História da Habitação e Mobiliário. Antonio Castelnou AULA 01

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "História da Habitação e Mobiliário. Antonio Castelnou AULA 01"

Transcrição

1 História da Habitação e Mobiliário Antonio Castelnou AULA 01 CASTELNOU

2 Introdução Historicamente, o estudo da MORADIA e de sua ambientação interna sempre foi alvo de interesse, pois envolve tanto aspectos privados como coletivos, os quais refletem fatores sociais, econômicos, estéticos, técnicos e funcionais. Ao se observar a vida humana, verifica-se que, na maior parte de seu tempo, esta ocorre em espaços interiores ou fechados, os quais mantêm uma íntima relação com seus usuários.

3 Pode-se dizer que o AMBIENTE INTERNO é reduto das mais restritas leis do mundo civilizado, pois encerra o lugar onde todos os homens, sem qualquer distinção, nascem para a vida; e que os acompanha em toda sua etapa dinâmica e produtiva até sua morte.

4 A história da civilização está intimamente ligada à história dos espaços interiores, da decoração e do mobiliário humano e, em linhas gerais, o ESPÍRITO de cada época esteve sempre expresso categoricamente nos móveis e na ambientação interna.

5 Por AMBIENTE INTERNO entende-se o conjunto de condições interiores a uma edificação de uso público ou privado, composto por fatores físicos, pessoais e sociais, os quais influenciam o desenvolvimento das atividades do ser humano, seu relacionamento social, saúde e ânimo.

6 Todo espaço interior realizado pelo homem está organizado a partir dos aspectos de estabilidade e continuidade, sempre levando em consideração fatores funcionais, técnicos e estéticos em busca da HARMONIA.

7 Define-se HARMONIA como o conjunto de princípios, valores e normas que visam a concordância ou disposição bem ordenada entre as partes de um todo. Em ambientes internos, está determinada por: Valores lineares (Relação entre linhas, frisos e molduras) Valores de superfície (Relação entre planos, texturas e cores) Valores de massa (Relação entre tamanhos, pesos e volumes) Valores espaciais (Relação entre distâncias, presenças e ausências)

8 A questão da MORADIA há muito tem sido alvo de inquietação, tanto por parte dos designers e arquitetos como também em relação aos demais estudiosos da sociedade. Seu valor na pesquisa reside em sua capacidade de permitir e garantir o recolhimento (abrigo) e, ao mesmo tempo, expressar a dinâmica da VIDA DOMÉSTICA.

9 Por VIDA DOMÉSTICA entende-se o conjunto complexo de momentos individuais, diferenciados e integrados em uma ampla série de momentos de encontro social que, por sua vez, são ainda mais diferenciados, de acordo com os diversos e possíveis graus de relação que se possa estabelecer e manter entre as pessoas.

10 O que é uma casa? A CASA (vivenda; morada) constitui-se no lugar que abriga, ou seja, a cobertura ou teto que envolve, assegura e oferece proteção contra os rigores do sol, chuva e demais intempéries e perigos da natureza e/ou da sociedade. Toda RESIDÊNCIA remete ao valor de meta, refúgio ou descanso, que é o reduto da família (lar); ponto de referência de chegada e de partida, o qual é um valor presente desde suas formas arquetípicas (choça, cabana, tenda).

11 A casa é uma infinidade de pequenos âmbitos. Charles Moore ( ) A casa é um espaço interior habitável, concebido no sentido mais amplo de abrigo: o de refúgio. Frank Lloyd Wright ( ) Fallingwater House (1935/38, Bear Run PA, EUA) Moore House (1963/65, Sea Ranch CA, EUA)

12 A casa configura-se como um sistema de espaços interrelacionados, sendo que concepções diferentes de moradia conduzem a diferentes configurações desses mesmos ambientes. O organismo espacial de uma casa fundamenta-se na relação existente entre seus elementos primários ou permanentes, os quais incluem ambientes internos, abertos ou fechados; e até mesmo exteriores.

13 Constituem-se nos ELEMENTOS PRIMÁRIOS de uma casa: ENTRADA: Refere-se ao espaço de impacto e de passagem para o interior; lugar de encontro do macro e microclima; vestíbulo (hall) ou recepção. ESPAÇOS SOCIAIS: Correspondem aos lugares de representação da domesticidade coletiva; os cômodos diurnos mais importantes ou de vida comum, incluindo as diversas salas, a copa e a biblioteca.

14

15 ESPAÇOS ÍNTIMOS: Equivalem às estâncias mais individuais (ou de casal), que conferem intimidade, privacidade e conforto. Seu acesso pode ser dado por escadas, rampas e patamares, além de galerias e corredores. ESPAÇOS DE SERVIÇOS: Representam os espaços de acesso à cozinha, garagem e demais dependências de serviços; ou ainda, estúdios, ateliês e outros espaços de trabalho ocasional.

16

17 Os ELEMENTOS SECUNDÁRIOS de uma habitação incluem desde varandas e sacadas, terraços e pátios, garagens, jardins internos e externos, etc.

18 Villa Savoye (1929, Poissy, França) O processo compositivo da arquitetura residencial envolve uma metodologia que trabalha com TENSÕES ESPACIAIS, as quais envolvem o equilíbrio entre espaços fechados e abertos; fixos e fluídos; individuais e sociais; isolados e contínuos. A casa é uma máquina de morar. Le Corbusier ( )

19 Além dessas relações, há a ARTICULAÇÃO TRIDIMENSIONAL da casa, que tem muitas vezes um significado mais simbólico do que funcional. Há momentos que a ideia da moradia guia-se mais por modelos de ostentação exterior onde a fachada torna-se símbolo de status do que pela compreensão dos modos de viver o interior das edificações.

20 Os elementos invariáveis que qualificam uma edificação como CASA não são objeto de uma única e autêntica morfologia espacial, mas da tipologia de suas características ou motivos socioespaciais. Seu arranjo arquitetônico foi se alterando ao passo que surgiram as ideias de privacidade, conforto e higiene, essencialmente modernos.

21 De qualquer forma, além dos imperativos técnicos e materiais, a moradia sempre foi e será fruto da ORGANIZAÇÃO SOCIAL, assim como de fatos universais ligados ao nascimento, à vida e à consolidação da cultura do habitar, que é própria do homem contemporâneo.

22 O desenvolvimento da arquitetura residencial está intimamente vinculado à evolução do conceito de VIDA DOMÉSTICA e os modos de vida contemporânea basicamente têm sua origem na Inglaterra oitocentista. Red House (1859, Kent GB) Philip Webb ( ) e William Morris ( ) A casa Inglesa (1904) Hermann Muthesius ( )

23 ARTS & CRAFTS COTTAGES

24

25 Projeto de uma Casa O processo compositivo da arquitetura residencial utiliza uma metodologia que trabalha com TENSÕES ESPACIAIS, as quais envolvem o equilíbrio entre espaços fechados e abertos; fixos e fluídos; individuais e coletivos; isolados e contínuos; e outros. Essas tensões podem ser direcionadas tanto para o interior (processo centrípeto) como para o exterior (processo centrífugo).

26 RELAÇÕES FECHADAS Caracterizam os espaços de vida particular, resolvendo-se através de paredes e portas, produzindo a privacidade do cômodo, seja este individual ou coletivo. RELAÇÕES ABERTAS Correspondem à abolição de limites, o que confere liberdade de comunicação e ventilação, além de permitirem relações ricas em interações em todos os níveis possíveis.

27 Cottage inglesa (c.1918) A. E. Stillwell Villa Savoye (1929) Le Corbusier

28 RELAÇÕES ESTÁTICAS RELAÇÕES DINÂMICAS Relacionam-se à adoção de uma axialidade simétrica, esta materializada através de aberturas frontais, eixos e ordenamentos centrais (casas renascentistas). Originam-se da tensão espacial entre áreas principais e periféricas, que combinam o sentido de recolhimento, separação e comunicação (residências modernistas).

29 Villa Cornaro (1560/66, Padova) Andrea Palladio Palacete Stoclet (1905/11, Bruxelas) Josef Hoffmann

30 Além dessas relações, há a ARTICULAÇÃO TRIDIMENSIONAL da casa, que tem significado mais simbólico que espacial, podendo se dar de três modos: por sobreposição, por compenetração ou por decomposição. Villa Savoye (1929, Poissy, França) Le Corbusier

31 La Jolla House (2014, S. Diego CA, EUA) Zaha Hadid House III (1971, Lakeville CT, EUA) Peter Eisenman

32 Bibliografia CHING, F. D. K. Arquitetura: forma, espaço e ordem. São Paulo: Martins Fontes, CORNOLDI, A. La arquitectura de la vivienda unifamiliar. Barcelona: Gustavo Gili, JONES, W. Cómo leer casas: Una guía sobre arquitectura doméstica. Madrid: Akal, PILE, J. History of interior design. Nova York: John Wiley, RYBCZYNSKI, W. Casa: Pequena história de uma ideia. Rio de Janeiro: Record, ZABALBEASCOA, A. Tudo sobre a casa. São Paulo: Gustavo Gili, 2014.

Introdução à Arquitetura de Interiores. Antonio Castelnou

Introdução à Arquitetura de Interiores. Antonio Castelnou Introdução à Arquitetura de Interiores Antonio Castelnou CASTELNOU Apresentação Ao se observar a vida humana, verifica-se que, na maior parte de seu tempo, esta ocorre em espaços interiores ou fechados,

Leia mais

Figura 1: Implantação Casa Cafezal FGMF. Fonte: Banco de dados LPPM, 2014.

Figura 1: Implantação Casa Cafezal FGMF. Fonte: Banco de dados LPPM, 2014. CASA CAFEZAL Local Campinas - SP Ano 2011/2014 Escritório FGMF Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral Implantação e Partido Formal A casa, localizada em um condomínio fechado na cidade de Campinas/SP,

Leia mais

CASA BARRA DO UNA. Figura 2: Declividade do terreno e implantação da Casa Barra do Una SIAA Arquitetos Fonte: RODRIGUES, Web G. P., 2015.

CASA BARRA DO UNA. Figura 2: Declividade do terreno e implantação da Casa Barra do Una SIAA Arquitetos Fonte: RODRIGUES, Web G. P., 2015. CASA BARRA DO UNA Local: Barra do Una - São Sebastião, SP. Ano: 2004 Escritório: SIAA Autores: Web Gabner P. Rodrigues, Wilton Medeiros e Ana Elísia da Costa Implantação e Partido Formal Localizada na

Leia mais

RESIDENCIA KS. Implantação e Partido formal

RESIDENCIA KS. Implantação e Partido formal RESIDENCIA KS Local Natal Ano 2012 Escritório Arquitetos Associados Autoras: Ana Elísia da Costa e Luísa Medeiros dos Santos Implantação e Partido formal A Residência KS é uma residência urbana, desenvolvida

Leia mais

Figura 1: Implantação da casa no Derby O Norte Oficina de criação. Fonte: Jéssica Lucena, 2015.

Figura 1: Implantação da casa no Derby O Norte Oficina de criação. Fonte: Jéssica Lucena, 2015. CASA NO DERBY Local Recife - PE Ano 2007-08 Escritório O Norte Oficina de Criação Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral Implantação e Partido Formal A Casa no Derby é uma residência unifamiliar de uso

Leia mais

METODOLOGIA DE ANÁLISE DE PROJETO

METODOLOGIA DE ANÁLISE DE PROJETO METODOLOGIA DE ANÁLISE DE PROJETO construindo o discurso pela análise gráfica leitura de projeto REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS SUJESTÃO DE CONSULTA: REIS, Antônio T. Repertório, Análise e síntese: Uma introdução

Leia mais

CASA ATELIER. Implantação e Partido Formal. Local Itanhangá, Rio de Janeiro Ano 2002 Escritório Carla Juaçaba Arquitetura

CASA ATELIER. Implantação e Partido Formal. Local Itanhangá, Rio de Janeiro Ano 2002 Escritório Carla Juaçaba Arquitetura CASA ATELIER Local Itanhangá, Rio de Janeiro Ano 2002 Escritório Carla Juaçaba Arquitetura Implantação e Partido Formal A Casa Atelier, idealizada por Carla Juaçaba juntamente com Mário Fraga, é um refúgio

Leia mais

CASA LP. Implantação e Partido Formal. Local: São Paulo Ano: 2012 Escritório: METRO Arquitetos Associados Autoria: Mariana Samurio

CASA LP. Implantação e Partido Formal. Local: São Paulo Ano: 2012 Escritório: METRO Arquitetos Associados Autoria: Mariana Samurio CASA LP Local: São Paulo Ano: 2012 Escritório: METRO Arquitetos Associados Autoria: Mariana Samurio Implantação e Partido Formal A casa LP está localizada na cidade de São Paulo e possui um caráter urbano,

Leia mais

ARTS AND CRAFTS. TH3 Teoria, História e Crítica da Arquitetura e Urbanismo III

ARTS AND CRAFTS. TH3 Teoria, História e Crítica da Arquitetura e Urbanismo III TH3 Teoria, História e Crítica da Arquitetura e Urbanismo III ARTS AND CRAFTS Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Curso de Arquitetura e Urbanismo Prof. Ana Paula

Leia mais

Implantação e Partido Formal

Implantação e Partido Formal RESIDÊNCIA AR Local Barueri, SP Ano 2002 Escritório Arquitetos Associados Autores Célia Gonsales e Gerônimo Genovese Dornelles Implantação e Partido Formal A Residência AR é uma edificação unifamiliar

Leia mais

RESIDÊNCIA BROOKLIN. Implantação e Partido Formal

RESIDÊNCIA BROOKLIN. Implantação e Partido Formal RESIDÊNCIA BROOKLIN Local: SÃO PAULO, SP Ano: 2004-2005 Escritório: SIAA Autora: Amanda Monteiro dos Santos, Wilton Medeiros e Ana Elísia da Costa Implantação e Partido Formal A Residência Brooklin localiza-se

Leia mais

Habitar-Trabalhar (Live-Work) PA2 AI1 FAU/UFRJ Professores: Adriana Sansão. Paulo Jardim. Jorge Fleury. João Folly. Leonardo Hortêncio.

Habitar-Trabalhar (Live-Work) PA2 AI1 FAU/UFRJ Professores: Adriana Sansão. Paulo Jardim. Jorge Fleury. João Folly. Leonardo Hortêncio. Habitar-Trabalhar (Live-Work) PA2 AI1 FAU/UFRJ Professores: Adriana Sansão. Paulo Jardim. Jorge Fleury. João Folly. Leonardo Hortêncio. Affonso Mello Habitar Trabalhar Diferentes coisas Diferentes pessoas

Leia mais

CASA BIOVILLA PATIO. (b) (c)

CASA BIOVILLA PATIO. (b) (c) CASA BIOVILLA PATIO Local: Jaboticatubas - MG Ano: 2012 Escritório Arquitetos Associados Autoras: Brenda Wolffenbüttel e Ana Elísia da Costa Implantação e Partido Formal A Biovilla Patio é uma residência

Leia mais

CASA NO PEIXE GORDO ANÁLISE: CASA NO PEIXE GORDO. Implantação e Partido Formal

CASA NO PEIXE GORDO ANÁLISE: CASA NO PEIXE GORDO. Implantação e Partido Formal CASA NO PEIXE GORDO Local: Peixe Gordo - CE Ano: 2012 Escritório Arquitetos Associados Autoras: Juliana Colombo e Ana Elísia da Costa ANÁLISE: CASA NO PEIXE GORDO Implantação e Partido Formal Localizada

Leia mais

Figura 1: Implantação da Casa das Pérgolas Deslizantes FGMF Fonte: Revista Monolito, 21ª edição, ano 2014

Figura 1: Implantação da Casa das Pérgolas Deslizantes FGMF Fonte: Revista Monolito, 21ª edição, ano 2014 CASA DAS PÉRGOLAS DESLIZANTES Local Bauru Ano 2012-14 Escritório FGMF Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral Implantação e Partido Formal A casa das Pérgolas Deslizantes é uma residência unifamiliar

Leia mais

ANEXO B PEÇAS DESENHADAS DO PROJECTO DA HABITAÇÃO UNIFAMILIAR APRESENTADO NO CAPÍTULO 6 1

ANEXO B PEÇAS DESENHADAS DO PROJECTO DA HABITAÇÃO UNIFAMILIAR APRESENTADO NO CAPÍTULO 6 1 ANEXO B PEÇAS DESENHADAS DO PROJECTO DA HABITAÇÃO UNIFAMILIAR APRESENTADO NO CAPÍTULO 6 1 1 As peças desenhadas que se apresentam em todo o anexo não estão à escala. 207 208 ANEXO B.1 PEÇAS DESENHADAS

Leia mais

Metodologia de Elaboração de Projeto Arquitetônico

Metodologia de Elaboração de Projeto Arquitetônico Metodologia de Elaboração de Projeto Arquitetônico O processo de projetar na Arquitetura É representado por uma progressão, que parte de um ponto inicial O PROBLEMA e evolui em direção a uma proposta A

Leia mais

EVOLUÇÃO SOCIAL E TRANSFORMAÇÃO DO ESPAÇO DOMÉSTICO NO BAIRRO SOCIAL DO ARCO DO CEGO EM LISBOA

EVOLUÇÃO SOCIAL E TRANSFORMAÇÃO DO ESPAÇO DOMÉSTICO NO BAIRRO SOCIAL DO ARCO DO CEGO EM LISBOA EVOLUÇÃO SOCIAL E TRANSFORMAÇÃO DO ESPAÇO DOMÉSTICO NO BAIRRO SOCIAL DO ARCO DO CEGO EM LISBOA UM ESTUDO DE UM QUARTEIRÃO DE HABITAÇÕES UNIFAMILIARES REABILITADAS INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO. ARQUITECTURA.

Leia mais

ERGONOMIA. Monitora: Caroline Sampaio de Oliveira. Orientador: Prof. Dr. Antonio M. N. Castelnou. Junho 2011

ERGONOMIA. Monitora: Caroline Sampaio de Oliveira. Orientador: Prof. Dr. Antonio M. N. Castelnou. Junho 2011 ERGONOMIA Monitora: Caroline Sampaio de Oliveira Orientador: Prof. Dr. Antonio M. N. Castelnou Junho 2011 CASTELNOU CONCEITUAÇÃO ERGONOMIA consiste no conjunto de conhecimentos que se tem a respeito do

Leia mais

RESIDÊNCIA WP RESIDÊNCIA ML2. CASA DO CUMBUCO Local: Sete Lagoas, Local: Brumadinho, Local: Praia do Cumbuco, Implantação e Partido Formal

RESIDÊNCIA WP RESIDÊNCIA ML2. CASA DO CUMBUCO Local: Sete Lagoas, Local: Brumadinho, Local: Praia do Cumbuco, Implantação e Partido Formal RESIDÊNCIA WP RESIDÊNCIA ML2 CASA DO CUMBUCO Local: Sete Lagoas, Local: Brumadinho, Local: Praia do Cumbuco, MG Ano: 2005 MG Ano: 2008 CE Ano: 2013 Escritório Arquitetos Associados Autoras: Ana Elísia

Leia mais

ATELIÊ DE PROJETO I CCE0004

ATELIÊ DE PROJETO I CCE0004 ATELIÊ DE PROJETO I CCE0004 Prof. Aline Cancela anc.estacio@gmail.com A.01 APRESENTAÇÃO EMENTA Introdução à arquitetura: projeto e pesquisa; Conceitos fundamentais do projeto arquitetônico; Elaboração

Leia mais

06/04/2014. AULA 03a Transformações da forma e possibilidades de agrupamento. Formas Regulares I provenientes de formatos regulares:

06/04/2014. AULA 03a Transformações da forma e possibilidades de agrupamento. Formas Regulares I provenientes de formatos regulares: 1 2 Existem três formatos básicos: O QUADRADO O CÍRCULO O TRIÂNGULO AULA 03a Transformações da forma e possibilidades de agrupamento Cada formato possui características específicas; e a cada um deles atribuímos

Leia mais

PRODUÇÃO DO ESPAÇO ARQUITETÔNICO Antonio Castelnou

PRODUÇÃO DO ESPAÇO ARQUITETÔNICO Antonio Castelnou PRODUÇÃO DO ESPAÇO ARQUITETÔNICO Antonio Castelnou CASTELNOU Assinado de forma digital por CASTELNOU DN: cn=castelnou, c=

Leia mais

Modernidade em Xeque. Fundação Armando Alvares Penteado FAAP

Modernidade em Xeque. Fundação Armando Alvares Penteado FAAP Modernidade em Xeque Bibliografia Básica ARGAN, Giulio Carlo. Arte Moderna. Tradução Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 1992 BENÉVOLO, Leonardo. História da Arquitetura Moderna. Tradução

Leia mais

ERGONOMIA ESPAÇO INTERPESSOAL PROXÊMICA LAY OUT SETORIZAÇÃO FLUXOS. Professora Arabella Galvão

ERGONOMIA ESPAÇO INTERPESSOAL PROXÊMICA LAY OUT SETORIZAÇÃO FLUXOS. Professora Arabella Galvão ERGONOMIA ESPAÇO INTERPESSOAL PROXÊMICA LAY OUT SETORIZAÇÃO FLUXOS Professora Arabella Galvão ESPAÇO INTERPESSOAL Estudos psicofísicos mostram que tanto a distância excessiva quanto a proximidade excessiva

Leia mais

CASA DE RIBERÃO PRETO

CASA DE RIBERÃO PRETO CASA DE RIBERÃO PRETO Local Ribeirão Preto, São Paulo Ano 2000 Escritório SPBR Autoras: Gabriela Costa e Ana Elísia da Costa Implantação e Partido Formal A Casa de Ribeirão Preto foi projetada pelo escritório

Leia mais

CASA ALTO DE PINHEIROS

CASA ALTO DE PINHEIROS CASA ALTO DE PINHEIROS Local São Paulo Ano 2013 Escritório Nitsche Arquitetos Autores Célia Gonsales e Gerônimo Genovese Dornelles Implantação e Partido Formal A Casa Alto de Pinheiros é uma residência

Leia mais

INGLATERRA SÉCULO XIX ARTS E CRAFTS

INGLATERRA SÉCULO XIX ARTS E CRAFTS INGLATERRA SÉCULO XIX ARTS E CRAFTS ARTS E CRAFTS Artes e ofício Segunda metade do século XIX Influenciado pelas ideias do romântico John Ruskin e liderado pelo socialista e medievalista William Morris.

Leia mais

EVOLUÇÃO MORFOLÓGICA DA HABITAÇÃO UNIFAMILIAR ROBERTO ACCIOLY MELO PESQUISA VOLUNTÁRIA IC 2015 ORIENTADOR: PROF. DR. ANTONIO M. N.

EVOLUÇÃO MORFOLÓGICA DA HABITAÇÃO UNIFAMILIAR ROBERTO ACCIOLY MELO PESQUISA VOLUNTÁRIA IC 2015 ORIENTADOR: PROF. DR. ANTONIO M. N. EVOLUÇÃO MORFOLÓGICA DA HABITAÇÃO UNIFAMILIAR ROBERTO ACCIOLY MELO PESQUISA VOLUNTÁRIA IC 2015 ORIENTADOR: PROF. DR. ANTONIO M. N. CASTELNOU NETO ROBERTO ACCIOLY MELO INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA/ EDITAL

Leia mais

CASA EM ALDEIA Local Camaragibe - PE Ano Escritório O Norte Oficina de Criação Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral

CASA EM ALDEIA Local Camaragibe - PE Ano Escritório O Norte Oficina de Criação Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral CASA EM ALDEIA Local Camaragibe - PE Ano 2009-11 Escritório O Norte Oficina de Criação Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral Implantação e Partido Formal Em um terreno de 1.478,00m², em Aldeia Pernambuco,

Leia mais

TERMOS USADOS NOS PROJETOS DE ARQUITETURA Alinhamento: É a linha legal, traçada pelas autoridades municipais, que serve de limite entre o lote, ou

TERMOS USADOS NOS PROJETOS DE ARQUITETURA Alinhamento: É a linha legal, traçada pelas autoridades municipais, que serve de limite entre o lote, ou TERMOS USADOS NOS PROJETOS DE ARQUITETURA Alinhamento: É a linha legal, traçada pelas autoridades municipais, que serve de limite entre o lote, ou gleba, e o logradouro público. Alvará: Documento que licencia

Leia mais

CASA EM TIBAU. Implantação e Partido Formal. Local: Tibau do Sul, RN Ano: Autoras: Brena M. de Oliveira, Cristina Piccoli, Ana Elísia da Costa

CASA EM TIBAU. Implantação e Partido Formal. Local: Tibau do Sul, RN Ano: Autoras: Brena M. de Oliveira, Cristina Piccoli, Ana Elísia da Costa CASA EM TIBAU Local: Tibau do Sul, RN Ano: 2011 Escritório Yuri Vital Autoras: Brena M. de Oliveira, Cristina Piccoli, Ana Elísia da Costa Implantação e Partido Formal A casa em Tibau, também conhecida

Leia mais

DIMENSIONAMENTO E ERGONOMIA. UFPR - DEGRAF - CEG219 Desenho Arquitetônico II - Prof.Márcio Carboni

DIMENSIONAMENTO E ERGONOMIA. UFPR - DEGRAF - CEG219 Desenho Arquitetônico II - Prof.Márcio Carboni DIMENSIONAMENTO E ERGONOMIA ABRIL 2015 UFPR - DEGRAF - CEG219 Desenho Arquitetônico II - Prof.Márcio Carboni 1 Ambientes: Garagem Estar e Jantar Lavabo Cozinha (copa) Lavanderia Escritório Quartos Banheiros

Leia mais

DIMENSIONAMENTO E ERGONOMIA. UFPR - DEGRAF - CEG219 Desenho Arquitetônico II - Prof.Márcio Carboni

DIMENSIONAMENTO E ERGONOMIA. UFPR - DEGRAF - CEG219 Desenho Arquitetônico II - Prof.Márcio Carboni DIMENSIONAMENTO E ERGONOMIA ABRIL 2015 UFPR - DEGRAF - CEG219 Desenho Arquitetônico II - Prof.Márcio Carboni 1 RESUMO/CONTEXTO: Material apresentado na disciplina de Desenho Arquitetônico II do Curso de

Leia mais

CASA BERTOLINI CASA PORTO DO SOL

CASA BERTOLINI CASA PORTO DO SOL ANÁLISE COMPARATIVA: CASAS BERTOLINI E PORTO DO SOL Implantação e Partido Formal CASA BERTOLINI CASA PORTO DO SOL Local: Bento Gonçalves-RS Local: Porto Alegre- RS Ano: 2008 Ano: 2010 Escritório MAPA Escritório

Leia mais

Profa. Dra. Deusa Maria R. Boaventura. Projeto 1 A FORMA DA CIDADE E OS SEUS ELEMENTOS CONSTITUTIVOS.

Profa. Dra. Deusa Maria R. Boaventura. Projeto 1 A FORMA DA CIDADE E OS SEUS ELEMENTOS CONSTITUTIVOS. Profa. Dra. Deusa Maria R. Boaventura. Projeto 1 A FORMA DA CIDADE E OS SEUS ELEMENTOS CONSTITUTIVOS. 1. DIMENSÕES ESPACIAIS NA MORFOLOGIA URBANA. 1.1. A forma urbana: A noção de forma aplica-se a conjuntos

Leia mais

CASA EM PINHEIROS. Local: Pinheiros, SP Ano: Escritório: UNA Arquitetos

CASA EM PINHEIROS. Local: Pinheiros, SP Ano: Escritório: UNA Arquitetos CASA EM PINHEIROS Local: Pinheiros, SP Ano: 2007-2009 Escritório: UNA Arquitetos Implantação e Partido Formal A Casa em Pinheiros foi implantada em um lote urbano, localizado em uma das colinas que define

Leia mais

Elementos Compositivos I Prof. Andrea Faria Andrade. Departamento de Expressão Gráfica - UFPR

Elementos Compositivos I Prof. Andrea Faria Andrade. Departamento de Expressão Gráfica - UFPR Elementos Compositivos I Prof. Andrea Faria Andrade Departamento de Expressão Gráfica - UFPR COMUNICAÇÃO VISUAL Elementos Compositivos I Prof. Andrea Faria Andrade A informação por meio de sinais provocou

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA: SAHY, PRAIA PRETA E PIRACAIA

ANÁLISE COMPARATIVA: SAHY, PRAIA PRETA E PIRACAIA ANÁLISE COMPARATIVA: SAHY, PRAIA PRETA E PIRACAIA Escritório: Nitsche Arquitetos Autoria: Juliana Colombo e Ana Elísia da Costa INTRODUÇÃO Este estudo busca analisar comparativamente três casas do Escritório

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA SEGUNDA APRESENTA SENTIDO DUPLO (L-O / O-L).

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA SEGUNDA APRESENTA SENTIDO DUPLO (L-O / O-L). FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA RUA DAS

Leia mais

E S TA R S O C I A L PRAÇA MAJOR JOAQUIM DE QUEIROZ

E S TA R S O C I A L PRAÇA MAJOR JOAQUIM DE QUEIROZ E S TA R S O C I A L PRAÇA MAJOR JOAQUIM DE QUEIROZ UFRGS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO INTRODUÇÃO AO PROJETO ARQUITETÔNICO I LINGUAGENS GRÁFICAS I LUÍSA BERTUOL KOGLER TURMA C 2014/2 A P R E

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA GRANDES VAZIOS URBANOS, GRANDES LOTES, MARCADA PELA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA GRANDES VAZIOS URBANOS, GRANDES LOTES, MARCADA PELA JARDIM CLOSET SUÍTE MASTER ESCRITÓRIO SUÍTE 02 SUÍTE 01 SALA DE TELEVISÃO GARAGEM QUARTO DE HÓSPEDE SALA DE ESTAR/JANTAR SALA DE TELEVISÃO SUÍTE 01 WC SUÍTE 02 WC CLOSET SUÍTE MASTER WC DECK CIRCULAÇÃO

Leia mais

CASA NA BARRA DO SAHY

CASA NA BARRA DO SAHY CASA NA BARRA DO SAHY Local São Paulo Ano 2002 Escritório Nitsche Arquitetos Autores: Célia Gonsales e Natália Ghisleni Implantação e Partido Formal A casa na Barra do Sahy é uma residência projetada e

Leia mais

CASA EM MANGABEIRAS. Casa em Mangabeiras Promenade Contemporânea 1. Implantação e Partido Formal

CASA EM MANGABEIRAS. Casa em Mangabeiras Promenade Contemporânea 1. Implantação e Partido Formal CASA EM MANGABEIRAS Local: Belo Horizonte MG Ano: 2012 Escritório: Grupo SP Autores: Márcia Silveira Rodrigues e Ana Elísia da Costa Casa em Mangabeiras Promenade Contemporânea 1 A Casa em Mangabeiras

Leia mais

CEUNSP_ Curso: ARQUITETURA E URBANISMO

CEUNSP_ Curso: ARQUITETURA E URBANISMO CEUNSP_ Curso: ARQUITETURA E URBANISMO Disciplina CONFORTO AMBIENTAL I _ Prof. Arq. Elizabeth Correia Aula 4 _ POSTO DE TRABALHO. Salto, 08/03/2017. O critério estabelecido para o enfoque ergonômico no

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA CROQUIS DO ARQUITETO.

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA CROQUIS DO ARQUITETO. FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA WALDEMAR

Leia mais

Partido arquitetônico Método de projetação

Partido arquitetônico Método de projetação Conceito geral PLANEJAMENTO ARQUITETÔNICO Projetar idealizar algo a ser feito Projeto Documento demonstrativo deste algo. Conceito (ótica da arquitetura) Projetar idealizar o edifício a ser construído

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso Arquitetura e Urbanismo. Ênfase

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso Arquitetura e Urbanismo. Ênfase Curso 2010 - Arquitetura e Urbanismo Ênfase Identificação Disciplina 0003734A - História da Arquitetura II - Do Brasil Colonial ao Moderno Docente(s) Ludmilla Sandim Tidei de Lima Pauleto Unidade Faculdade

Leia mais

PLANO DE ENSINO I - EMENTA

PLANO DE ENSINO I - EMENTA PLANO DE ENSINO CURSO: Arquitetura e Urbanismo SÉRIE: 5 o /6º Semestre DISCIPLINA: Teoria e História da Arquitetura e Urbanismo (ARQ E URB IV) CARGA HORÁRIA SEMANAL: 1.5 Horas/aula 30 Horas/aula sem HORÁRIOS:

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA ESSENCIALMENTE RETANGULAR E DELGADO.

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA ESSENCIALMENTE RETANGULAR E DELGADO. FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA RUA ALEMANHA

Leia mais

Saneamento e Meio ambiente para Arquitetura Edificações Sustentáveis Análise E1. G10. Brunieli Mori Juliana Oliveira Mayara Serra

Saneamento e Meio ambiente para Arquitetura Edificações Sustentáveis Análise E1. G10. Brunieli Mori Juliana Oliveira Mayara Serra Saneamento e Meio ambiente para Arquitetura Edificações Sustentáveis Análise E1 G10. Brunieli Mori Juliana Oliveira Mayara Serra Introdução A partir da análise do Edifício E1, entende-se que é papel do

Leia mais

CONQUISTA CHÁCARA DOS PÊSSEGOS

CONQUISTA CHÁCARA DOS PÊSSEGOS Sua vida agora com tudo de bom Comemore! Aquele seu plano de morar bem e viver melhor está próximo de ser realizado. Com ótima localização e muitos itens de conforto e lazer sua família viverá mais segura

Leia mais

Arquitetura Anticlássica. Fundação Armando Alvares Penteado FAAP

Arquitetura Anticlássica. Fundação Armando Alvares Penteado FAAP Arquitetura Anticlássica Fundação Armando Alvares Penteado FAAP Bibliografia Básica ARGAN, Giulio Carlo. Arte Moderna. Tradução Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 1992 BENÉVOLO, Leonardo.

Leia mais

ORGANOGRAMAS E FLUXOGRAMAS NA ARQUITETURA

ORGANOGRAMAS E FLUXOGRAMAS NA ARQUITETURA DEPARTAMENTO DE TEORIA E HISTÓRIA DA ARQUITETURA - THA DISCIPLINA ARQ&URB NO BRASIL CONTEMPORÂNEO PROFª DRª. ANA PAULA GURGEL ORGANOGRAMAS E FLUXOGRAMAS NA ARQUITETURA 1. Programa de necessidades Não

Leia mais

Componentes físicos Componentes sociais

Componentes físicos Componentes sociais Avaliação Ambiental Na avaliação da qualidade ambiental, os valores simbólicos e latentes são mais importantes que o uso e o aspecto concreto do meio, uma vez que as expectativas e atitudes são fatores

Leia mais

UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II

UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II Prof. Dr. André L. Gamino Araçatuba Setembro - 2013 1 Acessibilidade a Edificações 1.1 Introdução A norma brasileira

Leia mais

Tipo 1: espaços internos livres e área de estar na varanda. Tipo 2: mesa de jantar para 8, escritório e área de estar na varanda.

Tipo 1: espaços internos livres e área de estar na varanda. Tipo 2: mesa de jantar para 8, escritório e área de estar na varanda. IKAROS A idéia proposta pelo grupo alemão é de que este seja um espaço de vivência flexível, tornando possível que o usuário o configure conforme sua necessidade. O espaço foi pensado para ser amplo e

Leia mais

FUNCIONAL TOPOGRAFIA ZONEAMENTO/ MEDIDAS APROXIMADAS DE 70M X 110M, OCUPANDO CERCA DE 14,3% DA

FUNCIONAL TOPOGRAFIA ZONEAMENTO/ MEDIDAS APROXIMADAS DE 70M X 110M, OCUPANDO CERCA DE 14,3% DA FUNCIONAL IMPLANTAÇÃO IDENTIFICAR COMO SE DÁ A OCUPAÇÃO DA PARCELA DO LOTE, A DISPOSIÇÃO DO(S) ACESSO(S) AO LOTE; COMO SE ORGANIZA O AGENCIAMENTO, UMA LEITURA DA RUA PARA O LOTE EDIFICAÇÃO ACESSOS A EDIFICAÇÃO

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios Normas pertinentes NBR 9077/1993-2001 (Saídas de Emergência em

Leia mais

Estilo Vitoriano. Alexandrina Victoria ( )

Estilo Vitoriano. Alexandrina Victoria ( ) CASTELNOU Assinado de forma digital por CASTELNOU DN: cn=castelnou, c=

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso Arquitetura e Urbanismo. Ênfase

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso Arquitetura e Urbanismo. Ênfase Curso 2010 - Arquitetura e Urbanismo Ênfase Identificação Disciplina 0003701A - Arquitetura I: Percepção do Espaço Construído Docente(s) Rosio Fernandez Baca Salcedo Unidade Faculdade de Arquitetura, Artes

Leia mais

LEVANTAMENTO DA CARGA DE ILUMINAÇÃO - NBR 5410

LEVANTAMENTO DA CARGA DE ILUMINAÇÃO - NBR 5410 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAIS - I NBR 5410 Segundo a NBR5410 o levantamento das potências é feito mediante uma previsão das potências mínimas (neste caso, cargas mínimas) de iluminação e tomadas,

Leia mais

Projetar apartamentos com vistas à qualidade arquitetônica a partir dos resultados da avaliação pós- ocupação

Projetar apartamentos com vistas à qualidade arquitetônica a partir dos resultados da avaliação pós- ocupação Projetar apartamentos com vistas à qualidade arquitetônica a partir dos resultados da avaliação pós- ocupação Profª. Drª Simone Barbosa Villa UFU/FAUeD [simonevilla@yahoo.com] Profª. Drª. Sheila Walbe

Leia mais

o espaço perfeito para o seu estilo de vida esse é o tribo são judas pronto para morar

o espaço perfeito para o seu estilo de vida esse é o tribo são judas pronto para morar o espaço perfeito para o seu estilo de vida esse é o tribo são judas pronto para morar conheça a nossa tribo 1. viver em são paulo 2. quem somos nós 3. tribo são judas 4. integrado e funcional 5. decorado

Leia mais

Quinta estilo vivenda isolada na costa de Alvor in Alvor

Quinta estilo vivenda isolada na costa de Alvor in Alvor pagina 1/5 pagina 2/5 Moradias unifamiliares e Quintas 550.000 Construída (ano) 2004 Área (concelho) Portimão Terreno 900 Cidade Alvor Área da construção 259 pagina 3/5 Uma moradia em estilo quinta maravilhosa

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA CARBON

Leia mais

Dossier Promocional. Moradia em Fernão Ferro Seixal - Setúbal

Dossier Promocional. Moradia em Fernão Ferro Seixal - Setúbal Dossier Promocional Moradia em Fernão Ferro Seixal - Setúbal 1 1. Contexto e a Oportunidade 2. Localização do Imóvel 3. Características Gerais do Imóvel 4. Descrição Detalhada 5. Condições de Comercialização

Leia mais

Desenho d ObseRvação. Departamento de Expressão Gráfica UFPR Professora: Vaz

Desenho d ObseRvação. Departamento de Expressão Gráfica UFPR Professora: Vaz Desenho d ObseRvação Departamento de Expressão Gráfica UFPR Professora: Vaz PROPOSTA 02: PADRONAGEM (textura e tonalidade) 1º sem.de 2015 Representação Gráfica para desenho e projeto Desenhar é o processo

Leia mais

Texto Lucie Ferreira Fotos Divulgação/Lucas Fonseca Arquiteta Crisa Santos

Texto Lucie Ferreira Fotos Divulgação/Lucas Fonseca Arquiteta Crisa Santos SOB MEDIDA CÔMODOS AMPLIADOS, MÓVEIS ADEQUADOS AOS ESPAÇOS E ÁREAS COM PRIVACIDADE E CONFORTO PARA TODA A FAMÍLIA Texto Lucie Ferreira Fotos Divulgação/Lucas Fonseca Arquiteta Crisa Santos 30 Qual família

Leia mais

Museu de História de Ningbo, China

Museu de História de Ningbo, China Museu de História de Ningbo, China Fendas nos espaços internos e terraços externos oferecem vistas da cidade, dos campos de arroz e do relevo do entorno. Em um distrito da cidade de Ningbo, na China, funciona

Leia mais

Aos olhos do morador: análise das transformações das casas do bairro Parque das Laranjeiras, Goiânia, GO.

Aos olhos do morador: análise das transformações das casas do bairro Parque das Laranjeiras, Goiânia, GO. Aos olhos do morador: análise das transformações das casas do bairro Parque das Laranjeiras, Goiânia, GO. Flávia da Silva Almeida 1 (IC)*, Fernando Antonio Oliveira Mello (PQ) 1 flaviasilva.arq@gmail.com

Leia mais

Código da Disciplina CCE0047 AULA 3.

Código da Disciplina CCE0047 AULA 3. Código da Disciplina CCE0047 AULA 3 http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: INFORMAÇÕES NA PRANCHA: Nome dos ambientes: Em todo e qualquer projeto arquitetônico,

Leia mais

Carlos Alberto Maciel. Alexandre Brasil. Residência RP Sete Lagoas, MG. Juliana Barros e Michelle Andrade (colaboradoras)

Carlos Alberto Maciel. Alexandre Brasil. Residência RP Sete Lagoas, MG. Juliana Barros e Michelle Andrade (colaboradoras) Alexandre Brasil Carlos Alberto Maciel Juliana Barros e Michelle Andrade (colaboradoras) projeto: 2005 construção: em andamento A residência RP apresenta uma resposta sintética que busca conciliar o atendimento

Leia mais

Roteiro para entrevista com o Proprietário (Para projetos de Residências)

Roteiro para entrevista com o Proprietário (Para projetos de Residências) Roteiro para entrevista com o Proprietário (Para projetos de Residências) INFORMAÇÕES GERAIS 1. Esta súmula deverá ser acompanhada das plantas baixas e do desenho de localização e situação. 2. Sempre que

Leia mais

ATELIÊ DE PROJETO 1 SEMINÁRIO 2 DIMENSIONAMENTO

ATELIÊ DE PROJETO 1 SEMINÁRIO 2 DIMENSIONAMENTO SEMINÁRIO 2 DIMENSIONAMENTO Existe uma bibliografia completa com dimensões médias das necessidades humanas. Um dos autores mais importantes é Ernst Neufert, que fez um estudo detalhado sobre estas dimensões

Leia mais

PRINCIPAIS ETAPAS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO LUMINOTÉCNICO.

PRINCIPAIS ETAPAS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO LUMINOTÉCNICO. PRINCIPAIS ETAPAS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO LUMINOTÉCNICO. 1. Levantamento de Informações 1.1.Projeto de arquitetura A escolha do projeto residencial 1.2. Lay out ocupação e uso do espaço Informações

Leia mais

aula inaugural CFA2_fau. ufrj alexandre pessoa andrea borde ana amora flávia de faria mara eskinazi pedro engel

aula inaugural CFA2_fau. ufrj alexandre pessoa andrea borde ana amora flávia de faria mara eskinazi pedro engel aula inaugural CFA2_fau. ufrj alexandre pessoa andrea borde ana amora flávia de faria mara eskinazi pedro engel Aula em 2 partes 1. Estrutura da disciplina CFA 2 2. Fundamentos históricos para a compreensão

Leia mais

4 Acessibilidade a Edificações

4 Acessibilidade a Edificações 4 Acessibilidade a Edificações 4.1 Introdução A norma brasileira NBR 9050 (2004) fixa critérios exigíveis para o projeto e detalhamento de espaços físicos destinados a portadores de necessidades especiais.

Leia mais

ILUMINAÇÃO ZENITAL. Guggenheim Museum

ILUMINAÇÃO ZENITAL. Guggenheim Museum ILUMINAÇÃO ZENITAL Guggenheim Museum 1 ILUMINAÇÃO ZENITAL Iluminação zenital: São aberturas localizadas na cobertura de uma edificação. TIPOLOGIAS DAS ABERTURAS ZENITAIS 1. Sheds 2. Lanternins 3. Teto

Leia mais

Antonio Castelnou CASTELNOU Assinado de forma digital por CASTELNOU DN: cn=castelnou, c=<n Dados: :31:19-03'00'

Antonio Castelnou CASTELNOU Assinado de forma digital por CASTELNOU DN: cn=castelnou, c=<n Dados: :31:19-03'00' Antonio Castelnou CASTELNOU Assinado de forma digital por CASTELNOU DN: cn=castelnou, c=

Leia mais

CASA UBATUBA. Implantação e Partido Formal

CASA UBATUBA. Implantação e Partido Formal CASA UBATUBA Local: Ubatuba-SP Ano: 2005-06 Escritório SPBR Autoras: Stefânia Rossato Tonet, Cristina Piccoli e Ana Elísia da Costa Implantação e Partido Formal A casa Ubatuba se localiza na cidade litorânea

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Mundi - Centro de Formação Técnica Unidade Vitória da Conquista BA Professor: Philipe do Prado Santos Curso Técnico de Edificações

Leia mais

RESIDENCIAL MULTIFAMILIAR FLEXÍVEL

RESIDENCIAL MULTIFAMILIAR FLEXÍVEL RESIDENCIAL MULTIFAMILIAR FLEXÍVEL DUNA: RESIDENCIAL MULTIFAMILIAR FLEXÍVEL Universidade Federal do Rio Grande do Norte UFRN Centro de Tecnologia CT Curso de Arquitetura e Urbanismo CAU Trabalho Final

Leia mais

CASA MAIA. Implantação e Partido Formal

CASA MAIA. Implantação e Partido Formal Cópia_de_seguranç a_de_banner 02 - C CASA MAIA Local: Carapicuíba-SP Ano: 2014 Escritório Yuri Vital Autoras: Stefânia Rossato Tonet, Cristina Piccoli e Ana Elísia da Costa Implantação e Partido Formal

Leia mais

A AGRADÁVEL SURPRESA DE BAUMGARTEN

A AGRADÁVEL SURPRESA DE BAUMGARTEN A AGRADÁVEL SURPRESA DE BAUMGARTEN Merece destaque o projeto do arquiteto berlinense Paul Baumgarten (figuras 77 a 80, pp.132 a 135) por reunir características claras do modernismo. Trata-se de um conjunto

Leia mais

Toldos. com Box. toldos de braços retráteis. ttendabox

Toldos. com Box. toldos de braços retráteis. ttendabox ttendabox Toldos com Box toldos de braços retráteis Toldos com Box Diversão despreocupada na sombra Equipados com caixa protetora (box), os Toldos com Box são compactos e elegantes. Quando os toldos são

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETAÇÃO

METODOLOGIA DE PROJETAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE ARTES E ARQUITETURA ARQUITETURA E URBANISMO PROJETO II METODOLOGIA DE PROJETAÇÃO BASEADO NO LIVRO : ADOÇÃO DO PARTIDO NA ARQUITETURA AUTOR: LAERT PEDREIRA

Leia mais

INFORMAÇÕES DO EMPREENDIMENTO

INFORMAÇÕES DO EMPREENDIMENTO DESCRIÇÃO DO EMPREENDIMENTO Dados Gerais do Empreendimento: - Localização: Rua João Pio Duarte Silva, s/n, Córrego Grande, Florianópolis/SC; - Projeto aprovado nº 58.148 em 16/03/2010; - Incorporação nº

Leia mais

Jardins pequenos para casas e apartamentos

Jardins pequenos para casas e apartamentos Jardins pequenos para casas e apartamentos Muitas pessoas tem o desejo de possuir uma área verde na sua residência, por isso os jardins pequenos vêm tomado espaço na área de decoração e paisagismo. Para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE LETRAS E ARTES FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DEPARTAMENTO DE ANÁLISE E REPRESENTAÇÃO DA FORMA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE LETRAS E ARTES FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DEPARTAMENTO DE ANÁLISE E REPRESENTAÇÃO DA FORMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE LETRAS E ARTES FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DEPARTAMENTO DE ANÁLISE E REPRESENTAÇÃO DA FORMA CADERNO DIDÁTICO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA FORMA ARQUITETÔNICA

Leia mais

AULA 1 INTRODUÇÃO FUNDAMENTOS DA ARQUITETURA EDI 64 ARQUITETURA E U. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille

AULA 1 INTRODUÇÃO FUNDAMENTOS DA ARQUITETURA EDI 64 ARQUITETURA E U. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille AULA 1 INTRODUÇÃO URBANISMO_ 2015 EDI 64 ARQUITETURA E U FUNDAMENTOS DA ARQUITETURA Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille APRESENTAÇÃO: Professora Alunos Plano Disciplina e Avaliação Material (escalímetro,

Leia mais

HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL EM MADEIRA

HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL EM MADEIRA HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL EM MADEIRA 1 Introdução O homem detém-se frente a porta. Introduz a chave na fechadura e a faz girar, empurra e entra, logo volta a fechar a porta. O homem ingressou em sua

Leia mais

PROGRAMA DE NECESSIDADES

PROGRAMA DE NECESSIDADES Área Total - Presidência Espera / Secretaria Sala da presidência Acesso ao setor 1 posto de trabalho; estar Presidência para 6 O ambiente de 1 mesa de trabalho, 1 reuniões deverá ser mesa de reunião para

Leia mais

CASA EM IBIRAPITANGA

CASA EM IBIRAPITANGA CASA EM IBIRAPITANGA CASA EM TIBAU CASA EM CATALÃO Local: Santa Isabel, Local: Tibau do Sul, Local: Catalão, SP Ano: 2009 RN Ano: 2011 GO Ano: 2011 Escritório Yuri Vital Autoras: Brena M. de Oliveira,

Leia mais

ATELIÊ INTEGRADO 1 AULA INAUGURAL

ATELIÊ INTEGRADO 1 AULA INAUGURAL ATELIÊ INTEGRADO 1 AULA INAUGURAL 2017-2 AULA INAUGURAL AI1 2071-2 _ Apresentação dos professores e equipes _ Apresentação da disciplina _ Calendário de bancas e seminários _ Calendário de entregas _ Dinâmica

Leia mais

CONJUNTO HABITACIONAL MANGUETOWN

CONJUNTO HABITACIONAL MANGUETOWN UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO CTC CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PROJETO ARQUITETÔNICO IV PROF THEMIS FAGUNDES, PROF JOSÉ KÓS. ANA LUÍZA CARTANA, CAIO SABBAGH,

Leia mais

Residências Atibaia, Florianópolis e Alto de Pinheiros

Residências Atibaia, Florianópolis e Alto de Pinheiros Residências Atibaia, Florianópolis e Alto de Pinheiros Escritório Nitsche Arquitetos Autoras: Karina Güntzel Trojack e Ana Elísia da Costa O escritório Nitsche Arquitetos foi eleito em 2010 pela Revista

Leia mais

Defesa dos valores de universalidade e padronização; Anti-ornamentalismo e relação com ideologia política; Predomínio do uso de materiais artificiais

Defesa dos valores de universalidade e padronização; Anti-ornamentalismo e relação com ideologia política; Predomínio do uso de materiais artificiais Período Moderno: Ênfase em questões funcionais (valores utilitários); Busca de interiores puros e originais; Valorização dos aspectos de higiene e conforto; Defesa dos valores de universalidade e padronização;

Leia mais

residencial LYGIA REISEN

residencial LYGIA REISEN residencial LYGIA REISEN Sofisticado. Exclusivo. More em uma das regiões mais charmosas do Rio, ao lado da Lagoa Rodrigo de Freitas, Parque Lage, Sociedade Hípica Brasileira, Jardim Botânico e junto a

Leia mais

O Moinhos de Vento é um bairro ao mesmo tempo clássico e contemporâneo. Prédios novos, de alto padrão, convivem com edificações suntuosas de

O Moinhos de Vento é um bairro ao mesmo tempo clássico e contemporâneo. Prédios novos, de alto padrão, convivem com edificações suntuosas de O A N T I G O É V I Z I N H O D O N O V O O Moinhos de Vento é um bairro ao mesmo tempo clássico e contemporâneo. Prédios novos, de alto padrão, convivem com edificações suntuosas de outros tempos. Uma

Leia mais