CONJUNTURA AGRÍCOLA: RIO GRANDE DO NORTE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONJUNTURA AGRÍCOLA: RIO GRANDE DO NORTE"

Transcrição

1 CONJUNTURA AGRÍCOLA: RIO GRANDE DO NORTE Por: Luís Gonzaga Araújo e Costa - Conab-RN I - INTRODUÇÃO Dos nove estados nordestinos, pode-se considerar que o Rio Grande do Norte possui destacado potencial na área de recursos naturais, vocações econômicas e desenvolvimento agrícola, sobretudo na atividade da fruticultura irrigada (o RN conta com solos profundos e próprios para o cultivo de frutas, com destaque para o melão), pecuária, carcinicultura, piscicultura, apicultura e de produtos regionais, destacando-se a castanhade-caju e a cera de carnaúba. Não obstante, o Rio Grande do Norte que concentra mais de 90% do seu território dentro da região semiárida, conta, sistematicamente, com situações climáticas desfavoráveis, com baixos índices pluviométricos. Essa situação é responsável pela absorção dos tradicionais problemas econômicos e sociais inerentes aos estados da Região Nordeste. Por isso, no Rio Grande do Norte predomina a agricultura familiar, principalmente o cultivo dos produtos de sequeiro, com destaque para arroz, feijão, milho e sorgo, que, em função das limitações das chuvas, influencia de forma negativa o desenvolvimento dessas culturas, não permitindo que as lavouras alcancem índices aceitáveis de produtividade que possa viabilizar ao produtor rural remuneração compatível ao custo de produção. Essa posição é responsável pelo déficit anual de produção desses grãos em mais de 150%, exigindo que o Rio Grande do Norte importe, anualmente, expressivas quantidades de alimentos básicos para suprir a demanda de consumo. Além disso, nas duas últimas safras, o Rio Grande do Norte passou a conviver com uma nova conjuntura: excesso de chuvas. Este ano, a situação climática foi considerada atípica. As precipitações pluviométricas já atingiram mais de 40% acima da média histórica do Estado, refletindo significativamente na redução da safra das culturas de subsistência, principalmente o feijão e o milho. Entretanto, dentro contexto dos produtos regionais, sobressaem a castanha-decaju e a cera de carnaúba, cuja escala de produção e exportação tem colocado o Rio Grande do Norte em destaque no cenário nacional. Esses produtos têm grande aceitação pelo mercado internacional, já que mais de 80% da produção nacional é exportada. Além do interesse pela demanda externa por esses produtos, os agricultores e as indústrias de processamento contam, ainda, com o apoio governamental no suporte à comercialização junto ao mercado interno, através dos seguintes instrumentos: a) Política de Garantia de Preços Mínimos PGPM: castanha-de-caju, pó cerífero e cera de carnaúba e; b) Programa de Aquisição de Alimentos PAA: para castanha-de-caju.

2 II - CASTANHA-DE-CAJU O cajueiro adaptou-se muito bem às condições climáticas do litoral nordestino, destacando-se os Estados do Ceará, Piauí e Rio Grande do Norte que respondem por mais de 85% da produção nacional de castanha de caju in natura. A cajucultura tem elevada importância econômica e social para o Rio Grande do Norte, devido à maciça absorção de mão-de-obra nos pomares, durante o período de entressafra dos demais produtos agrícolas, e nas indústrias de processamento ao longo do ano, contribuindo para a geração de emprego e renda da população rural e urbana. A safra de castanha-de-caju do Rio Grande do Norte de 2008/2009, teve ligeira recuperação em relação à safra dos anos anteriores. A produção totalizou toneladas dados do IBGE. A estimativa para a safra deste ano (2009/2010), que vai de setembro a janeiro, está sendo esperada com otimismo em termos de crescimento da produção, pois as condições climáticas estão sendo favoráveis à cultura, o que leva o setor a ter boas perspectivas de aumento de produção. As avaliações preliminares indicam que a produção de castanha-de-caju deste ano deverá ser superior a toneladas, representando 6,1% de acréscimo em relação à safra do ano anterior. A área a ser colhida deverá crescer em torno de 1,%, representando hectares, com expectativa de aumento da produtividade média de 4,4%, passando para 380 kg/ha. CASTANHA DE CAJU: COMPARATIVO DE ÁREA E PRODUÇÃO SAFRA 2008/2009 E 2009/2010 Área (hectares) Produção (toneladas) ESTADO Var. 2008/ /10* 2008/ /10* Var. (%) (%) RN , ,1 (*) Estimativa Fonte: IBGE, EMATER, CONAB e setor da cajucultura. Elaboração: CONAB-RN Esse otimismo é notado em todas as áreas produtoras, sobretudo na Região de Serra do Mel, importante polo de produção, responsável por mais de 20% de toda a produção do Rio Grande do Norte. O município, além de contar com cooperativas e associações de produtores com atividade que vai desde da produção da castanha in natura até a exportação da amêndoa, conta, ainda, com aproximadamente 400 micros unidades de beneficiamento de castanha, que estão sincronizadas com os demais segmentos da cadeia produtiva da cultura. Os preços da castanha in natura recebidos pelos produtores durante o 1º semestre da safra passada, oscilaram entre R$ 0,90/kg a R$ 1,10/kg, chagando até a superar os preços mínimos estabelecidos pelo Governo Federal. A partir do segundo semestre, com a entrado do produto na nova safra, os preços mantiveram-se retraídos por longo período. Essa situação foi amenizada graças às ações executadas pela Conab, que desde de 2005, vem atuando com recursos oriundos do Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA, na operacionalização do Programa de Aquisição de Alimentos PAA, que tem como finalidade incentivar a produção da agricultura familiar, através dos seus instrumentos que permitem o desenvolvimento da cadeia produtiva. Em 2008, foram amparados 451 produtores familiares, com a Compra Direta da Agricultura Familiar CDAF e Formação de Estoque - CPR/Estoque, envolvendo 1.046

3 toneladas de castanha de caju in natura, ao preço de referência de R$ 1,20/kg para o tipo 1 e R$ 0,96/kg para o tipo 2, de acordo com a classificação oficial para efeito das operações de Compra Direta. Além disso, os produtores de castanha-de-caju contam com mais um apoio governamental que é o Programa de Garantia de Preços para Agricultura Familiar PGPAF - que tem como objetivo garantir a sustentação de preços dos produtos da agricultura familiar, com bônus de descontos aos mutuários de operações de crédito, permitindo cobrir os custos de produção. O preço de garantia estabelecido para 2009 é de R$ 1,25/kg. PAA - CASTANHA DE CAJU: OPERAÇÕES REALIZADAS EM 2008 OPERAÇÃO PRODUTORES QUANTIDADE VALOR DA ASSISTIDOS (kg) OPERAÇÃO (R$) Compra Direta ,61 Formação Estoque ,00 Fonte: Sureg-RN TOTAL ,61 Elaboração: Conab-RN Em função dos reflexos da crise financeira mundial e da cotação desfavorável do dólar, a partir de outubro/2008, iniciou-se a consequente retração nos preços de exportações pelo Rio Grande do Norte, afetando significativamente o setor da cajucultura. Apesar das exportações de 2008 (em US$) representarem 11,2% de acréscimo em relação ao ano de 2007, em termos quantitativos exportados, houve 11,5% de redução no mesmo período. Ainda se comparados com os quatro primeiros meses deste ano, os valores auferidos com as exportações caíram 15,5%, quando confrontados no mesmo período do ano de Mesmo assim, as exportações de castanha-de-caju representam mais de 10% do total dos demais produtos exportados pelo Rio Grande do Norte. O quadro a seguir, demonstra o comportamento das exportações feitas pelo Rio Grande do Norte nos anos de 2007 e 2008, e ainda o comparativo dos 4 primeiros meses de 2008 e CASTANHA DE CAJU: EXPORTAÇÕES PELO RIO GRANDE DO NORTE ANO/PERÍODO VALOR US$ VAR. QUANT. VAR. PART. FOB (%) (kg/líquido) (%) (%)* , , (11,5) 12,8 JAN/ABR ,3 JAN/ABR (15,5) (15,8) 14,8 ( *) representa a participação da exportação de castanha em relação aos demais produtos exportados pelo RN. Fonte: SECEX Elaboração: Conab/Sureg - RN.

4 III - CARNAÚBA A atividade extrativista da carnaúba continua com características primárias em seu processo produtivo. O extrativismo da carnaúba que, durante a década de 70, teve o auge da produção, continua, fundamentalmente, sendo desenvolvida por agricultores (arrendatários de áreas com carnaubais) de baixa renda, com reduzidos investimentos em evolução tecnológica, induzindo ao impedimento para o contínuo aumento da produção de pó cerífero e da cera. A cadeia produtiva da carnaúba está basicamente concentrada nos Estados do Piauí, Ceará e Rio Grande do Norte. No estado potiguar, a partir da década de 80, grande parte das áreas dos carnaubais foi substituída pelas seguintes atividades, entre outras: cerâmica, fruticultura e carcinicultura. Em função disso, nos últimos 10 (dez) anos, a produção nacional de cera de carnaúba não teve alterações significativas, situando-se na faixa de toneladas por safra, com maior participação do Estado do Ceará, que responde por quase 50% da produção. Essa produção é estimada com base na demanda externa, que absorve mais de 80% da safra, enquanto que para o consumo interno são demandadas, em média, toneladas/ano. O Estado do Ceará se destaca como o maior produtor e exportador brasileiro de cera de carnaúba. Isto é devido à concentração de um maior número de indústrias de processamento e tradicionais empresas exportadores, e ainda, em face das favoráveis condições portuárias, já que a maioria das exportações do produto originário de outros estados sai de seus portos, o que contabiliza grandes números para o Ceará. O pó cerífero, principal matéria-prima para o beneficiamento da cera, quando é extraído da parte central das folhas novas da carnaubeira, é denominado de pó de olho ou pó tipo A, que produz a cera clara, de cor amarelo-ouro, com valores comerciais elevados. Já o pó de palha ou pó tipo B é extraído de toda a extensão das folhas, produzindo a cera gorda, com coloração amarelo-alaranjada ou preto. O Estado do Piauí é o maior produtor nacional de pó cerífero. Entretanto, a maior parte da produção dessa matéria-prima é escoada para o Estado do Ceará, onde é feito o beneficiamento da cera. O Rio Grande do Norte fica como intermediário, cuja produção de pó e da cera de carnaúba tem sua importância econômica, já que mais de 80% da sua produção vai para o mercado externo. As folhas (fibras ou palhas) da carnaúba, cujo corte é realizado durante o período da safra, que vai de julho até dezembro de cada ano, produzem o pó cerífero que, industrializado, é transformado em cera, com inúmeras aplicações econômicas. Além disso, a fibra vem se constituindo como uma importante matéria-prima para a consolidação do mercado de produtos artesanais e outros fins, inclusive com eficiência na confecção de material isolante utilizado pela Petrobras no revestimento dos dutos condutores de vapor, protegendo-os dos agentes naturais (sol, chuva e vento) e

5 minimizando a perda de calor. Já a cera de carnaúba participa na formulação dos diversos produtos pelas indústrias farmacêuticas, cosméticas, fonográficas, de informática e na fabricação de produtos de limpeza, entre outros empregos industriais. PRODUÇÃO DE CERA DE CARNAÚBA BRASIL - SAFRA 2008 ESTADO QUANTIDADE PARTICIPAÇÃO (t) (%) Ceará ,0 Piauí ,0 Rio Grande do Norte ,0 TOTAL ,0 Fonte: Produtores de pó cerífero e indústrias processadoras de cera de carnaúba. Elaboração: Conab - RN Embora a cadeia econômica da produção de cera de carnaúba venha se mantendo em processo de decadência desde a década de 80, acentuando-se a partir de 1995, justamente quando o produto alcançou maiores preços, a atividade oriunda da extração da carnaúba ainda continua tendo relevante importância social para a economia do Rio Grande do Norte, gerando a ocupação, em toda cadeia produtiva, para mais de famílias de baixa renda. Essa mão-de-obra permanece no setor nos meses de julho a dezembro, justamente no período em que há grande carência de ocupação produtiva na agricultura familiar. Entretanto, observa-se que a produção de cera dos últimos quatro anos vem obtendo ligeira recuperação, conforme se verifica no quadro de suprimento a seguir. SUPRIMENTO DE CERA DE CARNAÚBA DE 2000 A 2008 (em t) - BRASIL Ano/Safra Estoque Inicial Produção Importação Suprimento Consumo Exportação Estoque Final , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,4 Fonte: Secex e Mercado - Elaboração: CONAB

6 No Rio Grande do Norte, Estado que responde por 10% da produção nacional de cera de carnaúba, nos últimos anos a produção vem se mantendo entre e toneladas/ano. Essa estimativa é feita, além da influência climática que poderá alterar a produção, com base na demanda externa, que absorve mais de 80% da safra. O consumo interno absorve em torno de 450 toneladas/ano. Como os dados de produção são historicamente estimados, e visando obter as informações mais acuradas, tornam-se necessárias várias gestões no sentido de quantificar a produção de pó cerífero e de cera de carnaúba, identificando, inclusive, as áreas (hectares) dos carnaubais em produção. COMPARATIVO DE PRODUÇÃO DE CERA DE CARNAÚBA - RN ANO BRASIL (t) RIO G. NORTE (t) PART. (%) , ,0 Fonte: Produtores de pó cerífero e indústrias processadoras de cera de carnaúba. Elaboração: Conab - RN Tem-se observado que a cada ano/safra o segmento produtivo dos derivados da carnaúba vem encontrando dificuldades para a sua manutenção, já que ainda não foi encontrado mecanismo que proporcione a revitalização da carnaúba no Rio Grande do Norte. Os altos custos de produção, sobretudo de mão-de-obra, e a baixa remuneração ao produtor, nos diferentes períodos (safra e entressafra), vêm desestimulando a extração do pó cerífero, desequilibrando o mercado, consequentemente, elevando a cotação da cera. Esse processo vem contribuindo para a baixa sustentabilidade do setor. De março a dezembro de 2008 o mercado de cera de carnaúba se comportou firme, já que os preços mantiveram-se em alta em função da elevada procura do produto pelos países importadores, cuja situação momentânea evitou colocar em risco a continuidade da atividade. Nos últimos meses, em função da crise financeira mundial, os preços declinaram. Por isso, os produtores reclamam que os preços mínimos oficiais fixados para as últimas safras não tem suprido os custos de produção, situando-se abaixo dos preços ofertados pelo mercado. COMPARATIVO DE PREÇOS: SAFRA 2008/2009 RIO GRANDE DO NORTE PRODUTO/TIPO PREÇO MÍNIMO RECEBIDO P/ PRODUTOR VARIAÇÃO (%) PÓ CERÍFERO - A* 4,00/kg 5,90/kg 47,5 CERA -1 e 2 40,3 Notas: a) Preços Mínimos válidos para safra 2008/2009; b) preço médio/ano recebido pelo produtor; c) variação do preço recebido pelo produtor em relação ao preço mínimo; (*): percentual de cera acima de 75% até 80%. Fonte: Mercado e Conab RN Elaboração: Conab - RN A cera de carnaúba continua presente na pauta de exportações do Rio Grande do Norte, ocupando a 18ª posição entre os produtos exportados. Por se tratar de produto essencialmente voltado para a exportação, o preço da cera de carnaúba recebido

7 pelo produtor está fortemente vinculado ao preço de venda para o mercado externo. Em 2007 as exportações atingiram US$ , representando valores econômicos acima da média dos últimos anos. Contudo, a influência da crise financeira mundial gerou retração nas exportações pelo Rio Grande do Norte a partir de setembro/2008, refletindo no mercado interno, já que os preços começaram a declinar. Como reflexo, as exportações pelo Estado do Rio Grande do Norte em 2008 apresentaram variações negativas de 23,3% em relação ao ano anterior. Essa situação persiste, já que as exportações feitas durante o período de janeiro a abril de 2009 foram 48,7% inferiores ao mesmo período de 2008, conforme demonstrado a seguir. EXPORTAÇÃO DE CERA DE CARNAÚBA: RIO GRANDE DO NORTE ANO/PERÍODO US$ FOB VAR. (%) Kg/líquido VAR. (%) (23,3) (37,2) JAN/ABR JAN/ABR (48,7) (37,0) Fonte: SECEX Elaboração: Conab - RN A partir de 2008, por decisão governamental, a atividade oriunda da extração da carnaúba, passou a compor o grupo de produtos extrativistas incluídos na pauta da Política de Garantia de Preços Mínimos PGPM, uma vez que a carnaúba é uma planta (espécie de palmeira) nativa da Região Nordeste do Brasil, com característica de exploração extrativista, que prescinde de adubação química, agrotóxicos e mecanização agrícola. Além disso, a partir deste ano, novas ações governamentais foram instituídas em benefício do produtor de pó cerífero: a) inclusão ao grupo de beneficiários nas operações de Aquisição do Governo Federal AGF e; b) Programa de Garantia de Preços para Agricultura Familiar PGPAF, estabelecendo o preço do produto em R$ 4,00/kg. Entretanto, permanece delicada a situação que passa a cadeia produtiva da carnaúba. Em recente discussão feita pelo setor, com o objetivo de identificar as principais limitações e oportunidades para o seu desenvolvimento, verificou-se a necessidade de: a) promover ações visando evitar que as áreas de carnaubais sejam dizimadas, sobretudo nas regiões dos vales onde há maior concentração da planta; b) possibilitar ao produtor de pó cerífero e da cera alternativas de mercados; c) intensificar as políticas de mercado para a ampliação do consumo interno; d) reivindicar melhoria das políticas públicas para dar sustentabilidade socioeconômica à cadeia; e) capacitar os produtores desde o corte da palha até a fabricação da cera de carnaúba; f) que seja disponibilizado recursos financeiros compatíveis com a necessidade da manutenção dos carnaubais; g) intensificar pesquisas voltadas à definição de variedades, tratos culturais, corte e beneficiamento e; h) intensificar o movimento de integração entre os elos da cadeia produtiva.

A MANDIOCA NA AGRICULTURA FAMILIAR

A MANDIOCA NA AGRICULTURA FAMILIAR A MANDIOCA NA AGRICULTURA FAMILIAR 13º CONGRESSO BRASILEIRO DE MANDIOCA Kelma Christina M. S. Cruz Botucatu/SP, 15 de julho de 2009 SISAN Alimentação Escolar PAA Política de Abastecimento Sociobio diversidade

Leia mais

Mais Crédito para a Produção de Alimentos Saudáveis. 30 Bilhões 2017/ Bilhões 2016/ ,9 Bilhões

Mais Crédito para a Produção de Alimentos Saudáveis. 30 Bilhões 2017/ Bilhões 2016/ ,9 Bilhões Mais Crédito para a Produção de Alimentos Saudáveis 30 Bilhões 2017/2018 30 Bilhões 2016/2017 28,9 Bilhões 2015/2016 FACILIDADES DO CRÉDITO RURAL DA CRESOL OS JUROS FORAM MANTIDOS Para diminuir o custo

Leia mais

Programa de Aquisição de Alimentos - PAA

Programa de Aquisição de Alimentos - PAA Programa de Aquisição de Alimentos - PAA Concepção do Programa Antecedentes Até 2002: poucas experiências de aquisição da agricultura familiar, desenvolvidas a nível ( escolar municipal e estadual (alimentação

Leia mais

PLANO SAFRA AMAZÔNIA

PLANO SAFRA AMAZÔNIA Ministério do Desenvolvimento Agrário Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária Incra PLANO SAFRA AMAZÔNIA Janeiro 2014 AMAZÔNIA LEGAL 771 MUNICÍPIOS 9 ESTADOS 61% DO TERRITÓRIO BRASILEIRO 5.217.423

Leia mais

O papel da AGRICULTURA FAMILIAR no

O papel da AGRICULTURA FAMILIAR no O papel da AGRICULTURA FAMILIAR no desenvolvimento do RS e do BRASIL Oportunidades de negócios para a Região Nordeste do Estado do Rio Grande do Sul Ministro Pepe Vargas Agricultura Familiar RS Receitas

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas Empreendedores Familiares Rurais

Balanço 2016 Perspectivas Empreendedores Familiares Rurais Empreendedores Familiares Rurais 159 160 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 NOVAS CONDIÇÕES PARA O CRÉDITO PODEM AMPLIAR A PRODUÇÃO DOS EMPREEN- DEDORES FAMILIARES RURAIS Mudanças nos limites

Leia mais

1- CENÁRIOS DO MERCADO E PREÇOS PARA SOJA, MILHO E TRIGO SAFRA 2014/15.

1- CENÁRIOS DO MERCADO E PREÇOS PARA SOJA, MILHO E TRIGO SAFRA 2014/15. 1- CENÁRIOS DO MERCADO E PREÇOS PARA SOJA, MILHO E TRIGO SAFRA 2014/15. 1.1 - SOJA No caso da soja a produção mundial nas últimas 2 safras aumentou em 17% e a produção prevista para 2014/15 pelo Departamento

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas 2017

Balanço 2016 Perspectivas 2017 2203 Valor Bruto da Produção (VBP) 23 24 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 AGRICULTURA PUXA CRESCIMENTO DO VBP EM 2017 O cenário econômico internacional será o responsável pelo comportamento

Leia mais

Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro

Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Equipe Técnica Kennya Beatriz Siqueira - Pesquisadora Embrapa Gado de Leite Alziro Vasconcelos Carneiro - Analista Embrapa Gado de

Leia mais

NOTA TÉCNICA N 01/2012

NOTA TÉCNICA N 01/2012 NOTA TÉCNICA N 01/2012 SAFRA 2011/2012 3º LEVANTAMENTO DO CONSELHO TÉCNICO DA AIBA Barreiras (BA), 25 de Abril de 2012 Entidades Participantes: AIBA, ABAPA, ABACAFÉ, AEAB, Banco do Brasil, Banco HSBC,

Leia mais

Ação de Distribuição de Alimentos a Grupos Populacionais Específicos

Ação de Distribuição de Alimentos a Grupos Populacionais Específicos Ação de Distribuição de Alimentos a Grupos Populacionais Específicos Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Introdução O Governo Federal procura assegurar o direito humano à alimentação

Leia mais

Como acessar. Crédito Rural. Banco do Brasil. seu

Como acessar. Crédito Rural. Banco do Brasil. seu Como acessar seu Crédito Rural no Banco do Brasil Produtor Familiar Documentos necessários Produtor Familiar Documentação necessária: - Documento de Identidade e CPF; - DAP Declaração de Aptidão ao Pronaf;

Leia mais

Produção integrada de alimento, meio ambiente e energia. Miqueli Sturbelle Schiavon

Produção integrada de alimento, meio ambiente e energia. Miqueli Sturbelle Schiavon Produção integrada de alimento, meio ambiente e energia Miqueli Sturbelle Schiavon A energia e a Humanidade Recursos e Consumo e de Energia na Terra Reservas mundiais de gás natural Reservas mundiais

Leia mais

CIP-Brasil. Catalogação-na-publicação. Embrapa Gado de Leite

CIP-Brasil. Catalogação-na-publicação. Embrapa Gado de Leite Ano 7, n. 52 - Junho/2016 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 - Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7400 Fax: (32) 3311-7424 www.embrapa.br www.embrapa.br/fale-conosco/sac

Leia mais

CIP-Brasil. Catalogação-na-publicação. Embrapa Gado de Leite

CIP-Brasil. Catalogação-na-publicação. Embrapa Gado de Leite Ano 7, n. 56 - Outubro/2016 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 - Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7400 Fax: (32) 3311-7424 www.embrapa.br www.embrapa.br/fale-conosco/sac

Leia mais

Feijão, manteiga e leite elevam o custo da cesta básica

Feijão, manteiga e leite elevam o custo da cesta básica 1 São Paulo, 06 de julho de 2016 NOTA À IMPRENSA Feijão, manteiga e leite elevam o custo da cesta básica Em junho, o custo do conjunto de alimentos básicos aumentou em 26 das 27 capitais do Brasil, de

Leia mais

B é o Bônus de desconto na Unidade da Federação "i"; P é o Preço de Mercado do milho, leite, feijão ou mandioca apurado na Unidade da Federação

B é o Bônus de desconto na Unidade da Federação i; P é o Preço de Mercado do milho, leite, feijão ou mandioca apurado na Unidade da Federação TÍTULO : CRÉDITO RURAL CAPÍTULO : Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) - 10 SEÇÃO : Programa de Garantia de Preços para Agricultura Familiar (PGPAF) - 15 1 - As instituições

Leia mais

BOLETIM DO MILHO Nº 13

BOLETIM DO MILHO Nº 13 BOLETIM DO MILHO Nº 13 COMERCIALIZAÇÃO O acompanhamento semanal de safras do DERAL indica que foram comercializadas, no Paraná, até o momento, 10,4 milhões de toneladas de milho, o que representa 73% da

Leia mais

PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO PAP 2016/17 ANÁLISE DAS MEDIDAS ANUNCIADAS EM 04 DE MAIO DE 2016

PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO PAP 2016/17 ANÁLISE DAS MEDIDAS ANUNCIADAS EM 04 DE MAIO DE 2016 PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO PAP 2016/17 ANÁLISE DAS MEDIDAS ANUNCIADAS EM 04 DE MAIO DE 2016 I - Medidas Anunciadas 1. Montante de Recursos Aumento de 8% no total de recursos do crédito rural, passando para

Leia mais

Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 1 CONAB Empresa Pública vinculada ao. Se originou da fusão de 3 Empresas Públicas, CFP, COBAL e CIBRAZEM, que atuavam em áreas distintas e complementares, fomento à produção agrícola, abastecimento e armazenagem,

Leia mais

Alta no custo da cesta chega a 10,49%

Alta no custo da cesta chega a 10,49% 1 São Paulo, 07 de abril de 2010. NOTA À IMPRENSA Alta no custo da cesta chega a 10,49% Todas as 17 capitais brasileiras onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos

Leia mais

Valor da cesta básica aumenta em todas as capitais em 2016

Valor da cesta básica aumenta em todas as capitais em 2016 São Paulo, 04 de janeiro de 2017 NOTA À IMPRENSA Valor da cesta básica aumenta em todas as capitais em 2016 Em 2016, o valor acumulado da cesta básica aumentou nas 27 capitais do país, onde o DIEESE -

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ALGODÃO DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ALGODÃO DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ALGODÃO DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário 2009/2010

Plano Agrícola e Pecuário 2009/2010 Plano Agrícola e Pecuário 2009/2010 EDILSON GUIMARÃES Secretário de Política Agrícola Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 26 de junho de 2009 Principais Objetivos do PAP 2009-2010 Aumentar

Leia mais

MUDANÇAS NO PRONAF. 1. Enquadramento no Pronaf. - assentados da Reforma Agrária e beneficiários do Crédito Fundiário que

MUDANÇAS NO PRONAF. 1. Enquadramento no Pronaf. - assentados da Reforma Agrária e beneficiários do Crédito Fundiário que MUDANÇAS NO PRONAF O Banco Central publicou, em 28 de março de 2008, a Resolução No. 3.559 promovendo alterações no Capítulo 10 do MCR Manual de Crédito Rural, que trata do PRONAF Programa Nacional de

Leia mais

Custo da Cesta Básica oscila nas capitais do Brasil

Custo da Cesta Básica oscila nas capitais do Brasil 1 Curitiba, 14 de março de 2016. NOTA À IMPRENSA Custo da Cesta Básica oscila nas capitais do Brasil Em fevereiro de 2016, o custo do conjunto de alimentos básicos aumentou em 13 capitais do Brasil e diminuiu

Leia mais

SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL

SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL AGRICULTURA NA ECONOMIA BRASILEIRA REPRESENTA 28% PIB EMPREGA 37% DOS TRABALHADORES GERA 44% DAS EXPORTAÇÕES PRINCIPAIS CULTURAS BRASILEIRAS: SOJA, MILHO, ALGODÃO,

Leia mais

Preço da carne sobe em todas as capitais

Preço da carne sobe em todas as capitais 1 São Paulo, 07 de outubro de 2014. NOTA À IMPRENSA Preço da carne sobe em todas as capitais Em setembro, os preços do conjunto de bens alimentícios essenciais diminuíram em 11 das 18 cidades onde o DIEESE

Leia mais

Valor da cesta básica aumenta em 17 capitais em 2014

Valor da cesta básica aumenta em 17 capitais em 2014 1 São Paulo, 09 de janeiro de 2015. NOTA À IMPRENSA Valor da cesta básica aumenta em 17 capitais em 2014 Em 2014, o valor acumulado da cesta básica aumentou em 17 das 18 capitais onde o DIEESE - Departamento

Leia mais

Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos

Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos Escritório Regional da Bahia Rua do Cabral, 15 - Nazaré CEP 40.055.010 Salvador Bahia Telefone: (71) 3242-7880 Fax: (71) 3326-9840 E-mail: erba@dieese.org.br Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos

Leia mais

Associação Brasileira dos Produtores de Soja

Associação Brasileira dos Produtores de Soja Associação Brasileira dos Produtores de Soja 1. PREVISÃO DE SAFRA E DESTINAÇÃO De acordo com o 7 Levantamento de safra 2015/16, publicado em abril pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), a área

Leia mais

Agricultura Brasileira 1 9 / 0 8 /

Agricultura Brasileira 1 9 / 0 8 / Agricultura Brasileira 1 9 / 0 8 / 2 0 1 5 Sistemas Agrícolas Intensivo: Maior importância à mecanização e/ou trabalho Altos índices de produtividade Natureza deixada em segundo plano Extensivo: Elementos

Leia mais

TRIGO Período de 03 a 07/08/2015

TRIGO Período de 03 a 07/08/2015 TRIGO Período de 03 a 07/08/205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço PR 60 kg 34,43 34,35 34,42 34,30 Semana Atual Preço

Leia mais

Custo da Cesta básica tem comportamento diferenciado nas capitais pesquisadas

Custo da Cesta básica tem comportamento diferenciado nas capitais pesquisadas 1 São Paulo, 04 de novembro de 2015. NOTA à IMPRENSA Custo da Cesta básica tem comportamento diferenciado nas capitais pesquisadas Em outubro, entre as 18 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical

Leia mais

Pelo segundo mês consecutivo, feijão, manteiga e leite elevam o custo da cesta básica

Pelo segundo mês consecutivo, feijão, manteiga e leite elevam o custo da cesta básica 1 São Paulo, 04 de agosto de 2016 NOTA À IMPRENSA Pelo segundo mês consecutivo, feijão, manteiga e leite elevam o custo da cesta básica O custo do conjunto de alimentos básicos aumentou em 22 das 27 capitais

Leia mais

Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 2,14% em dezembro

Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 2,14% em dezembro Porto Alegre, 04 de janeiro de 2017 Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 2,14% em dezembro NOTA À IMPRENSA Em dezembro de 2016, a Cesta Básica de Porto Alegre calculada pelo DIEESE registrou

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DO MERCADO CAPIXABA DE PRODUTOS DE MADEIRA DE ORIGEM NATIVA

DIMENSIONAMENTO DO MERCADO CAPIXABA DE PRODUTOS DE MADEIRA DE ORIGEM NATIVA DIMENSIONAMENTO DO MERCADO CAPIXABA DE PRODUTOS DE MADEIRA DE ORIGEM NATIVA Documento Síntese Coordenação Apoio Vitória ES 2015 1 DIMENSIONAMENTO DO MERCADO CAPIXABA DE PRODUTOS DE MADEIRA DE ORIGEM NATIVA

Leia mais

TÉCNICO EM AGRONEGÓCIO AGRICULTURA I IFSC CÂMPUS LAGES CULTURA DO FEIJÃO

TÉCNICO EM AGRONEGÓCIO AGRICULTURA I IFSC CÂMPUS LAGES CULTURA DO FEIJÃO TÉCNICO EM AGRONEGÓCIO AGRICULTURA I IFSC CÂMPUS LAGES CULTURA DO FEIJÃO 1. IMPORTÂNCIA ECONÔMICA No mercado mundial de feijão circulam, anualmente, cerca de 24 milhões de toneladas da leguminosa. O

Leia mais

SOBRE COMERCIALIZAÇÃO DE ARROZ

SOBRE COMERCIALIZAÇÃO DE ARROZ CICLO DE PALESTRAS E DEBATES SOBRE COMERCIALIZAÇÃO DE ARROZ E TRIGO NO BRASIL Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado Federal Flávio Turra Gerente Técnico e Econômico da Ocepar fturra@ocepar.org.br

Leia mais

Concentração fundiária brasileira Passado histórico colonial. Lei de terras de 1850 (estabelecia a compra como a única forma de acesso à terra). Forte

Concentração fundiária brasileira Passado histórico colonial. Lei de terras de 1850 (estabelecia a compra como a única forma de acesso à terra). Forte AGRICULTURA BRASILEIRA Concentração fundiária Relações de trabalho no campo A fronteira agrícola Principais produtos agrícolas Concentração fundiária brasileira Passado histórico colonial. Lei de terras

Leia mais

SEMINÁRIO DESENVOLVIMENTO GLOBAL ATRAVÉS DA TRANSFORMAÇÃO ECÔNOMICA E CRIAÇÃO DE EMPREGOS

SEMINÁRIO DESENVOLVIMENTO GLOBAL ATRAVÉS DA TRANSFORMAÇÃO ECÔNOMICA E CRIAÇÃO DE EMPREGOS SEMINÁRIO DESENVOLVIMENTO GLOBAL ATRAVÉS DA TRANSFORMAÇÃO ECÔNOMICA E CRIAÇÃO DE EMPREGOS AGRICULTURA COMERCIAL E A REDUÇÃO DA POBREZA AÇÕES DO GOVERNO PARA ASCENSÃO DE 30 MILHÕES DE BRASILEIROS ACIMA

Leia mais

Brasil Sem Miséria RURAL

Brasil Sem Miséria RURAL Brasil Sem Miséria RURAL O desafio de acabar com a miséria Nos últimos anos, 28 milhões de brasileiros superaram a pobreza; Apesar disso, ainda há 16 milhões de pessoas extremamente pobres no Brasil; Para

Leia mais

Cesta básica sobe em todas as capitais

Cesta básica sobe em todas as capitais 1 São Paulo, 04 de setembro de 2007. NOTA À IMPRENSA Cesta básica sobe em todas as capitais Todas as 16 capitais onde o DIEESE Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos realiza

Leia mais

População mundial crescerá 34% até 2050.

População mundial crescerá 34% até 2050. Agronegócio no Mundo Protagonista no Cenário Mundial População mundial crescerá 34% até 2050. 10.000 9.000 8.000 7.000 6.000 5.000 4.000 3.000 2.000 1.000-9.150 7.670 6.830 195 210 219 2009 2020 2050 Mundo

Leia mais

Pelo segundo mês consecutivo, valor da cesta básica recua em todas as capitais

Pelo segundo mês consecutivo, valor da cesta básica recua em todas as capitais 1 São Paulo, 04 de setembro de 2014 NOTA À IMPRENSA Pelo segundo mês consecutivo, valor da cesta básica recua em todas as capitais Em agosto, os preços do conjunto de bens alimentícios essenciais diminuíram

Leia mais

Cesta Básica Boletim Março 2013

Cesta Básica Boletim Março 2013 Cesta Básica Boletim Março 2013 O custo da cesta básica na cidade de Ilhéus diminuiu (-1,37%), de R$264,83 em fevereiro passou para R$261,20 em março (Tabela 1). A redução de (-7,41%) no preço do tomate

Leia mais

Insumos Agropecuários: Fertilizantes. Cadeias Produtivas Agrícolas

Insumos Agropecuários: Fertilizantes. Cadeias Produtivas Agrícolas Insumos Agropecuários: Fertilizantes Cadeias Produtivas Agrícolas Insumos Agropecuários Segundo dados da Associação Nacional dos Distribuidores de Insumos Agrícolas e Veterinários, o mercado distribuidor

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR PRONAF

PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR PRONAF C. S. Tecnologia do Agronegócio 3º Semestre PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR PRONAF Acadêmicos: Bruno Farias, Clodinei Uria,Mauricio, Renan Fontoura, Milton Fábrica, Ricardo

Leia mais

Biodiesel no Brasil. Ricardo Borges Gomide. Departamento de Combustíveis Renováveis

Biodiesel no Brasil. Ricardo Borges Gomide. Departamento de Combustíveis Renováveis Biodiesel no Brasil Ricardo Borges Gomide Departamento de Combustíveis Renováveis São Paulo, 18.11.2011 Papel do Biodiesel 2 Biodiesel como mais um Energético na Matriz 3 Concorre com outros produtos e

Leia mais

Produção de sementes Espaçamento entre as linhas (cm)

Produção de sementes Espaçamento entre as linhas (cm) Adubação Verde ADUBAÇÃO VERDE O que é adubação verde Consiste no cultivo e na incorporação ao solo de plantas (principalmente as leguminosas) que contribuem para a melhoria das condições físicas, químicas

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário, safra 2016/17 Medidas anunciadas em 04 de maio de 2016

Plano Agrícola e Pecuário, safra 2016/17 Medidas anunciadas em 04 de maio de 2016 O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) divulgou hoje (04/05), as novas regras de política agrícola para a safra 2016/17. Segue breve resumo das principais medidas: 1. Montante de

Leia mais

Cesta básica aumenta em quase todas as capitais

Cesta básica aumenta em quase todas as capitais 1 São Paulo, 06 de fevereiro de 2015. NOTA À IMPRENSA Cesta básica aumenta em quase todas as capitais O conjunto dos gêneros alimentícios registrou alta em 17 das 18 capitais onde o DIEESE - Departamento

Leia mais

AGRONEGÓCIO. Agricultura Pecuária. Dentro da Porteira. Depois da Porteira. Antes da Porteira. Do Plantio à Colheita

AGRONEGÓCIO. Agricultura Pecuária. Dentro da Porteira. Depois da Porteira. Antes da Porteira. Do Plantio à Colheita SEGUROS RURAIS Antes da Porteira AGRONEGÓCIO Agricultura Pecuária Dentro da Porteira EVENTOS CLIMÁTICOS PREJUDICAM TODA A CADEIA Depois da Porteira Do Plantio à Colheita Safra Agrícola 2014 / 2015 VISÃO

Leia mais

A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo;

A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo; A agricultura A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo; Paisagem agrária: É a forma de cultivo e a divisão dos campos; É condicionada por

Leia mais

Perfil Territorial. Sertão Do Apodi - RN. Desenvolvimento Territorial. Dados Básicos do Território

Perfil Territorial. Sertão Do Apodi - RN. Desenvolvimento Territorial. Dados Básicos do Território Sertão Do Apodi - RN O Território da Cidadania Sertão Do Apodi - RN está localizado na região Nordeste e é composto por 17 municípios: Apodi, Augusto Severo, Caraúbas, Felipe Guerra, Governador Dix-Sept

Leia mais

Os preços médios da soja pago aos produtores familiares pelas cooperativas

Os preços médios da soja pago aos produtores familiares pelas cooperativas Soja Os preços médios da soja pago aos produtores familiares pelas cooperativas apresentaram queda no primeiro mês de 2014, como mostra a Tabela 1. O estado de Minas Gerais foi o único que apresentou variação

Leia mais

Custo da cesta básica sobe em 20 capitais

Custo da cesta básica sobe em 20 capitais 1 São Paulo, 6 de abril de 2017 NOTA À IMPRENSA Custo da cesta básica sobe em 20 capitais Em março, o custo do conjunto de alimentos essenciais aumentou em 20 das 27 capitais brasileiros, segundo dados

Leia mais

Custo da Cesta Básica aumenta em 17 cidades

Custo da Cesta Básica aumenta em 17 cidades 1 São Paulo, 06 de junho de 2016. NOTA À IMPRENSA Custo da Cesta Básica aumenta em 17 cidades Em maio, houve elevação do custo do conjunto de alimentos básicos em 17 das 27 capitais brasileiras, de acordo

Leia mais

Exercícios Revolução Verde

Exercícios Revolução Verde Exercícios Revolução Verde 1. Considerando os conhecimentos sobre o espaço agrário brasileiro e os dados apresentados no gráfico, é correto afirmar que, no período indicado, *Soja, Trigo, Milho, Arroz

Leia mais

ARRANJOS ESPACIAIS NO CONSÓRCIO DA MANDIOCA COM MILHO E CAUPI EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, BAHIA INTRODUÇÃO

ARRANJOS ESPACIAIS NO CONSÓRCIO DA MANDIOCA COM MILHO E CAUPI EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, BAHIA INTRODUÇÃO ARRANJOS ESPACIAIS NO CONSÓRCIO DA MANDIOCA COM MILHO E CAUPI EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, BAHIA JAEVESON DA SILVA 1, JOSÉ RAIMUNDO FERREIRA FILHO 2 1 Eng. Agr., DSc., Pesquisador da Embrapa Mandioca

Leia mais

BRASIL: ESPAÇO AGRÁRIO E PROBLEMAS SÓCIOAMBIENTAIS

BRASIL: ESPAÇO AGRÁRIO E PROBLEMAS SÓCIOAMBIENTAIS BRASIL: ESPAÇO AGRÁRIO E PROBLEMAS SÓCIOAMBIENTAIS AGRICULTURA: HISTÓRICO Os primeiros camponeses (habitantes do campo) foram caçadores e coletores, ou seja, eram somente extrativistas: retiravam os alimentos

Leia mais

PRÁTICAS AGRONÔMICAS PARA AUMENTAR A PRODUÇÃO DE CAJU: ESTUDO DE CASO DO GANA

PRÁTICAS AGRONÔMICAS PARA AUMENTAR A PRODUÇÃO DE CAJU: ESTUDO DE CASO DO GANA PRÁTICAS AGRONÔMICAS PARA AUMENTAR A PRODUÇÃO DE CAJU: ESTUDO DE CASO DO GANA SETH OSEI-AKOTO DIRETÓRIO DE SERVIÇOS DA COLHEITA MINISTÉRIO DOS ALIMENTOS E DA AGRICULTURA GANA E-mail: oakoto2012@gmail.com

Leia mais

As estimativas preliminares da FEE para o ano de 2001 no Estado indicam

As estimativas preliminares da FEE para o ano de 2001 no Estado indicam . AS COI^ÍTAS REGIOXAIS A economia gaúcha em 2001: terceiro ano consecutivo de crescimento* Adalberto A. Mala Neto** As estimativas preliminares da FEE para o ano de 2001 no Estado indicam um crescimento

Leia mais

O PNPB e a Organização da Produção de Biodiesel

O PNPB e a Organização da Produção de Biodiesel O PNPB e a Organização da Produção de Biodiesel Renata Lèbre La Rovere GEI/IE/UFRJ Selena Herrera LIMA/COPPE/UFRJ 1 O Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel - PNPB BIODIESEL: combustível produzido

Leia mais

Influência da Safrinha na Eficiência de Produção do Milho no Brasil

Influência da Safrinha na Eficiência de Produção do Milho no Brasil XXX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO SALVADOR 5 DE AGOSTO DE 2014 Influência da Safrinha na Eficiência de Produção do Milho no Brasil Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) Influência

Leia mais

A política agrícola para a safra 1988/89. ElvinM. Fauth

A política agrícola para a safra 1988/89. ElvinM. Fauth 33 A política agrícola para a safra 1988/89 ElvinM. Fauth Após uma longa e difícil negociação entre os Ministérios da Agricultura, da Fazenda e do Planejamento durante praticamente todo o mês julho e parte

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil O DESAFIO DO PAÍS NA ABORDAGEM DO BINÔMIO ÁGUA E ALIMENTO João Martins da Silva Junior Presidente da CNA Fatores que influenciam na produção de alimentos

Leia mais

Expansão industrial e maior oferta de raiz sustentam produção recorde de fécula em 2015

Expansão industrial e maior oferta de raiz sustentam produção recorde de fécula em 2015 Expansão industrial e maior oferta de raiz sustentam produção recorde de fécula em 2015 Quantidade de fécula produzida cresceu 17% e superou 750 mil toneladas em 2015 A produção brasileira de fécula cresceu

Leia mais

Cesta básica aumenta em todas capitais em 2012

Cesta básica aumenta em todas capitais em 2012 1 São Paulo, 07 de janeiro de 2013. NOTA À IMPRENSA Cesta básica aumenta em todas capitais em 2012 Em 2012 os preços da cesta básica apresentaram alta em todas 17 capitais onde o DIEESE - Departamento

Leia mais

MAIORIA DAS CAPITAIS TEM REDUÇÃO NO CUSTO DA CESTA BÁSICA

MAIORIA DAS CAPITAIS TEM REDUÇÃO NO CUSTO DA CESTA BÁSICA NOTA À IMPRENSA São Paulo, 04 de julho de 2005. MAIORIA DAS CAPITAIS TEM REDUÇÃO NO CUSTO DA CESTA BÁSICA Diferentemente de maio, quando todas as 16 capitais onde o DIEESE Departamento Intersindical de

Leia mais

Boletim de preços de produtos agropecuários e florestais do Estado do Acre

Boletim de preços de produtos agropecuários e florestais do Estado do Acre Laranja: Acre importa cerca de 400 toneladas por ano. Mercado local consome mais laranja do que o Estado produz. Esta edição do boletim de preços traz uma análise sobre a produção de laranja no Acre. Os

Leia mais

Santa Maria - RS. Fonte : IBGE

Santa Maria - RS. Fonte : IBGE Santa Maria - RS Atualmente são 5.435 municípios existentes no Brasil;. Santa Maria: 5º município em população dos 497 municípios do RS; Possui 261.027 habitantes; Entre 2000 e 2010, a população aumentou

Leia mais

Setembro/2007 MACROECONOMIA, POLÍTICA, SETORIAL E PROJETOS

Setembro/2007 MACROECONOMIA, POLÍTICA, SETORIAL E PROJETOS Setembro/2007 ! " # $ % " &'( " % # ) % * ) + ",, % ) -.,, + -! 2.0% 1.8% 1.6% 1.4% 1.2% 1.0% 0.8% 0.6% 0.4% 0.2% 0.0% / Dow Jones S&P 500 Jan-07 Jan-07 Jan-07 Feb-07 Feb-07 Mar-07 Mar-07 Apr-07 Apr-07

Leia mais

POLÍTICA DE GARANTIA DE PREÇOS MÍNIMOS PARA A CERA DE CARNAÚBA: comparação entre preços mínimos e preços de mercado das safras de 2003/ /2012

POLÍTICA DE GARANTIA DE PREÇOS MÍNIMOS PARA A CERA DE CARNAÚBA: comparação entre preços mínimos e preços de mercado das safras de 2003/ /2012 111 POLÍTICA DE GARANTIA DE PREÇOS MÍNIMOS PARA A CERA DE CARNAÚBA: comparação entre preços mínimos e preços de mercado das safras de 2003/2004-2011/2012 Por Vera Lúcia dos Santos Costa*, ** *** : O objetivo

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas Pecuária de Leite

Balanço 2016 Perspectivas Pecuária de Leite Pecuária de Leite 121 122 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 TENDÊNCIA MUNDIAL É DE QUEDA NA PRODUÇÃO, MAS BRASIL PODE SER EXCEÇÃO NESTE CENÁRIO A baixa demanda de importantes países importadores

Leia mais

ATER em Feijão e Milho desenvolvida no Estado do Paraná. Germano do R. F. Kusdra Eng. Agrônomo Emater

ATER em Feijão e Milho desenvolvida no Estado do Paraná. Germano do R. F. Kusdra Eng. Agrônomo Emater ATER em Feijão e Milho desenvolvida no Estado do Paraná Germano do R. F. Kusdra Eng. Agrônomo Emater germano@emater.pr.gov.br PROJETO CENTRO-SUL DE FEIJÃO E MILHO O Instituto EMATER, ao longo de sua existência,

Leia mais

Fechamento dos Mercados Segunda-feira 07/11/16 granoeste.com.br (45) Atual Ant. Dif.

Fechamento dos Mercados Segunda-feira 07/11/16 granoeste.com.br (45) Atual Ant. Dif. COMPLEXO SOJA CBOT - Soja (U$/Bushel = 27,216) Máx Min NOV 989,25 981,50 7,75 992,00 981,75 JAN 998,50 990,75 7,75 1.001,75 990,00 MAR 1005,50 997,25 8,25 1.007,75 996,25 MAI 1012,25 1004,00 8,25 1.014,25

Leia mais

Perspec8vas para a agropecuária brasileira para os próximos cinco anos

Perspec8vas para a agropecuária brasileira para os próximos cinco anos www.imea.com.br Perspec8vas para a agropecuária brasileira para os próximos cinco anos Daniel Latorraca Superintendente Agenda Visão da cadeia de grãos nos últimos 10 anos Visão da pecuária nos últimos

Leia mais

CRÉDITO RURAL PRINCÍPIOS E APLICAÇÃO NO BRASIL

CRÉDITO RURAL PRINCÍPIOS E APLICAÇÃO NO BRASIL CRÉDITO RURAL PRINCÍPIOS E APLICAÇÃO NO BRASIL Crédito Rural Conceito Suprimento de recursos financeiros pelo SNCR, para aplicação exclusiva nas finalidades e condições do MCR (MCR 1-1) Elemento unificador

Leia mais

Políticas brasileiras de segurança alimentar e nutricional: compras públicas da agricultura familiar

Políticas brasileiras de segurança alimentar e nutricional: compras públicas da agricultura familiar Políticas brasileiras de segurança alimentar e nutricional: compras públicas da agricultura familiar Tópicos de abordagem Políticas públicas para a agricultura familiar Contexto e criação dos instrumentos

Leia mais

Cenário e a gestão do produtor em tempos de crise. Fernando Lobo Pimentel Eng. Agrônomo e Advogado

Cenário e a gestão do produtor em tempos de crise. Fernando Lobo Pimentel Eng. Agrônomo e Advogado Cenário e a gestão do produtor em tempos de crise Fernando Lobo Pimentel Eng. Agrônomo e Advogado Agenda Cenário macroeconômico Internacional Doméstico Mercado agrícola Soja e milho Status da Safra Atual

Leia mais

CONJUNTURA MENSAL MAIO

CONJUNTURA MENSAL MAIO SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA MENSAL MAIO ANO 1 Nº1 O mercado de soja tem observado movimentação de queda em seus preços, decorrente principalmente das evoluções no lado da oferta, tanto em âmbito nacional

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DE MONITORAMENTO DE TEMPO E CLIMA PARA A AGRICULTURA NO RIO GRANDE DO SUL

FÓRUM PERMANENTE DE MONITORAMENTO DE TEMPO E CLIMA PARA A AGRICULTURA NO RIO GRANDE DO SUL 1 de 6 FÓRUM PERMANENTE DE MONITORAMENTO DE TEMPO E CLIMA PARA A AGRICULTURA NO RIO GRANDE DO SUL XVIII REUNIÃO TÉCNICA 08 DE AGOSTO DE 2001 O Fórum Permanente de Monitoramento de Tempo e Clima para a

Leia mais

Desafios da educação profissional. Otávio Celidonio

Desafios da educação profissional. Otávio Celidonio Desafios da educação profissional Otávio Celidonio O FUTURO DO AGRO BILHÕES DE PESSOAS 9,73 De 2016 a 2050 estima-se que a população mundial crescerá 31%. 6,34 3,21 MUNDIAL URBANA RURA L Fonte: FAO O FUTURO

Leia mais

Dlt Dalton Carlos Heringer CEO e Membro do Conselho. Diretor de Controladoria e de Relações com Investidores. 12 de Março de 2009

Dlt Dalton Carlos Heringer CEO e Membro do Conselho. Diretor de Controladoria e de Relações com Investidores. 12 de Março de 2009 Visão Geral Da Companhia Dlt Dalton Carlos Heringer CEO e Membro do Conselho Wilson Rio Mardonado d Diretor de Controladoria e de Relações com Investidores 12 de Março de 2009 Mercado Mundial de Fertilizantes

Leia mais

Custo da Cesta Básica tem comportamento diferenciado nas capitais pesquisadas

Custo da Cesta Básica tem comportamento diferenciado nas capitais pesquisadas 1 São Paulo, 06 de outubro de 2016 NOTA À IMPRENSA Custo da Cesta Básica tem comportamento diferenciado nas capitais pesquisadas Em setembro, o custo do conjunto de alimentos básicos apresentou comportamento

Leia mais

Boletim de preços de produtos agropecuários e florestais do Estado do Acre

Boletim de preços de produtos agropecuários e florestais do Estado do Acre Acre: produção de milho aumenta 11% em relação à safra anterior A safra 2013 de milho no Acre registrou crescimento na quantidade produzida, 11%, e na área plantada, 5% em relação a 2012. No total, foram

Leia mais

Protótipos para o Desenvolvimento Sustentável

Protótipos para o Desenvolvimento Sustentável Protótipos para o Desenvolvimento Sustentável Escopo do Trabalho 5 áreas econômicas enfocadas Perspectivas da Consultoria Análise sugestiva de vocações econômicas Etapas e Forma de Atuação Pesquisa, visitações,

Leia mais

Nove capitais têm queda no preço da cesta

Nove capitais têm queda no preço da cesta 1 São Paulo, 04 de setembro de 2009. NOTA À IMPRENSA Nove capitais têm queda no preço da cesta Nove capitais brasileiras seis delas do Nordeste registraram, em agosto, retração no custo da cesta básica,

Leia mais

Custo da cesta básica aumenta na maior parte das capitais do Brasil

Custo da cesta básica aumenta na maior parte das capitais do Brasil 1 São Paulo, 9 de setembro de 2016 NOTA À IMPRENSA Custo da cesta básica aumenta na maior parte das capitais do Brasil Em agosto, houve aumento no custo do conjunto de alimentos básicos em 18 das 27 capitais

Leia mais

Ocupação do Espaço Agropecuário no Cerrado Brasileiro

Ocupação do Espaço Agropecuário no Cerrado Brasileiro Ocupação do Espaço Agropecuário no Cerrado Brasileiro Roberta Dalla Porta Gründling, MSc. NESPRO; EMBRAPA Júlio Otávio Jardim Barcellos, DSc. NESPRO; UFRGS Introdução Rebanho Bovino Brasileiro Uso Agrícola

Leia mais

ADM. Archer Daniels Midland. Valmor Schaffer. 03 de Agosto de 2015

ADM. Archer Daniels Midland. Valmor Schaffer. 03 de Agosto de 2015 ADM Archer Daniels Midland Valmor Schaffer 03 de Agosto de 2015 EUA Brasil Argentina China India Outros EUA China Brasil UE Ucrânia Outros Brasil se destaca entre os maiores produtores mundiais de grãos

Leia mais

Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016

Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016 Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016 ECONOMIA SEGUE PARALISADA PAIS NÃO ENFRENTOU SUAS DIFICULDADES DE FORMA ADEQUADA AMBIENTE AFETADO POR INCERTEZAS ECONÔMICAS E DIFICULDADES

Leia mais

PERÍODO DE COMPARAÇÃO PIB AGROPEC INDUS SERV FBCF CONS. FAM CONS. GOV

PERÍODO DE COMPARAÇÃO PIB AGROPEC INDUS SERV FBCF CONS. FAM CONS. GOV ECONÔMICA Conjuntura Economia brasileira encolhe 5,4 % e 0,3% no primeiro trimestre de 2016 no comparativo com o mesmo período do ano anterior e no confronto com o semestre anterior respectivamente PRIMEIRO

Leia mais

Atualmente lavouras da Região Centro-Sul, principalmente Guarapuava e União da Vitória, estão sendo afetadas pela estiagem.

Atualmente lavouras da Região Centro-Sul, principalmente Guarapuava e União da Vitória, estão sendo afetadas pela estiagem. Data : 11/03/2004 Hora : Título: Milho Fonte: Autor: Vera da Rocha Matéria: Apesar dos problemas climáticos no Paraná, ou seja, chuvas irregulares e mal distribuídas desde o início do ano, a produção da

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Dezembro/2011 jan/07 mar/07 mai/07 jul/07 set/07 nov/07 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09

Leia mais

GASTOS COM INSETICIDAS, FUNGICIDAS E HERBICIDAS NA CULTURA DO MILHO SAFRINHA, BRASIL,

GASTOS COM INSETICIDAS, FUNGICIDAS E HERBICIDAS NA CULTURA DO MILHO SAFRINHA, BRASIL, GASTOS COM INSETICIDAS, FUNGICIDAS E HERBICIDAS NA CULTURA DO MILHO SAFRINHA, BRASIL, 2008-2012 Maximiliano Miura (1), Alfredo Tsunechiro (2), Célia Regina Roncato Penteado Tavares Ferreira (1) Introdução

Leia mais

5 maiores Problemas da Humanidade até 2050

5 maiores Problemas da Humanidade até 2050 5 maiores Problemas da Humanidade até 2050 Água Energia Evolução da População Mundial 1950 2011 2050 2,5 bi 7,5 bi 9,3 bi Evolução dos Famintos 1950 2011 2050 0,5 bi 0,9 bi 1,3 bi Alimentos Lixo Pobreza

Leia mais

Cesta Básica. Boletim Setembro

Cesta Básica. Boletim Setembro Cesta Básica Boletim Setembro - 2011 O custo da cesta básica na cidade de Ilhéus aumentou 0,81%, de R$182,01 em agosto para R$183,48 em setembro (Tabela 1). A elevação no preço do feijão em 4,32% foi o

Leia mais

Objectivos e hipótese Produção alimentar Recursos para a agricultura Modelo de política agrária A província daa Zambézia Políticas públicas

Objectivos e hipótese Produção alimentar Recursos para a agricultura Modelo de política agrária A província daa Zambézia Políticas públicas Apresentação: Objectivos e hipótese Produção alimentar Recursos para a agricultura Modelo de política agrária A província daa Zambézia Políticas públicas Objectivo: Qual a razão da Zambézia, com grande

Leia mais