CLIPPING. BC não volta mais atrás em relação à alta da Selic, diz Mesquita. FONTE: Valor Econômico. SEÇÃO: Finanças. PUBLICADA EM: 6 de março de 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CLIPPING. BC não volta mais atrás em relação à alta da Selic, diz Mesquita. FONTE: Valor Econômico. SEÇÃO: Finanças. PUBLICADA EM: 6 de março de 2013"

Transcrição

1 CLIPPING FONTE: SEÇÃO: Finanças PUBLICADA EM: 6 de março de 2013 BC não volta mais atrás em relação à alta da Selic, diz Mesquita Mesquita: surpresa com inflação e disseminação de reajustes acenderam sinal de alerta da autoridade monetária. O Banco Central (BC) não deve voltar atrás em sua intenção de subir a taxa de juros para fazer frente à recente alta da inflação. Esta é a opinião do ex-diretor de Política Econômica do BC e atual sócio do banco Brasil Plural, Mario Mesquita. "Acho difícil isso acontecer. Seria mais difícil de entender e mais difícil de explicar também", afirmou ele, em entrevista ao Valor. Para Mesquita, foi a surpresa com a inflação corrente no início de 2013 e o seu alto nível de disseminação na economia que determinaram a mudança de tom do discurso adotado pelo BC. No entanto, a simples desaceleração dos índices de preço, como é esperado por boa parte dos analistas para os próximos meses, não pode ser entendida, isoladamente, como argumento para o adiamento de uma ação mais efetiva por parte da autoridade monetária. "A inflação cheia é algo que todo mundo olha, mas ela não é uma informação suficiente para guiar os passos de política monetária." Mesquita trabalhava com um cenário de manutenção da taxa Selic até o fim do ano. Agora, diante da admissão pelo presidente do BC, Alexandre Tombini, de "desconforto com a inflação", acredita que pode haver um ajuste no comunicado da reunião do Copom, que termina hoje, abrindo espaço para uma alta no curto prazo. "Acho que seria uma grande surpresa se ele desfizesse, se dissesse que 'não, está tudo bem, o cenário inflacionário voltou a ser benigno'", adverte Mesquita. Mesmo diante da possibilidade de mudança da Selic, o economista acredita que o crescimento do PIB

2 em 2013 e 2014 deve ficar próximo de 3,2% ao ano. E que o IPCA oscilará entre 5,5% e 6%. Valor: Qual é a sua expectativa para a próxima reunião do Copom? Mario Mesquita: A gente espera que, no mínimo, o Copom altere o comunicado, sinalizando a possibilidade de elevação da taxa de juros. A comunicação do BC tem enfatizado que a manutenção do juro estável por um período prolongado era a postura mais adequada, mas, recentemente, o BC sinalizou desconforto com a inflação, com o cenário inflacionário mais adiante, e isso deve aparecer no comunicado. Existe uma possibilidade de ele subir a taxa já nesta reunião, mas acho que o mais provável é que ele mantenha a taxa e altere o comunicado. Valor: Que tipo de alteração no comunicado o BC poderia fazer? Pode ser retirada a expressão "suficientemente prolongado"? Mesquita: Esse é um grande debate no mercado. Se o BC simplesmente retira essa expressão, seria visto como um sinal de alta mais iminente. A alternativa seria qualificar essa expressão. Em algumas ocasiões, os responsáveis pela política monetária disseram que o recado que passaram estava valendo neste momento. Condicionar no tempo é uma tática que o BC já usou várias vezes no passado, este BC e gestões anteriores também. Valor: Seu cenário mais provável, então, é que o BC mantenha os juros, mude o comunicado e comece a subir a taxa em abril? Mesquita: Vamos ver. Depende do teor do comunicado e da ata. Mas uma alta de juros neste ano ficou muito mais provável. Antes da mudança de comunicação, a gente esperava que eles fossem começar a subir a taxa no começo do ano que vem. Valor: Qual deve ser o orçamento do ciclo? Mesquita: Vamos esperar a comunicação no 'statement' e na ata para poder fazer uma análise mais aprofundada. Não quero especular sobre orçamento. O mercado tem falado muito em algo entre 100, 150 e 200 pontos base. O que é certo é que no momento em que o BC começar o processo de aumento de juros, provavelmente o mercado vai apreçar um movimento bem expressivo. Valor: Em declaração recente, Tombini chegou a mencionar que a Selic deve oscilar menos que no passado, o que levou o mercado a acreditar que o ciclo e o ritmo podem ser menores. Mesquita: Ele tem um plano de voo que deve ser adaptado conforme a evolução do cenário. A observação das autoridades sobre o movimento dos juros é porque a taxa está em um patamar mais baixo. Ainda que o orçamento esperado por algumas pessoas seja concretizado, isso vai levar a taxa para um patamar historicamente baixo, dado o padrão brasileiro. Valor: O que está pesando mais na decisão do BC? Mesquita: O BC manifestou em diversas ocasiões, recentemente, que está priorizando o controle da inflação. Então, a inflação projetada pelo próprio BC deve ser o guia para as decisões. Valor: Existe a percepção de que o BC pode estar admitindo inflação mais alta. Qual seria o limite a ser atingido para se acreditar que o BC vai começar a subir juros? Mesquita: Tem a ver mais com a inflação que o BC está projetando do que com a inflação corrente. As ações que o BC for tomar agora vão ter efeito mais sobre a inflação no fim do ano e em Então, a política monetária convencional tem, neste momento, pouco a fazer em relação à inflação de Se o BC estiver projetando uma inflação para 2014 muito distante do centro da meta, essa é uma condição necessária para ele começar a ajustar a política. Na reunião de janeiro, a ata do Copom indicava que a projeção de inflação para 2014 do próprio BC estava ligeiramente acima da meta. Então, é preciso olhar como evoluiu a própria projeção do BC. Esse é o guia. 2

3 "Seria uma surpresa se o BC dissesse que 'não, está tudo bem, o cenário inflacionário voltou a ser benigno'" Valor: Houve uma mudança importante das expectativas. O que aconteceu para que esse discurso do BC mudasse? Ele soube explicar com clareza a nova visão? Mesquita: Comunicar uma mudança de postura é sempre difícil. É complicado para qualquer banco central e aqui não é diferente. O que aconteceu foi uma surpresa grande com a inflação de curto prazo, não só com o comportamento do índice cheio mas também com um caráter mais disseminado do processo inflacionário. O próprio BC registrou isso como caracterização de uma piora do processo inflacionário, isso é consensual, e o grau de preocupação de todo mundo com relação à inflação aumentou. O fato é que, se não tivéssemos tido fatos extraordinários, como os cortes das tarifas de energia e o adiamento do aumento da tarifa de ônibus em São Paulo e Rio, a inflação acumulada de janeiro e fevereiro poderia ter caminhado para algo como 2,3%, 2,4% e até 2,5%. É evidente que, se você está com esse tipo de risco no cenário, o grau de preocupação das autoridades com a inflação tem que subir. Mesmo porque as tarifas de ônibus urbanos em algum momento vão aumentar. Tem também a questão do uso das termelétricas durante todo o ano, que pode devolver um pouco do ganho que se obteve com corte da tarifa de energia, desde que o Tesouro não assuma. Valor: Mas houve momentos em que o BC tinha um recado muito mais firme, e depois trouxe de volta a lembrança do "suficientemente prolongado". Está havendo ruído de comunicação? Mesquita: O 'suficientemente prolongado' não saiu do comunicado e da ata. A gente tem que ver como esse tema vai ser tratado agora e na semana que vem. Comunicação por discurso tem sempre uma calibragem. O BC vai se comunicando, o mercado vai reagindo e o BC tem como corrigir o seu tom para levar o mercado para aonde ele quer. Acho que estamos nesse processo. Mas continuo achando que os documentos oficiais - comunicado, ata e relatório de inflação - acabam sendo mais importantes, uma sinalização mais poderosa das intenções da autoridade. Valor: Em sua opinião, a comunicação foi bem feita? Mesquita: O BC deu sinais de desconforto com a inflação progressivos, o mercado reagiu a isso. Aparentemente, no fim desse processo, ele não adicionou esses sinais. Acho que chegou a um nível de preocupação, em um apreçamento da curva de juros em que o BC se sentiu satisfeito. Vamos esperar os documentos. Seria uma grande surpresa se ele desfizesse, se dissesse que 'não, está tudo bem, o cenário inflacionário voltou a ser benigno'. Acho difícil isso acontecer. Seria mais difícil de entender e mais difícil de explicar também. Valor: Tem gente achando que o BC está fazendo apenas uma calibragem verbal, mas que não estaria realmente disposto a subir os juros. Se depois disso não houver aumento, haverá prejuízo à credibilidade? Mesquita: Se a inflação continuar se comportando como vem se comportando, provavelmente vai exigir uma resposta de política monetária. Se houver uma mudança muito favorável de um dia para a noite, o que não é muito provável dado que você tem componentes da inflação que são persistentes, como o crescimento dos salários devido ao mercado de trabalho apertado, pode ser que o BC não precise fazer nada e mantenha a credibilidade. Mas, caso a inflação continue a se comportar de forma divergente à meta, provavelmente vai ter que seguir a indicação mais recente, que é de alta dos juros. Valor: Mas, para isso, qual é o indicador mais importante? Mesquita: O mercado, assim como o BC, tem que olhar para uma quantidade grande de fatores. Não basta olhar apenas para a inflação cheia. Os núcleos têm seu conteúdo de informação, o grau de difusão do processo inflacionário também, indicadores de ociosidade também são importantes, expectativas de inflação... Tudo isso tem que ser levado em conta na hora de o BC tomar uma decisão e de o mercado se posicionar. 3

4 Valor: Então, teria de haver uma virada do quadro como um todo... Mesquita: Sim, não basta ver um alívio de preço de alimento pontual e o índice de inflação cheia cair. A gente já viu isso antes. Em meados de 2010, houve um momento em que a inflação cheia ficou muito bem comportada e, naquele momento, o BC interrompeu um ciclo de aperto monetário. Depois, em 2011, teve de voltar [a subir a taxa Selic]. A inflação cheia é algo que todo mundo olha, mas ela não é uma informação suficiente para guiar os passos da política monetária. Valor: O que tem um custo maior para o BC: dar doses mais fortes de juros ou acelerar o ciclo? Mesquita: É custoso para o BC operar mudanças de ritmo. Em geral, você cria uma expectativa, está seguindo uma estratégia, tem que explicar. É uma nova tarefa, um novo exercício. Historicamente, não só no caso brasileiro, quando você tem uma inflação que fica mais persistente, mais inercial, você tem que fazer apertos monetários mais prolongados, que causem um desaquecimento da economia mais persistente para exatamente quebrar essa inércia. O caso mais emblemático foi nos Estados Unidos, na virada dos anos 70 para os 80. Durante muito tempo os EUA tinham essa ideia: "Vamos conviver com inflação", "inflação de 7%, 8%, 9% não é problema", e aí precisou vir o [Paul] Volcker [ex-presidente do Federal Reserve] para gerar um desaquecimento suficiente à desinflação. A inflação não é algo com o que você queira conviver. A gente já tem uma meta alta, o que é um problema. Quando se fala em desinflacionar a economia brasileira é desinflacionar para 4,5%, quando o padrão mundial é de 2,5% nas economias maduras e de 3% nos emergentes. Conviver com uma inflação já saindo de uma meta que é alta para o padrão internacional é complicado. "Se não tivéssemos corte de tarifa de energia e adiamento de ônibus, IPCA do bimestre seria de até 2,5%" Valor: O Brasil está em processo de estagflação? Mesquita: Haverá alguma recuperação neste ano, com tendência de um crescimento razoável neste ano, perto de 3%, talvez um pouco acima disso, ainda com um comportamento liderado pela expansão do consumo, mas acho que deve acontecer uma virada no investimento. Ele caiu no ano passado cerca de 4% e, neste ano, deve crescer acima de 3%. O programa de concessões em infraestrutura deve ter seu efeito positivo. Há uma recuperação em curso em segmentos importantes - bens de capital, no segmento de caminhões, que foi um fator negativo para o investimento no ano passado. Não acho que a gente vá voltar a crescer como antes da crise, mesmo porque o mundo não cresce como crescia antes da crise. Mas vai crescer mais em 2013 do que cresceu em 2011 e Valor: Uma resposta de política monetária virá com uma inflação alta e expectativas acima de 5,5% para 2013 e Esse quadro pode ser uma das explicações para a demora da resposta da atividade? Mesquita: A inflação acaba corroendo renda real, comprime o poder de compra, em especial dos que vivem de salário. O diretor de política econômica [Carlos Hamilton Araújo] disse, quando apresentou o boletim regional, que essa ideia de que inflação alta promove crescimento é uma falácia. A inflação alta corrói renda e atrapalha o crescimento. O BC tem isso em mente. Valor: E do ponto de vista do setor produtivo, decisões de investimento são comprometidas quando cresce a preocupação com inflação? Mesquita: As decisões de investimento são comprometidas quando você tem risco de instabilidade macroeconômica, mudanças de regra, aumento da incerteza, isso tudo atrapalha. No ano passado, a gente teve um desempenho bastante ruim do investimento apesar de taxa de juros para investir a zero, praticamente, contando o juro subsidiado, e isso reflete um pouco o aumento da incerteza. Este ano, 4

5 estabelecidas as regras para investimento em concessões, com certa redução do ambiente de incerteza, o investimento tende a se recuperar. Valor: Na sua opinião, a ação do BC terá mais foco em expectativa do que em regular demanda? Mesquita: Vamos ter sempre a cautela de esperar que quem tem a caneta se manifeste. O BC vai se manifestar sobre juros, na decisão do Copom e com certeza vai deixar claro o que ele pretende com sua estratégia. Vamos esperar para ver o que vai dizer, mas certamente a comunicação vai mencionar a necessidade de trazer a inflação para a meta, ancorar as expectativas, isso parece ser em linhas gerais o que o BC tem em mente, mas ele é quem tem que dizer. As expectativas são um dos determinantes para a inflação. É um fato bem estabelecido que as expectativas de inflação têm influência sobre a inflação observada. As empresas quando definem seus preços levam em conta qual é a inflação esperada, mais ou menos. Em geral, as expectativas de inflação refletem a meta ou a inflação acumulada nos últimos 12 meses, dependendo se a meta tem sido atingida recentemente ou não, ou se a inflação está persistindo em um nível diferente da meta por mais tempo. Como a inflação tem persistido em torno de 5,5% por algum tempo, as expectativas têm ficado ao redor desse patamar. Valor: O câmbio pode ser mais utilizado para controlar a inflação? Mesquita: O câmbio ajuda. Assim como teve um efeito inflacionário quando o real se depreciou no ano passado, ele daria uma ajuda agora, em especial para conter a inflação dos bens comercializáveis, que saiu de cerca de 3% para algo perto de 5,5%. Teve uma alta grande, que em parte pode ser atribuída ao efeito defasado da depreciação do real. Se você tivesse um movimento inverso da taxa de câmbio, de apreciação, a tendência seria ter uma redução da inflação dos bens comercializáveis. Isso é importante porque a gente sabe que os não comercializáveis andam próximo a 9% muito em função das pressões salariais e do mercado de trabalho. Valor: O que explica o fato de o fluxo financeiro ter encolhido? Mesquita: Tem a ver com incerteza, com a ideia de que o ciclo de investimento não se acelerou no Brasil, as empresas não estão sentindo necessidade de se endividar. Houve também um encarecimento do CDS do Brasil, o que significa na margem um aumento do custo de financiamento externo. Mas acho que isso tem a ver com o fato de que as empresas não estão sentindo grande necessidade de tomar recursos lá fora porque não estão investindo. A incerteza macroeconômica acaba inibindo as empresas a investir. Valor: Não é apenas a política monetária que gera incerteza? Mesquita: Não. Acho até que o trabalho do BC recentemente tem sido no sentido de aumentar o grau de certeza, esclarecer com ênfase qual é sua preocupação, sua prioridade. O BC tem atuado no sentido de dirimir essas dúvidas. É evidente que isso tem que ter um segmento no tempo, na ação que o BC vai ter nesta semana e nas reuniões seguintes. Mas acho que a incerteza tem a ver com questão regulatória de diferentes setores, mudanças de regras. Pode até ser um período de transição para as pessoas se acostumarem com esse novo ambiente. Mas enquanto isso, há um aumento do nível de incerteza que inibe o investimento. Por Lucinda Pinto, de São Paulo 5

Ata sinaliza novo corte de 0,75 p.p. na Selic na próxima reunião do Copom

Ata sinaliza novo corte de 0,75 p.p. na Selic na próxima reunião do Copom 17/01/2017 12:34 por Redação Ata sinaliza novo corte de 0,75 p.p. na Selic na próxima reunião do Copom Fica mantida expectativa de ciclo longo de afrouxamento, que levará a taxa básica de juros para 9,50%

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 28 de janeiro e 02 de fevereiro de 2016 Analistas consultados: 25 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO FEBRABAN

Leia mais

ITABIRAPREV - INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DE ITABIRA - MG. Relatório de Acompanhamento da Carteira de Investimentos Setembro De 2015

ITABIRAPREV - INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DE ITABIRA - MG. Relatório de Acompanhamento da Carteira de Investimentos Setembro De 2015 Milhões ITABIRAPREV - INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DE ITABIRA - MG Relatório de Acompanhamento da Carteira de Investimentos Setembro De 215 R$ 12 R$ 1 R$ 8 R$ 6 R$ 4 R$ 2 R$ Evolução do Patrimônio no Ano 89,7

Leia mais

Os desafios da economia. Economista Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Outubro/2014

Os desafios da economia. Economista Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Outubro/2014 Os desafios da economia Economista Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Outubro/2014 Os desafios da economia Correção dos rumos da política econômica. Muito mais do que necessidade: É inevitável. Sem ajustes:

Leia mais

Artigo. Fevereiro/2016 Inflação Onde estamos e para onde vamos. Thiago Curado. Onde estamos

Artigo. Fevereiro/2016 Inflação Onde estamos e para onde vamos. Thiago Curado. Onde estamos Artigo Fevereiro/2016 Inflação Onde estamos e para onde vamos Thiago Curado Nos dois primeiros meses do ano, a inflação se mostrou mais elevada do que o antecipado. A resiliência dos núcleos em patamares

Leia mais

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013 Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013 Elaboração: Vice-Presidência de Finanças VIFIN Diretoria Executiva de Finanças e Mercado de Capitais - DEFIN Superintendência Nacional de

Leia mais

Cenários. Plano Milênio. Justificativa da Rentabilidade Mensal

Cenários. Plano Milênio. Justificativa da Rentabilidade Mensal Ano IV Edição: maio/2013 nº 33 Informações referentes à abril/2013 Cenários Cenário Internacional O sentimento dos investidores globais melhorou no último mês com a solução para a crise no Chipre e o melhor

Leia mais

Perspectivas econômicas

Perspectivas econômicas Perspectivas econômicas 5º seminário Abecip Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Maio, 2015 2 Roteiro Recuperação em curso nas economias desenvolvidas. O Fed vem adiando o início do ciclo

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 01/2016

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 01/2016 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 01/2016 Data: 08/01/2016 Participantes Efetivos: Wagner de Jesus Soares Presidente, Mariana Machado de Azevedo Economista, Rosangela Pereira

Leia mais

Conjuntura econômica: Cenários e Desafios

Conjuntura econômica: Cenários e Desafios Conjuntura econômica: Cenários e Desafios Sinergia -abril de 2014 Patrícia Toledo Pelatieri Elementos para Reflexão O cenário recente é carregado de muita incerteza, o que gera um pessimismo muito além

Leia mais

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 NIVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar

Leia mais

Opinião ABC Brasil /06/2017

Opinião ABC Brasil /06/2017 23/06/2017 Internamente as questões políticas continuam sendo o foco das atenções dos mercados. Contrariando as expectativas, o Comitê de Assuntos Sociais (CAS) do Senado rejeitou, por 10 votos a 9, o

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF Intenção de Consumo das Famílias Núcleo de Estudos Estratégicos Fecomércio SC Março de 2016 SUMÁRIO EMPREGO, REN DA E CONSUMO ATUAIS...

Leia mais

Carta Econômica Trimestral

Carta Econômica Trimestral CARTA ECONÔMICA Nº 10/2016 Senhores Conselheiros, Gestores e Membros do Comitê de Investimentos, Outubro 2016 Neste final de outubro os gestores de recursos dos RPPSs, notadamente aqueles que fazem um

Leia mais

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar e

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 23 e 26 de Janeiro de 2017 Instituições participantes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações nas

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Setembro, 2015 Roteiro Internacional Brasil Desaceleração da China reduz crescimento global China: desaceleração chinesa reduz crescimento

Leia mais

Informativo de Mercado Mensal

Informativo de Mercado Mensal Informativo de Mercado Mensal Abril/2016 DESTAQUES O mês abril/16 foi marcado pelos desdobramentos no âmbito político com a evolução do processo de impeachment da Presidente Dilma. No início do Abril,

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE CONJUNTURA ECONÔMICA ABRIL 2005

RELATÓRIO MENSAL DE CONJUNTURA ECONÔMICA ABRIL 2005 MINISTÉRIO DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUSEP RELATÓRIO MENSAL DE CONJUNTURA ECONÔMICA ABRIL 2005 Rio de Janeiro, 13 de abril de 2005. 1. Conjuntura atual O objetivo deste Relatório

Leia mais

Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira

Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira Centro das Indústrias do Estado de São Paulo - CIESP Campinas (SP) 29 de julho de 2009 1 CIESP Campinas - 29/07/09 Crise de 2008 breve histórico Início:

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Guilherme R. S. Souza e Silva * Introdução Este artigo pretende apresentar e discutir

Leia mais

PME registra menor taxa de desemprego da série histórica para o mês de fevereiro, mas indica acomodação no mercado de trabalho.

PME registra menor taxa de desemprego da série histórica para o mês de fevereiro, mas indica acomodação no mercado de trabalho. PME registra menor taxa de desemprego da série histórica para o mês de fevereiro, mas indica acomodação no mercado de trabalho. Segundo apuração da PME (Pesquisa Mensal do Emprego), realizada pelo IBGE,

Leia mais

PIB. PIB Trimestral 3,9% 2,6% 2,3% 2,3%

PIB. PIB Trimestral 3,9% 2,6% 2,3% 2,3% PIB O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) divulgou nesta última sextafeira, 29 de Maio, os dados do Produto Interno Bruto (PIB) referentes ao primeiro trimestre de 2015. Análise preliminar

Leia mais

Consultoria. Conjuntura Econômica e Perspectivas Setembro/2016. Juan Jensen

Consultoria. Conjuntura Econômica e Perspectivas Setembro/2016. Juan Jensen Consultoria Conjuntura Econômica e Perspectivas 2017-22 Setembro/2016 Juan Jensen jensen@4econsultoria.com.br PIB Confiança segue mostrando recuperação na margem, ainda que nível ainda seja baixo Estamos

Leia mais

A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTA A CRESCER EM 2015?

A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTA A CRESCER EM 2015? A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTA A CRESCER EM 2015? 13/11/2014 Relatório Mensal-Novembro Rua Laplace 74, conj. 51 São Paulo - SP CEP: 04622-000 Tel.: 11-4305-03-29 E-mail: comercial@fmdassset.com.br R E L A

Leia mais

Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão?

Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão? Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão? Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO Observa-se tanto em países desenvolvidos como em desenvolvimento quedas generalizadas do crescimento

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS E GERENCIAIS - ICEG DEPARTAMENTO DE ECONOMIA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS E GERENCIAIS - ICEG DEPARTAMENTO DE ECONOMIA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS E GERENCIAIS - ICEG DEPARTAMENTO DE ECONOMIA Carta de Análise Econômica Conjuntural Ano 2 Número 7 Maio 2012 1 Considerações

Leia mais

Workshop IBBA : Classe C

Workshop IBBA : Classe C (*) Veja última página para informações de investidor e completa listagem da equipe. Workshop IBBA : Classe C Ilan Goldfajn Economista-chefe Itaú Unibanco Roteiro Cenário internacional de ajuste de transações

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 13/2015

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 13/2015 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 13/2015 Data: 07/07/2015 Participantes Efetivos: Wagner de Jesus Soares Presidente, Mariana Machado de Azevedo Economista, Rosangela Pereira

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 1 Cenário Econômico Regra básica: Cenário Internacional é dominante. Oscilações de curto prazo são determinadas exogenamente. 2 Cenário Internacional União monetária

Leia mais

Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira

Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O

Leia mais

Opinião ABC Brasil /06/2017

Opinião ABC Brasil /06/2017 09/06/2017 As questões políticas continuam a ser o ponto focal do mercado. Hoje, o presidente Michel Temer passou pelo seu primeiro teste, o julgamento do TSE, mas outros virão. Na 2ª feira teremos a reunião

Leia mais

III. Política Monetária Os sinais contraditórios da política monetária do governo Lula

III. Política Monetária Os sinais contraditórios da política monetária do governo Lula III. Política Monetária Os sinais contraditórios da política monetária do governo Lula José Luís Oreiro No início do segundo semestre de 2004, o Banco Central do Brasil iniciou um processo de elevação

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 01/204 JANEIRO E FEVEREIRO DE 2014

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 01/204 JANEIRO E FEVEREIRO DE 2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 01/204 JANEIRO E FEVEREIRO DE 2014 Como Presidente e Gestora do Instituto de Previdência

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 69 setembro de 2015 Organização técnica: Maurício José Nunes Oliveira assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 69 setembro de 2015 Organização técnica: Maurício José Nunes Oliveira assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 69 setembro de 2015 Organização técnica: Maurício José Nunes Oliveira assessor econômico Para entender o déficit orçamentário do Governo 1 Proposta de Orçamento para 2016 Diante

Leia mais

A semana em revista. Relatório Semanal 08/06/2015

A semana em revista. Relatório Semanal 08/06/2015 Relatório Semanal 08/06/2015 A semana em revista No cenário doméstico, os principais destaques da semana foram os dados da Pesquisa Industrial Mensal e o resultado da reunião do COPOM. A produção industrial

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Maio, 2016 Roteiro Internacional Ambiente segue favorável para mercados emergentes A retomada da alta de juros nos EUA depende de uma aceleração

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 14 e 20 de setembro de 2016 Instituições respondentes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações nas

Leia mais

Perspectivas Alexandre Schwartsman

Perspectivas Alexandre Schwartsman Perspectivas 2014 Alexandre Schwartsman Desaceleração cíclica ou estrutural? Fonte: IBGE Pistas do mercado de trabalho 14% 12% 10% 8% 6% 4% 2% 0% Taxa de desemprego anual 2003 2004 2005 2006 2007 2008

Leia mais

Carta de Conjuntura do Setor de Seguros

Carta de Conjuntura do Setor de Seguros Carta de Conjuntura do Setor de Seguros Número 11, Fevereiro/2015 www.ratingdeseguros.com.br 1 Objetivo: O objetivo desta é ser uma avaliação mensal desse segmento e seus setores relacionados (resseguro,

Leia mais

Opinião ABC Brasil /12/2013

Opinião ABC Brasil /12/2013 06/12/2013 Uma semana carregada de novidades como essa parece ser um bom momento para revermos o nosso cenário de curto prazo, tanto para as variáveis brasileiras, quanto para a questão do tapering nos

Leia mais

MOEDA E CRÉDITO SUMÁRIO

MOEDA E CRÉDITO SUMÁRIO MOEDA E CRÉDITO SUMÁRIO Em 03 de junho, o COPOM elevou a Selic para 13,75% e emitiu um comunicado igual aos das reuniões anteriores, nas quais subiu a taxa na mesma magnitude, 50 pontos-base (pb). As expectativas

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO jan-16 fev-16 mar-16 abr-16 mai-16 jun-16 jul-16 ago-16 set-16 out-16 nov-16 dez-16 jan-17 fev/16 mar/16 mai/16 jun/16 Queda nas projeções de inflação e juros Na semana, a posse do novo presidente norte-americano

Leia mais

Nova queda do PIB não surpreende mercado

Nova queda do PIB não surpreende mercado Nova queda do PIB não surpreende mercado Os dados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE) nesta primeira semana de março mostram a tendência

Leia mais

Informativo de Mercado Mensal

Informativo de Mercado Mensal Informativo de Mercado Mensal Fevereiro/2016 DESTAQUES O mês de fevereiro/16 foi risk on. No plano internacional, o cenário mais consensual revela que o quadro macroeconômico global se tornou mais complexo

Leia mais

PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Paulo Safady Simão - Presidente da CBIC

PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Paulo Safady Simão - Presidente da CBIC PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL Paulo Safady Simão - Presidente da CBIC A CÂMARA BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO - CBIC FOI FUNDADA EM 1957 É A, REPRESENTANTE NACIONAL E INTERNACIONAL

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 04/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 04/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 04/2014 Data: 27/02/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira 39º Prêmio Exportação Rio Grande do Sul - 2011 Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil 20 de Junho de 2011 Conquistas da Sociedade Brasileira

Leia mais

Crescimento e juros. Roberto Padovani Março 2013

Crescimento e juros. Roberto Padovani Março 2013 Crescimento e juros Roberto Padovani Março 2013 jan-91 dez-91 nov-92 out-93 set-94 ago-95 jul-96 jun-97 mai-98 abr-99 mar-00 fev-01 jan-02 dez-02 nov-03 out-04 set-05 ago-06 jul-07 jun-08 mai-09 abr-10

Leia mais

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Indicadores domésticos de atividade exibem estabilização na margem. Nos EUA, produção industrial confirma expansão moderada da economia. No âmbito doméstico, os dados de

Leia mais

Pesquisa Econômica Perspectivas Econômicas

Pesquisa Econômica Perspectivas Econômicas Pesquisa Econômica Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Janeiro 2017 Roteiro Internacional Forte crescimento global em meio a riscos políticos O crescimento do PIB global deverá

Leia mais

ATIVIDADE ECONÔMICA. Junho de 2009

ATIVIDADE ECONÔMICA. Junho de 2009 Principais pontos Relatório de Inflação Banco Central ATIVIDADE ECONÔMICA As medidas anticíclicas vêm se traduzindo em melhoras recentes. A economia brasileira apresenta sinais de gradual recuperação.

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO jan/15 jan/15 Acomodação com o cenário externo A semana de 19 a 26 de fevereiro apresentou movimentos moderados nas principais variáveis de mercado. A despeito do resultado negativo para o IPCA-15 de fevereiro,

Leia mais

Cenário Macroeconômico para o Agronegócio. Geraldo Barros

Cenário Macroeconômico para o Agronegócio. Geraldo Barros Cenário Macroeconômico para o Agronegócio Geraldo Barros PIB do Agronegócio: 1994/2010 R$ bilhões (de 2010) +37% 597 22(%) (28%) Fonte:Cepea Pib e Shares dos segmentos do Agronegócio 32% 33% 33% 30% 26%

Leia mais

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 SUMÁRIO Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita de

Leia mais

Cenário Macro Semanal

Cenário Macro Semanal Banco Central sinaliza maior rigor em relação ao avanço de preços Levando em consideração o cenário mais desfavorável ao arrefecimento da inflação e o maior rigor adotado pelo Banco Central nos recentes

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Carta Mensal Fevereiro 2017

Carta Mensal Fevereiro 2017 Carta Mensal Fevereiro 2017 Estratégia Macro Os fundos dentro da estratégia macro da Mauá Capital tiveram um mês de fevereiro bastante positivo, principalmente nas seguintes estratégias: Juros-Brasil Play

Leia mais

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou nesta

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou nesta BNDES eleva taxas de juros e reduz participação em financiamentos Limite foi reduzido de 90% para 70% do custo de projetos de empresas. Nova política é lançada após elevação da TJLP para 5,5% ao ano. Matéria

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA. Os principais indicadores da economia brasileira: atividade econômica e política monetária

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA. Os principais indicadores da economia brasileira: atividade econômica e política monetária NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Os principais indicadores da economia brasileira: atividade econômica e política monetária Lucas Lautert Dezordi * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Introdução

Leia mais

Resultados do ano de 2008

Resultados do ano de 2008 Resultados do ano de 2008 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários brasileira

Leia mais

Reformas, Endividamento Externo e o Milagre Econômico ( ) GIAMBIAGI; VILLELA CASTRO; HERMANN (2011 cap. 3 e 4)

Reformas, Endividamento Externo e o Milagre Econômico ( ) GIAMBIAGI; VILLELA CASTRO; HERMANN (2011 cap. 3 e 4) Reformas, Endividamento Externo e o Milagre Econômico (1960-1973) GIAMBIAGI; VILLELA CASTRO; HERMANN (2011 cap. 3 e 4) Passagem de um sistema democrático para um regime militar autoritário. Entre 1964-73

Leia mais

2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa. Marcello Siniscalchi

2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa. Marcello Siniscalchi 2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa Marcello Siniscalchi Ampla liquidez internacional provocada por taxas de juros reais negativas e curvas de juros pouco inclinadas. Taxas de juros Reais G3 Inclinação

Leia mais

CONTEXTO DA ECONOMIA E SEUS REFLEXOS NA AMÉRICA LATINA

CONTEXTO DA ECONOMIA E SEUS REFLEXOS NA AMÉRICA LATINA CONTEXTO DA ECONOMIA E SEUS REFLEXOS NA AMÉRICA LATINA AMÉRICA LATINA AMÉRICA LATINA Quatro desafios da economia da América Latina em 2015 Crescimento moderado da economia global; Queda do preço das comodities

Leia mais

Cenário Moveleiro. Análise econômica e suporte para as decisões empresariais. Número 01/2006. Cenário Moveleiro Número 01/2006 1

Cenário Moveleiro. Análise econômica e suporte para as decisões empresariais. Número 01/2006. Cenário Moveleiro Número 01/2006 1 Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Número 01/2006 Cenário Moveleiro Número 01/2006 1 Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 22 de julho de 2016

INFORME ECONÔMICO 22 de julho de 2016 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Na Europa, o BCE sinalizou que pode reavaliar as medidas de estímulos monetários nas próximas reuniões. No Brasil, o Copom considerou que não há espaço para flexibilizar

Leia mais

Recuperação de renda disponível para consumo desafia inflação de serviços

Recuperação de renda disponível para consumo desafia inflação de serviços Boletim 1088/2016 Ano VIII 25/10/2016 Recuperação de renda disponível para consumo desafia inflação de serviços Por Denise Neumann A renda ampliada disponível para consumo e pagamento de dívidas (massa

Leia mais

Indicador de Confiança do Micro e Pequeno Empresário

Indicador de Confiança do Micro e Pequeno Empresário Indicador de Confiança do Micro e Pequeno Empresário Novembro - 2016 MPE MANTÉM CONFIANÇA, MAS SITUAÇÃO ATUAL AINDA É TIDA COMO DESFAVORÁVEL Em novembro de 2016, o Indicador de Confiança do Micro e Pequeno

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 28 de outubro de 2016

INFORME ECONÔMICO 28 de outubro de 2016 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS No Brasil, Banco Central sinalizou a manutenção do ritmo de corte para a próxima reunião. Nos Estados Unidos, o crescimento do PIB acelerou no terceiro trimestre. No Brasil,

Leia mais

Volume de Vendas do Varejo Ampliado Acumulado em 12 meses em relação aos 12 meses anteriores. dez/14. set/16. mar/14. dez/13.

Volume de Vendas do Varejo Ampliado Acumulado em 12 meses em relação aos 12 meses anteriores. dez/14. set/16. mar/14. dez/13. dez/11 mar/12 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 mar/14 set/14 mar/15 set/15 mar/16 set/16 Monitor Econômico ASSESSORIA ECONÔMICA Dados divulgados entre 09 e 13 de janeiro Comércio (PMC) Entre outubro

Leia mais

Indicadores de Desempenho

Indicadores de Desempenho PANORAMA CONJUNTURAL FIEA Abril de 2016 Publicado em Junho de 2016 PIB do 1º Trimestre de 2016: Fundo do Poço à Vista? A evolução do PIB brasileiro no primeiro trimestre de 2016, conforme dados publicados

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007 Lucas Lautert Dezordi * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Introdução O presente artigo tem

Leia mais

Opinião ABC Brasil /01/2017

Opinião ABC Brasil /01/2017 06/01/2017 No Opinião da semana passada, quando fizemos as nossas considerações com relação ao que esperar para 2017, escrevemos o seguinte comentário sobre o nível no qual o Dólar estava fechando 2016:

Leia mais

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 Os sérios desafios da economia Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 1 Os números da economia brasileira que o novo governo precisa enfrentar 11,089 milhões Número de desempregados no Brasil,

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Fevereiro de Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Fevereiro de Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Fevereiro de 2016 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Recuperação da atividade... Pág.3 Europa: Inflação

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 01 e 04 de Novembro de 2016 Instituições participantes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações

Leia mais

Dimensão financeira do desequilíbrio fiscal

Dimensão financeira do desequilíbrio fiscal Dimensão financeira do desequilíbrio fiscal Geraldo Biasoto Jr I Jornada de Debates sobre a Dívida Pública 20/10/2105 Ministério Público Federal/Ministério Público de Contas SP Quando o fiscal virou financeiro?

Leia mais

A história de um cliente da LUZ que queria empreender

A história de um cliente da LUZ que queria empreender Este conteúdo faz parte da série: Estudo de Viabilidade Econômica Ver 8 posts dessa série Nesse artigo falaremos sobre: Para que serve um estudo de viabilidade A história de um cliente da LUZ que queria

Leia mais

TERMÔMETRO DE VENDAS Dezembro/2015

TERMÔMETRO DE VENDAS Dezembro/2015 TERMÔMETRO DE VENDAS Dezembro/2015 Elaborado: Setor de Economia, Pesquisa e Mercado Equipe Técnica: Ana Paula Bastos Economista Sarah Ribeiro Estatística André Correia Analista de Economia Amanda Santos

Leia mais

Transferência de renda é a principal marca da gestão Lula

Transferência de renda é a principal marca da gestão Lula Valor Econômico 27 de dezembro de 2010 Governo: Gasto adicional de 2,2% do PIB significa que foram transferidos R$ 75 bi a mais em relação a 2002 Transferência de renda é a principal marca da gestão Lula

Leia mais

Indicador de Confiança do Micro e Pequeno Empresário

Indicador de Confiança do Micro e Pequeno Empresário Indicador de Confiança do Micro e Pequeno Empresário Maio 2017 Indicador de Confiança do MPE mostra empresários ainda pessimistas com os rumos da economia Em maio de 2017, o Indicador de Confiança do Micro

Leia mais

Outubro/2011. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Outubro/2011. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Outubro/2011 Cenário para as Micro e Pequenas Empresas Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Números das Micro e Pequenas Empresas no Brasil 2 Micro e pequenas empresas (até 99 funcionários)

Leia mais

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA Gustavo Loyola XII CONGRESSO BRASILEIRO DE FOMENTO COMERCIAL Foz do Iguaçu (PR), abril de 2016 Estrutura 2 Cenário Internacional Cenário doméstico Conclusão Cenário

Leia mais

Cenário macroeconômico

Cenário macroeconômico Cenário macroeconômico 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016* 2017* TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB DO MUNDO (SOMA DOS PIBs OBTIDA PELA PARIDADE DO PODER DE COMPRA) 1980 - Título 2011 FONTE: FMI. ELABORAÇÃO E

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Outubro, 2016 Roteiro Internacional China mais estável, mas riscos globais aumentaram A atividade na China e as taxas de juros baixas nas economias

Leia mais

Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro

Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro Boletim 1112/2016 Ano VIII 01/12/2016 Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro Nível de ocupação melhorou porque foram gerados 111 mil postos de trabalho

Leia mais

Terça 11 de abril 05:00 IPC (semanal) FIPE

Terça 11 de abril 05:00 IPC (semanal) FIPE Informe Semanal 47/217 Publicado em 13 de abril de 217 Brasil Relatório Focus 7/4/217 BACEN Agenda da Semana SUMÁRIO EXECUTIVO DA SEMANA Segunda 1 de abril Terça 11 de abril 5: IPC (semanal) FIPE 9: Pesquisa

Leia mais

Indicador de Confiança do Micro e Pequeno Empresário

Indicador de Confiança do Micro e Pequeno Empresário Indicador de Confiança do Micro e Pequeno Empresário Fevereiro 2017 Indicador de Confiança do MPE alcança o maior resultado desde maio de 2015 INDICADOR DE CONFIANÇA 50,2 50,6 50,2 48,9 51,0 52,5 36,6

Leia mais

IPCA, inflação livre, administrados e projeção Carta Aberta. Acumulado em doze meses. Jan Mar Mai Jul Set Nov Jan Mar Mai Jul Set Nov Jan Mar Mai

IPCA, inflação livre, administrados e projeção Carta Aberta. Acumulado em doze meses. Jan Mar Mai Jul Set Nov Jan Mar Mai Jul Set Nov Jan Mar Mai IPCA: Inércia, Câmbio, Expectativas e Preços Relativos Este boxe examina o comportamento recente do IPCA, a partir da contribuição dos principais fatores que explicam sua dinâmica, com destaque para a

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias continua considerando os desdobramentos das medidas fiscais e as incertezas da economia

Leia mais

Relatório Mercatto OABPREV RJ Fundo Multimercado

Relatório Mercatto OABPREV RJ Fundo Multimercado Relatório Mercatto OABPREV RJ Fundo Multimercado Abril/11 Sumário 1. Características do Fundo Política de Gestão Objetivo do Fundo Público Alvo Informações Diversas Patrimônio Líquido 2. Medidas Quantitativas

Leia mais

Perspectivas para a economia brasileira e a América Latina. Ilan Goldfajn Economista-Chefe e sócio Itaú Unibanco

Perspectivas para a economia brasileira e a América Latina. Ilan Goldfajn Economista-Chefe e sócio Itaú Unibanco Perspectivas para a economia brasileira e a América Latina Ilan Goldfajn Economista-Chefe e sócio Itaú Unibanco Abril 2013 1 Roteiro Internacional Recuperação moderada. Riscos de quebra menores, mas volatilidade

Leia mais

A VOLTA DO CRESCIMENTO: UM MOVIMENTO EM DOIS TEMPOS

A VOLTA DO CRESCIMENTO: UM MOVIMENTO EM DOIS TEMPOS A VOLTA DO CRESCIMENTO: UM MOVIMENTO EM DOIS TEMPOS 02 DE DEZEMBRO DE 2016 ABIQUIM 1 Economia global está desacelerando: qual o impacto de um governo Trump? 2,6 2,3 2,1 1,8 1,6 EUA: título de 10 anos (%)

Leia mais

Sexta-Feira, 21 de outubro de 2016

Sexta-Feira, 21 de outubro de 2016 Sexta-Feira, 21 de outubro de 2016 Bom dia, "Prévia" da inflação oficial recua. Já com relação ao IPCA-15 (indicador que tem a mesma metodologia do IPCA que por sua vez reflete a inflação oficial do país,

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL AGOSTO DE 2011 Novo crescimento não altera o quadro desfavorável Agosto de 2011 www.fiergs.org.br Os resultados dos Indicadores Industriais do RS referentes ao

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Abril, 2016 Roteiro Internacional Ambiente favorável para mercados emergentes O crescimento nas economias avançadas está se estabilizando,

Leia mais

Relatório Mensal. Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2011 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários e Imobiliários 0,53% 39,27%

Leia mais

Carta Econômica Mensal - Abril de Ainda Incertezas...

Carta Econômica Mensal - Abril de Ainda Incertezas... Cuiabá, 09 de Maio de 2017. Carta Econômica Mensal - Abril de 2017 Ainda Incertezas... Em Abril, a trajetória do IMA-Geral e seus subíndices que refletem a carteira dos títulos públicos em mercado indica

Leia mais

O perfil do endividamento das famílias brasileiras em 2016

O perfil do endividamento das famílias brasileiras em 2016 O perfil do endividamento das famílias brasileiras em 2016 A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor mostra que em 2016 houve redução de 3,9% no número médio de famílias com dívidas, com

Leia mais

O próximo ano será melhor para o varejo (mas nem tanto) SÃO PAULO, 13 DE NOVEMBRO DE 2014 POR REDAÇÃO DC.

O próximo ano será melhor para o varejo (mas nem tanto) SÃO PAULO, 13 DE NOVEMBRO DE 2014 POR REDAÇÃO DC. O próximo ano será melhor para o varejo (mas nem tanto) SÃO PAULO, 13 DE NOVEMBRO DE 2014 POR REDAÇÃO DC. Os fantasmas da Copa e das eleições deixaram de rondar o consumidor, que voltará a comprar, mas

Leia mais