UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ACUPUNTURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ACUPUNTURA"

Transcrição

1 9 UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ACUPUNTURA Acupuntura no tratamento da Asma OSIRIS MARTINS FILHO São Paulo 2014

2 10 UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ACUPUNTURA Acupuntura no tratamento da Asma OSIRIS MARTINS FILHO Orientadores: Prof. Luiz A. Alfredo Profª. Bernadete N. Stolai Monografia apresentada ao Departamento de Pós-Graduação da Universidade Cruzeiro do Sul, como parte dos requisitos para obtenção do Título de Especialista em Acupuntura. São Paulo 2014

3 11 UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ACUPUNTURA Acupuntura no tratamento da Asma OSIRIS MARTINS FILHO Orientadores: Prof. Luiz A. Alfredo Profª. Bernadete N. Stolai Monografia apresentada ao Departamento de Pós-Graduação da Universidade Cruzeiro do Sul, como parte dos requisitos para obtenção do Título de Especialista em Acupuntura. Aprovado em: BANCA EXAMINADORA PROF. LUIZ A. ALFREDO UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PROF.ª BERNADETE N. STOLAI UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL

4 12 AGRADECIMENTOS Agradeço ao professor Luiz A. Alfredo, pela orientação e atenção durante este trabalho. À professora Bernadete N. Stolai pelos conhecimentos transmitidos e pela paciência. Por fim agradeço aos meus pais e meus amigos pela oportunidade, carinho, amor e compreensão durante o curso.

5 13 RESUMO Atualmente, a Asma é considerada um problema significativo de saúde pública. É uma doença inflamatória crônica que torna as vias aéreas sensíveis a estímulos, como alérgicos. Em indivíduos suscetíveis, esta inflamação causa episódios recorrentes de tosse, chiado, aperto no peito, e dificuldade para respirar. Quando expostos a estes estímulos, as vias aéreas ficam edemaciadas, estreitas, cheias de muco. As drogas usadas para seu combate provocam desagradáveis efeitos colaterais. Um dos principais diferenciais da Acupuntura no tratamento da Asma é a diminuição gradativa dos remédios utilizados e a conseqüente eliminação destes efeitos colaterais desconfortáveis. O objetivo deste trabalho foi verificar na literatura se a Acupuntura é eficaz para tratar sinais e sintomas provocados pela Asma. Seis estudos com alto nível de evidência foram avaliados. Verificou-se que a Acupuntura foi efetiva no tratamento de sintomas da Asma (sibilos pulmonares, tosse, expectoração) e qualidade de vida, possivelmente devido a efeitos regulatórios na imunidade celular e de mucosas (diminuição das concentrações de IGA sérica, na saliva e na secreção nasal, linfócitos IL-2R e número de eosinófilos). Os protocolos do tratamento de Acupuntura diferiram entre os estudos, e os pontos mais utilizados foram Ex-B 1, Ex-B 2, B 12, B 13, B 43, E 36 e E 40, VG 14, P 5, VB 21, VC 17, VC 22, P 7, IG 4, PC 6, IG 11, PC 3. Não é possível concluir se houve efeito da Acupuntura na função pulmonar, pois os resultados foram conflitantes. Palavras-chave: Medicina Chinesa, Acupuntura, Asma.

6 14 ABSTRACT Asthma is currently considered a significant public health problem. It is a chronic inflammatory disease that makes airways sensitive to stimuli such as allergens. In susceptible individuals, this inflammation causes recurrent episodes of wheezing, chest tightness, and difficulty breathing. When exposed to these stimuli, the airways become edematous, narrow, filled with mucus. The drugs used as treatment cause unpleasant side effects. One of the key differentiators of Acupuncture in the treatment of Asthma is a gradual decrease in drug use and subsequent disposal of these uncomfortable side effects. The objective of this study was to verify whether Acupuncture is effective for treating the signs and symptoms caused by asthma in the literature. Six studies with a high level of evidence were assessed. It was found that Acupuncture was effective in treating symptoms of asthma (wheezing, cough, expectoration) and quality of life, possibly due to regulatory effects on cellular and mucosal immunity (decrease in serum concentrations of IgA in saliva and nasal secretion, IL-2R lymphocytes and eosinophils. The Acupuncture treatment protocols differed among studies, and the main points used were EX - B 1, B 2 - Ex, BL12, BL 13, BL 43, ST 36 and ST 40, GV 14, LU5, 21 GB, CV 17, CV 22, PU 7, LI 4, PC 6, IG 11, PC 3.Is not clear whether there was effect of Acupuncture on pulmonary function because the results were conflicting. Keywords: Chinese Medicine, Acupuncture, Asthma

7 15 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO METODOLOGIA ASMA NA VISÃO DA MEDICINA OCIDENTAL Sistema respiratório Definição Epidemiologia Fisiopatologia Sintomatologia Tipos de Asma Intrínseca ou atópica Extrínseca ou Atópica Função pulmonar: Medida do pico de fluxo expiratório (PEF) Tratamentos ocidentais Medicamentos alopáticos Vacinas Reeducação postural Exercícios Uso do aerosol INTRODUÇÃO À MEDICINA TRADICIONAL CHINESA Fundamentos da Medicina Tradicional Chinesa Yin Yang Teoria dos Cinco Elementos (Wu Xing) Zang Fu Características do Zang Fu Órgãos e Vísceras Substâncias Fundamentais Canais e colaterais Fisiologia dos Zang Fu A ASMA SOB A ÓTICA DA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA Conceito da Asma na Medicina Tradicional Chinesa... 30

8 Definição Fatores etiológicos Mecanismos da doença Padrões da Asma Tratamento de acordo com os padrões da Asma TRATAMENTO DA ASMA PELA ACUPUNTURA RESULTADOS DE ESTUDOS CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 40

9 17 1 INTRODUÇÃO A Asma é uma doença inflamatória crônica das vias aéreas. Em indivíduos suscetíveis, esta inflamação causa episódios recorrentes de tosse, chiado, aperto no peito, e dificuldade para respirar. A inflamação torna as vias aéreas sensíveis a estímulos tais como alérgenos, irritantes químicos, fumaça de cigarro, ar frio ou exercícios. Quando expostos a estes estímulos, as vias aéreas ficam edemaciadas, estreitas, cheias de muco (ROBBINS et al., 2008, p. 97). Atualmente, a Asma é considerada um problema significativo de saúde pública pelos órgãos governamentais. No Brasil, sua prevalência está em torno de 20%. Segundo dados do Sistema Único de Saúde (SUS), ocorrem, a cada ano, 350 mil internações por Asma no Brasil. Ela é responsável por 5 a 10 % das mortes por causa respiratória e, apesar de se tratar de evento de baixa ocorrência, tem alto significado por ser, na maioria das situações, doença com crises potencialmente reversíveis, caso tratadas adequada e precocemente (BRASIL, 2004). É uma doença complexa, que envolve fatores imunológicos ou a impossibilidade de se evitar suas causas no mundo urbano poluído e estressante que vivemos hoje. Pesquisas recentes têm desenvolvido novas drogas para seu combate, mas ainda não correspondem à solução do problema e provocam desagradáveis efeitos colaterais, entre eles taquicardia, tremores, aumento da pressão arterial, alteração da mucosa bucal e mal estar. O uso prolongado de corticosteróides associa-se a efeitos colaterais, entre eles glaucoma e doenças gastrointestinais como gastrite e úlcera aumentam de peso, alterações hormonais, fragilização da pele, diminuição da resistência imunológica e osteoartrose (SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA, 2002). Por ser doença crônica, a Asma tem impacto significante sobre os pacientes, seus familiares e a sociedade (SOLÉ, 2006). Cada vez mais, acredita-se que o médico não pode atuar sozinho, mas é fundamental que o paciente (ou sua família) também possa acompanhar o tratamento, colaborando ativamente e permitindo que se consiga o controle da doença. O conhecimento da doença é uma das chaves para o sucesso terapêutico: cada paciente apresenta a "sua" Asma, ou seja, a crise varia de pessoa para pessoa, podendo mesmo variar num mesmo indivíduo em diferentes fases de sua vida. (CERCI NETO et al., 2007, p. 46).

10 18 De acordo com a Medicina Tradicional Chinesa (MTC), as doenças são manifestações de desequilíbrios no nosso corpo, acarretadas por hábitos de vida desregrados, emoções e até mesmo fatores climáticos desarmoniosos (WEN, 2006, p. 47). A Acupuntura é um método eficaz para o alivio de dor, se estendendo para desordens do sistema respiratório, digestivo, nervoso, bem como para problemas psicológicos, emocionais. Ressalta-se que o principal foco de tratamento pela Acupuntura deve ser prioritariamente o todo da pessoa e não só o alívio dos sintomas. Portanto, ao se realizar o diagnóstico e tratamento, muitos sintomas podem ter remissão completa ou parcial simultaneamente, pois é o todo energético que está implicando no tratamento (KUREBAYASHI, 2009). Ao que se refere a doenças, sintomas e condições para as quais a Acupuntura foi comprovada como tratamento efetivo, está a Asma (KUREBAYASHI, 2009). Um dos principais diferenciais da Acupuntura no tratamento de doenças respiratórias como a Asma, é a diminuição gradativa dos remédios utilizados e a conseqüente eliminação destes efeitos colaterais desconfortáveis. Aplicadas nos pontos corretos, as agulhas agem na liberação de endorfinas, provocando efeitos antialérgico, anti-inflamatório, analgésico e broncodilatação, além de aumentar as defesas e promover o equilíbrio emocional (WEN, 2006, p. 50). O objetivo deste trabalho foi verificar na literatura se a Acupuntura é eficaz para tratar sinais e sintomas provocados pela Asma.

11 19 2 METODOLOGIA Foi realizado um levantamento da literatura científica disponível na Biblioteca da Universidade Cruzeiro do Sul, nas bases de dados LILACS, SCIELO e Medline, e no Departamento de Informática do SUS (DATASUS). Os critérios de inclusão dos artigos foram: livros ou artigos em português, inglês e espanhol publicados no período de , que abordassem os efeitos da Acupuntura sobre a Asma. O texto foi produzido seguindo as normas da ABNT e de acordo com as Diretrizes para Apresentação de Dissertações e Teses da UNICSUL. As palavras-chave utilizando-se as palavras-chave Asma, e Acupuntura.

12 20 3 ASMA NA VISÃO DA MEDICINA OCIDENTAL 3.1 Sistema Respiratório A função do sistema respiratório é facultar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração de oxigênio no sangue, necessária para as reações metabólicas, e em contrapartida servindo como via de eliminação de gases residuais, que resultam dessas reações e que são representadas pelo gás carbônico (NETTER, 2000, p. 64). Este sistema é constituído pelos tratos (vias) respiratórios superior e inferior. O trato respiratório superior é formado por órgãos localizados fora da caixa torácica: nariz externo, cavidade nasal, faringe, laringe e parte superior da traquéia. O trato respiratório inferior consiste em órgãos localizados na cavidade torácica: parte inferior da traquéia, brônquios, bronquíolos, alvéolos e pulmões. As camadas da pleura e os músculos que formam a cavidade torácica também fazem parte do trato respiratório inferior (NETTER, 2000, p. 64). 3.2 Definição A Asma é uma doença inflamatória crônica das vias aéreas oriunda de repetidas reações alérgicas no pulmão, resultantes da interação entre fatores genéticos e ambientais, com participação de muitas células ou elementos celulares e produção aumentada de muco espesso. A inflamação crônica associa-se a uma hiper-responsividade da via aérea, geralmente associada a obstrução intermitente e reversível de vias aéreas por muco espesso, inflamação crônica dos brônquios com eosinófilos, hipertrofia celular do músculo liso brônquico e hiperreatividade aos broncoconstritores. (BATEMAN et al., 2008; ABBAS, 2012; SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA, 2012; PEREIRA, 2013).

13 Epidemiologia Mundialmente, 300 milhões de pessoas são asmáticas. A Organização Mundial da Saúde estima que a prevalência da doença varia de 1 a 18% em diferentes países (BATEMAN et al., 2008). Nos Estados Unidos, a doença afeta cerca de 10 milhões de pessoas (ABBAS, 2012). No Brasil, estima-se que existam aproximadamente 20 milhões de asmáticos. Em 2011, ocorreram 160 mil hospitalizações pela doença no País, colocando a Asma como a quarta causa de internações no SUS (SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA, 2012). Há registro de aumento desse número de internações entre 1993 e 1999 e indícios de que a prevalência da Asma esteja aumentando em todo o mundo, inclusive no Brasil. De Abril de 2013 a Abril de 2014, os custos do SUS com internação por Asma foram de 69 milhões de reais (DATASUS, 2014). Um estudo multicêntrico (International Study for Asthma and Allergies in Childhood ISAAC) realizado em 56 países mostrou uma variabilidade de Asma ativa de 1,6% a 36,8%, estando o Brasil em 8º lugar, com uma prevalência média de 20% (SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA, 2002). No município de São José-SC, um estudo recente demonstrou que a prevalência da Asma entre 2367 adolescentes de 12 a 15 anos foi de 53%, e 24,3%. no último ano. Dentre os participantes, 8,4% tinham apresentado quatro ou mais crises de sibilos nos últimos 12 meses e 10% tinham tido seu sono prejudicado por chiado no peito. Além disso, 13,3% apresentavam a doença de forma grave (HUBER et al., 2013) Mundialmente, a estimativa de mortalidade anual pela doença é de (BATEMAN et al., 2008). No Brasil, a média de mortalidade entre 1998 e 2007 foi de 1,52/ habitantes (SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA, 2012). Esta mortalidade ainda é considerada baixa, mas apresenta uma magnitude crescente em diversos países e regiões. Nos países em desenvolvimento, a mortalidade por Asma vem aumentando nos últimos 10 anos, correspondendo a 5-10% das mortes por causa respiratória, com elevada proporção de óbitos domiciliares (SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA, 2002).

14 Fisiopatologia A patogênese da Asma associa-se a mecanismos moleculares e celulares da inflamação das vias aéreas (ABBAS, 2012; SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA, 2012). Entre as células inflamatórias, destacam-se os mastócitos, eosinófilos, linfócitos T, células dendríticas, macrófagos e neutrófilos. Entre as células brônquicas estruturais, encontram-se as células epiteliais, as musculares lisas, as endoteliais, os fibroblastos, os miofibroblastos e os nervos. Dentre os mediadores inflamatórios, destacam-se quimiocinas, citocinas, eicosanoides, histamina e óxido nítrico (SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA, 2012). Na Asma alérgica, essa inflamação é dependente da sensibilização pela imunoglobulina E (IgE): Ao primeiro contato com o organismo, o alérgeno é apresentado aos linfócitos T helper (Linfócitos TCD3+CD4+), que sintetizam citocinas que, por sua vez, promovem a diferenciação de linfócitos B em plasmócitos produtores de IgE específica ao alérgeno sensibilizante (TODO-BOM & MOTA- PINTO, 2006; ABBAS, 2012). Posteriormente, a IgE produzidas irão ligar-se aos seus receptores na membrana celular dos mastócitos e basófilos, ricos em mediadores da inflamação. No segundo contato do mesmo alérgeno com a submucosa, o alérgeno liga-se à IgE presente na superfície dessas células, provocando a liberação de histamina, serotonina, leucotrienos e prostaglandinas capazes de causar contração do músculo liso brônquico, inflamação da mucosa respiratória e hipersecreção mucosa, ou seja, provocar broncoespasmo e edema (TODO-BOM & MOTA-PINTO, 2006; ABBAS, 2012; SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA, 2012). Simultaneamente, ocorre a ativação rápida dos macrófagos das vias aéreas e produção de espécies reativas de oxigênio. Os linfócitos Th2, presentes na mucosa brônquica na Asma, induzem a síntese de IgE pelos plasmócitos, pela ação de citocinas como a interleucina (IL)-4 e a IL-13, e favorecem a diferenciação e ativação dos eosinófilos pela ação da IL-5. A intervenção do fator de crescimento GM-CSF (Granulocyte Macrophage Colony-Stimulating Factor) tem capacidade amplificadora sobre este efeito (TODO-BOM & MOTA-PINTO, 2006; ABBAS, 2012;).

15 23 Na Asma, a inflamação crônica ocorre em ciclo contínuo de agressão e reparo, que pode levar a alterações estruturais irreversíveis, o remodelamento das vias aéreas (SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA, 2012). 3.5 Sintomatologia Os sintomas principais da Asma são: sibilos, dispnéia, aperto no peito, cansaço, chiados, tosse persistente, que se apresentam de maneira episódica. Sintomas noturnos podem ocorrer e são indicadores de gravidade (PEREIRA, 2013). A crise asmática é um episódio de exacerbação aguda da inflamação, com hipoxemia devido a broncoespasmo súbito, tosse, predominantemente noturna e matutina, desconforto respiratório, sibilos, dispnéia e, às vezes, fadiga respiratória ou alteração do nível de consciência (HIRSCHHEIMER & SILVA, 2000). A Asma manifesta-se de diferentes maneiras, desde crises fortes - facilmente reconhecidas - até sintomas leves que podem passar despercebidos. Em alguns casos, a tosse é o único sintoma. Para reconhecer a Asma, é preciso aprender a conhecer as diferentes maneiras pela qual ela se manifesta (CERCI NETO et al., 2007, p. 98; BATEMAN et al., 2008). A fase precoce (espasmogênica) é consequente à liberação de histamina e inicia-se até 15 minutos após a exposição ao alérgeno. É revertida espontaneamente ou com o tratamento inicial (HIRSCHHEIMER & SILVA, 2000). Os sintomas da Asma fraca ou leve são discretos e esporádicos. A pessoa fica bem, sem sintomas nos intervalos das crises. Não prejudica o sono e não atrapalha atividades físicas. A função pulmonar está normal ou próxima dos valores normais (CERCI NETO et al., 2007, p. 98). A fase tardia inicia-se de três a oito horas após a exposição ao alérgeno como consequência da liberação de outros mediadores broncoconstritores e inflamatórios. É caracterizada por broncoconstrição intensa e aumento do edema submucoso. A fase inflamatória subaguda ou crônica ocorre devido à liberação de fatores quimiotáticos e caracteriza-se por broncoconstrição grave, prolongada e resistente à terapêutica provocada por inflamação intensa na submucosa brônquica. Os quimiotáxicos causam migração das células inflamatórias para a submucosa e para a luz das vias aéreas, que liberam mediadores citotóxicos que lesam a mucosa e

16 24 podem reduzir a produção de fatores relaxantes derivados do epitélio, além de aumentar a interação das células inflamatórias com os alérgenos inalados (HIRSCHHEIMER & SILVA, 2000). Quando a Asma é forte ou grave, os sintomas são intensos, freqüentes e em alguns casos até diários. As manifestações clínicas variam desde distúrbios do sono até limitações das atividades diárias, prejuízo da função pulmonar e uso de medicamentos de resgate. A pessoa apresenta um grande reflexo da doença em sua vida (CERCI NETO et al., 2007, p. 98; BATEMAN et al., 2008). 3.6 Tipos de Asma Intrínseca ou atópica A atopia é uma predisposição genética à síntese de IgE específica para componentes protéicos de alérgenos ambientais inalados. Os casos de Asma atópica correspondem a 30% dos pacientes (ABBAS, 2012). Quanto aos alérgenos ambientais, a poluição é definida como acúmulo atmosférico de substâncias em um grau que se torna prejudicial a humanos, animais e plantas. Seu controle escapa às pessoas e ao médico. O efeito dos poluentes sobre a Asma ainda não está completamente estabelecido, mas em alguns casos pode piorar sintomas (ROBBINS et al., 2008, p. 121). A poeira domiciliar é um dos principais agentes de sensibilização mundial. A composição de ácaros na poeira varia com a região geográfica/condições climáticas. O Dermatophagoides pteronyssinus tem distribuição universal e a Blomia tropicalis predomina em locais de clima tropical. A presença de anticorpos IgE a ácaros da poeira é um grande fator de risco para o desenvolvimento de Asma. Entre crianças residentes em Recife-PE, a sensibilização à Blomia tropicalis e ao Dermatophagoides pteronyssinus foram maiores que a dos demais ácaros, sobretudo entre os asmáticos quando comparados aos não-asmáticos (40% x 20% respectivamente) (SARINHO et al., 2000). Determinadas condições climáticas também podem afetar os asmáticos. É comum dizer-se que alguém piorou devido à "mudança do tempo". O clima ameno e

17 25 úmido predominante no período de inverno em grande parte do território brasileiro é fator auxiliar na reprodução destes ácaros e no aumento da incidência de Asma nesses períodos (ROBBINS et al., 2008, p. 121). Os animais domésticos, em especial o cão e o gato, podem atuar como desencadeantes de crises, não apenas em função do pêlo, mas também da saliva e urina desses animais (ROBBINS et al., 2008, p. 121). Entre crianças de Cuiabá-MT, verificou-se que as baratas, animais e ácaros foram os mais importantes fatores de risco para Asma (MORAES et al., 2001). A inalação passiva de fumaça de tabaco representa, principalmente para a criança uma grande causa de provocação ou de piora de crises de Asma no ambiente intradomiciliar. A fumaça de cigarro é extremamente irritante para a mucosa respiratória do asmático (ROBBINS et al., 2008, p. 122). Alguns dos principais fatores de risco com chance de predizer morbidade respiratória em crianças de Fortaleza-CE de 0 a 5 anos foram convivência com mães fumantes, pais fumantes e presença de mofo em casa. A chance de apresentar Asma, bronquite ou pneumonia foi maior para as crianças fumantes passivas (PEREIRA et al., 2000). Além disso, o tabagismo passivo entre os pais, em particular materno, é um fator de risco significativo para a gravidade da Asma infantil (PARGANA et al., 2001). A inalação de fumaças, perfumes, odores ativos, ar frio, poluição, gases, aerosóis podem, em alguns casos, provocar Asma (ROBBINS et al., 2008, p. 122) Extrínseca ou tópica Cerca de 70% dos casos de Asma associam-se à hipersensibilidade imediata mediada por IgE (ABBAS, 2012). As infecções respiratórias, em especial aquelas causadas por vírus (exemplo: gripes ou resfriados) são importantes gatilhos de crises. Outras infecções crônicas, como as sinusites podem provocar crises. Alguns asmáticos, em especial as crianças e adolescentes, podem apresentar crises após exercícios físicos, como a corrida e o futebol, necessitando de medicação específica (ROBBINS et al., 2008, p. 122). A Asma por determinados remédios é mais comum em adultos, não sendo obrigatória à história de episódios anteriores da doença. Cita-se a Asma por

18 26 aspirina, por antiinflamatórios não-esteroidas, etc... (ROBBINS et al., 2008, p. 122; ENSINA et al., 2008). A prevalência de hipersensibilidade à aspirina e outros antiinflamatórios não-esteroidais situa-se entre 3 e 5% na população geral, mas aumenta para mais de 15% nos asmáticos (FARIA, 2004). Substâncias contidas em alguns alimentos artificializados são chamados aditivos alimentares e podem causar crises de Asma. O exemplo mais característico é o dos sulfitos (ROBBINS et al., 2008, p. 122). Embora não possa ser considerada uma "doença nervosa", a Asma interrelaciona-se intimamente com os aspectos emocionais do doente, podendo surgir crises nos momentos de estresse. Por outro lado, a continuação crônica da doença pode deixar o paciente mais ansioso, atuando sobre seu psiquismo (ROBBINS et al., 2008, p. 122). Entre 50 crianças e adolescentes asmáticos entre 7 e 12 anos de idade de Martagão Gesteira-RJ, o estresse foi detectado em 38%. Foram encontradas associações com significância estatística entre o estresse e sintomas da doença há sete anos ou menos. No entanto, não foram encontradas associações com significância estatística entre a gravidade da Asma e o estresse (MENDES et al., 2013). 3.7 Função pulmonar: Medida do pico de fluxo expiratório (PEF) Medidas de função pulmonar são importantes para o diagnóstico, para avaliar a gravidade da Asma, monitorizar o curso da doença e a resposta ao tratamento. Os testes de função pulmonar devem ser realizados de acordo com as normas técnicas propostas pela SBPT, em equipamentos adequados. Os valores de referência usados devem ser os obtidos da população brasileira (SBP, 2010). O PEF é o fluxo máximo alcançado durante uma manobra expiratória forçada partindo do volume pulmonar máximo (Capacidade Pulmonar Total). Instruções devem ser dadas para a obtenção das medidas. Três sopros devem ser feitos de cada vez e o maior valor anotado. Os dois melhores não devem diferir por mais de 40 L/min; se isto não for alcançado duas manobras adicionais devem ser feitas. Muitos medidores são inacurados, especialmente na faixa de L/min, como o mini-wright. Equipamentos acurados são atualmente disponíveis como o Astech. Outros dispositivos tem acurácia aceitável (SBP, 2010).

19 27 3.8Tratamentos ocidentais Medicamentos alopáticos De acordo com as últimas Diretrizes da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia para o Manejo da Asma, a Asma leve é aquela que, para ser bem controlada, necessita de baixa intensidade de tratamento (etapa 2); a Asma moderada é aquela que necessita de intensidade intermediária (etapa 3); e Asma grave, de alta intensidade de tratamento (etapas 4 e 5) (SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA, 2012). Para pacientes que têm sintomas ocasionais (tosse, sibilos ou dispnéia duas ou menos vezes por semana) de curta duração assintomáticos entre esses episódios (etapa 1), com função pulmonar normal e sem despertar noturno, deve ser utilizado um β2-agonista de rápido início de ação (salbutamol, fenoterol ou formoterol). Na etapa 2, os corticoides inalatórios em doses baixas são a primeira escolha. Podem ser utilizados antileucotrienos para pacientes que não conseguem utilizar a via inalatória ou para aqueles que têm efeitos adversos intoleráveis com o uso de corticoide inalatório (SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA, 2012). Os nebulizadores tornaram-se muito populares ultimamente devido à facilidade para adquiri-los, mas os responsáveis precisam lembrar que nebulização também é remédio e necessita ser feita sob orientação do médico. A criança deve fazer a nebulização sentada, em posição correta e nunca dormindo ou com chupetas. É preciso que a esterilização do aparelho seja feita rigorosamente. A cortisona é o medicamento que melhor atua na inflamação dos brônquios e está indicada de maneira imperativa nas crises fortes e graves. Atualmente já se dispõe de "bombinhas de cortisona" que são potentes antiinflamatórios inalados (preventivos). Atuam nos períodos entre as crises, prevenindo os sintomas agudos, com efeitos colaterais. A cortisona inalada (através de bombinhas ou de nebulizações) é usada por tempo prolongado e mesmo na ausência de sintomas (ROBBINS et al., 2008, p. 144). Na etapa 3, a primeira escolha é associação de um corticóide inalatório em doses baixas com um β2-agonista inalatório de ação prolongada. Como alternativa,

20 28 à associação do β2-agonista, pode ser aumentada a dose do corticoide inalatório. Também pode ser adicionado um antileucotrieno ao corticóide inalatório em doses baixas ou teofilina, nesta ordem. Na etapa 4, combina-se um corticoide inalatório em doses médias ou altas com um β2-agonista de ação prolongada. Como alternativa, pode-se adicionar um antileucotrieno ou teofilina à associação acima descrita. Na etapa 5, adiciona-se corticoide oral às outras medicações de controle já referidas. A adição de anti-ige é uma alternativa na etapa 5 para pacientes atópicos, pois sua utilização pode melhorar o controle da Asma e reduzir o risco de exacerbações (SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA, 2012) Vacinas O objetivo principal do tratamento é controlar a Asma, permitindo uma vida normal ao asmático. O propósito das vacinas utilizadas no tratamento da Asma é diminuir a sensibilidade a certos agentes provocadores das crises (antígenos) que são impossíveis de serem retirados da vida do alérgico, como por exemplo, a poeira de casa. Apesar das medidas de controle ambiental, alguns asmáticos necessitarão também de usar vacinas específicas para tratamento da doença. O tratamento com vacinas é prolongado, utilizando-se injeções periódicas subcutâneas com doses crescentes do antígeno (CERCI NETO et al., 2007, p. 131). As vacinas estão indicadas apenas nos casos de Asma alérgica e seu objetivo é estabelecer um "escudo" que permita ao alérgico viver melhor em seu ambiente. Entretanto, as vacinas não substituem as medidas de controle ambiental (CERCI NETO et al., 2007, p. 131) Reeducação postural Algumas alterações torácicas e posturais são causadas pela Asma, pois mecânica de funcionamento do tórax (mecânica respiratória) é importante e as alterações respiratórias, segundo sua origem, podem modificar essa mecânica e/ou funcionamento fisiológico do pulmão. Por sua vez, as alterações torácicas podem ser causadas pelas alterações nessa mecânica, dependendo da gravidade, podem significar uma diminuição nas possibilidades respiratórias (GUEDES, 2004).

21 29 A alteração da mecânica respiratória na Asma pode levar ao desenvolvimento de alterações posturais devido às crises repetidas, aumento do volume residual e uso da musculatura acessória da respiração. Tais características levam a restrição na mobilidade do tórax e podem causar assimetria, problemas músculo-esqueléticos e movimentos compensatórios (FURTADO et al., 2012). A ventilação pulmonar depende da elasticidade pulmonar e amplitude dos movimentos torácicos. O aumento do volume da caixa torácica se deve, em grande parte, ao movimento do diafragma que promove expansão do tórax em todos os sentidos. Essa expansibilidade é proporcional à amplitude do movimento de elevação das costelas e esta amplitude, por sua vez, depende da posição da coluna vertebral. A melhor expansão se obtém quando a costela atinge o mesmo plano da vértebra na qual está articulada, o que não acontece nas alterações posturais como escoliose e cifose. Assim, a mecânica de funcionamento do tórax é importante por depender em grande parte desse ato mecânico. Neste sentido, as atividades físicas devem ser orientadas para prevenir ou evitar o agravamento dos desvios posturais já instalados (GUEDES, 2004). Ao comparar o valor de PEF entre 12 indivíduos adultos asmáticos e 12 indivíduos controle, verificou-se que foi 21,6% menor que no controle. Houve correlação entre Pressão expiratória máxima e angulação do ombro esquerdo, PEF e angulação da pelve esquerda, PEF e angulação da pelve direita, demonstrando que as alterações na biomecânica postural influenciam a função pulmonar (FURTADO et al., 2012) Exercícios A natação é o esporte teoricamente mais indicado para quem tem Asma. No entanto, deve ser evitado em crianças com deformidades do tórax ou no caso de maus hábitos respiratórios, como naquelas que respiram pela boca. Essas crianças devem primeiro corrigir suas deficiências respiratórias e depois iniciar a natação. Os esportes de maneira geral, em especial os aeróbicos estão liberados para os asmáticos. Se uma pessoa tem crises com exercício físico, deve-se procurar outros exercícios aos quais ela se adapte ou fazer uma medicação prévia que permita que ela consiga desempenhar o esforço adequadamente (CERCI NETO et al., 2007, p. 135).

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

Problemas Gastro-Intestinais

Problemas Gastro-Intestinais Problemas Gastro-Intestinais Parâmetros Ocidentais Vômito; Dor na região abdominal, gástrica, etc. Gastrite, Úlcera, Diarréia, Prisão de ventre (constipação) Cólica, Vermes. Anamnese: Tipo de dor ou desconforto:

Leia mais

Def de Qi do Rim -etiologia

Def de Qi do Rim -etiologia PADRÕES DO RIM Funções energéticas Estoca a essência Fonte do Yin e Yang Domina o metabolismo Recebe o Qi dos Pulmões Controla os orifícios Domina os ossos Abre-se nos ouvidos e manifesta-se nos cabelos

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO Profª Fernanda Toledo RECORDAR Qual a função do alimento em nosso corpo? Por quê comer????? Quando nascemos, uma das primeiras atitudes do nosso organismo

Leia mais

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos 1 O que é? A bronquiolite é uma doença que se carateriza por uma inflamação nos bronquíolos e que, geralmente,

Leia mais

PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA

PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA O estudo do sistema imune (proteção) surgiu no início do século 20, com futuro muito promissor, mas isto não se confirmou de imediato. Os fenômenos imunológicos

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS FIRVAL CURSO DE ACUPUNTURA CORPO ENERGÉTICO. Elaborado por Profa. Romana de Souza Franco. 1

CENTRO DE ESTUDOS FIRVAL CURSO DE ACUPUNTURA CORPO ENERGÉTICO. Elaborado por Profa. Romana de Souza Franco. 1 CENTRO DE ESTUDOS FIRVAL CORPO ENERGÉTICO 1 CENTRO DE ESTUDOS FIRVAL INTRODUÇÃO: O corpo energético humano, às vezes chamado de corpo etéreo permeia e cerca o corpo físico sólido. É a soma dos campos de

Leia mais

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Prevenir é o melhor remédio para uma boa saúde, evitando-se as doenças e suas complicações. Problemas respiratórios, por exemplo, podem se tornar

Leia mais

MEDICINA TRADICIONAL CHINESA Acupuntura Profa. Alessandra Barone. Histórico Teoria Yin Yang Teoria dos Cinco Elementos Substâncias Vitais

MEDICINA TRADICIONAL CHINESA Acupuntura Profa. Alessandra Barone. Histórico Teoria Yin Yang Teoria dos Cinco Elementos Substâncias Vitais MEDICINA TRADICIONAL CHINESA Acupuntura Profa. Alessandra Barone Histórico Teoria Yin Yang Teoria dos Cinco Elementos Substâncias Vitais Medicina Tradicional Chinesa Histórico Antes de 2000 a.c Origem

Leia mais

29/03/2012. Introdução

29/03/2012. Introdução Biologia Tema: - Sistema Respiratório Humano: órgãos que o compõem e movimentos respiratórios; - Fisiologia da respiração ; - Doenças respiratórias Introdução Conjunto de órgãos destinados à obtenção de

Leia mais

Título Resumido. Poço (Jing)

Título Resumido. Poço (Jing) Analgesia Tendinomuscular pelo Ponto Poço (Jing) Material elaborado pelo corpo docente da EBRAMEC / CIEFATO Para os cursos da Escola Brasileira de Medicina Chinesa Direção Geral: Dr. Reginaldo de Carvalho

Leia mais

OITO PRINCÍPI P O I S

OITO PRINCÍPI P O I S OITO PRINCÍPIOS TEM COMO FUNÇÃO IDENTIFICAR, ATRAVÉS DOS DADOS OBTIDOS DO PACIENTE: A LOCALIZAÇÃO DA DESARMONIA A NATUREZA DA DESARMONIA AS CONDIÇÕES DOS FATORES PATOGÊNICOS E DE RESISTÊNCIA DO ORGANISMO

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

PADRÕES DO FÍGADO (GAN)

PADRÕES DO FÍGADO (GAN) PADRÕES DO FÍGADO (GAN) ESTAGNAÇÃO DO QI DO FÍGADO (GAN) SENSAÇÃO DE DISTENSÃO E DOR NOS HIPOCÔNDRIOS - NO NÍVEL FÍSICO A ESTAGNAÇÃO DE FÍGADO SE MANIFESTA PRINCIPALMENTE NESTA REGIÃO, EM AMBOS OS LADOS.

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

Dor segundo a Medicina Chinesa

Dor segundo a Medicina Chinesa XII Simpósio Brasileiro de Aperfeiçoamento em Acupuntura e Terapias Orientais Dor segundo a Medicina Chinesa Introdução Definição A IASP- International Association for the Study of Pain (Associação Internacional

Leia mais

Padrões de Desarmonia do Movimento Metal

Padrões de Desarmonia do Movimento Metal [Digite texto] Curso de Especialização em Acupuntura Veterinária Padrões de Desarmonia do Movimento Metal Prof a. Márcia Valéria Rizzo Scognamillo marciascognamillo@yahoo.com.br Junho de 2011 Geral I.

Leia mais

Aula 12: Doenças do sistema respiratório

Aula 12: Doenças do sistema respiratório Aula 12: Doenças do sistema respiratório Doenças do sistema respiratório Doenças respiratórias são aquelas que atingem órgãos do sistema respiratório (pulmões, boca, faringe, fossas nasais, laringe, brônquios,

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

A Vesícula Biliar (DAN)

A Vesícula Biliar (DAN) A Vesícula Biliar (DAN) 44 pontos bilaterais Natureza YANG Elemento Madeira Acoplado ao Fígado (GAN) A Vesícula Biliar (DAN) A Vesícula Biliar (DAN) é considerada uma víscera de comportamento particular,

Leia mais

GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ

GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ A asma, que afeta 7% das grávidas, é uma doença comum que potencialmente pode complicar, mas, quando é bem controlada, não representa risco significativo para

Leia mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais PROFESSORA NAIANE A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais de alguns poucos minutos. Você sabe

Leia mais

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR?

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? O NÚMERO DE PESSOAS AFETADAS POR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EVITÁVEIS NÃO PÁRA DE AUMENTAR. AS CRIANÇAS E OS MAIS VELHOS SÃO OS MAIS ATINGIDOS. SÃO DOENÇAS

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DE CEFALÉIAS. Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO

ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DE CEFALÉIAS. Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DE CEFALÉIAS Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO Se o problema tem solução, não esquente a cabeça, porque tem solução. Se o problema não tem solução, não esquente a cabeça,

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Medicina Tradicional Chinesa

Medicina Tradicional Chinesa Medicina Tradicional Chinesa Os Chineses acreditam que a vida e a saúde estão relacionadas diretamente ao fluxo de energia pelo corpo: "CHI". A doença se manifesta quando a energia é bloqueada. A MTC se

Leia mais

PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO

PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO Como prevenir? Como evitar? Como tratar? PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO (cont.) Anatomia das vias aéreas superiores e dos seios paranasais Seio frontal Cavidade nasal

Leia mais

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA Meiry Alonso Rodrigues Pereira DEFINIÇÃO Distúrbio caracterizado pelo aumento da reatividade da traquéia e dos brônquios à vários estímulos, resultando na constrição difusa

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE PADRÕES DE ACORDO COM OS OITO PRINCÍPIOS

IDENTIFICAÇÃO DE PADRÕES DE ACORDO COM OS OITO PRINCÍPIOS IDENTIFICAÇÃO DE PADRÕES DE ACORDO COM OS OITO PRINCÍPIOS Aplicação dos 8 princípios Aplicável em todos os casos, para doenças interiores e exteriores Divisão : Exterior-Interior Calor-Frio: Calor por

Leia mais

** Pessoas jovens com má alimentação e estresse emocional que também geram vento no Fígado também estão propícios a ter Parkinson.

** Pessoas jovens com má alimentação e estresse emocional que também geram vento no Fígado também estão propícios a ter Parkinson. Doença de Parkinson A Doença de Parkinson é uma síndrome caracterizada por lentidão de movimento, rigidez e tremor resultante de disfunção nos glânglios da base, com diminuição da dopamina e aumento da

Leia mais

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE O cuidado apropriado com a asma pode ajudar o paciente a prevenir a maior parte das crises, a ficar livre de sintomas problemáticos diurnos e noturnos e a

Leia mais

XI Simpósio Brasileiro de Aperfeiçoamento em Acupuntura e Terapias Orientas EBRAMEC - CIEFATO

XI Simpósio Brasileiro de Aperfeiçoamento em Acupuntura e Terapias Orientas EBRAMEC - CIEFATO XI Simpósio Brasileiro de Aperfeiçoamento em Acupuntura e Terapias Orientas EBRAMEC - CIEFATO Material elaborado pela Direção e Coordenação da EBRAMEC Direção Geral: Reginaldo de Carvalho Silva Filho Coordenação

Leia mais

Deve-se distinguir a sudorese por meio da Área corpórea, hora do dia, condições e tipo de sudorese.

Deve-se distinguir a sudorese por meio da Área corpórea, hora do dia, condições e tipo de sudorese. CALAFRIOS E FEBRE 12 Calafrios apresenta um significado duplo: significa que o paciente sente frio, mas também que ele tem aversão ao frio ; Se a pessoa apresenta aversão ao frio e sente calafrios, isto

Leia mais

6/22/2015. Prof. Gustavo Vilela da Silveira, MSc

6/22/2015. Prof. Gustavo Vilela da Silveira, MSc Acupuntura na Osteoartrose Prof. Gustavo Vilela da Silveira, MSc Osteoartrose 1 Osteoartrose Outras denominações ; Artrose; Doença Articular Degenerativa; Artrite Degenerativa. 2 É a doença articular mais

Leia mais

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular.

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES

OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES Introdução É possível que o nível de doenças ocupacionais provocadas pelo pó se encontre em declínio, embora isso não signifique que esteja desaparecendo. Na atualidade, os

Leia mais

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE 12 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP Aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa, nunca tem

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

Antes de imprimir este material, considere a possibilidade de apreciá-lo no computador ou leitor de textos. Preserve o meio ambiente

Antes de imprimir este material, considere a possibilidade de apreciá-lo no computador ou leitor de textos. Preserve o meio ambiente Antes de imprimir este material, considere a possibilidade de apreciá-lo no computador ou leitor de textos. Preserve o meio ambiente SHEN LONG Curso de ACUPUNTURA TRADICIONAL CHINESA = ZANG FU = Coordenador

Leia mais

ZANG FU Sistema de Órgãos e Vísceras da Medicina Tradicional Chinesa ***********************

ZANG FU Sistema de Órgãos e Vísceras da Medicina Tradicional Chinesa *********************** ZANG FU Sistema de Órgãos e Vísceras da Medicina Tradicional Chinesa - Introdução à Fisiologia Energética dos Zang Fu. - Os Seis Sistemas Yang Extraordinários. *********************** ZANG FU Sistemas

Leia mais

A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO

A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO Primeira Edição Novembro de 2014 Fundação Portuguesa do Pulmão Edição: TDA Consulting,

Leia mais

SANGUE (XUE) NA MTC, O XUE É UMA FORMA DE QI, MUITO DENSO E MATERIAL

SANGUE (XUE) NA MTC, O XUE É UMA FORMA DE QI, MUITO DENSO E MATERIAL SANGUE (XUE) NA MTC, O XUE É UMA FORMA DE QI, MUITO DENSO E MATERIAL SANGUE É INSEPARÁVEL DO QI, JÁ QUE O QI PROPORCIONA VIDA AO XUE, SEM O QUAL ELE SERIA UM FLUIDO INERTE XUE DERIVA EM SUA MAIORIA DO

Leia mais

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC).

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC). NOTA TÉCNICA 92/2013 Solicitante Dr. Wellington Reis Braz João Monlevade Processo nº 0362.13.4367-6 Data: 13/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva

Leia mais

Unidade 4 Funções da nutrição

Unidade 4 Funções da nutrição Sugestões de atividades Unidade 4 Funções da nutrição 8 CIÊNCIAS Nutrição. As proteínas, encontradas em alimentos como leite, ovos, carne, soja e feijão, são fundamentais para nossa saúde. Justifique essa

Leia mais

EMBRIOLOGIA ENERGÉTICA

EMBRIOLOGIA ENERGÉTICA EMBRIOLOGIA ENERGÉTICA FECUNDAÇÃO: ovócito + espermatozóide multiplicação celular durante os primeiros dias o embrião tem forma arredondada (fase de mórula) por volta do 12 º dia, vai passando para uma

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 07. Acerca da história da Acupuntura, todas as afirmativas estão corretas, EXCETO:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 07. Acerca da história da Acupuntura, todas as afirmativas estão corretas, EXCETO: 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 07 QUESTÃO 17 Acerca da história da Acupuntura, todas as afirmativas estão corretas, EXCETO: a) Há 3.000 anos, agulhas de bronze e a pedra bian eram usadas como

Leia mais

dr-cesar TERAPIAS ENERGÉTICAS CURSOS AMBULATÓRIO E CONSULTORIA

dr-cesar TERAPIAS ENERGÉTICAS CURSOS AMBULATÓRIO E CONSULTORIA PRINCIPAIS SÍNDROMES Autor - Wanderley Rocha Casalecchi PADRÕES DO FÍGADO (GAN) ESTAGNAÇÃO DO QI DO FÍGADO (GAN) MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS: SENSAÇÃO DE DISTENSÃO E DOR NOS HIPOCÔNDRIOS - NO NÍVEL FÍSICO A

Leia mais

Utilizando o Diagnóstico pelos Oito Princípios na Acupuntura Veterinária Dra. Eliane Nijishima

Utilizando o Diagnóstico pelos Oito Princípios na Acupuntura Veterinária Dra. Eliane Nijishima Utilizando o Diagnóstico pelos Oito Princípios na Acupuntura Veterinária Dra. Eliane Nijishima 1. Introdução O primeiro e mais importante estágio de identificação das Síndromes na Medicina Tradicional

Leia mais

11 pontos bilaterais Natureza YIN Elemento Metal Acoplado ao Intestino Grosso (DACHANG)

11 pontos bilaterais Natureza YIN Elemento Metal Acoplado ao Intestino Grosso (DACHANG) O Pulmão (FEI) 11 pontos bilaterais Natureza YIN Elemento Metal Acoplado ao Intestino Grosso (DACHANG) 1 O Pulmão (FEI) QI Pulmão (FEI) tem a função de dirigir o QI e a Respiração. O QI do ar junta-se

Leia mais

São Paulo, 26 de agosto de 2010. Asma. Paula Meireles

São Paulo, 26 de agosto de 2010. Asma. Paula Meireles São Paulo, 26 de agosto de 2010 Asma Paula Meireles Doença inflamatória crônica Hiper-responsividade Limitação variável ao fluxo aéreo ASMA Definição Episódios recorrentes de sibilância, dispnéia, aperto

Leia mais

ATM CERVICALGIAS DORSALGIAS

ATM CERVICALGIAS DORSALGIAS Center-AO Centro de Pesquisa e Estudo da Medicina Chinesa Universidade Federal de São Paulo Departamento de Ortopedia e Traumatologia Disciplina de Ortopedia Setor de Medicina Chinesa-Acupuntura ATM CERVICALGIAS

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ACUPUNTURA E MEDICINA TRADICIONAL CHINESA

AVALIAÇÃO DE ACUPUNTURA E MEDICINA TRADICIONAL CHINESA AVALIAÇÃO DE ACUPUNTURA E MEDICINA TRADICIONAL CHINESA Ficha No.: Data: Nome: Data Nasc.: Naturalidade: Estado civil: Filhos: Endereço: Profissão: Fone(s): 1. Queixa Principal (QP): 2. História da Moléstia

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

A Lesão. A Lesão. A lesão provoca congestão local causada por obstrução de QiE XUE nas articulações

A Lesão. A Lesão. A lesão provoca congestão local causada por obstrução de QiE XUE nas articulações Acupuntura Acupuntura e Traumatologia e Traumatologia É o estudo das patologias próprias do sistema esquelético, causadas principalmente por traumatismos utilizando a especialidade de acupuntura como recurso

Leia mais

CANAIS E COLATERAIS (JING-LUO)

CANAIS E COLATERAIS (JING-LUO) CANAIS E COLATERAIS (JING-LUO) A TEORIA DE JING-LUO ESTUDA AS ALTERAÇÕES FISIOPATOLÓGICAS DOS CANAIS E COLATERAIS E A RELAÇÃO ENTRE ESTES E OS ÓRGÃOS INTERNOS DO CORPO JING-LUO É O NOME DADO AO CONJUNTO

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

RINITE ALÉRGICA: ALÉRGENOS E POLUIÇÃO

RINITE ALÉRGICA: ALÉRGENOS E POLUIÇÃO RINITE ALÉRGICA: ALÉRGENOS E POLUIÇÃO O tratamento das rinites é considerado um desafio, pois além do processo alérgico existe as causas não-alérgicas. A rinite tem uma morbidade significativa, custo financeiro

Leia mais

Não deixe esse assunto no ar. Tabagismo

Não deixe esse assunto no ar. Tabagismo Não deixe esse assunto no ar. Tabagismo TABAGISMO O tabagismo é uma das principais causas de morte evitável. O VÍCIO Quase todos os fumantes tiveram o primeiro contato com o vício na adolescência, entre

Leia mais

Problemas Gastro-Intestinais

Problemas Gastro-Intestinais Problemas Gastro-Intestinais Parâmetros Ocidentais: Vômito; Dor na região abdominal, gástrica, etc; Gastrite; Úlcera; Diarréia; Prisão de ventre (constipação / obstipação); Cólica (intestinal); Vermes.

Leia mais

TEMA: SPIRIVA RESPIMAT - TIOTRÓPIO

TEMA: SPIRIVA RESPIMAT - TIOTRÓPIO NOTA TÉCNICA 69 /2013 Data: 09/05/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juíza de Direito JACQUELINE DE SOUZA TOLEDO E DUTRA Número do processo: 0222623-34.2011.8.13.0525 TEMA:

Leia mais

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira Introdução A função do sistema respiratório é facilitar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração de oxigênio no sangue, necessária para as reações metabólicas,

Leia mais

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC.

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. Objetivos Ao final desta aula o aluno deverá: Ser capaz de definir a DPOC, e seus dois tipos: enfisema pulmonar e bronquite crônica. Reconhecer os sintomas e sinais

Leia mais

TEMAS LIVRES DO XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALERGIA APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS

TEMAS LIVRES DO XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALERGIA APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS NÚMERO TEMA LIVRE TÍTULO LEPTINA PARTICIPA DO CONTROLE DA APOPTOSE EM TIMO ATRAVÉS DE MECANISMO DE SINALIZAÇÃO DEPENDENTE DA VIA 001 IRS-1/PI 3-QUINASE

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO

SISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIA HUMANA I SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema Respiratório Conceito Função Divisão Estruturas Nariz Faringe Laringe Traquéia e Brônquios Pulmão Bronquíolos e Alvéolos 1

Leia mais

INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA. Instituto Long Tao

INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA. Instituto Long Tao INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA Instituto Long Tao SISTEMA RESPIRATÓRIO A função do sistema respiratório é facultar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração

Leia mais

Interrogatório DOR. No CD Rom

Interrogatório DOR. No CD Rom Interrogatório No CD Rom - Um artigo complementar sobre a importância do Interrogatório na MTC. - Modelo de Ficha de Avalição de pacientes. Imprima Frente e Verso. ANAMNESE ELABORAR UM QUESTIONÁRIO DIRECIONAR

Leia mais

ASMA ASMA ASMA SINTOMAS. Page 1

ASMA ASMA ASMA SINTOMAS. Page 1 ASMA SUBSTÂNCIAS IRRITANTES: produtos de limpeza, sprays, tintas, inseticida, perfumes, poluição atmosférica REMÉDIOS:aspirina, certos anti-inflamatórios bloqueadores beta adrenérgicos Asma é uma inflamação

Leia mais

PONTOS ESPECIAIS PARA DIVERSOS TRATAMENTOS. Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO

PONTOS ESPECIAIS PARA DIVERSOS TRATAMENTOS. Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO PONTOS ESPECIAIS PARA DIVERSOS TRATAMENTOS Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO "A saúde é o resultado não só de nossos atos como também de nossos pensamentos." (Mahatma Gandhi) SHIATSU TERAPIA Terapia

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM CRIANÇAS ASMÁTICAS NA FAIXA ETÁRIA DE 7 A 10 ANOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM CRIANÇAS ASMÁTICAS NA FAIXA ETÁRIA DE 7 A 10 ANOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM CRIANÇAS ASMÁTICAS NA FAIXA ETÁRIA DE 7 A 10 ANOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36. INTRODUÇÃO Autora: Gláucia Golono Salvador G INESUL FISIOTERAPIA LONDRINA PR Orientadora:

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Permite o transporte de O2 para o sangue (a fim de ser distribuído para as células); Remoção de do CO2 (dejeto do metabolismo celular)

Leia mais

ELABORAR UM QUESTIONÁRIO

ELABORAR UM QUESTIONÁRIO INTERROGATÓRIO ANAMNESE ELABORAR UM QUESTIONÁRIO DIRECIONAR AS PERGUNTAS INICIALMENTE TOMANDO POR BASE OS 8 CRITÉRIOS, SUBSTÂNCIAS FUNDAMENTAIS, ZANG FU E ETIOPATOGENIA. DEIXAR QUE O PACIENTE JUSTIFIQUE

Leia mais

Aparelho respiratório

Aparelho respiratório DOENÇAS OBSTRUTIVAS Aparelho respiratório Pode ser causada pôr alterações: A- No interior da luz brônquica: : secreções, líquido, l corpo estranho. B- Na parede da via aéreaa rea: : contração do músculo

Leia mais

ALERGIAS NA INFÂNCIA

ALERGIAS NA INFÂNCIA ALERGIAS NA INFÂNCIA Tema: Alergias na Infância Objetivos Conceituar alergia, classificar os principais tipos e indutores das doenças alérgicas. Identificar e relacionar os fatores de risco associados

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA 01. O transporte de CO 2 no sangue dos vertebrados é feito, principalmente, sob a forma de: a) carboxi-hemoglobina b) íons bicarbonato pela ação da anidrase

Leia mais

O desafio de deixar de fumar

O desafio de deixar de fumar O desafio de deixar de fumar O uso do cigarro tem como objetivo a busca por efeitos prazerosos desencadeados pela nicotina, melhora ime - diata do raciocínio e do humor, diminuição da ansiedade e ajuda

Leia mais

Mas se fumar é tão perigoso, por quê as pessoas começam a fumar? Introdução

Mas se fumar é tão perigoso, por quê as pessoas começam a fumar? Introdução Introdução O tabagismo é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a principal causa de morte evitável em todo o mundo. Introdução Introdução Cerca de um terço da população mundial adulta (1

Leia mais

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 SISTEMA IMUNE E ALERGIA Por alergia, entendem-se as repostas imunes indesejadas contra substâncias que venceram as barreiras como, os epitélios, as mucosas e as enzimas.

Leia mais

Elementos de Fisiologia Feminina Tradicional

Elementos de Fisiologia Feminina Tradicional Centro Brasileiro de Acupuntura Acupuntura Aplicada a Ginecologia e Obstetrícia Prof.: Marcelo Brum Elementos de Fisiologia Feminina Tradicional Aparelho Genital Feminino: Abrange: Útero; Ovários; Trompas

Leia mais

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório SISTEMA RESPIRATÓRIO O sistema respiratório humano é constituído por um par de pulmões e por vários órgãos

Leia mais

ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA

ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA Karina de Sousa Assad * Layana de Souza Guimarães ** RESUMO A proposta desse artigo é demonstrar que algumas alterações posturais podem levar a distúrbios

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais

MASSAGEM DO-IN. Claudio Prieto - Elza Rodrigues Pinheiro Prieto. Site: www.massagemdoin.net. E-Mail: contato@massagemdoin.net

MASSAGEM DO-IN. Claudio Prieto - Elza Rodrigues Pinheiro Prieto. Site: www.massagemdoin.net. E-Mail: contato@massagemdoin.net MASSAGEM DO-IN Claudio Prieto - Elza Rodrigues Pinheiro Prieto Site: www.massagemdoin.net E-Mail: contato@massagemdoin.net O QUE É? O DO-IN é uma técnica de automassagem aplicada nos pontos energéticos

Leia mais

TRATAMENTO PARA MIOMA. INSTITUTO Long Tao

TRATAMENTO PARA MIOMA. INSTITUTO Long Tao TRATAMENTO PARA MIOMA INSTITUTO Long Tao Mioma Uterino DEFINIÇÃO: É UM TUMOR BENIGNO QUE SURGE QUANDO UMA CÉLULA DO ÚTERO DA MULHER COMEÇA A SE MULTIPLICAR DE FORMA DESORDENADA. Definição na MTC: O mioma

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

Oito Métodos de Tratamento de Padrões complicados de Qi e Sangue

Oito Métodos de Tratamento de Padrões complicados de Qi e Sangue Oito Métodos de Tratamento de Padrões complicados de Qi e Sangue by Yufang Xue JOURNAL OF CHINESE MEDICINE NUMBER 69 JUNE 2002 Traduzido por Ephraim Ferreira Medeiros Tonificar Qi e Sangue Este método

Leia mais

Módulo I Lição 6. S. Baço / Estômago S. Fígado / Vesícula biliar S. Rim / Bexiga Sanjiao

Módulo I Lição 6. S. Baço / Estômago S. Fígado / Vesícula biliar S. Rim / Bexiga Sanjiao Módulo I Lição 6 S. Baço / Estômago S. Fígado / Vesícula biliar S. Rim / Bexiga Sanjiao Relembrando Alterações patológicas *Qi (Deficiência, Estagnação, alteração curso normal) *Xue (Deficiência, estagnação,

Leia mais

Autor: Alberto Bastos Fisioterapeuta Acupunturista. ARTRITE REUMATOIDE SEGUNDO A MEDICINA CHINESA E A TERAPÊUTICA NATURAL

Autor: Alberto Bastos Fisioterapeuta Acupunturista. ARTRITE REUMATOIDE SEGUNDO A MEDICINA CHINESA E A TERAPÊUTICA NATURAL Autor: Alberto Bastos Fisioterapeuta Acupunturista. ARTRITE REUMATOIDE SEGUNDO A MEDICINA CHINESA E A TERAPÊUTICA NATURAL A artrite reumatóide é uma doença auto-imune de etiologia desconhecida, caracterizada

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO CONCEITO Conjunto de órgãos que nutrem o organismo por meio de alimentos no estado gasoso, completando a função do Sistema Digestório.

Leia mais

FADIGA, NEURASTENIA ou. Paulo Lessa IAMMG Instituto de Acupuntura Médica de Minas Gerais IVN SP Instituto Van Nghi São Paulo

FADIGA, NEURASTENIA ou. Paulo Lessa IAMMG Instituto de Acupuntura Médica de Minas Gerais IVN SP Instituto Van Nghi São Paulo FADIGA, NEURASTENIA ou TRANSTORNOS SOMATOFORMES Paulo Lessa IAMMG Instituto de Acupuntura Médica de Minas Gerais IVN SP Instituto Van Nghi São Paulo Sinais e sintomas relatados por pacientes com fadiga

Leia mais

Prof. Carolina C. T. Haddad. Instituto Bioethicus. Curso de Especialização em Acupuntura Veterinária PULSOLOGIA

Prof. Carolina C. T. Haddad. Instituto Bioethicus. Curso de Especialização em Acupuntura Veterinária PULSOLOGIA Instituto Bioethicus Curso de Especialização em Acupuntura Veterinária PULSOLOGIA A arte da palpação é de extrema importância dentro do exame semiológico da Medicina Veterinária Tradicional Chinesa e a

Leia mais

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL As doenças do coração são muito freqüentes em pacientes com insuficiência renal. Assim, um cuidado especial deve ser tomado, principalmente, na prevenção e no controle

Leia mais

Ass. de Comunicação www.ptexto.com.br. Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Trabalho Pág.: 3 Assunto: Great Place to Work

Ass. de Comunicação www.ptexto.com.br. Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Trabalho Pág.: 3 Assunto: Great Place to Work Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Trabalho Pág.: 3 Assunto: Great Place to Work Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Saúde Pág.: 27 Assunto: Amados mas perigosos Veículo:

Leia mais

S/s cansaço, letargia, fraqueza, problemas de apetite, distensão abdominal, fezes soltas e insegurança.

S/s cansaço, letargia, fraqueza, problemas de apetite, distensão abdominal, fezes soltas e insegurança. Síndromes do Baço Deficiência do Qi do Baço S/s cansaço, letargia, fraqueza, problemas de apetite, distensão abdominal, fezes soltas e insegurança. Pulso- vazio. Língua pálida e flácida, marcas de dentes.

Leia mais

OS CINCO ELEMENTOS Os cinco elementos, madeira, fogo, terra, metal e água abarcam todos os fenômenos da natureza. Trata-se de um simbolismo que se aplica também ao homem. Nei Jing. Os chineses dividiram

Leia mais