Universidade Federal de Pelotas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal de Pelotas"

Transcrição

1 Universidade Federal de Pelotas

2 Unidade 1 - Análise Situacional Controle do Câncer de Colo de Útero e de Mama Questionário

3 Nesta semana, você irá responder os blocos de perguntas sobre Controle do Câncer de Colo de Útero Controle do Câncer de Mama O objetivo central das perguntas é analisar a organização do atendimento destas duas grandes ações já consagradas em Atenção Primária à Saúde no cuidado às mulheres.

4 Câncer de Colo de Útero Sem considerar os tumores de pele não melanoma, o câncer de colo de útero é o mais incidente na região Norte (24/100 mil). Nas regiões Centro- Oeste (28/100 mil) e Nordeste (18/100 mil) ocupa a segunda posição mais frequente; na região Sudeste (15/100 mil), a terceira; e, na região Sul (14/100 mil), a quarta posição.

5 Câncer de Colo de Útero O câncer de colo de útero é um importante problema de saúde pública no mundo. Uma provável explicação para as altas taxas de incidência em países em desenvolvimento seria a inexistência ou a pouca eficiência dos programas de rastreamento. Com exceção do câncer de pele não melanoma, esse tumor é o que apresenta maior potencial de prevenção e cura quando diagnosticado precocemente.

6 Questionário sobre Controle do Câncer de Colo de Útero Objetiva avaliar a organização da oferta de ações preventivas quais profissionais estão envolvidos nestas ações a existência e utilização de protocolo específico o acompanhamento das mulheres com exame citopatológico alterado

7 Questionário sobre Controle do Câncer de Colo de Útero Objetiva avaliar: a organização dos registros a realização de atividades de grupo planejamento organização e gestão das ações de controle do câncer de colo de útero avaliação e monitoramento

8 Câncer de Mama Sem considerar os tumores de pele não melanoma, esse tipo de câncer é o mais frequente nas mulheres das regiões Sudeste (69/100 mil), Sul (65/100 mil), Centro- Oeste (48/100 mil) e Nordeste (32/100 mil). Na região Norte é o segundo tumor mais incidente (19/100 mil).

9 Câncer de Mama O câncer de mama é o tipo de câncer que mais acomete as mulheres em todo o mundo, tanto em países em desenvolvimento quanto em países desenvolvidos. É considerado um câncer de relativamente bom prognóstico, se diagnosticado e tratado precocemente. As taxas de mortalidade por câncer de mama continuam elevadas no Brasil, muito provavelmente porque a doença ainda é diagnosticada em estádios avançados.

10 Questionário sobre Controle do Câncer de Mama Objetiva avaliar a realização de ações de prevenção primária a organização da oferta de rastreamento quais profissionais estão envolvidos na ação programática a existência e utilização de protocolo específico o acompanhamento das mulheres com mamografia alterada

11 Questionário sobre Controle do Câncer de Mama Objetiva avaliar a organização dos registros a realização de atividades de grupo planejamento organização e gestão das ações de controle do câncer de mama avaliação e monitoramento

12 Leitura Controle dos cânceres do colo do útero e da mama / Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Brasília : Ministério da Saúde, xx p. : il. (Cadernos de Atenção Básica; n. 13) (Série A. Normas e Manuais Técnicos)

13 Unidade 1 - Análise Situacional Caderno das Ações Programáticas Controle do Câncer de Colo de Útero e de Mama

14 Nas semanas anteriores você trabalhou com a parte de Pré- natal e o Puerpério e de Saúde da Criança do Caderno de Ações Programáticas

15 Nesta semana vamos trabalhar com Controle do Câncer de Colo de Útero e Controle do Câncer de Mama

16 Caderno de Ações Programáticas Câncer de Colo de Útero e Câncer de Mama Abra o Caderno de Ações Programáticas Observe nos Denominadores o número de mulheres estimadas para a sua área de abrangência nas faixas etárias de 25 a 64 anos (Ca de colo) e de 50 a 69 anos (Ca de mama) Estes números servirão de denominadores, em cada faixa etária, para o cálculo de cobertura dos programas

17 Caderno de Ações Programáticas Câncer de Colo de Útero e Câncer de Mama Clique no ícone do Câncer de Colo de Útero na parte superior da tela Informe inicialmente o número de mulheres entre 25 e 64 anos que fazem acompanhamento em sua UBS Automaticamente a planilha informará a sua cobertura do Programa de Controle do Câncer de Colo de Útero Depois informe os dados solicitados e examine os indicadores de qualidade da atenção neste Programa em sua Unidade Básica de Saúde

18 Caderno de Ações Programáticas Câncer de Colo de Útero e Câncer de Mama Clique no ícone do Câncer de Mama Preencha inicialmente o número de mulheres entre 50 e 69 anos que fazem acompanhamento em sua UBS Automaticamente a planilha informará a sua cobertura do Programa de Controle do Câncer de Mama Depois informe os dados solicitados e examine os indicadores de qualidade da atenção neste Programa em sua Unidade Básica de Saúde

19 Denominadores Note que: O denominador para a cobertura é o total da população- alvo estimada para a área adstrita de sua UBS O denominador para os indicadores de qualidade é a população- alvo acompanhada na sua UBS.

20 Indicadores de cobertura Ca de Colo = número de mulheres entre 25 e 64 anos acompanhadas na UBS *número de mulheres da área adstrita da UBS na faixa etária Ca de Mama = número de mulheres entre 50 e 69 anos acompanhadas na UBS *número de mulheres da área adstrita da UBS na faixa etária *vem da demografia è você pode escolher se quer utilizar dados estimados ou do cadastro populacional

21 Usar os dados estimados ou o cadastro populacional? Como decidir? Se o seu cadastro é confiável, está completo e atualizado, use o cadastro Caso contrário, use a estimativa

22 Indicadores de qualidade Os indicadores de qualidade utilizam como denominador o número de mulheres residentes na área de abrangência da UBS e acompanhadas na UBS à Se você informou que existem 200 mulheres entre 25 e 64 anos residentes na área e acompanhadas na UBS, os números informados para os indicadores de qualidade do programa de controle de Câncer de Colo de Útero não podem ser maiores que 200

23 Indicadores de qualidade à Atenção! Temos uma exceção aqui: à O indicador Exames coletados com células representativas da junção escamocolunar utiliza como denominador o número de mulheres com exames coletados com amostra satisfatória

24 Indicadores de qualidade Você precisará inserir informações... Localize onde estão as informações sobre as mulheres em acompanhamento na sua UBS e que pertencem à área de abrangência do serviço Registro de citopatológico, Registro de controle do Câncer de Mama, SIAB, livro de registro de exames...

25 Pense!!! Qual o significado destes indicadores? O que eles revelam sobre o controle do câncer de colo de útero e de mama na sua UBS?

26 Atenção! Falta de informação também é resultado da análise situacional Talvez você não tenha um registro específico relativo ao controle do câncer de colo de útero e de mama e por isso não saiba quantas mulheres são acompanhadas na UBS Talvez você não disponha nem mesmo de prontuários em sua UBS

27 Atenção! Falta de informação também é resultado da análise situacional! Nestes casos você deve refletir sobre como está o controle do câncer de colo de útero e de mama na UBS considerando suas impressões que iniciativas existiram no serviço para sistematizar o controle do câncer de colo de útero e de mama que estratégias podem ser utilizadas para superar este problema de falta de informação

28 Por exemplo - Em relação a quantidade de atendimentos que você está fazendo para esta população alvo è PENSE! Quantos exames citopatológicos e quantos exames de mama foram realizados na última semana? Foi uma semana típica de atendimento? Se sim, multiplique por quatro para ter uma estimativa do número de mulheres que estão fazendo exame citopatológico e de mama no serviço e pense se esta quantidade de exames é suficiente para atender a população- alvo

29 Por exemplo - Em relação a registro è Pense A UBS tem algum tipo de registro sobre o controle de câncer de colo de útero e de mama? Registro específico programático Livro Prontuário Nenhum Se dispõe de algum tipo de registro, que informações são anotadas rotineiramente no registro existente?

30 Por exemplo - Em relação a qualidade da atenção para esta população alvo PENSE sobre os indicadores de qualidade do Caderno de Ações Programáticas Das mulheres que fizeram exame citopatológico e/ou de mamas na última semana Quantas estavam fazendo na data aprazada considerando resultado de exames anteriores? Foi realizada a avaliação de risco para estes cânceres? Foi fornecida orientação sobre o controle dos cânceres de colo de útero e mama? Há algum registro de citopatológico ou mamografia alterada em sua UBS? A UBS tem o acompanhamento das mulheres que apresentam alteração nestes exames?

31 Atenção! Não é tarefa do curso fazer o cadastro populacional. A rotina de cadastramento deve ser parte das atividades do UBS, mas a organização do serviço não pode esperar que o cadastramento seja realizado/atualizado. É importante que o serviço adote os protocolos do MS. Identifique ações previstas no protocolo de Controle do Câncer de Colo de Útero e de Mama, que não fazem parte da sua rotina e procure incorporá- los a sua rotina.

32 Desejamos a você um bom trabalho.

CONHECIMENTO, ATITUDE E PRÁTICA DO EXAME CITOPATOLÓGICO NA PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO DAS MULHERES USUÁRIAS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

CONHECIMENTO, ATITUDE E PRÁTICA DO EXAME CITOPATOLÓGICO NA PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO DAS MULHERES USUÁRIAS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE CONHECIMENTO, ATITUDE E PRÁTICA DO EXAME CITOPATOLÓGICO NA DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO DAS MULHERES USUÁRIAS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE GARCIA, Thaynara Soares 1 ; MAGALHÃES, Juliana Cristina; AMARAL, Rita

Leia mais

PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2007

PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2007 1 SISCOLO RELATÓRIO 2007 2 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Coordenador José Ângelo

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009 Altera a Lei nº 11.664, de 29 de abril de 2008, para incluir a pesquisa de biomarcadores entre as ações destinadas à detecção precoce das neoplasias malignas de mama

Leia mais

AVALIAÇÃO DE AÇÃO PROGRAMÁTICA DE SAÚDE DA MULHER DURANTE A VIVÊNCIA DA PRÁTICA EM SAÚDE PÚBLICA 1. INTRODUÇÃO

AVALIAÇÃO DE AÇÃO PROGRAMÁTICA DE SAÚDE DA MULHER DURANTE A VIVÊNCIA DA PRÁTICA EM SAÚDE PÚBLICA 1. INTRODUÇÃO AVALIAÇÃO DE AÇÃO PROGRAMÁTICA DE SAÚDE DA MULHER DURANTE A VIVÊNCIA DA PRÁTICA EM SAÚDE PÚBLICA RIBEIRO, Juliane Portella 1 ; QUADROS, Lenice de Castro Muniz 2 ; LIMA, Luciana Rodrigues dos Santos 3 ;

Leia mais

GBECAM. O Câncer de Mama no Estado de São Paulo

GBECAM. O Câncer de Mama no Estado de São Paulo GBECAM O Câncer de Mama no Estado de São Paulo Dra. Maria Del Pilar Estevez Diz Coordenadora Médica -Oncologia Clínica Diretora Médica Instituto do Câncer do Estado de São Paulo -ICESP Epidemiologia Incidência

Leia mais

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO FICHA DE OBSERVAÇÃO ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE E ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Acadêmico: Curso: Período: Turno: Disciplina: Atenção Primária à Saúde e Estratégia de Saúde da Família Local: Profissional

Leia mais

Secretaria Saúde Pública de Cambé

Secretaria Saúde Pública de Cambé Secretaria Saúde Pública de Cambé PARTICIPAÇÃO DAS EQUIPES DAS UNIDADES DE SAÚDE DA FAMÍLIA, DA EQUIPE GESTORA DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE NA AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DOS INDICADORES DE SAÚDE CAMBÉ

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMO-COLUNAR

RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMO-COLUNAR RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMOCOLUNAR CERBARO, Kamila 1 ; ROSA, Jéssica 2 ; CORADINI, Lidiane 3 ; COSER, Janaina 4 ; HANSEN, Dinara 4 ; GARCES,

Leia mais

Cadastro metas para Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde - Prioridades e Objetivos Estado: GOIAS

Cadastro metas para Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde - Prioridades e Objetivos Estado: GOIAS Cadastro metas para Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde - Prioridades e Objetivos Estado: GOIAS PACTO PELA VIDA PRIORIDADE: I - ATENCAO A SAUDE DO IDOSO. OBJETIVO: PROMOVER A FORMACAO

Leia mais

Vigilância das Doenças Crônicas Não

Vigilância das Doenças Crônicas Não Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde Coletiva MEB Epidemiologia IV Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE A ATENÇÃO AO PRÉ- NATAL E PUERPÉRIO

QUESTIONÁRIO SOBRE A ATENÇÃO AO PRÉ- NATAL E PUERPÉRIO QUESTIONÁRIO SOBRE A ATENÇÃO AO PRÉ- NATAL E PUERPÉRIO Denise Silveira, Anaclaudia Gastal Fassa, Maria Elizabeth Gastal Fassa, Elaine Tomasi, Luiz Augusto Facchini BLOCO A - IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011 (Do Sr. ELISEU PADILHA)

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011 (Do Sr. ELISEU PADILHA) PROJETO DE LEI Nº., DE 2011 (Do Sr. ELISEU PADILHA) Altera a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, que dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento

Leia mais

Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil

Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde Coletiva MEB Epidemiologia IV Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia

Leia mais

Vigilância das Doenças Crônicas Não

Vigilância das Doenças Crônicas Não Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde Coletiva MEB Epidemiologia IV Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia

Leia mais

Estruturação dos Serviços de Medicina Preventiva de acordo com diretrizes da ANS

Estruturação dos Serviços de Medicina Preventiva de acordo com diretrizes da ANS Estruturação dos Serviços de Medicina Preventiva de acordo com diretrizes da ANS A região da Serra Gaúcha está localizada no nordeste do estado do Rio Grande do Sul, região sul do Brasil. Área de abrangência

Leia mais

Carretas da Mulher farão atendimento na Praça da Matriz

Carretas da Mulher farão atendimento na Praça da Matriz www.d24.com.br Editoria: Notícias Coluna: -- Carreatas da Mulher farão atendimento na Praça da Matriz (X) Press-release da assessoria de imprensa ( )Matéria articulada pela assessoria de imprensa ( ) Iniciativa

Leia mais

10 ANOS DE LIGA DA MAMA: AÇÃO DE EXTENSÃO VOLTADA PARA PREVENÇÃO E COMBATE DAS DOENÇAS MAMÁRIAS

10 ANOS DE LIGA DA MAMA: AÇÃO DE EXTENSÃO VOLTADA PARA PREVENÇÃO E COMBATE DAS DOENÇAS MAMÁRIAS 10 ANOS DE LIGA DA MAMA: AÇÃO DE EXTENSÃO VOLTADA PARA PREVENÇÃO E COMBATE DAS DOENÇAS MAMÁRIAS SOUZA-NETO, José Augusto; FREITAS-JUNIOR, Ruffo; CABERO, Flávia Vidal; FREITAS, Thaís Castanheira; TERRA,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO SEPN 511- Bloco C Edifício Bittar IV 4º andar - Brasília/DF CEP:775.543

Leia mais

BREVE ANÁLISE DO AUTOCUIDADO EM RELAÇÃO A SAÚDE DA MULHER NO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO-SC

BREVE ANÁLISE DO AUTOCUIDADO EM RELAÇÃO A SAÚDE DA MULHER NO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO-SC BREVE ANÁLISE DO AUTOCUIDADO EM RELAÇÃO A SAÚDE DA MULHER NO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO-SC Bruna Luiza Spada; Paula Breda. Resumo Nas primeiras décadas do século XX, o corpo da mulher era visto apenas pela

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação da Atenção Básica

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação da Atenção Básica Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação da Atenção Básica 1 Metodologia de análise e monitoramento do Pacto de Indicadores

Leia mais

Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino e de Mama

Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino e de Mama SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE LESTE RH / DESENVOLVIMENTO 1 DENOMINAÇÃO Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino

Leia mais

CIR LITORAL NORTE. Possui 4 municípios: Caraguatatuba, Ilhabela, São Sebastião e Ubatuba

CIR LITORAL NORTE. Possui 4 municípios: Caraguatatuba, Ilhabela, São Sebastião e Ubatuba CIR LITORAL NORTE Possui 4 municípios: Caraguatatuba, Ilhabela, São Sebastião e Ubatuba População e Território Em 2016 a população estimada da região é de 308.843 habitantes, com 98% residindo em áreas

Leia mais

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado XXX Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo 13/abril/2016 O SUS e a Atenção

Leia mais

"Processo de implantação do. Esmeralda: resultados e desafios".

Processo de implantação do. Esmeralda: resultados e desafios. "Processo de implantação do ProGRAB no município de Esmeralda: resultados e desafios". III Seminário Internacional de Atenção Básica / Saúde da Família Expansão com Qualidade & Valorização dos Resultados

Leia mais

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 ABRANGÊNCIA A Pesquisa Nacional de Saúde 2013 foi planejada para a estimação de vários indicadores com a precisão desejada

Leia mais

OFERTAS E FERRAMENTAS DE APOIO AO CUIDADO DAB/SAS/MS

OFERTAS E FERRAMENTAS DE APOIO AO CUIDADO DAB/SAS/MS OFERTAS E FERRAMENTAS DE APOIO AO CUIDADO DAB/SAS/MS http://dab.saude.gov.br/portaldab/index.php PAB Saúde das Mulheres PAB Saúde das Mulheres Enfoque clínico e de gestão do cuidado; Cuidado da mulher

Leia mais

Linha de Cuidado do Adulto: Atenção Integral à Saúde da Mulher

Linha de Cuidado do Adulto: Atenção Integral à Saúde da Mulher Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Sub- Secretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Atenção Primária Coordenação de Linhas de Cuidado e Programas Especiais

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER Departamento de Ações Programáticas Estratégicas -DAPES Área Técnica de

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA, ESTADIAMENTO E PREVENÇÃO DO CÂNCER

EPIDEMIOLOGIA, ESTADIAMENTO E PREVENÇÃO DO CÂNCER EPIDEMIOLOGIA, ESTADIAMENTO E PREVENÇÃO DO CÂNCER Felipe Trevisan Radioterapia HCFMRP USP Fevereiro / 2012 Epidemiologia Descritiva Incidência Mortalidade Analítica Estudo das causas das doenças Epidemiologia

Leia mais

Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e os Registros de Câncer. Deborah Carvalho Malta CGDANT/DASIS/SVS/MS

Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e os Registros de Câncer. Deborah Carvalho Malta CGDANT/DASIS/SVS/MS Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e os Registros de Câncer Deborah Carvalho Malta CGDANT/DASIS/SVS/MS RCBP e Vigilância de DCNT Ferramenta para vigilância e monitoramento das neoplasias

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO Denise Silveira, Anaclaudia Gastal Fassa, Maria Elizabeth Gastal Fassa, Elaine Tomasi, Luiz Augusto Facchini BLOCO A - IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA

Leia mais

EXPANSÃO DA RADIOTERAPIA NO BRASIL: NOVAS ESTRATÉGIAS PARA AMPLIAR A OFERTA NO PAÍS

EXPANSÃO DA RADIOTERAPIA NO BRASIL: NOVAS ESTRATÉGIAS PARA AMPLIAR A OFERTA NO PAÍS EXPANSÃO DA RADIOTERAPIA NO BRASIL: NOVAS ESTRATÉGIAS PARA AMPLIAR A OFERTA NO PAÍS No Brasil, seguindo tendência mundial, a taxa de mortalidade por câncer está aumentando. Dados epidemiológicos apresentados

Leia mais

Nivaldo Vieira. Oncologista Clínico

Nivaldo Vieira. Oncologista Clínico Nivaldo Vieira Oncologista Clínico Câncer de Colo de Útero Terceira causa mais comum de câncer das mulheres Desenvolve-se a partir de lesões prémalignas Altamente prevenível Doença das regiões pobres do

Leia mais

Indicadores de saúde Morbidade e mortalidade

Indicadores de saúde Morbidade e mortalidade Indicadores de saúde Morbidade e mortalidade Milene ZS Vosgerau Indicadores epidemiológicos A construção de indicadores de saúde é necessária para: analisar a situação atual de saúde; fazer comparações;

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS 16 TÍTULO: REVISÃO DE CONCEITO CITOMORFOLÓGICO PARA DIAGNÓSTICO DE ADENOCARCINOMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

A taxa ou coeficiente de mortalidade representa a intensidade com que os óbitos por uma determinada doença ocorrem em dada população.

A taxa ou coeficiente de mortalidade representa a intensidade com que os óbitos por uma determinada doença ocorrem em dada população. Mortalidade Mortalidade é uma propriedade natural das comunidades dos seres vivos. Refere-se ao conjunto dos indivíduos que morrem em um dado intervalo de tempo e em certo espaço. A taxa ou coeficiente

Leia mais

É uma situação muito ruim. É uma mutilação que ninguém vê. Mas a opção à cirurgia é

É uma situação muito ruim. É uma mutilação que ninguém vê. Mas a opção à cirurgia é Câncer de próstata: \"É uma mutilação, mas a opção à cirurgia é morrer\" Nesta segunda-feira (17), Dia Mundial do Combate ao Câncer da Próstata, médicos e pacientes falam sobre a importância do diagnóstico

Leia mais

CÂNCER DE COLO ÚTERINO: DIAGNÓSTICOS E PREVENÇÃO, TRATAMENTO.

CÂNCER DE COLO ÚTERINO: DIAGNÓSTICOS E PREVENÇÃO, TRATAMENTO. CÂNCER DE COLO ÚTERINO: DIAGNÓSTICOS E PREVENÇÃO, TRATAMENTO. Allef Ravely Dias Gonzaga¹ Neilma Santos Cavalcanti De Andrade¹, Rúbia De Souza Porto¹, Simone De Carvalho Rocha¹ Giovanni Tavares De Sousa²

Leia mais

Cadastro Nacional de Entidades de Assistência Social CNEAS. Manual de Utilização. Brasília, Abril 2014 V. 1.0

Cadastro Nacional de Entidades de Assistência Social CNEAS. Manual de Utilização. Brasília, Abril 2014 V. 1.0 Cadastro Nacional de Entidades de Assistência Social CNEAS Manual de Utilização Brasília, Abril 2014 V. 1.0 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 GLOSSÁRIO... 3 APRESENTAÇÃO... 4 1- Como acessar o CNEAS?... 5 2- Como conferir

Leia mais

Pacto de Gestão do SUS. Pacto pela Vida. Pacto em Defesa do SUS

Pacto de Gestão do SUS. Pacto pela Vida. Pacto em Defesa do SUS Pacto de Gestão do SUS Pacto pela Vida Pacto em Defesa do SUS PACTO PELA SAÚDE O Pacto pela Vida é o compromisso entre os gestores do SUS em torno de prioridades que apresentam impacto sobre a situação

Leia mais

C.10 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas

C.10 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas C.1 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas O indicador estima o risco de morte por neoplasias malignas e dimensiona a sua magnitude como problema de saúde pública. Corresponde ao número

Leia mais

Política de atenção integral à saúde da mulher - Rede Cegonha. Balanço da mortalidade materna 2011

Política de atenção integral à saúde da mulher - Rede Cegonha. Balanço da mortalidade materna 2011 Política de atenção integral à saúde da mulher - Rede Cegonha Balanço da mortalidade materna 2011 Brasília, 23 de fevereiro de 2012 Mortalidade Materna É a morte de uma mulher durante a gestação ou em

Leia mais

TRABALHANDO A PREVENÇÃO DOS CÂNCERES DE MAMA, COLO DO ÚTERO E PRÓSTATA COM OS TRABALHADORES DA AGECOLD.

TRABALHANDO A PREVENÇÃO DOS CÂNCERES DE MAMA, COLO DO ÚTERO E PRÓSTATA COM OS TRABALHADORES DA AGECOLD. TRABALHANDO A PREVENÇÃO DOS CÂNCERES DE MAMA, COLO DO ÚTERO E PRÓSTATA COM OS TRABALHADORES DA AGECOLD. Jane Teixeira dos Santos¹; Arino Sales do Amaral². 1Estudante do Curso de Enfermagem da UEMS, Unidade

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE MOTIVOS DA NÃO ADESÃO AO EXAME DE PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO UTERINO EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE

IDENTIFICAÇÃO DE MOTIVOS DA NÃO ADESÃO AO EXAME DE PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO UTERINO EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

DINÂMICA POPULACIONAL E INDICADORES DEMOGRÁFICOS. Aula 4

DINÂMICA POPULACIONAL E INDICADORES DEMOGRÁFICOS. Aula 4 DINÂMICA POPULACIONAL E INDICADORES DEMOGRÁFICOS Aula 4 NOS DÁ A IDÉIA DA COMPOSIÇÃO DA POPULAÇAO... Década de 30 A ESPERANÇA DE VIDA AO NASCER passou de aproximadamente 41 anos Década de 50 Viviam média

Leia mais

aula 6: quantificação de eventos em saúde

aula 6: quantificação de eventos em saúde ACH-1043 Epidemiologia e Microbiologia aula 6: quantificação de eventos em saúde Helene Mariko Ueno papoula@usp.br Como quantificar eventos relacionados à saúde? O que medir? Como medir? Quando medir?

Leia mais

Relatório sobre a Pesquisa Intenção de Compra para o Dia das Crianças 2014

Relatório sobre a Pesquisa Intenção de Compra para o Dia das Crianças 2014 Relatório sobre a Pesquisa Intenção de Compra para o Dia das Crianças 2014 IFEPD/AL Maceió, 29/09/2014 Sumário 1 INTRODUÇÃO ---------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Mulheres Negras e a Mortalidade Materna no Brasil

Mulheres Negras e a Mortalidade Materna no Brasil Mulheres Negras e a Mortalidade Materna no Brasil Mário F G Monteiro (IMS-UERJ) Leila Adesse (IPAS - Brasil) Jacques Levin (IMS-UERJ) TRABALHO APRESENTADO NO SEMINÁRIO MORTALIDADE MATERNA E DIREITOS HUMANOS

Leia mais

Câncer de Endométrio Hereditário

Câncer de Endométrio Hereditário Disciplina de Cirurgia Geral e do Aparelho Digestivo Coordenador do Serviço de Cirurgia Oncológica I Disciplina Eletiva de Fundamentos da Cirurgia Oncológica Professor Afiliado Abner Jorge Jácome Barrozo

Leia mais

ANEXO I - Situação da circulação do vírus Ebola.

ANEXO I - Situação da circulação do vírus Ebola. ANEXO I - Situação da circulação do vírus Ebola. ANEXO II Credenciamento/ Descredenciamento/Teto Financeiro. ANEXO III - Pactuação das metas para 2014 das diretrizes, objetivos e indicadores

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Obesidade, Colo do Útero, Teste de Papanicolaou.

PALAVRAS-CHAVE Obesidade, Colo do Útero, Teste de Papanicolaou. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Estudo de doses glandulares médias e na entrada da pele em mamógrafos na cidade de São Paulo Tânia A. C. Furquim

Estudo de doses glandulares médias e na entrada da pele em mamógrafos na cidade de São Paulo Tânia A. C. Furquim Estudo de doses glandulares médias e na entrada da pele em mamógrafos na cidade de São Paulo Tânia A. C. Furquim Fernanda C. Salvador Linda V. E. Caldas Projeto FAPESP: Intercomparação dosimétrica entre

Leia mais

DETALHAMENTO DO COMPONENTE REFORMA & PASSO A PASSO PARA CADASTRAR PROPOSTA DE REFORMA DE UBS NO SISMOB

DETALHAMENTO DO COMPONENTE REFORMA & PASSO A PASSO PARA CADASTRAR PROPOSTA DE REFORMA DE UBS NO SISMOB DETALHAMENTO DO COMPONENTE REFORMA & PASSO A PASSO PARA CADASTRAR PROPOSTA DE REFORMA DE UBS NO SISMOB COMPONENTE REFORMA CONCEITO DE REFORMA DE UNIDADE DE SAÚDE PARA O MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) Reforma

Leia mais

Noções Básicas sobre. Análisis de la Fecundidad Experiência Brasileira

Noções Básicas sobre. Análisis de la Fecundidad Experiência Brasileira TALLER REGIONAL SOBRE ANÁLISIS DE COHERENCIA, CALIDAD Y COBERTURA DE LA INFORMACION CENSAL Noções Básicas sobre Análisis de la Fecundidad Experiência Brasileira Santiago, Chile, 1 al 5 agosto de 2011 Data

Leia mais

Uma observação sobre a utilização de cuidados preventivos pela mulher

Uma observação sobre a utilização de cuidados preventivos pela mulher Uma observação sobre a utilização de cuidados preventivos pela mulher Branco MJ, Paixão E, Vicente LF. Uma observação sobre a utilização de cuidados preventivos pela mulher. Lisboa: Instituto Nacional

Leia mais

Quadro I. Vantagens de UBS tipo PSF.

Quadro I. Vantagens de UBS tipo PSF. Quadro I. Vantagens de UBS tipo PSF. Caruaru PE Jaboatão - PE João Pessoa - PB Santa Rita - PB Maceió - AL Parnaíba PI Cabo de Santo Agostinho PE Teresina PI Parnamirim - RN Natal - RN Paulista - PE Arapiraca

Leia mais

MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA

MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA Gisele Cristina Tertuliano RESUMO Este artigo é um relato de experiência sobre o processo de aprendizagem de aprendizagem para

Leia mais

Tamanho da Amostra Parâmetros de interesse:

Tamanho da Amostra Parâmetros de interesse: Tamanho da Amostra Para calcular o tamanho de amostra da PNS necessário para a estimação de parâmetros de interesse em níveis diferentes de desagregação geográfica, deverão ser considerados os seguintes

Leia mais

XXIII Jornadas ROR-SUL. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa

XXIII Jornadas ROR-SUL. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa XXIII Jornadas ROR-SUL 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa SUDCAN Sobrevivência de Cancro em Países Europeus de Língua Latina Luísa Glória SUDCAN Sobrevivência indicador global de avaliação de qualidade

Leia mais

Detecção Precoce do HIV/Aids nos Programas da

Detecção Precoce do HIV/Aids nos Programas da Detecção Precoce do HIV/Aids nos Programas da Atenção BásicaB Características Atuais do Diagnóstico do HIV/AIDS Predomina o diagnóstico tardio da infecção pelo HIV e Aids (43,6% dos diagnósticos) ( sticos

Leia mais

Desafios para a promoção, prevenção e tratamento do câncer: O panorama global e o Brasil

Desafios para a promoção, prevenção e tratamento do câncer: O panorama global e o Brasil Desafios para a promoção, prevenção e tratamento do câncer: O panorama global e o Brasil André Medici Economista de Saúde, Editor do Blog Monitor de Saúde (www.monitordesaude.blogspot.com) ABRALE, São

Leia mais

Figura XX - Folha de Rosto com informações sumarizadas a partir de registros anteriores

Figura XX - Folha de Rosto com informações sumarizadas a partir de registros anteriores Figura XX - Folha de Rosto com informações sumarizadas a partir de registros anteriores 6.3.2 SOAP Fonte: SAS/MS. O SOAP, mais conhecido como nota de evolução, registra de forma objetiva e estruturada

Leia mais

Modelagem Financeira Market Place

Modelagem Financeira Market Place Modelagem Financeira Market Place 1 Introdução Um dos grandes desafios para os empreendedores de uma startup é transformar o modelo de negócios em números, ou seja, estimar as receitas, custos e despesas

Leia mais

Check list de documentos para a Visita Externa PMAQ. Documento

Check list de documentos para a Visita Externa PMAQ. Documento Check list de documentos para a Visita Externa PMAQ Módulo Módulo I Módulo I Número do padrão de qualidade I.7.3/1 I.7.4/1 II.3.3/1 II.3.4/1 II.8.1/1 II.8.9/1 II.10.3/1 II.11.1/1 II.11.2/1 II.11.3/1 II.13.1.6/1

Leia mais

O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS?

O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS? O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS? Coordenação-Geral de Saúde das Mulheres CONDICIONALIDADES DE SAÚDE Mulheres entre 14 e 44 anos: Pré-natal

Leia mais

Módulo Saúde da Mulher

Módulo Saúde da Mulher Universidade Federal de Minas Gerais Núcleo de Educação em Saúde Coletiva Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família Módulo Saúde da Mulher Suelene Coelho Yula Franco Porto Módulo Saúde

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM. Brasília, 18 de Novembro de 2013 Michelle Leite da Silva

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM. Brasília, 18 de Novembro de 2013 Michelle Leite da Silva POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM Brasília, 18 de Novembro de 2013 Michelle Leite da Silva DAET- Departamento de Atenção Especializada e Temática Secretaria de Atenção à Saúde - SAS

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS ano I nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS ano I nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS 2 012 ano I nº 01 2012. Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Expediente Boletim Epidemiológico - Sífilis

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE I

INDICADORES DE SAÚDE I Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia INDICADORES

Leia mais

Cálculo de Taxas e Ajuste por Idade

Cálculo de Taxas e Ajuste por Idade Cálculo de Taxas e Ajuste por Idade Introdução Este exercício enfoca o uso de taxas no estudo de características da doença em populações. Na primeira seção, as taxas de mortalidade ajustadas por idade

Leia mais

CIR DE VALE DO RIBEIRA

CIR DE VALE DO RIBEIRA CIR DE VALE DO RIBEIRA Possui 15 municípios: Barra do Turvo, Cajati, Cananéia, Eldorado, Iguape, Ilha Comprida, Iporanga, Itariri, Jacupiranga, Juquiá, Miracatu, Pariquera-Açu, Pedro de Toledo, Registro

Leia mais

ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001

ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001 ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001 Coordenação Geral de Informações e Análise Epidemiológica Departamento de Análise da Situação de Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde - Ministério da Saúde Janeiro

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 7.150, DE 2014 (Do Sr. Rodrigo Maia)

PROJETO DE LEI N.º 7.150, DE 2014 (Do Sr. Rodrigo Maia) *C0048302E* C0048302E CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 7.150, DE 2014 (Do Sr. Rodrigo Maia) Altera a Lei nº 8.080, de 11 de setembro, de 1990, para determinar a realização de campanhas destinadas

Leia mais

MEDIDAS DE FREQUÊNCIA DE EVENTOS Aula 6

MEDIDAS DE FREQUÊNCIA DE EVENTOS Aula 6 MEDIDAS DE FREQUÊNCIA DE EVENTOS Aula 6 MEDIDA DA OCORRÊNCIA DE EVENTOS COMO DOENÇAS, AGRAVOS À SAÚDE (ACIDENTES, VIOLÊNCIAS) E MORTES. Exemplo: número de pessoas que apresentaram uma dada doença num certo

Leia mais

Tópicos. Cenário Atual. Estratégias e custo efetividade. Metas para redução de Doenças Crônicas Não- Transmissíveis (DCNT) 2011

Tópicos. Cenário Atual. Estratégias e custo efetividade. Metas para redução de Doenças Crônicas Não- Transmissíveis (DCNT) 2011 Tópicos Cenário Atual Metas para redução de Doenças Crônicas Não- Transmissíveis (DCNT) 2011 Estratégias e custo efetividade Envelhecimento Populacional Mais Idade Mais DCNT Mortalidade DCNT = 63% dos

Leia mais

Vacinação contra HPV e Controle do câncer de colo do útero no SUS Claudio Pompeiano Noronha

Vacinação contra HPV e Controle do câncer de colo do útero no SUS Claudio Pompeiano Noronha Vacinação contra HPV e Controle do câncer de colo do útero no SUS Claudio Pompeiano Noronha Coordenação Geral de Ações Estratégicas CGAE Instituto Nacional de Câncer - INCA Ministério da Saúde junho de

Leia mais

Detecção Precoce EPIDEMIOLOGIA IV 2016_1. Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva UFF Monitoras: Amanda e Daniele

Detecção Precoce EPIDEMIOLOGIA IV 2016_1. Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva UFF Monitoras: Amanda e Daniele Controle do câncer Detecção Precoce EPIDEMIOLOGIA IV 2016_1 Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva UFF Monitoras: Amanda e Daniele OBJETIVO (i) Facilitar a compreensão dos fundamentos que

Leia mais

folder_saude_da_mulher.pdf 1 19/07/16 16:48 VIVER BEM ADRIANA JUSSARA EM A MULHER QUE VALIA POR MUITAS CMY SAÚDE DA MULHER

folder_saude_da_mulher.pdf 1 19/07/16 16:48 VIVER BEM ADRIANA JUSSARA EM A MULHER QUE VALIA POR MUITAS CMY SAÚDE DA MULHER folder_saude_da_mulher.pdf 1 19/07/16 16:48 VIVER BE ADRIANA JUSSARA E A ULHER QUE VALIA POR UITAS SAÚDE DA ULHER folder_saude_da_mulher.pdf 2 19/07/16 16:48 Leia o código e assista a história de Adriana

Leia mais

Programa de Avaliação para a Qualificação do SUS

Programa de Avaliação para a Qualificação do SUS Programa de Avaliação para a Qualificação do SUS OTI RIPSA, 29 junho de 2011 Ministério da Saúde / Secretaria-Executiva Departamento de Monitoramento e Avaliação do SUS (DEMAS) Coordenação-Geral de Monitoramento

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA

QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA Denise Silveira, Anaclaudia Gastal Fassa, Maria Elizabeth Gastal Fassa, Elaine Tomasi, Luiz Augusto Facchini BLOCO A - IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE

Leia mais

Proposta de Indicadores Globais

Proposta de Indicadores Globais Proposta de es Globais Panorama da Cooperativa 2014 Meta 2014 Carteira de clientes 1.273.648 1.255.000 Índice de utilização (projetado) 85% Distribuição do custo assistencial 36% 17% 15% 13% 13% 7% HONORÁRIOS

Leia mais

ENSINO INDIVIDUAL PARA CHEFE DE DEPARTAMENTO

ENSINO INDIVIDUAL PARA CHEFE DE DEPARTAMENTO ENSINO INDIVIDUAL PARA CHEFE DE DEPARTAMENTO Universidade Federal de Sergipe Núcleo de Tecnologia da Informação 2016 www.nti.ufs.br NTI - 2105-6583 / 2105-6584 Ensino individual Chefe de departamento:

Leia mais

Aspectos Socio-Econômicos do Câncer no Brasil

Aspectos Socio-Econômicos do Câncer no Brasil segunda-feira, outubro 03, 2016 Aspectos Socio-Econômicos do Câncer no Brasil André Medici Kaizô Beltrão Introdução Este artigo é a revisão de parte de um documento mais amplo escrito no ano de 2013 (Aspectos

Leia mais

CUIDADOS COM A SAÚDE

CUIDADOS COM A SAÚDE CUIDADOS COM A SAÚDE Andressa Malagutti Assis Realizar exames periodicamente, fazer exercícios e cuidar da alimentação são medidas básicas para cuidar da saúde. Além de prevenir e ajudar na cura de doenças

Leia mais

NOTA TÉCNICA PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE OU PROJETOS SIMILARES DE ATIVIDADE FÍSICA

NOTA TÉCNICA PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE OU PROJETOS SIMILARES DE ATIVIDADE FÍSICA NOTA TÉCNICA 22 2012 PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE OU PROJETOS SIMILARES DE ATIVIDADE FÍSICA Repasse de recursos financeiros do Piso Variável de Vigilância e Promoção da Saúde para apoio técnico, monitoramento

Leia mais

A importância do quesito cor na qualificação dos dados epidemiológicos e como instrumento de tomada de decisão em Políticas Públicas de Saúde

A importância do quesito cor na qualificação dos dados epidemiológicos e como instrumento de tomada de decisão em Políticas Públicas de Saúde A importância do quesito cor na qualificação dos dados epidemiológicos e como instrumento de tomada de decisão em Políticas Públicas de Saúde Fernanda Lopes Rio de Janeiro, maio de 2011 O mandato do UNFPA

Leia mais

Ind Distribuição de mulheres de 50 a 69 anos segundo tempo de realização da última mamografia, por ano, segundo região e escolaridade

Ind Distribuição de mulheres de 50 a 69 anos segundo tempo de realização da última mamografia, por ano, segundo região e escolaridade Ind030202 Distribuição de mulheres de 50 a 69 segundo tempo de realização da última mamografia, por ano, segundo região e escolaridade Indicador Distribuição de mulheres de 50 a 69 segundo tempo de realização

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE I

INDICADORES DE SAÚDE I Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia INDICADORES

Leia mais

Apoio Técnico da Vigilância Socioassistencial. 04:Principais instrumentos e fontes de informação

Apoio Técnico da Vigilância Socioassistencial. 04:Principais instrumentos e fontes de informação Apoio Técnico da Vigilância Socioassistencial 04:Principais instrumentos e fontes de informação Módulo 04:Principais instrumentos e fontes de informação MÓDULOS DO APOIO TÉCNICO Módulo 1: Introdução à

Leia mais

CADASTRO DE EXCEÇÕES PIS/COFINS

CADASTRO DE EXCEÇÕES PIS/COFINS Apresentação Este tutorial descreve sobre o processo para cadastro de exceções de tributação de PIS/COFINS e orientações gerais de execução da rotina 1000 Processamentos Fiscais para o recálculo de PIS/COFINS.

Leia mais

M A N U A L D O ADMINISTRADOR

M A N U A L D O ADMINISTRADOR M A N U A L D O ADMINISTRADOR O Sistema Eletrônico do Serviço de Informações ao Cidadão (e-sic) servirá de auxílio ao SIC (setor físico) para consulta via internet. E-SIC Versão 1.06 Sumário Introdução

Leia mais

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SISCOLO RELATÓRIO 2006

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SISCOLO RELATÓRIO 2006 SISCOLO RELATÓRIO 2006 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Coordenador José Ângelo

Leia mais

Comitê de Gestão de Indicadores de Fatores de Risco e Proteção

Comitê de Gestão de Indicadores de Fatores de Risco e Proteção Comitê de Gestão de Indicadores de Fatores de Risco e Proteção Comitê de Gestão de Indicadores de Fatores de Risco e Proteção Coordenação: Deborah Carvalho Malta Coordenação de Doenças e Agravos Não Transmissíveis

Leia mais

Indicadores confeccionados com dados do IBGE

Indicadores confeccionados com dados do IBGE Indicadores confeccionados com dados do IBGE IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) Pesquisas domiciliares Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Censo Demográfico Taxa

Leia mais

Caderneta da Gestante

Caderneta da Gestante MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DAS MULHERES Caderneta da Gestante * A assistência pré-natal se constitui em

Leia mais

A AMAMENTAÇÃO COMO FATOR DE PROTEÇÃO DO CÂNCER DE MAMA. Evidências em Saúde Pública HSM 0122 Novembro/2015

A AMAMENTAÇÃO COMO FATOR DE PROTEÇÃO DO CÂNCER DE MAMA. Evidências em Saúde Pública HSM 0122 Novembro/2015 A AMAMENTAÇÃO COMO FATOR DE PROTEÇÃO DO CÂNCER DE MAMA Evidências em Saúde Pública HSM 0122 Novembro/2015 INTRODUÇÃO Câncer de mama: resultante de proliferação incontrolável de células anormais. Origem:

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA:

ISSN ÁREA TEMÁTICA: 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DURAÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO

Leia mais

O Programa Viva Mulher : Programa Nacional de Controle de Câncer de Colo Uterino e de Mama

O Programa Viva Mulher : Programa Nacional de Controle de Câncer de Colo Uterino e de Mama O Programa : Programa Nacional de Controle de Câncer de Colo Uterino e de Mama Sérgio Martins Bicalho 1 José Lucas Magalhães Aleixo 2 1 Médico ginecobstetra, coordenador estadual do Programa em Minas Gerais

Leia mais

PASSO A PASSO Cadastro de Propostas da Academia da Saúde

PASSO A PASSO Cadastro de Propostas da Academia da Saúde PASSO A PASSO Cadastro de Propostas da Academia da Saúde - 2013 ETAPAS DO PROPONENTE PARA CADASTRO DE PROPOSTAS DO PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE A apresentação contemplará: Indicação de Objeto para Emenda

Leia mais

Mortalidade por Causas Evitáveis e Implementação do Sistema Único no Brasil - SUS*

Mortalidade por Causas Evitáveis e Implementação do Sistema Único no Brasil - SUS* Mortalidade por Causas Evitáveis e Implementação do Sistema Único no Brasil - SUS* Daisy Maria Xavier de Abreu Cibele Comini César Elisabeth Barboza França * Parte integrante da Tese de Doutorado apresentada

Leia mais