

DICIONÁRIO DE TERMOS DA HEMODINÂMICA DICIONÁRIO DE TERMOS DA HEMODINÂMICA Aneurisma: dilatação e protusão localizada da parede de um vaso (principalmente artéria) ou do coração, decorrente de uma fragilidade estrutural local. Angina: também

Leia mais

Conheça alguns termos comumente utilizados na Hemodinâmica

Conheça alguns termos comumente utilizados na Hemodinâmica Conheça alguns termos comumente utilizados na Hemodinâmica O QUE É CATETERISMO CARDÍACO? O Cateterismo Cardíaco é um procedimento realizado com o objetivo de diagnosticar e/ou tratar inúmeras patologias

Leia mais

Tecnologias Associadas às Aplicações Industriais Biomateriais Poliméricos Dionatan Arruda João Paulo Luiz Otávio Pedro Eugênio Trabalho desenvolvido durante a disciplina CTT211 Ciência e Tecnologia dos

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

ANALISADORES DE GASES

ANALISADORES DE GASES BGM BOMBA DE SUCÇÃO SÉRIE COMPACTA ANALISADORES DE GASES Descrição: Gera uma depressão no processo, succionando a amostra e criando a vazão exata para atender o tempo necessário de condicionamento do gás

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Texto de apoio ao professor T3 Nesta aula irá estudar-de o ciclo cardíaco (diástole, sístole, pressão sanguínea e arterial) e os meios utilizados para o diagnóstico e prevenção de anomalias que possam

Leia mais

ARTÉRIAS E VEIAS. Liga Acadêmica de Anatomia Clínica. Hugo Bastos. Aula III

ARTÉRIAS E VEIAS. Liga Acadêmica de Anatomia Clínica. Hugo Bastos. Aula III ARTÉRIAS E VEIAS Aula III Liga Acadêmica de Anatomia Clínica Hugo Bastos Salvador BA 23 de Agosto de 2011 Sistema circulatório Responsável pelo transporte de líquidos (sangue ou linfa) por todo o corpo.

Leia mais

LONA DE FREIO PEÇAS ESPECIAIS

LONA DE FREIO PEÇAS ESPECIAIS GAXETAS SECAS MANTA E TECIDO DE FIBRA CERÂMICA GAXETAS IMPREGNADAS FITAS CORTIÇA J U N T A E S P I R A L A D A FELTRO J U N T A D E V E D A Ç Ã O PAPELÃO HIDRAÚLICO F I T A P A T E N T E T E F L O N JUNTA

Leia mais

RELAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E INSUMOS DESTINADOS A PRESTAÇÃO DE SAÚDE (Art. 5 o, Inciso XXXVII) (Convênio ICMS 80/02)

RELAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E INSUMOS DESTINADOS A PRESTAÇÃO DE SAÚDE (Art. 5 o, Inciso XXXVII) (Convênio ICMS 80/02) ANEXO XIV - REVOGADO; (Redação dada pelo Decreto 2.306, de 20.12.04) ANEXO XIV RELAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E INSUMOS DESTINADOS A PRESTAÇÃO DE SAÚDE (Art. 5 o, Inciso XXXVII) (Convênio ICMS 80/02) ITEM NCM

Leia mais

Testando Nanotubos de Carbono : Sensores de Gás

Testando Nanotubos de Carbono : Sensores de Gás 5 Testando Nanotubos de Carbono : Sensores de Gás Nos últimos anos a investigação da estrutura eletrônica de nanotubos de carbono têm atraído crescente interesse, e recentemente a síntese de nanotubos

Leia mais

O SANGUE. Constituintes do Sangue e suas funções

O SANGUE. Constituintes do Sangue e suas funções O SANGUE Constituintes do Sangue e suas funções AS HEMÁCIAS OU GLÓBULOS VERMELHOS Células sanguíneas sem núcleo que contém hemoglobina, que é a substância responsável pela cor vermelha. São as células

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR)

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) REVISÃO DE DOENÇA DE ARTÉRIA CORONÁRIA Seu coração é uma bomba muscular poderosa. Ele é

Leia mais

PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE

PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE Hemodinâmica = princípios que governam o fluxo sanguíneo, no sistema cardiovascular. Fluxo, Pressão, resistência e capacitância*: do fluxo

Leia mais

Intervenções percutâneas. Tratamento das obstruções da via de saída do Ventrículo Esquerdo

Intervenções percutâneas. Tratamento das obstruções da via de saída do Ventrículo Esquerdo Intervenções percutâneas Tratamento das obstruções da via de saída do Ventrículo Esquerdo Célia Maria C. Silva Declaro que não existe conflito de interesse nesta minha apresentação Estenose Valvar Aórtica

Leia mais

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO 08/10/2008 ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO PLASMA: CELULAR:

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO 08/10/2008 ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO PLASMA: CELULAR: FISIOLOGIA DO SANGUE Sistema Circulatório PLASMA: semelhante ao líquido intersticial PROTEÍNAS PLASMÁTICAS Albumina pressão coloidosmótica Globulinas transporte e substrato imunidade, anticorpos Fibrinogênio

Leia mais

Com base no resultado da ata anterior o Pregoeiro considera FRACASSADO o item: Unid. Med. Qtd 912335 - CLIP DE TITÂNIO PARA NEUROCIRURGIA

Com base no resultado da ata anterior o Pregoeiro considera FRACASSADO o item: Unid. Med. Qtd 912335 - CLIP DE TITÂNIO PARA NEUROCIRURGIA PREGÃO ELETRÔNICO S.R.P N.º 036/2015 AQUISIÇÃO DE MATERIAIS ESPECIAIS E CLIPES PARA TRATAMENTO DE ANEURISMA CEREBRAL, CONSTANTES NA TABELA SIGTAP/SUS, AOS PACIENTES DO HOSPITAL MUNICIPAL SÃO JOSÉ. ADJUDICAÇÃO

Leia mais

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Serviço de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista Hospital São Paulo Hospital do Rim e Hipertensão UNIFESP - EPM Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Eduardo Rodrigues

Leia mais

Manual de Instruções de Serviço DIAMOND Rodding Robot Model 3080 T

Manual de Instruções de Serviço DIAMOND Rodding Robot Model 3080 T Manual de Instruções de Serviço DIAMOND Rodding Robot Model 3080 T Para a limpeza eficiente das entradas de ar das caldeiras de recuperação na industria da celulose e pasta de papel www.diamondpower.se

Leia mais

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro Sistema Circulatório

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro Sistema Circulatório ANATOMIA HUMANA II Sistema Circulatório Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema Circulatório Conceito Função Divisão Sistemacardiovascular Sistemalinfático 1 CONCEITO O sistema cardiovascular é responsável

Leia mais

Guia de referência. Configuração e priming com tubo pré-ligado

Guia de referência. Configuração e priming com tubo pré-ligado Guia de referência Configuração e priming com tubo pré-ligado Antes da Configuração, obter os seguintes materiais: Um saco/frasco de 500 ml ou 1000 ml de soro fisiológico normal com uma (1) unidade (U)

Leia mais

APRESENTAÇÃO NITS SES

APRESENTAÇÃO NITS SES SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE APRESENTAÇÃO NITS SES COORDENADORIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS DE SAÚDE (CCTIES) 23 DE ABRIL 2014 Instituto Dante Pazzanese Organograma atual do NIT-IDPC

Leia mais

Capítulo VII. Biotecnologia da Saúde

Capítulo VII. Biotecnologia da Saúde Capítulo VII Biotecnologia da Saúde 1 Terapia génica e novas vacinas Terapia génica Vectores virais para transferência de DNA: Retrovírus Adenovírus Vírus adeno-associados Vírus herpes simplex tipo 1 Vectores

Leia mais

Eventos mecânicos do ciclo cardíaco

Eventos mecânicos do ciclo cardíaco O músculo cardíaco Introdução As variedades de músculos cardíacos O músculo cardíaco como um sincício O longo potencial de ação e o seu platô no músculo cardíaco Introdução O coração pode ser considerado

Leia mais

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fisiologia Cardiovascular Hemodinâmica Introdução O sistema circulatório apresenta várias funções integrativas e de coordenação: Função

Leia mais

TRATAMENTO PERCUTÂNEO DA AORTA TORÁCICA

TRATAMENTO PERCUTÂNEO DA AORTA TORÁCICA TRATAMENTO PERCUTÂNEO DA AORTA TORÁCICA Álvaro Laranjeira Santos Serviço de Cirurgia Cardiotorácica CHLC- Hospital Santa Marta Sistematização Grupo 1 Aorta descendente c TEVAR isolado Grupo 2 Arco aórtico

Leia mais

Biologia. Sistema circulatório

Biologia. Sistema circulatório Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 10B Ensino Médio Equipe de Biologia Data: Biologia Sistema circulatório O coração e os vasos sanguíneos e o sangue formam o sistema cardiovascular ou circulatório.

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SISTEMA DE BURETA SUBSTITUÍVEL CLIP- LOCK ENTRADA USB FLASH DRIVE

CARACTERÍSTICAS SISTEMA DE BURETA SUBSTITUÍVEL CLIP- LOCK ENTRADA USB FLASH DRIVE CARACTERÍSTICAS Visor LCD colorido 7,5 (320 x 240 pixel) com luz de fundo Sistema de dosagem preciso capaz de dispensar quantitades tão pequenas como 0,125µL de titulante numa única dose Capacidade para

Leia mais

Dissecação do Coração e do Pulmão de um Mamífero

Dissecação do Coração e do Pulmão de um Mamífero Escola Secundária de Oliveira do Bairro Biologia Prof. Virgílio Ferreira Relatório de Actividade Experimental Dissecação do Coração e do Pulmão de um Mamífero Relatório Realizado por: * Mariana Figueiredo

Leia mais

Fisiologia Geral. Biofísica da Circulação: artérias

Fisiologia Geral. Biofísica da Circulação: artérias Fisiologia Geral Biofísica da Circulação: O ciclo cardíaco; Interconversão de energias nas artérias SISTEMA CARDIOVASCULAR Sistema de ductos fechados com uma bomba hidráulica: O coração. Artérias: vasos

Leia mais

Figura 1 Principais áreas de atuação

Figura 1 Principais áreas de atuação AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA GREVE DA ANVISA NO SETOR DE SAÚDE A Associação Brasileira da Indústria de Alta Tecnologia de Equipamentos, Produtos e Suprimentos Médico-Hospitalares realizou junto as suas empresas

Leia mais

www.hannacom.pt Eléctrodos Industriais

www.hannacom.pt Eléctrodos Industriais www.hannacom.pt Eléctrodos Industriais ÍNDICE 03 Eléctrodos 04 Eléctrodos de combinados, profissionais, especiais 05 Eléctrodo de referência 05 Eléctrodos de e ORP combinados 06 Série HI 1000 e HI 2000

Leia mais

Professor: João Paulo ALGUNS PROBLEMAS CARDIOVASCULARES. Prof: João Paulo

Professor: João Paulo ALGUNS PROBLEMAS CARDIOVASCULARES. Prof: João Paulo ALGUNS PROBLEMAS CARDIOVASCULARES Prof: João Paulo SOPRO NO CORAÇÃO É uma alteração no fluxo do sangue dentro do coração, provocada por problemas em uma ou mais válvulas cardíacas ou por lesões nas paredes

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00015/2013-003 SRP

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00015/2013-003 SRP 26238 - UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS 153261 - HOSPITAL CLINICAS/UFMG RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00015/2013-003 SRP 1 - Itens da Licitação 1 - AGULHA PUNÇÃO AGULHA PUNÇÃO, COMPRIMENTO

Leia mais

Baseado no Caso Clínico Abaixo Responda as Questões 1 e 2.

Baseado no Caso Clínico Abaixo Responda as Questões 1 e 2. PROVA RESIDÊNCIA MÉDICA 2015/2016 ÁREA DE ATUAÇÃO: ANGIORRADIOLOGIA E CIRURGIA ENDOVASCULAR 1 Baseado no Caso Clínico Abaixo Responda as Questões 1 e 2. Paciente 80 anos, insuficiência cardíaca em tratamento

Leia mais

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração Fisiologia Humana Sistema circulatório Componentes: - Sangue (elementos figurados e plasma) - Vasos sanguíneos - Coração Vasos sanguíneos Artérias Vasos com paredes espessas e elásticas por onde circula

Leia mais

ENOXALOW enoxaparina sódica. Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC

ENOXALOW enoxaparina sódica. Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC ENOXALOW enoxaparina sódica Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC 20 mg/0,2 ml cartucho com 1 ou 10 seringas. 40 mg/0,4 ml cartucho com 1 ou 10 seringas. 60

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal aminidicionário DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas

Leia mais

Dissecação de um coração de mamífero

Dissecação de um coração de mamífero Índice Introdução... 3 / 4 Material... 5 Material Biológico... 5 Procedimento... 5 Desenho... 6 Discussão... 7 Conclusão... 7 Bibliografia... 8 Anexos... Ilustrações... 9 / 10 Doenças Cardiovasculares...

Leia mais

BOMBAS PNEUMÁTICAS DE DUPLO DIAFRAGMA MAXPNEUMATIC

BOMBAS PNEUMÁTICAS DE DUPLO DIAFRAGMA MAXPNEUMATIC www.bomax.com.br ISO BOMBAS PNEUMÁTICAS DE DUPLO DIAFRAGMA MAXPNEUMATIC Reservamo-nos o direito de alterar as informações deste folheto sem prévio aviso. Fotos meramente ilustrativas (Agosto/2015) 1 Características

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof. André Maia

SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof. André Maia SISTEMA CIRCULATÓRIO Prof. André Maia Nosso sistema circulatório, como o dos outros vertebrados, e fechado, isto e, o sangue circula sempre dentro dos vasos sanguíneos, bombeado por contrações rítmicas

Leia mais

CATÁLOGO GERAL TELAS TRANSPORTADORAS E CORREIAS DE TRANSMISSÃO

CATÁLOGO GERAL TELAS TRANSPORTADORAS E CORREIAS DE TRANSMISSÃO CATÁLOGO GERAL TELAS TRANSPORTADORAS E CORREIAS DE TRANSMISSÃO Correias Transportadoras A MOVICONTROL, S.A. presente no mercado desde 1987, possui uma grande experiência no fornecimento de soluções para

Leia mais

Catálogo de Produtos. Desde 1985» Simples. Previsível. Rentável

Catálogo de Produtos. Desde 1985» Simples. Previsível. Rentável BR Catálogo de Produtos Desde 1985» Simples. Previsível. Rentável 2012 IMPLANTES Cavidade Conectora de 3.0mm Integra-CP COMPONENTES DE MOLDAGEM A NÍVEL DE IMPLANTE SYNTHOGRAFT Nº DO PROD. DIÂMETRO COMPRIMENTO

Leia mais

COIFAS TUBOAR MANUAL DO CONSUMIDOR

COIFAS TUBOAR MANUAL DO CONSUMIDOR COIFAS TUBOAR MANUAL DO CONSUMIDOR CONTEÚDO Conheça sua nova coifa Tuboar 1. Ligando sua coifa Tuboar... 3 1.1 Como utilizar melhor sua coifa... 3 2 - Manutenção... 4 2.1 Coifas esmaltadas... 4 2.2 Coifas

Leia mais

Telefax: (11) 4524-1949 / (11) 4538-1650

Telefax: (11) 4524-1949 / (11) 4538-1650 Pág.: 1 CÓDIGO: IM 02 REVISÃO: 01 DATA DA ÚLTIMA REVISÃO:Janeiro/1999 DESCRIÇÃO: MANUAL DE BOMBAS DE DUPLO DIAFRAGMA ELABORADO POR: Eng. Marcos Tancini Mingrone APROVADO POR: mesmo 1. OPERAÇÃO DE BOMBAS

Leia mais

Parecer COREN-SP CT nº 023/2012 PRCI n 99.692/2012 Tickets nº 382.285 e 383.953 Revisão e atualização em março de 2015

Parecer COREN-SP CT nº 023/2012 PRCI n 99.692/2012 Tickets nº 382.285 e 383.953 Revisão e atualização em março de 2015 Parecer COREN-SP CT nº 023/2012 PRCI n 99.692/2012 Tickets nº 382.285 e 383.953 Revisão e atualização em março de 2015 Ementa: Aplicação de Enoxaparina sódica via sub cutânea (SC) no domicílio. 1. Do fato

Leia mais

TERMORESISTÊNCIA. pote. resina. rabicho. solda do. rabicho. pote. resina. rabicho. solda do. rabicho

TERMORESISTÊNCIA. pote. resina. rabicho. solda do. rabicho. pote. resina. rabicho. solda do. rabicho TERMORESISTÊNCIA GRÁFICO DEMONSTRATIVO DOS DESVIOS NAS TERMORESISTÊNCIAS CLASSES A e B TOLERÂNCIA ºC,,,0,,,,,0,,,,,0 0, 0, 0, 0, TERMORESISTÊNCIA CLASSE B TERMORESISTÊNCIA CLASSE A -00-00 0,0 00 00 00

Leia mais

Manual do Representante

Manual do Representante Manual do Representante Assegurar que os produtos e serviços da empresa sejam consistentemente seguros e confiáveis e que excedam as expectativas dos clientes. A diretoria endossa a iniciativa de seus

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO DOS VERTEBRADOS

SISTEMA CIRCULATÓRIO DOS VERTEBRADOS SISTEMA CIRCULATÓRIO DOS VERTEBRADOS Os vertebrados, como são grandes e complexos há a necessidade de um sistema circulatório definido. Nos invertebrados ocorre o desenvolvimento de dois tipos de circulação:

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

Conjunto gerador de hipoclorito de sódio

Conjunto gerador de hipoclorito de sódio Conjunto gerador de hipoclorito de sódio Modelo Clorotec 150 Manual de Operação e Instalação ISO 9001:2008 FM 601984 (BSI) Caro Cliente, Obrigado por escolher à Difiltro! Neste Manual você encontrará todas

Leia mais

Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases

Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases V1 O queéum Sistemade Condicionamento? O Que é um Sistema de Condicionamento? Amostra do Processo? Analisador Sistema de Condicionamento O sistema

Leia mais

Fisiologia Cardiovascular

Fisiologia Cardiovascular Fisiologia Cardiovascular Conceitos e funções do sistema circulatório O coração Eletrocardiograma A circulação Regulação da circulação Aula prática - ECG Aula prática Medida de PA Conceitos e funções do

Leia mais

Recomendações papa as Válvulas de Baixa Emissão Fugitiva

Recomendações papa as Válvulas de Baixa Emissão Fugitiva 1 /5 Recomendações papa as Válvulas de Baixa Emissão Fugitiva 1. Introdução As emissões fugitivas surgiram como preocupação no cenário mundial nos anos 90, quando se estimou que 60-70% das emissões nas

Leia mais

FARMÁCIA EM CENTRO CIRÚRGICO. Eugenie Desirèe Rabelo Néri Chefe do Serviço de Farmácia do HUWC/UFC

FARMÁCIA EM CENTRO CIRÚRGICO. Eugenie Desirèe Rabelo Néri Chefe do Serviço de Farmácia do HUWC/UFC FARMÁCIA EM CENTRO CIRÚRGICO Eugenie Desirèe Rabelo Néri Chefe do Serviço de Farmácia do HUWC/UFC FARMÁCIA EM CENTRO CIRÚRGICO FARMÁCIA SATÉLITE FARMÁCIA RESPONSÁVEL PELA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA EFETIVA

Leia mais

05/10/2013 SISTEMA CIRCULATÓRIO. Evolução do sistema circulatório. Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular

05/10/2013 SISTEMA CIRCULATÓRIO. Evolução do sistema circulatório. Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular SISTEMA CIRCULATÓRIO Prof.Msc.MoisésMendes professormoises300@hotmail.com www.moisesmendes.com Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular Esse sistema é constituído por um fluido circulante (o

Leia mais

SENSATION E CS300 SISTEMA BIA MENOR E MAIS RÁPIDO DATASCOPE IS NOW MAQUET CARDIOVASCULAR

SENSATION E CS300 SISTEMA BIA MENOR E MAIS RÁPIDO DATASCOPE IS NOW MAQUET CARDIOVASCULAR SENSATION E CS300 SISTEMA BIA MENOR E MAIS RÁPIDO CARDIOVASCULAR DATASCOPE IS NOW MAQUET CARDIOVASCULAR The Gold Standard Cardiovascular CS100 3 Datascope is now MAQUET CARDIOVASCULAR Profissionais dedicadas

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

WATTCRON SUA MELHOR OPÇÃO EM AQUECIMENTO INDUSTRIAL

WATTCRON SUA MELHOR OPÇÃO EM AQUECIMENTO INDUSTRIAL WATTCRON SUA MELHOR OPÇÃO EM AQUECIMENTO INDUSTRIAL SOBRE A WATTCRON Fundada em 1997 com sede própria na rua Gonçalves Dias, 69 - Catumbi - São Paulo - SP. A Wattcron tem o compromisso com a qualidade

Leia mais

ANEXO A MATERIAIS ENGENHARIA DE VÁLVULAS E EQUIP. LTDA

ANEXO A MATERIAIS ENGENHARIA DE VÁLVULAS E EQUIP. LTDA MATERIAIS ANEXO A Pág. - Tabela 1: Limites de temperatura de uso para os materiais... A1 - Tabela 2: Ratings e pressões de teste para válvulas: Materiais do Grupo 1.1... A3 - Tabela 3: Ratings e pressões

Leia mais

Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras

Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras Quimgax 2030 Quimgax 2004 Quimgax 2017 Quimgax 2043 Quimgax 2044 Quimgax 2777 Quimgax 2019 Quimgax 2143 Quimgax 2153 Quimgax 2061 e 2062 As gaxetas de fibras sintéticas

Leia mais

CORPORAÇÃO ASKA. 458-1 Minosho-cho, Yamato Koriyama-shi, Nara, CEP 639-1103, Japão Tel: +81-743-54-2455 Fax:+81-743-55-0128 Website: www.bb-aska.co.

CORPORAÇÃO ASKA. 458-1 Minosho-cho, Yamato Koriyama-shi, Nara, CEP 639-1103, Japão Tel: +81-743-54-2455 Fax:+81-743-55-0128 Website: www.bb-aska.co. CORPORAÇÃO ASKA TECNOLOGIA EM POLÍMEROS 458-1 Minosho-cho, Yamato Koriyama-shi, Nara, CEP 639-1103, Japão Tel: +81-743-54-2455 Fax:+81-743-55-0128 Website: www.bb-aska.co.jp Perfil da Corporação e Introdução

Leia mais

Felipe Santos Moreira; Jessica Alves Maia; Kállen Froeder Martins; Luma Rodrigues Blanc; e Saniely Eduarda Magalhães Couy.

Felipe Santos Moreira; Jessica Alves Maia; Kállen Froeder Martins; Luma Rodrigues Blanc; e Saniely Eduarda Magalhães Couy. UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI CAMPUS DO MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA (ICET) BACHARELADO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA www.ufvjm.edu.br Ciência e Tecnologia

Leia mais

Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD

Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD Carlo B Pilla e Cardiologia Intervencionista SBHCI 2012 Obstruções à VSVD Estenose subvalvar pulmonar* Estenose valvar

Leia mais

Filtros e Bombas. A Piscina dos seus Sonhos.

Filtros e Bombas. A Piscina dos seus Sonhos. Dúvidas Filtros e Bombas A Piscina dos seus Sonhos. - Filtros Água vazando para o esgoto. Nas opções filtrar e recircular, observo através do visor de retrolavagem que a água continua indo para o esgoto

Leia mais

Tratamento Percutâneo das Cardiopatias Congenitas. Célia Fátima Anhesini Benetti Gerente de Enfermagem Serviço de Hemodinâmica do HCor São Paulo - SP

Tratamento Percutâneo das Cardiopatias Congenitas. Célia Fátima Anhesini Benetti Gerente de Enfermagem Serviço de Hemodinâmica do HCor São Paulo - SP Tratamento Percutâneo das Cardiopatias Congenitas Célia Fátima Anhesini Benetti Gerente de Enfermagem Serviço de Hemodinâmica do HCor São Paulo - SP Tratamento Percutâneo das Cardiopatias Congênitas Célia

Leia mais

Desdobrável de informação ao paciente

Desdobrável de informação ao paciente Desdobrável de informação ao paciente Doença cardíaca coronária Secções para este tópico: Introdução Sintomas Causas Diagnóstico Tratamento Prevenção Hiperligações seleccionadas Introdução Para que funcione,

Leia mais

bainha pote fio do termoelétrico solda do rabicho CARACTERÍSTICAS

bainha pote fio do termoelétrico solda do rabicho CARACTERÍSTICAS junta de medida bainha pote resina plug de fechamento isolação mineral fio do termoelétrico solda do rabicho rabicho TIPOS DE TERMOPARES: São: T, J, K, E, N na versão simples, duplo ou triplo isolados

Leia mais

Desinfecção de Água. Indústria de Bebidas

Desinfecção de Água. Indústria de Bebidas Desinfecção de Água Indústria de Bebidas Tecnologia, inovação, melhoria contínua, confiabilidade e excelência. É isso que faz da TECHFILTER uma empresa moderna e diferenciada, especializada em sistemas

Leia mais

Princípio da formação de imagem e sua aplicação na cardiologia intervencionista. Patrícia Lopes Barbosa patricialb7@gmail.com

Princípio da formação de imagem e sua aplicação na cardiologia intervencionista. Patrícia Lopes Barbosa patricialb7@gmail.com Princípio da formação de imagem e sua aplicação na cardiologia intervencionista Patrícia Lopes Barbosa patricialb7@gmail.com Produção dos raios X Na Cardiologia Intervencionista não existem fontes naturais

Leia mais

BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO

BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO Professor: CRISTINO RÊGO Disciplina: CIÊNCIAS Assunto: SISTEMAS HUMANOS: EXCRETOR E CIRCULATÓRIO Belém /PA BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO 1. Coloque C ou E e corrija se necessário: ( ) Os rins recebem sangue

Leia mais

Corpo Humano. A Menor Unidade Viva do Corpo Humano: Célula

Corpo Humano. A Menor Unidade Viva do Corpo Humano: Célula : Estuda a Estrutura Estática do Corpo Humano É Utilizada para Classificar e Descrever as Lesões de acordo com Sua Localização Prever Lesões de Órgãos Internos, baseando-se na Localização Externa da Lesão

Leia mais

Angina de peito. Causas

Angina de peito. Causas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Angina de peito Manual Merck Capítulo 27 A angina, ou angina de peito, é uma dor torácica transitória

Leia mais

Audiência Pública Comissão de Defesa do Consumidor Medical Devices EQUIPAMENTOS E MATERIAIS DE USO EM SAÚDE (PRODUTOS PARA A SAÚDE)

Audiência Pública Comissão de Defesa do Consumidor Medical Devices EQUIPAMENTOS E MATERIAIS DE USO EM SAÚDE (PRODUTOS PARA A SAÚDE) Audiência Pública Comissão de Defesa do Consumidor Medical Devices EQUIPAMENTOS E MATERIAIS DE USO EM SAÚDE (PRODUTOS PARA A SAÚDE) 17 de dezembro de 2013 O Brasil é o único país com mais de 100 milhões

Leia mais

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças FACTORES DE RISCO Factores de risco de doença cardiovascular são condições cuja presença num dado indivíduo aumentam a possibilidade do seu aparecimento. Os mais importantes são o tabaco, a hipertensão

Leia mais

APLICADO AO EXERCÍCIO

APLICADO AO EXERCÍCIO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DEPARTAMENTO DE HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA LABORATÓRIO DE METABOLISMO DE LIPÍDEOS SISTEMA CARDIORRESPIRATÓRIO APLICADO AO EXERCÍCIO Prof. Dr: Luiz

Leia mais

Sistema circulatório. Coração e generalidades

Sistema circulatório. Coração e generalidades Sistema circulatório Coração e generalidades Sistema Circulatório Coração propulsão do sangue Vasos centrípetos veias e linfáticos: condução Vasos centífugos artérias: condução Capilares: trocas Função:

Leia mais

Sistema Circulatório. Prof. JM

Sistema Circulatório. Prof. JM Sistema Circulatório Prof. JM Sistema Circulatório Integrar os sistemas. Transportar nutrientes, gases, excretas, hormônios, calor e anticorpos pelo corpo. Coagulação Sangue (tecido) Uma pessoa de cerca

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 1- Que órgão do sistema nervoso central controla nosso ritmo respiratório? Bulbo 2- Os alvéolos são formados por uma única camada de células muito finas. Explique como

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

ELEMENTOS DE VEDAÇÃO. Treinamento. Antenor Vicente

ELEMENTOS DE VEDAÇÃO. Treinamento. Antenor Vicente ELEMENTOS DE VEDAÇÃO Treinamento Antenor Vicente VEDAÇÃO PROCESSO USADO PARA IMPEDIR A PASSAGEM, DE MANEIRA ESTÁTICA OU DINÂMICA DE LÍQUIDOS, GASES E SÓLIDOS DE UM MEIO PARA OUTRO JUNTAS JUNTA É TODO MATERIAL

Leia mais

MANIPULAÇÃO DOS INSTRUMENTOS PERSONALIZADOS PROPHECY DESCARTÁVEIS DA MICROPORT 150807-0

MANIPULAÇÃO DOS INSTRUMENTOS PERSONALIZADOS PROPHECY DESCARTÁVEIS DA MICROPORT 150807-0 PT MANIPULAÇÃO DOS INSTRUMENTOS PERSONALIZADOS PROPHECY DESCARTÁVEIS DA MICROPORT 150807-0 Estão incluídos na presente embalagem os idiomas seguintes: English (en) Deutsch (de) Nederlands (nl) Français

Leia mais

O SISTEMA SOLAR DE AQUECIMENTO DE PISCINAS

O SISTEMA SOLAR DE AQUECIMENTO DE PISCINAS O SISTEMA SOLAR DE AQUECIMENTO DE PISCINAS MANUAL DE INSTALAÇÃO CONTEÚDOS Página CONCEITO TÉCNICO DO SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR DA FAFCO 3 LAYOUT DO COLECTOR 7 INSTALAÇÃO DOS COLECTORES 8 INSTALAÇÃO

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof. Dr. José Gomes Pereira

SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof. Dr. José Gomes Pereira SISTEMA CIRCULATÓRIO Prof. Dr. José Gomes Pereira SISTEMA CIRCULATÓRIO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS Sistema cardiovascular transporte sangue - Circuitos pulmonar pulmões sistêmico tecidos do corpo constituídos

Leia mais

BETTOCCHI Integrated Office Hysteroscope (B.I.O.H. )

BETTOCCHI Integrated Office Hysteroscope (B.I.O.H. ) EW GYN 34-6 07-2012-PT BETTOCCHI Integrated Office Hysteroscope (B.I.O.H. ) Para a histeroscopia diagnóstica e cirúrgica 2 3 "Exceda as expectativas" Em 1996 revolucionámos o mundo da histeroscopia, ao

Leia mais

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado?

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado? Colesterol Colesterol 3 Que tipos de colesterol existem? 3 Que factores afectam os níveis de colesterol? 4 Quando está o colesterol demasiado elevado? 4 Como reduzir o colesterol e o risco de doença cardiovascular?

Leia mais

Falando em CORTE. Corte GRSS

Falando em CORTE. Corte GRSS Falando em CORTE Prof. Alexandre Queiroz Bracarense, PhD Laboratório de Robótica, Soldagem e Simulação Departamento de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Minas Gerais Falando em CORTE Métodos

Leia mais

,DISPOSITIVOS DE EXPANSÃO

,DISPOSITIVOS DE EXPANSÃO ,DISPSITIVS DE EXPASÃ Dispositivos de expansão são os componentes do sistema de refrigeração que têm por finalidades provocar a perda de pressão do refrigerante, que é acompanhada de um decréscimo de temperatura,

Leia mais

http://www.elastobras.com.br (41) 3376-4363

http://www.elastobras.com.br (41) 3376-4363 Tecnologia Avançada em Injeção de Borracha Indústria de Bebidas matérias-primas: silicone EPDMnitrílica borracha natural neoprene certificação ISO 9001:2008 http://www.elastobras.com.br (41) 3376-4363

Leia mais

Materiais poliméricos ciência e aplicação como biomateriais

Materiais poliméricos ciência e aplicação como biomateriais Materiais poliméricos ciência e aplicação como biomateriais Polímeros para aplicação biomédicas A maioria são sintéticos (poucos são naturais) As propriedades variam de: macios (hidrogéis, lentes) elastômeros

Leia mais

Importante. Desligar os celulares ou colocar no modo silencioso

Importante. Desligar os celulares ou colocar no modo silencioso Importante Desligar os celulares ou colocar no modo silencioso ENG101 MATERIAIS ELÉTRICOS E MAGNÉTICOS Prof. Dr. Vitaly F. Rodríguez-Esquerre 1989-1994 Eng. Eletrônico - Peru 1996-1999 Mestre em Eng. Elétrica

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

TOP 50, 65, 80, 100, 150. Estações elevatórias "chave na mão"

TOP 50, 65, 80, 100, 150. Estações elevatórias chave na mão FLYGT TOP 50, 65, 80, 100, 150 Estações elevatórias "chave na mão" Escolha TOP para fiabilidade, segurança e eficiência Soluções pré-fabricadas chave na mão A ITT Flygt oferece-lhe a melhor solução em

Leia mais

18/11/2014 CIRCULAÇÃO SANGUÍNEA TÓPICOS CIRCULAÇÃO CIRCULAÇÃO. Função: Circulação sistêmica X pulmonar

18/11/2014 CIRCULAÇÃO SANGUÍNEA TÓPICOS CIRCULAÇÃO CIRCULAÇÃO. Função: Circulação sistêmica X pulmonar TÓPICOS CIRCULAÇÃO SANGUÍNEA 1 Oqueéacirculação?Paraqueserve? Principal atuante na circulação: o sangue Oqueé? Como é produzido? Partes da circulação: vasos sanguíneos Sistema linfático Como é efetuada

Leia mais

ISOLANTES TÉRMICOS. Isolantes Térmicos e Refratários LTDA. catalogofinal25.05.indd 1 25/5/2010 12:56:00

ISOLANTES TÉRMICOS. Isolantes Térmicos e Refratários LTDA. catalogofinal25.05.indd 1 25/5/2010 12:56:00 ISOLANTES TÉRMICOS Isolantes Térmicos e Refratários LTDA. catalogofinal25.05.indd 1 25/5/2010 12:56:00 catalogofinal25.05.indd 2 25/5/2010 12:56:01 ÍNDICE Apresentação 5 Tecido de fibra de vidro 6 Fio

Leia mais

O que é a injeção intracitoplasmática de espermatozóides?

O que é a injeção intracitoplasmática de espermatozóides? O que é a injeção intracitoplasmática de espermatozóides? A injeção intracitoplasmática de espermatozoides (ICSI) é uma técnica de reprodução assistida que faz parte do tratamento de Fecundação in Vitro

Leia mais

DE FERTILIZANTES E Outras características específicas da bomba:

DE FERTILIZANTES E Outras características específicas da bomba: BOMBAS INJECTORAS DE FERTILIZANTES E SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS As bombas injectoras de fertilizantes da Amiad não precisam de fonte externa de alimentação, dado que nelas está incorporado um motor hidráulico

Leia mais

Manual de Instalação dos sistemas de Rede Radiante (PFM/PVC)

Manual de Instalação dos sistemas de Rede Radiante (PFM/PVC) PISO RADIANTE ELÉCTRICO SIMPLES E CONFORTÁVEL Leia o manual antes de tentar instalar o seu sistema de aquecimento por Rede Radiante Manual de Instalação dos sistemas de Rede Radiante (PFM/PVC) Uma instalação

Leia mais

ANEXO 11.6 - PACOTES. Vigência 21/11/2015

ANEXO 11.6 - PACOTES. Vigência 21/11/2015 ANEXO 11.6 - PACOTES Os valores de gases, medicamentos e materiais foram calculados com base na mediana de valores praticados no Estado. No caso dos gases foi calculado o valor mediano entre gases liquido

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador aminidicionário DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas vidas.

Leia mais