DIÁRIOS DE MOTOCICLETA : REFIGURAÇÃO DO TEMPO E A CONSTRUÇÃO DO MITO Denise Tavares

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIÁRIOS DE MOTOCICLETA : REFIGURAÇÃO DO TEMPO E A CONSTRUÇÃO DO MITO Denise Tavares"

Transcrição

1 Revista Elementa. Comunicação e Cultura. Sorocaba, v.1, n.1, jan./jun DIÁRIOS DE MOTOCICLETA : REFIGURAÇÃO DO TEMPO E A CONSTRUÇÃO DO MITO Denise Tavares Resumo Este texto integra pesquisa desenvolvida no Prolam/USP e que tem, entre seus objetos de análise o filme Diários de Motocicleta, dirigido por Walter Salles. O recorte aqui apresentado destaca a construção da imagem do jovem Che no filme do diretor brasileiro a partir da discussão da refiguração do tempo proposta por Paul Ricouer. O objetivo é dimensionar a força que tal imagem fílmica pode ter quando localizada como elemento complementar à mítica figura do herói revolucionário. Palavras chave: Diários de motocicleta; cinema e subjetividade; Che Guevara; Walter Salles; cinema latino americano. Abstract This text is part of a developed research at Prolam/USP, which encompasses, among other activities, a study of Walter Salles Diários de Motocicleta. The construction of young Che s image, based on Paul Ricoeur s idea of temporal refiguration, is the key element in this analysis of Salles film. The purpose of this approach is to measure the power such image can attain, when located as a complementary element in relation to the myth of revolutionary hero. Key words: Diários de Motocicleta; film and subjectivity; Che Guevara; Walter Salles, Latin American cinema.

2 Revista Elementa. Comunicação e Cultura. Sorocaba, v.1, n.1, jan./jun Introdução O peso dos meios de comunicação na construção da subjetividade contemporânea é extraordinário. Em uma combinação de informação e entretenimento, os conteúdos veiculados nos meios, pautam o universo cotidiano, ratificando o conceito do agenda setting :...A mídia nos diz sobre o que falar e pauta nossos relacionamentos. (PENA, 2005, p.142). Em que pese a obviedade da exclusão social, que mantém à margem dos meios de comunicação (ainda) boa parte da população mundial, é preciso olhar, tanto para a perspectiva colocada como fator positivo da ampliação deste acesso, enfatizado como um dos eixos da necessária inclusão social, como também não ignorar as mudanças provocadas no que delineamos ser o sujeito contemporâneo pela convivência com estes meios o que deve ser reconhecido, no mínimo, como um amplo espaço para debates. Tal colocação apresentada quase como um postulado apesar do caráter genérico que carrega vale por permitir uma dupla constatação. De um lado, não ser possível discutir a comunicação na sua relação de também formadora do sujeito se ficarmos presos às colocações amplas demais que costumam atravessar boa parte das nossas reflexões enquanto estudiosos da comunicação. Definir, portanto, marcos a este percurso, mesmo não ignorando todas as possibilidades de intercâmbios e massificações presentes a partir, inclusive, da explosão de amplitude dos meios de comunicação, resgata o reconhecimento que a nova história trouxe à tona com muita força, ou seja, a importância de pontuar o cotidiano, de observar o cidadão comum como partícipe e também determinante para a compreensão do período do tempo que percorreu. E, de outro lado, coloca a necessidade de articular ao todo mesmo sob o risco de uma certa superficialidade este mesmo objeto específico colocado sob análise. Em outras palavras, articular objeto e contexto em um fluxo não linear, em permanente estado de devir, sem deixar de considerar a necessidade de um recorte no tempo e no espaço para que seja possível uma compreensão sempre reconhecida como parcial e, no entanto, com dimensões suficientes para somar se ao universo do conhecimento que o campo do objeto demanda. E, claro, conviver com os limites e digressões que tal método provoca. É, portanto, nesta perspectiva que este texto trabalha. Assume se, assim, recorte de recorte que, paradoxalmente, funciona como um novo olho d água. Em outras palavras, apresenta se como um estudo lateral que se ofereceu, generosamente, a partir de um projeto que focava outra reflexão, mas que foi capaz de manter se preso a esta análise pela discussão em torno da construção da identidade a partir de uma produção cultural. É esta, enfim, a linha que cerzi um ao outro, costurando um tecido que reúne comunicação, cultura e construção de identidade como contextos vitais para se observar, compreender e discutir o filme Diários de Motocicleta, dirigido por Walter Salles, foco deste texto mas também parte de um estudo maior que desenvolvo na minha tese de doutorado.

3 Revista Elementa. Comunicação e Cultura. Sorocaba, v.1, n.1, jan./jun Apresentadas estas justificativas, inicio permitindo me aqui resgatar uma situação que vivi no início de 2005 e que contém, apesar de sua aparente simplicidade, a vitalidade que motivou este trabalho por provocar inquietações que, acredito, estão presentes entre os pesquisadores da comunicação que reconhecem neste campo (comunicação) um dos fundamentais cimentos com que se colam as fragmentadas (e, às vezes, dilaceradas) áreas da sociedade atual. Então: Um grupo de oito jovens, todos sentados no chão com média de idade girando em torno dos 17, 18 anos, assistia, em minha companhia, na sala da casa de uma das integrantes do grupo, ao documentário Ernesto Che Guevara Homem, Companheiro, Amigo..., de Roberto Massari. Todos estes jovens estavam exaustos, mas assistiram ao filme até o final. O cansaço era decorrente da participação em mais uma manifestação pelo passe livre, luta que tinha por meta conquistar o direito dos estudantes do Ensino Médio (principalmente) de Campinas, de não pagarem ônibus para se deslocarem pela cidade. Nesta metrópole do interior de São Paulo, tal mobilização que também ocorreu em outras grandes cidades ou capitais brasileiras (por exemplo, Florianópolis), era capitaneada pelo Movimento Che, a que este grupo de jovens pertencia. Estávamos em abril de 2005, e as ruas principais da cidade, incluindo a Avenida Anchieta onde está localizado o prédio da Prefeitura Municipal de Campinas, tinham acabado de conhecer a força do movimento o que quer dizer, passeata de um grupo numeroso de jovens que protestavam, veementemente, contra a política municipal de reajuste de passagem de ônibus, além da exigência do passe livre. Tais protestos, como não podia deixar de ser pois que inspirados nas áureas imagens da luta contra a ditadura militar brasileira, incluíam muitas faixas, algumas manifestações físicas contra carros ou portas de lojas, muitos insultos e palavras de baixo calão misturados às palavras de ordem e, finalmente, o enfrentamento com a polícia que também reagiu seguindo o script de que aqueles jovens não passavam de baderneiros e, portanto, deveriam ser duramente reprimidos. O filme acaba. Na sala, todos muito emocionados, agradecem a oportunidade de assisti lo. Pergunto, a cada um, o que conheciam sobre Che Guevara, antes de assistirem a este documentário. As respostas variaram muito pouco: Fez a revolução em Cuba, com Fidel ; morreu lutando, tinha um ideal como a gente... Pergunto, ainda, porque deram ao movimento pelo passe livre, o nome Che? Ah, porque ele tinha sonhos, como nós, de um mundo justo ; Ele queria acabar com essa burguesia, que nem a gente... Mas, afinal insisto o que vocês conheciam, de fato, sobre ele, quando o escolheram?... Minha insistência não encontrou respostas muito diferentes das que já havia colhido. Um, mais velho, de 24 anos, disse que havia lido alguns textos de Che Guevara que encontrara na Internet. Os outros, nem isso, mas todos queriam, a partir do filme, conhecê lo agora, muito mais, além de carregarem a partir de então, a certeza de terem escolhido o nome certo para batizar o grupo. Alguns deles estavam com camisetas com a imagem do Che e outros ostentavam, orgulhosos, boina... Assim, ao contrário do que eu havia vivido há muitos anos quando, também muito jovem, pouco mais de 17 anos, ingressara no clandestino MR 8, no final dos anos 1970, estes jovens, quase 20 anos depois, escolhiam um símbolo para os representar, não mais por conhecerem, em detalhes, sua trajetória, mas, simplesmente, pela força de uma convicção construída por vagas informações e profunda veiculação de uma imagem que se reproduziu

4 Revista Elementa. Comunicação e Cultura. Sorocaba, v.1, n.1, jan./jun infinitamente e continua se multiplicando nos mais diversos suportes que o capitalismo é capaz de criar. Com um detalhe importante: uma imagem presa em um tempo sempre igual: um jovem de uns 30 anos, olhar penetrante, boina, barba rala e exalando determinação. A situação descrita anteriormente provoca, de imediato, uma constatação: a profunda ousadia de Walter Salles ao contrapor a uma das faces mais conhecidas do mundo, uma nova plástica. Não bastasse isso, por mais parcas que sejam as informações históricas que se tenha sobre este personagem, o filme deve ser capaz de estabelecer diálogo com quem se coloca na posição de assisti lo. Neste sentido, Diários de Motocicleta será observado como contendo uma narrativa inscrita em determinada temporalidade ficcional. No entanto, como já colocado, seus personagens existiram ou seja, estão presentes na história. Isto significa inserir no horizonte de análise do filme a questão da verdade e da legitimidade ou não desta versão da história e, em decorrência, uma avaliação da memória ali construída. Os anéis articulados desta corrente que pode se desdobrar num sem fim, revelam a riqueza da obra fílmica. Buscando o diálogo com Paul Ricouer e a discussão que este autor faz sobre refiguração do tempo e reefetuação do passado, a proposta aqui é apontar como o filme Diários de Motocicleta preenche uma lacuna na composição da figura mítica do Che, em um momento que, de certo modo, prenunciou o que estava, politicamente, acontecendo no continente. Tal coincidência (?) histórica, revela a sensibilidade de um cineasta que nunca se furtou a apresentar seu particular posicionamento em relação às causas sociais e também permite e esta é a perspectiva sobre a qual se debruça este trabalho que façamos uma reflexão sobre a construção de um personagem balizado por sua história em um filme que não é documental, mas é baseado ou inspirado em um personagem real. Tal reflexão vai se apresentar neste texto em dois eixos. Um, que percorre o filme enquanto linguagem, demarcando, em especial, a apresentação do personagem Che e, o outro, que localiza este filme como uma das produções que contribuíram para que a discussão de uma cinematografia latino americano voltasse à tona, além de colaborar para que a figura de Ernesto Che Guevara fosse percebida como uma identidade construída por uma geografia e história acessível ainda hoje. Nesta duplicidade, a pretensão é apresentar contornos que podem ser um tanto especulativos mas que, acredito, contribuem para que a produção audiovisual, sempre possível de ser localizada em dois campos o da arte e o da comunicação não deixe de ser reconhecida em seu papel conciliador quando percebida como um dos esteios da construção identitária, em uma síntese que reflita uma panorama mais universal sem que se encubra a sua especificidade. 2.Che e Diários de Motocicleta

5 Revista Elementa. Comunicação e Cultura. Sorocaba, v.1, n.1, jan./jun Há quase quarenta anos, Ernesto Che Guevara foi assassinado na Bolívia. Mais precisamente em 9 de outubro de Sua morte, como se sabe, não destruiu o mito. Ao contrário. Sua face, adornada pela boina e marcada pelos olhos de um brilho agudo, é uma das mais conhecidas do mundo. Os que o executaram com nove tiros, interromperam os sonhos libertários de um homem de 39 anos que há dois renunciara a todos os cargos políticos e honrarias que recebia em Cuba era o segundo homem no comando da Ilha mas não conseguiram impedir a construção deste ícone que atravessou a segunda metade do século XX e perdura até hoje. Aliás, de certo modo, seus assassinos colaboraram para isso, quando cercaram a execução de mistérios e impediram o sepultamento do guerrilheiro, o que só ocorreu em 1997, quando o corpo do Che foi localizado sob o terreno do aeroporto de Vallegrande e finalmente enviado a Cuba. Localizar o homem debaixo do mito nunca foi tarefa fácil. A história esmera se na busca de documentos e fontes fidedignas que garantam a reconstituição dos fatos. Já os meios de comunicação trabalham numa outra estrada. Configuram, em uma dança sem fim das multimídias já possíveis, novas camadas, cujas significações margeiam a realidade, só que em outro diapasão. O quanto a figura do Che deve à comunicação? Claro que a primeira descoberta deve estar colada ao legado do autor. Ernesto Guevara foi escritor razoavelmente pródigo. Suas cartas, seus textos e também seus discursos são fontes diretas do que pensava e avaliava. Foram inspiração viva a uma gama de movimentos revolucionários que estouraram na América Latina, em um tour de force com as ditaduras sanguinárias que marcaram, em especial, Brasil, Chile, Argentina, dos anos 1960 a Não bastasse isso, Cuba, após o embargo econômico estabelecido pelos EUA, tornou se A Ilha, geografia especial banhada pela esperança de tantos para que um mundo justo, mesmo tão territorialmente limitado, acontecesse de verdade. Resumindo, na construção do mito Che a idéia de revolução que atravessou os anos 1960 e sobreviveu com força por mais duas décadas na América Latina e também em alguns países da Europa, foram decisivas para que sua imagem ganhasse autonomia, em bi e tri dimensão. Ou, até chegarmos à derrocada da União Soviética, à queda do muro de Berlim, ao abrandamento dos confrontos na América Latina, com as queda das ditaduras, o esquema simplificado da esquerda x direita povoaram corações e mentes de muitos jovens e a figura do Che, em seu maior emblema a foto do rosto sob a boina, tirada em 5 de março de 1960 por Alberto Díaz Gutierrez, conhecido como Alberto Korda foi se multiplicando assombrosamente. E é esta imagem do comandante maduro, do líder companheiro de Fidel Castro, a mais acessível e acessada do Che, podendo ser, portanto, assumida como um rastro clássico a ser

6 Revista Elementa. Comunicação e Cultura. Sorocaba, v.1, n.1, jan./jun seguido pela historiografia como indicaria Paul Ricouer mas que, para as teorias da comunicação, também pode ser classificada como um ícone e, ao mesmo tempo, símbolo. Como ícone, a imagem do Che evoca, imediatamente, uma trajetória erigida por marcos significantes, tão compartilhados entre jovens e políticos que é inegável a colocação de Ernesto Guevara como um dos protagonista da história do século XX, o que o torna símbolo e, portanto, constituidor de identidade. Uma identidade que ultrapassou os limites da América Latina e do tempo, divulgando o em todo mundo, em um processo, talvez, inversamente proporcional à consistência e conhecimento do seu projeto, de como pensava o mundo. Ou seja, tornando se slogan e imagem bi dimensional com amplo predomínio de uma comunicação que é, na verdade, simulacro do que pensava e do que fez. É considerando esta, digamos, situação, que podemos localizar, em um primeiro momento, a importância de Diários de motocicleta, um filme que, segundo seu diretor, Walter Salles, garantiu em inúmeras entrevistas, é sobre dois jovens que descobriram um novo destino ao percorrerem a América do Sul, ou seja, sem a pretensão de se fixar na lenda Che. Mas, isso é possível? Este não é um relato de feitos heróicos. É o fragmento de duas vidas que percorrem juntas um caminho, compartilhando as mesmas aspirações e os mesmos sonhos. Ernesto Guevara de la Serna, 1952, esta é a primeira tela do filme. A discussão sobre narrador e autor perpassa, há muito, a construção da narrativa, incluindo a fílmica. Diários de motocicleta de Salles adota Ernesto Guevara como narrador o que não significa que a construção do personagem possa se confundir com a auto imagem do Che. Afinal, estamos diante de uma obra de ficção e a concepção de imagem e som articulada por Walter Salles como lembra Ismail Xavier, a trama é que delimitará o filme, a história. Neste sentido, quando abraça um projeto de marcos temporais e de distância, permitindo ao público se localizar mais facilmente em relação à jornada empreendida por Alberto e Ernesto, o diretor assume que o deslocamento nesta geografia e o que este provoca nos personagens, é que dão sentido ao filme. Este é o registro dos chamados road movies e Diários de motocicleta é assim. Apesar de ter seguido um roteiro minucioso, da trilha ter sido concebida antes do filme[1] e da direção e atuação acentuarem os contrastes entres os dois personagens, tipificando os em registros claros para o público, a narrativa é episódica, trabalhando com a expectativa do que pode acontecer a cada parada tendo, entre os intervalos, a paisagem exuberante de um continente quase cartão postal, a revelar se em uma grandiosidade que merecia e merece ser descoberta. Ora, por mais que a diegese instaure se em um

7 Revista Elementa. Comunicação e Cultura. Sorocaba, v.1, n.1, jan./jun tempo distante, não há como não pensar em tudo o que não conhecemos deste continente. E aí, vale lembrar Ricoeur, para quem: A primeira maneira de pensar a passadidade do passado é subtrair lhe o aguilhão, ou seja, a distância temporal. A operação histórica aparece, então, como uma des distanciação, uma identificação com o que outrora foi. Essa concepção não deixa de ter apoio na prática historiadora. O rastro, enquanto tal, não é ele o próprio presente? Remontar o rastro não é tornar os acontecimentos passados a que ele conduz contemporâneos de seu próprio rastro? Leitores de história, não somos nós mesmos transformados em contemporâneos dos acontecimentos passados através de uma reconstrução viva de seu encadeamento? Em suma, é o passado inteligível a não ser como persistindo no presente? (RICOUER, 1997, p.244). Esta abordagem proposta por Ricouer tem como base a concepção da história como reefetuação do passado, formulada por Collingwood em The idea of history. Ricouer não deixa de discutir os limites de tal conceito quando este a pretensão é localizar a construção identitária do pensamento do passado. Mas recorro a este conceito mesmo sabendo que o filme de Salles não se apresenta com pretensão de história se for observado, por exemplo, sua falta de rigor documental. No entanto, isto não o isenta de ter abraçado a história. Tal questão se apresenta, como já dito, desde o início do filme, quando este se assume que é inspirado nos diários de Ernesto Guevara e que aquela viagem não só aconteceu como provocou mudanças definitivas no rumo das duas vidas ali apresentadas. Assim, mesmo que o diretor descole o mito, ele está presente porque, de algum modo, o explica. É por isso, porque é real, que a primeira imagem de Ernesto, no filme, é manuseando sua bombinha para asma. Está sério e não há som. Invade a cena, a voz alegre de Alberto. A montagem rápida apresenta em seguida o quarto de Granado: um plano relâmpago, enquadrando guarda roupa e a cama e eis que o personagem surge, levantando do chão, irreverente. Novo corte e voltamos a Ernesto. Agora ouvimos sua voz que sintetiza, numa opção brilhante de Salles, a narrativa do filme e as principais características dos personagens, ao mesmo tempo que a montagem em paralelo revela a afinidade entre os dois sem deixar de demarcar que os temperamentos são opostos. Nesta seqüência inicial do filme, as imagens funcionam como ilustrações de uma narrativa marcada pelos dois pontos. Por isso, a montagem rápida, a trilha acentuando a agilidade da seqüência e o tom quase sépia das imagens de Buenos Aires no início da noite permitem a empatia e compreensão imediata do que virá. Completando este quadro, uma conversa no bar onde se acentua o que diferencia a jornada de Alberto Granado e Ernesto Guevara: sob o sorriso compreensível e amigo do futuro Che, Granado confirma que suas principais ambições em relação à viagem estão ligadas à vontade de se divertir, namorar, passear, enquanto desenha em um mapa sobre a mesa o percurso que farão.

8 Revista Elementa. Comunicação e Cultura. Sorocaba, v.1, n.1, jan./jun Também para acentuar o perfil diferenciado de Ernesto, uma rápida conversa em família, com o pai tentando dissuadi lo da viagem porque o filho está há menos de seis meses de se formar em medicina enquanto a mãe, cúmplice, nada fala, mas sorri ao filho, apoiando seu argumento: Isso pode ficar para depois, fala Guevara. 3.O mito, o filme e possíveis armadilhas A pessoa que tomou estas notas morreu no dia em que pisou novamente o solo argentino. A pessoa que está agora reorganizando e polindo estas mesmas notas, eu, não sou mais eu, pelo menos não sou o mesmo que era antes. Esse vagar sem rumo pelos caminhos de nossa Maiúscula América me transformou mais do que me dei conta. (GUEVARA, 2003, p.8) De todos os caminhos da comunicação o cinema tem sido, desde a solidez de Hollywood, a mais exemplar forma de domínio cultural a que todos nos submetemos desde a segunda metade do século XX. Impossível pensar a Idade Média com reis desdentados, enquanto o cinemão não a mostrá la assim. É preciso um esforço imenso para acreditar na possível imagem de Giordano Bruno, veiculada nos livros de história, que em nada lembra o rosto másculo e vigoroso de Gian Maria Volunté o Giordano do cinema. E os exemplos seriam inúmeros neste sentido. Um continente sem imagem é um continente sem história, já disse Fernando Birri. Este foi um dos motivos para que criasse a lendária Escola de Cinema de Santa Fé, nos anos 1950, na Argentina, e que influenciou, largamente, mais de uma geração de cineastas latino americanos. Walter Salles, ao atualizar a figura do Che, permitiu que novas gerações reconhecessem uma outra face de uma das imagens do continente: o jovem Che vive um rito de passagem, atualizando a mochila, o espírito de aventura que marcam a cultura dos anos 1960 e 1970, e que foi soterrada por uma nova meta juvenil, presente no discurso neo liberal, do jovem empreendedor, realizador, gestor. Agrega, assim, à lenda do revolucionário cubano, uma narrativa que traz, como filme de ficção que é, o rosto do Che colado, agora, à interpretação do ator mexicano Gael. No entanto, à força desta nova imagem, sobrepõe se com vigor, a certeza da veracidade desta narrativa, confirmada tão plenamente pelo diretor, em especial por sua opção de mostrar Granado, o verdadeiro, na última cena do filme, além de apresentar vários personagens reais que participaram da empreitada, repetindo Leon Hirszman, de São Bernardo. Esta reconstrução do personagem histórico não é simples de ser discutida. Em especial quando este personagem viveu uma opção tão radical como Ernesto Che Guevara, contra um sistema que hoje permitiu a realização do filme sobre ele. Tal situação gerou e deve gerar ainda, posicionamentos críticos pautados, principalmente, pelo esvaziamento da contestação, para dizer o mínimo, de um

9 Revista Elementa. Comunicação e Cultura. Sorocaba, v.1, n.1, jan./jun personagem como foi o líder revolucionário latino americano. Um líder que se tornou mito e é consumido, exaustivamente, nas mais variadas formas de consumo. Aqui, acredito, valem algumas ponderações que, sei, configuram riscos ou mesmo armadilhas. Em primeiro lugar, é preciso localizar o que pode significar se debruçar sobre uma biografia, mesmo que recortada, como é o caso de Diários de motocicleta e apresentá la em uma obra fílmica só possível de ser viabilizada em processo industrial. Em segundo lugar, é preciso também que esta obra seja vista como produção também localizada cultural e historicamente, independente do personagem sobre a qual se produz. O fato é que há uma cinematografia latino americana, incluindo a brasileira, que tenta encontrar um caminho de se viabilizar. Não há, em Diários de motocicleta qualquer inscrição inovadora que possa distinguir o filme de um processo de produção balizado pelo cinema industrial a não ser a sua temática e algumas estratégias de resistência como, por exemplo, ser falado em espanhol. Agora, não se trata hoje de encontrar um caminho como foi a Escola de Santa Fé ou o Cinema Novo só para citar alguns exemplos. As trincheiras onde se debatem uma possível nova cinematografia latino americana passam, sem dúvida, muito mais pela distribuição dos filmes do que pela construção de uma estética própria. Isto não significa que se deve, então, ignorar tal busca ou tal construção. O que destaco aqui é o significado que o filme Diários de motocicleta coloca, na medida em que recupera para um público jovem uma trajetória de certo modo ingênua, carregada de aprendizados e descobertas, mas que pode ser desdobrada em outras buscas, inclusive da história. Tal opção não pode ser ignorada neste momento em que é preponderante o cinismo e a indiferença, onde a memória está diluída e a história sem significados, em que, finalmente, as identidades têm se dado com heróis ocos, vindos diretamente de quadrinhos em um processo extremamente infantilizado. Em outras palavras, não se pode apelar à metáfora da reflexão pois, como bem assinalou Turner: O cinema não reflete nem registra a realidade; como qualquer outro meio de representação, ele constrói e `re apresenta`seus quadros da realidade por meio de códigos, convenções, mitos e ideologias de sua cultura, bem como mediante práticas significadoras específicas desse meio de comunicação. (TURNER, 1997, p.129). Não bastasse isso, àqueles que cogitaram do filme ser como outros filmes que também elegeram líderes revolucionários latino americanos para serem biografados, expressão de fragorosa derrota do idealismo, respondo que é necessário não desalojar, definitivamente, o filme da história. Pois, se é verdade que a figura do Che, lendária e revolucionária continua admirável na sua radicalidade, não se

10 Revista Elementa. Comunicação e Cultura. Sorocaba, v.1, n.1, jan./jun pode negar que a continuidade da história coloca hoje um outro nível de complexidade em relação ao processo revolucionário proposto por ele, que não é o caso, aqui, discutir. Não se trata, óbvio, de amansar ou pasteurizar uma trajetória que, convenhamos, multiplica se mais por botons, camisetas e cartazes do que pelo conhecimento e discussão de suas posições políticas. Trata se de contornar a produção fílmica no século e história onde está sendo produzida e entender, portanto, porque esta necessidade vital de buscar na história passada a narrativa que se quer apresentar ao presente. 4.Ponderações finais A questão que aqui se coloca é, portanto, o quanto um filme de ficção, mesmo baseado ou inspirado em fatos históricos, pode ser descolado da exigência de realidade. Ricoeur discute esta abordagem, destacando que a crítica ao conceito ingênuo de `realidade` aplicada à passadidade do passado exige uma crítica simétrica do conceito não menos ingênuo de `irrealidade` aplicado às projeções da ficção (RICOUER, 1997, p.274). Recuperar, portanto, um recorte temporal da história de Che Guevara, me parece, principalmente, buscar no passado caminhos possíveis do presente. Em especial porque a trajetória empreendida por Ernesto Che Guevara e seu companheiro Alberto Granada não apresenta tantas modificações (para melhor) como poderiam ter acontecido, à geografia espacial e humana por onde se embrenharam. É verdade, no entanto, que não podemos ser ingênuos e acreditar em efeitos consistentes que o filme pode provocar. O que não se pode, acredito, é reduzir a obra por sua escolha, deixando de lado uma análise e reflexão que a perceba enquanto filme e aí sim, localizar seus limites e/ou qualidades. Como já disse, não se pode falar em revoluções estéticas, mas se pode falar em competências e qualidades que o filme tem. Pode se verificar, por exemplo, a prevalência da grandeza do Che, que lhe antecipa o ardor revolucionário, a seriedade com que abraça sua missão e mesmo uma relativa ignorância de traços que poderiam torná lo mais próximo da pessoa que acumulou, entre outros apelidos, o de porco... Localizo, portanto, na direção de atores e na interpretação de Gael, essa reverência ao mito que desmente como desmentiu a primeira tela do filme, a afirmação de Walter Salles, quanto ao seu intento de reproduzir história de jovens comuns. O Ernesto Guevara de Diários de motocicleta é, portanto, o herói positivo e seu rito de passagem o transforma em personagem consciente das desigualdades sociais. Nestas inscrições, que o tornam palatável ao grande público, localizo os limites do filme. Ao mesmo tempo, não consigo deixar de lembrar de Mitre, para quem:...a pergunta sobre identidade assume, de uma forma ou outra, caráter biográfico e se explicita num discurso tendente a superar a estrutura reflexiva da autoconsciência. Esta tarefa supõe que a razão reconheça a si mesma não somente como sujeito e objeto, mas também que se situe além desse ato reflexivo, isto é, fora de si. (MITRE, 2003, p.30)

11 Revista Elementa. Comunicação e Cultura. Sorocaba, v.1, n.1, jan./jun Reúno a esta fala toda a discussão que existe em torno da existência ou não de uma cinematografia específica do continente latino americano. Trata se, ainda, de um projeto que se equilibra em iniciativas que se perpetuam caso dos festivais ou de cineastas que rompem os limites do território e assumem uma, digamos, postura mais globalizada. Mas esta é uma colocação que nos leva a outros diálogos. O que quero, entretanto, destacar, ainda que de uma forma um tanto incipiente, é o quanto Diários de motocicleta participa e o tempo escolhido para sua realização não é aleatório de um contexto em que o esgotamento do discurso neo liberal se adivinhava através de algumas expressivas novas situações, principalmente nos processos eleitorais que conduziram personagens colados a trajetórias de contestação ao modelo capitalista sem entrar nas graduações ou qualificações de tais posturas como ocorreu no Chile, Brasil, Venezuela e logo Colômbia, por exemplo. Assim, quando Paul Ricouer aponta que a vantagem de uma abordagem que acopla a história e a ficção, diante das aporias da temporalidade, é que ela convida a reforçar o problema clássico da referência a um passado que foi `real` (ao contrário das entidades irreais da ficção) em termos de refiguração, e não o inverso (RICOUER, 1997, p.8), ele localiza na interpretação ou seja, para além, por exemplo, dos documentos a intenção do historiador procurar alcançar o que já foi mas já não é. E, a partir desta constatação, Ricouer elenca uma série de indagações, em especial a pretensão da história em, ao construir sua narrativa, acreditar estar reconstruindo algo do passado. Ora, um filme inspirado em fatos (relatos) reais, teria, então, qual pretensão, se não ignorarmos o fato que esta informação precede a narrativa e, assim, a qualifica? Além disso, em Diários de motocicleta, como já destacado, há o reforço do real ao final do filme que apresenta Granado (o verdadeiro) e ainda, em preto e branco, os figurantes reais das filmagens. Tais recursos, na perspectiva colocada por Ricouer, reforçam no filme que o tempo ficcional arraste o tempo histórico. Algo ampliado por sua estrutura episódica onde a precisão das informações das datas e do tempo percorrido remetem ao era uma vez, da ficção, sem que se perca a compreensão da história, mesmo com os diversos pulos que o filme apresenta tanto em termos do tempo como do espaço, justamente porque tudo deve ser contido em duas horas. Estamos, portanto, diante do passado não reconstruído e sim refigurado, enriquecido pela narrativa da ficção graças às mediações imaginárias só possíveis, claro, a ela, ficção. Neste cruzamento entre ficção e história na refiguração do tempo a que Diários de motocicleta também se permite, está seu papel fundamental enquanto produto midiático: a sua capacidade de preencher uma lacuna, de forma massificada, ampla, que faltava ao mito Che Guevara. A partir do filme, não haverá mais apenas o homem da boina que participou da revolução cubana e morreu assassinado na Bolívia. O Che, agora, tem uma história que o precede. E, mais importante: as marcas da prospecção da

12 Revista Elementa. Comunicação e Cultura. Sorocaba, v.1, n.1, jan./jun história sobre o personagem o explicam e o justificam. Especialmente porque neste caso a voz do narrador, que é a do personagem Che durante quase todo o filme, confunde se com a do autor em um outro procedimento caro à ficção e que reforça o pacto entre o espectador e o autor. Eis nos, assim, postados diante da verdade da história e saímos do cinema com a profunda convicção de que o Che, afinal, saíra da história por aquelas duas horas para voltar, ainda muito mais nítido e completo, a ela. Notas [1] Walter Salles contou em entrevista que normalmente as trilhas dos seus filmes são feitas depois das filmagens. Já para Diários de motocicleta, talvez por ter ouvido muita música latino americana dos anos 50, a trilha foi definida antes e, neste sentido, estabelece um diálogo com as imagens e não, simplesmente, as pontua ou destaca. Referências bibliográficas AVELLAR, J. C. A ponte clandestina. São Paulo: Edusp, GUEVARA, E. C. De moto pela América do Sul. São Paulo: Sá Editora, MITRE, A. O Dilema do Centauro. Belo Horizonte: UFMG, PARANAGUÁ, P. Cinema na América Latina. Porto Alegre: L&PM, RICOEUR, P. Tempo e Narrativa (v.3). Campinas: Papirus, TURNER, G. T. Cinema como prática social. São Paulo: Summus, s/d XAVIER, I. (org). A Experiência do cinema. Rio: Graal/Embrafilme, Denise Tavares. Jornalista, doutoranda do PROLAM/USP (Programa de Pós Graduação de Integração Latino americana), e ex diretora e professora da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. (PUC Campinas).

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos 44 5. Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos As rodas de conversa tiveram como proposta convidar os participantes a debater o tema da violência

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA:

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: CRESCENDO PESSOAL E PROFISSIONALMENTE. 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Onde você estiver que haja LUZ. Ana Rique A responsabilidade por um ambiente

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Título do artigo: O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Área: Gestão Coordenador Pedagógico Selecionadora: Maria Paula Zurawski 16ª Edição do Prêmio Victor Civita Educador

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

para um estúdio terceirizado (Variety Artworks), responsável por todo o trabalho de arte. É por isso que os títulos não trazem créditos de roteirista

para um estúdio terceirizado (Variety Artworks), responsável por todo o trabalho de arte. É por isso que os títulos não trazem créditos de roteirista Clássicos adaptados em mangá Alexandre Boide* Com seus mais de cem títulos publicados, a coleção Manga de Dokuha (algo como Aprendendo em mangá ) é uma espécie de ponto fora da curva entre as coleções

Leia mais

CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO

CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO ADILSON DE ANGELO Desde a sua criação, o MST assegurou na sua agenda política a luta pela educação e por uma escola mais significativa para a família

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

Histórias, Redes Sociais e Memória

Histórias, Redes Sociais e Memória Histórias, Redes Sociais e Memória h.d.mabuse "A capacidade de lembrar o que já se viveu ou aprendeu e relacionar isso com a situação presente é o mais importante mecanismo de constituição e preservação

Leia mais

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO Trata-se do ponto de partida do processo de sistematização. Neste momento é importante considerar os elementos

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV).

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV). PRÁTICAS DE LEITURA EM SALA DE AULA: O USO DE FILMES E DEMAIS PRODUÇÕES CINEMATOGRÁFICAS EM AULAS DE LÍNGUA - PORTUGUESA 52 - Adriana da Silva* adria.silva@ufv.br Alex Caldas Simões** axbr1@yahoo.com.br

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE DISCURSO DE AGRADECIMENTO E DESPEDIDA DO CHEFE DO ESTADO EM PRESIDÊNCIA ABERTA E INCLUSIVA 2014 Compatriotas! Caminhamos para o fim do meu mandato de governação como Presidente

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

OFICINA DE MEMÓRIA: UMA INTERVENÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA

OFICINA DE MEMÓRIA: UMA INTERVENÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA OFICINA DE MEMÓRIA: UMA INTERVENÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA Rita de Cássia Mendonça Psicóloga TRT 21ª Região Natal/RN A memória vincula-se às experiências e não a meros acontecimentos, tomando experiências

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008.

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Departamento de Artes & Design Curso de especialização O Lugar do Design na Leitura Disciplina: Estratégia RPG Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima

Leia mais

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM Falar em mobilização e participação de jovens na escola de ensino médio implica em discutir algumas questões iniciais, como o papel e a função da escola

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Por que a criança de seis anos no ensino fundamental? Porque, pelo que entendi, em minha vida inteirinha, para umas coisas serei grande, para outras, pequenininha.

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC TEXTO COMPLEMENTAR AULA 2 (15/08/2011) CURSO: Serviço Social DISCIPLINA: ORIENTAÇÕES DE TCC II - 8º Período - Turma 2008 PROFESSORA: Eva Ferreira de Carvalho Caro acadêmico, na Aula 2, você estudará Áreas

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes Imagens de professores e alunos Andréa Becker Narvaes Inicio este texto sem certeza de poder concluí-lo de imediato e no intuito de, ao apresentá-lo no evento, poder ouvir coisas que contribuam para continuidade

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA COMPRENDER Y HACERSE COMPRENDER: COMO REFORZAR LA LEGITIMIDADE INTERNA Y EXTERNA DE LOS ESTUDIOS CUALITATIVOS

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

Desafio para a família

Desafio para a família Desafio para a família Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da espiritualidade. O sonho de Deus para a família é que seja um

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

25 de Abril de 2015 Comemoração dos 41 anos da Revolução dos Cravos

25 de Abril de 2015 Comemoração dos 41 anos da Revolução dos Cravos 25 de Abril de 2015 Comemoração dos 41 anos da Revolução dos Cravos Intervenção da Deputada Municipal do PSD Célia Sousa Martins Senhora Presidente da Assembleia Municipal, Senhor Presidente da Câmara

Leia mais

QUANDO OS SUJEITOS ENUNCIAM ESPAÇOS DE AÇÃO: TOMADAS DE POSIÇÃO DE HIP HOP, ECOSOL E ESCOLAS

QUANDO OS SUJEITOS ENUNCIAM ESPAÇOS DE AÇÃO: TOMADAS DE POSIÇÃO DE HIP HOP, ECOSOL E ESCOLAS QUANDO OS SUJEITOS ENUNCIAM ESPAÇOS DE AÇÃO: TOMADAS DE POSIÇÃO DE HIP HOP, ECOSOL E ESCOLAS Leandro R. Pinheiro - UFRGS FAPERGS Dos anos 1970 aos 1990, visualizamos mudanças no cenário de ação sociopolítica

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

O espetáculo do consumo: a relação entre crianças e mídia na educação infantil.

O espetáculo do consumo: a relação entre crianças e mídia na educação infantil. O espetáculo do consumo: a relação entre crianças e mídia na educação infantil. Universidade Federal de Santa Catarina julianacmuller@hotmail.com Ficamos sabendo pelo narrador que as novas aventuras fizeram

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

TÍTULO: VÁRIAS VARIÁVEIS: O BRASIL DOS ANOS 80 PELAS MÚSICAS DO ENGENHEIROS DO HAWAII

TÍTULO: VÁRIAS VARIÁVEIS: O BRASIL DOS ANOS 80 PELAS MÚSICAS DO ENGENHEIROS DO HAWAII Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: VÁRIAS VARIÁVEIS: O BRASIL DOS ANOS 80 PELAS MÚSICAS DO ENGENHEIROS DO HAWAII CATEGORIA: EM

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA)

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) REDE PRÓ-MENINO ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil CURSISTA: JACKELYNE RIBEIRO CINTRA MORAIS CPF: 014275241-06 ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) Características

Leia mais

CINCO OBSERVAÇÕES SOBRE UMA RESENHA

CINCO OBSERVAÇÕES SOBRE UMA RESENHA CRÔNICAS E CONTROVÉRSIAS Neste número, a seção Crônicas e Controvérsias apresenta dois textos: o primeiro, de Sírio Possenti, acerca da resenha do livro de Alice Krieg- -Planque A noção de fórmula em análise

Leia mais

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual CINEMA NOSSO escola audiovisual Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual Nossa História Em Agosto de 2000, um grupo de duzentos jovens de áreas populares cariocas foi reunido

Leia mais

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA O DIÁLOGO SOCIAL NO BRASIL: O MODELO SINDICAL BRASILEIRO E A REFORMA SINDICAL Zilmara Davi de Alencar * Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Leia mais

POR VITOR SOUZA CONTEÚDO ORIGINAL DE: WWW.CACHORROSURTADO.BLOGSPOT.COM

POR VITOR SOUZA CONTEÚDO ORIGINAL DE: WWW.CACHORROSURTADO.BLOGSPOT.COM POR VITOR SOUZA CONTEÚDO ORIGINAL DE: WWW.CACHORROSURTADO.BLOGSPOT.COM COPYLEFT 2010 O QUE SÃO? É UMA FORMA DE ARTE QUE CONJUGA TEXTO E IMAGENS COM O OBJETIVO DE NARRAR HISTÓRIAS DOS MAIS VARIADOS GÊNEROS

Leia mais

Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro

Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro 1 www.oxisdaquestao.com.br Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro Texto de CARLOS CHAPARRO A complexidade dos confrontos da atualidade, em especial nos cenários políticos, justificaria

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

Projeto Rede Cidadania e Qualidade de Vida FIOCRUZ/MinC. Relatório Devolutivo 22 a 23/09/2014 Jacundá - PA

Projeto Rede Cidadania e Qualidade de Vida FIOCRUZ/MinC. Relatório Devolutivo 22 a 23/09/2014 Jacundá - PA Projeto Rede Cidadania e Qualidade de Vida FIOCRUZ/MinC Relatório Devolutivo 22 a 23/09/2014 Jacundá - PA Programa CEU - Centro de Artes e Esportes Unificados Projeto Rede Cidadania e Qualidade de Vida

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Amarante Oliveira, Wellington Em busca

Leia mais

14 segredos que você jamais deve contar a ele

14 segredos que você jamais deve contar a ele Link da matéria : http://www.dicasdemulher.com.br/segredos-que-voce-jamais-deve-contar-aele/ DICAS DE MULHER DICAS DE COMPORTAMENTO 14 segredos que você jamais deve contar a ele Algumas lembranças e comentários

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

PARA MELHOR ENTENDER OS JOVENS. E O PAÍS

PARA MELHOR ENTENDER OS JOVENS. E O PAÍS Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 PARA MELHOR ENTENDER OS JOVENS. E O PAÍS Clarilza Prado de Souza: o imaginário e as representações que estudantes brasileiros têm sobre o

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

Hiperconexão. Micro-Revoluções. Não-dualismo

Hiperconexão. Micro-Revoluções. Não-dualismo ESTUDO SONHO BRASILEIRO APRESENTA 3 DRIVERS DE COMO JOVENS ESTÃO PENSANDO E AGINDO DE FORMA DIFERENTE E EMERGENTE: A HIPERCONEXÃO, O NÃO-DUALISMO E AS MICRO-REVOLUÇÕES. -- Hiperconexão 85% dos jovens brasileiros

Leia mais

Filme: O Lobisomem e o Coronel

Filme: O Lobisomem e o Coronel Filme: O Lobisomem e o Coronel Gênero: Animação Diretor: Elvis K. Figueiredo, Ítalo Cajueiro Ano: 2002 Duração: 10 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível no Porta Curtas: www.portacurtas.com.br/curtanaescola/filme.asp?cod=1518

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS.

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. Fernando Toledo Ferraz - ferraz@cybernet.com.br Departamento de Engenharia de Produção Myriam Eugênia R.

Leia mais

Teologia e Prática da Espiritualidade. Unidade 01: Espiritualidade e espiritualidades. Introdução

Teologia e Prática da Espiritualidade. Unidade 01: Espiritualidade e espiritualidades. Introdução Teologia e Prática da Espiritualidade Unidade 01: Espiritualidade e espiritualidades Introdução Esta primeira unidade se trata de uma tentativa de encontrar definições possíveis para a espiritualidade,

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

E.E.I.E.F SÃO FRANCISCO ROTEIRO DO CURTA METRAGEM TEMA: A LENDA DA PEDRA DA BATATEIRA- MITO E REALIDADE 1ª PARTE

E.E.I.E.F SÃO FRANCISCO ROTEIRO DO CURTA METRAGEM TEMA: A LENDA DA PEDRA DA BATATEIRA- MITO E REALIDADE 1ª PARTE E.E.I.E.F SÃO FRANCISCO ROTEIRO DO CURTA METRAGEM TEMA: A LENDA DA PEDRA DA BATATEIRA- MITO E REALIDADE 1ª PARTE De inicio nos reunimos com alguns monitores do Programa Mais Educação para realizarmos a

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Projeto: Acesso das famílias de mulheres presas ao Programa Bolsa Família no Distrito Federal

Projeto: Acesso das famílias de mulheres presas ao Programa Bolsa Família no Distrito Federal Projeto: Acesso das famílias de mulheres presas ao Programa Bolsa Família no Distrito Federal Coordenação: Debora Diniz Instituições: Universidade de Brasília (UnB) e Anis Instituto de bioética, gênero

Leia mais

O QUE É PRECISO PARA SER UM GRANDE LÍDER

O QUE É PRECISO PARA SER UM GRANDE LÍDER LIDERANÇA O QUE É PRECISO PARA SER UM GRANDE LÍDER Roselinde Torres foco na pessoa 6 Por Roselinde Torres O que é preciso para ser um grande líder hoje? Muitos de nós temos a imagem de um líder como um

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso no jantar oferecido pelo

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org CLIPPING FSM 2009 AMAZÔNIA Jornal: CARTA MAIOR Data: 30/01/09 http://www.cartamaior.com.br/templates/materiamostrar.cfm?materia_id=15547

Leia mais

Sistema de Ensino CNEC

Sistema de Ensino CNEC 1 SUMÁRIO VOLUME 1 "O homem é um pedaço do Universo cheio de vida." Ralph Waldo Emerson Capítulo 1 O Tempo não para 5 Capítulo 2 Você percebendo-se como sujeito histórico 20 Capítulo 3 O Universo que nos

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA Nome: Nº 2 a. Série Data: / /2015 Professores: Gabriel e Marcelo Nota: (valor: 1,0) 3º bimestre de 2015 A - Introdução Neste bimestre, sua média foi inferior a 6,0 e

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA

PESQUISA QUALITATIVA PESQUISA QUALITATIVA CONHECIMENTO É o processo pelo qual as pessoas intuem, apreendem e depois expressam. Qualquer ser humano que apreende o mundo (pensa) e exterioriza, produz conhecimento. PESQUISA É

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA Carolina e, acompanhados de, estão na biblioteca, no mesmo lugar em que o segundo episódio se encerrou.os jovens estão atrás do balcão da biblioteca,

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Projeto - por que não se arriscar com um trabalho diferente?

Projeto - por que não se arriscar com um trabalho diferente? Projeto - por que não se arriscar com um trabalho diferente? Gisele Bischoff Scherer 1 Resumo O texto a seguir defende um trabalho diferenciado em sala de aula a partir de um planejamento conjunto entre

Leia mais

Novas possibilidades de leituras na escola

Novas possibilidades de leituras na escola Novas possibilidades de leituras na escola Mariana Fernandes Valadão (UERJ/EDU/CNPq) Verônica da Rocha Vieira (UERJ/EDU/CNPq) Eixo 1: Leitura é problema de quem? Resumo A nossa pesquisa pretende discutir

Leia mais

Três exemplos de sistematização de experiências

Três exemplos de sistematização de experiências Três exemplos de sistematização de experiências Neste anexo, apresentamos alguns exemplos de propostas de sistematização. Estes exemplos não são reais; foram criados com propósitos puramente didáticos.

Leia mais

PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos

PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos RESUMO Elizane Pegoraro Bertineti 1 Tanise Stumf Böhm 2 O presente texto busca apresentar o trabalho realizado pela Patrulha Ambiental Mirim

Leia mais

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?)

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ação nº41/2012 Formadora: Madalena Moniz Faria Lobo San-Bento Formanda: Rosemary Amaral Cabral de Frias Introdução Para se contar histórias a crianças,

Leia mais