NATAÇÃO PARA ASMATICOS' RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NATAÇÃO PARA ASMATICOS' RESUMO"

Transcrição

1 ARTIGO NATAÇÃO PARA ASMATICOS' Antônio José Natali * Dilson José E. Rassier ** Dr. Eduardo Henrique De Rose *** RESUMO 1 Na qualidade de exercício fisico, a natação pode ser caracterizada como um dos estímulos as crises asmáticas. Por outro lado, tem sido indicada como a atividade física que, além de ser menos asmogênica, comparada as outras, pode auxiliar os indivíduos asmáticos no enfrentamento destas crises. Os mecanismos através dos quais se tenta explicar estes fatos não estão bem esclarecidos. Estudos realizados sobre a asmagenicidade da natação e fatores, tais como a posição do corpo, o meio aquático, dentre outros, buscam fundamentá-la como o esporte ideal para os asmaticos e apresentam algumas hipóteses nesta direção. Os estudos relativos aos efeitos causados pela iiatação sobre os asmaticos, relativos aos aspectos de aptidão fisica, alterações respiratórias e morbidade da asma, são escassos e apresentam problemas metodológicos, bem como resultados controversos. Embora se tenham alcançado alguns avanços nesta área, muitas dúvidas ainda Dermanecem. UNITERMOS: Natação, asmáticos, asmagenicidade A asma é definida como uma doença caracterizada pelo aumento da reatividade da traquéia e dos brônquios a vários estímulos e que se manifesta por estreitamento difuso das vias aéreas, variando de severidade espontaneamente, ou como resultado de terapia (Fitch e Morton, 1988). Entre os "estímulos" indutores da broncoconstrição estão os agentes I Trabalho apresentado na XVIIa Jornada Gaúcha de Medicina Desportiva * Professor do DES - UFV Mestrando da ESEF - UFRGS **Mestrando da ESEF - UFRGS ***Professor da ESEF - UFRGS Médico do C01 28 R. min. Educ. Fis., Viçosa, l(2): 28-39, 1993

2 imtantes, o frio, as drogas. as infecções, os fatores emocionais e os exercícios físicos (Joiies et al., 1987). Abordando especificamcnte o estímulo "exercício fisico", sabe-se que a natação é uma atividade físico-esportiva exccutada no meio líquido, podendo ser de caráter recreativo, competitivo e terapêutico. Na qualidade de exercício fisico, pode ser caracterizada como um dos estimulos a crise asmática, conforme mencionado anteriormente. Por outro lado. tem sido indicada como a atividade que, além de ser menos asmogênica. comparada às outras realizadas fora da água (Fitch e Morton, 197 1; Godfrey et al., 1973; Inbar et al., Nishima e Kaiamka. 1981: Bar-Yishay et al : Onda c Nagakura, 1985; Regiaimi et al ). sua prática podc auxiliar os indivíduos asmáticos no enfrentamcnto das crises (Fitch e Morton, 1088). O objetivo destc estudo é realizar, por meio de revisão de literatura. discussão sobre os fatores que buscam fundamentar a nataqão como um esporte idcal para os asmáticos e evidenciar os efeitos de sua prática sobrc cstes indivíduos. Para alcançar este objetivo, abordar-se-á no primeiro tópico a asmagenicidade da natação. No segundo tópico serão discutidos os fatores que fundamentam a menor asmaçeiiicidade da natação. Em seguida scrão mcncionados os efeitos que a natação pode causar sobrc asmáticos e, finalmente, serão feitas algumas considerações sobre o tema. A asmagenicidade da natação 6 um termo utilizado para indicar o grau de broncoespasmo ou asma induzido pela natação nos indivíduos qiic a praticam por determinado tempo e com determinada intensidade. A natação tem sido considerada a atividade menos asmogênica quando comparada a corrida em esteira (Fitch e Morton, 1971 : Godfrey et al ; Inbar et al ; Bar-Yishav et al ), a corrida livre (Onda e Nagakura? 1985: Regianni et al ) e ao ciclismo (pedalar) (Fitch c Morton, 1971 ; Godfrey ct al., 1973; Nishima e Kaizuka ; Regianni ct al., 1988). Entretanto, as causas deste fenômeno não s5o bem conhecidas. Existe uma grande dificuldade metodológica quando se qiicr comparar a asmagenicidade entre as diferentes atividades físicas. principalmente quando se trata da equiparação da intensidade destas com a natação. Os parâmetros que têm sido usados nos experimentos para esta equiparação são a ventilação minuto máxima (VE): o consumo máximo de oxigênio (V02má~)~ a freqüência cardíaca (FC) e a percepção subjetiva de esforço (RPE). Controlam-se também a umidade e temperatura do ar inspirado. Neste sentido, deve-se considerar que a intensidade do exercício afeta o grau de broncoespasmo induzido pelo exercício (BIE) (Wilson e Evans, 1985) e que a VE detennina a amplitude do BIE (Deal et al., 1979). Sabe-se que durante a natação existe diferenciação da taxa metabólica comparada ao exercício executado em terra, considerando-se os parâmetros mencionados acima (Holmer et al., 1974). Isso poderia R. min. Educ. Fis., Viçosa, l(2): 28-39,

3 influenciar a comparação da natação com outras atividades, quando se equilibra a intensidade do exercício por apenas um desses parâmetros. Alguns experimentos mostram que, quando a ventilação pulmonar, a temperatura e a umidade do ar são iguais, caminhada, corrida na esteira, corrida livre, ciclisn~o (pedalar) e cicloergometria manual induzem graus similares de broncoconstrição (Kilham et al., 1979; Miller et al., 1975). O estudo de Bundgaard et al. (1982) demonstrou que, quando se equilibra a taxa metabólica dos exercícios (ciclismo e natação) por VE, V02, RPE e conteúdo de água do ar inspirado, a natação não é menos asmogênica. Entretanto, os estudos realizados parecem evidenciar a baixa asmagenicidade da natação em relação as outras atividades físicas (Bar-Or, 1983), mas estas evidências são passíveis de discussão. Os mecanismos de controle da menor asmagenicidade da natação ainda não estão totalmente esclarecidos, entretanto algumas hipóteses foram levantadas, sendo algumas testadas experimentalmente e outras não. Algumas destas hipóteses serão apresentadas e discutidas, a seguir, como fatores que se julgam importantes para a fundamentação deste fenômeno, em razão de eles serem específicos desta modalidade. 3 FA-TORES QUE FUNDAMENTAM A MENOR ASMAGENICIDADE DA NATAÇÃO Os fatores que buscam fundamentar uma menor incidência e severidade da broncoconstrição durante e após a prática da natação são principa-ente a posição do corpo e o meio aquático. 3.1 A Posição do Corpo Sabe-se que a capacidade de difusão dos gases melhora quando o corpo está na posição horizontal (Astrand e Rodhal, 1987), possivelmente por causa da melhora na relação ventilação-perfusão (VIQ) em função do maior fluxo sanguíneo central (Dally et al., 1985). Neste sentido, Daskalovic et al. (1982) mostraram que, em indiuíduos com doença pulmonar obstrutiva crônica que exercitaram na água. a posição pronada (horizontal) estava associada a melhor troca gasosa, melhor eficiência ventilatória e maior tolerância ao exercício, ao passo que a posição de pé (vertical), mesmo em imersão na água, causou limitações a performance em virtude de fatores respiratórios. - Considerando que a anormalidade da troca gasosa é relevante no broncoespasmo induzido pelo exercício (BIE) (Anderson et al., 1972; Packe et al., 1992 ), que a VE é menor na posição deitada do que na posição de pé (Baydur et al., 1987) e que a perda de calor respiratório está relacionada a VE, especula-se que a melhor relação VIQ, isto é, melhor troca gasosa e menor VE, contribuem para a baixa asmagenicidade da natação. Buscando esclarecer esta temática, Shardonofsky et al. (1992) afirmaram que a reatividade das vias aéreas é influenciada pela 30 R. min. Educ. Fis., Viçosa, l(2): 28-39, 1993

4 interdependência parênquima-via aérea. Os autores baseiam-se no fato de que o volume pulmonar é reduzido na posição deitada (supina). Possivelmente a mudança da posição sentada para a posição deitada (supina) reflete diminuição na capacidade de contração dos músculos lisos das vias aéreas causada por redução na capacidade de recolhimento elástico dos pulmões. Um estudo importante nesta área foi o de Inbar et al. (1991). Este envolvia duas sessões de exercício (flexão e extensão de braços) nas posições de pé e deitado e duas sessões de hiperventilação em hipocapnia nas mesmas posições em câmara com temperatura de 10 graus centígrados, umidade de 31% e VE constante. Concluíram não haver diferença significativa no volume expiratorio no primeiro segundo (VEFl), após exercício e hiperventilação. Isto nos leva a crer que a posição do corpo, em terra, não tem efeito significativo sobre a severidade do broncoespasmo induzido por exercício (BIE) em crianças asmáticas, como fator de proteção. Entretanto, os referidos autores consideram que, em razão de alguns beneficias fisiológicos causados no organismo pela posição deitada (pronada) na água, um efeito interativo sobre a asma induzida pela natação, da posição do corpo e da imersão na água, não podem ser dispensados, ou seja, estes fatores podem exercer alguma influência na proteção contra a asma induzida pela natação. 3.2 O Meio Aauático Uma das características do meio líquido é a pressão que exerce sobre os corpos nele mergulhados. Considerando-se que o asmático possui expiração incompleta por causa do volume residual (VR) aumentado e da capacidade expiratória reduzida (Chung, 1983), a pressão hidrostática sobre a caixa torácica do corpo submerso na agua pode ser benéfica ao nadador, na fase expiratória, reduzindo o trabalho requerido pelo sistema respiratório durante o exercício (Inbar et al., 1980). Outro aspecto importante é o que se refere as alterações causadas ao corpo humano quando submerso na água. A imersão em água fria (inferior a temperatura da pele) provoca constrição dos vasos sanguíneos periféricos. Isso aumenta o fluxo sanguíneo nas vias áreas bronquiais, fazendo com que a queda na temperatura do sistema respiratório seja menor. Esse fato poderá conter ou retardar o efeito de resfriamento das vias aéreas quando se exercita na agua. Porém, em exercícios como a corrida, realizados em ambiente frio, nota-se queda maior na temperatura do sistema respiratório. Neste sentido, percebe-se na natação menor broncoconstrição (Kelly et al., 1986) e redução no BIE (Deal et al., 1979). O efeito provocativo do BIE, pelo resfriamento das vias aéreas, pode ser reduzido no meio aquático. Esta afirmação baseia-se no fato de que a capacidade de dissipação de calor da água é mais eficiente, comparada ao ar. Em razão da maior eficiência do meio aquático para absorver calor, observa-se menor gradiente ténnico entre o corpo e o ar inspirado. Isso causará menor taxa de resfriamento das paredes das vias aéreas, R. min. Educ. Fis., Viçosa, l(2): 28-39,

5 comparando-se a natação com a corrida. Essa menor taxa de resfriamento possibilita diminuição na provocação do BIE quando se exercita no nieio aquático (Inbar et al ). Considerando-se as hipóteses da perda de calor e água respiratórios (Chcn e ti~ir~~i. 1977; Anderson et al., 1982). a maior umidade do ar inspirado pelos i~n?..idores. na superficie da água. pode protegê-los contra o BIE. Isso sugcre que o vapor existente na superficie da água hidrata as vias aéreas e previne a broncoconstrição por ressecamento c resfriamento. Entretanto, o estudo de Inbar et al. (1981). por meio da comparação entre natação estacionária e corrida em esteira rolante. manipulando a umidade do ar inspirado pelos individuos (80-90% e 29-30%) em temperatura constante (28 graus centigrados) e equiparando a intensidade do exercício pela VE e V02 máx., constatou que. nas condições testadas, somente a corrida induziu broncoespasmo. Isso sugere que. nas condições do estudo, a umidade do ar não pode explicar a baixa asmagenicidade da natação. Por outro lado, no estudo de Bar-Yishay et al. (1982). por meio da manipulação da umidade do ar inspirado pelos individuos (98-100% e 8%)) em sessão de natação e de corrida e equiparação da intensidade do exercício pela VE e V02max., demonstrou-se que a umidificação do ar inspirado reduziu a queda do VEF1 médio de 30% na condição de ar seco (8%) para 13% na condição de ar úmido (98-100%). em ambas as atividades. Embora, nesse caso, a natação tenha sido menos asmogênica que a corrida, isto ocorreu independentemente da umidade do ar inspirado. Porém, no estudo de Bundgaard et al. (1982). em que sc comparou cicloergometria e natação "indoor", em umidade e temperatura do ar inspirado pelos indivíduos similares (15% e 23 graus centigrados) e intensidade do exercício equiparada pela VE. V02max. e percepção de esforço, demonstrou-se que o grau de B1E em ambas as atividades não diferiu significativamente. Estes estudos nos levam a crer que a umidade do ar inspirado durante a natação pode explicar, apenas parcialmente, a baixa asmagenicidade da natação. No processo da troca de calor respiratório destaca-se a importância do padrão respiratório, de sua relação com a VE e desta com o BIE. Quanto ao padrão respiratório, sabe-se que na natação a respiração é feita predominantemente pela boca. Assim, poderia-se supor que a respiração bucal seria a mais eficiente para o asmático enfrentar o BIE. Entretanto, Zeballos et al. (1978) afirmam que a respiração nasal inibe e que a respiração bucal potencializa as respostas broncoconstritoras ao exercício e a hiperventilação voluntária em isocapnia. Estes autores indicam que a estimulação dos receptores das vias aéreas superiores pelo ar relativamente fno e seco, resultados da respiração bucal, mais do que a hiperventilação por si, é que causa o broncoespasmo induzido pcr exercício. Quanto a ventilação minuto (VE), que é dada pela relação inspiraçãoexpiração, sabe-se que a mudança do padrão ventilatório para a mesma VE pode alterar a troca de calor respiratório. 3 2 R. min. Educ. Fis., Viçosa, l(2): 28-39, 1993

6 No estudo de Solway et al. (1985), os resultados indicaram que na árvore respiratória, aumentando a velocidade do gás local, aumenta-se o coeficiente de transferência de calor global entre o gás e as paredes das vias aéreas. Em conseqüência, a execução de hiperpnéia com ar frio, usando grande relação inspiração-expiração, ou seja, inspiração prolongada e expiração rápida, resulta em maior ressecamento das vias aéreas do que em hiperpnéia com a mesma VE, mas com pequena relação inspiraçãoexpiração, ou seja, inspiração rápida e expiração prolongada. Cabe salientar que na natação a inspiração é rápida e a expiração é prolongada, por ocorrer contra maior resistência. Portanto, a relação inspiração-expiração é pequena e causa menor perda de calor respiratório, reforçando a hipótese dos autores supracitados. 3.3 Outros Fatores Outro fator hipotetizado para explicar a menor asmagenicidade da natação é o fato de que quando se nada o ar respirado na superfície da água contém um baixo conteúdo de pólen em comparação com o ar de outros locais, o que reduz a ação destes agentes nas vias aéreas (Plaut, 1989). Porém, esta hipótese ainda não foi testada. Levanta-se também a hipótese de que a hipoventilação realizada durante a natação por causa da respiração padronizada e ritmada pode beneficiar os asmáticos contra o BIE (Plaut, 1989). Essa hipoventilação induz a hipocapnia, ou seja, maior concentração de C02 alveolar, o que pode prevenir o BIE durante a natação em razão do fato de a pressão alveolar de C02 (PaC02) aumentada causar broncodilatação pela sua propriedade vasodilatadora ou por preservar o fluxo sanguíneo bronquial (Donnelly, 1991). Entretanto, esta hipótese também não foi testada experimentalmente. 4 EFEITOS DA PRÁTICA DE NATAÇÃO SOBRE ASMÁTICOS 4.1 Efeitos Benéficos A natação é executada em meio não comum ao ser humano, ou seja, ambiente diferente daquele no qual o homen vive e se movimenta. Como exercício fisico, sabe-se que a natação causa adaptações fisiológicas ao organismo humano, de acordo com os níveis de solicitação (intensidade, duração e freqüência), tanto em indivíduos saudáveis quanto em asmáticos. Estas adaptações se manifestam nas funções pulmonar, mecânica e respiratória e na aptidão física e morbidade da asma. Os músculos respiratórios dos indivíduos com doença pulmonar obstrutiva crônica podem não gerar adequada força inspiratona em razão, em parte, do tórax superinflado, o qual toma o diafragma plano e com fibras encurtadas. Isso pode criar anormalidades no grau de tensão deste músculo e causar prejuízo a mecanica respiratória. Assim, no indivíduo R. min. Educ. Fis., Viçosa, l(2): 28-39,

7 asmático, a respiração é feita de forma rápida e rasa. portanto ineficiente para a troca gasosa. proporcionando a capacidade inspiratória reduzida, bem como a expiração incompleta e o volume residual (VR) aumentado. O treinamento respiratório objetiva melhorar a eficiência da bomba toracoabdominal. Usando a respiração diafragmática abdominal e exalação contra a boca semi-aberta. ou seja. contra maior resistência, podese melhorar a eficiência respiratória e a performance dos músculos respiratórios (Chung. 1983). Neste sentido, o trabalho expiratório executado contra a pressão da água, na natação' induz a melhora na musculatura respiratória. principalmente a expiratória, e também reeduca o processo (Oliveira e Serrano, 1984). Além disso. na natação se impõe a aprendizagem do comando voluntário da respiração e a noção de imobilidade voluntária será utilizada para conduzir o praticante a consciência e ao controle da respiração, em que os atos de inspirar e expirar são controlados voluntariamente e depois automatizados (Burkhardt e Escobar. 1985). Em relação a aptidão física, alguns experimentos mostram que o treinamento em natação pode melhorá-la nos indivíduos asmáticos (Fitch et al., 1976; Schnall et ak 1982; Svcnonius et al., 1983; Szentagothal et al., 1987). Entretanto, a metodologia usada nestes estudos deixam margem a questionamentos em relação a natação, pois os programas de treinamento utilizados envolvem outras atividades além desta. O efeito do treinamento em natação sobre a morbidade da asma foi abordado em alguns estudos. Alguns pesquisadores (Fitch et al., 1976: Szentagothal et al., 1987; Huang et al., 1989) demonstraram diminuição na morbidade, avaliando-a por meio da severidade e freqüência das crises, do uso de medicamentos, do número de hospitalizações e das faltas a escola. Outros (Schnall et al., 1982), entretanto, não observaram alterações neste fenômeno. 4.2 Efeitos Preiudiciais A prática da natação pode provocar alguns efeitos negativos sobre os asmáticos. Dentre eles estão a maior ativação parassimpática e a irritação das vias aéreas por cloro e derivados. Em relação a ativação parassimpática, sabe-se que a imersão facial em água fria provoca o chamado "reflexo do mergulho" que induz bradicardia. De acordo com Sturani et al.(1985), esta bradicardia é maior em asmáticos do que em indivíduos saudáveis, porém se constatou forte correlação entre. a bradicardia induzida pela imersão facial e o aumento da resistência das vias aéreas em resposta ao teste de provocação com meiamlina em indivíduos asmáticos. Para Mukhtar et al. (1984), a broncoconstrição causada pelo reflexo do mergulho é devida em parte a apnéia praticada nesta ação e em parte a imersão facial. Em relação ao cloro, sabe-se que alguns de seus derivados causam imtação nas vias aéreas. Estas substâncias são formadas pela 34 R. min. Educ. Fis., Viçosa, l(2): 28-39, 1993

8 mistura de amônia, uréia. suor e cloro. A circulação desta substância gasosa pelo interior das piscinas cobertas e aquecidas podem exercer efeitos negativos sobre os indivíduos asmáticos (Pemy. 1983). 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Os estudos realizados na busca de fundamentar a natação como atividade fisica menos asmogênica e, conseqüentemente, benéfica para os asmaticos apresentam resultados que auxiliam o entendimento deste fenômeno. Porém, os conhecimentos produzidos são parciais, o que nos rcmetc a questões ainda não respondidas. Isto significa que tal fenômeno não cstá totalmente esclarecido e que mais investigações precisam ser feitas neste sentido. A razão fisiológica dos benefícios das atividades físicas. inclusive a natação, para os asmaticos. apontadas nos trabalhos. cspcrimcntadas ou não, continuam necessitando de maiores esclarecimentos. Alguns estudos apresentam os benefícios causados pela natação nos indivíduos asmaticos, o que é inteiramente positivo, enquanto outros apresentam, também, os pontos negativos desta relação (asma-natação) e chamam a atenção para os cuidados a serem tomados na prevenção de possíveis prejuízos da prática da natação para os asmáticos. Finalmente, é importante salientar que a natação não é capaz de curar a asma, pois esta é uma patologia geneticamente transmitida. Entretanto, acredita-se que a natação pode propiciar aos indivíduos portadores desta patologia alguns beneficios para o melhor enfrentarnento da mesma. ANDERSON,S.D.et al. Methabolic and ventilatory changes in asthrnatic patients during and after exercise. Thorax, London, v.27, p , ANDERSON, S.D. et al. Sensitivity to heat and water loss at rest and during exercise in asthrnatic patient. European Journal of Respiratory Disease. Copenhagem, v.63, p , ASTRAND,P.O., RODHAL,K. Tratado de fisiologia do exercício. 2". ed. Rio de Janeiro: Guanabara, BAR-0R.O. Pediatric s~orts medicine for the ~ractioner from phisiólogic principles tô clinical applications. N ~ W York: Springer Verlag, R. min. Educ. Fis., Viçosa, l(2): 28-39,

9 BAR-YISHAY,E.et al. Differences between swimmers and ruming as stimuli for exercise-induced asthma. European Journal of Applied Physiology, Berlim, v.48, n.3. p ,1982. BAYDUR, A. et al. Effect of posture on ventilation and breathing pattern during room air breathing at rest. Lung, New York, v. 165, p , BüNDGAARD,A. et al. Exercise-induced asthma afier swimming and bicycle exercise. European Journal of Respiratory Disease, Copenhagem, v.63, n. 3, p , BURKHARDT,R., ESCOBAR, M.O. Natação para portadores de deficiência. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico CHEN, W.Y., HORTON, D.J. Heat and water loss from the ainvays and exercise-induced asthma. Respiration, Basel. v.34, p , CHüNG,E.K. Exercise electrocardiography. Practical aproach. 2 ed. Baltimore: Willians & Willkins DALLY, P.J. et al. Dopper echocardiographic measurement of flow velocity in the ascending aorta during supine and upright exercise. British Heart Journal, v.54, p , DASKALOVIC,I.Y.et al. Respiratory response to prone and upright immersion exercise in patients with chronic obstmtive pulrnonary disease (COPD). Medicin and Science in Sport and Exercise, Indianápolis, v.14, n.2. p.132, DEAL Jr.,E.C.et al. Role of respiratory heat exchange in production of exercise-induced asthma. Journal of Applied Physiology, Bethesda, v.46,n.3, p , DONNELLY, P.M. Exercise induced asthma: the protective role of C02 during swimming. Lancet, London, v.337, p , FITCH, K., MORTON, A.R. Specificity of exercise in exercise-induced asthma. British Medical Journal, London, v.4, p , FICTH,K.G., MORTON,R. Respiratory Disease. In: DIRK, A. et al. Ed. The Olimpic book of sports medicine. London: Blackwell Scientific Publications, FICTl3,K.D. et al. Effects of swimming training on children with asthma. Archives of Disease in childhood, London, v.5 1, p , R. rnin. Educ. Fis., Viçosa, l(2): 28-39, 1993

10 GODFREY. S. et al. Problems of intemretin~ exercise-induced asthma. ~ournal' of Allergy and Clinical lmm;nolõgy, St. Louis, v.52, p , HOLMER, I. et al. Hemodynamic and respiratory responses compared in swimming and d n g. Journai of Applied Physiology, Bethesda, v.37, p , HUANG, S.W. et al. The effect of swimming in asthmatic children - participants in a swimming program in the city of Baltimore. Journal of Asthma, New York, v. 26, p , lnbar,o. et al. Breathing dry or humid air and exercise-induced asthrna during swimrning. European Journal of Applied Physiology, Berlim, v.44, p.43-50, Exercise-induced asthrna - a comparisom between two modes of exercise stress. European Journal of Respiratory Disease, copenhagem, v. 62, p , The effect of body posture on exercise and hiperventilationinduced asthma. Chest, Northbrook, v. 100, n.4, p , JONES,N.L.et al. Chronic obstrutive respiratory disorders. In: SK1NNERJ.S. Ed. Exercise testing and exercise prescription for speciai cases.philadelphia:lea & Febiger, cap. 1 1, p. I KELLY. L. et al. Pulmonarv blood flow affects recoverv from constnction in dóg lung periphery. ~Óurnal of Applies ~h~siolo&, Bethesda, v.60, p , KILHAM, H. et al. Running, walking and hiperventilation causing asthma in children. Thorax, London, v.34, p , MILLER, G.J. et al. Comparisoii of bronchial response to running and cycling in asthma using an improved definition of the response to work. Thorax, London, v.30, p , MUKHTAR,M.R., PATRIC,J.M. Bronchoconstnction: a component of the "diving response" in man. European Journal of Applied Physiology, Berlirn, v. 53, p , NISHIMA, S., KAIAZUKA,H. Comparison of exercise-induced bronchospasm (EIB) with bicycle ergometer asn swimming. Arerugi, Tokyo, v.30, p , R. min. Educ. Fis., Viçosa, l(2): 28-39,

11 OLIVEIRA,P.R., SERRAN0,P.Z. NataçBo terapêutica para pneumopatas. São Paulo: Pan;uned, ONDA,T., NAGAKURA, T. Asthmatic children and swimming training: comparison of NCF and FEV1 changes. Arerugi, Tokyo, v.34, , PACKE, G.E. et al. Effects of exercise on gas exchange in patients recovering from acute severe asthma. Thorax, London, v.45. n.4. p , PENNY, P.T. Swimming pool wheezing. British Medical Journal, Boston, v. 287, p , PLAUT,G.S. Exercise training, fitness, and asthma. Lancet, London, v. 1, p.1147, REGGIAN1,E. et al. A comparison of various exercise challenge tests on ainvay reactivity in atopical swimmers. Journal of Sports Medicine and Physical Fitness, Turim, v 28, p , SCHNALL,R. et al. Swimming amd dry land exercises in children with asthma. Australian Paediatric Journal, Parkville, v.,l8, p.23-27, SHARDONOFSKY,F.R. et ai. Effect of body posture on 2oncentration response curves to inhaled methacoline. American Review of Respiratory Disease, New York, v. 145, p , SOLWAY,J. et al. Breathing pattern affects ainvay wall ternperature during cold air luperpnea in humans. American Journal of Respiratory Disease, New York, v. 132, p STURAN1,C. et al. Parasympathetic activity assessed by diving reflex and by ainvay response to metacholine in bronchial asthma and rhinitis. Respiration, Basel, v. 48, p , SVENONIUS, E. et al. Irnprovement after training of children with exercise-induced asthma. Acta Paediatrica Scandinavica, Stockolm, v.72, p.23-30, SZENTAGOTHAL,K. et al. Physical exercise program for children with bronchial asthrna. Pediatric Pulmonology. v.3, p , ZEBALLOS,R.J. et al. The role of hiperventilation in exercise-induced bronchoconstriction. American Review of Respiratory Disease, New York, v. 1 18: p , R. min. Educ. Fis., Viçosa, l(2): 28-39, 1993

12 WILSON,B.A., EVANS,J.N. Standardisation of work intensity for evaluation of exercise-induced bronchoconstriction. European Journal of Applied Physiology, Berlim, v.47, p , R. min. Educ. Fis., Viçosa, l(2): 28-39,

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício Desde as décadas de 60 e 70 o exercício promove Aumento do volume sanguíneo Aumento do volume cardíaco e suas câmaras Aumento do volume sistólico Aumento do débito cardíaco que pode ser alcançado Aumento

Leia mais

Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias

Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias Propriedades Estáticas do Sistema A ventilação pulmonar consiste no fluxo de ar para dentro e para fora dos pulmões a cada ciclo

Leia mais

OBJETIVO DA AULA RESUMO. BRONCOESPASMO INDUZIDO PELO EXERCÍCIO BIE e Teste de Broncoprovocação. Broncoespasmo Induzido pelo Exercício (BIE)

OBJETIVO DA AULA RESUMO. BRONCOESPASMO INDUZIDO PELO EXERCÍCIO BIE e Teste de Broncoprovocação. Broncoespasmo Induzido pelo Exercício (BIE) PÓS-GRADUAÇÃO EM ATIVIDADE FÍSICA ADAPTADA E SAÚDE OBJETIVO DA AULA BRONCOESPASMO INDUZIDO PELO EXERCÍCIO BIE e Teste de Broncoprovocação PROF. DRD. CLÓVIS ARLINDO DE SOUSA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE

Leia mais

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA Meiry Alonso Rodrigues Pereira DEFINIÇÃO Distúrbio caracterizado pelo aumento da reatividade da traquéia e dos brônquios à vários estímulos, resultando na constrição difusa

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO

USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO Autoria: Inácia Regina Barbosa Leal (FCM-CG) Rosa Suênia da Camara Melo (Orientadora)

Leia mais

Discussão para Prova ENADE/2007

Discussão para Prova ENADE/2007 Discussão para Prova ENADE/2007 Fisioterapia Cardiorrespiratória e Fisioterapia em Terapia Intensiva Erikson Custódio Alcântara Resposta correta: letra c 1 Comentários letra a Não é apenas após uma inspiração

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP INTERFACES * Máscaras Nasais * Plugs Nasais * Máscaras Faciais * Capacete * Peça Bucal VENTILADORES E MODOS USADOS NA

Leia mais

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano CONHECENDO MEU CORPO DURANTE O EXERCÍCIO DESCUBRA PORQUE É TÃO IMPORTANTE ACOMPANHAR OS BATIMENTOS CARDÍACOS ENQUANTO VOCÊ SE EXERCITA E APRENDA A CALCULAR SUA FREQUÊNCIA

Leia mais

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE 12 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP Aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa, nunca tem

Leia mais

HIDROTERAPIA PARA GESTANTES

HIDROTERAPIA PARA GESTANTES HIDROTERAPIA PARA GESTANTES Profa. Ms. DANIELA VINCCI LOPES ANATOMIA DO ABDOME E DA PELVE ÚTERO 3 camadas de músculos. NÃO GESTANTE GESTANTE FORMA ESFÉRICA CILÍNDRICA VOLUME 500 ml 5000 ml MASSA 70 g 1100

Leia mais

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso Dr. José Luiz Cardoso CARACTERÍSTICAS DA CRIANÇA A CRIANÇA NÃO É UM ADULTO EM MINIATURA O nariz é responsável por 50 % da resistência das vias aéreas Obstrução nasal conduz a insuficiência respiratória

Leia mais

ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA

ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA Karina de Sousa Assad * Layana de Souza Guimarães ** RESUMO A proposta desse artigo é demonstrar que algumas alterações posturais podem levar a distúrbios

Leia mais

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas 1 CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas Olívia Brito Cardozo Turma Glória I CAPS Curso de Especialização em Fisioterapia Respiratória com Ênfase em Traumato-Cirúrgico São Paulo 2004 2 Sumário

Leia mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais PROFESSORA NAIANE A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais de alguns poucos minutos. Você sabe

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

mudanças em qualquer uma dos ajustes nas janelas do paciente ou do ventilador sejam implementadas.

mudanças em qualquer uma dos ajustes nas janelas do paciente ou do ventilador sejam implementadas. 1- DESCRIÇÃO O xlung é um simulador virtual da interação paciente-ventilador pulmonar que incorpora os principais recursos do suporte ventilatório a diferentes configurações de aspectos demográficos, de

Leia mais

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO Profª Fernanda Toledo RECORDAR Qual a função do alimento em nosso corpo? Por quê comer????? Quando nascemos, uma das primeiras atitudes do nosso organismo

Leia mais

EFEITOS DA IMERSÃO EM ÁGUA AQUECIDA SOBRE O SISTEMA RESPIRATÓRIO. Effect of the Immersion in Warm Water on the Respiratory System

EFEITOS DA IMERSÃO EM ÁGUA AQUECIDA SOBRE O SISTEMA RESPIRATÓRIO. Effect of the Immersion in Warm Water on the Respiratory System Efeitos da imersão em água aquecida sobre o sistema respiratório EFEITOS DA IMERSÃO EM ÁGUA AQUECIDA SOBRE O SISTEMA RESPIRATÓRIO Effect of the Immersion in Warm Water on the Respiratory System Alessandra

Leia mais

FISIOLOGIA DA HIDRATAÇÃO:

FISIOLOGIA DA HIDRATAÇÃO: FISIOLOGIA DA HIDRATAÇÃO: Ed Burke, Phd. Fisiologista do Esporte da Universidade do Colorado (USA). DEFINIÇÃO: Causas de fadiga muscular: - Desidratação: Transpiração, respiração, produção de urina. -

Leia mais

Relação das Principais Formula e Tabelas para Avaliação do Paciente Internado em UTI

Relação das Principais Formula e Tabelas para Avaliação do Paciente Internado em UTI Regional - Goiás Relação das Principais Formula e Tabelas para Avaliação do Paciente Internado em UTI 1. Tabela da Escala de Glasgow Aplicação: avaliação do grau de consciência. Atividade Pontuação Resposta

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Permite o transporte de O2 para o sangue (a fim de ser distribuído para as células); Remoção de do CO2 (dejeto do metabolismo celular)

Leia mais

4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar

4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar 4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar A metrologia avançou muito na área industrial e científica, mas, apesar de sua óbvia importância, sua aplicação ainda é incipiente na área da saúde.

Leia mais

Busca em Bases de Dados. Profª. Rosa Carvalho

Busca em Bases de Dados. Profª. Rosa Carvalho Busca em Bases de Dados Profª. Rosa Carvalho Pesquisa em fisioterapia: a prática baseada em evidências e modelos de estudos (Marques,A.P.; Peccin,M.S.) Durante muitos anos, os fisioterapeutas atuaram com

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 1- Que órgão do sistema nervoso central controla nosso ritmo respiratório? Bulbo 2- Os alvéolos são formados por uma única camada de células muito finas. Explique como

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA 01. O transporte de CO 2 no sangue dos vertebrados é feito, principalmente, sob a forma de: a) carboxi-hemoglobina b) íons bicarbonato pela ação da anidrase

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Fisiologia Veterinária I - MFL. Respiração das Aves. Monitor: André Fernandes de Azevedo

Universidade Federal Fluminense Fisiologia Veterinária I - MFL. Respiração das Aves. Monitor: André Fernandes de Azevedo Universidade Federal Fluminense Fisiologia Veterinária I - MFL Respiração das Aves Monitor: André Fernandes de Azevedo Revisão: Nos mamíferos http://veterinerara.com/wp-content/uploads/2009/08/liver-feline-anatomy.gif

Leia mais

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular.

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes 1. Características anatômicas do Sistema Cardiorrespiratório do RN: LARINGE ALTA: - permite que o RN respire e degluta

Leia mais

de elite podem apresentar essas manifestações clínicas. ATIVIDADES FÍSICAS E ALERGIA ATIVIDADES FÍSICAS E ALERGIA ATIVIDADES FÍSICAS E ALERGIA

de elite podem apresentar essas manifestações clínicas. ATIVIDADES FÍSICAS E ALERGIA ATIVIDADES FÍSICAS E ALERGIA ATIVIDADES FÍSICAS E ALERGIA É inquestionável que a melhora na aptidão física, com os conseqüentes benefícios físicos e fisiológicos, permite as pessoas portadoras de reações alérgicas suportar com mais tranqüilidade os seus agravos

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Liga de Medicina Intensiva e Emergência do Cariri. Fisiologia Respiratória aplicada ao Intensivismo.

Liga de Medicina Intensiva e Emergência do Cariri. Fisiologia Respiratória aplicada ao Intensivismo. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Liga de Medicina Intensiva e Emergência do Cariri Fisiologia Respiratória aplicada ao Intensivismo. Adelina Feitosa. Barbalha, 17 de abril de 2008. Mecânica da ventilação

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

29/03/2012. Introdução

29/03/2012. Introdução Biologia Tema: - Sistema Respiratório Humano: órgãos que o compõem e movimentos respiratórios; - Fisiologia da respiração ; - Doenças respiratórias Introdução Conjunto de órgãos destinados à obtenção de

Leia mais

TEMA: SPIRIVA RESPIMAT - TIOTRÓPIO

TEMA: SPIRIVA RESPIMAT - TIOTRÓPIO NOTA TÉCNICA 69 /2013 Data: 09/05/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juíza de Direito JACQUELINE DE SOUZA TOLEDO E DUTRA Número do processo: 0222623-34.2011.8.13.0525 TEMA:

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA Respiração A função da respiração é essencial à vida e pode ser definida, de um modo simplificado, como a troca de gases (O 2 e CO 2 ) entre as células do organismo e a atmosfera.

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

Provas de Função Pulmonar

Provas de Função Pulmonar Aula Prática Provas de Função Pulmonar Nataniel Gonçalves Rosa 5 de Novembro de 2014 Engenharia Biomédica Ventilação pulmonar Renovação do ar contido nos pulmões de modo espontâneo e por acção dos músculos

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO CONCEITO Conjunto de órgãos que nutrem o organismo por meio de alimentos no estado gasoso, completando a função do Sistema Digestório.

Leia mais

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira Introdução A função do sistema respiratório é facilitar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração de oxigênio no sangue, necessária para as reações metabólicas,

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO

SISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIA HUMANA I SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema Respiratório Conceito Função Divisão Estruturas Nariz Faringe Laringe Traquéia e Brônquios Pulmão Bronquíolos e Alvéolos 1

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

PICO DO FLUXO EXPIRATÓRIO ANTES E APÓS UTILIZAÇÃO DA MÁSCARA DE EPAP NA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA: ESTUDO DE CASO

PICO DO FLUXO EXPIRATÓRIO ANTES E APÓS UTILIZAÇÃO DA MÁSCARA DE EPAP NA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA: ESTUDO DE CASO 68 PICO DO FLUXO EXPIRATÓRIO ANTES E APÓS UTILIZAÇÃO DA MÁSCARA DE EPAP NA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA: ESTUDO DE CASO Josiane Manzo Lamoso 1,2, Flávia Letícia dos Santos 1,2, João Paulo Manfré

Leia mais

Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM

Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM Prof a. Ms. Carolina Rivolta Ackel Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM DEFINIÇÃO Acúmulo de estresse provocado pelo treinamento resultando em queda persistente da capacidade

Leia mais

Como funciona o coração?

Como funciona o coração? Como funciona o coração? O coração é constituído por: um músculo: miocárdio um septo duas aurículas dois ventrículos duas artérias: aorta pulmonar veias cavas: inferior superior veias pulmonares válvulas

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA. 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI) pela fisioterapia.

VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA. 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI) pela fisioterapia. POT Nº: 06 VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA Edição: 05/05/2009 Versão: 02 Data Versão: 28/05/2009 Página: 05 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI)

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO

A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO Primeira Edição Novembro de 2014 Fundação Portuguesa do Pulmão Edição: TDA Consulting,

Leia mais

Oxigenoterapia Não invasiva

Oxigenoterapia Não invasiva Oxigenoterapia Não invasiva Definição Consiste na administração de oxigênio numa concentração de pressão superior à encontrada na atmosfera ambiental para corrigir e atenuar deficiência de oxigênio ou

Leia mais

1 - Estrutura e Finalidades da disciplina

1 - Estrutura e Finalidades da disciplina CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de SAÚDE 10º ano 014/015 Turma K Professora: Maria de Fátima Martinho. 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina de Saúde

Leia mais

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DEFICIENTE DIFICULDADES METODOLÓGICAS SEXO FRÁGIL (????) PARTICIPAÇÃO REDUZIDA EQUIPARAÇÃO DE RENDIMENTO CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SEXO FEMININO

Leia mais

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR?

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? O NÚMERO DE PESSOAS AFETADAS POR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EVITÁVEIS NÃO PÁRA DE AUMENTAR. AS CRIANÇAS E OS MAIS VELHOS SÃO OS MAIS ATINGIDOS. SÃO DOENÇAS

Leia mais

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos 1 O que é? A bronquiolite é uma doença que se carateriza por uma inflamação nos bronquíolos e que, geralmente,

Leia mais

Planificação anual de Saúde- 10ºano

Planificação anual de Saúde- 10ºano CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Turmas: 10ºI Professora: Ana Margarida Vargues Planificação anual de Saúde- 10ºano 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina de Saúde do Curso

Leia mais

Ficha Informativa da Área dos Conhecimentos

Ficha Informativa da Área dos Conhecimentos Ficha Informativa da Área dos Conhecimentos 1 Organização das Aulas Uma aula de Educação Física é composta por três partes sequenciais, cada uma com objetivos específicos. 1.1 Parte Inicial A parte inicial

Leia mais

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório SISTEMA RESPIRATÓRIO O sistema respiratório humano é constituído por um par de pulmões e por vários órgãos

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS ENADE-2007- PADRÃO DE RESPOSTA FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÃO 37 a) O início da resposta inflamatória é determinado por uma vasoconstrição originada de um reflexo nervoso que lentamente vai

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal futsalcoach.com la web para el técnico de fútbol sala C Copyright 2005, F U T S A L C O A C H, Spain Todos los derechos reservados Autor: Prof. João Carlos Romano Preparador Físico de la Selección Brasileña

Leia mais

Ms. Roberpaulo Anacleto

Ms. Roberpaulo Anacleto Ms. Roberpaulo Anacleto Objetivo Propiciar aos presentes uma visão global das alterações que ocorrem no organismo humano durante atividade aérea e como administrá-las Conceito É a especialidade médica

Leia mais

EFEITO DO TREINAMENTO MUSCULAR RESPIRATÓRIO COM THRESHOLD EM PACIENTES PORTADORES DE DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA

EFEITO DO TREINAMENTO MUSCULAR RESPIRATÓRIO COM THRESHOLD EM PACIENTES PORTADORES DE DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA EFEITO DO TREINAMENTO MUSCULAR RESPIRATÓRIO COM THRESHOLD EM PACIENTES PORTADORES DE DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA Nádia Caroline de Sousa Menezes¹, Michelle Maria de Macedo 2, Naiara Santos Fonseca

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE CURSO DE FISIOTERAPIA

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE CURSO DE FISIOTERAPIA Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2010, v. 10, n. 10, p. 77 85 UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE CURSO DE FISIOTERAPIA APLICABILIDADE DAS TÉCNICAS DE

Leia mais

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O consumo de dietas vegetarianas tem sido associado a muitos benefícios à saúde, incluindo menores taxas de mortes por doenças cardiovasculares, diabetes

Leia mais

Especialização em Fisioterapia Intensiva. Fisioterapia Intensiva Neopediatrica Profa. Carina Perruso

Especialização em Fisioterapia Intensiva. Fisioterapia Intensiva Neopediatrica Profa. Carina Perruso Especialização em Fisioterapia Intensiva Fisioterapia Intensiva Neopediatrica Profa. Carina Perruso Fisioterapia Intensiva Neonatal e pediátrica Conteúdo programático Anatomia e fisiologia cardiorrespiratória

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE PILATES NA CAPACIDADE RESPIRATÓRIA FUNCIONAL EM PACIENTES COM DPOC

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE PILATES NA CAPACIDADE RESPIRATÓRIA FUNCIONAL EM PACIENTES COM DPOC TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE PILATES NA CAPACIDADE RESPIRATÓRIA FUNCIONAL EM PACIENTES COM DPOC CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Disciplina de Cardiologia Comentários e texto final do Prof. Dr. Antonio Carlos Carvalho

Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Disciplina de Cardiologia Comentários e texto final do Prof. Dr. Antonio Carlos Carvalho Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Disciplina de Cardiologia Comentários e texto final do Prof. Dr. Antonio Carlos Carvalho Losartan e a Prevenção de Aneurisma de Aorta Habashi

Leia mais

Identificação das Limitações do Organismo Humano

Identificação das Limitações do Organismo Humano Disciplina: Ergonomia Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO 03 Noções Básicas de Anatomia e Fisiologia Identificação das Limitações do Organismo Humano SISTEMA MÚSCULO - LIGAMENTAR É o responsável pela movimentação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA RESPIRAÇÃO AQUÁTICA EM CRIANÇAS DE 3 A 4 ANOS PRATICANTES DE NATAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DA RESPIRAÇÃO AQUÁTICA EM CRIANÇAS DE 3 A 4 ANOS PRATICANTES DE NATAÇÃO DESENVOLVIMENTO DA RESPIRAÇÃO AQUÁTICA EM CRIANÇAS DE 3 A 4 ANOS PRATICANTES DE NATAÇÃO Laise Cordeiro Vaz 1 Prof. Dr. José Fernandes Filho 2 Resumo: O objetivo deste estudo foi analisar o desenvolvimento

Leia mais

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Necessidades humanas básicas: oxigenação Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Revisão Revisão O Fatores que afetam a oxigenação Fisiológicos; Desenvolvimento; Estilo de vida; Ambiental. Fisiológicos

Leia mais

MISCELÂNIA FISIOTERAPIA CARDIORRESPIRATÓRIA

MISCELÂNIA FISIOTERAPIA CARDIORRESPIRATÓRIA MISCELÂNIA FISIOTERAPIA CARDIORRESPIRATÓRIA CONTEÚDO FUNDAMENTOS DE FISIOTERAPIA MÉTODOS & TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO, TRATAMENTO & PROCEDIMENTOS EM FISIOTERAPIA PROVAS DE FUNÇÃO MUSCULAR, CINESIOLOGIA & BIOMECÂNICA

Leia mais

VOLUMES E CAPACIDADES PULMONARES: O AR CONTIDO NOS PULMÕES

VOLUMES E CAPACIDADES PULMONARES: O AR CONTIDO NOS PULMÕES I.-I ESPIROMETRJA INTRODUÇÃO o ar que está alojado dentro dos pulmões é constantemente renovado, permitindo, desta forma, que a hematose se concretize. Mas, para tanto, é necessário que os pulmões mantenham

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

Conceitos Básicos em VM invasiva

Conceitos Básicos em VM invasiva Conceitos Básicos em VM invasiva Marcelo Alcantara Holanda Prof Adjunto de Medicina Clínica, UFC Hospital Universitário Walter Cantídio - HUWC UTI respiratória do Hospital de Messejana, Fortaleza, CE Ventilação

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas VARIÁVEIS MANIPULÁVEIS

Leia mais

DIFERENÇA DE RESULTADOS EM TREINOS AERÓBIOS DE ALTA INTENSIDADE COM E SEM INGESTÃO DE ÁGUA E BEBIDAS ISOTÔNICAS Guilherme Giorgi Pauleti Moreira

DIFERENÇA DE RESULTADOS EM TREINOS AERÓBIOS DE ALTA INTENSIDADE COM E SEM INGESTÃO DE ÁGUA E BEBIDAS ISOTÔNICAS Guilherme Giorgi Pauleti Moreira DIFERENÇA DE RESULTADOS EM TREINOS AERÓBIOS DE ALTA INTENSIDADE COM E SEM INGESTÃO DE ÁGUA E BEBIDAS ISOTÔNICAS Guilherme Giorgi Pauleti Moreira RESUMO O presente trabalho visa mostrar o quanto é importante

Leia mais

Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos. Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP

Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos. Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP CPAP - Definição Pressão de Distensão Contínua Manutenção de uma

Leia mais

Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular. Helena Santa-Clara

Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular. Helena Santa-Clara Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular Helena Santa-Clara Conteúdos Adaptações agudas e crónicas ao exercício Frequência cardíaca Volume sistólico e fracção de ejecção Débito cardíaco Pressão

Leia mais

04/06/2012. Rancho Los Amigos - Dowey / Califórnia. Assistência Ventilatória no Domicílio. Epidemia de Poliomielite 1953 Rancho Los Amigos

04/06/2012. Rancho Los Amigos - Dowey / Califórnia. Assistência Ventilatória no Domicílio. Epidemia de Poliomielite 1953 Rancho Los Amigos Assistência Ventilatória no Domicílio Marco Antônio Soares Reis Hospital Madre Teresa - Belo Horizonte Hospital Universitário São José Rancho Los Amigos - Dowey / Califórnia Epidemia de Poliomielite 1953

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO PARA USO DE ESPAÇADOR

PROTOCOLO CLÍNICO PARA USO DE ESPAÇADOR 24/05/2010 Revisão: ----------------- 15/06/2010 Página: 1 / 5 1. INTRODUÇÃO As crises de broncoespasmo são uma das principais causas de procura ao atendimento emergencial em pronto-atendimento de pediatria,

Leia mais

Professor da Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (Brasil)

Professor da Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (Brasil) ATIVIDADES FÍSICAS E NATAÇÃO NA TERCEIRA IDADE: RELAÇÃO ENTRE A DOSAGEM E A RESPOSTA AO EXERCÍCIO, A PRESCRIÇÃO DE ATIVIDADES FÍSICAS, CUIDADOS HIGIÊNICOS E COM O SISTEMA-APARELHO AUDITIVO, ENTRE OUTROS

Leia mais

3 Ventilador Pulmonar

3 Ventilador Pulmonar 3 Ventilador Pulmonar Neste capítulo são descritos fundamentos teóricos que ajudam a melhor entender o funcionamento dos ventiladores pulmonares (VP), também chamados de ventiladores mecânicos. Discute-se

Leia mais

FUNÇÃO PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO-CORALISTAS

FUNÇÃO PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO-CORALISTAS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 FUNÇÃO PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO-CORALISTAS Camila de Moraes Rosa 1 ; Juliana policarpo Teodoro

Leia mais

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Prevenir é o melhor remédio para uma boa saúde, evitando-se as doenças e suas complicações. Problemas respiratórios, por exemplo, podem se tornar

Leia mais

O desafio de deixar de fumar

O desafio de deixar de fumar O desafio de deixar de fumar O uso do cigarro tem como objetivo a busca por efeitos prazerosos desencadeados pela nicotina, melhora ime - diata do raciocínio e do humor, diminuição da ansiedade e ajuda

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL

ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL Gabriela

Leia mais

ATUAÇÃO DA HIDROTERAPIA EM PATOLOGIAS TRATADAS NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE NOVAFAPI

ATUAÇÃO DA HIDROTERAPIA EM PATOLOGIAS TRATADAS NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE NOVAFAPI ATUAÇÃO DA HIDROTERAPIA EM PATOLOGIAS TRATADAS NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE NOVAFAPI INTRODUÇÃO Luana Gabrielle de França Ferreira NOVAFAPI Luciana Gomes Cariri NOVAFAPI Maria José Magalhães

Leia mais

Reabilitação Pulmonar. Ft. Andréa Carvalho Centro de Reabilitação Pulmonar - EPM

Reabilitação Pulmonar. Ft. Andréa Carvalho Centro de Reabilitação Pulmonar - EPM Reabilitação Pulmonar Ft. Andréa Carvalho Centro de Reabilitação Pulmonar - EPM Reabilitação Pulmonar Definição Programa multiprofissional de cuidados a pacientes com alteração respiratória crônica, que

Leia mais

Efeitos da fisioterapia na força muscular respiratória do idoso: revisão de literatura

Efeitos da fisioterapia na força muscular respiratória do idoso: revisão de literatura Efeitos da fisioterapia na força respiratória do idoso: revisão de literatura Flávia Alves de Abreu 1, Ingrid Maziero Cheles 1, Maíra de Freitas Souza 1, Michelle Pereira Lima 1, Rafael Bossolan 1, Andréa

Leia mais

Δt 16 2 14 μs 14 10. A distância percorrida (d) nesse intervalo de tempo é igual a duas vezes a espessura (e) da artéria. Assim: v Δt 1500 14 10

Δt 16 2 14 μs 14 10. A distância percorrida (d) nesse intervalo de tempo é igual a duas vezes a espessura (e) da artéria. Assim: v Δt 1500 14 10 Thyaggo Raphaell 1. Baseado nas propriedades ondulatórias de transmissão e reflexão, as ondas de ultrassom podem ser empregadas para medir a espessura de vasos sanguíneos. A figura a seguir representa

Leia mais

Por que os peixes não se afogam?

Por que os peixes não se afogam? Por que os peixes não se afogam? A UU L AL A Dia de pescaria! Juntar os amigos para pescar num rio limpinho é bom demais! Você já reparou quanto tempo a gente demora para fisgar um peixe? Como eles conseguem

Leia mais

Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos. Módulo 2: OXIGÊNIO

Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos. Módulo 2: OXIGÊNIO Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos Módulo 2: OXIGÊNIO Que danos podem ser causados por falta de oxigênio? E pelo excesso de oxigênio? Quais maneiras de se fornecer oxigênio

Leia mais

ASMA E EXERCÍCIO ASTHMA AND EXERCISE

ASMA E EXERCÍCIO ASTHMA AND EXERCISE Rev Asma Bras e Exercício. Crescimento Desenvolv Hum. 2008;18(2):209-213 Rev Bras Crescimento Desenvolv ARTIGO Hum. 2008;18(2):209-213 DE OPINIÃO OPINION ARTICLE ASMA E EXERCÍCIO ASTHMA AND EXERCISE Iara

Leia mais

Dr. Milton Mizumoto Diretor Médico da Corpore

Dr. Milton Mizumoto Diretor Médico da Corpore Manual do corredor n Este manual tem como objetivo orientar o corredor iniciante que pretende praticar corridas em busca de bem estar e condicionamento físico. n São dicas aprendidas em livros e observações

Leia mais

TRANSPORTE DE GASES NO SANGUE. Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular Setor de Ciências Biológicas

TRANSPORTE DE GASES NO SANGUE. Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular Setor de Ciências Biológicas TRANSPORTE DE GASES NO SANGUE Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular Setor de Ciências Biológicas ANATOMIA DO SISTEMA RESPIRATÓRIO ESTRUTURA DAS VIAS AÉREAS ESQUERDO WEST 2002 VASOS ALVEOLARES

Leia mais