ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE CARAPICUÍBA FATEC CARAPICUÍBA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE CARAPICUÍBA FATEC CARAPICUÍBA"

Transcrição

1 ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE CARAPICUÍBA FATEC CARAPICUÍBA CAPÍTULO I - Da Entidade Art. 1º: O Centro Acadêmico do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas da Faculdade de Tecnologia de Carapicuíba, fundado em 15 de Outubro de 2016, sociedade civil sem fins lucrativos, apartidária, com sede e foro na cidade de Carapicuíba estado de São Paulo, é o órgão de representação estudantil do curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas da Faculdade de Tecnologia de Carapicuíba doravante denominada Fatec Carapicuíba. Art. 2º: O Centro Acadêmico tem por objetivos: I. Reconhecer, estimular e levar adiante a luta dos associados em defesa de seus interesses. II. Promover a integração dos estudantes do Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas da Fatec Carapicuíba e demais cursos da Faculdade, bem como do Centro Acadêmico com as demais entidades estudantis. III. Promover o aperfeiçoamento constante das condições do ensino do Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. IV. Organizar os sócios na defesa de uma universidade crítica, democrática e autônoma. V. Defender o direito de cada estudante à educação pública e gratuita, lutando-se para que o Poder Público garanta a todos o ensino, saúde, moradia, alimentação, transporte, cultura e tudo o que for indispensável ao bom desempenho do processo educativo. VI. Organizar e orientar a luta dos estudantes, ao lado do povo, no sentido da construção de uma sociedade livre, democrática e sem exploração. VII. Estimular e defender qualquer tipo de movimento ou organização democráticos autônomos que estejam orientados no sentido dos objetivos que constam destes estatutos.

2 VIII. Levar adiante o processo de estruturação e fortalecer as entidades estudantis em todos os níveis. IX. Solidarizar-se com a luta dos jovens e dos povos de todos os países contra a exploração e opressão. X. Promover e fomentar as atividades e eventos que serão desenvolvidos nas dependências do patrimônio do Centro Acadêmico, situado em Carapicuíba, assim como a Maratona de Programação e o SIMGETEC (Simpósio de Gestão e Tecnologia da Fatec Carapicuíba, além de eventos em parceria com a Associação Atlética Fatec Carapicuíba e outras entidades de cunho esportivo ou até mesmo outros Centros Acadêmicos existentes na instituição. CAPÍTULO II - Dos elementos da Entidade Art. 3º: São elementos do CA: I. Seu Patrimônio II. Seus Associados Seção I - Do Patrimônio Art. 4º: O patrimônio da entidade é constituído pelos bens que possui e por outros que venha a adquirir, cujos rendimentos serão aplicados na satisfação dos seus encargos. Art. 5º: A receita da entidade é constituída por: I. Taxa de filiação e anuidade dos associados; II. Dividendos; III. Auxílios e Subvenções; IV. Doações e Legados; V. Aluguéis; VI. Rendas auferidas nos seus empreendimentos; VII. Quaisquer outros meio admitidos em lei.

3 Seção II - Dos Associados Art. 6º: São considerados associados do Centro Acadêmico - Análise e Desenvolvimento de Sistemas todos os alunos regularmente matriculados no curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas da Fatec Carapicuíba. Parágrafo único: Todos os associados gozam de iguais direitos e estão sujeitos a iguais deveres. Art. 7º: São direitos do associado: I. Votar e ser votado, conforme as disposições do presente estatuto; II. Reunir-se, associar-se e manifestar-se nas dependências do Centro Acadêmico bem como utilizar seu patrimônio para realizar e desenvolver quaisquer atividades que não contrarie o presente estatuto; III. Ter acesso livre aos livros e documentos do Centro Acadêmico. Art. 8º: São deveres do associado: I. Cumprir e fazer cumprir o estabelecido no presente Estatuto bem como as deliberações das instâncias do Centro Acadêmico; II. Lutar pelo fortalecimento da entidade; III. Zelar pelo patrimônio moral e material da entidade; IV. Exercer com dedicação e espírito de luta a função de que tenham sido investidos; V. Participar das atividades propostas e se voluntariar ao trabalho acadêmico. Art. 9ª: Os associados que desrespeitarem o disposto no presente artigo, ficarão sujeitos às penalidades previstas no artigo 10º. Art. 10º: Os associados que infringirem os preceitos estatutários estarão sujeitos às seguintes penalidades: I. Destituição de função; II. Suspensão;

4 III. Expulsão. 1º. A Assembleia Geral é competente para aplicar qualquer penalidade a um associado, quando convocada especialmente para esse fim e decidir pelo voto de dois terços dos presentes. 2º. A Assembleia que deliberar a suspensão de um associado indicará a sua duração, que pode variar de um a seis meses. 3º. A suspensão ou expulsão do associado que exercer alguma função no Centro implicará a sua automática destituição. 4º. O associado acusado terá amplo direito de defesa, inclusive oral, em qualquer instância do Centro, devendo a denúncia ser pública. 5º. Os associados poderão demitir-se quando julgar necessário, protocolando seu pedido de demissão junto à secretaria da Associação. CAPÍTULO III - Da Organização e do funcionamento da entidade Art. 11: São instâncias do CA: I. A Assembleia Geral; II. A Diretoria; III. Os Departamentos Seção I - Da Assembléia Geral Art. 12: A Assembleia Geral é instância máxima de deliberação da entidade. Art. 13: A Assembleia Geral pode ser realizada por iniciativa da Diretoria ou por 3/10 dos associados ao Centro Acadêmico. Parágrafo único: Toda Assembleia Geral será convocada através de edital afixado na sede do Centro Acadêmico e no recinto da FATEC Carapicuíba com pelo menos cinco dias de antecedência, o qual mencionará a data, horário, local e pauta.

5 Art. 14: São atribuições da Assembleia Geral: I. Aprovar seu Regimento Interno; II. Aprovar a reforma dos estatutos; III. Deliberar sobre a aplicação das penalidades previstas no artigo 13; IV. Aprovar e alterar o Regulamento Interno; V. Criar Departamentos; VI. Aprovar as contas do Centro; VII. Deliberar sobre medidas de interesses dos associados; VIII. Deliberar sobre os casos omissos nos presentes estatutos. Seção II - Da Diretoria Art. 15: A Diretoria é a instância responsável pelo encaminhamento e execução das atividades cotidianas da entidade. Art. 16: Compete à Diretoria: I. Representar os acadêmicos do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas da FATEC Carapicuíba; II. Cumprir e fazer cumprir o presente Estatuto, bem como divulgá-lo entre os acadêmicos; III. Respeitar e encaminhar as decisões do Centro Acadêmico; IV. Planejar e viabilizar a vida econômica da entidade; V. Convocar Assembleia Geral; VI. Convocar as eleições para Diretoria do Centro Acadêmico; VII. Apresentar prestação de contas durante seu mandato e relatório de suas atividades ao final do mandato para votação na assembleia geral; VIII. Providenciar para que o Estatuto Social seja arquivado na secretaria acadêmica da faculdade com cópia da última alteração e eventuais registros. IX. Providenciar para que qualquer alteração no presente estatuto seja registrada em até 30 dias, com a devida cópia anexada na secretaria acadêmica da FATEC Carapicuíba;

6 X. Providenciar a publicidade Bimestral do balanço do CA, na secretaria da FATEC Carapicuíba e de forma eletrônica para todos os associados. Art. 17: A diretoria é composta por 7(sete) membros sendo: I. Presidente II. 2 (dois)tesoureiros III. Secretário Geral IV. Secretário de Organização V. 2 (dois) Diretores Gerais VI. 3 (três) Suplentes. Art. 18: São responsabilidades específicas: I. Do Presidente: a) Representar pública e juridicamente a entidade; b) Formalizar a contratação e demissão de funcionários, caso necessário; c) Transmitir o cargo formalmente ao seu substituto legal sempre que estiver impedido; d) Presidir as eleições de diretoria e Conselho Fiscal. II. Dos Diretores Gerais: a) Substituir o presidente nos seus impedimentos ou na vacância do cargo; b) Trabalhar junto aos comitês provisórios, comissões e departamentos que compõem a entidade. III. Dos Tesoureiros: a) Autorizar recebimentos e despesas; b) Executar o planejamento econômico aprovado pela diretoria; c) Movimentar conjuntamente contas bancárias em nome da entidade; d) Apresentar balancete bimestral da entidade; e) Rubricar os livros contábeis da entidade e assinar os respectivos termos de abertura e encerramento. IV. Do Secretário-Geral: a) Secretariar as Assembleias Gerais e as reuniões da diretoria;

7 b) Lavrar as atas das Assembleias Gerais e assiná-las juntamente com seus respectivos presidentes; c) Secretariar as eleições de diretoria. V. Do Secretário de Organização: a) Substituir o Secretário Geral nas funções do inciso IV alíneas "a" e "b" nos seus impedimentos; b) Organizar e ter sob sua guarda o arquivo da entidade; c) Organizar e manter em dia a correspondência da entidade; d) Providenciar para os novos associados cópia dos estatutos do Centro; e) Providenciar para os associados à identidade acadêmica. Seção III - Das Eleições Art. 19: A diretoria é eleita por maioria simples através do sufrágio universal, direto e secreto para mandato de um ano, com renovação para mais um único mandato de igual período. A eleição deverá ser convocada desde que observados os prazos de: I. Três semanas para as Inscrições; II. Quatro semanas para as Apresentações de Chapas; II. Quatro semanas para a organização do Debate cuja realização se dá na semana seguinte ao fim das Inscrições; III. Cinco semanas para a organização das Eleições cuja realização se dá na semana seguinte ao Debate; IV. Uma semana para a realização das Eleições e seus respectivos Resultados; V. Publicidade dos Resultados na respectiva data final das Eleições e comunicação da Posse da chapa eleita na semana seguinte da mesma. Parágrafo único: em caso da diretoria for reeleita para mais um único mandato de igual período, todos os membros da mesma ficam impedidos de participarem de novas eleições pelo período de um ano.

8 Art. 20: O prazo máximo para inscrição de chapas é de até uma semana antes da realização da eleição, e devem apresentar no ato de sua inscrição: I. O nome da chapa; II. Os nomes de seus membros junto com comprovante de matrícula, bem como a informação do ciclo que o membro está cursando; III. Carta-programa, com as propostas e intenções da chapa para a gestão. Seção IV - Dos Departamentos Art. 21: São Departamentos Acadêmicos: o de Imprensa, o Cultural, o de Ensino, o de Ouvidoria, o de Maratona de Programação e o da Semana de Tecnologia/SIMGETEC (Simpósio de Gestão e Tecnologia da Fatec Carapicuíba), e todos os demais que venham a ser criados. Art. 22: Os responsáveis pelos Departamentos Acadêmicos, nomeados pelo Presidente, têm por obrigação convocar reuniões próprias de seu departamento para encaminhar trabalhos. Parágrafo 1º. Todo associado tem direito a voz e voto nas reuniões dos Departamentos Acadêmicos. Parágrafo 2º. Essas reuniões têm competência para deliberar sobre assuntos específicos. Art. 23: O Departamento Cultural tem por atribuição promover, estimular e viabilizar as atividades culturais dos associados. Art. 24: O Departamento de Imprensa tem por obrigação: I. Organizar a redação e publicação de um jornal bimestral do Centro Acadêmico; a) O Jornal poderá ser impresso ou por meios eletrônicos, como um site informativo. b) O Jornal deverá conter também notícias dos outros cursos e de interesse de todos os estudantes do Campus. II. Estimular e auxiliar a elaboração de publicações dos associados.

9 Art. 25: O Departamento de Ensino tem por obrigação: I. Informar e organizar o debate sobre as questões de ensino, no âmbito da faculdade; II. Trabalhar pela integração das classes na solução de seus problemas específicos; III. Promover cursos e atividades de extensão acadêmica, bem como apoiar as iniciativas dos associados neste sentido. Art. 26: O Departamento de Ouvidoria tem por atribuição desenvolver a comunicação com os associados, para que os mesmos o reportem, quando necessário, problemas com a diretoria do Centro Acadêmico ou demais associados, a Ouvidoria deve se manter parcial e tentar solucionar o problema da melhor forma possível. Caso o associado denunciado na Ouvidoria seja culpado e desrespeite o artigo 9º, poderá ser penalizado conforme o artigo 10º. Art. 27: O Departamento de Maratona de Programação tem por atribuição promover, estimular a formação de times e competições de programação para toda a Fatec Carapicuíba, como também nas maratonas entre todos os campus da Faculdade de Tecnologia e de outras universidades. Art. 28: O Departamento da Semana de Tecnologia/SIMGETEC tem por atribuição ser o responsável pela organização semestral da Semana da Tecnologia, com o auxílio de todos os associados e docentes da Fatec Carapicuíba e trazendo novos parceiros para a faculdade. Art. 29: Cada classe poderá eleger representantes, que terão por dever: I. Participar de todas as reuniões do Departamento de Ensino; II. Estimular a participação dos colegas no Departamento de Ensino, divulgando e preparando as reuniões na classe.

10 Parágrafo único. Nas reuniões do Departamento de Ensino os representantes de classe têm os mesmos direitos de participação, voz e voto que os demais associados da entidade. CAPÍTULO IV - DISPOSIÇÕES GERAIS Seção I - Da Reforma dos Estatutos Art. 30: Os presentes estatutos somente poderão ser reformados, total ou parcialmente, se assim for requerido por dois terços dos associados. Art. 31: No caso de reforma total, será eleita uma comissão para elaborar um projeto que, depois de divulgado, terá 30 dias para receber emendas. Será, então, submetido à apreciação da Assembleia Geral especialmente convocada para esse fim, que decidirá pelo voto de dois terços dos presentes. Art. 32: No caso de reforma parcial, a mudança dos estatutos deve ser realizada pela Assembleia Geral especialmente convocada para esse fim, que decidirá pelo voto de dois terços dos presentes. Art. 33: Compete à Assembleia Geral decidir sobre eventual extinção do Centro Acadêmico, pelo voto da maioria absoluta dos associados. Seção III - Outras Disposições Gerais Art. 34: Os associados não respondem, nem mesmo subsidiariamente, pelas obrigações que a Diretoria contrair em nome do Centro Acadêmico. Art. 35: Os Diretores são pessoalmente responsáveis pelas obrigações que contraírem em nome do Centro Acadêmico.

11 Art. 36: Nenhum cargo da entidade será remunerado. Art. 37: Não é admitido voto por procuração. Art. 38: Nenhum associado pode candidatar-se a mais de um cargo eletivo, simultaneamente. Art. 39: Qualquer membro da Diretoria candidato a cargo eletivo, deverá renunciar ao seu mandato até, no máximo, a data de sua inscrição como candidato. Art. 40: Em caso de vacância de qualquer cargo eletivo, seu titular deverá transmiti-lo formalmente ao seu substituto legal. Art. 41: É permitido que um candidato ou membro da Diretoria seja filiado em algum partido político ou qualquer que seja a denominação política externa da faculdade, desde que o mesmo não realize qualquer tipo de interferência no Centro Acadêmico, cabendo penalidades previstas no Art. 10º para em caso de infração. Art. 42: São símbolos do Centro Acadêmico os seus atuais emblemas, flâmulas e distintivos. CAPÍTULO V - DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS Art. 43: Os presentes estatutos entram em vigor na data de sua aprovação. Art. 44: A Diretoria deverá, imediatamente após a aprovação dos presentes estatutos, providenciar a sua impressão e a distribuição gratuita aos sócios do Centro, bem como o seu registro.

UNEMAT - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAEPA - CENTRO ACADÊMICO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

UNEMAT - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAEPA - CENTRO ACADÊMICO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL UNEMAT - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAEPA - CENTRO ACADÊMICO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL ESTATUTO CAPÍTULO I DA ENTIDADE ART. 1º. O Centro Acadêmico de Engenharia de Produção Agroindustrial,

Leia mais

CENTRO ACADÊMICO XI DE AGOSTO ESTATUTO SOCIAL

CENTRO ACADÊMICO XI DE AGOSTO ESTATUTO SOCIAL CENTRO ACADÊMICO XI DE AGOSTO C.N.P.J.: 53.286.548/0001-06 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA ENTIDADE Artigo 1º O Centro Acadêmico "XI de Agosto", fundado em 1903, associação civil sem fins lucrativos, apartidária,

Leia mais

Centro Acadêmico do Curso de Engenharia Química UFVJM Ato Institutivo ESTATUTO CAPÍTULO I DA ENTIDADE CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS

Centro Acadêmico do Curso de Engenharia Química UFVJM Ato Institutivo ESTATUTO CAPÍTULO I DA ENTIDADE CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS Centro Acadêmico do Curso de Engenharia Química UFVJM Ato Institutivo 17 de Abril de 2013, institui-se o Centro Acadêmico do Curso de Engenharia Química (CA-ENQ) da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO ESTATUDO DO CENTRO ACADÊMICO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA. Capitulo I. Da Entidade

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO ESTATUDO DO CENTRO ACADÊMICO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA. Capitulo I. Da Entidade UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO ESTATUDO DO CENTRO ACADÊMICO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA Capitulo I Da Entidade Artigo 1º - O Centro Acadêmico de Licenciatura em Química foi fundado em 28/08/2014,

Leia mais

Estatuto do Centro Acadêmico de Engenharia Química da UFPB (CAEQ)

Estatuto do Centro Acadêmico de Engenharia Química da UFPB (CAEQ) Estatuto do Centro Acadêmico de Engenharia Química da UFPB (CAEQ) Capítulo I - Da Entidade, sede, fins e foro. Artigo 1º - O Centro Acadêmico de Engenharia Química da Universidade Federal da Paraíba CAEQ

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL - CAMPUS CANOAS TÍTULO I

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL - CAMPUS CANOAS TÍTULO I ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL - CAMPUS CANOAS TÍTULO I DO CENTRO ACADÊMICO DO SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE Art. 1 O Centro

Leia mais

ESTATUTO DA AAPCEU. ART. 2º - A ASSOCIAÇÃO tem sede e foro na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais.

ESTATUTO DA AAPCEU. ART. 2º - A ASSOCIAÇÃO tem sede e foro na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais. ESTATUTO DA AAPCEU TÍTULO I - DA ENTIDADE Capítulo Único - Da Denominação, Sede e Objeto ART. 1º - A Associação dos Aposentados e Pensionistas da Caixa dos Empregados da Usiminas, doravante denominada

Leia mais

Artigo 1 Parágrafo 1º Parágrafo 2 Parágrafo 3º Parágrafo 4º Artigo 2 - Artigo 3º Artigo 4º Artigo 5 Artigo 6 Artigo 7 Parágrafo 1 Parágrafo 2º

Artigo 1 Parágrafo 1º Parágrafo 2 Parágrafo 3º Parágrafo 4º Artigo 2 - Artigo 3º Artigo 4º Artigo 5 Artigo 6 Artigo 7 Parágrafo 1 Parágrafo 2º Capítulo I Do Centro e seus Fins Artigo 1 O Centro Acadêmico Visconde de Cairu é associação civil sem fins lucrativos de duração indeterminada, fundado no dia 19 de junho de 1946, sem filiação político-partidária,

Leia mais

ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art.1 - O GRUPO DO LEITE, da Universidade Federal de Lavras (UFLA), entidade civil, apartidária, sem fins lucrativos,

Leia mais

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO - SEDE - FINS E DURAÇÃO

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO - SEDE - FINS E DURAÇÃO - ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DA JUVENTUDE RURAL DE ARROIO DO TIGRE - Arroio do Tigre/RS. CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO - SEDE - FINS E DURAÇÃO Artigo 1 - A ASSOCIAÇÃO DA JUVENTUDE RURAL DE ARROIO DO TIGRE, fundada

Leia mais

PROPOSTA ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE GESTÃO ESPORTIVA E LAZER_7

PROPOSTA ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE GESTÃO ESPORTIVA E LAZER_7 ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE GESTÃO ESPORTIVA E LAZER, DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS RESTINGA CAGEL. TÍTULO I DO CENTRO ACADÊMICO DE GESTÃO ESPORTIVA

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS CHAPECÓ GRÊMIO LIVRE ESTUDANTIL ESTATUTO DO GRÊMIO LIVRE ESTUDANTIL

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS CHAPECÓ GRÊMIO LIVRE ESTUDANTIL ESTATUTO DO GRÊMIO LIVRE ESTUDANTIL INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS CHAPECÓ GRÊMIO LIVRE ESTUDANTIL ESTATUTO DO GRÊMIO LIVRE ESTUDANTIL ESTATUTO APROVADO EM 18 DE JUNHO DE 2012 CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração.

Leia mais

Sociedade Brasileira de História da Ciência. Estatuto

Sociedade Brasileira de História da Ciência. Estatuto Sociedade Brasileira de História da Ciência Estatuto Art. 1 A SOCIEDADE BRASILEIRA DE HISTÓRIA DA CIÊNCIA (SBHC), fundada na cidade de São Paulo, estado de São Paulo, em 16 de dezembro de 1983, é uma associação

Leia mais

ESTATUTO CDL JOVEM SALVADOR. Capítulo I Da Constituição e Finalidade

ESTATUTO CDL JOVEM SALVADOR. Capítulo I Da Constituição e Finalidade ESTATUTO CDL JOVEM SALVADOR Capítulo I Da Constituição e Finalidade Art. 1º- A Câmara de Dirigentes Lojistas Jovem de Salvador é um departamento oriundo e órgão estrutural da Câmara de Dirigentes Lojistas

Leia mais

ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO GETULIO VARGAS

ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO GETULIO VARGAS CAPÍTULO I - DA ENTIDADE ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO GETULIO VARGAS Artigo 1 - O DIRETÓRIO ACADÊMICO GETULIO VARGAS, fundado em 1984, associação civil sem fins lucrativos, apartidária, declarada de

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO LUPE COTRIM. CAPÍTULO I Da Entidade, da Denominação, da Duração, da Sede, do Foro e da Formalidade

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO LUPE COTRIM. CAPÍTULO I Da Entidade, da Denominação, da Duração, da Sede, do Foro e da Formalidade 1 ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO LUPE COTRIM CAPÍTULO I Da Entidade, da Denominação, da Duração, da Sede, do Foro e da Formalidade Artigo 1º O Centro Acadêmico Lupe Cotrim, neste estatuto denominado simplesmente

Leia mais

ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO PROF. MORAES JUNIOR CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO

ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO PROF. MORAES JUNIOR CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO PROF. MORAES JUNIOR CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Art. 1º. O DIRETÓRIO ACADÊMICO DOS ALUNOS da FACULDADE PRESBITERIANA MACKENZIE RIO é entidade máxima de representação dos estudantes

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE BRASILEIROS ESTUDANTES DE PÓS- GRADUAÇÃO E PESQUISADORES NO REINO UNIDO (ABEP- UK)

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE BRASILEIROS ESTUDANTES DE PÓS- GRADUAÇÃO E PESQUISADORES NO REINO UNIDO (ABEP- UK) ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE BRASILEIROS ESTUDANTES DE PÓS- GRADUAÇÃO E PESQUISADORES NO REINO UNIDO (ABEP- UK) 15 de Fevereiro de 2013 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES Art. 1 - A Associação

Leia mais

Estatuto do Diretório Acadêmico da Faculdade de Direito da Universidade do Vale do Paraíba

Estatuto do Diretório Acadêmico da Faculdade de Direito da Universidade do Vale do Paraíba Estatuto do Diretório Acadêmico da Faculdade de Direito da Universidade do Vale do Paraíba Capítulo I: Diretório Acadêmico da Faculdade de Direito Artigo 1 Diretório Acadêmico da Faculdade de Direito (D.A

Leia mais

PROPOSTA DE ESTATUTO DA NAPA CPII

PROPOSTA DE ESTATUTO DA NAPA CPII PROPOSTA DE ESTATUTO DA NAPA CPII ESTATTUTO DA NOVA ASSOCIAÇÃO DE PAIS, MÃES E RESPONSÁVEIS DE ALUNOS E ALUNAS DO COLÉGIO PEDRO II -CAMPI SÃO CRISTÓVÃO - NAPA CPII CAPÍTULOI Da Denominação, da Natureza,da

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DA AGRONOMIA 2016 ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º - O Diretório Acadêmico do curso de Agronomia das Faculdades

Leia mais

COLÉGIO FRANCISCANO SANT ANNA SANTA MARIA - RS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES APM

COLÉGIO FRANCISCANO SANT ANNA SANTA MARIA - RS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES APM COLÉGIO FRANCISCANO SANT ANNA SANTA MARIA - RS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES APM 2009 SUMÁRIO TÍTULO I Da denominação, caráter, duração, sede, foro e finalidades... 3 Capítulo I Da denominação,

Leia mais

Estatuto Hemodinâmica

Estatuto Hemodinâmica Estatuto Hemodinâmica CAPÍTULO I Do Departamento, sua organização e finalidade Art. 1º - O Departamento de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista da Sociedade de Cardiologia do Rio Grande do Sul (SBC/RS),

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PÓS-GRADUANDOS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PÓS-GRADUANDOS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PÓS-GRADUANDOS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA CAPÍTULO I - DA FINALIDADE E DA DEFINIÇÃO Artigo 1º - A Associação de Pós-graduandos da Universidade de Brasília, fundada em 06 de julho

Leia mais

REGIMENTO INTERNO F A C T E. Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação. Para aprovação em reunião a ser realizada em: 06/05/2010

REGIMENTO INTERNO F A C T E. Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação. Para aprovação em reunião a ser realizada em: 06/05/2010 REGIMENTO INTERNO Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação F A C T E Para aprovação em reunião a ser realizada em: 06/05/2010 Araraquara-SP 1 A Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação

Leia mais

MIINIISTÉRIIO DA EDUCAÇÃO UNIIVERSIIDADE FEDERAL DE IITAJUBÁ. Criada pela Lei nº , de 24 de abril de 2002

MIINIISTÉRIIO DA EDUCAÇÃO UNIIVERSIIDADE FEDERAL DE IITAJUBÁ. Criada pela Lei nº , de 24 de abril de 2002 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002 MIINIISTÉRIIO DA EDUCAÇÃO UNIIVERSIIDADE FEDERAL DE IITAJUBÁ REGIMENTO DO CONSELHO CURADOR PREÂMBULO

Leia mais

ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DO IFSC CÂMPUS ARARANGUÁ (Aprovado em Assembleia Geral realizada no dia 25 de setembro de 2013)

ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DO IFSC CÂMPUS ARARANGUÁ (Aprovado em Assembleia Geral realizada no dia 25 de setembro de 2013) ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DO IFSC CÂMPUS ARARANGUÁ (Aprovado em Assembleia Geral realizada no dia 25 de setembro de 2013) CAPÍTULO I Da denominação, sede, fins e duração Art.1 - O Grêmio Estudantil

Leia mais

Estatuto da Associação de Pós-Graduandos da Universidade Federal de Viçosa

Estatuto da Associação de Pós-Graduandos da Universidade Federal de Viçosa Estatuto da Associação de Pós-Graduandos da Universidade Federal de Viçosa Título I Da denominação, da sede e da duração da entidade Art. 1º A Associação dos Pós-Graduandos da Universidade Federal de Viçosa,

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO DE PESQUISAS AVANÇADAS EM QUALIDADE DE VIDA CPAQV

ESTATUTO DO CENTRO DE PESQUISAS AVANÇADAS EM QUALIDADE DE VIDA CPAQV ESTATUTO DO CENTRO DE PESQUISAS AVANÇADAS EM QUALIDADE DE VIDA CPAQV Título I DA DENOMINAÇÃO, CRIAÇÃO, DURAÇÃO, OBJETIVO, FINALIDADES, SEDE E PATRIMÔNIO Artigo 1 º - O Centro de Pesquisas Avançadas em

Leia mais

Estatuto da APG-UFSC

Estatuto da APG-UFSC Estatuto da APG-UFSC Discutido, alterado e aprovado em assembléia geral da APG-UFSC em 18/10/1986 Capítulo 1 DA DEFINIÇÃO Art. 1º A Associação de Pós-Graduandos da Universidade Federal de Santa Catarina

Leia mais

Estatutos da Associação de Estudantes da ETPZP

Estatutos da Associação de Estudantes da ETPZP CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação, âmbito e sede 1. A Associação de Estudantes adiante designada por Associação, é a organização representativa dos alunos da (ETPZP). 2. A presente Associação,

Leia mais

REGIME TO ELEITORAL DO SI DICATO DOS SERVIDORES MU ICIPAIS DE CA ELA - RS TÍTULO I. Da Comissão Eleitoral. Capítulo I Das Generalidades

REGIME TO ELEITORAL DO SI DICATO DOS SERVIDORES MU ICIPAIS DE CA ELA - RS TÍTULO I. Da Comissão Eleitoral. Capítulo I Das Generalidades REGIME TO ELEITORAL DO SI DICATO DOS SERVIDORES MU ICIPAIS DE CA ELA - RS TÍTULO I Da Comissão Eleitoral Das Generalidades Art. 1º - A Comissão Eleitoral do Sindicato dos Servidores Municipais de Canela

Leia mais

ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE FÍSICA

ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE FÍSICA ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE FÍSICA CAPÍTULO I - Da Entidade. Art. 1 O Diretório Acadêmico de Física, sociedade civil, sem fins lucrativos, apartidária, com sede e foro na cidade de Barreiras, Bahia,

Leia mais

Estatuto do Centro Acadêmico de História - UDESC

Estatuto do Centro Acadêmico de História - UDESC Estatuto do Centro Acadêmico de História - UDESC Título I - Disposições Preliminares Art. 1º - O Centro Acadêmico de História, associação civil sem fins econômicos, com duração indeterminada, é a entidade

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Campus São José dos Campos

Universidade Federal de São Paulo Campus São José dos Campos Universidade Federal de São Paulo Campus São José dos Campos CAPÍTULO 1 DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO Artigo 1º O presente Regimento Interno regulamenta a organização e o funcionamento do Departamento de Ciência

Leia mais

Estatuto de Centro Acadêmico de Administração Pública IX de Setembro

Estatuto de Centro Acadêmico de Administração Pública IX de Setembro Estatuto de Centro Acadêmico de Administração Pública IX de Setembro Aprovado em 19 de outubro de 2012. Título I Do Centro Acadêmico Art. 1º O Centro Acadêmico de Administração Pública XI de Setembro (CAAP)

Leia mais

Capitulo I Da denominação, natureza, sede, regimento e duração

Capitulo I Da denominação, natureza, sede, regimento e duração ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DOS ESTUDANTES DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UNIVERSIDADE ALTO VALE DO RIO DO PEIXE Capitulo I Da denominação, natureza, sede, regimento e duração Artigo 1 - O Centro Acadêmico

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO TEMPLO DA HUMANIDADE

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO TEMPLO DA HUMANIDADE ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO TEMPLO DA HUMANIDADE CAPÍTULO I: DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO ARTIGO 1º Denominação e duração A Associação dos Amigos do Templo da Humanidade é uma associação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO ACADÊMICO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO ACADÊMICO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO ACADÊMICO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO Art. 1º O Centro Acadêmico da Universidade Estadual de Londrina, CAUEL, é entidade máxima

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO N o 14/2013, DE 02 DE JULHO DE 2013 Reedita, com alterações, a Resolução n o 03/2006, de 29 de junho de 2006, que aprovou o Regimento do Centro de Microscopia da UFMG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

ESTATUTO FUNDAÇÃO CULTURA ARTÍSTICA DE LONDRINA

ESTATUTO FUNDAÇÃO CULTURA ARTÍSTICA DE LONDRINA ESTATUTO FUNDAÇÃO CULTURA ARTÍSTICA DE LONDRINA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO E FINALIDADES Art. 1º - Fundação Cultura Artística de Londrina, Funcart, com sede e foro na cidade de Londrina,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM PERMANENTE DOS CURSOS TÉCNICOS DO IFPE RECIFE, 2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA DO CAMPO DE PÚBLICAS ESTATUTO

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA DO CAMPO DE PÚBLICAS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA DO CAMPO DE PÚBLICAS ESTATUTO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, DURAÇÃO E FINALIDADES Art. 1º. A Associação Nacional de Ensino e Pesquisa do Campo de Públicas

Leia mais

Estatuto do Grêmio. Capítulo 1 Da denominação, sede, fins e duração.

Estatuto do Grêmio. Capítulo 1 Da denominação, sede, fins e duração. Estatuto do Grêmio Capítulo 1 Da denominação, sede, fins e duração. Art.1º- O grêmio estudantil do Colégio Elvira Brandão fundado em 2005 funcionará no referido estabelecimento de ensino com duração ilimitada.

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Departamento de Engenharia Química e Estatística DEQUE, anexo a esta Resolução.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Departamento de Engenharia Química e Estatística DEQUE, anexo a esta Resolução. RESOLUÇÃO N o 043, de 15 de outubro de 2012. Aprova Regimento Interno do Departamento de Engenharia Química e Estatística DEQUE. A PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO

Leia mais

1 de 6 6/8/2008 11:00 FACULDADE DOS GUARARAPES-FG ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TITULO I - DIRETÓRIO ACADÊMICO DENOMINAÇÃO, FINS E SEDE ARTIGO 1º O Diretório Acadêmico é o órgão

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE HIGIENIZAÇÃO E LAVANDERIA DA REGIÃO SUL - APHILAV. APROVADO EM ASSEMBLÉIA GERAL DO DIA 30/03/2005

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE HIGIENIZAÇÃO E LAVANDERIA DA REGIÃO SUL - APHILAV. APROVADO EM ASSEMBLÉIA GERAL DO DIA 30/03/2005 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE HIGIENIZAÇÃO E LAVANDERIA DA REGIÃO SUL - APHILAV. APROVADO EM ASSEMBLÉIA GERAL DO DIA 30/03/2005 Capítulo 1 TITULO, DESTINAÇÃO, SEDE, FORO Artigo 1 A ASSOCIAÇÃO

Leia mais

ESTATUTOS. Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins. Artigo lº. (Natureza)

ESTATUTOS. Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins. Artigo lº. (Natureza) ESTATUTOS Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins Artigo lº (Natureza) A Associação de Pais e Encarregados de Educação do Colégio de Nossa Senhora de Lourdes, também designada abreviadamente

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGIONAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL REGIMENTO INTERNO

SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGIONAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL REGIMENTO INTERNO SOCEDADE BRASLERA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTCA REGONAL DO ESTADO DO RO GRANDE DO SUL REGMENTO NTERNO CAPTULO Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art. 1º A Diretoria Regional do Estado do Rio Grande do Sul

Leia mais

REGIMENTO DA DIRETORIA DO IBAPE/SP. Art. 19, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 26, 27, 28, 29, 30, 31, 32 e 33 do Estatuto

REGIMENTO DA DIRETORIA DO IBAPE/SP. Art. 19, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 26, 27, 28, 29, 30, 31, 32 e 33 do Estatuto REGIMENTO DA DIRETORIA DO IBAPE/SP Art. 19, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 26, 27, 28, 29, 30, 31, 32 e 33 do Estatuto 1. OBJETIVO: A Diretoria do IBAPE/SP tem por objetivo: 1.1) Dirigir as atividades, administrar

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 147-CONSELHO SUPERIOR, de 18 de fevereiro de 2014.

RESOLUÇÃO Nº 147-CONSELHO SUPERIOR, de 18 de fevereiro de 2014. RESOLUÇÃO Nº 147-CONSELHO SUPERIOR, de 18 de fevereiro de 2014. APROVA O REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DOS CURSOS SUPERIORES DO IFRR. O PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA

Leia mais

GRÊMIO ESTUDANTIL SERIDÓ SERTÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE, CAMPUS CAICÓ

GRÊMIO ESTUDANTIL SERIDÓ SERTÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE, CAMPUS CAICÓ GRÊMIO ESTUDANTIL SERIDÓ SERTÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE, CAMPUS CAICÓ ESTATUTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. Art. 1º O GRÊMIO ESTUDANTIL SERIDÓ

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS CLÁSSICOS

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS CLÁSSICOS SOCIEDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS CLÁSSICOS Fundada em 13 de julho de 1985 CNPJ 21.943.618/0001-65 IE: isenta www.classica.org.br coorinfeu@classica.org.br ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS CLÁSSSICOS

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO PAULISTA ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO PAULISTA ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA 1 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA CAPÍTULO I Título, Sede e Finalidades Art.1º - A Associação Paulista de Ortopedia

Leia mais

UNIÃO NACIONAL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

UNIÃO NACIONAL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO 1 E S T A T U T O TÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, ABRANGÊNCIA E FINALIDADE CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E DA SEDE Art. 1º- A União Nacional dos Conselhos Municipais de Educação, doravante denominada UNCME, entidade

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP Dispõe sobre as atribuições Comissão de Bancas Examinadoras da EPPEN/UNIFESP, sua composição e condução

Leia mais

Capítulo I Natureza e fins. Artigo 1.º Denominação e duração

Capítulo I Natureza e fins. Artigo 1.º Denominação e duração Capítulo I Natureza e fins Artigo 1.º Denominação e duração A Associação, sem fins lucrativos, denominada INTERVIVER ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE, DO BEM-ESTAR E DA PAZ é constituída por tempo indeterminado.

Leia mais

Professor Jaime Arturo Ramírez Presidente do Conselho Universitário

Professor Jaime Arturo Ramírez Presidente do Conselho Universitário RESOLUÇÃO N o 02/2015, DE 31 DE MARÇO DE 2015 Estabelece o Regimento do Centro Esportivo Universitário, reeditando, com alterações, a Resolução n o 13/1993, de 02 de setembro de 1993. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS EM LINGUAGENS, LEITURA E ESCRITA

NÚCLEO DE ESTUDOS EM LINGUAGENS, LEITURA E ESCRITA NÚCLEO DE ESTUDOS EM LINGUAGENS, LEITURA E ESCRITA CAPÍTULO I DA NATUREZA, DA SEDE E DOS OBJETIVOS Art. 1 O Núcleo de Estudos em Linguagens, Leitura e Escrita, também identificado pela sigla NELLE, entidade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOCONSELHO CONSULTIVO DO OBSERVATÓRIO DE ANÁLISE POLÍTICA EM SAÚDE

REGIMENTO INTERNO DOCONSELHO CONSULTIVO DO OBSERVATÓRIO DE ANÁLISE POLÍTICA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO DOCONSELHO CONSULTIVO DO OBSERVATÓRIO DE ANÁLISE POLÍTICA EM SAÚDE TÍTULO I Disposições Gerais Da Composição e da Finalidade Art.1º O Conselho Consultivo é um órgão colegiado de assessoramento

Leia mais

ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DA HORUS FACULDADES CAPITULO I

ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DA HORUS FACULDADES CAPITULO I ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DA HORUS FACULDADES CAPITULO I Art. 1º - Fica criado o DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DCE, órgão exclusivo de representação dos os acadêmicos da HORUS FACULDADES,

Leia mais

ALTERAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DOS ATOS CONSTITUTIVOS DA ASSOCIAÇÃO JOSÉ GABRIEL DA COSTA

ALTERAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DOS ATOS CONSTITUTIVOS DA ASSOCIAÇÃO JOSÉ GABRIEL DA COSTA ALTERAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DOS ATOS CONSTITUTIVOS DA ASSOCIAÇÃO JOSÉ GABRIEL DA COSTA CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. Art.1º A Associação José Gabriel da Costa, fundada em 07 de novembro de 2006

Leia mais

TÍTULO I. Da Sociedade e seus Fins CAPÍTULO I. Da Denominação, Sede e Finalidade

TÍTULO I. Da Sociedade e seus Fins CAPÍTULO I. Da Denominação, Sede e Finalidade TÍTULO I Da Sociedade e seus Fins CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidade Art. 1º - A Associação de Pais de Mestres fundada em 11 de junho de 1958, com sede na Rua Cristóvão Colombo, 366 em Santa

Leia mais

Liga Acadêmica de Clínica Médica da UFSCar (LACMU) Estatuto Social

Liga Acadêmica de Clínica Médica da UFSCar (LACMU) Estatuto Social Liga Acadêmica de Clínica Médica da UFSCar (LACMU) Estatuto Social Capítulo I: Da Definição, sede e foro: Artigo 1º. A Liga Acadêmica de Clínica Médica da UFSCar, denominada também pela sigla LACMU, é

Leia mais

Estatuto da Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná

Estatuto da Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná 1 Estatuto da Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná Capítulo I A Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná e seus Fins Artigo 1º. A Associação

Leia mais

CAPÍTULO I Princípios Gerais. ARTIGO 1.º Denominação, âmbito e sede

CAPÍTULO I Princípios Gerais. ARTIGO 1.º Denominação, âmbito e sede ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR FRANCISCO FERNANDES LOPES ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios Gerais ARTIGO 1.º Denominação, âmbito e sede 1 - A Associação de Estudantes do Agrupamento

Leia mais

Grêmio Integração da Escola de Aplicação da Faculdade de Educação da USP-Gestão

Grêmio Integração da Escola de Aplicação da Faculdade de Educação da USP-Gestão Estatuto do Grêmio Integração da Escola de Aplicação da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Capítulo 1 Da denominação, sede, finalidades e duração da gestão Artigo 1º O grêmio estudantil

Leia mais

Art. 2º - É finalidade de Fundação, o amparo à pesquisa científica e tecnológica no Estado de Alagoas, cumprindo-lhe especificamente:

Art. 2º - É finalidade de Fundação, o amparo à pesquisa científica e tecnológica no Estado de Alagoas, cumprindo-lhe especificamente: Lei Estadual CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 - A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas - FAPEAL, mandada instituir pela Constituição Estadual, através da regra do 1 do seu

Leia mais

Regimento Geral da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia Regional Goiás SBOT-GO

Regimento Geral da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia Regional Goiás SBOT-GO Regimento Geral da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia Regional Goiás SBOT-GO CAPITULOI TÍTULO, FINALIDADES, SEDE E ORGANIZAÇÃO. Art. 1º - Este Regimento Geral regula o funcionamento da Sociedade

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE REPRESENTANTES DA ADCFET-RJ

REGULAMENTO DO CONSELHO DE REPRESENTANTES DA ADCFET-RJ REGULAMENTO DO CONSELHO DE REPRESENTANTES DA ADCFET-RJ TÍTULO I Do Conselho de Representantes Art. 1º O Conselho de Representantes é um órgão consultivo, deliberativo e fiscalizador da Associação de Docentes

Leia mais

Estatuto do Centro Acadêmico do Curso de Ciências Sociais da Universidade Federal de Uberlândia CACIS UFU TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO CAPÍTULO I

Estatuto do Centro Acadêmico do Curso de Ciências Sociais da Universidade Federal de Uberlândia CACIS UFU TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO CAPÍTULO I Estatuto do Centro Acadêmico do Curso de Ciências Sociais da Universidade Federal de Uberlândia CACIS UFU TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO CAPÍTULO I DO CACIS E SEUS FINS Art. 1º - O Centro Acadêmico do curso de

Leia mais

Capítulo I - Denominação, Sede, Objeto e Duração

Capítulo I - Denominação, Sede, Objeto e Duração REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE JOVENS ADVOGADOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO -- AASP Capítulo I - Denominação, Sede, Objeto e Duração Artigo 1º - A Comissão de Jovens Advogados da Associação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES ESTATUTOS Capítulo 1 ARTIGO 2º Princípios Gerais Denominação, âmbito e sede 1. A Associação de Estudantes, adiante designada por AE, e a organização representativa dos alunos do

Leia mais

Estatuto da Associação Mães que Oram Pelos Filhos Arquidiocese de Vitoria/ES AM0

Estatuto da Associação Mães que Oram Pelos Filhos Arquidiocese de Vitoria/ES AM0 Estatuto da Associação Mães que Oram Pelos Filhos Arquidiocese de Vitoria/ES AM0 Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Associação de Mães que oram pelos Filhos doravante

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ONCOLOGIA - ONCOLOGIA Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A ONCOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão da da Universidade José do

Leia mais

Estatuto da Associação Mães que Oram Pelos Filhos Arquidiocese de Vitoria/ES - AMOF-AVES

Estatuto da Associação Mães que Oram Pelos Filhos Arquidiocese de Vitoria/ES - AMOF-AVES Estatuto da Associação Mães que Oram Pelos Filhos Arquidiocese de Vitoria/ES - AMOF-AVES Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Associação de Mães que oram pelos Filhos doravante

Leia mais

Prof. José Darcísio Pinheiro Presidente

Prof. José Darcísio Pinheiro Presidente Resolução n 002/2010-CD Aprova o Regimento Interno do Conselho Diretor da Universidade Federal de Roraima. O PRESIDENTE DO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA, no uso de suas atribuições legais e estatutárias

Leia mais

R E S O L V E PORTARIA N 023/2005/FEST

R E S O L V E PORTARIA N 023/2005/FEST PORTARIA N 023/2005/FEST DISCIPLINA A COMPOSIÇÃO, O FUNCIONAMENTO E AS ATRIBUIÇÕES DO CONSELHO SUPERIOR CONSUP - DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SANTA TEREZINHA. A DIRETORA GERAL da Faculdade de Educação Santa

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA CAMPUS JÚLIO DE CASTILHOS

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA CAMPUS JÚLIO DE CASTILHOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA CAMPUS JÚLIO DE CASTILHOS São João do Barro Preto Interior - Caixa Postal 38 CEP 98130-000 Júlio de

Leia mais

REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO

REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Art. 1º - A Organização Administrativa corresponde à estrutura da REDE PETRO-BC que tem como finalidade garantir

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DOS CURSOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UFPEL

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DOS CURSOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UFPEL ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DOS CURSOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UFPEL CAPÍTULO I Da natureza e dos fins do Centro Acadêmico Art. 1º O Centro Acadêmico dos Cursos de Ciências Biológicas da Universidade

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA DERMEVAL SAVIANI DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ-CAMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO.

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA DERMEVAL SAVIANI DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ-CAMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO. ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA DERMEVAL SAVIANI DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ-CAMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO. TÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO CAPÍTULO I DAS DENOMINAÇÕES, SEDES E FINS ART. 1

Leia mais

ESTATUTO DO SINAGÊNCIAS Sindicato Nacional dos Servidores e Demais Agentes Públicos das Agências Nacionais de Regulação

ESTATUTO DO SINAGÊNCIAS Sindicato Nacional dos Servidores e Demais Agentes Públicos das Agências Nacionais de Regulação ESTATUTO DO SINAGÊNCIAS Sindicato Nacional dos Servidores e Demais Agentes Públicos das Agências Nacionais de Regulação (Aprovado em 22 de dezembro de 2004, em Brasília-DF) Capítulo I Do Sindicato e seus

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ATRICON Nº XX/2013

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ATRICON Nº XX/2013 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ATRICON Nº XX/2013 Altera o Estatuto da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil, visando, entre outras providências, a ampliação da sua fonte de financiamento Resumo:

Leia mais

SUMÁRIO. CAPÍTULO I Da Natureza, Foro e Duração. CAPÍTULO II Da Finalidade e Competência. CAPÍTULO III Dos Associados

SUMÁRIO. CAPÍTULO I Da Natureza, Foro e Duração. CAPÍTULO II Da Finalidade e Competência. CAPÍTULO III Dos Associados ESTATUTO Associação dos Dirigentes Municipais de Cultura da Bahia ADIMCBA 2010 SUMÁRIO CAPÍTULO I Da Natureza, Foro e Duração CAPÍTULO II Da Finalidade e Competência CAPÍTULO III Dos Associados CAPÍTULO

Leia mais

ESTATUTO Grêmio Estudantil CCMASG. CAPÍTULO I Da denominação, Sede e Objetivos

ESTATUTO Grêmio Estudantil CCMASG. CAPÍTULO I Da denominação, Sede e Objetivos ESTATUTO Grêmio Estudantil CCMASG O presente estatuto tem como objetivo estabelecer as normas sob as quais o Grêmio vai funcionar, explicando como serão as eleições, a composição da Diretoria, como a entidade

Leia mais

Do Conceito. Da Criação

Do Conceito. Da Criação REGIMENTO DAS FAZENDAS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (FEPE) DA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS DA UNESP, CAMPUS DE BOTUCATU, ELABORADO DE ACORDO COM A RESOLUÇÃO UNESP-59, DE 14-11-2008 Do Conceito Artigo

Leia mais

Art. 1º - Aprovar, no Centro de Ensino Superior Riograndense - CESURG MARAU, o Regulamento da Empreender Júnior, cujo inteiro teor se aplica a seguir:

Art. 1º - Aprovar, no Centro de Ensino Superior Riograndense - CESURG MARAU, o Regulamento da Empreender Júnior, cujo inteiro teor se aplica a seguir: RESOLUÇÃO Nº 002/2016 Regulamenta a Empreender Júnior, Empresa Júnior do Centro de Ensino Superior Riograndense CESURG MARAU 1, e dá outras providências. O Diretor Presidente do Centro de Ensino Superior

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFESA DO CONSUMIDOR DECO

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFESA DO CONSUMIDOR DECO ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFESA DO CONSUMIDOR DECO 9 de outubro de 2014 ESTATUTOS CAPITULO I Nome, sede, âmbito e objeto Artigo 1º. A Associação, denominada Associação Portuguesa para

Leia mais

Registre no Cartório de Títulos e Documentos de sua cidade. Com o Estatuto registrado, tire o CNPJ, no órgão apropriado em sua cidade.

Registre no Cartório de Títulos e Documentos de sua cidade. Com o Estatuto registrado, tire o CNPJ, no órgão apropriado em sua cidade. ESTATUTO / ATA DE FUNDAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS Para criar uma Associação de Amigos de seu Município, que é a nossa recomendação para atuar economicamente no Programa As Minas Gerais, você poderá

Leia mais

SUGESTÃO PARA ELABORAÇÃO DO ESTATUTO DO CONSELHO DELIBERATIVO DAS ASSESSORIAS PEDAGÓGICAS - CDAP

SUGESTÃO PARA ELABORAÇÃO DO ESTATUTO DO CONSELHO DELIBERATIVO DAS ASSESSORIAS PEDAGÓGICAS - CDAP SUGESTÃO PARA ELABORAÇÃO DO ESTATUTO DO CONSELHO DELIBERATIVO DAS ASSESSORIAS PEDAGÓGICAS - CDAP 1 ESTATUTO DO CONSELHO DELIBERATIVO DA ASSESSORIA PEDAGÓGICA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, CONSTITUIÇÃO, SEDE

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Comissão de Capacitação dos Servidores Técnico-Administrativos em Educação REGIMENTO INTERNO

Universidade Federal de São Paulo Comissão de Capacitação dos Servidores Técnico-Administrativos em Educação REGIMENTO INTERNO Universidade Federal de São Paulo Comissão de Capacitação dos Servidores Técnico-Administrativos em Educação REGIMENTO INTERNO 2012 CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º - A Comissão de Capacitação dos Servidores

Leia mais

Estatuto da Sociedade Brasileira de Catálise

Estatuto da Sociedade Brasileira de Catálise 1 Estatuto da Sociedade Brasileira de Catálise CAPITULO I Da Associação Art. 1º. A Sociedade Brasileira de Catálise, doravante denominada apenas SBCat, fundada em 18 de setembro de 1997, é uma sociedade

Leia mais

ESTATUTO - SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL (SBFV) CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE DA ASSOCIAÇÃO E FUNCIONAMENTO.

ESTATUTO - SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL (SBFV) CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE DA ASSOCIAÇÃO E FUNCIONAMENTO. ESTATUTO - SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL (SBFV) CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE DA ASSOCIAÇÃO E FUNCIONAMENTO. Art. 1 - A SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL, fundada em

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA FACULDADE ESTÁCIO DO AMAPÁ ESTÁCIO AMAPÁ

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA FACULDADE ESTÁCIO DO AMAPÁ ESTÁCIO AMAPÁ REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA FACULDADE ESTÁCIO DO AMAPÁ ESTÁCIO AMAPÁ MACAPÁ-AP MARÇO DE 2015 0 CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º A COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO da Faculdade Estácio

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS. Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015.

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS. Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015. ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015 Página 1 de 15 CAPÍTULO I Princípios Gerais ARTIGO 1.º (Denominação, âmbito, sede, sigla

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE PSICOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE PSICOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ 1 ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE PSICOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAPÍTULO I DA FORMAÇÃO Art. 1 O CENTRO ACADÊMICO DE PSICOLOGIA (CAP-UFPR) é uma entidade civil, sem fins lucrativos, único

Leia mais

Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I

Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º-Designação O Clube Bonsai do Algarve, é um clube sem fins lucrativos, de duração ilimitada, e que se rege pelos presentes estatutos.

Leia mais

ANPUH ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓRIA SEÇÃO MATO GROSSO ESTATUTO DA SEÇÃO. CAPÍTULO I Natureza, Sede e Objetivos

ANPUH ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓRIA SEÇÃO MATO GROSSO ESTATUTO DA SEÇÃO. CAPÍTULO I Natureza, Sede e Objetivos ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓIRA SEÇÃO MATO GROSSO ANPUH ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓRIA SEÇÃO MATO GROSSO ESTATUTO DA SEÇÃO CAPÍTULO I Natureza, Sede e Objetivos Art. 1º - A Associação Nacional

Leia mais