TEMA ESTRATÉGICO 3: Garantir apoio técnico necessário ao funcionamento pleno das atividades, tanto de graduação quanto de pesquisa.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TEMA ESTRATÉGICO 3: Garantir apoio técnico necessário ao funcionamento pleno das atividades, tanto de graduação quanto de pesquisa."

Transcrição

1 CTC - CENTRO DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS MISSÃO DA UNIDADE: O Centro de Tecnologia e Ciências tem seu objetivo maior consubstanciado nos objetivos gerais de Ensino, Pesquisa e Extensão. No que tange ao objetivo Ensino e Extensão, visa formar profissionais na área técnica com excelência e perfil interdisciplinar, para atender às demandas técnico-científicas da sociedade, com responsabilidade social e reconhecimento de qualidade em nível nacional; oferecer à Universidade excelência no ensino dos cursos oferecidos pelas unidades acadêmicas; atuar na implementação de cursos afins, em parceria ou não com outros Centros Universitários. No que tange ao objetivo Pesquisa, visa formar profissionais em nível de mestrado e doutorado; assim como realizar pesquisas nas áreas técnicas, de forma socialmente referenciada, sempre com o foco centrado em contribuir para o desenvolvimento do Brasil e, em especial, com desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro. OBJETIVO ESTRATÉGICO 1: Promover a integração e a interatividade entre os segmentos docente, discente e técnico administrativo, além do fortalecimento das atividades em parceria com as empresas. TEMA ESTRATÉGICO 1: Adequação às normas de segurança, manutenção, modernização e ampliação da infraestrutura física para ensino, pesquisa e extensão. TEMA ESTRATÉGICO 2: Manutenção dos programas de Doutorado e Mestrado implantados. TEMA ESTRATÉGICO 3: Garantir apoio técnico necessário ao funcionamento pleno das atividades, tanto de graduação quanto de pesquisa. TEMA ESTRATÉGICO 4: Manutenção das atividades curriculares de campo. TEMA ESTRATÉGICO 5: Consolidação e modernização dos laboratórios. TEMA ESTRATÉGICO 6: Fortalecimento dos cursos de graduação e pós-graduação existentes. TEMA ESTRATÉGICO 7: Melhoria da oferta de vagas e criação de ênfases nos cursos de graduação existentes. TEMA ESTRATÉGICO 8: Criação do curso de Oceanografia (em curso). TEMA ESTRATÉGICO 9: Consolidação das interações universidade-empresa. TEMA ESTRATÉGICO 10: Recomposição e qualificação continuada do quadro docente e técnico-administrativo das unidades.

2 TEMA ESTRATÉGICO 11: Implementação de novos programas de Doutorado e Mestrado. TEMA ESTRATÉGICO 12: Consolidação das interações universidade-sociedade.

3 CTC - PEP TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ESTRATÉGICAS ETAPAS OE: PROMOVER A INTEGRAÇÃO E A INTERATIVIDADE ENTRE OS SEMENTOS DOCENTE, DISCENTE E TÉCNICO- ADMINISTRATIVO, ALÉM DO FORTALECIMENTO DAS ATIVIDADES EM PARCERIA COM AS EMPRESAS TEMA 1: Adequação às normas de segurança, manutenção, modernização e ampliação da infra-estrutura para ensino, pesquisa e extensão Revisão e manutenção das instalações físicas de ensino e administração Revisão e manutenção da infra-estrutura laboratorial Adequar as instalações às normas técnicas vigentes e implementar ações de segurança patrimonial Construir prédio anexo no Campus Maracanã Reforma das salas de aula Reestruturação das instalações administrativas Reforma dos laboratórios Revisão e adequação elétrica e hidráulica Revisão e adequação da segurança técnica das instalações Revisão e adequação da segurança patrimonial das instalações Construção de um anexo de laboratórios de pesquisa Ampliação do anexo de laboratórios de pesquisa Construção de um anexo de salas de aula Adequar o espaço físico para fixação de professores pesquisadores Ampliar e otimizar espaço físico TEMA 2: Manutenção dos programas de Doutorado e Mestrado implantados Estimular a inserção de grupo de professores numa mesma linha de pesquisa Criar espaços para cada linha de pesquisa Reuniões estratégicas Investir na capacitação dos docentes Licença PROCAD com substituição TEMA 3: Garantir apoio técnico necessário ao funcionamento pleno das atividades, tanto de graduação quanto de pesquisa Manter as bolsas PROATEC atuais Repor técnicos cedidos ao longo dos anos através da abertura de concursos públicos para a UERJ Manter as bolsas PROATEC atuais Concursos e efetivação de técnicos

4 CTC - PEP TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ESTRATÉGICAS ETAPAS OE: PROMOVER A INTEGRAÇÃO E A INTERATIVIDADE ENTRE OS SEMENTOS DOCENTE, DISCENTE E TÉCNICO- ADMINISTRATIVO, ALÉM DO FORTALECIMENTO DAS ATIVIDADES EM PARCERIA COM AS EMPRESAS TEMA 4: Manutenção das atividades curriculares de campo Disponibilizar recursos e otimizar o processo de liberação dos mesmos para os trabalhos de campo Diárias de professores e motoristas Apoio ao estudante Combustível e manutenção de veículos de campo Aquisição de veículos de campo TEMA 5: Consolidação e modernização dos laboratórios Revisão e manutenção das intalações e dos equipamentos de laboratório Aquisição de novos equipamentos Montagem dos laboratórios de pesquisa Modernizar e ampliar os laboratórios (informática e experimentais) Ampliação dos recursos SIDES para custeio das atividades acadêmicas Revisão e manutenção das intalações e dos equipamentos de laboratório Aquisição de novos equipamentos Montagem de laboratórios de pesquisa Reforma de laboratórios Fornecimento regular de 10 cotas SIDES por ano para os laboratórios Reestruturação do currículo da graduação e busca de adequação às diretrizes do MEC Diárias de professores Aquisição e instalação de elevadores TEMA 6: Fortalecimento dos cursos de graduação e pós-graduação existentes Recursos para a melhoria e adequação dos imóveis para o acesso de portadores de necessidades especiais Ampliar o corpo docente de cada departamento Construção de rampas de acesso Aquisição de micro-ônibus com adaptação para portadores de necessidades especiais Manutenção dos equipamentos Ampliar o corpo docente de cada departamento

5 CTC - PEP TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ESTRATÉGICAS ETAPAS OE: PROMOVER A INTEGRAÇÃO E A INTERATIVIDADE ENTRE OS SEMENTOS DOCENTE, DISCENTE E TÉCNICO- ADMINISTRATIVO, ALÉM DO FORTALECIMENTO DAS ATIVIDADES EM PARCERIA COM AS EMPRESAS Modernizar e ampliar os laboratórios (informática e experimentais) e as salas de aula da graduação Reforma de salas de aula TEMA 7: Melhoria da oferta de vagas e criação de ênfases nos cursos de graduação existentes Pré-projeto de implantação dos currículos dos novos cursos e ênfases Reativar cursos de bacharelado e implementar ênfases nos cursos existentes Aprovação nos órgãos competentes Adequação da infra-estrutura física Dobrar o número de vagas no vestibular para o CTC Reformulação do currículo mínimo Reformulação do currículo mínimo TEMA 8: Criação do curso de Oceanografia (em curso) Viabilização de programas de parcerias com outras Universidades e Centros de Pesquisa nacionais e internacionais Viabilização de programas de parcerias Adequação dos laboratórios e das salas de aula Elaboração de projeto de reforma dos 4 laboratórios Construção de sala de aula para graduação (5º ano do curso) e pós-graduação

6 CTC - PEP TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ESTRATÉGICAS ETAPAS OE: PROMOVER A INTEGRAÇÃO E A INTERATIVIDADE ENTRE OS SEMENTOS DOCENTE, DISCENTE E TÉCNICO- ADMINISTRATIVO, ALÉM DO FORTALECIMENTO DAS ATIVIDADES EM PARCERIA COM AS EMPRESAS Programa Curricular de Palestras / Seminários e visitas de empresas Criação do Conselho Consultivo com representantes externos Diárias para palestrantes e motoristas Criação do Conselho Consultivo TEMA 9: Consolidação das interações universidade-empresa Criação do Núcleo de Apoio e Integração com Empresas Criação do Núcleo de Apoio e Integração com Empresas Adequação tecnológica dos laboratórios Adequação tecnológica dos laboratórios Implantação da Incubadora de Empresas Projeto de estruturação e capacitação do espaço físico para uma incubadora de empresas Promoção de concurso público para provimento de docentes Promoção de concurso público para provimento de docentes TEMA 10: Recomposição e qualificação continuada do quadro docente e técnicoadministrativo das unidades Promoção de concurso público para provimento de pessoal técnico-administrativo Investir na capacitação dos docentes e técnico-administrativos Promoção de concurso público para provimento de pessoal técnico-administrativo Capacitação de docentes e técnico-administrativos Garantir um programa de professores visitantes e um fluxo de bolsas de pós-graduação constantes Programa de professores visitantes e um fluxo de bolsas de pós-graduação constantes

7 CTC - PEP TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ESTRATÉGICAS ETAPAS OE: PROMOVER A INTEGRAÇÃO E A INTERATIVIDADE ENTRE OS SEMENTOS DOCENTE, DISCENTE E TÉCNICO- ADMINISTRATIVO, ALÉM DO FORTALECIMENTO DAS ATIVIDADES EM PARCERIA COM AS EMPRESAS TEMA 11: Implementação de novos programas de Doutorado e Mestrado Adequar os Programas, aprovados no CSEPE, às exigências da CAPES Estimular a inserção de grupo de professores numa mesma linha de pesquisa Adequar o espaço físico para fixação de professores pesquisadores Ampliar e modernizar a rede de computadores com acesso à Internet Ampliar e otimizar o espaço físico da biblioteca Adequar os Programas, aprovados no CSEPE, às exigências da CAPES Criar espaços para cada linha de pesquisa Ampliar e otimizar espaço físico Ampliar e modernizar a rede de computadores com acesso à Internet Ampliar e otimizar o espaço físico da biblioteca Adquirir material bibliográfico (livros e periódicos) Ampliar o quadro de pessoal técnico Ampliar a participação dos temas de extensão Revisão e discussão dos temas de extensão Estabelecer as metas e objetivos da extensão no CTC Criar projetos multidisciplinares Criar cursos de extensão TEMA 12: Consolidação das interações universidade-sociedade Estimular projetos de extensão voltados ao atendimento e orientação do cidadão Criação do Núcleo de Orientação e Apoio aos municípios Revisão e discussão dos temas de extensão Criação e implantação de projetos multidisciplinares Criação do Núcleo de Apoio e Integração com Empresas Implantação do Núcleo de Apoio e Integração com empresas Contratação de bolsistas

8 CTC - PEP RESUMO OBJETIVO ESTATRÉGICO TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES FONTE Revisão e manutenção das instalações físicas de ensino e administração Promover a integração e a interatividade entre os segmentos docente, discente e técnicoadministrativo, além do fortalecimento das atividades em parceria com as empresas Adequação às normas de segurança, manutenção, modernização e ampliação da infra-estrutura física para ensino, pesquisa e extensão Manutenção dos programas de Doutorado e Mestrado implantados Garantir apoio técnico necessário ao funcionamento pleno das atividades, tanto de graduação quanto de pesquisa Manutenção das atividades curriculares de campo Consolidação e modernização dos laboratórios Fortalecimento dos cursos de graduação e pós-graduação existentes Revisão e manutenção da infra-estrutura laboratorial Adequar as instalações às normas técnicas vigentes e implementar ações de segurança patrimonial Construir prédio anexo no Campus Maracanã Otimizar e utilizar espaços em áreas do campus Maracanã TOTAL TOTAL Adequar o espaço físico para fixação de professores pesquisadores Estimular a inserção de grupo de professores numa mesma linha de pesquisa Investir na capacitação dos docentes TOTAL TOTAL Manter as bolsas PROATEC atuais Repor técnicos cedidos ao longo dos anos através da abertura de concursos públicos para a UERJ Disponibilizar recursos e otimizar o processo de liberação dos mesmos para os trabalhos de campo TOTAL TOTAL Revisão e manutenção das intalações e dos equipamentos de laboratório Aquisição de novos equipamentos Montagem dos laboratórios de pesquisa Modernizar e ampliar os laboratórios (informática e experimentais) Ampliação dos recursos SIDES para custeio das atividades acadêmicas TOTAL Reestruturação do currículo da graduação e busca de adequação às diretrizes do MEC Recursos para a melhoria do acesso e adequação dos imóveis para o acesso de portadores de necessidades especiais Melhoria da oferta de vagas e criação de ênfases nos cursos de graduação existentes Criação do curso de Oceanografia (em curso) Consolidação das interações universidadeempresa Ampliar o corpo docente de cada departamento TOTAL Modernizar e ampliar os laboratórios (informática e experimentais) e as salas de aula da graduação Reativar cursos de bacharelado e implementar ênfases nos cursos existentes TOTAL TOTAL TOTAL Reformulação do currículo mínimo Viabilização de programas de parcerias com outras Universidades e Centros de Pesquisa nacionais e internacionais Adequação dos laboratórios e das salas de aula TOTAL Programa Curricular de Palestras / Seminários e Visitas de empresas Criação do Conselho Consultivo com representantes externos Criação do Núcleo de Apoio e Integração com Empresas Adequação tecnológica dos laboratórios Implantação da Incubadora de empresas TOTAL TOTAL

9 CTC - PEP RESUMO OBJETIVO ESTATRÉGICO TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES FONTE Recomposição e qualificação continuada do quadro docente e técnico-administrativo das unidades Implementação de novos programas de Doutorado e Mestrado Consolidação das interações universidadesociedade Promoção de concurso público para provimento de docentes Promoção de concurso público para provimento de pessoal técnico administrativo Investir na capacitação dos docentes e técnico-administrativos Garantir um programa de professores visitantes e um fluxo de bolsas de pós-graduação constantes Adequar os Programas, aprovados no CSEPE, às exigências da CAPES Estimular a inserção de grupo de professores numa mesma linha de pesquisa Adequar o espaço físico para fixação de professores pesquisadores Ampliar e modernizar a rede de computadores com acesso à Internet Ampliar e otimizar o espaço físico da biblioteca. Adquirir material bibliográfico Ampliar a participação das unidades nas atividades dos temas de extensão Estimular projetos de extensão voltados a atendimento e orientação do cidadão TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL Criação do Núcleo de Orientação e Apoio aos municípios TOTAL TOTAL TOTAL

10 CTC - PEP DETALHE TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ETAPAS Adequação às normas de segurança, manutenção, modernização e ampliação da infra-estrutura física para ensino, pesquisa e extensão Manutenção dos programas de Doutorado e Mestrado implantados Garantir apoio técnico necessário ao funcionamento pleno das atividades, tanto de graduação quanto de pesquisa VALORFONTE VALORFONTE VALORFONTE VALORFONTE VALORFONTE Revisão e manutenção das instalações físicas de ensino e Reforma das salas de aula administração Reestruturação das instalações administrativas Revisão e manutenção da infra-estrutura laboratorial Reforma dos laboratórios Adequar as instalações às normas técnicas vigentes e implementar ações de segurança patrimonial Construir prédio anexo no Campus Maracanã Otimizar e utilizar espaços em áreas do campus Maracanã Adequar o espaço físico para fixação de professores pesquisadores Revisão e adequação elétrica e hidráulica Revisão e adequação da segurança técnica das instalações Revisão e adequação da segurança patrimonial das instalações Construção de um anexo de laboratórios de pesquisa Ampliação do anexo de laboratórios de pesquisa Construção de um anexo de salas de aula Otimização e utilização de áreas do campus Maracanã Ampliar e otimizar espaço físico Ampliar e otimizar espaço físico Estimular a inserção de grupo de professores numa mesma Criar espaços para cada linha de pesquisa linha de pesquisa Reuniões estratégicas Investir na capacitação dos docentes Licença PROCAD com substituição Manter as bolsas PROATEC atuais Manter as bolsas PROATEC atuais Repor técnicos cedidos ao longo dos anos através da abertura de concursos públicos para a UERJ Concursos e efetivação de técnicos Manutenção das atividades curriculares de campo Disponibilizar recursos e otimizar o processo de liberação dos mesmos para os trabalhos de campo Diárias para professores e motoristas Apoio ao estudante Combustível e manutenção de veículos de campo Consolidação e modernização dos laboratórios Fortalecimento dos cursos de graduação e pós-graduação existentes Melhoria da oferta de vagas e criação de ênfases nos cursos de graduação existentes Criação do curso de Oceanografia (em curso) Revisão e manutenção das intalações e dos equipamentos de laboratório Aquisição e manutenção de veículos de campo Revisão e manutenção das intalações e dos equipamentos de laboratório Aquisição de novos equipamentos Aquisição de novos equipamentos Montagem dos laboratórios de pesquisa Montagem de laboratórios de pesquisa Modernizar e ampliar os laboratórios (informática e experimentais) Ampliação dos recursos SIDES para custeio das atividades acadêmicas Reestruturação do currículo da graduação e busca de adequação às diretrizes do MEC Recursos para a melhoria do acesso e adequação dos imóveis para o acesso de portadores de necessidades especiais Ampliar o corpo docente de cada departamento Modernizar e ampliar os laboratórios (informática e experimentais) e as salas de aula da graduação Reativar cursos de bacharelado e implementar ênfases nos cursos existentes Reforma de laboratórios Fornecimento regular de 10 cotas SIDES por ano para os laboratórios Diárias para professores Aquisição e instalação de elevadores Construção de rampas de acesso Aquisição de micro-ônibus com adaptação para portadores de necessidades especiais Manutenção dos equipamentos Ampliar o corpo docente de cada departamento Ampliar o corpo docente de cada departamento Reforma de laboratórios (contemplada no item 5.4) Reforma de salas de aula Pré-projeto de implantação dos currículos dos novos cursos e ênfases Aprovação nos órgãos competentes Adequação da infa-estrutura física Dobrar o número de vagas de vestibular para o CTC Reformulação do currículo mínimo Reformulação do currículo mínimo Viabilização de programas de parcerias com outras Universidades e Centros de Pesquisa nacionais e internacionais Viabilização de programas de parcerias Adequação dos laboratórios e das salas de aula Elaboração e execução de projeto de reforma dos 4 laboratórios Construção de sala de aula para graduação (5º ano do curso) e pós-graduação

11 CTC - PEP DETALHE TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ETAPAS Consolidação das interações universidadeempresa VALORFONTE VALORFONTE VALORFONTE VALORFONTE VALORFONTE Programa Curricular de Palestras / Seminários e Visitas de Diárias para palestrantes e motoristas empresas Criação do Conselho Consultivo com representantes externos Criação do Conselho Consultivo Criação do Núcleo de Apoio e Integração com Empresas Criação do Núcleo de Apoio e Integração com Empresas Adequação tecnológica dos laboratórios Adequação tecnológica dos laboratórios (5.4) Implantação da Incubadora de empresas Projeto de estruturação e capacitação do espaço físico para uma incubadora de empresas Recomposição e qualificação continuada do quadro docente e técnico-administrativo das unidades Promoção de concurso público para provimento de docentes Promoção de concurso público para provimento de pessoal técnico-administrativo Promoção de concurso público para provimento de docentes Promoção de concurso público para provimento de pessoal técnico-administrativo Investir na capacitação dos docentes e técnico-administrativos Capacitação de docentes e técnico-administrativos Implementação de novos programas de Doutorado e Mestrado Consolidação das interações universidadesociedade Garantir um programa de professores visitantes e um fluxo de bolsas de pós-graduação constantes Adequar os Programas, aprovados no CSEPE, às exigências da CAPES Estimular a inserção de grupo de professores numa mesma linha de pesquisa Adequar o espaço físico para fixação de professores pesquisadores Ampliar e modernizar a rede de computadores com acesso à Internet Ampliar e otimizar o espaço físico da biblioteca. Adquirir material bibliográfico Ampliar a participação a unidades nas atividades dos temas de extensão Estimular projetos de extensão voltados a atendimento e orientação do cidadão Criação do Núcleo de Orientação e Apoio aos municípios Programa de professores visitantes e um fluxo de bolsas de pós-graduação constantes Programa de professores visitantes e um fluxo de bolsas de pós-graduação constantes Adequar os Programas, aprovados no CSEPE, às exigências da CAPES Criar espaços para cada linha de pesquisa Ampliar e otimizar espaço físico (I) Ampliar e otimizar espaço físico (II) Ampliar e modernizar a rede de computadores com acesso à Internet Ampliar e otimizar o espaço físico da biblioteca Adquirir material bibliográfico (livros e periódicos) Ampliar o quadro de pessoal técnico Revisão e discussão dos temas de extensão Estabelecer as metas e objetivos da extensão no CTC Criar projetos multidisciplinares Criar cursos de extensão Revisão e discussão dos temas de extensão Criação e implantação de projetos multidisciplinares Criação do Núcleo de Apoio e Integração com Empresas Implantação do Núcleo de Apoio e Integração com empresas Contratação de bolsistas

EIXO 1 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e Avaliação Institucional* Título da Ação (o que?

EIXO 1 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e Avaliação Institucional* Título da Ação (o que? ANEXO 2 PLANO DE AÇÃO COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO CCSH Questão Geral 1.1 Como você percebe a utilização dos resultados da autoavaliação como subsídio à revisão, proposição e implementação das ações

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento Institucional Âmbito de atuação Missão Visão Elementos Duráveis Princípios Elementos Mutáveis (periodicamente) Análise Ambiental Objetivos Estratégicos Metas Planos de Ação PDI

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e avaliação Fragilidades Melhorar as reuniões da CPA e reestruturar

Leia mais

OBJETIVO ESTRATÉGICO 1: Identificar 80% do quadro de pessoal técnico-administrativo da UERJ em 6 meses.

OBJETIVO ESTRATÉGICO 1: Identificar 80% do quadro de pessoal técnico-administrativo da UERJ em 6 meses. SRH - SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS MISSÃO DA UNIDADE: Promover as políticas de recursos humanos contribuindo para o funcionamento e aprimoramento das atividades desenvolvidas pela Universidade.

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DE DIAMANTINO. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses.

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DE DIAMANTINO. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DE DIAMANTINO 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica (3) (4) (5) previsão de alunos por turma em disciplina teórica de, no máximo, 80. relação aluno por docente,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2016 NÚCLEO DE SAÚDE

PLANO DE AÇÃO 2016 NÚCLEO DE SAÚDE PLANO DE AÇÃO 2016 NÚCLEO DE SAÚDE 1 FORMULÁRIO 1 - PLANO DE AÇÃO 2016 Durante a discussão da Proposta Orçamentária e Diretrizes para o Plano de Ação 2016 no CONSAD foi recomendado a explicitação dos objetivos

Leia mais

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX RELATÓRIO AVALIAÇÃO DO CURSO DE FONOAUDIOLOGIA PERÍODO 2015 TABELA 1 Adesão de docentes e discentes na avaliação 2015

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - PRPDI Orientação Geral O Plano de Desenvolvimento Institucional -PDI, elaborado para um período de 5

Leia mais

E I X O S

E I X O S 0011 0010 1010 1101 0001 0100 1011 5 E I X O S 10 dimensões 5 eixos 8- Planejamento e Avaliação. 1- Missão e Plano de Desenvolvimento Institucional. 0011 3- Responsabilidade 0010 1010 1101 Social 0001

Leia mais

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS DAS EMPRESAS

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS DAS EMPRESAS Prefeitura Municipal de Porto Alegre ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS DAS EMPRESAS 2016 Art. 165, 5º, inc.ii da CF e Art. 118, inc. I da LOM Secretaria Municipal de Planejamento Estratégico e Orçamento Prefeitura

Leia mais

Avaliação Institucional Docentes

Avaliação Institucional Docentes Avaliação Institucional Docentes A avaliação é um processo fundamental para a qualidade do trabalho desenvolvido nas Instituições de Ensino Superior. Nesse sentido, a Comissão Própria de Avaliação (CPA)

Leia mais

Art. 1º Aprovar, em extrato, o Instrumento de Avaliação para Reconhecimento de Cursos Superiores de Tecnologia, anexo a esta Portaria.

Art. 1º Aprovar, em extrato, o Instrumento de Avaliação para Reconhecimento de Cursos Superiores de Tecnologia, anexo a esta Portaria. SIC 01/09 Belo Horizonte, 06 de janeiro de 2009. RECONHECIMENTO. CURSOS DE TECNOLOGIA, BACHARE- LADO E LICENCIATURA, E DIREITO. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PORTARIAS Nºs 1, 2 E 3, PUBLICADAS DIA 06/01/09

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE MICROSCOPIA E MICROANÁLISE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

REGIMENTO DO NÚCLEO DE MICROSCOPIA E MICROANÁLISE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA REGIMENTO DO NÚCLEO DE MICROSCOPIA E MICROANÁLISE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E FINALIDADE Art.1º O Núcleo de Microscopia e Microanálise (NMM) caracteriza-se pela reunião

Leia mais

DE PÓS-GRADUAÇÃO

DE PÓS-GRADUAÇÃO 6.2.2. DE PÓS-GRADUAÇÃO As áreas de abrangência da UFOB têm experimentado importante crescimento econômico e populacional nos últimos 30 anos, fato que tem ampliado significativamente a demanda por profissionais

Leia mais

UFV/COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA) III CICLO DA AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AGOSTO-2011 QUESTIONÁRIO AUTO-AVALIAÇÃO PROFESSORES

UFV/COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA) III CICLO DA AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AGOSTO-2011 QUESTIONÁRIO AUTO-AVALIAÇÃO PROFESSORES UFV/COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA) III CICLO DA AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - 2009-2010 AGOSTO-2011 QUESTIONÁRIO AUTO-AVALIAÇÃO PROFESSORES A CPA agradece sua participação no processo de Autoavaliação

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 NATAL/RN MARÇO/2012

Leia mais

Políticas Públicas para Educação Profissional e Tecnológica (EPT) no Brasil

Políticas Públicas para Educação Profissional e Tecnológica (EPT) no Brasil Políticas Públicas para Educação Profissional e Tecnológica (EPT) no Brasil Marcelo Machado Feres Secretário de Educação Profissional e Tecnológica SETEC Ministério da Educação São Paulo, 01 de setembro

Leia mais

Profa. Dra. VANESSA H. SANTANA DALLA DÉA

Profa. Dra. VANESSA H. SANTANA DALLA DÉA Profa. Dra. VANESSA H. SANTANA DALLA DÉA UFG - Números 2015 GRADUAÇÃO Deficiência No. Especificidade No. Auditiva 57 Surdos 27 Física 52 Cadeirante 4 Intelectual 19 Sínd. de Down 2 Visual 36 Cego 2 Asperger

Leia mais

Ações Primeiro Ano de Gestão Prof. Emerson César de Campos Diretor Geral FAED/UDESC

Ações Primeiro Ano de Gestão Prof. Emerson César de Campos Diretor Geral FAED/UDESC Ações Primeiro Ano de Gestão 2013-2014 Prof. Emerson César de Campos Diretor Geral FAED/UDESC Direção Geral Realizações 2013-2014 Retomada da construção do Prédio Administrativo Readequação do Layout do

Leia mais

Plano Plurianual - Sec. Mun. de Saúde (art. 165, 1º da Constituição Federal )

Plano Plurianual - Sec. Mun. de Saúde (art. 165, 1º da Constituição Federal ) PROGRAMA: ADMINISTRAÇÃO GERAL OBJETIVO: Manter as atividades administrativas e operacionais dos órgãos para melhoria da prestação de serviços ao público. 44.467.000,00 Manutenção das Atividades Administrativas

Leia mais

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA EIXO III EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA SUGESTÃO Desde os anos 1980, observam-se transformações significativas

Leia mais

LABORATÓRIO SEGURO. Preservando vidas.

LABORATÓRIO SEGURO. Preservando vidas. LABORATÓRIO SEGURO Preservando vidas. O Grupo de Trabalho Laboratório Seguro foi formado com o objetivo de discutir as questões que envolvem a segurança dos alunos de graduação, pós-graduação, extensão

Leia mais

A ATUALIDADE DO PLANO ORIENTADOR DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Timothy Mulholland

A ATUALIDADE DO PLANO ORIENTADOR DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Timothy Mulholland A ATUALIDADE DO PLANO ORIENTADOR DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Timothy Mulholland O Plano Orientador de Anísio Teixeira e Darcy Ribeiro e o início da Universidade de Brasília 1962 Universidade de Brasília

Leia mais

Universidade Federal da Grande Dourados CNPJ: /

Universidade Federal da Grande Dourados CNPJ: / PLANO DE AÇÃO 2011 Dourados MS Maio/2011 ÍNDICE PROJETOS EM EXECUÇÃO... 3 PROJETO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SEGURANÇA PÚBLICA E CIDADANIA... 3 PROJETO CURSOS DE GRADUAÇÃO EM LETRAS LICENCIATURA E BACHARELADO

Leia mais

OIRegulamento para Reserva de Salas

OIRegulamento para Reserva de Salas OIRegulamento para Reserva de Salas 1. Informações Gerais 1.1. O uso da infra estrutura das salas tem por objetivo atender prioritariamente as atividades de ensino, seguidas da pesquisa, extensão e administrativas

Leia mais

FACULDADE DE MAUÁ FAMA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO - BACHAREL EM SERVIÇO SOCIAL

FACULDADE DE MAUÁ FAMA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO - BACHAREL EM SERVIÇO SOCIAL FACULDADE DE MAUÁ FAMA CURSO BACHAREL EM SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO - BACHAREL EM SERVIÇO SOCIAL MAUÁ, 2013/2014/2015 0 1 ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades complementares,

Leia mais

EDITAL 20/2016/ PROGRAD PARA SELEÇÃO DE TUTOR DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET SERVIÇO SOCIAL

EDITAL 20/2016/ PROGRAD PARA SELEÇÃO DE TUTOR DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET SERVIÇO SOCIAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EDITAL 0/016/ PROGRAD PARA SELEÇÃO DE TUTOR DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET SERVIÇO SOCIAL

Leia mais

PLANO PLURIANUAL SECRETARIA MUNICIPAL DE ATENÇÃO AO IDOSO, MULHER E PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PLANO PLURIANUAL SECRETARIA MUNICIPAL DE ATENÇÃO AO IDOSO, MULHER E PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROGRAMA: 1001 - ADMINISTR GERAL OBJETIVO: Manter as atividades administrativas e operacionais dos órgãos para melhoria da prestação de serviços ao público. FUNÇÃO 2117 Produto / Unidade de Medida Unidade

Leia mais

Excelência na Gestão

Excelência na Gestão Mapa Estratégico 2012-2014 Visão Até 2014, ser referência no atendimento ao público, na fiscalização e na valorização das profissões tecnológicas, reconhecido pelos profissionais, empresas, instituições

Leia mais

11. Demonstrativo de Capacidade e Sustentabilidade Financeira

11. Demonstrativo de Capacidade e Sustentabilidade Financeira 11. Demonstrativo de Capacidade e Sustentabilidade Financeira 188 PDI 2015-2019 11.1 Planejamento orçamentário e financeiro O Orçamento Público, em sentido amplo, é um documento legal (aprovado por lei)

Leia mais

PDI Plano de Desenvolvimento Institucional

PDI Plano de Desenvolvimento Institucional PDI 2015-2019 Plano de Desenvolvimento Institucional CENÁRIO PDI - 2016 METODOLOGIA DE TRABALHO SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO PAINEL DE BORDO DISPONIBILIDADE NO SITE DA UFERSA PRESENCIAL PAINEL DE BORDO

Leia mais

DIRETRIZES METAS INDICADORES DIRETRIZES

DIRETRIZES METAS INDICADORES DIRETRIZES As IFES são produtoras naturais de conteúdos para informação leiga nas várias áreas do conhecimento. As mídias de comunicação e divulgação institucional devem incluir as TV s universitárias das IFES em

Leia mais

MEI Agenda de Aprimoramento de Recursos Humanos para Inovação

MEI Agenda de Aprimoramento de Recursos Humanos para Inovação MEI Agenda de Aprimoramento de Recursos Humanos para Inovação Proposta de Trabalho Brasília, 30 de novembro de 2012 São Paulo, Agosto 2011 Apresentação do projeto HORÁCIO PIVA 1 Recursos humanos qualificados

Leia mais

TEMA ESTRATÉGICO: GESTÃO UNIVERSITÁRIA TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TEMA ESTRATÉGICO: GESTÃO UNIVERSITÁRIA TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TEMA ESTRATÉGICO: GESTÃO UNIVERSITÁRIA TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Objetivo 1: Aprimorar a adoção de soluções de TI nas atividades de ensino, pesquisa, extensão e gestão, auxiliando na consecução

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Sistema Integrado para Administração Financeira. Demonstrativo de Programas Temáticos PPA

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Sistema Integrado para Administração Financeira. Demonstrativo de Programas Temáticos PPA Governo do Estado do Ano Base: 06 007 - JUSTIÇA E CIDADANIA Diretriz 06 - PROMOÇÃO DO BEM-ESTAR DO POTIGUAR ATRAVÉS DA GARANTIA AO ACESSO AOS DIREITOS FUNDAMENTAIS Indicadores Nome de Medida Data de Apuração

Leia mais

CARTA PROGRAMA. Marta de Lana e José Geraldo A. de A. Brito

CARTA PROGRAMA. Marta de Lana e José Geraldo A. de A. Brito CARTA PROGRAMA Marta de Lana e José Geraldo A. de A. Brito APRESENTAÇÃO É com entusiasmo e motivação que nos apresentamos como candidatos a Reitora e Vice-Reitor da Universidade Federal de Ouro Preto com

Leia mais

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR. Análise Crítica da Pré e Pós Certificação

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR. Análise Crítica da Pré e Pós Certificação ACREDITAÇÃO HOSPITALAR Análise Crítica da Pré e Pós Certificação A qualidade não é um conjunto de técnicas, é a maneira de pensar o seu próprio negócio e isso não da pra copiar. Fonte: hsm.com.br Hospital

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO SUAS AVANÇOS E DESAFIOS

IMPLEMENTAÇÃO DO SUAS AVANÇOS E DESAFIOS SECRETARIA DE ESTADO DO TRABALHO, EMPREGO E PROMOÇÃO SOCIAL Núcleo de Coordenação da Assistência Social IMPLEMENTAÇÃO DO SUAS AVANÇOS E DESAFIOS POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO VIII CONFERÊNCIA ESTADUAL DE

Leia mais

Governança em TI na UFF. Modelo de Gestão da STI. Henrique Uzêda

Governança em TI na UFF. Modelo de Gestão da STI. Henrique Uzêda Governança em TI na UFF Modelo de Gestão da STI Henrique Uzêda henrique@sti.uff.br 2011-2013 Universidade Federal Fluminense 122 cursos de graduação e 359 de pós-graduação ~ 45.000 alunos de graduação

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem.

É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem. É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem. Está pautada no compromisso, no diálogo, no planejamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO N o 14/2013, DE 02 DE JULHO DE 2013 Reedita, com alterações, a Resolução n o 03/2006, de 29 de junho de 2006, que aprovou o Regimento do Centro de Microscopia da UFMG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

PROJETO DE APOIO A AÇÕES DE MELHORIA DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

PROJETO DE APOIO A AÇÕES DE MELHORIA DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Coordenação do Curso de Engenharia Elétrica Câmpus Medianeira PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROJETO DE APOIO A AÇÕES DE

Leia mais

Ricardo Agostinho de Rezende Junior. Por um c ampus melhor

Ricardo Agostinho de Rezende Junior. Por um c ampus melhor Por um c ampus melhor PROPOSTA E PLANO DE GESTÃO (2017 2020) Prof. Ricardo Agostinho de Rezende Junior CANDIDATURA A DIREÇÃO GERAL Campus Guarulhos APRESENTAÇÃO Ensinar não é transferir conhecimento, mas

Leia mais

PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO ACADÊMICO

PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO ACADÊMICO PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO ACADÊMICO Os projetos de cursos novos serão julgados pela Comissão de Avaliação da área de Educação com base nos dados obtidos pela aplicação dos critérios

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

11) Incrementar programas de mobilidade e intercâmbio acadêmicos. Propiciar a um número maior de discentes a experiência de interação

11) Incrementar programas de mobilidade e intercâmbio acadêmicos. Propiciar a um número maior de discentes a experiência de interação Apresentação A vocação natural da instituição universitária é fazer-se um centro de convergência e articulação de esforços intelectuais, científicos, artísticos e culturais, estimulando o pensamento crítico,

Leia mais

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI 2ª REUNIÃO DO COMITÊ DE LÍDERES DA MEI DE 2016 Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI Gilberto Peralta GE 13 de maio de 2016 MARCO INSTITUCIONAL Emenda Constitucional nº 85 Inserção da inovação

Leia mais

ORIENTAÇÕES AVALIAÇÃO DA EQUIPE PRONATEC

ORIENTAÇÕES AVALIAÇÃO DA EQUIPE PRONATEC MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO- PRONATEC

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 238 aprovado pela portaria Cetec nº 172 de 13/09/2013 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e

Leia mais

Auto avaliação dos Estudantes de Graduação

Auto avaliação dos Estudantes de Graduação Auto avaliação dos Estudantes de Graduação Ano: 2009 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MINAS UFG / CAC Subdividimos os questionário em tópicos: Didática e Obrigações dos Professores perguntas 1 a 12; Monitoria

Leia mais

Planejamento Estratégico do Departamento de Física da UFPR para 2012 (com possíveis ações para o EDITAL FDA 2012)

Planejamento Estratégico do Departamento de Física da UFPR para 2012 (com possíveis ações para o EDITAL FDA 2012) Planejamento Estratégico do Departamento de Física da UFPR para 2012 (com possíveis ações para o EDITAL FDA 2012) Planejamento do Departamento de Física da Universidade Federal do Paraná A chefia do Departamento

Leia mais

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS 1. INTRODUÇÃO A Faculdade Fleming dispõe atualmente de infraestrutura de Tecnologia da Informação com rede de computadores que interliga em torno de 300

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE TURISMO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TURISMO CURSO DE TURISMO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE TURISMO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TURISMO CURSO DE TURISMO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE TURISMO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TURISMO CURSO DE TURISMO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO (2013-2017) APRESENTAÇÃO O presente Planejamento

Leia mais

Relatorio PAI Unid Plan (CCSA) TOP20. Relatório de Ações

Relatorio PAI Unid Plan (CCSA) TOP20. Relatório de Ações Relatorio PAI 2015 - Unid Plan (CCSA) TOP20 Relatório de Ações Relatório emitido em: 22/05/2015 Eixo Temático: 01. FORMAÇÃO ACADÊMICA Valor do Eixo Temático: R$ 80.00 Valor do Eixo Temático Provisionado:

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2004

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2004 CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT/JOINVILLE - SC PRESTAÇÃO DE CONTAS 2004 A Direção Geral do Centro de Ciências Tecnológicas de Joinville CCT/Joinville, sob a direção dos Prof. Gerson Volney Lagemann,

Leia mais

Resolução n 225, de 21 de junho R E S O L V E: Art. 1º - Alterar a redação do parágrafo 2º artigo 12 do Regimento Geral da Universidade:

Resolução n 225, de 21 de junho R E S O L V E: Art. 1º - Alterar a redação do parágrafo 2º artigo 12 do Regimento Geral da Universidade: Resolução n 225, de 21 de junho 2016. Aprova emendas ao Regimento Geral da Universidade, cria setores e dá outras providências. O Conselho Universitário CONSUNI, da Universidade do Planalto Catarinense

Leia mais

REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS

REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Art 1º. A Extensão Acadêmica se constitui em uma prática permanente de interação universidade-sociedade, articulada ao ensino

Leia mais

FACULDADE FRUTAL FAF REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

FACULDADE FRUTAL FAF REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA FACULDADE FRUTAL FAF REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA Frutal/MG 2015 1 LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA FACULDADE FRUTAL SUMÁRIO CAPÍTULO I - APRESENTAÇÃO... 3 CAPÍTULO II - DOS USUÁRIOS... 3 CAPÍTULO

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática Curso de Bacharelado em Estatística

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática Curso de Bacharelado em Estatística Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática Curso de Bacharelado em Estatística RESOLUÇÃO N o 01/2011, DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ESTATÍSTICA Regulamenta a composição, as competências

Leia mais

RECURSOS HUMANOS: INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS/REGIONAL JATAÍ

RECURSOS HUMANOS: INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS/REGIONAL JATAÍ RECURSOS HUMANOS: INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS/REGIONAL JATAÍ Universidade Federal de Goiás/Regional Jataí Jataí-Goiás Leonor Paniago Rocha Simone Rezende do Carmo A Regional

Leia mais

Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado. Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - ICET. - Curso de Engenharia Mecânica

Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado. Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - ICET. - Curso de Engenharia Mecânica Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - ICET - Curso de Engenharia Mecânica Currículo 2013/01 Descrição do Curso: O Curso de graduação em Engenharia

Leia mais

SANTO ANTONIO DO TAUÁ- PARA PROPOSTA DE PLANO DE TRABALHO PARA O ANO 2013, NO GOVERNO DE EVANDRO CORREA

SANTO ANTONIO DO TAUÁ- PARA PROPOSTA DE PLANO DE TRABALHO PARA O ANO 2013, NO GOVERNO DE EVANDRO CORREA SANTO ANTONIO DO TAUÁ PARA PROPOSTA DE PLANO DE TRABALHO PARA O ANO 2013, NO GOVERNO DE EVANDRO CORREA EIXOS A SEREM IMPLANTANTADOS: EDUCAÇÃO Valorização dos Profissionais da Educação, através de Plano

Leia mais

ASSUNTO: REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA NEAD.

ASSUNTO: REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA NEAD. Processo CONSUN Nº 009-2011 ASSUNTO: REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA NEAD. PROTOCOLADO EM: 24/03/2011 INTERESSADO: Universidade do Contestado PROCEDÊNCIA: Reitoria COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO

Leia mais

Avaliação das condições de ensino - UFPE

Avaliação das condições de ensino - UFPE Avaliação das condições de ensino - UFPE Editar este formulário Prezado(a) professor(a), Considerando o ensino como uma das dimensões da docência na universidade (Ensino, pesquisa, extensão, gestão), este

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR E FORMAÇÃO INTEGRAL FAEF

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR E FORMAÇÃO INTEGRAL FAEF REGULAMENTO N. 007 /2015 REGULAMENTO GERAL DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NUEMA DA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR E FORMAÇÃO INTEGRAL FAEF GARÇA/SP Vanessa Zappa, Diretora da FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR

Leia mais

Momento CPLP em Guiné-Bissau Conferência: Ensino Superior no espaço CPLP: Que oportunidades?

Momento CPLP em Guiné-Bissau Conferência: Ensino Superior no espaço CPLP: Que oportunidades? Roberto Bedrikow Fundação de Rotarianos de São Paulo FRSP Momento CPLP em Guiné-Bissau Conferência: Ensino Superior no espaço CPLP: Que oportunidades? Sobre a Fundação Em 1946, num cenário mundial de profundas

Leia mais

SINDICATO NACIONAL DOS SERVIDORES FEDERAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA, PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA SINASEFE SEÇÃO SINDICAL IFPR

SINDICATO NACIONAL DOS SERVIDORES FEDERAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA, PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA SINASEFE SEÇÃO SINDICAL IFPR PLANO DE TRABALHO COMO MEMBRO DO CONSUP DO INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ - 2016/2020 Guilherme Basso dos Reis candidato a representante técnico administrativo Marco Antônio Lima Rizzo candidato a representante

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS INDUSTRIAIS

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ESPECIALIZAÇÃO TÉCNICA EM INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS INDUSTRIAIS 2º SEMESTRE 2015 UMA ÓTIMA OPORTUNIDADE PARA VOCÊ AMPLIAR SEU CONHECIMENTO E IMPULSIONAR SUA CARREIRA. A Especialização Técnica

Leia mais

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09 MISSÃO O Serviço Social tem como missão dar suporte psico-social e emocional ao colaborador e sua família. Neste sentido, realiza o estudo de casos, orientando e encaminhando aos recursos sociais da comunidade,

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES EXECUTADAS PELA CPA- Ano: 2011

RELATÓRIO DE ATIVIDADES EXECUTADAS PELA CPA- Ano: 2011 COMISSÃO PROPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE ATIVIDADES EXECUTADAS PELA CPA- Ano: 2011 São Luis- MA 2011 1 RELATÓRIO DE ATIVIDADES EXECUTADAS PELA CPA - 2011 Programa de sensibilização de discente, coordenadores

Leia mais

Os corredores são amplos e medem em sua totalidade m², possuem bebedouros com água filtrada e gelada.

Os corredores são amplos e medem em sua totalidade m², possuem bebedouros com água filtrada e gelada. A Sociedade Educacional do Centro Oeste SOECO mantenedora da Faculdade de Chapadão do Sul FACHASUL segue o planejamento de construção e ampliação das instalações físicas necessárias para o oferecimento

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO - IFPE

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO - IFPE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA. CAMPUS JACOBINA CANDIDATURA À DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS JACOBINA. Proposta de Trabalho

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA. CAMPUS JACOBINA CANDIDATURA À DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS JACOBINA. Proposta de Trabalho INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA. CAMPUS JACOBINA CANDIDATURA À DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS JACOBINA Prof o : Epaminondas Silva Macêdo Proposta de Trabalho Gestão 2014-2017 - Jacobina/2013

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ÍTALO BOLOGNA (FATECIB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS, PESQUISA E EXTENSÃO (NEPE)

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ÍTALO BOLOGNA (FATECIB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS, PESQUISA E EXTENSÃO (NEPE) FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ÍTALO BOLOGNA (FATECIB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS, PESQUISA E EXTENSÃO (NEPE) 1. OBJETIVO GERAL O Núcleo de Estudos, Pesquisa e Extensão da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo Planeamento Estratégico Regional

Leia mais

Consórcio das Universidades Federais do Sul/Sudeste de Minas Gerais. Uma proposta inovadora e estratégica para a região, o Estado e o País

Consórcio das Universidades Federais do Sul/Sudeste de Minas Gerais. Uma proposta inovadora e estratégica para a região, o Estado e o País Consórcio das Universidades Federais do Sul/Sudeste de Minas Gerais Uma proposta inovadora e estratégica para a região, o Estado e o País Consórcio O que não é: Uma Superuniversidade Uma Fusão de Universidades

Leia mais

A- INSTITUIÇÃO DE ENSINO

A- INSTITUIÇÃO DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE FISIOTERAPIA FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO PARA FINS DE AUTORIZAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO CURSO DE RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO CURSO DE RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO CURSO DE RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS Os recursos humanos que atuarão no Curso de Licenciatura

Leia mais

SEMINÁRIO DE FORMAÇÃO PARA COORDENADORES DE CURSO. Bagé, 1º e 2/fev/2011

SEMINÁRIO DE FORMAÇÃO PARA COORDENADORES DE CURSO. Bagé, 1º e 2/fev/2011 SEMINÁRIO DE FORMAÇÃO PARA COORDENADORES DE CURSO Bagé, 1º e 2/fev/2011 O financiamento da Educação Superior Federal: desafios à gestão dos cursos de graduação Bagé, 1º e 2/fev/2011 Objetivo: evidenciar

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICAS GERÊNCIAS.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICAS GERÊNCIAS. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICAS GERÊNCIAS. IFNMG - Câmpus Pirapora 1 1- O QUE É O NPG O Núcleo de Práticas Gerenciais - NPG é um laboratório de práticas administrativas, com layout devidamente planejado

Leia mais

RESOLUÇÃO UNESP Nº 49, DE 8 DE JULHO DE 2009.

RESOLUÇÃO UNESP Nº 49, DE 8 DE JULHO DE 2009. RESOLUÇÃO UNESP Nº 49, DE 8 DE JULHO DE 2009. Estabelece normas para Concurso visando o provimento de cargos de Professor Titular da UNESP. O Reitor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita

Leia mais

CPA-UFPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

CPA-UFPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ 1 CPA-UFPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PLANO DE TRABALHO julho 2010/março 2011 JULHO/2010 Requisição, junto às instâncias superiores, da legitimação e participação da

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO- BRASILEIROS E INDÍGENAS DA FACULDADE DO NORTE GOIANO (FNG)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO- BRASILEIROS E INDÍGENAS DA FACULDADE DO NORTE GOIANO (FNG) 1-6 CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO NORTE GOIANO FACULDADE DO NORTE GOIANO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO- BRASILEIROS E INDÍGENAS DA FACULDADE DO NORTE GOIANO (FNG) Porangatu/GO 2015 2-6 SUMÁRIO

Leia mais

PROGRAMA DE TRABALHO

PROGRAMA DE TRABALHO PROGRAMA DE TRABALHO (Proposta de Gestão 2014-2018) Chapa: SAÚDE NO OESTE DO PARÁ Candidatos: Prof. Dr. WALDINEY PIRES MORAES (DIRETOR) Prof. Dr. WILSON SABINO (VICE-DIRETOR) Santarém 2014 1 ÍNDICE 1.APRESENTAÇÃO...3

Leia mais

AGENDA DE PRIORIDADES

AGENDA DE PRIORIDADES FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA TECNOLOGIA E INOVAÇÃO AGENDA DE PRIORIDADES DA INDÚSTRIA CATARINENSE AGENDA DE PRIORIDADES DA INDÚSTRIA CATARINENSE Apresentação Os números da indústria

Leia mais

Plano de Governo Municipal para o mandato /2016

Plano de Governo Municipal para o mandato /2016 Plano de Governo Municipal para o mandato - 2013/2016 Dolcinópolis SP. 1- ASSISTÊNCIA SOCIAL Auxilio com medicamentos e complementos a cesta básica ao idoso e enfermo; Criação de programas para o atendimento

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS 2014

AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS 2014 AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS 2014 Instrumento para avaliação do curso de graduação em Ciências Econômicas por parte dos docentes que nele ministraram alguma disciplina durante o ano letivo

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 10/2014 Cria norma para progressão funcional do cargo de professor das categorias Assistente e Adjunto. O CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, no uso da competência que lhe

Leia mais

PAPG-IFES Programa de Apoio a Pós-P Graduaçã. ção o das IFES

PAPG-IFES Programa de Apoio a Pós-P Graduaçã. ção o das IFES PAPG-IFES Programa de Apoio a Pós-P Graduaçã ção o das IFES (Açõ ções propostas em discussão) o) Objetivo Geral Consolidar e expandir os programas de formaçã ção o pós-graduada p de pessoas pelas Instituiçõ

Leia mais

REGULAMENTO DA OUVIDORIA

REGULAMENTO DA OUVIDORIA REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA Art. 1º A Ouvidoria da Faculdade CNEC Farroupilha constitui-se em um canal de comunicação para receber as reclamações/sugestões, dúvidas, denúncias, ou

Leia mais

IVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA

IVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA Normatiza as Atividades Formativas previsto na Reforma Curricular do Curso de Odontologia Processo N o 23075.64471/05-92 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES O presente regulamento tem o propósito de normatizar as

Leia mais

Avaliação Institucional

Avaliação Institucional DIRETORIA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Avaliação Institucional - 2012 Resumo dos Indicadores 1. Ensino IFF Total 43 Cursos Técnicos (Presencial): 6695 Alunos 11 Cursos Técnicos

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FATEC PINDAMONHANGABA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FATEC PINDAMONHANGABA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FATEC PINDAMONHANGABA 1. INTRODUÇÃO O objetivo de presente regulamento é estabelecer as normas e os procedimentos gerais do programa de iniciação científica-tecnológica

Leia mais

2.1. Subcoordenador Técnico Operacional (Código STO) 1 vaga Atribuições:

2.1. Subcoordenador Técnico Operacional (Código STO) 1 vaga Atribuições: PRORROGAÇÃO DO EDITAL PARA SELEÇÃO DE BOLSISTAS PROJETO CVDS Manaus, 24 de Novembro de 2014. 1. CONTEXTUALIZAÇÃO O Centro Vocacional para o Desenvolvimento Sustentável (CVDS), trata-se de um projeto piloto

Leia mais

BAREMA PARA PROVA DE TÍTULOS EM CONCURSO PARA PROFESSOR ASSISTENTE DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UFBA*

BAREMA PARA PROVA DE TÍTULOS EM CONCURSO PARA PROFESSOR ASSISTENTE DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UFBA* Para cada título as pontuações listadas abaixo devem ser interpretadas de forma relativa. Para a atribuição de uma nota absoluta a cada candidato a banca examinadora deverá observar os seguintes aspectos:

Leia mais

Brasília tem por objetivo despertar a vocação para a pesquisa científica,

Brasília tem por objetivo despertar a vocação para a pesquisa científica, POLÍTICA DE ESTÍMULO À DIFUSÃO DE PRODUÇÕES ACADÊMICAS Estabelece a política de estímulo à difusão das produções acadêmicas Considerando a necessidade de normatizar o estímulo à difusão das produções acadêmicas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENERGIA NUCLEAR

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENERGIA NUCLEAR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENERGIA NUCLEAR CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 12, de 12 de

Leia mais

Número do Documento:

Número do Documento: Número do Documento: 1323910 Governo do Estado do Ceará Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior Universidade Estadual do Ceará UECE Secretaria dos Órgãos de Deliberação Coletiva - SODC RESOLUÇÃO

Leia mais