Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Fisioterapia. Amélia Deolinda Neves e Silva Lídia de Paula Ferreira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Fisioterapia. Amélia Deolinda Neves e Silva Lídia de Paula Ferreira"

Transcrição

1 Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Fisioterapia Amélia Deolinda Neves e Silva Lídia de Paula Ferreira ANÁLISE DA FUNÇÃO VENTILATÓRIA E DA POSTURA EM ADULTOS COM ASMA Juiz de Fora 2011

2 Amélia Deolinda Neves e Silva Lídia de Paula Ferreira ANÁLISE DA FUNÇÃO VENTILATÓRIA E DA POSTURA EM ADULTOS COM ASMA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Fisioterapia como requisito parcial à obtenção do título de Graduação em Fisioterapia. Orientadora: Prof.ª Rosa Maria Carvalho Co-Orientadora: Cristina Martins Coelho Juiz de Fora 2011

3

4 AGRADECIMENTOS Na vida existe uma linha imaginária que une os sonhos ao que é real. Nas lutas que vivemos e no dia a dia, aprendemos que para ver além, temos que nos apoiar em ombros de gigantes. Obrigada a todos que fizeram parte de mais esta etapa da minha vida. Aos meus pais pelo amor e dedicação de cada dia, e por serem meu exemplo de caráter. Aos voluntários que fizeram parte da essência deste trabalho. À amiga, Maria da Conceição Santana, por ter participado ativamente desta pesquisa, e ter sido, por inúmeras vezes meu ombro amigo. À professora orientadora Rosa Maria de Carvalho e Co-orientadora Cristina Martins Coelho pelo carinho, desempenho e disponibilidade com que se dedicaram a esta pesquisa e por me fazer seguir em frente quando um obstáculo estava à frente. Aos fisioterapeutas Leandro Ferracini Cabral e Vanusa Caiafa Caetano por muito acrescentarem em meu aprendizado, e ao estatístico Luiz Cláudio Ribeiro por dividir conosco com alegria um pouco de seu vasto conhecimento. Ao meu porto seguro, José Roberto, pelo apoio e aos amigos que estiveram ao meu lado nesta longa jornada. Hoje sinto que a caminhada ainda não acabou e que entre erros e acertos nunca tive medo porque fui guiada e amada por Deus e por meus avôs que hoje são anjos, todos os dias, sendo estes dias bons ou ruins. Amélia Deolinda Neves e Silva

5 AGRADECIMENTOS Agradeço a todos que de alguma forma nos ajudaram na elaboração desta pesquisa. À professora orientadora Rosa Maria de Carvalho, agradeço pelo carinho de mãe, amiga e professora, fundamentais para a elaboração deste trabalho. Os momentos difíceis e de sucesso, proporcionados, foram sempre guiados por ela da melhor forma possível. Através do conhecimento, amor e dedicação pela fisioterapia, ela nos passou confiança, sabedoria e mais prazer pela profissão. Obrigada por tudo. Agradeço também à Cristina Martins Coelho, pela disponibilidade e coorientação. Aos fisioterapeutas avaliadores Leandro Ferracini Cabral e a Vanusa Caiafa Caetano que além de avaliar, nos proporcionaram um rico aprendizado. Ao estatístico Luíz Cláudio Ribeiro pela imensa ajuda durante a análise dos resultados. Aos pacientes que se disponibilizaram a participar da pesquisa e que nos depositaram a confiança necessária. Aos pais e amigos pelo suporte, amparo e presença em todas as nossas conquistas. Lídia de Paula Ferreira

6 RESUMO Introdução: A asma é uma doença inflamatória crônica que cursa com limitação variável do fluxo aéreo, gerando aumento da resistência nas vias aéreas e hiperinsuflação pulmonar. Desta forma, as mensurações clínicas por meio da espirometria podem revelar alterações na função ventilatória. Como forma de compensação, os músculos inspiratórios são mais recrutados nos indivíduos asmáticos, podendo estar presentes também modificações posturais como aumento da lordose cervical e aumento da cifose torácica. Em relação a força muscular respiratória, os estudos se mostram controversos. Objetivos: Caracterizar postura corporal e função pulmonar espirometria e força muscular respiratória - de pacientes adultos com asma, além de comparar a postura e a espirometria com as de indivíduos saudáveis. Metodologia: Estudo transversal, do qual participaram 20 indivíduos divididos em 2 grupos: Grupo Asma (n=10) e Grupo Controle (n=10). Ambos os grupos foram submetidos a espirometria e avaliação postural e o Grupo Asma à manovacuometria. Para análise dos dados foram calculados média e desvio padrão; verificada a normalidade dos dados, foi utilizado o teste T Student para comparação entre os grupos e o Teste de Correlação de Pearson entre as diversas variáveis, considerando o nível de significância p 0,05. Foi utilizado o software SPSS 13.0 para Windows. Resultados: Foi encontrada diferença significativa entre os grupos para a relação entre Volume Expiratório Forçado e Capacidade Vital Forçada - VEF 1 /CVF - (p= 0,003). Foram observadas, apenas no grupo Asma, relações inversas entre VEF 1 /CVF e protrusão de cabeça; Pico de Fluxo Expiratório (PFE) e protrusão de ombro, protrusão de cabeça e cifose, assim como Ventilação Voluntária Máxima (VVM) e protrusão de ombro, protrusão de cabeça e cifose. Evidenciou-se, ainda, no grupo Asma, que menores valores de pressões respiratórias se relacionaram com maiores ângulos de protrusão de cabeça e ombro, assim como de cifose. Conclusão: Na população estudada, com exceção de VEF 1 /CVF, não foram encontradas diferenças na postura e na função ventilatória entre indivíduos asmáticos e saudáveis. Nos asmáticos, parece haver

7 comportamento inverso dos ângulos de protrusão de cabeça, e ombros e ângulos de cifose com capacidade de gerar pressões respiratórias máximas. PALAVRAS-CHAVE: Asma. Espirometria. Músculos respiratórios. Postura.

8 ABSTRACT Background: Asthma is a chronic inflammatory disease that leads to variable airflow limitation, leading to an increase airway resistence and lung hyperinflation. Thus, clinical measurements by spirometry can reveal changes in ventilatory function. By way of compensation, inspiratory muscles are recruited more in individuals with asthma and postural modifications can also be presente, such as increased cervical lordosis and thoracic kyphosis. In respect to muscle strength, studies have shown controversy. Objectives: To characterize body posture and lung function spirometry and respiratory muscle strength in adults with asthma, comparing posture and spirometry with healthy subjects. Methodology: Cross-sectional study involving 20 subjetc divided into two groups: Asthma Group (n=10) and Control Group (n=10). Both groups were submitted to spirometry and postural evaluation and Asthma Group also to manovacuometry. To analyze the data were calculated mean and standard deviation; checked for normality,were used the Student t-test for comparison between groups and Pearson Correlation Test among variables, considering the level of significance p We used the SPSS 13.0 Software for Windows. Results: There was significant difference between groups for the ratio of Forced Expiratory Volume and Forced Vital Capacity FEV 1 /FVC (P=0.003). Were observed, only in Asthma group, inverse relations between FEV 1 /FVC and head protrusion; Peak Expiratory Flow (EPF) and shoulder protrusion, head protrusion and kyphosis, as well as Maximum Voluntary Ventilation (MVV) and shoulder protrusion, head protrusion and kyphosis. In Asthma group, lower values for respiratory pressures related to higher angles of head protrusion and shoulder protrusion, as well as kyphosis. Conclusion: In this population, except for FEV 1 /FVC, there were not found differences in posture and ventilatory function among asthmatic and healthy individuals. In asthmatics, it seems to be an inverse behavior of head and shoulder protrusion angles and kyphosis angels with ability of generating maximal respiratory pressures.

9 Key Words: Asthma. Spirometry. Respiratory muscles. Posture.

10 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Transdutor de pressão respiratória utilizado nas avaliações, conectado a microcomputador portátil Figura 2 - Bocal de borracha semi-rígida, tipo mergulhador, utilizado nas avaliações. A seta vermelha indica o orifício de escape aéreo com 2mm de diâmetro Figura 3 - Fotografia em perfil esquerdo, mostrando ângulo de protrusão de cabeça Figura 4 - Fotografia em perfil esquerdo, mostrando ângulo de protrusão de ombro Figura 5 - Fotografia em perfil esquerdo, mostrando ângulo de cifose torácica

11 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Características do Grupo Asma (n=10) e do Grupo Controle (n=10): idade e IMC Tabela 2 - Resultados em Média e desvios padão da avaliação espirométrica dos gupos Asma e Controle Tabela 3 - Resultados em média e desvios padrão dos valores encontrados para os ângulos de protusão de cabeça, protusão de ombro, e cifose torácica dos grupos Asma e Controle Tabela 4 - Resultados em porcentagem do predito dos valores encontrados para pressões inspiratórias e expiratórias do Grupo Asma... 28

12 LISTA DE SIGLAS AVD s CRF CVF C7 IMC PEmáx PEpico PEplatô PFE PImáx PIpico PIplatô SAPO SUS T7 VEF 1 VEF 1 /CVF VR VVM - Atividades de Vida Diária - Capacidade Residual Funcional - Capacidade Vital Forçada - Sétima Vértebra Cervical - Índice de Massa Corporal - Pressão de Fluxo Expiratório Máximo - Pressão Expiratória de Pico - Pressão Expiratória de Platô - Pico de Fluxo Expiratório - Pressão Inspiratória Máxima - Pressão Inspiratória de Pico - Pressão Inspiratória de Platô - Software Para Avaliação Postural - Sistema Único de Saúde - Sétima Vértebra Torácica - Volume Expiratório Forçado no Primeiro Segundo - Relação entre Volume Expiratório Forçado no Primeiro Segundo e Capacidade Vital Forçada - Volume Residual - Ventilação Voluntária Máxima

13 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Função ventilatória na asma Alterações biomecânicas na asma Avaliação Postural OBJETIVOS Objetivos gerais Objetivos específicos METODOLOGIA Avaliação Análise Estatística RESULTADOS DISCUSSÃO CONCLUSÃO E CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICE ANEXO ANEXO

14 13 1. INTRODUÇÃO A asma é uma doença inflamatória crônica, caracterizada por estreitamento das vias aéreas em resposta a estímulos broncoconstritores, gerando limitação variável ao fluxo aéreo, reversível espontaneamente ou com tratamento. Apresenta como manifestações clínicas sibilância, dispnéia, tosse crônica, aperto no peito ou desconforto torácico, sendo consequência da interação entre genética, exposição ambiental a alérgenos e outros fatores específicos, que levam ao desenvolvimento e manutenção dos sintomas 1,2,3,4. A asma pode ser classificada, quanto a gravidade, em: intermitente e persistente, sendo esta última classificada em leve, moderada e grave 3,4,5. Quanto ao nível de controle, a asma é também classificada em controlada, parcialmente controlada e não controlada 4. O diagnóstico da asma deve ser baseado na sintomatologia clínica ou pode ser realizado através de critérios funcionais, a partir de exames complementares tais como espirometria e pico de fluxo expiratório (PFE) 3, 6. Anualmente ocorrem cerca de 350 mil internações por asma no Brasil 7, sendo esta doença a quarta causa geral de hospitalizações pelo Sistema Único de Saúde (SUS) (2,3% do total), e a terceira causa entre crianças e adultos jovens. Nos países em desenvolvimento, a mortalidade por asma vem aumentando nos últimos dez anos, correspondendo a cerca de 5% a 10% das mortes por causa respiratória 5,8. O tratamento da asma deve se basear no controle dos sintomas permitindo a realização de atividades de vida diária (AVD s), manutenção da melhor função pulmonar possível, prevenção de hospitalizações e redução de risco de morte. Além disso, o fornecimento de informações à pessoa com asma e seus familiares pode melhorar o controle do quadro patológico e a qualidade de vida. Desta forma, é essencial a abordagem de uma equipe multidisciplinar capaz de manter ou garantir o bem estar do paciente 6.

15 Função ventilatória na asma: A inflamação da mucosa brônquica ocasiona limitação ao fluxo aéreo devido a edema brônquico, tampões de muco e contração da musculatura lisa. Todos estes fatores levam a redução do calibre das vias aéreas, gerando aumento da resistência destas e hiperinsuflação pulmonar. O diâmetro dos bronquíolos diminui mais durante a expiração forçada, pois o aumento da pressão intrapulmonar durante o esforço expiratório produz compressão dinâmica de suas paredes. A diminuição de seu calibre como conseqüência dessa compressão externa provoca obstrução intensa durante as expirações. Na crise asmática, a inspiração se torna rápida e superficial enquanto a expiração é longa e ineficaz 9,10. Desta forma, as mensurações clínicas por meio da espirometria podem revelar grandes reduções nos fluxos expiratórios máximos (PFE) e no volume expiratório forçado no primeiro segundo (VEF 1 ). Além disso, durante as crises, o paciente apresenta aumento da capacidade residual funcional (CRF) que pode até alcançar um volume maior que o da capacidade pulmonar total no estado normal 10, podendo apresentar ainda aumento do volume residual (VR). A relação ventilação/ perfusão também se encontra alterada, devido à ventilação não uniforme. A hipoxemia pode ocorrer em consequência desta alteração, aumentando o estímulo respiratório como tentativa de garantir a ventilação e envolvendo maior gasto energético Alterações biomecânicas na asma: A hiperinsuflação pulmonar gera aumento dos diâmetros torácicos podendo levar a um déficit na contração dos músculos inspiratórios, comprometendo sua capacidade de gerar pressão. Portanto, os músculos da respiração que contribuem para a expansibilidade torácica, como os escalenos, esternocleidomastóideos e peitorais, podem ser mais recrutados em pacientes com asma. Tais músculos apresentam inserções extratorácicas, exercendo também funções não ventilatórias, como a manutenção do posicionamento da cabeça e dos ombros. Espera-se que o

16 15 trabalho excessivo gerado a partir do aumento da resistência nas vias aéreas resulte em encurtamento e consequente diminuição da eficácia muscular, assim como capacidade diminuída para os músculos antagonistas, geralmente relaxados. Esta condição pode levar, por exemplo, no que diz respeito ao músculo peitoral, à posição alterada dos ombros, que passam a ser projetados para frente em relação ao tronco, podendo gerar alterações em cadeia como, por exemplo, protrusão de cabeça 11,12. Além das alterações supracitadas, podem estar presentes também, modificações posturais, como aumento da lordose cervical e aumento da cifose torácica, gerando possivelmente dor e incapacidade, além de aumento do comprometimento da função respiratória. O diafragma, músculo principal da inspiração, é formado por duas porções: uma muscular periférica e outra central ou tendínea. A porção muscular se divide em três partes: uma parte vertebral, também denominada pilares do diafragma, inserida nas quatro primeiras vértebras lombares; outra parte, costal, que corresponde à porção lateral e se origina das faces internas dos últimos arcos costais; e, por fim, a esternal, que é constituída por dois feixes musculares provenientes da face posterior do processo xifóide. Já a porção tendínea é uma lâmina fibrosa que ocupa a porção central do diafragma. Além de exercer a função de aumentar o diâmetro longitudinal do tórax e, consequentemente, gerar pressão negativa intratorácia responsável pela entrada de ar na inspiração, durante sua contração, o diafragma também exerce funções estáticas, como tração sobre a coluna lombar, contribuindo com a lordose desta região 13. Sendo assim, alterações do padrão respiratório podem provocar desequilíbrio de toda a musculatura do tórax, levando ao surgimento de deformidades torácicas e da coluna vertebral 14. O conjunto de alterações biomecânicas que inclui as alterações da cadeia respiratória, poderão influenciar diretamente na qualidade de vida do individuo asmático 2,9. Em relação a força muscular, estudos se mostram controversos quando se trata da asma. Enquanto alguns autores descrevem a presença de menores valores de pressões respiratórias máximas em pacientes com asma 15,16,17,18, McKenzie e Gandevia (1986), embora reconheçam que a hiperinsuflação parece ser o fator que afetaria a força gerada pela musculatura inspiratória e expiratória, não relatam

17 16 diferença significativa para força e resistência dos músculos respiratórios em um grupo de asmáticos, quando comparados com indivíduos sadios. 1.3 Avaliação Postural: A postura é a relação cinemática entre as posições dos complexos articulares do corpo em um dado momento. Em um alinhamento ideal, espera-se que os músculos e articulações estejam em equilíbrio dinâmico, gerando uma quantidade mínima de esforço e sobrecarga, conduzindo a uma eficiência ótima para o aparelho locomotor. Neste sentido, a avaliação postural é de fundamental importância para o diagnóstico, planejamento e acompanhamento da evolução e dos resultados do tratamento fisioterapêutico 19,20. Como dito anteriormente, uma postura adequada é aquela que exige o menor esforço muscular e ligamentar para manter o indivíduo em ortostatismo, facilitando o equilíbrio estático 11. Para o asmático, esta facilitação depende de diferentes linhas de tração muscular, desenvolvidas pelo esforço respiratório ao qual está submetido 21. A avaliação postural por meio da imagem fotográfica tem sido utilizada por vários pesquisadores. Com o desenvolvimento da informática, tem sido estudada a utilização de fotos obtidas analógica ou digitalmente para avaliação postural quantitativa definida como fotogrametria ou bioestriometria, considerada um método confiável em diversas situações clínicas 22,23. A literatura é restrita no sentido de descrever o comportamento postural de indivíduos asmáticos. Lunardi et al. (2010) ao analisar indivíduos asmáticos encontrou alterações posturais tais como protrusão de cabeça e de ombro além, de diminuição da flexibilidade de coluna torácica. Em estudo que avaliou o desenvolvimento de método fotogramétrico para identificação de aumento do diâmetro torácico anteroposterior em crianças asmáticas e não asmáticas, Ricieri et al.. (2008), encontraram média significativamente maior para diâmetro torácico anteroposterior no grupo de crianças asmáticas quando comparado ao grupo de crianças não asmáticas. No que diz respeito à população adulta, Marques (2005) encontrou maior evidencia de encurtamento de cadeia muscular respiratória,

18 17 evidenciado por protrusão de cabeça e ombros, assim como alterações na coluna torácica e lombar em indivíduos com asma, quando comparado a adultos saudáveis. Já Ribeiro et al. (2005), encontrou em asmáticos, alteração no posicionamento dos ombros.

19 18 2. OBJETIVOS 2.1 Objetivo geral: asma. Caracterizar postura corporal e função pulmonar de pacientes adultos com 2.2 Objetivos específicos: - Comparar a postura corporal de pacientes adultos com asma com a de indivíduos saudáveis, em relação a posição de cabeça, ombro e colunas cervical e torácica. - Comparar a função ventilatória de pacientes adultos com asma com a de indivíduos saudáveis. - Correlacionar a postura corporal de pacientes adultos com asma com a função pulmonar avaliada através da espirometria. - Correlacionar a postura corporal de pacientes adultos com asma com a força muscular respiratória.

20 19 3. METODOLOGIA Trata-se de estudo transversal que avaliou dez indivíduos adultos com asma - grupo Asma - (participantes de pesquisa intitulada Avaliação da força e da ativação da musculatura respiratória em indivíduos asmáticos ) e dez indivíduos adultos saudáveis - grupo Controle -, tendo sido aprovado no Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Universidade Federal de Juiz de Fora CEP/UFJF sob o número 0106/09 Anexo 1. Foram considerados critérios de inclusão para o grupo Asma: indivíduos com idade entre dezoito e sessenta anos, sedentários, não obesos (IMC < 30 Kg/m2) e não-tabagistas, com diagnóstico médico de asma há pelo menos seis meses, submetidos a tratamento medicamentoso regular e que não houvessem apresentado crise de asma ou infecção das vias aéreas superiores nos 30 dias anteriores à coleta dos dados. Foram considerados como critérios de exclusão a presença de outras doenças do sistema respiratório, doenças cardiovasculares, ortopédicas e reumatológicas, além de uso contínuo de corticosteróide oral. Para o grupo Controle foram selecionados indivíduos saudáveis, sendo esta demanda espontânea, com distribuição por gênero, idades e características antropométricas semelhantes às do grupo Asma. O nível de controle da asma foi avaliado através do Questionário de Controle da Asma, desenvolvido por Juniper et al. (2000), traduzido e validado para a população brasileira Anexo 2. Os indivíduos asmáticos foram encaminhados pelo Serviço de Pneumologia do Hospital Universitário/Centro de Atenção à Saúde (HU/CAS). As avaliações foram realizadas no Serviço de Fisioterapia do HU/CAS/UFJF, sempre no mesmo período do dia. Após a assinatura do termo de consentimento livre e esclarecido (Apêndice1), os voluntários foram submetidos a uma sequência padronizada de avaliações.

21 Avaliação: - Avaliação das características antropométricas: foram avaliados peso, altura e IMC, utilizando balança antropométrica com estadiômetro acoplado (modelo LD1050, Líder, Araçatuba, São Paulo, Brasil), disponível no local de realização das avaliações; - Avaliação espirométrica: Foi realizada de acordo com Diretrizes para Teste de Função Pulmonar utilizando-se o Espirômetro Pulmo Win V2.30E. As avaliações foram realizadas com indivíduo na posição sentada sem inclinação de tronco, utilizando clipe nasal para impedir o escape aéreo pelas narinas. Foi utilizado bocal tipo tubete em todas as manobras. Primeiramente os participantes receberem explicação quanto a realização das manobras e em seguida as avaliações foram executadas. Foram avaliados: Capacidade Vital Forçada (CVF), definida como o volume máximo de ar exalado a partir de inspiração máxima; Volume Expiratório Forçado (VEF 1 ), que representa o volume de ar exalado no primeiro segundo da manobra de CVF; relação VEF 1 /CVF, indicador primário de obstrução; Pico de Fluxo Expiratório (PFE), definido como o mais alto fluxo registrado durante a manobra de CVF e a Ventilação Voluntária Máxima (VVM), que é o volume de ar ventilado durante repetidas manobras de respiratórias forçadas 24,25. Quando avaliados PFE, VEF1, CVF e VEF1/CVF o indivíduo realizou, após uma série de 5 respirações tranqüilas, uma inspiração lenta até a capacidade pulmonar total, seguida de uma expiração forçada, rápida e vigorosa. Para a realização da VVM os participantes realizaram inspirações rápidas e profundas seguidas de expirações rápidas e vigorosas durante 10 segundos. Esses dados foram registrados digitalmente e, para serem aceitos, os valores não poderiam diferir entre si em mais de 10% do valor mais elevado Avaliação das pressões respiratórias estáticas máximas: Foram avaliadas de acordo com o protocolo proposto por Black e Hyat (1969). As avaliações foram realizadas com o indivíduo na posição sentada sem inclinação de tronco, utilizando clipe nasal para impedir escape aéreo pelas narinas. Os indivíduos receberam explicação prévia acerca da realização da manobra. Para as avaliações foi utilizado um transdutor de pressão (manovacuômetro computadorizado) da marca EMG System do Brasil Ltda. (São José dos Campos, São Paulo, Brasil), com placa de

22 21 conversão analógico/digital de 16 bits de resolução, filtros de hardware passa alta com frequência de corte de 20 Hz e passa baixa com frequência de corte de 500 Hz (realizado por filtro analógico do tipo Butterworth de dois pólos), e frequência de amostragem de 240 Hz (FIGURA 1). Figura 1 - Transdutor de pressão respiratória utilizado nas avaliações, conectado a microcomputador portátil. Todos os testes foram conduzidos por um mesmo avaliador previamente treinado. Para as mensurações, foi utilizado um bocal tipo mergulhador, com orifício de escape aéreo de 2 mm de diâmetro, objetivando impedir o fechamento glótico durante as manobras de pressão inspiratória máxima (PImax), bem como a utilização dos músculos bucais durante as manobras de pressão expiratória máxima (PEmax) 26 (FIGURA 2).

23 22 Figura 2 - Bocal de borracha semi-rígida, tipo mergulhador, utilizado nas avaliações. A seta vermelha indica o orifício de escape aéreo com 2mm de diâmetro. Para avaliação da PImax, foi solicitada a realização um esforço inspiratório máximo, sendo o comportamento do esforço inspiratório registrado digitalmente; em seguida, a partir de uma inspiração máxima, foi solicitado um esforço expiratório máximo, sendo esses dados também registrados. Foram realizadas cinco manobras consecutivas, sendo as duas primeiras com propósito de aprendizado, não sendo consideradas para a análise dos resultados. Durante as medidas de PEmax, o indivíduo foi solicitado a sustentar as bochechas com uma das mãos, no intuito de evitar a influência da pressão gerada pela insuflação das mesmas durante a manobra. Para serem aceitas, as manobras deveriam ser aceitáveis (sem vazamento) e reprodutíveis (com valores que não diferissem entre si em mais de 10% do valor mais elevado) 14. O indivíduo descansou por 1 minuto ou mais entre cada uma das tentativas, de acordo com a percepção individual de cansaço. Foram consideradas para análise posterior dois parâmetros de definição de pressão máxima, tanto para PImáx quanto para PEmáx, a saber, pressão de pico e pressão de platô. Tais parâmetros foram calculados a partir de algoritmo matemático específico, desenvolvido no software matemático Matlab R2009a 1 (The MathWorks, Natick, Massachusetts, USA), sendo definidas como pressão de pico o maior valor pressórico atingido em qualquer momento do teste, e pressão de platô o maior valor de pressão sustentado, durante o intervalo de um segundo, em qualquer momento do teste (COELHO, 2011). 1 Licença obtida a partir do projeto FAPEMIG n o APQ 01284/09

24 23 - Avaliação postural: Para a realização da avaliação postural, os indivíduos foram fotografados descalços, em plano sagital esquerdo, usando traje que permitia a visualização dos pontos anatômicos analisados. Os cabelos foram presos acima da nuca, quando necessário, para garantir a visualização da região cervical. Pontos anatômicos foram demarcados utilizando-se marcadores passivos feitos com bolas de isopor e fixados à pele com fita adesiva dupla-face 11. Os locais escolhidos para a fixação dos marcadores foram: trágus da orelha, sétima vértebra cervical (C7), acrômio e sétima vértebra torácica (T7). Após a fixação dos marcadores, cada indivíduo foi posicionado de pé em um tapete de borracha, sendo instruído pelo comando verbal: você vai ficar em pé neste tapete numa posição que seja confortável. Em seguida, foram orientados a olhar para o horizonte sem que houvesse alguma interferência verbal para correção da postura adotada. A câmera fotográfica da marca Cassio Exilim 8.1MP foi posicionada em um tripé a uma altura de 1,5 metros e 4 metros de distância do indivíduo 11. Um fio de prumo preso no teto com duas marcações (bolas de isopor), com distância de 1 metro entre elas, foi utilizado para a calibração da imagem. O indivíduo se posicionou ao lado direito do fio de tal modo que ambos ficassem no mesmo plano captado pela câmera. O processamento dos dados obtidos pela avaliação postural foi realizado através do Software Para Avaliação Postural, SAPO, disponibilizado gratuitamente pela FAPESP (http://sapo.incubadora.fapesp.br/portal). A análise das fotos obedeceu a seguinte seqüência: abertura da imagem, calibração da foto através do fio de prumo, marcação dos pontos anatômicos e mensuração dos ângulos. Para avaliar a protrusão de cabeça, foi analisado o ângulo formado por uma linha horizontal passando por T7 e outra que, partindo deste ponto, se dirigia ao trágus da orelha (FIGURA 3).

25 24 Figura 3 - Fotografia em perfil esquerdo, mostrando ângulo de protrusão de cabeça. Para avaliar a protrusão de ombro, foi analisado o ângulo formado por uma linha horizontal passando por T7 e outra que, partindo deste ponto, se dirigia ao acrômio (FIGURA 4). Figura 4 - Fotografia em perfil esquerdo, mostrando ângulo de protrusão de ombro.

26 25 Para determinar a cifose torácica foi analisado o ângulo formado por uma linha horizontal passando por T7 e outra que, partindo deste ponto se dirigia a C7 (FIGURA 5). Figura 5 - Fotografia em perfil esquerdo, mostrando ângulo de cifose torácica. 3.2 Análise Estatística: Para análise dos dados foram calculados média e desvio padrão das variáveis. Verificada a normalidade de todas as variáreis, foi utilizado o teste T Student para comparação entre os grupos e o Teste de Correlação de Pearson para testar associação entre as diversas variáveis, considerando o nível de significância de p 0,05. Os dados foram analisados pelo software SPSS 13.0 para Windows.

27 26 4. RESULTADOS A amostra foi composta por 20 voluntários, sendo 10 pertencentes ao grupo Asma (1 homem e 9 mulheres) e 10 pertencentes ao grupo controle composto por indivíduos saudáveis (1 homem e 9 mulheres), cujas características estão descritas na Tabela 1. Tabela 1 - Características da amostra Grupo Controle Grupo Asma Idade (anos) 42 ± 10,38 41,4 ± 10,85 IMC (Kg/m 2 ) 25,75 ± 2,47 25,01 ± 3,45 Dados expressos em termos de média ± desvio padrão. IMC: Índice de massa corporal; Kg/m 2 : Quilograma por metro quadrado. A seguir, a tabela 2 apresenta, em termos de médias e desvios padrão, os resultados da avaliação de espirometria em valores de porcentagem do predito, para os grupos Controle e Asma. Somente foi encontrada diferença significativa entre os grupos para VEF 1 /CVF (p= 0,003).

28 27 Tabela 2 Espirometria Grupo Controle Grupo Asma p valor CVF% 89,90 ± 18,13 91,10 ± 14,34 0,871 VEF 1 % 89,50 ± 19,13 78,60 ± 13,72 0,161 VVM% 84,72 ± 11,81 76,70 ± 25,13 0,373 VEF 1 /CVF% 99,10 ± 6,42 86,70 ± 9,2 0,003 PFE% 79,80 ± 17,19 79 ± 12,92 0,908 Dados expressos em termos de média ± desvio padrão. CVF: capacidade vital forçada; VEF 1 : volume expiratório forçado no primeiro segundo; VVM: ventilação voluntária máxima; PFE: pico de fluxo expiratório; %: porcentagem do predito. No que diz respeito à avaliação postural, a tabela 3 apresenta as médias e desvios padrão dos valores encontrados para os ângulos de protrusão de cabeça, protrusão de ombro e cifose, não tendo sido encontradas diferenças significativas entre os grupos. Tabela 3 - Avaliação Postural Grupo Controle Grupo Asma p valor Protrusão de Ombro 129,90 ± 5,87 128,84 ± 7,10 0,721 Protrusão de cabeça 118,88 ± 4,69 119,64 ± 4,11 0,705 Cifose 102,66 ± 4,57 105,53 ± 4,12 0,158 Dados expressos em termos de média ± desvio padrão. Ao serem analisadas as correlações entre os diversos aspectos da função ventilatória e da postura, não foi encontrada significância estatística no grupo Controle. No entanto, somente no grupo Asma, observou-se que maiores ângulos

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS Diego de Faria Sato 1 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: A obesidade é considerada

Leia mais

Provas de Função Pulmonar

Provas de Função Pulmonar Aula Prática Provas de Função Pulmonar Nataniel Gonçalves Rosa 5 de Novembro de 2014 Engenharia Biomédica Ventilação pulmonar Renovação do ar contido nos pulmões de modo espontâneo e por acção dos músculos

Leia mais

TÍTULO: REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL COMO ESTRATEGIA DE TRATAMENTO PRA PACIENTES COM DPOC INSERIDOS EM UM PROGRAMA DE REABILITAÇÃO PULMONAR

TÍTULO: REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL COMO ESTRATEGIA DE TRATAMENTO PRA PACIENTES COM DPOC INSERIDOS EM UM PROGRAMA DE REABILITAÇÃO PULMONAR TÍTULO: REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL COMO ESTRATEGIA DE TRATAMENTO PRA PACIENTES COM DPOC INSERIDOS EM UM PROGRAMA DE REABILITAÇÃO PULMONAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

CARACTERÍSTICAS POSTURAIS DE IDOSOS

CARACTERÍSTICAS POSTURAIS DE IDOSOS CARACTERÍSTICAS POSTURAIS DE IDOSOS 1INTRODUÇÃO A partir dos 40 anos, a estatura começa a se reduzir em torno de um centímetro por década¹.a capacidade de manter o equilíbrio corporal é um prérequisito

Leia mais

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA Meiry Alonso Rodrigues Pereira DEFINIÇÃO Distúrbio caracterizado pelo aumento da reatividade da traquéia e dos brônquios à vários estímulos, resultando na constrição difusa

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM CRIANÇAS ASMÁTICAS NA FAIXA ETÁRIA DE 7 A 10 ANOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM CRIANÇAS ASMÁTICAS NA FAIXA ETÁRIA DE 7 A 10 ANOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM CRIANÇAS ASMÁTICAS NA FAIXA ETÁRIA DE 7 A 10 ANOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36. INTRODUÇÃO Autora: Gláucia Golono Salvador G INESUL FISIOTERAPIA LONDRINA PR Orientadora:

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A?

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A? EXERCÍCIOS E POSTURA OS EXERCÍCIOS REALMENTE MODIFICAM A POSTURA? 1 Um vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora, um desvio postural pode ser corrigido com exercícios

Leia mais

EFEITOS DA IMERSÃO EM ÁGUA AQUECIDA SOBRE O SISTEMA RESPIRATÓRIO. Effect of the Immersion in Warm Water on the Respiratory System

EFEITOS DA IMERSÃO EM ÁGUA AQUECIDA SOBRE O SISTEMA RESPIRATÓRIO. Effect of the Immersion in Warm Water on the Respiratory System Efeitos da imersão em água aquecida sobre o sistema respiratório EFEITOS DA IMERSÃO EM ÁGUA AQUECIDA SOBRE O SISTEMA RESPIRATÓRIO Effect of the Immersion in Warm Water on the Respiratory System Alessandra

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA NATÁLIA BARREL COTA RUANNA FURTADO DE SOUSA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA NATÁLIA BARREL COTA RUANNA FURTADO DE SOUSA 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA NATÁLIA BARREL COTA RUANNA FURTADO DE SOUSA AVALIAÇÃO DA FUNÇÃO PULMONAR DE INDIVÍDUOS COM INSUFICIÊNCIA CARDÍACA ISQUÊMICA

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE PILATES NA CAPACIDADE RESPIRATÓRIA FUNCIONAL EM PACIENTES COM DPOC

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE PILATES NA CAPACIDADE RESPIRATÓRIA FUNCIONAL EM PACIENTES COM DPOC TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE PILATES NA CAPACIDADE RESPIRATÓRIA FUNCIONAL EM PACIENTES COM DPOC CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural AVALIAÇÃO POSTURAL 1. Desenvolvimento Postural Vantagens e desvantagens da postura ereta; Curvas primárias da coluna vertebral; Curvas Secundárias da coluna vertebral; Alterações posturais com a idade.

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João Disciplina: MFT-0377 Métodos de Avaliação Clínica e Funcional Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Leia mais

São Paulo, 26 de agosto de 2010. Asma. Paula Meireles

São Paulo, 26 de agosto de 2010. Asma. Paula Meireles São Paulo, 26 de agosto de 2010 Asma Paula Meireles Doença inflamatória crônica Hiper-responsividade Limitação variável ao fluxo aéreo ASMA Definição Episódios recorrentes de sibilância, dispnéia, aperto

Leia mais

PICO DO FLUXO EXPIRATÓRIO ANTES E APÓS UTILIZAÇÃO DA MÁSCARA DE EPAP NA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA: ESTUDO DE CASO

PICO DO FLUXO EXPIRATÓRIO ANTES E APÓS UTILIZAÇÃO DA MÁSCARA DE EPAP NA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA: ESTUDO DE CASO 68 PICO DO FLUXO EXPIRATÓRIO ANTES E APÓS UTILIZAÇÃO DA MÁSCARA DE EPAP NA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA: ESTUDO DE CASO Josiane Manzo Lamoso 1,2, Flávia Letícia dos Santos 1,2, João Paulo Manfré

Leia mais

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA Juliana Camilla

Leia mais

NORMA TÉCNICA 02/2013

NORMA TÉCNICA 02/2013 Introdução NORMA TÉCNICA 02/2013 DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA - DPOC A doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) se caracteriza por sinais e sintomas respiratórios associados a obstrução crônica

Leia mais

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG Fábio Alexandre Moreschi Guastala 1, Mayara

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação AVALIAÇÃO DA FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA DE MULHERES PRATICANTES DO MÉTODO PILATES

8º Congresso de Pós-Graduação AVALIAÇÃO DA FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA DE MULHERES PRATICANTES DO MÉTODO PILATES 8º Congresso de Pós-Graduação AVALIAÇÃO DA FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA DE MULHERES PRATICANTES DO MÉTODO PILATES Autor(es) ELLEN ROCHA DE ANDRADE Co-Autor(es) FABIANA SOBRAL PEIXOTO SOUZA Orientador(es)

Leia mais

Comparação da força da musculatura respiratória em pacientes acometidos por acidente vascular encefálico (AVE) com os esperados para a idade e sexo

Comparação da força da musculatura respiratória em pacientes acometidos por acidente vascular encefálico (AVE) com os esperados para a idade e sexo Comparação da força da musculatura respiratória em pacientes acometidos por acidente vascular encefálico (AVE) com os esperados para a idade e sexo Camila Viana Benzoni 1, Paulo Eduardo Gomes Ferreira

Leia mais

EFEITO DO TREINAMENTO MUSCULAR RESPIRATÓRIO COM THRESHOLD EM PACIENTES PORTADORES DE DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA

EFEITO DO TREINAMENTO MUSCULAR RESPIRATÓRIO COM THRESHOLD EM PACIENTES PORTADORES DE DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA EFEITO DO TREINAMENTO MUSCULAR RESPIRATÓRIO COM THRESHOLD EM PACIENTES PORTADORES DE DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA Nádia Caroline de Sousa Menezes¹, Michelle Maria de Macedo 2, Naiara Santos Fonseca

Leia mais

ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA

ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA Karina de Sousa Assad * Layana de Souza Guimarães ** RESUMO A proposta desse artigo é demonstrar que algumas alterações posturais podem levar a distúrbios

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-1 O USO DA OXIGENIOTERAPIA DOMICILIAR NO PACIENTE DPOC Autora: ROSA, Ana Carolina

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL FORTALEZA CEARÁ 2009 SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS

Leia mais

Relação das Principais Formula e Tabelas para Avaliação do Paciente Internado em UTI

Relação das Principais Formula e Tabelas para Avaliação do Paciente Internado em UTI Regional - Goiás Relação das Principais Formula e Tabelas para Avaliação do Paciente Internado em UTI 1. Tabela da Escala de Glasgow Aplicação: avaliação do grau de consciência. Atividade Pontuação Resposta

Leia mais

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA Fernanda Cristina Pereira 1

Leia mais

FUNÇÃO PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO-CORALISTAS

FUNÇÃO PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO-CORALISTAS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 FUNÇÃO PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO-CORALISTAS Camila de Moraes Rosa 1 ; Juliana policarpo Teodoro

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada A coluna cervical consiste em diversas

Leia mais

FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA, PICO DE FLUXO E INDICE DE MASSA CORPÓREA EM INDIVÍDUOS ADULTOS COM SINDROME DE DOWN

FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA, PICO DE FLUXO E INDICE DE MASSA CORPÓREA EM INDIVÍDUOS ADULTOS COM SINDROME DE DOWN 182 FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA, PICO DE FLUXO E INDICE DE MASSA CORPÓREA EM INDIVÍDUOS ADULTOS COM SINDROME DE DOWN Elaine Aparecida Lozano da Silva, Giulia Iracelis Passarini da Silva, Renilton José

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

QUALIDADE EM PFP INTERATIVA INTERATIVA. 14 de outubro: dia da espirometria

QUALIDADE EM PFP INTERATIVA INTERATIVA. 14 de outubro: dia da espirometria QUALIDADE EM PFP 14 de outubro: dia da espirometria INTERATIVA Você será náufrago em uma ilha remota. Qual equipamento de função pulmonar você levaria? a)espirômetro b)pletismógrafo c)analisador de Difusão

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING O Curso de Formação em Iso Stretching é ministrado pelo fundador da técnica, o osteopata e fisioterapeuta francês Bernard Redondo. O método Iso Stretching foi desenvolvido

Leia mais

INFLUÊNCIA DA HIPOCONVERGÊNCIA OCULAR NA POSTURA CRANIOCERVICAL E NO RECRUTAMENTO DOS FLEXORES PROFUNDOS CERVICAIS EM INDIVÍDUOS ASSINTOMÁTICOS

INFLUÊNCIA DA HIPOCONVERGÊNCIA OCULAR NA POSTURA CRANIOCERVICAL E NO RECRUTAMENTO DOS FLEXORES PROFUNDOS CERVICAIS EM INDIVÍDUOS ASSINTOMÁTICOS INFLUÊNCIA DA HIPOCONVERGÊNCIA OCULAR NA POSTURA CRANIOCERVICAL E NO RECRUTAMENTO DOS FLEXORES PROFUNDOS CERVICAIS EM INDIVÍDUOS ASSINTOMÁTICOS Bruno Meloni de Moraes, Fisioterapeuta, Graduado pelo Centro

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos.

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. Autores: Ft Mariana Machado Signoreti Profa. Msc. Evelyn Cristina Parolina A capoeira é uma manifestação

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO PROPOSTA DE UM PROGRAMA DE ERGONOMIA

Leia mais

Reabilitação Pulmonar. Ft. Andréa Carvalho Centro de Reabilitação Pulmonar - EPM

Reabilitação Pulmonar. Ft. Andréa Carvalho Centro de Reabilitação Pulmonar - EPM Reabilitação Pulmonar Ft. Andréa Carvalho Centro de Reabilitação Pulmonar - EPM Reabilitação Pulmonar Definição Programa multiprofissional de cuidados a pacientes com alteração respiratória crônica, que

Leia mais

Associação entre função pulmonar e bronquiolite em lactentes prematuros

Associação entre função pulmonar e bronquiolite em lactentes prematuros PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA MESTRADO EM PEDIATRIA E SAÚDE DA CRIANÇA Associação

Leia mais

EFEITO AGUDO DO EXERCÍCIO AQUÁTICO NA FUNÇÃO PULMONAR DURANTE A GESTAÇÃO

EFEITO AGUDO DO EXERCÍCIO AQUÁTICO NA FUNÇÃO PULMONAR DURANTE A GESTAÇÃO 157 EFEITO AGUDO DO EXERCÍCIO AQUÁTICO NA FUNÇÃO PULMONAR DURANTE A GESTAÇÃO Daniela Bonfim Cortês 1, Dionei Ramos 3, Karina Cristina Fernandes 1, Ana Paula Rodrigues Rocha 1, Mariane Fátima da Silva Araujo

Leia mais

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

Avaliação das alterações posturais em pacientes submetidas à mastectomia radical. modificada 1. Resumo

Avaliação das alterações posturais em pacientes submetidas à mastectomia radical. modificada 1. Resumo Avaliação das alterações posturais em pacientes submetidas à mastectomia radical modificada 1 Fernanda Bulgarelli 2 Karina Brongholi 3 Melissa Medeiros Braz Resumo No contexto atual da sociedade em que

Leia mais

USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO

USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO Autoria: Inácia Regina Barbosa Leal (FCM-CG) Rosa Suênia da Camara Melo (Orientadora)

Leia mais

DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos

DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos CAROLINE GONSALEZ FLAVIO PILOTO CIRILLO JULIANA THIEMI IMANO KAMILLA FERNANDES LINS SP 2009 DEFORMIDADES

Leia mais

Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais PLANO DE CURSO

Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais Código: Fisio 218 Pré-requisito: --------

Leia mais

Ana Clara de Oliveira¹; Luís Henrique Sales Oliveira²

Ana Clara de Oliveira¹; Luís Henrique Sales Oliveira² COMPARAÇÃO DO EFEITO DO TREINAMENTO MUSCULAR INSPIRATÓRIO E SUA INFLUÊNCIA NA CAPACIDADE FUNCIONAL DE SADIOS SEDENTÁRIOS MENSURADO PELO TESTE DE CAMINHADA DE SEIS MINUTOS Ana Clara de Oliveira¹; Luís Henrique

Leia mais

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade Vargas, Liziane da Silva de; Benetti, Chane Basso; Santos, Daniela Lopes dos Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade 10mo Congreso Argentino

Leia mais

CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA

CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA APRENDA A CUIDAR DA SUA COLUNA Elaboração: Júlia Catarina Sebba Rios Pesquisa: Efeitos de um programa educacional de autocuidado de coluna em idosos ati vos e sedentários

Leia mais

Efeitos da fisioterapia na força muscular respiratória do idoso: revisão de literatura

Efeitos da fisioterapia na força muscular respiratória do idoso: revisão de literatura Efeitos da fisioterapia na força respiratória do idoso: revisão de literatura Flávia Alves de Abreu 1, Ingrid Maziero Cheles 1, Maíra de Freitas Souza 1, Michelle Pereira Lima 1, Rafael Bossolan 1, Andréa

Leia mais

Cuidados Posturais. Prof Paulo Fernando Mesquita Junior

Cuidados Posturais. Prof Paulo Fernando Mesquita Junior Cuidados Posturais Prof Paulo Fernando Mesquita Junior Vídeo: Cuidados_posturais_Dr.MiguelMastropaulo A postura correta Considera-se uma boa postura aquela condição em que o alinhamento corporal proporciona

Leia mais

É um exercitador respiratório também chamado de inspirômetro de incentivo. Pode ser utilizado com dois objetivos:

É um exercitador respiratório também chamado de inspirômetro de incentivo. Pode ser utilizado com dois objetivos: 1- O que é o RESPIRON? É um exercitador respiratório também chamado de inspirômetro de incentivo. Pode ser utilizado com dois objetivos: 1- Para obtenção de inspirações profundas e sustentadas o que possibilita

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

AVALIAÇÃO DA MECÂNICA RESPIRATÓRIA NO PRE E PÓS-OPERATÓRIO DE CIRURGIA TORÁCICA ELETIVA DE NÓDULO PULMONAR

AVALIAÇÃO DA MECÂNICA RESPIRATÓRIA NO PRE E PÓS-OPERATÓRIO DE CIRURGIA TORÁCICA ELETIVA DE NÓDULO PULMONAR AVALIAÇÃO DA MECÂNICA RESPIRATÓRIA NO PRE E PÓS-OPERATÓRIO DE CIRURGIA TORÁCICA ELETIVA DE NÓDULO PULMONAR Coutinho CS* 1, Ambrosio Neto M* 1, Bandeira GA 2, Fagundes AA 1 1 Universidade do Vale do Paraíba,

Leia mais

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Siomara F. M. de Araújo; Dyego F. Facundes; Erika M. Costa; Lauane L. Inês; Raphael Cunha. siomarafma@hotmail.com

Leia mais

LUCIANA CRISTINA DE OLIVEIRA MATAROLLI SÍNDROME DA APNEIA E HIPOAPNEIA OBSTRUTIVA DO SONO E O TRATAMENTO ATRAVÉS DE APARELHOS INTRA-BUCAIS JI-PARANÁ

LUCIANA CRISTINA DE OLIVEIRA MATAROLLI SÍNDROME DA APNEIA E HIPOAPNEIA OBSTRUTIVA DO SONO E O TRATAMENTO ATRAVÉS DE APARELHOS INTRA-BUCAIS JI-PARANÁ LUCIANA CRISTINA DE OLIVEIRA MATAROLLI SÍNDROME DA APNEIA E HIPOAPNEIA OBSTRUTIVA DO SONO E O TRATAMENTO ATRAVÉS DE APARELHOS INTRA-BUCAIS JI-PARANÁ 2015 LUCIANA CRISTINA DE OLIVEIRA MATAROLLI SÍNDROME

Leia mais

TESTES DE FUNÇÃO PULMONAR: ESPIROMETRIA

TESTES DE FUNÇÃO PULMONAR: ESPIROMETRIA : ESPIROMETRIA Dra. Adriana Vidal Schmidt Laboratório de Função Pulmonar Hospital Cardiológico Costantini Fundação Francisco Costantini VOLUMES E CAPACIDADES PULMONARES CPT: quantidade ar nos pulmões após

Leia mais

Protocolo Clínico. 2. CLASSIFICAÇÃO CID 10 Classificação segundo a CID10 da situação clínica 3. DIAGNÓSTICO

Protocolo Clínico. 2. CLASSIFICAÇÃO CID 10 Classificação segundo a CID10 da situação clínica 3. DIAGNÓSTICO Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal Subsecretaria de Atenção à Saúde Diretoria de Assistência Especializada Comissão Permanente de Protocolos de Atenção à Saúde Protocolo Clínico 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça

Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça Ensaios Clínicos Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça Janice Abbott, PhD Professora de Psicologia da Saúde Faculdade de Saúde Universidade de Central Lancashire

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA TÉCNICAS

Leia mais

TEMA: RESPIMAT ESPIMAT. Data: 22/04/2013 NOTA TÉCNICA 57 /2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

TEMA: RESPIMAT ESPIMAT. Data: 22/04/2013 NOTA TÉCNICA 57 /2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NOTA TÉCNICA 57 /2013 Data: 22/04/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juiz de Direito FLÁVIO BARROS MOREIRA Número do processo: 0082629-95.2012 TEMA: TEMA: SYMBICORT YMBICORT

Leia mais

TEMA: SPIRIVA RESPIMAT - TIOTRÓPIO

TEMA: SPIRIVA RESPIMAT - TIOTRÓPIO NOTA TÉCNICA 69 /2013 Data: 09/05/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juíza de Direito JACQUELINE DE SOUZA TOLEDO E DUTRA Número do processo: 0222623-34.2011.8.13.0525 TEMA:

Leia mais

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 65 Centro Universitário da Grande Dourados X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 66 ANÁLISE POSTURAL EM ADOLESCENTES DO SEXO FEMININO NA FASE

Leia mais

Como Fazer um Pôster?

Como Fazer um Pôster? Como Fazer um Pôster? O que é um Pôster? O pôster é um meio de comunicação visual. É uma fonte de informação do trabalho realizado, complementada por sua apresentação oral. A rigor, é um sumário e uma

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO PARA USO DE ESPAÇADOR

PROTOCOLO CLÍNICO PARA USO DE ESPAÇADOR 24/05/2010 Revisão: ----------------- 15/06/2010 Página: 1 / 5 1. INTRODUÇÃO As crises de broncoespasmo são uma das principais causas de procura ao atendimento emergencial em pronto-atendimento de pediatria,

Leia mais

ANÁLISE DE DIFERENTES PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO EM PACIENTES COM D.P.O.C.

ANÁLISE DE DIFERENTES PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO EM PACIENTES COM D.P.O.C. ANÁLISE DE DIFERENTES PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO EM PACIENTES COM D.P.O.C. MORELLO, Marcos. A 1 MARQUES, Rafael. P 2 NEITZKE, Nataniel. M 3 LUCHESA, Cesar.A 4 RESUMO A doença pulmonar obstrutiva crônica

Leia mais

O que é ERGONOMIA? TERMOS GREGOS: ERGO = TRABALHO NOMIA (NOMOS)= REGRAS, LEIS NATURAIS

O que é ERGONOMIA? TERMOS GREGOS: ERGO = TRABALHO NOMIA (NOMOS)= REGRAS, LEIS NATURAIS O que é ERGONOMIA? TERMOS GREGOS: ERGO = TRABALHO NOMIA (NOMOS)= REGRAS, LEIS NATURAIS...é um conjunto de conhecimentos relativos ao homem e necessários à concepção de instrumentos, máquinas e dispositivos

Leia mais

EFEITOS IMEDIATOS DA ESCOLA DE POSTURAS DA UFPB NA DIMINUIÇAO DA DOR DE COLUNA, ESTRESSE E FADIGA

EFEITOS IMEDIATOS DA ESCOLA DE POSTURAS DA UFPB NA DIMINUIÇAO DA DOR DE COLUNA, ESTRESSE E FADIGA EFEITOS IMEDIATOS DA ESCOLA DE POSTURAS DA UFPB NA DIMINUIÇAO DA DOR DE COLUNA, ESTRESSE E FADIGA CARDIA, Maria Cláudia Gatto 1 ; LIMA, Junio Alves 2 ; NÓBREGA JR, José Carlos Nogueira 3 ; OLIVEIRA, Rayssa

Leia mais

ASMA ASMA ASMA SINTOMAS. Page 1

ASMA ASMA ASMA SINTOMAS. Page 1 ASMA SUBSTÂNCIAS IRRITANTES: produtos de limpeza, sprays, tintas, inseticida, perfumes, poluição atmosférica REMÉDIOS:aspirina, certos anti-inflamatórios bloqueadores beta adrenérgicos Asma é uma inflamação

Leia mais

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE O cuidado apropriado com a asma pode ajudar o paciente a prevenir a maior parte das crises, a ficar livre de sintomas problemáticos diurnos e noturnos e a

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Coordenadoria de Serviços de Saúde INSTITUTO DANTE PAZZANESE DE CARDIOLOGIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Coordenadoria de Serviços de Saúde INSTITUTO DANTE PAZZANESE DE CARDIOLOGIA DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA ANÁLISE DE PROJETOS DE PESQUISA 1 Folha de Rosto http://portal2.saude.gov.br/sisnep/pesquisador - está folha de rosto deverá ser impressa em 3 vias; deverá ser assinada pelo

Leia mais

EFEITOS DE EXERCÍCIO AERÓBICO SOBRE OS MÚSCULOS RESPIRATÓRIOS EM UMA CRIANÇA PORTADORA DA SÍNDROME DO RESPIRADOR ORAL 1 RESUMO

EFEITOS DE EXERCÍCIO AERÓBICO SOBRE OS MÚSCULOS RESPIRATÓRIOS EM UMA CRIANÇA PORTADORA DA SÍNDROME DO RESPIRADOR ORAL 1 RESUMO EFEITOS DE EXERCÍCIO AERÓBICO SOBRE OS MÚSCULOS RESPIRATÓRIOS EM UMA CRIANÇA PORTADORA DA SÍNDROME DO RESPIRADOR ORAL 1 Andréa Pereira e Silva Ferreira 2 Dayane Montemezzo 3 RESUMO A respiração oral é

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FUNÇÃO PULMONAR DE IDOSOS VINCULADOS A PROGRAMA DE ATENDIMENTO INTERDISCIPLINAR

AVALIAÇÃO DA FUNÇÃO PULMONAR DE IDOSOS VINCULADOS A PROGRAMA DE ATENDIMENTO INTERDISCIPLINAR AVALIAÇÃO DA FUNÇÃO PULMONAR DE IDOSOS VINCULADOS A PROGRAMA DE ATENDIMENTO INTERDISCIPLINAR Lucília Kunioshi Utiyama Mestranda em Biodinâmica do Movimento Humano - EEFE/USP Dr. Luzimar Raimundo Teixeira

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA, QUALIDADE DO SONO E FENÓTIPOS ASMÁTICOS

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA, QUALIDADE DO SONO E FENÓTIPOS ASMÁTICOS TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA, QUALIDADE DO SONO E FENÓTIPOS ASMÁTICOS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI

Leia mais

Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL)

Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL) Projeto: Unidade de Correção Postural AMIL Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL) Autores: LACOMBE,Patricia, FURLAN, Valter, SONSIN, Katia. Instituição: Instituto

Leia mais

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO CARACTERÍSTICAS INDIVIDUAIS - Flexibilidade - Estabilidade - Equilíbrio - Propiocepção

Leia mais

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos.

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos. por Christian Haensell A flexibilidade do corpo e das juntas é controlada por vários fatores: estrutura óssea, massa muscular, tendões, ligamentos, e patologias (deformações, artroses, artrites, acidentes,

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE CURSO DE FISIOTERAPIA

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE CURSO DE FISIOTERAPIA Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2010, v. 10, n. 10, p. 77 85 UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE CURSO DE FISIOTERAPIA APLICABILIDADE DAS TÉCNICAS DE

Leia mais

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA Maria Lucia Ziroldo 1 ; Mateus Dias Antunes 2 ; Daniela Saldanha Wittig 3 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 4 RESUMO: A dor lombar é uma das

Leia mais

Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br

Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br LEITE, Gisele Bueno da Silva; MOURA, Karla Senger Pinto de; DORNELAS, Lilian Maria Candido de Souza; BORGES, Juliana Bassalobre Carvalho. Atuação

Leia mais

INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO

INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO POSTURA INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO *Antigamente : quadrúpede. *Atualmente: bípede *Principal marco da evolução das posturas em 350.000 anos. *Vantagens: cobrir grandes distâncias com o olhar, alargando seu

Leia mais

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM A FIBROMIALGIA consiste numa síndrome - conjunto de sinais e sintomas - com manifestações de

Leia mais

Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias

Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias Propriedades Estáticas do Sistema A ventilação pulmonar consiste no fluxo de ar para dentro e para fora dos pulmões a cada ciclo

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar.

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar. Figura 11a - Posição inicial: 1ª posição paralela. Figura 11b - demi-plié: 1ª posição paralela. Figura 12a - Posição inicial: 2ª posição paralela. Figura 12b- Demi-plié: 2ª posição paralela. 35 Figura

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO SERVIÇO DE CONTROLE DA DOR OROFACIAL E DEFORMIDADES DENTOFACIAIS DO HULW/UFPB

INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO SERVIÇO DE CONTROLE DA DOR OROFACIAL E DEFORMIDADES DENTOFACIAIS DO HULW/UFPB INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO SERVIÇO DE CONTROLE DA DOR OROFACIAL E DEFORMIDADES DENTOFACIAIS DO HULW/UFPB ALVES, Giorvan Ânderson dos santos Alves LOPES SOBRINHO, Paulo Naati LUNA, Anibal Henrique Barbosa

Leia mais

Avaliação Postural e Flexibilidade. Priscila Zanon Candido

Avaliação Postural e Flexibilidade. Priscila Zanon Candido Avaliação Postural e Flexibilidade Priscila Zanon Candido POSTURA A posição otimizada, mantida com característica automática e espontânea, de um organismo em perfeita harmonia com a força gravitacional

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

MASSA CORPORAL E EQUILÍBRIO CORPORAL DE IDOSOS

MASSA CORPORAL E EQUILÍBRIO CORPORAL DE IDOSOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA F E DESPORTOS LABORATÓRIO RIO DE BIOMECÂNICA RELAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E EQUILÍBRIO CORPORAL DE IDOSOS Revista Brasileira de Cineantropometria

Leia mais

Caso Clínico 16/04/2015. Declaração de conflito de interesse. Fernando Lundgren

Caso Clínico 16/04/2015. Declaração de conflito de interesse. Fernando Lundgren Síndrome / Fernando Lundgren Declaração de conflito de interesse De acordo com a Norma 1595/2000 do Conselho Federal de Medicina e a Resolução RDC 96/2008 da Agência de Vigilância Sanitária declaro que:

Leia mais

ANÁLISE DE DADOS ESPIROMÉTRICOS EM ATLETAS DE HANDEBOL EM CADEIRA DE RODAS

ANÁLISE DE DADOS ESPIROMÉTRICOS EM ATLETAS DE HANDEBOL EM CADEIRA DE RODAS Os textos são de responsabilidade de seus autores. ANÁLISE DE DADOS ESPIROMÉTRICOS EM ATLETAS DE HANDEBOL EM CADEIRA DE RODAS Telma Aparecida Costa 1 Camila Regina Prodorutti 2 Cristiani Mozer 3 Marina

Leia mais

A postura saudável para o digitador

A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador 2 Muitas vezes nos perguntamos: Qual é a postura mais adequada para se trabalhar durante horas em frente a um computador? Após anos

Leia mais

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 O que iremos discutir.. Definições sobre o atleta e suas lesões Análise

Leia mais