A BUSCA PELA OTIMIZAÇÃO EM PROCESSOS PRODUTIVOS, ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A BUSCA PELA OTIMIZAÇÃO EM PROCESSOS PRODUTIVOS, ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO."

Transcrição

1 1 A BUSCA PELA OTIMIZAÇÃO EM PROCESSOS PRODUTIVOS, ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO. Aline Carla Herrero Alves Elizabete Alves dos Santos Francisco Cesar Vendrame Jovira Maria Sarraceni Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Lins SP 2009

2 2 A BUSCA PELA OTIMIZAÇÃO EM PROCESSOS PRODUTIVOS, ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO. RESUMO Visto que hoje a produção é o maior segmento de uma empresa e tão importante para ela, técnicas e métodos estão sendo utilizados para seu aprimoramento e programação, visando a melhor forma de utilizar os recursos exigidos por ela e com isso a diminuição dos custos e retrabalho, além de aumentar as receitas e a eficiência. As técnicas usadas para tal fim são várias, entre elas estão, JIT, OPT, MRPI e MRPII e KANBAN. Essas técnicas são voltadas para otimização de todos os recursos e melhoramento dos processos da produção e para que isso se dê tais técnicas se baseiam em agrupar dados da produção em sistemas computadorizados, cálculos de produção e conceitos. Palavras-chave: Otimização. Processos. Técnicas. Programação Produção

3 3 A BUSCA PELA OTIMIZAÇÃO EM PROCESSOS PRODUTIVOS, ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO. INTRODUÇÃO A maioria das empresas reconhece a importância da produção e estão gastando cada vez mais dinheiro em seu aprimoramento. Hoje a administração da produção é o maior segmento do mercado, o que se dá devido ao reconhecimento, por parte das empresas, de que a administração da produção oferece o potencial para aumentar receitas, além de facilitar que bens e serviços sejam produzidos de forma mais eficiente. Essa combinação de maior receita e custos mais baixos é importante para qualquer empresa. O interessante na administração da produção é que suas mudanças afetam todo o mundo dos negócios; mudanças como: na preferência do consumidor, nas redes de suprimentos trazidos por tecnologias baseadas em internet, no que fazemos no trabalho, como fazemos, onde fazemos e assim por diante. Promover a criatividade que permite às empresas responder à tantas mudanças está se tornando a tarefa principal dos gerentes de produção, que precisam encontrar soluções para os desafios tecnológicos e ambientais. Atualmente as decisões estratégicas não são tomadas e comunicadas ao setor da produção para o cumpra-se. A administração da produção tem exigido sistemas estratégicos, devido a crescente pressão por competitividade que o mercado mundial tem demandado das empresas, e o potencial competitivo com flexibilidade do recente desenvolvimento das novas tecnologias, e por fim melhor entendimento do papel estratégico que a produção pode e deve ter no atingimento dos objetivos. Para se ter uma administração eficiente e eficaz da produção é preciso, entre outras coisas, programar a produção, para isso são utilizadas técnicas como Just in Time, MRP I, II, OPT e KANBAN. Todas essas técnicas tem como finalidade adequar a produção àquilo que pede o mercado, evitando com isso o desperdício e o retrabalho4, além de salientar a questão da qualidade. 1 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1.1 Programação Programação é uma das mais complexas tarefas do gerenciamento de produção e consiste em determinar a seqüência em que o trabalho será desenvolvido, através de um cronograma detalhado que mostra em quem momento os trabalhos devem começar e terminar. Os programadores têm de lidar com diversos tipos de recursos simultaneamente como: as máquinas diferentes capacidades e capacitação, além do pessoal que terá diferentes habilidades.

4 4 Às vezes numa programação pode haver um vasto número de programas com muitas opções aceitáveis, como há vários roteiros e seqüências apropriadas par qualquer conjunto de trabalhos. A tarefa de produção tem que ser repetida frequentemente para permitir resposta às variações de mercado e às mudanças no mix de produto, o que pode fazer os recursos limitantes de capacidade mudar bastante em um curto espaço de tempo, dentro das instalações, com isso os gargalos podem mover-se pela fábrica rapidamente. A programação pode ser feita para frente ou para traz. A programação para frente consiste em iniciar o trabalho logo que ele chega. Já a programação par traz consiste em iniciar o trabalho no último momento possível sem que ele sofra atraso. A escolha do tipo de programação depende das circunstancias. A programação para frente tem como vantagens: a alta utilização do pessoal e a flexibilidade (as folgas de tempo no sistema permitem que o trabalho inesperado seja programado). E a programação para traz tem como vantagens: os custos com materiais mais baixos, menor exposição à riscos no caso de mudança de programação pelo consumidor e tende a focar a operação nas datas prometidas as consumidor. Em operações onde o recurso dominante é o pessoal, o que determina a capacidade da operação é a programação dos tempos de trabalho. Portanto, a principal tarefa da programação é garantir um numero de pessoas suficiente que deverá estar trabalhando para proporcionar uma capacidade adequada para o nível da demanda no momento, garantindo com isso: a) que a capacidade corresponda à demanda; b) que o tamanho de cada turno nunca seja excessivamente longo nem curto, e c) que minimize o trabalho nas horas não sociais. Dentro da programação existem os controles empurrado e puxado. Em um sistema de planejamento e controle empurrado, cada centro de trabalho empurra o trabalho sem levar em consideração se o centro de trabalho seguinte pode utilizado. Os centros de trabalho são coordenados pelo sistema central de planejamento e controle das operações, porém as condições reais diferem das planejadas, o que faz com que acabe tendo tempo ocioso, estoques e filas como conseqüência. Já no sistema de planejamento e controle puxado as especificações de o que é feito é estabelecido pela estação de trabalho do consumidor, que puxa o trabalho da estação de trabalho antecedente, do fornecedor. Se a requisição não é passada para traz do consumidor para o fornecedor, esta não é autorizada a produzir ou mover qualquer material. É importante compreender os diferentes princípios das programações puxada e empurrada, pois ambas são propensas a acumular estoque na operação, mas de maneiras diferentes. Contudo, os programas puxados são menos prováveis de resultar em criação de estoque, e por isso são favorecidos pelas operações JIT. (SLACK, CHAMBERS E JOHNSTON, 2002) 1.2 JIT (Just in Time) Algumas expressões são geralmente usadas para traduzir aspectos da filosofia Just in time:

5 5 a) produção sem estoques; b) eliminação de desperdícios; c) manufatura de fluxo contínuo d) esforço contínuo na resolução de problemas; e) melhoria contínua dos processos. O sistema JIT tem como objetivo a melhoria contínua do processo produtivo, em índices de qualidade, maior confiabilidade de seus equipamentos e fornecedores e maior flexibilidade de resposta, principalmente através da redução dos tempos de preparação de máquinas, permitindo a produção de lotes menores e mais adequados à demanda do mercado. (CORRÊA; GIANESI,1996) Papel dos estoques Na abordagem tradicional dos estoques é considerá-lo úteis para proteger o sistema produtivo de problemas e consequentemente ter o retrabalho da produção. Já com o JIT, os estoques são considerados nocivos, por esconderem os problemas da produção, tirando a atenção da gerência para problemas sérios de qualidade e falta de confiabilidade de equipamentos e fornecedores, sendo estes prioridades a eliminar. Neste sistema, os trabalhadores tem como objetivo auxiliarem-se para a solução em peças defeituosas por exemplo, ou seja, identificar o problema e dar continuidade, sistemática e consistentemente, segundo as taxas de produção e os níveis de qualidade esperados,para que nenhuma etapa do fluxo seja interrompida,entretanto com o mínimo de estoque em processo, Outro fator influenciador é a redução de compras de lotes de produção. (CORRÊA; GIANESI,1996)) Erros No JIT os erros não são invitáveis, mas assumindo a meta de eliminá-los por completo. A situação pretendida de zero defeitos pode ser inatingível, contudo, o que leva por esta meta ao movimento de melhoria ou aprimoramento contínuo, que pode resultar em índices reais de defeitos muito baixos. Este objetivo de desempenho deve estar bem visível a todos que podem contribuir. Um dos métodos mais utilizados são os gráficos espalhados por toda a fábrica. (CORRÊA; GIANESI,1996) Layout O espaço disponível da fábrica conduz ao objetivo da filosofia JITt, através da imposição de mudanças para o aprimoramento contínuo e melhor desempenho interno. O layout tradicional utilizados pelas empresas é por processo e ou funcional, entretanto as empresas que adotam o JIT geralmente utiliza do celular. Celular, é o tipo de arranjo físico que reduz a movimentação de materiais, as filas e os tempos gastos com preparação., ou seja separação de componentes por famílias. As máquinas devem estar agrupadas bem próximas, para que as células sejam flexíveis em relação ao mix de capacidade, e fundamental que os funcionários sejam flexíveis e polivalentes, para operar as máquinas próximas e substituir os ausentes. (CORRÊA; GIANESI,1996)

6 Qualidade total Responsabilidade atribuída ao departamento de controle da qualidade total, em busca do nível ótimo de qualidade. É necessário alguns aspectos como, o controle do processo durante a produção, estabelecimento de padrões de qualidade mensuráveis, expondo-os a toda a fábrica, disciplina da qualidade envolvendo a todos à meta, prioridade a qualidade e não quantidade, com inspeção de todas a peças para correções em erros e por fim organização e limpeza. A qualidade é um benefício gerado pelo sistema JIT, na busca da flexibilidade. O seu principal conceito é garantir que os produtos fiquem com qualidade, inspecionados à partir de sua origem. (CORRÊA; GIANESI,1996) Redução de tempos envolvidos no processo A redução dos tempos envolvidos no processo tem efeito em aumentar a flexibilidade de resposta., adaptar-se de forma mais ágil às flutuações moderadas e de curto prazo na demanda. Separando, desenvolvendo, modificando e eliminando métodos para redução do tempo. (CORRÊA; GIANESI,1996) Consciência acentuada dos problemas e suas causas Retirada deliberada de estoques e/ou trabalhadores Idéias para reduzir o tamanho dos lotes Idéias para aprimorar a execução da produção Jit Idéias para controlar os defeitos Rápida realização em relação aos defeitos Redução de estoques e/ou trabalhadores Ritmo de produção mais regular Redução no tamanho dos lotes Produção JIT Controle sobre a qualidade e refugos Menor desperdício de material Menos estoque no sistema Menos custos indiretos com: juros sobre estoques, espaço e equipamento de movimentação de materiais, controle físico e contábil do estoque Menos mãode-obra de retrabalho

7 7 Menos material, mão-de-obra e insumos para a produção igual ou maior= Maior produtividade Menos estoques no sistema= Respostas mais rápidas ao mercado, melhores previsões e menos administração. Fonte: CORRÊA; GIANESI,1996 Figura 1- A inter-relação do controle de qualidade total e o JIT Planejamento, programação e controle da produção para JIT A programação mensal é efetuada a partir do processo de planejamento mensal, oferecendo também os níveis médios de produção diária de cada estágio do processo, garantindo que haja recursos o suficientes para execução do programa, além de alguma capacidade extra. O planejamento é baseado em previsões de demanda mensais, e o horizonte de planejamento depende de vários fatores característicos da empresa, como as incertezas da demanda e os lead times de produção, sendo três meses um valor típico. Quanto menores os lead times mais curto pode ser o horizonte de planejamento, possibilitando previsões mais seguras. 1.3 Kanban A palavra KANBAN é definida como: cartão, símbolo ou painel. Genericamente é um sistema de controle de produção, onde a produção é comandada pela linha de montagem. Opera utilizando o método do Mínimo Inventário em Processo, objetivando trabalhar com estoque zero. É um sistema de produção em lotes pequenos que são armazenados em recipientes padronizados, contendo um número definido de peças e um cartão KANBAN correspondente. As peças que compõem tais lotes passam pelos processos industriais até chegarem ao estágio de peça acabada. Conforme os lotes vão se esgotando, seus cartões KANBAN são recolhidos, autorizando assim a fabricação de um novo lote. As seções de inicio da fabricação, não tendo mais cartões KANBAN autorizando a fabricação de novos lotes, suspendem, automaticamente, a produção, evitando, com isso, o desperdício com fabricação de peças desnecessárias, até que reinicie o consumo nas linhas de montagem. Dentro de uma fabrica existem vários ciclos de produção entre as diversas seções, o importante é que haja uma interligação entre os fluxos de modo que os cartões circulem comandados sempre pelo processo subsequente, até chegar ao início da fabricação. O cartão KANBAN é responsável pela comunicação e funcionamento de todo o sistema. Não existe um modelo padronizado de cartão, ele deverá conter as informações necessárias para a perfeita operação, atendendo às características próprias de cada empresa. Num cartão KANBAN devem conter informações como: a) Nome e código da peça b) Nome e localização das seções onde são produzidas as peças (fluxo do processo)

8 8 c) Nome e localização do setor onde são consumidas as peças (linha de montagem) d) Localização das áreas de estocagem (supermercado) e) Quantidade representada pelo cartão f) Quantidade total do lote de produção g) Número sequencial do cartão e número total de cartões do item em questão h) Tipo de container i) Tempo total de processo e tempo por operação (MOURA, 1984) Kanban Eletrônico Embora o sistema de Kanban físico seja mais conhecido, muitas empresas têm implementado sistemas de Kanban Eletrônico (e-kanban) em substituição ao sistema tradicional. Vários sistemas ERP (Enterprise Resource Planning) oferecem a possibilidade de utilização integrada do Kanban Eletrônico, permitindo sinalização imediata da demanda real do cliente em toda a Cadeia de fornecimento. O sistema eletrônico tem como um de seus principais objetivos eliminar problemas comuns à utilização do sistema físico de Kanban como a perda de cartões e a atualização dos quadros Kanban de Produção Kanban de Produção é o sinal (usualmente cartão ou caixa) que autoriza a produção de determinada quantidade de um item. Os cartões (ou caixas) circulam entre o processo fornecedor e o supermercado, sendo afixados junto às peças imediatamenta após a produção e retirados após o consumo pelo cliente, retornando ao processo para autorizar a produção e reposição dos itens consumidos Kanban de Movimentação Kanban de Movimentação, também chamado de Kanban de Transporte, é o sinal (usualmente um cartão diferente do Kanban de Produção) que autoriza a movimentação física de peças entre o supermercado do processo fornecedor e o supermercado do processo cliente (se houver). Os cartões são afixados nos produtos (em geral, o cartão de movimentação é afixado em substituição ao cartão de produção) e levados a outro processo ou local, sendo retirados após o consumo e estando liberados para realizar novas compras no supermercado do processo fornecedor.

9 9 1.4 MRP (Materials Requeriments Planning) Fonte: Figura 2 - Exemplo de Kanban MRP (planejamento das necessidades de materiais) pode significar também planejamento dos recursos de manufatura. Ao longo do tempo ele se tornou um sistema corporativo que apóia o planejamento de todas as necessidades de recurso de um negócio. Geralmente o MRP concilia o fornecimento com a demanda de recursos. O MRP é um sistema que ajuda as empresas a fazer cálculos de quantidades e tempo, ou seja, ele permite que as empresas calculem quanto material de determinado tipo é necessário e em que momento. Para executar os cálculos de quantidade e tempo descritos, os sistemas de planejamento das necessidades de material (MRP), normalmente, requerem que a empresa mantenha certos dados em arquivos de computador, os quais quando o programa MRP é rodado, são recuperados, usados e atualizados. Para que se possa compreender a complexidade de um sistema MRP é necessário que se entendam esses registros e arquivos de computador Características importantes Quantidades múltiplas de alguns itens são necessárias, o que significa que o MRP deve conhecer a quantidade adequada de cada item para ser capaz de multiplicar pelas necessidades. Um mesmo item pode ser utilizado em diferentes partes da estrutura de produto. Isso significa que o MRP deve levar em conta esse fato e, a cada estágio, somar as necessidades para determinar a quantidade que usaria. A estrutura de produto pára quando chega aos itens que não são fabricados pela empresa, as estruturas de produto desses itens não são relevantes para seu sistema MRP, com exceção do que concerne as implicações sobre o lead time (tempo de suprimentos) necessário para obtê-los Cálculo do MRP O MRP toma o programa-mestre de produção e explode esse programa por meio da lista de materiais de nível único, verificando quantas submontagens e componentes são necessários. Antes de passar para o próximo nível da estrutura do produto, o MRP verifica quantos materiais necessário já estão disponíveis em estoque. Ele gera então as ordens de trabalho ou requisições para as

10 10 necessidades líquidas dos itens que serão feitos na fábrica, que formará o programa que será explodido pela lista de materiais de nível único para o próximo nível. Novamente, o estoque disponível desses itens é verificado, então ordens de trabalho são geradas para as necessidades líquidas dos itens que serão feitos na fábrica, e são também geradas as ordens de compra para as necessidades líquidas dos itens que serão adquiridos de fornecedores. Esse processo continua até que se chegue ao nível mais baixo da estrutura do produto. (SLACK, CHAMBERS E JOHNSTON, 2002) Fonte: Figura 2 Previsões comerciais 1.5 MRP II (Manufacturing Recurces Planning ou planejamento dos recursos de manufatura) Tem por finalidade o cálculo das necessidades. Uma técnica de gestão que através do uso do computador, das quantidades e dos momentos em que são necessários os recursos de manufatura( materiais, pessoas, equipamentos, entre outros),cumpra-se os programas de entrega de produtos, com o mínimo de formação de estoques. (Corrêa, 1966) O sistema por MRP ficou inviável em meados dos anos 60, assim sentindo a necessidade de aprimoramento, surgiu MRPII, em que converte o plano de produção em demanda independente e demanda dependente. Nos itens de demanda independente são aqueles que não dependem da demanda de nenhum outro item. Já os dependentes, necessita do outro item, por exemplo a demanda de um componente, depende da demanda do produto final.os itens componentes de uma montagem são chamados de itens filhos do item pai.

11 11 A diferença das duas é que a primeira é prevista com base nas características do mercado consumidor, enquanto a dependente pode ser calculada com base na demanda deste. Um planejamento de longo prazo bem detalhados ao nível agregado, que possui cinco módulos: a) Módulo de planejamento da produção b) Módulo de planejamento mestre de produção c) Módulo de cálculo de necessidade de materiais d) Módulo de controle de fábrica Planejamento da produção Por ser um módulo agregado (níveis globais de produção e setores produtivos), ocupa-se em auxiliar na decisão dos planejadores quanto ao estoque e produção, a unidade muitas vezes é monetária Planejamento mestre de produção (MPS) Uma declaração referente à produção de produtos finais e não de demanda de mercado ou previsão de vendas, leva em conta a limitação de capacidade identificadas, assim utilizando a capacidade instalada. Este plano representa a desagregação do plano de produção agregado. Entretanto, na soma da quantidades detalhadas por produto do MPS tem sempre que ser à soma ditada pelo plano agregado., evitando mais claramente gargalos na produção Cálculo das necessidades de materiais ( MRP) È um registro mais detalhado que o MPS, representando a posição e os planos que diz respeito à produção e estoques de cada item. Contendo seus elementos, tais são: Período/ necessidades brutas/, recebimentos programados/ estoque projetado disponível/ plano de liberação de ordens/ tempo de ressuprimento e tamanho do lote Controle da fábrica (SFC) Responsável pela seqüência das ordens, por cento de produção, dentro de um período de planejamento e pelo controle de produção, no nível da fábrica. O módulo que busca garantir que o que foi planejado será executado de forma mais fiel possível aos planos. Usa-se algoritmos de programação finita, com base em regras de sequenciação, para proceder ao carregamento detalhado das ordens nos recursos dentro de um período de planejamento e definir seqüências preferenciais para a execução das ordens nos centros produtivos Vantagens e limitações

12 12 O MRPII é bem dinâmico, reagindo bem diante as mudanças, também é um sistema lógico, facilitando no tratamento com os itens de demanda dependente ou independente, além de ser integrado, ou seja, proporcionado para disponibilidade de um grande número de usuários e grande quantidade de informações. Quanto suas limitações temos o seu custo, que por ser um sistema complexo é muito caro, além de que o ambiente deverá ser altamente computadorizado. (Corrêa e Gianesi,1996) 1.6 OPT (Optimized production tecnology) OPT é uma técnica computadorizada que auxilia a programação de sistemas produtivos ao ritmo ditado pelos recursos mais fortemente carregados, ou seja, os gargalos. Pois se a taxa de atividade em qualquer parte do sistema exceder a do gargalo, alguns itens estarão sendo produzidos sem que possam ser utilizados Princípios do OPT que demonstram esse foco sobre o gargalo Balancear o fluxo, não a capacidade. O nível de um recurso não gargalo é determinado por alguma restrição do sistema, não por sua própria capacidade. Utilização e ativação de um recurso não são sinônimos. Uma hora perdida num recurso gargalo é uma hora perdida para sempre em todo o sistema. Uma hora poupada num recurso não gargalo é uma miragem. Os gargalos governam tanto o fluxo de produção como os estoques do sistema. O lote de transferência pode não ser, e muitas vazes não deveria ser, igual ao lote de processamento. O lote de processamento deveria ser variável, e não fixo. Os lead times são resultados da programação e não podem ser determinados a priori. Os programas devem ser estabelecidos, olhando todas as restrições simultaneamente. O OPT utiliza a terminologia do tambor pulmão corda para explicar sua abordagem de programação. Usando OPT, o centro de produção gargalo torna-se o tambor, dando o ritmo para o restante da fábrica, que determina a programação de setores não gargalo, puxando o trabalho a corda de acordo com a capacidade do centro de trabalho gargalo, e não de acordo com a capacidade do próprio centro de trabalho. Nunca deveria ser permitido a um gargalo trabalhar em ritmo menor a sua capacidade máxima; consequentemente, estoques de proteção pulmão deveriam ser colocados antes do gargalo, de modo a garantir que ele nunca pare por falta de trabalho. Ele auxilia a focalização nas restrições críticas, além de reduzir a necessidade de planejamento muito detalhado nos setores não gargalo, reduzindo assim o tempo de processamento no MRP. (SLACK, CHAMBERS E JOHNSTON, 2002) CONCLUSÃO

13 13 Concluímos então que os sistemas abordados neste artigo é vantajoso para as empresas, facilitando com tais programações a busca de aprimoramentos nos processos produtivos, evitando erros e identificando gargalos, para adequar a produção na com real capacidade com qualidade de zero defeito em tempo mínimo. Portanto programar a produção faz-se necessário, além de todas as vantagens que traz à empresa como um todo. Para qualquer administrador o planejamento é de extrema importância, assim o uso destas técnicas objetivam nada mais que o planejamento, principalmente à longo prazo, da produção segundo a demanda e capacidade da organização. Portanto, é primordial ao planejamento e programação da produção a implantação de técnicas mencionadas neste artigo.

14 14 THE SEARCH FOR IMPROVEMENT IN PRODUCTION PROCESSES THROUGH PROGRAMMING TECHNIQUES OF PRODUCTION. Since the production today is the largest segment of a company and so important to her, and methods are being used for its improvement and planning, aimed at making best use of the resources required by it and thereby to reduce costs and rework as well as increase revenue and efficiency. The techniques used for this purpose are many, among them, JIT, OPT, MRPI and MRPII and Kanban. These techniques are geared to optimizing all the resources and improve the processes of production and that if such techniques are based on group data into computer systems of production, calculation and production concepts. Keywords: Optimization. Processes. Techniques. Production Schedule

15 15 REFERÊNCIAS CORRÊA, L. Henrique e GIANESI, G. N. Irineu. JIT, p ; MRP II, p , in: Just in time, MRP II e OPT, 2, ed. São Paulo: Atlas S.A., MOURA, Reinaldo Aparecido, in: Sistema de Kanban de manufatura JIT- IN - TIME : uma introdução às técnicas japonesas de manufaturas, 2, ed. São Paulo: IMAM, SLACK, Nigel; CHAMBERS, Stuart e JOHNSTON, Robert. Natureza de planejamento e controle, p ; MRP, p , in: Administração da produção, 2, ed. São Paulo: Atlas S.A., Webgrafia

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Universidade Federal do Rio Grande FURG Universidade Aberta do Brasil UAB Curso - Administração Administração da Produção I Prof.ª MSc. Luciane Schmitt Semana 7 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO 1 PLANEJAMENTO

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

LOGO. Sistema de Produção Puxada

LOGO. Sistema de Produção Puxada LOGO Lean Manufacturing Sistema de Produção Puxada Pull Production System 1 Conteúdo 1 Definição 2 Objetivo 3 Sistema Empurrado 4 Sistema Empurrado X Puxado 2 Lean Manufacturing Conteúdo 5 Sistema de Produção

Leia mais

Produção Enxuta. Kanban

Produção Enxuta. Kanban Produção Enxuta Kanban Relembrando Supermercado O Supermercado é onde o cliente pode obter: O que é necessário; No momento em que é necessário; Na quantidade necessária. O supermercado é um lugar onde

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP MRP Material Requirement Planning MRP II Manufacturing Resources Planning ERP Enterprise Resource Planning 1 O MRP é um software que auxilia

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

5.4 Manufacturing Resources Planning

5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning O Planejamento dos Recursos de Manufatura (Manufacturing Resourdes Panning, em inglês, ou MRP II) representa um esforço para expandir

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle da Produção

Planejamento, Programação e Controle da Produção Planejamento, Programação e Controle da Produção Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

KANBAN (capítulo 13)

KANBAN (capítulo 13) KANBAN (capítulo 13) O sistema kanban foi desenvolvido na Toyota Motor Company por Taiichi Ohno e Sakichi Toyoda e ficou conhecido dentro do Sistema Toyota de Produção, como um sistema de combate ao desperdício.

Leia mais

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais)

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) MRP MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) Questões-chaves O Que é MRP? MRP quer dizer planejamento das necessidades de materiais, que são sistemas de demanda dependentes,

Leia mais

Sistemas de Administração e Gestão da Produção

Sistemas de Administração e Gestão da Produção Sistemas de Administração e Gestão da Produção Izabel Cristina Zattar izabelzattar@netvision.com.br www.grima.ufsc.br/izabel/index.html Os 3 Grandes Níveis do Planejamento Horizonte de detalhamento Diário/Semanal

Leia mais

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM FIB - Faculdades Administração de Empresas 2009 MODELAGEM ESTUDO DE CASO: Trabalho solicitado pelo Prof.: Trabalho realizado para a disciplina de FIB - Faculdades

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Sequenciamento e Emissão de Ordens Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Programação da produção: define quanto e quando comprar, fabricar

Leia mais

Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban

Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban Ciências da Computação FURB Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban Alzir Wagner Orientador: Wilson Pedro Carli Fevereiro de 2008 Roteiro de apresentação

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Art Smalley Tradução: Diogo Kosaka Sistemas puxados são uma parte fundamental da manufatura lean e freqüentemente são mal

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO

PROGRAMA DE TREINAMENTO Jogo de Empresa POLITRON Tutorial para Uso da Planilha PROGRAMA DE TREINAMENTO EM MRP II Tutorial para o uso da Planilha do POLITRON Direitos Reservados - Reprodução Proibida Janeiro/2001 Versão Demonstrativa

Leia mais

Just in Time Massagista JIT?

Just in Time Massagista JIT? Just Just in Time Time Massagista JIT? Planejamento e Controle Just-in-Time Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção Just-in-Time Entrega de produtos e serviços apenas quando são necessários

Leia mais

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP).

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). MOLINA, Caroline Cristina Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG carolinemolina@uol.com.br RESENDE, João Batista Docente

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção O módulo APS é a mais nova ferramenta que irá auxiliar no gerenciamento da produção. O principal objetivo do APS é a determinação exata

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

Universidade do Sagrado Coração

Universidade do Sagrado Coração Universidade do Sagrado Coração Questões Administração da Produção II 1. DEFINA QUALIDADE Qualidade é a conformidade com os padrões estabelecidos pela organização para um determinado produto, mas também

Leia mais

4.5 Kanban. Abertura. Definição. Conceitos. Aplicação. Comentários. Pontos fortes. Pontos fracos. Encerramento

4.5 Kanban. Abertura. Definição. Conceitos. Aplicação. Comentários. Pontos fortes. Pontos fracos. Encerramento 4.5 Kanban 4.5 Kanban Já foi citado o caso de como o supermercado funcionou como benchmarking para muitas ideias japonesas. Outra dessas ideais inverteu o fluxo da produção: de empurrada passou a ser puxada.

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA Izabel C. Zattar, Carlos M. Sacchelli, M. Eng. Instituto Superior de Tecnologia

Leia mais

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC.

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC. PRODUÇÃO ENXUTA Eng. Liane Freitas, MsC. O que será visto neste capítulo? 1 O significado a filosofia JIT 2 O JIT versus a prática tradicional 3 As técnicas JIT de gestão 4 As técnicas JIT de planejamento

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Tema. Objetivo. O que é o kanban? O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time.

Fiorella Del Bianco. Tema. Objetivo. O que é o kanban? O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time. Fiorella Del Bianco Tema O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time. Objetivo Apresentar a aplicação de uma técnica simples e altamente eficaz para auxiliar na implementação

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Planejamento Agregado Planejamento Agregado.

Planejamento Agregado Planejamento Agregado. ADM II é o processo de balanceamento da produção com a demanda. Visa compatibilizar os recursos produtivos da empresa com a demanda. Normalmente é projetado para horizontes de tempo de 6 a 12 meses. Planejamento

Leia mais

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15 Sumário Apresentação, xiii 1 Definições e Conceitos Fundamentais, l 1.1 Sistemas de produção: conceituação, evolução e algumas importantes classificações, l 1.2 O Planejamento e Controle da Produção (PCP),

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS)

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) SILVA M. C. Melo. UFSe (2001) MRP e MRP II O objetivo do conteúdo dessas aulas é enfocar os sistemas MRP e MRPII no processo

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Noções básicas de Administração da Produção. Noções básicas sobre a evolução do Pensamento Administrativo. Papel estratégico e objetivos da produção. Estratégia de produção. Projeto em gestão

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Modelo de integração de sistemas de gestão erp com a produção lexandre ugusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br Guilherme Braga guiar De Maria (FEI) guibraga@terra.com.br Vanessa Takagochi (FEI) vanessa_takagochi@yahoo.com.br

Leia mais

Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION BX PRODUCTION. Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva.

Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION BX PRODUCTION. Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva. Brochura BX PRODUCTION Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva SAP Business One para manufatura discreta e repetitiva A combinação de

Leia mais

Objetivos da Produção

Objetivos da Produção Objetivos da Produção Aula 3 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Objetivos da aula 1. Apresentar os objetivos e estratégias da produção 2 Produção: É o processo de obtenção de qualquer

Leia mais

Prof. Msc. Marco Aurélio

Prof. Msc. Marco Aurélio Curso: Administração Disciplina: Administração da Produção MRP MATERIAL REQUERIMENTS PLANNING Prof. Msc. Marco Aurélio Data: 05/03/2012 A históriado MRP começacom o episódiobíblicodaarcade Noé. DEUS DISSE

Leia mais

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO Eduardo Dias Ferreira Belo Horizonte Agosto 2006 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 4 1.1 Objetivo... 4 1.1.1 Objetivo Geral... 4 1.1.2

Leia mais

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Jean Cunningham Quando eu era CFO (Chief Financial Officer) da Lantech (Louisville, KY), ajudei a adaptar o sistema de tecnologia de informação

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS RESUMO Regiane A. Olmedo de Souza regianeolmedo@gmail.com Renan Fernandes Nascimento renanfn8@yahoo.com.br Rozana

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS PROVA DE EIXO - REGULAR CURSOS: ADMINISTRAÇÃO Disciplina: Gestão de Operações IV Duração: 1h30 90 minutos Professor: Número de questões: 20 Data: 12/06/2010 Nota: Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS 1. A prova

Leia mais

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

MRP x JIT/Lean? MRP x JIT? Prof. João C. E. Ferreira - UFSC

MRP x JIT/Lean? MRP x JIT? Prof. João C. E. Ferreira - UFSC MRP: Movido pelo MPS Lead-time fixo Elevado uso do computador, para calcular quantas peças, e em qual momento tais peças devem ser fabricadas. Peças são fabricadas em resposta a instruções centralizadas,

Leia mais

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015 Sistemas de Administração da Produção Segundo Giannesi & Correia (1993) A sobrevivência e o sucesso das organizações dependem da eficiência com a qual produz seus bens e serviços, sendo os custos determinante

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

ERP Entreprise Resource Planning. Fabiano Armellini

ERP Entreprise Resource Planning. Fabiano Armellini ERP Entreprise Resource Planning Fabiano Armellini Overview 1) Introdução 2) Histórico 2.1) MRP 2.2) MRP II 2.3) Do MRP II ao ERP 3) Módulos do ERP 3.1) Módulos de supply chain management 3.2) Módulos

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais

12/02/2009. Planejamento e Controle da Produção. MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção

12/02/2009. Planejamento e Controle da Produção. MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de PCP É a função da administração que planeja, dirige e controla o suprimento de material e as atividades de processamento de

Leia mais

Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração

Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração Laureilton José Almeida BORGES¹; Warley Alves Coutinho CHAVES¹; Júlio César Benfenatti FERREIRA 2 ; Adriana Giarolla VILAMAIOR 2 ¹ Estudante de Engenharia

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais

Escalonamento de Ordens de Produção Utilizando Algoritmos Genéticos

Escalonamento de Ordens de Produção Utilizando Algoritmos Genéticos Universidade Regional de Blumenau Centro de Ciências Exatas e Naturais Bacharelado em Ciências da Computação Estágio Supervisionado Escalonamento de Ordens de Produção Utilizando Algoritmos Genéticos Acadêmico:

Leia mais

Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto

Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto Alessandro Lucas da Silva (EESC-USP) als@sc.usp.br Gilberto Miller Devós Ganga (EESC-USP) gilberto_mdg@yahoo.com.br Roberta

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS 2ª OFICINA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR Lean Manufacturing é a busca da perfeição do processo através da eliminação de desperdícios Definir Valor Trabalhar

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

MRP / MRP II MRP / MRP II

MRP / MRP II MRP / MRP II MRP = Material Requirement Planning (planejamento das necessidades de materiais) Surgiu da necessidade de se planejar o atendimento da demanda dependente (que decorre da independente) Lista de material

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME 1 LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME Marcio Alves Suzano, M.Sc. Marco Antônio Ribeiro de Almeida, D.Sc. José Augusto Dunham, M.Sc. RESUMO.

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido Gestão de Estoques - Premissas Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido EQUILÍBRIO ENTRE ESTOQUE E CONSUMO Paulo Gadas JUNHO-14 1 Gestão de Estoques

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP

De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP Artigo 02 De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP Este documento faz parte do material que compõe o livro: Planejamento, Programação e Controle da Produção MRP II / ERP: Conceitos,

Leia mais

N= D. LT_prod. (1+Seg) + D. LT_entr. (1+Seg)

N= D. LT_prod. (1+Seg) + D. LT_entr. (1+Seg) Os parametros para o cálculo são : Demanda diária (D) Qtde. de peças por KANBAN (Q) Lead time de produção (LT_Prod) Lead time de entrega (LT_entr) Segurança (margem) definida (Seg) Sendo: N= D. LT_prod.

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

Just In Time (JIT) é uma abordagem disciplinada, que visa aprimorar a produtividade global e eliminar desperdícios.

Just In Time (JIT) é uma abordagem disciplinada, que visa aprimorar a produtividade global e eliminar desperdícios. Fascículo 6 Planejamento e controle Just In Time Entendendo o Just In Time Just In Time, cuja tradução para o português resulta em algo não muito claro Apenas a Tempo, corresponde a atividade de produzir

Leia mais