CLIPPING. BC não volta mais atrás em relação à alta da Selic, diz Mesquita. FONTE: Valor Econômico. SEÇÃO: Finanças. PUBLICADA EM: 6 de março de 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CLIPPING. BC não volta mais atrás em relação à alta da Selic, diz Mesquita. FONTE: Valor Econômico. SEÇÃO: Finanças. PUBLICADA EM: 6 de março de 2013"

Transcrição

1 CLIPPING FONTE: SEÇÃO: Finanças PUBLICADA EM: 6 de março de 2013 BC não volta mais atrás em relação à alta da Selic, diz Mesquita Mesquita: surpresa com inflação e disseminação de reajustes acenderam sinal de alerta da autoridade monetária. O Banco Central (BC) não deve voltar atrás em sua intenção de subir a taxa de juros para fazer frente à recente alta da inflação. Esta é a opinião do ex-diretor de Política Econômica do BC e atual sócio do banco Brasil Plural, Mario Mesquita. "Acho difícil isso acontecer. Seria mais difícil de entender e mais difícil de explicar também", afirmou ele, em entrevista ao Valor. Para Mesquita, foi a surpresa com a inflação corrente no início de 2013 e o seu alto nível de disseminação na economia que determinaram a mudança de tom do discurso adotado pelo BC. No entanto, a simples desaceleração dos índices de preço, como é esperado por boa parte dos analistas para os próximos meses, não pode ser entendida, isoladamente, como argumento para o adiamento de uma ação mais efetiva por parte da autoridade monetária. "A inflação cheia é algo que todo mundo olha, mas ela não é uma informação suficiente para guiar os passos de política monetária." Mesquita trabalhava com um cenário de manutenção da taxa Selic até o fim do ano. Agora, diante da admissão pelo presidente do BC, Alexandre Tombini, de "desconforto com a inflação", acredita que pode haver um ajuste no comunicado da reunião do Copom, que termina hoje, abrindo espaço para uma alta no curto prazo. "Acho que seria uma grande surpresa se ele desfizesse, se dissesse que 'não, está tudo bem, o cenário inflacionário voltou a ser benigno'", adverte Mesquita. Mesmo diante da possibilidade de mudança da Selic, o economista acredita que o crescimento do PIB

2 em 2013 e 2014 deve ficar próximo de 3,2% ao ano. E que o IPCA oscilará entre 5,5% e 6%. Valor: Qual é a sua expectativa para a próxima reunião do Copom? Mario Mesquita: A gente espera que, no mínimo, o Copom altere o comunicado, sinalizando a possibilidade de elevação da taxa de juros. A comunicação do BC tem enfatizado que a manutenção do juro estável por um período prolongado era a postura mais adequada, mas, recentemente, o BC sinalizou desconforto com a inflação, com o cenário inflacionário mais adiante, e isso deve aparecer no comunicado. Existe uma possibilidade de ele subir a taxa já nesta reunião, mas acho que o mais provável é que ele mantenha a taxa e altere o comunicado. Valor: Que tipo de alteração no comunicado o BC poderia fazer? Pode ser retirada a expressão "suficientemente prolongado"? Mesquita: Esse é um grande debate no mercado. Se o BC simplesmente retira essa expressão, seria visto como um sinal de alta mais iminente. A alternativa seria qualificar essa expressão. Em algumas ocasiões, os responsáveis pela política monetária disseram que o recado que passaram estava valendo neste momento. Condicionar no tempo é uma tática que o BC já usou várias vezes no passado, este BC e gestões anteriores também. Valor: Seu cenário mais provável, então, é que o BC mantenha os juros, mude o comunicado e comece a subir a taxa em abril? Mesquita: Vamos ver. Depende do teor do comunicado e da ata. Mas uma alta de juros neste ano ficou muito mais provável. Antes da mudança de comunicação, a gente esperava que eles fossem começar a subir a taxa no começo do ano que vem. Valor: Qual deve ser o orçamento do ciclo? Mesquita: Vamos esperar a comunicação no 'statement' e na ata para poder fazer uma análise mais aprofundada. Não quero especular sobre orçamento. O mercado tem falado muito em algo entre 100, 150 e 200 pontos base. O que é certo é que no momento em que o BC começar o processo de aumento de juros, provavelmente o mercado vai apreçar um movimento bem expressivo. Valor: Em declaração recente, Tombini chegou a mencionar que a Selic deve oscilar menos que no passado, o que levou o mercado a acreditar que o ciclo e o ritmo podem ser menores. Mesquita: Ele tem um plano de voo que deve ser adaptado conforme a evolução do cenário. A observação das autoridades sobre o movimento dos juros é porque a taxa está em um patamar mais baixo. Ainda que o orçamento esperado por algumas pessoas seja concretizado, isso vai levar a taxa para um patamar historicamente baixo, dado o padrão brasileiro. Valor: O que está pesando mais na decisão do BC? Mesquita: O BC manifestou em diversas ocasiões, recentemente, que está priorizando o controle da inflação. Então, a inflação projetada pelo próprio BC deve ser o guia para as decisões. Valor: Existe a percepção de que o BC pode estar admitindo inflação mais alta. Qual seria o limite a ser atingido para se acreditar que o BC vai começar a subir juros? Mesquita: Tem a ver mais com a inflação que o BC está projetando do que com a inflação corrente. As ações que o BC for tomar agora vão ter efeito mais sobre a inflação no fim do ano e em Então, a política monetária convencional tem, neste momento, pouco a fazer em relação à inflação de Se o BC estiver projetando uma inflação para 2014 muito distante do centro da meta, essa é uma condição necessária para ele começar a ajustar a política. Na reunião de janeiro, a ata do Copom indicava que a projeção de inflação para 2014 do próprio BC estava ligeiramente acima da meta. Então, é preciso olhar como evoluiu a própria projeção do BC. Esse é o guia. 2

3 "Seria uma surpresa se o BC dissesse que 'não, está tudo bem, o cenário inflacionário voltou a ser benigno'" Valor: Houve uma mudança importante das expectativas. O que aconteceu para que esse discurso do BC mudasse? Ele soube explicar com clareza a nova visão? Mesquita: Comunicar uma mudança de postura é sempre difícil. É complicado para qualquer banco central e aqui não é diferente. O que aconteceu foi uma surpresa grande com a inflação de curto prazo, não só com o comportamento do índice cheio mas também com um caráter mais disseminado do processo inflacionário. O próprio BC registrou isso como caracterização de uma piora do processo inflacionário, isso é consensual, e o grau de preocupação de todo mundo com relação à inflação aumentou. O fato é que, se não tivéssemos tido fatos extraordinários, como os cortes das tarifas de energia e o adiamento do aumento da tarifa de ônibus em São Paulo e Rio, a inflação acumulada de janeiro e fevereiro poderia ter caminhado para algo como 2,3%, 2,4% e até 2,5%. É evidente que, se você está com esse tipo de risco no cenário, o grau de preocupação das autoridades com a inflação tem que subir. Mesmo porque as tarifas de ônibus urbanos em algum momento vão aumentar. Tem também a questão do uso das termelétricas durante todo o ano, que pode devolver um pouco do ganho que se obteve com corte da tarifa de energia, desde que o Tesouro não assuma. Valor: Mas houve momentos em que o BC tinha um recado muito mais firme, e depois trouxe de volta a lembrança do "suficientemente prolongado". Está havendo ruído de comunicação? Mesquita: O 'suficientemente prolongado' não saiu do comunicado e da ata. A gente tem que ver como esse tema vai ser tratado agora e na semana que vem. Comunicação por discurso tem sempre uma calibragem. O BC vai se comunicando, o mercado vai reagindo e o BC tem como corrigir o seu tom para levar o mercado para aonde ele quer. Acho que estamos nesse processo. Mas continuo achando que os documentos oficiais - comunicado, ata e relatório de inflação - acabam sendo mais importantes, uma sinalização mais poderosa das intenções da autoridade. Valor: Em sua opinião, a comunicação foi bem feita? Mesquita: O BC deu sinais de desconforto com a inflação progressivos, o mercado reagiu a isso. Aparentemente, no fim desse processo, ele não adicionou esses sinais. Acho que chegou a um nível de preocupação, em um apreçamento da curva de juros em que o BC se sentiu satisfeito. Vamos esperar os documentos. Seria uma grande surpresa se ele desfizesse, se dissesse que 'não, está tudo bem, o cenário inflacionário voltou a ser benigno'. Acho difícil isso acontecer. Seria mais difícil de entender e mais difícil de explicar também. Valor: Tem gente achando que o BC está fazendo apenas uma calibragem verbal, mas que não estaria realmente disposto a subir os juros. Se depois disso não houver aumento, haverá prejuízo à credibilidade? Mesquita: Se a inflação continuar se comportando como vem se comportando, provavelmente vai exigir uma resposta de política monetária. Se houver uma mudança muito favorável de um dia para a noite, o que não é muito provável dado que você tem componentes da inflação que são persistentes, como o crescimento dos salários devido ao mercado de trabalho apertado, pode ser que o BC não precise fazer nada e mantenha a credibilidade. Mas, caso a inflação continue a se comportar de forma divergente à meta, provavelmente vai ter que seguir a indicação mais recente, que é de alta dos juros. Valor: Mas, para isso, qual é o indicador mais importante? Mesquita: O mercado, assim como o BC, tem que olhar para uma quantidade grande de fatores. Não basta olhar apenas para a inflação cheia. Os núcleos têm seu conteúdo de informação, o grau de difusão do processo inflacionário também, indicadores de ociosidade também são importantes, expectativas de inflação... Tudo isso tem que ser levado em conta na hora de o BC tomar uma decisão e de o mercado se posicionar. 3

4 Valor: Então, teria de haver uma virada do quadro como um todo... Mesquita: Sim, não basta ver um alívio de preço de alimento pontual e o índice de inflação cheia cair. A gente já viu isso antes. Em meados de 2010, houve um momento em que a inflação cheia ficou muito bem comportada e, naquele momento, o BC interrompeu um ciclo de aperto monetário. Depois, em 2011, teve de voltar [a subir a taxa Selic]. A inflação cheia é algo que todo mundo olha, mas ela não é uma informação suficiente para guiar os passos da política monetária. Valor: O que tem um custo maior para o BC: dar doses mais fortes de juros ou acelerar o ciclo? Mesquita: É custoso para o BC operar mudanças de ritmo. Em geral, você cria uma expectativa, está seguindo uma estratégia, tem que explicar. É uma nova tarefa, um novo exercício. Historicamente, não só no caso brasileiro, quando você tem uma inflação que fica mais persistente, mais inercial, você tem que fazer apertos monetários mais prolongados, que causem um desaquecimento da economia mais persistente para exatamente quebrar essa inércia. O caso mais emblemático foi nos Estados Unidos, na virada dos anos 70 para os 80. Durante muito tempo os EUA tinham essa ideia: "Vamos conviver com inflação", "inflação de 7%, 8%, 9% não é problema", e aí precisou vir o [Paul] Volcker [ex-presidente do Federal Reserve] para gerar um desaquecimento suficiente à desinflação. A inflação não é algo com o que você queira conviver. A gente já tem uma meta alta, o que é um problema. Quando se fala em desinflacionar a economia brasileira é desinflacionar para 4,5%, quando o padrão mundial é de 2,5% nas economias maduras e de 3% nos emergentes. Conviver com uma inflação já saindo de uma meta que é alta para o padrão internacional é complicado. "Se não tivéssemos corte de tarifa de energia e adiamento de ônibus, IPCA do bimestre seria de até 2,5%" Valor: O Brasil está em processo de estagflação? Mesquita: Haverá alguma recuperação neste ano, com tendência de um crescimento razoável neste ano, perto de 3%, talvez um pouco acima disso, ainda com um comportamento liderado pela expansão do consumo, mas acho que deve acontecer uma virada no investimento. Ele caiu no ano passado cerca de 4% e, neste ano, deve crescer acima de 3%. O programa de concessões em infraestrutura deve ter seu efeito positivo. Há uma recuperação em curso em segmentos importantes - bens de capital, no segmento de caminhões, que foi um fator negativo para o investimento no ano passado. Não acho que a gente vá voltar a crescer como antes da crise, mesmo porque o mundo não cresce como crescia antes da crise. Mas vai crescer mais em 2013 do que cresceu em 2011 e Valor: Uma resposta de política monetária virá com uma inflação alta e expectativas acima de 5,5% para 2013 e Esse quadro pode ser uma das explicações para a demora da resposta da atividade? Mesquita: A inflação acaba corroendo renda real, comprime o poder de compra, em especial dos que vivem de salário. O diretor de política econômica [Carlos Hamilton Araújo] disse, quando apresentou o boletim regional, que essa ideia de que inflação alta promove crescimento é uma falácia. A inflação alta corrói renda e atrapalha o crescimento. O BC tem isso em mente. Valor: E do ponto de vista do setor produtivo, decisões de investimento são comprometidas quando cresce a preocupação com inflação? Mesquita: As decisões de investimento são comprometidas quando você tem risco de instabilidade macroeconômica, mudanças de regra, aumento da incerteza, isso tudo atrapalha. No ano passado, a gente teve um desempenho bastante ruim do investimento apesar de taxa de juros para investir a zero, praticamente, contando o juro subsidiado, e isso reflete um pouco o aumento da incerteza. Este ano, 4

5 estabelecidas as regras para investimento em concessões, com certa redução do ambiente de incerteza, o investimento tende a se recuperar. Valor: Na sua opinião, a ação do BC terá mais foco em expectativa do que em regular demanda? Mesquita: Vamos ter sempre a cautela de esperar que quem tem a caneta se manifeste. O BC vai se manifestar sobre juros, na decisão do Copom e com certeza vai deixar claro o que ele pretende com sua estratégia. Vamos esperar para ver o que vai dizer, mas certamente a comunicação vai mencionar a necessidade de trazer a inflação para a meta, ancorar as expectativas, isso parece ser em linhas gerais o que o BC tem em mente, mas ele é quem tem que dizer. As expectativas são um dos determinantes para a inflação. É um fato bem estabelecido que as expectativas de inflação têm influência sobre a inflação observada. As empresas quando definem seus preços levam em conta qual é a inflação esperada, mais ou menos. Em geral, as expectativas de inflação refletem a meta ou a inflação acumulada nos últimos 12 meses, dependendo se a meta tem sido atingida recentemente ou não, ou se a inflação está persistindo em um nível diferente da meta por mais tempo. Como a inflação tem persistido em torno de 5,5% por algum tempo, as expectativas têm ficado ao redor desse patamar. Valor: O câmbio pode ser mais utilizado para controlar a inflação? Mesquita: O câmbio ajuda. Assim como teve um efeito inflacionário quando o real se depreciou no ano passado, ele daria uma ajuda agora, em especial para conter a inflação dos bens comercializáveis, que saiu de cerca de 3% para algo perto de 5,5%. Teve uma alta grande, que em parte pode ser atribuída ao efeito defasado da depreciação do real. Se você tivesse um movimento inverso da taxa de câmbio, de apreciação, a tendência seria ter uma redução da inflação dos bens comercializáveis. Isso é importante porque a gente sabe que os não comercializáveis andam próximo a 9% muito em função das pressões salariais e do mercado de trabalho. Valor: O que explica o fato de o fluxo financeiro ter encolhido? Mesquita: Tem a ver com incerteza, com a ideia de que o ciclo de investimento não se acelerou no Brasil, as empresas não estão sentindo necessidade de se endividar. Houve também um encarecimento do CDS do Brasil, o que significa na margem um aumento do custo de financiamento externo. Mas acho que isso tem a ver com o fato de que as empresas não estão sentindo grande necessidade de tomar recursos lá fora porque não estão investindo. A incerteza macroeconômica acaba inibindo as empresas a investir. Valor: Não é apenas a política monetária que gera incerteza? Mesquita: Não. Acho até que o trabalho do BC recentemente tem sido no sentido de aumentar o grau de certeza, esclarecer com ênfase qual é sua preocupação, sua prioridade. O BC tem atuado no sentido de dirimir essas dúvidas. É evidente que isso tem que ter um segmento no tempo, na ação que o BC vai ter nesta semana e nas reuniões seguintes. Mas acho que a incerteza tem a ver com questão regulatória de diferentes setores, mudanças de regras. Pode até ser um período de transição para as pessoas se acostumarem com esse novo ambiente. Mas enquanto isso, há um aumento do nível de incerteza que inibe o investimento. Por Lucinda Pinto, de São Paulo 5

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico INSTABILIDADE POLÍTICA E PIORA ECONÔMICA 24 de Março de 2015 Nas últimas semanas, a instabilidade política passou a impactar mais fortemente o risco soberano brasileiro e o Real teve forte desvalorização.

Leia mais

Carta Mensal Fev/Mar de 2013 nº 173

Carta Mensal Fev/Mar de 2013 nº 173 Carta Mensal Fev/Mar de 2013 nº 173 Destaques do mês - Copom sinaliza alta de juros, mas não se compromete com ação já na próxima reunião, em meados de abril; - Atividade econômica mostra sinais de recuperação

Leia mais

Carta Mensal Abr/Mai de 2013 nº 175

Carta Mensal Abr/Mai de 2013 nº 175 Carta Mensal Abr/Mai de 2013 nº 175 Destaques do mês - Preocupado com a inflação, mas também com as incertezas do cenário internacional, Copom inicia ciclo de aperto monetário com elevação de apenas 0,25%

Leia mais

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Março / 2015 Cenário Econômico Bonança e Tempestade Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Bonança Externa Boom das Commodities Estímulos ao consumo X inflação Importações e real valorizado 2

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

Quarta-feira, 21 de Agosto de 2013. DESTAQUES

Quarta-feira, 21 de Agosto de 2013. DESTAQUES DESTAQUES Bolsa interrompe série de altas Dólar cai após seis altas com ação do BC Tesouro dá liquidez aos títulos Latam registra prejuízo líquido no 2º tri Itaú renova acordo com Fiat Faturamento da Minerva

Leia mais

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 CENÁRIO INTERNACIONAL ESTADOS UNIDOS Ø Abrandamento da política monetária para promover o crescimento sustentável. Ø Sinais

Leia mais

A política de juros e de câmbio está no rumo do crescimento?

A política de juros e de câmbio está no rumo do crescimento? A política de juros e de câmbio está no rumo do crescimento? Luiz Carlos Bresser-Pereira O Estado de S.Paulo, 1.8.2007. O ex-ministro da Fazenda Luiz Carlos Bresser-Pereira e o ex-diretor de Política Econômica

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 06 de julho de 2010. CENÁRIO ECONÔMICO EM JUNHO A persistência dos temores em relação à continuidade do processo de recuperação das economias centrais após a divulgação dos recentes dados de

Leia mais

Alguns preferem papéis federais mais curtos, de menor risco, mas há os que sugerem títulos um pouco mais longos corrigidos pela inflação.

Alguns preferem papéis federais mais curtos, de menor risco, mas há os que sugerem títulos um pouco mais longos corrigidos pela inflação. Empírica Investimentos na mídia EXAME Janeiro 23/12/2014 Com juro alto, renda fixa é mais atrativa e Petrobras, opção A alta dos juros na semana passada por conta da instabilidade externa tornou mais atrativos

Leia mais

A PROBLEMÁTICA DO COPOM

A PROBLEMÁTICA DO COPOM A PROBLEMÁTICA DO COPOM Na ata de reunião terminada em 17 de outubro, em que houve a decisão unânime de manter a taxa SELIC em 11,25%, o COPOM dá uma indicação de sua motivação principal: 19. O Copom considera

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM FEVEREIRO São Paulo, 04 de março de 2011. O mês de fevereiro foi positivo para os mercados de ações. Entretanto, o período foi marcado pelo aumento das tensões geopolíticas, com diversos

Leia mais

5 MOEDA E CRÉDITO. ipea SUMÁRIO

5 MOEDA E CRÉDITO. ipea SUMÁRIO 5 MOEDA E CRÉDITO SUMÁRIO Na reunião de fevereiro último, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a meta para a taxa Selic em 25 pontos-base (pb), fazendo-a chegar a 10,75% ao ano (a.a.). Essa redução

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO SEGUNDO TRIMESTRE DO EXERCÍCIO DE 2011 INSTITUTO DE SEGURIDADE DO SERVIDOR MUNICIPAL CAMAÇARI, BA

ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO SEGUNDO TRIMESTRE DO EXERCÍCIO DE 2011 INSTITUTO DE SEGURIDADE DO SERVIDOR MUNICIPAL CAMAÇARI, BA ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO SEGUNDO TRIMESTRE DO EXERCÍCIO DE 2011 INSTITUTO DE SEGURIDADE DO SERVIDOR MUNICIPAL CAMAÇARI, BA Belo Horizonte, Julho de 2011 ÍNDICE 1. Introdução...03

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest SUMÁRIO PANORAMA 3 ATUAL CONTEXTO NACIONAL 3 ATUAL CONTEXTO INTERNACIONAL 6 CENÁRIO 2015 7 CONTEXTO INTERNACIONAL 7 CONTEXTO BRASIL 8 PROJEÇÕES 9 CÂMBIO 10

Leia mais

Causas do descumprimento da meta. Presi-2003/0177 Brasília, 21 de janeiro de 2003. Senhor Ministro:

Causas do descumprimento da meta. Presi-2003/0177 Brasília, 21 de janeiro de 2003. Senhor Ministro: Presi-2003/0177 Brasília, 21 de janeiro de 2003. Senhor Ministro: Como é do conhecimento de Vossa Excelência, a taxa de inflação medida por meio da variação do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)

Leia mais

Carta Mensal Mauá Sekular

Carta Mensal Mauá Sekular Mauá Participações I e II www.mauasekular.com.br contato@mauasekular.com.br Carta Mensal Mauá Sekular Fundos Macro Maio 2015 Sumário (I) (II) (III) Cenário Internacional Cenário Doméstico Principais Estratégias

Leia mais

Introdução. PIB varia 0,4% em relação ao 1º trimestre e chega a R$ 1,10 trilhão

Introdução. PIB varia 0,4% em relação ao 1º trimestre e chega a R$ 1,10 trilhão 16 a 31 de agosto de 2012 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas Coordenação

Leia mais

Ano IV Nº 159, De 8 a 14 de agosto de 2013 PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR FECHADA

Ano IV Nº 159, De 8 a 14 de agosto de 2013 PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR FECHADA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR FECHADA Fundos dizem que vão apoiar leilão do TAV Embora praticamente adiado para um eventual segundo mandato da presidente Dilma Rousseff, o leilão do Trem de Alta Velocidade

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL

ECONOMIA INTERNACIONAL No mês de fevereiro foram divulgadas as estatísticas das principais economias mundiais. Cabe ressaltar ainda, o efeito negativo da crise na Ucrânia nos mercados internacionais, uma vez que o grau de tensão

Leia mais

Carta do Gestor. Vento Contra. Caros Investidores,

Carta do Gestor. Vento Contra. Caros Investidores, Carta do Gestor Vento Contra Caros Investidores, Há alguns meses temos ressaltado em nossas cartas a piora do ambiente global para as economias emergentes. Esse vento contra, formado inicialmente pela

Leia mais

seu dinheiro a sua revista de finanças pessoais Conheça os fundos de ações e renda fixa que geram maior retorno no que fica para trás

seu dinheiro a sua revista de finanças pessoais Conheça os fundos de ações e renda fixa que geram maior retorno no que fica para trás #74 seu dinheiro a sua revista de finanças pessoais Os campeões de 2012 ano Conheça os fundos de ações e renda fixa que geram maior retorno no que fica para trás Dinheiro no bolso Salários no Brasil crescem

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram baixo desempenho em maio. A produção industrial

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 06 de abril de 2011. CENÁRIO ECONÔMICO EM MARÇO O otimismo relativo à continuidade do processo de recuperação econômica perdeu um pouco do ímpeto no mês de março após os eventos catastróficos

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros Projeções Economia Global

Leia mais

Carteira Recomendada RENDA FIXA segunda-feira, 1 de junho de 2015

Carteira Recomendada RENDA FIXA segunda-feira, 1 de junho de 2015 1. Alocação recomendada para Junho de 2015 Classe de Ativo Carteira Conservadora* Carteira Moderada* Carteira Agressiva* Curto Prazo Longo Prazo Curto Prazo Longo Prazo Curto Prazo Longo Prazo Pós-Fixado

Leia mais

Crescimento Econômico Brasileiro e o temor da Inflação

Crescimento Econômico Brasileiro e o temor da Inflação BRICS Monitor #4 V.1 n 4 Crescimento Econômico Brasileiro e o temor da Inflação Fevereiro de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa

Leia mais

A DINÂMICA DA INFLAÇÃO BRASILEIRA APÓS O PLANO REAL

A DINÂMICA DA INFLAÇÃO BRASILEIRA APÓS O PLANO REAL A DINÂMICA DA INFLAÇÃO BRASILEIRA APÓS O PLANO REAL Fernando Luiz Scherer Paulo Sérgio Kowaleski Sebastião Vieira de Rezende Júnior O Brasil se preparou nos últimos anos para traçar um caminho de crescimento

Leia mais

Relatório Mensal Agosto/2015

Relatório Mensal Agosto/2015 1. Cenário Econômico Relatório Mensal GLOBAL: A ata da reunião de julho do FOMC (Federal Open Market Committee) trouxe um tom mais conciliador. Embora a avaliação em relação à atividade econômica tenha

Leia mais

Cenário macroeconômico 2009-2010 julho 2009

Cenário macroeconômico 2009-2010 julho 2009 Cenário macroeconômico 2009-2010 julho 2009 Economia global: conjuntura e projeções Economias maduras: recuperação mais lenta São cada vez mais claros os sinais de que a recessão mundial está sendo superada,

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

Relatório de Análise dos Investimentos. da OABPREV SP. Abril de 2015

Relatório de Análise dos Investimentos. da OABPREV SP. Abril de 2015 Relatório de Análise dos Investimentos da OABPREV SP Abril de 2015 1. Introdução O presente Relatório de Análise dos Investimentos visa fornecer algumas análises quantitativas do mercado (indicadores financeiros),

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 15 de dezembro de 2014 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Pessimismo marca cenário internacional ; Petróleo continua em queda Economia brasileira:

Leia mais

Análise Semanal. Edição nº 23 10/07/15 CONJUNTURA ECONÔMICA. Mais um plano

Análise Semanal. Edição nº 23 10/07/15 CONJUNTURA ECONÔMICA. Mais um plano Mais um plano CONJUNTURA ECONÔMICA A chave da agenda positiva tão perseguida pelo governo federal em tempos de crise política e volta da inflação parece ser a preservação dos empregos. Na última terça-feira

Leia mais

Então, é difícil para a gente afirmar um número ainda, mas vai estar nesse intervalo entre estabilidade e alguma coisa perto de 2% ou 3%.

Então, é difícil para a gente afirmar um número ainda, mas vai estar nesse intervalo entre estabilidade e alguma coisa perto de 2% ou 3%. Q&A de Teleconferência Resultado 3T08 ALL América Latina Logística 13 de novembro de 2008 Na redução de guidance de vocês, essa expressão interessante, um crescimento marginal de yield. Em um crescimento

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

IPCA, SELIC e CAGED: uma reflexão.

IPCA, SELIC e CAGED: uma reflexão. SUMÁRIO EXECUTIVO > Revisamos IPCA para 6,1%; > Pior CAGED desde 2003; > Serviços ainda não recuaram; > SELIC ainda na bateu em inflação. IPCA, SELIC e CAGED: uma reflexão. O IPCA-15 divulgado ontem veio

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JULHO/13

Relatório Econômico Mensal JULHO/13 Relatório Econômico Mensal JULHO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros BOLSA DE VALORES AMÉRICAS mês

Leia mais

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015 18/05/2015 EconoWeek DESTAQUE INTERNACIONAL Semana bastante volátil de mercado, com uma agenda mais restrita em termos de indicadores macroeconômicos. Entre os principais destaques, os resultados de Produto

Leia mais

Carta de Gestão Agosto 2009

Carta de Gestão Agosto 2009 Carta de Gestão Agosto 2009 O mês de agosto foi marcado pela continuidade no processo de recuperação da economia global, com indicadores econômicos surpreendendo positivamente as expectativas dos agentes.

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 9 de março de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Dados positivos nos Estados Unidos aproximam aumento de juros; DXY tem forte alta na semana;

Leia mais

Boletim RPPS. Resenha Macroeconômica Comentários do Gestor Entenda o Mercado Fique de Olho Portfólio de Fundos

Boletim RPPS. Resenha Macroeconômica Comentários do Gestor Entenda o Mercado Fique de Olho Portfólio de Fundos 1 Boletim RPPS Resenha Macroeconômica Comentários do Gestor Entenda o Mercado Fique de Olho Portfólio de Fundos Gerência Nacional de Investidores Corporativos (11) 3555-6350 geico@caixa.gov.br Resenha

Leia mais

AGOSTO/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO AGOSTO/2015

AGOSTO/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO AGOSTO/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO ÍNDICE Indicadores Financeiros Pág. 3 Projeções Pág. 4-5 Cenário Externo Pág. 6 Cenário Doméstico Pág. 7 Renda Fixa e Renda Variável Pág. 8 INDICADORES FINANCEIROS BOLSA DE VALORES

Leia mais

Denúncia: poupança e o imóvel.

Denúncia: poupança e o imóvel. Denúncia: O que está por trás da onda de saques da poupança? A verdade perturbadora que coloca em risco os dois pilares patrimoniais da família brasileira: a poupança e o imóvel Caro leitor, As próximas

Leia mais

Relatório Mensal - Junho de 2013

Relatório Mensal - Junho de 2013 Relatório Mensal - Relatório Mensal Carta do Gestor Junho foi mais um mês bastante negativo para o Ibovespa. O índice fechou em queda pelo sexto mês consecutivo impactado pela forte saída de capital estrangeiro

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM JULHO São Paulo, 05 de agosto de 2011. O desordenado cenário externo seguiu impondo fortes perdas aos mercados de ações em todo o mundo durante o mês de julho. As bolsas de valores

Leia mais

Segunda-feira, 19 de Outubro de 2015. DESTAQUES

Segunda-feira, 19 de Outubro de 2015. DESTAQUES Segunda-feira, 19 de Outubro de 2015 DESTAQUES Bovespa fecha em alta Presidente do BNDES engaveta pagamento de dívida Tesouro vai perseguir meta e não dará espaço para alta de gasto Queda de salário real

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Aquecimento global gera ameaça a corais que só existem no Brasil

Aquecimento global gera ameaça a corais que só existem no Brasil Segunda-feira 14/06/2010 N 101/2010 RECURSOS MINERAIS, HÍDRICOS E GEOLÓGICOS Aquecimento global gera ameaça a corais que só existem no Brasil (G1) A elevação na temperatura das águas, provocada pelo aquecimento

Leia mais

Abril/2015. Panorama Geral. O mês que passou

Abril/2015. Panorama Geral. O mês que passou Panorama Geral O mês que passou Abril/2015 O mês anterior teve como destaque na China, o anúncio, por parte do banco central chinês, do corte de um ponto porcentual no depósito compulsório das instituições

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

ANO 1 NÚMERO 07 MAIO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 1 NÚMERO 07 MAIO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 1 NÚMERO 07 MAIO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 Considerações Iniciais A combinação juros, inflação e câmbio tem tomado maior tempo das análises e preocupações do governo

Leia mais

Voto de Confiança ou Voto de Esperança na Bolsa? O perigoso ciclo vicioso no mercado de câmbio e juros.

Voto de Confiança ou Voto de Esperança na Bolsa? O perigoso ciclo vicioso no mercado de câmbio e juros. 10/11/2014 Voto de Confiança ou Voto de Esperança na Bolsa? O perigoso ciclo vicioso no mercado de câmbio e juros. Os eleitores devem acreditar no que os candidatos fizeram de concreto e não no que dizem

Leia mais

Em Compasso de Espera

Em Compasso de Espera Carta do Gestor Em Compasso de Espera Caros Investidores, O mês de setembro será repleto de eventos nos quais importantes decisões políticas e econômicas serão tomadas. Depois de muitos discursos que demonstram

Leia mais

Motores em marcha lenta

Motores em marcha lenta Motores em marcha lenta Imprimir () 08/05/2015-05:00 Motores em marcha lenta Por Sergio Lamucci Summers, discreto sobre o Brasil, falando em termos gerais: "Eu me preocupo com políticas contracionistas

Leia mais

Ativa Corretora. Novembro de 2010

Ativa Corretora. Novembro de 2010 Ativa Corretora Novembro de 2010 Roteiro A economia global passa por ajustes severos, quase que simultaneamente, o que torna o trabalho de previsão ainda mais complexo do que o normal. Existem ainda questões

Leia mais

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 1/2 Julho de 2012

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 1/2 Julho de 2012 Notícias Economia Internacional e Indicadores Brasileiros Nº 1/2 Julho de 2012 Sindmóveis - Projeto Orchestra Brasil www.sindmoveis.com.br www.orchestrabrasil.com.br Realização: inteligenciacomercial@sindmoveis.com.br

Leia mais

Desculpe, Sérgio, eu não sei se eu falei saúde, a minha pergunta é sobre automóveis.

Desculpe, Sérgio, eu não sei se eu falei saúde, a minha pergunta é sobre automóveis. Iago Whately, Banco Fator: Eu tenho duas perguntas. A primeira é a respeito da sinistralidade no seguro de saúde. A sinistralidade da SulAmérica no 1T ficou bem abaixo da média do mercado segurador. Eu

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Associação Brasileira de Supermercados Nº51 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Abril de 2015 Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Crescimento moderado

Leia mais

2,75 0,0-0,8-1,9-2,5-3,0 1 -5,9. Fonte: BDS. Iene. Dólar Australiano. China Malasia. Nova Lira Turca Brasil. China. Indonesia.

2,75 0,0-0,8-1,9-2,5-3,0 1 -5,9. Fonte: BDS. Iene. Dólar Australiano. China Malasia. Nova Lira Turca Brasil. China. Indonesia. 4,4 2,9 2,3 jan Comentários do Gestor 2 0 1 4 Referente a dezembro Moedas (contra o dólar) O real fechou 2013 com desvalorização de 12,8%, seguindo o comportamento das moedas de outros emergentes e exportadores

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Considerações Iniciais

Considerações Iniciais ANO 2 NÚMERO 6 ABRIL 212 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO RABELO Considerações Iniciais Neste primeiro trimestre de 212 a economia brasileira apresenta índices econômicos preocupantes

Leia mais

Pra que serve tudo isso?

Pra que serve tudo isso? Capítulo 1 Pra que serve tudo isso? Parabéns! Você tem em mãos a base para o início de um bom planejamento financeiro. O conhecimento para começar a ver o dinheiro de outro ponto de vista, que nunca foi

Leia mais

Preços. 2.1 Índices gerais

Preços. 2.1 Índices gerais Preços A inflação, considerada a evolução dos índices de preços ao consumidor e por atacado, apresentou contínua elevação ao longo do trimestre encerrado em maio. Esse movimento, embora tenha traduzido

Leia mais

Ao longo dos 30 anos de redemocratização do Brasil, o Estado incorporou programas de proteção social aos mais

Ao longo dos 30 anos de redemocratização do Brasil, o Estado incorporou programas de proteção social aos mais Para crescer, Brasil precisa rever cultura de mil bolsas Para Marcos Mendes, consultor do Senado, é muito difícil coordenar um acordo social que reduza benefícios em prol de um país mais eficiente e menos

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA

CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA O Índice de Preços ao Consumidor da Classe Média de Curitiba - IPC-FAE, medido

Leia mais

1 a 15 de setembro de 2015

1 a 15 de setembro de 2015 1 a 15 de setembro de 2015 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana INTRODUÇÃO Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas

Leia mais

InfoProduto Já. Qual Sua Marca? Você Sabe Vender Sua Imagem? *Sheila Souto

InfoProduto Já. Qual Sua Marca? Você Sabe Vender Sua Imagem? *Sheila Souto Qual Sua Marca? Você Sabe Vender Sua Imagem? *Sheila Souto Um Marketing Pessoal bem arquitetado pode alavancar de maneira decisiva seus negócios ou carreira, pois como dizem por aí: A primeira impressão

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015.

São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015. São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na abertura do X Seminário Anual sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária.

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional em fev/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,03 trilhões em fev/15, após alta de 0,5% no mês

Leia mais

Números índices. Luiz Carlos Terra

Números índices. Luiz Carlos Terra Luiz Carlos Terra Nesta aula, você conhecerá as principais aplicações de números índices, como subsídios para análises e pesquisas de dados mercadológicos. (Luiz Carlos Terra) 1 Objetivos Nesta aula, você

Leia mais

1. Ambiente Global...2. 2. Brasil: Tsunami Tupiniquim...2. 3. Fundo Mirae Asset MM Macro Strategy FI Comentário do Gestor...5

1. Ambiente Global...2. 2. Brasil: Tsunami Tupiniquim...2. 3. Fundo Mirae Asset MM Macro Strategy FI Comentário do Gestor...5 Tsunami tupiniquim Fonte: www.shutterstock.com Índice 1. Ambiente Global...2 2. Brasil: Tsunami Tupiniquim...2 3. Fundo Mirae Asset MM Macro Strategy FI Comentário do Gestor...5 4. Desempenho e Atribuição

Leia mais

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO?

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? Josué Pellegrini 1 As contas externas de um país estão retratadas no seu balanço de pagamentos, registros das transações econômicas entre residentes

Leia mais

Cenário do Setor - 2015 Avaliação do setor de borracha do Rio Grande do Sul

Cenário do Setor - 2015 Avaliação do setor de borracha do Rio Grande do Sul Cenário do Setor - 2015 Avaliação do setor de borracha do Rio Grande do Sul São Leopoldo, setembro de 2015 Cenário do Setor - 2015 1. Sumário Executivo 2. A economia brasileira em 2015 O setor de borracha

Leia mais

Carta do Gestor. A Inflação Brasileira e as Desonerações Tributárias. Caros Investidores,

Carta do Gestor. A Inflação Brasileira e as Desonerações Tributárias. Caros Investidores, Carta do Gestor A Inflação Brasileira e as Desonerações Tributárias Caros Investidores, A política de desonerações tributárias que, diga-se de passagem, é bem-vinda, tem se mostrado muito mais um instrumento

Leia mais

seu dinheiro A previdência ideal #175 Os três passos para escolher o melhor plano de aposentadoria

seu dinheiro A previdência ideal #175 Os três passos para escolher o melhor plano de aposentadoria #175 seu dinheiro a sua revista de finanças pessoais A previdência ideal Os três passos para escolher o melhor plano de aposentadoria O que fazer para ser chefe Confira as dicas para conquistar um cargo

Leia mais

Relatório Mensal. 2013 Janeiro. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2013 Janeiro. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2013 Janeiro Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

CARTA DO GESTOR CARTA DO GESTOR. Dezembro/2012. Novembro/2012. Prezado investidor,

CARTA DO GESTOR CARTA DO GESTOR. Dezembro/2012. Novembro/2012. Prezado investidor, Novembro/2012 Prezado investidor, É com grande satisfação que publicamos o nosso primeiro relatório. Fundada em 2012, a ARSA Investimentos é uma empresa independente dedicada exclusivamente à gestão de

Leia mais

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 Boletim Econômico Edição nº 56 fevereiro de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 As duas medidas visam economizar R$ 18 bilhões

Leia mais

Estimativa do Comportamento dos Preços dos Insumos do TRC para 2008

Estimativa do Comportamento dos Preços dos Insumos do TRC para 2008 Estimativa do Comportamento dos Preços dos Insumos do TRC para 2008 Estimativa é método de cálculo da facturação, utilizado na ausência de leituras reais, que consiste na determinação de valores de consumo

Leia mais

SETEMBRO/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO

SETEMBRO/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO RELATÓRIO ECONÔMICO ÍNDICE Indicadores Financeiros Pág. 3 Projeções Pág. 4-5 Cenário Externo Pág. 6 Cenário Doméstico Pág. 7 Renda Fixa e Renda Variável Pág. 8 INDICADORES FINANCEIROS BOLSA DE VALORES

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 Data: 29/04/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa de juros Selic em 0,5 p.p., a 14,25% ao ano, conforme esperado pelo mercado. A decisão ocorreu após elevação de 0,5 p.p no último encontro.

Leia mais

Relatório Mensal. Janeiro de 2015. Cenário Internacional:

Relatório Mensal. Janeiro de 2015. Cenário Internacional: Relatório Mensal Janeiro de 2015 Cenário Internacional: EUA O diagnóstico dos membros do Federal Open Market Comittee (Fomc) sobre a atividade econômica é positivo: os EUA estão crescendo mais que a previsão,

Leia mais

O câmbio real e a realidade do câmbio.

O câmbio real e a realidade do câmbio. SUMÁRIO EXECUTIVO. Um cálculo de câmbio real; Risco de downgrade é real, mas não por conta déficit; Exposição Cambial aumentou significamente; Compromissadas evidenciam fragilidade. O câmbio real e a realidade

Leia mais

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013 PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013 PANORAMA EUA OBSERVATÓRIO POLÍTICO DOS ESTADOS UNIDOS INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA ESTUDOS SOBRE OS ESTADOS UNIDOS INCT-INEU ISSN 2317-7977 VOL.

Leia mais

Pesquisa FEBRABAN de Projeções Macroeconômicas e Expectativas de Mercado

Pesquisa FEBRABAN de Projeções Macroeconômicas e Expectativas de Mercado Pesquisa FEBRABAN de Projeções Macroeconômicas e Expectativas de Mercado Variáveis Macroeconômicas Pesquisa de Projeções Macroeconômicas (Média) Efetivos Efetivos Pesquisas anteriores 2012 2013 Pesquisa

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 09/10/2012

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 09/10/2012 DESTAQUES DO RELATÓRIO: Carteira Recomendada A nossa carteira para este mês de Outubro continua estruturada considerando a expectativa de aumento da taxa de juros a partir do próximo ano. Acreditamos que

Leia mais

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado pessoas do grupo. Não basta simplesmente analisar cada interpretação possível, é preciso analisar quais as conseqüências de nossas possíveis respostas, e é isso que proponho que façamos de forma racional.

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

Brasília, 15 de setembro de 2015.

Brasília, 15 de setembro de 2015. Brasília, 15 de setembro de 2015. Pronunciamento do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado. Página 1 de 11 Excelentíssimo Senhor

Leia mais

NOTA MENSAL Dezembro/2006. Quest Fundos Multimercados

NOTA MENSAL Dezembro/2006. Quest Fundos Multimercados NOTA MENSAL Dezembro/20 Quest Fundos Multimercados O ambiente de mercado foi bastante positivo em dezembro, em função do aumento da confiança de um pouso suave da economia americana, apesar dos riscos

Leia mais

Dezembro/2014. Panorama Geral

Dezembro/2014. Panorama Geral Panorama Geral Dezembro/2014 O mês que passou Nesse mês o grande destaque internacional foram as ações de política monetária por parte dos Bancos Centrais. Enquanto os Estados Unidos se preparam para um

Leia mais